RELAÇÃO ENTRE ESPIRITUALIDADE, ÂNIMO E QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS IDOSAS. J. Pais-Ribeiro & T. Pombeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÃO ENTRE ESPIRITUALIDADE, ÂNIMO E QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS IDOSAS. J. Pais-Ribeiro (jlpr@psi.up.pt) & T. Pombeiro"

Transcrição

1 RELAÇÃO ENTRE ESPIRITUALIDADE, ÂNIMO E QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS IDOSAS J. Pais-Ribeiro & T. Pombeiro Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação-U.Porto A sociedade moderna está a envelhecer. As Nações Unidas estimam que de 2000 para 2025 o número de pessoas com mais de 65 anos aumentará 67% nos países desenvolvidos e 44% nos países menos desenvolvidos, passando a representar, nesse período de tempo, de 6,9% da população mundial para 10,44%, sendo que nos países desenvolvidos esses valores passarão de 14,39% para 20,9%. Este aumento da percentagem de idosos traz problemas demográficos vários com consequências, nomeadamente, ao nível da saúde e qualidade de vida. No presente estudo assume-se que a espiritualidade é uma variável susceptível de contribuir para uma boa vida, e que haverá relações fortes entre Espiritualidade, Ânimo e Qualidade de Vida (QDV). A espiritualidade (do latim spiritualitas significa golfada de ar) é um conceito mais amplo do que religião (do latim religare significa forçar a juntar), e inclui transcendência, ligação, intencionalidade, e valores. A religiosidade tem sido definida como a participação em crenças, rituais e actividades próprios de uma religião tradicional (Elkins, Hedstrom, Hughes, Leaf, & Saunders, 1988, p. 8), e pode funcionar como alimentador e meio de expressão para a espiritualidade, explicam estes autores. A espiritualidade é mais ampla do que religiosidade, é uma experiência subjectiva que existe tanto dentro como fora dos sistemas de religião tradicionais (Vaughan, Wittine, & Walsh, 1998, p. 497). A espiritualidade tem sido definida como o modo pelo qual as pessoas entendem e vivem as suas vidas tendo em conta do seu significado e valor últimos (Muldoon and King, 1995, p. 336) ou como um processo experiencial cujas características incluem procura de significado e

2 propósito, transcendência (a sensação que ser humano é mais do que existência material), laços (p.ex. com outros, com a natureza ou com uma divindade) e valores (p.ex. justiça) (Mueller, Plevak & Rummans, 2001). É considerada como um estado de paz e harmonia (Hungelmann, Kenkel-Rossi, Klassen, & Stollenwerk, 1985, p. 151), exprime a capacidade para encontrar a divindade no status quo da vida, e essa transcendência ajuda a ultrapassar os problemas e circunstâncias desagradáveis presentes (Brewer, 1979). Contribui ainda para encontrar respostas satisfatórias para..as questões últimas sobre o sentido da vida, doença e morte (Highfield and Cason, 1983, p. 187). Estas definições de espiritualidade permitem olhar para esta variável como um domínio fora de sistemas religiosos particulares e, embora mostrem variações entre elas, partilham a ideia da importância da espiritualidade enquanto um contexto em que as pessoas podem encontrar um sentido para a vida, ter esperança e estar em paz no meio dos acontecimentos mais graves. Este conceito é de estudo científico recente. Uma definição científica de espiritualidade não pode depender de contextos religiosos particulares, deve ser acessível e observável independentemente de crenças pessoais, e pode ser utilizado para caracterizar uma pessoa (Miller, 1998). Thoresen (1999) numa revisão de investigação que relaciona a saúde com a espiritualidade, verifica que quanto maiores os níveis de espiritualidade maiores os níveis de bem-estar global e de satisfação com a vida, menores os níveis de sintomas depressivos e de suicídio, maiores os níveis de satisfação conjugal, menor o abuso de substâncias. Para Lawton (1975), ânimo (do Inglês "morale" que Paúl traduz assim) consiste numa perspectiva positiva de si próprio, num esforço para aceitar e controlar a realidade; Lawton tem uma visão da ânimo em termos de bem estar geral. Levy, Slade, Kunkel, e Kasl, (2002), num estudo longitudinal, verificam que uma percepção positiva do envelhecimento, medida com a dimensão de Atitude Face ao Próprio

3 Envelhecimento da The Philadelphia Geriatric Center Morale Scale de Lawton (1975), contribui para que os indivíduos vivam mais 7,5 anos. A Organização Mundial de Saúde define a Qualidade de Vida (QDV) como a percepção que o indivíduo tem acerca da sua posição na vida, no contexto da cultura e do sistema de valores em que vive, e tomando em consideração os seus objectivos, expectativas, padrões e preocupações (Orley & WHOQOL Group, 1994). Os conceitos aqui em estudo, Ânimo (Morale), QDV e Espiritualidade aproximam-se conceptualmente segundo algumas das definições. Se considerarmos que a QDV é um resultado (outcome), então as outras variáveis serão variáveis dignas de intervenção visando uma melhor QDV. Os objectivos do presente estudo são inspeccionar a relação entre Ânimo, Espiritualidade e QDV em indivíduos com mais de 60 anos. MÉTODO Participantes- uma amostra de conveniência, com 57 indivíduos com idades entre os 64 e os 94 anos (M= 75,58) 31,6% homens, 52,6% casados, 57,9% vivendo em casa própria. Material- inclui: a versão Portuguesa da The Philadelphia Geriatric Center Morale Scale adaptada por Paúl (1992) que denominou de Escala de Ânimo; o questionário EuroQOL-5D (EQ-5D); A dimensão Espiritualidade da escala de qualidade de vida da Organização Mundial de Saúde (WHOQOL-100). Escala de Ânimo - A versão original da escala inclui 17 itens na última versão original, e o estudo da versão portuguesa conservou 14 itens (Paúl, 1992). Os itens consistem em afirmações que os respondentes devem assinalar se se aplica ou não a eles, numa escala dicotómica sim/não. Os itens distribuem-se (na versão portuguesa) por três dimensões, Agitação (quatro itens, alfa de Cronbach de 0,71), Atitude Face ao Próprio Envelhecimento (cinco itens, alfa = 0,71), e solidão/insatisfação (cinco itens, alfa = 0,75).

4 Escala de QDV- O EQ-5D é uma medida genérica e multidimensional, concebida para descrever o estado de saúde. Inicialmente concebida em 1990 com seis dimensões, passou a cinco em A versão do EQ-5D aqui utilizada foi traduzida a partir da versão em Inglês e Espanhola (Badia, Salamero, & Alonso, 1999), inclui sete itens que avaliam as seguintes dimensões: Fisica (com três itens, Alfa de Cronbach= 0,77 para a versão aqui utilizada); Dor (com um item); e Saúde Mental (com um item); estas três dimensões agrupam-se num valor total (Alfa de Cronbach=0,61). A escala inclui ainda um item de "Transição de Saúde" e outro de "Avaliação Global da Saúde" no momento. Quanto mais baixa a nota melhor QDV excepto para o último item. Às seis primeiras questões a resposta é dada numa escala ordinal de três posições. A Avaliação Global da Saúde consiste numa escala analógica visual ancorada em dois extremos o melhor estado de saúde imaginável e o pior estado de saúde imaginável, e graduada entre zero e 100 como um termómetro. Escala de Espiritualidade- A escala utilizada é uma das dimensões da WHOQOL de 100 itens. O domínio de Espiritualidade do questionário inclui quatro questões. A resposta é dada numa escala ordinal de cinco posições consoante a magnitude em que as afirmações se aplicam a si próprio. RESULTADOS Os resultados mostram correlações estatisticamente significativas entre Espiritualidade e as dimensões da Escala de Ânimo: r=0,30 com Solidão, r=0,41 com Atitude Face ao Próprio Envelhecimento, e r=0,38 com a Escala de Ânimo total. Apontam ainda para correlações estatisticamente significativas entre Espiritualidade e dimensões da EQ-5D: r=-0,30 para a Saúde Mental (melhor saúde mental mais espiritualidade), e r=0,26 para Percepção de Saúde Actual.

5 Encontrámos correlações estatisticamente significativas entre as dimensões da Escala de Ânimo e a dimensão Saúde Mental do EQ-5D (entre r=-0,35 e r=-0,42, com um r=-0,52 para a Escala de Ânimo total); verificaram-se ainda correlações estatisticamente significativas entre a dimensão Atitude Face ao Próprio Envelhecimento da Escala de Ânimo e o Domínio Físico da EQ-5D (r=-0,27), Saúde Mental (r=-0,35), e Saúde Global, (r=0,44). DISCUSSÃO A análise global dos resultados aponta para relações consistentes entre os três construtos estudados. As correlações entre as variáveis são moderadas, o que sugere que embora mantenham relações estatisticamente significativas constituem construtos diferentes. Assim sendo, e considerando que uma boa QDV, ou uma boa vida, será um resultado (outcome) desejável durante todo o processo de desenvolvimento nomeadamente na última fase do ciclo de vida, desenvolver programas de intervenção, no âmbito da promoção da saúde ou outros, que foquem o Ânimo e a Espiritualidade, são desejáveis, para promover melhor QDV. REFERÊNCIAS Badia, X., Salamero, M., & Alonso, J. (1999). La medida de la salud: Guía de escalas de medición en Español. Barcelona: Edimac. Brewer, E.D.C. (1979) Life stages and spiritual wellbeing, in D.O. Moberg (Ed.). Spiritual Well-Being, Sociological Perspectives (pp ). Washington, DC:University Press. Elkins, D.N., Hedstrom, L.J., Hughes, L.L., Leaf, J.A. & Saunders, C. (1988) Toward a humanistic phenomenological spirituality. Journal of Humanistic. Psychology, 28(4), Highfield, M.F. & Cason, C. (1983) Spiritual needs of patients: are they recognized? Cancer Nursing, 6,

6 Hungelmann, J., Kenkel-Rossi, E., Klassen, L. and Stollenwerk, R.M. (1985) Spiritual wellbeing in older adults: harmonious interconnectedness. Journal of Religion and Health 24(2), Lawton, M. (1975). The Philadelphia Geriatric Center Morale Scale: a revision. Journal of Gerontology,30, Levy, B., Slade, M., Kunkel,S., & Kasl, S. (2002). Longevity increases by positive selfperceptions of aging. Journal of Personality and Social Psychology, 83(2), Miller, W. (1998). Researching the spiritual dimensions of alcohol and other drug problem. Addiction, 93(7), Mueller, P., Plevak, D., & Rummans, T. (2001). Religious involvement, spirituality and medicine :implications for clinical practice. Mayo Clinics Proceedings, 76, Muldoon, M. and King, N. (1995) Spirituality, health care, and bioethics. Journal of Religion and Health, 34(4), Orley J, & WHOQOL Group (1994). The World Health Organisation (WHO) quality of life project. In: M R Trimble & W E Dodson (eds.). Epilepsy and quality of life (pp ). New York: Raven Press. Paúl, M.C. (1992). Satisfação de vida em idosos. Psychologica,8, Thoresen, C. (1999). Spirituality and health. Is there a relationship? Journal of Health Psychology, 4, Vaughan, F., Wittine, B. and Walsh, R. (1998) Transpersonal psychology and the religious person, in E.P. Shafranske (Ed.). Religion and the Clinical Practice of Psychology (pp ). Washington, DC: American Psychological Association.

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE Dalila Freire² J.O. Rodrigues¹ T.P.M. Cunha² M.S.B.F. Costa¹ C.A.S Soares¹ L.R. Oliveira¹ Vanilce Bernardes³ Nos países

Leia mais

O bem-estar subjectivo (BES) é uma categoria de fenómenos muito ampla que inclui as

O bem-estar subjectivo (BES) é uma categoria de fenómenos muito ampla que inclui as Referência Pais Ribeiro, J., & Cummins, R. (2008) O bem-estar pessoal: estudo de validação da versão portuguesa da escala. In: I.Leal, J.Pais-Ribeiro, I. Silva & S.Marques (Edts.). Actas do 7º congresso

Leia mais

Adaptação Portuguesa do Questionário de Bem Estar Espiritual: resultados. psicométricos preliminares

Adaptação Portuguesa do Questionário de Bem Estar Espiritual: resultados. psicométricos preliminares Referência Gouveia, M.J., Pais Ribeiro, J., & Marques, M. (2008). Adaptação Portuguesa do Questionário de Bem Estar Espiritual: resultados psicométricos preliminares. In: I.Leal, J.Pais-Ribeiro, I. Silva

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Paula Encarnação*, Clara Costa Oliveira**, Teresa Martins***

Paula Encarnação*, Clara Costa Oliveira**, Teresa Martins*** Paula Encarnação*, Clara Costa Oliveira**, Teresa Martins*** *Universidade do Minho, Escola de Enfermagem, Braga, Portugal, Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar (ICBAS), Porto, Portugal **Universidade

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo

Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo Graça Seco - gseco@esel.ipleiria.pt Isabel Dias - mdias@esel.ipleiria.pt Isabel Pereira - ipereira@esel.ipleiria.pt

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR ANO LECTIVO: 2013/2014 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR MESTRADO/LICENCIATURA 1.Unidade Curricular Nome: PSICOLOGIA DO ENVELHECIMENTO Área Científica: Psicologia Curso: Mestrado em Gerontologia Social Semestre:

Leia mais

Journal of Public Health

Journal of Public Health Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública VOLUME 34 NÚMERO 2 ABRIL 2000 p. 178-83 Revista de Saúde Pública Journal of Public Health Aplicação da versão em português do instrumento abreviado

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

ENVEJECIMIENTO POSITIVO Y SOLIDARIDAD INTERGENERACIONAL

ENVEJECIMIENTO POSITIVO Y SOLIDARIDAD INTERGENERACIONAL ENVEJECIMIENTO POSITIVO Y SOLIDARIDAD INTERGENERACIONAL QUEM SÃO OS MAIS PRECONCEITUOSOS EM RELAÇÃO À IDADE E OS MAIS SÓS: JOVENS, ADULTOS OU IDOSOS? INFLUÊNCIA DA RELIGIOSIDADE Ana Veríssimo Ferreira

Leia mais

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS Josevania da Silva UNIPÊ/UEPB josevaniasco@gmail.com Renata Pires Mendes da Nóbrega UNIPÊ - renata_pmn@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

ANÁLISE DA ESPIRITUALIDADE DOS IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: UM OLHAR DO COPING RELIGIOSO ESPIRITUAL

ANÁLISE DA ESPIRITUALIDADE DOS IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: UM OLHAR DO COPING RELIGIOSO ESPIRITUAL ANÁLISE DA ESPIRITUALIDADE DOS IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: UM OLHAR DO COPING RELIGIOSO ESPIRITUAL Jéssica Cristina Guedes Pereira dos Santos Leal; Rachel Cavalcanti Fonseca; Henrique Cezar Coutinho Barsi

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde.

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Mafalda Ferreira, Margarida Gaspar de Matos, Celeste Simões & Equipa Aventura Social Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Objectivo: Conhecer

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

Psicossociologia Do Trabalho

Psicossociologia Do Trabalho Relação de dados biográficos com factores de avaliação do trabalho. Psicossociologia Do Trabalho Resumo Relação de dados biográficos com factores de avaliação do trabalho. Importância de dados biográficos

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5

APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5 APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5 ARTIGO BASE: LEADERSHIP BEHAVIORS IN SALES MANAGERS: A LEVEL ANALYSIS SHOEMAKER, MARY E., JOURNAL OF MARKETING, (SPRING 2003) Carlos Jorge Carvalho

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

1. Problema Geral de Investigação

1. Problema Geral de Investigação O CONTRIBUTO DO DISTRESS, BURNOUT E BEM-ESTAR PARA O ABSENTISMO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO COM TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM CONTEXTO UNIVERSITÁRIO Sónia Borges Índice 1. Enquadramento Geral da

Leia mais

Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*)

Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*) NOTAS DE INVESTIGAÇÃO Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*) ANA MARGARIDA CAVALEIRO (**) JOSÉ A. CARVALHO TEIXEIRA (***) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Transformando a pergunta de pesquisa em estratégia de busca. Elisabeth Biruel BIREME/OPAS/OMS

Transformando a pergunta de pesquisa em estratégia de busca. Elisabeth Biruel BIREME/OPAS/OMS Transformando a pergunta de pesquisa em estratégia de busca Elisabeth Biruel BIREME/OPAS/OMS Etapas da pesquisa!! Conhecimento prévio do assunto Observação da realidade Formulação da pergunta de pesquisa

Leia mais

ADAPTAÇÃO DE TRÊS QUESTIONÁRIOS PARA A POPULAÇÃO PORTUGUESA BASEADOS NA TEORIA DE AUTO-DETERMINAÇÃO. Sónia Mestre, José Pais Ribeiro

ADAPTAÇÃO DE TRÊS QUESTIONÁRIOS PARA A POPULAÇÃO PORTUGUESA BASEADOS NA TEORIA DE AUTO-DETERMINAÇÃO. Sónia Mestre, José Pais Ribeiro Referência Mestre, S., & Pais Ribeiro, J. (2008). Adaptação de três questionários para a população portuguesa baseados na teoria de auto-determinação. In: I.Leal, J.Pais-Ribeiro, I. Silva & S.Marques (Edts.).

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação Após uma revisão literária dos vários autores que se debruçaram sobre a temática do nosso estudo, passamos a apresentar os procedimentos metodológicos adoptados no presente estudo. Neste capítulo apresentamos

Leia mais

ANEXO L Documento de apresentação do estudo. Programa de promoção da saúde no idoso

ANEXO L Documento de apresentação do estudo. Programa de promoção da saúde no idoso ANEXO L Documento de apresentação do estudo Programa de promoção da saúde no idoso Fundamentação teórica O envelhecimento Com o avançar da idade, o organismo desgasta-se. A esse processo chamamos envelhecimento.

Leia mais

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas CONDUÇÃO: PROF. THIAGO CAVALCANTE NASCIMENTO Questões Introdutórias Como se mensurar fenômenos que, na maioria das vezes, não podem ser

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Reputação da Profissão de Psicólogo: Um Estudo Exploratório

Reputação da Profissão de Psicólogo: Um Estudo Exploratório Reputação da Profissão de Psicólogo: Um Estudo Exploratório Patrícia Tavares(UAL) ptavares@ual.pt Tito Laneiro (UAL) tlaneiro@ual.pt Braga, 5 de Fevereiro de 2010 Índice 1. Contextualização e Objectivos

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014

José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014 José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014 Organizações Positivas LOGOS ou razão, princípio e explicação. HOLI, a comemoração da harmonia. Conjugamos conhecimento e sabedoria,

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

Contribuições da Organização Mundial da Saúde na Promoção da Qualidade de Vida: Uma Visão Geral dos Instrumentos WHOQOL

Contribuições da Organização Mundial da Saúde na Promoção da Qualidade de Vida: Uma Visão Geral dos Instrumentos WHOQOL Capítulo 12 Contribuições da Organização Mundial da Saúde na Promoção da Qualidade de Vida: Uma Visão Geral dos Instrumentos WHOQOL Bruno Pedroso Doutorando em Educação Física UNICAMP Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

COMPORTAMENTOS DE ADESÃO AO RASTEIO DO CANCRO DA PRÓSTATA (ESTUDO EXPLORATÓRIO)

COMPORTAMENTOS DE ADESÃO AO RASTEIO DO CANCRO DA PRÓSTATA (ESTUDO EXPLORATÓRIO) PSICOLOGIA, SAÚDE & DOENÇAS, 2001, 1 (2) 107-115 COMPORTAMENTOS DE ADESÃO AO RASTEIO DO CANCRO DA PRÓSTATA (ESTUDO EXPLORATÓRIO) Joana V. Coutinho Instituto Superior de Psicologia Aplicada Lisboa RESUMO:

Leia mais

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Evandro Eduardo Seron Ruiz Departamento de Física F e Matemática tica Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão

Leia mais

O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas

O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas 33 O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas The World Health Organization instrument to evaluate quality of life (WHOQOL-100):

Leia mais

Necessidades e preocupações em doentes oncológicos

Necessidades e preocupações em doentes oncológicos Necessidades e preocupações em doentes oncológicos CLÁUDIA NG DEEP (*) ISABEL LEAL (*) o despertar da comunidade científica para a doença oncológica assenta no facto desta problemática constituir uma das

Leia mais

RADIO 2011 Contribuição dos domínios do WHOQOL-Bref na qualidade de vida de trabalhadores de uma instalação radiativa

RADIO 2011 Contribuição dos domínios do WHOQOL-Bref na qualidade de vida de trabalhadores de uma instalação radiativa RADIO 2011 Contribuição dos domínios do WHOQOL-Bref na qualidade de vida de trabalhadores de uma instalação radiativa Ivani M. Fernandes, Amanda J. da Silva, Maria da Penha A. Potiens e Janete C. G. G.

Leia mais

O ambiente de trabalho desenvolve nos trabalhadores percepções coerentes e expectativas que os leva a comportarem-se de determinada forma.

O ambiente de trabalho desenvolve nos trabalhadores percepções coerentes e expectativas que os leva a comportarem-se de determinada forma. Tabela n.º1: Ferramentas de análise de clima de : aplicação, dimensões e objectivos. clima de Zohar (1980) Manufactura 20 Indústrias de aço, alimentar, química e têxteis; (400) (características que diferenciam

Leia mais

Introdução. Classificação Qualis/CAPES. Introdução. Religiosidade. Journal of Rehabilitation Medicine 2011; 43: 316 322. Papel protetor na saúde:

Introdução. Classificação Qualis/CAPES. Introdução. Religiosidade. Journal of Rehabilitation Medicine 2011; 43: 316 322. Papel protetor na saúde: Associação Médico-Espírita do Estado do Espírito Santo Departamento Acadêmico Estudo de Artigo Científico Afeta Saúde Mental, Dor e Qualidade de Vida em Pessoas Idosas em Ambulatório de Reabilitação Luiz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO RESENHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO RESENHA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO RESENHA TRAVERS, J; MILGRAM, S. An experimental study of the small problem. Sociometry. Vol. 32, Issue 4 (Dec.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA PROFISSIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA PROFISSIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular ÉTICA PROFISSIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Serviço Social (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular ÉTICA

Leia mais

Mindful Teaching Técnicas de Mindfulness/Atenção Plena para docentes universitários

Mindful Teaching Técnicas de Mindfulness/Atenção Plena para docentes universitários Mindful Teaching Técnicas de Mindfulness/Atenção Plena para docentes universitários Por: Doutora Vera Pereira Psicóloga e Formadora workshops.verapereira@gmail.com Objectivos Apresentar o conceito de Mindfulness

Leia mais

A família e a sua capacidade de enfrentar desafios. Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br

A família e a sua capacidade de enfrentar desafios. Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br A família e a sua capacidade de enfrentar desafios Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br Definições de família segundo Aurélio Pessoas aparentadas, que vivem em geral na mesma casa,

Leia mais

Instrumento WHOQOL-HIV

Instrumento WHOQOL-HIV Instrumento WHOQOL-HIV Manual do Usuário SAÚDE MENTAL: PESQUISA E EVIDÊNCIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE MENTAL E DEPENDÊNCIA QUÍMICA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL da SAÚDE GENEBRA Departamento de Saúde Mental e Dependência

Leia mais

A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas

A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas Angela Elizabeth Lapa Coêlho Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ Segundo Wilches-Chaux (1993), devemos despojar

Leia mais

RELIGIOSIDADE E BEM-ESTAR AO LONGO DA VIDA. Ana Veríssimo Ferreira Escola EB 2/3 Humberto Delgado Félix Neto Universidade do Porto RESUMO

RELIGIOSIDADE E BEM-ESTAR AO LONGO DA VIDA. Ana Veríssimo Ferreira Escola EB 2/3 Humberto Delgado Félix Neto Universidade do Porto RESUMO PSICOLOGÍA EVOLUTIVA RELIGIOSIDADE E BEM-ESTAR AO LONGO DA VIDA Ana Veríssimo Ferreira Escola EB 2/3 Humberto Delgado Félix Neto Universidade do Porto RESUMO Este estudo analisa a religiosidade ao longo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

A felicidade tem idade?

A felicidade tem idade? A felicidade tem idade? Rui Brites, sociólogo e prof. universitário rui.brites@outlook.com Envelhecer é um privilégio, ser velho poder ser uma opção. Mais importante do que os anos que vivemos, é a vida

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE 624 QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE RACHEL SHIMBA CARNEIRO é Doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. E-mail: rachelshimba@yahoo.com.br

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS Tema 1, Nº 2 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado em co-financiamento pela Faculdade

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO

TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Pág. 1 de9 CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Gestão do Turismo nos Sítios com Significado Patrimonial 1999 Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

SATISFAÇÃO DO UTENTE E ATITUDES FACE AOS MÉDICOS E MEDICINA: UM ESTUDO PILOTO 1

SATISFAÇÃO DO UTENTE E ATITUDES FACE AOS MÉDICOS E MEDICINA: UM ESTUDO PILOTO 1 PSICOLOGIA, SAÚDE & DOENÇAS, 2001, 2 (2), 69-80 SATISFAÇÃO DO UTENTE E ATITUDES FACE AOS MÉDICOS E MEDICINA: UM ESTUDO PILOTO 1 Maria da Graça Pereira 2, Vera Araújo-Soares & Teresa McIntyre Universidade

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

1ª Jornada Preparatória para o XXIII CBABEAD

1ª Jornada Preparatória para o XXIII CBABEAD 1ª Jornada Preparatória para o XXIII CBABEAD Políticas sobre Drogas e a Realidade Brasileira Painel:Princípios aplicados, Resultados obtidos? 1 Intervenção Breve no Brasil: avanços Prof. Dr. Erikson F.

Leia mais

Investigação em Anatomia Patológica. Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos Associados ao Consumo

Investigação em Anatomia Patológica. Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos Associados ao Consumo de Janeiro de 2013 Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Investigação em Anatomia Patológica Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos

Leia mais

DIFERENÇAS DE GÊNERO EM VALORES NO TRABALHO E MOTIVAÇÃO PARA REALIZAÇÃO

DIFERENÇAS DE GÊNERO EM VALORES NO TRABALHO E MOTIVAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DIFERENÇAS DE GÊNERO EM VALORES NO TRABALHO E MOTIVAÇÃO PARA REALIZAÇÃO Fany Malin Tchaicovsky Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Dov Elizur Bar Ilan University Israel RESUMO As mulheres, como

Leia mais

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE 1 UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA IDOSO: UM BATE PAPO COM A SAÚDE "COMO ENVELHECER

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - São Paulo. Ana Catarina

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Mestrado em Psicologia da Educação, especialidade em Contextos Comunitários. Sónia Pavão & Ana Moura Arroz

Mestrado em Psicologia da Educação, especialidade em Contextos Comunitários. Sónia Pavão & Ana Moura Arroz Mestrado em Psicologia da Educação, especialidade em Contextos Comunitários Sónia Pavão & Ana Moura Arroz II Fórum Internacional de Pedagogia Universidade dos Açores, 13 e 14 de Abril de 2012 http://www.alea.pt/html/actual/html/act51.html

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

Psicologia Judiciária

Psicologia Judiciária Psicologia Judiciária Psicologia e Direito Diferenças epistemológicas na conceptualização do comportamento humano Rute Pires 10 de Janeiro de 2013 Comportamento Humano Psicologia Concepção descritiva do

Leia mais

Apresentação do Courseware Sere.

Apresentação do Courseware Sere. Apresentação do Courseware Sere. 1. Porquê este Courseware? As Nações Unidas proclamaram 2005-2014 a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (DEDS). Segundo a UNESCO, Organização Internacional

Leia mais

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Enfª. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva do PRPPG - UFES VITÓRIA 2015 Nessa aula

Leia mais

Autores Zelia Ferreira 1

Autores Zelia Ferreira 1 Ferreira, Z. (2011) Perceived Health Status of Institutionalized Elderly. Journal of Aging & Inovation, 1 (1): 23-29 ARTIGO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE DEZEMBRO, 2011 PERCEPÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE DA PESSOA

Leia mais

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas.

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA INTRODUÇÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

Bicicleta, Atividade Física e Qualidade de Vida

Bicicleta, Atividade Física e Qualidade de Vida Bicicleta, Atividade Física e Qualidade de Vida Eduardo Boero de Souza e Silva* Resumo: Nos dias de hoje é clara a importância e relevância da prática de atividades físicas para manter o equilíbrio físico

Leia mais

António Dias de Figueiredo

António Dias de Figueiredo COMO RENOVAR A QUALIDADE DO ENSINO? por António Dias de Figueiredo Departamento de Engenharia Informática UNIVERSIDADE DE COIMBRA A. Dias de Figueiredo, 1998 Como Estudar? Auditório da Reitoria, Coimbra

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA III MESTRADO EM BIOÉTICA PROGRAMAS DE CUIDADOS CONTINUADOS: A DIGNIDADE HUMANA NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM Maria João Santos Rodrigues

Leia mais

Validação da escala de Lawton e Brody numa amostra de idosos não institucionalizados

Validação da escala de Lawton e Brody numa amostra de idosos não institucionalizados Referência Araújo, F., Pais Ribeiro, J., Oliveira. A., Pinto, C., & Martins, T. (2008). Validação da escala de Lawton e Brody numa amostra de idosos não institucionalizados. In: I.Leal, J.Pais-Ribeiro,

Leia mais

PERCEPÇÕES E SIGNIFICADOS DA ESPIRITUALIDADE E RELIGIOSIDADE

PERCEPÇÕES E SIGNIFICADOS DA ESPIRITUALIDADE E RELIGIOSIDADE III Congreso Internacional de Investigación y Práctica Profesional en Psicología XVIII Jornadas de Investigación Séptimo Encuentro de Investigadores en Psicología del MERCOSUR. Facultad de Psicología -

Leia mais

A política e os programas privados de desenvolvimento comunitário

A política e os programas privados de desenvolvimento comunitário A política e os programas privados de desenvolvimento comunitário Por Camila Cirillo O desenvolvimento local privado O que aqui chamamos de programas de desenvolvimento comunitário são ações de promoção

Leia mais

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O PROCESSO REFLEXIVO E A REFLEXÃO CRÍTICA EM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE RESUMO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE RESUMO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Adna Nascimento Souza 1 Layne de Paiva Sousa 1 Francisca Aline Arrais Sampaio Santos 2 Maria Aparecida Alves de Oliveira Serra 2 Thamyres

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN Novembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

ABSTRACT BEM-ESTAR PSICOLÓGICO E SUPORTE SOCIAL NUMA AMOSTRA DE IDOSOS PORTUGUESES INSTITUCIONALIZADOS

ABSTRACT BEM-ESTAR PSICOLÓGICO E SUPORTE SOCIAL NUMA AMOSTRA DE IDOSOS PORTUGUESES INSTITUCIONALIZADOS X CONGRESO HISPANO-LUSO DE PSICOGERONTOLOGÍA BEM-ESTAR PSICOLÓGICO E SUPORTE SOCIAL NUMA AMOSTRA DE IDOSOS PORTUGUESES INSTITUCIONALIZADOS Graça Esgalhado Professora Auxiliar no Departamento de Psicologia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

Satisfação global com a vida e determinados domínios entre idosos com amputação de membros inferiores 1

Satisfação global com a vida e determinados domínios entre idosos com amputação de membros inferiores 1 Satisfação global com a vida e determinados domínios entre idosos com amputação de membros inferiores 1 Maria José D Elboux Diogo 2 RESUMO Palavras-chave Objetivo. Em idosos com amputação de membros inferiores,

Leia mais

A Institucionalização da Pessoa Idosa

A Institucionalização da Pessoa Idosa UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Sociais e Humanas A Institucionalização da Pessoa Idosa Ana Paula Leite Pereira de Carvalho Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Empreendedorismo e Serviço

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas FUNDACENTRO/SP Novembro 2013 Prof. Dr. Silas Guerriero Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião - PUC-SP silasg@pucsp.br O Ser

Leia mais

A SEXUALIDADE DA PESSOA IDOSA SOB A ÓTICA DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS

A SEXUALIDADE DA PESSOA IDOSA SOB A ÓTICA DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS A SEXUALIDADE DA PESSOA IDOSA SOB A ÓTICA DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS Kay Francis Leal Vieira UNIPÊ - kayvieira@yahoo.com.br Priscila Monique de Melo Veiga UNIPÊ - prismonique25@hotmail.com Regina Irene Diaz

Leia mais