A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL E A QUESTÃO DA PIRATARIA:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL E A QUESTÃO DA PIRATARIA:"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA ANSELMO LUIZ CORRÊA FERNANDES A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL E A QUESTÃO DA PIRATARIA: Perspectivas para o Desenvolvimento do Comércio Marítimo Nacional Rio de Janeiro 2012

2 ANSELMO LUIZ CORRÊA FERNANDES A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL E A QUESTÃO DA PIRATARIA: Perspectivas para o Desenvolvimento do Comércio Marítimo Nacional Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Economista Rui Guilherme Fibiger T. de Oliveira Rio de Janeiro 2012

3 C 2012 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG. CMG Anselmo Luiz Corrêa Fernandes Biblioteca General Cordeiro de Farias Corrêa Fernandes, Anselmo Luiz A Organização Marítima Internacional e a Questão da Pirataria: Perspectivas para o Desenvolvimento do Comércio Marítimo Nacional / Anselmo Luiz Corrêa Fernandes. Rio de Janeiro: ESG, f. Orientador: Economista Rui Guilherme Fibiger T. de Oliveira Trabalho de Conclusão de Curso Monografia, apresentado ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Organização Marítima Internacional (IMO). 2. Organização das Nações Unidas (ONU). 3. Pirataria. 4. Comércio Marítimo Nacional. I. Título

4 4 AGRADECIMENTOS Ao Comando da Marinha do Brasil pela oportunidade proporcionada, possibilitando-me realizar o Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE) e apresentar o presente trabalho. Ao estimado orientador, Economista Rui Guilherme Fibiger T. Oliveira, pela condução e conselhos na busca dos melhores caminhos do conhecimento. Agradeço as orientações seguras, o companheirismo, a lealdade e o apoio para a elaboração deste trabalho. À Representação Permanente do Brasil junto à Organização Marítima Internacional (RPB-IMO), nas pessoas do Capitão-de-Mar-e-Guerra Fernando Augusto Teixeira de Pinho, as Assistentes Técnicas Ellen Mucke Karam e Márcia Jorio Villares da Costa. Ao Comando de Operações Navais, nas pessoas do Contra-Almirante Fernando Antonio Araújo Figueiredo e do Capitão-de-Fragata Marcelo Campbell Mauad. A equipe, civis e militares, da ESG, o reconhecimento pela organização e apoio na condução dos trabalhos, possibilitando amenizar nossas naturais dificuldades. Aos colegas do CAEPE 2012 Turma Programa Antártico Brasileiro (ProAntar), pela convivência e camaradagem durante o curso. Agradeço a honra em poder estar ao lado de todos os senhores e senhoras, meus colegas de turma. Por fim, o apoio incondicional da minha querida esposa e filhos para a concretização deste empreendimento.

5 5 RESUMO O crescimento das ações de Pirataria na região da Costa da Somália, no Golfo de Áden e os casos surgidos no Golfo da Guiné, geraram uma grande preocupação na Organização das Nações Unidas (ONU) e, consequentemente, na sua Agência Especializada para assuntos de transporte marítimo mundial, a Organização Marítima Internacional (IMO). A IMO tem tomado uma série de providências, junto com a comunidade marítima internacional, a partir de 2008, devido a expansão da área de atuação desses criminosos e o aumento dos casos de sequestros de navios e de tripulações. Algumas sugestões estão sendo apresentadas pela IMO, a fim de combater as ações dos piratas, que são: aumentar o efetivo das forças da European Union Naval Force (EUNAVFOR) que atuam na Costa da Somália e Golfo de Áden; recomendar o cumprimento das Melhores práticas para proteção contra Pirataria ; e uso da Guarda Armada a bordo dos navios mercantes. O grande entrave para os países são suas legislações sobre o tema Pirataria e Roubo Armado. Com o crescimento das ações dos piratas no Golfo da Guiné, o que poderiam trazer transtornos para área do Atlântico Sul e na dependência do País na execução de suas trocas comerciais, onde, de acordo com a palestra proferida pelo Comandante da Marinha, 95% do comércio exterior brasileiro é efetivado por vias marítimas (cerca de US$ 200 bilhões de dólares/ano). Neste cenário, este estudo apresenta a estrutura organizacional da Organização Marítima Internacional (IMOl, o seu funcionamento e os aspectos políticos envolvidos; a posição da Organização das Nações Unidas (ONU); a posição das Autoridades brasileiras; a interrelação da questão da pirataria no seio da IMO e da ONU e propostas. A conclusão identifica os impactos positivos e negativos para o comércio marítimo nacional, indicando possíveis soluções para a manuteção e garantia do comércio marítimo nacional nas áreas afetadas pela pirataria. Palavras chave: Organização Marítima Internacional (IMO). Organização das Nações Unidas (ONU). Pirataria. Comércio Marítimo Nacional.

6 ABSTRACT The growth of the actions of Piracy the region of Coast of Somalia, in the Gulf of Aden and the cases arising in the Gulf of Guinea, generated a major concern in United Nations Organization (ONU) and consequently in their specialized agency for matters of global shipping, the International Maritime Organization (IMO). The IMO has taken a number of steps, with the international maritime community, since 2008, due to expansion of the area of operation of those criminals and the increase of cases of kidnapping of ships and crews. Some suggestions are being presented by the IMO in order to combat the pirates actions, which are: to increase the effective forces of the European Union Naval Force (EUNAVFOR) that act in Coast of Somalia and Gulf of Aden; to recommend the fulfilment of the "Best practices for protection against piracy," and use the Armed Guard on board merchant ships. The major obstacles to the countries are their legislations about "Piracy and Armed Robbery". With the growth of the actions of pirates in the Gulf of Guinea, which could bring trouble to the area of the South Atlantic and the dependence of the country in the execution of their trade, where, according to the lecture, given by the Commander of the Navy, 95% of Brazilian foreign trade is effected by sea (about $ 200 billion / year). In this scenario, this study presents the organizational structure of the International Maritime Organization (IMO); their operation and the political aspects involved; the position of the United Nations Organization (ONU); the position of Brazilian authorities; the interrelation of the issue of piracy in bosom of IMO and the ONU and proposals. The conclusion identifies the positive and negative impacts to the national maritime trade, indicating possible solutions to the maintainability and guarantee of national maritime trade in the areas affected by piracy. Keywords: International Maritime Organization (IMO). United Nations Organization (ONU). Piracy. National Maritime Trade.

7 7 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AJB Águas Jurisdicionais Brasileiras BMP Medidas de Melhores Práticas de Gestão CM - Comandante da Marinha CEDEAO Comissão da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental CCA-IMO - Comissão Coordenadora dos Assuntos da IMO CSNU Conselho de Segurança das Nações Unidas CONPORTOS Comissão Nacional de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis DPF Departamento da Polícia Federal EMD - Estado Membro Dominante EUNAVFOR Força Naval da União Europeia FC Fórum Consultivo GC - Grupo de Correspondência GT - Grupo de Trabalho GTE - Grupo de Trabalho Entre Sessões IMO Organização Marítima Internacional IMCO Convenção da Organização Marítima Consultiva Internacional MB Marinha do Brasil ONU Organização das Nações Unidas ONG Organização Não-Governamental OIG Organização Intergovernamental OM Organização Militar OTAN Organização do Tratado do Atlântico Norte PF Polícia Federal PC Plataforma Continental RP Representante Permanente do Brasil junto à IMO RA Representante Alterno do Brasil junto à IMO RPB-IMO Representação Permanente do Brasil junto à IMO SOLAS Convenção para Savalguarda da Vida Humana no Mar SEC-IMO - Secretaria Executiva da Comissão Coordenadora de Assuntos da IMO

8 8 SG - Secretário-Geral da IMO UNCLOS Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar UNDOALOS Divisão das Nações Unidas de Assuntos do Oceano e Direito do Mar UNODC Divisão das Nações Unidas de Drogas e Crimes

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL (IMO): ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E ASPECTOS POLÍTICOS BREVE HISTÓRICO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL FUNCIONAMENTO DA IMO ASPECTOS POLÍTICOS ATUAÇÃO DOS BRASIL NAS SESSÕES DA IMO A INTERDEPENDÊNCIA DA QUESTÃO DA PIRATARIA BREVE HISTÓRICO ATUAÇÃO DA ONU A ATUAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL (IMO) À PIRATARIA ATUAÇÃO DA IMO JUNTO A COMUNIDADE MARÍTIMA CÓDIGO DE CONDUTA DJIBOUTI DESDOBRAMENTO NO ATLÂNTICO SUL POSICIONAMENTO BRASILEIRO ATRIBUIÇÕES DA MARINHA DO BRASIL NA QUESTÃO DA PIRATARIA PERSPECTIVAS FUTURAS PARA O SETOR MARÍTIMO PROBLEMAS OCASIONADOS PELA PIRATARIA IMPACTOS NA INDÚSTRIA BRASILEIRA E POSSÍVEIS SOLUÇÕES CONCLUSÃO REFERÊNCIAS GLOSSÁRIO ANEXO A - ORGANOGRAMA DA IMO ANEXO B - REGULAMENTO DA CCA-IMO ANEXO C PAÍSES QUE JULGARAM CRIMES DE PIRATARIA...

10 10 1 INTRODUÇÃO A palavra "Somália", num contexto marítimo, leva quase que exclusivamente a pensamentos de pirataria. E ainda, os conflitos internos e a fome são claramente destacados, a pirataria é apenas uma das manifestações dos problemas profundos que afligem o país e seu povo. Nos estágios iniciais da crise da pirataria da Somália, a ênfase da resposta foi, basicamente, na proteção de navios mercantes dos ataques piratas. A mobilização e a coordenação das Forças Navais, o estabelecimento de corredores de tráfego e o Desenvolvimento de Melhores Práticas para os navios mercantes foram algumas das ações tomadas pela Organização Marítima Internacional (IMO) em conjunto com a Comunidade Marítima Internacional 1. Koji Sekimizu, Secretário Geral da IMO. A pirataria no mar, aparentemente coisa do passado, mostrou-se bastante ativa neste início do século XXI, juntou-se a ela o roubo armado a navios em áreas portuárias. Os crescentes índices levaram o assunto à alçada da Organização Marítima Internacional (IMO). O problema ultimamente tem se manifestado, principalmente, mas não exclusivamente, ao largo da costa da Somália, no Golfo de Áden e no resto do Oceano Índico. A IMO alertou o Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) sobre o problema da pirataria ao largo da costa da Somália, e, desde então, tem estado na vanguarda dos esforços do combate à pirataria, muitas vezes por sua própria iniciativa e muitas vezes em colaboração com os outros Órgãos. É importante definir e tipificar a pirataria acordo a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito no Mar (UNCLOS), em dezembro de 1982, na Jamaica, como sendo qualquer ato privado de violência praticado em alto mar (as partes do mar não incluídas no mar territorial e na zona econômica exclusiva) ou fora da jurisdição de qualquer país. Assim, um ataque realizado a navio no porto ou dentro do mar territorial (12 milhas marítimas a partir do ponto mais baixo da baixa-mar) de um país não e considerado pelo Direito Internacional como um ato de pirataria. Contudo, o roubo armado praticado 1 Tradução do autor

11 11 contra navios no porto ou no mar territorial de um país é um ato de crime e deverá ser conduzido conforme as leis específicas do país. Atualmente o trabalho tem sido realizado em conjunto com duas Divisões da Organização das Nações Unidas (ONU), a Divisão das Nações Unidas de Assuntos do Oceano e Direito do Mar (UNDOALOS) e a Divisão das Nações Unidas de Drogas e Crimes (UNODC). A grande preocupação desses Órgãos é a expansão desses crimes para outras áreas. No que concerne a pirataria na região da Somália (Oceano Índico, Mar Vermelho e Golfo de Áden), existe uma uma Força Naval da União Européia (EUNAVFOR), com a missão de patrulhar essa área, porém o grande obstáculo é o enquadramento desses contraventores no crime de pirataria, uma vez que a maioria dos países não possui uma legislação específica sobre o assunto. No caso do Brasil, o nosso Código Penal não preve o crime de pirataria, o que causa uma preocupação. Com o crescimento das ações dos piratas no Golfo da Guiné, o que poderá trazer transtornos para área do Atlântico Sul e na dependência do País na execução de suas trocas comerciais, onde, cerca de 95% do comércio exterior brasileiro é efetivado por vias marítimas, o Brasil poderá ser um ator importante neste cenário. No atual cenário, em que medida o aumento da pirataria na costa da Somália e no Golfo de Áden podem produzir desdobramentos deste crime no Golfo da Guiné e no Atlântico Sul? Quais as consequências para o comércio marítimo nacional, mediante as legislações vigentes? Quais as providências que estão sendo tomadas pela Organização Marítima Internacional (IMO) e pelas Autoridades brasileiras a respeito desse assunto? Este trabalho, cujo título é A Organização Marítima Internacional (IMO) e a Questão da Pirataria - Perspectivas para o Desenvolvimento do Comércio Marítimo Nacional, pretende responder a essas perguntas, tendo sido dividido, além dessa breve introdução e de uma futura conclusão, em quatro partes distintas. Em primeiro lugar, apresentamos como a Organização Marítima Internacional (IMO), uma Organização eminentemente técnica está estruturada,

12 12 como funciona e, como o Brasil está ali representado, ressaltando as ingerências políticas presentes no seio da Organização. Em seguida, a interdependência da questão da pirataria entre a IMO e a ONU. Apresentar um histórico sobre o assunto e a atuação da IMO junto à indústria marítima e à comunidade marítima, com o foco na legislação dos Estados Membros. Posteriormente, a atuação da IMO no combate à pirataria, abordar, de forma cronológica, como a IMO passou a se dedicar aos problemas da pirataria nas áreas da costa da Somália, do Golfo de Áden, do Golfo da Guiné e possíveis desdobramentos no Atlântico Sul; considerando os principais instrumentos implementados pela Organização, incluindo as possíveis soluções sobre a questão. Finalmente, a análise das perspectivas futuras para o setor marítimo indicar a situação atual do comércio marítimo nacional e as legislações vigentes nos Estados Membros, identificar os impactos para a indústria marítima brasileira e, sugerir possíveis soluções para a manutenção do comércio marítimo brasileiro. Para facilitar o entendimento do texto, o trabalho inclui uma relação de siglas e abreviaturas, um glossário e três anexos. Foi considerado importante registrar alguns acontecimentos presenciados pelo autor como Representante Alterno junto à IMO, no período de janeiro de 2010 a janeiro de 2012, durante o qual importantes debates sobre o tema foram desenvolvidos naquela Organização. Assim, alguns dos fatos mencionados têm como referência as sessões da Assembleia, do Conselho, dos Comitês, dos Subcomitês e de Grupos de Trabalho (GT), formais e informais, ocorridas nesse período, das quais o autor participou, integrando a delegação do Brasil nos mencionados eventos.

13 13 2 A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL: ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E ASPECTOS POLÍTICOS 2.1 BREVE HISTÓRICO: A navegação marítima, por seu caráter basicamente internacional, sempre necessitou de coordenação entre os países envolvidos. Com o incremento da propulsão a vapor, surgida com a Revolução Industruial, as embarcações desenvolviam maior manobrabilidade em comparação as movidas a vela. Essa nova realidade trazia novos problemas, pois cada um dos países que exploravam essas atividades, impunham os seus próprios critérios, dando margens à adoção de medidas unilaterais e completamente diferentes de um local para o outro. A partir da segunda metade do século XIX, surgiram as primeiras tentativas de acordos de regras para evitar albaroamento no mar entre a Inglaterra e a França, de forma bilateral essas regras eram uma espécie de código aplicado aos navios dentro das águas jurisdicionais dos dois países e a seus navios em todo o mundo. Com o crescimento do comércio marítimo mundial, outros problemas relativos à segurança da navegação passaram a ser relevantes e, ainda, a necessidade de se dispor de uma estrutura portuária adequada para receber e despachar os navios que transportavam as riquezas da época. Em 1912, o acidente do navio de passageiros Titanic, que afundou, após colidir com um bloco de gelo no Atlântico Norte, vitimando cerca de pessoas, levou o governo britânico a organizar uma conferência internacional,

14 14 que deu origem a primeira convenção internacional, tendo como foco a segurança da navegação, que foi promulgada em Essa convenção viria a se tornar um dos mais importantes tratados da Organização Marítima Internacional (IMO), a Convenção para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar - Safety of Life at Sea (SOLAS), tendo como objetivo a salvaguarda da vida humana no mar. Durante as duas guerras mundiais, sentiu-se, como nunca antes, a necessidade de uma Organização Intergovernamental para a navegação marítima. Os problemas relativos ao transporte de material bélico, à proteção do tráfego mercante, requeriam uma coordenação eficaz da navegação marítima. Após a criação das Nações Unidas em 1945, não tardaram a surgir as suas agências especializadas. Dessa forma, sob a égide da ONU, em 1948, em Genebra, foi adotada a Convenção da Organização Marítima Consultiva Internacional (IMCO), criando formalmente a Organização e congregando naquela ocasião 32 países. Foram necessários cerca de dez anos para se alcançar o número mínimo de ratificações exigidas para colocá-la em vigor, o que ocorreu em O Brasil ratificou esta Convenção em O Reino Unido ofereceu-se para sediar a nova Organização e Londres foi escolhida pela sua importância como centro das atividades marítimas internacionais, onde se localizavam as sedes ou os escritórios de representações das principais companhias que atuavam nesse ramo de atividade. Em 1954, o Reino Unido tomou a iniciativa de convocar uma Conferência contra a poluição marinha, cujo produto foi a International Convention for the Pollution of the Sea by Oil, conhecida como OILPOL. O Tratado foi adotado por vários países, marcando o início da preocupação ecológica por parte da comunidade marítima. Posteriormente, o acidente sofrido com o navio petroleiro Torrey Canyon, em 1967, no Atlântico Norte, provocando o derramamento de cerca de toneladas de óleo cru nas costas do Reino Unido e da França, com consequências desastrosas para o meio ambiente desses países, seria o principal fato gerador para a implementação de uma regulamentação mais abrangente e mais completa, visando a evitar a poluição causada por óleo derramado pelos navios no mar.

15 15 Em 1982, foi adotada a atual denominação Organização Marítima Internacional (IMO), já instalada as margens do Rio Tâmisa, localizada no centro de Londres, em um edifício cedido sob regime de arrendamento pelo governo britânico. Naquela época, a IMO já tinha marcado a sua presença em vários campos da atividade marítima, com destaque para a segurança da navegação e para a proteção do meio ambiente marinho. Em 1985, o sequestro do navio de passageiros Achile Lauro ocasionaria a entrada da IMO nas questões destinadas à prevenção dos atos terroristas contra os navios, seus passageiros e suas tripulações. Logo após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, nos EUA, a IMO iniciou um processo, que ainda está em andamento, da adoção de uma série de medidas ainda mais restritivas, visando a prevenir a ocorrência de atentados semelhantes, tendo como alvo a cadeia produtiva da indústria marítima. Chegava assim a IMO ao século XXI, sendo considerada uma das mais atuantes agências especializadas da ONU, já tendo produzido desde a sua criação 60 tratados internacionais. A Organização congrega hoje 170 Estados Partes e 3 Membros Associados 2, tendo um orçamento de 30,520, libras esterlinas para 2012, correspondendo a aproximadamente 50,358, dólares norte-americanos, em junho do mesmo ano. Conheceremos agora a Organização Marítima Internacional (IMO) e o seu funcionamento, de forma entendermos as decisões por ela adotadas e o impacto que elas tem sobre as atividades marítimas de países como o Brasil. 2.2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Secretário-Geral O Secretário-Geral (SG) preside a Organização, tendo status diplomático de Chefe de Missão. É eleito pelo Conselho, em voto secreto, para um período de 4 anos, sendo possível uma única reeleição, por um período adicional de 4 anos. Uma vez escolhido, seu nome deve ser submetido à Assembleia para ratificação. O atual SG, eleito no final de 2011, é o senhor Koji Sekimizu, de origem japonesa e que foi empossado em 1º de janeiro de Atribuições da Organização Marítima Internacional (IMO) 2 Hong Kong (China), Macau (China) e Ilhas Faroe (Dinamarca). A definição encontra-se no Glossário

16 16 As tarefas da IMO, constantes da sua Convenção, promulgada pelo Brasil pelo Decreto nº de 23 de setembro de 1963, podem ser assim resumidas 3 : a) estabelecer a cooperação intergovernamental no que tange às práticas e regulamentação dos assuntos de natureza técnica que interessam à navegação comercial internacional; b) incentivar a remoção de medidas discriminatórias e restrições desnecessárias dos governos que possam afetar o comércio marítimo internacional; c) evitar que a ajuda e o incentivo dado por um governo à sua marinha mercante sirva como restrição aos navios de outras bandeiras engajados no comércio internacional; d) analisar as questões sobre práticas restritivas desleais concernentes ao comércio marítimo internacional; e) examinar quaisquer matérias atinentes ao comércio marítimo internacional que lhe sejam encaminhadas por qualquer entidade ou agência especializada das Nações Unidas e os efeitos dessa atividade sobre o meio ambiente; e f) patrocinar a troca de informações entre os governos sobre assuntos que estejam sendo discutidos no âmbito da Organização Elementos Organizacionais Para atender a essas tarefas, a Organização Marítima Internacional (IMO) possui a estrutura organizacional constante do anexo A. Vejamos os seus principais Órgãos e suas respectivas atribuições: a) Assembleia - É o Órgão máximo deliberativo da Organização, reunindo a totalidade dos Estados Membros e Membros Associados, 78 Organizações Não-Governamentais (ONG), 63 Organizações Intergovernamentais (OIG) e outras entidades representadas, como, por exemplo, a União Européia. Cada Estado Membro tem direito a um voto. As ONG, OIG e outras entidades possuem apenas status consultivo, não tendo direito a voto. As sessões da Assembleia são dominadas por temas políticos, 3 Tradução do Autor

17 17 sendo as decisões normalmente adotadas por consenso. O recurso do voto, previsto na Convenção da IMO, dificilmente é utilizado. b) Conselho - É o Órgão executivo, que reúne 40 Estados Partes, eleitos pela Assembleia, com mandato de dois anos, sendo possível a reeleição. Cabe ao Conselho, por exemplo, escolher, por voto, o Secretário Geral e o indicar à Assembleia para a ratificação. Atualmente os critérios para integrar o Conselho, constantes da Convenção da IMO são os apresentados a seguir, apesar de ser a atual divisão meramente política 4 : - Categoria A - dez Estados com o maior interesse no fornecimento de serviços marítimos; - Categoria B - dez Estados com o maior interesse no comércio marítimo; e - Categoria C - vinte Estados, que não integrando os dois critérios anteriores, tenham maior interesse no comércio marítimo ou na navegação marítima, cuja presença no Conselho assegure a adequada representação de todas as principais áreas geográficas do mundo. c) Secretariado - Reúne o corpo de funcionários responsáveis pelas ações administrativas e financeiras da IMO. É constituído por cerca de 300 especialistas de diversos países, os quais são contratados ou como funcionários de carreira do sistema das Nações Unidas (níveis médio e superior) ou no mercado local (nível básico). A maioria dos integrantes do Secretariado é oriunda dos países de nacionalidade inglesa 5. d) Comitês - Em número de cinco, são responsáveis pela discussão dos assuntos técnicos, encaminhando suas decisões, posteriormente ao Conselho para ratificação. São eles: - de Proteção do Meio Ambiente Marinho (MEPC), que trata dos assuntos relativos à prevenção e ao controle da poluição do meio ambiente originada em navios; - de Segurança Marítima (MSC), que trata todos os aspectos que envolvam a segurança e proteção do tráfego marítimo internacional; - Legal (LEG), que trata dos assuntos de cunho jurídico sob a alçada 4 O Brasil foi eleito para o Conselho, em 1967, na categoria C. Em 1975, passou para a categoria B e vem sendo reeleito ininterruptamente até hoje. 5 O Secretariado da IMO conta com 5 funcionários brasileiros, sendo 2 de nível superior.

18 18 da IMO; - de Cooperação Técnica (TC), que coordena os assuntos relativos à cooperação técnica que envolvam a IMO, seja como participante ou como executora; e - de Facilitação (FAL), que atua na eliminação de barreiras burocráticas, normalmente nos portos, que dificultem as atividades marítimas. e) Subcomitês - são Órgãos auxiliares dos Comitês, os quais, por sua vez, podem estabelecer grupos de trabalho para o exame de questões técnicas específicas. Suas áreas de atuação estão definidas nas respectivas denominações, a saber: - Subcomitê sobre Gases e Líquidos a Granel (BLG); - Subcomitê sobre Substâncias Perigosas, Contêineres e Cargas Sólidas (DSC); - Subcomitê sobre Proteção contra Incêndio (FP); - Subcomitê sobre Radiocomunicações, Busca e Salvamento (COMSAR); - Subcomitê sobre Segurança da Navegação Marítima (NAV); - Subcomitê sobre Projeto e Equipamentos de Navios (DE); -Subcomitê sobre Compartimentagem, Estabilidade e Segurança de Barcos de Pesca (SLF); -Subcomitê sobre Formação, Treinamento, Certificação e Serviço de Quarto (STW); e - Subcomitê sobre Implementação do Estado de Bandeira (FSI). 2.3 FUNCIONAMENTO DA ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL (IMO) Aspectos Administrativos A Organização Marítima Internacional (IMO) e o Governo britânico assinaram um documento formal em 1982, denominado Headquarters Agreement (traduzido como Acordo de Sede), assinado entre o Secretário Geral da IMO e o Secretário de Estado das Relações Exteriores de Sua Majestade, tendo sofrido uma revisão, em 2003, na parte relativa aos privilégios e imunidades. Este acordo estabelece, por exemplo:

19 19 a) os critérios para o rateio das despesas da manutenção do edifício Sede da IMO, na base de 80% para o governo britânico e 20% para a IMO; b) que o Secretário Geral e os mais altos funcionários do Secretariado tem status diplomático, fazendo jus aos correspondentes privilégios e imunidades. No caso brasileiro, os Representantes Permanente e Alterno possuem os referidos direitos ; e c) os procedimentos para acreditar os Representantes Permanentes dos diversos Estados Partes e demais membros das respectivas missões junto ao governo britânico. As despesas do funcionamento da Organização são atendidas pelos Estados Membros por intermédio das respectivas contribuições anuais, como cotas parte do orçamento previamente aprovado pela Assembleia 6. Eventualmente são realizadas contribuições financeiras, por Estados Membros, Organizações Intergovernamentais ou Organizações Não-Governamentais, aceitas pela IMO, para custear reuniões ou trabalhos específicos sobre os assuntos considerados prioritários e que, evidentemente, atendem aos interesses desses atores Dinâmica das Discussões dos Assuntos na Organização Marítima Internacional (IMO) Os assuntos discutidos nas sessões da Assembleia, do Conselho, dos Comitês e Subcomitês obedecem a uma agenda prévia, aprovada na reunião anterior. Essa agenda é composta, normalmente, de 20 a 25 itens ou tópicos. Para cada tópico da agenda, podem ser submetidos previamente pelos Estados e demais membros da Organização, documentos escritos, que são analisados durante as sessões. Os trabalhos das sessões da Assembleia, do Conselho, dos Comitês e dos Subcomitês são dirigidos por um presidente, eleito pelas respectivas Assembleias 7, a partir de uma indicação de algum Estado Membro. Essa indicação, normalmente, já tem a aprovação prévia, tácita, dos Estados que exercem papel de relevância na sessão em questão, cabendo à Assembleia ratificar ou oficializar o que, informalmente, nos bastidores, já foi decidido. 6 Os Estados Membros que mais contribuem para a IMO e outras observações constam do Glossário 7 Considerações sobre os termos Assembleia e plenário são apresentadas no Glossário

20 20 Para que as decisões sobre assuntos considerados mais complexos sejam adotadas em períodos de tempo não muito longos, além das reuniões regulares dos Órgãos da IMO ocorrem outras reuniões, como, por exemplo: a) Grupos de Trabalho (GT) - são compostos por representantes das delegações interessadas, que se reúnem, em local separado, simultaneamente à ocorrência da reunião do plenário do Conselho, Comitê ou Subcomitê, sob a coordenação de um presidente, escolhido por consenso. b) Grupos de Correspondência (GC) - a decisão de implementá-los ocorre durante as sessões plenárias. Têm caráter eventual e se destinam a aprofundar a discussão de assuntos complexos, com ênfase nos detalhes técnicos, o que não pode ser feito durante as reuniões programadas por absoluta falta de tempo. São conduzidos via correio eletrônico, pela INTERNET, durante os intervalos entre as reuniões presenciais da IMO. c) Grupos de Trabalho Entre Sessões (GTE) - são reuniões formais, extraordinárias, realizadas em Londres, no intervalo de tempo entre as sessões dos Comitês e Subcomitês, para abreviar o tempo de implementação de emendas a um instrumento internacional ou, mesmo, o estabelecimento de uma nova Convenção sobre assuntos considerados prioritários pelo Conselho, com a ratificação da Assembleia. 2.4 ASPECTOS POLÍTICOS De acordo com o estabelecido no Artigo 2º da Carta das Nações Unidas e sendo a Organização Marítima Internacional (IMO) uma agência especializada da Organização das Nações Unidas(ONU), os Estados Membros possuem o princípio da igualdade dentro da Organização. Porém, na prática, observa-se que os Estados Membros Dominantes (EMD) 8 exercem uma grande influência nas decisões adotadas em todos os setores da IMO. Esta tendência a favor desses Estados ocorre pelos seguintes fatores: a) maior capacidade econômica para aportar contribuições financeiras extraordinárias necessárias à Organização, destinadas a custear reuniões ou 8 A definição da expressão Estados Membros Dominantes, para efeito deste Trabalho, encontra-se no Glossário

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

IMO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL

IMO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL IMO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL Criação: Março de1948, em Genebra. Órgão: Agência especializada e vinculada à ONU. Possui 167 Estados Membros. O Brasil integra a IMO desde 1963. Objetivo: Padronizar,

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL. PARTE I Propósitos da Organização

CONVENÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL. PARTE I Propósitos da Organização --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- ADVERTÊNCIA O presente texto é uma

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

Marinha participa de operação internacional com países africanos no patrulhamento do Golfo da Guiné

Marinha participa de operação internacional com países africanos no patrulhamento do Golfo da Guiné Marinha participa de operação internacional com países africanos no patrulhamento do Golfo da Guiné Por Tenente Fayga Soares Ao longo dos últimos 42 dias, a Marinha do Brasil participou de uma operação

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes ICC 110-13 Rev. 1 23 março 2015 Original: inglês P Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos Antecedentes O presente documento contém os termos de referência atualizados para os seguintes

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 DOCUMENTO DE BUENOS AIRES SOBRE O MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Sobre ASSOCIAÇÃO DE ARMADORES AFRICANOS

Sobre ASSOCIAÇÃO DE ARMADORES AFRICANOS Sobre ASSOCIAÇÃO DE ARMADORES AFRICANOS A associação foi registrada como uma ONG no Reino Unido, em setembro de 2011. A escolha do Reino Unido foi deliberado para garantir que o grupo não era visto como

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA O GOVERNO

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS Gustavo Eccard Especialista em Regulação Portos, Saúde e Meio Ambiente Cargas Perigosas nos Portos Gustavo Henrique de Araújo Eccard Sumário 1. ANTAQ 2. Visão Integrada de Gerenciamento

Leia mais

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 AS PARTES DO PRESENTE PROTOCOLO, SENDO PARTES da Convenção Internacional

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA PROPÓSITO E AUTORIDADE QUEPASA CORPORATION REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA O comitê de auditoria da mesa diretiva do Quepasa Corporation (a Companhia ) se apresenta diante das responsabilidades

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, RECOMENDAÇÃO 190 SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

Segurança e Saúde dos Trabalhadores

Segurança e Saúde dos Trabalhadores Segurança e Saúde dos Trabalhadores [1]CONVENÇÃO N. 155 I Aprovada na 67ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1981), entrou em vigor no plano internacional em 11.8.83. II Dados referentes

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Declaração da Cidade de Quebec

Declaração da Cidade de Quebec Declaração da Cidade de Quebec Nós, os Chefes de Estado e de Governo das Américas, eleitos democraticamente, nos reunimos na Cidade de Quebec, na III Cúpula, para renovar nosso compromisso em favor da

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ESPORTES E DA JUVENTUDE SUBSECRETARIA DA JUVENTUDE

SECRETARIA DE ESTADO DE ESPORTES E DA JUVENTUDE SUBSECRETARIA DA JUVENTUDE Sugestão de projeto de lei para um CMJ Autor: Poder Executivo Cria o Conselho Municipal da Juventude CMJ e dá outras providências. O povo do Município de, por seus representantes, decreta e eu sanciono

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República de Cabo Verde, doravante designadas por Partes : Animadas pela vontade

Leia mais

WP Council 185/08. 9 setembro 2008 Original: inglês/francês. Conselho Internacional do Café 101 a sessão 22 26 setembro 2008 Londres, Inglaterra

WP Council 185/08. 9 setembro 2008 Original: inglês/francês. Conselho Internacional do Café 101 a sessão 22 26 setembro 2008 Londres, Inglaterra WP Council 185/08 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 9 setembro 2008 Original: inglês/francês P

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 388, DE 2014 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo de Cooperação Técnica entre o Governo da República Federativa

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

O Comitê Gestor da CEIHC é composto por postos deliberativos e postos consultivos.

O Comitê Gestor da CEIHC é composto por postos deliberativos e postos consultivos. REGIMENTO DA COMISSÃO ESPECIAL DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO (CEIHC-SBC) Data de Aprovação em Assembléia: 26 de outubro de 2011 1 Objetivo A Comissão Especial de

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO Ricardo Barretto Ferreira da Silva Camila Ramos Montagna Barretto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados São

Leia mais

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB)

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) SUMÁRIO A QUESTÃO DA SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL DO CANAL DE ACESSO AOPORTO DE PARANAGUÁ A

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL MARINHA DO BRASIL Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL Paulo José Rodrigues de Carvalho Vice-Almirante Diretor Sítio: WWW.DPC.MAR.MIL.BR (Internet) SUMÁRIO Principais atribuições da DPC

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO (aprovado na 49ª Reunião do Comitê realizada em 11 de abril de 2013) CAPÍTULO I Do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO 1. O Comitê de Inovação (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução, instituído pelo

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura.

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura. PORTARIA Nº DE DE NOVEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, nomeado pela Portaria nº 824, de 29 de agosto de 2005, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações

Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações 1 CONVENÇÃO N. 148 Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações I Aprovada na 63ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1977), entrou em vigor no plano internacional em 11.7.79. II Dados referentes

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF Sistema de Gestão Ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz SGA/EACF

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO SEGUNDO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.12 7 de março de 2012 CICTE/INF.1/12 Washington, D.C. 7 março 2012 Original: inglês DISCURSO

Leia mais

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Manutenção da Paz Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Conclusão e assinatura: 01 de julho de 1968 Entrada em vigor: No Brasil: Aprovação:

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 03/02 ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL E A QUESTÃO DO MEIO AMBIENTE:

A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL E A QUESTÃO DO MEIO AMBIENTE: ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA PETRONIO AUGUSTO SIQUEIRA DE AGUIAR A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL E A QUESTÃO DO MEIO AMBIENTE: Perspectivas para o Desenvolvimento do Comércio Marítimo Nacional Rio de

Leia mais

(Minuta) Decreto N..., de 2010.

(Minuta) Decreto N..., de 2010. (Minuta) Decreto N..., de 2010. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas. O PREFEITO DE...(município)... segue o texto de aprovação do presente Decreto, conforme o trâmite

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011)

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011) CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ RUA VICTÓRIO VIEZZER. 84 - CAIXA POSTAL 2.208 - CEP 80810-340 - CURITIBA - PR FONE: (41) 3240-4000 - FAX: (41) 3240-4001 - SITE: www.crmpr.org.br - E-MAIL: protocolo@crmpr.org.br

Leia mais

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes 1 CONVENÇÃO N. 159 Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes I Aprovada na 69ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1983), entrou em vigor no plano internacional em

Leia mais

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar?

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar? O Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar CDCE tem amparo legal? Sim. A Lei 7.040/98 que estabeleceu a gestão democrática no Sistema de Ensino, instituiu o CDCE, na forma, composição e outros providências

Leia mais

ACORDO SOBRE O PROJETO FOMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL E DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS

ACORDO SOBRE O PROJETO FOMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL E DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 09/04 ACORDO SOBRE O PROJETO FOMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL E DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as

Leia mais

A terceirização no Setor Portuário

A terceirização no Setor Portuário A terceirização no Setor Portuário Em função de sua complexidade, dos múltiplos atores envolvidos e da diversidade de ocupações, identificar a terceirização no setor portuário é um exercício que requer

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) QUINTO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.5 16 a 18 de fevereiro de 2005 CICTE/DEC. 1/05 rev. 1 Port-of-Spain, Trinidad e Tobago 17 fevereiro 2005

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais