CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL ASPECTOS FISCAIS E TRIBUTÁRIOS PARA ENCERRAMENTO DO ANO-CALENDÁRIO DE 2001

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL ASPECTOS FISCAIS E TRIBUTÁRIOS PARA ENCERRAMENTO DO ANO-CALENDÁRIO DE 2001"

Transcrição

1 CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL ASPECTOS FISCAIS E TRIBUTÁRIOS PARA ENCERRAMENTO DO ANO-CALENDÁRIO DE 2001 Porto Alegre Janeiro de 2002

2 Autor: Contador João Roberto Domingues Pinto 7ª edição revisada e atualizada Editor: CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Rua Baronesa do Gravataí, Porto Alegre, RS Fone/fax (051) Internet: Coordenação: Contador Enory Luiz Spinelli Presidente do CRCRS Tiragem: exemplares Os conceitos emitidos neste livro são de inteira responsabilidade do autor.

3 PREFÁCIO A reedição desta obra, Aspectos Fiscais e Tributários para Encerramento do Ano-Calendário de 2001, faz-se necessária devido a importância da atualização dos procedimentos tributários. Esta publicação integra as ações deste Conselho de proporcionar meios para que os Contadores e Técnicos em Contabilidade tenham a possibilidade de acompanhar a legislação tributária e suas alterações. Manifestamos ao Autor, Contador João Roberto D. Pinto, nossos agradecimentos por mais este trabalho, que constitui mais uma contribuição do CRCRS, no sentido de aprimorar e dirimir eventuais dúvidas na área fiscal. Porto Alegre, 15 de janeiro de Contador ENORY LUIZ SPINELLI, Presidente do CRCRS.

4 APRESENTAÇÃO Prezados Colegas: O presente livro visa a facilitar o encerramento do ano-calendário de 2001, e pode ser amplamente utilizado, independentemente da forma de apuração escolhida pelo contribuinte (Lucro Real, Presumido ou Arbitrado). O primeiro capítulo trata, em detalhes, do sistema de tributação aplicado a este ano-calendário, conforme as normas fiscais e contábeis atuais. Nos Capítulos II e III, procura-se fazer uma auditoria, sob o ponto de vista fiscal, dos procedimentos que foram ou que deveriam ter sido adotados, tanto por quem optou por Lucro Real trimestral, quanto por quem optou por Lucro Real anual, sendo, então, analisados diversos aspectos importantes. O tema desta obra é a legislação do Imposto de Renda e da Contribuição Social. Ainda assim, é conveniente lembrar que a escrituração contábil deve observar os Princípios Fundamentais de Contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade editados pelo CFC. Conseqüentemente, todas as adequações para atendimento da legislação fiscal devem ser verificadas no LALUR Livro de Apuração do Lucro Real. Contador JOÃO ROBERTO DOMINGUES PINTO CRCRS nº

5 SUMÁRIO CAPÍTULO I FORMA DE TRIBUTAÇÃO APLICADA AO ANO-CALENDÁRIO DE Pessoas Jurídicas Obrigadas ao Lucro Real (ou que não podem optar pelo Lucro Presumido) Pessoas Jurídicas que optaram pelo Critério de Lucro Presumido Pessoas Jurídicas que fizeram apuração pelo Critério de Lucro Real Lucro Arbitrado CAPÍTULO II VERIFICAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS 61 1 Tratamento dos Valores Pagos por Estimativa Imposto de Renda Pago ou Retido na Fonte Avaliação de Estoques Investimentos Temporários Aplicação em Incentivos Fiscais FINOR, FINAM e FUNRES Construções e Benfeitorias em Imóveis de Terceiros Despesas Pré-Operacionais e Pré-Industriais Gastos com Reformas e Aquisição de Partes e Peças de Reposição Bens de Pequeno Valor Bens com Vida Útil Inferior a 12 Meses Impostos Pagos na Aquisição de Bens para o Imobilizado Juros sobre Impostos e Contribuições a Recuperar Empréstimos de Mútuo Juros... 74

6 CAPÍTULO III VERIFICAÇÃO DAS CONTAS DE RESUL- TADO Perdas no Recebimento de Crédito Negociações com Órgãos Públicos Retiradas de Pró-Labore Contribuição Social Sobre o Lucro Indedutibilidade Gratificações a Empregados Compensação dos Prejuízos Fiscais Prejuízos Não-Operacionais Realização do Lucro Inflacionário Juros Sobre o Patrimônio Líquido Provisões Arrendamento Mercantil e Aluguel de Bens Móveis ou Imóveis Despesas com Depreciação, Amortização, Manutenção, Reparo, Conservação, Impostos, Taxas, Seguros e Quaisquer Outros Gastos com Bens Móveis e Imóveis Despesas com Alimentação de Sócios, Acionistas e Administradores Despesas com Alimentação de Empregados Contribuições Doações Brindes Lucros, Rendimentos ou Ganhos de Capital, Oriundos do Exterior (IN SRF nº 36-96) Correção Monetária de Balanço Rendimentos de Aplicações Financeiras Lucros e Dividendos Variações Cambiais Emissoras de Rádio e Televisão Ressarcimento pela Propaganda Eleitoral Rateio de Despesas Administrativas Preços de Transferência (RIR/99, Art. 240) Depreciação, Amortização e Exaustão

7 27 Bens de Pequeno Valor Bens com Vida Útil Inferior a 12 Meses Impostos Pagos na Aquisição de Bens para o Imobilizado Despesas de Viagem Prejuízos por Furtos, Desfalques e Apropriação Indébita Perdas Extraordinárias Bens do Ativo Permanente Registro de Custos ou Despesas Fora do Regime de Competência Participação dos Trabalhadores nos Lucros ou Resultados da Empresa (Art. 359 do RIR/99 e Lei nº ) Despesas de Propaganda (RIR/99, Art. 366) Multas e Juros Resultado de Equivalência Patrimonial (RIR/99, Art. 384) Alienação de Bens do Ativo Permanente (RIR/99, Art. 418) Reavaliação de Bens (RIR/99, Art. 434) Arquivos em Meio Magnético Livros Comerciais e Fiscais Obrigatórios Provisão para Imposto de Renda Lucro Real Escrituração do LALUR

8 10

9 CAPÍTULO I FORMA DE TRIBUTAÇÃO APLICADA AO ANO-CALENDÁRIO DE PESSOAS JURÍDICAS OBRIGADAS AO LUCRO REAL (OU QUE NÃO PODEM OPTAR PELO LUCRO PRESUMIDO) Estão obrigadas ao Lucro Real, no ano-calendário 2001, as pessoas jurídicas enquadradas em qualquer das situações abaixo descritas (Lei , art. 36, alterado pelo art. 1º da Lei , Lei , Lei , Lei e Lei ): 1.1 cuja receita total seja superior ao limite de R$ no ano-calendário anterior, ou proporcional ao número de meses do período, quando inferior a doze meses (R$ , multiplicados pelo número de meses); para fins de verificação deste limite deverá ser considerado o somatório das seguintes receitas e/ou resultados: a) receita de vendas de mercadorias e de serviços, deduzidos os impostos cujo vendedor seja mero depositário (IPI e o ICMS devido pelo vendedor como susbstituto tributário do comprador), os descontos incondicionais concedidos, as vendas e serviços cancelados; NOTA De acordo com a IN SRF 51-78, desconto incondicional é somente aquele que constar no corpo da Nota Fiscal. Portanto, qualquer desconto dado, fora da nota, não se caracteriza como incondicional. 11

10 b) demais receitas e ganhos de capital não incluídos no objetivo social da pessoa jurídica, tais como juros recebidos, descontos obtidos, variações monetárias ativas, aluguéis, ganhos de capital na alienação de bens e direitos do ativo permanente, aplicações em ouro não-ativo financeiro, receitas auferidas nas exportações às pessoas vinculadas ou aos países com tributação favorecida que exceder ao valor já contabilizado, na forma das INs SRF e ; c) ganhos líquidos obtidos em operações realizadas no mercado de renda variável; d) rendimentos nominais produzidos por aplicações de renda fixa; e) juros sobre o capital próprio; NOTA Para fins de verificação do referido limite, será considerado regime de caixa ou de competência, segundo o critério utilizado no ano anterior. Ver maiores detalhes no item não deverão ser incluídos, para fins de verificação do limite em questão, os valores referentes: a) às recuperações de créditos que não representem ingresso de novas receitas; b) à reversão de provisões anteriormente constituídas, desde que não tenham sido deduzidas anteriormente do IR e da Contribuição Social; NOTA Os valores recuperados correspondentes a custos e despesas, inclusive com perdas no recebimento de créditos, deverão ser adicionados para fins de verificação do limite acima, salvo se o contribuinte comprovar não os ter deduzido em período anterior no qual se tenha submetido ao regime de tributação com base no Lucro Real ou que se refiram a período no qual tenha se submetido ao regime de tributação com base no Lucro Presumido ou Arbitrado. c) os lucros e dividendos recebidos; d) os ganhos com equivalência patrimonial; 1.2 cujas atividades sejam de bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento, sociedades de crédito 12

11 imobiliário, sociedades corretoras de títulos, valores mobiliários e câmbio, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização, e entidades de previdência privada aberta; 1.3 que, autorizadas pela legislação tributária, queiram usufruir de benefícios fiscais relativos à isenção ou redução do imposto de renda; 1.4 que, no decorrer do ano-calendário efetuaram o pagamento mensal por estimativa; 1.5 que auferirem lucros, rendimentos ou ganhos de capital oriundos do exterior; 1.6 empresas de factoring. NOTAS 1ª Até o ano-calendário de 1996, as empresas de factoring podiam optar pelo critério de Lucro Presumido. Entretanto, por força da Lei , a partir de janeiro de 1997, esta possibilidade não mais existe. 2ª Com base na Lei , passaram a ter possibilidade de optar pelo critério de Lucro Presumido, a partir de 1º de janeiro de 1999, as seguintes pessoas jurídicas, que estavam impedidas de fazê-lo até : constituídas sob a forma de sociedades por ações de capital aberto; que se dediquem à compra e à venda, ao loteamento, à incorporação ou à construção de imóveis, e as que se dedicam à execução de obras da construção civil; Nota: Mediante a IN SRF nº 25, DOU de 1º-03-99, foi determinado que as empresas acima não poderão optar pelo critério de Lucro Presumido, enquanto não concluídas as operações imobiliárias para as quais haja registro de custo orçado. Apesar do acima exposto, gostaria de acrescentar que essa determinação é bastante discutível, pelo fato de ser uma restrição que está sendo criada pelo Secretário da Receita Federal, uma vez que não consta em lei. Como bem sabemos, se a lei não determina restrições, não cabe ao órgão fiscalizador fazê-lo. Aconselho aquelas empresas que tiverem interesse no assunto a analisar a possibilidade de optar pelo critério de Lucro Presumido, mesmo não tendo concluído as obras para as quais utilizam o custo orçado. Porém, deve ficar bem claro que, se houver fiscalização, certamente a empresa corre o risco de ser autuada. Entretanto, entendo que existe grande possibilidade de haver ganho de causa para o contribuinte numa eventual discussão junto ao Conselho de Contribuintes, ou mesmo na Justiça. Evidentemente, por ocasião do encerramento dessas obras, havendo insuficiência de custo realizado, o dito valor deverá ser incluído na base de cálculo do Imposto de Renda e da Contribuição Social. que se dediquem à execução de obras da construção civil; que tenham sócio ou acionista residente ou domiciliado no exterior; constituídas sob qualquer forma societária, de cujo capital participem entidades da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; 13

12 que sejam filiais, sucursais, agências ou representação, no País, de pessoas jurídicas com sede no exterior; cuja receita decorrente da venda de bens importados seja superior a 50% da receita bruta da atividade, quando esta for superior a R$ ,00 ( UFIRs 0,8287). 3ª Exceto no caso das pessoas jurídicas citadas nos itens 1.2 e 1.6, acima, as demais poderão optar pelo critério de lucro presumido, independentemente de qualquer restrição, se optaram pelo REFIS. Ocorrendo a exclusão, o imposto de renda e a contribuição social sobre o lucro líquido serão apurados com base no critério de lucro real, a partir do trimestre seguinte ao da exclusão (IN SRF nº , art. 5º). Entretanto, salienta-se que, no tocante às empresas da área imobiliária (compra-e-venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis), conforme manifestação da Secretaria da Receita Federal constante nas instruções de preenchimento da DIPJ-2001, estas empresas, mesmo optando pelo REFIS, não poderão utilizar o critério de lucro presumido enquanto tiverem obras em andamento para as quais adotem o custo orçado. 4ª Sociedades em Conta de Participação Com base na IN SRF nº 31, DOU de , a partir de 1º de janeiro de 2001, observadas as vedações analisadas acima, as Sociedades em Conta de Participação poderão optar pelo lucro presumido. A opção da Sociedade em Conta de Participação pelo Lucro Presumido não implica a simultânea opção do sócio ostensivo, nem a efetuada por este implica a daquela. Os recolhimentos dos tributos e contribuições devidos pela sociedade em conta de participação serão efetuados mediante utilização de DARF específico, em nome do sócio ostensivo. As sociedades que exerçam as atividades de compra-e-venda, loteamento, incorporação ou construção de imóveis não poderão optar pelo lucro presumido enquanto não concluídas as operações imobiliárias para as quais haja registro de custo orçado. Aplicam-se a estas sociedades os demais procedimentos de cálculo do lucro presumido, inclusive adoção do regime de caixa. 2 PESSOAS JURÍDICAS QUE OPTARAM PELO CRITÉRIO DE LUCRO PRESUMIDO As pessoas jurídicas que não estavam obrigadas ao Lucro Real (ver item 1, acima) poderiam optar pelo critério de Lucro Presumido, considerando, para tanto, os procedimentos a seguir mencionados. 2.1 Apuração Trimestral A partir do ano-calendário de 1997, as pessoas jurídicas tributadas pelo Lucro Presumido deverão pagar o imposto de renda por períodos de 14

13 apuração trimestrais, encerrados nos dias 31 de março, 30 de junho, 30 de setembro e 31 de dezembro de cada ano-calendário. Nos casos de incorporação, fusão ou cisão, a apuração da base de cálculo e do imposto de renda devido será efetuada na data do evento. Na extinção da pessoa jurídica, pelo encerramento da liquidação, a apuração da base de cálculo e do imposto devido será efetuada na data desse evento. NOTAS 1ª É importante lembrar que, a partir de janeiro de 1997, a opção pelo recolhimento por estimativa é sinônimo de Lucro Real (anual), e não se confunde mais com o Lucro Presumido. Entre outras razões, porque estimativa é mensal, e presumido é obrigatoriamente trimestral. Logo, não mais se aplica o procedimento de efetuar, durante o ano-calendário, recolhimentos por estimativa, e, no final dele, decidir se apresenta declaração pelo critério de Lucro Real anual ou Lucro Presumido. Vejam-se mais adiante explicações sobre o momento da opção pelo Lucro Presumido. 2ª De acordo com a Lei nº , passam a ser aplicados à pessoa jurídica incorporadora os mesmos procedimentos e prazos de levantamento de demonstrações contábeis e apresentação de declaração de rendimentos das empresas incorporadas, conforme citado acima (ver a Lei nº , art. 21, e a Lei nº , art. 1º, 1º), exceto se as pessoas jurídicas, incorporadora e incorporada, estiverem sob o mesmo controle societário desde o ano-calendário anterior ao do evento. 2.2 Possibilidade de Utilização de Regime de Caixa Com base na IN nº 104, da Secretaria da Receita Federal, publicada no Diário Oficial da União, em , as pessoas jurídicas tributadas pelo critério de lucro presumido, têm a possibilidade de optar pela tributação pelo regime de caixa. Salienta-se que esta opção, se utilizada, abrange obrigatoriamente o imposto de renda, a contribuição social sobre o lucro e as contribuições para o PIS/PASEP e COFINS. De uma maneira bastante simples, se o contribuinte vender a prazo e não receber, também não terá de recolher o imposto e contribuições citados. Saliente-se, ainda, que os valores recebidos antecipadamente, por conta da venda de bens ou direitos ou da prestação de serviços, serão computados como receita no mês em que se der o faturamento, a entrega do bem ou do direito ou a conclusão dos serviços, o que ocorrer primeiro. A opção deverá ser mantida para todo o ano-calendário, não podendo, portanto, haver alternância entre regime de caixa e competência dentro do mesmo ano. 15

14 2.3 Imposto Correspondente a Período Trimestral O imposto de renda devido, apurado trimestralmente, será pago em quota única, até o último dia útil do mês subseqüente ao do encerramento do período de apuração. À opção da pessoa jurídica, o imposto devido poderá ser pago em até três quotas mensais, iguais e sucessivas, vencíveis no último dia útil dos três meses subseqüentes ao de encerramento do período de apuração a que corresponder. Nenhuma quota poderá ter o valor inferior a R$ 1.000,00 (um mil reais), e o imposto de valor inferior a R$ 2.000,00 (dois mil reais) será pago em quota única, até o último dia útil do mês subseqüente ao do encerramento do período de apuração. As quotas do imposto serão acrescidas de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custódia SELIC, para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir do primeiro dia do segundo mês subseqüente ao do encerramento do período de apuração até o último dia do mês anterior ao do pagamento, e de um por cento no mês do pagamento. Nos casos de incorporação, fusão ou cisão e de extinção da pessoa jurídica pelo encerramento da liquidação, o imposto devido deverá ser pago até o último dia útil do mês subseqüente ao do evento. 2.4 Momento da Opção A opção pela tributação com base no Lucro Presumido será aplicada em relação a todo o período de atividade da empresa em cada ano-calendário, e será manifestada com o pagamento da primeira ou única quota do imposto devido correspondente ao primeiro período de apuração de cada ano-calendário, ou seja, o primeiro trimestre. A pessoa jurídica que houver iniciado atividade a partir do segundo trimestre deveria manifestar a opção com o pagamento da primeira ou única quota do imposto devido relativa ao trimestre do início de sua atividade. NOTA Veja-se que a opção em questão passou a ser feita de forma antecipada, no primeiro trimestre ou no trimestre de início de atividade da pessoa jurídica, e não mais na entrega da declaração, como era até o ano-calendário de

15 2.5 Impossibilidade de Mudar de Opção A partir do ano-calendário de 1999, não mais é permitido mudar a opção de lucro presumido para lucro real. Logo, a opção feita nas condições citadas antes deverá ser mantida até o final do ano em curso REDARF É comum contabilistas, tendo optado pelo lucro presumido ou pelo lucro real, e concluindo, depois, que não foi a opção mais vantajosa, tentarem solucionar o problema via REDARF. Neste sentido há manifestação por parte da Superintendência Regional da Receita Federal da 6ª Região Fiscal, mediante a Decisão 46, DOU de , na qual ficou determinado que, para evitar que optantes pelo pagamento mensal do Imposto de Renda e da Contribuição Social alterem sua opção de lucro real para presumido, a retificação dos DARFs será analisada caso a caso. 2.6 Livro-Caixa A pessoa jurídica que optar pelo Lucro Presumido está obrigada a manter escrituração do livro-caixa (na verdade, movimentação de caixa e bancos), exceto se mantiver escrituração contábil regular. É importante lembrar que, se a pessoa jurídica não mantiver escrituração contábil nem do livro-caixa, estará sujeita ao arbitramento do resultado, na hipótese de haver fiscalização. Lembra-se, ainda, que esta dispensa de manter escrituração contábil é procedimento puramente fiscal, pois, pela legislação comercial, toda e qualquer pessoa jurídica está obrigada a mantê-la. O livro-caixa deverá ter termo de abertura e de encerramento, numeração seqüencial de páginas e deverá ser assinado por contabilista legalmente habilitado e pelo representante legal da empresa. Não necessita ser autenticado nem registrado em nenhum órgão ou repartição. 2.7 Livro de Registro de Inventário Há obrigatoriedade de escrituração do Livro de Registro de Inventário tomando por base os estoques existentes em 31 de dezembro de cada ano. O referido livro deverá ser autenticado. 17

16 2.8 Cálculo do Imposto de Renda Percentuais Aplicáveis sobre a Receita Bruta Os percentuais aplicáveis sobre a Receita Bruta permanecem os mesmos aplicados desde o ano-calendário de 1996, conforme segue: Percentual Ramo de atividade 1,6% Receita Bruta Auferida na Revenda, para Consumo, de Combustível Derivado de Petróleo e Álcool Etílico Hidratado para Fins Carburantes; 8% Receita Bruta Auferida nas Atividades Comerciais, Industriais, Transporte de Carga, Serviços Hospitalares, Venda de Unidades Imobiliárias, Empreitada com Fornecimento de Material, Vendas de Produtos Rurais, Industrialização, Quando a Matéria-Prima, o Material Secundário e de Embalagem Forem Fornecidos pelo Encomendante; e Outras Não Mencionadas nos Demais Percentuais; 16% Transporte de Passageiros; Exclusivamente Prestadoras de Serviços com Receita Bruta Anual não superior a R$ ,00, exceto no caso de Transporte de Cargas, Serviços Hospitalares e Sociedades Civis de Prestação de Serviços Legalmente Regulamentada (veja nota a seguir); 32% Prestação de Serviços, pelas Sociedades Civis, Relativos ao Exercício de Profissão Legalmente Regulamentada; Intermediação de Negócios (inclusive Representação Comercial); Administração, Locação ou Cessão de Bens Imóveis, Móveis e Direitos de Qualquer Natureza; Construção por Administração ou por Empreitada, Unicamente de Mão-de-Obra; Prestação de Qualquer Outra Espécie de Serviço, Não Mencionada Anteriormente. NOTAS 1ª As Pessoas Jurídicas Exclusivamente Prestadoras de Serviços em Geral poderão utilizar o percentual de 16%, se a Receita Bruta do próprio ano-calendário não exceder a R$ ,00. Para tanto, a pessoa jurídica poderá iniciar o ano-calendário considerando o percentual de 16%. Se, até determinado tri- 18

17 mestre, a Receita Bruta exceder a R$ ,00, a pessoa jurídica obrigatoriamente passará a utilizar o percentual de 32%. Isso implicará, também, recalcular (utilizando 32%) o imposto de renda a partir do 1º trimestre (imposto postergado), e a diferença deverá ser recolhida até o último dia útil do mês seguinte ao trimestre em que ocorreu o excesso, em cota única, em DARF separado, com código 2089, não havendo encargos até esta data. Este tratamento aplica-se, inclusive, às pessoas jurídicas exclusivamente prestadoras de serviços com intermediação de negócios; administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza; construção por administração ou por empreitada, unicamente de mão-de-obra. Porém, não se aplica às sociedades civis de prestação de serviços legalmente regulamentadas. A propósito, foi publicado no DOU, em , o Ato Declaratório (Normativo) nº 22, no qual o Coordenador-Geral do Sistema de Tributação declara, em caráter normativo, que as sociedades prestadoras de serviços relativos ao exercício de profissões legalmente regulamentadas, como, por exemplo, as escolas, inclusive as creches, mesmo com receita bruta anual de até R$ ,00, não poderão aplicar o percentual de 16% sobre a receita bruta para fins de determinação do lucro presumido, devendo, portanto, aplicar o percentual de 32%. Dentro desta mesma linha de entendimento, há quem diga que, em função deste mesmo Ato Declaratório, as pessoas jurídicas que praticam atividades de intermediação de negócio, tais como corretagem de seguro e representação comercial, não poderiam utilizar o percentual de 16%. Discordo totalmente desse entendimento, uma vez que a Lei autoriza este procedimento, e ainda, se analisarmos as orientações de preenchimento da DIPJ, inclusive para o exercício de 2001, as referidas empresas estão autorizadas a utilizar o percentual de 16%, desde que, é claro, atendam aos demais requisitos exigidos. Veja-se, ainda, a nota 6ª, a seguir. 2ª No caso das atividades diversificadas, será utilizado o percentual adequado a cada uma delas. 3ª Mediante as Decisões 11 e 17 SRRF 1ª Região Fiscal, publicadas no DOU em , foi definido que a pessoa jurídica que se dedica à atividade de prestação de serviços médico-ambulatoriais, bem como nas áreas de laboratório, citologia, anatomia e patologia, está sujeita ao coeficiente de 32%, pois, segundo entendimento daquela Superintendência Regional da Receita Federal, serviços hospitalares são aqueles em que o estabelecimento prestador promove internação e hospedagem do paciente para aplicar-lhe o tratamento. 4ª A Superintendência Regional da Receita Federal 9º Região Fiscal aprovou a seguinte ementa de sua Decisão nº 45, de , publicada no DOU em : a) As pessoas jurídicas que atuam no ramo de perfuração de poços artesianos podem optar pelo lucro presumido, à alíquota de 8%, para efeito da base de cálculo do Imposto de Renda, em relação ao conjunto de atividades de perfuração, tubulação e instalação de equipamentos para poços artesianos, desde que seja por empreitada, com utilização de materiais próprios. b) Não caracterizam construção as atividades de manutenção, reparos, reposição de partes, peças ou de natureza semelhante, ou mesmo aquelas exclusivamente de montagem ou instalação, ensejando tais hipóteses a aplicação da alíquota de 32%. 19

18 5ª Por meio do Ato Declaratório Normativo nº 16, publicado no DOU de , a Coordenação do Sistema de Tributação COSIT definiu que, para fins de lucro presumido e/ou recolhimento por estimativa, as receitas brutas de prestação de serviços de suprimento de água tratada e a conseqüente coleta e tratamento de esgotos, cobradas diretamente dos usuários dos serviços, bem como as receitas brutas decorrentes da exploração de rodovia mediante cobrança de preço dos usuários, envolvendo execução de serviços de conservação, manutenção, melhoramentos para adequação de capacidade e segurança de trânsito, operação, monitoração, assistência aos usuários e outros definidos em contratos, atos de concessão ou de permissão, ou em normas oficiais, auferidas por concessionária ou subconcessionária de serviço público, estão sujeitas ao percentual de 32% para apuração da base de cálculo do Imposto de Renda. 6ª Mediante a Decisão nº 76, DOU de , a Superintendência Regional da Receita Federal da 8ª Região Fiscal estabeleceu que: As Corretoras de Seguro não se confundem com as empresas de seguros privados. Estas respondem pelo pagamento de indenização aos segurados, e as primeiras são meras intermediárias legalmente autorizadas a angariar e promover contratos de seguros entre a seguradora e a pessoa física ou jurídica de direito privado. Assim, as corretoras de seguros poderão optar pela apuração do Imposto de Renda pelo critério de lucro presumido, e, uma vez que sua receita bruta não ultrapasse o limite anual de R$ ,00, poderão utilizar a alíquota de 16% para determinação da base de cálculo. 7ª A Superintendência Regional da Secretaria da Receita Federal da 10ª Região Fiscal, mediante sua Decisão nº 105, DOU de , determinou que, para fins de cálculo do lucro estimado ou presumido, deve ser aplicado o percentual de 32% sobre a receita bruta relativa à atividade de prestação de serviço de hemodiálise, sendo irrelevante que tais serviços sejam prestados dentro ou fora da dependência física de hospital, porque correspondem a atividade autônoma, que não se confunde com a pessoa jurídica do mesmo hospital. 8ª Atividade Gráfica De acordo com o Ato Declaratório (Normativo) COSIT nº 18, de , a alíquota aplicável na apuração do lucro presumido será de 8% quando atuar nas áreas comercial e industrial, sendo aplicada a de 32% na hipótese de prestação de serviços com ou sem fornecimento de material. Consideram-se como de prestação de serviços as operações realizadas por encomenda, nos termos do art. 5º, V, e art. 7º, II, do Decreto nº (Regulamento do IPI). Nos casos em que deve ser feita retenção por órgão público, o percentual será de 9,45% na hipótese de prestação de serviço sem fornecimento de material, e de 5,85% nas demais hipóteses Conceito de Receita Bruta Compreende o produto da venda de bens nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado auferido nas operações de conta alheia (art. 31 da Lei ). 20

19 Exclusões da Receita Bruta Na receita bruta não se incluem as VENDAS CANCELADAS, OS DESCONTOS INCONDICIONAIS CONCEDIDOS E OS IMPOS- TOS NÃO-CUMULATIVOS cobrados destacadamente do comprador ou contratante dos quais o vendedor ou prestador do serviço seja mero depositário (IPI e ICMS em substituição tributária, por exemplo). NOTA Em 31 de dezembro, deverão ser incluídos na receita bruta (devendo, então, ser aplicado o percentual cabível, conforme definido acima) os valores relativos às diferenças positivas verificadas entre o valor apurado de acordo com a IN SRF nº (que trata dos preços de transferência) e a receita de exportações efetivamente contabilizada, relativa às exportações para pessoas jurídicas vinculadas ou países com tributação favorecida Outras Receitas e Ganhos Serão acrescidos à base de cálculo e tributados direto em 15%, para efeito de incidência do imposto de renda, os ganhos de capital, demais receitas e os resultados positivos decorrentes de receitas não compreendidas na atividade da empresa. Exemplo rendimentos auferidos em operações de mútuo realizadas entre pessoas jurídicas controladoras, controladas, coligadas ou interligadas, exceto se a mutuária for instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil; ganhos líquidos auferidos na alienação de participações societárias permanentes em sociedades coligadas e controladas, e de participações societárias que permaneceram no ativo da pessoa jurídica até o término do ano-calendário seguinte ao de suas aquisições; hedge; receita de locação de imóvel, quando a pessoa jurídica não exercer esta atividade; juros recebidos; descontos obtidos; variações monetárias ativas; 21

20 NOTA A partir de 1º , as variações cambiais poderão ser reconhecidas, para efeito de determinação da base de cálculo do imposto de renda, da contribuição social, do PIS, da COFINS e do lucro da exploração, quando da liquidação da correspondente operação (regime de caixa), ou pela competência (MP , art. 30). quaisquer outros ganhos ou receitas não compreendidos no objetivo social da pessoa jurídica Inclusões a partir de 1997 A partir de janeiro de 1997, na apuração da base de cálculo do Imposto de Renda pelo critério de Lucro Presumido deverão ser considerados: a) os rendimentos de aplicações financeiras renda fixa e variável; b) juros recebidos sobre o patrimônio líquido Ganhos de Capital na Alienação de Bens e Direitos do Ativo Permanente e de Aplicações em Ouro Havendo ganho de capital, este será acrescido ao Lucro Presumido, e tributado diretamente em 15%. Será calculado mediante a confrontação do valor de alienação com o respectivo valor contábil. Saliente-se que as aplicações em ouro, mencionadas, são aquelas não caracterizadas como de renda variável e que não estejam sujeitas à retenção na fonte na condição de aplicações de renda fixa Conceito de Valor Contábil I No caso dos Investimentos Permanentes em: participações societárias avaliadas pelo custo de aquisição, o valor de aquisição, diminuído da provisão para perdas, quando for o caso, corrigido monetariamente; participações societárias avaliadas pelo patrimônio líquido, a soma algébrica: do valor do patrimônio líquido pelo qual o investimento estiver registrado, ágio ou deságio na aquisição do investimento, corrigido monetariamente, provisão para perdas, quando dedutível, corrigida monetariamente; 22

21 II no caso das aplicações em ouro não considerado ativo financeiro, o valor de aquisição, corrigido monetariamente, diminuído da provisão para ajuste ao valor de mercado, quando for o caso; III no caso dos demais bens e direitos do ativo permanente, o valor de aquisição, corrigido monetariamente até , pela UFIR de janeiro de 1996, diminuído dos encargos de depreciação, amortização ou exaustão acumulada; IV no caso de outros bens e direitos não classificáveis no ativo permanente que estavam sujeitos à correção monetária, o valor de aquisição corrigido monetariamente até , pela UFIR de janeiro de NOTA A não-comprovação dos custos pela pessoa jurídica implicará a tributação integral da receita Lucro Inflacionário Diferido A pessoa jurídica que optar pelo recolhimento do imposto de renda pelo critério de Lucro Presumido deverá considerar realizado, em cada trimestre, no mínimo 3/120 do lucro inflacionário diferido, corrigido até , pela UFIR de janeiro de 1996, devendo, portanto, acrescer este valor à base de cálculo. O cálculo deverá ser efetuado sobre o saldo existente em (ADN 28-COSIT, DOU de ). OBSERVAÇÃO IMPORTANTE A pessoa jurídica que, até o ano-calendário anterior, houver sido tributada com base no Lucro Real deverá adicionar à base de cálculo do imposto de renda correspondente ao primeiro período de apuração no qual houver optado pela tributação com base no Lucro Presumido os saldos dos valores cuja tributação havia diferido, controlados na Parte B do Livro de Apuração do Lucro Real LALUR. Como exemplo podemos citar o lucro inflacionário diferido e o lucro diferido relativo a negociações com órgãos públicos na proporção do valor faturado e não recebido. Veja-se que, neste caso, em vez de incluir na base de cálculo 3/120 do lucro inflacionário, deverá a pessoa jurídica adicionar todo o valor controlado na Parte B do LALUR. A pessoa jurídica poderia optar por liquidar o saldo do lucro inflacionário diferido à alíquota de 10%, com base na MP , DOU de A opção deveria ser formalizada até 30 de junho de 2001, e a liquidação efetuada em até seis parcelas mensais e sucessivas, vencendo-se a primeira em O valor de cada parcela mensal, por ocasião do pagamento, será acrescido 23

22 de juros equivalentes à SELIC, acumulada mensalmente, calculados a partir de até o mês anterior ao do pagamento, e de um por cento relativamente ao mês em que o pagamento estiver sendo efetuado. Na hipótese de pagamento parcelado, a opção seria manifestada mediante o pagamento da primeira parcela. Neste caso o imposto é considerado definitivo, não podendo ser compensado com o IRPJ devido. O cálculo deverá ser feito com base no saldo existente em Valores Não-Integrantes da Base de Cálculo Não deverão ser incluídos na base de cálculo recuperações de créditos que não representem o ingresso de novas receitas, reversão do saldo de provisões anteriormente constituídas, lucros e dividendos recebidos lançados como receita e ganhos com equivalência patrimonial. NOTA Os valores recuperados ou revertidos, correspondentes a custos, provisões e despesas, inclusive com perdas no recebimento de créditos, deverão ser adicionados ao Lucro Presumido para determinação do imposto de renda, salvo se o contribuinte comprovar não os ter deduzido em período anterior no qual se tenha submetido ao regime de tributação com base no Lucro Real, ou que se refiram a período no qual se tenha submetido ao regime de tributação com base no Lucro Presumido ou Arbitrado Determinação do Imposto Devido Imposto de Renda O imposto de renda devido em cada trimestre será calculado mediante a aplicação da alíquota de 15% Adicional A parcela da base de cálculo, apurada trimestralmente, que exceder a R$ ,00 (vinte mil reais) multiplicada pelo número de meses (R$ ,00, no caso de um trimestre completo) ficará sujeita à incidência de adicional de imposto de renda à alíquota de dez por cento Dedução Direta do IR Devido Poderá ser deduzido do imposto de renda devido: o IR-Fonte pago ou retido sobre as receitas que integrarem a base de cálculo, inclusive no caso de rendimentos de aplicações financeiras e juros sobre o patrimônio líquido; o IR retido por órgãos públicos. 24

23 NOTAS 1 a A partir de janeiro de 1998, não mais poderão ser deduzidos quaisquer incentivos fiscais pelas empresas tributadas pelo Lucro Presumido, inclusive os relativos ao Programa de Alimentação do Trabalhador, Vale-Transporte, Doações aos Fundos da Criança e do Adolescente, Atividades Audiovisuais e Atividades Culturais ou Artísticas. 2 a Quanto ao IR-Fonte a compensar, quando o mesmo for maior do que o imposto de renda devido no trimestre, o excedente poderá ser compensado nos trimestres seguintes, sendo acrescido de juros de acordo com a taxa da SELIC, acumulada a partir do primeiro dia do trimestre seguinte até o mês anterior ao da compensação, e de 1% relativo ao mês da efetiva compensação Exemplo Prático Para ilustrar os comentários acima, demonstrar-se-á a seguir um exemplo prático. Hipótese: Suponhamos uma empresa que, no primeiro trimestre de 2001, apresente a seguinte situação: Receita da Venda de Produtos R$ ,00 Receita de Comissões R$ ,00 Juros Recebidos R$ 1.500,00 Ganhos de Capital na Venda de Bens do Ativo Permanente R$ 5.000,00 Rend. Aplic. Financeiras R$ ,00 Lucro Inflac. Realizado R$ 3.500,00 Vendas Canceladas R$ 2.000,00 IPI R$ 4.000,00 IR-Fonte s/comissões R$ 1.500,00 Logo: 1º Lucro Presumido sobre as Vendas Receita de Vendas R$ ,00 ( ) Exclusões Vendas Canceladas R$ 2.000,00 IPI R$ 4.000,00 (=) Receita Bruta de Vendas R$ ,00 ( ) Percentual Aplicável 8% (=) Lucro Presumido R$ ,00 2º Lucro Presumido sobre Serviços Receita de Comissões R$ ,00 ( ) Percentual Aplicável 32% (=) Lucro Presumido R$ ,00 25

24 3º Base de Cálculo do IR Base de Cálculo Parcial (R$ , ,00) = R$ ,00 (+) Outros Ganhos (Juros) = R$ 1.500,00 (+) Rendim.Aplic.Financeiras = R$ ,00 (+) Ganhos de Capital Venda Perman. = R$ 5.000,00 (+) Lucro Inflacionário Realizado = R$ 3.500,00 (=) Base de Cálculo = R$ ,00 ( ) Alíquota 15% (=) IRPJ = R$ 9.705,00 ( ) 10% de 4.700,00 ( ) = R$ 470,00 ( ) IR-Fonte = R$ 1.500,00 (=) IR Devido = R$ 8.675,00 NOTA Lembre-se de que o adicional passou a incidir trimestralmente, a partir de 1997, sobre a base de cálculo do Lucro Presumido que exceder a R$ ,00 multiplicado pelo número de meses (em nosso exemplo, R$ ,00, já que o trimestre é completo) Empresas Optantes pelo REFIS As pessoas jurídicas que optaram pelo REFIS e pelo Lucro Presumido deverão obedecer a regras específicas quando aos lucros, rendimentos e ganhos de capital oriundos do Exterior, e aos incentivos de isenção e redução do imposto de renda (empresas situadas nas áreas da SUDAM, SUDENE e FUNRES). Estas regras estão estabelecidas na IN SRF nº 16, DOU de Distribuição de Lucros Serão considerados como isentos os lucros distribuídos pelas empresas tributadas pelo critério de Lucro Presumido, não havendo, portanto, tributação na fonte nem na declaração do beneficiário. Para fins do cálculo da parcela de lucro isenta, deverão ser deduzidos do Lucro Presumido o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica, inclusive adicional, se devido, a contribuição social sobre o lucro, PIS e a COFINS. A distribuição de lucros ou dividendos deverá ser feita na proporção da participação no capital social, exceto se houver contrato determinando percentual diferente. Não são isentos quaisquer outros 26

25 valores que não se refiram a lucros e dividendos, tais como: pró-labore, aluguel, etc Definição de Lucro Presumido De acordo com a Lei , art. 25, Lucro Presumido é o resultante da seguinte soma algébrica: Receita de Vendas e/ou Receita de Prestação de Serviços ( ) IPI, Descontos Incondicionais, Vendas Canceladas, Serviços Cancelados, ICMS em Substituição Tributária (=) Receita Bruta ( ) Alíquota Aplicável (1,6% ou 8% ou 16% ou 32%) (=) Lucro Presumido Parcial (+) Demais Receitas e Ganhos (+) Ganhos de Capital na Alienação de Bens e Direitos do Ativo Permanente e Ouro Não-Financeiro (+) Variações Monetárias Ativas (+) Aplicações de Renda Fixa e Variável (+) Juros sobre o Patrimônio Líquido (=) Lucro Presumido. Na hipótese de a pessoa jurídica tributada pelo Lucro Presumido optar por manter escrituração contábil, a parcela de lucro apurada mediante a referida escrituração que exceder a apurada na forma acima descrita poderá, também, ser distribuída livre de tributação. Os lucros, nas condições acima citadas, poderão ser distribuídos após o encerramento de cada trimestre Contribuição Social A base de cálculo da contribuição social sobre o Lucro Líquido, devida pelas pessoas jurídicas tributadas com base no Lucro Presumido, corresponderá à soma dos valores: I 12% da Receita Bruta (Lei , art. 20); a) Conceito de Receita Bruta: compreende o produto da venda de bens nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado auferido nas operações de conta alheia (art. 31 da Lei ). b) Exclusões da Receita Bruta: na receita bruta não se incluem as VENDAS CANCELADAS, OS DESCONTOS INCONDICIONAIS CONCEDIDOS E 27

26 OS IMPOSTOS NÃO-CUMULATIVOS cobrados destacadamente do comprador ou contratante dos quais o vendedor ou prestador do serviço seja mero depositário (IPI e ICMS em substituição tributária, por exemplo). c) Em 31 de dezembro, deverão ser incluídos na receita bruta os valores relativos às diferenças positivas verificadas entre o valor apurado de acordo com a IN SRF nº (que trata dos preços de transferência) e a receita de exportações efetivamente contabilizada, relativa às exportações para pessoas jurídicas vinculadas ou para países com tributação favorecida. II os ganhos de capital, os rendimentos e ganhos líquidos auferidos em aplicações financeiras, as demais receitas e os resultados positivos decorrentes de receitas não abrangidas pela inciso anterior e demais valores determinados pela lei, auferidos naquele mesmo período. Exemplo rendimentos auferidos em operações de mútuo realizadas entre pessoas jurídicas controladoras, controladas, coligadas ou interligadas, exceto se a mutuária for instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil; ganhos líquidos auferidos na alienação de participações societárias permanentes em sociedades coligadas e controladas, e de participações societárias que permaneceram no ativo da pessoa jurídica até o término do ano-calendário seguinte ao de suas aquisições; hedge; receita de locação de imóvel, quando a pessoa jurídica não exercer esta atividade; juros recebidos; descontos obtidos; variações monetárias ativas; NOTA A partir de 1º , as variações cambiais poderão ser reconhecidas para efeito de determinação da base de cálculo do imposto de renda, da contribuição social, do PIS, da COFINS e do lucro da exploração, quando da liquidação da correspondente operação (regime de caixa) ou pela competência (MP , art. 30). os rendimentos de aplicações financeiras renda fixa e variável; juros recebidos sobre o patrimônio líquido; 28

27 ganhos de capital na alienação de bens e direitos do ativo permanente e de aplicações em ouro; quaisquer outros ganhos ou receitas não compreendidos no objetivo social da pessoa jurídica. Exemplo de Cálculo da Contribuição Social Suponhamos uma empresa que, no primeiro trimestre de 2001, apresente a seguinte situação: Receita da Venda de Produtos R$ ,00 Receita de Comissões R$ ,00 Juros Recebidos R$ 1.500,00 Ganhos de Capital na Venda de Bens do Ativo Permanente R$ 5.000,00 Rend. Aplic. Financeiras R$ ,00 Vendas Canceladas R$ 2.000,00 IPI R$ 4.000,00 Logo: Receita de Vendas R$ ,00 Receita de Comissões R$ ,00 ( ) Exclusões Vendas Canceladas R$ 2.000,00 IPI R$ 4.000,00 (=) Receita Bruta R$ ,00 ( ) Alíquota 12% (=) Base Cálculo Parcial R$ ,00 (+) Outros Ganhos (Juros) R$ 1.500,00 (+) Rendim. Aplic. Financeiras R$ ,00 (+) Ganhos de Capital Venda Perman. R$ 5.000,00 (=) Base de Cálculo R$ ,00 ( ) Alíquota 9% (=) Contribuição Social Devida R$ 4.482,00 29

28 3 PESSOAS JURÍDICAS QUE FIZERAM APURAÇÃO PELO CRITÉRIO DE LUCRO REAL A atual legislação possibilita, a quem estiver obrigado, ou optar por apresentar declaração pelo critério de Lucro Real, a alternativa de escolher entre fazer o recolhimento do imposto de renda e da contribuição social por estimativa, ou, então, utilizar o sistema de apuração trimestral. Saliente-se que está extinto, desde o ano-calendário de 1997, o sistema de Lucro Real mensal. NOTA A adoção da forma de pagamento por estimativa ou a opção pela forma de apuração trimestral é irretratável para todo o ano-calendário e deveria ser manifestada com o pagamento do imposto correspondente ao mês de janeiro ou do mês de início da atividade, segundo consta na legislação. Saliente-se que a utilização do balanço de suspensão caracteriza a opção por estimativa. 3.1 Pagamento por Estimativa Aspectos Gerais A pessoa jurídica sujeita à tributação com base no Lucro Real poderá optar pelo pagamento do imposto e da contribuição social em cada mês, determinado sobre base de cálculo estimada. Antes de mais nada, é importante salientar que o sistema de recolhimento por estimativa se aplica exclusivamente às pessoas jurídicas que serão tributadas pelo Lucro Real, não havendo qualquer vinculação com Lucro Presumido Cálculo do Imposto de Renda Percentuais Aplicáveis sobre a Receita Bruta Os percentuais aplicáveis sobre a Receita Bruta permanecem os mesmos aplicados desde o ano-calendário de 1996, conforme segue: 30

29 Percentual Ramo de atividade 1,6% Receita Bruta Auferida na Revenda, para Consumo, de Combustível Derivado de Petróleo e Álcool Etílico Hidratado para Fins Carburantes; 8% Receita Bruta Auferida nas Atividades Comerciais, Industriais, Transporte de Carga, Serviços Hospitalares, Venda de Unidades Imobiliárias, Obras por Empreitada com Fornecimento de Material, Venda de Produtos Agropecuários, Industrialização, Quando a Matéria-Prima, o Material Secundário e de Embalagem Forem Fornecidos pelo Encomendante; e Outras Não Mencionadas nos Demais Percentuais; 16% Entidades Financeiras e Assemelhadas, Empresas de Arrendamento Mercantil, Seguradoras, Cooperativas de Crédito, Entidades de Previdência Privada Aberta; Transporte de Passageiros; Exclusivamente Prestadoras de Serviços com Receita Bruta Anual Não-Superior a R$ ,00, Exceto no Caso de Transporte de Cargas, Serviços Hospitalares e Sociedades Civis de Prestação de Serviços Legalmente Regulamentada (veja nota a seguir); 32% Prestação de Serviços, pelas Sociedades Civis, Relativo ao Exercício de Profissão Legalmente Regulamentada; Intermediação de Negócios (inclusive Representação Comercial); Administração, Locação ou Cessão de Bens Imóveis, Móveis e Direitos de Qualquer Natureza; Construção por Administração ou por Empreitada, Unicamente de Mão-de-Obra; Prestação Cumulativa e Contínua de Serviços de Assessoria Creditícia, Mercadológica, Gestão de Crédito, Seleção e Riscos, Administração de Contas a Pagar e a Receber, Compras de Direitos Creditórios Resultantes de Vendas Mercantis a Prazo ou de Prestação de Serviços (Factoring); Prestação de Qualquer Outra Espécie de Serviço, Não Mencionada Anteriormente. 31

30 NOTAS 1ª As Pessoas Jurídicas Exclusivamente Prestadoras de Serviços em Geral poderão utilizar o percentual de 16%, se a Receita Bruta do próprio ano-calendário não exceder a R$ ,00. Para tanto, a pessoa jurídica poderá iniciar o ano-calendário considerando o percentual de 16%. Se, até determinado mês, a receita bruta exceder a R$ ,00, a pessoa jurídica obrigatoriamente passará a utilizar o percentual de 32%. Isto implicará, também, recalcular (utilizando 32%), o imposto de renda a partir de janeiro (imposto postergado), e a diferença deverá ser recolhida até o último dia útil do mês seguinte àquele em que ocorreu o excesso, não incidindo nenhum encargo, se pago neste prazo. Este tratamento aplica-se, inclusive, às pessoas jurídicas exclusivamente prestadoras de serviços com intermediação de negócios; administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza; construção por administração ou por empreitada, unicamente de mão-de-obra; e factoring. Porém, não se aplica às sociedades civis de prestação de serviços legalmente regulamentadas, que obrigatoriamente deverão utilizar o percentual de 32%. Sobre este assunto, há o Ato Declaratório (Normativo) COSIT nº 22, DOU de , no qual consta que as sociedades prestadoras de serviços relativos ao exercício de profissões legalmente regulamentadas, como, por exemplo, escolas, inclusive as creches, mesmo com receita bruta anual de até R$ ,00, não podem aplicar o percentual de 16% sobre a receita bruta para fins de determinação do lucro presumido, devendo, portanto, aplicar o percentual de 32%. Muito embora o referido Ato Declaratório mencione apenas lucro presumido, entendo que o mesmo tratamento se aplica aos recolhimentos por estimativa. Dentro desta mesma linha de entendimento, há quem diga que, em função deste Ato Declaratório, as pessoas jurídicas que praticam atividades de intermediação de negócios, tais como corretagem de seguro e representação comercial, não poderiam utilizar o percentual de 16%. Discordo totalmente desse entendimento, uma vez que a Lei autoriza este procedimento, e ainda, se analisarmos as orientações de preenchimento da DIPJ, inclusive para o exercício de 2001, as referidas empresas estão autorizadas a utilizar o percentual de 16%, desde que, é claro, atendam aos demais requisitos exigidos. Veja-se, ainda, a nota 6ª, a seguir. 2ª No caso de atividades diversificadas será utilizado o percentual adequado a cada uma delas. 3ª Mediante as Decisões 11 e 17 SRRF 1ª Região Fiscal, publicadas no DOU em , foi estabelecido que a pessoa jurídica que se dedica à atividade de prestação de serviços médico-ambulatoriais, bem como nas áreas de laboratório, citologia, anatomia e patologia, está sujeito ao coeficiente de 32%, pois, segundo entendimento daquela Superintendência Regional da Receita Federal, serviços hospitalares são aqueles em que o estabelecimento prestador promove internação e hospedagem do paciente para aplicar-lhe o tratamento. 4ª A Superintendência Regional da Receita Federal 9ª Região Fiscal aprovou a seguinte ementa de sua Decisão 45, de , publicada no DOU em , tratando de lucro presumido (logo, entendo que se aplica também à estimativa): 32

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 001 Quais são as pessoas jurídicas contribuintes da CSLL? Todas as pessoas jurídicas domiciliadas no País e as que lhes são equiparadas pela legislação do imposto sobre

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012. Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012. Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013 001 O que é lucro arbitrado? O arbitramento de lucro é uma forma de apuração da base de cálculo do imposto de renda utilizada pela

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições 26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições A norma em referência, entre outras providências, dispôs sobre a determinação e o

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo XI Aplicação do Imposto em Investimentos Regionais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo XI Aplicação do Imposto em Investimentos Regionais ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo XI Aplicação do Imposto em Investimentos Regionais 001 No que se constituem os incentivos fiscais de aplicação de parte do imposto sobre a renda em investimentos

Leia mais

001 Qual a legislação atualmente em vigor que rege a

001 Qual a legislação atualmente em vigor que rege a ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/01/2012 001 Qual a legislação atualmente em vigor que rege a tributação pelo lucro presumido? Lei nº 8.383, de 1991, art. 65, 1º e 2º; Lei nº 8.981, de 1995, arts. 27 e 45; Lei

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

Art.187... IV o lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais;... c Publicada no DOU de 27-12-1995. c Súm. nº 584 do STF.

Art.187... IV o lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais;... c Publicada no DOU de 27-12-1995. c Súm. nº 584 do STF. LEI N o 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995 Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, bem como da contribuição social sobre o lucro líquido, e dá outras providências. c Publicada no DOU

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 04/2015

ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 04/2015 ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 04/2015 CSLL PAGAMENTO DA CSLL PELO LUCRO PRESUMIDO - CONSIDERAÇÕES GERAIS A PARTIR DE 01 DE JANEIRO DE 2015... Pág. 105 IMPOSTO DE RENDA

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

CRCPR PROJETO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA = FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA

CRCPR PROJETO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA = FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA 1 INTRODUÇÃO As dúvidas sobre a apuração e recolhimento de tributos federais geram no contribuinte uma incerteza sobre os procedimentos corretos. Com a complexidade do sistema tributário, a dinâmica da

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Rogério Gandra Martins

Rogério Gandra Martins LUCRO PRESUMIDO. ATIVIDADES DIVERSIFICADAS. ALÍQUOTAS FIXADAS DE ACORDO COM A ATIVIDADE EXPLORADA E NÃO CONFORME O FATURAMENTO OU CLASSIFICAÇÃO DE CADA UMA. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. LEI Nº 13.043/2014

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

c) as pessoas físicas equiparadas a empresas individuais em virtude de promoverem a incorporação de prédios em condomínio ou loteamento de terrenos;

c) as pessoas físicas equiparadas a empresas individuais em virtude de promoverem a incorporação de prédios em condomínio ou loteamento de terrenos; 28.2.1 - Livro de Apuração do Lucro Real (Lalur) - Normas Para Escrituração 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 6.404/76 - Lei das Sociedades por Ações - dispõe em seu artigo 177 que a escrituração da companhia deve

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 PALESTRANTE: EQUIPE LEFISC ATUALIZAÇÃO Paulo César

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL

IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL 1 - CONCEITO É a base de cálculo do imposto sobre a renda apurada segundo registros contábeis e fiscais efetuados sistematicamente de acordo com

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. Breve comentário sobre o plano de contas

CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. Breve comentário sobre o plano de contas CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1. Breve comentário sobre o plano de contas A contabilidade das empresas que tem como objeto social a atividade imobiliária, ou seja, a construção de unidades imobiliárias

Leia mais

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação ESTATÍSTICAS TRIBUTÁRIAS Consolida DIPJ 2006 Consolidação da Declaração do Imposto de Renda das Pessoas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA PROGRAMA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS

Leia mais

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS - (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS FÍSICAS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83. INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83. Altera normas para a apuração e tributação do lucro nas atividades de compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis estabelecidas pela Instrução

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 31 IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA A origem desse imposto se encontra na Grã-Bretanha, onde seus precursores foram, no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Page 1 Da base de tributação Page 2 Alteração do art. 3º da Lei nº 9.718/98 Art. 52 A Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, passa a vigorar com as seguintes

Leia mais

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014 Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT Claudio Yano 20 de maio de 2014 DIPJ 2014 Prazo de entrega Programa Gerador aprovado pela IN RFB 1.463/14; Prazo para entrega:

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ATIVO IMOBILIZADO Considerações Gerais Sumário 1. Conceito 2. Classificação Contábil Das Contas do Ativo Imobilizado 3. Imobilizado em Operação 3.1 - Terrenos 3.2 - Edificações 3.3 - Instalações 3.4 -

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Grant Thornton - Brasil Junho de 2015 Agenda Considerações Iniciais; Obrigatoriedade de Transmissão; Penalidades (Multas); Informações a serem Transmitidas; Recuperação

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 Medida Provisória nº 627/13 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - Tributação em Bases Universais Com o advento da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, teve

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

AULA 6: IMPOSTO DE RENDA

AULA 6: IMPOSTO DE RENDA AULA 6: IMPOSTO DE RENDA Pessoal inicialmente desculpe pelo atraso no envio deste capítulo. Como já coloquei no quadro de avisos estava em Brasília e não consegui trabalhar com o material enquanto na capital.

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Imposto de Renda. Conceito de Renda: - Constituição Federal. - Código Tributário Nacional

Imposto de Renda. Conceito de Renda: - Constituição Federal. - Código Tributário Nacional Imposto de Renda Conceito de Renda: - Constituição Federal Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre: (...) III- renda e proventos de qualquer natureza; - Código Tributário Nacional Art. 43. O

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO ARBITRADO 1 Oarbitramentodolucroéumaformadeapuração dabasedecálculodoimpostoderendautilizadapela autoridade tributária ou pelo contribuinte. É aplicável pela

Leia mais

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT TributAção Novembro de 2013 Edição Extraordinária MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT Passados quase cinco anos da convergência das regras contábeis brasileiras ao padrão internacional contábil

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização; 3 FORMAÇÃO DO CUSTO O custo dos imóveis vendidos compreenderá obrigatoriamente: I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995. Mensagem de veto Regulamento Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas,

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Deduções da Receita Bruta: (+) Faturamento Bruto (-) IPI s/ faturamento (-) ICMS Substituição Tributária (=) Receita Bruta (-)Vendas Canceladas (as vendas canceladas de resultados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011 TRIBUTAÇÃO Atualizado em 12/2011 1 Tributação dos Fundos de Investimento Instruções Normativas SRF nº 487 (30/12/04) e nº 489 (07/01/05) Lei nº 11.033/04 2 Base de Incidência de IR Base de incidência:

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO PRESUMIDO 1 É uma forma de tributação simplificada para determinação da base de cálculo do imposto de renda e da contribuição social das pessoas jurídicas

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

R$ 450.000,00 contabilizados com receitas d) Resultados positivos em participações societárias R$ 320.000,00

R$ 450.000,00 contabilizados com receitas d) Resultados positivos em participações societárias R$ 320.000,00 5. EXEMPLO DE CÁLCULO DA CSLL Admitindo-se que uma pessoa jurídica, tributada pelo lucro real trimestral, sujeita a contribuição social à alíquota de 9% tenha apresentado a seguinte no 2º trimestre/2000:

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS)

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) Miguel Silva RTD REGIME TRIBUTÁRIO DEFINITIVO (Vigência e Opção pela Antecipação de seus Efeitos) 1 Para efeito de determinação do IRPJ, CSLL, PIS-PASEP e

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

A THOMSON COMPANY. INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

A THOMSON COMPANY. INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente A THOMSON COMPANY INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente INCENTIVOS FISCAIS Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Direitos autorais cedidos

Leia mais

CIRCULAR Medida Provisória 252/05

CIRCULAR Medida Provisória 252/05 CIRCULAR Medida Provisória 252/05 A Medida Provisória 252/05, publicada no Diário Oficial em 16 de junho de 2005, instituiu regimes especiais de tributação, alterou parte da legislação de Imposto de Renda,

Leia mais