Os jovens da América Latina e o futuro da classe média emergente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os jovens da América Latina e o futuro da classe média emergente"

Transcrição

1 Os jovens da América Latina e o futuro da classe média emergente O panorama econômico e os sonhos da juventude Ter dobrado o PIB em apenas cinco anos ( ), saltando dos dois trilhões para quatro trilhões de dólares enquanto sua população cresceu menos de 6% no mesmo período, causou bem mais efeitos positivos do que o crescimento de 85% na renda per capita dos 540 milhões de latino-americanos. O mundo voltou a olhar-nos com algum interesse. As grandes corporações empresariais nos perceberam quando seus mercados tradicionais nem mais crescimento orgânico permitiam salvo em caso de bolhas localizadas como no mercado imobiliário por conta de populações estáveis ou em declínio. A euforia do presente, já ameaçada pelos efeitos que sofreremos com a crise financeira atual, sucedeu a um período que foi além de uma década perdida. Desde meados dos anos 1980 a região padece de recorrentes crises políticas e explosões inflacionárias seguidas de planos de estabilização pouco sustentáveis. Na última parte deste triste ciclo, entre 2000 e 2004, o PIB da região manteve-se estagnado na casa dos dois trilhões de dólares o que, em termos per capita, significou uma ampliação da precariedade e da pobreza mas também ensinou-nos valiosas lições. A forte contração da liquidez mundial em 2001 afetou fortemente o México, mas também o Brasil e a Colômbia, que apresentaram crescimentos medíocres e colapsou as economias da Argentina, do Uruguai e da Venezuela que experimentaram quedas brutais do produto pelos dois anos seguintes. O PIB per capita da região caiu de US$4,100 em 2000 para US$3,500 em 2003, só voltando ao patamar de US$ 4 mil no final de Segundo o Banco Mundial e o FMI, o PIB per capita da região deverá findar 2008 em US$7,400. Parte importante dos nossos jovens melhor educados já se acostumava com a idéia de que a busca por um futuro promissor passava inescapavelmente por algum aeroporto internacional. Estados Unidos, Canadá e países de onde haviam emigrado seus antepassados como Espanha, Portugal, Itália e Japão, ou em outras economias ascendentes como Inglaterra e Irlanda, receberam levas de jovens adultos latino-americanos que depois vieram a contribuir com as

2 contas externas de seus países com remessas de dinheiro que faziam para os parentes que ficaram. A crise atual vem fazendo com que esses hoje maduros migrantes latinos se vejam no dilema entre insistir em tentar a vida onde estão ou retornar para seus países de origem. O retorno dos latino-americanos que saíram poderá ser um dos efeitos positivos da crise financeira que sacode o planeta e cujo epicentro está nos países ricos. Os ganhos de cultura abrem horizontes e promovem a criatividade e, dado o conhecimento de uma língua estrangeira, poderá prover as empresas locais de mais profissionais capazes de atuar no mercado global. Hoje, no Brasil, na Argentina, no Chile e em menor medida também no México, os jovens adultos também migram. Mas a migração agora é para as cidades do interior por conta do boom agrícola e do desenvolvimento do agronegócio e da industrialização de regiões distantes das grandes capitais. Não existe a menor chance de um retrocesso no processo de urbanização massiva que aconteceu em toda a região a partir da década de No entanto, o fenômeno atual da desconcentração das capitais em favor de cidades do interior abre uma nova janela de oportunidade que permite alongar o horizonte de esperança para os jovens de hoje e do futuro da América Latina. A redução das taxas de crescimento da população, a desconcentração populacional nas grandes cidades, o crescimento da oferta de empregos nas cidades do interior jogam a favor do futuro dos nossos jovens e tendem a repercutir também positivamente na diminuição da violência endêmica que vem dizimando e envolvendo com a criminalidade levas de jovens em toda a região. A violência: desafio a ser superado A violência, principalmente representada pelo narcotráfico e pelos homicídios com armas de fogo, ainda é o mais chocante aspecto relacionado à região e principalmente a seus jovens. A população jovem, principalmente a masculina, é a que mais mata, a que mais morre e a que mais trafica. Um misto de omissão e incompetência do Estado que não policia ou que faz de seus agentes públicos de segurança feras selvagens que só respondem a agressão com maior violência explicam esta nota ainda muito ruim. Exemplos de boas políticas em Bogotá e São Paulo mostram que ao contrário do que defendem os bem-intencionados teóricos sociais, políticas de redução dos assassinatos com base na inteligência policial e estratégias sinérgicas podem gerar sucesso sem que os graves problemas sociais, como a desigualdade e a falta de qualidade da educação, tenham sido resolvidos antes. O narcotráfico, câncer social cuja metástase se espalha 2

3 pela região em forma de assassinatos, coerção, corrupção policial, seqüestros e outros crime, merece ser abordado com uma medidas mais ousadas. Uma alternativas que pode ser considerada é uma liberalização provisória da venda e do consumo de entorpecentes sob controle e monopólio do Estado, devendo os adictos aceitarem se inscrever em programas de tratamento. Tal medida deveria ser necessariamente acompanhada de ações de inclusão para adolescentes e jovens envolvidos com o crime que, anistiados, aderissem a programas de formação e profissionalização, preferencialmente nas regiões afastadas dos centros urbanos mais violentos e nas cidades cujas economias estão emergindo mais rapidamente. O reconhecimento da relevância e da força das lideranças religiosas, principalmente evangélicas, nas regiões mais violentas das periferias das grandes cidades poderia produzir medidas e instrumentos eficazes para a redução da violência endêmica e do descaminho de nossos jovens. As oportunidades demográficas e econômicas e os desafios no meio-ambiente e na educação As severas restrições ambientais sobretudo de energia e de água que ameaçam colapsar o crescimento de grandes países de economia emergente como a Índia e a China, não são tão iminentes nos países da América do Sul ou Central. No entanto, a preservação da floresta da região amazônica, com sua fundamental capacidade de equilibrar o ciclo de chuvas e as temperaturas nas regiões super-produtoras agrícolas do Centro Oeste e Sudeste do Brasil e nos outros países produtores de bens agrícolas da América do Sul como Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Chile e Peru, mostra o quanto nossa sorte futura também depende de nossa capacidade de gerir o meio-ambiente no presente. Nossos jovens precisam ter uma consciência plena desses fatos para exercerem pressão política em favor das medidas de monitoramento e rigoroso controle das áreas florestais e de nossas bacias hidrográficas. A felicidade futura dos jovens latino-americanos e de seus filhos depende em muito dos resultados das pressões que fazemos hoje. A história recente tem evidenciado a nós latino-americanos que populismo político e econômico e irresponsabilidade fiscal e monetária empurram as economias nacionais e seus povos para o abismo. Começamos a perceber agora que também a negligência com a infra-estrutura em especial a educação, a energia e o transporte e também com o meio ambiente poderá nos fazer abdicar daquela que talvez seja a melhor janela de oportunidades para nossa região minando a 3

4 chance de criar mais e melhores oportunidades para nossos filhos e netos viverem num lugar com mais qualidade de vida e riqueza. A educação vem tomando um lugar central na maior parte dos países latino-americanos. Antes puxado apenas pelo Chile e pela Costa Rica, vemos agora que nações maiores como a Argentina, o Brasil, o México e o Peru começam a tratar seriamente sobre reformas no seu sistema de ensino público. A prova disto é a crescente adesão para participação de países da região nos exames internacionais de avaliação dos estudantes, como o PISA, da OCDE. Os resultados sofríveis apresentados têm ajudado a mobilizar a classe política e as lideranças cívicas para enfrentar as barreiras institucionais, os baixos investimentos e a forte pressão política exercida pelos poderosos sindicatos dos professores contra as reformas indispensáveis. Nossos jovens, a despeito dos baixos níveis da qualidade no ensino, são consumidores e usuários acostumados e ávidos por tecnologia. O telefone celular, que a cada ano vem se configurando como o verdadeiro computador popular pelo incremento de capacidade, oferta de recursos como acesso à banda larga e facilidades como a edição e leitura de textos, já está presente nas mãos de 68 em cada 100 latino-americanos. O número total de celulares em operação na região, pouco menos de 370 milhões, para os cerca de 540 milhões de habitantes, deve apresentar uma densidade acima dos 90% para a população jovem caso as estatísticas permitissem um recorte como esse. A habilidade no uso dessa ferramenta e sua incorporação aos esforços governamentais de melhoria da educação precisam ganhar mais atenção dos líderes latinoamericanos. No entanto, após a universalização do ensino na maior parte dos países, a grave falta de qualidade no ensino público ameaça limitar os horizontes de nossos jovens frente a economia do conhecimento que emerge. Mesmo países desenvolvidos já sofrem com a carência de professores de matemática e ciências. Nos países latino-americanos esta falta fica ainda mais grave porque se por um lado os baixos salários oferecidos pelas redes públicas de ensino não atraem estudantes para essas licenciaturas, por outro, o próprio crescimento econômico da região faz com que os já poucos profissionais formados nessas áreas acabem migrando para cargos melhor remunerados nas empresas privadas. A situação é paradoxal: nosso crescimento econômico presente ameaça a formação de capital humano para o futuro. No Brasil, um estudo minucioso recente mostrou que o país já apresenta um déficit de mais de 250 mil professores no Ensino Fundamental e, principalmente contra os jovens de agora, do Ensino Médio. 4

5 Com base nos dados do censo universitário do país, a pesquisa constatou que além do problema se agravar muito nos próximos anos com o número de professores se aposentando superando muito os que iniciam na carreira do magistério, especialmente em áreas como Matemática, Física e Química, onde além da evasão dos cursos ser enorme, com respectivamente 56%, 75% e 65%, o número de novos universitários cai a cada ano. i Uma das causas do problema é o conceito de isonomia salarial que no Brasil impede que o Estado, empregador de mão-de-obra, em resposta as leis naturais do mercado, ofereça maiores salários para professores das áreas em que eles são mais necessários, sem com isso ter de pagar o mesmo para todos os demais. Nossos políticos começam a se orgulhar por oferecer aos alunos uma miríade de disciplinas que supostamente os ensina a pensar melhor e mais criticamente como Filosofia e Sociologia. Além dessas, já oferecidas por força legal, congressistas regularmente apresentam propostas de lei para a inclusão de matérias como Direito Constitucional, Educação Alimentar, Direitos da Mulher, Segurança Pública e outras, conforme seus próprios interesses ou para fazer proselitismo barato. Tal postura, além de irreal porque forçaria os alunos a permanecerem pelo dobro ou triplo do tempo em aula ou a deixarem de receber aulas em disciplinas fundamentais como língua nacional e literatura, matemática e ciências, representa hoje mais uma barreira contra as melhorias na capacidade das escolas e professores ensinarem e dos alunos aprenderem. A expansão do consumo, a busca por mais qualidade de vida e o custo governamental A educação de menos já vem apresentando um problema que encurta as possibilidades de sucesso das novas classes médias da América Latina. Nos economias da região cujo PIB vem crescendo puxado sobretudo pelo aumento do consumo interno, percebe-se um processo de super endividamento das famílias e dos jovens com cartões de crédito e de lojas de departamento, com concessionárias de serviços de telefonia, água e luz e na aquisição de motos e carros. O conceito de classe média aceito pelas empresas de pesquisa de mercado é derivado de um sistema de pontuação que considera a escolaridade do chefe da família, a posse de determinados bens, o perfil do imóvel de residência e dos serviços que consomem. Do ponto de visto do potencial de consumo, tal critério faz todo o sentido. No entanto, excetuando-se a escolaridade do chefe, todos os demais atributos parecem demonstrar enorme vulnerabilidade a riscos bastante plausíveis como o desemprego e doença grave dos principais provedores de renda da casa. Uma família morando de aluguel numa casa com dois banheiros, 5

6 carro financiado na garagem, um televisor LCD com apenas parte das 24 prestações pagas e uma nova geladeira duplex não preservará nenhum sentimento de pertencimento à classe média caso o principal provedor de renda se veja desempregado ou acometido de alguma doença que o afaste do trabalho por um tempo mais longo. Pelo contrário, além de não conseguir honrar seus compromissos, essas famílias sofrerão muito para fazer frente às despesas adicionais com manutenção, gasolina, seguro e impostos do carro e maiores gastos com energia elétrica. Para mim, classe média deve ter alguma referência com estabilidade, segurança, seguridade social e acesso a serviços que as classes médias emergentes ainda não possuem na América Latina. No Brasil, mesmo com a importante urbanização e melhorias dos espaços residenciais das periferias, melhorias do transporte, oferta de vagas nas escolas e abertura de novos hospitais e postos de saúde, a qualidade desses serviços é baixíssima a despeito do Estado brasileiro arrecadar 37,4% do PIB em taxas e impostos, proporção muito além dos 20% do México e 18% do Chile mas não tão abaixo de países caracterizados como líderes em bem-estar social (welfare state), como Bélgica (45,5%), França (44%), Alemanha (39%) e Holanda (38%), e acima do Reino Unido (37%), Nova Zelândia (36,6%) e Espanha (35,6%), todos com parcela maior de população idosa e dependente. O exemplo do Brasil é emblemático. No país o seguro-desemprego está limitado a pouco mais de 290 euros mensais e por até cinco meses; os pobres sonham em poder contratar um plano privado de saúde e a colocar os filhos em escolas particulares para poder fugir do fraco serviço público oferecido pelo Estado. Na média os alimentos vendidos no varejo brasileiro carregam uma carga tributária de quase o dobro dos países industrializados. Os impostos diretos sobre o macarrão, por exemplo, chegam a 25% e a população com renda de até dois salários mínimos (cerca de 310 Euros) arcam com mais 9,8% em impostos indiretos sobre gêneros alimentícios. Impostos diretos e bi-tributação sobre serviços como eletricidade e telefonia chegam a 40% transformando os Estados brasileiros em viciados e ultra-dependentes dos impostos sobre o consumo em detrimento dos impostos sobre o patrimônio e a renda, como acontece nos países desenvolvidos. Assim como em outras partes da América Latina, o Governo social-democrata de Fernando Henrique Cardoso, foi xingado de neoliberal porque privatizou grandes estatais, aprovou leis de responsabilidade fiscal dos governos e porque deu prosseguimento à política de abertura comercial. Paradoxalmente foi este governo quem elevou em quase a metade a carga tributária que subiu de 26% do PIB na primeira metade dos anos 1990 para 35% quando Cardoso 6

7 passou a Presidência para Luiz Inácio Lula da Silva, no início de Talvez a grande cartada perdida pelo neoliberal governo FHC tenha sido a não popularização do mercado de capitais quando do processo de privatização. A pulverização do capital das ex-estatais entre trabalhadores detentores de direitos em fundos compulsórios geridos pelo Estado ou por aposentados pelo sistema público de previdência poderia ter feito do Brasil um dos lugares do mundo onde a compreensão sobre a boa gestão privada e a produtividade do capital melhor seriam compreendidas. No Brasil e na América Latina, os papéis ideológicos muito comumente se invertem com líderes socialistas e comunistas defendendo seus próprios interesses em nome do país, do partido ou de experimentos de alguma utopia revolucionária e onde notórios capitalistas procuram disputar os espaços no poder político para defender protecionismo comercial e reserva de mercado, desvalorização cambial artificial, e empréstimos a juros subsidiados pelos bancos de desenvolvimento estatais. A carga fiscal para os jovens brasileiros é ainda mais injusta. Como um terço da arrecadação vai para o sistema de aposentadoria, que é de repartição, e a Previdência brasileira gera déficits anuais da ordem de 15 bilhões de euros, com o envelhecimento da população será inevitável o surgimento de um conflito de gerações. As pessoas com mais de 60 anos que no Brasil representam hoje cerca de 9% da população, chegarão aos 17% entre 20 e 25 anos, invertendo perigosamente a relação entre o número de contribuintes e o de recebedores dos benefícios. A bandeira da reforma da previdência deveria ser adotada integralmente pelas esquerdas da região para coerência de seus argumentos em favor de justiça social e contra a desigualdade de renda e das oportunidades. O déficit previdenciário no Brasil agrava a situação fiscal e dificulta a redução da dívida pública obrigando ao pagamento dos juros pelos títulos públicos que consomem outros 5% do PIB todos os anos. A importância da democracia e da boa gestão econômica O seguido crescimento econômico mundial com o surgimento da China como potência econômica altamente demandante de commodities produzidas na região, o ciclo de juros baixos nos EUA e a desregulamentação crescente da indústria bancária que provocou um aumento inédito na liquidez financeira internacional, permitiram um novo impulso nas economias latinoamericanas nos anos recentes. Porém, pela importância didática e histórica para nossos líderes futuros, é fundamental que destaquemos os méritos próprios das nações da região para os 7

8 sucessos verificados. São bons exemplos a estabilidade política e a consolidação da democracia com a troca tranqüila do poder entre partidos antagônicos no Brasil e no México. O pragmatismo econômico representado por maior rigor fiscal, pela adoção de taxas flutuantes de câmbio e pela abertura comercial contribuíram para debelar a inflação e modernizar as economias. Em 2007 as estatísticas oficiais mostraram que quatro países da América Latina apresentaram inflação acima de 10%: Bolívia (11,7%), Costa Rica (10,8%), Nicarágua (16,9%) e a campeã, a Venezuela (22,5%). Desconfianças sobre os índices oficiais argentinos dão conta de que o país seria um quinto membro deste triste grupo. Estimativas de abril do FMI para 2008 apontavam que apenas a Bolívia (16%) e a Venezuela (29%), dois produtores de energia da região, permaneceriam com inflação acima de 10%, trazendo logo atrás a Argentina e Nicarágua, com inflação estimada na casa dos 9%. A Economist Inteligence Unit aponta que em 2008 a inflação da Argentina poderá ser ainda mais elevada e a da Venezuela poderá chegar aos 34%. O fim da inflação crônica nos países mais sérios da América Latina marca um duro golpe no populismo econômico do passado. Os pobres agora se antecipam aos teóricos econômicos que apontavam o quanto eram os menos favorecidos os que mais sofriam com a instabilidade monetária. As incertezas políticas na Venezuela parecem ser ao mesmo tempo filhas e mãe da inflação. O país não tem conseguido inflação anual menor que 12,3% (2001), e vem sofrendo com picos de 31,2% em 2002, 27,1% em Na década de 2000, o ano que se caracterizou como mais inflacionário entre os países da região foi 2002 quando seis nações latino-americanas apresentaram inflação de mais de 10%, com a Argentina liderando com 41%, no apogeu do esfacelamento de sua economia, o Brasil (12,5%) com as desconfianças surgidas com o novo governo do PT e a mudança da política cambial e a crise internacional do ano anterior cobrando seu preço, o Paraguai (15%) e o Uruguai (26%) contaminados pelos desajustes de seus dois vizinhos maiores Argentina e Brasil. Ainda se destacam a República Dominicana (10,5%) que viu os preços explodirem ainda mais no ano seguinte (43%), e a contumaz Venezuela. No período de nove anos entre 2000 e 2008 o país com a moeda mais estável foi o Peru onde a inflação jamais superou os 7%. Em seguida aparecem o Panamá com inflação entre 7% e 10% acontecendo apenas duas vezes, e o Chile, três vezes. A ênfase para ao problema inflacionário é importante porque os jovens dos últimos anos do século 20, hoje os adultos atuantes na América Latina sofriam com inflações crônicas mais corrosivas que impunha a todos estratégias de sobrevivência e adaptação que solapavam os 8

9 pilares da economia nacional. Inflação elevada comumente conduzia ao oportunismo (atraso o pagamento de compromissos assumidos o quanto for possível), ao imediatismo (é melhor ter agora que deixar para depois) e, em economias nacionais com uma forte presença do Estado, também à corrupção dado que a proximidade com o poder ou o tráfico de influência permitiam antecipações lucrativas aos seguidos pacotes econômicos ou a negociata de propinas para a liberação de pagamentos por serviços executados ao Estado. A desconfiança e a esperteza nas relações econômicas ocorriam em detrimento do empreendedorismo e da criatividade que são motores do crescimento saudável das economias nacionais. A atual geração de jovens desconhece o que é viver num país cuja inflação possa superar os 10% ao mês como tantas vezes ocorreu nos anos 1980 e 1990 na América Latina. O empreendedorismo e a melhoria de vida dos não-ricos Um dos males que acabaram vindo para o bem das crises nas economias latino-americanas foi o crescimento do desemprego, sobretudo pela diminuição enorme dos empregos formais a partir dos anos finais da década de 1990 até A inflação caia, mas o emprego evaporava forçando as pessoas a se transformarem em empreendedoras de todo o tipo. Em países como o Brasil, a Argentina, o Peru e o México e outras nações menores, os bairros periféricos viram brotar salões de estética, pequenos mercados e bares, petshops e lojas de material de construção. Houve uma proliferação enorme dos vendedores ambulantes, porta-a-porta ou em vias com aglomerados de pessoas oferecendo alimentos, cosméticos, materiais de limpeza e utilidades domésticas e muitos outros. Grupos varejistas que mais rapidamente captaram a pujança econômica dessas regiões desenvolveram lojas ou estratégias de distribuição que renderam muitos lucros e a citação em case studies de escolas de administração importantes de países desenvolvidos. Os denunciadores de plantão acusaram que aquele crescimento rápido do consumo decorria das políticas de renda governamental e, portanto, eram eleitoreiras, estimulavam o ócio e não se sustentariam no longoprazo. Acertaram apenas em parte. O aumento do consumo no pobre Nordeste do Brasil foi de fato muito estimulado pelas políticas de renda governamentais, no entanto um crescimento da renda já vinha acontecendo na região em parte pela guerra fiscal que levou para os Estados nordestinos inúmeras empresas de porte que antes produziam no mais rico Sul/Sudeste. Nas demais regiões brasileiras, o motor do crescimento era abastecido pela melhoria das condições econômicas pela estabilidade da moeda após o Plano Real e pela modernização e aumento da 9

10 produtividade das industrias e das empresas agrícolas, além do já falado crescimento do empreendedorismo popular nas periferias das cidades. Mesmo que cresça entre 3,5% e 5% ao ano, uma taxa mais modesta que aquelas previstas para seus vizinhos, o Brasil tende a exercer maior atração de investimentos e de levas migratórias de jovens latino-americanos. Sua economia e sua estrutura industrial parte de uma base já mais dinâmica que agora vê seu potencial revigorado em função das novas descobertas petrolíferas e de gás em sua costa marítima. O perfil e a origem dos migrantes que o Brasil deverá atrair são variados e dependerá da qualidade da gestão dos líderes dos países vizinhos. Tanto poderão ser técnicos bem formados para assumir função na cadeia industrial emergente em torno do setor de energia quanto de herdeiros da miséria, provenientes de países cujos governantes insistam no populismo e na fuga da realidade. O contraste regional com o maior sucesso de uma nação em relação a outra poderá limitar o espaço e o tempo de vida pública dos maus líderes. Nesse sentido, a maior preocupação é que o Brasil não relaxe em função da sorte com seus recursos naturais e, com isso, deixe de cumprir com seu papel de liderança comprometida com o futuro, queimando agora os ainda incertos benefícios das novas riquezas. Os jovens de toda a região serão os mais beneficiados por políticas previdentes na Economia, no meio-ambiente e nos investimentos em educação e infra-estrutura. Esperança e a educação como meio de mobilidade social Mesmo que a crise financeira atual prossiga reduzindo os preços das commodities da região e diminua o nível de crescimento econômico das economias da América Latina pela redução da liquidez financeira e da demanda, nosso potencial econômico continuará elevado se fizermos as escolhas certas. Se bem educados e estimulados, nossos jovens de hoje constituirão a nossa classe média do futuro que manejará a oferta para o mundo de alimentos, água e energia e capacidade de gestão. Meu otimismo para com a região e para com nossos jovens decorre de um dado pouco mencionado para relevante acerca de uma cidade como São Paulo e de seus 10 milhões de habitantes: todos os dias três milhões de pessoas saem de casa ou do trabalho rumo a salas de aulas em escolas de ensino infantil, básico, médio, universitário ou de programas de educação de jovens e adultos. Outros milhares cujas estatísticas recentes não estão disponíveis fazem o mesmo para mestrados e doutorados ou para cursos noturnos de especialização e pósgraduação nas 150 instituições de ensino superior da cidades ou uma das dezenas de escolas de 10

11 MBA profissional, apesar da reconhecida deficiência do ensino recebido, ou justamente por causa desta deficiência. Tantos esforços pessoais só podem resultar em bons frutos futuros. São Paulo-SP / Brasil, 29 de outubro de Nilson Vieira Oliveira, coordenador e pesquisador Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Referências: Asociándose a la juventud para construir el futuro (A. A. Thompson - W.K. Kellogg Foundation, 2006) e os sites www4.bcb.gov.br/pec/conversao/resultado.asp?idpai=convmoeda; e i - Escassez de professores no Ensino Médio: Propostas estruturais e emergenciais (maio/2007). 11

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA

POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA ESTADO, TRIBUTAÇÃO E SEGURIDADE SOCIAL POLÍTICA TRIBUTÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA Marcelo Lettieri (marlettieri@gmail.com) OVERVIEW Tributação e Distribuição de Renda Modelo Tributário - Tendência histórica

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Nacional e internacional

Nacional e internacional Nacional e internacional Crise de 2008 Explosão do mercado imobiliário nos EUA (subprime) Colapso no sistema econômico mundial Quebradeira de bancos e grandes empresas Queda vertiginosa nas taxas de lucratividade

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo A grande janela de oportunidades (O Brasil decola) A grande janela de oportunidades Linha do tempo das conquistas

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 A educação que movimenta o desenvolvimento Natalino Salgado Filho O ano de 2011 encerra com uma notícia que, aparentemente, parece muito alvissareira para o Brasil. O país ultrapassou a Grã Bretanha

Leia mais

ÉTICA NAS EMPRESAS EM UM MUNDO GLOBALIZADO ROBERTO VERTAMATTI

ÉTICA NAS EMPRESAS EM UM MUNDO GLOBALIZADO ROBERTO VERTAMATTI 16:30-18:00 ÉTICA NAS EMPRESAS EM UM MUNDO GLOBALIZADO PALESTRANTE: ROBERTO VERTAMATTI PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

A União Européia e o Euro

A União Européia e o Euro A União Européia e o Euro Crise na Grécia, Situações na Irlanda, em Portugal, Espanha e Itália Senado Federal Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional Audiência Pública - 12 de setembro de 2011

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

2015: um ano de desafios e oportunidades

2015: um ano de desafios e oportunidades 2015: um ano de desafios e oportunidades Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista Econômico da Rádio Bandeirantes São Paulo 25/02/2015 Adeus grau de

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO

O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO Participação no Desenvolvimento Econômico Social Brasileiro Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos

Leia mais

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31 CORREÇÃO TAREFAS Aulas 1 4 Pág. 24-31 Paginas 24 e 25 1. a) População absoluta é a população total de um determinado local. b) População relativa é a densidade demográfica, ou seja, média de habitantes

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Brasil, passado e presente em perspectiva E o que esperar para os próximos anos?

Brasil, passado e presente em perspectiva E o que esperar para os próximos anos? Brasil, passado e presente em perspectiva E o que esperar para os próximos anos? Sinduscon 23 de abril de 2014 A nossa conversa de hoje Brasil nos anos recentes Aspectos de desenvolvimento A primeira década

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento 1. É com grande satisfação que participo, em nome do Presidente

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO Nali de Jesus de Souza Esse livro do Banco Mundial (São Paulo, Editora Futura, 2003), supervisionado por

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XII - Número 121-30 de setembro de 2015 Melhora dos fundamentos macroeconômicos protege países latino-americanos de repetir crise de mesma intensidade da década de 80 Felipe

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade (sem desligar as luzes) UMA PESQUISA SOBRE A PRODUTIVIDADE ENERGÉTICA NAS AMERICAS CONTINUE POR FAVOR 6 1,9 1 0,1 4 3 14 4 8 O Futuro Sem Eficiência Uma maneira

Leia mais

Espanha, Alemanha e Reino Unido também são usados como pontos de trânsito para precursores destinados à região. Pág. 85 Recentemente, vários países

Espanha, Alemanha e Reino Unido também são usados como pontos de trânsito para precursores destinados à região. Pág. 85 Recentemente, vários países Referências ao Brasil e ao Cone Sul Relatos da fabricação de ATS também surgiram em países da América Central e da América do Sul. Seis laboratórios ilícitos de ATS foram relatados apreendidos em 2009.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015?

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista econômico da Rádio Bandeirantes Atibaia 17/05/2014 Qual

Leia mais

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o Não Pagamento da Dívida Pública O endividamento público vem pautando a vida do povo brasileiro sob diversas formas, especialmente a partir da

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge 'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge José Gabriel Palma Veja, 16.1.2016, entrevista a Luís Lima Gabriel Palma, professor da universidade britânica, afirma que latino-

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO DO. Prof:krisnamurth

INDUSTRIALIZAÇÃO DO. Prof:krisnamurth INDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL Prof:krisnamurth / BRASIL, PAÍS EMERGENTE PAÍS INDUSTRIALIZADO, PAÍS DE INDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA, PAÍS RICO, MAS DEPENDENTE, PAÍS DESIGUAL, PAÍS DE EXTREMOS NATURAIS E SOCIAIS...

Leia mais

CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS NO BRASIL NOS ÚLTIMOS 10 ANOS

CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS NO BRASIL NOS ÚLTIMOS 10 ANOS CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS NO BRASIL NOS ÚLTIMOS 10 ANOS Iervolino, Fernando 1 RESUMO Nos últimos dez anos a indústria automobilística no Brasil passou por um período de forte

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

O CENÁRIO ECONÔMICO EM 2015

O CENÁRIO ECONÔMICO EM 2015 O CENÁRIO ECONÔMICO EM 2015 Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista Econômico da Rádio Bandeirantes São Paulo 11/11/2014 Qual é o verdadeiro Brasil?

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

Endividamento, ajustamento e responsabilidade fiscal: a experiência brasileira e considerações sobre a crise européia

Endividamento, ajustamento e responsabilidade fiscal: a experiência brasileira e considerações sobre a crise européia Endividamento, ajustamento e responsabilidade fiscal: a experiência brasileira e considerações sobre a crise européia Lisboa, 15 de Abril de 2013 Murilo Portugal Presidente da FEBRABAN Visão Geral - Brasil

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

3 Reformas Previdenciárias

3 Reformas Previdenciárias 3 Reformas Previdenciárias O tema reforma da previdência não é importante somente no Brasil. Vários países já implantaram mudanças em seus sistemas ou pretendem fazê-lo. Esta se faz necessária devido às

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Nova divisão de classes dos brasileiros

Nova divisão de classes dos brasileiros 1 Olá amigo, Meu nome é Isaac Martins, sou professor e fundador do Instituto Isaac Martins, empresa de consultoria e treinamento que atua na área comercial com foco em televendas. Conheça um pouco mais

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros

Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ desnacionalização bancária No final

Leia mais

Economia Política da Violência em Alagoas

Economia Política da Violência em Alagoas Economia Política da Violência em Alagoas Fábio Guedes Gomes 1 "O sentimento de que as pessoas vivem com medo de serem assassinadas é um exagero muito grande. Existe situação terrível nas favelas, mas

Leia mais

Educação, Inovação e Competitividade. Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008

Educação, Inovação e Competitividade. Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008 Educação, Inovação e Competitividade Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008 Origem do estudo Por que alguns países têm excelente desempenho e outros têm fraco desempenho

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Programas de transferência de renda e combate à exclusão social H33, H40 2 Discriminação e

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo Fichamento Texto: O Terceiro Mundo I Descolonização e a revolução transformaram o mapa politico do globo. Consequência de uma espantosa explosão demográfica no mundo dependente da 2º Guerra Mundial, que

Leia mais

Perspectiva de crescimento para América Latina Paulo Funchal

Perspectiva de crescimento para América Latina Paulo Funchal Perspectiva de crescimento para América Latina Paulo Funchal Foco na América Latina Grant Thornton International Business Report (IBR) Grant Thornton Global Dynamism Index (GDI) The Economist Intelligence

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc Mercadante_ANEXOS.indd 225 10/4/2006 12:00:02 Mercadante_ANEXOS.indd 226 10/4/2006 12:00:02 QUADRO COMPARATIVO POLÍTICA EXTERNA Fortalecimento e expansão

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO As remessas de dinheiro dos trabalhadores migrantes se tornaram a principal fonte de financiamento para os países em desenvolvimento e são especialmente importantes na América Latina e

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

Quero um empréstimo É uma ordem!

Quero um empréstimo É uma ordem! Quero um empréstimo É uma ordem! 2 de abril de 2014 Por Jesus Gonzalez-Garcia e Francesco Grigoli A participação estatal em bancos ainda é comum no mundo todo, apesar do grande número de privatizações

Leia mais

BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP

BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008 Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP O CRESCIMENTO DE LONGO PRAZO BRASIL: 1850-2008 10 9 FIM DA SUBST DE IMPORT 8 7 CRISE JANGO- RETOMADA? 6 5 4 ANOS 30 3 2 APOGEU

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais