SISTEMA WEB DE AGENDAMENTO DE ATENDIMENTOS COM INTEGRAÇÃO EM NUVEM COMPUTACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA WEB DE AGENDAMENTO DE ATENDIMENTOS COM INTEGRAÇÃO EM NUVEM COMPUTACIONAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMA WEB DE AGENDAMENTO DE ATENDIMENTOS COM INTEGRAÇÃO EM NUVEM COMPUTACIONAL TRABALHO DE GRADUAÇÃO William Douglas de Medeiros Monteiro Santa Maria, RS, Brasil 2014

2 SISTEMA WEB DE AGENDAMENTO DE ATENDIMENTOS COM INTEGRAÇÃO EM NUVEM COMPUTACIONAL William Douglas de Medeiros Monteiro Trabalho de Graduação apresentado ao Curso de Sistemas de Informação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, RS), como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação Orientadora: Prof a. Dr a. Andrea Schwertner Charão Co-orientador: M. Sc. Adriano Pereira 10 Santa Maria, RS, Brasil 2014

3

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente, aos familiares que ofereceram suporte durante toda minha vida. A minha namorada, Paola, aos amigos, especialmente aos amigos e colegas Camila Brondani, Cássio Libraga e Rodrigo Comassetto, pela amizade e companheirismo proporcionados. A professora Andrea Charão, pela orientação e compreensão durante a graduação. Ao meu Co-Orientador Adriano Pereira, que tornou este trabalho possível e foi fundamental no meu aprendizado de JSF com paciência e disponibilidade. Aos participantes da banca de TG, pelo apoio dado desde a prévia apresentação deste trabalho. Aos coordenadores que passaram pelo curso e à ex-secretária Nelma que estiveram sempre a disposição de todos os alunos e que muitas vezes procurei ao longo do curso. Aos demais colegas, professores e servidores que contribuíram de alguma forma durante a minha graduação e estiveram presentes nesta caminhada.

5 RESUMO Trabalho de Graduação Curso de Sistemas de Informação Universidade Federal de Santa Maria SISTEMA WEB DE AGENDAMENTO DE ATENDIMENTOS COM INTEGRAÇÃO EM NUVEM COMPUTACIONAL AUTOR: WILLIAM DOUGLAS DE MEDEIROS MONTEIRO ORIENTADORA: ANDREA SCHWERTNER CHARÃO CO-ORIENTADOR: ADRIANO PEREIRA Local da Defesa e Data: Santa Maria, 23 de Janeiro de A necessidade da otimização do tempo é uma preocupação hoje em dia. Um software para organizar automaticamente os agendamentos da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) pode ajudar muito na organização da instituição, e sua implantação é bastante aguardada. O trabalho tem como objetivo oferecer um sistema de agendamentos no qual o aluno poderá acessar sem nenhum cadastro extra (além do cadastro já existente nos sistemas atuais da instituição) e agendar uma consulta para a obtenção do benefício sócio-econômico a partir da consulta da PRAE. A aplicação também facilita o gerenciamento de horários de cada assistente social, permite que eles tenham indisponibilidades previstas, e ainda proporciona uma integração com a Google Calendar API que oferece visualização de dados em qualquer dispositivo capaz de acessar o Google Calendar. O sistema foi desenvolvido em equipe com analistas do Centro de Processamento de Dados da UFSM a fim de preservar a compatibilidade com sistemas atuais da instituição. Além do benefício do tempo a ser poupado, o sistema traz uma modelagem genérica que possibilita o reuso em outros contextos posteriores, como o agendamento de outros recursos (veículos, salas de aula, etc.) da instituição. O aluno pode incluir os seus eventos em seu calendário virtual, onde uma das possibilidades é o próprio Google Calendar. Apesar do sistema final não ser totalmente genérico, ele foi construído sobre uma modelagem que é genérica. Portanto com poucos ajustes pode ser adaptado para outros contextos necessários dentro da UFSM. Palavras-chave: Agendamento. Nuvem. API. Calendário.

6 ABSTRACT Undergraduate Final Work Undergraduate Program in Computer Information Systems Federal University of Santa Maria WEB-BASED APPOINTMENT S SCHEDULING SYSTEM WITH CLOUD INTEGRATION AUTHOR: WILLIAM DOUGLAS DE MEDEIROS MONTEIRO ADVISOR: ANDREA SCHWERTNER CHARÃO COADVISOR: ADRIANO PEREIRA Defense Place and Date: Santa Maria, January 23 th, The need to optimize the time is a preoccupation nowadays. An automated software that organizes Santa Maria s Federal University s (UFSM) Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) schedulings can improve much the institution s organization, and its deployment has been waited. This paper has as objetcive to deliver a scheduling s system which a student can access with no extra registration (besides the one that is already on running systems), schedule an appointment to obtain the socioeconomic benefit from PRAE s appointment. The application also facilitates the time management of each social worker, allows that they have known unavailabilities, and provides an integration with Google Calendar s API, which has the option to access the scheduled data through any device that is able to interact with Google Calendar The system was developed in UFSM s Data Processing Center s with their analysts to preserve the compatibility with actual running systems. Besides the benefit of the time that will be saved, the system brings an integration with other existing systems from UFSM, generic modeling possibiliting the reuse of the software in another later applications, as scheduling another UFSM s resources (cars, classrooms, etc.). The student can also include the scheduled data into virtual calendars, and one of them is Google Calendar. Although the final system is not totally generic, it was built over a modeling tha is generic. So it can be easily adjusted to fit any other needs inside UFSM. Keywords: Cloud. API. Calendar. Schedule..

7 LISTA DE APÊNDICES APÊNDICE A Ambiente de desenvolvimento do CPD APÊNDICE B Diagrama do sistema de agendamentos... 36

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivos Justificativa FUNDAMENTAÇÃO Definição de termos utilizados Application Programming Interface Model-View-Controller Tecnologias utilizadas Java Enterprise Edition Glassfish Redmine Maven DB Tecnologias auxiliares Hibernate Enterprise JavaBeans Google Calendar API Aplicações similares DESENVOLVIMENTO Modelagem Levantamento de requisitos Modelo do sistema Fluxos de utilização Integração em nuvem Implementação Desenvolvimento com o framework do CPD Google Calendar API RESULTADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES

9 8 1 INTRODUÇÃO Com os constantes avanços tecnológicos, as pessoas estão cada vez mais ligados a tendências geradas pela web. É notável o quanto a internet modificou estilos de vida nos últimos anos e, cada vez tem-se mais informação em menos tempo. Sabe-se que um serviço online facilita bastante a vida de empresas e de seus clientes. Com isso, todos ganham um tempo cada vez mais valioso. É inevitável que, trabalhos manuais feitos por uma pessoa ou equipe, sejam substituídos por meios mais eficientes, com custo menor. Desde a primeira ocorrência disso, por volta de 1830, quando a máquina a vapor substitui operários na primeira revolução industrial (HOBSBAWM, 1969), esse tipo de avanço é cada vez mais frequente e coerente, já que máquinas conseguem fazer trabalhos repetitivos mais rapidamente sem descansar, além de substituir várias pessoas (MOTA MYRIAM BECHO; BRAICK, 1998). Atualmente, o refinamento da programação permite que muitas tarefas sejam automatizadas. Há um custo inicial com o software, mas ganha-se a longo prazo com a otimização dos recursos utilizados. Um sistema web de agendamento consiste em um software, disponibilizado por algum prestador de serviços para seus clientes, para facilitar o processo de marcação de qualquer tipo de evento. Por exemplo, num consultório médico, o sistema web facilitaria o agendamento de consultas e o trabalho da secretária, que só precisaria alimentá-lo com os horários disponíveis para os agendamentos. No setor público tem-se exemplos de sistemas de agendamentos na Polícia Federal (agendamento para obtenção de passaportes) e Previdência Social (SISAGE). Esse tipo de abordagem possibilita uma interatividade muito grande entre as partes envolvidas, já que o interessado pode fazer seu agendamento de casa, no horário que mais lhe for conveniente. Dependendo do sistema, o cliente pode até ter acesso a todos os horários livres, e optar pelo que mais agradar. Um sistema desse tipo também não cometeria erros tipicamente humanos, como marcar dois agendamentos para o mesmo horário. Buscando as vantagens previamente citadas, a Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) procurou meios de automatizar o agendamento dos atendimentos que oferece. A PRAE é um órgão administrativo da UFSM e tem como objetivos: planejar, operacionalizar, supervisionar, orientar e, juntamente com os acadêmicos, interagir nas atividades universitárias que abrangem o campo cultural, social e assistencial da Política de Assistência Estudantil desta instituição (PRAE, 2013). Um dos principais atendi-

10 9 mentos oferecidos é para a obtenção do benefício sócio-econômico na UFSM, o que garante o acesso e permanência de estudantes na instituição, dentro de uma perspectiva de inclusão social, formação ampliada, produção de conhecimento, melhoria do desempenho acadêmico e da qualidade de vida da comunidade estudantil. Nesse tipo de atendimento, o aluno da UFSM entra em contato com a PRAE para que sua situação e documentos sejam analisados pelas assistentes sociais (recursos da PRAE). Depois da situação analisada, as assistentes corroboram (ou não) o pedido do aluno pelo benefício sócio-econômico. A automatização desse processo otimizará o tempo dos assistentes sociais e oferecerá maior controle, para que se saiba exatamente o que foi e o que será feito. Os problemas com agendamentos manuais são notáveis. Sem uma automatização, é muito difícil manter o controle sobre o número de vagas e gerenciamento de indisponibilidades. Além disso, é comum que existam duplicidade nos agendamentos manuais. A demanda de implementação do sistema foi levada até o Centro de Processamento de Dados (CPD), que trata da área de Tecnologia da Informação da UFSM. O CPD conta com analistas de TI que trabalham no desenvolvimento de soluções para a UFSM. Em conjunto com a equipe de analistas, este trabalho foi desenvolvido conforme objetivos citados adiante. 1.1 Objetivos Dentro do contexto apresentado, o trabalho tem como objetivo permitir um agendamento web, que facilite a visualização dos horários de atendimento das assistentes sociais disponíveis durante a semana para alunos que desejam obter o benefício sócio-econômico da PRAE. O sistema ainda deve oferecer aos profissionais, alguma maneira de alterar os horários e gerar indisponibilidades justificadas. O trabalho ainda objetiva ter uma integração com nuvem computacional, possibilitando uma visualização privilegiada gestor da PRAE para os agendamentos marcados por alunos. Ao ser concluído, este trabalho pretende disponibilizar um sistema de agendamento de consultas com assistentes sociais, que tenha funções para disponibilizar e indisponibilizar horários, gerenciar perfis, visualização de agendamentos em nuvem computacional, entre outras funcionalidades que tornem o sistema utilizável também em outros contextos.

11 Justificativa Várias solicitações foram feitas ao CPD para o desenvolver a função de agendamento integrado aos sistemas existentes (agendamento odontológico, veicular, etc.). Porém, a demanda da PRAE foi a primeira e, portanto, escolhida como um ponto de partida. Os diferentes pedidos por esse tipo de sistema, influenciou em sua modelagem. Construído sobre um modelo genérico, o sistema pode ter algumas poucas alterações antes de ser aplicado em outro contexto dentro da UFSM (agendamento de espaços ou veículos, por exemplo). Apesar da modelagem genérica, o trabalho é focado unicamente no caso de agendamentos da PRAE. Além da modelagem genérica que ajuda no reuso, construir internamente um sistema auxilia com a compatibilidade que se deve ter com os outros em funcionamento. O know-how dos analistas do CPD sobre os sistemas atuais permite que a integração com os sistemas atualmente disponibilizados e até mesmo sistemas futuros sejam totalmente compatíveis. É importante que os dados cadastrais dos alunos, mantidos pela UFSM, não precisem ser reinseridos no novo sistema, pois isso seria um grande contratempo.

12 11 2 FUNDAMENTAÇÃO Este capítulo tem como finalidade definir os conceitos necessários para o entendimento do trabalho, bem como as tecnologias utilizadas em seu desenvolvimento. 2.1 Definição de termos utilizados Esclarecimentos sobre cada tecnologia utilizada no trabalho e os principais termos ligados à elas Application Programming Interface Application Programming Interface (API), ou Interface de Programação de Aplicativos, em português, é uma interface que facilita o desenvolvimento entre serviços diferentes. Utilizando o exemplo deste trabalho, em vez de implementar todas as manipulações de calendário (incluir eventos, remover eventos, etc.), utilizamos uma API, feita pelo Google, que faz isso. A API é fornecida a nível de código pelo serviço a ser utilizado, e contém métodos para facilitar essa integração (CIRIACO, 2009). É importante frisar que sem a utilização de uma API, toda a integração deste trabalho com o Google Calendar teria que ser feita do zero Model-View-Controller O Model-View-Controller (MVC), é um padrão de arquitetura de software que divide a representação da informação de sua manipulação e interação com usuários. É amplamente utilizado para organizar melhor o código, inclusive é o modelo de programação deste trabalho. Sucintamente, o usuário enxerga o View, gera uma ação para o Controller, que manipula os dados e os passa para o Model. Este último, atualiza o View, que mostra uma representação ao usuário (BURBECK, 1992). 2.2 Tecnologias utilizadas Por apresentar uma necessidade de integração á serviços já existentes, o sistema foi influenciado por eles na sua modelagem. Todas tecnologias utilizadas no trabalho foram herdadas do framework de desenvolvimento do CPD.

13 Java Enterprise Edition Java é uma linguagem de programação que executa suas aplicações em uma máquina virtual própria, permitindo a portabilidade de aplicações entre as mais diversas plataformas. Na versão Java Enterprise Edition (Java EE), é disponibilizada uma plataforma para uso empresarial com opões de ferramentas que facilitam o desenvolvimento voltado para a web (NETWORK, 2013a). Esta escolha foi feita por causa da facilidade que a linguagem proporciona ao usar padrões de desenvolvimento, como o MVC. Outros fatores decisivos a favor da utilização desta tecnologia, foram a existência de bibliotecas com métodos úteis à aplicação, como autenticação de alunos via matrícula, métodos de comunicação com o SGBD (Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados), e muitos outros. A utilização de outra linguagem de programação web implicaria no desenvolvimento desses métodos, partindo do "zero" Glassfish 4 O Glassfish é um servidor de aplicações JavaEE, tornando possível a utilização do agendamento via web. É amplamente usado por oferecer funcionalidades como balanceamento de carga e clustering. Na versão 4, ganhou suporte ao JavaEE 7, sendo o primeiro dos servidores de aplicação a suportar tal tecnologia. Ganhou também nesta versão, uma edição Open Source (NETWORK, 2013b) Redmine O Redmine é uma ferramenta web, open source que faz o gerenciamento de projetos. Oferece inúmeros recursos para auxiliar e facilitar o desenvolvimento de aplicações. Algumas das principais funções são: 1. Calendário e gráfico de Gantt 2. Suporte a Multilinguagem 3. Contagem de tempo 4. Suporte a vários tipos de autenticação, com controle de acesso baseado em papéis (Administrador, Gerente, etc.).

14 13 Essa ferramente é utilizada no CPD para ajudar no gerenciamento da equipe nos vários projetos desempenhados pelos analistas (LANG, 2013) Maven Maven é uma ferramenta muito útil, que permite gerenciar e construir projetos em Java. Utilizando essa ferramenta, não é mais necessário incluir todas as bibliotecas manualmente no projeto, sendo que é só referenciá-las no arquivo POM.xml do projeto, e as dependencias são obtidas de maneira automática pelo Maven (APACHE, 2013) DB2 Trata-se de uma família de servidores de bases de dados, desenvolvida pela IBM. Por ser a base utilizada pela UFSM, também foi utilizada neste trabalho. Apesar da base de dados ser transparente para a aplicação deste trabalho (graças ao uso do Hibernate), foram criadas algumas tabelas em complemento às já existentes. 2.3 Tecnologias auxiliares Baseando-se no princípio do reuso de código-fonte para aceleração do desenvolvimento, algumas tecnologias que oferecem facilidades em certos aspectos foram utilizadas Hibernate O Hibernate é uma biblioteca de mapeamento objeto-relacional. Em outras palavras, esta biblioteca mapeia bases de dados relacionais tradicionais, para objetos, facilitando o desenvolvimento no estilo orientação-objeto. A biblioteca facilita muito o arranjo de relacionamentos 1:n e n:n entre classes. Permite, ainda, consultas feitas nos objetos de dados do Hibernate por intermédio de uma linguagem parecida com o SQL, o HQL (Hibernate Query Language)(HAT, 2013). Pelas vantagens previamente citadas, o Hibernate foi utilizado no sistema de agendamentos desenvolvido neste trabalho, abstraindo as chamadas ao banco de dados.

15 Enterprise JavaBeans É um componente que trabalha na arquitetura de um servidor JavaEE para facilitar o desenvolvimento distribuído, transacional, seguro e portátil de aplicações. Habilita a modularização na construção de sistemas, a fim de encapsular a lógica de negócios da aplicação Google Calendar API A Google Calendar API permite o desenvolvimento de aplicações que manipulam eventos e calendários na nuvem da Google. Fazendo uso desta API é possibilitado ao sistema fazer busca de eventos em calendários públicos e privados, desde que o usuário autenticado tenha privilégios suficientes para essa ação. Para usuários autenticados com os privilégios necessários é possível criar, editar e excluir eventos e calendários (GOOGLE, 2013a). A API permite que usuários de um sistema qualquer sejam autenticados e ofereçam acesso aos seus calendários para o aplicativo que estão utilizando. Os acessos da aplicação precisam ser autorizados pelo usuário. Porém, existe um tipo de autenticação que não utiliza a conta do usuário que esta visualizando a página web, mas utiliza uma conta previamente criada para o servidor onde a aplicação está executando, permitindo que o próprio sistema faça tarefas em algum calendário previamente especificado e autorizado, sem ter que pedir permissão ao usuário. Esses tipos de autenticação da API serão tratadas no texto. O fato da visualização do calendário pelo site da Google ser bastante completo também motiva o uso dessa API, já que fica mais fácil para o usuário enxergar os calendários que contêm os agendamentos. Tendo acesso a qualquer dispositivo que acessa o Google Calendar, o usuário do sistema de agendamentos desenvolvido neste trabalho consegue visualizar dados de agendamentos efetuados. 2.4 Aplicações similares Os sistemas de agendamento web similares encontrados são, em sua grande maioria, desenvolvidos especificamente para uma aplicação. Em adição, estes sistemas necessitam de algum tipo de cadastro para a sua utilização. Por exemplo, temos o agendamento de consultas médicas da UNIMED 1. Somente clientes UNIMED Grande Florianópolis podem acessar efetivamente o sistema, porém uma seção de perguntas frequentes permite o esclarecimento de 1 Disponível em

16 15 alguns fatores. Figura 2.1 Página de entrada do sistema de agendamentos da UNIMED Grande Florianópolis O sistema permite que o paciente escolha um profissional específico e, de acordo com a tela de login, médicos podem entrar no portal para disponibilizar horários. A diferença desse sistema para o que precisamos começa quando entramos na tela de paciente, que ele pede autenticação e oferece a possibilidade de cadastro. No nosso caso, não deve ser permitido o cadastro, pois somente alunos devem ter acesso ao agendamento, e todos já estão cadastrados. Outro ponto observado, é que o site inteiro da UNIMED utiliza a tecnologia multiplataforma Java, enquanto o sistema de agendamentos utiliza a tecnologia proprietária.net, logo deduzimos que o desenvolvimento das funcionalidades teve que ser feito do zero. Apesar de estar aplicado no setor privado, temos exemplos de sistemas de agendamentos também no setor público. O Sistema de agendamento para requerimento de passaportes 2 da Polícia Federal, ou o SISAGE 3 (Sistema de Agendamentos) da Previdência Social são os principais exemplos no setor público, e são amplamente disponibilizados para a utilização pela população para a realização de seus agendamentos (cada um no seu contexto). O principal problema com estes sistemas é que utilizam tecnologias diferentes da utilizada na UFSM, e isso dificulta na integração entre eles e os sistemas atualmente utilizados na instituição. 2 https://www7.dpf.gov.br/sinpa/realizaragendamento.do 3

17 16 3 DESENVOLVIMENTO Neste capítulo estão descritas as informações sobre o desenvolvimento do sistema de agendamentos. O sistema foi desenvolvido no CPD, que recebe as demandas de toda UFSM e escolhe qual processo de desenvolvimento iniciar a partir de uma priorização. O modelo utilizado neste trabalho foi feito de maneira genérica, levando em conta, além da reunião com os usuários, o sistema de agendamento de consultas do Hospital Universitário, pré existente. 3.1 Modelagem O sistema foi planejado de acordo com a necessidade do usuário (PRAE), portanto, além do pedido inicial da PRAE, aconteceu uma reunião para o levantamento de requisitos. Nessa reunião, foram levantadas questões importantes para o desenvolvimento, como regras de negócio e fluxos do processo. Após esclarecidas as dúvidas, foi feita uma reunião entre a equipe de desenvolvimento, para dar procedência ao projeto Levantamento de requisitos Na reunião foram identificados, como principais, os seguintes requisitos: 1. Agendamento para alunos da UFSM 2. Visualização e manutenção dos dados 3. Gerenciamento de indisponibilidades nos atendimentos 4. Controlar o número de vagas disponíveis para cada consulta 5. Controlar os horários de agendamentos de maneira No item 1, sabe-se que os alunos são todos da UFSM, logo não é necessário fazer nenhum tipo de cadastro extra, já que estão todos cadastrados nas bases de dados da instituição. A visualização de dados proposta no item 2 refere-se a interface requerida pelo usuário, que deve mostrar com clareza os agendamentos. Esta interface é dividida em duas, sendo que a primeira é voltada ao administrador do sistema, e a segunda para a visualização dos horários de agendamento pelos alunos.

18 17 Fundamentalmente o item 3 é necessário para que possíveis indisponibilidades de atendimento sejam inclusas no sistema, tornando-o mais completo. Sem este item, um aluno poderia marcar um horário onde nenhum assistente social estaria disponível para realizar o atendimento. O controle de vagas (4) agrega ao sistema a possibilidade de fazer somente os agendamentos cabíveis num horário determinado, eliminando a possibilidade de duplicidades e excesso de agendamentos num mesmo horário. Conforme esperado, o sistema deve manter relatórios que podem ajudar na tomada de decisões futuras e otimização de processos. Outras questões não definidas pelo usuário foram acertadas de maneira genérica de modo que o sistema seja facilmente customizável para uma aplicação em outro contexto dentro da UFSM Modelo do sistema Após a reunião inicial com o usuário foi proposta pela equipe do CPD o modelo do sistema descrito na figura 3.1. Além dos requisitos, o modelo do sistema prevê o reaproveitamento do sistema para outros contextos dentro da UFSM, logo temos alguns itens que não são utilizados para o contexto atual da aplicação. Figura 3.1 Modelo genérico do sistema de agendamentos

19 18 Figura 3.2 Modelo de classes do sistema de agendamentos Conforme vemos na figura 3.1, temos como base do agendamento, um perfil de agendamento. Este perfil contém um recurso, que no caso é um assistente social, horários de início e fim e os dias da semana em que o perfil será válido. Um recurso pode estar presente em vários perfis. Além disso, o perfil tem uma validade, ou seja, depois da data final, ele deixa de valer. Isso é útil para que os horários sejam definidos apenas para um certo período de tempo, já que a cada semestre, por exemplo, podem ser mudados os horários de cada assistente. Os assistentes já estão cadastrados na base de dados da UFSM, assim como os alunos, logo os usuários e recursos não precisam ser cadastrados novamente. Existem ainda, indisponibilidades para cada perfil. Elas podem ser cadastradas antes de gerar as agendas, e serão consideradas na hora de disponibilizar os horários para os alunos. Com todas as informações do perfil e indisponibilidades, pode-se montar agendas. Essas agendas são nada mais do que a lista de horários disponíveis que o aluno irá ver. Durante a montagem, a aplicação verifica quais os dias e horários que tem que ser feito cada agenda, e também faz a verificação de indisponibilidades para aquele dia. Os eventos do calendário acadêmico geram indisponibilidades da mesma maneira que as indisponibilidades agregadas ao

20 19 perfil, então em feriados ou não letivos, a agenda não é criada. O trabalho foi desenvolvido em conjunto com analistas do CPD, e é importante destacar que uma divisão de tarefas foi feita. As partes de modelagem foram feitas em equipe, enquanto outros aspectos, devidamente citados no texto, foram feitos exclusivamente pela equipe do CPD. Para fins de visualização, a figura 3.1 estará disponível no final do trabalho (item B.1), num tamanho maior Fluxos de utilização O sistema de agendamentos pode ser acessado por alunos ou pelo gestor da PRAE, e os casos de uso disponíveis para cada um estão descritos na figura 3.3 (SOMMERVILLE, 2011). Figura 3.3 Diagrama de casos de uso O aluno pode entrar para realizar agendamentos pelo portal do aluno e escolher um dos horários listados. Existem filtros para aplicar na listagem de horários disponíveis para que os mesmos sejam refinados de acordo com os dias escolhidos. Após escolhido o horário, o sistema adiciona o aluno como interessado na agenda selecionada, incrementa o número de vagas ocupadas (se o número máximo de vagas for atingido, o horário não é mais exibido

21 20 na lista) e adiciona o horário escolhido pelo aluno ao Google Calendar do gestor da PRAE. Depois de o horário ser agendado com sucesso, o aluno é redirecionado para uma tela final com informações sobre seu agendamento. O administrador da PRAE deve acessar o sistema pela página web da PRAE. A partir daí, ele pode gerenciar os perfis (criar, editar e remover) de acordo com as necessidades, desde que os perfis não estejam disponibilizados para agendamentos. Além de gerenciar os perfis, o administrador pode gerenciar as indisponibilidades desses perfis. Essas, podem ser adicionadas a qualquer momento, mesmo que o perfil já tenha agendas. Quando uma nova indisponibilidade é gerada, o sistema verifica se existem agendas para aquele período de tempo e, se houver alguma agenda sem interessados, ela é desativada. Caso haja algum interessado, a agenda permanece intacta. O administrador poderá ver os horários marcados e seus interessadono Google Calendar Integração em nuvem Após o estudo das tecnologias aplicadas, percebeu-se que a integração do sistema com o Google Calendar API seria uma etapa relativamente curta, desde que a autenticação funcionasse corretamente. A primeira vista, duas possibilidades para que fosse integrado o sistema de agendamentos com o Calendar foram utilizadas. A primeira seria adicionar o evento a um calendário ligado a alguma conta Google da PRAE, que seria controlada pela aplicação. Este calendário tem que ser compartilhado com uma conta de serviço da aplicação, para que ela possa incluir e buscar eventos nesse calendário. A segunda possibilidade, complementar à primeira, consiste em colocar um botão para que o aluno consiga incluir o agendamento recém feito no seu calendário virtual. Esse botão consta na tela que aparece os dados do agendamento, e seu uso não é obrigatório. Existe também a possibilidade de autenticar o usuário que está visualizando a página para que o sistema faça alterações em seu calendário, porém isso não está no foco do trabalho.

22 Implementação Detalhes sobre a implementação do trabalho são tratados aqui, mostrando métodos e soluções descobertas ao longo do desenvolvimento do trabalho Desenvolvimento com o framework do CPD O framework do CPD foi um dos fatores que mais facilitaram o desenvolvimento. Graças a utilização de tecnologias como o Hibernate, algumas etapas de configuração e codificação da aplicação puderam ser automatizados. Seguindo o cronograma previsto no projeto, a implementação do sistema ocorreu de maneira fluida. Existem bibliotecas desenvolvidas internamente para auxiliar na codificação. A sie-core é a principal, contendo o núcleo das aplicações desenvolvidas pelos analistas do CPD. Ela é necessária para a implantação de qualquer uma dessas aplicações, já que contém os EJB s necessários de cada sistema. Outra biblioteca de desenvolvimento bastante utilizada se chama cpd-commons. A cpd-commons contém métodos que podem ser úteis a qualquer outra aplicação em java e permite que se desenvolva um código mais fácil de ler e dar manutenção. É importante dizer que a parte de comunicação objeto-relacional do Hibernate, bem como os EJB s foram feitos pela equipe do CPD. Isso se deve ao fato de que essa parte deve ser feita na biblioteca sie-core, e também porque o grau de complexidade desta tarefa está num patamar mais elevado. Ao final do trabalho, temos um pequeno guia de iniciação ao desenvolvimento no framework do CPD A Google Calendar API Conforme abordado anteriormente, é possível fazer a autenticação do usuário que está navegando no sistema ou fazer o sistema assumir um usuário pré definido para ele. A autenticação do usuário na versão 3 da API, com o uso do OAuth 2.0, em conjunto com o Google Cloud Console, é feita da maneira que está descrita no código Listing 3.1 Exemplo de autenticação de usuário utilizando a Google Calendar API public void setup() throws IOException { 3 HttpTransport httptransport = new NetHttpTransport(); 4 Disponível em https://developers.google.com/google-apps/calendar/instantiate

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor Introdução O SIAP, Sistema de Apoio ao Professor, é um programa que vai contribuir, de forma decisiva, com o cotidiano escolar de alunos, professores, gestores e funcionários administrativos. Com a implantação

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores 1 2 2015 Sumário 1 Texto introdutório... 3 2 Como Acessar o UNICURITIBA VIRTUAL... 3 3 Tela inicial após login... 3 3.1) Foto do perfil... 4 3.2) Campo de busca...

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS

1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS 1 1ª PARTE DIÁRIOS ELETRÔNICOS 1.ACESSANDO O SITE DA FEOL 1.1 Endereço do Site O endereço para acessar o site da Fundação Educacional de Oliveira é: www.feol.com.br Obs: experimente digitar apenas feol.com.br

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Manual do Usuário GEFRE

Manual do Usuário GEFRE Manual do Usuário GEFRE Gestão de Frequência - Versão 1.2 Março, 2015 Página 1 de 84 Sumário Sumário... 2 Objetivo deste Manual do Usuário... 5 1. Instalação do GEFRE... 7 1.1. Configuração Mínima Recomendada...

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Manual de utilização do sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Sistema integrado de controle médico Acesso... 3 Menu principal... 4 Cadastrar... 6 Cadastro de pacientes... 6 Convênios... 10

Leia mais

Manual de configuração do sistema

Manual de configuração do sistema Manual de configuração do sistema (v.1.5.x Beta) Rua México, 119 Sala 2004 Centro Rio de Janeiro, RJ www.doctors-solution.com.br www.simdoctor.com.br contato@simdoctor.com.br Sumário 1. Fazendo seu primeiro

Leia mais

Cenários do CEL. Acessar ao sistema

Cenários do CEL. Acessar ao sistema Cenários do CEL Acessar ao sistema Permitir que o usuário acesse ao Sistema de Léxicos e Cenários nas seguintes condições: logando-se, quando já estiver cadastrado; ou incluindo usuário independente, quando

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Índice 1 Acessando o sistema via internet...3 2 Funcionalidades...6 2.1 Horário Individual...7 2.2 Calendário Acadêmico...8 2.3 Biblioteca...9 2.3.1 Consultar

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso Manual do Usuário SCA - Sistema de Controle de Acesso Equipe-documentacao@procergs.rs.gov.br Data: Julho/2012 Este documento foi produzido por Praça dos Açorianos, s/n CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (51)

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Elaborado por SIGA-EPT Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Versão Dezembro - 2009 Sumário 1 Introdução 5 1.1 Entrando no sistema e repassando as opções................... 5 1.2 Administração......................................

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação e ativação

Leia mais

Especificação dos Requisitos do Software. White Label

Especificação dos Requisitos do Software. White Label Ubee Especificação dos Requisitos do Software White Label Review 0.3 Autores: Airton Sampaio de Sobral (asds@cin.ufpe.br) Alan Gomes Alvino (aga@cin.ufpe.br) Glauco Roberto Pires dos Santos (grps@cin.ufpe.br)

Leia mais

Recursos do Outlook Web Access

Recursos do Outlook Web Access Recursos do Outlook Web Access Este material foi criado pela Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação (SETIC) do Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região. Seu intuito é apresentar algumas

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral Índice 03 Capítulo 1: Visão Geral 04 Capítulo 2: Conta de Usuário 04 Criação 08 Edição 09 Grupo de Usuários 10 Informações da Conta 12 Capítulo 3: Download do Backup Online Embratel 16 Capítulo 4: Cópia

Leia mais

MANUAL. Recurso QChat

MANUAL. Recurso QChat MANUAL Recurso QChat Publicação: Dezembro / 2011 Versão oficial Qualitor Advanced: 6.50.00 Versão oficial Qualitor Start: 1.00.06 Revisão: 02 Cópia oficial Sumário Recurso Chat do Qualitor NOVIDADES DA

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1 MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento Toledo PR Página 1 INDICE 1. O QUE É O SORE...3 2. COMO ACESSAR O SORE... 4 2.1. Obtendo um Usuário e Senha... 4 2.2. Acessando o SORE pelo

Leia mais

SUMÁRIO. Faculdade Católica do Tocantins www.catolica-to.edu.br

SUMÁRIO. Faculdade Católica do Tocantins www.catolica-to.edu.br MANUAL DO PORTAL ACADÊMICO Passo a passo do Portal Acadêmico www.catolica-to.edu.br - suporterm@catolica-to.edu.br SUMÁRIO Objetivo Manual do Portal Acadêmico... 03 Navegadores... 03 Endereço Eletrônico

Leia mais

Manual. V e r s ã o i P a d

Manual. V e r s ã o i P a d Manual V e r s ã o i P a d índice I. Introdução II. Procedimentos básicos III. A agenda IV. Clientes V. Prontuário VI. Configurações VII. Medicamentos VIII. Tags IX. Receitas X. Contato I Introdução O

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais

2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais 2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais 2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a

Leia mais

Qlik Sense Cloud. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados.

Qlik Sense Cloud. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik Sense Cloud Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik, QlikTech,

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

Manual de Atualização Versão 3.6.4.

Manual de Atualização Versão 3.6.4. Manual de Atualização Versão 3.6.4. Sumário 1. AVISO... 1 2. INTRODUÇÃO... 2 3. PREPARAÇÃO PARA ATUALIZAÇÃO... 3 4. ATUALIZANDO GVCOLLEGE E BASE DE DADOS... 7 5. HABILITANDO NOVAS VERSÕES DO SISTEMA....

Leia mais

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima:

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima: Sumário 1. Introdução... 2 2. Conceitos básicos... 2 2.1. Fluxo do sistema... 3 2.2. Acesso ao sistema... 4 2.2.1. Login... 4 2.2.2. Logoff... 4 2.2.3. Esqueci minha senha... 5 2.3. Conhecendo o Sistema...

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

Cia de Tecidos Cedro Cachoeira, 2008. Pedido de Compra pela

Cia de Tecidos Cedro Cachoeira, 2008. Pedido de Compra pela Pedido de Compra pela Internet 1 Índice Introdução 3 Sistema de Pedido de Compra via Internet 3 Iniciando a Aplicação 4 Iniciando o Java Web Starting 4 Login de Acesso 5 Tela Principal 6 Funções 7 Fazendo

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1 LEIA ISTO PRIMEIRO IBM Tivoli, Versão 4.2.1 O IBM Tivoli, Versão 4.2.1, é uma solução para controlar a distribuição de software e o inventário de gerenciamento de recursos em um ambiente multiplataformas.

Leia mais

Usar o Office 365 no iphone ou ipad

Usar o Office 365 no iphone ou ipad Usar o Office 365 no iphone ou ipad Guia de Início Rápido Verificar o email Configure o seu iphone ou ipad para enviar e receber emails de sua conta do Office 365. Verificar o seu calendário onde quer

Leia mais

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br Sumário 1. Boas vindas... 4 2. Dashboard... 4 3. Cloud... 5 3.1 Servidores... 5 o Contratar Novo Servidor... 5 o Detalhes do Servidor... 9 3.2 Cloud Backup... 13 o Alteração de quota... 13 o Senha do agente...

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

Guia do Usuário. versão 1.2. GiuSoft Tecnologia - www.giusoft.com.br

Guia do Usuário. versão 1.2. GiuSoft Tecnologia - www.giusoft.com.br Guia do Usuário versão 1.2 GiuSoft Tecnologia - www.giusoft.com.br Sumário Introdução 2 O que é o Alitem? 3 Portal de aplicativos na Internet 3 Site de relacionamentos 3 Infra-estrutura de desenvolvimento

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

MANUAL DE REFERÊNCIA DO CLIENTE S

MANUAL DE REFERÊNCIA DO CLIENTE S MANUAL DE REFERÊNCIA DO CLIENTE S SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 CADASTRANDO-SE NO SISTEMA... 4 CADASTRANDO UM FAMILIAR... 7 ACESSANDO O SISTEMA já sou cadastrado... 8 COMO AGENDAR UMA CONSULTA pesquisar horários...

Leia mais

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 Prezados Senhores da comissão de licitação da UENF, seguem alguns questionamentos acerca do edital de concorrência 01/2013 para esclarecimentos: 1. ANEXO

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 ÍNDICE Apresentação Principais Botões Login Usúario Resultado Método Quantum Preencher Método Quantum Extrato On-Line Engenharia de Função Grupos

Leia mais

Manual de Utilização Chat Intercâmbio

Manual de Utilização Chat Intercâmbio Manual de Utilização Chat Intercâmbio 1 INDICE 1 Chat Intercâmbio... 6 1.1 Glossário de Termos Utilizados.... 6 1.2 Definições de uma Sala de Chat... 7 1.3 Como Acessar o Chat Intercâmbio... 8 1.4 Pré-requisitos

Leia mais

Manual do MySuite. O MySuite é a solução adotada pela MKData para gerenciar o atendimento aos clientes.

Manual do MySuite. O MySuite é a solução adotada pela MKData para gerenciar o atendimento aos clientes. Manual do MySuite O MySuite é a solução adotada pela MKData para gerenciar o atendimento aos clientes. Esta ferramenta visa agilizar e priorizar o suporte técnico, criando um canal de interatividade no

Leia mais

Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno

Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno Manoel Cardoso da Silveira Neto 1, Luciana Vescia Lourega 1 1 Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos RS - Brasil Caixa Postal 38 98.130-000

Leia mais

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012 Para WebReporter 2012 Última revisão: 09/13/2012 Índice Instalando componentes de pré-requisito... 1 Visão geral... 1 Etapa 1: Ative os Serviços de Informações da Internet... 1 Etapa 2: Execute o Setup.exe

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

MQSeries Everyplace. Leia-me primeiro G517-7010-00

MQSeries Everyplace. Leia-me primeiro G517-7010-00 MQSeries Everyplace Leia-me primeiro G517-7010-00 MQSeries Everyplace Leia-me primeiro G517-7010-00 Primeira Edição (Junho de 2000) Esta edição se aplica ao MQSeries Everyplace Versão 1.0 e a todos os

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos de Sistema........... 1 Instalando............... 1 Instalando a Partir de um Arquivo

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

PAINEL MANDIC CLOUD. Mandic. Somos Especialistas em Cloud. Manual do Usuário

PAINEL MANDIC CLOUD. Mandic. Somos Especialistas em Cloud. Manual do Usuário Mandic. Somos Especialistas em Cloud. PAINEL MANDIC CLOUD Manual do Usuário 1 BEM-VINDO AO SEU PAINEL DE CONTROLE ESTE MANUAL É DESTINADO AO USO DOS CLIENTES DA MANDIC CLOUD SOLUTIONS COM A CONTRATAÇÃO

Leia mais

Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física

Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física Fábio Luiz P. Albini 1 Departamento de Informática, Instituto Federal do Paraná (IFPR) Curitiba, Paraná 81520-000, Brazil. fabio.albini@ifpr.edu.br

Leia mais

Configurar e gerenciar comunidades do Salesforce

Configurar e gerenciar comunidades do Salesforce Configurar e gerenciar comunidades do Salesforce Guia do usuário, Spring 16 @salesforcedocs Última atualização: 17/12/2015 A versão em Inglês deste documento tem precedência sobre a versão traduzida. Copyright

Leia mais

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL Ambiente Virtual de Aprendizagem - MOODLE GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL http://salavirtual.faculdadesaoluiz.edu.br SUMÁRIO 1. Acessando Turmas 4 2. Inserindo Material 4 3. Enviando Mensagem aos Alunos 6

Leia mais

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit Presskit Guia Rápido Release 2.0 Presskit 06/07/2009 Sumário 1 Login 2 Login e Senha...................................... 2 Esqueci minha senha.................................. 2 Fale Com o Suporte...................................

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos do sistema........... 1 Código de autorização.......... 1 Instalando...............

Leia mais

Manual de Utilização do TOTVS Restore

Manual de Utilização do TOTVS Restore Manual de Utilização do TOTVS Restore Atualização de Ambientes RM O TOTVS Restore é uma ferramenta desenvolvida pela equipe de Engenharia de Software do CD-BH com o intuito de permitir a criação e atualização

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração para Revendedores e Assinantes Virtual Server.

Manual de Instalação e Configuração para Revendedores e Assinantes Virtual Server. Manual de Instalação e Configuração para Revendedores e Assinantes Virtual Server. Parte I Cadastrando Sites no painel de controle Parte II Criando E-mail Parte III Configurando o Outlook do Cliente Última

Leia mais