CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL"

Transcrição

1 CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio a Projetos de Educação Complementar para Crianças e Adolescentes de 7 a 16 anos - Estado de São Paulo" Martina Rillo Otero Informações sobre a Organização Promotora Nome: Instituto Fonte para o Fomento Nacional do Terceiro Setor Endereço: Rua Dr. Phidias de Barros Monteiro, 53, CEP: São Paulo - SP Fone: fone: (11) telefax: (11) Breve histórico O Instituto Fonte é uma organização que desenvolve conhecimento sobre processos de desenvolvimento de organizações, pessoas e comunidades. O Instituto realiza prestação de serviços em consultoria de processos, capacitação, projetos e publicações. A Fundação Vitae, que contratou os serviços do Instituto Fonte para realizar a avaliação do seu programa, foi fundada em 1985 e financia projetos de educação, cultura e promoção social em todo o País. A Vitae realiza projetos próprios e financia projetos de instituições públicas ou privadas sem fins lucrativos, dando prioridade àqueles que tenham função catalisadora, possam servir de modelo a outras organizações, tenham efeito multiplicador e perspectivas concretas de continuidade, uma vez cessado seu patrocínio. Principal financiador da experiência especificamente: A Fundação Vitae Informações sobre a intervenção/ experiência Características gerais da Experiência O programa da Fundação Vitae abrange o Estado de São Paulo e o Instituto Fonte tem sede em São Paulo, apesar de sua atuação abranger projetos nacionais. - O Programa da Vitae foi lançado em 1997, teve 6 edições e contempla tanto a implantação de novas atividades educativas (inclusive salas de leitura e laboratórios de informática), culturais e esportivas. A avaliação do programa iniciou-se, com o intuito de aperfeiçoar tanto o programa da Vitae, como os projetos financiados. O entendimento de avaliação que norteia a ação do Instituto Fonte na assessoria a processos de avaliação é "Um processo de aprendizagem sistemático e intencional que um indivíduo, grupo ou organização se propõe a percorrer para aprofundar a sua compreensão sobre determinada intervenção social, por meio da elaboração e aplicação de critérios explícitos de 1

2 investigação e análise, em um exercício compreensivo, prudente e confiável, com vistas a conhecer e julgar o mérito, a relevância e a qualidade de processos e resultados. A avaliação leva à ampliação de consciência sobre determinado programa ou projeto o que possibilita que escolhas e decisões maduras possam ser feitas" (Brandão e cols, 2004) Alguns princípios que orientam o processo de avaliação para o Instituto: - aprendizagem: avaliação como oportunidade e espaço para aprender - respeito e autonomia: respeito ao contexto cultural, político e estrutural da organização. - participação e colaboração: práticas justas são alcaçadas por caminhos democráticos - felicidade. Contextualização da intervenção/ experiência A Avaliação do programa deveria envolver, tanto informações mais amplas sobre o programa da Vitae como foco, como também, deveria envolver de alguma forma os membros de organizações da sociedade civil e os membros das escolas públicas relacionados com os projetos específicos financiados pela Fundação. Objetivos: O Programa da Vitae tem como objetivo apoiar "Ações complementares à educação fundamental desenvolvidas por instituições sociais em parceria com escolas da rede pública" (site da organização). Os objetivos específicos do programa estão relacionados com "estimular o desenvolvimento de atividades de educação complementar que as crianças e jovens tenham sucesso na escola e na vida". O objetivo da avaliação em si (assim como, o que avaliar, foco, indicadores) dependia do próprio grupo do projeto específico sobre o qual acontecia a avaliação, já que o processo foi pensado para ser participativo. Daí a importância de haverem objetivos definidos conjuntamente e não impostos às equipes dos programas. Atores envolvidos: Instituto Fonte e Fundação Vítae. Além desses atores, estiveram envolvidas mais de 70 organizações da sociedade civil e mais de 70 escolas públicas relacionadas aos projetos específicos. Funcionamento da experiência A Avaliação realizada seguiu como princípio a construção da capacidade avaliatória com os membros das equipes envolvidas. A Fundação Vítae contratou os consultores que tinham um banco de horas para cada projeto financiado. A intenção era avaliar os resultados do próprio programa, por um lado e por outro, dar instrumentos aos projetos individuais para que eles também pudessem avaliar suas próprias ações específicas. Os delineamentos dos processos individuais passaram por diversas etapas, sendo que o próprio grupo gestor do projeto deveria elaborar os objetivos, as questões avaliativas e a metodologia para a avaliação de seu próprio programa. Ao longo do processo, portanto, cada experiência foi desenvolvendo seu próprio processo. No 2

3 caso específico de um dos projetos, por exemplo, o foco das questões avaliatórias mudou radicalmente a partir de um dado momento. Isso evidencia que o processo de apropriação, pelo grupo, de sua própria questão, vai se dando aos poucos e na medida em que vão se inserindo no diálogo. Nesse ponto, por exemplo, esteve evidente que o consultor, apesar de buscar abrir espaço para que os conteúdos específicos do grupo fossem inseridos, ele ainda estava sendo visto como um representante da Fundação Viítae, financiadora do projeto. Institucionalização da prática Tanto o Instituto Fonte como a Fundação Vítae são organizações em fins lucrativos que desempenham uma série de projetos. A Experiência aqui exposta é uma parceria entre as duas instituições. Algumas dificuldades Algumas dificuldades de processos avaliatórios, apontadas por Brandão e cols (2004): - Não especificamente ligada à avaliação neste caso, mas presente nas avaliações atuais de modo geral: métodos frágeis, pouco democráticos, superficiais e pouco confiáveis. - Outra dificuldade relacionada a processos avaliatórios, de maneira geral, é a econômica, especialmente relacionada com a priorização de destinação de recursos para a "atividade fim" do projeto e, ainda, a dificuldade de planejar os custos de uma avaliação. - Finalmente, há dificuldades das organizações disponibilizarem pessoal e tempo para atividades de avaliação, dada a própria dinâmica desse tipo de organização. Dicas estratégicas Algumas "dimensões estratégicas", descritas em Brandão e cols (2004) sobre a construção da capacidade avaliatória de maneira mais ampla, são: 1) A consciência a respeito e a capacidade de lidar com relações de poder presentes nas ações avaliatórias; 2) A busca de razões e motivação para avaliar as práticas; 3) A construção de um certo grau de identidade organizacional em torno da avaliação; 4) O desenvolvimento de competências no campo da facilitação e gestão de processos e da investigação da realidade; 5) A captação e alocação de recursos para criar as condições de trabalho necessárias aos processos de avaliação. Algumas competências em avaliação são apontadas como estratégicas (Brandão, 2004): - competência para facilitação de processos, - competência para gestão de processos, - competência para investigação da realidade Avaliação dos resultados pelos responsáveis A Avaliação do processo vai sendo realizada ao longo do processo. Dessa forma, as atividades vão sendo adaptadas na medida em que são identificadas como necessárias ou desejáveis pelo grupo que participa do processo. Além disso, trata-se em si de um projeto de avaliação. Dessa forma, a avaliação esperada seria 3

4 uma "meta-avaliação". A própria discussão entre os atores e a elaboração de um texto (Brandão e cols. 2004) são frutos de um processo de reflexão a partir da experiência. Aspectos de Tecnologia Social - A avaliação enquanto construção de capacidade avaliatória envolve um processo de aprendizagem e de aperfeiçoamento do projeto que têm múltiplas características relacionadas com tecnologias sociais: - Criação de estratégias de envolvimento da participação dos atores envolvidos. - Delineamento de diagnósticos, procedimentos de coleta de informações e discussão dos resultados junto aos envolvidos. - Além disso, ver discussões durante o seminário. Discussões no Seminário A fala do expositor dessa experiência se diferenciou das demais na própria maneira de conduzir apresentação: ele foi expondo dificuldades, ouvindo as dúvidas e questões, reelaborando as reflexões conforme a demanda do público e dialogando com este. Esta dinâmica propôs uma importante e central questão para a construção do conceito de Tecnologia Social como Rogério se recusou a ocupar o papel de quem ensina, e se colocou frente ao grupo no papel de quem compartilha uma experiência para dialogar sobre ela, no início de sua exposição era possível notar algum incômodo no corpo dos participantes. Todos os educadores presentes, que acreditam sem dúvida na necessidade de uma educação para a autonomia e exercício democrático, de repente se viram supresos pela ausência de uma figura de poder. Só com o passar do tempo, quando ficou evidente que a possibilidade de aprender não estava posta na relação de poder entre quem fala e quem escuta, é que as pessoas foram se sentindo mais à vontade, reconhecendo os conteúdos importantes que estavam circulando na conversa. Alguns temas podem ser levantados a partir da exposição de Rogério. Um deles, importante para a discussão proposta pela TS, é o reconhecimento de que as ONGs não têm, ainda, práticas avaliativas correntes. Um dos aspectos que acreditamos que constitua a especificidade do conhecimento produzido pelas ONGs se refere ao exercício de refletir sobre sua prática, de pôr em diálogo os conhecimentos tradicionais ou populares com outros saberes, resultando disso novos conhecimentos que estão enraizados na prática e na vida das pessoas que são atendidas pelas ONGs. Ora, se é verdade que as ONGs não possuem práticas avaliativas correntes, por diversas razões, isso significa que estão perdendo a oportunidade de aprender com a própria prática. E isso é um problema para o conceito de Tecnologia Social, pois reproduzindo a própria experiência, corre-se o risco de reificá-la como qualquer outro saber e, desse modo, perde-se um dos importantes componentes de TS, qual seja, o caráter dinâmico do conhecimento enraizado. E aqui já entramos num outro importante tema: a importância da avaliação como instrumento de sustentabilidade e o fortalecimento institucional. No espaço participativo da avaliação, os pactos de refazem e o processo de trabalho ganha transparência. Outro ponto muito importante levantado pelo expositor se refere à idéia de que não existe um processo avaliativo participativo definido a priori; por esta razão, é necessário investir tempo na construção da identidade do processo avaliativo, com a construção de um senso comum para cada grupo de trabalho. Assim, o trabalho da assessoria à avaliação participativa é o da facilitação do desencadeamento do processo avaliativo, construindo a capacidade avaliativa dentro da própria instituição. Trata-se de um princípio importante para definição de uma avaliação como participativa: o processo de avaliação é endógeno, não no sentido de que se encerra sobre si mesmo, mas no sentido de que as questões com as quais o grupo vai lidar são definidas no interior dele mesmo. Definidas as questões, pode-se "sair" para procurar 4

5 instrumentos ou para contratar assessoria sem medo de que eles enviesem o olhar, mas recolhendo de tais instrumentos "importados" elementos para enriquecer o próprio olhar sobre a prática. Fontes de informação: Página Eletrônica do Instituto Fonte: Página Eletrônica Fundação Vitae: Brandão, D. B., Silva, R. R. e Palos, C. M. C (2004) Da Construção de Capacidade Avaliatória em Iniciativas Sociais: Algumas Reflexões. Publicado na página eletrônica do Instituto Fonte, acesso em 28/09/

PARTICIPAÇÃO SOCIAL DANIELY VOTTO, GERENTE DE GOVERNANÇA URBANA

PARTICIPAÇÃO SOCIAL DANIELY VOTTO, GERENTE DE GOVERNANÇA URBANA PARTICIPAÇÃO SOCIAL DANIELY VOTTO, GERENTE DE GOVERNANÇA URBANA Um produto do WRI Ross Centro para Cidades Sustentáveis Um produto do WRI Ross Centro para Cidades Sustentáveis PARTICIPAÇÃO SOCIAL Definição:

Leia mais

II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais. Palestra. Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro. Prof. Dr. Fernando S.

II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais. Palestra. Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro. Prof. Dr. Fernando S. II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais Palestra Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro Prof. Dr. Fernando S. COELHO Jundiaí, 27 de novembro de 2014 1 O que abordarei nesta exposição?

Leia mais

Descrição Competências Organizacionais

Descrição Competências Organizacionais Descrição Competências Organizacionais Orientação para Resultados Sustentáveis Disciplina Operacional Competência Técnica Adaptabilidade e Flexibilidade Relacionamento e Colaboração Realiza tarefas dentro

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO DO TRABALHO E SAÚDE DO TRABALHADOR DA SAÚDE Adryanna Saulnier Bacelar Moreira Márcia Cuenca

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

Abertura V Seminário PAEC-OEA-GCUB 17/05/2017

Abertura V Seminário PAEC-OEA-GCUB 17/05/2017 Abertura V Seminário PAEC-OEA-GCUB 17/05/2017 DADOS GERAIS NOME OFICIAL SEDE ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Washington, DC FUNDAÇÃO 5/5/1948 PAÍSES MEMBROS IDIOMAS OFICIAIS ÓRGÃOS PRINCIPAIS SECRETÁRIO-GERAL

Leia mais

PROEX AUXÍLIO DE APRIMORAMENTO

PROEX AUXÍLIO DE APRIMORAMENTO PROEX AUXÍLIO DE APRIMORAMENTO INFORMAÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DE AUXÍLIO DE APRIMORAMENTO 2015 O Auxílio, destina-se ao aluno de graduação vinculado a projetos de extensão com ou sem bolsa que, em instituições

Leia mais

Recomendações & Apoio GPPQ

Recomendações & Apoio GPPQ Recomendações & Apoio GPPQ Juliana Monteiro GPPQ/FCT Juliana.monteiro@fct.pt Em poucas palavras.. OFERTA ALERTA Alerta Pode fazer a diferença! Oferta É a razão pelo que o GPPQ existe! Missão GPPQ Promoção

Leia mais

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS 2011 2014 Ministério da Saúde Secretaria Executiva O Coletivo MS é um grupo de trabalhadores do Ministério da Saúde, coordenado pela Secretaria Executiva,

Leia mais

Fundação Centro de Defesa de Direitos Humanos Bento Rubião. Projeto Direito à Habitação. Inventário de Atividades

Fundação Centro de Defesa de Direitos Humanos Bento Rubião. Projeto Direito à Habitação. Inventário de Atividades Fundação Centro de Defesa de Direitos Humanos Bento Rubião Projeto Direito à Habitação Inventário de Atividades A Fundação Bento Rubião A Fundação Centro de Defesa dos Direitos Humanos Bento Rubião (FBR)

Leia mais

Projeto Escola Brasil

Projeto Escola Brasil Projeto Escola Brasil Projeto Escola Brasil - PEB Programa de voluntariado corporativo do Grupo Santander Brasill Criado em 1998 Conta com suporte institucional do Instituto Escola Brasil - IEB Gestão

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE AS MODALIDADES DE GESTÃO NO SUS GESTÃO E LEGISLAÇÃO II ENANESP 07/06/16. Carlos Neder

SEMINÁRIO SOBRE AS MODALIDADES DE GESTÃO NO SUS GESTÃO E LEGISLAÇÃO II ENANESP 07/06/16. Carlos Neder SEMINÁRIO SOBRE AS MODALIDADES DE GESTÃO NO SUS II ENANESP GESTÃO E LEGISLAÇÃO 07/06/16 Carlos Neder I SUS enquanto política de Estado - Reforma do Estado e relação público privado - Estudos do Ministério

Leia mais

CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa

CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Nuno Venade* Lisboa, 22 de março de 2013 Índice 1 2 3 4 5 6 Introdução Concursos Candidaturas Admissibilidade Seleção

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

Sistema de Avaliação e Desenvolvimento Institucional

Sistema de Avaliação e Desenvolvimento Institucional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Administração Sistema de Avaliação e Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo Concessão de Diárias e Passagens - 1 de 5

Leia mais

PROP OS TA DE PAT ROC ÍN IO 2017 ONE DAY

PROP OS TA DE PAT ROC ÍN IO 2017 ONE DAY PROP OS TA DE PAT ROC ÍN IO 2017 ONE DAY SEMIN ARS E MES A S REDONDA S A TMA Brasil TMA Brasil é o capítulo brasileiro da Turnaround Management Association, uma prestigiada associação fundada nos EUA em

Leia mais

DIEESE. Departamento Intersindical de Estatística. e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP

DIEESE. Departamento Intersindical de Estatística. e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP INSTITUCIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - SINP/PMSP

Leia mais

Docentes Eribelto Peres Castilho & Danielle Franco da Rocha.

Docentes Eribelto Peres Castilho & Danielle Franco da Rocha. O Fluxo do Sistema de Justiça da Infância e Juventude de São Paulo A trajetória jurídica do adolescente a quem se atribui a prática de ato infracional. Docentes Eribelto Peres Castilho & Danielle Franco

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos CT-INFRA PRO-INFRA. Ricardo Rosa Chefe do Departamento de Infra-Estrutura das Universidades

Financiadora de Estudos e Projetos CT-INFRA PRO-INFRA. Ricardo Rosa Chefe do Departamento de Infra-Estrutura das Universidades Financiadora de Estudos e Projetos CT-INFRA PRO-INFRA Ricardo Rosa Chefe do Departamento de Infra-Estrutura das Universidades Recursos Aplicados pelo CT-INFRA Ações Implementadas pela FINEP Nº Projetos

Leia mais

Sessão de Negócios Multisetorial Micro e Pequenas Empresas

Sessão de Negócios Multisetorial Micro e Pequenas Empresas Sessão de Negócios Multisetorial Micro e Pequenas Empresas Sessão de Negócios tem como objetivo ser um instrumento de estímulo e fomento de negócios, vindo a atender à necessidade de integração empresarial

Leia mais

ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Psicologia RESUMO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CURSO DE PSICOLOGIA. Clínica e Laboratórios

ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Psicologia RESUMO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CURSO DE PSICOLOGIA. Clínica e Laboratórios ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Psicologia RESUMO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CURSO DE PSICOLOGIA Clínica e Laboratórios MANAUS AMAZONAS 2016 IDENTIFICAÇÃO Diretor Geral Marcelo José Frutuoso Medeiros

Leia mais

CURSO GESTÃO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL. Porquê a Gestão e o Desenvolvimento Pessoal. Programa do Curso Gestão e Desenvolvimento Pessoal

CURSO GESTÃO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL. Porquê a Gestão e o Desenvolvimento Pessoal. Programa do Curso Gestão e Desenvolvimento Pessoal CURSO GESTÃO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL Porquê a Gestão e o Desenvolvimento Pessoal A importância de uma boa gestão de pessoas e equipas é facilmente reconhecida no contexto organizacional da atualidade.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

ACELERA + PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DE NOVOS PROJETOS EMPRESARIAIS. Workshops de Trabalho e Capacitação Start-ups e Empreendedores

ACELERA + PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DE NOVOS PROJETOS EMPRESARIAIS. Workshops de Trabalho e Capacitação Start-ups e Empreendedores ACELERA + PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DE NOVOS PROJETOS EMPRESARIAIS Workshops de Trabalho e Capacitação Start-ups e Empreendedores Objetivos Dotar os jovens empreendedores de conhecimentos e competências-base

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica.

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica. CÓDIGO DE ÉTICA Nestes três anos de muitas realizações, as relações da Agência de Desenvolvimento Paulista com seus parceiros, clientes, fornecedores, acionistas, entre outros, foram pautadas por valores

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE 2002-06-07 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE ALAGOAS FAPEAL, INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 05, DE 27 DE SETEMBRO

Leia mais

INSTITUTO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: / FACULDADES INTEGRADAS DE TAGUAÍ

INSTITUTO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: / FACULDADES INTEGRADAS DE TAGUAÍ VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: 19.412.711/0001-30 POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) TAGUAÍ SP 2015 Política de Aquisição, Atualização e Manutenção

Leia mais

Desafios da avaliação dos resultados do Programa Mais Médicos

Desafios da avaliação dos resultados do Programa Mais Médicos Desafios da avaliação dos resultados do Programa Mais Médicos Reflexões e propostas Renato Tasca, OPS/OMS tascar@paho.org Roberto Capote Mir (1934-2015) Inspiração para cooperação Brasil Cuba - OPAS Cubano

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

Governo eletrônico e os executivos municipais: o caso de Minas Gerais

Governo eletrônico e os executivos municipais: o caso de Minas Gerais 1 Governo eletrônico e os executivos municipais: o caso de Minas Gerais Marcus Abílio Gomes Pereira Ernesto Friedrich de Lima Amaral Marcela Menezes Costa Departamento de Ciência Política Universidade

Leia mais

CONTEÚDOS EXIN SERVIÇO SOCIAL

CONTEÚDOS EXIN SERVIÇO SOCIAL CONTEÚDOS EXIN 2016.2 4MA E 4NA DISCIPLINA CONTEÚDO DISCIPLINAS CUMULATIVAS -Etapas do processo de trabalho: Elementos constitutivos. - O significado do Serviço Social na divisão social e técnica do trabalho;

Leia mais

Título. Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI

Título. Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI Título Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI Nossos números em 2015 30.004 pessoas beneficiadas diretamente 13 municípios atendidos 18 colaboradores diretos e 01 indireto (cedido

Leia mais

O ORÇAMENTO PÚBLICO MUNICIPAL E OS RECURSOS PARA A INFÂNCIA A ORIGEM DOS RECURSOS E O PLANEJAMENTO PARA O ORÇAMENTO

O ORÇAMENTO PÚBLICO MUNICIPAL E OS RECURSOS PARA A INFÂNCIA A ORIGEM DOS RECURSOS E O PLANEJAMENTO PARA O ORÇAMENTO O ORÇAMENTO PÚBLICO MUNICIPAL E OS RECURSOS PARA A INFÂNCIA A ORIGEM DOS RECURSOS E O PLANEJAMENTO PARA O ORÇAMENTO 1. Qual a origem dos recursos disponíveis no orçamento para a área da INFÂNCIA? Todos

Leia mais

18/03/2014. Artigo Cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico não é:

18/03/2014. Artigo Cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico não é: Artigo cientifico Artigo Cientifico Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.

Leia mais

O Profissional de Secretariado e sua Identidade. Bernadete Lieuthier Presidente da FENASSEC

O Profissional de Secretariado e sua Identidade. Bernadete Lieuthier Presidente da FENASSEC O Profissional de Secretariado e sua Identidade Bernadete Lieuthier Presidente da FENASSEC Identidade do Profissional de Secretariado Assessor = viabilizador Gestor = intermediador Empreendedor = visão

Leia mais

I N E D I Instituto Nacional de Ensino a Distância FICHA DE ESTÁGIO

I N E D I Instituto Nacional de Ensino a Distância FICHA DE ESTÁGIO ATENÇÃO: Não esqueça de averiguar a regularidade do responsável pelo estágio no CRECI, só assim poderemos receber esse documento. FICHA DE ESTÁGIO ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

Duas línguas próximas, globais e de futuro

Duas línguas próximas, globais e de futuro Duas línguas próximas, globais e de futuro Augusto Santos Silva 1 Não tenho competência para avaliar a proximidade entre a língua portuguesa e a língua espanhola do ponto de vista linguístico. Sei apenas

Leia mais

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO PLANOS ESTRATÉGICOS DE DESENVOLVIMENTO URBANO AVISO DE CONCURSO Nº ALT20 06 2016 18 ALT20 16 2016 19 ALT20 43 2016 20 DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA

Leia mais

Objetivo. Planeje. Atribuição não-comercial. 1 Acesse o CAQi no

Objetivo. Planeje. Atribuição não-comercial. 1 Acesse o CAQi no Objetivo Desenvolver um processo de planejamento financeiro para uma Política Intersetorial de Educação Integral garantindo os recursos necessários e tendo como base o Planejamento Intersetorial territorializado,

Leia mais

Gabriela Geovana Pinho. Fátima Inês Wolf de Oliveira. Faculdade de Filosofia e Ciências FFC UNESP/Campus Marília

Gabriela Geovana Pinho. Fátima Inês Wolf de Oliveira. Faculdade de Filosofia e Ciências FFC UNESP/Campus Marília INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS DE UMA ESCOLA BÁSICA DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA Gabriela Geovana Pinho Fátima Inês Wolf de

Leia mais

II SEMINÁRIO MERCADO AUDIOVISUAL 2016 OPORTUNIDADES PARA VENDA DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL

II SEMINÁRIO MERCADO AUDIOVISUAL 2016 OPORTUNIDADES PARA VENDA DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL II SEMINÁRIO MERCADO AUDIOVISUAL 2016 OPORTUNIDADES PARA VENDA DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL TÓPICOS 1. A O2 Play 2. Selos de Curadoria - Uma nova estratégia de distribuição 3. Case Paratodos 4. Como trabalhar

Leia mais

Programação. Entrega do Prêmio Mérito Consad de Gestão Pública

Programação. Entrega do Prêmio Mérito Consad de Gestão Pública Horário Dia 5 de julho de 2017 14h30 Solenidade de abertura Auditório Master 15h30 Entrega do Prêmio Mérito Consad de Gestão Pública 16 horas Conferência magna Gestão dos serviços públicos: o protagonismo

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020

SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 SISTEMAS DE INCENTIVOS PORTUGAL 2020 Qualificação PME Esta candidatura consiste num plano de apoio financeiro a projetos que visam ações de qualificação de PME em domínios imateriais com o objetivo de

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura Foco: Impactos da Emenda Constitucional do SNC na organização

Leia mais

INVESTIMENTOS SOCIAIS

INVESTIMENTOS SOCIAIS NOVA LIMA 2015 INVESTIMENTOS SOCIAIS Fotos: arquivo AGA Artesão da Associação dos Artesãos de Nova Lima, Artes da Terra, iniciativa apoiada pelo Chamada Pública de Projetos Artesã da Associação dos Artesãos

Leia mais

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013 REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS 10 de Dezembro 2013 I Denominação Fundada no Brasil em 16 de março de 2007, denomina-se REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA o conjunto de organizações da

Leia mais

Instituto Brasiliense de Direito Público - IDP Escola de Direito de Brasília Centro de Pesquisa - CEPES

Instituto Brasiliense de Direito Público - IDP Escola de Direito de Brasília Centro de Pesquisa - CEPES - PROJETO PEDAGÓGICO - CURSO DE FORMAÇÃO EM TEORIA GERAL DO DIREITO PÚBLICO BRASÍLIA 2014 SUMÁRIO 1 NOME DO CURSO E ÁREA DO CONHECIMENTO...3 2 JUSTIFICATIVA...3 3 OBJETIVOS...3 4 CONCEPÇÃO DO PROGRAMA...4

Leia mais

comunitária, além de colocá-los a salvo de todas as formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

comunitária, além de colocá-los a salvo de todas as formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. SISTEMA DE GARANTIA DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Art. 227 - É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida,

Leia mais

Avaliando os vínculos externos

Avaliando os vínculos externos Módulo 2 Avaliando os vínculos Conteúdo SESSÃO 1 Avaliando os vínculos 54 53 Módulo 2 Sessão 1 Avaliando os vínculos As áreas chaves ligadas aos vínculos são: Relacionamentos com outras organizações Defesa

Leia mais

EMPRESA DE ÁGUAS E SANEAMENTO DE BENGUELA Rua Sacadura Cabral, N.º112 Telef: /89 Telefax: Website:

EMPRESA DE ÁGUAS E SANEAMENTO DE BENGUELA Rua Sacadura Cabral, N.º112 Telef: /89 Telefax: Website: EMPRESA DE ÁGUAS E SANEAMENTO DE BENGUELA Rua Sacadura Cabral, N.º112 Telef: 24427326/89 Telefax: 272233615 Website: WWW.easb.co. ao 1 MUNICÍPIOS DE BENGUELA E BAIA FARTA 2 Índice 1. Introdução 2. Empresa,

Leia mais

ASSEMBLEIA DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO DOCUMENTO APROVADO EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

ASSEMBLEIA DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO DOCUMENTO APROVADO EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 ASSEMBLEIA DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO CRITÉRIOS DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA A ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO APROVADO POR MAIORIA, SEM ALTERAÇÕES, NA ASSEMBLEIA

Leia mais

Coleção Campos Gerais de Artesanato Regulamento/2013

Coleção Campos Gerais de Artesanato Regulamento/2013 Coleção Campos Gerais de Artesanato Regulamento/2013 APRESENTAÇÃO A Agência de Desenvolvimento do Turismo Sustentável da Região dos Campos Gerais e da Rota dos Tropeiros do Paraná em parceria com a 2ª

Leia mais

Missão Gerar e transferir tecnologias sociais orientadas ao desenvolvimento humano integral.

Missão Gerar e transferir tecnologias sociais orientadas ao desenvolvimento humano integral. Instituto Kairós Organização sem fins lucrativos fundada em 2002, com núcleos físicos em Minas Gerais instalados nos municípios de Nova Lima e Brumadinho. Atuação Atua no território por meio do fortalecimento

Leia mais

Dossiê. Ciências Sociais e Educação

Dossiê. Ciências Sociais e Educação Dossiê Ciências Sociais e Educação Apresentação do Dossiê Ciências Sociais e Educação Décio Azevedo Marques Saes* Roger Marchesini de Quadros Souza** Nossa intenção, ao projetarmos o dossiê Ciências sociais

Leia mais

PROGRAMAÇÃO. 11h às 12h Mesa: Políticas Públicas Culturais Inclusivas e Acessíveis: Diretrizes e Cenários

PROGRAMAÇÃO. 11h às 12h Mesa: Políticas Públicas Culturais Inclusivas e Acessíveis: Diretrizes e Cenários Natal RN 21 a 24 de Maio de 2014 PROGRAMAÇÃO 21/05, quarta feira 8h30 às 8h45 Apresentação Cultural 9h às 10h30 Mesa de Abertura 11h às 12h Mesa: Políticas Públicas Culturais Inclusivas e Acessíveis: Diretrizes

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Marcelo Gomes dos Santos Marcelo Puertas Otávio dos Anjos AES Eletropaulo Metropolitana

Leia mais

II - CADASTRO DA ORGANIZAÇÃO

II - CADASTRO DA ORGANIZAÇÃO PRÊMIO ITAÚ-UNICEF 2017 Parceria OSC e Escola Pública FICHA DE INSCRIÇÃO I Dados de Acesso Nº CNPJ da organização Nome da organização E-mail da organização Telefone da organização Nome do responsável pela

Leia mais

Como pensar a questão o do empreendedorismo no Brasil?

Como pensar a questão o do empreendedorismo no Brasil? Como pensar a questão o do empreendedorismo no Brasil? Anne-Marie Maculan UFRJ/COPPE/PEP II Seminário Internacional - Empreendedorismo, Pequenas e Médias Empresas e Desenvolvimento Local - Rio de Janeiro

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE. Profª Fabiana

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE. Profª Fabiana A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE Profª Fabiana Principais Legislações que regem a Educação Permanente em Saúde : 8ª Conferência Nacional de Saúde - 1986 Constituição Brasileira de 1988 Lei 8080, de 19 de

Leia mais

Apoios ao Empreendedorismo

Apoios ao Empreendedorismo Apoios ao Empreendedorismo IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação, I.P.MEI - Ministério da Economia e da Inovação Objetivos: Facilitar o acesso a soluções de financiamento

Leia mais

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA INTRODUÇÃO Neste Caso Didático vamos relatar a experiência de organização dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) de um município de grande

Leia mais

Horizonte 2020 Desafio Societal 6: Europa num mundo em mudança: sociedades inclusivas, inovadoras e reflexivas

Horizonte 2020 Desafio Societal 6: Europa num mundo em mudança: sociedades inclusivas, inovadoras e reflexivas Fundação para a Ciência e Tecnologia Agência de Inovação Horizonte 2020 Desafio Societal 6: Europa num mundo em mudança: sociedades inclusivas, inovadoras e reflexivas Ricardo Migueis Marisa Borges Daniela

Leia mais

PPLE - Partido Popular de Liberdade de Expressão

PPLE - Partido Popular de Liberdade de Expressão COMISSÃO EXECUTIVA MUNICIPAL do PPLE Nome do Município/UF Vice- Geral Organização Jurídico Finanças Formação Comunicação Secretária da Mulher da Juventude A Comissão Executiva será eleita pelo Diretório,

Leia mais

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa.

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aprender a Empreender Objetivo: Desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes sobre

Leia mais

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL Jôer Corrêa Batista Considerações Preliminares. Filantropia Assistência Ação Social Transformação Social Tendências O amadorismo no Terceiro Setor vem

Leia mais

ROTEIRO PARA RELATÓRIO SEMESTRAL (Fase de elaboração da dissertação/tese) Relatório nº

ROTEIRO PARA RELATÓRIO SEMESTRAL (Fase de elaboração da dissertação/tese) Relatório nº ROTEIRO PARA RELATÓRIO SEMESTRAL (Fase de elaboração da dissertação/tese) Relatório nº Ano/Sem.: Nome do Aluno: Endereço: Tel. p/ contato: Título da dissertação/tese: Orientador: Prof. (a) Dr. (a). Coorientador:

Leia mais

Fundação Nacional da Qualidade: a excelência da gestão é a nossa causa 01/10/2015

Fundação Nacional da Qualidade: a excelência da gestão é a nossa causa 01/10/2015 Fundação Nacional da Qualidade: a excelência da gestão é a nossa causa 01/10/2015 Temas da apresentação Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica.

Leia mais

PROJETO DETRANSPORTE ACESSÍVEL ANDANDO MAIS.

PROJETO DETRANSPORTE ACESSÍVEL ANDANDO MAIS. PROJETO DETRANSPORTE ACESSÍVEL ANDANDO MAIS 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1 Da Entidade Social Nome: Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Jaboticabal Endereço: Rua Ana Ramos de Carvalho, 69 Bairro: Nova

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE SERTÃOZINHO ERICK APARECIDO DIAS PEREIRA KEILA ANDRADE VITOR

FACULDADE ANHANGUERA DE SERTÃOZINHO ERICK APARECIDO DIAS PEREIRA KEILA ANDRADE VITOR FACULDADE ANHANGUERA DE SERTÃOZINHO ERICK APARECIDO DIAS PEREIRA KEILA ANDRADE VITOR A.T.P.S GESTÃO DA QUALIDADE SERTÃOZINHO-SP 2012 FACULDADE ANHANGUERA DE SERTÃOZINHO ERICK APARECIDO DIAS PEREIRA KEILA

Leia mais

Coordenação de Psicologia

Coordenação de Psicologia Coordenação de Psicologia ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA INESP/FUNEDI/UEMG 2º SEMESTRE 2011 ESTÁGIOS OFERECIDOS PARA OS ALUNOS DE 5º ao 7º PERÍODOS (Núcleo Básico) 1. ANÁLISE INSTITUCIONAL

Leia mais

VIABILIZAÇÃO DE PROJETOS

VIABILIZAÇÃO DE PROJETOS VIABILIZAÇÃO DE PROJETOS O cenário econômico do país atravessa um momento de expansão, pautado principalmente por um volume considerável de investimentos, o qual deve ser traduzido em melhorias de infra-estrutura,

Leia mais

Público: Corretores que fazem parte da Rede RE/MAX. Próximas turmas:

Público: Corretores que fazem parte da Rede RE/MAX. Próximas turmas: Os clientes do mercado imobiliário estão cada vez mais exigentes e em busca de um profissional que possa atendê-los a contento. Para isso, há uma série de técnicas específicas tanto para a apresentação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

MANTENEDORES INSTITUCIONAIS

MANTENEDORES INSTITUCIONAIS O Instituto Saúde e Sustentabilidade é uma OSCIP - Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, fundado em dezembro de 2008, que atua com soluções para promover a saúde humana nas cidades por meio

Leia mais

TUTORIAL DO EDITAL PÚBLICO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA PATROCÍNIO FINEP 1º PERÍODO - 16 DE NOVEMBRO DE 2016 A 30 DE ABRIL DE º PERÍODO - 02 DE

TUTORIAL DO EDITAL PÚBLICO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA PATROCÍNIO FINEP 1º PERÍODO - 16 DE NOVEMBRO DE 2016 A 30 DE ABRIL DE º PERÍODO - 02 DE TUTORIAL DO EDITAL PÚBLICO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA PATROCÍNIO FINEP 1º PERÍODO - 16 DE NOVEMBRO DE 2016 A 30 DE ABRIL DE 2017 2º PERÍODO - 02 DE MAIO A 31 DE OUTUBRO DE 2017 Julho/2016 Este tutorial

Leia mais

A DIRETORIA DA ATENÇÃO BÁSICA DA BAHIA E SUA EXPERIÊNCIA DE APOIO INSTITUCIONAL AOS MUNICÍPIOS

A DIRETORIA DA ATENÇÃO BÁSICA DA BAHIA E SUA EXPERIÊNCIA DE APOIO INSTITUCIONAL AOS MUNICÍPIOS SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE APOIO INSTITUCIONAL E DESENVOLVIMENTO Secretaria da Saúde A DIRETORIA DA ATENÇÃO

Leia mais

PORTARIA DA PROPPEX nº 002/2007

PORTARIA DA PROPPEX nº 002/2007 PORTARIA DA PROPPEX nº 002/2007 O Prof. Dr. Paulo Rogério Stella, Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Fundação Santo André, no uso de suas atribuições legais, constantes no Regimento Geral

Leia mais

10 PASSOS PARA EMPREGABILIDADE

10 PASSOS PARA EMPREGABILIDADE 10 PASSOS PARA EMPREGABILIDADE 1 - Capacitação - É indiscutível, que o mínimo necessário para ter acesso ao mundo do trabalho vem através da capacitação. Isso não é novidade. Portanto, o que falta? Ação!

Leia mais

1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA

1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA 1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA A Avaliação de Desempenho em municípios paulistas, com destaque para o município de Tarumã Maria do Carmo M. T. Cruz Gestão de Pessoas

Leia mais

A importância do Varejo no Sistema Financeiro

A importância do Varejo no Sistema Financeiro A importância do Varejo no Sistema Financeiro MISSÃO ACREFI MISSÃO A Casa do Crédito ao Consumidor desde 1958 A ACREFI Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento foi

Leia mais

Introduz áreas adicionais de conhecimento (reabilitação, segurança, sustentabilidade...)

Introduz áreas adicionais de conhecimento (reabilitação, segurança, sustentabilidade...) Aprofunda conhecimentos específicos já introduzidos nos anos anteriores nas cadeiras de Materiais de Construção, Física das Construções, Tecnologia das Construções e Direcção de Obras; Introduz áreas adicionais

Leia mais

Estágio - Experimento Didático. Câmpus Camboriú

Estágio - Experimento Didático. Câmpus Camboriú Estágio - Experimento Didático Câmpus Camboriú O CURSO Formação encadeada Disciplinas planejadas Professores organizados Práticas Articuladas TERCEIRO SEMESTRE Tecnologias no Ensino da Matemática Primeiras

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico Edital Nº

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 2.177, DE 2003.

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 2.177, DE 2003. COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 2.177, DE 2003. Cria o programa de auxilio e assistência à reorientação sexual das pessoas que voluntariamente optarem pela mudança de sua orientação

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 07. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 07. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 07 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua PROBLEMAS POLÍTICOS E AGENDA DE POLÍTICAS AGENDA Lista de prioridades inicialmente estabelecidas, às quais os governos devem dedicar suas energias

Leia mais

Seminário Internacional de Sistemas de Administração Financeira nos Estados Brasileiros

Seminário Internacional de Sistemas de Administração Financeira nos Estados Brasileiros Seminário Internacional de Sistemas de Administração Financeira nos Estados Brasileiros 11 e 12 de setembro de 2012 11/09. terça-feira (08:30) Registro (09:00 09:30) Abertura Renato Augusto Zagallo Villela

Leia mais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais RELATÓRIO PERIÓDICO COMARCA DE: NOME DO MAGISTRADO: PERÍODO A QUE RESPEITA: DATA: CÍRCULO DE 1 - Acções Laborais Processos Conciliações Acções Arquivamento Acções Recebidos Pré-Judiciais Propostas Pedido

Leia mais

Possibilidades de PPP em Saneamento

Possibilidades de PPP em Saneamento Seminário Internacional MRE BID BNDES Parceria Público-Privada Privada na Prestação de Serviços de Infra-estrutura Possibilidades de PPP em Saneamento ROGÉRIO DE PAULA TAVARES Diretor de Saneamento e Infra-estrutura

Leia mais

Projeto Rio 2016 Olimpíadas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Projeto Rio 2016 Olimpíadas dos Direitos da Criança e do Adolescente Olimpíadas dos Direitos da Criança e do Adolescente Entidade executora: FNP Vigência: 24 meses (2016-2018) Cofinanciamento: União Europeia Parceiros : Iscos Piemonte (Itália), Viva Rio, Ecpat França, Município

Leia mais

Transforme sua empresa em Franquia

Transforme sua empresa em Franquia Transforme sua empresa em Franquia Nossa História de Sucesso O Grupo Multiply foi criado por um grupo de consultores com experiências em atendimento de projetos de gestão em micro, pequenas e médias empresa.

Leia mais

CIVITAS AVGVSTINIANA Revista Internacional de Estudos Agostinianos

CIVITAS AVGVSTINIANA Revista Internacional de Estudos Agostinianos CIVITAS AVGVSTINIANA Revista Internacional de Estudos Agostinianos Vol. 1, nº2, Jul/Dez 2012 ISSN 164/2012 Diretora Paula Oliveira e Silva Vice-Diretor Luis Evandro Hinrichsen Gabinete de Filosofia Medieval

Leia mais

CTCP projetos QUALIFICAÇÃO FORMAÇÃO PME

CTCP projetos QUALIFICAÇÃO FORMAÇÃO PME CTCP projetos QUALIFICAÇÃO FORMAÇÃO PME PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CONSULTORIA NAS PMEs DO CLUSTER DO CALÇADO O Programa Formação PME é constituído por ações de consultoria e de formação ajustadas a micro,

Leia mais

Governança e Gestão das Aquisições. Encontro com fornecedores dos Correios. Brasília Junho/2016

Governança e Gestão das Aquisições. Encontro com fornecedores dos Correios. Brasília Junho/2016 Governança e Gestão das Aquisições Encontro com fornecedores dos Correios Brasília Junho/2016 Agenda Importância do tema para o TCU Criticidade das aquisições O porquê da Governança Governança x Gestão

Leia mais

Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro (UNIP Santos) Prof. Ms. Edison da Silva Monteiro (UNIP Santos) Prof. Ms. Henrique Cesar Nanni (UNIP Santos)

Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro (UNIP Santos) Prof. Ms. Edison da Silva Monteiro (UNIP Santos) Prof. Ms. Henrique Cesar Nanni (UNIP Santos) Desenvolvimento Sustentável e Governança Participativa: Arranjo Produtivo Local e Parque Tecnológico de Santos. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro (UNIP Santos) Prof. Ms. Edison da Silva Monteiro (UNIP

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA INCUBADORA TECCAMINHA. Preambulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA INCUBADORA TECCAMINHA. Preambulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA INCUBADORA TECCAMINHA Preambulo O empreendedorismo é considerado um importante pilar da economia e uma forma de promover o auto-emprego e o desenvolvimento económico.

Leia mais

17ª Semana de Psicologia da UNIT SUBMISSÃO DE PROPOSTAS MODALIDADES DE TRABALHO

17ª Semana de Psicologia da UNIT SUBMISSÃO DE PROPOSTAS MODALIDADES DE TRABALHO 17ª Semana de Psicologia da UNIT SUBMISSÃO DE PROPOSTAS Estamos recebendo propostas de apresentação de trabalhos na 17ª Semana de Psicologia da UNIT. MODALIDADES DE TRABALHO Os trabalhos deverão ser inscritos

Leia mais

O PODER DO VERMELHO. Alessandra Ribeiro Diretora F. Executiva de Vendas Independente

O PODER DO VERMELHO. Alessandra Ribeiro Diretora F. Executiva de Vendas Independente O PODER DO VERMELHO Alessandra Ribeiro Diretora F. Executiva de Vendas Independente CHEGOU A HORA DE VOCÊ SE PROMOVER EM SUA EMPRESA!!! VAMOS DAR O PASSO MAIS IMPORTANTE EM SUA CARREIRA MARY KAY? ESSA

Leia mais