PLANO DE MANEJO DA ZPA-1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE MANEJO DA ZPA-1"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE FUNDAÇÃO NORTE-RIO-GRANDENSE DE PESQUISA E CULTURA DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE E URBANISMO PLANO DE MANEJO DA ZPA-1 NATAL/RN 2008

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE FUNDAÇÃO NORTE-RIO-GRANDENSE DE PESQUISA E CULTURA DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PLANO DE MANEJO DA ZPA-1 NATAL/RN 2008

3 EQUIPE TÉCNICA Aldo Aloísio Dantas da Silva Formação: Geógrafo Pós-graduação: Doutor em Geografia/USP Responsável pelos Programas de Manejo - aspectos sócio-econômicos Boisbaudran de Oliveira Imperiano Formação: Advogado e Biólogo Pós-graduação: Especialista em Direito Ambiental, Especialista em Direito do Trabalho e Especialista em Gerenciamento Ambiental Órgão de Classe: OAB/RN 475-A Responsável pela Estrumação da Minuta de Lei Cícero Onofre de Andrade Neto Formação: Engenheiro Civil Pós-graduação: Doutor em Recursos Naturais (Recursos Hídricos) Órgão de Classe: CREA/RN Responsável pela infra-estrutura de saneamento Edílson Alves de Carvalho Formação: Geógrafo Pós-graduação: Doutor em Geografia/UNESP Rio Claro Órgão de Classe: CREA/RN Responsável pela Coordenação Geral Elias Nunes Formação: Geógrafo Pós-graduação: Doutor em Geografia/UNESP Rio Claro Órgão de Classe: CREA/RN 3686-D Responsável pelo Programas de Manejo - aspectos ambientais Iracema Miranda da Silveira Formação: Geógrafa Pós-graduação: Mestre em Geodinâmica/UFRN Órgão de Classe: CREA 3459-D Responsável pelo Zoneamento e Programas de Manejo estruturação e aspectos ambientais Luiz Antonio Cestaro Formação: Ecólogo Pós-graduação: Doutor em Ecologia e Recursos Naturais pela UFSCar Responsável pelo Zoneamento e Programas de Manejo estruturação e aspetos da vegetação e fauna Paulo César de Araújo Formação: Geólogo Pós-graduação: Doutor em Geociências e Meio Ambiente Órgão de Classe: CREA Responsável Zoneamento e Programas de Manejo Geoprocessamento

4 Rosa Maria Pinheiro de Oliveira Formação: Arquiteta Pós-graduação: Mestranda em Arquitetura e Urbanismo Órgão de Classe: CREA/RN 1879 Responsável pelo Zoneamento e Programas de Manejo - estruturação urbanística Zuleide Maria Carvalho Lima Formação: Geógrafa Pós-graduação: Doutora em Geodinâmica/UFRN Órgão de Classe: CREA Responsável pelo Zoneamento e Programas de Manejo - estruturação ambiental Tarik de Sousa Araújo Formação: Geógrafo Órgão de Classe: CREA Auxiliar no Geoprocessamento Apoio Técnico Adriana Cristina Soares Rocha Formação: Assistente Social Pós-graduação: Especialista em Gestão Ambiental e Políticas Públicas Mestranda em Geografia Órgão de Classe: CRESS 1847/RN 14ª REGIÃO Responsável pelo Programa de Educação Ambiental Daisy do Carmo Sousa Formação: Graduada em Comunicação Social e Meio Ambiente Responsável pela Comunicação Social do projeto

5 LISTA DE MAPAS Páginas 1 Geomorfológico e Geológico da área da ZPA Mapa de Cobertura Vegetal da Zona de Proteção Ambiental - ZPA Mapa de uso e ocupação do solo Mapa da ZPA-1 conforme Lei nº 4.664/ Zoneamento proposto para a ZPA-1 (Anexo 1) Integração com o entorno da ZPA-1 (Anexo 3)

6 LISTA DE FOTOS Páginas 1 - A Mostra a feição de tabuleiro costeiro (Formação Barreiras), relevo plano com duna vegetada sobreposta e B estrutura maciça e granulometria variada Corredores interdunareas abertos Corredor interdunar fechado Dunas fixas Duna móvel A Aspecto geral da Formação Barreiras na porção SW da área do empreendimento; B Sedimentos areno-argilosos da Formação Barreiras; C Detalhe de gretas de ressecamento na porção basal da encosta do afloramento; D Detalhe de grãos de quartzo e fragmentos de rocha, distribuídos na matriz argilosa dos sedimentos da Formação Barreiras A, B, C, D - Aspecto geral dos depósitos eólicos (dunas antigas) que se distribuem por toda a área de estudo Os perfis A e B mostra solo neossolo quartzarênico distrófico marinho na ZPA

7 LISTA DE QUADROS Páginas 1 - Matriz para integração entre o grau de intervenção e classificação dos objetivos de manejo Critérios Adotados para Enquadramento das Zonas da ZPA Limitação do número de visitantes da Zona de Uso Extensivo ZUE Limitação do número de visitantes da SZUE Limitação do número de visitantes da SZUE Limitação do número de usuários da SZUE Limitação do número de usuários da ZUE Prescrições urbanísticas da SZUC Prescrições urbanísticas da SZUC Prescrições urbanísticas da Zona de Urbanização Controlada Programas e Subprogramas constituintes do Plano de Manejo da Zona de Proteção Ambiental (ZPA-1) Subprograma de Conhecimento constituinte do Plano de Manejo da Zona de Proteção Ambiental (ZPA-1) Subprogramas de Gestão Ambiental Constituintes do Plano de Manejo da Zona de Proteção Ambiental (ZPA-1) Estabelecimento de Padrões Para o Uso Público Compatível com as Metas Ambientais e Capacidade de Suporte da ZPA-1: Zona Primitiva - ZP Estabelecimento de Padrões Para o Uso Público Compatível com as Metas Ambientais e Capacidade de Suporte da ZPA- 1: Zona de Uso Extensivo - SZUE 1 Trilha Interpretativa do Parque Municipal Estabelecimento de Padrões Para o Uso Público Compatível com as Metas Ambientais e Capacidade de Suporte da ZPA- 1: Zona de Uso Extensivo - SZUE-2 - Canteiro de Reprodução de Mudas Estabelecimento de Padrões Para o Uso Público Compatível com as Metas Ambientais e Capacidade de Suporte da ZPA- 1: Zona de Uso Extensivo - SZUE 4 Campo de Futebol da Duna Estabelecimento de Padrões Para o Uso Público Compatível com as

8 Metas Ambientais e Capacidade de Suporte da ZPA- 1: Zona de Uso Especial Estabelecimento de Padrões Para o Uso Público Compatível com as Metas Ambientais e Capacidade de Suporte da ZPA- 1: Zona de Uso Conflitante ZUC - SZUC Estabelecimento de Padrões Para o Uso Público Compatível com as Metas Ambientais e Capacidade de Suporte da ZPA- 1: Zona de Uso Conflitante - SZUC Estabelecimento de Padrões Para o Uso Público Compatível com as Metas Ambientais e Capacidade de Suporte da ZPA- 1: Zona de Uso Conflitante - SZUC Estabelecimento de Padrões Para o Uso Público Compatível com as Metas Ambientais e Capacidade de Suporte da ZPA- 1: Zona de Urbanização Controlada Subprogramas de Infraestruturação Urbana Constituintes do Plano de Manejo da Zona de Proteção Ambiental (ZPA-1) Subprogramas de Integração Constituinte do Plano de Manejo da Zona de Proteção Ambiental (ZPA-1) Subprogramas de Recuperação Ambiental Constituinte do Plano de Manejo da Zona de Proteção Ambiental (ZPA-1) Ações provocadoras de degradação e sistemas de recuperação sugeridos para a Zona Primitiva Subprogramas de Gestão Institucional Constituinte do Plano de Manejo da Zona de Proteção Ambiental (ZPA-1) Planejamento da Fase I Implementação do Plano de Manejo da ZPA

9 SUMÁRIO Páginas 1 ASPECTOS GERAIS DO PLANO DE MANEJO DA ZPA Apresentação Contextualização Sócio-Ambiental CARACTERIZAÇÃO DA ZPA Meio Físico Fatores Climáticos Caracterização das Condições Climáticas Geomorfologia Tabuleiro Costeiro Campo de Dunas Lagoas Temporárias Geologia Formação Barreiras Depósitos Eólicos (Dunas Antigas) Solos Hidrogeologia Meio Biológico Flora Fauna Meio Antrópico Aspectos Sócio-econômicos Uso do Solo PLANEJAMENTO DE MANEJO Considerações Gerais PROPOSTA PARA O ZONEAMENTO AMBIENTAL DA ZPA Aspectos Metodológicos Seleção, Características Orientações para o Manejo das Zonas Discriminação, Delimitação das Zonas e Orientação para o Manejo Zona Primitiva ZP Zona de Uso Extensivo ZUE... 49

10 4.3.3 Zona de Uso Especial Zona de Uso Conflitante ZUC Zona de Urbanização Controlada Zona Intangível ZONEAMENTO DO ENTORNO PROGRAMAS DE MANEJO E DESENVOLVIMENTO Considerações Iniciais Programa de Conhecimento Subprograma de Estudos e Pesquisa Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Criação e Instalação da Estrutura, Logística e Procedimentos para o Desenvolvimento de Estudos e Pesquisas Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Priorização de Temáticas para a Realização de Estudos e Pesquisas Subprograma de Monitoramento Ambiental Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Monitoramento da Flora Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Monitoramento da Fauna Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Monitoramento Climático Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Monitoramento do Meio Físico Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Monitoramento dos Recursos Hídricos Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Monitoramento das Interações Sociais Programa de Gestão Ambiental Subprograma de Administração Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Implantação da Infra-estrutura Física e Logística para a Gestão da ZPA-1 e do Parque Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica

11 Capacitação e Treinamento Básico do Efetivo de Funcionários e Agentes Ambientais Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégia de Controle Orientações para o Desenvolvimento da Ação Estratégica Fiscalização, Segurança e Prevenção de Acidentes Subprograma de Infra-estruturação Urbana Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Gestão de Esgotos Orientações para o Desenvolvimento da Ação Estratégica Adequação da Drenagem Urbana Orientações para o Desenvolvimento da Ação Estratégica Gestão de Resíduos Sólidos Orientações para o Desenvolvimento da Ação Estratégica Adequação do Sistema Viário Subprograma de Integração Orientações para o Desenvolvimento da Ação Estratégica Comunicação e Marketing Orientações para o Desenvolvimento da Ação Estratégica Educação Ambiental para a Clientela do Ensino Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Educação Ambiental para as Comunidades do Entorno Orientações para o Desenvolvimento da Ação Estratégica Sinalização Informativa e Educativa Subprograma de Recuperação Ambiental Orientações para o Desenvolvimento da Ação Estratégica Recuperação de Áreas Degradadas Orientações Metodológicas para a Recuperação Ambiental Orientações para o Desenvolvimento da Ação Estratégica Reordenamento do Uso do Solo Programa de Gestão Institucional Subprograma de Gestão Compartilhada Subprograma de Cooperação Institucional Orientações para Desenvolvimento da Ação Estratégica Estruturação de Sistemática para Acompanhamento, Complementação

12 e Revisão do Plano de Manejo Orientações para Organização Temporal das Ações do Plano de Manejo BIBLIOGRAFIA ANEXO 1 - Zoneamento proposto para a ZPA-1 ANEXO 2 - Limites das unidades definidas no Mapa de Zoneamento da Zona de Proteção Ambiental 1 ZPA-1 ANEXO 3 - Integração com o entorno da ZPA-1 ANEXO 4 - Minuta de instrumento normativo para regulamentar o zoneamento da ZPA-1

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA ZPA-1 NATAL

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA ZPA-1 NATAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE FUNDAÇÃO NORTE-RIO-GRANDENSE DE PESQUISA E CULTURA DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE E URBANISMO

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014.

SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014. SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014. Consulta Questionário GERCOs UFs 2014 Consulta GERCOs UFs - Objetivo: coletar informações institucionais, normativas, bem

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL/RN SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E PROJETOS ESTRUTURANTES - SEHARPE

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL/RN SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E PROJETOS ESTRUTURANTES - SEHARPE PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL/RN SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E PROJETOS ESTRUTURANTES - SEHARPE START - PESQUISA E CONSULTORIA TÉCNICA LTDA. PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) TR GERAL

Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) TR GERAL Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) TR GERAL ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) ATENÇÃO O ESTUDO DEVE CONTER, COMO ITEM OBRIGATÓRIO, UMA FOLHA

Leia mais

PATRIMÔNIO AMBIENTAL

PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO Conjunto de direitos e obrigações de uma pessoa PATRIMÔNIO Bem ou conjunto de bens culturais ou naturais valor reconhecido para determinada localidade, região, país, ou

Leia mais

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12.

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12. POL 5.3.1.16-1 1 / 12 POL 5.3.1.16-1 2 / 12 POL 5.3.1.16-1 3 / 12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. DA VALEC S.A.... 6 3. OBJETIVOS PROPOSTOS E METAS PARA O PRIMEIRO ANO... 7 4. NORMAS AMBIENTAIS PROPOSTAS...

Leia mais

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOAO PESSOA Secretaria Municipal de Planejamento EXERCÍCIO: 0 ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ÓRGÃO: Projeto/Atividade Objetivo Denominação da Meta Unid.

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

Art. 5. (...) XXII é garantido o direito de propriedade; XXIII a propriedade atenderá a sua função social;

Art. 5. (...) XXII é garantido o direito de propriedade; XXIII a propriedade atenderá a sua função social; Art. 5. (...) XXII é garantido o direito de propriedade; XXIII a propriedade atenderá a sua função social; Áreas urbanizadas do Brasil, segundo os estratos de população urbana: 21.285 285km 2 ; Território

Leia mais

7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 7.1. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E SEGURANÇA DO AMBIENTE DE TRABALHO

7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 7.1. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E SEGURANÇA DO AMBIENTE DE TRABALHO 7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL O plano de controle e monitoramento técnico e ambiental tem como objetivo propor soluções para controlar e/ou atenuar os impactos ambientais adversos gerados

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce

Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce Joema Gonçalves de Alvarenga Secretária Executiva do CBH-Doce A BACIA DO RIO DOCE 2 Características Gerais da Bacia do Rio Doce Área da bacia 86.715 km² Extensão do curso principal Aprox. 850 km População

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, tendo em vista as competências que lhe foram conferidas pela Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Viabilidade Ambiental (EVA) Atividades Florestais

Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Viabilidade Ambiental (EVA) Atividades Florestais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Viabilidade Ambiental (EVA) Atividades Florestais

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA SECRETARIA DE MUNICÍPIO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA SECRETARIA DE MUNICÍPIO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA SECRETARIA DE MUNICÍPIO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE SANTA MARIA PLAMSAB

Leia mais

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE 1. TURNO: Noturno MODALIDADE: Saneamento ÁREA: Meio Ambiente e Tecnologia da Saúde GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Meio Ambiente PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 3 anos Máximo =

Leia mais

14ª Reunião Regional do CB27

14ª Reunião Regional do CB27 14ª Reunião Regional do CB27 SEMURB NATAL SECRETÁRIO MARCELO ROSADO FEVEREIRO 2016 1- Inventário Florístico Levantamento Quali-Quantitativo das Espécies Arbóreas da Cidade do Natal-RN 1.1 Plano municipal

Leia mais

Texto da Dibap p/ Intranet

Texto da Dibap p/ Intranet Texto da Dibap p/ Intranet DIBAP A Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas tem como missão: empreender ações para a conservação da biodiversidade fluminense, administrar as unidades de conservação

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PORTOS VERA REGINA PEREIRA LIMA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PORTOS VERA REGINA PEREIRA LIMA VERA REGINA PEREIRA LIMA Arquiteta e Gestora Ambiental. Auditora Lider ISO14001 O QUE É LICENCIAMENTO AMBIENTAL? Ato administrativo definido pela Legislação Ambiental nas esferas federal e estadual relativo

Leia mais

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOAO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO EXERCÍCIO: 200 ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ÓRGÃO: Projeto/Atividade Objetivo Denominação da Meta Unid.

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA SEPLAG/IBRAM Nº 02, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2009 DODF de 10.02.2009

PORTARIA CONJUNTA SEPLAG/IBRAM Nº 02, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2009 DODF de 10.02.2009 PORTARIA CONJUNTA SEPLAG/IBRAM Nº 02, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2009 DODF de 10.02.2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DO DISTRITO FEDERAL e o PRESIDENTE DO INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE E DOS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência tem como objetivo

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR E EMPRESA CONSULTORA

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR E EMPRESA CONSULTORA 1/16 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR E EMPRESA CONSULTORA 1. empreendedor ou Razão Social Superintendência de Desenvolvimento Industrial e Comercial - SUDIC Número do CNPJ 40.556.276/0001-75 Endereço

Leia mais

RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA

RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA Governo do Estado de Minas Gerais Sistema Estadual de Meio Ambiente Gerência de Projetos e Pesquisas Referências Bibliográficas RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA Gerencia de Projetos e Pesquisa Janeiro /2011 Governo

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS O presente Termo de Referência visa a orientar a elaboração de programas de educação

Leia mais

PDDU / CAUCAIA TERMOS DE REFERÊNCIA

PDDU / CAUCAIA TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXOS 1 TASSO RIBEIRO JEREISSATI GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ FRANCISCO DE QUEIROZ MAIA JÚNIOR SECRETÁRIO DE INFRAESTRUTURA DO ESTADO DO CEARÁ DOMINGOS JOSÉ BRASILEIRO PONTES PREFEITO MUNICIPAL DE CAUCAIA

Leia mais

PLANO DIRETOR E DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DE NATAL

PLANO DIRETOR E DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DE NATAL PLANO DIRETOR E DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DE NATAL Luciano Rebello da Cunha Melo Secretário Adj. de Planejamento de Obras - SEMOPI Fone: 84 3232-8109 Email: luciano.rebello@natal.rn.gov.br

Leia mais

MÓDULO II - DIAGNÓSTICO

MÓDULO II - DIAGNÓSTICO MÓDULO II - DIAGNÓSTICO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica Documento de referência RBMA: Subsídios para Marco Regulatório de Mosaicos de Áreas Protegidas versão 1.0 agosto 2009 I Definição e base conceitual: 1 Os mosaicos foram definidos no SNUC a partir de: LEI

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE HORIZONTE ANEXO VIII (EDITAL DE CONCURSO 01/2014) Atribuições sumárias dos cargos

PREFEITURA MUNICIPAL DE HORIZONTE ANEXO VIII (EDITAL DE CONCURSO 01/2014) Atribuições sumárias dos cargos ANEXO VIII (EDITAL DE CONCURSO 01/2014) Atribuições sumárias dos cargos ADMINISTRADOR Desempenhar atividades relativas à administração de pessoal, material, orçamento, organização e métodos, sistemas de

Leia mais

REVISÃO E ATUALIZAÇÃO

REVISÃO E ATUALIZAÇÃO PREFEITURA DE SOROCABA 1ª AUDIÊNCIA PÚBLICA REVISÃO E ATUALIZAÇÃO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICOTERRITORIAL 1 OBJETIVO 1ª Audiência Pública APRESENTAÇÃO DAS PRINCIPAIS PROPOSTAS DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DE BRASIL NOVO, MEDICILÂNDIA, URUARÁ E PLACAS PROJETO042/2014

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP Diretrizes para apresentação projeto licenciamento Licença Prévia LP A documentação técnica abaixo relacionada ve servir para análise e posterior emissão ou inferimento Licença Prévia - LP. A documentação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

TERMO DE REFERÊNCIA. Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO PARA PROJETOS DE ARMAZENAMENTO E REVENDA DE RECIPIENTES

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Cemitérios - Licença Prévia (LP) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Cemitérios - Licença Prévia (LP) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Cemitérios - Licença Prévia (LP) - Avenida Nascimento de Castro,

Leia mais

Dispõe sobre a criação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC e dá outras providências.

Dispõe sobre a criação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC e dá outras providências. LEI Nº 2.138, de 11 de maio de 1994 LEI 2.138 11/05/94 13.05.94 LEGISLATIVO Dispõe sobre a criação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO

Leia mais

PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - PLANSAB

PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - PLANSAB Implementação do Marco Regulatório do Saneamento Ambiental PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - PLANSAB Ernani Ciríaco de Miranda Diretor da DARIN/SNSA/MCIDADES Belo Horizonte, 20 de março de 2013 Art.

Leia mais

PROJETOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA

PROJETOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA PROJETOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA CASE: PASSO A PASSO SUMÁRIO Principais benefícios de Investir em energia eólica no Brasil. Etapas para implantação de um parque eólico e investimentos associados.

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL rocha. e.b Geógrafo - Mestrando em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento

Leia mais

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB CRUZ CE Reunião de Planejamento ETAPA IV (Produto D) ETAPA V (Produto E) ETAPA VI (Produto F) ETAPA VIII (Produto H) ETAPAS DO PMSB ETAPA I (Produto A) - Formação

Leia mais

II.7.4 Projeto de Educação Ambiental

II.7.4 Projeto de Educação Ambiental 1 / 11 Este compõe o Estudo de Impacto EIA elaborado pela PETROBRAS para atender ao Termo de Referência nº 51/02, referente ao licenciamento ambiental do Campo de Siri. Em 29 de agosto de 2003, durante

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 034 Recuperação Geológica de Áreas de Risco Contenção de Encostas SUB-FUNÇÃO: 543 RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADAS Identificar áreas de risco; desenvolver projetos

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás Natural e Petróleo no Bloco BC-20, Bacia de Campos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás Natural e Petróleo no Bloco BC-20, Bacia de Campos 1 / 15 - EQUIPE TÉCNICA Equipe da Petrobras Aldo de Brito Magalhães Técnico de Segurança Registro no Conselho de Classe MTB 37/02027-1 50892 II.7.5 (Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores) Alexandre

Leia mais

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 6.3.3.2.1 - Objetivo Geral...

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL

TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL Edio Elói Frizzo; Roberto Carlos da Silva Alves; Maria do Carmo S. Ekman. Currículo dos autores: Edio Elói

Leia mais

Programa de Pós Graduação FAPAM

Programa de Pós Graduação FAPAM TÍTULO: CIÊNCIAS AMBIENTAIS Programa de Pós Graduação FAPAM APRESENTAÇÃO: O curso aborda, de modo inovador, as questões ambientais cotidianas e emergentes. O curso no nível conceitual e prático faz uma

Leia mais

RESULTADO DA SELEÇÃO

RESULTADO DA SELEÇÃO RESULTADO DA SELEÇÃO CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - TERMO DE REFERENCIA Nº 04 Perfil: Técnico Pleno Produto:

Leia mais

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL CEASA GO.

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL CEASA GO. PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL CEASA GO. Breve Currículo José Rodrigues de Oliveira Filho Mestrando em Ecologia e Produção Sustentável pela PUC-GO, Pós-Graduado em Gestão Ambiental pela UCG, Economista e publicitário.

Leia mais

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS PARA ELABORAÇÃO de ESTUDOS AMBIENTAIS,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL. Resumo

CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL. Resumo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Curso de Engenharia Ambiental CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Resumo Ouro Preto, maio de 2004 1. Objetivos do Curso

Leia mais

CIRCULAR 102/2007 Paranaguá, 22 de junho de 2007. Ref.: PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO SÓCIO-AMBIENTAL PORTUÁRIA

CIRCULAR 102/2007 Paranaguá, 22 de junho de 2007. Ref.: PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO SÓCIO-AMBIENTAL PORTUÁRIA Sindicato dos Operadores Portuários do Estado do Paraná Av. Coronel José Lobo, 734 Fone:(41) 3422.8000 Fax: (41) 3423.2834 Paranaguá - PR E-mail: sindop@sindop.org.br - www.sindop.org.br CIRCULAR 102/07

Leia mais

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS DA AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE SANTO ANDRÉ-SP

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS DA AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE SANTO ANDRÉ-SP COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS DA AMPLIAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE SANTO ANDRÉ-SP Robson da Silva Moreno Arquiteto e urbanista formado pela PUC-Campinas (1990), mestre em estruturas ambientais urbanas pela Faculdade

Leia mais

ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. MISSÃO, VISÃO E VALORES 3. EQUIPE 4. SERVIÇOS 5. TRABALHOS REALIZADOS 6. CLIENTES 7. PARCEIROS

ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. MISSÃO, VISÃO E VALORES 3. EQUIPE 4. SERVIÇOS 5. TRABALHOS REALIZADOS 6. CLIENTES 7. PARCEIROS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. MISSÃO, VISÃO E VALORES 3. EQUIPE 4. SERVIÇOS 5. TRABALHOS REALIZADOS 6. CLIENTES 7. PARCEIROS 3 4 5 6 9 14 15 1. APRESENTAÇÃO A VETIVER Consultoria e Projetos Ambientais é u

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

O Estatuto da Cidade

O Estatuto da Cidade Flektor Engenharia e Consultoria O Estatuto da Cidade Implicações e Reflexos sobre o Planejamento Interfaces com Planos Diretores O Estatuto da Cidade Lei n.º 10.257 de 10 de julho de 2001 Regulamenta

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADAS PELA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO CAMPO DE DUNAS DA TAÍBA, SÃO GONÇALO DO AMARANTE CE.

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADAS PELA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO CAMPO DE DUNAS DA TAÍBA, SÃO GONÇALO DO AMARANTE CE. ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADAS PELA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO CAMPO DE DUNAS DA TAÍBA, SÃO GONÇALO DO AMARANTE CE. DANTAS, F. N. M.; SILVA, A. de A.; VIEIRA, F. F. de S.; SOUSA, D. V. de; RIBEIRO,

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO

NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO Giane Roberta Jansen Paula Batistello Docente, Mestre em Engenharia Ambiental, Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade. CARACTERIZACÃO AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SANGUE, JAURU - MT, VISANDO O LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Aldo Max Custódio (1) ; Ms. Juberto Babilônia de

Leia mais

Matriz curricular do curso de graduação em Engenharia Ambiental campus de Chapecó Turno integral

Matriz curricular do curso de graduação em Engenharia Ambiental campus de Chapecó Turno integral Matriz curricular do curso de graduação em Engenharia Ambiental campus de Chapecó Turno integral 1 a 01 Matemática C 4 60-02 Geometria Analítica 4 60-03 Biologia Geral 3 45-04 Produção Textual Acadêmica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi Justificativa para a criação da Unidade de Conservação - Ponta de Pirangi Os recifes de corais são ecossistemas que abrigam grande biodiversidade marinha, tendo, portanto uma grande relevância ecológica,

Leia mais

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG

III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG III-258 UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM NA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES PAISAGÍSTICAS DESTINADAS A ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG Fabiano de Jesus Ribeiro (1) Técnico em Topografia pela Escola Média

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 Porto Alegre, março de 2014 APRESENTAÇÃO Este documento visa atender a condicionante 8.5 das Licenças de Operação LO LO 7961/2012, concedida a Vêneto

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br AGRONOMIA COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 65 Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

ÍNDICE 30. PROGRAMA DE APOIO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO... 2. 30.1. Introdução... 2. 30.2. Justificativa...

ÍNDICE 30. PROGRAMA DE APOIO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO... 2. 30.1. Introdução... 2. 30.2. Justificativa... ÍNDICE 30. PARA O CONSUMO HUMANO... 2 30.1. Introdução... 2 30.2. Justificativa... 3 30.3. Objetivos do Programa... 4 30.4. Metas... 4 30.5. Indicadores Ambientais... 4 30.6. Público-Alvo... 5 30.7. Metodologia

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do Rio Grande do Norte

Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do Rio Grande do Norte Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do

Leia mais

Projeto Quintais Amazônicos

Projeto Quintais Amazônicos Projeto Quintais Amazônicos BOLETIM INFORMATIVO DO PROJETO QUINTAIS AMAZÔNICOS - MAIO - Nº.01 CONHEÇA 0 PROJETO QUE IRÁ GERAR NOVAS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS, INCLUSÃO SOCIAL E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL PARA

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 89 DE 03 DE JUNHO DE 2014 DISPÕE SOBRE AS PROPORÇÕES MÍNIMAS APLICÁVEIS PARA REPOSIÇÃO

Leia mais

205 - MONTAGEM DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA ASSOCIADA AO BANCO DE DADOS CONVENCIONAL DA FAZENDINHA AGROECOLÓGICA KM 47 1

205 - MONTAGEM DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA ASSOCIADA AO BANCO DE DADOS CONVENCIONAL DA FAZENDINHA AGROECOLÓGICA KM 47 1 Uso e Conservacao dos Recursos Naturais Monferrer 205 - MONTAGEM DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA ASSOCIADA AO BANCO DE DADOS CONVENCIONAL DA FAZENDINHA AGROECOLÓGICA KM 47 1 Eli Lino de Jesus 2 ; Ricardo

Leia mais

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018.

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. 1. Considerações iniciais. O Sistema CONFEA/CREA. O Sistema CONFEA/CREA é constituído por um Conselho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓREITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Fase Cód. Disciplina I II III IV V VI Matriz Curricular do curso de Engenharia Civil PréReq.

Leia mais

Associação Brasileira de Consultores de Engenharia

Associação Brasileira de Consultores de Engenharia ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia Filiada à Federación Panamericana de Consultores FEPAC. Membro do Conselho Consultivo da Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP. Banco de Dados

Leia mais

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva ESTRUTURA DE ORGANIZACIONAL DO PROGRAMA O esquema organizacional do Programa,

Leia mais

Endereço (1) : Rua Aristides Novis, 2 Federação, CEP 40.210-630, Salvador-Bahia; Tel.: (71) 3203-9780; e-mail: severino@ufba.br

Endereço (1) : Rua Aristides Novis, 2 Federação, CEP 40.210-630, Salvador-Bahia; Tel.: (71) 3203-9780; e-mail: severino@ufba.br CONTROLE SOCIAL E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O PROCESSO PARTICIPATIVO DE CONSTRUÇÃO DA PROPOSTA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL COMO COMPONENTE DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE ALAGOINHAS, BAHIA Severino

Leia mais

MUNICÍPIO DE NOVA PONTE Plano Municipal de Saneamento Básico Plano de Trabalho

MUNICÍPIO DE NOVA PONTE Plano Municipal de Saneamento Básico Plano de Trabalho PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE NOVA PONTE CNPJ: 23.804.149/0001-29 Praça dos 3 Poderes, 1000 NOVA PONTE - MG CEP: 38160-000 Tel. (34) 3356-8000 Gestão 2013-2016 José Divino da Silva Prefeito Municipal Weber

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL/RN SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E PROJETOS ESTRUTURANTES - SEHARPE

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL/RN SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E PROJETOS ESTRUTURANTES - SEHARPE PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL/RN SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E PROJETOS ESTRUTURANTES - SEHARPE START - PESQUISA E CONSULTORIA TÉCNICA LTDA. PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA Fernando Alves Pinto ferpinto@ufv.

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA Fernando Alves Pinto ferpinto@ufv. 132 ENGENHARIA DE AGRIMENSURA COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA Fernando Alves Pinto ferpinto@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA ATUAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE 5. PROGRAMA DE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS DA OBRA EM QUESTÕES AMBIENTAIS, SAÚDE E SEGURANÇA... 2. 5.1 Introdução...

ÍNDICE 5. PROGRAMA DE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS DA OBRA EM QUESTÕES AMBIENTAIS, SAÚDE E SEGURANÇA... 2. 5.1 Introdução... ÍNDICE 5. EM QUESTÕES AMBIENTAIS, SAÚDE E SEGURANÇA... 2 5.1 Introdução... 2 5.2 Justificativa... 2 5.3 Objetivos... 3 5.4 Metas... 3 5.5 Indicadores Ambientais... 4 5.6 Público-Alvo... 4 5.7 Metodologia

Leia mais

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia SMAMA DDRGA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de

Leia mais

Impressão de Ato Jurídico

Impressão de Ato Jurídico 1 de 18 11/09/2015 15:12 Impressão de Ato Jurídico Ato: RESL-CONAMA-470-2015 Orgão: CONAMA Tipo: Resolução Data do Ato: 27/08/2015 Publicação: 28/08/2015 Âmbito: BR Revogado: Não CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Fernanda Amaral Dantas Sobral. Geóloga - CETESB/IPT

Fernanda Amaral Dantas Sobral. Geóloga - CETESB/IPT Análise do desenvolvimento do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno de Reservatórios Artificiais e contribuições para a elaboração de Termos de Referência Fernanda Amaral Dantas Sobral Geóloga

Leia mais

GERENCIAMENTO COSTEIRO NO ESPÍRITO SANTO

GERENCIAMENTO COSTEIRO NO ESPÍRITO SANTO GERENCIAMENTO COSTEIRO NO ESPÍRITO SANTO RENATO CORREA GOMES Coordenação de Gerenciamento Costeiro - IEMA Vitória, 22 de setembro de 2011 GERENCIAMENTO COSTEIRO O Gerenciamento Costeiro, mais conhecido

Leia mais