Agentes Inteligentes: Uma Abordagem Prática com o Java Agent Development Framework

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agentes Inteligentes: Uma Abordagem Prática com o Java Agent Development Framework"

Transcrição

1 Agentes Inteligentes: Uma Abordagem Prática com o Java Agent Development Framework Daniel Abella Cavalcante Mendonça de Souza Capítulo 1. Introdução Segundo Russel e Norvig [1], um Agente é tudo o que pode ser considerado capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e agir sobre este ambiente por intermédio de atuadores. Este conceito é ilustrado a seguir. Ilustração 1: Arquitetura básica de um Agente Termos Utilizados O termo percepção se refere às entradas perceptivas do agente em um dado momento, enquanto que, temos uma seqüência de percepções, que diz respeito à história completa de tudo o que o agente já percebeu. Esta distinção entre os termos apresentados é necessária, pois, a escolha de uma ação a ser realizada pelos atuadores do Agente, pode depender da seqüência inteira de percepções observadas até o momento. Em termos matemáticos, afirmamos que o comportamento do agente é descrito pela função de agente, que mapeia qualquer seqüência de percepções a uma dada ação. Função de Agente x Programa de Agente O mapeamento descrito anteriormente na função agente é comumente relacionado a uma tabela, que é infinita, a menos que seja definido um limite sobre a quantidade de percepções que devemos considerar. Entretanto, esta tabela é apenas uma

2 caracterização externa do agente. Internamente, a função de agente é implementada por um programa de agente. Em resumo, a função de agente é uma descrição matemática abstrata; o programa de agente é uma implementação concreta, relacionada à arquitetura do agente. Aplicação Na próxima seção, é apresentada como pode ser desenvolvido um Agente conforme o conceito de Russel e Norvig [1]. 1.1 Implementação de um Agente by Russel Para o desenvolvimento de um Agente Inteligente conforme a definição de Russel será utilizada a linguagem Java e o framework Java Agent Development Framework Jade [2]. Caso o leitor não tenha conhecimento sobre a configuração do ambiente para execução de Agentes ou desconheça conceitos básicos sobre este framework, devem ser consultados respectivamente os apêndices A e B. Então, Are you ready? Prática O primeiro passo para a construção de um Agente conforme a definição de Russel e Norvig, é definir o(s) seu(s) atuador(es) e sensor(es). Em termos de implementação, cada atuador ou sensor presente no agente, significará a criação de um novo Behavior. Iniciaremos pela construção do Sensor do agente intitulado Russel. Sensor Para o exemplo apresentado aqui, projetaremos um agente que perceberá o seu ambiente periodicamente. As ações que o agente realizará durante a percepção do agente é algo que deve corresponder à finalidade do agente. Por exemplo, em um agente intitulado SubmarinoProducts, que atua no oferecimento de produtos ao consumidor, pode constantemente monitorar as ações do usuário no e-commerce, e atualizar no banco de dados as ações do usuário, algo como o apresentado no Quadro 1. Em contrapartida, o atuador deste agente

3 consultaria esta tabela no banco de dados e realizaria uma oferta baseada na quantidade de acessos. Usuário Página Quantidade de Acessos daniel.abella eshop.com/notebook 3000 daniel.abella eshop.com/palmtop 1400 daniel.abella eshop.com/books 13 Quadro 1: Relação de acesso ao usuário Daniel Abella Neste momento, temos que definir se criaremos um comportamento próprio para o sensor (isto é, uma subclasse de SimplerBehavior) ou utilizaremos como base algum dos behaviors disponibilizados pelo framework Jade (por exemplo, CyclicBehavior, TickerBehavior, entre muitos outros). Conforme dito anteriormente, o sensor perceberá o ambiente periodicamente, logo pode ser utilizado como base o comportamento TickerBehavior, disponibilizado pelo framework. Este comportamento permite que o behavior seja chamado de acordo com a periodicidade informada pelo agente (em milisegundos). O código fonte referente ao sensor é apresentado na seqüência. Classe Sensor import jade.core.agent; import jade.core.behaviours.tickerbehaviour; public class Sensor extends TickerBehaviour { public Sensor(Agent agente, long tempo){ super(agente,tempo); protected void ontick(){ //Aqui, voce deve fornecer a implementacao do seu sensor System.out.println("Agente percebendo o ambiente"); //Depois de perceber o ambiente, é designado um Atuador para atuar no ambiente myagent.addbehaviour(new Atuador()); No código fonte apresentado anteriormente, não temos nenhuma percepção do ambiente de fato, apenas a impressão da frase Agente percebendo o ambiente. Ao fim da percepção, é incluído um Atuador que poderá atuar sobre o ambiente. Em substituição a impressão da frase Agente percebendo o ambiente poderíamos ter implementado o comportamento descrito no Quadro 1. Um pseudocódigo que ilustra este cenário é apresentado a seguir.

4 Classe Sensor import jade.core.agent; import jade.core.behaviours.tickerbehaviour; public class Sensor extends TickerBehaviour { public Sensor(Agent agente, long tempo){ super(agente,tempo); protected void ontick(){ String usuarioverificado = obterusuarioautenticado(); String acaousuario = obteracaousuario(usuarioverificado); gravarbancodedados(usuarioverificado,acaousuario); myagent.addbehaviour(new Atuador()); private void gravarbancodedados(string usuarioverificado, String acaousuario) { private String obteracaousuario(string usuarioverificado) {return null; private String obterusuarioautenticado() {return null; Atuador Após a definição do Sensor, trataremos nesta subseção a definição do atuador. Conforme apresentado nos códigos fonte anteriormente, o atuador estava sempre sendo chamado após a realização da atividade do sensor (note que, é sempre colocado no final do método ontick). Baseado nisto, tem-se que o Atuador deve ser chamado apenas uma vez. Isto se deve ao fato que, como o Sensor é chamado periodicamente e este último, por sua vez, sempre realizada a chamada do Atuador. Em momento simular durante o desenvolvimento do Sensor, temos que definir se criaremos um comportamento próprio para o atuador (isto é, uma subclasse de SimplerBehavior) ou utilizaremos como base algum dos behaviors disponibilizados pelo framework Jade (por exemplo, CyclicBehavior, TickerBehavior, entre muitos outros). Neste sentido, o OneShortBehavior pode ser utilizado, pois este implementa um comportamento atômico que é executado uma vez. É apresentado a seguir o código fonte referente ao atuador. Neste exemplo, não temos nenhuma atuação de fato, apenas a impressão da frase Agente Russel atuando no ambiente. Após isto, o método removebehavior é chamado. Este método faz com que o behavior informado como argumento seja removido da execução. Logo,

5 quando temos a chamada da forma removebehavior(this) estamos pedindo para que o próprio Atuador acabe com a sua execução. Classe Atuador import jade.core.behaviours.oneshotbehaviour; public class Atuador extends OneShotBehaviour{ public void action() { System.out.println("Agente Russel atuando no ambiente"); myagent.removebehaviour(this); Em contrapartida ao realizado durante a apresentação do Sensor, é apresentado abaixo o pseudocódigo para um Atuador que representaria o comportamento descrito no Quadro 1. Classe Atuador import jade.core.behaviours.oneshotbehaviour; public class Atuador extends OneShotBehaviour{ public void action() { String usuarioverificado = obterusuarioautenticado(); String secaomaisacessadapelousuario = obtersecaomaisacessadapelousuario(usuarioverificado); String paginaofertassessao = obterofertasdasessao(secaomaisacessadapelousuario); enviar usuario(paginaofertassessao); myagent.removebehaviour(this); private void enviar usuario(string paginaofertassessao) { private String obterofertasdasessao(string secaomaisacessadapelousuario) {return null; private String obtersecaomaisacessadapelousuario(string usuarioverificado) {return null; private String obterusuarioautenticado() {return null;

6 Vídeo Aula e Código Fonte Para melhor compreensão do abordado até este momento, é disponibilizado no site da disciplina uma vídeo-aula que demonstra a criação do Agente Russel. Além disto, é disponibilizado o código fonte produzido. Apêndice A. Configuração do Ambiente para Desenvolvimento de Agentes Inteligentes com o Java Agent Development Framework A ser incluído. Apêndice B. Conceitos básicos sobre o Java Agent Development Framework A ser incluído.

Inteligência Artificial (SI 214) Aula 2 Agentes Inteligentes

Inteligência Artificial (SI 214) Aula 2 Agentes Inteligentes Inteligência Artificial (SI 214) Aula 2 Agentes Inteligentes Prof. Josenildo Silva jcsilva@ifma.edu.br 2012-2015 Josenildo Silva (jcsilva@ifma.edu.br) Este material é derivado dos slides de Hwee Tou Ng,

Leia mais

Agentes - Definição. Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes

Agentes - Definição. Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes Inteligência Artificial s Inteligentes s - Definição : entidade capaz de perceber e agir em um ambiente, comunicar-se com outros agentes, motivada por um conjunto de inclinações, que pode dispor de representação

Leia mais

Introdução à orientação a objetos. João Tito Almeida Vianna 25/05/2013

Introdução à orientação a objetos. João Tito Almeida Vianna 25/05/2013 Introdução à orientação a objetos João Tito Almeida Vianna 25/05/2013 Roteiro Aula 2 Motivação Revisão dos conceitos da aula 1 Preparação para os exercícios Exercícios propostos 2 Motivação A orientação

Leia mais

Linguagem de Programação III

Linguagem de Programação III Linguagem de Programação III Aula-3 Criando Classes em Java Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Da Aula Anterior Classes em Java, sintaxe básica Tipos básicos de dados em Java, como escolher o tipo apropriado

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Campus Cachoeiro de Itapemirim Curso Técnico em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita Este exercício deve ser manuscrito e entregue na próxima aula; Valor

Leia mais

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 04 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 2 Prof. Cristóvão Cunha Implementando uma Classe

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM SISTEMAS INTEGRADOS E DISTRIBUÍDOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM SISTEMAS INTEGRADOS E DISTRIBUÍDOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM SISTEMAS INTEGRADOS E DISTRIBUÍDOS II RELATÓRIO TÉCNICO ADORILSON BEZERRA DE ARAÚJO ANDRÉ GUSTAVO

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial INF 1771 Inteligência Artificial Aula 02 Agentes Inteligentes Edirlei Soares de Lima Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Licenciatura em Computação Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por

Leia mais

WebWork 2. João Carlos Pinheiro. jcpinheiro@cefet-ma.br

WebWork 2. João Carlos Pinheiro. jcpinheiro@cefet-ma.br WebWork 2 João Carlos Pinheiro jcpinheiro@cefet-ma.br Versão: 0.5 Última Atualização: Agosto/2005 1 Agenda Introdução WebWork 2 & XWork Actions Views Interceptadores Validação Inversão de Controle (IoC)

Leia mais

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP Antes de mais nada, vamos conhecer alguns conceitos, que serão importantes para o entendimento mais efetivos dos assuntos que trataremos durante a leitura desta apostila.

Leia mais

TCC04040 Inteligência Artificial. Inteligência Artificial

TCC04040 Inteligência Artificial. Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 2 Profª Bianca Zadrozny TCC04040 Inteligência Artificial Página web: http://www.ic.uff.br/~bianca/ia Material: Livro texto: Inteligência Artificial, Russell & Norvig, Editora

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 02 Agentes Inteligentes Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

Programação por Objectos. Java

Programação por Objectos. Java Programação por Objectos Java Parte 2: Classes e objectos LEEC@IST Java 1/24 Classes (1) Sintaxe Qualif* class Ident [ extends IdentC] [ implements IdentI [,IdentI]* ] { [ Atributos Métodos ]* Qualif:

Leia mais

Módulo 5 JPATransaction Camadas Turma Turma TurmaBC .business @BusinessController TurmaBC TurmaBC TurmaBC

Módulo 5 JPATransaction Camadas Turma Turma TurmaBC .business @BusinessController TurmaBC TurmaBC TurmaBC Módulo 5 No módulo anterior adaptamos nosso projeto para persistir as informações no banco de dados utilizando as facilidades da extensão demoiselle-jpa. Experimentamos o controle transacional do Framework

Leia mais

Java 2 Standard Edition Como criar classes e objetos

Java 2 Standard Edition Como criar classes e objetos Java 2 Standard Edition Como criar classes e objetos Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Assuntos abordados Este módulo explora detalhes da construção de classes e objetos Construtores Implicações da

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Programação Orientada a Objetos em java. Polimorfismo

Programação Orientada a Objetos em java. Polimorfismo Programação Orientada a Objetos em java Polimorfismo Polimorfismo Uma característica muito importante em sistemas orientados a objetos Termo proveniente do grego, e significa muitas formas Em POO, significa

Leia mais

Especificação do 3º Trabalho

Especificação do 3º Trabalho Especificação do 3º Trabalho I. Introdução O objetivo deste trabalho é abordar a prática da programação orientada a objetos usando a linguagem Java envolvendo os conceitos de classe, objeto, associação,

Leia mais

Jade Java Agent Development Framework

Jade Java Agent Development Framework Jade Java Agent Development Framework http://jade.tilab.com/ Versão atual: 4.0.1 (07/07/2010) 17/08/10 @LES/PUC-Rio 2 Jade é um middleware para o desenvolvimento de sistemas multiagentes Inclui Um ambiente

Leia mais

Tutorial para criação de componentes JSF Facelets Por Érico GR 07/08/2007

Tutorial para criação de componentes JSF Facelets Por Érico GR 07/08/2007 Tutorial para criação de componentes JSF Facelets Por Érico GR 07/08/2007 Nível: Intermediário Este tutorial tem como objetivo criar um simples componente que renderiza uma tag label utilizando recursos

Leia mais

Aula 09 Introdução à Java. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 09 Introdução à Java. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 09 Introdução à Java Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www.profbrunogomes.com.br/ Agenda da Aula Java: Sintaxe; Tipos de Dados; Variáveis; Impressão de Dados.

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS Cursos: Análise, Ciência da Computação e Sistemas de Informação Programação I - Prof. Aníbal Notas de aula 2 DEFINIÇÃO DE MÉTODOS Todo o processamento que um programa Java faz está definido dentro dos

Leia mais

Introdução à Programação. Interface, Polimorfismo e Dynamic Binding

Introdução à Programação. Interface, Polimorfismo e Dynamic Binding Introdução à Programação Interface, Polimorfismo e Dynamic Binding Interface Programador Java PLENO Possuir sólida experiência em programação Desenvolvimento na linguagem JAVA Webservice, Struts ou JSF(desejável)

Leia mais

Programação para Android. Aula 06: Activity, menus e action bar

Programação para Android. Aula 06: Activity, menus e action bar Programação para Android Aula 06: Activity, menus e action bar Activity A classe Activity é quem gerencia a interface com o usuário. Ela quem recebe as requisições, as trata e processa. Na programação

Leia mais

public void setdata(data d) { data = d;

public void setdata(data d) { data = d; class Data... public class Compromisso private Data data; private int hora; private String descricao; /**java.lang.string*/ public Compromisso() public Compromisso(Data data, int hora, String descricao)

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. ADS 6º Período

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. ADS 6º Período INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ADS 6º Período Activity INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Activity A classe activity

Leia mais

Módulo 07 Características Avançadas de Classes

Módulo 07 Características Avançadas de Classes Módulo 07 Características Avançadas de Classes Última Atualização: 15/06/2010 1 Objetivos Descrever variáveis, métodos e iniciadores static Descrever a semântica do modificador final em classes, métodos

Leia mais

Tutorial J2ME Parte 3

Tutorial J2ME Parte 3 Introdução Tutorial J2ME Parte 3 Como pudemos aprender nos tutoriais anteriores, os dispositivos celulares podem implementar em seu sistema o KVM, a máquina virtual que roda aplicações J2ME. A API de programação

Leia mais

sobre rogério gonçalves gerente de projetos > digitale agência digital rogerio@digitale.com.br h7p://www.digitale.com.br h7p://leveme.

sobre rogério gonçalves gerente de projetos > digitale agência digital rogerio@digitale.com.br h7p://www.digitale.com.br h7p://leveme. sobre rogério gonçalves gerente de projetos > digitale agência digital rogerio@digitale.com.br h7p://www.digitale.com.br h7p://leveme.la/rogerio definição - é uma forma de programar e organizar um sistema

Leia mais

Exercício 1 : As classes abaixo serão utilizadas neste exercício: public class Ponto { int x; int y; public Ponto(int x, int y){ this.

Exercício 1 : As classes abaixo serão utilizadas neste exercício: public class Ponto { int x; int y; public Ponto(int x, int y){ this. Exercício 1 : As classes abaixo serão utilizadas neste exercício: public class Ponto { int x; int y; public Ponto(int x, int y){ this.x = x; this.y = y; public String tostring(){ return "(" + x + "," +

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

INF1771 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL TRABALHO 2 LÓGICA

INF1771 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL TRABALHO 2 LÓGICA INF1771 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL TRABALHO 2 LÓGICA Descrição: Após reunir a equipe de programadores para participar do 1 Concurso Mundial de Desenvolvimento de Softwares, Barbie e seus amigos iniciaram

Leia mais

Prova de Java. 1) Copie o programa abaixo no eclipse e complete-o, utilizando os conceitos aprendidos durante o curso. (4 pontos)

Prova de Java. 1) Copie o programa abaixo no eclipse e complete-o, utilizando os conceitos aprendidos durante o curso. (4 pontos) Prova de Java 1) Copie o programa abaixo no eclipse e complete-o, utilizando os conceitos aprendidos durante o curso. (4 pontos) O programa consiste em uma aplicação que simula o comportamento de dois

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Computação II Orientação a Objetos

Computação II Orientação a Objetos Computação II Orientação a Objetos Fabio Mascarenhas - 2014.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/java Classes abstratas Até agora, usamos interfaces toda vez que queríamos representar algum conceito abstrato

Leia mais

AGENTES INTELIGENTES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

AGENTES INTELIGENTES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com AGENTES INTELIGENTES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Agentes Inteligentes Um agente é tudo o que pode ser considerado capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre

Leia mais

Prof. Esp. Adriano Carvalho

Prof. Esp. Adriano Carvalho Prof. Esp. Adriano Carvalho Um arquivo contendo uma sequência de comandos em uma linguagem de programação especifica Esses comandosrespeitam regras de como serem escritos e quais são as palavras que podem

Leia mais

Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas

Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas 1 Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas Anita Maria da R. Fernandes Daniel de Oliveira Helton Machado Kraus Universidade do Vale do Itajaí Universidade do Vale do Itajaí Universidade

Leia mais

Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa

Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa Daniel Pfannemüller Superintendente do Instituto Educacional BM&FBOVESPA Mar/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno

Leia mais

Programação Orientada a Objetos e Java - Introdução. Carlos Lopes

Programação Orientada a Objetos e Java - Introdução. Carlos Lopes Programação Orientada a Objetos e Java - Introdução Carlos Lopes POO e Java Objetivo: proporcionar uma visão dos conceitos de POO e do seu uso na estruturação dos programas em Java. Classes e objetos em

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java

Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java Qualiti Software Processes Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java Versã o 1.0 Este documento só pode ser utilizado para fins educacionais, no Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco.

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063)

Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063) Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063) Aula 5 Herança Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Prof. Bruno

Leia mais

Criando uma agenda simples com NetBeans 6.5

Criando uma agenda simples com NetBeans 6.5 Criando uma agenda simples com NetBeans 6.5 (Swing application framework e Beansbinding) Já faz algum tempo que escrevi uma agenda simples usando o Eclipse com o Visual Class Editor. Demorei em torno de

Leia mais

Prototype, um Design Patterns de Criação

Prototype, um Design Patterns de Criação Prototype, um Design Patterns de Criação José Anízio Pantoja Maia Este artigo tem como finalidade compreender o funcionamento do padrão de projeto prototype, serão abordados os participantes que compõe

Leia mais

Capítulo 8. Introdução UML

Capítulo 8. Introdução UML Capítulo 8. Introdução UML 1/42 Índice Indice 8.1 - Introdução UML 8.2 - Modelação estrutural 8.2.1 - Representação de classes e objectos 8.2.2 - Relações entre objectos 8.2-3 - Relações de associação

Leia mais

Soluções para Automatizar. o atendimento e ter eficiência na central

Soluções para Automatizar. o atendimento e ter eficiência na central Soluções para Automatizar o atendimento e ter eficiência na central Soluções para Automatizar o atendimento e ter eficiência na central Automatizar o atendimento ao cliente significa redução de custos,

Leia mais

POO Programação Orientada a Objetos. Classes em Java

POO Programação Orientada a Objetos. Classes em Java + POO Programação Orientada a Objetos Classes em Java + Classes 2 Para que a JVM crie objetos: Ela precisa saber qual classe o objeto pertence Na classe estão definidos os atributos e métodos Programamos

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel As 52 Palavras Reservadas O que são palavras reservadas São palavras que já existem na linguagem Java, e tem sua função já definida. NÃO podem

Leia mais

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Luiz Chaimowicz e Raquel O. Prates Livro Projeto de Algoritmos Capítulo 1 2009-1 O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos Sequência de ações executáveis para

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 01 Orientação a Objetos Edirlei Soares de Lima Paradigmas de Programação Um paradigma de programação consiste na filosofia adotada na

Leia mais

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas 4 Estudo de Caso Com o propósito de melhor apresentar a arquitetura NeMaSA, assim como melhor ilustrar seu funcionamento, dois exemplos práticos de testes desenvolvidos sobre a arquitetura proposta serão

Leia mais

Programação Orientada a Objetos II

Programação Orientada a Objetos II Programação Orientada a Objetos II AULA Banco de Dados (Exemplo) Prof. Rodrigo Rocha Prof.rodrigorocha@yahoo.com (Modo Texto) Conectando ao Banco de Dados Entre no Diretório do Mysql mysql u root p criando

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

INF1771 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL TRABALHO 2 LÓGICA

INF1771 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL TRABALHO 2 LÓGICA INF1771 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL TRABALHO 2 LÓGICA Descrição: Para tornar-se um Mestre Pokémon é necessário aventurar-se por locais desconhecidos e capturar todos os 150 pokémons que habitam o Continente

Leia mais

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB)

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB) Uma Introdução à Arquitetura Francisco C. R. Reverbel 1 Copyright 1998-2006 Francisco Reverbel O Object Request Broker (ORB) Via de comunicação entre objetos (object bus), na arquitetura do OMG Definido

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 7: Recursividade O objetivo desta aula é apresentar o conceito de recursão para solução de problemas. A recursão é uma técnica de programação

Leia mais

UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes

UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes Após ser definido o contexto da aplicação a ser gerada. Devemos pensar em detalhar o Diagrama de Classes com informações visando uma implementação Orientada

Leia mais

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting Omega Tecnologia Manual Omega Hosting 1 2 Índice Sobre o Omega Hosting... 3 1 Primeiro Acesso... 4 2 Tela Inicial...5 2.1 Área de menu... 5 2.2 Área de navegação... 7 3 Itens do painel de Controle... 8

Leia mais

Programas eram lineares e com poucos módulos (Programação estruturada) Aumento da complexidade dos sistemas e difícil reusabilidade dos mesmos

Programas eram lineares e com poucos módulos (Programação estruturada) Aumento da complexidade dos sistemas e difícil reusabilidade dos mesmos OO -Objetos, classes, atributos, métodos, estado, comportamento e identidade (Slide) Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br Programação Orientada a Objetos Introdução Programas eram lineares e com poucos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PROFESSOR: REINALDO GOMES ASSUNTO: REVISÃO DA INTRODUÇÃO A ORIENTAÇÃO

Leia mais

2º PERÍODO TECNOLOGIA EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO RELATÓRIO ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

2º PERÍODO TECNOLOGIA EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO RELATÓRIO ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC 2º PERÍODO TECNOLOGIA EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO GOIÂNIA 2015 PROJETO INTEGRADOR RELATÓRIO ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES GRUPO: ALLAN BERG CARLOS SILVA JUAN CARLOS

Leia mais

Orientação a Objetos com Java

Orientação a Objetos com Java Orientação a Objetos com Java Julio Cesar Nardi julionardi@yahoo.com.br 2011/2 Apresentação 3: Orientação Objetos: Conceitos Básicos Objetivos: Compreender os Conceitos Básicos da Orientação a Objetos;

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle Prof. Hugo Souza Após abordarmos os componentes lógicos, em uma síntese de dependências gradativas, vamos

Leia mais

Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread.

Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread. 5 THREADS Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread. 5.1 VISÃO GERAL Uma definição mais abrangente para threads é considerá-lo

Leia mais

Subtipos e Subclasses

Subtipos e Subclasses Subtipos e Subclasses Aula 15 do curso 6.170 15 de outubro de 2001 Sumário 1Subtipos 32 2 Exemplo: Bicicletas 33 3 Exemplo: Quadrado e retângulo 37 4 Princípio de substituição 38 5 Subclasses e subtipos

Leia mais

Herança. Alberto Costa Neto DComp - UFS

Herança. Alberto Costa Neto DComp - UFS Herança Alberto Costa Neto DComp - UFS 1 Motivação Vimos como se faz encapsulamento e a importância de fazê-lo... Contudo, também é possível fazer encapsulamento em algumas linguagens não OO O que mais

Leia mais

Profº. Enrique Pimentel Leite de Oliveira

Profº. Enrique Pimentel Leite de Oliveira Profº. Enrique Pimentel Leite de Oliveira O termo orientação a objetos significa organizar o mundo real como uma coleção de objetos que incorporam estrutura de dados e um conjunto de operações que manipulam

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Marcelo Lobosco DCC/UFJF Comunicação em Sistemas Distribuídos Aula 06 Agenda Modelo Cliente-Servidor (cont.) Invocação Remota de Método (Remote Method Invocation RMI) Visão Geral

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Disciplina: POO2 Prof. Fabiano Dorça. Padrões de Projeto. Padrão Command

Universidade Federal de Uberlândia Disciplina: POO2 Prof. Fabiano Dorça. Padrões de Projeto. Padrão Command Universidade Federal de Uberlândia Disciplina: POO2 Prof. Fabiano Dorça Padrões de Projeto Padrão Command O padrão Command encapsula um comando em um objeto. Tem como premissa desacoplar o objeto cliente

Leia mais

Programação para Android. Aula 10: Acesso a câmera, sms e recursos do aparelho

Programação para Android. Aula 10: Acesso a câmera, sms e recursos do aparelho Programação para Android Aula 10: Acesso a câmera, sms e recursos do aparelho Objetivos Nesta aula iremos aprender como invocar os recursos do aparelho: Fazer chamadas telefônicas Enviar SMS Utilizar a

Leia mais

THREADS EM JAVA. George Gomes Cabral

THREADS EM JAVA. George Gomes Cabral THREADS EM JAVA George Gomes Cabral THREADS Fluxo seqüencial de controle dentro de um processo. Suporte a múltiplas linhas de execução permite que múltiplos processamentos ocorram em "paralelo" (em computadores

Leia mais

Java na WEB Servlet. Sumário

Java na WEB Servlet. Sumário 1 Java na WEB Servlet Objetivo: Ao final da aula o aluno será capaz de: Utilizar Servlets para gerar páginas web dinâmicas. Utilizar Servlets para selecionar páginas JSPs. Utilizar Servlets como elemento

Leia mais

Millennium ECO 2.0 (beta)

Millennium ECO 2.0 (beta) MILLENNIUM NETWORK Millennium ECO 2.0 (beta) Documentação Técnica (draft) 10/2013 Este documento contém as instruções para a utilização da biblioteca Millenium_Eco que se presta à comunicação de aplicativos

Leia mais

Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior

Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior 5COP088 Laboratório de Programação Aula 1 Java Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior Sylvio Barbon Jr barbon@uel.br 1 Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior Formação: Ciência e Engenharia da Computação (2005

Leia mais

Programação Orientada a Objetos em Java. Herança

Programação Orientada a Objetos em Java. Herança Universidade Federal do Amazonas Departamento de Ciência da Computação IEC481 Projeto de Programas Programação Orientada a Objetos em Java Herança Professor: César Melo Slides baseados em materiais preparados

Leia mais

Reuso com Herança a e Composiçã

Reuso com Herança a e Composiçã Java 2 Standard Edition Reuso com Herança a e Composiçã ção Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Como aumentar as chances de reuso Separar as partes que podem mudar das partes que não mudam. Exemplo:

Leia mais

Universidade Federal do ABC ufabc

Universidade Federal do ABC ufabc Universidade Federal do ABC ufabc André Filipe de Moraes Batista andre.batista@ufabc.edu.br Manual Complementar do Projeto de Pesquisa: Sistemas Multiagentes na Construção de um Middleware para Suporte

Leia mais

3 Classes e instanciação de objectos (em Java)

3 Classes e instanciação de objectos (em Java) 3 Classes e instanciação de objectos (em Java) Suponhamos que queremos criar uma classe que especifique a estrutura e o comportamento de objectos do tipo Contador. As instâncias da classe Contador devem

Leia mais

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 Diante da evolução de técnicas e ferramentas tecnológicas, aliado a novas necessidades curriculares,

Leia mais

Introdução a Threads Java

Introdução a Threads Java Introdução a Threads Java Prof. Gerson Geraldo Homrich Cavalheiro Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Instituto de Física e Matemática Pelotas RS Brasil http://gersonc.anahy.org

Leia mais

Arquitetura de Aplicações JSP/Web. Padrão Arquitetural MVC

Arquitetura de Aplicações JSP/Web. Padrão Arquitetural MVC Arquitetura de Aplicações JSP/Web Padrão Arquitetural MVC Arquitetura de Aplicações JSP/Web Ao projetar uma aplicação Web, é importante considerála como sendo formada por três componentes lógicos: camada

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Prof. Fabiano Azevedo Dorça Programação Orientada a Objetos II. Padrões de Projeto

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Prof. Fabiano Azevedo Dorça Programação Orientada a Objetos II. Padrões de Projeto Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Prof. Fabiano Azevedo Dorça Programação Orientada a Objetos II Padrões de Projeto Padrão Decorator (Decorador) Adiciona responsabilidades de forma

Leia mais

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br Java Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br 3. Considere as instruções Java abaixo: int cont1 = 3; int cont2 = 2; int cont3 = 1; cont1 += cont3++; cont1 -= --cont2; cont3 = cont2++; Após a

Leia mais

Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 08 Prof. André Moraes

Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 08 Prof. André Moraes Pág 50 Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 08 Prof. André Moraes 10 CORREÇÃO DE QUESTÕES DE AVALIAÇÃO 1 PARTE I - AVALIAÇÃO TEÓRICA 11 RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: A) Qual a diferença entre

Leia mais

KNOW MORE, ACT BETTER

KNOW MORE, ACT BETTER KNOW MORE, ACT BETTER "Hoje não basta se preocupar apenas com sua concorrência ou tecnologia. O foco, o alvo, o seu trabalho, tem que ser desenvolvido para o seu consumidor." Gustavo Sanchez Palencia CEO

Leia mais

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2

Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2 1 Impressão de Código de Barras Uma abordagem prática para Zebra EPL2 por Victory Fernandes Na internet estão disponíveis diversos componentes para geração e impressão de Código de Barras utilizando o

Leia mais

Especialização em desenvolvimento para web com interfaces ricas. Tratamento de exceções em Java Prof. Fabrízzio A. A. M. N. Soares

Especialização em desenvolvimento para web com interfaces ricas. Tratamento de exceções em Java Prof. Fabrízzio A. A. M. N. Soares Especialização em desenvolvimento para web com interfaces ricas Tratamento de exceções em Java Prof. Fabrízzio A. A. M. N. Soares Objetivos Conceito de exceções Tratar exceções pelo uso de try, catch e

Leia mais

Agora OS: Manual Interface. 2011 Milenial Multimedia

Agora OS: Manual Interface. 2011 Milenial Multimedia Todos os direitos reservados a Milenial Comunicação Visual LTDA. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida em nenhuma forma sem a permissão do autor. Impresso em: abril 2011 Contents 3 Índice

Leia mais

Técnicas de Programação II

Técnicas de Programação II Técnicas de Programação II Aula 06 Orientação a Objetos e Classes Edirlei Soares de Lima Orientação a Objetos O ser humano se relaciona com o mundo através do conceito de objetos.

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

e-stf WebServices Processo Eletrônico Smart Client Documentação

e-stf WebServices Processo Eletrônico Smart Client Documentação SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação e-stf WebServices Processo Eletrônico Smart Client 1 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 20/06/2008 1.0 Criação do documento

Leia mais

Exercício programa para MAC5796

Exercício programa para MAC5796 Exercício programa para MAC5796 Walter Mascarenhas e Helton Rosa 9 de setembro de 2008 Resumo Esse documento explica dois aspectos do exercício programa para MAC5796: o processo de invocação remota de

Leia mais