ASTRO 3D: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASTRO 3D: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA"

Transcrição

1 0 ASTRO 3D: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA Eliza M. Silva 1, Rafael B. Botelho, Artur Justiniano, Paulo A. Bresan. Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Resumo O Ensino de Astronomia está apoiado nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), mas também no caráter interdisciplinar dessa ciência e no seu forte apelo popular e motivador, uma vez que o seu laboratório, o céu, está disponível a todos. O avanço das tecnologias de comunicação e informação tanto para computadores quanto para celulares, a facilidade de acesso a tais aparelhos e a internet tem contribuído para despertar nos usuários o interesse pela astronomia. Hoje, existem diversos softwares que fazem uma simulação do céu. Eles rodam em todas as plataformas e fornecem a posição de estrelas, planetas e da lua para qualquer data. Muitos são utilizados no ensino de Astronomia, porém, nenhum deles foi desenvolvido para explicar os movimentos dos astros e os conceitos astronômicos associados a esses movimentos. Neste trabalho, apresentamos um material didático desenvolvido por bolsistas do PIBID para o ensino de Astronomia, dirigido a professores e alunos do ensino médio. Mais especificamente vamos apresentar Astro 3D que foi desenvolvido para auxiliar o professor no processo de ensino dos sistemas de coordenadas celestes e movimento diário dos astros. Sua principal função é fazer uma simulação 3D do movimento de um astro (estrela, sol, lua ou planeta) em diferentes localidades e em qualquer época do ano. Com o Astros 3D nós conseguimos apresentar os conteúdos de astronomia de uma forma mais atraente e ilustrativa do que os simples exercícios propostos ou as meras descrições de fenômenos efetuadas na maioria das aulas tradicionais, propiciando assim o maior envolvimento dos alunos nas aulas. O uso de animações e simulações permite a abordagem de um número maior de fenômenos num intervalo de tempo menor e proporciona uma realimentação imediata ao aluno. Palavras-Chave: Ensino de Astronomia, Simulação, Ensino de Física, Movimento dos Astros.

2 1 1. Introdução Há registros do estudo da astronomia nos mais antigos documentos escritos, em monumentos e até em pinturas rupestres. São registros que remontam ao surgimento dos primeiros seres humanos e as primeiras civilizações. Nessa época a observação das constelações era utilizada para identificar o período de cheia e vazante do rio Nilo e a melhor época para semear e colher. Aos poucos o estudo e a observação do movimento do Sol, da Lua das constelações foram sendo utilizados para a definição da duração do dia, da semana, do mês e do ano. Hoje em dia existem diversos softwares, tanto para computador como para smartfone, que mostram em tempo real a posição desses astros no céu. O celestia, o stellarium, o skeye e o SkyMap do google para smarthfone, são alguns exemplos. Esses softwares utilizam plataformas gráficas para simular os movimentos dos astros. Figura 1: Imagem do software stellarium. Além da sua popularidade é consenso na literatura especializada e nos órgão reguladores, vide PCNs, a importância do ensino. Por isso, trabalhos como o de Botelho e colaboradores (2014) e Germinaro e colaboradores (2014) apresentam sugestões de ensino dos conteúdos de astronomia no ensino médio e superior. Além disso, Justiniano e colaboradores (2014) apresentaram um estudo que mostra como o ensino de Astronomia ainda precisa avançar nos cursos de formação e professores. Isto posto, neste trabalho vamos apresentar um material didático desenvolvido pelos bolsista do PIBID para o ensino de Astronomia, dirigido a professores e alunos do ensino médio e suerior. Mais especificamente vamos apresentar Astro 3D que foi desenvolvido para auxiliar o professor no processo de ensino dos sistemas de coordenadas celestes e movimento diário dos astros. Sua principal função é fazer uma

3 2 simulação 3D do movimento de um astro (estrela, sol, lua ou planeta) em diferentes localidades e em qualquer época do ano. Como poderá ser visto mais adiante o Astro3D permite que fenômenos que astronômicos que demandam um procedimento longo e sistemático possam ser estudados em sala de aula. Como por exemplo, as fases da lua, o movimento dos planetas entre as constelações, as estações do ano entre outros. Assim, esse trabalho está dividido da seguinte forma: na sessão seguinte vamos apresentar a fundamentação teórica que foi necessária para o desenvolvimento do software e uma breve descrição da linguagem de programação utilizada. Em seguida, apresentaremos o software Astro3D e algumas das suas funcionalidades educativas. Por fim as considerações finais onde discutimos o alcance dessa ferramenta. 2. Fundamentação Teórica 2.1 Sistema de coordenadas geográficas O sistema de coordenadas geográficas está alinhado com o eixo de rotação da Terra. Ele define dois ângulos medidos a partir do centro da Terra. A primeira coordenada, a latitude, mede o ângulo entre um ponto e o Equador, no sentido do polo norte ou polo sul, assim, para uma pessoa localizada ao norte do equador a sua latitude é positiva e para uma pessoa ao sul do equador a latitude é negativa. A longitude mede o ângulo ao longo do Equador a partir de Greenwich, na Inglaterra, essas coordenadas definem os fusos horários para cada localidade. [Kepler, 2004] 2.2 Os sistemas de coordenadas celestes O sistema horizontal O sistema de coordenadas horizontal é utilizado quando deseja-se localizar um astro no céu, estando na superfície da Terra, a figura 2 mostra uma representação desse sistema de coordenadas, a área sombreada corresponde ao horizonte do observador, pode-se notar que existem duas setas azuis, as quais correspondem as duas coordenadas do sistema horizontal, a primeira delas é o azimute que corresponde ao ângulo formado no plano do observador, o horizonte, contando a partir do norte e aumentando para o leste, representando na figura pela letra 'A'. O azimute pode variar de 0 a 360. A segunda coordenada é a altitude, representada na figura pela letra 'h', essa coordenada mede o quão alto o astro está em relação ao horizonte. A altitude varia de 0 a 90º, quando o astro acima do horizonte e de 0 a -90º quando o astro está abaixo do horizonte, ou seja, o astro não está visível. [Kepler, 2004]

4 3 Figura 2: Sistema de coordenada horizontal Este sistema de coordenadas serve apenas para o observador localizar um astro, em um determinado momento e a uma certa latitude na Terra. Pois quando observamos um astro no céu vemos que ele não fica sempre no mesmo local, então as suas coordenadas horizontais variam o tempo todo Sistema equatorial No sistema equatorial o astro assume coordenadas fixas durante todo o tempo, assim qualquer pessoa em qualquer lugar do planeta pode identificar qualquer astro. No sistema equatorial o plano principal é a projeção do equador terrestre na esfera celeste, conhecido como equador celeste. A origem desse sistema de coordenadas é a intersecção do equador celeste com a eclíptica, a trajetória aparente da Terra em torno do Sol, esse ponto é chamado de ponto vernal ou ponto de Áries, nesse dia no Brasil tem início o outono. O ângulo que inicia no ponto vernal e abre até o meridiano do astro é a ascensão reta, mostrado na figura 3 pela letra α em verde. A ascensão reta varia de 0h até 24h. A segunda coordenada desse sistema é a declinação, é a distância angular medida sobre o meridiano da estrela que passa por este ponto a partir do equador celeste. A declinação varia de -90 a +90. Quando medimos na direção do polo norte celeste a declinação é positiva e quando medimos em direção ao polo sul celeste ela é negativa Sistema horário Esse sistema de coordenada utiliza a declinação do sistema de coordenada equatorial, e o ângulo horário. O ângulo horário é medido ao longo do equador celeste, como a ascensão reta, porém ele não é fixo para um astro, varia durante todo o tempo. Tem origem no meridiano local (uma linha imaginária que corta o céu do observador do

5 4 norte ao sul, representada na figura 3 pela linha tracejada) e extremidade no meridiano do astro (representado na figura 3 pela linha azul que sai do polo norte e vai até o polo sul). O ângulo horário é representado pela letra "H. [Kepler 2004] Figura 3: Representação do ângulo horário O ângulo horário varia em 24h, sendo o ponto 0 horas bem acima do observador, esse ponto recebe o nome de zênite, e aumentando seu valor para oeste, como ilustrado na figura 4. Figura 4: Variação do ângulo horário Para calcular o ângulo horário utiliza-se a relação:

6 5 (01) Onde, TSL é o tempo sideral local e está representado na figura 3 como o complemento da ascensão reta Sistema eclíptico Até o momento falamos apenas de como localizar uma estrela no céu, vamos agora entender como funciona a localização de astros que estão no nosso sistema solar, como a Lua o Sol e os planetas. As estrelas possuem coordenadas específicas, a ascensão reta e a declinação, contudo para os objetos presente no nosso sistema solar, faz-se necessário a utilização de um outro sistema de coordenadas, porque ele tem as suas coordenadas equatoriais variando o tempo todo, desta forma para conseguirmos localizar um astro do nosso sistema solar temos que utilizar o sistema de coordenadas eclíptico. A Terra gira em torno do Sol em uma órbita inclinada com relação ao equador celeste, como mostrado na figura 5, a inclinação de eclíptica em relação ao equador é de 23 36'21''. Esse sistema de coordenadas é parecido com o sistema equatorial, ele utiliza o ponto vernal para uma de suas coordenadas. As duas coordenadas utilizadas por esse sistema são a longitude eclíptica λ e a latitude eclíptica β. A longitude eclíptica é muito parecida com a ascensão reta, pois ela é medida a partir do ponto vernal crescendo em direção ao leste, seguindo a eclíptica. A latitude eclíptica é parecida com a declinação, ela é medida a partir da eclíptica até o astro, sendo positiva em direção ao norte celeste e negativa em direção ao sul celeste. Figura 5: Sistema de coordenada eclíptica

7 6 2.3 Conceitos computacionais Para o desenvolvimento do Astro 3D usamos a linguagem de programação Java juntamente da API (Application Programming Interface) gráfica JOGL (Java bindings for OpenGL). Para o desenvolvimento da interface gráfica, foi utilizado o ambiente de desenvolvimento Eclipse. A OpenGL é uma API de grande utilização no desenvolvimento de aplicações em computação gráfica [Neider, 1993]. Ela é uma interface que disponibiliza um controle simples e direto sobre um conjunto de rotinas, permitindo ao programador especificar os objetos e as operações necessárias para a produção de imagens gráficas de alta qualidade. 3. O Software ASTRO 3D Para o desenvolvimento do software faz-se necessário a conversão das coordenas equatoriais e eclípticas em coordenadas horizontais, pois está serão utilizadas para localização dos astros no céu. O sistema de coordenadas equatorial é fixo para cada estrela, isto faz com que a estrela tenha sempre a mesma coordenada, o que deve ser realizado é a conversão para o sistema de coordenada horizontal. Isto é feito segundo o diagrama da figura 6. Figura 6: Diagrama com a representação da conversão das coordenadas equatoriais em horizontais. Quando tratamos dos planetas, da Lua e do Sol, os astros do nosso sistema solar, o sistema de coordenada utilizado passa a ser o eclíptico, mencionado acima. A transformação do sistema eclíptico para o sistema horizontal segue o diagrama da figura

8 7 7. Figura 7: Diagrama para encontrar as coordenadas horizontais dos astros do nosso sistema solar Sabendo as coordenadas horizontais dos astros é possível localiza-los na superfície da Terra. Com base nessas informações o software desenvolvido simula a posição que o astro ocupa no céu para a visão de um observador centrado em uma certa localidade geográfica. As duas coordenadas encontradas. Com esses dois ângulos é possível mostrar a posição aparente do astro na esfera celeste da simulação. O software Astro 3D faz uma simulação do movimento aparente dos astros. No seu movimento aparente o usuário tem a visão de um observador de fora da Terra olhando para a configuração do céu que uma pessoa vê estando na superfície da Terra. Permite ao usuário que ele escolha o local em que deseja fazer a observação através das coordenadas geográficas. A data pode ser inserida manualmente ou caso seja do interesse do usuário é possível fazer a passagem de tempo com a opção de rastros, podendo adiantar ou atrasar o tempo de dia em dia, mês em mês, ano em ano ou ainda de hora em hora, caso selecionado este recurso a posição anterior do astro fica na animação, permitido que o usuário seja a trajetória dos astros. Um dos conceitos que pode ser demonstrados com o software são as estações do ano e a variação da posição do Sol em cada estação. Na figura 8 é possível observar como o Sol varia a sua posição com o passar do ano. Na figura 8 (A), temos a posição do Sol no início do outono aqui no hemisfério sul, mais precisamente no equinócio de outono. Na figura 8 (B) o Sol está o mais próximo do norte, ou seja, o mais baixo possível para a localidade de Alfenas e isto indica o início do inverno, ou solstício de inverno. Na figura 8 (C) o Sol atinge um ponto muito próximo ao da figura (A), com isto temos o início da primavera, estamos no equinócio de primavera. Por último na

9 8 Figura 8 (D) temos a posição mais elevada do Sol, o que indica o início do verão que caracteriza pelo solstício de verão. Figura 8: Representação das estações do ano. Outro conceito que pode ser transmitido com o auxílio do software é as fases da lua. A figura 9 mostra a posição do sol e da lua no dia de lua nova na figura 9 (A) e de lua cheia na figura 9 (B). Na lua nova temos o sol e a lua junto próximo ao meridiano ao meio dia, e na lua cheia a lua está próxima do meridiano a meia noite e o Sol está do outro lado da superfície do observador. Figura 9: Posição do Sol e da Lua. (A) Lua nova. (B) Lua cheia.

10 9 Ao observar o céu não é possível diferenciar uma estrela de um planeta, pois ambos são parecidos no céu. A forma utilizada é observar o astro por um longo período e verificar que as estrelas de uma constelação estão se movendo juntas enquanto o planeta move-se sozinho. A figura 10 mostra a variação da posição da constelação de escorpião e do planeta Saturno com o passar dos anos. A constelação não muda de posição, todo ano estará na mesma posição, enquanto o planeta apresenta uma variação na sua posição. Figura 10: Movimento do um planeta Saturno em comparação com a constelação de escorpião, o planeta se desloca com o passar do tempo, enquanto a constelação permanece no mesmo lugar. 4. Considerações Finais Com o Astros 3D nós conseguimos apresentar os conteúdos de astronomia de uma forma mais atraente e ilustrativa do que os simples exercícios propostos ou as meras descrições de fenômenos efetuadas na maioria das aulas tradicionais, propiciando assim o maior envolvimento dos alunos nas aulas. O uso de animações e simulações permite a abordagem de um número maior de fenômenos num intervalo de tempo menor e proporciona uma realimentação imediata ao aluno. 5. Referências Bibliográficas [Kepler 2004]Kepler de Souza Oliveira Filho e Maria de Fátima Oliveira Saraiva. Astronomia e Astrofísica. 2 edição, Edição, 2004.

11 10 [Neider, 1993] J. Neider, T. Davis andw. Mason. OpenGL Programming Guide (AddisonWesley, 1993). BOTELHO, R. B.; LONDERO, L.; JUSTINIANO, A. Um episódio didático para o ensino de conceitos de astronomia no ensino médio. XXI Simpósio Nacional de Ensino de Física, JUSTINIANO, A; REIS, T.; GERMINARO, D. Disciplinas e Professores de Astronomia nos Cursos de Licenciatura em Física das Universidades Brasileiras. Revista Latino Americana de Ensino de Astronomia, Volume 2 (2014). GEMINARO, D.; JUSTINIANO, A.; AFONSO, A. A Construção de Lunetas a Baixo Custo e Sua Utilização no Ensino de Física e Astronomia no Ensino Médio. Escrever a Prática Pedagógica. Alfenas-MG: 1ª Edição - Volume 2, 2014.

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 3 ESTAÇÕES DO ANO E INSOLAÇÃO SOLAR. Movimento Anual do Sol e as Estações do Ano. Estação em diferentes latitudes. Insolação Solar. Recapitulando a aula anterior: Capítulo 2 Trigonometria Esférica

Leia mais

Plataforma Equatorial

Plataforma Equatorial Projecto Com a Cabeça na Lua OASA - Observatório Astronómico de Santana Açores Plataforma Equatorial Princípios fundamentais Utilização das Coordenadas Astronómicas Em geometria, sabemos que um sistema

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 1 ESFERA CELESTE E O SISTEMA DE COORDENADAS Esfera Celeste. Sistema de Coordenadas. Coordenadas Astronómicas. Sistema Horizontal. Sistema Equatorial Celeste. Sistema Equatorial Horário. Tempo

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

Planetário de pobre. Introdução. Materiais Necessários. Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata.

Planetário de pobre. Introdução. Materiais Necessários. Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata. dução Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata. Retirado de Rodolfo Caniato, O Céu, ed. Ática, 1990. Cadastrada por Lucas Assis Material - onde encontrar

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves)

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) INTRODUÇÃO A Radiação Solar é a maior fonte de energia para a Terra, sendo o principal elemento meteorológico,

Leia mais

Mecânica do Sistema Solar

Mecânica do Sistema Solar Mecânica do Sistema Solar IFSP Vicente Barros Mais informações em Click to edit Masterhttp://astro.if.ufrgs.br/index.htm subtitle style Curiosidades - Posição da ISS http://spotthestation.nasa.gov/ Nosso

Leia mais

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO QUESTÃO 01 - Sobre as características gerais dos movimentos terrestres, julgue os itens: a) É incorreto dizer que o Sol nasce a leste e se põe a oeste,

Leia mais

Horário solar aparente Horário solar aparente tempo solar aparente

Horário solar aparente Horário solar aparente tempo solar aparente Horário solar aparente Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/hor%c3%a1rio_solar_aparente Acesso em 15 de novembro de 2011 Horário solar aparente, ou tempo solar aparente,

Leia mais

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA 18.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conforme visto no capítulo anterior, para determinar a posição de qualquer ponto na superfície

Leia mais

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

O Ensino da Astronomia

O Ensino da Astronomia O Ensino da Astronomia Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) indicam o estudo da Astronomia no 3o e 4o ciclos do Ensino Fundamental, na área de Ciências Naturais, no eixo temático "Terra e Universo"

Leia mais

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local José Laurindo Sobrinho Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Fevereiro 2014 Sistemas de coordenadas e tempo 1 Sistema de coordenadas horizontal local O sistema de coordenadas horizontal local

Leia mais

Aula 04 Medidas de tempo

Aula 04 Medidas de tempo Aula 04 Medidas de tempo O que é tempo? Os fenômenos astronômicos são periódicos e regulares: tornaram-se os primeiros relógios. E foram os relógios mais precisos até a construção dos relógios atômicos

Leia mais

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua Estudo do Meio Físico e Natural I Movimentos reais e aparentes dos astros J. L. G. Sobrinho Centro de Ciências Exactas e da Engenharia Universidade da Madeira A Lua e a Terra A Lua está a sempre visível

Leia mais

Sistema Sol-Terra-Lua

Sistema Sol-Terra-Lua Sistema Sol-Terra-Lua Parte 1 As estações do ano Parte 2 As fases da Lua Parte 3 Eclipses Parte 4 - Marés 1 Parte 1 As estações do ano A latitudes medianas (como a nossa) há variações significativas de

Leia mais

Estações do Ano e Fases da Lua

Estações do Ano e Fases da Lua ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Estações do Ano e Fases da Lua Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Movimentos da Terra Quais são os movimentos da Terra? 1. Rotação 2. Revolução 3. Precessão

Leia mais

Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra a 23 27 de latitude norte denomina-se:

Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra a 23 27 de latitude norte denomina-se: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: GEOGRAFIA Data da prova: 22/02/14 Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra

Leia mais

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DE ASTRONOMIA COM O USO DE SOFTWARE LIVRE FILHO, Valdinei Bueno Lima 1, PRADO, Valdiglei Borges 2, SOARES, Fabrízzio Alphonsus A. M. N. 3, MARTINS, Alessandro

Leia mais

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA 1. A astronomia estuda tudo que está fora da Terra, como por exemplo, os planetas, as estrelas, os cometas, as galáxias, as constelações, os movimentos destes corpos, etc. Para observar estes corpos basta

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis A origem do Universo A teoria do Big Bang foi anunciada em 1948 pelo cientista russo naturalizado estadunidense,

Leia mais

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 43 O ÂNGULO DE ELEVAÇÃO DO SOL E A ENERGIA SOLAR Antonio da Silva Gomes Júnior 1, José Paulo Rodrigues da Silveira,

Leia mais

Introdução à Astronomia Semestre: 2015.1

Introdução à Astronomia Semestre: 2015.1 Introdução à Astronomia Semestre: 2015.1 Sergio Scarano Jr 22/10/2013 Coordenadas Altazimutais Zênite Z z 0 o A < 360 o [Ñ] -90 o h +90 o [Z] L A [Z] 0 o z 180 o [Ñ] N Plano do Horizonte h S W A = azimute

Leia mais

Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento. Bons Estudos!

Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento. Bons Estudos! EXERCÍCIO DE REVISÃO - GEOGRAFIA 6º ano Profª. Ms. Graziella Fernandes de Castro Queridos alunos, Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento.

Leia mais

A Escola e o Relógio de Sol Resumo

A Escola e o Relógio de Sol Resumo Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática A Escola e o Relógio de Sol Resumo Autora: Raquel Duarte de Souza Orientador: Prof. Dr. José Antônio

Leia mais

A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE

A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE 17 A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE 17.1 A TERRA 17.1.1 FORMA E DIMENSÕES. A ESFERA TERRESTRE Primeiramente, o homem imaginou a Terra como uma superfície plana, pois era assim que ele a via.

Leia mais

Relações Astronômicas Terra - Sol

Relações Astronômicas Terra - Sol Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG 0253 - Climatologia I Relações Astronômicas Terra - Sol Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Radiação Solar -

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios FORTALECENDO SABERES A Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios 2 A Habilidades: Aula 1: Entender como ocorre o movimento de Translação da Terra e

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

Cap. 2 Mecânica do Sistema Solar I

Cap. 2 Mecânica do Sistema Solar I Cap. 2 Mecânica do Sistema Solar I Nosso Lugar no Universo 1 min luz = 1,798 x 10 7 km 1 ano-luz = 9.460.800.000.000.00 Km ~10 12 km 100.000 a.l. = 946073047258080000 km = 9.46 x 10 17 km Observando o

Leia mais

GEOGRAFIA 1. Cartografia 1 Aulas 1 e 2

GEOGRAFIA 1. Cartografia 1 Aulas 1 e 2 GEOGRAFIA 1 Cartografia 1 Aulas 1 e 2 O QUE É CARTOGRAFIA Cartografia é a área do conhecimento que se preocupa em produzir, analisar e interpretar as diversas formas de se representar a superfície, como

Leia mais

Qual o motivo das estações do ano?

Qual o motivo das estações do ano? Qual o motivo das estações do ano? Estações do Ano: W Início da Primavera 23 set Hemisfério Sul Início do Inverno 22 jun Início do Verão 22 dez g Início do Outono 21 mar Estações do Ano: Hemisfério Norte

Leia mais

Aula Inaugural. Introdução à Astrofísica. Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com)

Aula Inaugural. Introdução à Astrofísica. Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com) Aula Inaugural Introdução à Astrofísica Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com) Livros recomendados:!! 1 - An Introduction to Modern Astrophysics, Bradley W. Carroll & Dale A. Ostlie, Second

Leia mais

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno,

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno, Tema: Sistema Solar Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a constituição do Sistema Solar, os movimentos dos astros, os fenômenos celestes e sua relação com o planeta Terra.

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Fundamentação Teórica Etimologicamente significa, buscar o oriente. Orientar-se sempre foi uma das preocupações básicas do ser humano e se justificava inicialmente pela busca de e de. No decorrer do tempo

Leia mais

CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS

CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS Dener Pereira SANTOS, Alessandro MARTINS, Hildeu Ferreira da ASSUNÇÃO, Campus Jataí, Universidade

Leia mais

PAUTA DO DIA. Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação

PAUTA DO DIA. Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação PAUTA DO DIA Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação REVISÃO 1 Astronomia Ciência que estuda os astros e os fenômenos relacionados a eles. REVISÃO 1 Relaciona os fenômenos celestes aos fatos

Leia mais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais Introdução à Astronomia Leis de Newton e Forças Gravitacionais Rogério Riffel Leis de Newton http://www.astro.ufrgs.br/bib/newton.htm Newton era adepto das ideias de Galileo. Galileo: Um corpo que se move,

Leia mais

ASTRONOMIA NO DIA-A-DIA Dr. André Milone

ASTRONOMIA NO DIA-A-DIA Dr. André Milone ASTRONOMIA NO DIA-A-DIA Dr. André Milone Divisão de Astrofísica (DAS) Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica 2009 ROTEIRO GERAL Fenômenos astronômicos no dia-a-dia Movimentos da Terra heliocentrismo

Leia mais

LATITUDE, LONGITUDE E GPS

LATITUDE, LONGITUDE E GPS LATITUDE, LONGITUDE E GPS Anselmo Lazaro Branco* ENTENDA O QUE É LATITUDE, LONGITUDE, E COMO FUNCIONA UM APARELHO DE GPS. GPS O GPS é um aparelho digital de localização, que determinada a posição exata

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

O CÉU. G. Iafrate (a), M. Ramella (a) and V. Bologna (b) (a)

O CÉU. G. Iafrate (a), M. Ramella (a) and V. Bologna (b) (a) (b) O CÉU G. Iafrate (a), M. Ramella (a) and V. Bologna (b) (a) INAF - Astronomical Observatory of Trieste Istituto Comprensivo S. Giovanni Sc. Sec. di primo grado M. Codermatz" Trieste Translation by

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 5 LUA E SUAS FASES. ECLIPSES. Lua. Fases da Lua. Sombra de um Corpo Extenso. Linha dos Nodos. Eclipses do Sol. Eclipses da Lua. Temporada de Eclipses. Saros. Recapitulando a aula anterior: Capítulo

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura Introdução Movimentos da terra Diagramas solares Análises de proteções

Leia mais

Atividade Geografia 5º ano Unidade 1

Atividade Geografia 5º ano Unidade 1 1. Encontre no caça palavras alguns astros do sistema solar. A S D F G B N J R M E R C U R I O E W G Y U I O P W T E R R A H X Z Y O C A D G H J E W T Y U E R T Y U I S P A F E R B A R A I E D S F R G

Leia mais

S is t emas de. R. Boczko IAG - USP

S is t emas de. R. Boczko IAG - USP S is t emas de Coordenadas em As t ronomia 16 07 03 R. Boczko IAG - USP Dia Movimento diurno aparente do Sol Meio-dia Zênite Nascer PS Horizonte Ocaso PN Movimento Sol de Rotação da Terra PS Sol Sol Estrela

Leia mais

Movimentos da Terra e da Lua Medidas de Tempo

Movimentos da Terra e da Lua Medidas de Tempo Movimentos da Terra e da Lua Medidas de Tempo Fases da Lua Eclipses do Sol e da Lua Tempo Solar e Sideral Analema Tempo Atômico Tempo Civil Calendários: egípcio, romano, juliano, gregoriano Ano Bissexto

Leia mais

RASTREADOR SOLAR PARA PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

RASTREADOR SOLAR PARA PAINÉIS FOTOVOLTAICOS RASTREADOR SOLAR PARA PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Marcus Vinicius Mathias 1 ; Eduardo Dante Pereira Pizorno 2 ; Samuel Leme de Souza 3 ; Gilberto Lameu da Silva 4 ; Orlando Homem de Mello 5 1 Aluno do Curso

Leia mais

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES INTRODUÇÃO O astrolábio é um instrumento que serve para medir ângulos. Foi bastante utilizado no passado por exemplo pelos navegadores do tempo dos Descobrimentos

Leia mais

Curso de Astronomia Geral CCD. Texto Complementar 1. Aprenda a usar o Stellarium

Curso de Astronomia Geral CCD. Texto Complementar 1. Aprenda a usar o Stellarium Curso de Astronomia Geral CCD Texto Complementar 1 Aprenda a usar o Stellarium Gosta de usar o Stellarium para contar as estrelas no céu, mas se sente perdido com a quantidade de funções do programa? Ainda

Leia mais

NASCER E PÔR-DO-SOL E DA LUA. CREPÚSCULOS

NASCER E PÔR-DO-SOL E DA LUA. CREPÚSCULOS 24 NASCER E PÔR-DO-SOL E DA LUA. CREPÚSCULOS 24.1 IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DOS INSTANTES DO NASCER E DO PÔR-DO-SOL E DA LUA, E DA DURAÇÃO DOS CREPÚSCULOS Em Navegação Astronômica, é importante conhecer

Leia mais

www.google.com.br/search?q=gabarito

www.google.com.br/search?q=gabarito COLEGIO MÓDULO ALUNO (A) série 6 ano PROFESSOR GABARITO DA REVISÃO DE GEOGRAFIA www.google.com.br/search?q=gabarito QUESTÃO 01. a) Espaço Geográfico RESPOSTA: representa aquele espaço construído ou produzido

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 5ª SÉRIE / 6º ANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia CAROS ALUNOS (AS): Roteiro de Estudos

Leia mais

NOÇÕES DE COSMOGRAFIA RELAÇÕES ASTRONÔMICAS ENTRE A TERRA E O SOL

NOÇÕES DE COSMOGRAFIA RELAÇÕES ASTRONÔMICAS ENTRE A TERRA E O SOL UIVERIDADE FEDERAL DE LAVRA DEPARTAMETO DE EGEHARIA ÚCLEO DE AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA GE109 Agrometeorologia OÇÕE DE COMOGRAFIA RELAÇÕE ATROÔMICA ETRE A TERRA E O OL Prof. Antônio Augusto Aguilar

Leia mais

Geografia/15 6º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 GEOGRAFIA 6º ano

Geografia/15 6º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 GEOGRAFIA 6º ano Geografia/15 6º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 6ºgeo301r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 GEOGRAFIA 6º ano Querido(a) Aluno(a) No primeiro trimestre buscamos entender o surgimento da Geografia, sua contribuição

Leia mais

DE 25 A 28 DE AGOSTO DE 2014 ARAPIRACA - AL - BRASIL

DE 25 A 28 DE AGOSTO DE 2014 ARAPIRACA - AL - BRASIL Criação e projeção de aulas e conteúdos com Digitarium DE 25 A 28 DE AGOSTO DE 2014 ARAPIRACA - AL - BRASIL Organizador Professor André Luís Parreira www.hiperlab.com.br hiperlab@hiperlab.com.br Introdução

Leia mais

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL Questão 1 a) (VALOR: 0,2 pts) Quais os planetas do Sistema Solar que têm sistema de anéis? R: Saturno, Júpiter,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CONCEPÇÕES PRÉVIAS SOBRE ASTRONOMIA EM UM CURSO DE EXTENSÃO Cristine Inês Brauwers: crisbrauwers@hotmail.com Hortência Fontana: hfontana1@univates.br Sabrina Monteiro: sabrymonteiro@yahoo.com.br

Leia mais

Movimentos aparentes dos Astros. Prof. J. Meléndez, baseado no Prof. R. Boczko IAG - USP

Movimentos aparentes dos Astros. Prof. J. Meléndez, baseado no Prof. R. Boczko IAG - USP Movimentos aparentes dos Astros 15 09 2011 Prof. J. Meléndez, baseado no Prof. R. Boczko IAG - USP Movimentos aparentes Movimento diurno (diário) aparente do Sol Movimento anual aparente do Sol Movimento

Leia mais

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 Nota de Astronomia: Nota de Astronáutica: Nota Final: Observação: A Nota Final é a soma das notas de Astronomia

Leia mais

Horizonte local e Relógios de Sol

Horizonte local e Relógios de Sol Rosa M. Ros International Astronomical Union, Universidade Politécnica de Cataluña (Barcelona, Espanha) Resumo O estudo do horizonte é fundamental para promover as primeiras observações dos alunos nos

Leia mais

COMBINAÇÃO DOS SISTEMAS DE COORDENADAS UTILIZADOS EM NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA. O TRIÂNGULO ASTRONÔMICO OU TRIÂNGULO DE POSIÇÃO

COMBINAÇÃO DOS SISTEMAS DE COORDENADAS UTILIZADOS EM NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA. O TRIÂNGULO ASTRONÔMICO OU TRIÂNGULO DE POSIÇÃO COMBINAÇÃO DOS SISTEMAS DE COORDENADAS UTILIZADOS EM NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA. O TRIÂNGULO ASTRONÔMICO OU TRIÂNGULO DE POSIÇÃO 20 20.1 PROCESSO DE OBTENÇÃO DE LINHAS DE POSIÇÃO (LDP) E DE UMA POSIÇÃO ASTRONÔMICA

Leia mais

Astronomia de posição (II)

Astronomia de posição (II) Sistema de coordenadas horizontal, equatorial, eclíptico e galáctico. Determinação de distâncias (métodos clássicos): Eratostenes, Hiparco, Aristarco e Copérnico. Astronomia de posição (II) Gastão B. Lima

Leia mais

SISTEMAS DE COORDENDAS CELESTES

SISTEMAS DE COORDENDAS CELESTES SISTEMAS DE COORDENDAS CELESTES Prof. Dr. Carlos Aurélio Nadal Distância angular e diâmetro aparente Diâmetro aparente da Lua Medidas angulares com o auxilio das mãos Ângulo medido a partir do centro da

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Curso de Formação continuada em Astronomia Para professores de Educação Básica Prof. Dr. Tibério Borges Vale Projeto de Extensão O uso da Astronomia como elemento didático

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira)

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) Constituição da Avaliação 5 perguntas de Astronomia; 3 perguntas de Astronáutica; 2 perguntas sobre Energia. Perguntas Práticas e/ou Observacionais

Leia mais

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO META Mostrar as normas básicas de posicionamento e direção terrestre e apresentar formas de orientação que auxiliam na localização. OBJETIVOS Ao

Leia mais

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de A U A U L L A A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de rotação. É esse movimento que dá origem à sucessão dos dias

Leia mais

18 a OBA GABARITO DA PROVA DO NÍVEL 3-2015 -

18 a OBA GABARITO DA PROVA DO NÍVEL 3-2015 - 18 a OBA GABARITO DA PROVA DO NÍVEL 3-2015 - Veja o gabarito em nossa home page www.oba.org.br Nota de Astronomia: Nota de Astronáutica: Nota Final: Observação: A Nota Final é a soma das notas de Astronomia

Leia mais

ASTRONOMIA NO DIA A DIA

ASTRONOMIA NO DIA A DIA ASTRONOMIA NO DIA A DIA Dr. André Milone Divisão de Astrofísica (DAS) Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica 2013 Astronomia no dia a dia Qual é a forma e movimentos da Terra? O Metro e o Segundo

Leia mais

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007 Iluminação Natural Construção de Diagramas Solares Maio de 2007 arquitectura e artes do espectáculo lda. Rua Julião Quintinha, 1A tel: +351 217 157 502 email: etu@etu.pt 1500-381 Lisboa fax: +351 217 157

Leia mais

A OBSERVÇÃO NOTURNA, UMA METODOLOGIA NÃO-FORMAL PARA O ENSINO DA FÍSICA

A OBSERVÇÃO NOTURNA, UMA METODOLOGIA NÃO-FORMAL PARA O ENSINO DA FÍSICA A OBSERVÇÃO NOTURNA, UMA METODOLOGIA NÃO-FORMAL PARA O ENSINO DA FÍSICA Francele R. O. Silva 1, Fabricia F. Gonzaga 2, Francisco C. R. Fernandes³ 1/3 Universidade do Vale dos Paraíba - UNIVAP / Faculdade

Leia mais

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Programa Institucional de Iniciação à docência (PIBID) Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES?

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? 2005 Curso de Capitão o Amador: PROGRAMA E INSTRUÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CAPITÃO O exame para a categoria de Capitão Amador constará de uma prova escrita, com duração

Leia mais

Hoje adota novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o Sistema de Posicionamento Global (GPS)

Hoje adota novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o Sistema de Posicionamento Global (GPS) Geodésia A Geodésia é uma ciência que se ocupa do estudo da forma e tamanho da Terra no aspecto geométrico e com o estudo de certos fenômenos físicos relativos ao campo gravitacional terrestre, visando

Leia mais

Movimentos da Terra -

Movimentos da Terra - Movimentos da Terra - Orientação e Coordenadas A Terra no Espaço Jonathan Kreutzfeld A Terra é levemente achatada nos pólos, por isso a chamamos de ELIPSÓIDE Diâmetro (km) Equatorial: 12.756 Polar: 12.713

Leia mais

EFEMÉRIDES DO MÊS DE AGOSTO DE 2014

EFEMÉRIDES DO MÊS DE AGOSTO DE 2014 EFEMÉRIDES DO MÊS DE AGOSTO DE 2014 POSIÇÃO GEOGRÁFICA: LATITUDE: -8.1º LONGITUDE: -34.9º LATITUDE: 8º 0 48.1 Sul LONGITUDE: 34º 51 3.4 Oeste CALENDÁRIO DO CÉU COM OS HORÁRIOS DE VISIBILIDADE DOS OBJETOS

Leia mais

Gabarito dos exercícios do livro Ciências cap. 5 e 6

Gabarito dos exercícios do livro Ciências cap. 5 e 6 COLÉGIO MARIA IMACULADA QI 05 ch. 72 LAGO SUL BRASÍLIA DF E-MAIL: cmidf@cmidf.com.br SITE: www.cmidf.com.br 6ºano 1º PERÍODO Gabarito dos exercícios do livro Ciências cap. 5 e 6 p. 74 Respostas: 1. Lua

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Comitê Científico e Didático. Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2011

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Comitê Científico e Didático. Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2011 Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Comitê Científico e Didático Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2011 Prova Final RECOMENDAÇÕES GERAIS Respire fundo. Pense. Explique

Leia mais

A Geometria no Globo Terrestre.

A Geometria no Globo Terrestre. A Geometria no Globo Terrestre. 1. Introdução. Neste trabalho pretendemos desenvolver o estudo da esfera e seus elementos explorando sua associação com o globo terrestre. O estudo da posição relativa de

Leia mais

OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA

OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA Autores : Edson KARSTEN; Irene WEHRMEISTER. Identificação autores: Acadêmico do curso Física Licenciatura, IFC-Campus

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar Gabarito Primeira Fase Cruzadinha 3 6 1 V Ê N U S E 2 L U A 8 1 S N M 3 E S P E C T R O S C O P I A Q 2 R R U T E 4 É I 4 E C L Í P T I C A 7 N R

Leia mais

NOME DO ALUNO: DISCIPLINA: Geografia ANO: 6º TURMA: FII 6 VALOR: 2,0 PROFESSOR(A): Tânia e Rita Aranda DATA: / /2013 NOTA:

NOME DO ALUNO: DISCIPLINA: Geografia ANO: 6º TURMA: FII 6 VALOR: 2,0 PROFESSOR(A): Tânia e Rita Aranda DATA: / /2013 NOTA: NOME DO ALUNO: Nº: DISCIPLINA: Geografia ANO: 6º TURMA: FII 6 VALOR: 2,0 PROFESSOR(A): Tânia e Rita Aranda DATA: / /2013 NOTA: Caro aluno, Com o objetivo de reforçar o conhecimento sobre a criação do Universo,

Leia mais

1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece.

1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece. Atividade de Estudo - Ciências 5º ano Nome: 1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece. 2- Cite uma semelhança

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

Valmir Heckler, Maria de Fátima Oliveira Saraiva e Kepler de Souza Oliveira Filho. Acadêmico do curso LCN - Mário Sérgio Nunes Bica Bolsista PIBID

Valmir Heckler, Maria de Fátima Oliveira Saraiva e Kepler de Souza Oliveira Filho. Acadêmico do curso LCN - Mário Sérgio Nunes Bica Bolsista PIBID Valmir Heckler, Maria de Fátima Oliveira Saraiva e Kepler de Souza Oliveira Filho Acadêmico do curso LCN - Mário Sérgio Nunes Bica Bolsista PIBID Fazendo um paralelo entre a sociedade da informação e o

Leia mais

Terra: um planeta no Universo. O Universo não foi feito à medida do ser humano, mas tampouco lhe é adverso, é-lhe indiferente.

Terra: um planeta no Universo. O Universo não foi feito à medida do ser humano, mas tampouco lhe é adverso, é-lhe indiferente. Terra: um planeta no Universo. O Universo não foi feito à medida do ser humano, mas tampouco lhe é adverso, é-lhe indiferente. [Carl Sagan] A Terra é um palco muito pequeno numa imensa arena cósmica.

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS 1ª PARCIAL V2 1ª SÉRIE

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS 1ª PARCIAL V2 1ª SÉRIE COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS 1ª PARCIAL V2 1ª SÉRIE Professor(a): Richard QUESTÃO 1 Considere a reprodução da obra intitulada La Escuela del Sur de autoria de Joaquin Torres García, artista

Leia mais

Conhecer a Esfera Celeste. Atividades com Planetário -Guião para Stellarium

Conhecer a Esfera Celeste. Atividades com Planetário -Guião para Stellarium Conhecer a Esfera Celeste Atividades com Planetário -Guião para Stellarium Carlos Brás 14-11-2011 Atividades com Planetário Introdução Depois de aberto o programa e devidamente configurado para a latitude

Leia mais

21/6/2014 Por Nando Guimarães Rio de Janeiro

21/6/2014 Por Nando Guimarães Rio de Janeiro 21/6/2014 Por Nando Guimarães Rio de Janeiro Na astronomia, solstício (do latim sol + sistere, que não se mexe) é o momento em que o Sol, durante seu movimento aparente na esfera celeste, atinge a maior

Leia mais