RDF e RDF Schema na representação de páginas do portal CEULP/ULBRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RDF e RDF Schema na representação de páginas do portal CEULP/ULBRA"

Transcrição

1 RDF e RDF Schema na representação de páginas do portal CEULP/ULBRA Danilo de Abreu Noleto 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa Postal Palmas TO Brasil Abstract. This article describes the study of the concepts of model RDF and, in special, of the use of these concepts in the representation in RDF of some pages of the Portal of the Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA). Resumo. Este artigo descreve o estudo dos conceitos do modelo RDF e, em especial, da utilização desses conceitos na representação em RDF de algumas páginas do Portal do Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA). 1. Introdução A disponibilização de dados heterogêneos sem padronização e a elevada quantidade de dados na WEB (rede mundial de computadores) apresentada de forma desordenada impulsionaram os pesquisadores na busca de mecanismos que pudessem contextualizar os dados descritos de forma significativa para a máquina. Isso foi realizado através da visualização de diversas áreas da tecnologia da informação. As principais influências vêm da comunidade de padronização da WEB na forma de metadados em Hypertext Markup Language (HTML) e PICS, da comunidade de biblioteconomia, da comunidade de estruturação de documentos na forma de Standard Generalized Markup Language (SGML) e Extensible Markup Language (XML), e da comunidade de representação do conhecimento (MARINO 2001). A partir desses estudos e tendo como objetivo primeiro o entendimento da semântica dos dados disponíveis nas páginas WEB foi desenvolvido o modelo Resource Description Framework (RDF). Com a estruturação desse modelo é possível entender de uma forma mais clara e real como pode ser tratada a semântica dos dados das páginas WEB. O objetivo desse trabalho é o estudo dos conceitos do modelo RDF e, em especial, da utilização desses conceitos na representação em RDF de algumas páginas do Portal do Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA). Espera-se com isso um entendimento mais aprofundado da teoria abordada. 2. Resource Description Framework O RDF foi proposto inicialmente pela W3C (World Wide Web Consortium), apresentando uma nova forma de descrição dos dados WEB, tendo só assim, após 2 anos (em 1999), sua recomendação aprovada (CIUFFO, 2002). Para utilização do RDF na descrição dos recursos, foi adotada a utilização de metadados, juntamente com o modelo RDF, formas de apresentar as informações dos recursos nos variados tipos de comunidade da WEB, conservando sua semântica.

2 Essa descrição teve grande aceitação dentre as ferramentas que propiciam a resolução da interoperabilidade nas diversas plataformas, devido a sua arquitetura genérica de metadados, permitindo, assim, a descrição dos recursos no contexto WEB através de padrões de metadados(lassila, 1999). O RDF é um padrão que tem como funcionalidade prover metadados na WEB através da aplicação da linguagem XML. Sua padronização estabelece um modelo de dados e sintaxe para codificar, representar e transmitir metadados (CIUFFO, 2000). A representação desta tecnologia pode ser encontrada e definida em dois documentos explicitados abaixo: Resouce Description Framework (RDF): tem a função de descrever o modelo de dados RDF (LASSILA, 1999); Resouce Description Framework (RDF) Schema Specification: funciona descrevendo primitivas de modelagem utilizadas para descrição de um domínio particular de interesse. As especificações acima serão descritas nos itens posteriores (BRICKLEY, 2000). 2.1 Modelo RDF Básico O modelo RDF básico é descrito com a utilização do XML. Sua característica está na forma com que o modelo de dados utiliza metadados para descrever recursos, a fim de apresentar um significado ao recurso. Para visualização da representação do RDF, podem-se utilizar grafos rotulados que são construídos com os objetos descritos abaixo: Resources: Um recurso pode ser caracterizado como qualquer coisa (objeto) representada dentro dos padrões de descrição de uma expressão RDF. Observe alguns exemplos de recurso: Uma página WEB (www.ulbra-to.br); Uma parte de uma página WEB (www.ulbra-to.br/ensino); Uma coleção de páginas; Um elemento específico dentro de um HTML ou XML; Um objeto que não pode ser acessado diretamente (Livro impresso). É importante salientar que todos os recursos devem sempre estar nomeados e identificados por um URI (Uniform Resoucer Identifier), permitindo assim sua identificação entre os recursos RDF. Properties: Uma propriedade serve para descrever uma característica, um atributo ou uma relação qualquer utilizada em um recurso. Geralmente essa descrição possui um significado específico e permite a interligação com outras propriedades, assemelhandose ao esquema do modelo de entidade-relacionamento. Literals: É um valor qualquer que um objeto pode assumir de acordo com a propriedade. Statements: É uma espécie de declaração de um recurso contendo um nome, uma propriedade e um valor agregado a ela. Estas três partes da indicação são chamadas respectivamente de: sujeito, predicado e objeto. Com isso, os statements conseguem representar essa interligação entre o recurso, suas propriedades e seus valores. O recurso pode ser caracterizado como um objeto e é sempre identificado por um URI, que através de statements possibilita a construção básica de um modelo em RDF propriamente dito. Para tal, utiliza-se a indicação de uma tupla, (predicate, [subject],[object]), permitindo a ligação entre os valores e os recursos, cuja função é a de prover uma maior representação de modelos complexos. Veja o exemplo a seguir: Sentença: Audamic Arnosck é o criador do recurso

3 Tabela 1: Sentença dividida em partes Subject (Resource) Predicate (Property) Object (Literal) "Audamic Arnosck" Criador A tabela 1 ilustra a criação de um statements que descreve o recurso de uma página HTML com a URI cuja propriedade é Criador e o literal (valor) é Audamic Arnosck. A representação da tupla ficaria da seguinte maneira, (Criador,[http://audamic.org], Audamic Arnosck ) Além de ser apresentado como tupla, o modelo RDF permite uma visualização através de grafos, convencionados pela W3C, que possibilitam representar recursos através de nós, propriedades através de arcos e literais por retângulos. Na Figura 1 é apresentada a representação de um grafo: Criador Audamic Arnosck Figura 1 Representação de um Statement em grafos. O modelo RDF permite alterar essa representação de forma que o recurso em questão consiga abrir novas ramificações a fim de especificar o modelo num contexto geral de forma mais detalhada. Ou seja, a indicação do arco criador apontará para um novo recurso que, representado por um URI, fará junção através de novos arcos de propriedades com os seus respectivos objetos A sintaxe RDF permite a criação de uma estrutura contendo metadados dos mais variados tipos, que representados de maneira correta, permitirão a interligação da semântica entre os recursos, a fim de formar uma única representação, através da utilização de esquemas (Schemas) e namespaces por intercâmbio do XML. A sintaxe que permitirá a descrição do documento estará associada a uma variável de namespaces contendo todas as especificações necessárias para o desenvolvimento de uma nova sintaxe. 2.2 RDF Schema O modelo RDF abordado no item anterior foi caracterizado como um modelo padrão para descrição de recurso com propriedades. Porém, a viabilidade para representar a interligação das propriedades e os outros recursos mostra-se bastante limitada. Com isso, surgiu o RDF Schema (BRICKLEY, 2000) que é uma extensão de RDF e veio fornecer descrição de grupos de recursos e os relacionamentos existentes entre eles. Por isso, o usuário tem a flexibilidade de criar vocabulários representados por classes e propriedades com características restritas, a fim de serem reaproveitadas em outros modelos. Uma característica bem clara da forma de reuso dos recursos e das propriedades já existentes está na utilização de sintaxes de outras linguagens. A especificação de uma linguagem não tenta enumerar um vocabulário específico para descrição das classes e propriedades de um documento RDF. Mas, a característica do RDF Schema de utilizar apenas as características (recursos, propriedades) que o convém facilita a descrição de documentos RDF com a utilização de várias sintaxes. Por isso, a possibilidade de

4 descrição de um recurso é cada vez maior, haja vista as inúmeras linguagens que podem ser utilizadas (Exemplo: Dublin Core). Para conseguir a definição da estrutura de um RDF Schema representando um recurso válido e correto, serão abordadas algumas das principais primitivas da classe, propriedades e restrições, com exemplos esclarecendo cada item e suas hierarquias encontradas. Na Figura 2 é apresentada uma noção do funcionamento do modelo RDF Schema. Figura 2 Hierarquia de Classes do modelo RDF Schema (BRICKLEY, 2000) Classes As classes são representadas na Figura 2 como retângulo de bordas arredondadas que, descritas de forma coerente a um domínio e relacionadas por hierarquia como classe e subclasse, permitem uma extensibilidade do modelo, herdando ou não definições já existentes. A especialização dessa classe poderá ser importada (copiada) promovendo assim o reuso e compartilhamento dos esquemas. Para definição de uma classe e seus inter-relacionamentos serão utilizadas algumas de suas principais primitivas: rdfs:resource representa a descrição do conjunto de recursos ou pode ser chamada de classe genérica (objeto), que terá a função de representar e comportar todas as subclasses. rdfs:resource rdfs:class rdf:property Figura 3 Grafo da hierarquia das classes. Na Figura 3, observa-se o exemplo de uma hierarquia, na qual as classes rdfs:class e rdf:propert, pertencem ao recurso rdfs:resource. É importante salientar que todas as classes representadas num modelo são do tipo rdfs:class, inclusive os recursos e a própria representação da classe. Rdfs:Class é semelhante à descrição de um tipo (rdf:type) sendo indicado como um subconjunto de rdfs:resource. rdfs:class Classe A Classe B Classe C Classe D Figura 4 Representação das instâncias da classe e hierarquias. A Figura 4 apresenta a instância de dois objetos, A e B, através da linha tracejada, cada um com suas particularidades. A instância B denota uma hierarquia,

5 assim as subclasses C e D irão possuir características da superclasse e características especializadas. Lembrando que cada classe é independente e nada impede de uma classe B relacionar-se com uma classe A. Rdf:Property representa a descrição das propriedades (atributos) do recurso sendo um subconjunto de recurso (Figura 5). Figura 5 Representação das propriedades que podem ser utilizadas nos recursos Propriedades As propriedades utilizam mecanismos para expressar relacionamentos entre suas classes, instâncias ou superclasses. Dentro da propriedade é possível verificar o relacionamento entre as propriedades que denotam uma hierarquia da mesma forma que as classes. Serão mostradas, a seguir, as principais propriedades que se destacam num determinado modelo. Rdf:type indica que o recurso é instância de uma ou mais classes, sendo subconjunto de rdf:property. Rdfs:subClassOf indica relação de uma subclasse com uma superclasse, sendo que a subclasse pode ter várias superclasses. Seu subconjunto pertence a rdf:property. Rdfs:subPropertyOf indica relação entre duas propriedades. Esta propriedade pode fazer relação de hierarquia de propriedades. Rdfs:comment é utilizada para comentários facilitando a compreensão por parte do ser humano que visualiza o código. Rdfs:seeAlso indica que um recurso contém informações adicionais sobre o mesmo. Rdf:isDefinedBy é uma subpropriedade de rdfs:seealso que indica o recurso que contém as informações do recurso em questão Restrições As restrições caracterizam-se como mecanismos que permitem associar as propriedades (atributos), identificadas num modelo, a recursos (classe) criados para representação do mesmo. Logo abaixo, as principais primitivas serão apresentadas. Rdfs:domain indica a qual classe uma propriedade se relaciona. A localização deste mecanismo de restrição vem de uma instância da classe rdfs:constraintproperty (Figura 6). rdfs: domain Classe D Propriedade 1 Figura 6 A Classe D relaciona-se com a Propriedade 1.

6 rdfs:range tem a funcionalidade de restringir os valores que uma propriedade pode assumir. A localização deste mecanismo de restrição vem de uma instância da classe rdfs:constraintproperty (Figura 7). Figura 7 A propriedade 1 assume valores do tipo String 3 Estudo de caso Para o desenvolvimento do estudo de caso abordado nesta seção, foi utilizado, como domínio, o Portal do Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA). A escolha desse domínio foi feita devido a vasta quantidade de recursos e propriedades encontradas no mesmo, possibilitando a utilização dos conceitos de RDF descritos nas seções de RDF e RDF Schema. Na Figura 8 é visualizada uma página contida no Portal do CEULP/ULBRA, utilizada principalmente pelos alunos da Instituição, em busca de informações sobre a disciplina cursada em questão. A principal funcionalidade dessa página é permitir a consulta dos seguintes assuntos: Plano de ensino; Material didático disponível aos alunos; Trabalhos e atividades relacionadas a esta disciplina; Para representar os recursos encontrados na página, serão utilizados juntamente com o código RDF, elementos e atributos oriundos do padrão Dublin Core(DC). Isso devido ao fato do DC (Dublin Core, 2003) ser um padrão da organização DCMI (Dublin Core Metadata Initiative) para representação de metadados que, especializados em representar informações dos dados (dados sobre dados), possui um formato simples e muito útil para identificar o conteúdo dos documentos eletrônicos, tornando-os mais fáceis de serem pesquisados pelos mecanismos de buscas, a fim de recuperar as informações solicitadas. O que é conseguido através da característica de identificação dos recursos de uma dada página. Figura 8 Página do Portal CEULP/ULBRA.

7 O código dos recursos encontrados na Figura 8 será segmentado em duas partes devido a extensa quantidade de informação que deve ser descrita. Para isso, apresenta-se a priori, a utilização da declaração de namespaces e a tag <channel> na Figura 9. Esse código tem a função de declarar alguns recursos utilizando as sintaxes dos padrões RDF e Dublin Core, por exemplo. Na linha 2, da Figura 9, existe a instanciação de variáveis rdf e dc que recebem as sintaxes de seus padrões correspondentes cujos dados são atributos e elementos. Com isso, pode-se especificar todo e qualquer recurso contido na Figura 8 que esteja de acordo com um dos padrões. 1: <?xml version="1.0" encoding="iso "?> 2: <rdf:rdf xmlns:rdf="http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#" xmlns="http://purl.org/rss/1.0/" xmlns:dc=http://purl.org/dc/elements/1.1/ xmlns:taxo="http://purl.org/rss/1.0/modules/taxonomy/" xmlns:syn="http://purl.org/rss/1.0/modules/syndication/"> 3: <channel rdf:about="http://www.ulbra-to.br/ ensino/disciplinas/default.asp?$sid=&ano=2003 &semestre=1&id_curso=43020disciplina=204086&id_turma=2860"> 4: <title>portal Ceulp Ensino Disciplinas Area das Disciplinas</title> 5: <link>http://www.ulbra-to.br/ensino/disciplinas/default.asp? $SID_&ano_2003&semestre_1&id_curso_43020&disciplina_204086& id_turma_2860</link> 6: <description>gerenciamento da disciplina</description> 7: <dc:language>br</dc:language> 8: <dc:rights>portal Ceulp 2002 (c) Palmas. Tocantins. Brasil.</dc:rights> 9: <dc:date> t03:16:11z</dc:date> 10: <dc:publisher>portal Ceulp v.2002</dc:publisher> 11: <dc:creator>portal</dc:creator> 12: <items> 13: <rdf:seq> 14: <rdf:li rdf:resource="http://www.ulbra-to.br/ensino/disciplinas/ ver_plano_ensino.asp?$sid=&ano=2003&semestre=1&id_curso =43020&disciplina=204086&id_turma=2860&numero_da_turma=303"/> 15: <rdf:li rdf:resource="http://www.ulbra-to.br/ ensino/disciplinas/ver_material_didatico.asp?$sid=&ano=2003&semestre =1&id_curso=43020&id_turma=2860&disciplina=204086"/> 16: <rdf:li rdf:resource="http://www.ulbra-to.br/ensino/disciplinas/ ver_trabalhos.asp?$sid=&ano=2003&semestre=1&id_curso=43020 &disciplina=204086&id_turma=2860"/> 17: <rdf:li rdf:resource="http://www.ulbra-to.br/ensino/professores/?$sid=&ano=2003&semestre=1&id_curso=43020&op_consulta= sim&id_professor= "/> 18: </rdf:seq> 19: </items> 20: <image> 21: <rdf:seq> 22: <rdf:li rdf:resource="../../imagens/gerenciamento turma_1.jpg"/> 23: <rdf:li rdf:resource="../../imagens/gerenciamento_turma_2_aluno.jpg"/> 24: </rdf:seq> 25: </image> 26: </channel> Figura 9 1ª parte do código do Portal CEULP-ULBRA. O channel representado da linha 03 a 26 é um canal (sumário) que descreve um conjunto de itens e imagem de um site (W3C, 1998). Dentro do elemento channel utiliza-se um <title> (linha 04), um <link> (linha 05) e o <description> (linha 06) para descrever o site em questão. A utilização de atributos do Dublin Core acontece no momento em que é necessário mostrar o idioma do conteúdo do documento <dc:language> (linha 07), os direitos de desenvolvedor <dc:rights>, a data <dc:date>, (linha 09), a entidade responsável por torná-lo disponível <dc:publisher> (linha 10) e pessoa ou organização responsável pela elaboração do site <dc:creator> (linha 11). Os itens existentes no documento do Portal seguem uma descrição de uma coleção de recursos seqüenciais RDF que vão das linhas 13 a 18. E as imagens contidas nesse canal seguem uma mesma coleção seqüencial representadas nas linhas 22 e 23.

8 A descrição da figura anterior foi apenas um sumário que apresenta a idéia inicial de como os recursos e suas características serão utilizados. Na segunda parte é mostrada a continuação do código anterior com a descrição sucinta de cada item identificado no channel. Das linhas 27 a 30 (Figura 10) tem-se a descrição de uma imagem cuja <url> é >../../imagens/gerenciamento turma_1.jpg sem a existência de um link para fazer uma ligação com outra página. Na outra imagem, <url>../../imagens/gerenciamento_turma_2_aluno.jpg, através do elemento seq, visualiza-se uma coleção de três links que fazem chamadas a outras páginas. Por final, é apresentada, da linha 40 a 44, a descrição de um dos itens que foram identificados nos sumários e estão sendo definidos através do identificador <rdf:about> para que tragam consigo uma descrição individual do recurso. Neles estão contendo um <title> para o titulo, um <link> e um <description> opcional para uma breve descrição. 27: <image rdf:about="../../imagens/gerenciamento turma_1.jpg"> 28: <title>informações da Disciplina</title> 29: <url>../../imagens/gerenciamento turma_1.jpg</url> 30: </image> 31: <image rdf:about="../../imagens/gerenciamento_turma_2_aluno.jpg"> 32: <title>consulta</title> 33: <url>../../imagens/gerenciamento_turma_2_aluno.jpg</url> 34: <rdf:seq> 35: <rdf:li><link>http://www.ulbra-to.br/ensino/disciplinas/ver_plano_ensino.asp?$sid=&ano=2003&semestre=1&id_curso=43020&disciplina=204086&id_turma =2860&numero_da_turma=303</link></rdf:li> 36: <rdf:li><link>http://www.ulbra-to.br/ensino/disciplinas/ver_material_ didatico.asp$sid=&ano=2003&semestre=1&id_curso=43020&id_turma =2860&disciplina=204086</link></rdf:li> 37: <rdf:li><link>http://www.ulbra-to.br/ensino/disciplinas/ver_trabalhos.asp?$sid=&ano=2003&semestre=1&id_curso=43020&disciplina =204086&id_turma=2860</link></rdf:li> 38: </rdf:seq> 39: </image> 40: <item rdf:about="http://www.ulbra-to.br/ensino/disciplinas/ ver_plano_ensino.asp?$sid=&ano=2003&semestre=1&id_curso=43020& disciplina=204086&id_turma=2860&numero_da_turma=303"> 41: <title>consulta</title> 42: <link>http://www.ulbra-to.br/ensino/disciplinas/ ver_plano_ensino.asp?$sid=&ano=2003&semestre=1&id_curso=43020 &disciplina=204086&id_turma=2860&numero_da_turma=303</link> 43: <description>consulte o plano de ensino</description> 44: </item>... Figura 10 2ª parte do código do Portal CEULP-ULBRA. Com o modelo conceitual de parte do Portal CEULP/ULBRA (Figura 11) é possível fazer uma analogia com o grafo RDF Schema apresentado na figura 12. Comparando uma classe com recurso e um atributo com propriedade, é possível ter uma noção mais clara dos conceitos utilizados. É importante salientar que as utilizações dos dois modelos são para fins totalmente diferentes: o modelo conceitual traz a representação em UML a fim de descrever classes e seus relacionamentos e o RDF Schema cria uma estrutura para representação de recursos.

9 Figura 11 Modelo conceitual do Portal CEULP/ULBRA O grafo RDF Schema (Figura 12) serve para visualizar e auxiliar na definição de um modelo em que as classes (recursos) podem ser representadas por nós, as propriedades pelas arestas e o tipo que essa propriedade pode assumir é representada por um retângulo. Figura 12 Grafo de RDF Schema do Portal CEULP/ULBRA Assim, através da representação em forma de grafo, é possível verificar os relacionamentos existentes entre as propriedades e recursos. E, com isso, obter o entendimento do documento que será desenvolvido a partir do padrão RDF.

10 4. Considerações Finais Com o modelo RDF surgiram possibilidades concretas de implementação de buscas mais eficiente. Isso porque sua forma de especificação/estruturação de conteúdo permite a criação de sentenças baseadas num conjunto de dados gerando, assim, uma semântica dos dados para a máquina. A criação de recursos com códigos de um modelo RDF permite ao implementador a inferência de um novo vocabulário. Desta forma, é possível reaproveitar o código já descrito de forma completa ou parcial em outros modelos. Esse processo pode ser caracterizado como a criação de um namespace. O trabalho realizado objetivou o entendimento do modelo RDF e RDF Schema para a verificação da sua utilização na estruturação de páginas do portal acadêmico CEULP/ULBRA.Um aspecto importante identificado a partir do estudo desse trabalho foi a visualização da estrutura montada a partir do modelo RDF s. Essa estrutura visa criar mecanismos para representação dos metadados que serão manipulados pelas máquinas. Assim, confronta-se com a idéia padrão de que geralmente as informações são organizadas e utilizadas para o entendimento das pessoas e não das máquinas. Como trabalhos futuros, pode-se dar continuidade à estruturação em RDF de portais acadêmicos, de uma forma mais abrangente. Definindo, assim, uma ontologia (um domínio de um dado problema) para a estruturação de documentos em RDF e sua manipulação a partir de uma dada linguagem de programação. Observou-se, a partir dos estudos desenvolvidos, que a continuação do trabalho pode ser realizada utilizando a linguagem de programação JAVA e a API (Application Programmer Interface) Jena, pois esta API permite a manipulação de documentos RDF em JAVA. 5. Referências BRICKEY, D.; GUHA R. V. (eds.) Resouce Description Framework (RDF) Schema specification 1.0 mar Disponivel em: <http://www.w3.org/tr/2000/cr-rdfschema />, CIUFFO, L. N. Linguagens e ferramentas para a WEB Semântica. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Ciências da Computação). UFJF, Minas Gerais, DUBLIN CORE METADADA INITIATIVE. Dublin Core metadada element set, version 1.1: reference description. Disponível em: <http://dublincore.org/documents/dces/> Acesso em: 03/07/2003. LASSILA, O., SWICK, R. Resource Description Framework (RDF) Model and Syntax Specification. W3C (World-Wide WEB Consortium) Recommendation 22 February Disponível em <http://www.w3.org/tr/rec-rdf-syntax>, MARINO, M. TERESA. Integração de informações em ambientes científicos na WEB: Uma abordagem baseada na arquitetura RDF. Disponível em < >, W3C World Wide WEB Consortium. extensible Markup Language (XML). Disponível em <http://www.w3.org/xml/>, 1998.

O padrão RDF na descrição de imagens

O padrão RDF na descrição de imagens O padrão RDF na descrição de imagens Edeilson Milhomem da Silva 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Cx. Postal 160 77054-970

Leia mais

D2R EDITOR: HABILITANDO A PUBLICAÇÃO AUTOMÁTICA DE ANOTAÇÕES SEMÂNTICAS DE SITES DINÂMICOS

D2R EDITOR: HABILITANDO A PUBLICAÇÃO AUTOMÁTICA DE ANOTAÇÕES SEMÂNTICAS DE SITES DINÂMICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO André Guerreiro Cantarelli D2R EDITOR: HABILITANDO A PUBLICAÇÃO AUTOMÁTICA DE ANOTAÇÕES SEMÂNTICAS DE SITES DINÂMICOS

Leia mais

RDF e RDFS na Infra-estrutura de Suporte à Web Semântica

RDF e RDFS na Infra-estrutura de Suporte à Web Semântica RDF e RDFS na Infra-estrutura de Suporte à Web Semântica GEIZA CRISTINA DA SILVA, TARCÍSIO DE SOUZA LIMA (ORIENTADOR) Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.2 O Padrão RDF Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo 1.Apresentar

Leia mais

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Ernesto F. Veiga, Márcio V. Oliveira Sena, Renato de F. Bulcão Neto ernestofonseca@inf.ufg.br marciovinicius@inf.ufg.br

Leia mais

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Ernesto F. Veiga, Márcio V. Oliveira Sena, Renato de F. Bulcão Neto ernestofonseca@inf.ufg.br marciovinicius@inf.ufg.br

Leia mais

EP-RDF: SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS BASEADO EM ONTOLOGIA

EP-RDF: SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS BASEADO EM ONTOLOGIA EP-RDF: SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS BASEADO EM ONTOLOGIA Resumo Edeilson Milhomem da Silva1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP / ULBRA),

Leia mais

RDF (Resource Description Framework) RDFS (Resource Description Framework Schema)

RDF (Resource Description Framework) RDFS (Resource Description Framework Schema) RDF (Resource Description Framework) RDFS (Resource Description Framework Schema) Tópicos Especiais em Engenharia de Software I (Introdução à Engenharia de Ontologias) Curso: Engenharia de Computação Prof.

Leia mais

OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade

OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade Pollyane de Almeida Lustosa 1, Fabiano Fagundes 2, Parcilene F. de Brito 2 1 Acadêmica do curso de Bacharel em Sistemas de Informação

Leia mais

5 Exemplos. 5.1. Produção bibliográfica da PUC-Rio

5 Exemplos. 5.1. Produção bibliográfica da PUC-Rio 5 Exemplos Foram desenvolvidas duas aplicações que exemplificam o uso e a utilidade das mudanças feitas no método SHDM e do ambiente de desenvolvimento Synth, apresentadas nas seções a seguir. 5.1. Produção

Leia mais

A WEB SEMÂNTICA E SUA APLICABILIDADE NO MEIO ACADÊMICO

A WEB SEMÂNTICA E SUA APLICABILIDADE NO MEIO ACADÊMICO A WEB SEMÂNTICA E SUA APLICABILIDADE NO MEIO ACADÊMICO Graycielli Athanasio Mendes, Ana Carolina Xaves Ferreira, Rafael Couto dos S. Lima mendes.grace@gmail.com, anacarolinaxaves@yahoo.com.br, rafaelcoutolima@yahoo.com.br

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.3 Web Ontology Language (OWL) Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo

Leia mais

Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados

Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados Ana Alice Baptista Altamiro Barbosa Machado 1 Metadados significa, basicamente, dados sobre os dados. Num ambiente caótico como a Internet, os dados

Leia mais

EDEILSON MILHOMEM DA SILVA RDF E RDQL NA SISTEMATIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS

EDEILSON MILHOMEM DA SILVA RDF E RDQL NA SISTEMATIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS EDEILSON MILHOMEM DA SILVA RDF E RDQL NA SISTEMATIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS Palmas 2004 iii EDEILSON MILHOMEM DA SILVA RDF E RDQL NA SISTEMATIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS Relatório apresentado como

Leia mais

Web Semântica para Máquinas de Busca

Web Semântica para Máquinas de Busca Web Semântica para Máquinas de Busca Eli Nogueira Milagres Júnior, Elio Lovisi Filho (orientador) Departamento de Ciência da Computação - Faculdade de Ciência da Computação e Comunicação Social (FACICS)

Leia mais

Descrição Semântica de Componentes em Ambiente Virtual 3D

Descrição Semântica de Componentes em Ambiente Virtual 3D Descrição Semântica de Componentes em Ambiente Virtual 3D Léo Manoel Lopes da Silva Garcia Mestrando Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho netogarcia19@gmail.com Diego Colombo Dias Mestrando

Leia mais

JONATHAN SCHNEIDER CRIAÇÃO E CONSUMO DE DADOS NOS PADRÕES DA WEB SEMÂNTICA, UTILIZANDO RDF E JENA

JONATHAN SCHNEIDER CRIAÇÃO E CONSUMO DE DADOS NOS PADRÕES DA WEB SEMÂNTICA, UTILIZANDO RDF E JENA FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO JONATHAN SCHNEIDER CRIAÇÃO E CONSUMO DE DADOS NOS PADRÕES DA

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF

FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF Arlindo L. Boiça Neto 1 ; Leandro H. de M. Oliveira 2 N 0803081 Resumo : Atualmente a descrição de recursos

Leia mais

Introdução 17. 1 Introdução

Introdução 17. 1 Introdução Introdução 17 1 Introdução O volume de informações que gerenciamos tem crescido a cada dia. Realizamos milhões de pesquisas na Web, postamos mensagens em blogs, enviamos mensagens de correio eletrônico,

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

POLLYANE DE ALMEIDA LUSTOSA

POLLYANE DE ALMEIDA LUSTOSA POLLYANE DE ALMEIDA LUSTOSA OWL e Protégé: estudo e aplicação de conceitos para exemplificação da definição da camada de esquema da Web Semântica em um determinado domínio Palmas 2003 2 POLLYANE DE ALMEIDA

Leia mais

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO Djalma Gonçalves Costa Junior¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil djalma.g.costajr@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias GARCIA, Léo Manoel Lopes da Silva Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Web de hoje (2.0) Porquê WEB 2.0?

Web de hoje (2.0) Porquê WEB 2.0? WEB 2.0 Conceitos O termo Web 2.0 refere-se a mudança para uma Internet como plataforma e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Segundo Tim O'Reilly, um dos criadores do

Leia mais

EXTRAÇÃO DE INFORMAÇÃO DE MÍDIAS SOCIAIS NA WEB

EXTRAÇÃO DE INFORMAÇÃO DE MÍDIAS SOCIAIS NA WEB EXTRAÇÃO DE INFORMAÇÃO DE MÍDIAS SOCIAIS NA WEB Fernando Alberto Zambelan Bossarino Engenharia de Computação CEATEC fernandozambelan@hotmail.com Carlos Miguel Tobar Toledo Sistemas Inteligentes CEATEC

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG INTEGRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS FEDERADOS NA WEB. Philip Stephen Medcraft (Mestrando)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG INTEGRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS FEDERADOS NA WEB. Philip Stephen Medcraft (Mestrando) UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - COPIN INTEGRAÇÃO DE BANCOS

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION Andrenizia Aquino Eluan Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Extração de Informação de Mídias Sociais na Web

Extração de Informação de Mídias Sociais na Web Extração de Informação de Mídias Sociais na Web Fernando Alberto Zambelan Bossarino Engenharia de Computação CEATEC fernandozambelan@puccampinas.edu.br Resumo: Este resumo apresenta os resultados do trabalho

Leia mais

NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista

NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista Universidade do Minho Campus de Azurém, 4800-058, Guimarães, Portugal

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML Por Carlos H. Marcondes marcon@vm.uff.br Rio de Janeiro Abril 2008 PROGRAMA 1.Problema, motivações e conceitos 2.Estrutura de um documento XML 1.DTDs, Schemas 2.Folhas

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Web semântica aplicada ao serviço da Consultadoria jurídica - Lei de arrendamento

Web semântica aplicada ao serviço da Consultadoria jurídica - Lei de arrendamento Nelson Rodrigues Web semântica aplicada ao serviço da Consultadoria jurídica - Lei de arrendamento Engenharia Informática Setembro 2010 Web semântica aplicada ao serviço da Consultadoria jurídica - Lei

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

MÁRCIA LÍLIAN SANDRI. Análise Comparativa entre o Modelo OOHDM e Ontologias a partir de uma Aplicação Baseada em Material Didático

MÁRCIA LÍLIAN SANDRI. Análise Comparativa entre o Modelo OOHDM e Ontologias a partir de uma Aplicação Baseada em Material Didático MÁRCIA LÍLIAN SANDRI Análise Comparativa entre o Modelo OOHDM e Ontologias a partir de uma Aplicação Baseada em Material Didático Palmas - TO 2005 MÁRCIA LÍLIAN SANDRI Análise Comparativa entre o Modelo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Internet Internet é o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam entre si Internet não é sinônimo de WWW (World Wide

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

Ontologias - OWL (Web Ontology Language) Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho

Ontologias - OWL (Web Ontology Language) Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho Ontologias - OWL (Web Ontology Language) Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho Technical Report - RT-INF_004-05 - Relatório Técnico June - 2005 - Junho The contents of this document are the sole

Leia mais

Anima: Promovendo Integração de Componentes na Web

Anima: Promovendo Integração de Componentes na Web WTD 2001 / SBMídia 2001, 15 a 19 de Outubro de 2001, Florianópolis, SC. Anima: Promovendo Integração de Componentes na Web André Santanchè 1, Cesar Augusto Camillo Teixeira 2 1 Núcleo de Pesquisa em Redes

Leia mais

BRUNO SIQUEIRA CAMPOS MENDONÇA VILAR UTILIZAÇÃO DE ONTOLOGIA NA DEFINIÇÃO DE UM MODELO DE DOMÍNIO DE UM SISTEMA HIPERMÍDIA ADAPTATIVO

BRUNO SIQUEIRA CAMPOS MENDONÇA VILAR UTILIZAÇÃO DE ONTOLOGIA NA DEFINIÇÃO DE UM MODELO DE DOMÍNIO DE UM SISTEMA HIPERMÍDIA ADAPTATIVO BRUNO SIQUEIRA CAMPOS MENDONÇA VILAR UTILIZAÇÃO DE ONTOLOGIA NA DEFINIÇÃO DE UM MODELO DE DOMÍNIO DE UM SISTEMA HIPERMÍDIA ADAPTATIVO Palmas 2005 i BRUNO SIQUEIRA CAMPOS MENDONÇA VILAR UTILIZAÇÃO DE ONTOLOGIA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA JOHANNES S. SILVEIRA FERREIRA A WEB SEMÂNTICA E UM SITE DE BUSCA SEMÂNTICA

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA JOHANNES S. SILVEIRA FERREIRA A WEB SEMÂNTICA E UM SITE DE BUSCA SEMÂNTICA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA JOHANNES S. SILVEIRA FERREIRA A WEB SEMÂNTICA E UM SITE DE BUSCA SEMÂNTICA Palhoça 2010 JOHANNES S. SILVEIRA FERREIRA A WEB SEMÂNTICA E UM SITE DE BUSCA SEMÂNTICA

Leia mais

O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1

O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 1 Eixo Temático: Organização e Representação da Informação e do Conhecimento O PADRÃO DE METADADOS DUBLIN CORE: A REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA EM HTML 1 Bill Alexander Santos da Silva 2 Juliana Marques do

Leia mais

Como Publicar Dados Relacionais em RDF

Como Publicar Dados Relacionais em RDF Como Publicar Dados Relacionais em RDF Luís Eufrasio T. Neto Mestrado em Ciência da Computação Departamento de Computação Orientadora: Dra. Vânia Vidal Introdução Linked Data: padrão estabelecido como

Leia mais

OntoEditor: Um editor para manipular ontologias na Web

OntoEditor: Um editor para manipular ontologias na Web Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Mestrado em Informática Coordenação de Pós-Graduação em Informática OntoEditor: Um editor para manipular ontologias na Web

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Adaptatividade e interoperabilidade em ambientes de e- learning utilizando tecnologias da web semântica

Adaptatividade e interoperabilidade em ambientes de e- learning utilizando tecnologias da web semântica Adaptatividade e interoperabilidade em ambientes de e- learning utilizando tecnologias da web semântica Aluno: José dos Reis Mota Orientadora: Márcia Aparecida Fernandes Pós-Graduação em Ciência da Computação

Leia mais

Recuperação de Informações em Documentos Anotados Semanticamente na Área de Gestão Ambiental

Recuperação de Informações em Documentos Anotados Semanticamente na Área de Gestão Ambiental 1 Recuperação de Informações em Documentos Anotados Semanticamente na Área de Gestão Ambiental Celso Araújo Fontes (IME) celsowm@gmail.com Maria Claudia Cavalcanti (IME) yoko@ime.eb.br Ana Maria de Carvalho

Leia mais

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso Web Semântica uma introdução @yaso O que é SEMÂNTICA Semântica é o estudo do signifcado. Incide sobre a relação entre signifcantes, tais como palavras, frases, sinais e símbolos, e o que eles representam,

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

Web Semântica e PLN. Paulo Gomes DEI FCTUC

Web Semântica e PLN. Paulo Gomes DEI FCTUC Web Semântica e PLN Paulo Gomes DEI FCTUC 1 Sumário Motivação da Web Semântica Conceitos base da WS WS vs. PLN Sinergias entre WS e PLN Conclusão 2 Motivação Limitações da Web actualmente: Overflow de

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Motivação extensible Markup Language W3C: World Wide Web Consortium http://www.w3.org 1.0 W3C Recommendation, 10/Fev/1998 (inicial) W3C Recommendation, 04/Fev/2004, 3

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

Conceitos de XBRL e Taxonomia

Conceitos de XBRL e Taxonomia COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO CCONF NÚCLEO DE CONSOLIDAÇÃO E TRANSPARÊNCIA DAS CONTAS PÚBLICAS - NUCOP Conceitos de XBRL e Taxonomia REUNIÃO DO GRUPO TÉCNICOS DE SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Criação e Publicação de um Linked Dataset sobre o Simpósio Brasileiro de Banco de Dados

Criação e Publicação de um Linked Dataset sobre o Simpósio Brasileiro de Banco de Dados Universidade Federal de Pernambuco GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Criação e Publicação de um Linked Dataset sobre o Simpósio Brasileiro de Banco de Dados Aluno: Mateus Gondim

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia 1 da Informaçao 2 Figura: Tela do IBM Mainframe Fonte: Arquivo próprio

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTRA DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Miriam Belchior SECRETÁRIA-EXECUTIVA Eva Maria Cella Dal Chiavon

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

Uma Arquitetura de Metadados para Descrever e Organizar Informações de um Sistema de Saúde

Uma Arquitetura de Metadados para Descrever e Organizar Informações de um Sistema de Saúde Uma Arquitetura de Metadados para Descrever e Organizar Informações de um Sistema de Saúde Rafael Port da Rocha, Marcos Cordeiro D Ornellas 1,2 Grupo PIGS, Curso de Ciência da Computação (CCC) Universidade

Leia mais

Raquel Elias Carneiro. Análise de Técnicas para e-business a partir de Conceitos da Web Semântica

Raquel Elias Carneiro. Análise de Técnicas para e-business a partir de Conceitos da Web Semântica Raquel Elias Carneiro Análise de Técnicas para e-business a partir de Conceitos da Web Semântica Palmas-TO 2006 Raquel Elias Carneiro Análise de Técnicas para e-business a partir de Conceitos da Web Semântica

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica

Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica Marcus de Melo Braga 1 2, Hélio Santiago Ramos Júnior 1, Tatianna de Faria Coelho 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me.

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me. Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile Roger Alves Prof. Me. Vinícius Maran O que é uma ontologia? Palavra vinda do grego, advinda da união entre

Leia mais

Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro de Banco de Dados

Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro de Banco de Dados U NIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2 0 1 2. 2 Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro

Leia mais

Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados

Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados Revista de Biblioteconomia de Brasília, v. 25, n.1, p. 77-90, 2001 Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados Ana Alice Baptista Altamiro Barbosa Machado 1 Metadados significa, basicamente,

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR WEB SEMÂNTICA: A nova internet que fará com que os computadores entendam a lógica humana. Lúcia Helena de Magalhães 1 Márcio Aarestrup

Leia mais

Geração de Interfaces Adaptativas para Dispositivos Móveis

Geração de Interfaces Adaptativas para Dispositivos Móveis Geração de Interfaces Adaptativas para Dispositivos Móveis Giani Carla Ito 2, Nilson Sant anna 2, Maurício Ferreira 2, Douglas T. S. Finkler¹, André A. dos Santos¹, Marilson M. dos Santos¹ 1 Laboratório

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Definição schemaless or self-describing terms that indicate that there is no separate description of type or structure of the data (Abiteboul S. et al., 1999) Dados que apresentam uma representação estrutural

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

dados abertos cartilha para desenvolvedores

dados abertos cartilha para desenvolvedores dados abertos cartilha para desenvolvedores Esta publicação é um encarte integrante do Manual dos dados abertos: desenvolvedores, resultante do acordo de cooperação técnico-científica entre o Laboratório

Leia mais

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML extensible Markup Language Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML Projetada para transportar e armazenar dados (estruturados) Importante conhecer e fácil de entender Exemplo de documento

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) (extensible( Markup Language ) Origens (extensible Markup Language linguagem de marcação extensível) Criada em 1996 pelo W3C (World

Leia mais

ROSAI - Uma abordagem baseada em lógica para representar e consultar objetos de aprendizado

ROSAI - Uma abordagem baseada em lógica para representar e consultar objetos de aprendizado ROSAI - Uma abordagem baseada em lógica para representar e consultar objetos de aprendizado Francisco H. T. Costa 1, Fábio A. M. Porto 2 Instituto Militar de Engenharia IME-RJ 1 Departamento de Engenharia

Leia mais

Armazienamento de Dados

Armazienamento de Dados Armazienamento de Dados Bernade'e Farias Lóscio bfl@cin.ufpe.br Agenda Dados x metadados Fontes de dados: de onde os dados podem ser extraídos? Dados abertos: em qual formato publicar? A importância dos

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Fábio Magalhães RA015998

Fábio Magalhães RA015998 Fábio Magalhães RA015998 Exercício-7 (Track: Big Data) Considere os pontos tratados nos caps. 5 a 7. a. Escreva um texto (1 página) sobre pontos em comum e distintos entre Standards e Specifications. Cite

Leia mais

Ferramentas da Web Semântica Aplicadas à Gestão do Conhecimento Ligado ao Linux

Ferramentas da Web Semântica Aplicadas à Gestão do Conhecimento Ligado ao Linux Ferramentas da Web Semântica Aplicadas à Gestão do Conhecimento Ligado ao Linux Guillaume Barreau UFBA gui@im.ufba.br Motivação Em 10 anos, a Web revolucionou o nosso conceito de informação: Crescimento

Leia mais

CompWeb: Um Repositório de Componentes de Software Acessível por Web Services REST

CompWeb: Um Repositório de Componentes de Software Acessível por Web Services REST CompWeb: Um Repositório de Componentes de Software Acessível por Web Services REST Leandro Oliveira Ferreira, Michael Schuenck Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA)

Leia mais

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder e tenha atenção que algumas perguntas podem ter alíneas de resposta em páginas diferentes. Escreva as suas

Leia mais

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA SERVIÇOS WEB

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA SERVIÇOS WEB SERVIÇOS WEB World Wide Web Evolução de simples páginas com conteúdo estático para páginas com conteúdos dinâmicos (extraídos, principalmente, de Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados SGBD) Tecnologias

Leia mais

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica 3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica Este trabalho tem o objetivo de integrar o controle de acesso no projeto de aplicações na web semântica. Uma arquitetura de software

Leia mais

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C Roteiro Oficina de Aula 10 s Selos de conformidade Prof. Vinícius Costa de Souza www.inf inf.unisinos..unisinos.br/~vinicius outubro de 2006 W3C São um conjunto de normas, diretrizes, recomendações, notas

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Web Semântica: uma análise sobre o desenvolvimento e aplicação de ontologias

Web Semântica: uma análise sobre o desenvolvimento e aplicação de ontologias Web Semântica: uma análise sobre o desenvolvimento e aplicação de ontologias Josimar Damásio¹, Frederico Coelho (Orientador)¹ ¹Departamento de Ciências da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos

Leia mais