1. Administração 2. Direito 3.Educação 3. Psicologia 4. Saúde 5. Serviço Social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Administração 2. Direito 3.Educação 3. Psicologia 4. Saúde 5. Serviço Social"

Transcrição

1

2

3 Revista UNIRB Faculdade Regional da Bahia v. 1, n. 2 ( ) - Salvador: Editora e Gráfica do SENASP, ISSN Administração 2. Direito 3.Educação 3. Psicologia 4. Saúde 5. Serviço Social

4 Revista UNIRB Volume I Número COMISSÃO EDITORIAL Sara Borges (Diretora Acadêmica) Eliani Cavalcanti (Coordenadora Pedagógica) Siomara Andrade (Assessora Núcleo de Gestão Pedagógica e Docente Unirb) Silvana Vaz (Assessora Núcleo de Gestão Pedagógica) Leila Bárbara Menezes Souza (Assessora Pedagógica e Docente Unirb) Lauro Gurgel de Oliveira Júnior (Educação Física) Lúcia Couto (Serviço Social) Liliana Onoro (Administração) Aline Clara (Biomedicina) Milena Bastos (Enfermagem) CONSELHO EDITORIAL CIENTÍFICO Sara Borges (Diretora Acadêmica) Eliani Cavalcanti (Coordenadora Pedagógica) ORGANIZADORES DESTE NÚMERO Antônio Carlos Vinhas (Professor Unirb) Bartira Telles Pereira Santos (Professora Unirb) Leila Bárbara Menezes Souza (Assessora Pedagógica e Professora Unirb) REVISÃO Antônio Carlos Vinhas (Professor Unirb) Bartira Telles Pereira Santos (Professora Unirb) Benedito Carlos Libório Caires Araújo (Professora Unirb) Yacina Marques (Professora Unirb) PROJETO GRÁFICO E IMPRESSÃO Gráfica SENASP

5 APRESENTAÇÃO A Revista da UNIRB tem o objetivo de divulgar a produção acadêmica da Faculdade Regional da Bahia (UNIRB) e abrange temáticas das seguintes áreas: administração, educação, saúde e psicologia. Seu objetivo maior é o de proporcionar a troca de informações e o debate sobre as principais questões emergentes nesses campos de conhecimento. Este é o primeiro volume de comunicação de cunho científico, sendo esse constituído de artigos inéditos, fato que também acontecerá nos próximos números. Vale ressaltar que as opiniões expressas nos trabalhos publicados são de responsabilidade de seus autores, não refletindo, necessariamente, a opinião da Comissão Editorial. Revista UNIRB Volume I Número

6 SUMÁRIO Artigos distribuídos por área ADMINISTRAÇÃO... A CONTRIBUIÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL NA FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE JOVENS: O PAPEL DA ASSOCIAÇÃO PICOLINO DE ARTES DO CIRCO EM SALVADOR, BAHIA... 9 Aline Eloy de Alcântara, Maria de Fátima Araújo Frazão e Marithânia de Almeida Nogueira A APLICABILIDADE DO MARKETING DE RELACIONAMENTO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE NA ÓTICA DO FUNCIONÁRIO DA TELEVISÃO CIDADE S/A (NET) Josete Damasceno dos Santos, Nadijane de Jesus da Cruz e Maria De Fátima Araújo Frazão ANÁLISE REFLEXIVA DAS HABILIDADES E COMPETÊNCIAS QUE DISCUTEM A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL NA PRÁTICA DOCENTE UNIVERSITÁRIA Liliana Margarita Oñoro Acosta, Regina Alonso Gonzalez Pimenta MODELO COMPUTACIONAL DE CRIPTOGRAFIA DOS GREGOS Leandro Gonzalez RETENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS COMO FERRAMENTA DE CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO DO EDUCANDÁRIO PEDACINHO DO CÉU...77 Renata Rimet e Maria de Fátima Araújo Frazão EDUCAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A FORMAÇÃO DE UMA SOCIEDADE CONSCIENTE Leila Bárbara Menezes Souza SOCIEDADE SOLIDÁRIA: POSSIBILIDADE DE MUDANÇA, DIANTE DO CAPITALISMO GLOBALIZADO Alaim Passos Bispo DIREITO

7 ANISTIA AUTOCONCEDIDA PELA DITADURA MILITAR E O PROCESSO DE SUA DESLEGITIMAÇÃO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO COMO PRESSUPOSTO PARA REPARAÇÕES PELAS VIOLAÇÕES AOS DIREITOS HUMANOS Cristiane Santana Guimarães DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO TRABALHISTA Gorgonio José de Araújo Neto INFORMAÇÃO E ACCOUNTABILITY: ESTUDO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS ATINENTES À AMPLIAÇÃO DO CURRÍCULO E DO ESPAÇO DE APRENDIZAGEM A PARTIR DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO ESCOLAR Aline Alves Bandeira e Paulo Henrique de Viveiros Tavares O DIREITO À INFORMAÇÃO COMO COROLÁRIO DA EFETI VAÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL: ANÁLISE DE DISPOSITIVOS JURÍDICOS E DE EFETIVOS INSTRUMENTOS DE DEFESA TENDENTES À ACESSIBILIDADE DA INFORMAÇÃO Aline Alves Bandeira e Paulo Henrique de Viveiros Tavares O NEOCONSTITUCIONALISMO COMO PARÂMETRO PARA A APLICABILIDADE DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS Dejair dos Anjos Santana Júnior SAÚDE ABORDAGEM SOBRE A PSICONEUROIMUNOLOGIA E A FASE MEDITATIVA RELACIONADA À PRÁTICA DO QI GONG Renato Santos de Almeida ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NAS REPECURSSÕES RESPIRA TÓRIAS DO TUMOR DE MEDIASTINO Renato Santos de Almeida EFEITOS DA ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA ASMA Renato Santos de Almeida PREVALÊNCIA DAS ENTEROPARASITOSES NO ORFANATO LAR DA CRIANÇA, NO BAIRRO DE VILA LAURA, SALVADOR-BA Márcia C. S. Moreira, Karen Pereira, Vera Lúcia da Silva e Denise Passos PSICOLOGIA SER MULHER E HOMOSSEXUAL: UM DIREITO DE SER DIFERENTE Jaylla Maruza R. S. e Silva

8 REFLEXÕES SOBRE O USO DE CHECKLIST PARA A AUTO-AVALIAÇÃO NA CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA DE APRENDIZAGEM EM UM CURSO DE PEDAGOGIA Lys Maria Vinhaes Dantas e Olívia Maria Costa Silveira SERVIÇO SOCIAL A PESQUISA, A AVALIAÇÃO E O PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTOS DO SERVIÇO SOCIAL Jocelina Alves de Souza Coelho e Maria Lúcia de Souza Carvalho Couto VIDA PSÍQUICA DO TRABALHADOR FRENTE ÀS MUDANÇAS DO MUNDO DO TRABALHO Maria Lúcia de Souza C. Couto

9 9 A CONTRIBUIÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL NA FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE JOVENS: O PAPEL DA ASSOCIAÇÃO PICOLINO DE ARTES DO CIRCO EM SALVADOR, BAHIA. THE CONTRIBUTION OF NON-GOVERNMENTAL ORGANIZATION IN THE FORMATION AND DEVELOPMENT OF YOUNG: THE PAPER OF PICOLINO OF ARTS OF THE CIRCUS ASSOCIATION IN SALVADOR, BAHIA Aline Eloy de Alcântara 1 Maria de Fátima Araújo Frazão 2 Marithânia de Almeida Nogueira 3 RESUMO: As Organizações Não Governamentais são caracterizadas por aturem em prol da cidadania, da luta por interesses da coletividade, a inclusão social de jovens em situação de vulnerabilidade social, entre outras atividades. A pesquisa analisa a contribuição da Associação Picolino de Artes do Circo na formação e desenvolvimento de jovens carentes do bairro de Pituaçu e adjacências, com suporte pedagógico das artes circenses na educação como prática pedagógica. Justifica-se o ineditismo da pesquisa por conta da inserção do mundo do circo e do entretenimento no contexto sócio-educativo visto que concorre com novas tecnologias, televisão digital, realidade virtual, internet, jogos eletrônicos, entre outras, por vezes inacessíveis aos extratos menos favorecidos da sociedade. O processo de resgate da cidadania e de inclusão social de jovens por meio da educação e cultura das artes circenses promovido pela Associação Picolino de Artes do Circo tem contribuído para melhorar o rendimento escolar dos jovens e os mecanismos internos de inteligência, sendo usado como um meio de transformação, os quais procuram ocupar o espaço sadio da educação usando a brincadeira como incentivo. Palavras-chave: Organização Não Governamental; Circo; Arte-educação; Inclusão social. ABSTRACT: The Non-Governmental Organizations characterized by acting in favor of the citizenship, of the fight for interests of the collective, the social inclusion of young in situation of social vulnerability, among others activities. The research analyzes the contribution of the Picolino of Arts of the Circus Association in the formation and development of devoid young of the quarter of Pituaçu and adjacencies, with pedagogical support of the circus arts in the pedagogical education as practical. The ineditism of the research of the insertion of the world of the circus and the entertainment in the partnereducative context is justified on account since it concurs with new technologies, 1 Administradora de Empresas, Graduada pela UNIRB, 2 Mestre em Administração Estratégica pela UNIFACS, Pós-graduada em Marketing pela ESPM, Administradora, Professora do Curso de Graduação da UNIRB, Consultora em Marketing e Responsabilidade Social e Ambiental, 3 Administradora de Empresas, Graduada pela UNIRB,

10 10 digital television, virtual reality, electronic Internet, games, among others, for inaccessible times to favored extracts less of the society. The process of rescue of the citizenship and social inclusion of young by means of the education and culture of the circus arts promoted by the Picolino of Arts of the Circus Association has contributed to improve the pertaining to school income of the young and the internal mechanisms of intelligence, being been used as a way of transformation, which they look to occupy the healthy space of the education being used the trick as incentive. Keywords: Non-Governmental Organizations. Circus. Art-Education. Social Insertion. INTRODUÇÃO Este estudo aborda as atividades empreendidas por uma Organização Não Governamental (ONG) que atua no desenvolvimento e formação dos jovens do bairro Pituaçu e adjacências, em Salvador, Bahia, utilizando as artes circenses. Delimita-se essa pesquisa à Associação Picolino de Artes do Circo com seu projeto social que insere a arte na educação de jovens em situação de risco e vulnerabilidade social. A Associação foi criada pelos artistas Anselmo Serrat e Verônica Tamaoki e desde sua fundação mantém uma Escola de Circo e atua em parceria com a Prefeitura de Salvador, o Juizado de Menores, no atendimento a crianças e adolescentes carentes em situação de vulnerabilidade social, independente de cor, sexo, religião, formação, tendo em comum o encanto pelo mundo mágico do Circo. Compreender a origem e a evolução das ONGs, requer caracterizar o setor de atividade em que elas se inserem, o Terceiro Setor - lócus das instituições que não são mercado (segundo setor) nem Estado (primeiro setor) e constituem a esfera de atuação da sociedade civil organizada, de cunho público não-estatal, sem ânimo de lucro, voltadas ao bem estar social e a defesas de demandas sociais. Credita-se a origem no setor às iniciativas sociais na Europa do pós-guerra e a influência do associativismo bastante presente nos Estados Unidos da América. No âmbito do Terceiro Setor, agrega-se, estatística e conceitualmente, um conjunto altamente diversificado de instituições que atuam em áreas as mais diversas: educação, proteção social; meio ambiente, saúde, entre outras. O setor tem experimentado um crescimento acentuado no mundo e

11 11 particularmente no Brasil, gerando emprego, renda e melhoria dos indicadores sociais do país. Drucker (1994, p.79), caracterizou o Terceiro Setor como uma nova esfera da economia, denominada de economia social e acrescenta foi o setor que mais cresceu, movimentou recursos, gerou empregos e foi o mais lucrativo na economia norte-americana nos últimos vinte anos (DRUCKER,1999, p.81). Os recursos para o desenvolvimento das atividades das organizações do Terceiro Setor, em geral, são provenientes de parcerias com o governo e empresas privadas, da venda de produtos, de doações feitas pela sociedade, da mão-de-obra voluntária e de agentes de desenvolvimento internacionais. O setor enfrenta os desafios da profissionalização da gestão, estabelecer diálogo com os setores governamentais e empresariais, além da concorrência por recursos e conquistar novos espaços (HUDSON, 1999; TENÓRIO, 2000; FRAZÃO, 2003). A pesquisa em tela, um estudo de caso, justiça-se pela motivação das autoras em investigar o papel das artes circenses em um espaço sadio voltado à educação de jovens carentes como meio de transformação da realidade social e construção de uma verdadeira rede de proteção e inserção social dos não incluídos no sistema vigente. Nesse contexto, apresenta-se a questão norteadora do estudo: Qual o impacto das ações da Associação Picolino de Artes do Circo na formação e desenvolvimento dos jovens do bairro de Pituaçu e adjacências? Busca-se investigar se ações empreendidas pela Associação Picolino de Artes do Circo contribuem para a formação e o desenvolvimento dos jovens do bairro Pituaçu e adjacências. Vale destacar o ineditismo da pesquisa por conta da inserção do mundo do circo e do entretenimento no contexto sócio-educativo visto que concorre com novas tecnologias, televisão digital, realidade virtual, internet, jogos eletrônicos, entre outras, por vezes inacessíveis aos extratos menos favorecidos da sociedade. No depoimento dos gestores da Associação Picolino de Artes do Circo, pelos artistas Anselmo Serrat e Verônica Tamaoki percebe-se que eles acreditam na arte-educação, como mecanismo de promoção e aceleração dos

12 12 mecanismos internos de inteligência dos jovens, formando um cidadão sadio, com uma infância mais rica em informação, cultura e diversão. OBJETIVOS O objetivo geral da pesquisa é analisar a contribuição da ação social da Associação Picolino de Artes do Circo e os trabalhos desenvolvidos no contexto sócio-educativo do bairro de Pituaçu e adjacências. Os objetivos específicos são: caracterizar a organização alvo da pesquisa, apresentar as ações sócio-educativas empreendidas pela organização, traçar o perfil dos beneficiários da ação social e descrever o trabalho social realizado pela da organização estudada. Para atender aos objetivos propostos, realizou-se a pesquisa bibliográfica sobre a temática abordada, utilizando-se fontes primárias e secundárias tais como: livros, revistas, artigos, documentários fornecidos pela ONG, entrevistas com o Coordenador Geral, a Coordenadora Pedagógica, a Educadora Pedagógica da instituição, além dos questionários respondidos pelos beneficiários da ação social. Enfim, sistematizou-se a base teóricoempírica para construir a base da pesquisa, o trabalho de campo e a análises dos resultados. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA - ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS As ONGs são associações da sociedade civil, sem fins lucrativos que desenvolvem ações em diferentes áreas e que geralmente mobilizam a opinião pública e o apoio da população em prol de uma causa social. As ONGs integram o conjunto de instituições que compõem o Terceiro Setor, o espaço das Associações ou Setores Voluntários (voluntary sector); Organização da Sociedade Civil (OSC); Setor Sem Fins Lucrativos (Nonprofit Sector); Organizações Sociais (OS); Organizações da Sociedade civil de Interesse Público (OSCIP), dentre outras terminologias. Trata-se de um conceito abrangente e generalizado para caracterizar as ações em busca de certos interesses coletivos e difusos, de entidades com campos de trabalho e perfis

13 13 diferenciados. Para Coelho (2000, p.57) os termos se misturam e têm sido usados indiscriminadamente. As ONGs contam com o trabalho voluntário de pessoas que investem tempo e recursos, expressando seu idealismo e a vontade de servir a uma causa, ajudar pessoas, sem benefícios em troca. Parcerias e alianças entre diversos ONGs resultam na captação de recursos junto ao mercado viabilizando a realização de ações que nem sempre o Estado se envolve. Nesse sentido, as organizações não governamentais, subvencionadas por capital estrangeiro ou nacional, têm demonstrando capacidade e competência para elaborar e aplicar projetos que trazem ações sociais transformadoras. Diferentemente do trabalho nos setores públicos e privados, grande parte das tarefas nas organizações do terceiro setor é realizada por ativistas não remunerados que buscam alcançar propósitos sociais. Não raros os voluntários são pessoas ocupadas, cujos compromissos com o emprego e com a família quase nada têm a ver com o propósito da organização. Eles não estão procurando outro emprego, mas uma maneira de expressar o que há de melhor neles por meio da prestação de serviço à comunidade. Até mesmo funcionários remunerados freqüentemente consideram seus salários secundários em relação ao ganho espiritual obtido com o ato de ajudar os menos afortunados. Voluntários e funcionários esperam experimentar a realização pessoal por meio da participação; eles querem se sentir bem em relação a si mesmo. Liderar esse tipo de pessoa requer que se conte muito mais com a inspiração, a paixão, o lisonjeio, a persuasão e a pressão dos pares do que com a autoridade, os incentivos financeiros ou os cargos com títulos pomposos. No entanto, em alguns casos, esses instrumentos têm sua função (NANUS, 2000, p.14). As ONGs atuam em educação, saúde, cultura, comunidade, apoio à criança e ao adolescente, voluntariado, meio ambiente, apoio a portadores de deficiência, firmam parcerias com o Governo, entre outras ações. Para Coelho (2000, p.58), as Organizações Expressam uma alternativa para as vantagens tanto do mercado, associadas à maximização do lucro, quanto do governo, com sua burocracia inoperante. Uma das contribuições das ONGs têm sido transformar a vida de indivíduos em situação de extrema desigualdade que se encontravam sem perspectiva de trabalho, com baixa estima em pessoas mais conscientes e

14 14 capacitadas para reproduzirem o seu aprendizado a outros ssa minimizar a violência, resultando na melhoria no meio em que vivem. As ONGs surgem em 1950, na Organização das Nações Unidas (ONU), para definir toda organização da sociedade civil que não estivesse vinculada a um governo e ganhou destaque no Direito Internacional Público. A partir do final da Segunda Guerra Mundial, as ONGs direcionaram os esforços em projetos de desenvolvimento nos países de Terceiro Mundo. No Brasil, as ONGs começam a surgir nas décadas de 70 e 80, como apoio as organizações populares, em busca da promoção da cidadania, de defesa de direitos e de luta pela democracia, com base na dinâmicas dos movimentos sociais e na promoção de direitos coletivos. Ao longo da década de 90, surgem diversas organizações privadas sem fins lucrativos, num processo de reformulação das atividades do Estado e de mudanças no mercado de trabalho, as ONGs passam a buscar o envolvimento direto da população, enfrentar problemas e necessidades que afetam o cotidiano da sociedade e se envolvem em movimentos populares, participando da agenda política do país. Neste cenário, o Banco Mundial entende que as ONGs podem ser uma das soluções para os problemas sociais do desenvolvimento, as obriga a repensar sua missão, sua forma de atuação e seu funcionamento. O papel das Organizações Não Governamentais no Brasil, na década de 90, é propor à sociedade brasileira, a partir da sociedade civil, uma sociedade democrática, dos pontos de vista político, social, econômico e cultural. Ele afirma que, apesar da luta hoje parecer mais suave, as certezas quanto aos rumos são mais difíceis, porque pressupõem colaborar com o Estado para a democratização da sociedade, propor uma nova forma de produzir e distribuir bens e serviços que supere os limites da lógica do capital, acabar com o estatal e restabelecer o público, e universalizar todos os valores éticos de sua própria experiência. (SOUZA, 1991, p. 14). Com o objetivo de legalizar a atuação das organizações do Terceiro Setor, foi criada uma lei específica que instituiu a OSCIP, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - uma organização jurídica com certificação emitida pelo poder público federal ao comprovar o cumprimento de certos requisitos, a exemplo das parceiras tanto no setor público quanto em

15 15 empresas do setor privado, permitindo-se que as doações dessas empresas possam ser deduzidas no imposto de renda. Uma ONG (Organizações Não Governamentais), essencialmente é uma OSCIP, no sentido representativo da sociedade, mas OSCIP trata de uma qualificação dada pelo Ministério da Justiça no Brasil, a qual tem permissão para assumir a execução de serviços públicos, tendo como objetivo o desenvolvimento político, sócio-econômico e cultural por meios de atividades complementares ou suplementares a Administração Pública. Alguns desafios das ONGs: atuar em parceria com o Estado e o empresariado setores, operar sob restrições financeiras, buscar a sustentabilidade para garantir a continuidade das ações por meio de parcerias, apoios, financiamentos, doações feitas por voluntários que se preocupam com o bem social, lidar com uma demanda cada vez mais crescente por serviços sociais gratuitos e de boa qualidade. Para superar esses desafios que podem ameaçar a existência, a eficiência e a eficácia administrativa, as ONGs precisam repensar suas peculiaridades, e desenvolver conhecimento, habilidades e atitudes que assegurem o cumprimento dos objetivos institucionais. Atuar em rede, identificar oportunidades e ameaças, compartilhar ou dividir mercados; criar mecanismos mais eficazes de controle para avaliar o impacto das ações executadas; ganhar maior visibilidade perante a sociedade, contribuir na formação e desenvolvimento da cidadania dos jovens, certamente são algumas alternativas para as ONGs. Esse estudo analisa a importância do aprendizado das artes circenses na formação e desenvolvimento de jovens para que ele possa construir seu projeto pessoal e de carreira profissional, enfim a cidadania participativa. A EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DO CIRCO As primeiras artes circenses surgiram a cerca de quatro mil anos na China. Na Roma antiga, no Coliseu, com capacidade para 87 mil espectadores, animais exóticos, engolidores de fogo e gladiadores, se apresentavam para um público interessado em diversão. Nesse mesmo espaço, entre 54 e 68 DC, os cristãos eram atirados às feras, diminuindo o interesse pelas artes circenses.

16 16 Vale destacar os espetáculos realizados nos hipódromos da Grécia antiga para festejar o regresso das guerras, os escravos e os animas conquistados em suas vitórias. A versão moderna do circo que se conhece hoje com picadeiro, lona e desfile de animais foi criada pelo suboficial inglês Philip Astley, por volta de Charles Hughes, concorrente de Philip Astley, tornou-se famoso não só pelo seu English Royal Circus, mas também como treinador de mágicos. Seu discípulo, John Bill Ricketts, trouxe essas performances para as colônias da América do Norte e incluiu a dança e acrobacias. O Cirque du Soleil, companhia franco-canadense que tem profissionais do mundo todo em seu elenco, tem se destacada pela incorporação de técnicas teatrais, tecnologia e um novo formato, denominado "novo circo". O circo é um espetáculo da terra que consegue atrair as pessoas, aguça a curiosidade, arranca sorrisos de crianças e adultos, pois traz consigo a alegria, a magia, a coragem, o encanto e a beleza. Herdou dos artistas ambulantes e saltimbancos uma fantástica característica: a transmissão oral de saberes de geração a geração, o que fez desse mundo particular, uma escola de aprendizado único e permanente. A Escola de Circo tem início na ex-união Soviética quando em 1921, o novo governo soviético resolve cria uma escola de circo e convida o diretor de teatro Vsevolod Meyherhold para dirigi-la. Na França, a primeira escola de circo é a Escola Nacional de Circo Annie Fratellini que surge com o apoio do governo francês, em Somente no final da década de 1970, começam a se estruturar as primeiras escolas de circo brasileiras, reafirmando saberes antes restritos à lona do circo. Diversas áreas artísticas e pedagógicas passam a trabalhar com a linguagem circense, com a incorporação da multiplicidade de linguagens música, dança teatro, reproduzindo e resignificando saberes. Deste modo, a arte circense também é aprendida em escolas. O circo brasileiro teve a influência dos ciganos vindos da Europa e é um espaço de rica produção cultural, com multiplicidade de linguagens não só a acrobática e intercâmbio permanente entre várias manifestações artísticas e referências culturais.

17 17 É comum escutar que o brasileiro vive de pão e circo no sentido de sermos apaixonados por futebol e desapegados da política. A expressão, originária do Império Romano, passou a ser usada com sentido metafórico no século XIX, após estudiosos alemães a difundirem. A historiadora Renata Garrafonni afirma que o termo foi retirado do livro Sátira, de Juvenal. Nele, o autor, que viveu no século II, era literal: debochava da plebe, que já havia sido virtuosa, mas vivia só de shows públicos e da distribuição de trigo. O contexto é de exagero, mas a expressão foi transformada em verdade sobre os romanos e as sociedades modernas. (DEURSEN, 2008 p.43). A primeira escola de circo que se instalou no Brasil chamava-se Piolin, em São Paulo, no estádio do Pacaembu (1977). Em 1982, surgiu a Escola Nacional de Circo, no Rio de Janeiro, instalada na Praça da Bandeira. No Ceará, na Paraíba e em Salvador também existem escolas de circo. A Associação Picolino de Artes Circenses mantém uma escola de circo com uma proposta artística, sócio-educativa baseada na arte circense. Os circos têm enfrentado diversas dificuldades, dentre elas a proibição de uso de animais em diversos países e no Brasil, os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Sul já proíbem a presença de animais em circos. Nas grandes cidades o circo concorre com shoppings center, parques temáticos, a tecnologia disponível na internet, em video-games e lan-houses, dentre outras formas de lazer. METODOLOGIA Caracteriza-se essa pesquisa como um estudo de caso que busca examinar o papel de uma organização do terceiro setor na formação e desenvolvimento de jovens, de modo que construa seu projeto de vida com suporte pedagógico das artes circenses. O método é indutivo, pois parte de dados obtidos por meio da observação direta e aplicações de questionários para responder ao problema norteador da pesquisa à luz da teoria existente. Quanto aos meios de investigação, utilizaram-se dois procedimentos técnicos:

18 18 Pesquisa bibliográfica junto a fontes secundárias possibilitou construir a base teórica do estudo e consultas às revistas, documentários fornecidos pela associação Picolino de Artes do Circo, artigos e sites; Pesquisa exploratória com suporte de entrevista uniformizada e estruturada com os gestores: Anselmo Serrat, Diretor Geral da Associação Picolino de Artes do Circo; Márcia Nunes, Coordenadora Pedagógica e Walkiria Bião; educadora pedagógica. O questionário aplicado aos beneficiários com duas partes: as variáveis de identificação e as perguntas acerca de mudanças que podem ter ocorrido no rendimento escolar, na formação e desenvolvimento pessoal, no sentimento de pertencimento a Escola, fatores impactantes na contribuição da arte e educação para a aquisição de conhecimentos. Foram aplicados questionários a 29% da população de pesquisa, selecionados aleatoriamente, sendo que a margem de erro desse cálculo é de 0,05% para mais ou para menos. DESCRIÇÃO DO CASO - PERFIL DA ASSOCIAÇÃO PICOLINO DE ARTES DO CIRCO A Associação Picolino de Artes do Circo está localizada na Avenida Octávio Mangabeira s/nº, Pituaçu, Salvador e tem certificado de Utilidade Pública na esfera federal e municipal; tendo recebido recentemente a Ordem Ministério da Cultura por sua ação social. Fazem parte da instituição pais de alunos e ex-alunos da Picolino, amigos, amigas e simpatizantes da sua proposta artística, sócio-educativa. Desde então, a escola tem ampliado suas ações e sua capacidade de atendimento. A Escola Picolino de Artes do Circo foi fundada em setembro de 1985, pelos artistas Anselmo Serrat e Verônica Tamaoki, que trouxeram na bagagem para a Bahia a experiência de muitas artes aprendidas em São Paulo. Anselmo, formado em Ciências Contábeis, aprendeu a somar talentos, com Ginástica Olímpica, Fotografia Profissional e até produção de filmes ao lado de Glauber Rocha e outras feras do Cinema Novo.

19 19 A Associação Picolino de Artes do Circo é composta pela Escola Picolino que desenvolve atividades educativas produzindo cultura e a Companhia Picolino que produz cultura educando. A gestão da Associação Picolino de Artes do Circo está sob a responsabilidade do Diretor Geral, Anselmo Serrat, e dos responsáveis pelos setores: Administrativo Financeiro, Comunicação, Pedagógico (educadores e instrutores) e a Produção. Existe uma área de Manutenção que se reporta ao Setor Administrativo Nos primeiros anos, a escola teve como público alvo os jovens de famílias de classe média, mas já realizava trabalhos em parceria com a Prefeitura, Juizado de Menores, no atendimento a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. De acordo com o depoimento de Anselmo Serrat: em 1990 fiz parcerias com o Projeto Axé e, no ano seguinte, passamos a atender meninos e meninas de rua. Muitos deles hoje são instrutores, com 23 a 25 anos de idade. Naquela época, a Escola atendia a um público de 150 alunos particulares, mas na medida em que foi aumentando o atendimento a alunos de projetos sociais, ia também diminuindo o número de alunos particulares. Os pais não queriam seus filhos andando com esses meninos de rua. Foi preciso escalonar os horários para os meninos do Projeto Axé e para alunos particulares que vinham em carros com seus motoristas e ficavam do lado de fora, à espera do término das aulas. A partir de 1991, a Associação Picolino de Artes do Circo passa a oferecer malabares, trapézio, monociclo e inclusão social também a meninos e meninas de rua, através de programas sociais em parcerias com ONGs, Órgãos do Estado e do Município e os alunos particulares vão deixando a escola. Durante estes 23 anos de trabalho, mais de crianças, adolescentes e jovens já fizeram aulas na Escola Picolino, muitos deles se formaram artistas de circo e realizam apresentações por todo Brasil e pelo exterior, sendo inclusive contratado por grandes companhias de circo, tanto no Brasil quanto no exterior, a exemplo do Cirque du Soleil. A formação na Escola Picolino não se restringe à profissionalização do artista de circo, mas também

20 20 do educador de circo e de uma série de profissões ligadas ao universo circense. O público alvo da Associação são crianças, adolescentes e jovens discriminados socialmente, possibilitando diversos espaços de aprendizagem (corpo, cognição e convívio), realizando um acompanhamento escolar impulsionando um processo de escolarização através da arte educação, de modo que eles criem um projeto de vida. Para Anselmo Serrat, diretor geral, somos uma das ONGs com menor índice de rotatividade. Apenas 1% das crianças atendidas por nós, abandonam as atividades. Os objetivos educacionais da Associação Picolino de Artes do Circo são: desenvolver projeto político-pedagógico da Picolino: Programa Arte Circo - Educação; propiciar experiências onde o aluno possa encontrar na Picolino possibilidades de mapear seu projeto pessoal/profissional de vida; contribuir no processo de escolarização dos alunos; alfabetizar alunos; formar artistas de circo; formar instrutores de circo. A Associação definiu como objetivos sociais para realizar a sua missão as seguintes táticas: atender crianças, adolescentes e jovens, prioritariamente os que se encontra em desvantagem social; promover o desenvolvimento social, afetivo, cognitivo e corporal dos alunos através das artes circenses e atividades complementares; integrar os alunos a diversas realidades sociais; atender alunos a partir dos cinco (5) anos de idade, acompanhando-os até a profissionalização e inserção no mercado de trabalho. Os objetivos culturais estão relacionados às atividades que o Circo oferece o seu público: produzir e apresentar espetáculos de circo; produzir cultura. Segundo o depoimento de Anselmo Serrat, Associação Picolino de Artes do Circo trabalha para desenvolvimento infanto-juvenil através da arteeducação, expandindo a magia do circo e contribuindo para o desenvolvimento saudável das nossas crianças e adolescentes. Para Márcia Nunes, Coordenadora Pedagógica, a Associação Picolino de Artes do Circo é: um grande projeto que acolhe e colabora na educação de

Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA

Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA Projeto CIRCO-ESCOLA NA BAHIA Objetivo geral do projeto O objetivo do projeto Circo-Escola na Bahia é oferecer às crianças e jovens de Serra Grande um espaço privilegiado para que possam desenvolver atividades

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP Mestre em Serviço Social pela Faculdade de História, Direito e Serviço Social/UNESP

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Despacho 2007 Nº PROJETO DE LEI Nº 1099/2007 Considera de utilidade pública o Grupo de Formadores de Educadores Populares GEFEP. Autor: Vereador Eliomar Coelho. DECRETA: A Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

CRIADO EM 1995 VOLTADO À EDUCAÇÃO COMPLEMENTAR, PROJETO ÂNCORA JÁ BENEFICIOU MAIS DE SEIS MIL CRIANÇAS E ADOLESCENTES

CRIADO EM 1995 VOLTADO À EDUCAÇÃO COMPLEMENTAR, PROJETO ÂNCORA JÁ BENEFICIOU MAIS DE SEIS MIL CRIANÇAS E ADOLESCENTES CRIADO EM 1995 VOLTADO À EDUCAÇÃO COMPLEMENTAR, PROJETO ÂNCORA JÁ BENEFICIOU MAIS DE SEIS MIL CRIANÇAS E ADOLESCENTES Trajetória de sucesso no apoio ao desenvolvimento de crianças e jovens de comunidades

Leia mais

Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição

Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição Projeto PNE Sports Foto: André Valentim / Banco de Imagens Petrobras ÍNDICE APRESENTAÇÃO 06 INSCRIÇÃO 12 Passo a passo para Inscrição 13 TECNOLOGIA

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Índice. Introdução. Fase 1 - Participação da população brasileira. Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário

Índice. Introdução. Fase 1 - Participação da população brasileira. Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário Pesquisa Voluntariado no Brasil - 2011 Índice 1 2 3 4 Introdução Fase 1 - Participação da população brasileira Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário Fase 3 - Segmentação 5

Leia mais

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Apresentação SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Descritivo: "A educação deve possibilitar ao corpo e à alma toda a perfeição e a beleza que podem

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Educação Integral Relatório em Junho/2013

Educação Integral Relatório em Junho/2013 Comunidade Escola Família Educação Integral Relatório em Junho/2013 Objetivo 3 O principal objetivo desta pesquisa é avaliar o conhecimento da população brasileira sobre educação integral. Metodologia

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 Belo Horizonte MG Abril 2012 Categoria: C Setor Educacional: 2 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: H / Micro: O Natureza:

Leia mais

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil?

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Conheça o Instituto Bola Pra Frente O Instituto Bola Pra Frente, iniciativa do tetracampeão mundial

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

2. Objetivos do Projeto:

2. Objetivos do Projeto: 1. Apresentação: O Projeto Cia de Dança Negra Contemporânea Kina Mutembua consiste numa iniciativa da ONG Ação Comunitária do Brasil do Rio de Janeiro selecionada por um edital da Secretaria de Políticas

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO EDUCAÇÃO 38 GRUPO POSITIVO Contribuição para o desenvolvimento Positivo trabalha para que sua contribuição ao ensino de O qualidade extrapole suas unidades e alcance de forma construtiva toda a sociedade.

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E O LAZER VOLTADO PARA A INCLUSÃO DA PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM SALVADOR

POLÍTICAS PÚBLICAS E O LAZER VOLTADO PARA A INCLUSÃO DA PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM SALVADOR 71 POLÍTICAS PÚBLICAS E O LAZER VOLTADO PARA A INCLUSÃO DA PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM SALVADOR RESUMO Débora Matos Maia Graduada em Educação Física Universidade Federal da Bahia Ana Caroline

Leia mais

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia Nome da empresa: BIT Company Data de fundação: Julho de 1993 Número de funcionários: 49 funcionários Localização (cidade e estado em que estão sede e franquias): Sede em São Paulo, com franquias em todo

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 DECLARAÇÃO NACIONAL DO PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL Brasília, Brasil 14-16 setembro de 2010 Grupos 1 e 2 Tema: Inclusão Educativa Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 Exclusão de estudantes com deficiência

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PROJETOS SOCIAIS COMO FERRAMENTA PARA A INCLUSÃO SÓCIO-EDUCACIONAL DA CRIANÇA: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS-CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DOS PROJETOS SOCIAIS COMO FERRAMENTA PARA A INCLUSÃO SÓCIO-EDUCACIONAL DA CRIANÇA: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS-CRIANÇA 1 A IMPORTÂNCIA DOS PROJETOS SOCIAIS COMO FERRAMENTA PARA A INCLUSÃO SÓCIO-EDUCACIONAL DA CRIANÇA: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS-CRIANÇA Ana Paula Santana GIROTO 1 Anselmo Pereira MARQUES 2 RESUMO:

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

Número de funcionários: Aproximadamente 1200 colaboradores na sede administrativa e industrial.

Número de funcionários: Aproximadamente 1200 colaboradores na sede administrativa e industrial. PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 Categoria Franqueador Máster Dados da empresa Razão Social: IBAC Indústria Brasileira de Alimentos e Chocolates Nome Fantasia: Cacau Show Data de fundação:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira e Educação, do 1º Encontro Regional do Programa Nacional de Salvaguarda

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Guia para 1 Definir o destino de parte do imposto que você vai, obrigatoriamente, pagar é uma possibilidade legítima e acessível. Basta escolher qual projeto, seja ele cultural, esportivo ou social, você

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC Resumo da ONG O CADI Palhoça é uma instituição não governamental cujo objetivo é executar, articular e fomentar ações e projetos que facilitem o desenvolvimento de comunidades. Desenvolve projetos em 6

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal Data: 10 e 11 de dezembro de 2010 Local: UFPR Praça Santos

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

ANSELMO SERRAT Fundador e Diretor do Circo Picolino

ANSELMO SERRAT Fundador e Diretor do Circo Picolino ANSELMO SERRAT Fundador e Diretor do Circo Picolino Anselmo Serrat criou a Escola Picolino de Artes do Circo em 1985, em parceria com Verônica Tamaoki. Criada como uma escola de circo particular, a Escola

Leia mais

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO ExpedieNte TEXTO Kátia Regina Gonçalves Paulo de Camargo Priscila Cruz COORDENAÇÃO DO PROJETO Sílnia Nunes Martins Prado PROJETO GRÁFICO Linea Creativa ILUSTRAÇÃO

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO E.E. PROFª ALICE MADEIRA JOÃO FRANCISCO SANTA EUDÓXIA-DISTRITO DE SÃO CARLOS RUA

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente!

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra de Projetos 2011 Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa Resumo Este trabalho consiste no relato de experiência de coordenadores de área do Programa

Leia mais

Projeto. Avaliação do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte

Projeto. Avaliação do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Projeto Avaliação do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Objetivo apresentar uma série de resultados da avaliação do Programa Escola Integrada, por intermédio da análise de indicadores de diferenciais

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL Fernanda Oliveira Fernandes 1 José Heleno Ferreira 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar reflexões acerca da educação integral

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte A CULTURA CORPORAL DO MOVIMENTO HUMANO E O ESPORTE EDUCACIONAL Ministério do Esporte OBJETIVOS: 1. Reivindicar e demarcar as fronteiras da cultura corporal do movimento humano (CCMH) como um espaço próprio

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Projeto Voz do Batuque

Projeto Voz do Batuque Mostra Local de: Maringá PR Projeto Voz do Batuque Categoria do projeto: I Projetos em Andamento Nome da Instituição/Empresa: Instituto Morena Rosa de Responsabilidade Sócio Ambiental, Cultural e Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

9 anos acreditando na comunidade! 05.05 - RELATÓRIO GERAL DE ATIVIDADES 2012 / 2013

9 anos acreditando na comunidade! 05.05 - RELATÓRIO GERAL DE ATIVIDADES 2012 / 2013 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO ESPERANÇA BRASIL OSCIP ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO 9 anos acreditando na comunidade! 05.05 - RELATÓRIO GERAL DE ATIVIDADES 2012 / 2013 Janeiro de 2014.

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 O Diretor Geral do Câmpus Juiz de Fora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), no uso de suas atribuições

Leia mais

Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis.

Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis. Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis Localização Missão, Valores e Visão Os 5 Pilares Objetivos e estratégias

Leia mais

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes e inovadores trabalhos socioesportivos do Brasil?

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes e inovadores trabalhos socioesportivos do Brasil? Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes e inovadores trabalhos socioesportivos do Brasil? Conheça o Instituto Bola Pra Frente O Instituto Bola Pra Frente nasceu do

Leia mais

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006 Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA Comunicação de Progresso - 2006 Quem somos: Número de funcionários: 781 Número de empresas listadas: 391 Volume financeiro diário: R$ 2,4 bilhões Market Cap: R$

Leia mais

IX Jornada de Estágio de Serviço Social

IX Jornada de Estágio de Serviço Social INSTITUTO MUNDO MELHOR LIMA, Angélica P.F 1. MATOS, Fernanda Edi 2. PREUSS, Lislei T. 3. Apresentador: Angélica Perlin Ferreira de Lima (Estágio II) Resumo: No Instituto Mundo Melhor (IMM), o Serviço Social

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

II Seminário Esporte e Desenvolvimento Humano: Esporte, atividade física e lazer ativo ao longo da vida. PRÁTICAS CORPORAIS E JUVENTUDE Case SESI SP

II Seminário Esporte e Desenvolvimento Humano: Esporte, atividade física e lazer ativo ao longo da vida. PRÁTICAS CORPORAIS E JUVENTUDE Case SESI SP II Seminário Esporte e Desenvolvimento Humano: Esporte, atividade física e lazer ativo ao longo da vida Luís Claudio Marques Supervisor de Qualidade de Vida Serviço Social da Indústria SESI SP FIESP 248

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Ensino Médio e Profissional

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Ensino Médio e Profissional Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Ensino Médio e Profissional Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012

EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012 PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012 A Pró-Reitoria de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro 1 Em apoio às campanhas Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro A Universidade Federal de Santa Catarina e a Rede

Leia mais

Projeto Jovem Aprendiz Irmã Scheilla. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Projeto Jovem Aprendiz Irmã Scheilla. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Mostra Local de: Londrina Projeto Jovem Aprendiz Irmã Scheilla Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Núcleo Esoirita Irmã Scheilla

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL N 20/2015 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais