Sexualidade no pós-operatório de câncer de mama Sexuality in their post-operative breast cancer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sexualidade no pós-operatório de câncer de mama Sexuality in their post-operative breast cancer"

Transcrição

1 Sexualidade no pós-operatório de câncer de mama Sexuality in their post-operative breast cancer Débora Miranda Carvalho, Carolina Martins e Laura Ferreira de Rezende Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar a sexualidade de pacientes no pós-operatório de câncer de mama em suas diversas fases. Este trabalho foi realizado através da aplicação do questionário Quociente Sexual Feminino (QS-F), realizado em um único momento, com a participação de 11 pacientes mastectomizadas com relação conjugal estável. Observouse que cinco das pacientes possuem vida sexual de regular a bom, quatro desfavorável a regular e duas das pacientes de ruim a desfavorável. Foi possível observar que as pacientes apresentaram maior prejuízo em relação à satisfação sexual e ao orgasmo. Autoras Palavras-chave Sexualidade, Disfunções Sexuais, Câncer de Mama e Quociente Sexual Feminino. Débora Miranda Carvalho Fisioterapeuta graduada pelo Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino - UNIFAE Carolina Martins Fisioterapeuta graduada pelo Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino - UNIFAE Laura Ferreira de Rezende Pós-Doutora em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia pela UNESP. Professora do curso de Fisioterapia e do Mestrado em Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida do Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino - UNIFAE Recebido em 20/outubro/2011 Aprovado em 22/março/

2 Referencial Teórico O câncer de mama é a neoplasia maligna que mais acomete o sexo feminino, sendo responsável por cerca de 20% dos óbitos por câncer entre as mulheres (ETIENNE e WAITMAN, 2006). De acordo com a estimativa do INCA, em 2010 o risco de câncer entre as brasileiras foi de 49 casos a cada 100 mil mulheres, sendo esperados casos novos a serem diagnosticados em 2011 (INCA, 2010). A descoberta do câncer de mama gera inúmeras mudanças na vida da mulher, tanto na esfera profissional quanto na pessoal (ETIENNE e WAITMAN, 2006). Sugerese que a imagem corporal e a sexualidade sejam afetadas pelo câncer de mama. Estudos demonstraram que pacientes mastectomizadas, que realizaram cirurgia conservadora ou reconstrução da mamária criam uma antipatia a sua aparência sem roupa, evitam se olhar no espelho para não se sentirem constrangidas e feias (EMILEE et al, 2010). Manter um corpo imperfeito e disforme, faz com que a autoimagem e o autoconceito fiquem prejudicados, ocorrendo mudanças na sexualidade (ETIENNE e WAITMAN, 2006). Embora a dor física do tratamento do câncer de mama diminua com o tempo, a experiência da dor emocional pode persistir com algumas mulheres que sofrem com a perda de sua mama ou fazem-nas sentir como se uma de suas partes tivesse morrido. Nesse sentido, para uma parcela significativa das mulheres, a perda das mamas está associada em ser meio mulher (EMILEE et a, 2010). Mulheres têm expressado que o estigma social e suas consequências no autoconceito é um dos principais problemas que enfrentam após a cirurgia: a sexualidade e a retomada da atividade sexual (HOGA et al, 2010). A falta das mamas remete a mulher ao luto da perda do corpo ideal para um novo corpo real, sem mamas ou com as mamas reconstruídas (ETIENNE e WAITMAN, 2006). As mamas, além de desempenharem um papel fisiológico em todas as fases do desenvolvimento feminino, também representam na cultura ocidental um símbolo de identificação da mulher e sua feminilidade expressas pelo erotismo, sensualidade (ANDRADE e DUARTE, 2002), atração, nutrição e maternidade (HOGA et al, 2010). Nas mulheres com relacionamento estável ou casadas, o marido desempenha um papel de grande importância, através de um suporte prático e emocional. As mulheres com câncer de mama às vezes relatam que seus maridos são maravilhosos quando existe algo concreto para ser feito, mas queixam-se de dificuldades com as tarefas mais sentimentais, como escutar, segurar as mãos e tocar (ETIENNE e WAITMAN, 2006). O diagnóstico de câncer de mama pode induzir a tensões relacionais ou problemas de comunicação, particularmente entre casais mais jovens (ASSELAIN et al, 2010). Alguns homens podem retirar seus pedidos sexuais em resposta a sua parceira em depressão, ansiedade e imagem corporal alterada. Esta imagem corporal também pode bloquear a excitação no parceiro masculino (ANTONIOLI e SIMÔES, 2010). Quando ocorrem alterações em qualquer uma das fases da resposta sexual tais como: desejo, excitação, orgasmo e resolução, podem surgir às disfunções sexuais (ANTONIOLI e SIMÕES, 2010). No que diz respeito à sexualidade feminina, pacientes submetidas à quimioterapia começam a apresentar disfunções sexuais como falta de desejo, dispareunia, vaginismo, anorgasmia (ETIENNE e WAITMAN, 2006) e transtorno do desejo hipoativo (ABDO e FLEURY, 2009). Em pacientes pós mastectomia podem ser encontradas Sexualidade no pós-operatório de câncer de mama dificuldades em expor seu corpo, expressar sua sexualidade e um sentimento de impotência com suas novas condições (HOGA et al, 2010). Foram identificados casos em que mulheres evitavam despir-se diante dos parceiros e serem tocadas pelos mesmos, com isso faziam a utilização de sutiã e camiseta durante as relações sexuais (ANDRADE e DUARTE, 2002). Além disso, o tratamento complementar à cirurgia pode prejudicar ainda mais a sexualidade. A menopausa pode ser quimicamente induzida pela hormonioterapia (EMILEE et al, 2010). O tamoxifeno é um modulador seletivo dos receptores estrogênicos que são utilizados como tratamento coadjuvante em mulheres que tiveram câncer de mama, no sentido de diminuir a recorrência de tumores na mama contralateral e metástase (GRADIM, 2005). Mulheres fazendo o uso deste medicamento podem se queixar de dor, ardor ou desconforto com a relação sexual, sensação de aperto vaginal, ondas de calor, sentimentos negativos durante o coito (EMILEE et al, 2010). A quimioterapia é vista como prejudicial ao funcionamento sexual, talvez porque cause deficiência ovariana, levando a uma menopausa precoce em mulheres com idade pré-menopausa. A falência ovariana resulta do decréscimo de estrógeno e testosterona, que são associados com a atrofia vaginal, decréscimo de lubrificação vaginal, vasocongestão e diminuição da libido. Os antineoplásicos podem levar a alterações relacionadas à fertilidade e à função sexual, cuja intensidade vai depender da dose, duração do tratamento, sexo e a idade; na mulher ocorrem irregularidades do ciclo menstrual e amenorréia (GRADIM, 2005). Estudos têm evidenciado que muitas mulheres com câncer de mama procuram informações sobre como usar lubrificantes para combater a secura vaginal. Embora algumas mulheres relatem que apresentaram algumas alterações na sexualidade, isso não significou alterações no exercício da prática sexual. O reinício das relações sexuais ocorre geralmente dentro da rotina de cada casal. Os profissionais de saúde podem desempenhar um papel fundamental na melhoria das preocupações em torno da sexualidade e intimidade após câncer de mama, dar sugestões concretas sobre como ajustar essas mudanças e como expandir sua orientação sexual, bem como informações que possam permitir aos parceiros ajudá-las a se adaptarem às mudanças (EMILEE et al, 2010). Lim (1995) afirma que a mastectomia não é a única causa dessas sensações de desconforto relatadas pelas pacientes. Há outros fatores antecedentes ao diagnóstico, que podem influenciar e intensificar o quadro de desconforto para a mulher, como problemas financeiros, sociais, conjugais, idade da paciente, sua forma de lidar com situações adversas e também a falta de informações sobre a doença e suas consequências (ANDRADE e DUARTE, 2002). O avanço da idade e/ ou a presença de sintomas como náuseas ou insônia também foram associados como desconforto sexual. A idade avançada aparece na literatura associada a um declínio do funcionamento sexual devido à diminuição da excitação sexual ou da habilidade para conseguir orgasmo (ASSELAIN et al, 2010). Mulheres cuja capacidade sexual é comprometida pelo câncer de mama podem ter medo de estar privando seus parceiros de sexo, e que o desejo secreto de seu parceiro seja abandoná-la por alguém saudável. A atenção amorosa do marido é o vinculo para ajudar a superar seu sentimento de inadequação e de resistência a mostrar a mama ferida. Mulheres mais jovens mantiveram um prolongado estado de sofrimento 61

3 CARVALHO, D. M. MARTINS, C. REZENDE, L. F. de emocional secundário ao medo da doença e luto pela mama afetada. A aceitação de cicatrizes de mama para as mulheres mais jovens parecem ser extremamente difícil e interfere no desejo sexual e na espontaneidade. Após o tratamento 50% das mulheres continuaram a experimentar dificuldades sexuais, tais como sentir-se menos atraente, excitar-se sexualmente, tendo dificuldade com o orgasmo e lubrificação, apresentando níveis de insatisfação com a atividade sexual (ELY e SHEPPARD, 2008). O câncer de mama não irá abalar a relação se ela se mantiver estável e haverá uma grande possibilidade da mulher continuar a exercer sua sexualidade adequadamente (ETIENNE e WAITMAN, 2006). Podem surgir disfunções em qualquer uma das fases sexuais, seja no desejo, excitação e platô, orgasmo e resolução (ANTONIOLI e SIMÕES, 2010). Dentro desse contexto, o objetivo deste trabalho foi avaliar a sexualidade de pacientes no pós-operatório de câncer de mama em suas diversas fases. Procedimentos Metodológicos Este estudo foi realizado em 11 pacientes pós mastectomizadas, atendidas no setor de Saúde da Mulher de uma clínica escola de Fisioterapia. Para participarem da pesquisa as pacientes precisavam ter uma relação conjugal estável, ou durante o tratamento pós- cirúrgico, estarem casadas, podendo ter realizado terapia adjuvante ou não. O instrumento utilizado foi o questionário Quociente Sexual- Versão Feminina (QS_F). As pacientes, ao serem convidadas a participar do estudo, assinavam um termo de consentimento livre e esclarecido e depois respondiam a 10 questões do questionário. Foram colhidos dados pessoais e cirúrgicos no momento da avaliação. O questionário permitiu a analise do desejo e interesse sexual, preliminares, excitação da mulher e sintonia com parceiro, conforto na relação sexual, orgasmo e satisfação sexual. Para obter o resultado final foram somados os pontos atribuídos a cada questão, sendo que na questão 7 (sete) foram subtraídos 5 pontos e o total multiplicado por 2 de acordo com a fórmula 2x (Q1+Q2+Q3+Q4+Q5+Q6+[5- Q7]+Q8+Q9+Q10).Com a soma,o estudo mostra em qual fase da sexualidade as mulheres apresentam maiores disfunções (Quociente Sexual- Versão Feminina (QS-F)). No presente estudo, para cada paciente foram analisadas as fases da sexualidade e calculada a média e o desvio padrão para cada questão. Os aspectos avaliados para cada questão foram: desejo e interesse sexual (questões 1, 2, 8), preliminares (questão 3), excitação da mulher e sintonia com o parceiro (questões 4, 5), conforto na relação sexual (questões 6,7), orgasmo e satisfação sexual (questões 9, 10). A pontuação poderia variar 0 (nunca) a 5 pontos (sempre) para cada questão. Resultados e Discussão O questionário foi aplicado em 11 mulheres pós mastectomizadas, com relação conjugal estável, e idade entre anos. Quanto aos dados cirúrgicos, 3 realizaram mastectomia radical do tipo Madden; 1 das pacientes realizou a cirurgia tumorectomia; as outras 7 realizaram quadrandectomia; 6 realizaram reconstrução mamária. O gráfico 1 representa o padrão de desempenho sexual das mulheres estudadas. Nenhuma paciente obteve pontos (bom a excelente), enquanto 5 pacientes obtiveram de pontos (regular a bom), 4 pacientes pontos (desfavorável a regular), 2 pacientes pontos (ruim a desfavorável), nenhuma paciente apresentou a pontuação de 0-20 pontos (nulo a ruim). Gráfico 1: Padrão de desempenho sexual das mulheres pós mastectomizadas. Das 11 pacientes participantes 45,46% (5 pacientes) apresentaram como desempenho sexual de regular a bom; 36,36% das pacientes (4 pacientes), desfavorável a regular; e 18,18% (2 pacientes) ruim a desfavorável. A aplicação do questionário mostrou que a maior queixa das pacientes foi apresentar falta de lubrificação, levando a não sentir vontade de ter relação sexual, assim não conseguindo atingir o orgasmo. O gráfico 2 mostra a pontuação média de cada resposta, o que permite identificar em quais fases da sexualidade as mulheres apresentam alguma disfunção sexual. Na fase do desejo e interesse sexual, as pacientes apresentaram como resposta na questão 1 média de 2,5 ± 1,4 pontos; na questão 2 foram 2,6 ± 1,1 pontos; e na questão 8 como 2,8 ± 1,5 pontos. Nas preliminares (questão 3), as voluntárias pontuaram com 3,4 ± 1,6 pontos, conforto na relação sexual; questão 6, com 3,2 ± 1,4 pontos; na questão 7 foram 1,6 ±1,2 pontos, já em relação ao orgasmo e satisfação sexual; questão 9, média de 2,4 ± 1,2 pontos; na questão 10, média de 2,3 ± 1,5 pontos. Entre as questões analisadas, a menor média foi na questão 9 e 10 que representam a satisfação sexual e o orgasmo, obtendo média abaixo de 2,5 62

4 pontos,evidenciando dificuldades em sua sexualidade. Em relação a questão 7 obtivemos uma médiade 1,8 pontos Sexualidade no pós-operatório de câncer de mama significando que as pacientes nem sempre sentem dor durante o ato sexual. Gráfico 2: Aspectos avaliados na sexualidade. A literatura apresenta consistentemente que as mulheres com câncer de mama que se submetem a quimioterapia estão em maior risco para a disfunção sexual após o tratamento. A quimioterapia é o tratamento que mais significativamente repercute em problemas de excitação, lubrificação, orgasmo e dor sexual, questões que são particularmente comuns após o tratamento (HUGUET, 2005). Entretanto, a evidencia de um vínculo entre o tratamento como tamoxifeno e funcionamento sexual é um pouco controversa. Ganz et al (2004) não encontraram qualquer diferença no funcionamento sexual entre mulheres tratadas com ou sem tamoxifeno (HUGUET, 2005). Em outra pesquisa foram obtidos valores elevados das pontuações totais no Índice de Satisfação Sexual, aplicados em pacientes no pós-operatório de câncer de mama. Isto reflete a existência de um bom relacionamento conjugal e a presença de satisfação sexual, concluindo que quando a qualidade do relacionamento conjugal é boa, diminui a insatisfação sexual. Verificou-se, também, que quando existem problemas relacionados à valorização da aparência existe também maior insatisfação sexual (PATRÂO e RAMOS, 2005). Segundo Maluf (2008), o comportamento sexual é adversamente afetado pela depressão e ansiedade associadas ao diagnóstico do câncer. No câncer de mama, em função do desfiguramento e da baixa auto- estima, estima-se que aproximadamente 90% das pacientes apresentam alguma forma de disfunção sexual. Os tratamentos adjuvantes à mastectomia como a quimioterapia, podem gerar algumas disfunções sexuais, como a perda do desejo sexual e a dispareunia, além de problemas orgânicos como náusea, vômito e alopecia que afetam a sexualidade das pacientes. O sentimento de mutilação relacionado às alterações de imagem corporal em consequência da mastectomia radical, é a queixa manifestada por 90% das mulheres, sendo esta uma das principais causas das disfunções sexuais entre as mulheres, devido a sua inabilidade em relaxar e desfrutar a relação em consequência da alteração da imagem corporal (MALUF, 2008). Embora não tenha sido objetivo do presente estudo, torna-se importante ressaltar que os estudos também observaram que pacientes tratadas com terapias adjuvantes apresentam um escore inferior da função sexual quando comparado com mulheres que não foram tratadas (HUGUET, 2009). Algumas mulheres relatam aspectos positivos da doença, demonstrando que a vida sexual melhorou após a cirurgia, ressaltando, entretanto, que mantinham um bom relacionamento com o marido anteriormente (HUGUET, 2009). Para Gradim (2005) apesar das mulheres não se sentirem bem, de não estarem interessadas em fazer sexo, elas afirmam conhecer as necessidades sexuais dos companheiros; que procuram, dentro do possível, atendêlos, mesmo que a relação não seja satisfatória para elas: Eu aceito ele, hora que ele vier, eu aceito, mesmo que não esteja com vontade. Só para satisfazer ele. Sabe-se que não existe um tempo certo para o reinício da atividade sexual no pós-operatório de câncer de mama e que esta volta vai depender de como é o entrosamento do casal. O importante é não deixar de conhecer e explorar o corpo no sentido de perceber as sensações e obter relaxamento e provocar a excitação. O reinício das relações sexuais se dará dentro da rotina de cada casal, sendo que, após a melhora do estado geral da mulher, a maioria relata que a vida sexual foi retornando vagarosamente, sendo que não houve cobranças e a troca de carícias foi acontecendo gradativamente, chegando ao ato sexual ou não, mas a aproximação física do casal ocorreu (GRADIM, 2005). Essas descobertas mostram que as necessidades sexuais são individuais e que muitas queixas nesta área podem ser tratadas, levando o casal a ter uma vida íntima mais prazerosa, mesmo em situação de crise. Isto sugere que nem todas as pacientes pós mastectomia apresentam disfunções sexuais, e que a terapia adjuvante pode, em algumas pacientes, ser a causa, como em outras, não serem manifestadas (GRADIM, 2005). Considerações Finais A partir dos resultados analisados neste estudo pode-se ressaltar que o padrão de desempenho sexual em pacientes no pós-operatório de câncer de mama varia de um padrão 63

5 CARVALHO, D. M. MARTINS, C. REZENDE, L. F. de sexual de regular a bom, ruim a desfavorável, e que em relação às fases da sexualidade as pacientes apresentaram dificuldade nas questões referentes à satisfação sexual e ao orgasmo. Para o tratamento das disfunções sexuais, a paciente deve ser vista como um todo, no sentido emocional e físico, porque as emoções desencadeiam processos fisicos, sendo ele um bloqueio, total ou parcial, da resposta sexual normal. Por isso, é importante desenvolver um trabalho multidisciplinar com a participação de vários profissionais da área da saúde. Referências ABDO, C H N; FLEURY, H J. Desejo Sexual Feminino. Diagn Tratamento. 14(1): 47-51, ANDRADE, A N; DUARTE, P. T. Enfrentando a Mastectomia: análise dos relatos de mulheres mastectomizadas sobre questões ligadas à sexualidade. Universidade Federal do Espírito Santo: Espírito Santo-ES, ANTONIOLI, R S; SIMÕES, D. Abordagem Fisioterapêutica nas Disfunções Sexuais Femininas. Rev Neurocienc. 18(2): , ASSELAIN, B; BESANCENET, C; BRÉDART, A; COPEL, L; DOLBEAULT, S; FALCOU, C M; FLAHAULT, C; GIAMI, A; MICHAELS, S; SAVIGNONI, A; THIS, P. Prevalence and Associated Factors of Sexual Problems after Early-stage Breast Cancer Treatment: Results of a French Exploratory Survey. Psycho-Oncology, ELY, S; SHEPPARD, A L. Breast Cancer and Sexuality. The Breast Journal, vol. 14, n. 2, p , EMILEE, G; PERZ, J; USSHER, M. Sexuality after Breast Cancer: A review. New South Wales: Austrália, ETIENNE, A M; WAITMAN, C M. Disfunções Sexuais Femininas: A Fisioterapia como Recurso Terapêutico. 1ed. São Paulo: LMP, GRADIM, C C V. Sexualidade de Casais que Vivenciaram o Câncer de Mama. Universidade de São Paulo: Ribeirão Preto-SP, HOGA, A L K; MANGALLIELO, A; MIRANDA, C M. Sexuality and Quality of Life of breast cancer patients post mastectomy. Revista Européia de Enfermagem Oncológica, HUGUET, P R. Qualidade de Vida e Aspectos da Sexualidade de Mulheres Tratadas de Câncer de Mama. Dissertação de mestrado. Unicamp, INCA- Instituto Nacional do Câncer [on line]. Estimativa 2010: incidência do câncer no brasil. Disponível em: www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/agencianoticias/site/home/noticias/2009/lancamentoestimativa2010. Acesso em: 03 fevereiro de MALUF, F M M. O Perfil da Sexualidade em Mulheres com Câncer de Mama. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, PATRÃO, I; RAMOS, A S. Imagem Corporal da Mulher com Câncer de Mama: Impacto na qualidade do relacionamento conjugal e na satisfação sexual. Análise Psicológica (2005), 3 (XXIII): Abstract The objective of this study was to evaluate the sexuality of patients in the postoperative period of breast cancer in its various stages. This work was conducted through the questionnaire female sex ratio (QS-F), held in a single moment, with the participation of 11 mastectomy patients with stable marriages. It was observed that five of the patients have a regular sex life good, four unfavorable to regular and two of the patients from poor to bad. It was observed that the patients had more deficits in relation to sexual satisfaction and orgasm. Key words Sexuality, Sexual Disorders, Breast Cancer and Female Sexual Quotient 64

Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo

Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo Atividade Sexual Desejo de engravidar Sentir-se mulher ou homem Sentir-se desejável Intimidade / Cumplicidade Desejo de ter filho Expressão/ Afirmação Excitação/

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA SEXOLOGIA CLÍNICA Rafaela Prado M. Fleury Fisioterapeuta em Urologia, Ginecologia, Obstetrícia e recuperação pós retirada

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa?

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Menopausa é a parada de funcionamento dos ovários, ou seja, os ovários deixam

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H VIDA NO CÂNCER DE MAMA. Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP

INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H VIDA NO CÂNCER DE MAMA. Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H DE VIDA NO CÂNCER DE MAMA Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP Transtornos depressivos e câncer de mama Incidência população geral: 8% pacientes com ca de mama: 30% Qualidade

Leia mais

MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS

MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS 1 Resumo MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS SILVA, Gusmão Fernanda¹ SOUZA, Lindyara Thâmara² O câncer de mama tem sido o responsável pelos maiores índices

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

TREINAMENTO EM SAÚDE DA MULHER DRA ANA CRISTINA GEHRING

TREINAMENTO EM SAÚDE DA MULHER DRA ANA CRISTINA GEHRING TREINAMENTO EM SAÚDE DA MULHER DRA ANA CRISTINA GEHRING QUATRO SEMANAS DE PRAZER COMO INSTRUIR MEU CLIENTE NA COMPRA? MONTANHA RUSSA HORMONAL: O ciclo feminino define qual o tipo de preliminar e sexo que

Leia mais

Você está lendo o trecho grátis do ebook Como Provocar Orgasmos Femininos, do Psicólogo Terapeuta Sexual Marlon Mattedi.

Você está lendo o trecho grátis do ebook Como Provocar Orgasmos Femininos, do Psicólogo Terapeuta Sexual Marlon Mattedi. Você está lendo o trecho grátis do ebook Como Provocar Orgasmos Femininos, do Psicólogo Terapeuta Sexual Marlon Mattedi Boa leitura Marlon Mattedi COMO PROVOCAR ORGASMOS FEMININOS O que nunca lhe contaram!

Leia mais

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - São Paulo. Ana Catarina

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

TELMA SIQUEIRA OLIVEIRA DE ARAÚJO. CÂNCER DE MAMA: Estado Psicológico e Sexualidade de Mulheres Mastectomizadas

TELMA SIQUEIRA OLIVEIRA DE ARAÚJO. CÂNCER DE MAMA: Estado Psicológico e Sexualidade de Mulheres Mastectomizadas ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CÁCERES JANE VANINI FACULDADE DE CIÊNCIA E SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM

Leia mais

MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS!

MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS! MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS! A expectativa de vida de homens e mulheres está aumentando por diversos fatores, principalmente aos avanços da

Leia mais

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS Gilmara Saraiva Bezerra 1 Irma Caroline Lima Verde da Silva 2 Nydia Cavalcante de Carvalho Pinheiro 3 Maria Zélia de Araújo Madeira

Leia mais

Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012

Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012 Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012 1 Repercussões emocionais frente ao Diagnóstico de Câncer A comunicação de um diagnóstico

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

RESUMO. Palavras- chave: Fisioterapia. Câncer de Mama. Câncer de Mama Avaliação. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras- chave: Fisioterapia. Câncer de Mama. Câncer de Mama Avaliação. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE MEMBRO SUPERIOR EM MULHERES MASTECTOMIZADAS Mara Vania Guidastre - m_risaguist@hotmail.com Marcela Da Silva Mussio - marcela_mussio@hotmail.com Ana Cláudia De Souza Costa - anaclaudia@unisalesiano.edu.br

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Fisioterapia Uroginecológica e Obstetrica SÉRIE: 4º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama

Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama Hayala Cristina Cavenague de Souza 1 Marina Pasquali Marconato Mancini 2 Francisco Louzada Neto³ Gleici

Leia mais

Avaliação das alterações posturais em pacientes submetidas à mastectomia radical. modificada 1. Resumo

Avaliação das alterações posturais em pacientes submetidas à mastectomia radical. modificada 1. Resumo Avaliação das alterações posturais em pacientes submetidas à mastectomia radical modificada 1 Fernanda Bulgarelli 2 Karina Brongholi 3 Melissa Medeiros Braz Resumo No contexto atual da sociedade em que

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

Relato de Experiência. Projeto Reabilta-ação Fisioterapia Oncológica. PICIN, Celis i e COPETTI, Solange M. B. ii Faculdade de Pato Branco FADEP

Relato de Experiência. Projeto Reabilta-ação Fisioterapia Oncológica. PICIN, Celis i e COPETTI, Solange M. B. ii Faculdade de Pato Branco FADEP Relato de Experiência Projeto Reabilta-ação Fisioterapia Oncológica PICIN, Celis i e COPETTI, Solange M. B. ii Faculdade de Pato Branco FADEP RESUMO A intenção em produzir um material informativo a respeito

Leia mais

1 O que é terapia sexual

1 O que é terapia sexual 1 O que é terapia sexual Problemas, das mais diversas causas, estão sempre nos desafiando, dificultando o nosso diaa-dia. A vida é assim, um permanente enfrentamento de problemas. Mas existem alguns que

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

Atuação da fisioterapia no pré e pós- operatório do câncer de mama

Atuação da fisioterapia no pré e pós- operatório do câncer de mama FISIOTERAPIA Atuação da fisioterapia no pré e pós- operatório do câncer de mama Silvia Maria Rodrigues Ranna Pesquisador Silvia Regina Graziani Orientador Resumo Este artigo tem por objetivo demonstrar

Leia mais

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE Nenhum conflito de interesse COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Como fazer o acompanhamento

Leia mais

Discussão de caso clínico Paciente Terminal. Lara Torreão

Discussão de caso clínico Paciente Terminal. Lara Torreão Discussão de caso clínico Paciente Terminal Lara Torreão Caso clínico E.M.S, 3 anos, sexo masculino, natural e procedente de Salvador, foi admitido na enfermaria de Pediatria do Hospital Universitário

Leia mais

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da MULHER APRESENTAÇÃO A mulher redefiniu seu papel na sociedade e tem hoje grandes desafios e variadas demandas que terminam por impactar no seu estilo

Leia mais

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012)

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Bouma J, De Jonge M, De Laat EAT, Eekhof H, Engel HF, Groeneveld FPMJ, Stevens NTJM, Verduijn MM, Goudswaard AN, Opstelten W, De Vries

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2011

PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2011 PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2011 Dispõe sobre a afixação nas Academias de Ginástica, Centros Esportivos e Estabelecimentos Comerciais de Nutrição Esportiva e produtos correlatos à atividade física,

Leia mais

IMAGEM CORPORAL DE PACIENTES SUBMETIDAS À MASTECTOMIA

IMAGEM CORPORAL DE PACIENTES SUBMETIDAS À MASTECTOMIA IMAGEM CORPORAL DE PACIENTES SUBMETIDAS À MASTECTOMIA ANA CAROLINA NORONHA CAMPOS; DANIELA FRASCESCATO VEIGA; SILVÂNIA DE CÁSSIA VIEIRA ARCHANGELO, YARA JULIANO Hospital das Clínicas Samuel Libânio - Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM CÂNCER ASSISTIDOS PELO CENTRO DE TRATAMENTO DE CÂNCER DE DOURADOS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM CÂNCER ASSISTIDOS PELO CENTRO DE TRATAMENTO DE CÂNCER DE DOURADOS AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM CÂNCER ASSISTIDOS PELO CENTRO DE TRATAMENTO DE CÂNCER DE DOURADOS EVALUATION QUALITY OF LIFE IN ONCOLOGY PATIENTS ATTENDED BY THE CENTER OF TREATMENT OF

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT01-P CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS DISCENTES DO QUARTO PERÍODO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SOBRE O AUTO-EXAME DAS MAMAS Ericka Vilar Brandão (1) ; Cleide Rejane Damaso de Araújo (3) Centro de Ciências

Leia mais

DISFUNÇÃO SEXUAL MASCULINA: ALGUMAS IMPLICAÇÕES*

DISFUNÇÃO SEXUAL MASCULINA: ALGUMAS IMPLICAÇÕES* DISFUNÇÃO SEXUAL MASCULINA: ALGUMAS IMPLICAÇÕES* VÂNIA GOMES MACHADO DOMINGOS** ILMA A. GOULART DE SOUZA BRITTO*** Resumo: com base nos estudos sobre as disfunções sexuais masculinas, estudiosos ressaltam

Leia mais

PERSPECTIVA DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA EM TRATAMENTO COM QUIMIOTERAPIA.

PERSPECTIVA DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA EM TRATAMENTO COM QUIMIOTERAPIA. 1 PERSPECTIVA DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA EM TRATAMENTO COM QUIMIOTERAPIA. Eudilâne Pinto dos Santos* Jolene Costa* RESUMO O câncer de mama no Brasil possui taxas de mortalidade elevadas, segundo dados

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE AGOSTO DE 2002 A 01 DE AGOSTO DE 2003, NO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE

Leia mais

EM VIRTUDE DAS FÉRIAS COLETIVAS DA ABRAPAC EM DEZEMBRO, O ALERTA 07 SÓ SERÁ DISPONIBILIZADO EM JANEIRO DE 2013

EM VIRTUDE DAS FÉRIAS COLETIVAS DA ABRAPAC EM DEZEMBRO, O ALERTA 07 SÓ SERÁ DISPONIBILIZADO EM JANEIRO DE 2013 Mama Alerta ALERTA 06 OUTUBRO-NOVEMBRO DE 2012 EM VIRTUDE DAS FÉRIAS COLETIVAS DA ABRAPAC EM DEZEMBRO, O ALERTA 07 SÓ SERÁ DISPONIBILIZADO EM JANEIRO DE 2013 O Projeto Mama Alerta, a super-ouvidoria da

Leia mais

Eu Continuo Mulher 1

Eu Continuo Mulher 1 Eu Continuo Mulher 1 RESUMO Heloisa Rhodius ANDRADE 2 Dhiego Arlinsonn Rodrigues da SILVA 3 Jacqueline Sandra Nogueira PEREIRA 4 Erica Karoline Melo PESSOA 5 Ladislau Lima Pessoa NETO 6 Abrahim Sena Baze

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL

VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL V Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL Janete Giuliane Tavares 1 ; Laís

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

Investimento corporal e o funcionamento sexual em mulheres no pós-cirúrgico de câncer de mama

Investimento corporal e o funcionamento sexual em mulheres no pós-cirúrgico de câncer de mama Investimento corporal e o funcionamento sexual em mulheres no pós-cirúrgico de câncer de mama Body investiment and sexual performance in women with post surgery of breast cancer Ana Carolina Lagos Prates

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

impotência sexual Guia definitivo: acabe com todas as suas incertezas sobre impotência sexual

impotência sexual Guia definitivo: acabe com todas as suas incertezas sobre impotência sexual impotência sexual Guia definitivo: acabe com todas as suas incertezas sobre impotência sexual INTRODUÇÃO A disfunção sexual é um problema que faz parte do cotidiano de muitas pessoas. A falta de informações

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Sintoma. Neoplasias do Colo. Enfermagem. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Sintoma. Neoplasias do Colo. Enfermagem. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO Bruna de Moraes Perseguim - bruna_kimi@yahoo.com.br Fernanda Aline de Alencar - fernandinha24_aline@hotmail.com Ana Cláudia

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia II Congresso Multidisciplinar em Oncologia SOBREVIVENTES DO CÂNCER: DE QUAL DEMANDA EMOCIONAL ESTAMOS FALANDO? Vicente A. de Carvalho II Congresso Multidisciplinar em Oncologia A revolução na Medicina

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE MARIA BEATRIZ DREYER PACHECO Membro do MOVIMENTO NACIONAL DAS CIDADÃS POSITHIVAS Membro do MOVIMENTO LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE MULHERES

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 01-Out-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 01/10/2015

Leia mais

PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1

PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 Thaís Lorenzen De Mélo 2, Marília Martins 3, Evelise Moraes Berlezi 4, Daniela Zeni Dreher 5. 1 Trabalho vinculado a pesquisa

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Vida sexual após o diagnóstico de câncer: dúvidas de pacientes oncológicos. Sex life after cancer diagnosis: sexual issues of cancer patients

Vida sexual após o diagnóstico de câncer: dúvidas de pacientes oncológicos. Sex life after cancer diagnosis: sexual issues of cancer patients Vida sexual após o diagnóstico de câncer: dúvidas de pacientes oncológicos Sex life after cancer diagnosis: sexual issues of cancer patients Autores: Vanessa C. B. Scheunemann 1, Helen Gonçalves 2, Ludmila

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Uroginecologia e Obstetrícia SÉRIE: 3º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL: Prof. Esp.

Leia mais

QUALIDADE DA FUNÇÃO SEXUAL FEMININA NA PÓS-MENOPAUSA

QUALIDADE DA FUNÇÃO SEXUAL FEMININA NA PÓS-MENOPAUSA QUALIDADE DA FUNÇÃO SEXUAL FEMININA NA PÓS-MENOPAUSA SANDRA MARA VIANA PERES, MARIA JAQUELINE COELHO PINTO RESUMO A pós-menopausa marca o final do período reprodutivo das mulheres, porém estudos comprovam

Leia mais

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência.

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. ANSIEDADE E TRANSTORNOS DE ANSIEDADE MEDO E ANSIEDADE MEDO Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. É uma emoção produzida pela percepção de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 MOURA, Deise Silva de 2 ; BLASI, Tereza Cristina²; BRASIL, Carla Cristina Bauermann 3 ; COSTA

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - CURITIBA Unidade

Leia mais

A LUDICIDADE NA ONCOLÓGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

A LUDICIDADE NA ONCOLÓGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 A LUDICIDADE NA ONCOLÓGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 RODRIGUES, Paula Andiara²; BARATTO, Fernanda³; CASARIN, Juliana Trevisan 4 ; GEHLEN, Maria Helena 5. RESUMO No sentido de minimizar os fatores estressantes

Leia mais

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

3º Bimestre Preciosidades da vida AULA: 113 Conteúdos:

3º Bimestre Preciosidades da vida AULA: 113 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Preciosidades da vida AULA: 113 Conteúdos: Tempo verbal: presente. Propriedade comutativa da multiplicação.

Leia mais

Os antigos mensageiros do Amor

Os antigos mensageiros do Amor Os antigos mensageiros do Amor Os Novos Mensageiros do Amor Neurotransmissores Alerta Atenção Energia Noradrenalina Serenidade Saciedade Paz Prazer Alegria Aventura Sertralina Dopamina Neuropepitídeos

Leia mais

Sexualidade em Geriatria

Sexualidade em Geriatria Sexualidade em Geriatria Ana Cristina N. B. Faria Mestre em Clínica Médica UFMG Coordenadora da especialização em geriatria CIAPE FCMMG Este material é parte do material didático do curso do CIAPE. Poderá

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

PERCEPÇÃO DAS MULHERES EM RELAÇÃO AO COMPORTAMENTO DO PARCEIRO APÓS A MASTECTOMIA

PERCEPÇÃO DAS MULHERES EM RELAÇÃO AO COMPORTAMENTO DO PARCEIRO APÓS A MASTECTOMIA 264 PERCEPÇÃO DAS MULHERES EM RELAÇÃO AO COMPORTAMENTO DO PARCEIRO APÓS A MASTECTOMIA PERCEPTION OF WOMEN WITH REGARD TO THE BEHAVIOR OF PARTNER AFTER MASTECTOMY Gabriela Rodrigues Pedrosa Discente do

Leia mais

Experiências de Re-criação Musical e Composição Musical em Musicoterapia: estratégias de enfrentamento ao estresse?

Experiências de Re-criação Musical e Composição Musical em Musicoterapia: estratégias de enfrentamento ao estresse? Experiências de Re-criação Musical e Composição Musical em Musicoterapia: estratégias de enfrentamento ao estresse? SILVA, Fernanda Ortins 1 ; CRAVEIRO DE SÁ, Leomara. Mestrado em Música / Escola de Música

Leia mais

HSPM-SP. Projeto de Pesquisa

HSPM-SP. Projeto de Pesquisa HSPM-SP Projeto de Pesquisa HSPM-SP Conseqüências da Histerectomia Leiomioma uterino-metástase mórbida Dra Joselma Lira Alves Dra Maisa L. H. de Mello Prof. Dr Romeu Carillo Jr Associação Brasileira de

Leia mais

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN FERREIRA, Laura Raniere Borges dos Anjos (lauraraniere@hotmail.com)¹;

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com. MESA 4 AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.br Relatores: Carmen Lúcia Souza Izilda Malta Torres Ruth

Leia mais

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas.

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. Tereza Giannini giannini.tereza@gmail.com sobenfee@sobenfee.org.br LESÕES NEOPLÁSICAS Lesões resistentes que se propagam no tecido epitelial devido

Leia mais

ARTIGO As necessidades de informação sobre sexualidade da Pessoa Ostomizada

ARTIGO As necessidades de informação sobre sexualidade da Pessoa Ostomizada ARTIGO As necessidades de informação sobre sexualidade da Pessoa Ostomizada Resumo Palavras-chave: Sexualidade, Informação, Pessoa Ostomizada O impacto físico e psicológico de uma ostomia na sexualidade

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano)

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano) CICLO MENSTRUAL Ciclo Menstrual A maioria das mulheres passará por 300 a 400 ciclos menstruais durante sua vida Os ciclos variam entre 21 a 36 dias, em média 28 dias O sangramento dura de 3 a 8 dias A

Leia mais

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2 ESTUDO CLÍNICO-PATOLÓGICO E IMUNOHISTOQUÍMICO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES JOVENS DIAGNOSTICADAS E TRATADAS NO HOSPITAL DE CÂNCER DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 1996 A 2006. Marília Ávila Acioly 1 ; Maria

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal Discente: Genaina Bibiano Vieira Disciplina: Desenvolvimento Humano Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Leia mais

Aspectos Psicossociais da Disfunção Sexual no Doente Oncológico

Aspectos Psicossociais da Disfunção Sexual no Doente Oncológico Aspectos Psicossociais da Disfunção Sexual no Doente Oncológico Sónia Silva Psicóloga da Liga Portuguesa Contra o Cancro Núcleo Regional do Centro [@]ssilva@ligacontracancro.pt Encontros da Sociedade Portuguesa

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

Histórico. O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama.

Histórico. O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama. Histórico O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama. Iniciado na década de 90 nos EUA, a campanha derrubou

Leia mais