PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA"

Transcrição

1 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA 10ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO GERAL Área de Ciências Económico-Jurídicas

2 Ficha Técnica Título Programa de Introdução à Economia - 10ª Classe (Área de Ciências Económico-Jurídicas) Editora Editora Moderna, S.A. Pré-impressão, Impressão e Acabamento GestGráfica, S.A. Ano / Edição / Tiragem / N.º de Exemplares 2013 / 2.ª Edição / 1.ª Tiragem / Ex EDITORA MODERNA Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução desta obra por qualquer meio (fotocópia, offset, fotografia, etc.) sem o consentimento escrito da editora, abrangendo esta proibição o texto, as ilustrações e o arranjo gráfico. A violação destas regras será passível de procedimento judicial, de acordo com o estipulado no código dos direitos de autor.

3 ÍNDICE Introdução Geral à Disciplina no 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral Objectivos Gerais da Disciplina no 2 Ciclo do Ensino Secundário Geral Objectivos Gerais da Disciplina na 10ª Classe Distribuição dos Temas por Trimestres e Horas Temas/Conteúdos Avaliação Bibliografia

4 10ª CLASSE INTRODUÇÃO GERAL À DISCIPLINA NO 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO GERAL A Economia desempenha um papel de relevo em toda a vida social. Uma grande parte da vida social, das relações entre as pessoas, entre os grupos, está relacionada com actividades destinadas a garantir a sobrevivência, a participação cultural e social das pessoas e grupos. Uma grande parte da actividade social desenvolve-se em tomo da utilização, transformação, partilha e movimentação dos recursos. Estas actividades implicam o dispêndio do esforço individual e colectivo. Assim, a melhor utilização do esforço e dos recursos é um comportamento que está na base da natureza económica da actividade humana. A Economia pode ser entendida como actividade social ou actividades ligadas à obtenção, transformação, partilha e utilização dos recursos. Mas pode também ser entendida como ciência social. Neste caso, a Economia é a ciência que estuda a aplicação de recursos de forma a obter a máxima satisfação social. É a ciência que procura descobrir e conhecer os caminhos para que se atinja o máximo de bem-estar ou a melhor utilização dos recursos humanos e materiais. A aldeia global a que hoje se faz frequentemente referência, no sentido de salientar o fenómeno da crescente densificação das relações entre os países e suas populações, é um exemplo largamente utilizado do resultado da aproximação das culturas. Como consequência, vivemos num mundo onde a comunicação assume uma dimensão abrangente, atingindo tudo e todos. A todo momento somos confrontados com um manancial de informações que nem sempre somos capazes de descodificar, dado o seu teor técnico, a sua linguagem específica, enfim, o seu código de leitura próprio. E assim se perde a nossa capacidade de ler, analisar e reflectir o real. Inflação, custo de vida, produto, desenvolvimento, interdependência, etc., são alguns termos de uso corrente em qualquer revista, jornal ou boletim informativo, mas de significado económico preciso cujo entendimento nos permite passar das reflexões baseadas no senso comum e entrar na análise fundamentada cientificamente das relações entre os povos, da situação social e económica dos países, das possibilidades de desenvolvimento das comunidades, etc. 4

5 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Não conhecer termos indispensáveis ao entendimento do mundo torna-nos, de imediato, analfabetos funcionais. Aprender o significado de conceitos, entender a informação e reflectir sobre o mundo que nos cerca é, sem dúvida, o mais importante dos objectivos da Educação e, consequentemente, desta disciplina no 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral, na Área de Ciências Económico-Jurídicas. O programa que se apresenta obedece à reformulação curricular realizada aos pré-universitários, com novas abordagens à luz das transformações sociais e económicas que se operam no mundo, em geral, e em Angola em particular. É pretensão da disciplina, contribuir para a formação de indivíduos sensibilizados para o entendimento do mundo, reflectindo criticamente sobre as diversas situações em que participa. Optou-se por incluir a disciplina de Introdução à Economia nas três classes que compreendem o 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral, particularmente na área de Ciências Económico-Jurídicas, possibilitando o ingresso no Ensino Superior, no curso de Economia, dos alunos que pretendam essa formação. 5

6 10ª CLASSE OBJECTIVOS GERAIS DA DISCIPLINA NO 2 CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Geral Perspectivar a Economia no conjunto das Ciências Sociais para um mais completo conhecimento da realidade social. Contribuir: para a compreensão dos acontecimentos de natureza económica; para a formação integral do aluno ; para o desenvolvimento do raciocínio, do rigor científico, do espírito crítico e da capacidade de resolução de problemas. Favorecer: a interiorização dos valores de justiça; a tolerância; a solidariedade e cooperação; a capacidade de intervenção como cidadão consciente; a integração do aluno no País e no Mundo. Incutir no aluno a vontade de participar de forma esclarecida e consciente na actividade social e cívica. Desenvolver no aluno: capacidades de compreensão e expressão oral e escrita; capacidade de observação dos fenómenos ; capacidade de análise e de síntese; espírito crítico; o sentido de inovação; hábitos de estudo e métodos de trabalho fundados na análise das problemáticas; o gosto pela pesquisa; 6

7 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA o espírito de tolerância e cooperação e respeito pela diferença; capacidades de avaliação e de decisão perante opções diferenciadas ; discutir ideias e fundamentá-las logicamente. 7

8 10ª CLASSE OBJECTIVOS GERAIS DA DISCIPLINA NA 10ª CLASSE Compreender a importância da dimensão económica na realidade social. Compreender a Economia enquanto ciência social. Compreender o funcionamento da actividade económica. Compreender o processo de produção e o papel desempenhado pelo Trabalho e pelo Capital. Compreender o papel da empresa no processo produtivo. Compreender as relações que se estabelecem entre os agentes económicos. 8

9 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA DISTRIBUIÇÃO DOS TEMAS POR TRIMESTRES E HORAS 1º TRIMESTRE Tema 1 - Porquê estudar Economia... 4 aulas Tema 2 - Actividade Económica e Agentes Económicos aulas (até ao subtema 2.2.) Reserva... 6 aulas Subtotal aulas 2º TRIMESTRE Tema 2 - Actividade Económica e Agentes Económicos aulas 2.3. (Produção) aulas 2.4. (Empresa) aulas Reserva... 6 aulas Subtotal aulas 3º TRIMESTRE Tema 2 - Actividade Económica e Agentes Económicos aulas 2.5. (Mercado)... 8 aulas 2.6. (A Moeda e Crédito)... 8 aulas 2.7. (A Inflação)... 4 aulas 2.8. (Repartição dos resultados da produção)... 8 aulas Reserva... 2 aulas Subtotal aulas Total Anual aulas 9

10 10ª CLASSE TEMAS/CONTEÚDOS Tema 1 - Porquê estudar Economia... 4 aulas 1.1. A importância da dimensão económica no social A mundialização da Economia e o mundo contemporâneo Os fenómenos económicos A Economia no contexto das Ciências Sociais A Ciência Económica: objecto, método e natureza das suas leis A interligação com outras ciências A observação e registo da realidade económica. Objectivos específicos: No domínio cognitivo, o aluno deve: Entender a importância da dimensão económica na realidade social: Identificando os aspectos económicos da vida quotidiana; Compreendendo como a realidade social é global e que, para ser estudada, precisa dos contributos das diversas ciências; Explicando as relações que se estabelecem entre a Economia e as outras ciências; Justificando a interligação da Economia com as outras ciências sociais; Dando exemplos das interdependências existentes na realidade social; Identificando o objecto do estudo da Economia; Reagrupando as actividades económicas nos grandes fenómenos económicos: produção, distribuição, consumo e repartição; Compreendendo a importância da observação e o seu registo no estudo da realidade económica; Distinguindo as leis das ciências sociais das leis das ciências naturais; Explicando o carácter das leis económicas. 10

11 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA No domínio das atitudes e valores, é desejável que o aluno: Seja sensibilizado para os problemas económicos; Atente no fenómeno da interdependência no domínio das ciências sociais; Seja alertado para a indispensável objectividade na pesquisa científica; Reconheça que o estudo da economia tem um destinatário o ser humano para o qual toda a pesquisa deve ser orientada, no sentido de se conseguir assegurar o seu bem-estar; Esteja atento à complexidade do mundo que o rodeia; Desenvolva hábitos de estudo e métodos de trabalho. Sugestões metodológicas: Neste tema, pretende-se consciencializar os alunos da importância do estudo da disciplina de Economia para a sua formação e melhor compreensão da realidade que os cerca. O objectivo da Economia é a realidade encarada sob determinado aspecto o económico, com o recurso a técnicas e instrumentos de análise científica. Esta mesma realidade pode ser encarada por outras ciências sociais, como a História, a Geografia, a Sociologia, a Filosofia, etc., que nos darão sempre uma visão parcelar da realidade que é só uma. Pretende-se ainda que os alunos fiquem com a noção de que a complexidade da realidade que se manifesta na vida económica, implica que se tomem em consideração os diversos contextos em que a actividade económica ocorre: Contexto da Mundialidade (relação entre estados); Contexto da cidadania (Relação Estados/Indivíduos); Contexto da Produção (Empresa); Contexto Doméstico (Famílias). Partindo de casos específicos, problemas actuais veiculados pelos meios de comunicação, o aluno será sensibilizado para diferentes formas de problemas económicos conforme a evolução histórica, os diferentes sistemas económicos, o nível de desenvolvimento tecnológico, etc. Pretende-se que os alunos tenham a noção da mundialização da Economia, da interpenetração dos processos económicos à escala mundial e das responsabilidades colectivas na resolução de alguns grandes problemas económicos internacionais. 11

12 10ª CLASSE 12 Poderão os alunos começar a elaborar um dossier com recortes da imprensa, que poderão utilizar à medida que os assuntos forem sendo estudados. Com base nessas noticias veiculadas na imprensa sugere-se que: Seleccionem, a partir de situações que assumam particular importância em termos económicos (desemprego, criação de novas empresas, utilização de novas tecnologias, etc.), analisar as consequências em termos sociais; A partir da selecção de um problema social ou de um projecto que os alunos desejassem realizar, inventariar as contribuições que as diversas ciências sociais poderiam dar na sua resolução. Pretende-se, ainda, que o aluno tenha uma visão global do programa. Tema 2 - Actividade Económica e Agentes Económicos 2.1. Conceitos básicos... 6 aulas Necessidades e bens: sua classificação Relação bens/necessidades Evolução histórica da actividade económica Agentes económicos. Objectivos específicos: No domínio cognitivo, o aluno deve: Compreender os conceitos de necessidades e de bens: Explicitando o conceito de necessidade; Distinguindo necessidades primárias de necessidades secundárias; Dando exemplos de vários tipos de necessidades; Justificando a importância dos bens na satisfação das necessidades; Compreendendo o conceito de bem; Distinguindo os vários tipos de bens; Exemplificando os vários tipos de bens; Relacionando a actividade produtiva com a existência de necessidades; Confrontando necessidades com escassez de recursos;

13 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Vendo na evolução da actividade económica um elemento determinante da multiplicação das necessidades e dos bens; Integrando o conceito de necessidade num contexto cultural. Compreender os conceitos de custo, valor e utilidade: Compreendendo o conceito de custo de oportunidade; Dando exemplos de aplicação do conceito de custos de oportunidade; Distinguindo valor de uso de valor de troca; Compreendendo o conceito de utilidade; Dando uma noção de utilidade marginal; Enunciando a lei da utilidade marginal decrescente. Avaliar o papel dos agentes económicos: Explicitando o conceito de agente económico; Citando as principais funções dos agentes económicos; Referindo a importância actual dos agentes económicos; Distinguindo micro sujeitos de macros sujeitos. No domínio das atitudes e valores, é desejável que o aluno: Evidencie o conceito de necessidade; Conclua da natureza cultural desse conceito; Reconheça na satisfação das necessidades um acto de opção; Se sensibilize para o problema da escassez; Desperte para a intervenção e para a mudança de comportamentos; Se reconheça como interveniente na actividade económica. Sugestões metodológicas: Começar pela inventariação das necessidades dos alunos e famílias e ampliálas para as necessidades à escala do País e do Mundo. A observação do que se passa na generalidade das sociedades humanas mostranos que os recursos disponíveis não são suficientes, para assegurar a satisfação de 13

14 10ª CLASSE todas as necessidades até à saciedade das mesmas, o que equivale a dizer que os recursos são escassos e, além de escassos, susceptíveis de empregos alternativos, enquanto que as necessidades a satisfazer podem ser graduadas ou escalonadas por ordem de importância ou urgência. Daqui advém que a luta contra a escassez impõe a realização de escolhas. Através da análise de pequenos textos, os alunos poderão conhecer a evolução da actividade económica e explicar o aparecimento constante de novas necessidades: Começando pela inventariação das necessidades dos alunos e famílias e ampliando-as para as necessidades à escala do País e do Mundo; Relacionando-as com os recursos disponíveis e consequentes opções a tomar; Colocando várias questões: o quê, como, quanto e quando consumir Famílias e consumo... 8 aulas O consumidor: parte integrante do sistema económico O acto económico de escolher Opções e consequências Factores de que depende o consumo: económicos, sociais e culturais Noção de poupança A sociedade de consumo Direitos do consumidor Responsabilidade social do consumidor. Objectivos específicos: No domínio cognitivo, o aluno deve: Reconhecer o consumo como motor do sistema económico: Apresentando uma noção de consumo; Indicando factores que condicionem o consumo; Identificando os vários tipos de consumo; Distinguindo consumos essenciais de consumos supérfluos; 14

15 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Explicitando a lei de Engel; Explicitando aspectos negativos de algumas formas de consumo; Caracterizando a sociedade de consumo; Justificando a necessidade de informação sobre a natureza dos produtos disponíveis para a satisfação de necessidades; Justificando a importância actual dos organismos de defesa do consumidor; Distinguindo consumismo de consumerismo; Discutindo algumas das consequências que a selecção de consumos pode trazer para a actividade económica. No domínio das atitudes e valores, é desejável que o aluno: Face à diversidade de opções, se consciencialize de que a informação é de extrema importância para uma decisão racional do acto de consumo; Tome consciência da importância da informação para que o consumo, face à diversidade de opções, se traduza num acto de escolha racional; Se sensibilize para a necessidade de procurar informação relativa à natureza dos bens disponíveis; Assuma uma atitude crítica perante os abusos da sociedade de consumo; Reconheça a importância da Educação para o Consumo no desenvolvimento integral do cidadão. Sugestões metodológicas: Tomando como base a lista de necessidades levantadas, os alunos poderão registar os consumos que afectarão o seu rendimento (semanada, contrapartida de algum trabalho em part-time, etc.), que serão, em princípio, diferentes. Discutidas essas opções, alargando-as ao nível da sociedade, pode: Ser estabelecida a diferença entre a natureza dos consumos colectivos e dos consumos individuais; Ser evidenciado o papel do Estado na satisfação de consumos colectivos; Ser discutido os objectivos da actividade de produção de bens e serviços pelo Estado e se esses objectivos são ou não (sempre) atingidos; Ser discutido intervenções políticas que afectam os preços (ex. preços tabelados, preços mínimos e máximos, fixação de margens de lucro, etc.), 15

16 10ª CLASSE no sentido de corrigir desequilíbrios económicos e sociais resultantes da afectação dos recursos ao funcionamento do sistema de preços; Ser discutido o papel activo do consumidor no conjunto da Economia como propulsionador do desenvolvimento de actividades tradicionais/ou criação de novos sectores e, como consequência, estimulando o emprego. Ainda com base nas necessidades levantadas, os alunos poderão constatar que, para além das necessidades de evidentes efeitos benéficos, outras existem que importará pôr em causa. A partir de exemplos muito próximos do aluno, tais como refrigerantes, tabaco, droga, etc., será evidentemente o problema dos consumos nocivos, do consumismo, da falta de racionalidade de algumas opções, dos desperdícios, etc. Sugere-se que seja utilizada toda a documentação de protecção da Natureza e do consumidor. Discutidas essas opções (alargando-as a nível da sociedade), pode ser discutida a intervenção do consumidor no conjunto da Economia provocando, acelerando ou estimulando: a expansão, a recessão, a transformação de actividades, o emprego, etc. Finalmente, em discussão alargada, poderá reflectir-se sobre a influência no consumo: Do preço, Da escassez, Dos níveis de rendimento, Da moda, Da publicidade Do modo de vida, De factores de natureza sociocultural (ostentação, imitação, etc.). Realizando um inquérito junto de famílias, poderão saber como elas reagem a uma subida de preços de bens essenciais e de bens supérfluos, qual a estrutura dos consumos, de acordo com os níveis de rendimento, do seu estatuto social (efeito, imitação, efeito ostentação), da composição do agregado familiar, do seu género de vida, da publicidade. Procedendo ao estudo de dois ou três anúncios de televisão, poderão inventariar os aspectos a que esses anúncios recorrem para apelar ao consumo. 16

17 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Os valores que a sociedade de consumo defende, e que a suportam, levam a algumas confusões: Entre o SER e o TER; Em vez de a produção ser orientada para a satisfação das necessidades, isto é, a produção estar ao serviço do consumo, é o consumo que passa a estar ao serviço da produção, há que consumir cada vez mais para que se continue a vender e a lucrar; Entre o CRECISMENTO e DESENVOLVIMENTO, uma vez que áreas como a educação e a investigação científica, o equilíbrio sócio urbanístico, a defesa do património, a saúde, o ambiente, o combate à pobreza, a criação de equipamentos e de espaços colectivos, etc., são aspectos que assumem importância crescente nas sociedades contemporâneas, muito embora nem sempre sejam devidamente atendidos; entre o consumismo e consumerismo Assim, propõe-se que a temática Sociedade de Consumo, Direitos do Consumidor e Responsabilidade Social do Consumidor seja abordada segundo a metodologia de trabalho de projecto ou em trabalho de grupo. De acordo os seus interesses, e em estreita ligação com a realidade, deve procurar obter-se o máximo de informação possível. A troca de informações entre os grupos e a posterior apresentação à turma do trabalho de cada grupo, levarão a um enriquecimento comum. O resultado final poderá ser apresentado à Escola, através de diversos métodos: exposição de cartazes, organização de debate ou mesa redonda, passagem de um vídeo, eventualmente realizado por um grupo de alunos, etc., o que contribuirá necessariamente para a educação dos consumidores. A informação poderá ser recolhida através de estatísticas, recortes de imprensa, realização de inquéritos e entrevistas, contactos com empresas, instituições especializadas, etc. Como tema de trabalho poderemos sugerir: A Sociedade de Consumo: O que é? A quem serve? 17

18 10ª CLASSE Liberdade de escolher? Igualdade de oportunidades? Publicidade. Luxos e o Lixo: Como estamos na nossa comunidade? Focos de poluição e contaminação. Espaços verdes. Reciclagem de desperdícios. Que legislação de protecção do ambiente? O acto de comprar: Comprar é escolher. As motivações do comprador. Evolução dos locais de venda. O papel desempenhado pela embalagem. Relações personalizadas / despersonalizadas. A defesa do consumidor: Que protecção? Que formas de luta? 2.3. Produção aulas Noção de produção Elementos necessários à produção: os factores produtivos: Capital: noção; capital financeiro e capital técnico; formação de capital Trabalho: formas de trabalho; divisão do trabalho; racionalização do trabalho Produtividade Produção e diferentes combinações de factores produtivos: Noção de função de produção. 18

19 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Lei dos rendimentos decrescentes Custos de produção Racionalização da produção Economias de escala Lucro: lucro bruto; lucro líquido Acumulação Distribuição. Objectivos específicos: No domínio cognitivo, o aluno deve: Compreender o processo de produção e o papel desempenhado pelo Trabalho e pelo Capital: Identificando os factores de produção; Justificando a importância dos vários factores de produção; Admitindo a existência de diferentes combinações dos factores produtivos; Distinguindo as várias acepções de capital; Explicando a importância do investimento na actividade produtiva; Justificando a importância da acumulação; Relacionando acumulação com poupança; Ponderando a importância da distribuição; Identificando as diferentes formas de trabalho; Reconhecendo a importância da divisão e da racionalização do trabalho; Evidenciando vantagens e perigos decorrentes da divisão técnica do trabalho; Seleccionando os grupos sociais que constituem a população activa/ inactiva; Interpretando taxas de actividade e de desemprego; Conhecendo o conceito de produtividade do trabalho; Estabelecendo a relação entre divisão do trabalho e produtividade; 19

20 10ª CLASSE Justificando a lei dos rendimentos decrescentes; Distinguindo custos fixos, de custos proporcionais e de custos variáveis; Distinguindo custo global, custo médio e custo marginal; Relacionando a diminuição dos custos de produção com as economias de escala. No domínio das atitudes e valores, é desejável que o aluno: Valorize a educação, a formação e a promoção social do Homem, ao longo da vida; Desenvolva a capacidade de observação e o espírito crítico; Seja capaz de abordar criticamente os problemas. Sugestões metodológicas: Sugere-se a visita a uma unidade produtiva e, com base nos elementos recolhidos (deverá ser feito um guião), os alunos poderão elaborar trabalhos ou fichas sobre os elementos necessários à produção - matérias-primas, máquinas, edifícios, electricidade, operários, pessoal de escritório, pessoal de administração, etc. Sugere-se ainda a elaboração de um guião de observação para recolha de dados: número de acidentes no último ano, existências de acções de prevenção, manuseio ou contacto com matérias / máquinas perigosas, condições de trabalho (uso de máscaras, óculos, auriculares, luvas, etc.)... Deverá ser feita a sistematização das várias formas de capital e de trabalho identificadas. Com base nos elementos sobre a organização do trabalho na fábrica e análise de textos sobre Taylorismo e Fordismo, os alunos podem estabelecer diferenças entre a simples divisão e a racionalização do trabalho. Com base nos trabalhos efectuados, pode chegar-se facilmente a uma noção simples de produtividade. A partir da análise de diferentes combinações de factores de produção, os alunos podem verificar diferentes resultados. Não se pretende o estudo da função de produção, mas apenas uma noção simples. 20

21 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA O professor pode apresentar casos em que o aluno possa comprovar a lei dos rendimentos decrescentes e as economias de escala. Os alunos poderão discutir as implicações destes fenómenos no volume e nos custos de produção. No comércio Iocal, os alunos podem obter dados que lhes permitam inferir da importância do sector comercial, na colocação dos produtos ao alcance do consumidor; poderão, com base nos dados obtidos (e em recortes da imprensa, textos, etc.), discutir a tendência moderna das grandes áreas comerciais (supermercados, centros comerciais) versus pequena loja (small is beautiful) em aspectos como qualidade, atendimento, etc. A partir do exemplo local, será evidenciado o papel que uma rede de transportes pode desempenhar no desenvolvimento de uma região. Uma vez mais, os alunos deverão ser sensibilizados para a questão do ambiente, questionando a acção poluidora de muitas empresas, nomeadamente as de transporte Empresa aulas Noção de evolução da empresa Classificação das empresas: quanto à titularidade ou forma de propriedade; quanto à dimensão; quanto à forma jurídica Organização da Empresa: tradicional; moderna Enquadramento da empresa no meio envolvente Os desafios da empresa: Concorrência; análise da produtividade e da competitividade; economias abertas Informação; Investigação e desenvolvimento; Evolução tecnológica; Formação profissional; Respeito pelo ambiente. 21

