A CONTRIBUIÇÃO DE SWIFT PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR DE INGLÊS E CIDADÃOS EM DESENVOLVIMENTO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONTRIBUIÇÃO DE SWIFT PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR DE INGLÊS E CIDADÃOS EM DESENVOLVIMENTO."

Transcrição

1 A CONTRIBUIÇÃO DE SWIFT PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR DE INGLÊS E CIDADÃOS EM DESENVOLVIMENTO. Kelly C. Rissá (Pet-letras UNICENTRO), Eunice Pereira Guimarães (orientadora) Universidade Estadual do Centro Oeste, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Departamento de Letras. Guarapuava, Paraná Palavras-chave: Viagens de Gulliver, Contexto sócio-histórico, crítica social, sátira. Resumo: Reconhecendo a importância do conhecimento dos clássicos da literatura para a formação e compreensão da língua e da cultura estudada para o professor de língua inglesa, os clássicos, tornam-se subsídio interessante nas aulas. Buscamos desenvolver uma leitura crítica de Viagens de Gulliver de Jonathan Swift, enfocando a crítica social apresentada através da sátira. Para tanto serão utilizados os seguintes autores: Pasold (1999), Priestley e Spear (1931), Craz (1967), Sampson (1970), Swift (1965). Introdução Reconhecendo a importância da literatura para identidade de um povo e sua língua, e tomando livremente o exemplo de Danti Aligueri e a formação do latim clássico na unificação da Itália para ilustração da forma desta arte, afirmamos a importância do estudo destes textos para formação de professores de língua inglesa, bem como a apresentação destas obras aos alunos para identificação e uso desta língua.

2 Assim, revela-se a importância de estudos que busquem analisar a cultura e os elementos circunscritos em uma obra literária para a formação do futuro professor e para os cidadãos em desenvolvimento. Este trabalho portanto, busca desenvolver uma leitura detalhada de Viagens de Gulliver de Jonathan Swift, evidenciando sua forte crítica social, aspecto marcante na obra do autor, a qual pode se tornar instrumento de leitura de visão de mundo na vida dos alunos. O trabalho apresenta uma contextualização da obra de Swift, seguido de uma conceituação dos elementos analisados e finalmente a análise da obra. Tendo a pretensão de que venha a ser referencia para professores que se interessem em utilizar essa obra em sala de aula. Os clássicos literários são citados várias vezes como leitura obrigatória para alunos de nível superior. Porém cada uma dessas obras traz muito mais que apenas uma história com personagens fictícios ou não. Elas revelam valores, costumes e crenças de uma época, de um povo, e claro de seu autor. Pensando neste sentido, revelou-se a obra de Jonathan Swift, que além de trazer esses aspectos, apresenta uma característica diferenciadora que a identifica com sua época e seu autor através da sátira social. Vários autores se propõem conhecer um pouco mais sobre a crítica de Swift e a sociedade da sua época. Bernadete Pasold (1999) analisa a crítica feita por meio da sátira utilizada como recurso discursivo no texto deste autor irlandês. Priestley e Spear (1931), Thornley (1971) e Albert Graz (1967) também analisam a obra Gulliver s Travel, e o livro The concise Cambridge history of English Literatura, apresenta um contexto detalhado da obra. Materiais e Métodos Pressupostos teóricos Contexto sócio-histórico da obra: A obra foi escrita durante o processo de formação política da Grâ- Bretanha, que passou a compreender os países: Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda. O autor, sendo natural da Irlanda, tinha uma visão de dominados perante os dominadores ingleses, assim, faz fortes críticas a sociedade da época. Por serem de religião católica e de origem celta, os irlandeses não tinham tratamento igual aos demais habitantes da Grã-

3 Bretanha. Viviam em extrema pobreza e não podiam ter cargos políticos, apesar de poderem votar. Com o veto à exportação de gado para o reino em 1666, os irlandeses começaram a criar carneiros, pois em 1669 o comércio de gado foi proibido para mercados de todo o mundo, causando o êxodo a milhares de produtores rurais. Com o Ato do Estabelecimento foi assegurada à sucessão de Guilherme III à sua cunhada Rainha Ana, evitando mudanças no cenário social. Neste período o iluminismo tomava força. As três idéias dos filósofos iluministas foram difundidas na Inglaterra: separação dos três poderes; a liberdade de comércio; direito à propriedade. Para eles a forma de se conhecer era a fé na humanidade como maneira de compreensão da sociedade. No campo político dois grupos políticos eram conhecidos: Tories: deram origem ao Partido Conservador; que defendiam o Rei, e os privilégios da Igreja Anglicana; Whigs: deram origem ao Partido Liberal, setores da aristocracia e comércio de Londres defendendo uma políttica de maior tolerância religiosa. A crítica social na obra de Jhonathan Swift: A crítica social é um elemento marcante nas palavras de Swift, especialmente em Gulliver s Travel. Nesta obra a crítica se faz presente por meio de diversos recursos discursivos, um dos mais recorrentes é a sátira social. Pasold (1999) utiliza a definição de sátira de Dr. John Reagan any literary form which has as its main purpose to attack a problem, situation, or people in order to change the reader s perception of the reality that surrounds him. (PASOLD, 1999, p. 48). Desta forma a sátira aparece na obra de Swift como uma forma de problematizar a sociedade da época, buscando uma reflexão sobre alguns costumes. Segundo Priestley e Spear (1931), o autor faz uma representação da sociedade inglesa da época, retratando em cada viagem uma característica da referida sociedade. Gulliver s Travel é classificada por Thornley (1971) como uma forte crítica social, fazendo uso da representação simbólica de elementos reais da sociedade para enfatizar costumes a serem criticados e por vezes ridicularizados. E Pasold (1999) destaca partes da narrativa em que estão presentes de forma mais marcantes essa sátira. Fazendo uma análise mais detalhada,

4 o pesquisador nos leva a refletir sobre a escrita se Swift e suas inserções na crítica social. O livro The concise Cambridge history of english literature, nos traz uma contextualização mais ampla da obra, relacionando o livro com seu período literário e com seus autores contemporâneos. Também evidenciando algumas características que eram comuns a esses autores, identificando-os como movimento literário. Ainda neste sentido, o livro English Literature II, Craz (1967) ajuda na formação do cenário literário da obra e autor. Pressupostos Metodológicos Primeiramente, no trabalho, será feita uma pequena contextualização política e social da época de Swift, buscando elencar os acontecimentos que puderam de alguma forma influenciar na produção da obra Viagens de Gulliver. Posteriormente serão elencados os conceitos e definições necessárias para o desenvolvimento e compreensão do texto. Ou seja, serão visitadas as obras de Pasold (1999), Craz (1967) e Sampson (1970). Em seguida, os comentadores e estudiosos de Swift darão sua contribuição apresentando as pesquisas já concluídas neste sentido. Para então, ser realizada a leitura analítica d as Viagens de Gulliver, buscando enfocar a crítica social e a sátira presentes na obra, tendo sempre em mente uma leitura com a finalidade de aplicação destes conhecimentos nas aulas de língua inglesa. Resultados e Discussão Como o trabalho ainda está em desenvolvimento, não há resultados conclusivos para serem apresentados. O que as leituras dos pressupostos teóricos revelaram até o momento é que há uma riqueza de elementos na obra de Swift. Sendo um dos elementos mais marcantes: a crítica social revelada em cada uma das viagens do personagem título da história. Swift faz um retrato da sociedade da sua época de uma forma bem humorada por meio de um mundo fantástico, com países que possuem características exacerbadas.

5 O livro Viagens de Gulliver foi e ainda é considerado por alguns críticos literários como literatura infantil, por seus elementos mágicos e personagens de fantasia. Porém, em uma leitura mais atenta percebemos que há críticas bem fundamentadas e complexas da sociedade de Swift, com referências diretas à política inglesa da época. Conclusões O trabalho ainda não possui conclusões, porém já se revela a importância de leituras mais detalhadas e criteriosas de obras literárias para compreensão da sociedade e da cultura de um povo. Pensando em professores de língua em formação, se torna fundamental, uma vez que a literatura é uma expressão legítima da língua, bem como unificadora, identificadora e reguladora. Referências Bibliográficas CRAZ, Albert G.; English Literature II: , Wichita: Mc Cormick-Mathers Publishin Company, 1967, vol. 2 PASOLD, Bernadete. Utopia x Satire in English Literature. Florianópolis: UFSC, 1999 PRIESTLEY, J. B.; SPEAR, J. Adventures in English literature. Chicago: Laureate Edition, 1931, vol. 3. SAMPSON, George; The concise Cambridge history of English literature. London: Cambridge University Press, SWIFT, Jonathan; Viagens de Gulliver. São Paulo: Gráfica Editora Brasileira Ltda/ W. M. Jackson inc., THORNELY, Na outline of English Literature.

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Expansionismo Romano - Etapas 1ª.

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 Jamile Tábata Balestrin Konageski 2, Solânge Lopes Ferrari 3, Luana

Leia mais

2. Fé Cristã e Filosofias: enfocando a necessidade da apologia cristã no ambiente escolar e Universitário

2. Fé Cristã e Filosofias: enfocando a necessidade da apologia cristã no ambiente escolar e Universitário 2. Fé Cristã e Filosofias: enfocando a necessidade da apologia cristã no ambiente escolar e Universitário Apresentação dos participantes (nome; Escola, faculdade ou Univerdidade) Quem é o seu Deus? E qual

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE Kallenya Kelly Borborema do Nascimento 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: kallenyakelly2@hotmail.com Patrícia Cristina

Leia mais

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval Eixo Temático I: Práticas pedagógicas a serviço da educação superior militar Subtema 1: metodologias de ensino e aprendizagem; ensino voltado para competências; hibridismo pedagógico; interdisciplinaridade

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa

Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa Luis Ricardo Silva Queiroz Universidade Federal da Paraíba e-mail: luisrsq@uol.com.br Anne Raelly Pereira de Figueirêdo Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante OBJETIVOS Elaborar uma linha histórica que retrate os marcos significativos da Reforma Protestante. Citar dados biográficos dos principais reformadores. Explicar a importância da Reforma Protestante no

Leia mais

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV 500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV Episódio 3: Encontro no além-mar Resumo A série discute temas históricos, alternando a narrativa com encenações de bonecos animados que resgatam o contexto da época

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

Universidades irlandesas visitam o Brasil e ofertam milhões de reais em bolsas a estudantes universitários brasileiros

Universidades irlandesas visitam o Brasil e ofertam milhões de reais em bolsas a estudantes universitários brasileiros Universidades irlandesas visitam o Brasil e ofertam milhões de reais em bolsas a estudantes universitários brasileiros Informativo ao editor: Informações sobre bolsas de estudos National College of Ireland

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense.

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense. Objetivos: - ANALISAR as relações entre a Monarquia inglesa e o Parlamento durante a Dinastia Stuart. - IDENTIICAR as principais etapas do processo revolucionário inglês. - INERIR o amplo alcance das lutas

Leia mais

Roma. Profª. Maria Auxiliadora

Roma. Profª. Maria Auxiliadora Roma Profª. Maria Auxiliadora Economia: Agricultura e Pastoreiro Organização Política: MONARQUIA 753 a.c. 509 a.c. Rex = Rei (chefe supremo, sacerdote e juiz) Conselho de Anciãos = Senado (legislativo)

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira

O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira autopia O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira a Tradução: THOMAS MORE Utopia Luís de Andrade A Utopia Thomas More Tradução: Luís de Andrade 1ª Edição 2014 desta tradução:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno.

Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno. Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno. Foi fundada no século VIII a.c., com a unificação de aldeias latinas e sabinos. Sua história política é dividida em 3 períodos:

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE MODA DA TRIBO DOS COSPLAYERS. Autor(a): Raissa Silva de Araujo Lima Email: rasinha_lima@hotmail.com

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE MODA DA TRIBO DOS COSPLAYERS. Autor(a): Raissa Silva de Araujo Lima Email: rasinha_lima@hotmail.com ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE MODA DA TRIBO DOS COSPLAYERS Autor(a): Raissa Silva de Araujo Lima Email: rasinha_lima@hotmail.com Introdução As tribos urbanas são constituídas por agrupamentos compostos por

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL PRESIDENTE CASTELO BRANCO FACULDADE CASTELO BRANCO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO - CURSO DE HISTÓRIA ÉPOCA DE UM PAÍS DO IMPROVÁVEL

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL PRESIDENTE CASTELO BRANCO FACULDADE CASTELO BRANCO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO - CURSO DE HISTÓRIA ÉPOCA DE UM PAÍS DO IMPROVÁVEL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL PRESIDENTE CASTELO BRANCO FACULDADE CASTELO BRANCO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO - CURSO DE HISTÓRIA 1822: MAIK CESAR HELL COLATINA 2012 MAIK CESAR HELL 1822: Resenha elaborada em cumprimento

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

Belos desenhos, letras cuidadosamente

Belos desenhos, letras cuidadosamente FAZENDO ESCOLA COM AS IMAGENS PRESCRIÇÕES DE BOA CONDUTA: ilustrações em livros de literatura infantil escritos por normalistas Rosa Maria Souza Braga Belos desenhos, letras cuidadosamente traçadas e a

Leia mais

QUEIJO COLONIAL DE LEITE CRU HISTÓRIA E TRADIÇÃO SECULAR

QUEIJO COLONIAL DE LEITE CRU HISTÓRIA E TRADIÇÃO SECULAR QUEIJO COLONIAL DE LEITE CRU HISTÓRIA E TRADIÇÃO SECULAR -VALDIR MAGRI. -PRODUTOR DE QUEIJOS COLONIAIS. - MUNICIPIO SEARA SC. -MEMBRO DO GT DOS QUEIJOS NACIONAL -MEMBRO DO GT QUEIJOS COLONIAIS OESTE SC.

Leia mais

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA e SÃO LOURENÇO Em obediência à vossa palavra, lançarei as redes (Lc 5,5b)

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA e SÃO LOURENÇO Em obediência à vossa palavra, lançarei as redes (Lc 5,5b) Evangelho A palavra Evangelho significa: Boas Novas. Portando, não temos quatro evangelhos, mas quatro evangelistas que escreveram, cada um, conforme sua visão, as boas-novas de salvação, acerca do Senhor

Leia mais

Centro de Arqueologia de Almada Actividades de Educação Patrimonial. Campo de Simulação Arqueológica

Centro de Arqueologia de Almada Actividades de Educação Patrimonial. Campo de Simulação Arqueológica Centro de Arqueologia de Almada Actividades de Educação Patrimonial Facilitar a apropriação de memórias colectivas pelas novas gerações. O departamento pedagógico do Centro de Arqueologia de Almada, vocacionado

Leia mais

POLÍTICA AGRÍCOLA NOS ESTADOS UNIDOS. A) A democratização da terra ou da propriedade da terra (estrutura fundiária)

POLÍTICA AGRÍCOLA NOS ESTADOS UNIDOS. A) A democratização da terra ou da propriedade da terra (estrutura fundiária) Espaço Agrário 1 POLÍTICA AGRÍCOLA NOS ESTADOS UNIDOS Introdução! Os Estados Unidos detêm hoje o índice de maior produtividade agrícola do planeta. Apesar de empregarem apenas 3% de sua População Economicamente

Leia mais

UM REPENSAR METODOLÓGICO: OS JOGOS E A DISCIPLINA DE HISTÓRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

UM REPENSAR METODOLÓGICO: OS JOGOS E A DISCIPLINA DE HISTÓRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL UM REPENSAR METODOLÓGICO: OS JOGOS E A DISCIPLINA DE HISTÓRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Juliana Karol de Oliveira Falcão 1 E-mail: julianakarol-16@hotmail.com Arthur Rodrigues de Lima 2 E-mail: arthur.rlima@hotmail.com

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

Unidade: O que é a Literatura comparada. Unidade I:

Unidade: O que é a Literatura comparada. Unidade I: Unidade: O que é a Literatura comparada Unidade I: 0 Unidade: O que é a Literatura comparada O que é a Literatura Comparada Quando nos deparamos com a expressão literatura comparada, não temos problemas

Leia mais

Processo Legislativo. Aula 1. Prof. Jorge Bernardi

Processo Legislativo. Aula 1. Prof. Jorge Bernardi Processo Legislativo Aula 1 Prof. Jorge Bernardi Organização da Disciplina Aula 1 O Poder Legislativo Brasileiro Capítulo 1 Aula 2 Competências Legislativas Capítulo 2 A Norma Legal Capítulo 3 Emenda à

Leia mais

A formação da Europa medieval

A formação da Europa medieval A formação da Europa medieval Causas da crise do Império Romano: Crises e retomadas dos séculos III e IV; Anarquia militar; As complexas relações com os germânicos; Guerra civil (generais sem consenso);

Leia mais

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da 1 Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da Unicamp, algumas de suas obras. Aproveita o caro momento

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I 15201-04 Introdução ao Estudo da História Introdução ao estudo da constituição da História como campo de conhecimento, ao longo dos séculos XIX e XX,

Leia mais

GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS

GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS Jörg Garbers GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS ORIGEM CARACTERÍSTICAS CONCEITOS RELIGIOSOS 1 FARISEUS 1.1 O NOME O nome fariseu provavelmente significa, os que se separam, os separados. O nome já expressa

Leia mais

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume Curso Política e Cidadania - Básico 61 SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF Básico volume Gabinete do Senador Rodrigo Rollemberg 2 Curso Política e Cidadania - Básico CURSO POLÍTICA E CIDADANIA VOL.6 CIÊNCIA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias Componente Curricular: Inglês Série: 2ºC,

Leia mais

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Girllaynne Marques Vinícius Nicéas 1 Universidade Federal de Pernambuco A obra A norma oculta, do linguista brasileiro Marcos Bagno 2 (2003),

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GABARITO DEFINITIVO.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GABARITO DEFINITIVO. CARGO 01: PROFESSOR ESPECIALIDADE: EDUCAÇÃO INFANTIL Gabarito A C C B A B C A B D B C D D C Gabarito B C B B C D C B B C B D C D D CARGO 02: PROFESSOR ESPECIALIDADE: 1º AO 5º ANO Gabarito A C C D B A B

Leia mais

A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA

A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA Mariana Garcia Barbosa 1 Elisete Medianeira Tomazetti 2 Resumo: A pesquisa foi realizada em escola da rede estadual

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos JOGOS VORAZES E A LITERATURA COMPARATIVISTA: AS SEMELHANÇAS ENTRE A OBRA 451 FAHRENHEIT DE RAY BRADBURY, E A TRILOGIA DE SUZZANE COLLINS Wagner

Leia mais

Paulo Freire, o educador brasileiro autor do termo Empoderamento, em seu sentido transformador

Paulo Freire, o educador brasileiro autor do termo Empoderamento, em seu sentido transformador Paulo Freire, o educador brasileiro autor do termo Empoderamento, em seu sentido transformador Por Leila de Castro Valoura ( Leila Kaas ) Residente do _Programa Comunicarte de Residência Social 2005/2006

Leia mais

Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa.

Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa. Aula 17 Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa. Esta aula abordará a Primeira Guerra Mundial, suas causas e conseqüências, entre as conseqüências; destaque para a Revolução Russa e a criação do primeiro

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS, EDUCAÇÃO E A IMIGRAÇÃO EUROPÉIA

POLÍTICAS PÚBLICAS, EDUCAÇÃO E A IMIGRAÇÃO EUROPÉIA POLÍTICAS PÚBLICAS, EDUCAÇÃO E A IMIGRAÇÃO EUROPÉIA Mario De Souza Martins 1 Introdução Trabalhamos nesse artigo, com a falta de políticas públicas, desde o início do processo imigratório, até os dias

Leia mais

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa ILUMINISMO/ LIBERALISMO Regimes Absolutistas Revolução Francesa Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa A palavra Iluminismo vem de luz e se refere à capacidade que a razão tem de tudo iluminar. A razão,

Leia mais

CONCEITOS. Expansão e mudanças nos séculos XV e XVI. O expansionismo europeu SIGNIFICADO. CONCEITOS Navegação astronómica

CONCEITOS. Expansão e mudanças nos séculos XV e XVI. O expansionismo europeu SIGNIFICADO. CONCEITOS Navegação astronómica GLOSSÁRIO 8º Ano Expansão e mudanças nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Navegação astronómica Capitão donatário Colonização Feitoria Mare clausum Império colonial Monopólio comercial Navegação

Leia mais

O que a Bíblia diz sobre o dinheiro

O que a Bíblia diz sobre o dinheiro Seção 2 O que a Bíblia diz sobre o A questão do e das posses é mencionada muitas vezes na Bíblia. Esta seção examina o que a Bíblia nos ensina sobre a nossa atitude para com o. Ela vai nos ajudar a considerar

Leia mais

Capitalismo e sociedade rural na Alemanha Capitalismo Agrário Ideal e Sociedade Agrária Conservadora

Capitalismo e sociedade rural na Alemanha Capitalismo Agrário Ideal e Sociedade Agrária Conservadora Capitalismo e sociedade rural na Alemanha Capitalismo Agrário Ideal e Sociedade Agrária Conservadora No texto "Capitalismo e Sociedade Rural na Alemanha", Marx Weber se propõe a refletir sobre a sociedade

Leia mais

Uma leitura crítica da teoria do Pós-desenvolvimento

Uma leitura crítica da teoria do Pós-desenvolvimento Uma leitura crítica da teoria do Pós-desenvolvimento Ana Fantasia (CEsA.UL)e Pedro Pereira Leite (CES.UC) Neste trabalho efetuamos uma leitura crítica do artigo Post-development as a concept and social

Leia mais

Avaliação História 7º ano Unidade 1

Avaliação História 7º ano Unidade 1 1. Os romanos denominavam bárbaros todos os povos que não falavam a língua latina e tinham hábitos e costumes diferentes dos seus. Indique qual a relação existente entre o fim do Império Romano e os povos

Leia mais

Divisão clássica da História da humanidade

Divisão clássica da História da humanidade 6. Idade Moderna Séc. XVII: A Química como Ciência Independente 1 Divisão clássica da História da humanidade História Moderna: entre o final do século XV - início das grandes navegações - conquista de

Leia mais

Unidade I ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA. Profa. Viviane Araujo

Unidade I ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA. Profa. Viviane Araujo Unidade I ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA Profa. Viviane Araujo Definindo alguns conceitos Escola podemos pensar uma série de questões quando tratamos do termo escola: lugar; espaço físico; organização; relações

Leia mais

Existem duas teorias sobre a origem da cidade de Roma: Origem histórica Origem mitológica

Existem duas teorias sobre a origem da cidade de Roma: Origem histórica Origem mitológica Roma 1. Localização Roma se localiza na Península Itálica, na qual o rio Tibre é o seu segundo rio mais largo e atravessa toda a cidade de Roma indo desaguar no mar Tirreno. 2. Origem de Roma Existem duas

Leia mais

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13 APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre Aula 13 Identidade Visual Embora você possa nunca ter ouvido falar em identidade visual, todos nós estamos sempre sendo bombardeados pelas identidades

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS

1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS cad_08.qxd:layout 1 5/13/11 10:02 AM Page 57 57 1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS TEMAS QUE DOMINAVAM A SUDENE RODRIGO SANTIAGO* O objetivo deste relatório é apontar os principais aspectos relacionados

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

Navegar pelas letras

Navegar pelas letras Página322 Navegar pelas letras RESENHA Adriana Carrion de Oliveira 1 Resenha do Livro: BUENO, Edna, PARREIRAS, Ninfa, SOARES, Lucília. Navegar pelas letras: as literaturas de língua portuguesa. Rio de

Leia mais

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza Gustavo Noronha Silva José Nailton Silveira de Pinho Juliana Gusmão Veloso Kátia Geralda Pascoal Fonseca Walison Vasconcelos Pascoal Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado

Leia mais

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso COLÉGIO SETE DE SETEMBRO Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso CNPJ: 13.911.052/0001-61 e Inscrição Municipal

Leia mais

A partir desse texto e de seus conhecimentos, responda às questões propostas.

A partir desse texto e de seus conhecimentos, responda às questões propostas. História 0 Na manhã de 12 de agosto de 1798, um panfleto revolucionário afixado em vários lugares da cidade de Salvador dizia: Povo, o tempo é chegado para vós defendêreis a vossa Liberdade; o dia da nossa

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Período Joanino 1808-1821

Período Joanino 1808-1821 Período Joanino 1808-1821 Bloqueio Continental - 1806 Tratado de Fontainebleau - 1807 Guerras Napoleônicas Fatores Motivadores Invasão das tropas Napoleônicas - Espanha Invasão das tropas Napoleônicas

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Frei Liberdade Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA. O autor

Frei Liberdade Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA. O autor Frei Liberdade Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA 1 O autor Luiz Antonio Aguiar nasceu em 1955, no Rio de Janeiro. Mestre em Literatura Brasileira, pela PUC-RJ, com tese sobre leitura na cultura de

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE SURDOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES OUVINTES: POSSIBILIDADES E LIMITES.

A EDUCAÇÃO DE SURDOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES OUVINTES: POSSIBILIDADES E LIMITES. A EDUCAÇÃO DE SURDOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES OUVINTES: POSSIBILIDADES E LIMITES. Profª Drª Clarissa Martins de Araújo CE/UFPE, E-mail:cmaraujo@ufpe.Br; Profª Ms. Zélia Maria Luna Freire

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

A Educação Superior em Mato Grosso

A Educação Superior em Mato Grosso A EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO: UM OLHAR SOBRE A FORMAÇÃO DOCENTE BERALDO, Tânia M. Lima UFMT VELOSO, Tereza C. M. Aguiar UFMT GT: Política de Educação Superior / n.11 Agência Financiadora: Sem Financiamento

Leia mais

O FIM DA ESTÉTICA DADAÍSMO E ARTE POP

O FIM DA ESTÉTICA DADAÍSMO E ARTE POP RESUMO O FIM DA ESTÉTICA DADAÍSMO E ARTE POP Susana de Castro Qual a relação entre arte e gosto popular? A obra de Danto nos mostra como a arte pop revolucionou a arte ao aproximar o objeto de arte dos

Leia mais

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1 1 REPRESENTAÇÕES DA SOCIEDADE ESCRAVISTA BRASILEIRA NA VIAGEM PITORESCA E HISTORICA AO BRASIL, DE JEAN BAPTISTE DEBRET: UMA POSSIBILIDADE DE LEITURA NO LIVRO DIDÁTICO Emilia Maria F. da Silva emiliamfs@terra.com.br

Leia mais

HISTÓRIA 7 O ANO FUNDAMENTAL. PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA

HISTÓRIA 7 O ANO FUNDAMENTAL. PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA 7 O ANO FUNDAMENTAL PROF. ARTÊMISON MONTANHO PROF. a ISABEL SARAIVA Unidade I Identidades, Diversidades e Direitos Humanos Aula 1.1 Conteúdos Apresentação do Componente A formação da Europa feudal Os germanos:

Leia mais

COTIDIANO, LAZER E TRABALHO: Brincadeiras infantis e ofícios tradicionais da Idade Média e do século XXI

COTIDIANO, LAZER E TRABALHO: Brincadeiras infantis e ofícios tradicionais da Idade Média e do século XXI COTIDIANO, LAZER E TRABALHO: Brincadeiras infantis e ofícios tradicionais da Idade Média e do século XXI ISAAC ANTUNES BRAGA DE CARVALHO KALINE LORENA SILVA DANTAS SÍNTIQUE RAMALHO SEABRA DE SOUZA RESUMO:

Leia mais

Proposta de ACORDO DE GOVERNO E DE COLABORAÇÃO POLÍTICA ENTRE O PSD E O CDS/PP

Proposta de ACORDO DE GOVERNO E DE COLABORAÇÃO POLÍTICA ENTRE O PSD E O CDS/PP Proposta de ACORDO DE GOVERNO E DE COLABORAÇÃO POLÍTICA ENTRE O PSD E O CDS/PP As eleições do passado dia 4 de Outubro deram à coligação integrada pelo PSD e pelo CDS/PP uma vitória clara, embora sem maioria

Leia mais

Educação musical em João Pessoa: espaços, concepções e práticas de ensino e aprendizagem da música

Educação musical em João Pessoa: espaços, concepções e práticas de ensino e aprendizagem da música Educação musical em João Pessoa: espaços, concepções e práticas de ensino e aprendizagem da música Luis Ricardo Silva Queiroz (Coordenador) luisrsq@uol.com.br Marciano da Silva Soares gclaft@yahoo.com.br

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

O "poder de compra" sob a ótica solidária - entrevista com Euclides André Mance *

O poder de compra sob a ótica solidária - entrevista com Euclides André Mance * O "poder de compra" sob a ótica solidária - entrevista com Euclides André Mance * A tese de uma sociedade mais justa, onde a distância entre os extremos da pirâmide social seja reduzida a padrões mínimos,

Leia mais

Oficina MAPAS. Oficina CH/EF Material do Aluno. Caro Aluno,

Oficina MAPAS. Oficina CH/EF Material do Aluno. Caro Aluno, Oficina MAPAS Caro Aluno, Esta oficina tem o objetivo de apresentar os diferentes elementos dos mapas, bem como as principais formas de elaboração das representações espaciais. Observar e registrar lugares

Leia mais

As portas do nosso passado estão no Museu de Évora Visite-nos!

As portas do nosso passado estão no Museu de Évora Visite-nos! As portas do nosso passado estão no Museu de Évora Visite-nos! O Museu de Évora, para além de oferecer as designadas «visitas clássicas» que criam pontes de contacto entre os diversos públicos que o visitam

Leia mais

Arte Romana. 1º Ano Artes. Professor Juventino 2015

Arte Romana. 1º Ano Artes. Professor Juventino 2015 Arte Romana 1º Ano Artes Professor Juventino 2015 Arte Romana A soberania do Império Romano, sem paralelos na história, estendia-se da Espanha ao sul da Rússia, da Inglaterra ao Egito e em seu apogeu absorveu

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano Pedagogia Professor Edson Fasano História da Educação O Brasil cresceu isolado do mundo, apenas convivendo com aquele pobre e retrógrado Portugal que não permitiu a criação de um sistema escolar de ensino

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848 IDADE CONTEMPORÂNEA Europa do século XIX O século XIX apresentou, na Europa, a consolidação dos ideais burgueses liberais e a vitória sobre as forças conservadoras/reacionárias. O avanço das forças produtivas

Leia mais

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR)

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) Resumo GOMES, Érica Dias 1 - UNICENTRO Grupo de Trabalho Formação de professores e profissionalização

Leia mais

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain.

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain. 1 A liberdade sindical como direito humano pela Declaração Universal dos Direitos do Homem da ONU e direito fundamental pela OIT a partir da visão de Jacques Maritain em suas obras Os direitos do homem

Leia mais