Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica"

Transcrição

1 Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Ernesto F. Veiga, Márcio V. Oliveira Sena, Renato de F. Bulcão Neto Maio / 2015

2 RDF (Resource Description Framework) Padrão W3C para intercâmbio de dados na

3 RDF (Resource Description Framework) Padrão W3C para intercâmbio de dados na Modelo de triplas / declarações que podem ser mapeadas para grafos dirigidos Porém, esse modelo não é para exibição de dados, mas sim para estruturação de dados

4

5 Conceitos básicos de RDF Pedras fundamentais do Modelo RDF Recursos Propriedades Valores de Propriedades

6 Recurso (resource) Objeto, ou coisa, do qual se declara algo autor, livro, editora, local, pessoa, hotel, paciente, sinal vital humano, tempo, página na Web, etc. Todo recurso tem uma IRI para identificação Engenharia de Software

7 Propriedade (property) Tipo especial de recursos... que descreve relacionamentos entre outros recursos Logo também são identificadas por uma IRI Ex: autoria, idade, título, autor, medida, nome completo, classificação, parte de, etc.

8 Valor de Propriedade (value) Valor que uma propriedade de recurso pode ter Se é apenas para representar valores de dados, a especificação RDF o define como Literal Por padrão, o valor é codificado como string Engenharia de Software

9 Valor de Propriedade (value) Valor que uma propriedade de recurso pode ter Se é apenas para representar valores de dados, a especificação RDF o define como Literal Pode-se também especificar o tipo de dados que o Literal deve armazenar Tipos de dados definidos na especificação padrão XML Schema 40 ^^xsd:nonnegativeinteger

10

11 Valor de Propriedade (value) Valor que uma propriedade de recurso pode ter Em vez de ser um Literal, o valor de uma propriedade pode ser também um outro Recurso

12 Exemplos simples Recurso Propriedade title Valor (literal) Renato de Freitas Bulcão Neto, INF - UFG Recurso Propriedade seealso Valor (recurso)

13 Declaração RDF (statement) Associação entre recurso, propriedade e valor O título do recurso é Renato de Freitas Bulcão Neto, INF - UFG Tripla Possível visão de uma declaração contendo Sujeito (IRI de recurso ou blank node) Predicado (IRI de propriedade) Objeto (literal, IRI de recurso, ou blank node)

14 Declaração RDF como Grafo Grafos dirigidos com vértices e arestas rotulados DO recurso: sujeito da declaração PARA o valor da propriedade: objeto da declaração Convenções de notação: ovais para recursos, retângulos para literais e setas para predicados

15 Propriedade rdf:type Tipo especial de propriedade utilizada para agrupar / classificar recursos Ou seja, o predicado rdf:type pode expressar a classe de recursos a que o sujeito da tripla pertence rdf:type foaf:person

16 Propriedade rdf:type Tipo especial de propriedade utilizada para agrupar / classificar recursos Ou seja, o predicado rdf:type pode expressar a classe de recursos a que o sujeito da tripla pertence rdf:type foaf:person

17 Recurso anônimo ou blank node Não possui uma IRI explícita que o identifica Utilizado para representar variáveis existenciais Para cada pessoa existe um alguém que combina com essa pessoa Variáveis existenciais não descrevem uma entidade de forma concreta, mas sim fornecem um modelo abstrato dessa entidade Blank nodes descrevem algo que não possui um nome (ou cujo nome não é conhecido)

18

19 Conclusões sobre Modelo RDF Modelo de dados RDF baseado em declarações Estrutura do tipo sujeito-predicado-objeto permite descrever recursos e os relacionamentos entre eles de maneira universal Essa mesma estrutura é processável para computadores por ser programaticamente tratada como grafos Modelo de dados otimizado para compartilhamento e intercâmbio Sem raiz, ordem irrelevante, escopo global de URIs

20 Vamos à prática! Apache Jena (RDF API) Tutoriais 1 a 3

21 Como manusear dados RDF? Mesmo que grafos RDF sejam fáceis de visualizar, entender e programar, deve ter uma representação desses grafos para facilitar ainda mais o processamento por aplicações intercâmbio de dados RDF entre aplicações entendimento dos dados RDF por desenvolvedores Sintaxes de serialização de dados RDF RDF/XML, N-TRIPLES, Turtle, JSON, RDFa,...

22 Sintaxe RDF/XML Um sujeito pode conter vários elementos de propriedade <?xml version="1.0"?> <rdf:rdf xmlns:rdf="http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#" xmlns:si="http://www.w3schools.com/rdf/"> <rdf:description rdf:about="http://www.w3schools.com"> <si:title>w3schools.com</si:title> <si:author>jan Egil Refsnes</si:author> </rdf:description> </rdf:rdf>

23 Elementos da Sintaxe RDF/XML Elemento <rdf:description> Para escrever uma ou mais triplas sobre um recurso Atributo rdf:about faz referência ao recurso sujeito da tripla previamente criado <?xml version="1.0"?> <rdf:rdf xmlns:rdf="http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#" xmlns:si="http://www.w3schools.com/rdf/"> <rdf:description rdf:about="http://www.w3schools.com"> <si:title>w3schools.com</si:title> <si:author>jan Egil Refsnes</si:author> </rdf:description> </rdf:rdf>

24 Elementos da Sintaxe RDF/XML Sobre Propriedades Objetos podem ser sujeito de outras triplas, daí seu valor referencia recursos (atributo rdf:resource) Objetos podem ser apenas literais <?xml version="1.0"?> <rdf:rdf xmlns:rdf="http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#" xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/" xmlns:cd="http://www.recshop.fake/cd#"> <rdf:description rdf:about="http://www.recshop.fake/cd/empireburlesque"> <cd:artist rdf:resource="http://www.recshop.fake/cd/dylan" /> <dc:title>empire Burlesque</dc:title> </rdf:description> </rdf:rdf>

25 Elementos da Sintaxe RDF/XML Objetos como literais, sem tipo de dados explícito, podem ser deixados como texto livre Mas, se a tipagem de dados for fornecida, deve utilizar o atributo rdf:datatype, cujo valor será um tipo de dados do XML Schema

26

27 <?xml version= 1.0?> <rdf:rdf xmlns:rdf="http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#" xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"> <rdf:description rdf:about="http://www.w3.org/"> <dc:title>world Wide Web Consortium</dc:title> </rdf:description> </rdf:rdf>

28 <?xml version= 1.0?> <rdf:rdf xmlns:rdf="http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#" xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/"> <rdf:description rdf:about="http://www.w3.org/"> <dc:title>world Wide Web Consortium</dc:title> </rdf:description> </rdf:rdf>

29 <?xml version="1.0"?> <rdf:rdf xmlns:rdf="http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#" xmlns:rb="http://example.org/"> <rdf:description rdf:about="http://www.w3.org/"> <rb:relatedto rdf:resource="http://w3schools.com"/> </rdf:description> </rdf:rdf>

30 <?xml version="1.0"?> <rdf:rdf xmlns:rdf="http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#" xmlns:rb="http://example.org/"> <rdf:description rdf:about="http://www.w3.org/"> <rb:relatedto rdf:resource="http://w3schools.com"/> </rdf:description> </rdf:rdf>

31 Vamos à prática! Apache Jena (RDF API) Tutorial 4

32 Sintaxe Turtle: Terse RDF Triple Language Terse = Conciso Sintaxe simples para RDF Triplas estão diretamente listadas como: URIs entre < > Literais "entre aspas" Triplas terminam com um ponto. Espaços em branco e quebras de linha são ignorados

33 Terse RDF Triple Language

34 Terse RDF Triple Language Uso de prefixos + espaços de nomes XML facilita a legibilidade das triplas

35

36

37

38 @prefix rdfs: owl: foaf: dc: : <http://inf.ufg.br/~rbulcao/researchers.rdf#>. # O símbolo <> de URI vazia significa este documento # A letra a é o equivalente ao rdf:type do RDF/XML (tipo do indivíduo) <> a foaf:document ; dc:title "Researchers file". :ufg a foaf:organization ; foaf:name "Universidade Federal de Goiás". :renato a foaf:person ; foaf:name "Renato de Freitas Bulcão Neto" ; foaf:member :ufg ; owl:sameas <https://sites.google.com/site/renatobulcao/>.

39 RDF/XML vs. Turtle Turtle é mais concisa e fácil de ler e escrever XML é a base para a transferência de dados na Web Há muitas ferramentas e bibliotecas de programação com suporte à linguagem XML Mas, Turtle já é recomendação W3C (vai ganhar espaço cada vez mais...) Leia mais em

40 Validadores RDF Online Offline Serviço de Validação do W3C Verifica e visualizar seus documentos RDF Jena RDF API

41 Vamos à prática! Apache Jena (RDF API) Tutoriais 5 a 8

42 Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Ernesto F. Veiga, Márcio V. Oliveira Sena, Renato de F. Bulcão Neto Maio / 2015

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Ernesto F. Veiga, Márcio V. Oliveira Sena, Renato de F. Bulcão Neto ernestofonseca@inf.ufg.br marciovinicius@inf.ufg.br

Leia mais

D2R EDITOR: HABILITANDO A PUBLICAÇÃO AUTOMÁTICA DE ANOTAÇÕES SEMÂNTICAS DE SITES DINÂMICOS

D2R EDITOR: HABILITANDO A PUBLICAÇÃO AUTOMÁTICA DE ANOTAÇÕES SEMÂNTICAS DE SITES DINÂMICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO André Guerreiro Cantarelli D2R EDITOR: HABILITANDO A PUBLICAÇÃO AUTOMÁTICA DE ANOTAÇÕES SEMÂNTICAS DE SITES DINÂMICOS

Leia mais

Semântica na Web RDF. Carlos Bazilio. Depto de Computação Instituto de Ciência e Tecnologia Universidade Federal Fluminense

Semântica na Web RDF. Carlos Bazilio. Depto de Computação Instituto de Ciência e Tecnologia Universidade Federal Fluminense Semântica na Web RDF Carlos Bazilio Depto de Computação Instituto de Ciência e Tecnologia Universidade Federal Fluminense 1 Contexto... 2 Contexto (2) 3 Problemas na Web Atual Pouca integração de informações

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.2 O Padrão RDF Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo 1.Apresentar

Leia mais

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso Web Semântica uma introdução @yaso O que é SEMÂNTICA Semântica é o estudo do signifcado. Incide sobre a relação entre signifcantes, tais como palavras, frases, sinais e símbolos, e o que eles representam,

Leia mais

RDF (Resource Description Framework) RDFS (Resource Description Framework Schema)

RDF (Resource Description Framework) RDFS (Resource Description Framework Schema) RDF (Resource Description Framework) RDFS (Resource Description Framework Schema) Tópicos Especiais em Engenharia de Software I (Introdução à Engenharia de Ontologias) Curso: Engenharia de Computação Prof.

Leia mais

RDF e RDF Schema na representação de páginas do portal CEULP/ULBRA

RDF e RDF Schema na representação de páginas do portal CEULP/ULBRA RDF e RDF Schema na representação de páginas do portal CEULP/ULBRA Danilo de Abreu Noleto 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA)

Leia mais

Introdução 17. 1 Introdução

Introdução 17. 1 Introdução Introdução 17 1 Introdução O volume de informações que gerenciamos tem crescido a cada dia. Realizamos milhões de pesquisas na Web, postamos mensagens em blogs, enviamos mensagens de correio eletrônico,

Leia mais

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Ernesto F. Veiga, Márcio V. Oliveira Sena, Renato de F. Bulcão Neto ernestofonseca@inf.ufg.br marciovinicius@inf.ufg.br

Leia mais

O padrão RDF na descrição de imagens

O padrão RDF na descrição de imagens O padrão RDF na descrição de imagens Edeilson Milhomem da Silva 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Cx. Postal 160 77054-970

Leia mais

Protótipo de sistema de consultas utilizando a linguagem SPARQL

Protótipo de sistema de consultas utilizando a linguagem SPARQL Protótipo de sistema de consultas utilizando a linguagem SPARQL Aluno(a): André Luiz Nunes Orientador: Roberto Heinzle Roteiro Introdução Objetivos Web semântica Tecnologias para web semântica Trabalhos

Leia mais

Como Publicar Dados Relacionais em RDF

Como Publicar Dados Relacionais em RDF Como Publicar Dados Relacionais em RDF Luís Eufrasio T. Neto Mestrado em Ciência da Computação Departamento de Computação Orientadora: Dra. Vânia Vidal Introdução Linked Data: padrão estabelecido como

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTRA DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Miriam Belchior SECRETÁRIA-EXECUTIVA Eva Maria Cella Dal Chiavon

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.3 Web Ontology Language (OWL) Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo

Leia mais

SPARQL: Linguagem de Consulta em Ontologias. I Escola de Ontologias UFAL-USP

SPARQL: Linguagem de Consulta em Ontologias. I Escola de Ontologias UFAL-USP SPARQL: Linguagem de Consulta em Ontologias I Escola de Ontologias UFAL-USP Endhe Elias e Olavo Holanda Núcleo de Excelência em Tecnologias Sociais - NEES Universidade Federal de Alagoas UFAL 2 Por que

Leia mais

Web Semântica e PLN. Paulo Gomes DEI FCTUC

Web Semântica e PLN. Paulo Gomes DEI FCTUC Web Semântica e PLN Paulo Gomes DEI FCTUC 1 Sumário Motivação da Web Semântica Conceitos base da WS WS vs. PLN Sinergias entre WS e PLN Conclusão 2 Motivação Limitações da Web actualmente: Overflow de

Leia mais

JONATHAN SCHNEIDER CRIAÇÃO E CONSUMO DE DADOS NOS PADRÕES DA WEB SEMÂNTICA, UTILIZANDO RDF E JENA

JONATHAN SCHNEIDER CRIAÇÃO E CONSUMO DE DADOS NOS PADRÕES DA WEB SEMÂNTICA, UTILIZANDO RDF E JENA FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO JONATHAN SCHNEIDER CRIAÇÃO E CONSUMO DE DADOS NOS PADRÕES DA

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica

Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Padrões, Ferramentas e Boas Práticas no Desenvolvimento de Software para Web Semântica Ernesto F. Veiga, Márcio V. Oliveira Sena, Renato de F. Bulcão Neto ernestofonseca@inf.ufg.br marciovinicius@inf.ufg.br

Leia mais

EP-RDF: SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS BASEADO EM ONTOLOGIA

EP-RDF: SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS BASEADO EM ONTOLOGIA EP-RDF: SISTEMA PARA ARMAZENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS BASEADO EM ONTOLOGIA Resumo Edeilson Milhomem da Silva1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP / ULBRA),

Leia mais

Linked Data Management. Capítulo 1: Linked Data & the Semantic Web Standards

Linked Data Management. Capítulo 1: Linked Data & the Semantic Web Standards Linked Data Management Capítulo 1: Linked Data & the Semantic Web Standards Carmem Hara 18 de outubro de 2016 Dados na Web Processamento automático de dados da Web: dados com sintaxe e semântica bem definidas

Leia mais

A WEB SEMÂNTICA E SUA APLICABILIDADE NO MEIO ACADÊMICO

A WEB SEMÂNTICA E SUA APLICABILIDADE NO MEIO ACADÊMICO A WEB SEMÂNTICA E SUA APLICABILIDADE NO MEIO ACADÊMICO Graycielli Athanasio Mendes, Ana Carolina Xaves Ferreira, Rafael Couto dos S. Lima mendes.grace@gmail.com, anacarolinaxaves@yahoo.com.br, rafaelcoutolima@yahoo.com.br

Leia mais

FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF

FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF Arlindo L. Boiça Neto 1 ; Leandro H. de M. Oliveira 2 N 0803081 Resumo : Atualmente a descrição de recursos

Leia mais

Web semântica aplicada ao serviço da Consultadoria jurídica - Lei de arrendamento

Web semântica aplicada ao serviço da Consultadoria jurídica - Lei de arrendamento Nelson Rodrigues Web semântica aplicada ao serviço da Consultadoria jurídica - Lei de arrendamento Engenharia Informática Setembro 2010 Web semântica aplicada ao serviço da Consultadoria jurídica - Lei

Leia mais

Web Semântica para Máquinas de Busca

Web Semântica para Máquinas de Busca Web Semântica para Máquinas de Busca Eli Nogueira Milagres Júnior, Elio Lovisi Filho (orientador) Departamento de Ciência da Computação - Faculdade de Ciência da Computação e Comunicação Social (FACICS)

Leia mais

Armazienamento de Dados

Armazienamento de Dados Armazienamento de Dados Bernade'e Farias Lóscio bfl@cin.ufpe.br Agenda Dados x metadados Fontes de dados: de onde os dados podem ser extraídos? Dados abertos: em qual formato publicar? A importância dos

Leia mais

Web de hoje (2.0) Porquê WEB 2.0?

Web de hoje (2.0) Porquê WEB 2.0? WEB 2.0 Conceitos O termo Web 2.0 refere-se a mudança para uma Internet como plataforma e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Segundo Tim O'Reilly, um dos criadores do

Leia mais

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML extensible Markup Language Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML Projetada para transportar e armazenar dados (estruturados) Importante conhecer e fácil de entender Exemplo de documento

Leia mais

5 Exemplos. 5.1. Produção bibliográfica da PUC-Rio

5 Exemplos. 5.1. Produção bibliográfica da PUC-Rio 5 Exemplos Foram desenvolvidas duas aplicações que exemplificam o uso e a utilidade das mudanças feitas no método SHDM e do ambiente de desenvolvimento Synth, apresentadas nas seções a seguir. 5.1. Produção

Leia mais

OWL-DL Propriedades. Tópicos Especiais em Ontologias UTFPR/CPGEI/Prof. Tacla

OWL-DL Propriedades. Tópicos Especiais em Ontologias UTFPR/CPGEI/Prof. Tacla OWL-DL Propriedades Tópicos Especiais em Ontologias UTFPR/CPGEI/Prof. Tacla PROPRIEDADES Propriedades são relações entre dois indivíduos. Tipos de propriedades em OWL Object properties: liga um indivíduos

Leia mais

PUBLICAÇÃO DE PROVENIÊNCIA DE WORKFLOWS NA WEB SEMÂNTICA

PUBLICAÇÃO DE PROVENIÊNCIA DE WORKFLOWS NA WEB SEMÂNTICA PUBLICAÇÃO DE PROVENIÊNCIA DE WORKFLOWS NA WEB SEMÂNTICA Rachel Gonçalves de Castro Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia de Computação e Informação da Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

Serviços Web Semânticos Baseados em RESTful

Serviços Web Semânticos Baseados em RESTful UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA OTÁVIO CALAÇA XAVIER Serviços Web Semânticos Baseados em RESTful Um Estudo de Caso em Redes Sociais Online Goiânia 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

dados abertos cartilha para desenvolvedores

dados abertos cartilha para desenvolvedores dados abertos cartilha para desenvolvedores Esta publicação é um encarte integrante do Manual dos dados abertos: desenvolvedores, resultante do acordo de cooperação técnico-científica entre o Laboratório

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 38 3 Trabalhos Relacionados Existem várias ferramentas de conversão de diferentes fontes de dados em RDF [17]. As principais se concentram na conversão de informações de banco de dados relacionais. Outras

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Definição schemaless or self-describing terms that indicate that there is no separate description of type or structure of the data (Abiteboul S. et al., 1999) Dados que apresentam uma representação estrutural

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML Por Carlos H. Marcondes marcon@vm.uff.br Rio de Janeiro Abril 2008 PROGRAMA 1.Problema, motivações e conceitos 2.Estrutura de um documento XML 1.DTDs, Schemas 2.Folhas

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Ferramentas da Web Semântica Aplicadas à Gestão do Conhecimento Ligado ao Linux

Ferramentas da Web Semântica Aplicadas à Gestão do Conhecimento Ligado ao Linux Ferramentas da Web Semântica Aplicadas à Gestão do Conhecimento Ligado ao Linux Guillaume Barreau UFBA gui@im.ufba.br Motivação Em 10 anos, a Web revolucionou o nosso conceito de informação: Crescimento

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011 XML Básico Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro 17 de maio de 2011 O QUE É? Sigla para extensible Markable Language É uma linguagem de marcação, assim como HTML Desenvolvida para ser auto explicativa

Leia mais

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof.

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos 1 Objetivo Apresentação de modelo conceitual para a integração e recuperação de informações, disponíveis em ambientes internos ou externos,

Leia mais

EDEILSON MILHOMEM DA SILVA RDF E RDQL NA SISTEMATIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS

EDEILSON MILHOMEM DA SILVA RDF E RDQL NA SISTEMATIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS EDEILSON MILHOMEM DA SILVA RDF E RDQL NA SISTEMATIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS Palmas 2004 iii EDEILSON MILHOMEM DA SILVA RDF E RDQL NA SISTEMATIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMAGENS Relatório apresentado como

Leia mais

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML.

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. Relatório do GPES Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. XML Estrutura do documento Um documento XML é uma árvore rotulada onde um nó externo consiste de: [1] Dados de caracteres (uma

Leia mais

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION Andrenizia Aquino Eluan Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Millennium ECO 2.0 (beta)

Millennium ECO 2.0 (beta) MILLENNIUM NETWORK Millennium ECO 2.0 (beta) Documentação Técnica (draft) 10/2013 Este documento contém as instruções para a utilização da biblioteca Millenium_Eco que se presta à comunicação de aplicativos

Leia mais

OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade

OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade Pollyane de Almeida Lustosa 1, Fabiano Fagundes 2, Parcilene F. de Brito 2 1 Acadêmica do curso de Bacharel em Sistemas de Informação

Leia mais

Descrição Semântica de Componentes em Ambiente Virtual 3D

Descrição Semântica de Componentes em Ambiente Virtual 3D Descrição Semântica de Componentes em Ambiente Virtual 3D Léo Manoel Lopes da Silva Garcia Mestrando Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho netogarcia19@gmail.com Diego Colombo Dias Mestrando

Leia mais

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos Principais conceitos Paradigmas de Programação PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA X PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS Paradigma Programação estruturada Na programação estrutura

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Web Semântica

1 Introdução. 1.1 A Web Semântica Introdução 19 1 Introdução 1.1 A Web Semântica A Web Semântica é definida por seus idealizadores como uma extensão da Web atual, onde as informações recebem um significado bem definido, permitindo maior

Leia mais

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias GARCIA, Léo Manoel Lopes da Silva Universidade Estadual Paulista

Leia mais

RDF e RDFS na Infra-estrutura de Suporte à Web Semântica

RDF e RDFS na Infra-estrutura de Suporte à Web Semântica RDF e RDFS na Infra-estrutura de Suporte à Web Semântica GEIZA CRISTINA DA SILVA, TARCÍSIO DE SOUZA LIMA (ORIENTADOR) Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal

Leia mais

TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL

TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL 1 TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL O WEBportugol é uma ferramenta para ajudar você a construir seus primeiros algoritmos e com isso aprender lógica de programação. A ferramenta utiliza uma linguagem chamada

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 3.1 Fundamentos de SPARQL Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo

Leia mais

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação RENATO SULZBACH MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES

Leia mais

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Motivação extensible Markup Language W3C: World Wide Web Consortium http://www.w3.org 1.0 W3C Recommendation, 10/Fev/1998 (inicial) W3C Recommendation, 04/Fev/2004, 3

Leia mais

Criação e Publicação de um Linked Dataset sobre o Simpósio Brasileiro de Banco de Dados

Criação e Publicação de um Linked Dataset sobre o Simpósio Brasileiro de Banco de Dados Universidade Federal de Pernambuco GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Criação e Publicação de um Linked Dataset sobre o Simpósio Brasileiro de Banco de Dados Aluno: Mateus Gondim

Leia mais

LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO. Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto

LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO. Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto Conceitos de Linguagens de Roteiro: Apresentação do plano de ensino; Apresentação do plano de

Leia mais

Bases de Dados Relacional/Objeto e NoSQL. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática

Bases de Dados Relacional/Objeto e NoSQL. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática Bases de Dados Relacional/Objeto e NoSQL Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SGBDs Principais tarefas Gerir grandes volumes de dados Suportar acessos eficientes Garantir

Leia mais

Processamento de dados XML

Processamento de dados XML Processamento de dados XML César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br Outubro de 2000 Resumo Considerações no desenvolvimento de software para processar dados XML. Processamento de uma DTD para interpretar marcação

Leia mais

Conceitos de XBRL e Taxonomia

Conceitos de XBRL e Taxonomia COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO CCONF NÚCLEO DE CONSOLIDAÇÃO E TRANSPARÊNCIA DAS CONTAS PÚBLICAS - NUCOP Conceitos de XBRL e Taxonomia REUNIÃO DO GRUPO TÉCNICOS DE SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

Web Semântica. Bruno Henrique Prybecz, José Ivan Gonçalves Júnior, Thiago Radi Mendes. Orientador: Professor Doutor Bruno Müller Junior

Web Semântica. Bruno Henrique Prybecz, José Ivan Gonçalves Júnior, Thiago Radi Mendes. Orientador: Professor Doutor Bruno Müller Junior Bruno Henrique Prybecz, José Ivan Gonçalves Júnior, Thiago Radi Mendes Web Semântica Trabalho de conclusão do curso de Ciência da Computação. Departamento de Informática, Setor de Ciências Exatas, Universidade

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

LA C Laboratory for Advanced Collaboration

LA C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 1.4 Linked Data Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas LA C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo 1.Apresentar

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

O PROCESSO DE BOLONHA NA WEB SEMÂNTICA

O PROCESSO DE BOLONHA NA WEB SEMÂNTICA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES SISTEMAS DE INFORMAÇÃO O PROCESSO DE BOLONHA NA WEB SEMÂNTICA Eduardo Manuel Moreira

Leia mais

Uso de Padrões Web. maio/2009

Uso de Padrões Web. maio/2009 Uso de Padrões Web maio/2009 Internet e Web, passado, presente e futuro 2 Internet e Web, passado, presente e futuro 3 A Evolução da Web Pré Web Passado web 1.0 Presente web 2.0 Futuro web 3.0 4 A Evolução

Leia mais

Protégé Desenvolvimento de contologias

Protégé Desenvolvimento de contologias Protégé Desenvolvimento de contologias Joel Luis Carbonera jlcarbonera@inf.ufrgs.br Protégé Desenvolvimento de contologias Ontologias Ontologias Termo do domínio da Filosofia A disciplina filosófica preocupada

Leia mais

Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online

Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online (GRH) Acessar o sistema pelo site: http://www.sdas.org.br/ Acessar o sistema com o Usuário: 9999 e Senha: PMG52 Será disponibilizado o ambiente

Leia mais

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Motivação Motivação Motivação Roteiro Introdução Papéis e Responsabilidades Construindo um site

Leia mais

Publicando dados dos docentes do CIn- UFPE na Web de dados

Publicando dados dos docentes do CIn- UFPE na Web de dados Universidade Federal de Pernambuco GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Publicando dados dos docentes do CIn- UFPE na Web de dados Aluno: Gabriela Fernanda Silva de Vasconcelos {gfsv@cin.ufpe.br}

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. SDLink

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. SDLink Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores SDLink Interfaces com o utilizador para ferramentas baseadas em tecnologias da web semântica: uma aplicação

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD Em sua versão inicial, o aplicativo RDB2LOD foi desenvolvido para instalação e execução em ambiente de máquina virtual Java, e oferece suporte aos SGBDs

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Serviços Web Semânticos

Serviços Web Semânticos Serviços Web Semânticos Paulo Vitor Antonini Orlandin paulovitor_e@hotmail.com Resumo O grande crescimento na utilização de Serviços Web torna imprescindível o desenvolvimento de uma forma de melhoria

Leia mais

Web Semântica. Marisa Bräscher 2007

Web Semântica. Marisa Bräscher 2007 Web Semântica Marisa Bräscher 2007 Web contexto atual A característica essencial da Web é sua universalidade. O poder do hyperlink é ligar qualquer coisa a qualquer coisa... A Web desenvolveu-se mais rapidamente

Leia mais

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo.

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. UML - Motivação - O que é um modelo? Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. O que é um modelo? O que é um modelo? O

Leia mais

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Luiz Cláudio Hogrefe Orientador: Prof. Roberto Heinzle, Doutor Roteiro Introdução Fundamentação teórica

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

Ontologias - OWL (Web Ontology Language) Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho

Ontologias - OWL (Web Ontology Language) Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho Ontologias - OWL (Web Ontology Language) Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho Technical Report - RT-INF_004-05 - Relatório Técnico June - 2005 - Junho The contents of this document are the sole

Leia mais

Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada Mestrado Acadêmico

Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada Mestrado Acadêmico Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada Mestrado Acadêmico Luiz Rodrigo Jardim da Silva MSSearch: Busca Semântica de Objetos de Aprendizagem OBAA com Suporte a Alinhamento Automático

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 14/2012

ESTUDO TÉCNICO N.º 14/2012 ESTUDO TÉCNICO N.º 14/2012 MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO ARQUIVO EM FORMATO XML PARA IMPORTAÇÃO DOS DADOS DO REGISTRO MENSAL DE ATENDIMENTOS DOS CRAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados)

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação

Leia mais

ILP - Introdução à Linguagem de Programação. Plano de estudo: - Constantes e variáveis. - Atribuindo valores às variáveis.

ILP - Introdução à Linguagem de Programação. Plano de estudo: - Constantes e variáveis. - Atribuindo valores às variáveis. Plano de estudo: -. - Atribuindo valores às variáveis. - Expressões Na maioria das vezes, precisamos armazenar dados para manipulá-los. Por exemplo, em um escritório de contabilidade, armazenamos os dados

Leia mais

Edgard Luiz Marx. Babel. Um framework extensível para a publicação de RDF de várias fontes de dados utilizando templates. Dissertação de Mestrado

Edgard Luiz Marx. Babel. Um framework extensível para a publicação de RDF de várias fontes de dados utilizando templates. Dissertação de Mestrado 1 Edgard Luiz Marx Babel Um framework extensível para a publicação de RDF de várias fontes de dados utilizando templates Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Representação de Conhecimento Redes Semânticas e Frames

Representação de Conhecimento Redes Semânticas e Frames Representação de Conhecimento Redes Semânticas e Frames Profa. Josiane M. P. Ferreira e Prof. Sérgio R. P. da Silva David Poole, Alan Mackworth e Randy Goebel - Computational Intelligence A logical approach

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.1 Conceitos Básicos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo 1.Discutir

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

INDIAM - UM SISTEMA DE ENSINO PARA AUXILIAR ESTUDANTES NA INTERPRETAÇÃO DE MAMOGRAMAS E DIAGNÓSTICOS DE CÂNCER DE MAMA VIA WEB

INDIAM - UM SISTEMA DE ENSINO PARA AUXILIAR ESTUDANTES NA INTERPRETAÇÃO DE MAMOGRAMAS E DIAGNÓSTICOS DE CÂNCER DE MAMA VIA WEB Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação INDIAM - UM SISTEMA DE ENSINO PARA AUXILIAR ESTUDANTES NA INTERPRETAÇÃO DE MAMOGRAMAS E DIAGNÓSTICOS

Leia mais

Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados

Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados Ana Alice Baptista Altamiro Barbosa Machado 1 Metadados significa, basicamente, dados sobre os dados. Num ambiente caótico como a Internet, os dados

Leia mais

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me.

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me. Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile Roger Alves Prof. Me. Vinícius Maran O que é uma ontologia? Palavra vinda do grego, advinda da união entre

Leia mais

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica 1 Projeto de Software Social ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica Autores: Carlos Alberto Meier Basso Késsia Rita da Costa Marchi Marcelo Rafael Borth Orientador: Prof. Dr. Sérgio

Leia mais

Recuperação de Informações em Documentos Anotados Semanticamente na Área de Gestão Ambiental

Recuperação de Informações em Documentos Anotados Semanticamente na Área de Gestão Ambiental 1 Recuperação de Informações em Documentos Anotados Semanticamente na Área de Gestão Ambiental Celso Araújo Fontes (IME) celsowm@gmail.com Maria Claudia Cavalcanti (IME) yoko@ime.eb.br Ana Maria de Carvalho

Leia mais