EDUCAÇÃO A POTÊNCIA DAS DIFERENÇAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO A POTÊNCIA DAS DIFERENÇAS"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO A POTÊNCIA DAS DIFERENÇAS Entrevista Emilia Ferreiro A favor do trabalho colaborativo entre as crianças, a psicolinguista Emilia Ferreiro fala sobre os impactos da tecnologia na linguagem e demonstra, por suas pesquisas, que a diversidade pode ser aproveitada em benefício dos alunos. Camila Ploennes e Deborah Ouchana "Há muito tempo no Brasil, uma das discussões era como fazer para ter turmas homogêneas. Eu briguei muito contra as turmas homogêneas. Porque ninguém pode controlar o ritmo de aprendizagem de cada criança", lembra Emilia Ferreiro, conhecida internacionalmente por sua vasta pesquisa na área de alfabetização. "Um dos temas que têm sido muito discutidos entre os professores agora é como trabalhar em pequenos grupos em sala de aula e como formar esses pequenos grupos", diz a psicolinguista argentina, referência para a educação brasileira desde os anos Tamanho reconhecimento é devido, sobretudo, ao fato de a pesquisadora ter comprovado o processo cognitivo e psicolinguístico da aquisição da escrita, ou seja, do papel ativo da criança em seu aprendizado, em detrimento da visão tradicional concentrada no desenho da letra. Em sua passagem pelo Brasil Emilia Ferreiro recebeu as subeditoras Camila Ploennes e Deborah Ouchana no hotel onde estava hospedada, na região central de São Paulo, para conceder a entrevista a seguir. Durante a conversa, a pesquisadora abordou questões tratadas em sua nova obra, como o multilinguismo no período de alfabetização e as tecnologias na educação. Segundo Emilia, pesquisas recentes têm se debruçado sobre como a variedade de línguas pode ser útil no trabalho pedagógico, em vez de um problema. Além disso, ela fala sobre como as crianças estão construindo indicadores de confiabilidade na internet, ou seja, encontrando maneiras próprias de identificar o quão sérios são os sites e as informações que acessam na rede. Aponta ainda que um dos desafios para os educadores é reconhecer e contar com a experiência das crianças e jovens com as novas tecnologias. E afirma que há uma busca excessiva e desnecessária por atualização dos aparatos tecnológicos nas escolas. Para ela, mesmo os computadores mais velhos podem ser muito úteis se tiverem um simples programa de edição de texto. Doutora em psicologia genética pela Universidade de Genebra (Suíça), Emilia Ferreiro foi a única latinoamericana orientada pelo psicólogo e epistemólogo Jean Piaget. Vivendo no México há mais de 30 anos, ela é pesquisadora emérita do Sistema Nacional de Investigadores e de sua própria instituição, o Centro de Investigación y Estudios Avanzados (Cinvestav) do Instituto Politécnico Nacional do México. Durante sua apresentação na Educar 2013, a senhora falou que está orientando uma tese de doutorado sobre indicadores de confiabilidade que as crianças estão construindo em relação à internet. Quais são esses indicadores e como elas constroem isso? Primeiro temos de entender qual é o problema. Nós crescemos na cultura do livro e construímos indicadores que nos permitem saber antes de começar a ler que isso é uma revista, isso é um livro, isso é um

2 jornal. E também podemos dizer "esse livro é sério". Pela maneira como é impresso, pelo desenho da capa, pela editora. Então, antes de começar a ler temos já uma série de antecipações sobre se vamos encontrar um livro com textos de ficção, com textos literários ou com textos informativos. E no caso dos textos informativos, podemos dizer se provavelmente a informação vai ser séria, responsável ou se é um lugar que apenas repete informações. Esses são os chamados indicadores de confiabilidade, que vão desde a aparência física do objeto, do autor, a editora, a tipografia utilizada, à qualidade do papel. E na internet? É muito difícil olhar um site e concluir se é um lugar confiável ou não. E quando se faz uma busca com fins de estudo, ou seja, achar uma informação que tenho de considerar como válida, é importantíssimo dizer se estou em um blog, no espaço de um organismo nacional ou internacional, se é um lugar em que qualquer um pode escrever o que quiser ou se é um lugar que tem informações controladas e não onde qualquer um pode colocar ali o que quer. Isso é muito importante para a busca de informações com fins de estudo porque se a professora lhe disse "busque na internet", logo vai perguntar "por que elegeram esse site?". Algumas professoras, ante o perigo, dizem "Busquem somente em tal e tal lugar". Mas se elas indicam quais são os lugares, vão contra as regras do jogo do espaço da internet. Claro que sempre haverá um botão dizendo "quem somos", mas que não diz nada quando clicamos nele. Dizem "somos maravilhosos, somos uma organização sensacional, vinculada aos direitos humanos, em busca da felicidade e tudo o mais". Esse botão não garante tampouco a verdade. Por isso, o problema é relevante no que diz respeito aos modos de aproximação das novas tecnologias e em termos educativos. O que fazem os adultos, pelo menos alguns, é identificar os elementos da direção eletrônica (URL) que nos permitem ver se termina com ".org", se termina com ".edu". Esses finais estão carregados de informação em termos de confiabilidade. Mas para as crianças pequenas isso não significa absolutamente nada. Somente a partir de uns 12 anos elas têm ideia de que há muita informação nessas poucas letras finais para guiar-se. Os professores tampouco sabem distinguir um site confiável de um não confiável. É um tipo de conhecimento que não tem sido ensinado, nem é um objeto de discussão em nenhum âmbito. Simplesmente há de ir descobrindo. Afortunadamente está chegando a nova geração de professores que têm uma relação mais amistosa com as tecnologias. A resistência à tecnologia era por medo do novo? Era uma novidade assustadora. Era muito potente, mas era como se alguém que nunca dirigiu um carro tivesse sido colocado na Fórmula 1. Havia muito temor, não somente aqui. Na Espanha eu vi com muita clareza que instalavam os computadores, mas o uso era proibido até que os professores tivessem um curso de capacitação e, claro, a única coisa que isso gerou foi uma distância muito grande entre professores e alunos. Os alunos apaixonados pelas novas tecnologias e sem medo frente a elas e os professores com muito temor pedindo uma capacitação e não deixando serem ensinados pelos alunos. No espaço pessoal, essas mesmas professoras, quando tentavam usar o computador e não conseguiam, chamavam os filhos, os jovens. Mas no espaço escolar elas não podiam recorrer aos jovens porque perdiam a autoridade. Todavia, estamos em um momento em que os jovens são muito mais espertos que os adultos em relação às novas tecnologias e é natural que assim seja. E o melhor que pode fazer um professor quando tenta fazer funcionar um aparato tecnológico e não consegue é pedir ajuda para um aluno. E reconhecer que nesse território os jovens são mais competentes simplesmente porque nasceram com a tecnologia instalada na sociedade e isso muda completamente a visão. Está na sociedade, porque agora, nas séries e nos filmes, aparecem computadores, tablets e celulares a todo o tempo. Há muito o que pesquisar em termos de novas tecnologias e sua utilização para a pesquisa básica. Isso está em dois ou três capítulos do livro. Por exemplo... Um ponto é a utilização de certos recursos informáticos. O computador te ajuda porque vai analisar o dado número 540 do mesmo jeito que revisou o dado número 1. Um ser humano não pode fazer isso. Porque vai aprendendo e, à medida que vai aprendendo, vai mudando. E quando chega ao dado 520 não o analisa igual ao

3 dado 1. O computador sim, porque ele não aprende. Outro ponto é a formação de alguém como escritor, alguém que pode produzir por escrito textos de diversos tipos. Na escola? A revisão de texto é um trabalho essencial e há muitas práticas escolares que mudam totalmente quando o professor, em vez de reservar para si o papel de ser o único revisor da sala de aula, assume que todos podem revisar o texto, cada um dando seu ponto de vista, e o autor pode ou não levar em consideração o resultado da revisão. Para isso, qualquer computador ajuda, por mais velho que seja, porque tem um processador de texto. Se em uma escola há computadores velhos, sem acesso à internet nem nada, mas têm programas de edição de texto, isso pode ser muito útil para trabalhar processos de revisão. Agora, não há desculpa para deixar de fazer revisão de texto e comprometer as crianças nesse processo. É fácil, divertido. Pode-se fazer em duplas ou em trios e se pode fazer em máquinas novíssimas ou com máquinas muito velhas. Estamos jogando fora os computadores que foram colocados nas escolas no início. Não dá para aceitar a ideia de que temos de jogar no lixo todos os computadores a cada três anos. Por isso, algumas ONGs se interessaram pela reciclagem. No México, fiz uma campanha de recuperação de máquinas de escrever mecânicas que estavam indo para o lixo, no momento em que as máquinas de escrever elétricas estavam sendo introduzidas nas universidades e nas empresas. Recuperamos aquelas máquinas para levá-las a escolas de comunidades rurais. O impacto foi magnifico. Era a chegada da tecnologia! A tecnologia daquele momento... Era mecânica, mas era tecnologia também. Porque parece que as novas tecnologias começaram ontem. E não! A tecnologia começou com a caneta; antes da caneta havia o lápis e antes dele tinha a pena... Tecnologia da escrita existe desde o início e a máquina de escrever foi uma tecnologia superinteressante que também foi rejeitada pelas educadoras, porque isso era trabalho para as secretárias. Havia uma profissão e um curso de mecanografia para aprender a digitar. Se tivessem trabalhado na máquina de escrever antes do computador, seria mais fácil porque o teclado é o mesmo. Mas "ah não! as máquinas fazem muito barulho e não podem entrar na sala de aula!" Um absurdo. Em algumas pesquisas mostradas no livro, foi usado o recurso de entrevista com pares de crianças. Qual a importância desse recurso metodológico e da interação das crianças para a apropriação da escrita? Há 30 ou 40 anos, não tínhamos experiência em sala de aula que acreditassem que as crianças contribuem para o seu próprio processo de alfabetização e que não é apenas o professor que sabe. O professor ensina o que considera que deve ensinar e a criança aprende o que pode aprender em cada momento de seu desenvolvimento. As interações são temas de muita reflexão das experiências sobre como potencializar as diferenças entre as crianças. Eu insisto nas diferenças entre as crianças porque é próprio de uma sala de aula ter diferenças e não ter todos iguaizinhos. Há muito tempo neste país, uma das discussões era justamente como fazer para ter turmas homogêneas. Eu briguei muito contra as turmas homogêneas. Porque ninguém pode controlar o ritmo de aprendizagem de cada criança. Um dos temas que têm sido muito discutidos entre os professores agora é como trabalhar em pequenos grupos em sala de aula e como formar esses pequenos grupos. Devemos formá-los com crianças que estão todas no mesmo nível de desenvolvimento? Procuramos as maiores diferenças possíveis? Ou procuramos diferenças que não sejam tão grandes, mas que permitam que as crianças se compreendam entre si, que a objeção de um seja entendida pelo outro? Esse é um tema de reflexão muito interessante e importante. O que tem se mostrado eficaz?

4 O interessante de trabalhar em pesquisa básica com duplas de crianças é que há certos tipos de problemas que uma pode propor à outra. Se o problema é "quanto dá 2 mais 3?", não tem jeito. Mas se é "como teremos de apresentar esse texto para que seja uma obra de teatro?", aí não existe uma resposta única. Há várias respostas, que levam aos componentes básicos de um texto teatral. Em um texto teatral estão os nomes de quem vão ser os personagens, dos que vão tomar a palavra e se mover em cena, o que eles dizem quando participam e, depois, as indicações sobre os movimentos de cena e sobre os modos de falar. Como se distinguem esses três componentes? Há múltiplas soluções gráficas. Quando temos mais de uma criança trabalhando em um computador, o bom é que uma diz "colocamos isso em negrito", a outra responde "não! É melhor aumentar a letra". E o adulto quase não intervém. O adulto somente vai intervir quando há um impasse. Se não, as próprias crianças estão se questionando e abrem um leque de possibilidades sem que o adulto esteja perguntando "por quê? Por quê?", o que é muito chato. Em todo o trabalho que fazemos atualmente, estamos sempre formando duplas de crianças. Em algumas, estamos usando grupos de três, mas o registro é muito complicado. No livro, há um capítulo sobre multilinguismo que chama muito a atenção. Quais são as dificuldades geradas pelo multilinguismo na tarefa da alfabetização? O problema é justamente esse. O capítulo trata de mostrar como em alguns lugares as educadoras têm conseguido transformar isso que era percebido como uma dificuldade em uma vantagem. Efetivamente na Europa, na última década, quando o continente se converteu em um lugar muito atrativo para os imigrantes, chegaram às escolas de países como Alemanha, Espanha, Itália e França muitas crianças que não falavam a língua desses países, e que era a língua oficial da escola delas. Isso gerou uma situação dificílima para as professoras porque elas não conseguiam se comunicar com essas crianças nem com as famílias. Não se entendiam sequer no nível dos gestos. Coisas como a comemoração do aniversário de uma criança eram um problema, porque em muitas culturas não se festeja aniversário. Então, ótimas professoras que eu conheço, tanto da Espanha como da Itália, sofriam. Na formação delas, isso nunca tinha aparecido como um tema de reflexão e de estudo. E agora que temos mais imigrantes do que nativos, o desafio é: como podemos fazer a variedade ser útil para o trabalho pedagógico. Como? Um grupo com o qual tenho bastante contato no norte da Itália me deu acesso a dados maravilhosos sobre como as crianças podem refletir quando damos a elas livros em diversas línguas sobre a mesma história. Permitimos que escutem a leitura em voz alta em diferentes idiomas, deixamos que confiram a mesma história em línguas distintas, mas, quando a história troca de idioma segue sendo a mesma história? Saíram coisas maravilhosas, por exemplo, diante de O pequeno príncipe, uma criança sabe que Le petit prince [nome original da obra do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry] é uma história que vem da França. E se perguntam: como se faz para ter essa história em italiano? É o mesmo príncipe ou é outro príncipe? Então começam a discutir que o petit prince só pode falar em francês e, se fala italiano, pode ser outro príncipe. Finalmente afirmam que é porque no mundo existem vários príncipes. Mas o Pinóquio é outra coisa. O Pinóquio só pode ser italiano, porque não se pode duplicar o personagem como se podem duplicar os príncipes. E então surge toda uma reflexão sobre a tradução que me parece fantástica, porque a tradução não é tema da Educação Básica em nenhum momento do currículo. Eu não conheço um país onde a tradução esteja no currículo. Com crianças de 4 ou 5 anos, a tradução promete refletir sobre quais são os elementos essenciais de uma história e quais são os elementos que podem mudar, mas que ainda assim constituirão a mesma história. E como os sons podem mudar e, no entanto, conservar o argumento, o sentido da história. Essas crianças começam a refletir sobre a tradução e, quando sua professora lê em outra língua, um logo diz que muda a voz da professora, o outro diz que a voz é sempre a mesma, mas muda o som da voz. O livro mostra que as crianças com 4 ou 5 anos, nessas condições, conseguem fazer uma reflexão muito profunda sobre o que é ser estrangeiro.

5 FONTE:

CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Cíntia Nunes (PPGEdu/UFRGS) Apoio: CNPq Resumo: Este trabalho trata de investigar a curiosidade e a pesquisa escolar sob um ponto

Leia mais

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br Guia Prático para Encontrar o Seu Propósito de Vida www.vidadvisor.com.br "Onde os seus talentos e as necessidades do mundo se cruzam: aí está a sua vocação". Aristóteles Orientações Este é um documento

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Objetivo principal: aprender como definir e chamar funções.

Objetivo principal: aprender como definir e chamar funções. 12 NOME DA AULA: Escrevendo músicas Duração da aula: 45 60 minutos de músicas durante vários dias) Preparação: 5 minutos (se possível com introduções Objetivo principal: aprender como definir e chamar

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR EM MATEMÁTICA RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA GESTAR II Sidnei Luís da Silva Escola Municipal Vereador Benedito Batista Congatem - MG sidneiluisdasilva@yahoo.com.br Camila

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Guia para líderes em educação

Guia para líderes em educação Guia para líderes em educação Índice O que é o Duolingo?...3 Como funciona o Duolingo?...4 Mantendo a motivação dos alunos...5 Aprender e ensinar...6 Ideias fáceis para a sala de aula...7 Aproveitando

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA

AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA Apenas uma experiência que pode ser recriada para outros conteúdos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Terminada a audição, eu escrevi na lousa o título da música, o nome

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

SOFTWARE LIVRE NA EDUCAÇÃO: Diálogos com uma Pedagogia da Autonomia

SOFTWARE LIVRE NA EDUCAÇÃO: Diálogos com uma Pedagogia da Autonomia SOFTWARE LIVRE NA EDUCAÇÃO: Diálogos com uma Pedagogia da Autonomia Prof. Denis Carlos Luckner Prof. Luís Carlos Zuze Dhein "não morda meu dedo, olhe para onde estou apontando". (Seymour Papert) FEEVALE

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

Mas, como utilizar essa ferramenta tão útil e que está à sua disposição?

Mas, como utilizar essa ferramenta tão útil e que está à sua disposição? Caríssimo aluno da Rede CEJA, Seja muito bem vindo à sua escola! Estamos muito felizes que você tenha optado por dar continuidade aos seus estudos conosco, confiando e acreditando em tudo o que poderemos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Ensine para seus alunos a importância de poupar e planejar o orçamento pessoal com este divertido gibi da Marvel.

MANUAL DE INSTRUÇÕES Ensine para seus alunos a importância de poupar e planejar o orçamento pessoal com este divertido gibi da Marvel. MANUAL DE INSTRUÇÕES Ensine para seus alunos a importância de poupar e planejar o orçamento pessoal com este divertido gibi da Marvel. OS VINGADORES // SALVANDO O DIA VISÃO GERAL Aula baseada no gibi Salvando

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA. Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA. Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA Cipriano Carlos Luckesi 1 Artigo publicado na Revista ABC EDUCATIO, nº 54, março de 2006, páginas 20 e 21. Estamos iniciando um novo ano letivo. Vale a pena olhar um pouco

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos.

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

18/11/2005. Discurso do Presidente da República

18/11/2005. Discurso do Presidente da República Discurso do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega de certificado para os primeiros participantes do programa Escolas-Irmãs Palácio do Planalto, 18 de novembro de 2005

Leia mais

Suplemento do professor

Suplemento do professor Suplemento do professor Apresentação A coleção Convívio Social e Ética, destinada a alunos de 2 o a 5 o ano (1 a a 4 a séries) do Ensino Fundamental, trabalha valores, resgatando a ética e a moral na escola.

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

Amy : Se crianças desescolarizadas não vão a escola, então, como elas aprendem?

Amy : Se crianças desescolarizadas não vão a escola, então, como elas aprendem? Unschooling Life Podcast #2 Por que desescolarizar? Amy : Se crianças desescolarizadas não vão a escola, então, como elas aprendem? Eu fui em busca de pais que desescolarizam seus filhos para fazer essa

Leia mais

NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE

NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE 2 NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE Quando uma empresa vai pra internet e investe em marketing digital, essas são as 3 coisas que precisam ser feitas: 1- GERAR LEADS 2- TRANSFORMAR LEADS EM CLIENTES

Leia mais

Instituto de Educação Marista Nossa Senhora das Graças Viamão RS USBEE União Sul Brasileira de Educação e Ensino. Tecnologias para Aprender e Ensinar

Instituto de Educação Marista Nossa Senhora das Graças Viamão RS USBEE União Sul Brasileira de Educação e Ensino. Tecnologias para Aprender e Ensinar Instituto de Educação Marista Nossa Senhora das Graças Viamão RS USBEE União Sul Brasileira de Educação e Ensino Tecnologias para Aprender e Ensinar Apresenta uma experiência na construção de jogos infantis

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem SENTIDOS (principal) Gosto de informações que eu posso verificar. Não há nada melhor para mim do que aprender junto

Leia mais

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Sumário introdução 03 Capítulo 5 16 Capítulo 1 Pense no futuro! 04 Aproveite os fins de semana Capítulo 6 18 Capítulo 2 07 É preciso

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos 27 a 29 de Novembro UEPB Campina Grande, Paraíba. 2014 BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação

Leia mais

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD o seu Site e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Conteúdo Introdução Escrever bem é um misto entre arte e ciência Seus conhecimentos geram mais clientes Dicas práticas Faça

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação

A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação POR RAQUEL PACHECO 1 Há muitos anos que o investigador David Buckingham (2009) aborda e baseia seu trabalho na Convenção

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

Prática 19 e 20 Características de um bom jogo

Prática 19 e 20 Características de um bom jogo Prática 19 e 20 Características de um bom jogo 1. Objetivos Estudar os elementos essenciais no desenvolvimento de jogos Desenvolver um jogo em Flash 2. Recursos Necessários Computador com o programa Macromedia

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS

OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS SAYONARA RAMOS MARCELINO FERREIRA QUIRINO (UEPB) WILAVIA FERREIRA ALVES (UEPB) RAFAELA CORREIA DOS SANTOS (UEPB) PAULA ALMEIDA DE CASTRO (ORIENTADORA

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro O meu brinquedo é um livro é um projecto de promoção da leitura proposto pela Associação

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

Licenciatura em Espanhol

Licenciatura em Espanhol Licenciatura em Espanhol Rebeka Caroça Seixas Apresentação e Objetivos Estamos bem adiantados em nosso curso. Já falamos sobre o conceito de arte, conhecendo um pouco de cada linguagem artística. Hoje,

Leia mais

Quatro Parábolas de Jesus

Quatro Parábolas de Jesus Quatro Parábolas de Jesus Neste pacote há materiais para uma série de quatro lições sobre algumas Parábolas de Jesus. Primeiramente está incluído o guia do líder, seguido por folhas que podem ser utilizadas

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO.

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO. CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO. Por Cassiano Zeferino de Carvalho Neto O Pisa - Programa Internacional de Avaliação de Alunos 1 é uma avaliação internacional que mede o nível

Leia mais

Como Passar em Química Geral*

Como Passar em Química Geral* 1 Como Passar em Química Geral* por Dra. Brenna E. Lorenz Division of Natural Sciences University of Guam * traduzido livremente por: Eder João Lenardão; acesse o original em : http://www.heptune.com/passchem.html

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem EXPLORAÇÃO Busco entender como as coisas funcionam e descobrir as relações entre as mesmas. Essa busca por conexões

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Por que foca?

APRESENTAÇÃO. Por que foca? APRESENTAÇÃO Por que foca? O foca, jornalista iniciante, tem grande dificuldade de encontrar um guia entre os textos técnicos publicados no Brasil. Com a pauta lhe queimando as mãos, ele se inquieta: por

Leia mais

Implementação do ambiente virtual Yogeo baseado na teoria de Van Hiele

Implementação do ambiente virtual Yogeo baseado na teoria de Van Hiele Implementação do ambiente virtual Yogeo baseado na teoria de Van Hiele Felipe de Carvalho Barros 1 Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro Brasil felipe_karvalho@hotmail.com Profº Ms. Marcelo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR Patrícia Lima da Silva¹ Brunna Sordi Stock² RESUMO No segundo semestre do ano de 2009, em uma das disciplinas obrigatórias do currículo de

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

MEU PLANO DE AÇÃO EM MASSA 7 PASSOS PARA UM INCRÍVEL 2015!

MEU PLANO DE AÇÃO EM MASSA 7 PASSOS PARA UM INCRÍVEL 2015! MEU PLANO DE AÇÃO EM MASSA 7 PASSOS PARA UM INCRÍVEL 2015! Você sabia que 95% das pessoas que traçam planos de Ano Novo NUNCA os seguem adiante? A razão é que a maioria das pessoas não entende o processo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

compreensão ampla do texto, o que se faz necessário para o desenvolvimento das habilidades para as quais essa prática apresentou poder explicativo.

compreensão ampla do texto, o que se faz necessário para o desenvolvimento das habilidades para as quais essa prática apresentou poder explicativo. 9 Conclusão Neste estudo, eu me propus a investigar os efeitos de práticas de Língua Portuguesa no aprendizado de leitura e como esses efeitos se diferenciam conforme o ano de escolaridade dos alunos e

Leia mais

Construindo uma aula significativa passo-a-passo.

Construindo uma aula significativa passo-a-passo. Construindo uma aula significativa passo-a-passo. www.juliofurtado.com.br SINOPSE: O As sete etapas da construção de um conceito. O Os três momentos de uma aula significativa. O A mediação de conflitos

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE Ana Carolina Marques de GOES 1 RESUMO: A educação inclusiva, especificamente relativa às pessoas com deficiência, é um assunto muito

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Tecnologias de informação e comunicação na formação de professores Fábio Câmara Araújo de Carvalho Gregorio Bittar Ivanoff Laura Gallucci

Tecnologias de informação e comunicação na formação de professores Fábio Câmara Araújo de Carvalho Gregorio Bittar Ivanoff Laura Gallucci Tecnologias de informação e comunicação na formação de professores Fábio Câmara Araújo de Carvalho Gregorio Bittar Ivanoff Laura Gallucci slide 1 slide 2 Utilizando um navegador slide 3 Usando o navegador

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7 Sumário Introdução - O novo hábito... 1 Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3 Sobre o vocabulário... 4 Benefícios... 7 Perguntas Frequentes sobre o Orçamento Doméstico... 10 Capítulo 2 - Partindo

Leia mais

Disciplina: Alfabetização

Disciplina: Alfabetização Título do artigo: As intervenções didáticas no processo de alfabetização inicial Disciplina: Alfabetização Selecionador: Beatriz Gouveia 1 Categoria: Professor 1 Coordenadora de projetos do Instituto Avisa

Leia mais

76 Anos Educando para a Vida. Os usos e abusos da internet

76 Anos Educando para a Vida. Os usos e abusos da internet CIANSP - COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Rua Monsenhor Domingos Pinheiro, 35 Calafate/BH Fone: (31) 3334 6913 - coorden acao@colegiopied ade.co m.b r 76 Anos Educando para a Vida DISCIPLINA: REDAÇÃO PROFESSOR(A):SANDRA

Leia mais

Como Ganhar 10 Mil Reais por Mês com o Método Formula Negócio Online 2016. w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1

Como Ganhar 10 Mil Reais por Mês com o Método Formula Negócio Online 2016. w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1 w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1 INTRODUÇÃO Olá amigos tudo bem? Deixa eu me apresentar meu nome é Rodrigo Alves, sou empreendedor digital com foco em marketing de afiliados e também

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo Valores Educacionais Aula 3 Jogo Limpo Objetivos 1 Apresentar o valor Jogo Limpo. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Jogo Limpo. Introdução Esta aula apresenta definições e sugestões

Leia mais

Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN)

Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN) Instituto Superior Técnico Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN) Núcleo de Engenharia Biológica Em primeiro lugar, a direcção do NEB gostaria de deixar claro que a resposta de forma

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO APÊNDICES 182 APÊNDICE A UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PPGE MESTRADO EM EDUCAÇÃO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PESQUISA:

Leia mais

56,6% 51% 52% 49% 48% 48% 48% 49% 46% 46% 41%

56,6% 51% 52% 49% 48% 48% 48% 49% 46% 46% 41% 1 Alfabetização, Educação Infantil e acesso à cultura escrita: as possibilidades da escola de nove anos Nestes tempos em que o país parece ter finalmente acordado para a questão da qualidade da educação

Leia mais

À medida que o ser humano aprende qualquer coisa, as ligações entre grupos de neurônios mudam a sua composição química.

À medida que o ser humano aprende qualquer coisa, as ligações entre grupos de neurônios mudam a sua composição química. 2 Índice 1 - Objetivo... 3 2 Arquivo Mental... 4 3 - Filtros Cerebrais... 9 4 - Paradigmas e Percepções... 13 5 - Alterações do Mapa Mental... 16 Resumo... 22 Saiba mais...... 24 3 1 - OBJETIVO Este texto

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

APÊNDICE. Planejando a mudança. O kit correto

APÊNDICE. Planejando a mudança. O kit correto APÊNDICE Planejando a mudança No capítulo 11, trabalhamos o estabelecimento de um objetivo claro para a mudança. Agora, você está repleto de ideias e intenções, além de uma série de estratégias de mudança

Leia mais

Produção de Texto 5º ano

Produção de Texto 5º ano Produção de Texto 5º ano Quando pequenos, aprendemos que, para conviver em grupo, sempre as coisas vão acontecer conforme as nossas pretensões. Aos poucos, nos relacionamentos com a nossa família, vamos

Leia mais

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Jefferson Ebersol da Silva 1 Contexto da narrativa O projeto PIBID, Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica à Docência da FURG, foi desenvolvido

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com 1 Distribuição Gratuita. Este e-book em hipótese alguma deve ser comercializado ou ter seu conteúdo modificado. Nenhuma parte deste e-book pode ser reproduzida ou transmitida sem o consentimento prévio

Leia mais

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA:

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: Uma retomada da história do Curso de Geografia da UFU a partir de uma entrevista com a Profa. Dra. Suely Regina Del Grossi Revista OBSERVATORIUM: Qual (ais) a (s) razão (ões)

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais