Andreia Silva, n.º 4 Andreia Nunes, n.º 5 Clara Simões, n.º 9 Diana Rocha, n.º 11

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Andreia Silva, n.º 4 Andreia Nunes, n.º 5 Clara Simões, n.º 9 Diana Rocha, n.º 11"

Transcrição

1 Escola Secundária Manuel Cargaleiro Biologia Andreia Silva, n.º 4 Andreia Nunes, n.º 5 Clara Simões, n.º 9 Diana Rocha, n.º 11 Fogueteiro, 12 de Novembro de 2006

2 p. 1. Introdução Teórica Procedimento Experimental Material utilizado na Observação da gemulação nas leveduras Material utilizado na Observação da esporulação Descrição da experiência de Observação da gemulação nas leveduras Descrição da experiência de Observação da esporulação nas leveduras Registo de Resultados Discussão Conclusões Bibliografia Avaliação Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/2006 2

3 Com este trabalho pretendemos observar através do M.O.C. (microscópio óptico composto) dois processos de reprodução assexuada, a esporulação (Rhizopus Nigricans) e a gemulação nas leveduras (Sacharomyces Cerevisiae), de forma a compará-los e a compreendê-los. A reprodução assexuada é um processo muito comum na Natureza, que envolve um só progenitor, não havendo intervenção de gâmetas. A fecundação e a meiose estão, portanto, ausentes na reprodução assexuada, pelo que o número de indivíduos aumenta muito rapidamente por mitoses sucessivas, sendo os novos indivíduos geneticamente idênticos ao progenitor. Este tipo de reprodução ocorre nos procariontes, na maioria dos seres vivos unicelulares eucariontes e em alguns organismos multicelulares, como as plantas. Na maioria dos seres unicelulares, tanto eucariontes como procariontes, o processo fundamental de reprodução assexuada é a bipartição, sendo a gemulação o processo fundamental nos celenterados e leveduras. Nas plantas, o método principal de reprodução assexuada é a multiplicação vegetativa por bolbos, rizomas e tubérculos, e a formação de esporos sexuais. Os nossos objectos de estudo foram as leveduras e o bolor do pão que são saprófitas (obtêm os seus nutrientes a partir de tecidos mortos e/ou em decomposição) e pertencem ao reino Fungi. Os fungos são seres vivos eucariontes, unicelulares, como as leveduras, ou pluricelulares, como os fungos filamentosos ou bolores (como o Rhizopus Nigricans), cujos filamentos fúngicos são denominados hifas e cujo conjunto das hifas tem o nome de micélio. Os fungos reproduzem-se sexuadamente e assexuadamente. A reprodução assexuada ocorre devido à fragmentação do micélio ou por produção de esporos. Em alguns fungos, os esporos são produzidos em estruturas especializadas, denominadas esporângios que se formam nas hifas denominadas esporangióforos. As leveduras são fungos unicelulares eucariontes, com uma forma oval, que são influenciados pela presença de oxigénio (O 2 ), já que é este gás que vai determinar o modo como estas obtêm energia, pois caso se encontrem na presença de O 2 estas realizam respiração aeróbia, caso contrário, realizam fermentação alcoólica, pelo que têm uma grande importância a nível industrial, nomeadamente, na produção de pão e bebidas alcoólicas como a cerveja, embora também possam ser prejudiciais à saúde do Homem. Estes seres unicelulares reproduzem-se assexuadamente através de um processo de gemulação ou gemiparidade (a nova célula origina-se de uma protuberância - gema - da célula-mãe) de forma bastante rápida quando em condições favoráveis, ou seja, quando em presença de glicose. O bolor do pão, Rhizopus Nigricans (significa bolor negro do pão) é responsável pela decomposição de alimentos. Estes fungos reproduzem-se assexuadamente através de um processo denominado esporulação, em que os novos seres se originam pela germinação de esporos que se formam nos esporângios, que neste tipo de bolor, têm dimensões muito grandes. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/2006 3

4 2.1. Material utilizado na Observação da gemulação nas leveduras 2g de fermento de padeiro (leveduras); 10g de açúcar amarelo; Água tépida; 1 Matraz; 1 Conta-gotas; Estufa; M.O.C. (microscópio óptico composto); Lâminas; Lamelas Material utilizado na Observação da esporulação Pão; Placa de Petri; Esguicho com água; Agulha de dissecção; Lupa binocular; M.O.C. (microscópio óptico composto); Lâminas; Lamelas Descrição da Experiência de Observação da gemulação nas leveduras 1. Criámos um meio de cultura para as leveduras num matraz, onde misturámos fermento de padeiro, açúcar amarelo e água morna, agitando bem. 2. Colocámos o matraz na estufa, durante duas horas, a uma temperatura de 30ºC. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/2006 4

5 3. Após este tempo, agitámos a mistura, retirando uma gota desta solução, com o auxílio de um contagotas. 4. Colocámos essa gota sobre uma lâmina, que cobrimos com uma lamela. 5. Observámos esta amostra ao M.O.C, na objectiva de 40X., fazendo um esquema legendado da nossa observação Descrição da Experiência de Observação da esporulação 1. Humedecemos um pouco de pão, que tínhamos colocado previamente numa placa de Petri. Deixámos o pão durante alguns dias em contacto com o ar. 2. Tapámos a placa de Petri, colocámo-la num local quente e escuro, para que o bolor se pudesse desenvolver e observar macroscopicamente. 3. Observámos o bolor com o auxílio de uma lupa binocular. 4. Colocámos uma gota de água numa lâmina, sobre a qual colocámos uma porção de bolor, com o auxílio de uma agulha de dissecação. 5. Cobrimos a preparação com uma lamela e observámo-la ao M.O.C., com a objectiva de menor ampliação. 6. Registámos as nossas observações. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/2006 5

6 Nas páginas seguintes seguem-se os registos das observações efectuadas pelos quatro elementos do grupo. Nas folhas estão esquematizados as várias etapas da reprodução assexuada por gemulação nas leveduras (Sacharomyces Cerevisiae) e por esporulação (Rhizopus Nigricans). Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/2006 6

7 Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/2006 7

8 Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/2006 8

9 Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/2006 9

10 Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/

11 Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/

12 Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/

13 As nossas observações incidiram sobre dois tipos de reprodução assexuada, que como já foi referido, é um processo bastante comum na Natureza, em que os novos indivíduos são geneticamente iguais ao seu progenitor. Após termos criado um meio de cultura adequado, com todos os nutrientes necessários para a reprodução das leveduras, nomeadamente, a glicose existente no açúcar amarelo, a qual é degradada pelas Sacharomyces Cerevisiae para produção de energia, foram observadas as várias etapas que constituem o processo de reprodução assexuada que estas efectuam, ou seja, a gemulação ou gemiparidade. A gemulação ou gemiparidade é um processo de reprodução assexuada em que se originam novos indivíduos a partir da formação de uma ou mais dilatações, gemas, que crescem e se destacam, originando um novo indivíduo, que se vai continuar a desenvolver até finalizar o seu crescimento. Neste processo, a célula-mãe mantém a sua individualidade, como pudemos observar através do microscópio óptico composto, em que as leveduras começam a apresentar protuberâncias que se vão desenvolvendo até um determinado ponto, após o qual se separam da célula-mãe e se transformam em indivíduos independentes que vão continuar o seu crescimento até atingirem as dimensões da célula-mãe e puderem reproduzir-se igualmente. Fig. 1 As várias etapas da gemulação nas leveduras. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/

14 No que respeita ao bolor do pão, este reproduz-se assexuadamente através de um processo de esporulação. Fig. 2 - Microfotografia de Rhizopus nigricans e sua representação esquemática. A esporulação é um processo de reprodução assexuada que compreende a formação de células reprodutoras especializadas os esporos que, quando sujeitas a condições favoráveis de humidade, germinam, originando cada uma delas um novo indivíduo. Os esporos são estruturas excelentes para a dispersão geográfica formando-se, em grandes quantidades, nos esporângios que são estruturas leves que possuem uma parede muito espessa e, assim sendo, resistente, capaz de suportar condições ambientais desfavoráveis. Foi-nos possível observar através da lupa binocular a estrutura completa do bolor do pão, nomeadamente, o micélio com as suas hifas e esporângios. Relativamente à observação através do microscópio óptico composto, conseguimos observar, com a objectiva de menor ampliação, o micélio com as suas hifas e esporângios esverdeados de grandes dimensões. Junto aos esporângios foi-nos ainda possível observar alguns esporos que tinham sido libertados. Fig. 3 Representação esquemática do processo de esporulação. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/

15 Este trabalho permitiu constatar que nos processos de reprodução assexuada não há fecundação nem meiose, não existindo também gâmetas, pelo que os novos indivíduos são originados de um único progenitor, por mitose, pelo que os novos indivíduos são geneticamente idênticos ao progenitor. Este tipo de reprodução tem vantagens em termos de rapidez de colonização, contundo não contribui para a variabilidade genética. A reprodução assexuada nos fungos pode fazer-se através de dois processos: a esporulação e a gemulação. Tanto na esporulação como na gemulação, os novos indivíduos são criados através de processos mitóticos, pelo que são geneticamente idênticos ao organismo inicial. Para além disto, os novos indivíduos formam-se sem perda de individualidade por parte do organismo inicial. Relativamente aos dois processos reprodutivos em si, estes apresentam diversas diferenças, pois no caso da esporulação formam-se células especiais (esporos) que após germinação originam um novo ser, enquanto que na gemulação os novos indivíduos obtém-se a partir de dilatações (gemas) que crescem e se separam da célula-mãe. Estas diferenças relativamente ao processo de reprodução assexuada e nas leveduras, deve-se às diferenças que estes dois tipos de fungos têm a nível morfológico, pois enquanto que o bolor do pão apresenta um aspecto filamentoso, as leveduras apresentam uma forma oval. Podemos então concluir que embora as leveduras e o bolor do pão pertençam ao mesmo reino (Reino Fungi) ambos têm estruturas morfológicas diferentes, assim como formas distintas de se reproduzirem. Todos os resultados obtidos correspondem aos previstos inicialmente, tendo todos os objectivos sido cumpridos. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/

16 Educom (2005), Esporulação, acedido em Novembro 10, 2006 em Getty Images (2006), Yeasts, acedido em Novembro 12, 2006 em ch=yeasts&selimagetype=7&chklicensed=on&chkroyaltyfree=on&chknlm=on Getty Images (2006), Yeasts, acedido em Novembro 12, 2006 em rch=yeasts&selimagetype=7&chklicensed=on&chkroyaltyfree=on&chknlm=on Susana (2006), Reprodução assexuada, acedido em Novembro 10, 2006 em Wikipédia (2006), Gemulação, acedido em Novembro 10, 2006 em Salsa, J. (2004), A reprodução nos seres vivos, acedido em Novembro 10, 2006 em Universidade Federal de Santa Catarina (2006), Leveduras, acedido em Novembro 12, 2006 em Universidade Federal de Santa Catarina (2006), Fungos, acedido em Novembro 12, 2006 em Infopédia (2006), Reprodução assexuada, acedido em Novembro 10, 2006 em Infopédia (2006), Gemulação, acedido em Novembro 10, 2006 em Infopédia (2006), Gemiparidade, acedido em Novembro 10, 2006 em Infopédia (2006), Reino dos Fungos, acedido em Novembro 10, 2006 em Infopédia (2006), Saprófitas, acedido em Novembro 10, 2006 em Infopédia (2006), Levedura, acedido em Novembro 10, 2006 em Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/

17 Nota: Nota comunicacional: Observações:. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2005/

ACTIVIDADE LABORATORIAL

ACTIVIDADE LABORATORIAL Escola Secundária com 3º Ciclo de Romeu Correia BIOLOGIA E GEOLOGIA 11º ANO Protocolo Experimental: Observação de Gemulação em Leveduras Nome: Turma: Nº: Data: Reprodução Assexuada em Leveduras As leveduras

Leia mais

Parede celular. Membrana celular

Parede celular. Membrana celular 1. A célula como Unidade Básica de Vida A célula é a unidade básica da vida, uma vez que todos os seres vivos são formados por células. De acordo com o número de células, os seres vivos podem classificar-se

Leia mais

ACÇÃO DOS DECOMPOSITORES DO SOLO

ACÇÃO DOS DECOMPOSITORES DO SOLO Escola Secundária do Padre António Martins Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Biologia ACÇÃO DOS DECOMPOSITORES DO SOLO Pedro Pinto Nº 14 11ºA 16/12/2003 Índice Introdução... 3 Acção dos Decompositores

Leia mais

A reprodução permite a perpetuação da espécie, mas não a sobrevivência do indivíduo.

A reprodução permite a perpetuação da espécie, mas não a sobrevivência do indivíduo. REPRODUÇÃO A reprodução é uma função característica dos seres vivos que permite o aparecimento de novos indivíduos, através da divisão celular. A reprodução permite a perpetuação da espécie, mas não a

Leia mais

CONHEÇA OS FUNGOS E BACTÉRIAS

CONHEÇA OS FUNGOS E BACTÉRIAS Fungo ou Cogumelo CONHEÇA OS FUNGOS E BACTÉRIAS O termo fungo, em sentido lato, designa os talófitos aclorofilados, isto é, as bactérias ou esquizimicófitas, os fungos mucosos, mixomicetes ou mixomicófitas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS CARACTERÍSTICAS GERAIS Todos são Eucariontes; Unicelulares ou Pluricelulares; Todos são Heterótrofos: Digestão extracorpórea. Reserva Energética Glicogênio; Parede celular Quitina; Habitat: Quente Úmido

Leia mais

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Ficha de Trabalho Experimental - (versão professor) Ano lectivo: 10ºano Turma: Data: Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Pré-requisitos Operacionais: ter noções básicas de manuseamento

Leia mais

MICOLOGIA. Mycos = fungos/cogumelos

MICOLOGIA. Mycos = fungos/cogumelos Micologia ramo da biologia que estuda os fungos. Componente Curricular: Microbiologia e Parasitologia I Profª Mônica I. Wingert Módulo II Turma 201E MICOLOGIA Mycos = fungos/cogumelos FUNGOS Os fungos

Leia mais

Tema 5. Crescimento e renovação celular. UNIDADE 1. Crescimento e renovação celular

Tema 5. Crescimento e renovação celular. UNIDADE 1. Crescimento e renovação celular Tema 5. Crescimento e renovação celular Crescimento e renovação celular Distinção entre DNA e RNA quanto às suas características estruturais e funcionais. Reconhecimento de que os organismos necessitam

Leia mais

Observação Microscópica de células

Observação Microscópica de células ESCOLA SECUNDÁRIA/3 MORGADO MATEUS Biologia e Geologia (Ano I) Relatório da Actividade Experimental Observação Microscópica de células Professora: Sónia Leandro Trabalho elaborado por: Joana Pires, nº14-10ºb

Leia mais

Características da imagem em microscopia ótica

Características da imagem em microscopia ótica Escola Secundária Jaime Moniz Relatório n.º1 Características da imagem em microscopia ótica Autor: Ana Luísa 10.º7 n.º3 Disciplina: Biologia e Geologia Data de realização: 01/02/2012 Ano Letivo: 2011/2012

Leia mais

FUNGOS. http://danutaw.webnode.com.br

FUNGOS. http://danutaw.webnode.com.br FUNGOS CARACTERÍSTICAS GERAIS - Eucarióticos; - Heterotróficos - Nutrição por absorção; - Uni ou pluricelular * leveduriforme (sem micélio) * hifas: filamentos tubulares ramificados, com crescimento apical

Leia mais

Biologia e Geologia (Ano II)

Biologia e Geologia (Ano II) Biologia e Geologia (Ano II) Resumo da segunda parte da Matéria de Biologia 11º Ano O Essencial sobre a Reprodução Assexuada e Sexuada Em 17 Páginas Autor: Objectivos propostos: Identificar estratégias

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB E.S. de Valença Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB Valença, 26 de Outubro de 2003 Índice Pág.1 Índice Pág.2 Introdução Pág.3 Material utilizado Pág.4 Procedimentos Pág.5, 6 e 7

Leia mais

Monera. Protista. Fungi. Plantae. Animalia. Tipo de nutrição. Exemplos. Organização celular. Reino / Critério. Autotróficos. Procariontes Unicelulares

Monera. Protista. Fungi. Plantae. Animalia. Tipo de nutrição. Exemplos. Organização celular. Reino / Critério. Autotróficos. Procariontes Unicelulares Reinos e Domínios. Em 1969 Robert Whittaker agrupou os seres vivos em 5 reinos: 1. Monera 2. Protista 3. Fungi 4. Plantae ou Metaphyta 5. Animalia ou Metazoa. Recentemente os seres vivos têm sido agrupados

Leia mais

Resistência de Bactérias a Antibióticos Catarina Pimenta, Patrícia Rosendo Departamento de Biologia, Colégio Valsassina

Resistência de Bactérias a Antibióticos Catarina Pimenta, Patrícia Rosendo Departamento de Biologia, Colégio Valsassina Resistência de Bactérias a Antibióticos Catarina Pimenta, Patrícia Rosendo Departamento de Biologia, Colégio Valsassina Resumo O propósito deste trabalho é testar a resistência de bactérias (Escherichia

Leia mais

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa)

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 29

Leia mais

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião)

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) O que se pretende 1. Seleccionar material adequado à observação de células eucarióticas vegetais 2.

Leia mais

BIOLOGIA E GEOLOGIA 11ºA 05/12/2013 Versão 1 GRUPO I

BIOLOGIA E GEOLOGIA 11ºA 05/12/2013 Versão 1 GRUPO I BIOLOGIA E GEOLOGIA 11ºA 05/12/2013 Versão 1 02 GRUPO I Veneno de cobra africana usado para produzir analgésico Segundo um estudo realizado pela Universidade de Nice (França), o veneno da cobra africana

Leia mais

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia.

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. Questão 01 B100010RJ Observe o esquema abaixo. 46 23 46 23 46 23 23 Disponível em: . Acesso

Leia mais

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA Laranjeiras do Sul: Rua 7 de Setembro, 1930. Fone: (42) 3635 5413 Quedas do Iguaçu: Pça. Pedro Alzide Giraldi, 925. Fone: (46) 3532 3265 www.genevestibulares.com.br / contato@genevestibulares.com.br PROFESSOR

Leia mais

Ciclos de Vida Unidade e diversidade

Ciclos de Vida Unidade e diversidade Aula nº 24_12-Nov Prof. Ana Reis 2008 Ciclos de Vida Unidade e diversidade Unidade vs. Diversidade dos ciclos de vida Uma das características inerentes aos seres vivos é a sua capacidade de reprodução.

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Assunto: Organelas citoplasmáticas

Leia mais

REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES

REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES Reprodução: Mecanismo pelo qual os seres vivos se multiplicam. Duas modalidades de reprodução: SEXUADA ASSEXUADA REPRODUÇÃO SEXUADA Eventos fundamentais:

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS NATURAIS DISCIPLINA: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS NATURAIS DISCIPLINA: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS NATURAIS DISCIPLINA: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º ANO... BIOLOGIA Objetivos / Finalidades Competências procedimentais e atitudinais Competências concetuais Estratégias Tempo 1 Conhecer

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB E.S. de Valença Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB Valença, 26 de Outubro de 2003 Índice Pág.2 Introdução Pág.3 e 4 Material utilizado e procedimentos efectuados nas experiências

Leia mais

Mitose e Meiose. Trabalho realizado por Ana Catarina Cúcio, nº 36088 Catarina Maia, nº 38365 Mafalda Pereira, nº 37533

Mitose e Meiose. Trabalho realizado por Ana Catarina Cúcio, nº 36088 Catarina Maia, nº 38365 Mafalda Pereira, nº 37533 Genetica e Selecção em Aquacultura Mestrado em Biologia Marinha Universidade do Algarve Mitose e Meiose Trabalho realizado por Ana Catarina Cúcio, nº 36088 Catarina Maia, nº 38365 Mafalda Pereira, nº 37533

Leia mais

CONCEITOS GERAIS DE MICROBIOLOGIA

CONCEITOS GERAIS DE MICROBIOLOGIA CONCEITOS GERAIS DE MICROBIOLOGIA Prof. Sharline Florentino de Melo Santos UFPB CT - DEQ PRINCIPAIS ESQUEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ORGANISMOS VIVOS Esquema de classificação Reinos Linnaeus (1753) Plantae

Leia mais

Reprodução Sexuada Meiose e Fecundação

Reprodução Sexuada Meiose e Fecundação Reprodução Sexuada Meiose e Fecundação Aula nº 15 a 22/Out Aula nº 17 a 27/Out Aula nº 20 a 3/Nov Prof. Ana Reis2008 E há mais! Para tornar fecunda uma perdiz, basta que ela se encontre sob o vento: muitas

Leia mais

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br A célula é a menor unidade estrutural básica do ser vivo. A palavra célula foi usada pela primeira vez em 1667 pelo inglês Robert Hooke. Com um microscópio muito

Leia mais

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 3 de Dezembro

Leia mais

BOTÂNICA PARTE I Ramo da biologia que estuda as plantas. Briófita & Pteridófita

BOTÂNICA PARTE I Ramo da biologia que estuda as plantas. Briófita & Pteridófita BOTÂNICA PARTE I Ramo da biologia que estuda as plantas. Briófita & Pteridófita BOTÂNICA (Reino Plantae) Para pertencer ao grupo das plantas o organismo deve: Ter raiz, caule e folha; Ser autótrofo fotossintetizante

Leia mais

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO)

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO) EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO) 1- Uma das etapas do ciclo de vida é o processo da reprodução. O comportamento reprodutivo varia muito entre os seres vivos e é por meio dele que uma espécie de ser vivo

Leia mais

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool.

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Microorganismos são fontes ricas de produtos naturais, podem ser usadas como combustíveis, produtos químicos: polímeros e drogas. A habilidade de manipular

Leia mais

Aula 2 Os vegetais Talófita : Briófitas: Pteridófita:

Aula 2 Os vegetais Talófita : Briófitas: Pteridófita: Aula 2 Os vegetais O reino Plantae (ou Metaphyta) está representado por uma enorme diversidade de espécies, como algas, musgos, samambaias, pinheiros, mangueiras. São classificadas de acordo com a presença

Leia mais

CIÊNCIAS DESCRITORES

CIÊNCIAS DESCRITORES CIÊNCIAS DESCRITORES 1. BIMESTRE - 2015 4.º ANO Identificar a permeabilidade nos diferentes tipos de solo. Identificar a presença de água no interior do corpo dos seres vivos. Identificar as condições

Leia mais

Introdução à Biologia Celular e Molecular. Profa. Luciana F. Krause

Introdução à Biologia Celular e Molecular. Profa. Luciana F. Krause Introdução à Biologia Celular e Molecular Profa. Luciana F. Krause Níveis de organização Desenvolvimento da Teoria Celular Século XVII desenvolvimento das lentes ópticas Robert Hooke (1665) células (cortiça)

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 01/014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Projeto Educativo e Programa de Biologia e Geologia do 11ºano ENSINO SECUNDÁRIO BIOLOGIA

Leia mais

Diversidade e Evolução dos Organismos Fotossintetizantes (Módulo II) Continuação BRIÓFITAS

Diversidade e Evolução dos Organismos Fotossintetizantes (Módulo II) Continuação BRIÓFITAS Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Biológicas Departamento de Botânica Diversidade e Evolução dos Organismos Fotossintetizantes (Módulo II) Continuação BRIÓFITAS Plantas: a ocupação

Leia mais

Apostila de Biologia 02 Reprodução Comparada

Apostila de Biologia 02 Reprodução Comparada Apostila de Biologia 02 Reprodução Comparada 1.0 Reprodução É o processo através do qual o ser vivo dá origem a outros indivíduos da mesma espécie que ele. Pode ser: Assexuada: quando não ocorre troca

Leia mais

REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES

REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES Reprodução: Mecanismo pelo qual os seres vivos se multiplicam. Duas modalidades de reprodução: SEXUADA ASSEXUADA REPRODUÇÃO SEXUADA Eventos fundamentais:

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos.

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Ficha Sumativa Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos Tema 2 - Terra em transformação Bloco de trabalho 4 - A descoberta das células O microscópio Unidade do mundo vivo -

Leia mais

COLÉGIO SANTA CLARA. Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula

COLÉGIO SANTA CLARA. Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula COLÉGIO SANTA CLARA Disciplina:Ciências Ficha nº: Data: / / Trimestre Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula Como produzir um relatório de aula prática Durante a aula prática, você deve anotar cuidadosamente

Leia mais

II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA

II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA FINAL 14 de Maio de 2007 Nas folhas de respostas preencha o cabeçalho com os seus dados e os da escola que representa. A prova tem a duração de 30 minutos. Cada resposta

Leia mais

Esse raciocínio é correto e não serve apenas para a espécie humana. Todas as espécies de seres vivos realizam a reprodução para a continuação da vida.

Esse raciocínio é correto e não serve apenas para a espécie humana. Todas as espécies de seres vivos realizam a reprodução para a continuação da vida. Você sabe qual é a importância da reprodução humana? Se alguém lhe perguntasse isso você responderia rapidamente: Para a manutenção ou perpetuação da espécie. Esse raciocínio é correto e não serve apenas

Leia mais

Prova de Avaliação de Capacidade & Prova Específica de Avaliação de Conhecimentos

Prova de Avaliação de Capacidade & Prova Específica de Avaliação de Conhecimentos Prova de Avaliação de Capacidade & Prova Específica de Avaliação de Conhecimentos Prova Escrita de Biologia Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março/ Nº2 do artigo 6º do Regulamento dos Tesp da Ualg. Prova

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Instituto Politécnico de Lisoba MODELO DE QUESTÕES DA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Instituto Politécnico de Lisoba MODELO DE QUESTÕES DA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Instituto Politécnico de Lisoba MODELO DE QUESTÕES DA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA Concurso especial para maiores de 23 anos Ano Lectivo 2009/2010 NOTA:

Leia mais

CITOLOGIA *ESTUDA A CÉLULA *MENOR PORÇÃO ORGANIZADA DOS SERES VIVOS *UNIDADE DE CONSTITUIÇÃO DOS SERES VIVOS * ALICERCE DA BIOLOGIA

CITOLOGIA *ESTUDA A CÉLULA *MENOR PORÇÃO ORGANIZADA DOS SERES VIVOS *UNIDADE DE CONSTITUIÇÃO DOS SERES VIVOS * ALICERCE DA BIOLOGIA CITOLOGIA Prof. Jefferson Almeida *ESTUDA A CÉLULA *MENOR PORÇÃO ORGANIZADA DOS SERES VIVOS *UNIDADE DE CONSTITUIÇÃO DOS SERES VIVOS * ALICERCE DA BIOLOGIA Histórico 1591 Inventado o microscópio por 2

Leia mais

ATIVIDADES DE REVISÃO PARA AVALIAÇÃO FINAL. Professor (a): Aline Tonin Ano /Série: 7º ano Componente Curricular: Ciências 17A,17B, 17C, 17D e E.

ATIVIDADES DE REVISÃO PARA AVALIAÇÃO FINAL. Professor (a): Aline Tonin Ano /Série: 7º ano Componente Curricular: Ciências 17A,17B, 17C, 17D e E. ATIVIDADES DE REVISÃO PARA AVALIAÇÃO FINAL Professor (a): Aline Tonin Ano /Série: 7º ano Componente Curricular: Ciências Turma: 17A,17B, 17C, 17D e E. Lista dos conteúdos Características dos Seres Vivos

Leia mais

A principal função da flor numa planta é a de reprodução. As flores de uma planta são constituídas por (Figura 1):

A principal função da flor numa planta é a de reprodução. As flores de uma planta são constituídas por (Figura 1): 1. Reprodução das plantas com flor 1.1. Flor principal função da flor numa planta é a de reprodução. s flores de uma planta são constituídas por (Figura 1): Figura 1 onstituição de uma flor completa de

Leia mais

Raniê Ralph Microbiologia Quarta-feira, 13 de dezembro de 2006. Profa Mariceli. Introdução à Micologia. Características gerais dos fungos

Raniê Ralph Microbiologia Quarta-feira, 13 de dezembro de 2006. Profa Mariceli. Introdução à Micologia. Características gerais dos fungos Quarta-feira, 13 de dezembro de 2006. Profa Mariceli. Introdução à Micologia. Características gerais dos fungos Seres heterotróficos, constituídos por células eucarióticas, não fotossintetizantes e que

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

O QUE É SER VIVO? Matéria bruta. Ser vivo vida o que existe. ou Ser in animado ativo prefixo de negação o que existe

O QUE É SER VIVO? Matéria bruta. Ser vivo vida o que existe. ou Ser in animado ativo prefixo de negação o que existe Seres Vivos O QUE É SER VIVO? Ser vivo vida o que existe Matéria bruta ou Ser in animado ativo prefixo de negação o que existe O que é vida? Em 1959 Norman Horowitz afirmou que a vida caracteriza-se por

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino SISTEMA REPRODUTOR A reprodução é de importância tremenda para os seres vivos, pois é por meio dela que os organismos transmitem suas características hereditariamente e garantem a sobrevivência de suas

Leia mais

Escola Secundária Manuel Cargaleiro

Escola Secundária Manuel Cargaleiro Escola Secundária Manuel Cargaleiro Curso Científico- Natural (Experiência realizada no dia 25/01 e no dia 01/02) Este trabalho foi elaborado por: - Pedro Valverde n.º14 - Pedro Andrez n.º15 10ºano turma

Leia mais

BIOLOGIA. 02 A afirmação O tecido ósseo pode ser citado como o único exemplo de tecido que não possui células vivas pode ser classificada como

BIOLOGIA. 02 A afirmação O tecido ósseo pode ser citado como o único exemplo de tecido que não possui células vivas pode ser classificada como BIOLOGIA 01 O crescimento externo dos artrópodes ocorre pelo processo denominado ecdise, caracterizado pela troca do exoesqueleto. Assinale o gráfico que melhor representa o crescimento desses animais.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO Planeamento Curricular referente ao 1 º Período Ano e Turma 5º Disciplina Ciências Naturais Prof. (a) N.º Aulas Previstas Domínio: ÁGUA, O AR, AS ROCHAS

Leia mais

Objectivos pedagógicos

Objectivos pedagógicos Programa de Ciências da Natureza 6º Ano Tema: Ambiente de Vida Capítulo II- Agressões do meio e integridade do organismo 1) Os Micróbios O capítulo 1.2, Micróbios Inofensivos, chama a atenção para o facto

Leia mais

A salicórnia e o junco diferentes mas iguais

A salicórnia e o junco diferentes mas iguais 13 A salicórnia e o junco diferentes mas iguais E13-1 o que necessitas recolher na marinha da troncalhada um exemplar de salicórnia e um exemplar de junco microscópio óptico bisturi lupa pipeta conta-gotas

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. As fotografias

Leia mais

Data: /08/14 Bimestr e:

Data: /08/14 Bimestr e: Data: /08/14 Bimestr e: 2 Nome : Disciplina Ciências : Valor da Prova / Atividade: Professo r: 7 ANO N º Ângela Nota: Objetivo / Instruções: Lista de Recuperação 1.Como é a reprodução dos fungos? Assinale

Leia mais

Tradicionalmente, as plantas têm sido divididas em dois grandes grupos:

Tradicionalmente, as plantas têm sido divididas em dois grandes grupos: INTRODUÇÃO À BOTÂNICA CARACTERÍSTICAS GERAIS O Reino vegetal reúne as plantas ou vegetais, tais como, musgos, samambaias, pinheiros, árvores, arbustos, etc. São organismos eucariontes, multicelulares e

Leia mais

3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº

3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº . 3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº Valor: 10 Nota:. 1. (Uel 2015) Leia o texto a seguir. Quando se fala em divisão celular, não

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Os esquemas representam três rotas metabólicas possíveis, pelas quais a glicose é utilizada como fonte de energia. a) Quais rotas ocorrem em ambiente totalmente anaeróbico? b) Cite dois grupos

Leia mais

Questão 89. Questão 91. Questão 90. alternativa A. alternativa E

Questão 89. Questão 91. Questão 90. alternativa A. alternativa E Questão 89 O esquema representa o sistema digestório humano e os números indicam alguns dos seus componentes. Nível de açúcar no sangue mg/100ml 200 150 100 50 B A 0 1 2 3 4 5 Número de horas após a alimentação

Leia mais

FUNGOS FITOPATOGÊNICOS CHYTRÍDEOS. Chytrídeos - Organismos pertencentes ao Domínio Eukarya, Superreino

FUNGOS FITOPATOGÊNICOS CHYTRÍDEOS. Chytrídeos - Organismos pertencentes ao Domínio Eukarya, Superreino UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENTOMOLOGIA E FITOPATOLOGIA ÁREA DE FITOPATOLOGIA IB 237 (PATOLOGIA FLORESTAL) Atualizado em 05/04/2015 Prof. Associado,

Leia mais

Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi);

Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi); Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi); Cromoplastos e grãos de licopénio

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS REINO FUNGI CARACTERÍSTICAS GERAIS São os bolores, os mofos, cogumelos, leveduras (fermento biológico) e orelhas de pau; Podem ser uni ou pluricelulares. Todos são eucariontes e imóveis; Todos são heterotróficos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA M23-2015

PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA M23-2015 PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA M23-2015 Nome: Data: / / Curso pretendido: ASSINALAR A RESPOSTA CORRETA NA FOLHA DE RESPOSTA 1. Os centríolos exercem importantes funções no processo de: a) Transporte intracelular.

Leia mais

25/03/2013. Características gerais dos animais REINO ANIMALIA. Principais filos. Desenvolvimento embrionário

25/03/2013. Características gerais dos animais REINO ANIMALIA. Principais filos. Desenvolvimento embrionário Características gerais dos animais Eucariontes; Pluricelulares; Heterótrofos; Simetria bilateral, radial ou assimétricos; REINO ANIMALIA CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS ANIMAIS Principais filos Porífera: esponjas;

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Água, o ar, as rochas e o solo - materiais terrestres, o aluno deve ser capaz de: Compreender a Terra como um planeta especial

Leia mais

REINOS REINO FUNGI CÉLULA FÚNGICA FUNGOS MORFOLOGIA REPRODUÇÃO TAXONOMIA MORFOLOGIA - IMPORTÂNCIA

REINOS REINO FUNGI CÉLULA FÚNGICA FUNGOS MORFOLOGIA REPRODUÇÃO TAXONOMIA MORFOLOGIA - IMPORTÂNCIA REINO FUNGI =S R.PLANTAE =S R.ANIMALIA REINOS VEGETALIA FUNGI ANIMALIA NÃO CLOROFILA NÃO CELULOSE NÃO AMIDO QUITINA GLICOGÊNIO FOTOS- SÍNTESE ABSORÇÃO INGESTÃO MULTI- CELULARES PROTISTA ALGAS PROTO- ZOÁRIOS

Leia mais

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA Estudo da composição dos solos A turfa 10-10-2000 Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA INTRODUÇÃO Os solos são sistemas trifásicos pois são constituídos por componentes sólidos, líquidos e gasosos. Cerca

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS MICRORGANISMOS

CLASSIFICAÇÃO DOS MICRORGANISMOS CONSULTAR Disciplina: Microbiologia Geral CLASSIFICAÇÃO DOS MICRORGANISMOS Microbiologia Tortora, G. J.; Funke, B. R.; Case, C. L.. Capítulo 1 Pag. 2-6 Capítulo 2 Pag. 276-284 Classificação dos microrganismos

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Currículo Nacional do Ensino Básico Competências essenciais 2º CICLO CIÊNCIAS NATURAIS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES ESCOLA SECUNDÁRIA CAMILO CASTELO BRANCO V. N. FAMALICÃO ACÇÃO DE FORMAÇÃO UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Correcção Formador: Professor Vítor Duarte Teodoro Formanda: Maria do Céu da Mota Rocha

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA Prof. Salomão profsalomao@gmail.com PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM Sem Mês Início Término CH 1ª FEV 7 11 3 ASSUNTO: ASPECTOS

Leia mais

EsEscola Básica 2.3 de Pedro de Santarém Ano Lectivo: 2010/2011 5º Ano Planificação Anual de Ciências da Natureza

EsEscola Básica 2.3 de Pedro de Santarém Ano Lectivo: 2010/2011 5º Ano Planificação Anual de Ciências da Natureza Preparar e organizar o trabalho a realizar com os. Reconhecer a diversidade de ambientes e de seres vivos existentes na Biosfera. Compreender as relações entre as características dos organismos e os ambientes

Leia mais

Várias classificações já foram propostas. Adotaremos a classificação proposta por Whittaker e adotada pelo naturalista sueco Lineu (1707-1778).

Várias classificações já foram propostas. Adotaremos a classificação proposta por Whittaker e adotada pelo naturalista sueco Lineu (1707-1778). NOMENCLATURA CIENTÍFICA E AS CATEGORIAS TAXONÔMICAS Nome científico de uma espécie Para escrevermos o nome científico de uma espécie, utilizamos as regras propostas por Lineu: 1. O nome deve ser escrito

Leia mais

Escola Secundária de Forte da Casa

Escola Secundária de Forte da Casa Escola Secundária de Forte da Casa Informação - Prova de Equivalência à Frequência / 2012 2013 (Decreto Lei nº 139/2012, de 5 de Julho e Portaria nº 243/2012, de 10 de agosto) 12ºAno Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

Reino Fungi Características gerais Classificação Associações. Introdução Exemplos REINO FUNGI

Reino Fungi Características gerais Classificação Associações. Introdução Exemplos REINO FUNGI Introdução Exemplos REINO FUNGI Introdução Exemplos Introdução Morfologia Nutrição e excreção Respiração Reprodução Aclorofilados; Parede celular de quitina; Glicogênio como principal molécula energética;

Leia mais

REPRODUÇÃO COMPARADA. Sérgio Magalhães

REPRODUÇÃO COMPARADA. Sérgio Magalhães REPRODUÇÃO COMPARADA Sérgio Magalhães REPRODUÇÃO É o processo através do qual o ser vivo dá origem a outros indivíduos da mesma espécie que ele. Pode ser: Assexuada: quando não ocorre troca nem recombinação

Leia mais

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo Experimento 10: Fermentação Docente Sala (lab) Grupo 1 Experimento 10: Fermentação Introdução A glicose é uma importante molécula utilizada no metabolismo de diversos organismos para gerar energia. Em

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

Biologia Celular. Exercícios Objetivos

Biologia Celular. Exercícios Objetivos Exercícios Objetivos 1. (2000) Em um organismo, células musculares e células nervosas diferem principalmente por: (a) possuírem genes diferentes. (b) possuírem ribossomos diferentes. (c) possuírem cromossomos

Leia mais

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.)

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Escola Básica 2,3/S Michel Giacometti Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Data de Entrega: Dia 2 de Fevereiro de 2010 Autor: Telmo Daniel Roseiro Rodrigues, Nº

Leia mais

Reino Protista (aula II) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com

Reino Protista (aula II) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Reino Protista (aula II) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Reino Protista Relembrando! Eucariontes Autótrofos ou heterótrofos; De vida livre, ou dentro de algum organismo, Parasita, mutualista

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA Caderno N0901 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2 BIMESTRE Ciências 9 ano do Ensino Fundamental Nome do Aluno(a): Orientações Você está recebendo um caderno com 27 questões. Você dispõe de 2 horas para responder a

Leia mais

COLÉGIO DE APLICAÇÃO ENSINO MÉDIO - ATIVIDADES Biologia - Prof. Che 10.04.13

COLÉGIO DE APLICAÇÃO ENSINO MÉDIO - ATIVIDADES Biologia - Prof. Che 10.04.13 COLÉGIO DE APLICAÇÃO ENSINO MÉDIO - ATIVIDADES Biologia - Prof. Che 10.04.13 Aluno(a) 2º. ano - nº. 01. (URCA) Os fungos classificados em um reino aparte (Reino Fungi) ) e, portanto, não podem ser considerados

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA. Nome:

PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA. Nome: PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS BIOLOGIA 13/06/2011 Nome: 1. Classifique as afirmações seguintes como verdadeira (V) ou falsa (F): a) A espermatogénese é um processo contínuo, com inicio

Leia mais

Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Biociências e Biotecnologia Laboratório de Biotecnologia. Cianobactérias

Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Biociências e Biotecnologia Laboratório de Biotecnologia. Cianobactérias Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Biociências e Biotecnologia Laboratório de Biotecnologia Cianobactérias Disciplina: Biologia dos Vegetais Inferiores Coordenadora: Dra. Denise Dagnino

Leia mais

O núcleo celular é uma estrutura presente nas células eucarióticas, que contém o DNA da célula. denominado interfase (núcleo interfásico).

O núcleo celular é uma estrutura presente nas células eucarióticas, que contém o DNA da célula. denominado interfase (núcleo interfásico). NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR O núcleo celular é uma estrutura presente nas células eucarióticas, que contém o DNA da célula. Período em que a célula não se encontra em divisão é denominado

Leia mais

Questão 01 Gabarito: 27 Comentário

Questão 01 Gabarito: 27 Comentário Questão 01 Gabarito: 27 Biologia 01. Correta, pois essa é a definição de metabolismo basal, que consiste nas reações que garantem a sobrevivência do indivíduo e dos seus tecidos. 02. Correta, uma vez que

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais