Modelo V e a Qualidade de Software Wall Street institute

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo V e a Qualidade de Software Wall Street institute"

Transcrição

1 :: Líder pela Qualidade Modelo V e a Qualidade de Software Wall Street institute Centro de Treinamento Oficial v

2 Centro de Treinamento Exclusivamente Dedicado a Teste de Software e Garantia da Qualidade no Brasil

3 Quem somos Iterasys ( iterasys.com.br ) Fundada em 2006 Missão Ser o centro de excelência na capacitação de empresas e profissionais em controle e garantia da qualidade Centro Oficial de Treinamento para a maioria dos estados

4 Serviços Consultoria Treinamento Outsourcing

5 Serviços Treinamentos Formação Arquitetura de Teste Garantia da Qualidade Teste de Software Preparatórios ALATS: CBTS EXIN: TMap Automação Microsoft Open Source Certificação Profissional ICC - Iterasys Competência Certificada TMap Consultoria Adoção de práticas e normas Estruturação de processos Mentoring / Coaching Adoção de ferramentas Planejamento e execução de testes especializados Outsourcing Testes Não Funcionais

6 José Correia Fundador, Consultor e Instrutor 16 anos de experiência em TI, sendo 9 em Testes e QA Graduado em Processamento de Dados pela FATEC Pós-graduado em Gestão Empresarial pela CEETEPS-IPEN/USP Certificado CBTS, CSTE, CSQA, CTFL, MCP, MCSA, MOS e Orange Belt em MS Project

7 Informações Gerais Horário: 19h10 ~ 20h30 Toaletes Café Celular Perguntas ao longo e ao final

8 Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

9

10 Processos Um conjunto de atividades interrelacionadas que transformam entradas em saídas. [ABNT, 1998]. Processo de software é um conjunto de atividades, métodos, práticas e tecnologias que as pessoas utilizam para desenvolver e manter software e seus produtos relacionados. [The Capability Maturity Model]. Atividades que podem ser identificadas como implementação de práticas em um modelo (CMMI) Uma seqüência de passos executados para um determinado propósito [IEEE] A B C

11 Requisitos Conjuntos de definições Explicam as funcionalidades dos sistemas Definem necessidades de caráter técnico Descrevem o negócio e a forma de trabalho de uma organização 15/09/

12 Clientes e Usuários Analistas Desenvolvedores Testadores Gerentes Pessoas Todos os envolvidos com o software 15/09/

13 Ferramentas Comunicação Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Projeto Desenvolvimento Teste Escritório Ambientes Outros Aplicativos 15/09/

14 Ambiente Hardware Software Telecom Configurações 15/09/

15 Software Seqüência de instruções executáveis por um processador Construído através de uma linguagem de programação Reflete a qualidade dos requisitos e das diversas competências das equipes envolvidas Possuí um ciclo de vida 15/09/

16 Processo de Desenvolvimento A qualidade do software é resultado da qualidade dos requisitos, do processo de produção, ambiente, ferramentas e pessoal envolvidos 15/09/

17 Nem Tudo é Perfeito 15/09/

18 Qualidade? ISO Características e 27 Sub-características da Qualidade de Software

19 Waterfall = Cascata 15/09/

20 Modelo V Requisitos Aceite Análise Sistema Arquitetura Integração Verificação Codificação Unitário Validação

21 Iterativo 15/09/

22 Rational Unified Process 15/09/

23 Scrum 15/09/

24 Um Sprint pode ser um V 15/09/

25 Custo Total do Software Fixos e Variáveis Construção Detecção de Defeitos Retrabalho Retrabalho Novas Funções Manutenção Disponibilidade Geral Finalização Custo Total do desenvolvimento e manutenção de software 15/09/

26 Custo Total do Software Fixos e Variáveis Construção Detecção de Defeitos Retrabalho Retrabalho Novas Funções Fixos e Variáveis Construção Detecção de Defeitos Novas Funções Menos Retrabalho Economia Total do Projeto Investimento em Teste 15/09/

27 Um pouco mais sobre o Modelo V

28 Modelo V Requisitos Aceite Análise Sistema Arquitetura Integração Verificação Codificação Unitário Validação

29 Modelo V Requisitos Aceite Verificação Análise Processos de Teste Sistema Estáticos Verificação Arquitetura Codificação Todos os artefatos são analisados Integração e comparados, inclusive o código-fonte, porém sem a execução do software Unitário Validação

30 Modelo V Requisitos Aceite Validação Processos de Teste Dinâmicos Análise Sistema Todos as produtos de software são analisados e comparados. Arquitetura O software é avaliado em execução Verificação Codificação Unitário Integração Validação

31 Requisitos Modelo V Verificação de Requisitos Objetivo: Verificar se os requisitos estão completos, precisos, claros, testáveis e coerentes entre si Análise Quem faz: Analista de Teste Sistema Aceite Verificação Entradas: Atas de Reunião Arquitetura Integração s Gravações Especificações Sistemas ou Codificação Sites Pré-existentes Unitário Saída: Especificação de Requisitos Verificada Validação

32 Requisitos Análise Modelo V Verificação da Análise Aceite Objetivo: Verificar se os diagramas e especificações detalhadas da análise do sistema mantém-se coerente entre si e com os requisitos Sistema Quem faz: Analista de Teste Verificação Entradas: Arquitetura Integração Especificação Verificada Especificação Detalhada Diagramas da UML Codificação s e Atas de Reunião Unitário Saída: Artefatos da Análise Verificados Validação

33 Requisitos Análise Modelo V Verificação da Arquitetura Aceite Objetivo: Verificar se os diagramas de arquitetura e o modelo de dados mantém coerência com os artefatos de análise verificados Sistema e entre si Quem faz: Analista de Teste Verificação Entradas: Arquitetura Integração Artefatos da Análise Verificados Artefatos da Arquitetura Modelo Entidade Relacionamento ou similar Codificação s e Atas Unitário de Reunião Saída: Artefatos da Arquitetura Verificados Validação

34 Modelo V Verificação da Codificação Requisitos Aceite Objetivo: Verificar se o código atende aos padrões, boas praticas da plataforma e qual a cobertura Análise atingida nos testes Sistema Quem faz: Desenvolvedor e/ou Analista de Testes Entradas: Artefatos da Arquitetura Verificados / Código-Fonte Arquitetura Integração Saída: Código-Fonte Verificado Verificação Codificação Unitário Validação

35 Modelo V Requisitos Aceite Análise Sistema Quando acaba a Verificação e começa a Validação? Arquitetura Integração Quando passamos a executar o software para realizar os testes Verificação Codificação Unitário Validação

36 Modelo V Teste Unitário Requisitos Aceite Objetivo: Validar se cada menor unidade do software executa corretamente o seu propósitoanálise Sistema Quem faz: Desenvolvedor Entradas: Código-Fonte Verificado Arquitetura Saída: Código-Fonte Validado Integração Verificação Codificação Unitário Validação

37 Modelo V Teste Requisitos de Integração Aceite Objetivo: Validar se conjuntos de duas ou mais unidades do Análise software funcionam corretamente Quem faz: Analista de Sistemas Arquitetura Entrada: Código-Fonte Validado Codificação Saída: Verificação Software (Pronto para o Teste de Sistema) Unitário Integração Sistema Validação

38 Modelo V Teste Requisitos de Sistema Aceite Objetivo: Validar se o software atende os requisitos técnicos e de Análise negócio Sistema Quem faz: Analista de Teste Arquitetura Entrada: Software pronto para o Teste de Sistema Saída: Codificação Software pronto para o Teste de Aceite Verificação Unitário Integração Validação

39 Modelo V Teste Requisitos de Aceite Aceite Objetivo: Validar se o software está apto para entrar em produção Análise Sistema Quem faz: Cliente e/ou Usuário Final Arquitetura Entrada: Software pronto para o Teste de Aceite Integração Saída: Software pronto para uso Verificação Codificação Unitário Validação

40 Modelo V Requisitos Aceite Análise Sistema Arquitetura Integração Verificação Codificação Unitário Validação

41 Modelo V Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Requisitos Análise Arquitetura Codificação Unitário Integração Sistema Aceite Oito peneiras para controlar que as idéias originais se transformem em um software apto e com o menor número de defeitos possível

42 Ferramentas de Automação e o Modelo V

43 Ferramentas Aplicadas ao Modelo V Requisitos Análise Planejamento de Teste TestLink Gerencia de Configuração SubVersion Virtualização VirtualBox Registro de Defeitos Mantis Sistema Aceite Robôs Badboy Selenium Arquitetura Integração Desempenho WebStressTool JMeter Padrões e Práticas FXCop e PMD Cobertura de Código NCover e JCover Codificação Unitário Programa NUnit e JUnit Dados DBUnit e XMLUnit

44 Perguntas e Respostas Obrigado!!! (11)

Desafios da Automação de Testes

Desafios da Automação de Testes Qualidade não é um destino, é uma jornada Desafios da Automação de Testes Centro de Treinamento Oficial José Correia Consultor e Instrutor 15 anos de experiência em TI Apresentação Graduado em Processamento

Leia mais

Carreira e Certificação em Teste de Software TDC2012 :: José Correia

Carreira e Certificação em Teste de Software TDC2012 :: José Correia Qualidade não é um destino, é uma jornada :: Líder pela Qualidade Edward Deming Carreira e Certificação em Teste de Software TDC2012 :: José Correia Coordenador José Correia Fundador da Iterasys, Consultor

Leia mais

Testes Direcionados aos Resultados do Negócio TMap Next TDC2012 :: José Correia

Testes Direcionados aos Resultados do Negócio TMap Next TDC2012 :: José Correia Qualidade não é um destino, é uma jornada :: Líder pela Qualidade Edward Deming Testes Direcionados aos Resultados do Negócio TMap Next TDC2012 :: José Correia Coordenador José Correia Fundador da Iterasys,

Leia mais

Carreira e Certificação em Teste de Software

Carreira e Certificação em Teste de Software Qualidade não é um destino, é uma jornada Carreira e Certificação em Teste de Software Centro de Treinamento Oficial Centro de Treinamento Exclusivamente Dedicado a Teste de Software e Garantia da Qualidade

Leia mais

Qualidade de Software Wall Street institute

Qualidade de Software Wall Street institute :: Líder pela Qualidade Qualidade de Software Wall Street institute Centro de Treinamento Oficial v. 1.0.0 Centro de Treinamento Exclusivamente Dedicado a Teste de Software e Garantia da Qualidade no Brasil

Leia mais

1º Encontro Mensal ALATS São Paulo

1º Encontro Mensal ALATS São Paulo 1º Encontro Mensal ALATS São Paulo A Arte de Testar Software: 30 Anos Depois e Além 16 de Abril de 2009 José Correia correia@alats.org.br correia@iterasys.com.br José Correia Diretor Regional de São Paulo

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é um Centro de Excelência em Qualidade de Software. Nossa missão é desenvolver, aperfeiçoar e realizar serviços de testes de software inovadores que agregam valor

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é uma empresa focada e especializada em serviços de qualidade e testes de software. Somos capacitados para garantir, através de sofisticadas técnicas, a qualidade

Leia mais

Analista de Negócio Pleno

Analista de Negócio Pleno Analista de Negócio Pleno Formação: Nível Superior na área de informática ou áreas afins. Desejável Pós Graduação em Gestão de Projetos, Tecnologia de Informação ou Negócios. Atividades: Realizar atividades

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Técnicas e Ferramentas de Mercado Objetivo Este curso tem como objetivo consolidar conhecimentos sobre as principais técnicas e ferramentas de Gerenciamento da Qualidade utilizadas

Leia mais

PROVA DISCURSIVA (P )

PROVA DISCURSIVA (P ) PROVA DISCURSIVA (P ) 2 Nesta prova que vale dez pontos, faça o que se pede, usando os espaços indicados no presente caderno para rascunho. Em seguida, transcreva os textos para as folhas de TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Fábio Lúcio Meira Objetivos Gerais Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Específicos Apresentar

Leia mais

Projetos Ágeis aplicados a TI. Júlio Cesar da Silva Msc.

Projetos Ágeis aplicados a TI. Júlio Cesar da Silva Msc. Projetos Ágeis aplicados a TI Júlio Cesar da Silva Msc. Apresentação Graduação em Matemática e TI MBA em Gestão em TI Mestre em Administração Certificado ITIL, Cobit e ScrumMaster Professor Graduação Professor

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Metodologia de Desenvolvimento de Software Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Objetivos Discutir aspectos de Engenharia de Software Aplicar um método de desenvolvimento para especificação e projeto de software

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO ALVO

OBJETIVO PÚBLICO ALVO PMO Implantação e Operação do Escritório de Projetos. n Instrutor Luis Claudio, M.Sc. PMP, ITIL, COBIT DIFERENCIAIS Avaliação prévia das necessidades de cada participante para customização do conteúdo;

Leia mais

Área de Desenvolvimento de Novos Projetos

Área de Desenvolvimento de Novos Projetos DGA INFORMÁTICA Aplicação de Práticas Ágeis no Desenvolvimento do Sistema de Controle de Estoque da Unicamp Área de Desenvolvimento de Novos Projetos Flavia Facciolla Maia Gerente da Área de Novos Projetos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta web para gerenciamento de projetos de software baseado no Scrum Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Introdução Roteiro da apresentação Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Sistemas ERP. Ricardo Viana Vargas, MsC, PMP rvargas@aec.com.br

Gerenciamento de Projetos de Sistemas ERP. Ricardo Viana Vargas, MsC, PMP rvargas@aec.com.br Gerenciamento de Projetos de Sistemas ERP Ricardo Viana Vargas, MsC, PMP rvargas@aec.com.br Ricardo Viana Vargas, MsC, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos, membro do Project

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s Plano de Projeto Versão Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s 2010 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores 07/04/2010 1.0 Criação da primeira versão do Plano

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Anexo IX METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. 1. FINALIDADE. O objetivo deste documento é apresentar uma visão resumida do processo RUP-BNB.

Anexo IX METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. 1. FINALIDADE. O objetivo deste documento é apresentar uma visão resumida do processo RUP-BNB. 1. FINALIDADE. O objetivo deste documento é apresentar uma visão resumida do processo RUP-BNB. 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2.1. A metodologia adotada pelo BNB (RUB-BNB), bem como suas partes integrantes (os

Leia mais

1993/97. Qualidade no Setor de Software Brasileiro

1993/97. Qualidade no Setor de Software Brasileiro 1993/97 SSQP/SW - PBQP Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade Subcomitê Setorial da Qualidade e Produtividade em Software (criado em junho de 1993) Objetivo Geral Atingir padrões internacionais

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br www.bergsonlopes.com.br Dados do Palestrante Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados, Gerenciamento

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

Visão Geral Parte 1. O que é engenharia de software?

Visão Geral Parte 1. O que é engenharia de software? Visão Geral Parte 1 Jair C Leite DIMAp/UFRN O que é engenharia de software? É uma disciplina da engenharia dedicada a todos os aspectos da produção de software. Engenheiros de software devem adotar uma

Leia mais

Retorno de Investimento em Testes. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br

Retorno de Investimento em Testes. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Retorno de Investimento em Testes Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Palestrante Robert Pereira Pinto Sócio diretor da Base2 Tecnologia Mestre e Bacharel em Ciência da Computação pela UFMG Certified

Leia mais

Ambientes de Trabalho

Ambientes de Trabalho Ambientes de Trabalho Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 15/08/2012 1.0 Criação de documento EPG 04/06/2014 1.1 Atualização do documento EPG 06/04/2015 1.2 Atualizado conforme

Leia mais

SUPERÀTO DIVULGA: ANALISTA DE SISTEMAS / LÍDER DE PROJETOS

SUPERÀTO DIVULGA: ANALISTA DE SISTEMAS / LÍDER DE PROJETOS SUPERÀTO DIVULGA: ANALISTA DE SISTEMAS Superior completo em Sistemas de Informação, Ciências da Computação ou áreas afins; CONHECIMENTOS: OO (Orientação Objeto) UML ASP.Net (Framework 2.0 e/ou superior)

Leia mais

Aplicação de Técnicas e Ferramentas em Projetos de Desenvolvimento Ágil

Aplicação de Técnicas e Ferramentas em Projetos de Desenvolvimento Ágil Aplicação de Técnicas e Ferramentas em Projetos de Desenvolvimento Ágil DGA - Área de Desenvolvimento de Novos Projetos Flavia Facciolla Maia Gerente da Área de Novos Projetos Arthur Vieira de Lima Gomes

Leia mais

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS As qualificações técnicas exigidas para os profissionais que executarão os serviços contratados deverão ser comprovados por meio dos diplomas, certificados, registros

Leia mais

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos Apresentação Executiva 1 O treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos tem como premissa preparar profissionais para darem início às

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

TCI CMMI Nível 2. EQPS, Fortaleza, 21/06/2006. Grupo TCI 2006, todos os direitos reservados www.grupotci.com.br slide 1 de 23

TCI CMMI Nível 2. EQPS, Fortaleza, 21/06/2006. Grupo TCI 2006, todos os direitos reservados www.grupotci.com.br slide 1 de 23 TCI CMMI Nível 2 EQPS, Fortaleza, 21/06/2006 slide 1 de 23 Sumário O Grupo TCI Objetivos Benefícios Organização da equipe Cronograma Próximos passos Lições Aprendidas Conclusão slide 2 de 23 Grupo TCI

Leia mais

Processos de Software

Processos de Software Processos de Software Prof. Márcio Lopes Cornélio Slides originais elaborados por Ian Sommerville O autor permite o uso e a modificação dos slides para fins didáticos O processo de Um conjunto estruturado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGINF Nº 41/2012 1.

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Superando resistências rumo ao sucesso da aplicação de métodos ágeis

Superando resistências rumo ao sucesso da aplicação de métodos ágeis Superando resistências rumo ao sucesso da aplicação de métodos ágeis Vitor Massari Atuando desde 1998 na área de projetos de TI. Sócio-diretor da Hiflex Consultoria. Autor do primeiro livro em Português

Leia mais

Qualificar pessoas pra produzir resultados diferenciados

Qualificar pessoas pra produzir resultados diferenciados Qualificar pessoas pra produzir resultados diferenciados (61) 3024-0532 www.dissemine.com.br SCRN 702/703 bl. C Loja 50 - Asa Norte - Brasília - DF - CEP: 70.720-630 SOBRE A DISSEMINE TREINAMENTOS EM TI

Leia mais

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software 6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software Alunos Filipi Silveira Flávio Knob Orientadores Afonso Orth Rafael Prikladnicki Agenda O problema O processo O projeto

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Testes Funcionais de Software

Testes Funcionais de Software Leonardo Molinari Testes Funcionais de Software Visual Books Sumário Prefácio...15 Introdução...17 Parte 1 - Visão Geral...21 1 Visão de Qualidade de Software...23 1.1 Visão Inicial... 23 1.2 Estado da

Leia mais

Java Programação para Fábrica de Software. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br

Java Programação para Fábrica de Software. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Java Programação para Fábrica de Software Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Quem É o Lozano? Atua há mais de 15 anos em TI Consultoria para Amsterdam Sauer, Banco Bovorantim, Bob's,

Leia mais

Atendimento de Demandas CTIC

Atendimento de Demandas CTIC Fluxo de Atendimento de Demandas - CTIC Atendimento de Demandas CTIC Coordenação de Sistemas Fluxo de Atendimento de Demandas - CTIC Público Alvo: Áreas Usuárias dos Sistemas da UFOPA e Equipe de Coordenação

Leia mais

Como e Quando Testar Para Obter Qualidade

Como e Quando Testar Para Obter Qualidade Como e Quando Testar Para Obter Qualidade Cursos Ministrados no 1 Workshop de Testes de Software Técnicas de Testes de Software Faça um Levantamento e uma Especificação Eficaz, saiba o que testar Objetivos

Leia mais

INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO NO SITE www.superato.com.br. TÉCNICO EM INFORMÁTICA

INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO NO SITE www.superato.com.br. TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO NO SITE www.superato.com.br. TÉCNICO EM INFORMÁTICA Estamos selecionando para CECRED - Cooperativa de Crédito de Blumenau. Cursando Sistemas da Informação ou Ciências

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

PE Nº 10/2014 RESPOSTA ESCLARECIMENTO Nº 07

PE Nº 10/2014 RESPOSTA ESCLARECIMENTO Nº 07 Processo n.º: 08006.001379/2012-79 Interessado: Coordenação Geral de Tecnologia da Informação Assunto: Contratação de Serviços de Tecnologia da Informação Fábrica de Softwares PE Nº 10/2014 RESPOSTA ESCLARECIMENTO

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica 491 ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica Nº Processo 0801428311 Licitação Nº EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 09/2008 [Razão ou denominação social do licitante] [CNPJ] A. Fatores de Pontuação Técnica:

Leia mais

C o m m u n i t y. IIBA.org I I B A. o r g i n f o @ I IBA.or g. Selma Carvalho. . Analistas. sistemas x Analistas de Negócios (perfis complementares)

C o m m u n i t y. IIBA.org I I B A. o r g i n f o @ I IBA.or g. Selma Carvalho. . Analistas. sistemas x Analistas de Negócios (perfis complementares) C o m m u n i t y. IIBA.org I I B A. o r g i n f o @ I IBA.or g. Analistas de sistemas x Analistas de Negócios (perfis complementares) Selma Carvalho 20/03/2014 Moderador Os webinars em português são uma

Leia mais

7 Mudanças Realizadas

7 Mudanças Realizadas 7 Mudanças Realizadas Este capítulo tem o objetivo de detalhar as mudanças realizadas no ambiente de trabalho da equipe estudada. Ele cita as alterações no produto de software utilizado pela equipe, que

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Planejamento Estratégico

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Planejamento Estratégico Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Planejamento Estratégico Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano

Leia mais

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, MSc rafael.espinha@primeup.com.br João Condack, MSc condack@primeup.com.br Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Gerenciando Riscos

Leia mais

Métodos Ágeis e Gestão de Dados Moderna

Métodos Ágeis e Gestão de Dados Moderna Métodos Ágeis e Gestão de Dados Moderna Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br www.bergsonlopes.com.br Dados do Palestrante Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados, Gerenciamento de

Leia mais

Backsite Serviços On-line

Backsite Serviços On-line Apresentação Quem Somos O Backsite Com mais de 15 anos de mercado, o Backsite Serviços On-line vem desenvolvendo soluções inteligentes que acompanham o avanço das tecnologias e do mundo. Com o passar do

Leia mais

Agilidade em Gerenciamento de Projetos Software

Agilidade em Gerenciamento de Projetos Software Agilidade em Gerenciamento de Projetos Software Prof. Rafael Dias Ribeiro, M.Sc, CSM, CSPO,PMP. http://www.rafaeldiasribeiro.com.br DESORDENADO Fonte: ORDENADO 1 DESORDENADO Teoria da Complexidade (Cynefin

Leia mais

Treinamentos EMENTA. Fundamentos de Gererenciamento de Riscos em Projetos. 14 Horas

Treinamentos EMENTA. Fundamentos de Gererenciamento de Riscos em Projetos. 14 Horas EMENTA Fundamentos de Gererenciamento de Riscos em Projetos 14 Horas OBJETIVO O treinamento tem como objetivo capacitar os participantes a planejar o gerenciamento de riscos, a identificar e avaliar os

Leia mais

Projeto. Gerenciamento de Projeto de Software. Tópicos abordados. Características básicas de um projeto. Definição

Projeto. Gerenciamento de Projeto de Software. Tópicos abordados. Características básicas de um projeto. Definição Gerenciamento de Projeto de Software Tópicos abordados Atividades de gerenciamento Planejamento do projeto Cronograma do projeto Gerenciamento de riscos Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com

Leia mais

SISTEMA DE APOIO GERENCIAL COM FOCO NA PRÁTICA DE TREINAMENTO ORGANIZACIONAL BASEADO NO MODELO CMMI. Werinton Ferrari Orientador: Wilson Pedro Carli

SISTEMA DE APOIO GERENCIAL COM FOCO NA PRÁTICA DE TREINAMENTO ORGANIZACIONAL BASEADO NO MODELO CMMI. Werinton Ferrari Orientador: Wilson Pedro Carli SISTEMA DE APOIO GERENCIAL COM FOCO NA PRÁTICA DE TREINAMENTO ORGANIZACIONAL BASEADO NO MODELO CMMI Werinton Ferrari Orientador: Wilson Pedro Carli 1 Roteiro da Apresentação 1. Introdução e Objetivos 2.

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica 449 ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios Pontos Peso Pontos Ponderados (A) (B) (C) = (A)x(B) 1. Qualidade 115 1 115 2. Compatibilidade 227 681.

Leia mais

RESULTADOS PRÁTICOS DO USO DE INTEGRAÇÃO CONTÍNUA COM O JENKINS. Emerson Cordeiro Vieira. emerson@7comm.com.br

RESULTADOS PRÁTICOS DO USO DE INTEGRAÇÃO CONTÍNUA COM O JENKINS. Emerson Cordeiro Vieira. emerson@7comm.com.br RESULTADOS PRÁTICOS DO USO DE INTEGRAÇÃO CONTÍNUA COM O JENKINS Emerson Cordeiro Vieira emerson@7comm.com.br PAUTA Caracterização da empresa Motivação Arquitetura da solução Resultados Lições aprendidas

Leia mais

Certificações ITIL voltam a ganhar destaque

Certificações ITIL voltam a ganhar destaque Certificações ITIL voltam a ganhar destaque Certificações em Information Technology Infrastructure Library, ou ITIL, voltou ao topo de muitas listas de contratação de TI. Métodos ITIL são projetados para

Leia mais

EXP Digital, desenvolvendo soluções personalizadas para sua empresa alcançar a melhor performance no mundo virtual.

EXP Digital, desenvolvendo soluções personalizadas para sua empresa alcançar a melhor performance no mundo virtual. EXP Digital, desenvolvendo soluções personalizadas para sua empresa alcançar a melhor performance no mundo virtual. Somos uma empresa especializada em soluções voltadas ao segmento digital como: criação,

Leia mais

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA Profa. Reane Franco Goulart Administrador de banco de dados O Administrador de banco de dados (DBA - DataBase Administrator) é responsável por manter e gerenciar bancos

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Plano de Projeto. Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Informática - CIn Engenharia de Software e Sistemas IF 682. Versão 1.

Plano de Projeto. Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Informática - CIn Engenharia de Software e Sistemas IF 682. Versão 1. Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Informática - CIn Engenharia de Software e Sistemas IF 682 Plano de Projeto Versão 1.1 Autores: Felipe Cadena Muniz (fcm) Renan Ferraz Pires (rfp) Rodolpho

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Luiz Leão luizleao@gmail.com luizleao.com Atividades em PDS Análise econômica e de requisitos (Análise). Especificação do Software (Especificação). Desenho

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Projeto e Desenvolvimento de Sistemas Dr. Fábio Levy Siqueira levy.siqueira@gmail.com Aula 2: Garantia da Qualidade e Padrões Qualidade de software Quais são as atividades de Gestão

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área Especialista em TI Aplicada

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área Especialista em TI Aplicada Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área Especialista em TI Aplicada Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COORDENAÇÃO DE SISTEMAS (CODES) JUNHO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: codes@ifbaiano.edu.br Site:

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Versão 1 MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 1 Presidente INCRA Rolf Hackbart Diretor de Gestão Estratégica DE - INCRA Roberto Kiel Coordenador Geral

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Primeira Fase

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Primeira Fase 122 ANEXO A Questionário de Avaliação Este anexo contém o Questionário utilizado para avaliar as características do mantenedor, o nível de experiência da equipe de manutenção e o nível de conhecimento

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

RUP como Metodologia de Desenvolvimento de Software para Obtenção da Qualidade de Software

RUP como Metodologia de Desenvolvimento de Software para Obtenção da Qualidade de Software SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 RUP como Metodologia de Desenvolvimento de Software para Obtenção da Qualidade de Software Alfredo Nazareno P. Boente Fabiano S. G. de Oliveira João

Leia mais

Proposta para implantação de um Escritório de Projetos. Eduardo Montes, PMP

Proposta para implantação de um Escritório de Projetos. Eduardo Montes, PMP Proposta para implantação de um Escritório de Projetos Eduardo Montes, PMP Agenda O que é o Escritório de Projetos? Missão, Objetivos e Diretrizes Metodologia Reuniões Semanais (Comitê/GP) Formas de atuação

Leia mais

O que é um processo de software?

O que é um processo de software? O que é um processo de software? Um conjunto de atividades realizadas por pessoas cujo objetivo é desenvolvimento ou evolução de software e sua documentação. Atividades genéricas em todos os processos:

Leia mais

Gerência de Projeto de Testes Segundo o Modelo do PMI por Emerson Rios

Gerência de Projeto de Testes Segundo o Modelo do PMI por Emerson Rios Gerência de Projeto de Testes Segundo o Modelo do PMI por Emerson Rios Nos últimos anos, as empresas mais preocupadas com a qualidade dos sistemas de aplicação passaram a introduzir, no seu ambiente, um

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Principais Responsabilidades:

Principais Responsabilidades: DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR WEB Conhecimento dos sistemas gerenciadores de banco (MySQL), modelagem de dados, inglês técnico. Conhecimento em plataformas e metodologias de desenvolvimento

Leia mais

Proposta. Gerenciando Projetos com Microsoft Project. Apresentação Executiva. Gerenciando Projetos com Ms-Project

Proposta. Gerenciando Projetos com Microsoft Project. Apresentação Executiva. Gerenciando Projetos com Ms-Project Gerenciando Projetos com Microsoft Project Apresentação Executiva 1 O Microsoft Project é utilizado principalmente para o planejamento e controle de projetos. Atualmente é a ferramenta mais utilizada no

Leia mais

MONTREAL / RIO DE JANEIRO

MONTREAL / RIO DE JANEIRO QUESTIONAMENTOS CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 001/14 MONTREAL / RIO DE JANEIRO 1 Quanto às certificações solicitadas nos itens 2.3, 2.4, e 2.5 da página 136 do Edital, perguntamos: Dado que a Norma ABNT NBR

Leia mais

Introdução ao Processo Unificado (PU)

Introdução ao Processo Unificado (PU) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Introdução ao Processo Unificado (PU) Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin

Leia mais

OBJETIVO DO PROGRAMA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E CARGA HORÁRIA PREMISSAS DOS PROGRAMA INVESTIMENTO E PRÓXIMA TURMA I NSTRUTORES

OBJETIVO DO PROGRAMA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E CARGA HORÁRIA PREMISSAS DOS PROGRAMA INVESTIMENTO E PRÓXIMA TURMA I NSTRUTORES PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS DE OBJETIVO DO PROGRAMA O programa visa capacitar seus participantes em técnicas práticas e conceitos necessários para trabalhar em iniciativas de modelagem,

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO Robson L. Nascimento 1, Késsia R. C. Marchi¹ 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil robsonluisn@yahoo.com.br,

Leia mais

55ª Reunião do SPIN São Paulo

55ª Reunião do SPIN São Paulo OS MELHORES PROFISSIONAIS E A MELHOR TECNOLOGIA A SERVIÇO DOS SEUS NEGÓCIOS 55ª Reunião do SPIN São Paulo Métricas Aplicáveis a Software - Aplicação e Importância W W W. K A I Z E N. C O M. B R A Empresa

Leia mais

FSW CTIS FÁBRICA DE SOFTWARE. case fsw ctis

FSW CTIS FÁBRICA DE SOFTWARE. case fsw ctis 01 FSW CTIS FÁBRICA DE SOFTWARE case fsw ctis 01 DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA SETOR DE ATUAÇÃO CLIENTE Saúde VIGÊNCIA 2018 ABRANGÊNCIA Nacional FSW CTIS O Aplicativo de Gestão para Hospitais Universitários

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS

PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS Joaldo de Carvalho Wesley Oliveira Irlei Rodrigo Ferraciolli da Silva Rodrigo Clemente Thom de Souza INTRODUÇÃO O mundo está dominado pelos dispositivos móveis. A cada

Leia mais