* Fundaç~o Universidade Federal de Rond6nia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "* Fundaç~o Universidade Federal de Rond6nia"

Transcrição

1 '" Sistema para Depuraçao de um Robô Móvel AutÔnomo Inteligente Alzira Le.i t.e, Msc. * Joao '" Bosco da Mot.a Alves, Dr. Marcos Ferreira Resende, Msc. RAIA Lab - Laboratório de Robótica, Automaç;o e Inteligência Artificial Universidade Federal de Uberlândia - UFU Depart.ament.o de Engenharia Elét.rica Campus Sant.a M6nica - Bloco E Uberlândia - MG Fone e Fax: (034) * Fundaç~o Universidade Federal de Rond6nia Depart.ament.o de Ciências Exat.as Port.o Velho - RO Fone: (069) Todo rob6 móvel aut.6nomo i nt.el i gent.e (que ut.i 1 i za o conceit.o de int.eligência increment.al) deve ser precedido de uma et.apa de depuraç~o complet.a das camadas produt.oras de atividades (exist.ent.es e ainda por implement.ar). Est.e t.rabalho t.em por objet.ivo descrever um simulador que inclui t.al depuraçao. Na implement.aç~o do depurador ut.il.izou-se um microcomput.ador IBM-AT 386 DX 33 MHz, sendo o mesmo codificado em Turbo C da Borland. O sist.ema foi empregado para depurar as camadas produt.oras de at.ivi dades já implement.adas num rob6 real MINEIRIN, onde foi comprovada a necessidade de t.al depuraç~o. MINEIRIN é um rob6 móvel aut.6nomo i nt.eligent.e desenvolvido no Laborat.ório de Robót.ica, Aut.omaç~o e Int.eligência Ar t.i f i ci ai - RAI A Lab do Depar t.ament.o de Engenhar i a EI ét.r i ca da Universidade Federal de Uberlândia. Est.e rob6 int.erage diret.ament.e com seu ambient.e de t.rabalho at.ravés de sensores e at.uadores usando o principio da percepç~o-aç~o. Da análise dos result.ados reais e simulados, '" verificou-s~ que a depuraçao é uma forma viável para facili t.ar a i mpl ement.açao de rob6s móveis aut.6nomos baseados em comport.ament.os

2 Introduçao Os robós móveis autónomos interagem com o meio ambiente no qual estão inseridos através de mecanismos sensoriais e são capazes de operar autonomamente num ambiente desconhecido e não necessariamente estruturado e adaptar-se às modificações do mesmo mediante sistemas de controle, percepção, comunicação e decisão [ 03, 05, 06]. Uti 1 i zando a técni ca Percept{on-Action, Brooks [01] do Laboratório de Inteligência Artificial do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MI T) desenvol veu uma sér i e de r obós móvei s autónomos inteligentes com indiscutível sucesso. Os vários sensores colocados em seus sistemas funcionais elementares são responsáveis por todos os reflexos do robó, sendo estes reflexos chamados "comportamentos" que, corretamente coordenados (através de camadas produtoras de atividades que atuam em paralelo), contribuem para um desempenho satisfatório na realização de de um conjunto de tarefas. Pelo f ato de cada camada ser compl eta, i sto é, não depender das demais para a produção de sua respectiva atividade, o comportamento do robó é o resultado de execução paralela de tais atividades, o que possibilita, por exemplo, dirigir-se ao seu objeti vo atual desviando-se de obstáculos. Uma das consequentes vantagens desta abordagem é o fato de que um defeito ocorrido em uma das camadas não implicar, necessariamente, no colapso total da robó ou criatura, o que, sob certo aspecto., é um sistema tolerante a f ai has [03, 05]. Guardadas as devidas proporções de recursos, esta concepção foi i mpl ementada também com sucesso no Labor a tór i o de Robótica, Automação e Inteligência Artificial RAIA Lab do Departamento de Engenharia Elétrica do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia da Universidade Federal de Uberlândia DEENE/CETEC/UFU. O MINEIRIN, robó móvel autónomo inteligente do RAIA Lab [03], utilizou um mecanismo sobre rodas com tração avante e a ré dotado de mudança de direção. Adquirido no mercado nacional, foi modificado para a absorção das camadas produtoras de ati vidades desenvol vidas no próprio RAIA Lab, as quais. provêem o robó de capacidade de exploração em solo plano horizontal, recarregando sua bateria quando necessário. Para tanto, ele procura o recarregador e dirige-se a este com os devidos desvios de obstáculos estáticos e dinâmicos que se lhe apresentarem pela frente. Um dos grandes problemas compreendidos durante o desenvolvimento do MINEIRIN no RAI A Lab [ 03] é a constatação do alerta emitido por Brooks [01] sobre a necessidade de uma depuração completa da camada produtora de atividade antes do proj eto e da adi ção da mesma ao sistema artificial inteligente [05]. Na implementaç~o do robó M1NEIRIN, um computador tipo PC foi usado para controlar suas açoes utilizando comunicaçao via rádio frequência com o me~mo, o que representa um "cordao umbilical". Esta especificaçao de projeto visava possibilitar o

3 uso de ou~ras ~écnicas Cp.e. Redes Neurais, Represen~ação do COl~heci men~o, Raci oci ni o Au~oma~i zado, Con~rol e Fuzzy, e~c) de con~role de robô móvel au~ônomo in~eligen~e. Com o desenvolvimen~o do sis~ema de depuração, verif'icou-se que es~e "cord~o umbilical" era desnecessário, pois é possivel incluir no sis~ema de depuraç~o o modelo dinâmico do robô necessário para a simulação do sis~ema global usando ~ais ~écnicas. Es~e ~rabal. ho descreve um simulador para robôs móveis au~ônomos in~eligen~es com arqui~e~uras de con~role baseadas em compor~amen~os. 2 - Descriç;o do Simulador A es~ru~ura do simulador visualizada de f'orma reduzida na figo na figo lb. acima mencionado pode ser la e um pouco mais de~alhada Inlerface com usuári.o ~ Cenlro de Si..mulaçtlo Ambi.enle I Robô Ca) Forma Reduzida -,--_... I _......_..."..... i A::7;n~:s B::~ô: :::;:~:~j Inlerface com usuári.. o Jmmnmmnm'J=.~::~,=~="lmn_nn! T~lmn;~~;-l--_nnmnn! I Cen~ro de Simulaçao 11 Robô Núc l eo de Téc ni..ca i:: si..mulaçtlo Alual Ambi.enle A l ual i... i Interf'ace com o Usuário Cb) Forma Expandida Fig. 1 - Es~ru~ura do Simulador recursos dinâmica o módulo i n~er r ace com de compu~açao gráfica do sis~ema robô/ambien~e. o e usuári0l... in~era~ivo, animaçao para descrever u~iliza a

4 '" Centro de Simulaçao o módulo centro de simulação [05] gerencia a simulação do ambiente como um todo de acordo com as necessidades e interesse do usuário, sendo capaz de recuperar registros nas bases C ambi entes, robôs e técnicas) bem como atualizá-los nessas mesmas bases Ambiente o módulo ambiente representa o ambiente escolhido para o estudo d~ caso atual. Este módulo é, primeiramente, abastecido com informaçoes do módulo centro de simulação e, sendo dinâmico, precisa informar ao módulo centro de simulação as mudanças nele ocorridas. Também fornece inf'ormações aos sensores externos do robô Cp. e. sinal de infravermelho [03, 05], pontos de interesse direto do robó: recarregador de baterias). Finalmente, o próprio robô pode provocar mudanças na estrutura do ambiente Cp.e. um robô que empurra caixas [02, 03, 05]. 2.4 Robô o módulo rob6 representa o robô escolhido para o estudo de caso atual. Este módulo é, inicialmente, abastecido com informações do módulo centro de simulação, o qual gerencia as inf'ormações dos sensores Cinternos e externos) do robô. Alguns sensores internos Cp.e. nível de carga da bateria) podem determinar a priorização de determinados comportamentos Cp.e. recarga da bateria, para evitar sua "morte"). Os sensores externos detectam mudanças ambientais que determinam os vários padrões de comportamento do robó. Na f'ig. lb, a separação do módulo robô em dois submódulos Crobô e técnicas atuais) permite a utilização das diversas técnicas Cp.e. Redes Neurais, Representação do Conhecimento, Raciocínio Automatizado, Controle Fuzzy, etc). 3 - MINEIRIN - um robô real MI NEI RI N, des en vol vi do no RAI A l..,ab da UFU, é um robô móvel autônomo inteligente em cuja implementação foi utilizada a arquitetura de assunção e o principio percepção-ação. Na implementação fisica foi utilizado um mecanismo sobre quatro rodas com tração para frente e para trás, dotado de mudança de direção, adquirido no mercado nacional de brinquedos, o qual sofreu algumas ai terações com o intui to de absorver as camadas produtoras de atividades. Tais camadas provêem o robô da capacidade de exploração em ambientes planos do mundo real, evitando obstáculos estáticos e dinâmicos que surgem à sua f'rente. Um comparador de tensão detecta a necessidade de o robô recarregar as baterias. Quando a tensão se torna menor que uma determinada tensão de referência, a saída é ativada e essa informação é transmitida ao algoritmo de controle via transmissor/ receptor através de um bit chamado FRACO, pois indica a condição de bateria f'raca. Um dos sensores utilizado pelo MINEIRIN é o de

5 ult,ra-som, cujo circuit,o se const,it,ui de um t,ransmissor e um recept,or de ondas sonoras. O t,empo decorrido den~re a ~ransmissão e a recepção det,ermina a dist,ância do obst,áculo à ~rent,e do robô. Para o caso do MINEIRIN, ~oi est,abelecido um limiar de recepção considerado obst,áculo signi~icat,ivo. Para evit,ar que pequenos obst,áculos ~ossem det,ect,ados. Também se est,abeleceu uma dist,ância máxima a part,ir da qual um obst,áculo não será det,ect,ado e o que se convenci onou chamar dlê! "mi opi a li O objet,i vo a ser alcançado pelo robô, o recarregador de bat,eria, deve emit,ir sinais const,an~es a~ravés de um t,ransmissor de in~ravermelho. Um ~ot,o-~ransmissor localizado na par~e ~ront,al do robô det,ect,a est,es sinais, o bit, OBJETIVO é at,ivado, in~ormando ao sist,ema de cont,role que o robô est,á na direção do objet,i vo. Esse sensor ainda est,á por implement,ar. Foram implement,adas t,rês camadas de cont,role no robô MINEIRIN, sendo ut,ilizada, para t,ant,o, a versão de Connell [02] para a arquit,et,ura de assunção. São elas, em ordem de prioridades: (1) EVITAR Obst,áculos. (2) VAGAR sem direção ~ixa. (3) ENCONTRAR objet,ivo para reenergização. 4 - Um Robô Simulado ) O robô simulado t,em caract,erist,icas, senao idênt,icas, mas próximas às do robô ~isico, no caso o robô MINEIRIN, e nele ~oram inseridas camadas produt,oras de at,ivi dades, sendo as mesmas depuradas. a cada inserção. Para t,ant,o, se ~ez necessário a obt,enção de um modelo para o robô ~isico. Esse modelament,o levou em consideração apenas a geomet,ria do mesmo e por est,e mot,ivo ~oi denominado modelo geomét,rico do robô. O robô ~i si co se const,i t,ui de um mecani smo de quat,ro rodas, capaz de se locomover por meios próprios, sem a int,ervenção de operadores humanos. A t,rajet,ória de pont,os P e Q, cent,ral ent,re as duas rodas post,erior e ant,erior, respect,ivament,e, é considerada a t,rajet,ória do robô. A ~ig. 2 most,ra as grandezas ut,ilizadas no modelo geomét,rico do robô, onde l é a dist,ância ent,re as rodas t,raseiras e di ant,ei ras, rp é o ângulo que as rodas di ant,ei ras, ao vi rarem, ~azem com o eixo longit,udinal do robô. Uma vez que as duas rodas - esquerda e direit,a - viram ao mesmo t,empo, nao havendo, assim, di~erença no ângulo de viragem, ~oi considerado apenas um ângulo rp cent,ral, t,ambém como ~orma de simpli~icar o modelament,o; r é o vet,or posição do carro com coordenadas (x, y) em relação a um sist,ema de re~erência inercial, o qual ~oi considerado o do ambient,e e s a dist,ância percorrida sobre a t,rajet,ória. O sist,ema re~erencial considerado para a localização do robô no ambient,e est,á na ~rent,e do mesmo (ver ~ig. 3 ), onde ~ é o ângulo ent,re o eixo longit,udinal do robô e o sist,ema de re~erência inercial, Xp e Xq são as projeções dos pont,os P e Q (de t,rás e da ~rent,e, respect,ivament,e) no eixo x e yp e yq as projeções no eixo y do re~erido sist,ema

6 ,..- Ip I! l a QJ -- lo 'rzr o x Fig. 2 - Modelo geomé~rico do robô. Quando!p é cons~an~e, o robô prescreve uma ~raje~ória circular de raio R e, como rorma de localizar essa ~raje~ória no ambien~e, roi considerado um ou~ro sis~ema rererencial si~uado no cen~ro do circulo prescri~o pelo robô. Para se chegar às relações ma~emá~icas do modelo, roram rei~as análises geomé~ricas da ligo 3.Da ~rigonome~ria se pode ob~er a relação en~re R, l e!p que é: R = sen!p Y' I. X'.". XP xc Fig. 3 - Sis~ema rererencial do robô. Para ~rabalhar com apenas um sis~ema de coordenadas, o sis~ema de rererência inercial, é rei~a a mudança dos eixos coordenados de acordo com a geome~ria anali~ica. As relações para se encon~rar x' e y' são: x' = x" l e y' = y" + Rp Rp = R * cos!p Como x' e y' dependem de x" e y" relação en~re esses úl~imos qual seja: x" = p * cos e y" = p * sen e convém encontrar uma onde e é a variação angular ao longo da ~raje~ória, cujo var i a de ei.ni.ci.al 2rr, com ei.ni.ci.al =!p 90; P é a en~re a origem do sis~ema de rererência da ~raje~ória, in~ervalo dis~ância no caso o

7 cen~ro da circunferência e o pon~o ~angencial. no caso o pon~o Q que é o pon~o da fren~e do robô. En~ão: p = R = sen rp A velocidade linear de deslocamen~o do robô Ccm/passo) aqui denominado de I:J.s é cons~an~e e foi fixado em 2 cm/passo. l:j.e é o valor de variação de e para que ele ~enha um deslocamen~o igual a I:J.s e é ob~ido a~ravés da relação: I:J.s R Nesse ~rabalho. são considerados doi.s ~ipos de ~raje~6ria: linhas re~as e arcos circulares. as quais são dependent.es do ângulo rp. As direções possi veis para o robô são: fren~e, t.rás. esquerda ou direit.a num ângulo de 30 graus com u.ma ~olerância de ± 01 graus. O robô simulado foi dimensionado de acordo com as dimensões do robô real sendo mant.idas. ~ant.o quan~o possivel, as suas carac~eris~icas originais., O simulador descreve um ambient.e de uma sala modelada a par~i r do ambi ent.e real no qual o robô MI NEI RI N foi ~es~ado na prá~ica. O dimensionamen~o é fei~o em cen~ime~ros e. para ~ant.o, é fei~a a ~rasformação da dimensão real para sua equivalent.e na ~ela. Assim, o ambien~e ~oma as formas reais bem como t.udo o que nele é inserido. A ligo 4 ilust.ra o ambien~e simulado. O robô é represen~ado pela figura re~angular ladeada por re~ângulos menores represen~ando as suas rodas e os ret.ângulos em seu int.erior, imi~ando os "olhos" figuram como sendo os sensores de ultra-som e servem ~ambém para indicar a orien~ação do robô. Ã fren~e do robô é represen~ada a área de a~uação dos sensores com a figura semelhan~e a um t.riângulo.o segment.o de ret.a represen~a o recarregador de bat.erias e os obst.áculos são os quadrilát.eros ao longo do ambien~e. Um dos sensores ut.ilizados é o de ul~ra-som que foi ajus~ado aos moldes dos sensores reais do MINEIRIN. Eles indicam a presença ou não de objet.os a uma cert.a dis~ância. de acordo com sua "miopia". Na definição da faixa de a~uação dos sensores de ul t.r a -som no r obô si mul ado u~i 1 i zou-se dos dados r eai s quai s sejam: dis~ância da frent.e do robô = 09 cm dist.ância en~re os dois sensores = 10 cm dis~ância de miopia = 52 cm ângulo da faixa de a~uação do sensor = 50 graus Sob cer~os aspect.os. o simulador é uma simplificação do mundo real. Por exemplo. os sensores no MINEIRIN es~ão propensos a ruidos e lei~uras incorre~as enquan~o no robô simulado eles es~ão isen~os de ~ais per~urbações

8 UFU RAIA LU o!ten9ores 0 ~ :0:;. _. AÇ1? DI WI ROa8 1I0VIL AUTOHOIIO INTn/8rN~;'A ~A_O : IIINI!IRIN ~mt.r CAAA~ ATNt,: ENCON'T'RAA Fig. 4 - Ambient.e simulado do robô VAOAR A det.ecção de obst.áculos é feit.a at.ravés do cálculo da int.erseção das ret.as que definem a área de at.uação dos sensores de ult.ra-som com as ret.as que definem cada obst.áculo, sendo que as paredes da sala simulada são t.idas como obst.áculos t.ambém. O objet.ivo a ser alcançado pelo robô, o recarregador de bat.erias, emit.e um sinal const.ant.e at.ravés de um t.ransmissor de infravermelho. O robô det.ect.a est.e sinal at.ravés do fot.o-t.ransmissor de infravermelho localizado na sua frent.e indicando ao sist.ema de cont.role que o mesmo est.á na direção do objet.i vo. O ângulo de abrangência dos raios de infravermelho t.ransmit.idos pelo recarregador de bat.erias foi est.abelecido em 16 graus. No robô, o fot.o-t.ransmissor de infravermel"ho est.á localizado no eixo longit.udinal à frent.e, ou seja, no pont.o Q significando que a direção dos raios de infravermelho t.ransmit.idos est.á no sent.ido P-Q. O comput.ador ut.ilizado foi um IBM-PC 386DX com clock de 33 MHz, monit.or EGA colorido e disco rigido de 30 Mbyt.es. Adot.ou-se o Turbo C da Borland para a programação valendo-se de sua port.abilidade e das facilidades e recursos por ele oferecidos dent.re os quais sua f'uncionalidade e recursos para manipulação gráf' i ca. Mesmo sendo um modelo consideravelment.e impreciso da realidade, o simulador se most.rou razoável na realização das t.arefas a ele submet.idas. Os result.ados se apresent.aram bast.ant.e próximos aos exibidos pelo MINEIRIN uma vez que os t.est.es realizados com o robô simulado f'oram os mesmos do robô real para efeit.o de comparação de result.ados. Foram adot.adas algumas simplificações par.a a execução dos t.est.es. O número máximo de passos em cada experiment.o f'oi limit.ado em O robô inicia cada experiment.o, sempre na mesma posição. A variação de descarga da bat.eria f'oi est,abelecida em 1.06 por passo o que é uma t.axa relat.ivament.e alt.a comparada à da realidade. Essas simplif'icações f'oram feit.as por várias razões. Queria-se obt.er resul t.ados significant.es num perio~~-- t.empo relat.ivament.e curt.o em vez de longos periodos de t.empo. Também, encont.rou-se que, em média, o objet.ivo era at.ingido em número menor de passos que o limit.e; sendo observado t.ambém qúe o número máxi mo de passos er a usado apenas quando o r obô não consegui a

9 a~ingir o obje~ivo. Foi observado, duran~e os ~es~es que com a dis~ãncia de "miopia" empregada 52 cm quando os obs~áculoses~avam próximos, o robô ~icava em si~uaç~es complicadas, ou seja, ele não conseguia se deslocar, pois em ~odas as direções um obs~áculo era de~ec~ado. A essa si~uação convencionou-se chamar de situaç~o de singulariadade, ~ambém observada quando o robô se encon~ra num can~o do ambien~e com obs~áculo por per~o. Uma soluça0 encon~rada para ~al si~uaç~o ~oi a diminuiç~o da dis~ãncia de miopia para 22 cm. Essa si~uaç~o n~o ~oi veri~icada nos ~es~es com o robô real, o que leva mais uma vez à comprovaçao da necessidade da depuraç~ó. A seguir é apresen~ado um dos ~es~es realizados o qual ~oi uma ~en~a~iva de reproduzir o ~es~e realizado com o robô real. A si~uação considerada para o experimen~o é idên~ica à que ~oi considerada para o robô MINEIRIN e a conclusão a que se chega é que, ~al qual o robô real, o robô simulado sempre se a~as~a de obs~áculos que represen~am perigo iminen~e de colisão como prioridade de compor~amen~o, permanecendo a uma dis~ãncia segura do perigo. Como em ~odos os experimen~os realizados, o robô inicia na pos~ção SL sob o comando da camada VAGAR. Quando o bi~ FRACO é a~ivado, indicando que as ba~erias do robô es~ão descarregadas, a camada ENCONTRAR ~oma o con~role, sendo apenas subs~i~uida pela camada de ni vel mai s el evado, a camada EVI T AR, quando houver obs~áculos a serem evi~ados. O compor~amen~o ENCONTRAR leva o robô a procurar uma direção que a~ive o bi~ OBJETIVO. Na ~ig. 5 o bi~ OBJETIVO é a~ivado na posição Si. Nessa si~uação, a çamada ENCONTRAR diz ao robô que ele es~á na direção do recarregador de ba~erias que, no caso, é o obje~ivo e que ele deve seguir em linha re~a. Na posição Sz, os sensores de ul~ra-som de~ec~am a presença de um obs~ácul o, mas como o bi ~ FRACO e o bi ~ OBJETI VO es~ão a~ivos, a condição de aplicabilidade da camada EVITAR não se ~orna verdadeira e o obs~áculo não é evi~ado. En~ão o robô segue em linha re~a a~é a~ingir o obje~ivo, posição Sr, ~ qual ~oi alcançado em 275 passos. A ~ig. 6 mos~ra a a~uaçao das ~rês camadas de con~role u~ilizando a dis~ãncia de miopia menor. D D..\... '. '5,,' L,,"". \.,~::.....::..., Fig. 5 - Exemplo de execução de um experimen~o

10 D.: Fig. 6 - Atuaçao '" das três camadas de controle usando a distância de miopia menor. Foram realizados um conjunto de 20 testes em cada experimento e observou-se que o rob6 atingiu o objetivo em 95% dos casos com uma média de 291 passos. Destes, em apenas 5% dos casos o rob6 atingiu o número máximo de passos do experimento e não conseguiu atingir o objetivo. 5 - Conclus~es Neste trabalho descreveu-se o desenvovimento de um simulador que inclui a depuração completa das camadas produtoras de atividades em um rob6 móvel aut6nomo inteligente. Fundamentou-se na necessidade sentida durante a implementação de um rob6 fisico e comprovou-se tal necessidade na implementação do mesmo, bem com durante a execução dos testes, onde ficou comprovada a eficácia do mesmo ao detectar falhas que no projeto r eal não apar ecem cl ar amente (p. e. si t uação de si ngul ar i dade e necessidade de diminuir a distância de miopia). ~ / REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS 01 BROOKS, Rodney A. Intelligence without representation. Artificial intelligence, Amsterdam, v.47, n. 1-3, Jan MAHADEVAN, S., CONNELL, J. Automatic programming of behaviorbased robots using reinforcement learning. Artificial Intelligence, Amsterdam, v. 55, REZENDE, M. F. Desenvol vi mento de um rob6 móvel aut6nomo.'0 inteligente utilizando ~ arquitetura de assunçao. Uberlândia: UFU, Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica) - CETEC, Universidade Federal de Uberlândia, LEITE, A. Depuraç~o Qara Qrojeto ~ adiç~o de novas camadas Qrodutoras de ati vidades em rob6s móveis aut6nomos inteligentes. Uberlândia: UFU, Dissertação (Mestrado em Engenhar i a El étr i ca) CETEC, Uni ver si dade Feder ai de Uberlândia, ALVES, J. B. M. Controle de rob6. Campinas: Cartgraf,

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Sensoriamento 55. Este capítulo apresenta a parte de sensores utilizados nas simulações e nos

Sensoriamento 55. Este capítulo apresenta a parte de sensores utilizados nas simulações e nos Sensoriamento 55 3 Sensoriamento experimentos. Este capítulo apresenta a parte de sensores utilizados nas simulações e nos 3.1. Sensoriamento da Simulação O modelo de robô utilizado neste trabalho é o

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Física B Extensivo V. 5

Física B Extensivo V. 5 Gabario Eensivo V 5 Resolva Aula 8 Aula 9 80) E 80) A 90) f = 50 MHz = 50 0 6 Hz v = 3 0 8 m/s v = f = v f = 3 0 8 50 0 = 6 m 90) B y = 0,5 cos [ (4 0)] y = 0,5 cos y = A cos A = 0,5 m 6 = 4 s = 0,5 s

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza raga Índice Cinemáica...1 Exercícios... Gabario...6 Cinemáica (Não se esqueça de adoar uma origem dos espaços, uma origem dos empos e orienar a rajeória) M.R.U. =

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

Controle Inteligente de Robos Móveis: Aplicações da Inteligência Artificial nas Pesquisas em Robótica

Controle Inteligente de Robos Móveis: Aplicações da Inteligência Artificial nas Pesquisas em Robótica ! #" $ %'&(#(& Controle Inteligente de Robos Móveis: Aplicações da Inteligência Artificial nas Pesquisas em Robótica ) * +, -,. /01 2 + 3 /4 5 6 5 7 8 5 9: ; < = < 6 >? @ 8 6 8 @ 5 6 > A 7 ) - + B * 3

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a:

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a: PROVA DE MATEMÁTICA - TURMA DO o ANO DO ENINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-A - JUlHO DE. ELAORAÇÃO: PROFEORE ADRIANO CARIÉ E WALTER PORTO. PROFEORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUETÃO Considere os conjunos A { R

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade.

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade. Apostila de Vetores 1 INTRODUÇÃO Fala, galera! Essa é a primeira apostila do conteúdo de Física I. Os assuntos cobrados nas P1s são: Vetores, Cinemática Uni e Bidimensional, Leis de Newton, Conservação

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Arquitecturas de Controlo. Carlos Carreto

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Arquitecturas de Controlo. Carlos Carreto umário istemas Robóticos de Controlo Introdução deliberativas reactivas híbridas baseadas em comportamentos Carlos Carreto Curso de Engenharia Informática Ano lectivo 2003/2004 Escola uperior de Tecnologia

Leia mais

Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1

Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1 Física aula CIEMÁTICA IV 4. (,s) movimeno progressivo: COMETÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Como x x é a diferença enre as posições dos auomóveis A e A em-se: o insane, os auomóveis A e A esão na mesma posição.

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

Capítulo 19. 4. (UTFPR) Na figura a seguir, temos r//s e t//u//v. Triângulos. 1. Na figura, AB = AC ead = AE. A medida do ângulo oposto α é:

Capítulo 19. 4. (UTFPR) Na figura a seguir, temos r//s e t//u//v. Triângulos. 1. Na figura, AB = AC ead = AE. A medida do ângulo oposto α é: Maemáica II Ângulos apíulo 19 1. (UNIRI) s reas r 1 e r são paralelas. valor do ângulo, apresenado na figura a seguir, é: r 1 Suponha que um passageiro de nome arlos pegou um avião II, que seguiu a direção

Leia mais

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Paula Rayane Mota Costa Pereira*, Josemar Rodrigues de Souza**, Resumo * Bolsista de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC,

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

FORÇA MAGNÉTICA. Força magnética sobre cargas em um campo magnético uniforme

FORÇA MAGNÉTICA. Força magnética sobre cargas em um campo magnético uniforme FORÇA MAGNÉTICA Força magnética sobre cargas em um campo magnético uniforme Em eletrostática vimos que quando uma carga penetra em uma região onde existe um campo elétrico, fica sujeita a ação de uma força

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

Prof. Josemar dos Santos

Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG Sumário SISTEMAS DE CONTROLE Definições Básicas; Exemplos. Definição; ; Exemplo. Prof. Josemar dos Sanos Sisemas de Conrole Sisemas de Conrole Objeivo: Inroduzir ferramenal

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

Laboratório de Física Básica 2

Laboratório de Física Básica 2 Objetivo Geral: Determinar a aceleração da gravidade local a partir de medidas de periodo de oscilação de um pêndulo simples. Objetivos específicos: Teoria 1. Obter experimentalmente a equação geral para

Leia mais

Encoder de Quadratura

Encoder de Quadratura R O B Ó T I C A Sensor Smart de Quadratura Versão Hardware:. Versão Firmware: 2. REVISÃO 2.9 Sensor Smart de Quadratura. Introdução Os encoders são equipamentos utilizados para converter movimentos rotativos

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução:

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução: Queda Livre e Movimeno Uniformemene Acelerado Sergio Scarano Jr 1906/013 Exercícios Proposo Um navio equipado com um sonar preende medir a profundidade de um oceano. Para isso, o sonar emiiu um Ulra-Som

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE 170 APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

Robótica educacional como instrumento de apoio a aprendizagem da Lógica Matemática

Robótica educacional como instrumento de apoio a aprendizagem da Lógica Matemática Robótica educacional como instrumento de apoio a aprendizagem da Lógica Matemática Rafael Eduardo Costa (UNICEP) Antonio Valerio Netto (UNICEP) Resumo O objetivo desta pesquisa é auxiliar o aprendizado

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Engenharia da Computação Centro de Informática 2D Feature Distance Estimation for Indoor Environments using 2D laser range data Proposta de Trabalho de Graduação

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

SISTEMA DE DETECÇÃO DE RELÂMPAGOS. www.tracom.com.br (11) 5641-3631

SISTEMA DE DETECÇÃO DE RELÂMPAGOS. www.tracom.com.br (11) 5641-3631 SISTEMA DE DETECÇÃO DE RELÂMPAGOS www.tracom.com.br (11) 5641-3631 ÍNDICE 1. Conceito Relâmpagos; 2. Composição Strike Guard; 2.1. Básico; 2.1.1. Geral; 2.1.2. Sensor; 2.1.3. Receptor; 2.2. Opcionais;

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR TC 3 UECE - 03 FASE MEICINA e EGULA SEMANA 0 a 5 de dezembro POF.: Célio Normando. A figura a seguir mostra um escorregador na forma de um semicírculo de raio = 5,0 m. Um garoto escorrega do topo (ponto

Leia mais

Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424 AUTOMAÇÃO E COMANDO,12ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424 AUTOMAÇÃO E COMANDO,12ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL COMANDO AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELETRÓNICA AUTOMAÇÃO E Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424

Leia mais

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos PORTUGUÊS 78 ÍNDICE Página CORO TIPO BLOQUEIO ROSC... 80 CERTO D HOR... 81 CERTO DO DI DO MÊS... 82 CRONÓMETRO... 83 OPERÇÃO DO BOTÃO DE BLOQUEIO DE SEGURNÇ... 85 TQUÍMETRO... 86 TELÉMETRO... 88 SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks Sisemas de Energia Ininerrupa: No-Breaks Prof. Dr.. Pedro Francisco Donoso Garcia Prof. Dr. Porfírio Cabaleiro Corizo www.cpdee.ufmg.br/~el GEP-DELT-EEUFMG Porque a necessidade de equipamenos de energia

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO RAYNER DE MELO PIRES ANA PAULA SUZUKI ANDRÉ REIS DE GEUS GABRIELA QUIRINO PEREIRA SALVIANO LUDGÉRIO FELIPE GOMES INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM ROBÔS LEGO JULHO DE 2010 SUMÁRIO 1 O que é o NXT?...4 2 Explicando

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Aluno: Gabriel Lins Tenório Orientadoras: Roxana Jiménez e Marley Rebuzzi Vellasco Introdução A aplicação de robôs móveis

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO MARCOS FACULDADE DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE I MÓDULO 2 POTENCIÔMETRO PARTE TEÓRICA

UNIVERSIDADE SÃO MARCOS FACULDADE DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE I MÓDULO 2 POTENCIÔMETRO PARTE TEÓRICA 1. OBJETIVOS UNIVERSIDADE SÃO MARCOS FACULDADE DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE I MÓDULO 2 POTENCIÔMETRO PARTE TEÓRICA Uma vez completado este módulo, deveremos estar capacitados

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA.

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. André Gustavo S. Conceição 1, Luciano F. Chaves 2, Luís Fernando A. Pereira 3 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação do Momento Linear

Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação do Momento Linear Exemplos de aplicação das leis de Newton e Conservação do Momento Linear Cálculo de resultante I Considere um corpo sobre o qual atual três forças distintas. Calcule a força resultante. F 1 = 10 N 30 F

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 1998 Segunda Etapa

PROVA DE FÍSICA 1998 Segunda Etapa PROVA DE FÍSICA 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Um cano de irrigação, enterrado no solo, ejeta água a uma taxa de 15 litros por minuto com uma velocidade de 10 m/s. A saída do cano é apontada para cima fazendo

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa B

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa B Questão 46 Na figura, são dados os vetores a, bec. Sendo u a unidade de medida do módulo desses vetores, pode-se afirmar que o vetor d = = a b + c tem módulo a) 2u, e sua orientação é vertical, para cima.

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

MYOSYSTEMBR1 PXX MyosystemBr1_Pxx DataHominis Tecnologia Ltda

MYOSYSTEMBR1 PXX MyosystemBr1_Pxx DataHominis Tecnologia Ltda MYOSYSTEMBR1 PXX O MyosystemBr1_Pxx é um sistema completo para eletromiografia e foi projetado para suprir suas necessidades em uma grande variedade de trabalhos. Suas possibilidades de aplicação vão desde

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

MÓDULO 33 FÍSICA. Cinemática VII. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias

MÓDULO 33 FÍSICA. Cinemática VII. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias FÍSICA MÓDULO 33 Cinemática VII 1. Considere três forças, F 1, F e F 3, de intensidades constantes e iguais a 3,0N, 4,0N e 6,0N, respec ti vamente. Os

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DA UFPR (2015) FÍSICA A (PROF. HAUSER)

RESOLUÇÃO DA PROVA DA UFPR (2015) FÍSICA A (PROF. HAUSER) DA PROVA DA UFPR (2015) FÍSICA A (PROF. HAUSER) 01)Um veículo está se movendo ao longo de uma estrada plana e retilínea. Sua velocidade em função do tempo, para um trecho do percurso, foi registrada e

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB PRORROGAÇÃO DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB PRORROGAÇÃO DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB PRORROGAÇÃO DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTE A Pró-Reitora de Graduação do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos UniFEB

Leia mais