Fig.4. Rapidez de acção 2 a 6 horas após o contacto com o produto, as lagartas deixam de se alimentar, parando de provocar prejuízos na cultura.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fig.4. Rapidez de acção 2 a 6 horas após o contacto com o produto, as lagartas deixam de se alimentar, parando de provocar prejuízos na cultura."

Transcrição

1 Tuta absoluta A Tuta absoluta é um lepidóptero originário da América do Sul e foi detectada na Península Ibérica em Esta praga apresenta um enorme potencial reprodutivo, capaz de causar estragos avultados em algumas culturas hortícolas, destacando-se a do tomate (produzido tanto em estufa como ao ar livre). As fêmeas são em maior número que os machos e vivem, geralmente, mais tempo. Cada fêmea põe cerca de 260 ovos, principalmente nas folhas, mas pode também efectuar posturas nos caules e frutos. As larvas (fig.2) passam por quatro estádios durante os quais mudam o seu exoesqueleto e crescem, abrindo galerias cada vez maiores. Em cada galeria existe sempre um orifício de entrada e um de saída. As larvas podem sair da galeria várias vezes, voltando a introduzir-se na folha numa localização diferente. Cada larva escava uma galeria e é possível observarem-se várias galerias na mesma folha. Alimentam-se do mesófilo, deixando a epiderme intacta. As larvas deixam-se cair no solo, onde pupam debaixo de folhas caídas ou de uma pequena camada de terra; pode também acontecer que pupem na folha ou mesmo no interior da galeria. A praga pode ter 10 a 12 gerações por ano. Fig.1 Fig.2 A Tuta absoluta é extremamente rápida na colonização das culturas que ataca, nomeadamente devido aos seguintes factores: longevidade das fêmeas relativamente longa, deslocação aproveitando as correntes de ar, elevado número de hospedeiros disponíveis, possui um rápido ciclo biológico que se alia a uma elevada taxa de multiplicação. Por todos os motivos apontados anteriormente, e pelas características que a praga apresenta, é de uma importância vital que, para além das medidas culturais e preventivas que possam ser tomadas para dificultar a instalação e propagação das pragas nas culturas, se controlem as populações com insecticidas eficazes e homologados para o efeito.

2 STEWARD * Steward é um insecticida contendo grânulos dispersíveis em água (WG) com 30% de indoxacarbe. O indoxacarbe é uma substância activa com características inovadoras. Após penetrar no interior das lagartas é bio activado pelas enzimas das espécies sensíveis, transformando-se num eficaz insecticida (fig.3). Fig.3 O indoxacarbe activo inibe a entrada de iões de sódio nas células nervosas dos insectos (fig.4), provocando a paralisia dos insectos e, consequentemente, a sua morte.

3 Fig.4 Modo de Acção do Steward Steward actua essencialmente por contacto e ingestão. Steward é sobretudo um larvicida, mas apresenta uma reconhecida acção ovicida. Na concentração recomendada, Steward tem um alto nível de eficácia quer sobre larvas jovens, quer sobre lagartas mais desenvolvidas. A acção de Steward é independente da temperatura. Steward fixa-se na cutícula das plantas, resistindo bem à lavagem pela chuva. Steward não apresenta resistência cruzada com outros insecticidas existentes actualmente, sendo uma excelente opção para incluir em esquemas de tratamento para prevenção de fenómenos de resistência. Eficácia Pelas suas características: modo de acção, efeito anti-alimentação, acção larvicida e também ovicida, sem resistência cruzada com outros insecticidas, eficácia independente do estádio de desenvolvimento larvar e independente da temperatura, Steward garante altos níveis de eficácia. Rapidez de acção 2 a 6 horas após o contacto com o produto, as lagartas deixam de se alimentar, parando de provocar prejuízos na cultura.

4 Respeita a fauna auxiliar Como apenas os lepidópteros, alguns homópteros e coleópteros têm a capacidade de bio activar o indoxacarbe, a sua acção sobre outros insectos é reduzida. Steward é classificado como neutro ou pouco tóxico para todos os grandes grupos de auxiliares. É, por isso, um produto recomendado em Protecção Integrada. Seguro para os consumidores Quando utilizado de acordo com as recomendações do rótulo, os níveis de resíduos nos frutos são baixos, o que se traduz no estabelecimento de intervalos de segurança curtos. No caso da utilização de Steward para controlo da Tuta absoluta em tomate, a aplicação deve ser feita aquando da eclosão dos ovos / aparecimento das primeiras larvas. Em caso de forte infestação, ou surgimento de novas infestações, deve repetir-se o tratamento com intervalos de 10 a 14 dias, podendo efectuar-se 4 tratamentos por ciclo cultural. A dose de Steward a aplicar são 125 g/ha e o intervalo de segurança são 3 dias. No caminho da protecção das culturas e no combate a pragas com as características da Tuta absoluta, todas as ferramentas são úteis. A Sapec Agro comercializa um outro insecticida, o Lannate L, apenas homologado para aplicação em tomateiro ao ar livre e que, para além da Tuta absoluta, controla também a lagarta do tomate, mosca branca e larva mineira. LANNATE L * Lannate L é um insecticida sistémico, cuja formulação é uma solução concentrada com 200 g/l de metomil. O metomil é uma substância activa pertencente ao grupo químico dos carbamatos. Lannate L actua por contacto e ingestão ao nível do sistema nervoso dos insectos, através da inibição da acetilcolinesterase.

5 Lannate L possui um forte efeito de choque (os insectos morrem alguns minutos após a sua aplicação) e uma boa persistência de acção. A sua acção sistémica permite-lhe controlar os insectos não atingidos directamente pela pulverização. Devido à sua sistemia, Lannate L apresenta muito boa resistência à lavagem pela chuva. Modo de Acção de Lannate L Lannate L tem acção ovicida, larvicida e adulticida. Combate as pragas em todas as fases de desenvolvimento; deve ser aplicado no início do ataque. Nas aplicações para controlo de lagarta do tomate e Tuta absoluta, é importante realizar o tratamento antes das lagartas penetrarem no interior dos frutos. Lannate L tem-se mostrado eficaz no controlo de pragas resistentes a insecticidas de outros grupos químicos. Este insecticida é, a par com o Steward, uma óptima solução para incluir num esquema de tratamentos que vise a prevenção de resistências. Em tomateiro ao ar livre, a dose de aplicação é de 1,25 L/ha e o intervalo de segurança é de 7 dias. *Os insecticidas Steward e Lannate L são produtos DuPont.

DOSSIER SOBRE A PROCESSIONÁRIA. O que é a Processionária? Lagarta do Pinheiro (Lagartas Processionárias)

DOSSIER SOBRE A PROCESSIONÁRIA. O que é a Processionária? Lagarta do Pinheiro (Lagartas Processionárias) DOSSIER SOBRE A PROCESSIONÁRIA O que é a Processionária? Lagarta do Pinheiro (Lagartas Processionárias) A lagarta do pinheiro, vulgarmente apelidada de lagarta Processionária - com o nome científico de

Leia mais

A sua defesa pessoal contra as pragas dos pomares

A sua defesa pessoal contra as pragas dos pomares A sua defesa pessoal contra as pragas dos pomares KARATE ZEON é o produto de referência a nível global para o controlo de múltiplas pragas num vasto número de culturas. Em comparação com outros produtos,

Leia mais

Vinha Guia de Tratamentos

Vinha Guia de Tratamentos Vinha Guia de Tratamentos Índice Fungicidas p.2 Insecticidas p.11 Herbicidas p.15 Nutrientes p.17 Registo de Tratamentos p.19 Programa Fitossanitário p.20 Fungicidas 2 À prova de Míldio Fungicida para

Leia mais

CONTROLO PROLONGADO DE INSECTOS RESISTENTES A PIRETRÓIDES

CONTROLO PROLONGADO DE INSECTOS RESISTENTES A PIRETRÓIDES CONTROLO PROLONGADO DE INSECTOS RESISTENTES A PIRETRÓIDES SYNGENTA E A MALÁRIA Um dos objectivos corporativos da Syngenta tem como finalidade a melhoria da saúde e da qualidade de vida. Acreditamos que

Leia mais

Formulação / Composição

Formulação / Composição FICHA TÉCNICA Insecticida indicado no combate aos afídeos (piolhos) do pessegueiro, macieira, pereira, citrinos, couve de bruxelas, feijoeiro, pepino, alface, batateira, roseiras, craveiros, crisântemos,

Leia mais

DENOMINAÇÃO COMERCIAL FRONTLINE COMBO SPOT-ON GATOS COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

DENOMINAÇÃO COMERCIAL FRONTLINE COMBO SPOT-ON GATOS COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DENOMINAÇÃO COMERCIAL FRONTLINE COMBO SPOT-ON GATOS COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Fipronil... 50,00 mg (S)-metopreno....60,00 mg Butilhidroxianisol...0,10 mg Butilhidroxitolueno...0,05 mg Etanol....39,50

Leia mais

Controlo do bichado. Mais eficaz! Mais rentável!

Controlo do bichado. Mais eficaz! Mais rentável! Controlo do bichado Mais eficaz! Mais rentável! Introdução O Affirm é um novo insecticida de elevada eficácia para o controlo do bichado da macieira e pereira, destinado aos agricultores orientados para

Leia mais

ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO

ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO Reprodução sujeita a autorização ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO Circular nº 07 21. 05. 2012 VINHA Com a subida de temperatura registada nas últimas semanas, as vinhas responderam com francos

Leia mais

PRAGAS FLORESTAIS. Gorgulho-do-eucalipto. Formação. 18 de junho e 11 dezembro. Dina Ribeiro. http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH

PRAGAS FLORESTAIS. Gorgulho-do-eucalipto. Formação. 18 de junho e 11 dezembro. Dina Ribeiro. http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH PRAGAS FLORESTAIS Gorgulho-do-eucalipto http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH http://en.wikipedia.org/wiki/fusarium_circinatum Dina Ribeiro Formação 18 de junho e 11 dezembro 2014 1 O Inseto

Leia mais

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha COMPOSIÇÃO: Novalurom 100 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Benzoilureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável (EC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: O RIMON

Leia mais

Fungicida sistémico e de contacto, indicado para combater a podridão cinzenta (Botrytis spp.) em diversas culturas.

Fungicida sistémico e de contacto, indicado para combater a podridão cinzenta (Botrytis spp.) em diversas culturas. Fungicida sistémico e de contacto, indicado para combater a podridão (Botrytis spp.) em diversas culturas. Formulação / Composição Grânulos dispersíveis em água com 37,5% (p/p) de ciprodinil + 25% (p/p)

Leia mais

O que são os «OGM s»???

O que são os «OGM s»??? O que são os «OGM s»??? Em Portugal, como em toda a União Europeia, apenas está autorizada a libertação deliberada no ambiente para o cultivo do milho geneticamente modificado, ou como vulgarmente é denominado,

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

José Corte CCE DuPont (19) 99441 9877 jose.corte@dupont.com. Fábio Henrique da Silva AT DuPpont (16) 99616 1130 fabiohsilva@hotmail.

José Corte CCE DuPont (19) 99441 9877 jose.corte@dupont.com. Fábio Henrique da Silva AT DuPpont (16) 99616 1130 fabiohsilva@hotmail. José Corte CCE DuPont (19) 99441 9877 jose.corte@dupont.com Fábio Henrique da Silva AT DuPpont (16) 99616 1130 fabiohsilva@hotmail.com TIPOS DE CONTROLE BIOLÓGICO QUÍMICO CONTROLE QUÍMICO Alto índice

Leia mais

Presença indesejável no Brasil

Presença indesejável no Brasil Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura

Leia mais

MANUAL COMPOSTAGEM E VERMICOMPOSTAGEM NAS ESCOLAS. Mudar o Presente, Garantir o Futuro

MANUAL COMPOSTAGEM E VERMICOMPOSTAGEM NAS ESCOLAS. Mudar o Presente, Garantir o Futuro MANUAL COMPOSTAGEM E VERMICOMPOSTAGEM NAS ESCOLAS Mudar o Presente, Garantir o Futuro O conteúdo do seguinte Projecto é da exclusiva propriedade da Futuramb Gestão Sustentável de Recursos. Caso pretenda

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

ESTAÇÃO DE AVISOS DE CASTELO BRANCO

ESTAÇÃO DE AVISOS DE CASTELO BRANCO CIRCULAR Nº 14 / 2009 CASTELO BRANCO, 22 DE JULHO 1 PRUNÓIDEAS Pessegueiros 1.1 - Mosca da fruta (Ceratitis capitata ) As condições climáticas são favoráveis ao aparecimento da mosca da fruta. Já registámos

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats.

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats. Artrópodes - O filo Arthropoda (Artrópodes) possui um número muito grande de animais, o maior grupo com espécies diferentes; - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em

Leia mais

Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça

Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça Claudino A. P. Matos Carlos M. V. Bettencourt Centro de Experimentação do Baixo Alentejo (CEBA) Herdade da Abóbada Vila Nova de S. Bento Resumo A erosão

Leia mais

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213 ECODEPUR DEPURWASH Sistema de Tratamento e v1.2-200213 Reciclagem de Águas de Lavagem ENQUADRAMENTO A água potável é um bem cada vez mais escasso, e deverão ser efectuados todos os esforços para preservar

Leia mais

Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento

Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento Caso comparativo Portugal vs. Espanha JULHO 2007 Síntese de conclusões Mais de 14% dos cartões de pagamento na Europa dos 15 são

Leia mais

Reações bioquímicas nas células do hospedeiro produzem substâncias que são tóxicas ao patógeno. Produzidas antes ou após a infecção

Reações bioquímicas nas células do hospedeiro produzem substâncias que são tóxicas ao patógeno. Produzidas antes ou após a infecção Fatores bioquímicos Reações bioquímicas nas células do hospedeiro produzem substâncias que são tóxicas ao patógeno Produzidas antes ou após a infecção Contribuem significativamente para a R Podem ser divididos

Leia mais

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br.

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br. Avaliação de Pragas em uma Cultura de Milho para Produção de Sementes. BELLIZZI, N. C. 1, WINDER, A. R. S. 2, PEREIRA JUNIOR, R. D. 2 e BARROS, H. A. V. 2. 1 Docente do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

Rhynchophorus ferrugineus (Olivier)

Rhynchophorus ferrugineus (Olivier) o ESCARAVELHO VERMELHO DA PALMEIRA Rhynchophorus ferrugineus (Olivier) o inseto curculionídeos, Rhynchophorus ferrugineus (Olivier), vulgarmente que ataca várias espécies de palmeiras, zonas tropicais

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 2ª fase - específicas www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 2ª fase - específicas www.planetabio.com 1- O quadro abaixo mostra diferenças que ocorrem no reino animal quanto ao plano corporal e aos sistemas digestório, circulatório e nervoso: Os anelídeos, por exemplo, apresentam as características A3,

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Limpeza e desinfecção das colméias Importante para: - qualidade de vida das abelhas - boa produção

Leia mais

Manejo Inicial de Pragas na Cultura do Milho Verão. Eng. Agro. Fabricio Bona Passini Gerente de Agronomia Unidade Comercial Sul

Manejo Inicial de Pragas na Cultura do Milho Verão. Eng. Agro. Fabricio Bona Passini Gerente de Agronomia Unidade Comercial Sul Manejo Inicial de Pragas na Cultura do Milho Verão Eng. Agro. Fabricio Bona Passini Gerente de Agronomia Unidade Comercial Sul Agenda Porque estamos tendo problemas com alta pressão inicial de pragas na

Leia mais

Artigo Março 2005 AC05102LIS/ENG Engenharia Preventiva Inspecção Periódica de Edifícios Luís Viegas Mendonça João de Sousa Rodolfo 2005 SpyBuilding

Artigo Março 2005 AC05102LIS/ENG Engenharia Preventiva Inspecção Periódica de Edifícios Luís Viegas Mendonça João de Sousa Rodolfo 2005 SpyBuilding Artigo Março 2005 AC05102LIS/ENG Engenharia Preventiva Inspecção Periódica de Edifícios Luís Viegas Mendonça João de Sousa Rodolfo Engenharia Preventiva Inspecção Periódica de Edifícios Luís Viegas Mendonça*

Leia mais

1 Litro 018 EC L135729 PORT/5L. Acaricida e Insecticida para Tomateiro, Morangueiro, Citrinos, Macieira, Pereira, Flores e Ornamentais

1 Litro 018 EC L135729 PORT/5L. Acaricida e Insecticida para Tomateiro, Morangueiro, Citrinos, Macieira, Pereira, Flores e Ornamentais L135729 PORT/5L AGI Code 27884 Mod. 010306 018 EC Acaricida e Insecticida para Tomateiro, Morangueiro, Citrinos, Macieira, Pereira, Flores e Ornamentais Concentrado para emulsão com 18 g/l 1,9% (p/p) de

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

Insecticida eficaz desde o início. Único, pelo seu efeito ovicida

Insecticida eficaz desde o início. Único, pelo seu efeito ovicida Insecticida eficaz desde o início Único, pelo seu efeito ovicida em Macieira... Inseticida regulador de crescimento, com ação ovicida, para controlo das principais pragas das fruteiras, em particular:

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Distribuição, Comercialização e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Nº Local Duração 9 horas Data a Laboral Pós-Laboral

Leia mais

Ecologia para Aldeias de Pesquisa para a Paz

Ecologia para Aldeias de Pesquisa para a Paz Ecologia para Aldeias de Pesquisa para a Paz O Centro de Pesquisa para a Paz Tamera está a desenvolver um modelo de grande escala para renaturalização da paisagem e produção de alimentos em cooperação

Leia mais

A SAÚDE DO CABELO E DAS UNHAS O CABELO

A SAÚDE DO CABELO E DAS UNHAS O CABELO A SAÚDE DO CABELO E DAS UNHAS O CABELO Os cabelos crescem numa parte específica da epiderme, denominada couro cabeludo. Não são apenas um acessório estético; funcionam como um isolante térmico, protegem

Leia mais

Principais Factores de Degradação do Património Cultural

Principais Factores de Degradação do Património Cultural 1 #0003 Principais Factores de Degradação do Património Cultural Artur Jaime Duarte Documento Provisório Resumido PRINCIPAIS externos 2 1 Humidade e água capilaridade infiltração PRINCIPAIS externos 3

Leia mais

CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA

CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA OLIVEIRA, Amanda Claudia de MACHADO, Juliane de Abreu Campos ANTÔNIO, Nayara Silva Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de

Leia mais

As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES.

As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES. Especificações As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES. Quando instalada em contacto directo com alvenarias, pavimentos, entre

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 9 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO DIXIE CHAMPO ANTIPARASITARIO 0.4 g/l para cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 L champo: Substância

Leia mais

Predação, Parasitismo e Defesa em Insetos

Predação, Parasitismo e Defesa em Insetos Predação, Parasitismo e Defesa em Insetos Objetivos Instrucionais Ao final desta aula o aluno será capaz de: Identificar as diferenças entre predador/parasita/parasitóide, baseado na forma de ataque à

Leia mais

Experiencia de AD no combate a mosca de Fruta

Experiencia de AD no combate a mosca de Fruta AD ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO Experiencia de AD no combate a mosca de Fruta Iemberem, Novembro de 2009 Eugenio Mango Director do PAN/AD CONTEXTO NACIONAL DE COMBATE A MOSCA DA FRUTA Até este momento

Leia mais

os testículostí onde são produzidos os espermatozóides (gâmetas masculinos), femininos).

os testículostí onde são produzidos os espermatozóides (gâmetas masculinos), femininos). A reprodução sexuada apresenta uma multiplicidade de estratégias de reprodução, tal comonareprodução assexuada. Os gâmetas são produzidos em estruturas especializadas. ili Nos animais i essas estruturas

Leia mais

Novos problemas de pragas

Novos problemas de pragas Novos problemas de pragas Pragas da parte aérea José Ednilson Miranda Embrapa Algodão Núcleo do Cerrado Sistema de Produção Novos problemas de pragas Cochonilha do algodoeiro Phenacoccus solenopsis Fotos:

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 1) Observe esta figura e identifique as partes do vegetal representadas nela. Posteriormente, associe as regiões identificadas às funções

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Ficha de dados de segurança Data de emissão: 10-04-2015 Versão: 02.00/PRT SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Designação comercial: LGGB 2

Leia mais

GUIA PRÁTICO PROTEÇÃO DO TOMATEIRO

GUIA PRÁTICO PROTEÇÃO DO TOMATEIRO GUIA PRÁTICO PROTEÇÃO DO TOMATEIRO GUIA PRÁTICO PROTEÇÃO DO TOMATEIRO INSETOS DO SOLO Alguns dos insetos do solo, nomeadamente: alfinete, melolonta, nóctuas e scutigerella, são pragas muito prejudiciais

Leia mais

Disciplina: Geografia. Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17. Turma: B

Disciplina: Geografia. Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17. Turma: B Disciplina: Geografia Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17 Turma: B 1 Índice Introdução... 3 Principais fontes de poluição dos oceanos e mares... 4 Prejuízos irremediáveis... 5 As marés negras...

Leia mais

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO Profº Júlio César Arrué dos Santos Ciclo da Água Fonte: http://www.aguasdevalongo.net/veolia/infantil/default.asp O ciclo da água que está apresentado

Leia mais

Substâncias activas: Cada coleira de 38 cm (12,5 g) contém 1,25 g de imidaclopride e 0,56 g de flumetrina

Substâncias activas: Cada coleira de 38 cm (12,5 g) contém 1,25 g de imidaclopride e 0,56 g de flumetrina 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Seresto, coleira 1,25 g + 0,56 g para cães 8 kg 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substâncias activas: Cada coleira de 38 cm (12,5 g) contém 1,25 g de imidaclopride

Leia mais

Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude?

Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude? Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude? Uma camada adaptativa, que aprende novos padrões de fraude, pode ser adicionada ao modelo para melhorar a sua capacidade de detecção Número

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS FICHAS DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS GRUPOS PROFISSIONAIS: TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO, TÉCNICO PROFISSIONAL E ADMINISTRATIVO, OPERÁRIO E AUXILIAR ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO PRODUÇÃO DE HONEYDEW POR INSETOS E SUAS RELAÇÕES COM A PEGAJOSIDADE

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Universidade Federal de Viçosa Departamento de Biologia Animal BAN 160 Entomologia Geral Manejo Integrado de Pragas Prof. Eliseu José G. Pereira eliseu.pereira@ufv.br O que é? Exemplos Organismo Praga

Leia mais

Recomendação relativa a vulnerabilidade no modo WPA na rede e-u/eduroam. Serviço Utilizador RCTS Fevereiro de 2010

Recomendação relativa a vulnerabilidade no modo WPA na rede e-u/eduroam. Serviço Utilizador RCTS Fevereiro de 2010 Recomendação relativa a vulnerabilidade no modo WPA na rede e-u/eduroam Serviço Utilizador RCTS Fevereiro de 2010 5 de Fevereiro de 2010 Recomendação relativa a vulnerabilidade no modo WPA na rede e-u/eduroam

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

safespace.link 1 Detetar a intrusão o mais cedo possível; 2 Resistir a um ataque violento, demorar ou impedir fisicamente que entrem no local;

safespace.link 1 Detetar a intrusão o mais cedo possível; 2 Resistir a um ataque violento, demorar ou impedir fisicamente que entrem no local; Uma casa segura - Proteja a sua casa de intrusos, com vários níveis de resistência física e eletrónica, para aumentar as dificuldades do gatuno e com o objetivo de evitar que ENTRE em sua casa.* É recomendado

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 21 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO FRONTLINE COMBO SPOT-ON CÃES S (2-10 Kg) 67 mg solução para unção punctiforme 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Efeito da iluminação noturna na prevenção de injúrias causadas por Neoleucinodes elegantalis (Broca-pequena-do-tomateiro) Francisco Vagner Pereira de SOUZA¹; Silvério Augusto de PAULA²; Paulino da Cunha

Leia mais

PROJECTOS APFC PARA A SANIDADE DO MONTADO. Conceição Santos Silva Associação de Produtores Florestais de Coruche

PROJECTOS APFC PARA A SANIDADE DO MONTADO. Conceição Santos Silva Associação de Produtores Florestais de Coruche PROJECTOS APFC PARA A SANIDADE DO MONTADO Conceição Santos Silva Associação de Produtores Florestais de Coruche Identificação e monitorização de pragas e doenças em povoamentos florestais, DGRF, 2007 Conceição

Leia mais

Processionária-do-pinheiro

Processionária-do-pinheiro Processionária-do-pinheiro Thaumatopoea pityocampa Schiff. Lepidoptera, Thaumatopoeidae ASPETOS GERAIS Trata-se de um inseto desfolhador dos pinheiros e cedros. Os ataques variam de intensidade de acordo

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO VETZYME CHAMPÔ INSECTICIDA JDS 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substância(s) activa(s): % p/p Permetrina (Cis:

Leia mais

Transair, redes de ar comprimido inteligentes Apresentação

Transair, redes de ar comprimido inteligentes Apresentação Transair, redes de ar comprimido inteligentes Apresentação Transair, uma gama Legris Líder nas tecnologias de conexão, a Legris concebe, fabrica e comercializa sistemas inovadores de ligação instantânea

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente

Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente 1. É notório um significativo impacto na saúde humana decorrente de factores de risco ambientais tanto ao nível da morbilidade como da mortalidade

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objectivos... 2 2.1. Gerais:... 2 2.2. Específicos:... 2 3. Fundamentos Teóricos... 3 3.1. Condições de crescimento da

Índice 1. Introdução... 2 2. Objectivos... 2 2.1. Gerais:... 2 2.2. Específicos:... 2 3. Fundamentos Teóricos... 3 3.1. Condições de crescimento da Índice 1. Introdução... 2 2. Objectivos... 2 2.1. Gerais:... 2 2.2. Específicos:... 2 3. Fundamentos Teóricos... 3 3.1. Condições de crescimento da Tephrosia vogelli... 3 3.2. Utilidade da Tephrosia vogelli...

Leia mais

Manual de Ajuda para o Adulto. asma. Programa Nacional de Controlo

Manual de Ajuda para o Adulto. asma. Programa Nacional de Controlo Manual de Ajuda para o Adulto asma Programa Nacional de Controlo Direcção-Geral da Saúde COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DA ASMA 2001 EDIÇÃO Direcção-Geral da Saúde Al. D. Afonso Henriques, 45 1049-005

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

Serviços de SEGURANÇA do TRABALHO

Serviços de SEGURANÇA do TRABALHO Serviços de SEGURANÇA do TRABALHO Auditorias Técnicas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, visam parametrizar Instalações, Equipamentos e materiais Manuseamento de máquinas e produtos químicos Equipamentos

Leia mais

Data: /08/14 Bimestr e:

Data: /08/14 Bimestr e: Data: /08/14 Bimestr e: 2 Nome : Disciplina Ciências : Valor da Prova / Atividade: Professo r: 7 ANO N º Ângela Nota: Objetivo / Instruções: Lista de Recuperação 1.Como é a reprodução dos fungos? Assinale

Leia mais

No nosso planeta podemos encontrar dois tipos de água: a doce e a salgada.

No nosso planeta podemos encontrar dois tipos de água: a doce e a salgada. Água Água é vida A água é para o Homem, para os animais e para as plantas um elemento de primeira necessidade, É essencial à vida! É indispensável ao Homem, como bebida, como alimento, para sua higiene

Leia mais

Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar...

Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar... http://www.milkpoint.com.br/anuncie/novidades-dos-parceiros/agita-as-moscas-podem-ate-voar-mas-nao-vao-escapar-69463n.aspx Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar... 07/02/2011 Muitas pessoas

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (2004) 20 QUESTÕES ACERCA DE PRODUTOS ALIMENTARES GENETICAMENTE MODIFICADOS (GM)

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (2004) 20 QUESTÕES ACERCA DE PRODUTOS ALIMENTARES GENETICAMENTE MODIFICADOS (GM) ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (2004) 20 QUESTÕES ACERCA DE PRODUTOS ALIMENTARES GENETICAMENTE MODIFICADOS (GM) Estas perguntas e respostas foram preparadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em resposta

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

Pág. 1 COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD REFERÊNCIAS PARA CORREÇÃO PROVA DE BIOLOGIA

Pág. 1 COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD REFERÊNCIAS PARA CORREÇÃO PROVA DE BIOLOGIA 1) O processo fotossintético é fundamental para a vida das plantas. a) Explique por que uma planta mantida em uma intensidade de radiação abaixo do seu ponto de compensação luminoso não cresce. Por que

Leia mais

A TRAÇA DA UVA NA REGIÃO DEMARCADA DA BAIRRADA - CONTRIBUTO PARA UMA ESTRATÉGIA DE LUTA

A TRAÇA DA UVA NA REGIÃO DEMARCADA DA BAIRRADA - CONTRIBUTO PARA UMA ESTRATÉGIA DE LUTA A TRAÇA DA UVA NA REGIÃO DEMARCADA DA BAIRRADA - CONTRIBUTO PARA UMA ESTRATÉGIA DE LUTA NEVES, Madalena; LEITE, Sónia; ALVES, Susana RESUMO A traça da uva é uma praga-chave na Região Demarcada da Bairrada,

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

Como lidar com a perda...

Como lidar com a perda... Psicóloga, Chou Im Keng Nascer, envelhecer e morrer, são etapas que fazem parte da vida. O nascimento de uma vida traz alegria e esperança, porém, quando perdermos um familiar ou companheiro, a tristeza

Leia mais

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Quando deixamos um alimento aberto ou fora da geladeira por alguns dias, ele estraga. Aparece mofo, bolor e, dependendo da quantidade de tempo, pode aparecer até larvas. O tipo de alimento

Leia mais

Pedro R ibeiro Ribeiro e S ilva Silva MAPFRE Seguros

Pedro R ibeiro Ribeiro e S ilva Silva MAPFRE Seguros Pedro Ribeiro e Silva MAPFRE Seguros A avaliação de riscos psicossociais no trabalho na ótica das seguradoras A avaliação dos riscos psicossociais pelas seguradoras pode ser efectuada em duas perspectivas:

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - BIOLOGIA - GRUPOS A, B e M

PADRÃO DE RESPOSTA - BIOLOGIA - GRUPOS A, B e M PADRÃO DE RESPOSTA - BIOLOGIA - GRUPOS A, B e M 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Analise o esquema do ciclo do nitrogênio apresentado abaixo. a) Preencha as lacunas a, b, c e d com o número

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE Área de dispersão do vetor Aedes aegypti Originário da África tropical e introduzido nas Américas durante a colonização

Leia mais

1) O que entende por contaminação cruzada? Cite algumas medidas de prevenção da contaminação cruzada. 2) Quais as categorias de perigos que conhece? 3) Dê alguns exemplos de Perigos Biológicos. 4) Quais

Leia mais

ACIDENTES NA ÁREA DA PEDIATRIA

ACIDENTES NA ÁREA DA PEDIATRIA ACTIVIDADE AVALIATIVA 1 ACIDENTES NA ÁREA DA PEDIATRIA Ana Patrícia Silva n.º 1886 Ana Margarida n.º 1885 Bárbara Santos n. º 1993 Carolina Lobo n.º 1867 Cláudia Mendes n.º 1873 Diogo Sousa n.º 1683 Joana

Leia mais

Qualidade de grãos de milho

Qualidade de grãos de milho 55ª Reunião Técnica Anual do Milho 38ª Reunião Técnica Anual do Sorgo 19 a 21 de Julho de 2010 (Vacaria, RS) Qualidade de grãos de milho Composição do grão de milho Proteína 9% Óleo 4% Açucares 1,7% Minerais

Leia mais

Ensaio para avaliação de controle químico de pulgão-do-algodoeiro ( Aphis gossypii RESUMO

Ensaio para avaliação de controle químico de pulgão-do-algodoeiro ( Aphis gossypii RESUMO Ensaio para avaliação de controle químico de pulgão-do-algodoeiro (Aphis gossypii). Luis Alberto Aguillera 1, Alexandre Jacques Bottan 1. (1) Engenheiro Agrônomo, pesquisador do Departamento Técnico da

Leia mais

PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL

PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL ISSN 1517-4077 Amapá ~ Ministério ~a Agricultura e do Abastecimento N 51, dez/2000, PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL César A. D. Teixeira 1 Arnaldo Bianchetti' 1. Introdução

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Análise SWOT Pedro Vaz Paulo 1. PROJECTO CRIAR EMPRESA 1. Projecto Definição 1. Âmbito do negócio 2. Inovação 3. Concorrência 4. Análise SWOT 5. ( ) 2. ANÁLISE SWOT Definição A Análise

Leia mais

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS 4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS A abordagem estratégica que se pretende implementar com o Plano Regional da Água deverá ser baseada num conjunto de princípios nucleares que, sendo unanimemente

Leia mais

A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL. Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV.

A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL. Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV. A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV 1 - Introdução A embalagem é hoje em dia uma presença tão constante no

Leia mais