Juliana Santilli, Promotora de Justiça, MPDFT e Doutora (Direito Socioambiental)- PUC-PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juliana Santilli, Promotora de Justiça, MPDFT e Doutora (Direito Socioambiental)- PUC-PR"

Transcrição

1 Juliana Santilli, Promotora de Justiça, MPDFT e Doutora (Direito Socioambiental)- PUC-PR 1

2 Igs identificam e agregam valor a produtos associados a determinados territórios, concebidos em suas dimensões natural e cultural. O nome geográfico usado no produto estabelece um vínculo entre as suas características e a sua origem geográfica. champagne, cognac, queijo Roquefort, presunto de Parma, água de Colônia, vinho do Porto etc 2

3 As Igs destacam (e criam mercados especiais) para produtos diferenciados, associados a determinadas identidades culturais e regionais, que buscam a sua forma própria de competição em mercados dominados por produtos globalizados e padronizados. Produtos padronizados são, na realidade, produtos sem alma, e os produtos de origem, regionais, típicos ou locais, integram o patrimônio cultural de suas regiões de origem. 3

4 Promover o desenvolvimento local sustentável Proteger o patrimônio cultural, inclusive o alimentar, associado a determinadas regiões geográficas Assegurar a identidade e a qualidade dos produtos Proteger os produtores da concorrência desleal Proteger os consumidores de fraudes, e fortalecer os vínculos entre produtores e consumidores 4

5 Impede a utilização, na designação ou apresentação do produto, de qualquer referência que indique ou sugira que o produto é originário de uma região geográfica diferente do seu verdadeiro local de origem, de forma a enganar o público em relação à real origem do produto. Concorrência desleal 5

6 Não há nenhuma obrigação de proteção às Igs que não são protegidas em seu país de origem, ou que tenham caído em desuso neste país ou se tornado genérica IMPORTANTE: As Igs não criam reputação ou qualidade, apenas reconhecem aquilo que já existe 6

7 As Igs não devem ser confundidas com marcas comerciais, usadas para distinguir produtos (similares ou não) fabricados por diferentes empresas As marcas comerciais não são associadas a territórios específicos, e as características dos produtos não estão relacionadas com as suas regiões de origem As marcas comerciais diferenciam os produtos de acordo com as empresas que os fabricam, e não pelas suas origens geográficas As Igs criam, em tese, benefícios para todos os atores sociais envolvidos na cadeia de produção 7

8 Previstas na Lei 9.279/96 como um direito de propriedade intelectual coletivo Elas se dividem em dois grupos: indicações de procedência e denominações de origem Foto: Marcos Santilli 8

9 A indicação de procedência corresponde ao nome geográfico de país, cidade, região ou localidade de seu território, que se tenha tornado conhecido como centro de extração, produção ou fabricação de determinado produto ou de prestação de determinado serviço. (Vínculo entre o produto e determinada região geográfica, independentemente de suas qualidades intrínsecas) 9

10 É necessário que o produto ou serviço guarde características e qualidades próprias, que estão relacionadas ao território, incluídos os fatores naturais (clima, solo, vegetação, etc.) e os fatores culturais (saberes, práticas, modos de fazer e criar, processos e técnicas tradicionais de fabricação de produtos, etc.) diferenciados. 10

11 A proteção se estende tanto ao nome geográfico como a qualquer representação gráfica ou figurativa da região geográfica O registro tem natureza declaratória O registro só pode ser solicitado por associações, cooperativas e outras entidades coletivas, representativas dos produtores de determinada região geográfica. Não pode ser solicitado por produtores individuais (exceto em casos excepcionais) 11

12 Vinhos do Vale dos Vinhedos (RS) Associação dos Produtores de Vinhos do Vale dos Vinhedos (2002): Impulso no turismo (300%) e na produção local (número de vinícolas cresceu de 15 para 31) 12

13 Café do Cerrado mineiro Conselho das Associações dos Cafeicultores do Cerrado (2005) 13

14 Carne bovina e seus derivados Associação dos Produtores de Carne do Pampa Gaúcho da Campanha Meridional (2006) 14

15 Cachaça artesanal de Paraty (RJ) Associação dos Produtores e Amigos da Cachaça Artesanal de Paraty (2007) 15

16 Uvas e Manga do Vale do Submédio São Francisco Conselho da União das Associações e Cooperativas dos Produtores de Uvas de Mesa e Mangas do Vale do Submédio São Francisco (Bahia e Pernambuco) 2009 Produtos de couro do Vale do Sinos Associação das Industrias de Cortumes do Rio Grande do Sul (2009) 16

17 Vinhos de Pinto Bandeira Associação de Produtores de Vinho de Pinto Bandeira (RS, 2010) Café da região da Serra da Mantiqueira (MG),

18 Camarões da Costa Negra (CE): Denominação de origem (2011) Doces finos tradicionais de Pelotas (RS), IG Queijo do Serro (MG) 18

19 Primeira Denominação de Origem brasileira (2010) Arroz, Associação dos Produtores de Arroz do Litoral Norte gaúcho 19

20 Panelas de barro de Goiabeiras (ES) Associação das Paneleiras de Goiabeiras (26/07/2011) As panelas de Goiabeiras são produzidas artesanalmente com a argila retirada do Vale do Mulembá, em Vitória. O tanino, usado para a impermeabilização das peças, é obtido da casca da planta mangue vermelho 20

21 Artesanato em capim dourado do Jalapão (Tocantins) (12/07/2011), usado para fazer bolsas, fruteiras, portajóias e outras peças. Associação dos Artesãos em Capim Dourado da Região do Jalapão do Estado do Tocantins 21

22 As políticas de apoio às Igs no Brasil têm enfocado principalmente normas sanitárias, homogeneidade do produto final e visibilidade da embalagem. Elas não têm valorizado a dimensão identitária e patrimonial dos produtos de origem, e tendem a favorecer produtos agropecuários voltados para a exportação, e não os produtos territorializados e a sociobiodiversidade As políticas de Igs devem valorizar a nossa diversidade biológica e cultural e os produtos que tal diversidade gera e produz, e fugir da excessiva padronização dos produtos 22

23 O valor agregado pelas Igs deve ser distribuídos entre todos os atores da cadeia de produção (e não beneficiar apenas os intermediários) Deve-se pensar em cestas de produtos e serviços territorializados, pois o enfoque em apenas um produto desestimula a biodiversidade 23

24 24

25 Articulação das Igs com outros instrumentos de valorização da diversidade biológica e cultural Ex: Registro de Bens Culturais Imateriais (Decreto 3.551/2000) Conceito constitucional de patrimônio cultural: (art.216): natureza material e imaterial e multiculturalismo as formas de expressão os modos de criar, fazer e viver além das obras, objetos, documentos, edificações etc. 25

26 Livros de Registro: 1- dos Saberes (conhecimentos e modos de fazer enraizados no cotidiano das comunidades); 2- das Celebrações; 3- das Formas de Expressão; 4- dos Lugares Os bens culturais imateriais registrados não geram, necessariamente, produtos e serviços com um valor econômico, ainda que tenham um forte valor cultural, simbólico, político, social etc. 26

27 O registro parte de propostas coletivas (sociedades, associações), devem contar com o apoio dos grupos sociais envolvidos e gera a obrigação dos poderes públicos de promover ações de salvaguarda Gera a obrigação dos poderes públicos de promover ações de salvaguarda Ex: Ofício das paneleiras de Goiabeiras, no Espírito Santo, e ofício das baianas de acarajé, na Bahia. 27

28 Ex: Modo artesanal de fazer Queijo Minas (das regiões do Serro e das serras da Canastra e do Salitre) 28

29 Registro do sistema agrícola indígena do Rio Negro (05/11/2010) Sistema: conjunto de elementos interdependentes, e não apenas um objeto. Rica agrobiodiversidade: 243 espécies cultivadas e 73 variedades de mandioca (Emperaire et al) 29

30 Plantações de café-cuba Tokaj-Hungria Região vinícola- Açores Convenção da Unesco para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural (1972) 1992: as paisagens culturais 30

31 As paisagens culturais brasileiras e a criação do instrumento da chancela A paisagem cultural é o meio natural ao qual o ser humano imprimiu as marcas de suas ações e formas de expressão, resultando em uma soma de testemunhos da interação do homem com a natureza 31

32 Brasil: Portaria n. 127, de 30 de abril 2009, do presidente do IPHAN A paisagem cultural brasileira é declarada por chancela instituída pelo IPHAN A chancela é uma espécie de selo de qualidade, um instrumento de reconhecimento do valor cultural de uma porção definida do território nacional, que possui características especiais na interação entre o homem e o meio ambiente. 32

33 Considera caráter dinâmico da cultura e da ação humana; convive com transformações Chancela: pacto entre poder publico, sociedade civil e iniciativa privada, visando a gestão compartilhada da porção do território reconhecida Plano de Gestão Complementa e integra instrumentos de preservação do patrimônio cultural já existentes 33

34 Primeira chancela de Paisagem Cultural Brasileira: Maio 2011 Núcleos rurais de Testo Alto, em Pomerode, e Rio da Luz, em Jaraguá do Sul Paisagem cultural da região de imigrantes dovale do Itajaí (SC) 34

35 Não há no SNUC (Lei 9.985/2000) nenhuma categoria destinada à agrobiodiversidade. Ucs já criadas raramente contemplam ações voltadas à biodiversidade agrícola Ex: Parque de la Papa (Peru) 35

Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de. Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal

Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de. Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal 1 Grande avanço no conceito jurídico de patrimônio cultural O Decreto-Lei 25/37 ( Lei do Tombamento

Leia mais

Oportunidades de Proteção de ativos envolvendo Biodiversidade através de Indicações Geográficas - IGs

Oportunidades de Proteção de ativos envolvendo Biodiversidade através de Indicações Geográficas - IGs Oportunidades de Proteção de ativos envolvendo Biodiversidade através de Indicações Geográficas - IGs Lucia Regina Fernandes Diretoria de Contratos, Indicações Geográficas e Registros INPI Junho 2011 Para

Leia mais

DIRETORIA DE CONTRATOS INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS E REGISTROS - DICIG Coordenação Geral de Indicações Geográficas e Registros - CGIR

DIRETORIA DE CONTRATOS INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS E REGISTROS - DICIG Coordenação Geral de Indicações Geográficas e Registros - CGIR DIRETORIA DE CONTRATOS INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS E REGISTROS - DICIG Coordenação Geral de Indicações Geográficas e Registros - CGIR Coordenação de Fomento e Registro de Indicação Geográfica - COIND Luiz Claudio

Leia mais

INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS. Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND

INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS. Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND Conceito usual Indicação utilizada em produtos que apresentam uma origem geográfica específica e

Leia mais

O USO DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA CARNE DO PAMPA GAÚCHO

O USO DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA CARNE DO PAMPA GAÚCHO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O USO DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA CARNE DO PAMPA GAÚCHO Andréia Moreira da Fonseca Boechat 1, Yony Brugnolo Alves

Leia mais

INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS. Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND

INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS. Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND Luiz Claudio de Oliveira Dupim Pesquisador em Propriedade Industrial INPI - 2012 Instituto Nacional

Leia mais

IT - Nominativa Coxas de suínos frescas, presunto defumado crú BR MG Nominativa Café. IT - Mista Vinhos, vinhos espumantes e

IT - Nominativa Coxas de suínos frescas, presunto defumado crú BR MG Nominativa Café. IT - Mista Vinhos, vinhos espumantes e Atualizado em Indicação Nº Geográfica Espécie Depósito Requerente País UF Apresentação IG970001 Parma DO 22/8/1997 Consorzio del Prosciutto di Parma IG970002 Região dos Vinhos Verdes DO 19/9/1997 Comissão

Leia mais

(HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/CONT AT O/)

(HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/CONT AT O/) MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

Marco Legal Nacional Relacionado às Indicações Geográficas

Marco Legal Nacional Relacionado às Indicações Geográficas Marco Legal Nacional Relacionado às Indicações Geográficas Maria Alice Camargo Calliari Coordenadora Geral de Outros Registros Diretoria de Contratos de Tecnologia e Outros Registros - INPI Conceito De

Leia mais

1) Regime internacional de acesso a recursos genéticos e repartição justa e eqüitativa dos benefícios derivados do uso da biodiversidade

1) Regime internacional de acesso a recursos genéticos e repartição justa e eqüitativa dos benefícios derivados do uso da biodiversidade Apresentação no curso sobre acesso aos recursos genéticos e aos conhecimentos tradicionais associados: aspectos jurídicos, técnicos e experiências concretas Juliana Santilli 1) Regime internacional de

Leia mais

Acordo de Lisboa, Sistema de Haia e a Lei 9279/96 Lei da Propriedade Industrial

Acordo de Lisboa, Sistema de Haia e a Lei 9279/96 Lei da Propriedade Industrial Acordo de Lisboa, Sistema de Haia e a Lei 9279/96 Lei da Propriedade Industrial Brasília, 11 de agosto de 2009 Maria Alice Camargo Calliari Coordenadora Geral de Outros Registros Diretoria de Contratos

Leia mais

DENOMINAÇÕES GEOGRÁFICAS. Nova Tendência de Mercado

DENOMINAÇÕES GEOGRÁFICAS. Nova Tendência de Mercado DENOMINAÇÕES GEOGRÁFICAS Nova Tendência de Mercado Ensei Uejo Neto Belo Horizonte, 31 de agosto de 2006 INDICAÇÃO GEOGRÁFICA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA Refere-se a um produto ou serviço particularmente vinculado

Leia mais

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2 Training of Trainers Program on Effective Intellectual Property Asset Management by Small and Medium Sized Enterprises (SMEs) in Portuguese-Speaking African Countries (PALOP) Lisboa, Portugal 11 de abril

Leia mais

O Passo a Passo para a Valorização do Produto com o Uso da Indicação Geográfica na Agropecuária

O Passo a Passo para a Valorização do Produto com o Uso da Indicação Geográfica na Agropecuária Superintendência Federal de Agricultura no RS Divisão de Política, Produção e Desenvolvimento Agropecuário O Passo a Passo para a Valorização do Produto com o Uso da Indicação Geográfica na Agropecuária

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Importância da Inovação

Importância da Inovação Importância da Inovação A importância do conhecimento e da inovação na concretização de novas possibilidades de desenvolvimento social e econômico acelerou-se a partir dos anos 50 do século passado. Tem

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO D01 (H) - Reconhecer a História como produto histórico, social e cultural e suas implicações na produção historiográfica. D02 (H) - Reconhecer o ofício do historiador como produtor do conhecimento histórico.

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica. Consumo Responsável, Compromisso com a Vida!

O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica. Consumo Responsável, Compromisso com a Vida! Mercado Mata Atlântica Reserva da Biosfera da Mata Atlântica O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica Consumo Responsável, Compromisso com a Vida! Apresentação O Programa "Mercado Mata

Leia mais

Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos

Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos Claire Cerdan CIRAD-UFSC Introdução Ilustrar o uso do patrimônio cultural como elemento

Leia mais

AE R SEB 26 A Lavoura NO 694/2013 A Lavoura NO

AE R SEB 26 A Lavoura NO 694/2013 A Lavoura NO 26 A Lavoura N O 694/2013 ESPECIAL: INDICAÇÃO ESPECIAL: INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PRODUTOS de VALOR Diferencial que valoriza as produções locais, as Indicações Geográficas (IGs), que se subdividem entre Indicação

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

Ações do Sebrae no fomento às IG Brasileiras SEBRAE. Congresso Internacional da Origin 11 de novembro de 2015. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.

Ações do Sebrae no fomento às IG Brasileiras SEBRAE. Congresso Internacional da Origin 11 de novembro de 2015. 0800 570 0800 / www.sebrae.com. Ações do Sebrae no fomento às IG Brasileiras Congresso Internacional da Origin 11 de novembro de 2015 99% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO

Leia mais

Indicações Geográficas, Indicações de Procedência e Denominações de Origem

Indicações Geográficas, Indicações de Procedência e Denominações de Origem Indicações Geográficas, Indicações de Procedência e Denominações de Origem Maria Alice Camargo Calliari Coordenadora Geral de Outros Registros Diretoria de Contratos de Tecnologia e Outros Registros -

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

A Metrologia na Gestão da Segurança a dos Alimentos e os Impactos sobre as Exportações. Visão do Campo

A Metrologia na Gestão da Segurança a dos Alimentos e os Impactos sobre as Exportações. Visão do Campo A Metrologia na Gestão da Segurança a dos Alimentos e os Impactos sobre as Exportações Visão do Campo METROALIMENTOS 2008 24/09/2008 José Luiz Viana de Carvalho OBJETIVOS Barreiras não-tarifárias Boas

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA E REGIÃO AMAZÔNICA: GERAÇÃO DE RENDA E AGREGAÇÃO DE VALOR NA PRODUÇÃO ORGÂNICA, AGROECOLÓGICA E EXTRATIVISTA DA AGRICULTURA FAMILIAR Manaus, 28.10.2011 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Valorização do Produto Agropecuário com o Uso da Indicação Geográfica

Valorização do Produto Agropecuário com o Uso da Indicação Geográfica Superintendência Federal de Agricultura no RS Divisão de Política, Produção e Desenvolvimento Agropecuário Valorização do Produto Agropecuário com o Uso da Indicação Geográfica PROGRAMA FEDERACITE EXPOINTER

Leia mais

Indicação Geográfica (IG) para Vinhos no Brasil

Indicação Geográfica (IG) para Vinhos no Brasil Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Indicação Geográfica (IG) para Vinhos no Brasil O Ministério da Agricultura e o Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (IN- PI) têm trabalhado

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

AFINAL, O QUE É O TERROIR?

AFINAL, O QUE É O TERROIR? AFINAL, O QUE É O TERROIR? Jorge Tonietto 1 Se eu não tivesse morado na França, escrever sobre terroir seria certamente mais fácil: eu teria menor consciência da complexidade do termo. É que o terroir

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

Para citação: Indicações Geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas

Para citação: Indicações Geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas 1 Para citação: BRUCH, K. L.. Indicações geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas. In: PIMENTEL, Luiz Otávio; BOFF, Salete Oro; DEL'OLMO, Florisbal de Souza. (Org.). Propriedade intelectual:

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 10/5/2011 Produção Ascom Diário do Comércio 10/5/2011 Agronegócio Dia de Campo 10/5/2011 www.diadecampo.com.br Brasília/DF DF:

Leia mais

O Registro de IG no Brasil

O Registro de IG no Brasil O Registro de IG no Brasil Lucia Regina Fernandes Diretoria de Contratos, Indicações Geográficas e Registros INPI Setembro 2014 Proteção em nível Brasil Lei 9.279 de 14/05/1996 Regula os direitos e obrigações

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009 Mosaicos de Áreas Protegidas na Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais Clayton F. Lino - Maio/ 2009 SNUC MOSAICOS LEI FEDERAL Nº 9.985-00 Art. 26. Quando existir um conjunto

Leia mais

Apresentação IBRAC: Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Cacau Brasília, 07 de março o de 2012 Carlos Lima Diretor Executivo

Apresentação IBRAC: Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Cacau Brasília, 07 de março o de 2012 Carlos Lima Diretor Executivo Apresentação IBRAC: Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Cacau Brasília, 07 de março o de 2012 Carlos Lima Diretor Executivo ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Contexto Atual 2. O Setor da Cachaça 3. O Instituto

Leia mais

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Considerada uma das mais avançadas do mundo. Sua estrutura começou a ser composta em 1981, a partir da Lei 6.938. Da Política Nacional

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO 1 Desenvolvimento... o desenvolvimento é uma corrida de longa distância, e nela há um elemento de solidão,

Leia mais

Manual da Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos

Manual da Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos Manual da Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos Uma conquista O Brasil do futuro é agora: a vida melhorando, o mercado crescendo, novos produtos chegando, tudo acontecendo ao mesmo tempo. E com isto

Leia mais

Marilia Leite Conceição

Marilia Leite Conceição Marilia Leite Conceição Introdução Presença dos conhecimentos sobre natureza e sociedade na Educação Infantil: idéias e práticas correntes A criança, a natureza e a sociedade Objetivos Crianças de zero

Leia mais

As Indicações Geográficas: o Marco Legal Nacional

As Indicações Geográficas: o Marco Legal Nacional As Indicações Geográficas: o Marco Legal Nacional 2º Curso Aspectos da Coleta de Nomes Geográficos Maria Alice Camargo Calliari Coordenadora Geral de Outros Registros Diretoria de Contratos de Tecnologia

Leia mais

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP Protocolo Comunitário de Raizeiras do Cerrado direito consuetudinário da medicina tradicional por raizeiras no Brasil; E a experiência brasileira sobre consulta e consentimento prévio e informado da CDB

Leia mais

A abordagem do património cultural no contexto dos impactes sociais. Carlos Simões Nuno

A abordagem do património cultural no contexto dos impactes sociais. Carlos Simões Nuno A abordagem do património cultural no contexto dos impactes sociais Carlos Simões Nuno Alentejo interior tradicional, 2008 Abordagens das várias dimensões do Património Cultural no âmbito da Avaliação

Leia mais

Política Metropolitana de Proteção da Paisagem e Promoção da Diversidade Cultural

Política Metropolitana de Proteção da Paisagem e Promoção da Diversidade Cultural UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA / CURSO DE TURISMO Política Metropolitana de Proteção da Paisagem e Promoção da Diversidade Cultural Fabiana Bernardes

Leia mais

A preocupação com a memória e o Patrimônio Cultural vem ganhando espaço,

A preocupação com a memória e o Patrimônio Cultural vem ganhando espaço, MEMÓRIA GASTRONÔMICA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIC MEMORY AND LONDRINENSE CULTURAL HERITAGE Prof. Dr. Leandro Henrique Magalhães 1 Profa. Dra. Mirian Cristina Maretti 1 Sonia Maria Dantas

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DA AGROINDÚSTRIA DE BASE FAMILIAR NOS MERCADOS INSTITUCIONAIS

A PARTICIPAÇÃO DA AGROINDÚSTRIA DE BASE FAMILIAR NOS MERCADOS INSTITUCIONAIS A PARTICIPAÇÃO DA AGROINDÚSTRIA DE BASE FAMILIAR NOS MERCADOS INSTITUCIONAIS Departamento de Geração de Renda Agregação de Valor Setembro de 2014 LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006 Art. 3º considera-se

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

IX Conferência Ibero-americana de Cultura Montevidéu, 13 e 14 de julho de 2006 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PROJETO

IX Conferência Ibero-americana de Cultura Montevidéu, 13 e 14 de julho de 2006 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PROJETO IX Conferência Ibero-americana de Cultura Montevidéu, 13 e 14 de julho de 2006 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PROJETO 1 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PREÂMBULO Os Chefes de Estado e de Governo dos países

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

gestão da qualidade no agronegócio do leite Prof. Dr. Luís Fernando Soares Zuin

gestão da qualidade no agronegócio do leite Prof. Dr. Luís Fernando Soares Zuin gestão da qualidade no agronegócio do leite Prof. Dr. Luís Fernando Soares Zuin hoje e futuro o produto que possui qualidade está no mercado, se não possui, não está no mercado! introdução padrões de qualidade

Leia mais

Florestas de Chocolate

Florestas de Chocolate Florestas de Chocolate * por Durval Libânio Netto Mello A região cacaueira do Sul da Bahia é reconhecida internacionalmente pela produção de cacau e pela sua densa cobertura ;lorestal, formado por áreas

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

A Cooperativa dos Aquicultores de Águas Continentais (Coopecon), foi criada em 14 de outubro de 2010, quando 22 sócios se reuniram para a formalização da cooperativa. Com forte atuação em planejamento

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO PLANO DE AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO 2014 1 -OBJETIVO GERAL APA Serra do Lajeado foi instituída pela Lei nº 906 de 20 de maio de 1997, está no entorno do Parque Estadual do Lajeado e tem

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

O mundo perdido, de Arthur Conan Doyle Companhia Editora Nacional

O mundo perdido, de Arthur Conan Doyle Companhia Editora Nacional Sugestão de plano de aula Disciplina: História O mundo perdido, de Arthur Conan Doyle Companhia Editora Nacional Plano de aula: Riqueza da Vegetação Brasileira Objetivos Reconhecer os principais tipos

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café ED 2180/14 15 maio 2014 Original: espanhol P Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café 1. O Diretor Executivo apresenta seus cumprimentos e, em nome da Colômbia, encaminha aos Membros

Leia mais

Bem Vindo! Bento Gonçalves - Serra Gaúcha - Brasil

Bem Vindo! Bento Gonçalves - Serra Gaúcha - Brasil Bem Vindo! Bento Gonçalves - Serra Gaúcha - Brasil Localize-se Bento - Gramado - Caxias - POA 45km 120 km 120km Bento Gonçalves: todo o encanto da Serra Gaúcha em uma cidade repleta de histórias e sabores

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL VALE DOS VINHEDOS

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL VALE DOS VINHEDOS ARRANJO PRODUTIVO LOCAL VALE DOS VINHEDOS Design: Base de Comunicação ELABORAÇÃO Jorge Tonietto - Embrapa Uva e Vinho Jaime Milan Aprovale Períodos Evolutivos da Vitivinicultura Brasileira Período 1º Período

Leia mais

INDICAÇÃO GEOGRÁFICA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS: ASPECTOS LEGAIS, IMPORTÂNCIA HISTÓRICA E ATUAL

INDICAÇÃO GEOGRÁFICA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS: ASPECTOS LEGAIS, IMPORTÂNCIA HISTÓRICA E ATUAL INDICAÇÃO GEOGRÁFICA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS: ASPECTOS LEGAIS, IMPORTÂNCIA HISTÓRICA E ATUAL Kelly Lissandra Bruch Liliana Locatelli Michele Copetti Klenize Chagas Fávero Professores Claire Cerdan Aparecido

Leia mais

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil 1º Seminário Paulista de PSA- Novembro de 2009 - Clayton F. Lino A natureza

Leia mais

guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL

guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL Apresentação Guia multicultural da Mata Atlântica e de sua diversidade para as crianças.

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL:

PROPRIEDADE INTELECTUAL: PROPRIEDADE INTELECTUAL: LEGISLAÇÃO - 2 Profa. Dra. Suzana Leitão Russo Prof. Gabriel Francisco Silva Profa. Dra. Ana Eleonora Almeida Paixão Art. 1º Esta Lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática ANEXO TEMÁTICO 5: Tema Prioritário V - Projetos Comunitários Linha de Ação Temática 5.1 Projetos Comunitários (comunidades tradicionais e povos indígenas) 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta

Leia mais

Guia do Aluno. Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional

Guia do Aluno. Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional Curso a Distância (EAD) Patrimônio Imaterial: fortalecendo o Sistema Nacional Guia do Aluno 2013 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 1.1 O GUIA... 3 1.2 - INTRODUÇÃO AO CURSO... 3 1.3 OBJETIVOS... 4 2 - Conteúdo

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL CLASSIFICAÇÃO DA PAISAGEM PROTEGIDA DE INTERESSE REGIONAL DA CULTURA DA VINHA DA ILHA DO PICO HORTA, 18 DE NOVEMBRO DE 2003 1 CAPÍTULO

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

REGISTRO E PROTEÇÃO DE CULTIVARES Panorama atual no Brasil

REGISTRO E PROTEÇÃO DE CULTIVARES Panorama atual no Brasil Búzios/RJ, julho/2011 REGISTRO E PROTEÇÃO DE CULTIVARES Panorama atual no Brasil Daniela de Moraes Aviani Coordenadora do Serviço Nacional de Proteção de Cultivares SNPC/DEPTA/SDC/MAPA PROTEÇÃO X REGISTRO

Leia mais

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional CAPITULO I Do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Art. 1º. Constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Lei nº 17773 DE 29/11/2013

Lei nº 17773 DE 29/11/2013 Lei nº 17773 DE 29/11/2013 Norma Estadual - Paraná Publicado no DOE em 02 dez 2013 Dispõe sobre o Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte - SUSAF-PR.

Leia mais

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC - lei n 9.985/2000 traz a figura organizacional Mosaico, no cap. IV art.

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho

Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho Líder: Gustavo Rabelo Botrel Miranda Vice-líder: Paulo Sérgio de Souza 1º Tesoureiro: Gustavo José da Silva 2º Tesoureiro: Hugo Baldan Júnior 1º Secretário:

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL DE INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA AGRICULTURA

PROPRIEDADE INTELECTUAL DE INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA AGRICULTURA PROPRIEDADE INTELECTUAL DE INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA AGRICULTURA C. D. G. C. de Almeida 1 RESUMO: As novas tecnologias no setor do agronegócio provocaram uma verdadeira revolução nas legislações de propriedade

Leia mais

I Fórum Sustentabilidade da Cadeia do Cacau

I Fórum Sustentabilidade da Cadeia do Cacau I Fórum Sustentabilidade da Cadeia do Cacau Produção e Mercado de Cacau com Responsabilidade Socioambiental: Criação de Capacidades em Boas Práticas e Certificação na Cadeia do Cacau do Brasil. Missão:

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Construção de redes sociais e humanas: um novo desafio. Sonia Aparecida Cabestré Regina Celia Baptista Belluzzo

Construção de redes sociais e humanas: um novo desafio. Sonia Aparecida Cabestré Regina Celia Baptista Belluzzo Construção de redes sociais e humanas: um novo desafio. Sonia Aparecida Cabestré Regina Celia Baptista Belluzzo Um pouco de história... Características Sociedade Agrícola Agricultura, Caça TERRA Sociedade

Leia mais

Desafios para consolidação de políticas públicas p instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil

Desafios para consolidação de políticas públicas p instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil Desafios para consolidação de políticas públicas p e instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil Maurício Antônio Lopes Presidente da Embrapa Reunião do Cosag

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA Marco Legal Art 19. da Lei nº10.696/2003 Fica instituído o Programa de Aquisição de Alimentos com a finalidade de incentivar a agricultura familiar, compreendendo

Leia mais

INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PAMPA GAÚCHO DA CAMPANHA MERIDIONAL

INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PAMPA GAÚCHO DA CAMPANHA MERIDIONAL INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PAMPA GAÚCHO DA CAMPANHA MERIDIONAL Uma estratégia de agregação de valor Angelo Antonio Queirolo Aguinaga Campo Grande, 27 de novembro de 2012. Indicação Geográfica UMA FERRAMENTA

Leia mais

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B.

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B. PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA SITUAÇÃO AGRICULTURA FAMILIAR Esta errado o pensamento de que agricultura familiar é só de sobrevivência Ela é responsável pela

Leia mais