OS NEGROS NAS NOVELAS DA REDE GLOBO: UMA ANÁLISE DO CURRÍCULO CULTURAL RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS NEGROS NAS NOVELAS DA REDE GLOBO: UMA ANÁLISE DO CURRÍCULO CULTURAL RESUMO"

Transcrição

1 652 OS NEGROS NAS NOVELAS DA REDE GLOBO: UMA ANÁLISE DO CURRÍCULO CULTURAL Rita Simone Silveira Furtado 1 Janete Inês Müller 2 RESUMO Este artigo contempla uma análise de estereótipos produzidos e agenciados através de personagens negros, representados pelo casal de atores Lázaro Ramos e Taís Araujo, em três novelas da Rede Globo de Televisão: Da cor do Pecado (2004), Viver a Vida (2009) e Insensato Coração (2011). Sob lentes teóricas dos Estudos Culturais em Educação, entendese que as novelas constituem um artefato cultural, pois as práticas discursivas e de representação produzem verdades, as quais subjetivam os sujeitos através do currículo cultural em que estão inseridos os indivíduos. Evidencia-se que os programas televisivos, como no caso das novelas, não somente constituem representações acerca de grupos culturais, como também agenciam os estereótipos através da interpelação do público. Em geral, as obras transmitem à sociedade a imagem de que no Brasil há igualdade racial, visto que os negros alcançaram outras posições: de serviçais, como nas tradicionais produções midiáticas, passam a personagens bem-sucedidos, elegantes e sensuais. Em síntese, a (re) invenção de estereótipos sobre o negro requer problematização nos discursos contemporâneas, tanto na Escola como na sociedade em geral. Palavras-chave: Estudos Culturais em Educação currículo - negros estereótipos INTRODUÇÃO Neste texto, propomos uma discussão acerca das representações construídas e agenciadas sobre os negros nas novelas da Rede Globo de Televisão, considerando os personagens das obras: Da cor do Pecado (2004), Viver a Vida (2009) e Insensato Coração (2011). Para isso, entendemos as novelas como um artefato que constitui o currículo cultural portanto, não se restringe ao currículo escolar -, que, através das práticas discursivas e de 1 Mestranda no Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bolsista CAPES, do Projeto Produção, Circulação e Consumo da Cultura Surda Brasileira. 2 Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

2 653 representações, vai tornando-nos o que somos; e isso se dá a partir do que a escola e a sociedade fazem ou deixam de fazer conosco. Sob lentes teóricas dos Estudos Culturais em Educação, entendemos que somos produzidos e conduzidos por meio das narrativas que lemos ou assistimos, assim como nossas produções são consumidas por outros, numa espécie de polifonia em meio às relações de poder: em que se concede ou se toma a palavra de outro; em que alguns representam e outros são representados. Através de processos de subjetivação, a constituição de identidades e a construção de verdades consolidam-se através de tensas negociações que se dão em territórios de significação social, ou melhor, em uma atmosfera que relaciona currículo, cultura e poder 3. No que se refere à mídia, cabe salientar que a televisão é considerada um meio de comunicação de massa, pois muitas pessoas, de diferentes classes sociais e faixas etárias, assistem aos programas televisivos. Isso significa que os programas exibidos pela televisão são assistidos por famílias de classe média, ricos e por pobres, nas mansões, localizadas em bairros nobres das grandes cidades brasileiras, e nos barracos das vilas e favelas. Dessa forma, os estereótipos presentes nos programas de TV atingem um grande e variado público, tendo ampla circulação na sociedade. E, assim, são produzidos estigmas, preconceitos e representações, que, por sua vez, são consumidos culturalmente. É importante observar que atriz Taís Araújo constitui a personagem negra de duas novelas aqui analisadas, enquanto que o personagem negro é encenado pelo ator Lázaro Ramos. Esses atores são casados e ambos têm uma trajetória de sucesso no meio artístico, pois ela já atuou em várias novelas da Rede Globo de Televisão, enquanto ele, além de novelas, participou em filmes brasileiros de grande sucesso. Lázaro e Taís são talentosos e conquistaram seu espaço com trabalho, competência e talento, além de aproveitarem as oportunidades que tiveram ao longo da vida. Quando esses fatores se aliam, estereótipos e discriminações não são obstáculos para esses membros em sociedade; a realização profissional até produz imagens positivas acerca de um grupo cultural que, tradicionalmente, vive às margens na sociedade dos brancos. Por outro lado, eles representam apenas uma pequena e, talvez privilegiada, parcela de negros que, atualmente, alcança o sucesso em uma rede nacional. Assim, poder-se-ia pensar, também, na maioria dos indivíduos negros que vivem sob outras condições; porém, 3 Essas temáticas foram discutidas na disciplina Currículo, cultura e poder, ministrada pela prof. Dra. Adriana da Silva Thoma, no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), no primeiro semestre de 2011, mobilizando a escrita deste artigo.

3 654 considerando os objetivos deste trabalho analítico e a complexidade da temática, não avançaremos nessa discussão. Na novela Da Cor do Pecado, a atriz interpreta a personagem Preta, uma negra que vive uma história de amor com um homem carioca, branco e filho de um milionário. Na segunda obra, Viver a Vida, a personagem vivida por Taís Araújo é Helena, uma modelo famosa e bem-sucedida, com reconhecimento internacional. Já em Insensato Coração, o ator Lázaro Ramos interpreta o personagem André, um publicitário, famoso por seu talento e criatividade. Aparentemente, as três novelas analisadas objetivam transmitir à sociedade a mensagem de que no Brasil há igualdade racial e que não existe discriminação em relação aos negros. Isso porque, durante muito tempo, os atores negros ocupavam o lugar de empregados, subalternos, secundários nas tramas narrativas; atualmente, eles também são protagonistas e ocupam papéis importantes que, há bem pouco tempo, eram apenas desenvolvidos por artistas brancos. Nessa esteira de pensamento, em que pretendemos discutir os papéis ocupados pelos negros em três novelas de sucesso na mídia televisiva do Brasil, seguimos discutindo os referenciais teóricos que subsidiam esta análise. Ao refletirmos sobre a posição dos negros na sociedade brasileira, acreditamos que a problematização aqui proposta deveria ser desenvolvida não só nos currículos escolares, mas também pensada a partir da concepção de cultura como produtora de verdades. O NEGRO NA SOCIEDADE BRASILEIRA De forma geral, o Brasil pode ser definido como uma sociedade racista, pois, mesmo a partir de algumas mudanças sociais, a população ainda é levada a acreditar na suposta superioridade dos brancos. Nesse sentido, a mídia contribui de forma significativa para a produção do racismo estrutural e simbólico em nosso país, produzindo e fazendo circular um discurso que torna natural a normalidade branca ; assim, alguns meios de comunicação, através de seus programas, dão lugar ao mito da democracia racial ou da possível igualdade de raças em meio à diversidade populacional brasileira. Vários indicadores sociais revelam que o Brasil é um país onde ainda existem altos índices de desigualdade entre brancos e negros. O racismo contemporâneo e histórico que

4 655 constitui a sociedade brasileira torna-se evidente ao analisarmos os diversos indicadores sociais, ou ao calcularmos o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Neste último caso, tendo em vista os indicadores de renda, saneamento básico e educação, a população branca ocupa a 41ª posição, diferente dos negros (108ª posição). Cabe salientar, ainda, no que tange à educação, que as desigualdades são encontradas em todos os níveis, mas são mais acentuadas no Ensino Superior (SILVA e ROSEMBERG, 2008). O contexto sócio- histórico de produção, circulação e consumo de discursos raciais no Brasil contemporâneo apresenta componentes significativos. O nosso país foi o que mais importou escravos africanos durante o regime escravista; também constituímos a última nação a abolir a escravidão negra (em 1888); além disso, temos a segunda maior população negra mundial, constituindo, aproximadamente, oitenta milhões de habitantes que se declaram negros. Os estudos sobre as desvantagens da população negra demonstram que as diferenças do passado não são suficientes para explicar as desigualdades atuais, ou seja, o regime escravista não deve ser considerado o único responsável pelas diferenças existentes entre negros e brancos. Abordagens como essas precisam também ser inseridas no currículo escolar, a fim de que a frase formar cidadãos críticos e participativos, geralmente mencionada na maioria das propostas pedagogias das escolas de educação básica, não fique apenas no papel. UM CURRÍCULO CULTURAL: PARA ALÉM DA ESCOLA A palavra curriculum migrou da Inglaterra para os Estados Unidos, por volta de 1940; a partir de 1945, aproximadamente, o conceito começou a se delinear como um produto da área industrial, quando se diversificaram as demandas de saberes emergentes. A partir de 1920, já existiam orientações sobre a problematização do currículo, mas somente a partir da Segunda Guerra Mundial é que surgem as primeiras formulações, com um grau maior de articulação e complexidade. Na Modernidade, a unidade filosófico-pedagógica se rompeu para dar origem as mais diversas ciências particulares, emergentes da técnica. Nesse momento, o saber educacional adquire a forma de uma ciência nova, a ciência pedagógica; e é nesse contexto que surge o currículo, como ordenamento de saberes educativos. Assim, o conceito de currículo revela a multiplicidade de saberes, correlatos de várias ciências. A partir da era industrial, faz-se a

5 656 produção do sentido atual do currículo, fenômeno que se estabelece definitivamente no período Pós-Segunda Guerra Mundial. Em Platão e Aristóteles, currículo referia-se aos temas ensinados, sentido bem próximo daquele que emergiu na Modernidade. Até 1960, o currículo era dissociado das questões emergentes na sociedade em que estava inserido. A implicação social começou a ser pensada a partir dessa década, na Grã-Bretanha. Com a Nova Sociologia Educacional surgida na Grã-Bretanha e na França nos anos 1960, o enfoque sociológico no currículo se espalhou por todo o mundo, chegando ao Brasil no fim dos anos Em nosso país, a história do currículo é recente, embora o termo seja utilizado desde a Antiguidade. Da forma como é entendido hoje, o currículo passou a existir apenas a partir das últimas décadas; entretanto, ainda existem currículos escolares em que é possível observar que a escola é concebida como um mundo à parte, completamente desconectado das questões sociais. Essa retrospectiva histórica do currículo, ainda que de forma sucinta, objetiva demonstrar o momento a partir do qual se começou a pensar em uma organização dos conhecimentos escolares, baseada principalmente na busca da identificação das necessidades dos alunos. Desde o surgimento do conceito de currículo até a contemporaneidade, a preocupação da escola ao elaborar seu currículo está relacionada ao tipo de sujeito que se deseja formar e quais os conhecimentos são necessários para a formação desses indivíduos. Nessa perspectiva, cabe entender o conceito de currículo para além do espaço escolar, ou seja, discutir como os textos que circulam em nosso meio são constituídos de conjuntos de práticas que se relacionam com a produção e o intercâmbio de significados entre os membros de uma sociedade ou grupo; nestes espaços, o significado é negociado e fixado, e as hierarquias são estabelecidas, constituindo um conjunto de saberes que formam o currículo cultural. À luz dos Estudos Culturais em Educação, o currículo pode ser entendido como lugar de representação simbólica, de escolhas, de jogos de poder multicultural, de inclusões e exclusões; compreendido como produto de uma lógica explícita ou resultado de uma lógica clandestina, que nem sempre é a expressão da vontade de um sujeito, mas imposição do próprio ato discursivo, que faz com que a vontade de alguém seja também desejada pelo outro. Por isso, o currículo é o lugar dos eventos micro e macro, dos sistemas educacionais, das instituições, em um tempo e lugar; e as decisões tomadas a respeito do currículo afetam sempre vidas, sujeitos (BERTICELLI, 2005).

6 657 O currículo e seus componentes constituem um conjunto articulado e normatizado de saberes, regidos por uma determinada ordem, estabelecida em uma arena em que estão em luta visões de mundo e onde se produzem, elegem e transmitem representações, narrativas, significados sobre as coisas e seres do mundo (COSTA, 2005, p. 41). A cultura, nesse contexto, pode ser considerada como um campo contestado de significações, onde, através das representações e relações de poder, está em jogo a definição da identidade dos diferentes grupos, como, por exemplo, dos negros e brancos. Isso porque é na esfera cultural que se dá a luta pela significação social, na qual os grupos subordinados procuram fazer frente à imposição de significados que sustentam os interesses dos grupos mais poderosos (COSTA, SILVEIRA e SOMMER, 2003, p. 38). Além disso, a cultura determina uma forma de ver, de explicar e de compreender o mundo; ou seja, depende de que seus participantes interpretem de forma significativa o que esteja ocorrendo ao seu redor e entendam o mundo de forma geral semelhante (HALL, 1997a). Em se tratando de representações, aqui são entendidas como resultados de processos que se estabelecem discursivamente, instituindo significados de acordo com critérios de legitimidade e de validade estabelecidos pelas relações de poder. Por isso, as representações não são fixas, muito menos são construídas por meio de relações verticais; isto é, são móveis, mutantes e se dão em diferentes práticas culturais. Ao descrever algo ou alguém em um discurso ou narrativa, produz-se uma realidade ; e quem tem o poder de narrar o outro ou dizer como são ou estão as coisas da vida é quem dá as cartas da representação. Representar é produzir significados segundo um jogo de correlação de forças no qual grupos mais poderosos seja pela posição política e geográfica que ocupam, seja pela língua que falam, seja pelas riquezas materiais e simbólicas que concentram e distribuem, ou por outra prerrogativa atribuem significado aos mais fracos e, além disso, impõem a estes seus significados sobre outros grupos (COSTA, 2005, p ). Pensando assim, seguimos analisando as representações de negros recorrentes em três novelas de sucesso da Rede Globo de Televisão, buscando refletir sobre os estereótipos produzidos na mídia, em que se produz um currículo cultural para o qual, muitas vezes, a Escola não olha com a devida atenção e complexidade que essa temática merece. 3 OLHAR PARA AS NOVELAS BRASILEIRAS 3.1 DA COR DO PECADO

7 658 Essa novela foi exibida pela Rede Globo de Televisão no ano de 2004, no horário das 19 horas, sendo reprisada no ano de 2007, no programa denominado Vale a Pena Ver de Novo, em que as novelas de maior sucesso são reapresentadas. A protagonista da história é Preta, encenada pela atriz Taís Araújo, que interpreta uma bonita mulata, vivendo uma história de amor com um homem branco, muito bonito e rico. O par romântico dela é o ator Reynaldo Gianecchini, que interpreta o personagem Paco, um botânico dedicado à profissão e o único herdeiro da fortuna de seu pai, Afonso Lambertini, interpretado pelo ator Lima Duarte. A trama inicia no Maranhão. O primeiro encontro de Preta e Paco acontece em São Luís, onde o botânico foi realizar uma pesquisa sobre ervas medicinais. Paco apaixona-se por Preta desde o primeiro dia em que a vê em um grupo de dança de rua denominado Roda do Tambor de Crioula. Ele se encanta com sua beleza e sensualidade. Ao conhecê-la melhor, Paco fica impressionado com a sabedoria popular da jovem, que possui conhecimento das ervas medicinais. A partir disso, inicia-se um romance, e Paco decide ir ao Rio de Janeiro, para terminar seu relacionamento com sua namorada Bárbara, interpretada pela atriz Giovanna Antoniele, uma jovem ambiciosa que desejava casar-se com Paco apenas com o objetivo de ficar rica, pois o pai dele era milionário. Bárbara, entretanto, não aceita o fim do namoro e faz diversas armações para impedir o romance entre Preta e Paco; entretanto, antes da separação do casal, Preta fica grávida e tem um filho que cria praticamente sozinha. Em síntese, a história de amor entre Preta e Paco foi muito difícil e repleta de mentiras e armações de pessoas que, assim como Bárbara, não queriam a união do casal, que acabou se separando. Após a separação, Paco sofre um acidente de helicóptero e consegue sobreviver, mas como seu corpo não é encontrado pelas equipes de resgate, os noticiários da TV declaram sua morte, enquanto ele aproveita essa confusão para recomeçar sua vida longe de tudo e de todos; portanto, desaparece por alguns anos. Os apaixonados só conseguem ficar juntos e felizes no final da novela, quando são esclarecidas todas as mentiras que foram planejadas por Bárbara, que desejava separá-los. A priori, a novela Da Cor do Pecado estaria pregando uma mensagem de igualdade racial, já que uma atriz negra era a protagonista da história, contracenando com um ator branco. O público poderia interpretar esse fato como um avanço, ou como um sinal de que algumas concepções acerca dos considerados diferentes estariam mudando, encaminhandose para reduzir a discriminação racial no Brasil. Porém, é imprescindível sinalizar alguns aspectos relevantes em relação à referida novela.

8 659 Primeiramente, cabe refletir sobre o seu título. Da Cor do Pecado remete à personagem negra, ao estereótipo de mulata hiper-sensualizada, que teve origem em seu passado como escrava, quando seu corpo era propriedade e objeto de prazer do seu senhor. Como a referida personagem está representando a mulher negra, obviamente esse estereótipo passa a ser atribuído a todas as mulheres negras. Esse título dado à novela relaciona a mulher negra ao pecado, ao profano e à promiscuidade. E isso pode ser evidenciado já nos primeiros capítulos, quando Paco conhece Preta, enquanto ela está dançando de maneira sensual; sendo que essa sensualidade é intensificada quando ela percebe que está sendo observada pelo rapaz. Nesse momento, ele se apaixona pela beleza da mulata, como se tivesse sido enfeitiçado pela moça. Tudo isso está posto na cena, mas de uma forma tão sutil que só um olhar mais crítico consegue perceber. Isso demonstra que iniciativas tão bem intencionadas, como colocar uma atriz negra como protagonista em uma história de amor, contracenando com um ator de sucesso, bonito e branco, podem constituir uma forma de reafirmar estereótipos já existentes, promovendo a ilusão de que vivemos em um país onde existe igualdade racial e que a mídia apóia e incentiva essa suposta igualdade. Essas são estratégias utilizadas para persuadir a população, produzindo sujeitos acomodados, iludidos e submissos, pois, quando os negros se veem representados em novelas da maior rede de televisão do país por uma linda atriz negra, eles passam a acreditar que estão sendo valorizados, reduzindo o impacto da discriminação racial no país; logo, isso pode enfraquecer os movimentos de luta pelos direitos dos negros. No que se refere ao conceito de estereótipo, Hall (1997b) explica que esse pode ser definido como sendo um conjunto de práticas representacionais com efeitos essencializantes e naturalizantes, reduzindo as pessoas a características simples, essenciais e fixas, que, por terem sido impostas pela natureza, são consideradas permanentes. Assim, o estereótipo faz com que os sujeitos por ele representados sejam vistos apenas a partir do referido estereótipo, ou seja, uma mulher negra bonita passa a ser concebida apenas como uma mulata hipersensualizada. Cabe enfatizar que na mídia, principalmente nas novelas, essas representações são tão sutis que os telespectadores nem percebem; e, quando percebem, consideram os mesmos um elogio, como uma forma de homenagear a mulher negra. 2.2 VIVER A VIDA A novela Viver a Vida foi exibida pela Rede Globo de Televisão no horário das 21 horas, de setembro de 2009 a maio de A protagonista dessa novela é, mais uma vez, a

9 660 atriz negra Taís Araújo, que interpreta a personagem Helena, uma Top Model de renome internacional. A personagem cresceu em Búzios e, na adolescência, foi para o Rio de Janeiro, onde iniciou sua carreira. A novela tem início quando a modelo Helena está com 30 anos de idade e no auge de sua carreira; já viajou por todo o mundo, morou em vários países e conquistou estabilidade financeira. Durante um desfile em Búzios, Helena conheceu Marcos, que é um importante empresário do ramo do turismo, interpretado pelo ator José Mayer, com quem tem um romance. Nessa obra, novamente, os negros puderam sentir-se valorizados ao ver uma atriz negra como protagonista de uma novela exibida no horário nobre, ainda mais interpretando o uma modelo rica e bem-sucedida. Porém, a alegria durou pouco, pois logo a personagem Helena passou de protagonista para coadjuvante da história, visto que o papel de protagonista passou a ser ocupado pela personagem Luciana, interpretada pela atriz Aline Moraes. Luciana é uma jovem rica, que sonha em ser uma modelo famosa, mas, devido a um acidente de carro, ela fica tetraplégica. Cabe salientar que essa mudança não foi declarada, ou seja, ela ocorreu de maneira implícita e quase que imperceptível, já que, após o acidente de Luciana, essa passou a ser a principal abordagem da novela: a questão da deficiência, da reabilitação e o fato de uma jovem linda ter ficado aleijada, palavra utilizada pela personagem. No que se refere à questão racial, interessa observar que a novela Viver a Vida estreou no horário nobre, tendo como personagem principal uma atriz negra. Porém, dentro de pouco tempo, os holofotes tiveram seu foco desviado, direcionando-se, casualmente, para uma linda atriz branca. É relevante salientar, ainda, que, além de perder o posto de atriz principal da referida obra, Helena ainda foi considerada a principal responsável pelo acidente de Luciana, visto que, após uma briga séria entre as duas, esta tomou um ônibus onde aconteceu o acidente. Entretanto, parece que a oportunidade foi concedida, e ninguém poderá dizer que existe preconceito racial nas novelas brasileiras. Nessa novela também foi enfatizada a questão referente à sensualidade da mulata, pois vários homens se apaixonavam por Helena, encantados com sua extrema beleza, e o pai de Luciana é um deles. Isso demonstra que muda a história, o horário da novela, porém determinados estereótipos, como o da sensualidade, continuam invadindo os lares brasileiros. 3.3 INSENSATO CORAÇÃO

10 661 Insensato Coração foi a recente novela das 21 horas, exibida pela Rede Globo de Televisão, cujo capítulo final foi exibido no dia 19 de agosto do corrente ano. O personagem negro é André Gurgel, interpretado pelo ator Lázaro Ramos. Ele é solteiro, bem-sucedido e um dos profissionais de destaque na área da publicidade no Rio de Janeiro; no que tange à vida pessoal, é completamente descomprometido, tendo como características principais a virilidade, a sensualidade e a promiscuidade, estereótipos atribuídos aos negros em diferentes artefatos culturais. André representa, ainda, um homem desprovido de sentimentos, incapaz de amar e que se aproxima das mulheres apenas por sexo, dispensando-as logo após ter alcançado seu objetivo; muitas vezes, é ríspido com elas, que, mesmo assim, tentam ter algum envolvimento afetivo com ele. Entretanto, ao longo da novela, essa característica muda, pois, com a doença e morte de seu pai e com o nascimento de seu filho, André torna-se mais sensível. Além disso, a busca pela cura de seu câncer destrói seu orgulho e desmistifica o seu machismo. Ainda assim, não consegue manter um relacionamento estável com a mãe de seu filho, pois não consegue deixar de se relacionar com outras mulheres, sendo que termina a novela assumindo um relacionamento conjugal aberto, extremamente pós-moderno. É evidente, nesse sentido, a ênfase dada à sensualidade e ao desregramento familiar. Hall (1997b) menciona que era atribuída à raça negra a falta de requinte civilizado no que se refere à vida sexual e social. Também explica que o discurso racista é estruturado e composto por um conjunto de oposições binárias, onde existe a oposição entre a civilização atribuída aos brancos e a selvageria atribuída aos negros. Ele ainda enfatiza a suposta relação existente entre negros e brancos: a estes são atribuídos o desenvolvimento intelectual, o requinte, o aprendizado, o conhecimento, a existência da razão, a presença de instituições, governo, lei e uma vida emocional, sexual e civil equilibrada e de acordo com os princípios estabelecidos pela cultura. Em contrapartida, os negros eram (e muitas vezes ainda são) relacionados a tudo que fosse instintivo, havendo o predomínio das expressões francas, das emoções e dos sentimentos no lugar do intelecto. Ao analisarmos o personagem André, da novela Insensato Coração, entendemos que, embora se constitua com o papel de qualificado e bem-sucedido profissional na sociedade carioca, (re) produz o estereótipo de homem negro que, por sua beleza e masculinidade, é guiado por seus instintos sexuais, tendo uma vida desregrada e contrária às convenções estabelecidas pela sociedade.

11 662 AMARRAÇÕES FINAIS Em tempos de globalização, as produções midiáticas, principalmente as que circulam através de meios de comunicação de massa, a exemplo das novelas brasileiras, produzem estereótipos que nos interpelam; essas as verdades são construídas em nossas práticas discursivas, constituindo nosso currículo cultural. Não obstante isso, os currículos das escolas de Educação Básica ainda desenvolvem os estudos sobre questões étnico-raciais, focando especialmente os aspectos históricos, como a questão da escravidão ou mito dos heróis da história. Além disso, em grande parte das escolas, no mês de novembro, principalmente na Semana da Consciência Negra, são realizadas atividades como palestras sobre a culinária, religião, danças e demais características da cultura afro-brasileira. Isso não quer dizer que a problematização dessas verdades não seja importante, mas os currículos escolares carecem da inserção de discussões atuais, mais complexas e relacionadas às práticas culturais. Dessa forma, é interessante questionarmos como as escolas entendem o currículo escolar, tendo os acontecimentos históricos como ponto de partida para analisar a situação dos negros na atualidade. Diante das reflexões aqui desenvolvidas, entendemos que o currículo precisa fomentar as discussões sobre os estereótipos de negro que circulam na mídia, além das desigualdades sociais existentes entre brancos e negros em nosso país. Os alunos, por exemplo, poderiam ser convidados a pesquisar sobre a presença de negros em comerciais de TV, novelas, cinema e outros artefatos culturais, sendo instigados a pensar sobre as formas pelas quais os negros têm sido representados. Enfim, sem necessariamente negar legados, importa problematizar o cotidiano e ressignificá-lo diante destes tempos desafiadores: em que não apenas somos interpelados por representações acerca do outro, como não atentamos para os estereótipos que consumimos culturalmente. Nesse universo de vivências individuais e coletivas, olhamos para as práticas culturais como algo que não só constrói os sujeitos, mas que também constitui uma produtiva fonte de compreensão das redes de significação da contemporaneidade.

12 663 REFERÊNCIAS BERTICELLI, Ireno Antonio. Currículo: tendências e filosofia. In: COSTA, Marisa Vorraber. O currículo nos limiares do contemporâneo. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, COSTA, Marisa Vorraber. Currículo e política cultural. In: COSTA, Marisa Vorraber (org). O currículo nos limiares do contemporâneo. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, COSTA, Marisa Vorraber; SILVEIRA, Rosa Maria Hessel; e SOMMER, Luis Henrique. Estudos culturais, educação e pedagogia. Revista Brasileira de Educação, n. 23, Maio/Jun/Jul/Ago HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.22, n.2, jul./dez., HALL, Stuart. The Work of Representation. In: HALL, Stuart. (Org.) Representation, Cultural Representations and Signifying Practices. Sage/Open Universitty: London Thousand Oaks/ New Delhi, SILVA, PAULO V. B.; ROSEMBERG, FÚLVIA. Brasil: lugares de negros e brancos na mídia In: VAN DIJK, Teun (org.). Racismo e Discurso na América Latina. São Paulo: Contexto, 2008.

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Relatório de Pesquisa Qualitativa. Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010

Relatório de Pesquisa Qualitativa. Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010 Relatório de Pesquisa Qualitativa Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010 Dezembro de 2010 2 Sumário Introdução... 3 1. Avaliação do Filme Fim de Ano - 2010... 5 1.1. Percepção do Filme no Break... 5

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Prevenção de HIV e Aids para Pessoas Surdas

Prevenção de HIV e Aids para Pessoas Surdas Modelo de Projeto: Prevenção de HIV e Aids para Pessoas Surdas Objetivos do Projeto O objetivo geral do Projeto é de fornecer informação sobre o sistema imunológico, HIV/AIDS e DST para jovens surdos e/ou

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação.

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Reconhecer os Estudos Culturais como campo

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 28 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 FORMAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DA LEI 10.639/03: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO DE EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA NO COTIDIANO ESCOLAR, DESENVOLVIDO PELA

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 Prof. Anderson Oramísio Santos Prof. Esp.Olga Helena Costa RESUMO: O presente artigo objetiva oportunizar espaços de estudo

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O espaço escolar e as diferenças étnico culturais Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O presente resumo questiona o preconceito étnico racial numa escola estadual a partir do olhar de uma coordenadora

Leia mais

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE 19 EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE Alexandre do Nascimento - FAETEC - RJ Resumo No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação,

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL DISCIPLINA: SOCIOLOGIA O propósito desta sequência didática é discutir com e/em interação com os jovens-alunos, a questão do preconceito racial e o

Leia mais

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo?

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS NAYARA DE SOUZA ARAUJO Identidade: importância e significados Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? SÃO PAULO 2012 O que define um povo

Leia mais

DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO)

DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO) 1 DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO) Cláudio Amorim Pereira 1 Resumo Esse artigo tem como objetivo falar sobre a criança negra e a mídia é, sobretudo, discutir hegemonia, ideologia, monopólio

Leia mais

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade 251 No contexto de um Sistema Nacional Articulado de Educação e no campo das políticas educacionais, as questões que envolvem

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO Curso: Pedagogia a Distância Departamento: Departamento de Pedagogia a Distância Disciplina:

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA Márcia do Socorro E. da Silva 1 INTRODUÇÃO Há uma luta pela prevalência sobre os poderes e os saberes que operam nas sociedades e o palco desta luta é o meio social como

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR Marie Jane Soares Carvalho Coordenadora Geral do FORPROF/RENAFOR/UFRGS Maio de 2013 Cursos SECADI - Catálogo EXTENSÃO, APERFEIÇOAMENTO E ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

NEPRE- Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Raciais e Educação.

NEPRE- Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Raciais e Educação. 2 A JOVEM NEGRA PRESENTE NO AMBIENTE ESCOLAR: SÍMBOLO DE BELEZA OU INFERIORIDADE NA VISÃO DE ADOLESCENTES BRANCOS SOUZA, Anne de M. 1 UFMT anneufmt@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21 Agência

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal

Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA MODALIDADE EAD CURSOS DE GRADUAÇÃO Pró-Reitoria de Ensino ORGANIZADORAS: Aparecida Cristina Cardoso Cristina Herold Constantino

Leia mais

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro.

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Prof.ª Sonia Helena Carneiro Pinto Justificativa: Este projeto

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER Maria Elisabeth Goidanich O presente seminário foi dividido em quatro partes para melhor entendermos o que é mídia educação e o que podemos fazer a respeito

Leia mais

E NAS RELAÇÕES RACIAIS

E NAS RELAÇÕES RACIAIS O ESTADO DA ARTE DO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM RACISMO E NAS RELAÇÕES RACIAIS Lívia Jéssica Messias de Almeida, UEFS 1 RESUMO O presente artigo objetiva discutir e mapear as produções

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

IMAGENS DA ÁFRICA DO SUL NO CINEMA: CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE FÍLMICA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR

IMAGENS DA ÁFRICA DO SUL NO CINEMA: CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE FÍLMICA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 IMAGENS DA ÁFRICA DO SUL NO CINEMA: CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE FÍLMICA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR Delton Aparecido Felipe

Leia mais

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA)

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) 1 PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) O presente trabalho trata de uma discussão sobre os aspectos pedagógicos dos programas

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE TÍTULO DO TRABALHO Por: Ines Maria Azevedo do Nascimento Orientador Prof. Maria poppe Rio de Janeiro 2004 UNIVERSIDADE CANDIDO

Leia mais

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES Resumo O texto em questão é parte da pesquisa em desenvolvimento (mestrado) que tem como objetivo

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 Naiara de Souza Araújo 2 Raquel Leandro Portal 3 Resumo O Brasil é um país com uma ampla diversidade cultural que necessita ser valorizada e por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA Lia Gonçalves Gurgel Projeto de pesquisa AQUISIÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA BILÍNGÜE

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP Sandra Mara Pereira dos Santos soul_mara@yahoo.com.br PPGCSo-UNESP Doutoranda Analiso que na questão de gênero no rap nacional existe

Leia mais

...Anais Eletrônicos da II Semana de História do Pontal 26, 27 e 28 de junho de 2013 Ituiutaba, MG

...Anais Eletrônicos da II Semana de História do Pontal 26, 27 e 28 de junho de 2013 Ituiutaba, MG CINEMA NO ESPAÇO ESCOLAR: rediscutindo cidadania e diversidade RESUMO: Meireslaine Nascimento da Silva Graduanda do curso de Pedagogia, bolsista Pet (Re) conectando Saberes - FACIPUFU/MEC/SESU/SECAD, meireslainepetg@gmail.com.

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Rosana Maria Gessinger Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS rosana.gessinger@pucrs.br Valderez Marina

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO

Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO Coleção Cadernos Afro-Paraibanos APRESENTAÇÃO O racismo é um fenômeno das relações sociais do Brasil. No estado da Paraíba, onde mais de 60% da população é negra, não encontramos essa mesma proporcionalidade

Leia mais

MINHA COR E A COR DO OUTRO: QUAL A COR DESSA MISTURA? - OLHARES SOBRE A DIVERSIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

MINHA COR E A COR DO OUTRO: QUAL A COR DESSA MISTURA? - OLHARES SOBRE A DIVERSIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL MINHA COR E A COR DO OUTRO: QUAL A COR DESSA MISTURA? - OLHARES SOBRE A DIVERSIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniela Lemmertz Bischoff Leni Vieira Dornelles RESUMO: A presente pesquisa procura investigar de

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

O Adolescentro Paulo Freire e suas estratégias para a promoção e prevenção de saúde valorizando o protagonismo juvenil

O Adolescentro Paulo Freire e suas estratégias para a promoção e prevenção de saúde valorizando o protagonismo juvenil O Adolescentro Paulo Freire e suas estratégias para a promoção e prevenção de saúde valorizando o protagonismo juvenil DANIELA FALCI PEREIRA DÁRBIO ANDRÉ DE LIMA Apresentação O Adolescentro Paulo Freire

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

A INCLUSÃO E O ENSINO REGULAR. Valéria Mota Scardua 4. Resumo:

A INCLUSÃO E O ENSINO REGULAR. Valéria Mota Scardua 4. Resumo: 85 A INCLUSÃO E O ENSINO REGULAR Valéria Mota Scardua 4 Resumo: Este trabalho apresenta questionamentos que buscam justificar a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI N.º 13.694, DE 19 DE JANEIRO DE 2011. (publicada no DOE nº 015, de 20 de janeiro de 2011) Institui o Estatuto

Leia mais

Feminização traz desafios para prevenção da infecção

Feminização traz desafios para prevenção da infecção Feminização traz desafios para prevenção da infecção Por Carolina Cantarino e Paula Soyama A epidemia de Aids no Brasil, em seu início, na década de 1980, se caracterizava por afetar mais os homens. Acreditava-se

Leia mais

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com Direitos Humanos A mulher negra brasileira Walkyria Chagas da Silva Santos Pós-graduanda em Direito do Estado pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia - UFBA E-mail: kyriachagas@yahoo.com.br A articulação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 416/2006

RESOLUÇÃO Nº 416/2006 RESOLUÇÃO Nº 416/2006 Regulamenta o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africanas e dá outras providências. O Conselho de Educação do Ceará CEC, no uso de suas atribuições legais no uso de suas

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE Kizzy Morejón 1 Luci Riston Garcia 2 Cristiane Camargo Aita 3 Vitor Cleton Viegas de Lima 4 RESUMO Vivemos em uma sociedade que,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Educação das Relações Étnico-raciais

Mostra de Projetos 2011. Educação das Relações Étnico-raciais Mostra de Projetos 2011 Educação das Relações Étnico-raciais Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais