TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011"

Transcrição

1 TRIBUTAÇÃO Atualizado em 12/2011 1

2 Tributação dos Fundos de Investimento Instruções Normativas SRF nº 487 (30/12/04) e nº 489 (07/01/05) Lei nº /04 2

3 Base de Incidência de IR Base de incidência: Diferença positiva (líquida de IOF se houver) entre o valor de resgate e o valor de aplicação. A cobrança de IR nos fundos de renda fixa ocorrerá no último dia útil dos meses de maio e novembro de cada ano, ou no resgate, o que ocorrer primeiro. Responsável pelo recolhimento: Administrador 3

4 RENDA FIXA Aplicações sujeitas à incidência do imposto de renda retido na fonte. Será adotado critério de tributação decrescente, variando de acordo com o prazo de permanência dos recursos nas aplicações. Incluem-se nesse critério de tributação as operações conjugadas, realizadas em bolsas de valores de mercadorias, bem como no mercado de balcão, cujos rendimentos podem ser predeterminados. Prazo de Permanência dos Recursos Alíquota Até 6 meses 22,50% De 6 a 12 meses 20% De 12 a 24 meses 17,50% Acima de 24 meses 15% 4

5 Fundos de Renda Fixa Curto Prazo Fundos de Curto Prazo: Carteira de títulos com prazo médio igual ou inferior a 365 dias: Novas alíquotas de IR 22,5% em aplicações com prazo de até 180 dias 20,0% em aplicações com prazo acima de 180 dias Tributação Semestral (come cotas) Alíquota de 20% no último dia útil dos meses de maio e novembro Se o resgate ocorrer antes de 181 dias de contagem do prazo será aplicada alíquota complementar conforme o prazo de permanência. 5

6 Fundos de Renda Fixa Longo Prazo Fundos de Renda Fixa Longo Prazo ( Carteira com prazo médio superior a 365 dias). Alíquotas de IR: 22,5% em aplicações com prazo de até 180 dias 20,0% em aplicações com prazo de 181 dias e até 360 dias 17,5% em aplicações com prazo de 361 dias e até 720 dias 15,0% em aplicações com prazo acima de 720 dias Tributação Semestral (come cotas) Alíquota de 15% no último dia útil dos meses de maio e novembro Se o resgate ocorrer antes de 721 dias de contagem do prazo será aplicada alíquota complementar conforme o prazo de permanência. 6

7 Fundo Mútuo de Privatização FMP - FGTS Os Fundos FMP FGTS são fundos de ações com alíquota de 15% de IR cobrado no resgate. Base de cálculo: Diferença positiva entre o valor do resgate e a soma do valor da aplicação com o rendimento equivalente ao da remuneração das contas vinculadas do FGTS. 7

8 Contagem dos Prazos Fundos de Curto Prazo Aplicação efetuada até 30/12/04 (data da publicação da Lei ) o prazo é contado a partir de 1º de julho. Aplicação efetuada após 30/12/04 o prazo é contado a partir da data da aplicação. Fundos de Longo Prazo Aplicação efetuada até 22/12/04 (data da publicação da Lei ) o prazo é contado a partir de 1º de julho. Aplicação efetuada após 22/12/04 o prazo é contado a partir da data da aplicação. 8

9 Fundos de Ações e Clube de Ações Fundos de Ações e Clubes de Investimento em ações (Carteira com mais de 67% em ações à vista) Tributação no resgate alíquota de 15% A alíquota é de 10% para os rendimentos produzidos até 31/12/01 e de 15% para os rendimentos gerados após 02/01/02. 9

10 Compensação de Perdas em Fundos A lei permite compensar perdas em fundos de investimento, obedecidas as seguintes restrições: Fundos de mesmo administrador; Fundos de mesma natureza (fundos de curto prazo compensam com curto prazo, longo prazo com longo prazo e ações com ações); A perda deve ser realizada (oscilações de cotas não contam); A perda realizada pode ser compensada com rendimentos de aplicações posteriores; O valor da perda é abatido de rendimentos futuros e não de despesas futuras de IR. 10

11 IOF O IOF incide nas operações financeiras de renda fixa com prazo de até 29 dias conforme tabela regressiva; No caso de fundos com carência se o investidor resgatar antes de completar o período de carência, será cobrado alíquota de IOF de 0,5% ao dia limitado ao rendimento da aplicação; FAPI: Incidência de IOF de 5% (limitado ao rendimento) sobre resgates realizados antes de 12 meses da data do primeiro depósito. * FAPI Fundo Aposentadoria Programada Individual 11

12 Tabela Regressiva de IOF Dias Corridos % do Rendimento Dias Corridos % do Rendimento 1 96% 16 46% 2 93% 17 43% 3 90% 18 40% 4 86% 19 36% 5 83% 20 33% 6 80% 21 30% 7 76% 22 26% 8 73% 23 23% 9 70% 24 20% 10 66% 25 16% 11 63% 26 13% 12 60% 27 10% 13 56% 28 6% 14 53% 29 3% 15 50% 30 0% 12

13 Renda Variável IR Ganho de Capital Os ganhos líquidos auferidos em operações realizadas em Bolsa de Valores, de Mercadorias passarão a ser tributados às seguintes alíquotas: Operações DAY TRADE: 20%. Demais hipóteses: 15%. Obs. Conforme MP497, operações Day Trade serão consideradas apenas quando realizadas na mesma corretora. 13

14 Renda Variável - IRRF As operações realizadas em Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, exceto operações DAY TRADE, ficam sujeitas à incidência do IMPOSTO DE RENDA NA FONTE, à alíquota de 0,005% sobre os seguintes Valores: Mercados Á Vista Opções Termo Futuro Valor da alienação. Fato Gerador Valor positivo da soma dos prêmios pagos e recebidos no mesmo dia. (opções BOVESPA e BM&F). Com a Entrega do Ativo: A diferença, se positiva, entre o preço a termo e o preço à Vista na data da liquidação; Sem a Entrega do Ativo: O valor da liquidação financeira previsto no contrato. Soma algébrica dos ajustes diários (se positiva), no encerramento da posição. 14

15 Renda Variável - IRRF As operações DAY TRADE permanecem tributadas na fonte nos termos da legislação vigente: Fonte: 1% sobre os ganhos obtidos diariamente; Mensal: 20% sobre o ganho mensal. 15

16 Renda Variável IRRF - Deduções A antecipação de 0,005% retida na fonte poderá ser: Deduzida do imposto sobre ganhos líquidos apurados no mês ou em meses subseqüentes; Compensada com o imposto devido sobre o ganho de capital na alienação de ações; Não se aplica às operações de exercício de opções. 16

17 Renda Variável IRRF - Isenção O imposto cujo valor de antecipação for igual ou inferior a R$ 1,00, ficará dispensado do recolhimento na fonte. Esse limite será calculado somando todas as operações realizadas pelo investidor no mês. Ficarão isentos do Imposto de Renda: Os ganhos líquidos auferidos por Pessoa Física, em operações no mercado à vista de ações nas Bolsas de Valores e em operações com ouro ativo financeiro, cujo valor total das alienações, realizadas em cada mês, seja igual ou inferior a R$ ,00. 17

18 Tributação Renda Variável MERCADO À VISTA Fato Gerador Alíquota em % Incidência Recolhimento OBS.: Venda 0,005 Valor da Venda Fonte Antecipação (*) Venda 15 Ganho Líquido Mensal Isento se valor total das vendas no mês for menor que R$ 20 mil Day - Trade 1 Ganho Líquido Fonte Antecipação (*) Day - Trade 20 Ganho Líquido Mensal - (*) Esse valor poderá ser: I- deduzido do Imposto sobre Ganhos Líquidos apurados no mês; II- compensado com o imposto incidente sobre Ganhos Líquidos apurados nos meses subsequentes; III- compensado na Declaração de Ajuste se, após as deduções mencionadas em I e II, houver saldo de imposto retido; IV- compensado com o imposto devido sobre Ganho de Capital na alienação de ações. 18

19 Tributação Renda Variável OPÇÕES Fato Gerador Alíquota em % Incidência Recolhimento OBS.: Negociação de Opções 0,005 Resultado, se positivo da soma algébrica dos prêmios pagos e recebidos no mesmo dia Fonte Antecipação (*) Venda 15 Ganho Líquido Mensal Não há Isenção Encerramento de Box 22,5 até 6 m 20,0 até 12 m 17,5 até 24 m 15 acima de 24 m Ganho Líquido Fonte - Day - Trade 1 Ganho Líquido Fonte Antecipação (*) Day - Trade 20 Ganho Líquido Mensal - (*) Esse valor poderá ser: I- deduzido do Imposto sobre Ganhos Líquidos apurados no mês; II- compensado com o imposto incidente sobre Ganhos Líquidos apurados nos meses subsequentes; III- compensado na Declaração de Ajuste se, após as deduções mencionadas em I e II, houver saldo de imposto retido; IV- compensado com o imposto devido sobre Ganho de Capital na alienação de ações. 19

20 Tributação Renda Variável TERMO Fato Gerador Alíquota em % Incidência Recolhimento OBS.: Venda (na abertura da Operação) 0,005 Diferença entre Preço a Termo e Preço a Vista na data da Contratação Fonte Antecipação (*) Encerramento 15 Ganho Líquido Mensal - Encerramento da Venda Coberta 22,5 até 6 m 20,0 até 12 m 17,5 até 24 m 15 acima de 24 m Ganho Líquido Fonte - (*) Esse valor poderá ser: I- deduzido do Imposto sobre Ganhos Líquidos apurados no mês; II- compensado com o imposto incidente sobre Ganhos Líquidos apurados nos meses subsequentes; III- compensado na Declaração de Ajuste se, após as deduções mencionadas em I e II, houver saldo de imposto retido; IV- compensado com o imposto devido sobre Ganho de Capital na alienação de ações. 20

21 Tributação Renda Variável MERCADO FUTURO Fato Gerador Alíquota em % Incidência Recolhimento OBS.: Encerramento da Posição 0,005 Resultado positivo da soma algébrica dos ajustes diários Fonte Antecipação (*) Encerramento da Posição 15 Ganho Líquido Mensal - Day - Trade 1 Ganho Líquido Fonte Antecipação (*) Day - Trade 20 Ganho Líquido Mensal - (*) Esse valor poderá ser: I- deduzido do Imposto sobre Ganhos Líquidos apurados no mês; II- compensado com o imposto incidente sobre Ganhos Líquidos apurados nos meses subsequentes; III- compensado na Declaração de Ajuste se, após as deduções mencionadas em I e II, houver saldo de imposto retido; IV- compensado com o imposto devido sobre Ganho de Capital na alienação de ações. 21

22 Tributação Renda Variável OURO Fato Gerador Alíquota em % Incidência Recolhimento OBS.: Venda 0,005 Ganho Líquido Fonte Antecipação (*) Venda 15 Ganho Líquido Mensal Isento se valor total das vendas no mês for menor que R$ 20 mil Day - Trade 1 Ganho Líquido Fonte Antecipação (*) Day - Trade 20 Ganho Líquido Mensal - (*) Esse valor poderá ser: I- deduzido do Imposto sobre Ganhos Líquidos apurados no mês; II- compensado com o imposto incidente sobre Ganhos Líquidos apurados nos meses subsequentes; III- compensado na Declaração de Ajuste se, após as deduções mencionadas em I e II, houver saldo de imposto retido; IV- compensado com o imposto devido sobre Ganho de Capital na alienação de ações. 22

23 PIBB Papéis de Índice Brasil BOVESPA Os ganhos líquidos auferidos na negociação em bolsa de quotas do PIBB, a exemplo da negociação envolvendo ações, sujeitam-se à incidência do imposto de renda à alíquota de 15%, a ser recolhido pelo investidor; 23

24 PIBB Papéis de Índice Brasil BOVESPA A isenção do imposto de rendas sobre ganhos líquidos, quando oriundo de vendas, realizadas por pessoas físicas, inferiores a R$ ,00 mensais, não se aplica à venda de cotas do PIBB, na medida em que o art. 3º da Lei nº 11033, ao disciplinar essa isenção, estabeleceu que somente se aplica em operações no mercado a vista de ações nas Bolsas de Valores e em operações com ouro ativo financeiro A antecipação da alíquota de 0,005% incidente na fonte sobre vendas de ações alcança também as vendas de cotas do PIBB, pois o parágrafo 1º do art. 2º da Lei nº 11033, ao disciplinar tal incidência, estabeleceu que ela se aplica sobre o valor de alienação do Mercado a Vista envolvendo operações com ações, ouro ativo financeiro e outros valores mobiliários nele negociados. 24

25 TRANSFERÊNCIA DE TITULARIDADE - AÇÕES Nas transferência de titularidade de ações negociadas Fora de Bolsa, sem intermediação, a entidade encarregada de seu registro deverá exigir o documento que comprove o pagamento do imposto de renda sobre o ganho de capital ou a declaração do alienante sobre a inexistência de imposto devido. 25

26 Regimes de Tributação Pessoa Física, Pessoa Jurídica isenta ou optante pelo Simples: tributação definitiva ou exclusiva na fonte. O rendimento não compõe a base de cálculo e o contribuinte não pode compensar o IR pago na fonte. Pessoa Jurídica tributada com base no lucro real, presumido ou arbitrado: o ganho líquido integrará a base de cálculo na declaração de ajuste anual sendo o imposto pago na fonte deduzido do IR devido. 26

27 Tratamento Fiscal das Perdas em Aplicações de Renda Variável Para apuração dos ganhos líquidos mensais, as perdas nas operações de renda variável nos mercados à vista, de opções, futuros, a termos e assemelhados, poderão ser compensadas com ganhos líquidos auferidos, no próprio mês ou meses subseqüentes, exceto em operações de day trade. Logo, as perdas poderão ser compensadas com os futuros ganhos líquidos (ex: ações com opções, termo com ouro). exceção: day-trade que pode ser compensada somente com day-trade. 27

28 Investidores Estrangeiros - Tributação Regra geral (art. 78 da Lei 8.981/95) Aos residentes e domiciliados no exterior (inclusive paraísos fiscais ) aplicam-se as mesmas regras de tributação pelo imposto de renda previstas para os investidores no Pais, em relação aos: rendimentos de aplicações de renda fixa (ex: CDB, títulos do governo) e em fundos de investimento (ex: FIA, FIDC, FIP, Multimercado) ganhos líquidos auferidos em operações realizadas em bolsas de valores, de mercadorias e futuros e assemelhadas (ex: ações mercado à vista, opções) ganhos líquidos auferidos na alienação de ouro, ativo financeiro e em operações no mercado de liquidação futura, fora de bolsa rendimentos em operações de swap 28

29 Investidores Estrangeiros - Tributação Regra geral para aplicações no mercado financeiro e de capitais: IR de 15% em renda variável (ex: termo, futuro...) e de 22,5% a 15% em renda fixa (CCB, LH, CRI, Debêntures) Há regime especial de tributação aos investidores estrangeiros que prevê uma redução da carga fiscal em operações de acordo com as condições estabelecidas pelo CMN 29

30 Investidores Estrangeiros Lei Regime Especial de Tributação (art. 81, Lei 8.981/95): isenção de IR sobre ganho de capital em operações realizadas em bolsa de valores, mercadorias e futuros e assemelhadas (mercado de balcão organizado), bem como com ouro, ativo financeiro, fora de bolsa. Exceção: derivativos e operações conjugadas que caracterizam renda fixa. alíquota de 10% sobre rendimentos em fundos de investimento em ações, swap e operações em mercado de liquidação futura, fora de bolsa alíquota de 15% nos demais casos (inclusive operações financeiras de renda fixa como CDB, CRI, debêntures e em fundos de renda fixa) 30

31 Investidores Estrangeiros - Tributação Regra geral para aplicações no mercado financeiro e de capitais: IR de 15% em renda variável (ex: termo, futuro...) e de 22,5% a 15% em renda fixa (CCB, LH, CRI, Debêntures) há regime especial de tributação aos investidores estrangeiros que prevê uma redução da carga fiscal em operações de acordo com as condições estabelecidas pelo CMN 31

32 Investidores Estrangeiros Aplicação em Títulos Públicos Federais Fica reduzida a zero a alíquota do imposto de renda incidente sobre os rendimentos, produzidos por títulos públicos adquiridos a partir de 16/2/06, quando pagos, creditados, entregues ou remetidos a beneficiário residente ou domiciliado no exterior Exceção: domiciliados em paraísos fiscais (art. 1º da Lei /06) 32

33 Operações Isentas ou Não-Tributadas para Pessoas Físicas caderneta de poupança letras hipotecárias certificado de recebíveis imobiliários letras de crédito imobiliário cotas de fundo de investimento imobiliário certificado de depósito agropecuário warrant agropecuário certificado de direitos creditórios do agronegócio letra de crédito do agronegócio cédula de produto rural e certificado de recebíveis do agronegócio. 33

34 Notas para Utilização Este relatório foi elaborado pela Magliano SA, com objetivo de manter o cliente informado sobre questões relacionadas aos impostos devidos sobre Ganho de Capital obtido nas operações de Renda Variável (Ações, Opções e Futuros) Fundos e Clubes de Investimentos e de Renda Fixa. Todas as informações nele contidas foram obtidas a partir de dados públicos de fontes confiáveis, lícitas e de boa fé. Essas informações se modificam ao longo do tempo. A Magliano SA CCVM. Fará seu melhor esforço para manter as informações atualizadas, mas não se responsabiliza por situações derivadas de atraso na atualização ou inexatidões de interpretação. Para tanto sugere que cada investidor consulte especialistas de sua escolha para assegurarlhe a utilização adequada dos termos legais aplicáveis a cada situação. Declara que não se responsabiliza pelo recolhimento dos impostos citados a não ser aqueles expressamente definidos nos regulamentos como de sua responsabilidade na condição de Intermediária em Operações, Administradora ou Gestora de Recursos de Clientes excluídos neste caso os relativos aos Ganhos de Capital obtidos em operações de Renda Variável. 34

Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005

Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005 Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005 Ana Carolina Pereira Monguilod e Mário Shingaki Consultores tributários da Levy & Salomão Advogados No final do ano de 2004, o Governo Federal

Leia mais

GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012

GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012 GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro 9.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e definições da tributação de operações realizadas

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro 9.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e definições da tributação de operações realizadas

Leia mais

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro 9.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e definições da tributação de operações realizadas

Leia mais

Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES

Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2012: consulte as informações em seu Informe de Rendimentos Fator (IRF), Ano Calendário de 2011. Elaboramos este

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES

Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2013: consulte as informações em seu Informe de Rendimentos Fator (IRF), Ano Calendário de 2012. Elaboramos este

Leia mais

GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014

GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014 GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014 GUIA PRÁTICO PARA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 1. INTRODUÇÃO Este material foi desenvolvido com o objetivo de auxiliar nossos clientes no

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos auferidos em operações de renda fixa e de renda variável.

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos auferidos em operações de renda fixa e de renda variável.

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil Guia de Declaração IR 2014 Investimentos Março de 2014 Brasil Guia de Declaração IR 2014 - Investimentos O prazo de entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 tem início no dia 6 de março e o

Leia mais

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos BRASIL Guia de Declaração IR 2014- Investimentos O dia 30/04/2014 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 e com o objetivo de

Leia mais

COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015. IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais

COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015. IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015 IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais A Instrução Normativa nº. 1.585 de 2.9.2015 ( IN 1.585/15 ) regulamentou a tributação no Mercado Financeiro

Leia mais

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Tributação Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Índice Quem recolhe o Imposto? 3 Prazo para Recolhimento 3 Como calcular o Imposto 3 Imposto de Renda

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1585, DE 31 DE AGOSTO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 02/09/2015, seção 1, pág. 37) Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 DOU de 7.4.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 180 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Obrigações Acessórias DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

Leia mais

Comprovante de Rendimentos Financeiros

Comprovante de Rendimentos Financeiros Comprovante de Rendimentos Financeiros INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 05.04.2010 - DOU 1 de 07.04.2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 05.04.2010 - DOU 1 de 07.04.2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 05.04.2010 - DOU 1 de 07.04.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1585, DE 31 DE AGOSTO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 02/09/2015, seção 1, pág. 37) Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015

Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015 Resenha de Matérias Técnicas Nº. 847, de 08 10 2015 Matéria Especial: IMPOSTO

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 DOU de 7.4.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Tabela 1 Tributos Plano VGBL

Tabela 1 Tributos Plano VGBL Comparativo tributário Produtos Financeiros Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Abril/2008 O objetivo deste levantamento é fazer uma comparação tributária sobre os produtos financeiros existentes

Leia mais

GUIA IRPF Orientações Gerais

GUIA IRPF Orientações Gerais 2013 GUIA IRPF Orientações Gerais Imposto de Renda 2013 ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 6 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO

Leia mais

Subseção V. dos fatos geradores.

Subseção V. dos fatos geradores. I - o Capítulo I dispõe sobre a tributação das aplicações em fundos de investimento de residentes ou domiciliados no País; II - o Capítulo II dispõe sobre a tributação das aplicações em títulos ou valores

Leia mais

CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais

CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 4 2 Formas e prazo de entrega 5 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO 8

Leia mais

Tributação das Operações no Mercado Financeiro e de Valores Mobiliários

Tributação das Operações no Mercado Financeiro e de Valores Mobiliários Tributação das Operações no Mercado Financeiro e de Valores Mobiliários Informações Turma de Março 2014: Inscrições Abertas Início das Aulas: 12/03/2014 Dia e horário das aula: Segunda-Feira 19h00 às 23h00

Leia mais

MANUAL DE APURAÇÃO E DEMONSTRAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NO MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PARA PESSOA FÍSICA. Tributação no Mercado de Renda Variável

MANUAL DE APURAÇÃO E DEMONSTRAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NO MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PARA PESSOA FÍSICA. Tributação no Mercado de Renda Variável MANUAL DE APURAÇÃO E DEMONSTRAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NO MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PARA PESSOA FÍSICA Tributação no Mercado de Renda Variável São Paulo, 05 de janeiro de 2015 Prezado (a) Investidor (a),

Leia mais

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil Guia Declaração Imposto de Renda 2013 Investimentos Março de 2013 Brasil Guia de Declaração IR 2013 -Investimentos 2 O dia 30/04/2013 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2013

Leia mais

GUIA IRPF 2014 Orientações Gerais

GUIA IRPF 2014 Orientações Gerais GUIA IRPF 2014 Orientações Gerais Imposto de Renda 2014 índice 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO

Leia mais

LEI Nº 11.033, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2004

LEI Nº 11.033, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2004 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 11.033, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2004 Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais; institui o Regime Tributário para Incentivo à

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003 Aprova o formulário Resumo de Apuração de Ganhos - Renda Variável, para o exercício de 2004, ano-calendário de 2003. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias)

Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias) PERFIL DOS CLIENTES Pessoa Física: Investidores Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias) ATUAÇÃO Não Financeiros (Exportadores, Tradings, Indústria) Não Residentes (Agentes Financeiros,

Leia mais

Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004 DOU 22.12.2004

Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004 DOU 22.12.2004 Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004 DOU 22.12.2004 Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais; institui o Regime Tributário para Incentivo à Modernização e à Ampliação da Estrutura Portuária

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 03/2015. Brasília, 20 de maio de 2015. Assunto: Minuta de Instrução Normativa que dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos

Leia mais

O SANTANDER QUER AJUDAR VOCÊ NA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 2016.

O SANTANDER QUER AJUDAR VOCÊ NA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 2016. Pág. 1 O SANTANDER QUER AJUDAR VOCÊ NA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 26. O prazo para entrega da Declaração Anual do Imposto de Renda 26 vai até o dia 29 de abril. E, para orientá-lo nesta tarefa, preparamos

Leia mais

Em complemento às normas

Em complemento às normas A Nova Sistemática de Tributação dos Planos de Previdência Privada Luca Priolli Salvoni e Mário Shingaki Consultores Tributários do Levy & Salomão Advogados Em complemento às normas editadas no final do

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil 1 Guia Declaração Imposto de Renda 2012 Investimentos Março de 2012 Brasil Guia de Declaração IR 2012 - Investimentos 2 O dia 30/04/2012 é ultimo dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda

Leia mais

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I Lei do Audiovisual I - FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Criado pela Lei 8.685, de 20.07.93 Regulamentação através do Decreto nº 974, de 08.11.93 Limite para Pessoa Jurídica deduzir do Imposto de Renda alterado de 1%

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Come-Cotas Aplicações Financeiras

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Come-Cotas Aplicações Financeiras Parecer Consultoria Tributária Segmentos Come- 20/08/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Portaria MF 264/1999...

Leia mais

INFORMATIVO 14/2014 LEI Nº 13.043/2014: CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651/2014

INFORMATIVO 14/2014 LEI Nº 13.043/2014: CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651/2014 Novo Hamburgo, 14 de novembro de 2014. INFORMATIVO 14/2014 LEI Nº 13.043/2014: CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651/2014 Foi publicada hoje, no Diário Oficial, a Lei nº 13.043/2014, resultante da conversão,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 11.033, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2004. Conversão da MPv nº 206, de 2004 Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais;

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

Incentivos Fiscais na Emissão de Debêntures - Lei nº 12.431/2011. Fernando Tonanni. 16 de Agosto de 2011

Incentivos Fiscais na Emissão de Debêntures - Lei nº 12.431/2011. Fernando Tonanni. 16 de Agosto de 2011 Incentivos Fiscais na Emissão de Debêntures - Lei nº 12.431/2011 Fernando Tonanni 16 de Agosto de 2011 1 A Lei nº 12.431/2011 Publicada em 27 de junho de 2011; conversão em Lei da Medida Provisória nº

Leia mais

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem.

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. Guia IR 2012 No Banrisul, o leão não assusta. Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. O Banrisul antecipa

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99,

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011(DOU de 02/01/2012) Dispõe sobre o preenchimento da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), em relação a fatos geradores

Leia mais

Taxa de corretagem para Home-Broker. R$ 14,99 por operação + Taxa da Bovespa. *Após a 6ª operação do dia, a corretagem é grátis até o final do pregão

Taxa de corretagem para Home-Broker. R$ 14,99 por operação + Taxa da Bovespa. *Após a 6ª operação do dia, a corretagem é grátis até o final do pregão Custos Operacionais Os resgates solicitados são efetuados através de TED. Para tanto, cada cliente, terá direito a um por semana (gratuitamente), não cumulativo. A partir do segundo, será repassado o custo

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

Previdência Complementar

Previdência Complementar Cartilha Previdência Complementar Guia Fácil de Tributação TRATAMENTO TRIBUTÁRIO BÁSICO A primeira informação que deve ser observada na escolha de um plano de previdência que tenha como propósito a acumulação

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

GUIA IRPF 2015 Orientações Gerais

GUIA IRPF 2015 Orientações Gerais Orientações Gerais ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO 9 5 Bens e Direitos 9 6 Dividendos,

Leia mais

Atualizado até Junho de 2011

Atualizado até Junho de 2011 1 Atualizado até Junho de 2011 Secretário da Receita Federal do Brasil Carlos Alberto Freitas Barreto Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil Sandro de Vargas Serpa Coordenador-Geral

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista www.sato.adm.br 1987 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Relatório Trabalhista Nº 030 13/04/95 REPOSIÇÃO DAS PERDAS SALARIAIS DATA-BASE ABRIL/95 - LEI

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

10 perguntas sobre aplicações financeiras e a Declaração do Imposto de Renda. Sicredi Investimentos

10 perguntas sobre aplicações financeiras e a Declaração do Imposto de Renda. Sicredi Investimentos 10 perguntas sobre aplicações financeiras e a Declaração do Imposto de Renda. Sicredi Investimentos A cada ano, surgem dúvidas, por parte dos investidores, de como declarar à Receita Federal os rendimentos

Leia mais

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação 1 ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) Item Código/ Variação Periodicidade Período de Apuração do Fato Denominação Gerador 1 0220/01 Tr i m e s t r a l A partir do 1º trimestre de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010 Fundos de Investimento Imobiliário 09 de abril de 2010 Introdução Histórico No Brasil, os fundos imobiliários foram inspirados nos Real Estate Investment Trusts americanos, tendo sido constituídos na forma

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

10 perguntas sobre aplicações financeiras e a Declaração do Imposto de Renda.

10 perguntas sobre aplicações financeiras e a Declaração do Imposto de Renda. 10. Como devo declarar minhas aplicações em Fundos de Investimentos em ações? A tributação é do tipo exclusiva de fonte e, por isso, os rendimentos devem ser informados na ficha Rendimentos Sujeitos à

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 19, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 19, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 19, DE 2015 Altera a Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, para acabar com a tributação semestral sobre os rendimentos das aplicações em fundos de investimento. O CONGRESSO

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Até: Segunda-feira, dia 6 IOF Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de março/2015: - Operações de crédito - Pessoa Jurídica - Cód. Darf 1150 - Operações de crédito

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014:

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014 03/Abril. 5ª Feira. IOF - Imposto sobre Operações Financeiras. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: - Operações

Leia mais

Imposto de Renda 2014 Pessoa Física Ano-base 2013. Imposto de Renda 2O14

Imposto de Renda 2014 Pessoa Física Ano-base 2013. Imposto de Renda 2O14 Imposto de Renda 2014 Pessoa Física Ano-base 2013 Imposto de Renda 2O14 Informações importantes para a sua Declaração de Imposto de Renda Exercício 2014 Ano-base 2013 Este material contém uma série de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.383, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1991. Vide Lei nº 10.192, de 2001 Vide Lei nº 10.522, de 2002 (Mensagem de veto) Texto compilado

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL JANEO 2013 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL MEDIDA PROVISÓRIA 601/2012: BENEFÍCIOS FISCAIS DE FIDCS DE PROJETOS DE INVESTIMENTO (INCLUSIVE INFRAESTRUTURA) A. Introdução 1. A fim de aprimorar os

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

Newsletter Edição Extra 118 - Velloza, Girotto e Lindenbojm Advogados Associados VGL NEWS. Edição Extra nº 118-04 de janeiro de 2011

Newsletter Edição Extra 118 - Velloza, Girotto e Lindenbojm Advogados Associados VGL NEWS. Edição Extra nº 118-04 de janeiro de 2011 Page 1 of 6 VGL NEWS Edição Extra nº 118-04 de janeiro de 2011 Alterações na Legislação Tributária " Medida Provisória nº 517, de 30/12/2010 ( MP 517/10 ) e Decreto nº 7.412, de 30/12/2010 ( Decreto 7.412/10

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS FERNANDA CHIDEM DA COSTA TRIBUTAÇÃO DOS PRODUTOS DE INVESTIMENTOS

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

INFORME JURÍDICO Tributário. Setembro de 2012

INFORME JURÍDICO Tributário. Setembro de 2012 Setembro de 2012 IN publicada pela Receita Federal promove alterações na legislação que trata do IR incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiros e de capitais Em

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA ATO DECLARATÓRIO Nº 33, de 28 de agosto de 2000. O COORDENADOR-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza DIRF - 2013 Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013 Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza 1 O QUE É A DIRF? É a Declaração em que é informada à RFB: Os rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no País,

Leia mais

Lei n o 8.981, de 20 de janeiro de 1995 Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. Capítulo I

Lei n o 8.981, de 20 de janeiro de 1995 Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. Capítulo I c Publicada no DOU de 23-1-1995. Capítulo I Lei n o 8.981, de 20 de janeiro de 1995 Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. Disposições Gerais Art. 1 o A partir do ano calendário

Leia mais