E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB"

Transcrição

1 E.S. de Valença Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB Valença, 26 de Outubro de 2003

2 Índice Pág.1 Índice Pág.2 Introdução Pág.3 Material utilizado Pág.4 Procedimentos Pág.5, 6 e 7 Resultados Pág.8 Discussão de resultados Pág.9 Conclusão Pág.10 Bibliografia Pág.11 - Anexos 1

3 Introdução Schleiden e Schwann foram os grandes cientistas que criaram a teoria celular (que permitiu grandes avanços ao nível da ciência), defendendo esta que a célula é a unidade básica estrutural e funcional de todos os seres vivos, que todas as células provêm de células pré-existentes e que a célula é a unidade de reprodução, de desenvolvimento e de hereditariedade dos seres vivos. Os seres vivos podem ser unicelulares ou pluricelulares. Os seres unicelulares são compostos por uma só célula, capaz de realizar todas as funções vitais, enquanto que os pluricelulares são constituídos por várias células, por vezes organizadas em tecidos diferenciados, e especializadas em diversas funções. Contudo, as células apresentam uma grande diversidade morfológica e funcional. As células mais simples são as células procarióticas que estão representadas pelas bactérias e cinobactérias. Temos também as células com uma estrutura mais complexa, denominadas células eucarióticas. Dentro deste tipo de células, temos as células animais e vegetais; ambas possuem membrana, citoplasma e núcleo (os seus três constituintes fundamentais) no entanto, existem algumas diferenças estruturais entre elas que de seguida passo a indicar: a célula vegetal tem parede celular, vacúolos e cloroplasto, o que não se presencia nas células animais; por outro lado, as células animais possuem centríolos, não existindo estes nas células vegetais. Com a realização deste trabalho pretendemos: Observar células eucarióticas; Distinguir seres unicelulares de seres pluricelulares; Distingui células procarióticas de eucarióticas; Distinguir células eucarióticas vegetais de células eucarióticas animais. 2

4 Material Utilizado O material utilizado tanto na experiência do epitélio lingual como na experiência da epiderme interior das túnicas da cebola, foi o seguinte: Microscópio óptico; Lâminas e lamelas; Pinça; Bisturi; Palito; Vermelho neutro (na experiência nº 1 da Túnica da cebola) Azul de metileno (experiência nº 2 do epitélio lingual e da Túnica da cebola ) Soluto de Lugol (experiência nº 3 da Túnica da cebola ) Material biológico para observação (túnicas da cebola e saliva) 3

5 Procedimentos Na experiência de observação de células do epitélio lingual (células animais), os procedimentos efectuados foram os seguintes: em primeiro lugar colocamos uma gota de azul-de-metileno numa lâmina. De seguida, com um palito, cada elemento do grupo raspou levemente o palito sobre a superfície dorsal da língua, colocando posteriormente uma gota da substância obtida (saliva) sobra a gota de corante (azul-de-metileno). Após este procedimento, cobrimos esta pequena mistura com uma lamela, colocando de seguida a preparação no M.O.C. ; observamos a preparação numa ampliação total de 400x, fizemos um desenho da área ocular visualizada e registamos todas as observações necessárias. Na experiência de observação das células de epiderme interior das túnicas da cebola, procedemos da seguinte maneira: de início, colocamos sobre três lâminas distintas uma gota de vermelho-neutro, azul-de-metileno e uma gota de Soluto de Lugol. Com o auxílio da pinça, cortamos uma túnica da cebola, destacamos um fragmento da face côncava da mesma e dividimo-lo em três com a ajuda do bisturi. De seguida colocamos cada uma dessas porções distendida sobre o corante que se encontrava em cada uma das lâminas e cobrimo-las com as lamelas para posterior observação e desenho da área visualizada. 4

6 Resultados Epitélio Lingual: 400x Túnica da cebola (azul de metileno): 400x 5

7 Túnica da cebola (soluto de lugol) 400x 100x 6

8 Túnica da cebola (vermelho neutro) 400x 7

9 Discussão de resultados Relativamente à actividade laboratorial do epitélio lingual, unicamente tenho a fazer duas observações; com o auxílio do corante de azul-de-metileno foi-nos permitida a visualização do núcleo, do citoplasma e da membrana plasmática das células animais, isto, numa ampliação total de 400x, além disso, pôde-se observar claramente que estas células (do epitélio lingual) não tinham organização nem tinham a mesma forma pois não possuíam parede celular. Quanto à experiência da túnica da cebola com azul-demetileno e numa ampliação total de 400x, conseguimos observar o núcleo, a parede celular e a membrana plasmática. Já com o soluto de lugol e ampliação total de 100x foi-nos permitida a visualização do citoplasma e da membrana plasmática juntando-se a estas a visualização do nucléolo aquando o aumento de ampliação total para 400x. Na preparação da túnica da cebola com o corante de vermelhoneutro e ampliação total de 400x, conseguimos observar a membrana plasmática, a parede celular, o núcleo, o nucléolo e o vacúolo (organelo característico das células vegetais) da célula. Penso que devo salientar também uma pequena observação que acho importante, que ao contrário das células do epitélio lingual, as células da túnica da cebola sendo células vegetais, tinham organização pois possuíam parede celular, e isto pode verificar-se nos resultados. Assim podemos afirmar que todas as células que foram objectivo das nossas observações são eucarióticas, pois são células complexas, e para isto damos a justificação da existência nas células de vários organelos. 8

10 Conclusão Com a realização deste trabalho podemos observar que apesar das células animais e vegetais serem ambas eucarióticas, possuem certos organelos diferentes. Através das observações das células anteriormente referidas, foinos permitido visualizar que tanto as células animais como as vegetais possuem citoplasma e núcleo. No entanto, no seguimento dessas experiências tivemos também a possibilidade de observar a fina membrana da célula animal (membrana plasmática) e a grossa parede da célula vegetal (parede celular). Com estas observações concluímos também que os vacúolos (que conseguimos visualizar com o vermelhoneutro) das células vegetais são muito maiores do que os das células animais. Resumindo e concluindo, estas observações contribuíram para o enadir do nosso conhecimento na área da biologia, mais propriamente a nível das células eucarióticas, na medida em que nos permitiu a visualização de células e a distinção de alguns dos seus organelos. 9

11 Bibliografia MATIAS, Osório; MARTINS, Pedro; Biologia 10; Areal Editores; Lisboa; pg.21, 22 e 24. Pesquisa de imagens em 10

12 Anexos Fig.1 Célula Eucariótica Animal Fig.2 Esquema de uma célula animal 11

Célula ACTIVIDADE EXPERIMENTAL. Observação de Células Eucarióticas ao MOC. Objectivos

Célula ACTIVIDADE EXPERIMENTAL. Observação de Células Eucarióticas ao MOC. Objectivos ACTIVIDADE EXPERIMENTAL Observação de Células Eucarióticas ao MOC Objectivos Identificar estruturas celulares das células vegetais e animais ao MOC. Verificar que os diferentes corantes actuam de modo

Leia mais

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa)

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 29

Leia mais

Observação de Células Eucarióticas e Microrganismos Eucariontes

Observação de Células Eucarióticas e Microrganismos Eucariontes Observação de Células Eucarióticas e Microrganismos Eucariontes DOCENTE José Amado DISCENTE Henrique Dias Ourique, 25 de fevereiro de 2015 No âmbito de Biologia e Geologia Agrupamento de Escolas de Ourique

Leia mais

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião)

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) O que se pretende 1. Seleccionar material adequado à observação de células eucarióticas vegetais 2.

Leia mais

Teoria Celular. Em 1838-39, o botânico Schleiden e o zoólogo Schwann formularam a Teoria Celular.

Teoria Celular. Em 1838-39, o botânico Schleiden e o zoólogo Schwann formularam a Teoria Celular. Teoria Celular Teoria Celular Em 1838-39, o botânico Schleiden e o zoólogo Schwann formularam a Teoria Celular. Segundo esta teoria, todos os seres vivos são constituídos por células e, apesar da enorme

Leia mais

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Ficha de Trabalho Experimental - (versão professor) Ano lectivo: 10ºano Turma: Data: Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Pré-requisitos Operacionais: ter noções básicas de manuseamento

Leia mais

unidade básica da vida

unidade básica da vida unidade básica da vida Na hierarquia de organização da vida, a célula ocupa um lugar particular, pois constitui a mais pequena unidade estrutural e funcional em que as propriedades da vida se manifestam.

Leia mais

Observação Microscópica de células

Observação Microscópica de células ESCOLA SECUNDÁRIA/3 MORGADO MATEUS Biologia e Geologia (Ano I) Relatório da Actividade Experimental Observação Microscópica de células Professora: Sónia Leandro Trabalho elaborado por: Joana Pires, nº14-10ºb

Leia mais

Escola Secundária Manuel Cargaleiro

Escola Secundária Manuel Cargaleiro Escola Secundária Manuel Cargaleiro Curso Científico- Natural (Experiência realizada no dia 25/01 e no dia 01/02) Este trabalho foi elaborado por: - Pedro Valverde n.º14 - Pedro Andrez n.º15 10ºano turma

Leia mais

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 3 de Dezembro

Leia mais

Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi);

Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi); Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi); Cromoplastos e grãos de licopénio

Leia mais

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB E.S. de Valença Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB Valença, 26 de Outubro de 2003 Índice Pág.2 Introdução Pág.3 e 4 Material utilizado e procedimentos efectuados nas experiências

Leia mais

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos.

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Ficha Sumativa Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos Tema 2 - Terra em transformação Bloco de trabalho 4 - A descoberta das células O microscópio Unidade do mundo vivo -

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE AÇÚCARES

IDENTIFICAÇÃO DE AÇÚCARES Escola Secundária do Padre António Martins Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Química IDENTIFICAÇÃO DE AÇÚCARES Pedro Pinto Nº 14 11ºA 29/04/2004 Índice Objectivo do Trabalho... 2 Fundamentos

Leia mais

Botânica Aplicada (BOT) Assunto: Célula Vegetal

Botânica Aplicada (BOT) Assunto: Célula Vegetal Botânica Aplicada (BOT) Assunto: Célula Vegetal Técnico em Agroecologia Módulo I Prof. Fábio Zanella As células são as menores unidades funcionais que formam os tecidos vegetais. Vários processos ocorrentes

Leia mais

CITOLOGIA organelas e núcleo

CITOLOGIA organelas e núcleo Biologia CITOLOGIA organelas e núcleo Professor: Fernando Stuchi Níveis de Organização do Corpo Humano Conceitos Fundamentais População - Conjunto formado pelos organismos de determinada espécie, que vivem

Leia mais

Resistência de Bactérias a Antibióticos Catarina Pimenta, Patrícia Rosendo Departamento de Biologia, Colégio Valsassina

Resistência de Bactérias a Antibióticos Catarina Pimenta, Patrícia Rosendo Departamento de Biologia, Colégio Valsassina Resistência de Bactérias a Antibióticos Catarina Pimenta, Patrícia Rosendo Departamento de Biologia, Colégio Valsassina Resumo O propósito deste trabalho é testar a resistência de bactérias (Escherichia

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR Células Procariontes Eucariontes (animal e vegetal)

BIOLOGIA CELULAR Células Procariontes Eucariontes (animal e vegetal) BIOLOGIA CELULAR Células Procariontes Eucariontes (animal e vegetal) Thiago Campos Monteiro UFMS / CPCS Créditos: Prof a Elisângela de Souza Loureiro Tamanho das células Existem células de vários tamanhos.

Leia mais

CITOLOGIA: ESTUDO DAS CÉLULAS

CITOLOGIA: ESTUDO DAS CÉLULAS CITOLOGIA: ESTUDO DAS CÉLULAS O QUE É UMA CÉLULA? TODO SER VIVO É FORMADO POR CÉLULAS. TODAS AS REAÇÕES METABÓLICAS DE UM SER VIVO OCORREM NO NÍVEL CELULAR. CÉLULAS SÓ SE ORIGINAM DE OUTRAS CÉLULAS PREEXISTENTES.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS ORGANISMOS PROCARIOTAS

CARACTERÍSTICAS DOS ORGANISMOS PROCARIOTAS Escola Secundária do Padre António Manuel Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Biologia CARACTERÍSTICAS DOS ORGANISMOS PROCARIOTAS Pedro Pinto Nº 20 10ºA 23/01/2003 Introdução Esta actividade serviu

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL

ACTIVIDADE LABORATORIAL Escola Secundária com 3º Ciclo de Romeu Correia BIOLOGIA E GEOLOGIA 11º ANO Protocolo Experimental: Observação de Gemulação em Leveduras Nome: Turma: Nº: Data: Reprodução Assexuada em Leveduras As leveduras

Leia mais

Lição N o 3. Prótidos ou Proteínas. Objectivos de Aprendizagem. Introdução. No final desta lição, você será capaz de:

Lição N o 3. Prótidos ou Proteínas. Objectivos de Aprendizagem. Introdução. No final desta lição, você será capaz de: Lição N o 3 Prótidos ou Proteínas Objectivos de Aprendizagem No final desta lição, você será capaz de: Indicar a composição química das proteínas. Identificar aminoácidos essenciais. Caracterizar os tipos

Leia mais

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.)

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Escola Básica 2,3/S Michel Giacometti Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Data de Entrega: Dia 2 de Fevereiro de 2010 Autor: Telmo Daniel Roseiro Rodrigues, Nº

Leia mais

Objectivos de aprendizagem: No final desta lição, você será capaz de:

Objectivos de aprendizagem: No final desta lição, você será capaz de: 5 For orma e Tamanho das Células 345678903456789034567890345678903456789 345678903456789034567890345678903456789 Objectivos de aprendizagem: No final desta lição, você será capaz de: Enumerar diferentes

Leia mais

o quantos queres da emoções

o quantos queres da emoções Brincadeiras de Brincar o quantos queres da emoções Recuperando um jogo tradicional da infância, o Quantos Queres das Emoções da Chão d andar, foi concebido como um jogo para os pais e os filhos atendendo

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano O termo célula foi usado pela primeira vez pelo cientista inglês Robert Hooke, em 1665. Por meio de um microscópio

Leia mais

AULA 1 Organização Celular Tipos de Célula. CÉLULAS ANIMAL E VEGETAL Pág. 71

AULA 1 Organização Celular Tipos de Célula. CÉLULAS ANIMAL E VEGETAL Pág. 71 AULA 1 Organização Celular Tipos de Célula CÉLULAS ANIMAL E VEGETAL Pág. 71 CÉLULAS As células são os menores e mais simples componentes do corpo humano. A maioria das células são tão pequenas, que é necessário

Leia mais

Microscópio de Robert Hooke Cortes de cortiça. A lente possibilitava um aumento de 200 vezes

Microscópio de Robert Hooke Cortes de cortiça. A lente possibilitava um aumento de 200 vezes CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula é a Citologia (do grego: cito = célula; logos = estudo). A invenção do microscópio no final do século XVI revolucionou a Biologia. Esse instrumento possibilitou

Leia mais

- Os seres vegetais chamam-se plantas. Vou colocar aqui algumas imagens que ilustram a imensa variedade de plantas do nosso planeta.

- Os seres vegetais chamam-se plantas. Vou colocar aqui algumas imagens que ilustram a imensa variedade de plantas do nosso planeta. Enciclopédia da Natureza Proposta de Actividades Biologia 10º Ano Depois de uma grande aventura, esta nave conseguiu chegar ao nosso planeta. É tripulada pelo MIKE. Já o conheces? Ele vai-te dizer o que

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012

PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012 PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012 PROFª. VERA NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É

Leia mais

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Ficha de Trabalho Experimental (versão aluno) Ano lectivo: 10ºano Turma: Data: Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Objectivos -Observar células eucarióticas, vegetais e animais, ao

Leia mais

COMO É O LIMITE CELULAR? COMO AS CÉLULAS REALIZAM AS TROCAS COM O MEIO?

COMO É O LIMITE CELULAR? COMO AS CÉLULAS REALIZAM AS TROCAS COM O MEIO? COMO É O LIMITE CELULAR? COMO AS CÉLULAS REALIZAM AS TROCAS COM O MEIO? Duração: 2 aulas de 50 minutos Conteúdo: Introdução à membrana: delimitação celular Estrutura da membrana plasmática o Fosfolipídeos

Leia mais

41 Por que não bebemos água do mar?

41 Por que não bebemos água do mar? A U A UL LA Por que não bebemos água do mar? Férias no verão! Que maravilha! Ir à praia, tomar um solzinho, nadar e descansar um pouco do trabalho. Enquanto estamos na praia nos divertindo, não devemos

Leia mais

Bem-vindo ao nosso mundo virtual! Guia do Portal de Ensino à Distância da Get Training 1

Bem-vindo ao nosso mundo virtual! Guia do Portal de Ensino à Distância da Get Training 1 Após uma experiência formativa de mais de 20 anos em formação presencial, e tendo sempre como princípios a inovação e a satisfação do cliente, é com grande satisfação que a Get Training implementa este

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 01/014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Projeto Educativo e Programa de Biologia e Geologia do 11ºano ENSINO SECUNDÁRIO BIOLOGIA

Leia mais

PSICOLOGIA B 12º ANO

PSICOLOGIA B 12º ANO PSICOLOGIA B 12º ANO TEXTO DE APOIO ASSUNTO: Piaget Piaget apresenta uma teoria que privilegia o aspecto cognitivo do desenvolvimento, encarado como processo descontínuo, uma evolução por 4 estádios que

Leia mais

Membranas Biológicas e Transporte

Membranas Biológicas e Transporte Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Disciplina de Introdução a Bioquímica Membranas Biológicas e Transporte 1. Introdução 2. Os Constituintes

Leia mais

AULA PRÁTICA N O 1. Microbiologia INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA, MICROSCOPIA E CÉLULAS MICROBIANAS EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS

AULA PRÁTICA N O 1. Microbiologia INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA, MICROSCOPIA E CÉLULAS MICROBIANAS EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS Av. Vitória, 950 Forte São João Vitória-ESTel.: (27) 3331-8500 www.unisales.edu.br AULA PRÁTICA N O 1 Microbiologia EXCELÊNCIA UNIVERSITÁRIA NA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS COMPROMETIDOS COM A VIDA E A TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

14-03-2010. As bactérias são os mais simples organismos vivos.

14-03-2010. As bactérias são os mais simples organismos vivos. OBSERVAÇÃO DE BACTÉRIAS USANDO A COLORAÇÃO DE GRAM As bactérias são organismos unicelulares procariontes. As bactérias têm um tamanho muito reduzido: mil milhões conseguem caber num centímetro quadrado

Leia mais

Andreia Silva, n.º 4 Andreia Nunes, n.º 5 Clara Simões, n.º 9 Diana Rocha, n.º 11

Andreia Silva, n.º 4 Andreia Nunes, n.º 5 Clara Simões, n.º 9 Diana Rocha, n.º 11 Escola Secundária Manuel Cargaleiro Biologia Andreia Silva, n.º 4 Andreia Nunes, n.º 5 Clara Simões, n.º 9 Diana Rocha, n.º 11 Fogueteiro, 12 de Novembro de 2006 p. 1. Introdução Teórica... 2 2. Procedimento

Leia mais

A.L. 1.1 AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM

A.L. 1.1 AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM A.L. 1.1 AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM QUÍMICA 11.ºANO QUESTÃO-PROBLEMA A publicidade anuncia adubos e produtos de limpeza amoniacais: o que terão de comum estes materiais? A

Leia mais

Guia do Picasa Versão 1

Guia do Picasa Versão 1 Guia do Picasa Versão 1 O Picasa é um Software livre que lhe permite visualizar, organizar, editar e compartilhar fotos digitais no computador de uma forma simples e divertida. Centro de Formação de Penalva

Leia mais

Aula 2 Organelas Celulares, Cortes histológicos, Célula Vegetal x Animal 22/03/2011. Profº Skiba all rights reserved

Aula 2 Organelas Celulares, Cortes histológicos, Célula Vegetal x Animal 22/03/2011. Profº Skiba all rights reserved Aula 2 Organelas Celulares, Cortes histológicos, Célula Vegetal x Animal 22/03/2011 Prokariotic Cell Model Prokariotic Cell Micrograph - MEV Eukariotic Cell Micrograph Eukariotic Cell Model Tipos de Cortes:

Leia mais

Aprender... Verónica & Ricardo 29 Outubro 2011. Brincando

Aprender... Verónica & Ricardo 29 Outubro 2011. Brincando Aprender... Verónica & Ricardo 29 Outubro 2011 Brincando A Cigana - Caravaggio Vamos colorir??? Reparaste qual o tema do nosso casamento? Estavas desatento? Pois é, hoje falámos de pintura. Que tal fazermos

Leia mais

a) 8% em solução no plasma, 40% em ligação com a hemoglobina e 52% em ião carbonato.

a) 8% em solução no plasma, 40% em ligação com a hemoglobina e 52% em ião carbonato. Tempo previsto: 1h30m Itens de resposta múltipla 1. Relativamente às características sãs superfícies respiratórias assinale a opção correcta: a) são superfícies secas, finas, não vascularizadas e possuem

Leia mais

A Anatomia das Algas

A Anatomia das Algas A Anatomia das Algas Observação Microscópica das Macroalgas Ana R. M. Leite; Emanuel S. Costa; Filipa A. Carneiro; Íris F. G. Carvalho; Margarita Yakubovich; Sara T. A. Alves Objectivos: Analisar a estrutura

Leia mais

www.elesapiens.com GLOSSÁRIO DE QUÍMICA ADUBO: É qualquer substância orgânica ou inorgânica que melhora a qualidade da terra.

www.elesapiens.com GLOSSÁRIO DE QUÍMICA ADUBO: É qualquer substância orgânica ou inorgânica que melhora a qualidade da terra. GLOSSÁRIO DE QUÍMICA ADUBO: É qualquer substância orgânica ou inorgânica que melhora a qualidade da terra. ALQUIMIA: A alquimia foi uma antiga prática que buscava encontrar o que chamavam de Pedra Filosofal,

Leia mais

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR As moléculas que constituem as células são formadas pelos mesmos átomos encontrados nos seres inanimados. Todavia, na origem e evolução das células, alguns

Leia mais

Tecelagem Manual TEAR PENTE LIÇO PADRONAGENS

Tecelagem Manual TEAR PENTE LIÇO PADRONAGENS Tecelagem Manual TEAR PENTE LIÇO PADRONAGENS Engº Áquila Klippel R. Laurindo Januário da Silveira 2626 CEP 88062-200 Fone (48) 232-6131 Email: aklippel@tecelagemanual.com.br Florianópolis SC TÉCNICAS BÁSICAS

Leia mais

Escola Secundária de Oliveira do Bairro. Ano Lectivo 2010/2011 QUEDA LIVRE FÍSICO-QUÍMICA. Mariana Figueiredo 11ºB nº17

Escola Secundária de Oliveira do Bairro. Ano Lectivo 2010/2011 QUEDA LIVRE FÍSICO-QUÍMICA. Mariana Figueiredo 11ºB nº17 Ano Lectivo 2010/2011 FÍSICO-QUÍMICA QUEDA LIVRE Mariana Figueiredo 11ºB nº17 QUESTÕES PRÉ-LABORATORIAIS Escola Secundária de Oliveira do Bairro 1- a) Na queda, o movimento é uniformemente acelerado porque

Leia mais

A Epistemologia de Humberto Maturana

A Epistemologia de Humberto Maturana ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências A Epistemologia de Humberto Maturana Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Humberto Maturana Biólogo. Chileno,

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Introdução Este trabalho foi-nos proposto na aula de Área de Projecto pela Professora. Pretendemos

Leia mais

Sistemas de Trocas Gasosas

Sistemas de Trocas Gasosas Sistemas de Trocas Gasosas 1 Generalidades os seres vivos habitam diversos tipos de ambientes, sendo fundamentalmente o terrestre, o aquático e o aéreo. As diferenças existentes entre os diversos ambientes,

Leia mais

EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO

EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO Integradas no tecido empresarial encontramos o grupo das empresas de crescimento elevado (ECE) assim designadas na sequência do rápido crescimento que apresentam tanto em

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

revista júnior de investigação Relato

revista júnior de investigação Relato Relato Organização Celular e Observação Microscópica Cell organization and Microscopic Observation Mariana Fernandes Diz Lopes mariana.lopes@hotmail.com Prof. Odete Fernandes Agrupamento de Escolas Abade

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Unidade I PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO EDAAPRENDIZAGEM APRENDIZAGEM Prof. Wanderlei Sergio da Silva Conceito PDA estudo sobre o crescimento mental do indivíduo, desde o nascimento até a adolescência;

Leia mais

Introdução às Bases de Dados

Introdução às Bases de Dados Introdução às Bases de Dados Relacionamentos Simples (Abordagem não Convencional) Raul Ressano Garcia Ficha Técnica EDIÇÃO: Edição do Autor TÍTULO: Introdução às Bases de Dados - Relacionamentos Simples

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

Capítulo 6 Movimentos

Capítulo 6 Movimentos Capítulo 6 Movimentos Neste capítulo pretende-se mostrar como se regista qualquer tipo de movimento. Começase por explicar como é composto o ecrã dos movimentos administrativos, todos os ícones a ele associados

Leia mais

Densímetro de posto de gasolina

Densímetro de posto de gasolina Densímetro de posto de gasolina Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia Tema Materiais: propriedades Conteúdos Densidade, misturas homogêneas e empuxo Usos / objetivos Introdução ou aprofundamento do

Leia mais

Preparação de 100 ml de uma solução aquosa de concentração. Preparação 250 ml de uma solução aquosa de dicromato de

Preparação de 100 ml de uma solução aquosa de concentração. Preparação 250 ml de uma solução aquosa de dicromato de Físico Química A Relatório da actividade prático - laboratorial Preparação de 100 ml de uma solução aquosa de concentração 0,02 dm -3, cujo soluto foi dicromato de potássio e Preparação 250 ml de uma solução

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Roberta/Marco Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Biologia Resultado

Leia mais

Corte de uma célula em tecido vegetal (epiderme de cebola) vista ao microscópio óptico, após coloração.

Corte de uma célula em tecido vegetal (epiderme de cebola) vista ao microscópio óptico, após coloração. Com Ciência na escola 3 Corte de um tecido animal (mucosa do intestino) visto ao microscópio óptico, após coloração. Corte de uma célula em tecido vegetal (epiderme de cebola) vista ao microscópio óptico,

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 7º ANO

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 7º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 7º ANO 2010 PROVA DE CIÊNCIAS 7º ANO Questão 1 A idade

Leia mais

Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I. Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas.

Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I. Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas. Aula: 16 Temática: Estrutura dos aminoácidos e proteínas parte I Acompanhe! Iremos iniciar o estudo da estrutura dos aminoácidos e proteínas. Introdução: A proteína é o composto orgânico mais abundante

Leia mais

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

Madeira. Bens e serviços. Açores. Taxa Taxa intermédia. Observações / Legislação reduzida

Madeira. Bens e serviços. Açores. Taxa Taxa intermédia. Observações / Legislação reduzida F i s c a l i d a d e TOC 86 - Maio 2007 Para determinar a taxa aplicável nas operações relacionadas com as Regiões Autónomas são chamados os critérios constantes do artigo 6. do Código do IVA, por força

Leia mais

Figura 1: Exemplo de arredondamento com arestas retas.

Figura 1: Exemplo de arredondamento com arestas retas. 1 Arredondamentos Um dos detalhes de peças mais simples é o arredondamento. Este detalhe é necessário, numa maneira geral para quebrar cantos vivos. Cantos vivos podem ser perigosos em peças que vão ser

Leia mais

SISTEMÁTICA E TAXONOMIA CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS

SISTEMÁTICA E TAXONOMIA CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS SISTEMÁTICA E TAXONOMIA CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS Sistemática ou Classificação Biológica Conceito: É ramo da Biologia que estuda a diversidade dos seres vivos. Taxonomia: nomeia e classifica os seres

Leia mais

Actividade Laboratorial

Actividade Laboratorial Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Actividade Laboratorial Capacidade Térmica Mássica Elaborado por: Armanda Costa Fernanda Veríssimo Hélder Silva Formadores: Professor Doutor Paulo Simeão

Leia mais

INTERVENÇÃO. AULA PRÁTICA: jogo das biomoléculas. Autor: Maria Teresa Iturres, Alexia Rodrigues Menezes.

INTERVENÇÃO. AULA PRÁTICA: jogo das biomoléculas. Autor: Maria Teresa Iturres, Alexia Rodrigues Menezes. INTERVENÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO AULA PRÁTICA: jogo das biomoléculas Autor: Maria Teresa Iturres, Alexia Rodrigues Menezes. As biomoléculas, como o próprio nome já diz, são as moléculas da vida, que possuem

Leia mais

PARECER N. 12/PP/2010-P CONCLUSÃO:

PARECER N. 12/PP/2010-P CONCLUSÃO: PARECER N. 12/PP/2010-P CONCLUSÃO: 1. O direito de retenção obedece aos requisitos, positivos e negativos previstos, respectivamente, no art.º 755.º, n.º 1, alínea c) do Código Civil e no art.º 96.º, n.º

Leia mais

Exercícios Práticos para as Dificuldades de Aprendizagem

Exercícios Práticos para as Dificuldades de Aprendizagem Exercícios Práticos para as Dificuldades de Aprendizagem (Fundamentação Teórica) Trabalho realizado por: Isabel Saraiva Barbosa n.º21666 Universidade Portucalense Porto, Portugal 13 de Junho 2008 Dificuldades

Leia mais

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que Exercícios Evolução - parte 2 Professora: Ana Paula Souto Nome: n o : Turma: 1) Selecione no capítulo 7 duas características de defesa de plantas. a) DESCREVA cada característica. b) Para cada característica,

Leia mais

A Parede Celular em Bactérias

A Parede Celular em Bactérias A Parede Celular em Bactérias Tem como função: -Manter as formas características das células -Protecção contra alterações de pressão osmótica -Fornecer uma plataforma rígida para ligação dos apêndices

Leia mais

Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.)

Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.) Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.) O microscópio ótico composto (M.O.C.) é um instrumento usado para ampliar, com uma série de lentes, estruturas pequenas impossíveis de visualizar a olho

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira Trabalho Pratico Organização de Eventos

Escola Secundária de Paços de Ferreira Trabalho Pratico Organização de Eventos Escola Secundária de Paços de Ferreira Trabalho Pratico Organização de Eventos Organização de uma Festa de Aniversário Tânia Marlene Silva Nº21 Novembro de 2009 Conteúdo Introdução... 3 Preparação... 4

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

Biologia 1. 01 Alternativa E. 02 Alternativa D. 01 Alternativa D. 02 Alternativa E. 03 Alternativa E. 04 Alternativa A.

Biologia 1. 01 Alternativa E. 02 Alternativa D. 01 Alternativa D. 02 Alternativa E. 03 Alternativa E. 04 Alternativa A. Biologia 1 Aula 1 21 Aula 2 Aula 3 1 Aula 4 a) A "Chlamydia trachomatis" é uma bactéria, pois, como mostra a tabela, não apresenta núcleo celular organizado, porém possui DNA, RNA, membrana plasmática

Leia mais

CITOLOGIA *ESTUDA A CÉLULA *MENOR PORÇÃO ORGANIZADA DOS SERES VIVOS *UNIDADE DE CONSTITUIÇÃO DOS SERES VIVOS * ALICERCE DA BIOLOGIA

CITOLOGIA *ESTUDA A CÉLULA *MENOR PORÇÃO ORGANIZADA DOS SERES VIVOS *UNIDADE DE CONSTITUIÇÃO DOS SERES VIVOS * ALICERCE DA BIOLOGIA CITOLOGIA Prof. Jefferson Almeida *ESTUDA A CÉLULA *MENOR PORÇÃO ORGANIZADA DOS SERES VIVOS *UNIDADE DE CONSTITUIÇÃO DOS SERES VIVOS * ALICERCE DA BIOLOGIA Histórico 1591 Inventado o microscópio por 2

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

A FIGURA DO ESTADO. 1. Generalidades

A FIGURA DO ESTADO. 1. Generalidades A FIGURA DO ESTADO 1. Generalidades Naturalmente que no contexto das instituições, há uma que, pela sua dimensão e pelo momento histórico que atravessamos 1, tem especial interesse: o Estado. Uma série

Leia mais

WORKSHOPS ENCONTRO NACIONAL APEVT 28 DE MAIO DE 2011

WORKSHOPS ENCONTRO NACIONAL APEVT 28 DE MAIO DE 2011 WORKSHOPS ENCONTRO NACIONAL APEVT 28 DE MAIO DE 2011 WORKSHOP 1 Cianotipia os desenhos azuis da luz Formador(a) Ricardo Gonçalves WORKSHOP 2 O design gráfico e o design de comunicação na sala de aula de

Leia mais

Este documento pode ser baixado em: www.tearfund.org/cedra/forms

Este documento pode ser baixado em: www.tearfund.org/cedra/forms FORMULÁRIO 3+4 Modelos para o Levantamento CEDRA e o Plano de Ação Levantamento CEDRA Este documento pode ser baixado em: www.tearfund.org/cedra/forms Como preencher o Levantamento CEDRA O levantamento

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

INTERVENÇÃO Jogo Bingo da Vida. Plano da Intervenção

INTERVENÇÃO Jogo Bingo da Vida. Plano da Intervenção INTERVENÇÃO Jogo Bingo da Vida Plano da Intervenção Autora: Caroline Resena Gonçalves CONTEXTUALIZAÇÃO A origem dos seres vivos em nosso planeta ainda é uma questão polêmica que envolve desde a hipótese

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Estudo de caso Reúnam-se em grupos de máximo 5 alunos e proponha uma solução para o seguinte caso: A morte dos peixes ornamentais. Para isso

Leia mais

Rotas da Leitura. Biblioteca Municipal de Beja. Cristina Taquelim. Introdução

Rotas da Leitura. Biblioteca Municipal de Beja. Cristina Taquelim. Introdução Rotas da Leitura Biblioteca Municipal de Beja Cristina Taquelim Introdução A promoção da leitura nas bibliotecas portuguesas públicas sofreu nos últimos anos uma forte expansão e alberga hoje um conjunto

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

b) Represente um segmento de mrna usando como molde a cadeia de DNA complementar à do enunciado.

b) Represente um segmento de mrna usando como molde a cadeia de DNA complementar à do enunciado. Instituto Politécnico de Coimbra / ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA Exame de Biologia para Avaliação da Capacidade para Acesso ao Ensino Superior dos maiores de 23 anos Data: 2 de Maio de 2013 Duração: 2 horas

Leia mais

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIS Como vimos no módulo 1, para que nós possamos extrair dos dados estatísticos de que dispomos a correta análise e interpretação, o primeiro passo deverá ser a correta

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Estrutura básica do HTML Um documento HTML deve estar delimitado pela tag e . Dentro deste documento, podemos ainda distinguir

Leia mais