POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12"

Transcrição

1 Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 ÍNDICE 1. FINALIDADE AMPLITUDE CONCEITOS RELACIONADOS A RISCO Risco Risco Residual Natureza do Risco Categoria de Risco BENEFÍCIOS DE UMA POLÍTICA DE S GESTÃO DOS RISCOS ESTRUTURA DE S Gerenciamento do Risco Operacional Atividade de Auditoria Interna Controle Interno Gerenciamento dos Riscos de Investimentos Gerenciamento dos Riscos do Negócio METODOLOGIA APLICADA NA S DA FUNDAÇÃO CESP Identificação dos Riscos e Controles Avaliação dos Riscos Tratamento dos Riscos Monitoramento Periódico Informação e Comunicação Relatório Global DISPOSIÇÕES GERAIS DAS EXCEÇÕES, VIOLAÇÕES E OMISSÕES ATUALIZAÇÃO VIGÊNCIA...12

2 Política de Gestão de Riscos Página 2 de FINALIDADE A Fundação CESP, dando prosseguimento ao aperfeiçoamento de sua governança corporativa e adequação aos preceitos da Resolução CGPC nº 13, de 01/10/2004, que em seu art.12 determina que todos os riscos que possam comprometer a realização dos objetivos da EFPC devem ser continuamente identificados, avaliados, controlados e monitorados, cria a sua Política de Gestão de Riscos. A Fundação CESP vem caminhando no sentido de criar uma estrutura de suporte para medir, monitorar e gerenciar os diversos tipos de risco aos quais a Entidade está sujeita. A elaboração dessa Política de Gestão de Riscos deverá contribuir para que se alcance uma visão global dos riscos da Fundação CESP e se estabeleça uma apropriada cultura focada na gestão desses riscos, uma vez que define procedimentos e padrões mínimos de avaliação dos riscos que deverão ser seguidos por todos os gestores. A Gerência Gestão de Risco da Fundação CESP, amparada pela Diretoria Executiva, será a principal responsável por garantir que essa Política de Gestão de Riscos seja aplicada de forma integral na Fundação CESP. 2. AMPLITUDE Aplica-se a todos os gestores da Fundação CESP que devem alertar a Gerência Gestão de Risco, e por conseqüência a Diretoria Executiva, dos riscos envolvidos na execução de todos os procedimentos executados sob as respectivas responsabilidades. 3. CONCEITOS RELACIONADOS A RISCO Abaixo são apresentados alguns dos principais conceitos presentes nessa Política Risco Risco é a chance de ocorrência de evento que possa causar efeitos não desejáveis (mensuráveis ou não) aos objetivos da Entidade. Deve ser avaliado em termos de impacto (geralmente financeiro) e probabilidade de ocorrência. O risco é uma característica inerente a todas as atividades e pode surgir da inatividade assim como de novas iniciativas. A tolerância ao risco também pode ser um fator implícito às atividades que devem ser executadas para alcançar os objetivos estratégicos da Fundação CESP Risco Residual Risco residual é o resultado do risco bruto depois de aplicados os controles necessários.

3 Política de Gestão de Riscos Página 3 de Natureza do Risco Os riscos podem ser classificados de acordo com a sua natureza, ou seja, determinadas características que permitem a sua agregação de uma forma organizada. A seguir são apresentados exemplos de natureza dos riscos: a. Risco operacional: está associado à possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiências ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, assim como de eventos externos como catástrofes naturais, fraudes, greves e atos terroristas. Geralmente acarreta redução, degradação ou interrupção, total ou parcial, das atividades, com impacto negativo na reputação da empresa, além da potencial geração de passivos contratuais, regulatórios e ambientais; b. Risco do negócio: está associado à tomada de decisão da Administração e pode gerar perda substancial à Entidade e à sua imagem; c. Risco de investimento: está associado à possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da administração dos recursos garantidores das reservas matemáticas; d. Demais riscos: riscos não enquadrados nas situações anteriores Categoria de Risco Os riscos podem ser classificados ainda de acordo com a sua categoria. A seguir são apresentados alguns exemplos de categorias de riscos: a. Risco de crédito; b. Risco de mercado; c. Risco de liquidez; d. Risco atuarial; e. Risco operacional; f. Risco legal; g. Risco de imagem; h. Risco de terceirização; i. Risco político. 4. BENEFÍCIOS DE UMA POLÍTICA DE S A adoção de uma política de gestão de riscos traz diversos benefícios para a Fundação CESP: a. Preserva o valor e a imagem da Entidade, mediante a redução da probabilidade e/ou impacto de eventos de perda, combinado com uma percepção de menor risco por parte de patrocinadores, participantes, assistidos e órgãos de fiscalização e de regulação; b. Promove maior transparência dos atos da Entidade, ao informar ao público interno e externo os riscos aos quais está sujeita, as políticas adotadas para sua mitigação, bem como a eficácia das mesmas; c. Melhora os padrões de governança, mediante a explicitação do perfil de risco adotado, em consonância com a cultura interna, além de introduzir uma uniformidade conceitual em todos os níveis da Fundação CESP; d. Proporciona o aprimoramento das ferramentas de controles internos para medir, monitorar e gerir os riscos e define uma metodologia para mensurar e priorizar riscos;

4 Política de Gestão de Riscos Página 4 de 12 e. Contribui para a melhoria da comunicação entre as áreas operacionais da Fundação CESP com os demais órgãos de sua Administração; f. Melhora o entendimento do posicionamento competitivo e estratégico da Entidade. 5. GESTÃO DOS RISCOS Um fundo de pensão deve entender seu perfil de risco global, isto é, o balanceamento entre altas e baixas atividades de risco. Estas considerações servirão de subsídio à tomada de decisão por parte dos gestores no que se refere aos níveis de risco que os mesmos desejam aceitar, podendo fornecer um padrão de comparação contra o qual o risco inicialmente avaliado pode ser constantemente medido. Os gestores necessitam comunicar aos órgãos de gestão da Entidade as fronteiras e limites definidos por suas políticas para garantir um claro entendimento dos riscos que podem ser aceitos e daqueles que os gestores considerariam inaceitáveis. Não há qualquer tipo de demanda ou obrigação definida pelo poder regulatório para que os gestores adotem modelos específicos de gerenciamento global de riscos. Cada modelo possui um número de elementos centrais e estes são recomendados como sendo essenciais para um entendimento apropriado do gerenciamento de riscos. Apesar desses elementos centrais essenciais poderem ser usados como passos e estágios, é recomendável que os gestores revisem cada estágio à medida que o conhecimento do perfil de riscos dos fundos de pensão aumente. Apesar das especificidades presentes nos diversos modelos de gerenciamento global de riscos, há o consenso de que alguns pontos-chave seriam: a. Estabelecimento de uma política de gestão de riscos; b. Identificação dos riscos e controles; c. Avaliação dos riscos; d. Definição das ações a serem tomadas; e. Estabelecimento de novos controles; f. Monitoramento e avaliações periódicos. Contudo, independentemente de um aparato regulatório moderno, capaz de englobar os principais tipos de riscos, é a cultura de gestão de riscos disseminada na Entidade que realmente trás resultados, pois a gestão de riscos está relacionada acima de tudo a pessoas, como elas agem e interagem entre si. Os modelos, os procedimentos e a regulação são ferramentas importantes. No entanto, mesmo que os órgãos reguladores imponham a adoção de sistemas e procedimentos de controle, de nada valerá o esforço se os próprios fundos de pensão não tiverem o firme propósito de gerenciar riscos. Os órgãos reguladores devem atuar como indutores, e os próprios fundos de pensão devem buscar adotar as melhores práticas de gestão de riscos possíveis, refletindo assim sua importância. Nos últimos anos houve uma demanda crescente por melhores mecanismos de governança corporativa, incluindo a adoção de controles internos mais rígidos. Espera-se que essa tendência não apenas continue, como também se acentue no futuro. O incentivo não viria por meio de punições do governo, mas por pressão dos participantes e patrocinadores pela governança do fundo de pensão.

5 Política de Gestão de Riscos Página 5 de 12 Uma Entidade descrita como detentora de uma cultura de risco é aquela na qual o gerenciamento de riscos está fortemente presente em todos os aspectos operacionais, isto é, o gerenciamento de riscos não é visto como uma atividade única e isolada. O gerenciamento de riscos deve ser parte de cada política, procedimento, estratégia e tática adotada pela empresa. Quando aplicado aos fundos de pensão, o problema de uma cultura de risco e tomada de decisões para agir antes do fato é imenso, principalmente na urgência de se mitigar riscos na presença de grandes e crescentes passivos atuariais. A mensagem aos participantes e patrocinadores deve ser: Nós reconhecemos os riscos e ativamente os gerenciamos. Eles não nos gerenciam. Agindo antes dos fatos, uma Entidade pode economizar dinheiro e tempo através da antecipação dos problemas e, determinando soluções apropriadas com antecipação, evitar estresses desnecessários de agentes externos reguladores ou até processos judiciais. Quando se quer avaliar se a Entidade possui uma cultura de risco, devemos considerar as seguintes questões: a. Os executivos seniores e os membros da Diretoria Executiva possuem como uma de suas principais bandeiras o comprometimento da companhia para com uma cultura de gerenciamento de risco? b. As políticas e procedimentos de gerenciamento de riscos são adequadamente divulgados? c. Os assuntos relacionados a riscos são comunicados claramente e com detalhamento suficiente? d. São os empregados avaliados e/ou promovidos com base em sua aderência aos objetivos de gerenciamento de riscos? Por extensão, os empregados são penalizados por não praticarem o controle de riscos? e. As Entidades possuem sistemas robustos e existe pessoal sendo provido para dar suporte a um esforço de gerenciamento de risco significativo? f. A companhia possui um Chief Risk Officer ou Comitê de Avaliação de Riscos? Se sim, o mesmo responde à Diretoria Executiva e possui independência adequada para fazer exceções à regra, quando necessário? A gestão global de riscos em um fundo de pensão envolve a implementação de alguns itens essenciais, a saber: a. Levantamento dos vários fatores de risco do fundo de pensão, estimando probabilidade de ocorrência e impactos financeiros; b. Criação e publicação de uma política de gestão de riscos para cada plano previdenciário. Inclusão de limites para os gerenciadores com respeito às suas políticas de gestão de riscos e procedimentos. Além disso, determinação de estratégias alternativas para controlar os riscos identificados no item anterior; c. Busca de comprometimento de toda a equipe através da inclusão de assuntos de risco em revisões de performance. Por exemplo, um indivíduo com responsabilidades relativas aos investimentos previdenciários deveria ser recompensado com base na performance ajustada ao risco; d. Reconhecimento de que um processo está sendo desenvolvido e requer cuidados e aperfeiçoamentos.

6 Política de Gestão de Riscos Página 6 de 12 A presente Política busca traçar diretrizes para que a gestão de riscos na Fundação CESP seja abordada de uma forma estruturada e organizada, proporcionando o entendimento dos riscos aos quais a Entidade está submetida e auxiliando a Administração e os gestores a: a. Tomar decisões oportunas e adequadas que garantam o uso mais efetivo dos recursos dentro de um nível de risco aceitável; b. Lidar de maneira eficiente com a incerteza, buscando um balanceamento ótimo entre retorno e riscos associados. 6. ESTRUTURA DE S A criação de uma política de gestão de riscos é fundamental para tornar a Entidade mais preventiva além de pró-ativa, e essa postura preventiva passa pela antecipação da ocorrência de eventos de risco. Busca-se a minimização das incertezas e maximização de oportunidades, levando conseqüentemente a Entidade a endereçar seus esforços no sentido de focar em ações nas áreas/processos mais relevantes. O modelo de gestão de risco da Fundação CESP compreende, entre outras atividades: 6.1. Gerenciamento do Risco Operacional O acompanhamento do risco operacional é realizado pela Gerência Gestão de Risco, através do monitoramento, junto aos gestores e respectivas áreas operacionais, do comportamento de riscos e controles. Para tanto, é adotada na Fundação CESP a metodologia da auto-avaliação de riscos e controles, na qual os próprios gestores realizam, periodicamente, a declaração dos riscos inerentes aos seus processos e dos controles existentes para reduzi-los aos níveis aceitáveis Atividade de Auditoria Interna A atividade de auditoria interna é executada na Fundação CESP por intermédio da Gerência Auditoria, que cumpre uma programação anual de trabalhos aprovada pela Diretoria Executiva Controle Interno Executado pela Gerência Gestão de Risco, é um processo desenvolvido para garantir, com razoável certeza, que sejam atingidos os objetivos da empresa nos seguintes aspectos: a. Eficiência e efetividade operacional (objetivos de desempenho ou estratégia): relacionados com os objetivos básicos da Entidade, inclusive com os objetivos e metas de desempenho e rentabilidade, bem como da segurança e qualidade dos ativos;

7 Política de Gestão de Riscos Página 7 de 12 b. Confiança nos registros contábil-financeiros (objetivos de informação): todas as transações devem ser registradas, todos os registros devem refletir transações reais, consignadas pelos valores e enquadramentos corretos; c. Conformidade (objetivos de conformidade) com leis e normativos aplicáveis à Entidade e sua área de atuação. O controle interno é um dos principais pilares de sustentação da estrutura de gestão de riscos. O conjunto coordenado dos métodos e medidas adotados com essas finalidades é denominado Sistema de Controles Internos. O Sistema de Controles Internos da Fundação CESP é baseado nos procedimentos estabelecidos para proporcionar um adequado ambiente de controle, dentre os quais: a. Políticas e Regulamentos; b. Manuais de Organização e de Delegação de Autoridade; c. Normas e procedimentos; d. Atividade de controles internos/compliance. Um Sistema de Controles Internos pode ser dividido em cinco elementos, conforme definido pelo COSO - The Comitee of Sponsoring Organizations, a saber: a. Ambiente de Controle; b. Identificação e Avaliação de Riscos; c. Atividades de Controle; d. Monitoramento; e. Informação e Comunicação Gerenciamento dos Riscos de Investimentos O acompanhamento dos riscos de investimentos é realizado pela Gerência Gestão de Risco, através de suas atribuições de análise de risco de crédito da carteira de renda fixa e da análise de risco de mercado das carteiras de renda fixa e variável, dentre outras análises Gerenciamento dos Riscos do Negócio O gerenciamento dos riscos do negócio é realizado pela Gerência Gestão de Risco, contando com a assessoria da Diretoria Executiva. Tal gerenciamento poderá se dar de diversas formas, dentre elas: a. Análise dos Comunicados de Resolução de Diretoria - CRD s e dos respectivos Relatórios à Diretoria - RD s; b. Identificação de riscos não associados a nenhuma das naturezas anteriormente definidas nesta Política; c. Elaboração do Relatório Global de Riscos, a ser implementado com a colaboração de todos os gestores da Fundação CESP, cada qual procurando determinar, com a coordenação da Gerência Gestão de Risco, os principais riscos presentes nos procedimentos pelos quais são responsáveis.

8 Política de Gestão de Riscos Página 8 de METODOLOGIA APLICADA NA S DA FUNDAÇÃO CESP A Gerência Gestão de Risco, amparada pela Diretoria Executiva, será a principal responsável por garantir que a metodologia de gestão de riscos a seguir apresentada seja aplicada integralmente na Fundação CESP Identificação dos Riscos e Controles Esse elemento da análise de riscos requer considerações cuidadosas. Embora haja várias ferramentas e listas de checagem disponíveis, sob o ponto de vista da Fundação CESP, a identificação dos riscos é feita de forma mais apropriada através do envolvimento daqueles com conhecimento detalhado dos procedimentos da organização. O setor dos fundos de pensão é diversificado e a natureza das atividades e influências externas expõe tais Entidades a diferentes áreas de risco e níveis de exposição. A seguir é apresentado um sistema de classificação global de riscos que, complementado pelas categorias de riscos apresentadas no item 3.3 dessa Política de Gestão de Riscos, pode ser utilizado para nortear qualquer trabalho de identificação e controle de riscos. Tal classificação é feita primordialmente para garantir que pontos chave de riscos oriundos de fatores externos e internos sejam considerados: a. Riscos de governança: estrutura organizacional inapropriada, dificuldades no recrutamento de gestores com as habilidades requeridas, conflitos de interesse, riscos de agência e de principal, competência e qualidade na tomada de decisão pelas partes responsáveis; b. Riscos operacionais: qualidade do serviço e desenvolvimento, apreçamento de contratos, assuntos de saúde e segurança, fraudes, roubo ou desvio de ativos, pagamento de excessivas taxas e despesas, fraude no resultado de operações através de transações com partes relacionadas; c. Riscos Financeiros: precisão e pontualidade de informações financeiras, adequação de reservas e fluxo de caixa, diversidade de fontes de renda, gerenciamento de investimentos, volatilidade do valor de mercado dos ativos levando à impossibilidade do pagamento dos benefícios, perfil de risco dos investimentos inapropriado às necessidades do sistema de pensão (ambos, investimentos de risco muito alto ou conservador levando a níveis de benefícios baixos), investimento nas patrocinadoras causando ineficiência risco/retorno ou impossibilidade na liquidação dos ativos para pagar benefícios, fluxo de recursos inadequado para suportar os níveis de benefícios, ativos ilíquidos e não adequados às demandas de fluxo de caixa; d. Riscos externos: percepção pública e publicidade adversa, mudanças demográficas, políticas de governo, declínio geral dos ativos devido a problemas econômicos externos, riscos financeiros levando ao não cumprimento de compromissos do fundo de pensão, mudanças estruturais nas taxas de mercado aumentando os passivos; e. Compliance em relação à lei e regulação: quebra de leis, regras sindicais, demandas regulatórias de atividades particulares Avaliação dos Riscos A avaliação e categorização dos riscos consistem em priorizar e filtrar os riscos identificados e estabelecer ações futuras demandadas (se necessário) e a que nível.

9 Política de Gestão de Riscos Página 9 de 12 Uma abordagem é tentar mapear os riscos como uma função da probabilidade do resultado indesejado e o impacto que um resultado indesejado terá na habilidade do fundo de pensão em alcançar seus objetivos operacionais. Esse processo permite aos gestores identificar os riscos que caem na principal categoria de riscos identificados, ou seja, aqueles que, se ocorrerem, terão um impacto severo na performance operacional, nos objetivos ou na reputação do fundo e que possuem uma alta probabilidade de ocorrência. Julgar a severidade do impacto também requer considerações cuidadosas e pode demandar algum julgamento subjetivo. Freqüentemente um impacto financeiro determinado não pode ser calculado, mas certos eventos irão por si mesmos criar impactos indiretos que podem ser significantes e representar um importante risco Tratamento dos Riscos Depois de identificado, avaliado e mensurado, deve-se definir qual o tratamento que será dado ao risco. Nesse contexto, a elaboração de um sistema de pontuação, apóia a priorização e visa direcionar os esforços relativos a novos projetos e planos de ação elaborados, a fim de minimizar os eventos que possam afetar adversamente e maximizar aqueles que possam trazer benefícios para a Entidade. É recomendável alinhar a estrutura de controles internos aos objetivos estratégicos e ao nível de exposição desejado pela Administração, que determinará seu posicionamento frente aos riscos com base em seu grau de aversão. As alternativas para tratamento dos riscos são: a. Evitar: decisão de não se envolver ou agir de forma a se retirar de uma situação de risco. Exemplo: não oferecer um determinado serviço ou produto aos participantes, face à avaliação desfavorável dos riscos existentes; b. Aceitar: neste caso se apresentam três alternativas: reter, mitigar e transferir e/ou compartilhar o risco: i. Reter: manter o risco no nível atual de impacto e probabilidade. Exemplo: um determinado processo não terá os controles incrementados ou aperfeiçoados, pois se julgou que o risco ao qual está exposto, após os controles, está em um limite aceitável; ii. Mitigar: ações são tomadas para minimizar a probabilidade e/ou o impacto do risco. Exemplo: identificou-se e avaliou-se que o risco de outro processo, necessário para a empresa, está acima do aceitável. Portanto, controles estão sendo providenciados para, depois de implantados, fazer com que o risco em questão seja mitigado e fique no limite aceitável; iii. Transferir e/ou compartilhar: atividades que visam reduzir o impacto e/ou a probabilidade de ocorrência do risco através da transferência ou, em alguns casos, do compartilhamento de uma parte do risco. Exemplo: a contratação de apólices de seguros pela Fundação CESP. O que o administrador deve buscar é mitigar os riscos pela diminuição da probabilidade de o evento ocorrer, ou pela diminuição do impacto se o mesmo ocorrer. Algumas ações possíveis seriam:

10 Política de Gestão de Riscos Página 10 de 12 a. Limitar a exposição ao risco; b. Implementar ou melhorar procedimento de controle que possa reduzir ou eliminar o risco; c. Fazer um seguro para o risco (comum para riscos residuais); Mesmo que o risco seja aceito como de baixo impacto e baixa probabilidade, deverá ser revisado periodicamente. De uma forma geral, temos então que os riscos com grande potencial de severidade de impacto, mas com baixa probabilidade de impacto devem ser acompanhados, no mínimo semestralmente, e devem ser feitos ajustes locais para garantir que eles poderão ser tratados se surgirem. O mesmo tratamento devem receber os eventos com baixa severidade, mas que podem acontecer com freqüência, podendo se tornar dreno gradual nas finanças ou reputação da Fundação CESP. Os riscos com baixa severidade de impacto e com baixa probabilidade de ocorrência não devem merecer atenção significativa, se devendo poupar esforços para o tratamento dos riscos mais críticos. Já os riscos com grande potencial de severidade de impacto e que podem acontecer com freqüência devem ser mitigados, sendo que o custo de se mitigar um risco deve ser proporcional ao potencial de impacto. Um balanço deve ser feito entre o custo de se implementar ações de controle e mitigação dos riscos e o potencial de impacto do risco residual Monitoramento Periódico É o acompanhamento sistemático, no qual se avalia se os objetivos estão sendo alcançados, se os limites estabelecidos estão sendo cumpridos e se eventuais falhas estão sendo prontamente identificadas e corrigidas. Cabe à Administração a avaliação contínua da adequação e da eficácia de seu modelo de gestão de riscos. Este deve ser continuamente monitorado, visando assegurar a presença e o funcionamento de todos os seus componentes ao longo do tempo. O monitoramento regular ocorre no curso normal das atividades gerenciais e o escopo e freqüência de avaliações ou revisões específicas dependem, normalmente, de uma avaliação do perfil de riscos e da eficácia dos procedimentos regulares de monitoramento. O gerenciamento de riscos vai além de simplesmente definir sistemas e procedimentos. O processo necessita ser dinâmico para garantir que novos riscos sejam tratados quando surgirem e também cíclico para avaliar como riscos previamente identificados podem ter mudado. O gerenciamento de riscos não é, portanto, um evento único e deveria ser visto como um processo que demanda monitoramento e avaliação. O monitoramento periódico deve garantir que novos riscos sejam apropriadamente reportados e avaliados e os gestores devem garantir que ações apropriadas estejam sendo tomadas, garantindo que os riscos estejam sendo mitigados, seja através de novos controles seja através da adequação de controles já implementados Informação e Comunicação A informação e comunicação consistem em um meio adequado de diálogo entre a Fundação CESP e os públicos interno e externo transmitindo prontamente a todos os

11 Política de Gestão de Riscos Página 11 de 12 interessados os resultados das atividades de controle realizadas pela Entidade, bem como as informações originadas da Administração e do corpo gerencial. Uma comunicação efetiva deve ocorrer amplamente por meio da organização. Todos os empregados, de todos os níveis, devem ter em mente seu respectivo papel no sistema de controle e quais são as informações importantes a serem comunicadas Relatório Global Uma boa forma de mapeamento dos riscos se dá através da elaboração de um relatório global de riscos. Esse relatório deve ser elaborado de forma a compreender os seguintes tópicos: a. Visão global do processo de gerenciamento de riscos; b. Identificação de responsabilidades; c. Mapeamento dos riscos identificados; d. Avaliação dos riscos identificados; e. Confirmação de que os sistemas de controle tenham sido estabelecidos de forma a mitigar os riscos, quando cabível; f. Definição de procedimentos de monitoramento e ações de follow-up demandadas, com indicação de que os principais riscos identificados têm sido revisados e/ou avaliados; g. A relação entre a identificação dos principais riscos e os objetivos operacionais e estratégicos da Fundação CESP. 8. DISPOSIÇÕES GERAIS Essa Política será acompanhada pela Diretoria Executiva no que se refere à aplicação dos procedimentos de acompanhamento e controle de suas diretrizes, e será formalizada em normas e procedimentos específicos. 9. DAS EXCEÇÕES, VIOLAÇÕES E OMISSÕES As exceções, eventuais violações e casos omissos a esta Política deverão ser submetidos à apreciação da Diretoria Executiva da Fundação CESP. 10. ATUALIZAÇÃO A Gerência Gestão de Risco, amparada pelas demais áreas da Fundação CESP e pela Diretoria Executiva, é a responsável pela atualização constante dessa Política.

12 Política de Gestão de Riscos Página 12 de VIGÊNCIA Essa Política entrará em vigência a partir da data em que se tornar disponível na intranet da Fundação CESP, o que deverá ocorrer 10 (dez) dias após sua aprovação pela Diretoria Executiva.

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1. OBJETIVO A gestão de risco para a NexFuel é uma ferramenta pela qual são analisados e monitorados os riscos estratégicos, operacionais e financeiros bem como aqueles atrelados

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA Título: Política de Controles Internos Riscos Corporativos SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. PRINCÍPIOS... 2 3. ABRANGÊNCIA... 2 4. DEFINIÇÕES...

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito, Mercado e Operacional

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito, Mercado e Operacional Crédito, Mercado e em: 30/12/2015 Política de Gerenciamento de Risco de Processos Página 2 de 9 SUMÁRIO 1- Definição... 3 2- Projeções de Perdas... 4 3- Classificação e Mitigação do Risco... 5 4- Estrutura...

Leia mais

Manual de Risco Operacional

Manual de Risco Operacional Manual de Risco Operacional Atualizado em maio/2014 Índice 1. Definição 3 2. Política e Premissas 4 3. Estrutura de Gestão de Risco Operacional 5 3a. Competências 6 3b. Modelo de Gestão do Risco Operacional

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS...

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Risco Operacional. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Risco Operacional. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Versão 5.0 dezembro 2010 Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Sumário 1. Objetivos 2. Conceitos 3. Referências 4. Princípios 5. Diretrizes

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 5.0 06/12/2010 Sumário 1 Objetivos... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 6 Responsabilidades... 6 7 Disposições

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Revisado em Agosto de 2015

Revisado em Agosto de 2015 Confidencial Este documento é propriedade intelectual da TWG/Virgínia, contém informações confidenciais e não deve ser lido por pessoas não autorizadas. Se você não está autorizado a lê-lo, devolva-o ao

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes, os princípios e a estrutura a serem considerados no processo de gerenciamento de riscos do Magazine

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Estruturas de Gerencimento de Riscos

Estruturas de Gerencimento de Riscos Risco Operacional O Banco CNHI Capital trabalha de forma a atender a Resolução do Conselho Monetário Nacional 3.380, de 29 de junho de 2006, que dispõe sobre a implementação de estrutura para gerenciamento

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é orientar a Administração da Cooperativa nos procedimentos internos destinados a minimizar a ocorrência de riscos operacionais, estabelecendo, didaticamente, conceitos

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr 1. Introdução 2. Áreas de Atuação 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos 4. Apetite ao Risco 5. Informações Qualitativas 5.1 Risco de Crédito 5.2 Risco de Mercado 5.3 Risco de Liquidez 5.4 Risco Operacional

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Introdução O Gerenciamento do Risco Operacional no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é orientar a administração da Cooperativa nos procedimentos internos destinados a minimizar a ocorrência de riscos operacionais, estabelecendo, didaticamente, conceitos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional 1/74 Título 1 Apresentação... 3 Título 2 Gerenciamento do Risco Operacional... 4 1 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 4 1 Considerações Gerais... 4 2 Estrutura Organizacional... 5 3 Responsabilidades...

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas.

AUDITORIA CONTÁBIL. Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas. Controle Interno Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas. Exemplo: vendas, fabricação, compras. Quando exercido adequadamente sobre uma das funções acima,

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

POLITICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP

POLITICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP POLITICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP 1. OBJETIVO A Gestão de Risco da CDP visando dar segurança e consistência aos processos da Companhia, bem como levantar informações a fim de auxiliar a Alta Direção da

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Outubro 2015

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Outubro 2015 Política de Gerenciamento de Risco Operacional Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Ambiente de Controles Internos

Ambiente de Controles Internos Ambiente de Controles Internos Agosto/2012 Gerência de Gestão de Riscos, Compliance e Controles Internos Gestão de Controle Interno Responsabilidades GESTÃO DE RISCOS AUDITORIA INTERNA Mapeamento dos Riscos

Leia mais

APLICAÇÃO DA AUDITORIA BASEADA EM RISCOS (ABR) PARA DEFINIÇÃO DAS AÇÕES DO PAINT

APLICAÇÃO DA AUDITORIA BASEADA EM RISCOS (ABR) PARA DEFINIÇÃO DAS AÇÕES DO PAINT APLICAÇÃO DA AUDITORIA BASEADA EM RISCOS (ABR) PARA DEFINIÇÃO DAS AÇÕES DO PAINT Junho - 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Ações do Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (PAINT) Gestão de riscos: um

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 04/IN01/DSIC/GSI/PR 01 15/FEV/13 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 04/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1/8 1. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL O Conglomerado Prudencial Safra SAFRA, de acordo com as melhores práticas de mercado

Leia mais

COSO - The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission

COSO - The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission COSO - The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission Eduardo Martins Pereira Fernando Bracalente Marcelo Dinofre Mario Luiz Bernardinelli mariolb@gmail.com Abstract The purpose of

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL PAPÉIS E RESPONSABILIDADES

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL PAPÉIS E RESPONSABILIDADES ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL O Conglomerado Prudencial Safra SAFRA, de acordo com as melhores práticas de mercado e integral atendimento à regulamentação, implementou a sua Estrutura

Leia mais

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE JULHO/2014 1. Objetivos O gerenciamento de riscos no BRDE tem como objetivo mapear os eventos de riscos, sejam de natureza interna ou externa, que possam afetar

Leia mais

MODELO BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

MODELO BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MODELO BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Ministério da Previdência Social - MPS Secretaria Executiva - SE Assessoria de Gerenciamento de Riscos - AGR MODELO BRASILEIRO

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO E CONTROLES INTERNOS CAPITAL GESTÃO E INVESTIMENTOS LTDA

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO E CONTROLES INTERNOS CAPITAL GESTÃO E INVESTIMENTOS LTDA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO E CONTROLES INTERNOS CAPITAL GESTÃO E INVESTIMENTOS LTDA MAIO 2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO E CONTROLES INTERNOS 1 Objetivo Em conformidade com a IN-CVM 558/2015 esse documento

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL - GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL - GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES PROCEDIMENTO OPERACIONAL - GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES PROCEDIMENTO OPERACIONAL TÍTULO 2 Presidência Capítulo 5 Gestão Estratégica Seção Nome Revisão 03 Riscos e 01 Procedimento Operacional - Gestão de

Leia mais

IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável

IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável IFRS em Destaque 01/16:First Impressions Fevereiro de 2016

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

Governança de Riscos. 31 de dezembro de 2012 PUBLIC

Governança de Riscos. 31 de dezembro de 2012 PUBLIC Governança de Riscos 31 de dezembro de 2012 PUBLIC Sumário Visão geral... 2 Estrutura organizacional... 3 Estrutura de Governança de Risco... 4 Estrutura Sênior de Comitês... 5 Executive Committee (EXCO)...

Leia mais

Gestão de Riscos Corporativos

Gestão de Riscos Corporativos Gestão de Riscos Corporativos Estudo de Caso Sabesp PAP - 001854 14/07/2010 Superintendência de Auditoria - PA 14:00 h. Gestão de Riscos Corporativos Pauta 1 Perfil de Companhia 2 Objetivos 3 Metodologia

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA

PLANO ANUAL DE AUDITORIA PLANO ANUAL DE AUDITORIA PAA 2015 Novembro/2014 O controle interno não fiscaliza o gestor, mas fiscaliza para o gestor, evitando que possíveis erros sejam detectados a tempo. Severiano Costa Andrade -

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FATOR AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Data da Competência: Abr/16

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FATOR AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Data da Competência: Abr/16 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FATOR AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Data da Competência: Abr/16 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS

Leia mais

Basileia III e Gestão de Capital

Basileia III e Gestão de Capital 39º ENACON Encontro Nacional de Contadores Basileia III e Gestão de Capital Novembro/2013 Agenda 1. Resolução 3.988, de 30/6/2011 2. Circular 3.547, de 7/7/2011: Icaap 3. Carta-Circular 3.565, modelo Icaap

Leia mais

Gestão de Riscos em Projetos de Software

Gestão de Riscos em Projetos de Software Gestão de Riscos em Projetos de Software Júlio Venâncio jvmj@cin.ufpe.br 2 Roteiro Conceitos Iniciais Abordagens de Gestão de Riscos PMBOK CMMI RUP 3 Risco - Definição Evento ou condição incerta que, se

Leia mais

Gestão de Riscos. Risco

Gestão de Riscos. Risco Gestão de Riscos A crescente importância da TI para os processos de negócio de uma empresa trouxe em paralelo, também, um aumento de problemas de segurança em relação à informação. Assim, a necessidade

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 Dez/14 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar informações relevantes sobre as estruturas e os processos de gerenciamento de riscos adotados

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1 1. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1 INTRODUÇÃO O gerenciamento de riscos do Banco Renner é acompanhado constantemente pela Diretoria que é responsável por

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2015

ABNT NBR ISO 9001:2015 ABNT NBR ISO 9001:2015 Sistema de Gestão da Qualidade Requisitos Terceira edição: 30/09/2015 Válida a partir de: 30/10/2015 Tradução livre fiel ao original - uso exclusivo para treinamento 1 NORMA BRASILEIRA

Leia mais

CCEE - Metodologia de Gestão de Risco. InfoPLD ao vivo 28/4/2014

CCEE - Metodologia de Gestão de Risco. InfoPLD ao vivo 28/4/2014 CCEE - Metodologia de Gestão de Risco InfoPLD ao vivo 28/4/2014 Definição de Gestão de Risco Gestão de risco é a abordagem sistemática de identificar, analisar e controlar os riscos que são específicos

Leia mais

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF OS TRECHOS EM FONTE NA COR VERMELHA SÃO AS NOVIDADES ACRESCENTADAS PELO AUTOR. CAPÍTULO 2 2.1. QUANDO A AUDITORIA INDEPENDENTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É NECESSÁRIA? Vimos que a auditoria tornou se

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais