PRESTAÇÃO DE CONTAS MARÇO/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESTAÇÃO DE CONTAS MARÇO/2013"

Transcrição

1 PRESTAÇÃO DE CONTAS MARÇO/ /06/2013 HOSPITAL ESTADUAL ROCHA FA- RIA CAMPO GRANDE / RJ V Relatório de gestão dos serviços assistenciais da Maternidade, Odontologia para usuários com necessidades especiais, UTI Neonatal, Ortopedia e Traumatologia, Endoscopia Digestiva e Aneste-

2 siologia do Hospital Estadual Rocha Faria no Estado do Rio de Janeiro, pela entidade de direito privado sem fins lucrativos, qualificada como organização social. Página 1

3 PRESTAÇÃO DE CONTAS MARÇO 2013 R E L A T Ó R I O D E G E S T Ã O D O E X E R C Í C I O D E CONTRATANTE: SECRETARIA DE ESTADO DE SAUDE DO RIO DE JANEIRO GOVERNADOR: SÉRGIO DE OLIVEIRA CABRAL SANTOS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE: SÉRGIO LUIZ CÔRTES DA SILVEIRA CONTRATADA: PRÓ SAUDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HOSPI- TALAR ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL ESTADUAL ROCHA FARIA CNPJ: / ENDEREÇO: AV CESARIO DE MELO Nº CAMPO GRANDE RIO JANEIRO/RJ RESPONSÁVEIS PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: JEFERSON MACHADO PEREIRA / CRISTIANO OLIVEIRA DOS SANTOS P RESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA MENSAL Página 2

4 Relatório de gestão dos serviços assistenciais da Maternidade, Odontologia para usuários com necessidades especiais, UTI Neonatal, Ortopedia e Traumatologia, Endoscopia Digestiva e Anestesiologia e do Hospital Estadual Rocha Faria no Estado do Rio de Janeiro, pela entidade de direito privado sem fins lucrativos, qualificada como organização social. PROTOCOLO RIO DE JANEIRO, MARÇO/2013 SECRETARIA DE ESTADO DE SAUDE DO RIO DE JANEIRO NAÍRIO AUGUSTO PEREIRA SANTOS DIRETOR OPERACIONAL PRÓ-SAÚDE/RJ Página 3

5 JEFERSON PEREIRA MACHADO DIRETOR GERAL PRÓ-SAÚDE UNIDADE HOSPITAL RO- CHA FARIA CRISTIANO OLIVEIRA DOS SANTOS DIRETOR ADMINISTRATIVO PRÓ-SAUDE UNIDADE HOSPITAL ROCHA FARIA Página 4

6 1 INTRODUÇÃO A PRÓ-SAÚDE - Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, entidade sem fins lucrativos, denominada como Organização Social vem através deste, demonstrar o resultado de março de 2013, referente ao contrato de gestão nº 30/2012 celebrado junto a Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, tendo como por objeto operacionalizar a gestão dos serviços de obstetrícia, neonatologia, odontologia especial, ortopedia e traumatologia, endoscopia digestiva e anestesiologia do Hospital Estadual Rocha Faria. Este documento vem a demonstrar a atuação da PRÓ-SAÚDE nas atividades desenvolvidas de gerenciamento na Unidade referida, onde o foco foi dado para implantação de modernos métodos de gerenciamento e novos modelos de atuação, voltados à gestão hospitalar, baseado no desenvolvimento de atividades administrativas, técnico assistencial e financeiras que otimizem o gerenciamento e promovam a captação de recursos. Desta forma a PRÓ-SAUDE acredita que atingiu a expectativa de viabilização e fortalecimento da relação entre o ente público e a sociedade, possibilitando o avanço e o desenvolvimento da Unidade e aprimorando a qualidade da prestação de serviços e na humanização do atendimento. Atuando desta forma a PRÓ-SAÚDE, têm cumprido um papel fundamental para o desenvolvimento da ciência, tecnologia, cultura e desenvolvimento institucional voltados para Página 5

7 área da saúde, valorizando o capital humano de seus profissionais, e investindo no atendimento diferenciado aos pacientes, demonstrando assim que a saúde pública pode ser bem administrada, e gerida por uma Organização Social. Página 6

8 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em março, a pedido da SES/RJ, os serviços de Traumatologia-Ortopedia e Endoscopia deixaram de fazer parte do escopo do contrato. Paralelamente os médicos neonatologistas que atuavam na UTI-Neo e UI foram contratados pela Pró-Saúde. Assim, podemos considerar então, que este foi o primeiro mês, desde que iniciou suas atividades no Hospital Estadual Rocha Faria, que 100% dos serviços que são objeto do contrato estiveram sob sua gestão. A partir de março podemos considerar que a transição dos serviços esteja completa e que caberá à Pró-Saúde cumprir as metas quantitativas e qualitativas previstas em contrato. Faltam, contudo, algumas questões burocráticas a serem concluídas como a cessão oficial do imobilizado e equipamentos pela SES/RJ, entre outros pequenos detalhes a serem ajustados e que serão apresentados ao longo deste relatório, mas que não impedem significativamente o gerenciamento integral dos serviços. Neste relatório incluímos novos capítulos que tratam de aspectos da organização dos serviços e das dificuldades encontradas para cumprir as obrigações previstas em contrato e da previsão de prazo para superação destas dificuldades. Em contrapartida, retiraremos a partir do próximo relatório o capítulo de transição dos serviços. Página 7

9 Página 8

10 3 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Dando continuidade à organização dos serviços administrativos, em março foram alugadas 2 (duas) salas comerciais para alocação dos serviços de contabilidade, administração e departamento pessoal em prédio localizado próximo ao HERF. Enfrentamos ainda grande dificuldade em implantar os serviços assistenciais previstos em contrato devido a falta de espaço para implantá-los. Este assunto será tratado posteriormente ao longo deste relatório. TRANSIÇÃO DOS SERVIÇOS DA SES/RJ PARA A PRÓ- SAÚDE JANEIRO Maternidade Centro Obstétrico o Contratados os médicos obstetras, anestesiologistas e pediatras, além dos auxiliares administrativos, que trabalhavam para a empresa Facility, para atuar na Maternidade (Alojamento Conjunto) e Centro Obstétrico do HERF. Página 9

11 Sorriso Especial o Contratados, entre o final do mês de janeiro/13 e início de fevereiro/13, os profissionais do Sorriso Especial, após serem desligados da Cooperativa FEVEREIRO Endoscopia: o Contratada toda a equipe de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem entre os dias 11/fev e 18/fev. Enfermagem em o Durante janeiro/13 como não houve definição da SES/RJ quanto ao pessoal de enfermagem, não houve contratações. A liberação para contratação de servidores ocorreu somente em Fevereiro/13, sendo a maioria contratada pela Pró- Saúde a partir do dia 18/fevereiro para atuar na Maternidade, Centro Obstétrico, UTI-Neonatal, Unidade Intermediária, Sorriso Especial e Endoscopia Anestesiologia o A equipe de anestesiologistas que faltava foi contratada entre os dias 18/fev e 1/mar, de acordo com os vencimentos de seus contratos anteriores. Demais Serviços Assistenciais Equipe Multiprofissional Página 10

12 o Entre o dia 18 e 28/fev a Pró-Saúde contratou os demais profissionais que faltavam para cumprir o quadro necessário para atender às respectivas exigências legais (RDC, ANVISA,...), de cada serviço, dentre eles: fisioterapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas, assistentes sociais,... UTI Neonatológica o Como alguns neonatologistas necessitavam rescindir primeiramente os seus vínculos com outras instituições (FIOTEC, Cooperativa,...) foi acordado diretamente pela Dra. Angélica, coordenadora da UTI Neonatológica, com a SES/RJ a contratação dos médicos pela Pró-Saúde a partir de 1/março/13. MARÇO Endoscopia: o O Serviço que havia sido assumido em fevereiro/13, retornou à SES/RJ em março, conforme orientação oficial da SES/RJ de que este serviço não mais faria parte do contrato e que os profissionais contratados e que a Pró-Saúde deveria desliga-los de seu quadro de pessoal. Ortopedia o Aguardávamos uma posição da SES/RJ sobre a liberação para contratação da equipe médica e de enfermagem. Nenhum médico, enfermeiro ou técnico de enfermagem havia sido contratado. Somente haviam sido contratados os fisioterapeutas, em meados de fevereiro. Página 11

13 Assim como com a endoscopia, em março, fomos orientados pela SES/RJ de que este serviço não mais faria parte do contrato. UTI Neonatológica o Conforme previsto, em março o serviço foi oficialmente assumido pela Pró- Saúde com a contratação dos médicos pela Pró-Saúde a partir de 1/março/13. CONCLUSÃO Após definida a questão da Ortopedia, Endoscopia e com a contratação dos médicos neonatologistas, consideramos concluída a transição dos serviços da SES/RJ para a Pró-Saúde. Assim este capítulo (transição dos Serviços da SES/RJ para a Pró-Saúde) será excluído do a partir do próximo relatório (competência de abril/13). DIFICULDADES ENCONTRADAS PENDÊNCIAS Entre os obstáculos encontrados na implantação dos serviços previstos em contrato, poderíamos citar no mês de março/13, a falta de espaço para acomodá-los no HERF e a autorização para alteração dos equipamentos a serem adquiridos pela Pró-Saúde e que haviam sido apresentados na sua proposta técnica (item 10.2), os quais serão tratados ao longo deste relatório. Há também pendências no contrato que dependem de decisão da SES/RJ para serem concluídas, como a cessão formal dos equipamentos médicos, prevista no item 10.1, mas Página 12

14 que tem basicamente impacto legal-burocrático, não afetando a implantação dos serviços, conforme serão observados na listagem de pendências a seguir. a) Falta de espaço para implantação dos serviços: Conforme já citado no relatório de prestação de contas de fevereiro durante o processo de organização dos serviços administrativos, a falta de espaço tem sido um grande empecilho também na implantação dos serviços assistenciais previstos em contrato. Este item será melhor apresentado na lista de verificação das pendências contratuais. b) Autorização para alteração dos equipamentos a serem adquiridos pela Pró- Saúde: Estava previsto no item 10.2 do edital 8, o seguinte: Os demais equipamentos considerados necessários para a composição dos Serviços de Obstetrícia, Neonatologia, UTI Neonatal, Ortopedia e Traumatologia, Endoscopia Digestiva, Anestesiologia e Odontologia Especial do Hospital Estadual Rocha Faria serão adquiridos com o repasse de Investimento e deverão estar relacionados na Proposta Técnica da Proponente. De acordo com a proposta apresentada, foram liberados recursos pela SES/RJ, em conta corrente específica para tal finalidade, para realização dos investimentos. Cabe agora, aplicar tais verbas. Página 13

15 Observou-se, contudo, que o diagnóstico para elaboração da proposta de execução do trabalho partiu de pressupostos que nem sempre condiziam com a realidade. Entre eles, podemos citar os casos do Serviço de Sorriso Especial e UTI. No caso do Sorriso Especial, considerou-se que o serviço contava com uma cadeira odontológica, a qual, teoricamente, seria suficiente para o cumprimento das metas de atendimento. Contudo, não foi observado que ela não estava em condições de uso, sendo necessária a substituição por uma nova, com todos os acessórios. Se possível, duas, permitindo ultrapassarmos as metas com certa folga. Assim como ocorreu com o Sorriso Especial, também não foi verificado na UTI que a grande maioria dos seus equipamentos eram alugados e que seria interessante adquiri-los definitivamente. Entendendo serem imperiosos e emergenciais tais investimentos, sabendo das dificuldades enfrentadas pelo Estado para conseguir verbas extras, não previstas inicialmente no contrato e, no intuito de utilizarmos da melhor forma possível os recursos disponíveis, aplicando-os nos serviços que entendemos serem prioritários, entregamos, em março, à SES/RJ uma sugestão de listagem dos equipamentos a serem adquiridos, alterando os itens previstos inicialmente. Aguardamos somente aprovação ação da SES/RJ para realocar os recursos destinados aos investimentos para os utilizarmos de forma mais racional. Só não a utilizamos porque estamos aguardando a aprovação da SES/RJ. Segue a listagem dos equipamentos sugeridos para aquisição apresentada à SES/RJ: Página 14

16 Página 15

17 Listagem para Aquisição de Equipamentos da Maternidade e UTI- Neonatal do Hospital Estadual Rocha Faria Equipamento Modelo Marca Quant. Aparelho de bisturi elétrico ICC-300 Erbe 02 Aspirador cirúrgico portátil A89-AME Fanem 06 Balança eletrônica BABY Filizola 09 Banquetas de inox 10 Bomba de infusão volumétrica fresenius-kabi Fresenius-kabi 75 Cadeiras de roda para transporte 02 Colchão para berço com cuba 50 Colchão para cama Stryker 12 Desfribilador ZUREPOWER Zoll 03 Emissor otoacústico ASSENS DK5610 Interacoustics 01 Escadinha de leito 03 Esfigmomanômetro adulto não digital 10 Estetoscópio adulto 10 Estetoscópio neonatal 40 Fluxômetro de ar comprimido 50 Fluxômetro de oxigênio 50 Fluxômetro para vácuo 50 Página 16

18 Foco auxiliar BLUE-80 Maquet 04 Glicosimetro accu-chek Accu-chek 16 Laringoscópio adulto completo com laminas curvas e lampada de neon Laringoscópio neonatal completo com lamina reta nº 0, 00 e 1 e lâmpada de neon 01 4 cada No Mesa parto normal ALPHACLASSIC Maquet 02 Monitor multiparametros completo dixtal-dx 2023 ( verificação de pressão arterial, frequência cardíaca, respiração e temperatura). Poltrona de acompanhante com descansa pés DX 2010 ADULTO Dixtal Respirador artificial SERVO-I Servo 01 Termômetro digital 70 Cadeira p/ escritório 20 Monitor multiparâmetros completo Dixtal-dx 2023 ( verificação de pressão arterial, frequência cardíaca, respiração e temperatura). DX 2010 NEO Dixtal 30 Berço aquecido AMPLA 2085 Fanem 05 Incubadora de transporte IT-158 TS Fanem 02 Aparelho de RX portátil 1 Aparelho de USG 1 Baby pap 5 Berço aquecido 10 Página 17

19 Biliberço 1 Bomba de seringa 35 Desfibrilador- dea 4 Bilitron por super-led 3006 BTP Sp labor 30 Incubadora de parede dupla 35 Monitor transcutâneo 10 Respirador inter 5 plus Para oxido nitrico 2 Respirador inter plus 25 Gasômetro ABL 800 FLEX Radiometer 1 Instrumental Cubas redondas 60 Cubas rins 30 Pinças antissepsia ou anatômica 45 Backaus 45 Mosquito curva delicada 70 Mosquito reta delicada 60 Tesoura reta 10 Tesoura iris curva 10 Pinça de íris 10 Kelly curva 17 Kelly reta 15 Porta agulha delicado 32 Adson delicada 10 Página 18

20 Afastador lâmina maleável 5 Conjunto de afastadores farabeuf 7 Tesoura metzembaum curva 7 Tesoura metzembaum Reta 7 Tesoura de mayo 7 Baby cock 14 cm 15 Pinça dissecção 10 Kocher reta 7 Kocher curva 7 Cabo bisturi nº3 7 Cabo bisturi nº4 7 Dente de rato 13 Tentacânula 5 Pinças mixter baby 15 Mesa auxiliar peq. C/ rodas 8 Otoscópio 2 Carro de emergência 5 Aparelho de ECG 2 Urodensimetro 5 Impressora digital para acoplar ao aparelho de USG VIDEO PRINTER Sony 01 Válvula de vácuo 03 Página 19

21 Válvula redutora de o2 e ar comprimido 05 DE CADA Fluxômetro de O2 de precisão 05 Computador 15 Impressora 5 Listagem de Aquisição de Equipamentos para UTI Neo HERF Itens C/ Maiores Especificações (Complexidade e Valor Elevado) 25und - ventilador mecânico neonatal Inter Plus modelo Inter Neo com 01 circuito neonatal reserva, Monitor gráfico modelo Inter GMX, pedestal da Linha PLUS, braço articulado da Linha PLUS, cabo de alimentação externa (fonte DC) 02und - ventilador mecânico neonatal Inter Plus modelo Inter 5 PLUS com 01 circuito neonatal reserva, Monitor gráfico modelo Inter GMX, pedestal da Linha PLUS, braço articulado da Linha PLUS, cabo de alimentação externa (fonte DC), para ventilar em alta frequência e óxido Nítrico. 01 aparelho de gasometria (Hemogasômetro) com medição de eletrólitos, gasometria, bilirrubina, (Radiometer), atualmente o setor possui por comodato o ABL un Válvulas reguladoras de parede para OXIGÊNIO, (White Martins, AGA, ou Linde Gás) 30 Un. - Válvulas reguladoras de parede para AR COMPRIMIDO (White Martins, AGA, ou Linde Gás) USG - Aparelho Mindray M7 / Sonda convexa C5-2s [ 2-5 MHz ] / Sonda microconvexa 6C2s [ 5-8 MHz ] / Sonda linear 7L4s [ 5-10 MHz ] ou Sonda linear 7L5s [ 5-10 MHz ] ou Sonda linear L12-4s [ 4-12 MHz ]. 01 cilindro de oxigênio para transporte, 01 m 3, com válvula reguladora correspondente. 02 UN- Ventilador de transporte neonatal Air Liquide Modelo OSIRIS 1, completo com 01 Página 20

22 circuito neonatal de reserva. 30 un Fluxômetros de OXIGÊNIO, (White Martins, AGA, Linde Gás ) 30 un Fluxômetros de AR COMPRIMIDO (White Martins, AGA, Linde Gás ) 05 un- Circuitos completos para CPAP Neonatal - Tam un- Circuitos completos para CPAP Neonatal - Tam un- Circuitos completos para CPAP Neonatal - Tam un- Circuitos completos para CPAP Neonatal - Tam un - Circuitos completos para CPAP Neonatal - Tam un- Circuitos completos para CPAP Neonatal - Tam un Frascos de vidro para aspiração com vacuômetro (White Martins, AGA, ou Linde Gás) 50 un - Conectores em T (22x15x22) 50 un Conectores Universais 15 mm 30 un Peças Redutoras para Circuito Neonatal Sorriso Especial Estimativa de Investimentos C/cotação prévia Equipamento Quantidade 2 Cadeira Odontológica com cart indep. ML EQUIP. 2 3 Fotopolimerizador VH 3 Página 21

23 3 Ultrasom MICRODONT 3 3 Amalgamadores SCHUSTER 3 3 Kits Acadêmico ( Caneta de alta, contraângulo, micromotor e peça de mão) DX 3 1 Localizador apical 1 1 Motor de endodontia rotatório 1 20 Bandejas clinicas inox Carpule com refluxo sonda exploradora nº Espelho bucal Colher de dentina (p/m) Aplicador de dycal pinça de algodão espátula nº calcador de Amálgama(p/m) brunidor Hollemback Aplicador de Amálgama curetas periodontais 13/ curetas periodontais 17/ curetas periodontais 01/ curetas periodontais 11/ curetas periodontais 0/00 10 Página 22

24 05 Lima para osso periodontal 3/ Lima para osso periodontal 5/ Afastador de minesota Cânula de Frazier destaca periósteo tipo molt conjunto de alavancas serrilhadas quinelato retas e modificadas curetas de alvéolo 5 05 lima para osso 5 10 pinça goiva porta agulha tesoura reta 10 5 fórceps fórceps cabo de bisturi nº3 5 c) Cessão de Equipamentos: Estava previsto no item 10.1 do edital 8, o seguinte: 10.1 Equipamentos Médicos como leitos hospitalares, ventiladores, monitores e outros, identificados na Visita Técnica, serão cedidos pela SES/RJ à CONTRATADA para o uso neste contrato, para a prestação dos serviços. Página 23

25 Ainda que seja uma questão, essencialmente, burocrática, a falta de formalização na cessão dos equipamentos além de poder gerar questionamentos quanto às condições em que eles foram entregues à Pró-Saúde, também implica na impossibilidade de contratação dos seguros patrimoniais obrigatórios previstos no contrato. DIFICULDADES ENCONTRADAS Segue abaixo posição atualizada sobre a situação dos serviços ainda não implantados, justificativa e previsão de implantação (verde=ok; vermelho=pendente): Cronograma de Implantação dos Itens Contratuais Pendentes Cronograma Obrigações Previstas no edital Justificativa Implantação Mar Abr Mai Jun Jul Serviços SOS Mulher para atendimento a vítimas de violência. Não há espaço disponível para atendimento das vítimas de violência a serem atendidas pelos profissionais do HERF com a devida privacidade. Será elaborado plano diretor para adequação de espaços e posterior apresentação à SES para autorização de reformas estruturais no HERF. Enfermaria Canguru Será elaborado plano diretor para adequação de espaços e posterior apresentação à SES para autorização de reformas estruturais no HERF. Página 24

26 Método Mãe Canguru Será elaborado plano diretor para adequação de espaços e posterior apresentação à SES para autorização de reformas estruturais no HERF. Página 25

27 Obrigações Previstas no edital Justificativa Cronograma Implantação Mar Abr Mai Jun Jul Participar das comissões abaixo relacionadas: Comissão de Qualidade e Segurança; Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH); Comissão de Verificação de Óbitos, mortes maternas e perinatais; Comissão de Revisão de Prontuários. Manter responsável técnico, coordenador de cada serviço, dentistas e médicos diaristas, com título de especialista em suas respectivas áreas, e médicos plantonistas com residência médica ou pós-graduação em especialidade clínica ou cirúrgica pertinente concluída, ou com, no mínimo, 2 anos, após a graduação, de experiência comprovada no atendimento ao usuário na área pertinente Aguardando resposta da direção do HERF. (SIC lei estadual exige que os membros sejam servidores públicos estaduais, o que impediria o cumprimento desta obrigação contratual ) Obstetras e odontólogos devidamente qualificados. Quanto aos médicos neonatologistas, que já atuam no HERF há muitos anos, apesar do conhecimento notório, nem todos são titulados conforme exigido pelo MS. Sendo buscado uma solução para o caso em conjunto com a SES/RJ Página 26

28 Cronograma Obrigações Previstas no edital Justificativa Implantação Mar Abr Mai Jun Jul Garantir a presença de acompanhante da escolha da mulher durante consultas, pré-parto, parto e pós-parto. Manter controle de riscos da atividade e seguro de responsabilidade civil nos casos pertinentes. Adotar nos impressos, sinalizações, uniformes, enxoval e demais itens a padronização que será orientada pela SES/RJ. A estrutura do HERF não permite a implantação desta prática sem por em risco a privacidade das demais parturientes. Será elaborado plano diretor para adequação de espaços e posterior apresentação à SES para autorização de reformas estruturais no HERF. Enquanto isto, está sendo montado local denominado Cantinho do Papai para receber os pais, próximo às salas de parto e amenizar o problema. Em andamento. Aguardando cessão oficial do prédio e equipamentos da SES/RJ à Pró-Saúde ABASH Aguardando definição da SES/RJ. Garantir os itens condicionantes para o correto credenciamento e habilitação dos serviços e exames realizados junto ao SCNES, tais como: carga-horária, CBO, equipamentos e demais requisitos necessários. Gestor irá documentar SES o quanto aos empecilhos para o credenciamento. Página 27

29 Cronograma Obrigações Previstas no edital Justificativa Implantação Mar Abr Mai Jun Jul Providenciar seguro de responsabilidade civil e patrimonial dos bens móveis cedidos pela SES/RJ, imediatamente após a assinatura do Contrato de Gestão. Assegurar à SES/RJ o acesso irrestrito e em tempo real ao sistema informatizado. Alimentar e atualizar os sistemas de informação a serem adotados pela SES/RJ. Utilizar, os sistemas informatizados de gestão, acompanhamento do contrato de gestão, centro de custo da Unidade gerenciada, gestão de pessoal, e os demais sistemas indicados ou disponibilizados pela SES/RJ e alimentá-los continuamente com as informações requeridas, sob pena de inviabilizar a apuração da produção e não comprovação do atingimento das metas contratadas. Providenciar seguro contra incêndio, danos, avarias e responsabilidade civil para o prédio e bens móveis cedidos. A contratação do seguro deverá contemplar a descrição dos bens a serem segurados, as coberturas pretendidas e a garantia contra perda total ou parcial dos bens sinistrados; Aguardando Termo de Permissão de Uso a ser liberado pela SES/RJ (item 10.1) Sistema informatizado em fase de implantação Sistema informatizado em fase de implantação Sistema informatizado em fase de implantação Aguardando Termo de Permissão de Uso a ser liberado pela SES/RJ (item 10.1) Projeção de Redução no Número de Pendências Contratuais Página 28

30 METAS QUANTITATIVAS Em 19 de setembro de foi publicada no Estado do Rio de Janeiro a lei que dispôs sobre a qualificação das organizações Sociais e definiu, entre outras, as regras de acompanhamento, avaliação e fiscalização dos contratos de gestão. De acordo com tal lei, nos itens 3 e 7 do contrato de gestão firmado entre a SES-RJ e a Pró-Saúde ABASH, foram estabelecidas as metas quantitativas e qualitativas, bem como a metodologia de apuração dicotômica de seu cumprimento, ou não, pela Organização Social e dos valores a que teria direito a receber, de acordo com a pontuação alcançada. Entendemos que o objetivo do contrato de gestão seja o de firmar uma parceria vencedora visando à melhoria da qualidade dos serviços prestados aos usuários e que a aplicação à Organização Social de multas ou descontos pelo não cumprimento de quaisquer metas nada mais seja senão a triste constatação de um fracasso de ambas as partes num processo onde o maior penalizado tenham sido os próprios usuários do SUS. Assim, visando o sucesso da parceria firmada entre a Pró-Saúde e a SES-RJ na melhoria da qualidade dos serviços prestados aos usuários do SUS, relatamos abaixo os resultados e nossas considerações sobre as metas quantitativas e qualitativas. Neste mês corrigimos mais algumas informações estatísticas apresentadas nos meses anteriores e acrescemos a memória de cálculo, ou seja, a listagem dos nomes que compõe cada um dos itens que compõem as metas. Página 29

31 METAS QUANTITATIVAS Endoscopia ATIVIDADES HOPITALARES META JAN FEV MAR MÉDIA ENDOSCOPIAS DIGESTIVAS Conforme previsto no edital e no contrato firmado com a SES/RJ, a Pró-Saúde deveria assumir o Serviço de Endoscopia digestiva alta e baixa do HERF e manter as equipes médicas, de enfermagem e administrativas bem como os equipamentos, materiais cirúrgicos e medicamentos disponíveis às 24h do dia para o perfeito atendimento dos usuários e assim foi feito em fevereiro/13. No entanto, em 22 de março/13 recebemos uma orientação oficial da SES/RJ de que este serviço não mais faria parte do contrato e que os profissionais contratados e que a Pró-Saúde deveria desliga-los de seu quadro de pessoal. Assim, a partir de março/13 não mais listaremos os exames de endoscopia realizados e os desconsideraremos do cálculo das metas. Traumatologia logia-ortopedia Página 30

32 ATIVIDADES HOPITALARES META JAN FEV MAR MÉDIA CIRURGIAS ORTOPÉDICAS Conforme previsto no edital e no contrato firmado com a SES/RJ, a Pró-Saúde deveria assumir o Serviço Traumatologia-Ortopedia do HERF e manter as equipes médicas, de enfermagem e administrativas bem como os equipamentos, materiais cirúrgicos e medicamentos disponíveis às 24h do dia para o perfeito atendimento dos usuários. Aguardávamos autorização da SES/RJ para contratar os profissionais necessários para o cumprimento do contrato, mas, contudo em 22 de março/13 recebemos uma orientação oficial da SES/RJ de que este serviço não mais faria parte do contrato. Assim, a partir de março/13 não mais listaremos as cirurgias ortopédicas realizadas e as desconsideraremos do cálculo das metas. Sorriso Especial ATIVIDADES HOPITALARES METAS JAN FEV MAR MÉDIA CIRURGIA DO SORRISO ESPECIAL ATENDIMENTO AMBULATORIAL DO SORRISO ES- E PECIAL PONTUAÇÃO NO PERÍODO Em janeiro e fevereiro ainda não foi possível cumprir a meta estabelecida em contrato, pois a única cadeira odontológica disponível está quebrada há meses, sem possibilidade de Página 31

33 conserto e não foi prevista a aquisição de cadeira no projeto apresentado à SES/RJ durante o processo licitatório. Mesmo sem contarmos com cadeira odontológica, em março conseguimos bater a meta de cirurgias e atendimentos ambulatoriais. Para abril, acreditamos superar a baixa produção de fevereiro e atingirmos a média de 30 cirurgias e 200 atendimentos ambulatoriais mensais. Apresentado o caso à SES, aguardamos realocação das verbas de investimento para a aquisição prioritária de 2 novas cadeiras odontológicas e reforma da área. Maternidade ATIVIDADES HOPITALARES META JAN FEV MAR MÉDIA SAÍDAS OBSTÉTRICAS Reiterando o citado no mês anterior, a meta de saídas obstétricas precisa ser revista, pois nas condições atuais não há espaço para atender devidamente uma demanda a ser criada e regulada sem comprometer a ampliação da Unidade Intermediária, montagem do serviço de Mãe Canguru (obrigação Contratual) e manutenção das mães ocupando leitos destinados às parturientes no terceiro andar. Página 32

34 METAS QUALITATIVAS Conforme previsto no item 7 do edital 8, foram definidos indicadores qualitativos de desempenho a serem cumpridos, avaliados de forma dicotômica e pontuados conforme quadro abaixo: Média de Pontos Semestral Conceito Semestral 0-69 C B A Como a avaliação das metas é feita semestralmente e janeiro não consta para efeito de cálculo, no quadros consolidados de avaliação dos indicadores de qualidade a seguir as médias foram calculadas a partir do mês de fevereiro. Maternidade Média de Permanência de Puérperas ATIVIDADES HOPITALARES META JAN FEV MAR MÉDIA PACIENTES-DIA PUÉRPERAS PUÉRPERAS SAÍDAS MÉDIA DE PERMANÊNCIA DE PUÉRPERAS < = 4,0 dias 3,87 3,85 3,92 3,19 Página 33

35 PONTUAÇÃO NO PERÍODO Primeiramente, como pode ser observada acima, a média de permanência de janeiro/13 está diferente do que havia sido apresentado no relatório anterior. Equivocadamente havíamos considerado o TOTAL de pacientes obstétricos para calcular a média de permanência puerperal, em vez de somente das puérperas. Assim, a partir deste mês seguirá anexa a relação das parturientes do HERF bem como o número de pacientes-dia que elas ocupam durante o mês analisado, utilizando a fórmula: número de pacientes-dia puérperas durante determinado período, dividido pelo número de saídas puérperas do mesmo período. Cumprida a meta em março, ficando abaixo dos 4 (quatro) dias de permanência previstos no contrato. Maternidade Taxa de Infecção Puerperal Relacionada a Partos Cesáreos ATIVIDADES HOPITALARES METAS JAN FEV MAR MÉDIA CASOS DE INFECÇÃO TOTAL DE PARTOS CESÁREOS TAXA DE INFECÇÃO PUERPERAL RELACI- ONADA A PARTOS CESÁRIOS < 8% 0,00% 0,78% 0,86% 0,82% PONTUAÇÃO NO PERÍODO Página 34

36 Em março/13 houve somente um caso de infecção puerperal na maternidade e mantivemos a taxa de infecção dentro da meta contratual. Maternidade Percentual de Cesarianas ATIVIDADES HOPITALARES META JAN FEV MAR MÉDIA TOTAL DE PARTOS ,5 TOTAL DE CESÁREAS TAXA DE CESÁREA < = 35% 30% 35% 33% 34% PONTUAÇÃO Cumprida a meta em março, ficando dentro da taxa de 35% previstos no contrato. Página 35

37 UTI-Neonatal Taxa de Mortalidade Ajustada por Escore de Gravidade ATIVIDADES HOPITALARES METAS JAN FEV MAR MÉDIA TAXA DE MORTALIDADE AJUSTADA POR ESCORE DE GRAVIDADE NA UTI NEONA- TAL 1 - x - - x - - x - - x - Apesar de informado no mês anterior, mesmo com a equipe médica contratada ainda não conseguimos apurar esta taxa. Estamos em fase de contratação e implantação do software EPIMED. Tão logo concluamos esta etapa, poderemos apurar este indicador. UTI-Neonatal Taxa de Mortalidade Neonatal Precoce dos Nascidos na Uni- dade ATIVIDADES HOPITALARES METAS JAN FEV MAR MÉDIA TOTAL DE ÓBITOS NA UNIDADE ,5 TOTAL DE NASCIDOS NA UNIDADE ,5 TAXA DE MORTALIDADE NEONATAL PRECOCE DOS NASCIDOS NA UNIDADE < 10 5,22 5,68 8,75 7,19 PONTUAÇÃO NO PERÍODO Em março, a fim de obter informações estatísticas mais confiáveis, passamos a levantar os nomes dos pacientes internados ou atendidos na unidade, lista-los e anexá-los ao relatório de prestação de contas, como evidência da veracidade das informações. Página 36

38 Taxa média entre fevereiro e março de 7,19. Metas concluídas. Segue anexa relação dos óbitos neonatais precoces. Página 37

39 UTI-Neonatal Tempo Médio de Permanência na UTI-Neo Neonatal ATIVIDADES HOPITALARES META JAN FEV MAR MÉDIA PACIENTES-DIA UTI-NEONATAL RN SAÍDOS DA UTI-NEONATAL TEMPO MÉDIO DE PERMANÊNCIA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL < 15 dias 18,3 15,3 9,16 12,15 PONTUAÇÃO NO PERÍODO Em março, a fim de obter informações estatísticas mais confiáveis, passamos a levantar os nomes dos pacientes internados ou atendidos na unidade, lista-los e anexá-los ao relatório de prestação de contas, como evidência da veracidade das informações. Notamos uma sensível redução na média de permanência de janeiro e fevereiro para março. Infelizmente, não pudemos retroagir as informações estatísticas através dos livros de registro para averiguar os motivos de tamanha variação, pois estão de posse do HERF. Sabemos que, matematicamente, não há como somar taxas, mas no intuito de termos uma referência de valores, optamos por somar as taxas de fevereiro e março e dividir por dois, obtendo um valor médio, ainda que errôneo, de 12,12. Para abril pretendemos checar estes dados da mesma forma que fizemos com os demais itens deste relatório, ou seja, relacionando todos os casos, com os nomes dos pacientes, data de internação e alta. Segue anexa relação do movimento de março. Sorriso Especial Página 38

40 ATIVIDADES HOPITALARES METAS JAN FEV MAR MÉDIA TOTAL DE CIRURGIAS ODONTOLÓGICAS ,5 TOTAL DE INFECÇÕES PÓS-CIRÚRGICAS TAXA DE INFECÇÃO PÓS CIRURGICA ODONTOLÓGICA < 2% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% PONTUAÇÃO Não houve nenhum caso de infecção cirúrgica odontológica em março/13. Meta cumprida. Centro Cirúrgico Cirurgias Suspensas Como dito anteriormente, não está claro a que se refere este item do contrato, pois o Centro Cirúrgico não está sob responsabilidade da Pró-Saúde, nem as demais especialidades, que não as constantes do contrato. Interpretando o contrato, entendemos por cirurgias eletivas suspensas, aquelas cujos serviços estejam vinculados à Pró-Saúde. Como a Ortopedia já não faz mais parte do contrato, calculamos este indicador considerando o total de cirurgias canceladas do Sorriso Especial e Obstetrícia (cesáreas), dividido pelo total de cirurgias eletivas dos dois serviços. No caso do Sorriso Especial, que teve um percentual significativo de suspensões, nenhuma delas ocorreu por falha do Hospital, pois não faltaram médicos, cirurgiões dentistas, material médico-hospitalar, medicação, exames, etc. Todas foram suspensas por motivos técnicos (devidamente registrados pela equipe de médicos anestesiologistas, que tem realizado sistematicamente as consultas pré-operatórias) ou impossibilidade dos usuários de chegarem até o HERF, não podendo tais falhas serem imputadas ao Serviço. Justificativas das Cirurgias Suspensas do Sorriso Especial Página 39

41 01/03/2013 Vitor R. Corrêa - Cirurgia suspensa, paciente sem condições clínicas (gripado) 04/03/2013 Danielle P. G. Gouveia- - Cirurgia suspensa, paciente sem condições clínicas (gripado). 06/03/2013 Eric P. O. de Paula Sedação suspensa, paciente não respeitou período de jejum pré-operatório. 06/03/2013 Vitor R. Corrêa Cirurgia suspensa, paciente ainda gripado. 08/03/2013 Carlos E. Gomes Sedação suspensa, paciente febril sem condições clínicas para no procedimento. 19/03/2013 Felipe S. T. Silva Sedação suspensa, paciente de grande porte, em crise, com surtos de violência, sem condições de manejo. 22/03/2013 Eduardo A. M. Júnior Cirurgia suspensa, paciente gripado. 26/03/2013 Felipe S. T. Silva Não pôde sair de casa devido à ocupação, pela polícia, de sua comunidade. ATIVIDADES HOPITALARES META JAN FEV MAR MÉDIA CIRURGIAS AGENDADAS DO SORRISO ESPECI- AL CIRURGIAS CANCELADAS DO SORRISO ESPECI- AL ,5 CESÁREAS CESÁREAS CANCELADAS TOTAL DE CIRURGIAS AGENDADAS (SORRI- SO+OBST) TOTAL DE CIRURGIAS CANCELADAS (SORRI- SO+OBST) ,5 TAXA DE SUSPENSÃO DE CIRURGIA ELETIVA < 0,00% 2,08% 5,13% 3,67% Página 40

42 10% PONTUAÇÃO NO PERÍODO Percentual ficou dentro do previsto. Meta cumprida. Taxa de Satisfação dos Usuários ATIVIDADES HOPITALARES META JAN FEV MAR MÉDIA Taxa de Satisfação dos Usuários >90% 80% 92% 84% 88% PONTUAÇÃO NO PERÍODO Segundo o item 3.46 do contrato da SES/RJ deveria ser implantado, após prévia aprovação da SES/RJ, um modelo normatizado de pesquisa de satisfação pós-atendimento. Como ainda não foi aprovado nenhum modelo, no mês de fevereiro optamos por adotar alguns sistemas que já existiam no HERF, como o que era utilizado pelo Sorriso Especial, e implantar o contato telefônico pós-alta. A partir de março implantamos outra metodologia, utilizando um modelo de pesquisa de satisfação mais completo, abrangendo também as queixas e reclamações, conforme previsto em contrato: Realizar seguimento, análise e adoção de medidas de melhoria diante das sugestões, queixas e reclamações que receber com respostas aos usuários, no prazo máximo de 30 di- as. Página 41

43 O modelo de pesquisa que passamos a adotar prejudica bastante a pontuação no quesito cumprimento da meta de satisfação dos usuários, uma vez que utiliza um formulário único onde questiona a satisfação dos usuários (pacientes/parturientes) no momento em que estão fazendo as reclamações, quando o sentimento é de insatisfação evidente e não no momento da alta, quando já teriam uma visão do conjunto do atendimento prestado e com suas reclamações já atendidas. Ainda que esta estratégia nos prejudique quanto ao quesito cumprimento das metas, rebaixando nossa pontuação, ele nos auxiliou na identificação dos principais pontos de reclamação dos usuários. Isto ficou evidente ao compararmos os resultados das pesquisas de fevereiro, quando o índice de satisfação foi maior (92%), mas, em compensação, não nos forneceram nenhum subsídio sobre os motivos de insatisfação dos usuários (pacientes/parturientes). Grupo 1 Estrutura/ Ambiente "QUE NOTA VOCÊ DÁ PARA:" 1. Limpeza e conforto da recepção, banheiro, corredores, salas de espera? 2. Você teve informações e esclarecimentos sobre seu estado de saúde? 3. O estabelecimento é bem sinalizado para você encontrar o local onde precisa ir? ( placas e cartazes) CONCEITO ATRIBUIDO 0 a 2 3 a 4 5 a 6 7 a 8 9 a 10 Ruim Regular Bom Ótimo Excelente N/R Grupo 2 Ambulatório/ Acolhimento /Emergência "QUE NOTA VOCÊ DÁ PARA:" O tempo de que demorou para ser aten- CONCEITO ATRIBUIDO 0 a 2 3 a 4 5 a 6 7 a 8 9 a 10 N/R Página 42

44 dido Ruim Regular Bom Ótimo Excelente 4.1. Pelos médicos Pelos enfermeiros Pelos Outros Profissionais Grupo 3 Atendimento/ Boa vontade "QUE NOTA VOCÊ DÁ PARA:" A boa vontade e disposição das pessoas em ajudar a resolver seus problemas CONCEITO ATRIBUIDO 0 a 2 3 a 4 5 a 6 7 a 8 9 a 10 Ruim Regular Bom Ótimo Excelente N/R 5.1. Pelos médicos Pelos enfermeiros Pelos Outros Profissionais Sua sensação de confiança em relação aos atendimentos oferecidos por este ambulatório Página 43

45 Grupo 4 Educação / Respeito "QUE NOTA VOCÊ DÁ PARA:" A educação e o respeito com que você foi tratado: CONCEITO ATRIBUIDO 0 a 2 3 a 4 5 a 6 7 a 8 9 a 10 Ruim Regular Bom Ótimo Excelente N/R 7.1. Pelos médicos Pelos enfermeiros Pelos Outros Profissionais O interesse do médico em ouvir as queixas do paciente e o exame físico que foi realizado? 9. As explicações do médico sobre a doença do paciente e o tratamento que foi realizado? 10. O silêncio no ambiente do ambulatório? 11. O local para reclamações / sugestões é de fácil acesso? Pretendemos utilizar esta estratégia durante 3 meses (março, abril e maio), quando adotaremos a pesquisa de satisfação no momento da alta dos usuários. Apesar de, matematicamente, não ser a forma correta de apurarmos a pontuação média (não se soma percentuais), como em fevereiro e março apuramos as pesquisas utilizando métodos de coleta de dados distintos, optamos por calcular a média do bimestre somando os percentuais e dividindo-os por 2. OBS. Por serem muitas páginas, optamos por não incluir as cópias das pesquisas, com as reclamações dos usuários, neste relatório, mas elas estão à disposição da SES/RJ no HERF para análise, a qualquer momento. Página 44

46 Seguem abaixo os dados tabulados por grupo. O percentual de satisfação foi apurado somando as respostas bom, ótimo e excelente e dividindo pelo total de respostas, com exceção das não respondidas. Página 45

47 Pontuação (Resumo dos Resultados Obtidos no Cumprimento das Metas). METAS QUANTITATIVAS ATIVIDADES HOPITALARES METAS JAN FEV MAR MÉDIA % CIRURGIA DO SORRISO ESPECIAL ,7% ATENDIMENTO AMBULATORIAL DO SORRISO ES- PECIAL ,5% SAÍDAS OBSTÉTRICAS ,1% METAS QUALITATIVAS ATIVIDADES HOPITALARES METAS PONTOS JAN FEV MAR MÉDIA PONTOS OBTIDOS MÉDIA DE PERMANÊNCIA DE PUÉRPE- RAS < = 4,0 dias 10 3,87 3,85 3,92 3,19 10 TAXA DE MORTALIDADE AJUSTADA POR ESCORE DE GRAVIDADE NA UTI NEONATAL TEMPO MÉDIO DE PERMANÊNCIA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NE- N ONATAL x - - x - - x - - x - 0 < 15 dias 10 18,2 15,3 9 12,15 10 TAXA DE CESÁREAS <35% 10 30% 35% 33% 34% 10 TAXA DE MORTALIDADE NEONATAL PRECOCE DOS NASCIDOS NA UNIDADE TAXA DE INFECÇÃO PUERPERAL RELA- CIONADA A PARTOS CESÁRIOS < ,22 5,68 8,75 7,19 10 < 8% 10 0,00% 0,28% 0,28% 0,28% 10 Página 46

48 TAXA INFECÇÃO PÓS CIRURGICA ODONTOLÓGICA TAXA DE SUSPENÇÃO DE CIRURGIA ELETIVA < 2% 10 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 10 < 10% 10 0,00% 2,08% 5,13% 3,67% 10 TAXA DE SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS >90% 15 80% 92% 84% 88% 0 TOTAL DE PONTOS - x x - - x - - x - - x - 70 Como o conceito de Desempenho pelos serviços prestados no HERF será obtido pela média aritmética dos pontos alcançados no semestre, não há ainda que se falar ainda em pontuação obtida. Além disto, entendemos que deva ser analisada e deliberada pela SES/RJ algumas das justificativas apresentadas pelo não cumprimento de metas, entre eles, citamos: METAS QUANTITATIVAS ATIVIDADES HOPITALARES SAÍDAS OBSTÉTRICAS JUSTIFICATIVA Necessidade de redefinir a meta em conjunto com o futuro da UTI- Neo e UI. METAS QUALITATIVAS ATIVIDADES HOPITALARES TAXA DE MORTALIDADE AJUSTADA POR ESCORE DE GRAVIDADE NA UTI NEONATAL TAXA DE SATISFAÇÃO DOS USUÁ- RIOS JUSTIFICATIVA Mensuração deste indicador depende da implantação do sistema EPIMED, em curso. Conforme citado acima, o método utilizado a partir de março estimula as críticas ao serviço e tende a rebaixar a taxa de satisfação. Devemos manter este método pelo Página 47

49 período de 3 meses. Como, somente após a devida avaliação pela SES/RJ das justificativas apresentadas acima é que poderemos avaliar os conceitos efetivamente atingidos pela Pró-Saúde no HERF, aguardaremos o retorno da comissão fiscalizadora para então registrarmos os conceitos obtidos. Página 48

50 3 NOVOS SERVIÇOS Fisioterapia Em fevereiro/13, sob coordenação da Dra. Hatsumi Takiguchi, havia sido implantado o serviço de fisioterapia diário na Ortopedia do HERF, incluindo feriados e finais de semana. Até então ele era realizado durante alguns dias da semana. Esta mudança havia significado melhoria concreta na qualidade da assistência fisioterápica prestada aos pacientes. Quando comparado o número de atendimentos à igual período do ano de 2.012, houve um aumento de 108% no número de sessões. Contudo, com a decisão da SES/RJ de não mais repassar à gestão da Pró- Saúde os serviços de Traumatologia-Ortopedia e Endoscopia, o serviço de fisioterapia retornou ao controle da SES/RJ. Cantinho do Papai Página 49

51 Conforme previsto em contrato, na sua cláusula é obrigação da Pró- Saúde Garantir a presença de acompanhante da escolha da mulher durante consultas, pré-parto, parto e pósparto. Entendemos que esta cláusula seja coerente com a proposta da humanização hospitalar e concordamos com esta diretriz. Entretanto, considerando a estrutura física da Maternidade e Centro Obstétrico do HERF não a como cumpri-la sem comprometer a privacidade das demais parturientes. Entendemos que a solução desta questão passe necessariamente por reformas na Maternidade e, em especial, no Centro Obstétrico. Como isto depende de apresentação de um estudo de plano diretor e prévia aprovação da SES/RJ, optamos por amenizar o problema realizando pequenas melhorias na área e no dia 5 de abril inauguraremos o Cantinho do Papai. A proposta é permitir aos pais ficarem mais próximos às salas de parto e serem os primeiros a visitarem seus filhos após o nascimento. Na data de inauguração ocorrerá também a abertura oficial da busca pelo Certificado da Iniciativa Hospital Amigo da Criança através de fórum com a participação de diversos palestrantes. RPA Sala de Recuperação Pós-Anestésica Página 50

52 Desativada há muito tempo antes da Pró-Saúde assumir a Maternidade do HERF, em março, após solicitação do coordenador do Serviço, Dr. Juciney Pacheco, voltou a funcionar no Centro Obstétrico a Sala de Recuperação Pós-Anestésica. Com isto, passou a ser oferecido maior segurança e conforto às mães, que agora são acompanhadas e monitoradas por equipe médica e de enfermagem na própria unidade, em vez de retornarem para o alojamento Conjunto para se recuperarem das anestesias, como vinha acontecendo até então. Análise da Estrutura e Meta de Saídos da Obstetrícia X Ampliação da UTI- Neo e UI No relatório de fevereiro foram apresentadas algumas considerações sobre a meta de saídos da obstetrícia do HERF, dentre as quais recordamos abaixo: Entre 50 e 60 leitos efetivos (descontando os destinados às mães dos RNs internados na UTI-Neo e UI -Unidade Intermediária)é insuficiente para cumprir à meta sem comprometer severamente o conforto e segurança das parturientes; Necessidade de ampliar a UI para permitir a saída dos RNs internados na UTI-Neo; Necessidade de implantar o serviço de Mãe Canguru; Para que seja possível ampliar a UI e implantar o Mãe Canguru será necessário ocupar uma enfermaria do Alojamento Conjunto e reduzir ainda mais o número de leitos destinados à Obstetrícia; Página 51

53 100% da demanda espontânea de parturientes é atendida no HERF, sem necessidade de transferência para outros locais; A UTI-Neonatal é estrutura mais cara e complexa dos três serviços; A UTI-Neonatal permanece com RNs e bebês internados além do necessário; Os leitos da UTI-Neonatal eventualmente ocupados com RNs ou bebês de alta, impossibilitam a internação de RNs graves que necessitam do serviço; A UI precisa ser ampliada para dar vazão aos RNs de alta na UTI-Neo; A UI não tem espaço para ampliação no local atual; As mães alojadas na unidade não estão ali devido a nenhuma patologia; As mães dos RNs da UTI-Neonatal estão ocupando uma área destinada às parturientes; As mães dos RNs necessitam de um local seguro e confortável para dormirem, não necessariamente um leito hospitalar. Este assunto já vem sendo tratado informalmente com a SES/RJ, mas entendemos que deva ser tratado formalmente, pois necessitamos de direcionamento dos serviços, no intuito de não cometermos erro ao reduzirmos a área destinada à obstetrícia, prejudicando ainda mais o cumprimento das metas de saídos, para beneficiar a UTI-Neo, em vez reforçarmos com a Regulação do Estado o direcionamento das parturientes ao HERF. Página 52

54 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Março foi o primeiro mês com 100% dos serviços previstos e que farão parte do contrato, sob responsabildiade integral da Pró-Saúde ABASH. Também foi definida a não transferência da Traumatologia-Ortopedia e o retorno da Endoscopia à SES/RJ. Conforme previsto, reativamos a RPA (Recuperação Pós-Anestésica) do Centro Obstétrico, e agendamos para a primeira semana de abril a inauguração do Cantinho do Papai que possibilitará aos pais ficarem mais próximos das mães durante o parto, considerando que a estrutura física atual não permite isto. Também foram contratados os seguintes serviços médicos para atenderem exclusivamente a UTI-Neonatológica do HERF: Cirurgia pediátrica com consultas de rotina e cobertura 24 dos casos de urgência e emergência; Ultrassonografia com realização de exames de rotina 3 x semana e cobertura 24h dos casos de urgência e emergência; A equipe médica que deveria atuar no serviço de oftalmologia declinou da proposta e fomos obrigados a procurar outra equipe. Esperamos encontrar profissionais capacitados a executarem tais serviços no próximo mês. A expectativa é que até meados de abril todos os serviços já estejam sob gestão da Pró-Saúde e funcionando plenamente de acordo com o previsto nas respectivas RDCs e normas da ANVISA, MS, SES, propiciando ambiente seguro e humano para o atendimento dos usuários do SUS. Página 53

55 Página 54

56 ANEXOS 1. Folha de Pagamentos; 2. Balancetes; 3. Extratos Bancários; 4. Produção Mensal; 5. Listagem dos Pacientes Atendidos Página 55

PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2014 07/01/2015 HOSPITAL ESTADUAL ROCHA FARIA CAMPO GRANDE / RJ V. Relatório referente ao Contrato de Gestão 30/2012 sobre os serviços assistenciais da Maternidade, Odontologia

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2013

PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2013 PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2013 12/11/2013 HOSPITAL ESTADUAL ROCHA FARIA CAMPO GRANDE / RJ V. Relatório referente ao Contrato de Gestão 30/2012 sobre os serviços assistenciais da Maternidade, Odontologia

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES Período Junho a Agosto de 2013 Novembro 2013 2 INTRODUÇÃO O excesso de pacientes com problemas médicos

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2015 31/01/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2015 31/01/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2015 31/01/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014 28/02/2014 HOSPITAL ESTADUAL ALBERTO TORRES V. Relatório referente a execução do Contrato de Gestão 31/2012 sobre as ações executadas sobre o apoio ao gerenciamento e

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: PORTARIA Nº 1.091/MS/GM, DE DE 25 DE AGOSTO DE 1999 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: - a necessidade de organização da assistência neonatal, para assegurar melhor

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que atuam na área da saúde (Art. 4º ao Art. 11º da Lei nº 12.101/2009) ÓRGÃO RESPONSÁVEL

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA Á SAÚDE UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO

Leia mais

Experiência de Implantação e Realidade Atual dos Consórcios Públicos em Saúde do Estado do Ceará. Fortaleza, Ceará, 2010

Experiência de Implantação e Realidade Atual dos Consórcios Públicos em Saúde do Estado do Ceará. Fortaleza, Ceará, 2010 Experiência de Implantação e Realidade Atual dos Consórcios Públicos em Saúde do Estado do Ceará Fortaleza, Ceará, 2010 Descentralização dos Serviços de Saúde Pública no Estado do Ceará DESCENTRALIZAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 OUVIDORIA

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 OUVIDORIA Ministério da Educação Universidade Federal da Grande Dourados Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 OUVIDORIA Dourados/MS Janeiro de 2016 1. EQUIPE

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Legislações - GM

PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Legislações - GM PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Legislações - GM Sex, 12 de Julho de 2013 00:00 PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Estabelece a organização dos Centros de Trauma, estabelecimentos de saúde

Leia mais

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL.

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Período 2015/2016 O Diretor da Santa Casa de Misericórdia de Sobral,

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ

RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ Sumário 1- A instituição 02 2- Indicadores sobre o corpo funcional 05 3- Resultados 2013 06 4- Principais Ações de Gestão

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º 07/2015 PLANTÃO MÉDICO DE ESPECIALIDADES

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º 07/2015 PLANTÃO MÉDICO DE ESPECIALIDADES EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º 07/2015 PLANTÃO MÉDICO DE ESPECIALIDADES O Município de Não-Me-Toque comunica aos interessados que está procedendo ao CHAMAMENTO PÚBLICO no horário das 8:15 às 11:33h e das

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS AGOSTO/15

PRESTAÇÃO DE CONTAS AGOSTO/15 PRESTAÇÃO DE CONTAS AGOSTO/15 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

TRANSPORTE NEONATAL INTER E INTRA-HOSPITALAR ENFERMAGEM

TRANSPORTE NEONATAL INTER E INTRA-HOSPITALAR ENFERMAGEM TRANSPORTE NEONATAL INTER E ENFERMAGEM INTRA-HOSPITALAR Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro Qualquer tipo de transporte deve ser realizado com segurança,

Leia mais

Saídas Clínicas 75 42. Saídas Cirúrgicas 130 73

Saídas Clínicas 75 42. Saídas Cirúrgicas 130 73 JUSTIFICATIVAS METAS OUTUBRO DE 2013 Saídas Clínicas e Saídas Cirúrgicas Meta Realizado Saídas Clínicas 75 42 Saídas Cirúrgicas 130 73 No mês de outubro de 2013 não cumprimos a meta estipulada no contrato

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital Unimed João Pessoa I - FINALIDADE:

REGIMENTO INTERNO. Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital Unimed João Pessoa I - FINALIDADE: Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 1 de 20 I - FINALIDADE: Este documento apresenta a forma de organização das instâncias de poder do Hospital, sua configuração em Departamentos, Serviços

Leia mais

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Edital Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância 1. OBJETIVO 1.1. Este edital tem o objetivo de apoiar financeiramente projetos de extensão universitária voltados a ações para o desenvolvimento

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES 0 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES Vivenciando a Saúde Comunitária na Unidade Básica de Saúde Glória Porto Alegre 2011 1 FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002.

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 640, de

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões:

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões: SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: o Pronto Socorro Adulto de Taubaté teve seu funcionamento aprovado pela Vigilância Sanitária Estadual. O documento

Leia mais

QUADRO FINAL DE JULGAMENTO DE PROPOSTAS E LANCES DO PREGÃO N. 021/2009

QUADRO FINAL DE JULGAMENTO DE PROPOSTAS E LANCES DO PREGÃO N. 021/2009 1 4 unidade Abaixador de lingua Bruning R$ 20,00 DIST. ALÉM PARAÍBA ABC R$ 8,09 R$ 32,36 2 4 unidade Abridor de boca anatomico; adulto; formato trapezoidal com ranhuras laterais; em silicone atoxico; esterilizacao

Leia mais

Agência:3033 Conta:45900-3 DEMONSTRATIVO MENSAL - CONTA CORRENTE DATA HISTÓRICO DOCTO CRÉDITO DÉBITO SALDO 26/12/12 SALDO ANTERIOR 0,00 02/01/13 PAGAMENTO GOVERNO RJ 23631 16.815.655,52 UG296100/2012OB023631

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015 A Reitoria do, por meio da (PROPPG/IFG), torna público o processo

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

Diretor técnico: JULIANA CRISTINE FRANKENBERGER ROMANZEIRA (CRM: 14.656)

Diretor técnico: JULIANA CRISTINE FRANKENBERGER ROMANZEIRA (CRM: 14.656) Relatório de Fiscalização Diretor técnico: JULIANA CRISTINE FRANKENBERGER ROMANZEIRA (CRM: 14.656) Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima citado verificar suas condições de funcionamento.

Leia mais

Trajetória do INTO nos Programas de Qualidade Julho / 2010

Trajetória do INTO nos Programas de Qualidade Julho / 2010 Trajetória do INTO nos Programas de Qualidade Julho / 2010 INTO - Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Instituição Pública do Ministério da Saúde ligada diretamente à Secretaria de Atenção à

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2015

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2015 PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2015 11/03/2015 HOSPITAL ESTADUAL ROCHA FARIA CAMPO GRANDE / RJ V. Relatório referente ao Contrato de Gestão 30/2012 sobre os serviços assistenciais da Maternidade, Odontologia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL COLATINA 2011 ÍNDICE 1) INTRODUÇÃO 2) DESCRIÇÃO DA CLIENTELA 3) OBJETIVOS 4) CARGA HORÁRIA 5) DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 6) CRONOGRAMA 7) PREVISÃO

Leia mais

PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE.

PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE. PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE. Caracterização da situação anterior Em 2013, a Secretaria de Saúde Pública de Campo Grande (SESAU) detectou déficit de profissionais ginecologistas/obstetras

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NAS AÇÕES AFIRMATIVAS (PIBIC-Af) EDITAL Nº 004/2015-PROPPG,

Leia mais

Resposta: Obrigatório, uma vez que a norma exige sistema gerador de energia de emergência.

Resposta: Obrigatório, uma vez que a norma exige sistema gerador de energia de emergência. 1 a Questão: (20 pontos) Um hospital, localizado no município de São Luiz do Maranhão, está sendo cogitado pela Coordenação Nacional de Prevenção e Vigilância (CONPREV) do INCA para receber um Centro de

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 003/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 003/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 003/2012 O HOSPITAL TRAMANDAÍ, integrante da FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde - SP. Estado de São Paulo. planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação

Secretaria de Estado da Saúde - SP. Estado de São Paulo. planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação Secretaria de Estado da Saúde - SP As Organizações Sociais de Saúde no Estado de São Paulo A experiência da Secretaria da Saúde planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação Organização

Leia mais

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR)

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) Preliminarmente, cabe lembrar que a concessão dos Serviços Médicos e Complementares pela Universidade de São

Leia mais

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005.

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no artigo 15, 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e artigo 11 da Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07, DE 14 DE ABRIL DE 2003.

RESOLUÇÃO Nº 07, DE 14 DE ABRIL DE 2003. RESOLUÇÃO Nº 07, DE 14 DE ABRIL DE 2003. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO a decisão, por unanimidade,

Leia mais

Gerência de Contratualização dos Serviços do SUS. Objetivos

Gerência de Contratualização dos Serviços do SUS. Objetivos CONTRATUALIZAÇÃO Objetivos Quando forem insuficientes as disponibilidades públicas para garantir a cobertura assistencial à população de uma determinada área, o gestor poderá complementar a oferta com

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V. REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do

Leia mais

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA DE INCLUSÃO DIGITAL AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA COMPUTADORES PARA INCLUSÃO A União, por intermédio da Secretaria de Inclusão

Leia mais

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE UNIDADES DE INTERNAÇÃO Comissão de Gerenciamento de Risco NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA 2012 Luciane Lindenmeyer,

Leia mais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais Chamada Pública nº 03/2012 Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais A FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, em conformidade com suas finalidades,

Leia mais

Relatório do Grupo de Trabalho do Hospital Parque Belém

Relatório do Grupo de Trabalho do Hospital Parque Belém Relatório do Grupo de Trabalho do Hospital Parque Belém Apresentação: o presente relatório é fruto do trabalho desenvolvido pelo grupo constituído em reunião ordinária do CMS de 06 de fevereiro do corrente

Leia mais

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE]

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Entre [ ].. representada pelas pessoas devidamente autorizadas nomeadas na página de assinatura do presente CONTRATO, doravante denominada

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

Plano de Investimentos do Governo do Estado de São Paulo no HCFMRP - USP Quadriênio 2012-2015

Plano de Investimentos do Governo do Estado de São Paulo no HCFMRP - USP Quadriênio 2012-2015 Plano de Investimentos do Governo do Estado de São Paulo no HCFMRP - USP Quadriênio 2012-2015 Prof Dr Marcos Felipe Silva de Sá Superintendente do HCFMRP-USP Fevereiro/2014 HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA.

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA. RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA. O CONSELHO SUPERIOR, face ao disposto no Artigo 7º do Regimento Interno

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Brasília, 16 de maio de 2012. Ao Conselho Universitário Assunto: Análise e Parecer sobre Proposta de Adesão à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH Introdução Este parecer versa sobre a

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO OUTUBRO/2015 UPA 24 SÃO PEDRO DA ALDEIA RJ

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO OUTUBRO/2015 UPA 24 SÃO PEDRO DA ALDEIA RJ RELATÓRIO DE EXECUÇÃO OUTUBRO/2015 UPA 24 SÃO PEDRO DA ALDEIA RJ Relatório Mensal de Acompanhamento do Contrato de Gestão nº 02/2015. DIREÇÃO LOCAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1. O INDSH... 5 1.2. A UPA

Leia mais

PARECER CREMEB 24/11 (Aprovado em Sessão Plenária de 20/09/2011)

PARECER CREMEB 24/11 (Aprovado em Sessão Plenária de 20/09/2011) PARECER CREMEB 24/11 (Aprovado em Sessão Plenária de 20/09/2011) Expediente Consulta nº. 207.437/11 Assunto: Exigência do titulo de especialista para atuar como diarista em unidade de terapia intensiva

Leia mais

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua)

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua) 1 - O órgão responsável pela Vigilância Sanitária no município caracteriza-se como: Setor é a parte organizacional da prefeitura sem status de secretaria. 1 Setor da secretaria municipal de saúde Setor

Leia mais

Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Usuário

Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Usuário Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO. QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO PLANO... 3 2.. Objetivo... 3 2.2. Nome comercial

Leia mais

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE FINALIDADE A Secretaria de Serviços Integrados de Saúde, órgão de direção especializada, subordinada ao diretor-geral da Secretaria do Tribunal,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTES CLAROS

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTES CLAROS ANEXO IV MINUTA CONTRATO DE FORNECIMENTO DE HORTALIÇAS E FRUTAS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. O MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA Nº - 095 Manutenção e Operacionalização da SMS SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover a SMS de Recursos materiais e Humanos para o bom desenvolvimento de suas

Leia mais

DAS ORIENTAÇÕES E MODELO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL- PAES IFAM

DAS ORIENTAÇÕES E MODELO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL- PAES IFAM . DAS ORIENTAÇÕES E MODELO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL- PAES IFAM 1 CAPA Título do projeto de intervenção, linha de ação dos Programas Integrais da PAES- IFAM contemplada, campus

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SUS A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA A CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA O DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS A INEFICIÊNCIA

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

ANEXO I. Área física mínima para UPA

ANEXO I. Área física mínima para UPA ANEXO I ÁREA FÍSICA DA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Para o planejamento e a definição da área física mínima e dos ambientes necessários na Unidade de Pronto Atendimento - UPA, foram levados em consideração

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 002/2015

EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 002/2015 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 002/2015 1 - PREÂMBULO 1.1 O MUNICÍPIO DE BELA VISTA DE GOIÁS, Estado de Goiás, com sede administrativa na Praça José Lobo nº. 10 Setor Central, Bela Vista de Goiás-GO, inscrito

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Arujá - SP 2011 2 SUMÁRIO Dados da Instituição... 3 Considerações iniciais... 4 Desenvolvimento da Avaliação... 4 Dimensões da Autoavaliação...

Leia mais

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO TERCEIRO SETOR E ALGUNS REFLEXOS NO PLANO DE TRABALHO E NA PRESTAÇÃO DE CONTAS

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO TERCEIRO SETOR E ALGUNS REFLEXOS NO PLANO DE TRABALHO E NA PRESTAÇÃO DE CONTAS O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO TERCEIRO SETOR E ALGUNS REFLEXOS NO PLANO DE TRABALHO E NA PRESTAÇÃO DE CONTAS O Chamado Novo Marco Regulatório do Terceiro Setor, fundamentado através da Lei 13.019/2014, traz

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente regulamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA ENGENHO VELHO

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA ENGENHO VELHO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2º TRIMESTRE DO 2º ANO DO CONTRATO DE GESTÃO Período de Dezembro de 2012 à Fevereiro de 2013 2 INTRODUÇÃO O presente relatório apresenta

Leia mais

2º SEMINÁRIO ANUAL DE SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL 2º SAS/VIVER IFRS REGULAMENTO GERAL

2º SEMINÁRIO ANUAL DE SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL 2º SAS/VIVER IFRS REGULAMENTO GERAL 2º SEMINÁRIO ANUAL DE SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL 2º SAS/VIVER IFRS REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º - Este REGULAMENTO tem

Leia mais

confinados, sala de máquinas, berços pátios de estocagem, pátios de armazenamento, galpões, áreas externas, sistemas de esgoto.

confinados, sala de máquinas, berços pátios de estocagem, pátios de armazenamento, galpões, áreas externas, sistemas de esgoto. TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS A SER EXECUTADO NO MUSEU DO AMANHÃ. JUSTIFICATIVA O Museu do Amanhã será

Leia mais

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição.

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Recepção de Pacientes na Emergência Obstétrica Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 07 Área de Aplicação: Obstetrícia Setor:

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Sagrado Coração torna público o presente Edital de abertura de inscrições,

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOCIAIS

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOCIAIS PORTARIA N 035, 10 DE JUNHO DE 2008 DISPÕE SOBRE O EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS DA REDE EXECUTORA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS 2.008 O Secretário Municipal de Políticas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA

ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA Versão 2013 1 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Condições 3. Diretrizes 4. Fundamentação Legal 5. Contrapartidas 5.1. Espaço Físico 5.2.

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Antes mesmo de inaugurar seu hospital, em 1971, a Sociedade já se dedicava ao exercício da responsabilidade social, atendendo crianças carentes da comunidade na área de Pediatria

Leia mais

Filosofia de trabalho e missões

Filosofia de trabalho e missões Filosofia de trabalho e missões As atividades de ensino e assistência na UTI Neonatal do Hospital São Paulo, Hospital Universitário da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (HPS-EPM/Unifesp),

Leia mais

Instrumento de Comercialização de Planos de Saúde

Instrumento de Comercialização de Planos de Saúde De 30 à 99 vidas Com Coparticipação 1. DAS PARTES: 1.1. Celebra(m) o presente instrumento, na qualidade de CONTRATANTE(S), a(s) pessoa(s) jurídica(s) abaixo qualificada(s): RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA:

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão 1 OBJETO: ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão 1.1 Contratação de empresa de engenharia para fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura

Mostra de Projetos 2011. Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura Mostra de Projetos 2011 Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação,

Leia mais

FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA APARECIDAPREV

FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA APARECIDAPREV 1 FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA APARECIDAPREV LUIZ ALBERTO MAGUITO VILELA Prefeito ELI DE FARIA Presidente ANDRE LUIS CARNEIRO Procurador EPITÁCIO BARBOSA DO

Leia mais

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO

MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DADOS CADASTRAIS PLANO DE TRABALHO - ENTIDADE ÓRGÃO / ENTIDADE PROPONENTE: CNPJ: ENDEREÇO: ENDEREÇO ELETRÔNICO(E-MAIL): CIDADE: UF: CEP:

Leia mais

Edital Nº 18/2013. Apoio à Pesquisa dos Servidores com Mestrado Programa Universal Mestre UNIVASF

Edital Nº 18/2013. Apoio à Pesquisa dos Servidores com Mestrado Programa Universal Mestre UNIVASF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO-PRPPGI Av. José de Sá Maniçoba, s/n, centro, CEP: 56304-917, Petrolina -

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO REFERENTE ÀS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS NO MUNICÍPIO DE NOVA BRASILÂNDIA DO OESTE-RONDÔNIA

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO REFERENTE ÀS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS NO MUNICÍPIO DE NOVA BRASILÂNDIA DO OESTE-RONDÔNIA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO REFERENTE ÀS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS NO MUNICÍPIO DE NOVA BRASILÂNDIA DO OESTE-RONDÔNIA 1 - Introdução O presente relatório tem por finalidade atender

Leia mais

ML-24/2013 Encaminha Projeto de Lei. São Bernardo do Campo, 14 de junho de 2013. PROJETO DE LEI N. 42/13 PROTOCOLO GERAL N. 3.

ML-24/2013 Encaminha Projeto de Lei. São Bernardo do Campo, 14 de junho de 2013. PROJETO DE LEI N. 42/13 PROTOCOLO GERAL N. 3. ML-24/2013 Encaminha Projeto de Lei. Senhor Presidente: São Bernardo do Campo, 14 de junho de 2013. PROJETO DE LEI N. 42/13 PROTOCOLO GERAL N. 3.878/13 Encaminhamos a Vossa Excelência, para apreciação

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Comparação

Leia mais