22 10ª CLASSE Objectivos específicos: No domínio cognitivo, o aluno deve: Compreender a papel da empresa no processo produtivo: Apresentando uma noção de empresa; Distinguindo empresa privada de empresa pública; Conhecendo a classificação jurídica da empresa. No domínio das atitudes e valores, é desejável que o aluno: Compreenda e pondere o factor risco da actividade empresarial; Reconheça a acção do empresário na actividade económica; Seja sensibilizado para a mudança e a inovação. Sugestões metodológicas: A partir de conhecimentos dos alunos, pode chegar-se a uma noção simples de empresa, que será completada mais tarde. Sugere-se, com base num guião previamente elaborado, visitas a empresas (comerciais ou industriais, tradicionais ou modernas) do meio envolvente. Os elementos recolhidos serão comparados e sistematizados; poderão ser ponto de partida para classificar as empresas quanto à titularidade, quanto à dimensão e quanto à forma jurídica. Os alunos poderão discutir perspectivas divergentes que relacionam eficácia com dimensão da empresa. Sugere-se a análise da legislação sobre as Sociedades, de artigos seleccionados para conhecimento de aspectos como firma, responsabilidade dos sócios, capital, etc. Com base nos elementos já recolhidos e também em textos e noutra informação obtida, poderão os alunos fazer sínteses sobre a evolução da empresa, sua história e outros aspectos relevantes, nomeadamente aqueles que se relacionam com o meio. Poderão ser caracterizadas brevemente as condições externas, tecnológicas, económicas e legislativas em que a empresa se movimenta, bem como a concorrência existente, fornecedores, clientes, relações com associações sindicais, patronais, etc. 22

23 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Com base em exemplos conhecidos no meio e na análise da legislação, os alunos podem caracterizar as sociedades cooperativas e outros tipos de empresa sem fins lucrativos e discutir a sua importância no campo económico e no campo social Mercado... 8 aulas Noção de mercado A Procura: factores determinantes da procura; elasticidade da procura A Oferta: factores determinantes da oferta; elasticidade da oferta O mercado e a formação dos preços: Classificação dos mercados Noção de Preço Formação de preços em concorrência: Condições de concorrência perfeita; Lei da Procura; Lei da Oferta; Lei da Oferta e da Procura; Ponto de equilíbrio Formação de preços em monopólio Da concorrência ao monopólio - A concentração das empresas Outros factores que influenciam os preços. Objectivos específicos: No domínio cognitivo, o aluno deve: Compreender o mecanismo e funcionamento das várias formas de mercado: Conhecendo o conceito de mercado; Identificando os factores que influenciam o comportamento dos compradores e vendedores; Descrevendo o funcionamento do mecanismo de mercado; Representando graficamente o ponto de equilíbrio de mercado; Explicando o comportamento dos compradores e vendedores; Explicando a lei da oferta e da procura; 23

24 10ª CLASSE Distinguindo as várias formas de mercado (mercado de concorrência perfeita, oligopolista e monopolista) ; Apontando os factores que influenciam os preços; Conhecendo o processo de formação de preços em concorrência e em monopólio; Distinguindo procura elástica de procura rígida; Identificando os factores que tornam a procura e a oferta mais ou menos elásticas; Explicando as causas de concentração de empresas; Distinguindo as formas de concentração de empresas. No domínio das atitudes e valores, é desejável que o aluno: Tome consciência da dimensão social do mercado; Adopte uma posição crítica perante situações lesivas do interesse da colectividade; Seja capaz de escolher perante diferentes alternativas. Sugestões metodológicas A partir de exemplos como mercado do café ou mercado do petróleo, os alunos verificam que um lugar onde se adquirem bens pode não ter uma localização precisa (transacções efectuadas pelo telefone, telex, etc.). Com base nesta abordagem, poderá ser dada uma noção de mercado. Deverão ser discutidos factores que influenciam a Procura (moda, publicidade, bens complementares, sucedâneos, etc.). Igualmente, poderá discutir-se a influência, na Oferta, do número de empresas no mercado, condições de oferta dos factores produtivos, evolução tecnológica, alteração do preço dos factores, intervenção do Estado através da fiscalidade ou de subsídios, etc. Sugere-se que os alunos relacionem os diferentes níveis de preços no mercado com as variações da oferta e da procura, que representem graficamente a oferta e a procura e expliquem o significado do ponto de equilíbrio. 24

25 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Em grupo, poderão elaborar fichas de trabalho que coloquem hipóteses para analisar no sentido de verificar se na realidade as condições da concorrência perfeita se encontram ou não preenchidas - restrições à entrada no mercado, condicionamento do consumidor, intervenção do Estado no mercado (fixação de preços, dumping), pouca mobilidade dos factores produtivos, diferenciação de produtos, etc. Tendo em atenção as regras do funcionamento do mercado, os alunos poderão discutir as diferenças que a existência de monopólio impõe no funcionamento do mercado e no estabelecimento dos preços. Sugerem-se exemplos da intervenção do Estado - como legislação anti-trust, nos Estados Unidos da América, na defesa do funcionamento do mercado concorrencial. Poder-se-á discutir também, com base em exemplos (caso da OPEP), a influência dos cartéis sobre o mercado. Poderá ser analisado o funcionamento de um mercado do tipo monopolista, em que a oferta tem a possibilidade de maximizar o seu lucro. Sugere-se a análise das consequências que pode ter o funcionamento de um mercado deste tipo sobre os preços e as possíveis respostas do consumidor. Os alunos devem analisar outros factores que podem influenciar os preços (custos de produção, tipos de mercado, clima económico e social, imagem social de prestígio associada a determinado produto, etc.) A Moeda e Crédito aulas Noção de moeda Evolução da moeda Funções da moeda: instrumento geral; meio de pagamento; instrumento de reserva de valor O valor da moeda: poder de compra da moeda: inverso do nível geral de preços; equação geral das trocas Noção de crédito Classificação de crédito. 25

26 10ª CLASSE O preço do crédito: as taxas de juro Processo de criação da Moeda. O multiplicador de crédito. Objectivos específicos: No domínio cognitivo, o aluno deve: Compreender o importante papel da moeda numa economia: Dando uma noção de moeda; Explicando o aparecimento e evolução da moeda; Compreendendo as funções da moeda e identificando-as com exemplos apropriados; Reconhecendo a importância da moeda numa economia de troca; Indicando as principais formas de moeda; Identificando os instrumentos de movimentos da moeda escritural; Explicando o processo de desmaterialização da moeda; Distinguindo cunhagem de emissão de moeda; Relacionando a variação das taxas de juro com o recurso ao crédito; Compreendendo o conceito de preço; Relacionando a massa monetária de um país, com o nível de actividade económica e a inflação; Compreendendo o conceito de crédito; Distinguindo os vários tipos de crédito; Justificando a importância do crédito na actividade económica; Compreendendo o mecanismo de criação de moeda bancária através do multiplicador de crédito; Ponderando a importância do crédito no desenvolvimento da sociedade de consumo. No domínio das atitudes e valores, é desejável que o aluno: Tome consciência dos perigos do excessivo recurso ao crédito; Constate que o fácil acesso ao crédito é elemento perigosamente estimulante da sociedade de consumo; 26

27 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Relacione a sociedade de consumo com o fácil acesso ao crédito; Tome consciência da importância do valor da taxa de juro numa economia, assumindo a posição quer de credor, quer de devedor. Sugestões metodológicas: Com base em análise de textos sobre o assunto, os alunos poderão elaborar pequenos trabalhos sobre a evolução da moeda e as suas formas, apresentados na turma e sistematizados os aspectos essenciais. Sugere-se que o professor oriente a discussão de forma a serem debatidas questões como a importância da utilidade - valor de troca, utilização de metais, moeda representativa e fiduciária, o papel moeda e o curso forçado, a importância da moeda no sistema económico. Através de um exemplo esquemático - compra de um bem com pagamento por meio de cheque - os alunos poderão compreender o que é a moeda escritural. Através de exemplos de conhecimento do aluno, podem referir-se outras formas de moeda como a chamada moeda electrónica A Inflação... 4 aulas Noção de inflação Causas explicativas da inflação Consequências da inflação Medidas da inflação: índices de preços; taxa de inflação Combate à inflação Nível de vida. Objectivos específicos: No domínio cognitivo, o aluno deve: Interpretar o fenómeno inflacionista: Dando uma noção de preço de um bem; Relacionando a existência de preços com a utilidade dos bens; Caracterizando a inflação; Distinguindo inflação de subida sazonal dos preços; 27

28 10ª CLASSE Dando exemplos de situações que provocam a subida do nível geral dos preços; Expondo causas da inflação; Explicando o fenómeno inflacionista segundo as várias ópticas; Indicando as consequências da inflação; Conhecendo os conceitos de preços correntes e preços constantes; Interpretando o conceito de taxa de inflação; Compreendendo o conceito de índice de preços; Calculando índices de preços; Relacionando os valores da taxa de inflação com índices de preços no consumidor; Compreendendo a importância dos índices de preços na determinação da produção real; Relacionando a taxa de inflação com o nível de vida; Relacionando inflação, salários e custo de vida; Distinguindo taxa média de inflação de taxa de inflação homóloga; Conhecendo as principais medidas de combate à inflação; Ponderando algumas medidas de combate à inflação; Descrevendo os efeitos de inflação na actividade económica; Estabelecendo a comparação entre custo de vida e nível de vida. No domínio das atitudes e valores, é desejável que o aluno: Compreenda o papel dos agentes económicos no decurso de um processo inflacionista; Tome consciência da importância social do preço dos bens e serviços, assumindo a posição de produtor ou de consumidor; Tome uma posição criteriosa face a situações lesivas do interesse geral. Sugestões metodológicas: Sugere-se a utilização de estatísticas nacionais sobre a evolução dos salários e da inflação. 28

29 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA A explicação da inflação deverá considerar as diferentes causas e consequências; discutir com os alunos que o combate à inflação pode travar o crescimento, diminuir o poder de compra das famílias, etc. Podem ser utilizadas estatísticas, quadros, gráficos, estáticos e dinâmicos. Feita a sua análise, os alunos tirarão conclusões. Os alunos devem conhecer a forma (em termos gerais) de determinar o índice de preços no consumidor. Poderão discutir a relação entre inflação e nível de vida e conhecer alguns factores que o determinam (relacionar com custo de vida e qualidade de vida). Sugere-se que os alunos considerem uma das medidas de combate à inflação e que desenvolvam um raciocínio, tentando identificar as previsíveis implicações da mesma no conjunto da economia, bem como os respectivos custos sociais Repartição dos resultados da produção... 8 aulas Conceitos de rendimento e de riqueza: Como se formam os rendimentos A repartição funcional do rendimento: A remuneração do trabalho: salário real e salário nominal A remuneração do capital: renda, juro e lucro A repartição pessoal do rendimento: rendimento pessoal disponível; Curva de Lorenz Repartição e redistribuição: políticas sociais; políticas fiscais. Objectivos específicos: No domínio cognitivo, o aluno deve: Compreender os conceitos de repartição funcional e pessoal do rendimento: Distinguindo os conceitos de rendimento e de riqueza; Identificando os agentes económicos; Justificando a importância do valor acrescentado na criação de rendimentos; 29

30 10ª CLASSE Identificando a contribuição dos factores produtivos para a criação do valor acrescentado; Associando o salário à remuneração do factor trabalho; Justificando a remuneração do capital; Enunciando as diferentes formas de remunerar o factor capital; Distinguindo salário directo de salário indirecto; Distinguindo salário real de salário nominal; Relacionando salário real com salário nominal, índice de preços no consumidor e taxa de inflação; Distinguindo rendimento pessoal de rendimento disponível; Dando uma noção de rendimento per capita; Distinguindo repartição funcional de repartição pessoal dos rendimentos; Conhecendo os principais factores de desigualdade na repartição e interpretando o conceito de leque salarial; Tirando conclusões de carácter económico e social sobre a repartição do rendimento; Conhecendo o significado das curvas de Lorenz; Relacionando o processo de repartição do rendimento e a intervenção do Estado; Explicando as políticas de redistribuição do rendimento. No domínio das atitudes e valores, é desejável que o aluno: Pondere as desigualdades na repartição do rendimento; Reflicta sobra as dificuldade e os efeitos das opções económicas nas questões sociais; Justifique a necessidade das políticas de redistribuição numa perspectiva de solidariedade social; Reflicta, numa óptica social, acerca das questões que se levantam a propósito da repartição do rendimento; Reconheça a responsabilidade dos governantes na definição das políticas económicas, sociais e fiscais. 30

31 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Sugestões metodológicas: A partir de um circuito simplificado de famílias - empresas, poder-se-ão identificar os titulares dos rendimentos gerados pela produção e chegar à noção do rendimento disponível. Para o estudo das componentes do rendimento, podem ser utilizados dados estatísticos, grelhas de salários, etc. Poder-se-á recorrer à simulação de casos com rendimentos de origens diferentes. Interpretação de indicadores de rendimento pessoal e de curvas de Lorenz; fazer comparações internacionais e tirar conclusões quanto aos níveis de desigualdades existentes nesses países. (Alertar para as limitações deste tipo de indicadores). Os alunos deverão apenas estabelecer a diferença entre repartição e redistribuição e desenvolver este aspecto no ponto 5.6. Deverá ser chamada a atenção do aluno para a diferença entre repartição espontânea (primária) e uma repartição correctiva, através da intervenção do Estado. Com base em exemplos extraídos das próprias famílias e de documentação, debater a importância que os impostos e a segurança social podem ter na obtenção de uma mais justa distribuição dos rendimentos. 31

32 10ª CLASSE Avaliação As normas específicas para a avaliação das aprendizagens estão contidas no Sistema de Avaliação das Aprendizagens para o 2 Ciclo do Ensino Secundário. No entanto, são especificadas algumas técnicas específicas para a avaliação da disciplina Introdução à Economia. Técnicas de avaliação Observação: elaboração de fichas de observação que permitam o registo, em diferentes momentos e situações, das capacidades e atitudes evidenciadas pelos alunos. Participação / intervenção nas aulas. Elaboração de um levantamento (individualmente ou em grupo), junto das famílias, das necessidades sentidas, dos bens utilizados na sua satisfação, das opções tomadas quanto às necessidades a satisfazer, das limitações à satisfação dessas necessidades. Com base nesse levantamento, poderá fazerse a classificação das necessidades e dos bens e organizar-se um debate sobre as diferentes opções das famílias face à escassez dos recursos que possuem. Análise de textos que evidenciem a evolução histórica da actividade económica. A partir dessa análise, os alunos (individualmente ou em grupo) deverão identificar as etapas dessa evolução e caracterizar as principais inovações de cada uma dessas etapas. Teste de avaliação individual que inclua questões dirigidas à compreensão, questões que se prendam com a aplicação dos conhecimentos adquiridos e questões que possam revelar capacidades desenvolvidas. 32

33 PROGRAMA DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA BIBLIOGRAFIA Manuela Gois. M.ª João Pais. Belmiro Gil Cabrito. Introdução à Economia. Texto Editora. 3.ª edição. Lisboa, 2002 (Livro de referência) Análise Económica de Alfredo de Sousa - UNL Dicionário de Economia - Dom Quixote Dicionário de Economia - Verbo Dicionário Económico e Social - Horizonte Dicionário das Teorias e Mecanismos Económicos - Horizonte Economia de Samuelson - McGraw Hill Economia do Bem Público de J. Galbraith Economia - Teoria e Política de Mochón e outros - McGraw Hill Economia Política de Soares Martinez - Almedina, 1991 Elementos de Economia de Mochón e outros - McGraw Hill História do Pensamento Económico de Henri Denis Iniciação à Economia II Volume - Europa América Introdução à Economia de Eduardo Reizinho Introdução à Economia de Rossetti - Atlas Manual de Economia para o Ensino Secundário existente no mercado Para compreender a Economia de A. Dunnett - Gulbenkian Publicações, jornais, revistas Sistemas Económicos de Avelãs Nunes 33

Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015

Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO Grupo - ECONOMIA Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015 MÓDULO 1 A ECONOMIA NO CONTEXTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS Disciplina Economia

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

PROGRAMA DE ECONOMIA A

PROGRAMA DE ECONOMIA A MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO-GERAL DE INOVAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR ENSINO RECORRENTE DE NÍVEL SECUNDÁRIO PROGRAMA DE ECONOMIA A 10º e 11º ANOS CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS DE: CIÊNCIAS

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Profissional Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de Matemática

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS

PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS 11ª, 12ª e 13ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Português Ficha Técnica Título Programas de Metodologia de

Leia mais

PROGRAMA DE ECONOMIA B. 10º e 11º ANOS

PROGRAMA DE ECONOMIA B. 10º e 11º ANOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Departamento do Ensino Secundário PROGRAMA DE ECONOMIA B 10º e 11º ANOS CURSOS TECNOLÓGICOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE MARKETING AUTORES: Elsa Silva (Coordenadora) António Pastorinho

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral Ensino Técnico-Profissional FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe

PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Futebol - 10ª Classe Formação de Professores do 1º

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Metodologia do Ensino de Educação

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES 3D CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DA GEOGRAFIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DA GEOGRAFIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DA GEOGRAFIA 12ª Classe Formação de Professores para o Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino da Geografia - 12ª Classe Formação de Professores

Leia mais

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos.

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos. Capítulo I 19 20 21 1 Introdução 1.1. Motivos que conduziram ao estudo Ser um matemático já não se define como aquele que conhece um conjunto de factos matemáticos, da mesma forma que ser poeta não é definido

Leia mais

LÁ NOS CONFINS. No Terreno

LÁ NOS CONFINS. No Terreno 30 31 Dossier Fazer, gerir e poupar No Terreno LÁ NOS CONFINS A actual crise financeira demonstrou a importância da literacia financeira e de consumo e as intrincadas ligações entre os mercados e o comportamento

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Dossiê de Preços de Transferência

Dossiê de Preços de Transferência Dossiê de Preços de Transferência Fiscalidade 2011 3 Índice Pág. 1. Preços de Transferência 03 1.1 Conceito 03 1.2 O que são Preços de Transferência 03 1.3 Porquê os Preços de Transferência? 03 1.4 Entidades

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

PLANIFICAÇÕES ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS. Diálogo orientado;

PLANIFICAÇÕES ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS. Diálogo orientado; PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE ECONOMIA A 10º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS MATERIAIS CURRICULARES

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR Turma - 10º N Professora: Ana Cristina Viegas PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO 1 - Estrutura e Finalidades da Disciplina A disciplina de Economia

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A presente comunicação resulta de um trabalho desenvolvido pelo CEOS Investigações Sociológicas da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

DEPARTAMENTO DA IGUALDADE E COMBATE

DEPARTAMENTO DA IGUALDADE E COMBATE DEPARTAMENTO DA IGUALDADE E COMBATE ÀS DISCRIMINAÇÕES Plano de Trabalho 2006/2007 PELA DIVERSIDADE! CONTRA AS DISCRIMINAÇÕES NOS LOCAIS DE TRABALHO Fevereiro de 2006 2 ÍNDICE TEMA Nº. PÁG. Introdução 3

Leia mais

CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO. Introdução

CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO. Introdução CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO Introdução Em aulas anteriores discutimos três conceitos fundamentais na Ciência Económica: escassez, escolha e custo de oportunidade. O fenómeno da escassez

Leia mais

Educação para os Media e Cidadania

Educação para os Media e Cidadania Educação para os Media e Cidadania Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Com este artigo procura-se reflectir sobre a educação para os media como uma forma e uma via de educar

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Fundamentos Económicos da Inclusão Social Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Fundamentos Económicos da Inclusão Social Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular Fundamentos Económicos da Inclusão Social Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

PROGRAMA DE GINÁSTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE GINÁSTICA 11ª Classe PROGRAMA DE GINÁSTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Ginástica - 11ª Classe Formação de Professores do

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL 7ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Laboral - 7ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM: 2.000 exemplares

Leia mais

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões Introdução A apresentação das metas para as Expressões baseia-se nas Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar integrando, as Expressões Motora.

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC O Código Cooperativo Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Algumas notas sobre o Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Noção 1. As cooperativas são pessoas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Metodologias de intervenção:

Metodologias de intervenção: Metodologias de intervenção: Algumas estratégias de intervenção Na intervenção directa com as crianças tenta-se reflectir o clima institucional da Casa da Praia. A dinâmica do funcionamento em Equipa,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares OFERTA COMPLEMENTAR 1º e 2º anos de escolaridade Ano letivo 2015/2016 l -Introdução No presente ano letivo a Oferta Complementar

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO

PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO 12ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Área de Ciências Económico-Jurídicas Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Introdução ao Direito - 12ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO:

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 850. Protecção do Ambiente Itinerário de Formação 85001. Operação de Sistemas Ambientais Saída Profissional Designação:

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

2010 Gestão da Colecção - Critérios

2010 Gestão da Colecção - Critérios 2010 Gestão da Colecção - Critérios Este documento, articulado com o Manual de procedimentos da Rede de bibliotecas de Santa Comba Dão foi elaborado pelos elementos que constituem o Grupo de Trabalho,

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

Técnicas de recolha e análise de informação para caracterização e diagnóstico do contexto de intervenção

Técnicas de recolha e análise de informação para caracterização e diagnóstico do contexto de intervenção 6º CURSO DE MESTRADO EM REABILITAÇÃO DA ARQUITECTURA E DOS NÚCLEOS URBANOS 1º SEMESTRE Disciplina Economia, Sociedade e Território Aula de 12/1/2007 Manuela Mendes Técnicas de recolha e análise de informação

Leia mais

PROGRAMA DE HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª Classe

PROGRAMA DE HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª Classe PROGRAMA DE HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de História de Educação Física -

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1 PROJECTO DE VALÊNCIA DE CRECHE Ano lectivo de 2011/2012 1 Índice 1-INTRODUÇÃO... 1 2-PRINCÍPIOS GERAIS E OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS DA CRECHE... 2 3-ÁREAS DE CONTEÚDO... 4 3.1 - ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE COLABORADORES EM FUNÇÕES NÃO DOCENTES QUADRO DE REFERÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO DA UNIDADE ORGÂNICA O Instituto Superior Dom Afonso III, adiante designado por INUAF, é um estabelecimento

Leia mais

GESTÃO. 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado. 3. O ambiente económico.

GESTÃO. 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado. 3. O ambiente económico. GESTÃO 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado Mercados 1 Meio envolvente global: o ambiente económico A empresa insere-se num ambiente macroeconómico,

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO 48º Congresso UIA 1 / 5 Setembro 2004 COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS EM PORTUGAL 3 Setembro 2004 Pedro Botelho Gomes (JPAB - José Pedro Aguiar-Branco & Associados)

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 7ª Classe

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 7ª Classe república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 7ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de Empreendedorismo - 7ª Classe 1º Ciclo

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações In partnership: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Formação em Protecção Social

Formação em Protecção Social Formação em Protecção Social Sessão 3 A dimensão económica da PS e a relação com outras áreas da política Bilene, Moçambique, 5, 6 e 7 de Maio de 2010 A importância do investimento Ao nível da intervenção

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Economia A do Ensino Secundário ENSINO SECUNDÁRIO ECONOMIA A 10º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

Ministérios das Finanças e da Economia. Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro

Ministérios das Finanças e da Economia. Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro Ministérios das Finanças e da Economia Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro O Decreto-Lei n.º 70-B/2000, de 5 de Maio, aprovou o enquadramento das medidas de política económica para o desenvolvimento

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Regulamentos CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Secção Permanente do Senado de 16 de Novembro de 2005 Exposição de Motivos O desenvolvimento de um projecto de qualidade educativa

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Código de Ética. 1. Apresentação

Código de Ética. 1. Apresentação Código de Ética 1. Apresentação A Missão, a Visão, os Princípios Gerais, os Valores e as Normas de Conduta constantes do Código de Ética integram a Cultura da Lusa, a qual deve presidir à conduta profissional

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

PARECER N.º 1O/CITE/91. Assunto: Anúncios de Emprego e outras formas de publicidade - Discriminação em função do sexo

PARECER N.º 1O/CITE/91. Assunto: Anúncios de Emprego e outras formas de publicidade - Discriminação em função do sexo PARECER N.º 1O/CITE/91 Assunto: Anúncios de Emprego e outras formas de publicidade - Discriminação em função do sexo I - Justificação - A discriminação no acesso ao emprego está ainda patente nos anúncios

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA

PROGRAMA DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PSICOLOGIA 12ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Disciplina Opcional Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Introdução ao Psicologia - 12ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG)

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) 1. Plano Curricular do curso O curso de especialização tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão integra as componentes

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais