Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015"

Transcrição

1 Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia Belém 03 de Setembro de 2015

2 TURISMO NÁUTICO Caracteriza-se pela utilização de embarcações náuticas como finalidade da movimentação turística, podendo ocorrer em lagoas, rios, represas, lagos ou no mar, envolvendo também as atividades de cruzeiros (marítimos ou fluviais), passeios, excursões e outras viagens realizadas em embarcações náuticas com finalidade turística (MTur).

3 TURISMO NÁUTICO PARAENSE Passeio de barco no rio Tapajós Fonte:

4 POR QUE INVESTIR NO TURISMO NÁUTICO PARAENSE? As atividades náuticas na região Amazônica e no Pará A navegação é algo inerente ao contexto socioambiental da Amazônia, está relacionado ao processo histórico de ocupação do território e de seu desenvolvimento econômico; No Pará, os rios são os caminhos naturais que integram pessoas, garantem a assistência e possibilitam o escoamento da produção, as embarcações e navegação fazem parte do cotidiano da população; As atividades náuticas desempenham papel estratégico no contexto sociocultural e econômico do Pará, como meio de transporte, como lazer e ainda apresentam elevado potencial turístico;

5 POR QUE INVESTIR NO TURISMO NÁUTICO PARAENSE? As deficiências de estruturação das atividades, estruturas e serviços de apoio náutico O transporte fluvial que é disponibilizado atualmente se mostra inadequado para a população paraense e para seus visitantes; As embarcações em geral são antigas, mal conservadas e, normalmente, são desconfortáveis, lentas e aparentam serem pouco seguras; As instalações náuticas para o atendimento de passageiros e cargas são precárias e, frequentemente, denunciam situações caóticas em termos de organização dos serviços e das normas de segurança.

6 POR QUE INVESTIR NO TURISMO NÁUTICO PARAENSE? A qualidade das embarcações, dos serviços, da estrutura física e instalações náuticas de apoio são determinantes para o desenvolvimento do turismo e fator preponderante para a competitividade dos produtos característicos do segmento.

7 INVESTIMENTOS FEITOS PELO ESTADO PARA MELHORAR OS TERMINAIS HIDROVIÁRIOS DE PASSAGEIROS EM BELÉM Píer Turístico Vale Verde Estação das Docas Disponível em /galeria/6901/6901_33934.jpg Novo Terminal Hidroviário de Belém Foto: Sílvio Junior - disponível em ZjzRlwMUCms/U9twlX814wI/AAAAAAAAzrI/ltO1KSew8E0/s1600/ 49761_ jpg

8 MAS A SITUAÇÃO AINDA É PRECÁRIA AO LONGO DA ORLA... Porto Ver-o-Peso Foto: Associação dos Pequenos Transportadores Fluviais g.com/jo/g1/f/original/2013/09/02/porto.jpg Foto: Gerson Sobreira

9 PRINCIPAIS OBJETIVOS Qualificar e diversificar a oferta turística no Estado com base nos princípios e práticas de sustentabilidade ambiental e sociocultural; Implantar instrumentos para o ordenamento turístico das estruturas de apoio náutico para garantir eficiência dos serviços, segurança, conforto e condições adequadas para o atendimento e o bem-estar dos usuários; Ampliar e qualificar a estrutura de apoio náutico dos destinos selecionados;

10 Melhorar a integração e as condições de acesso aos atrativos turísticos; Fomentar a geração de emprego e renda do setor e a estabilidade de postos de trabalho; Contribuir para o ordenamento das orlas; Promover a articulação e a integração entre organizações públicas e privadas que atuam na cadeia produtiva do turismo de náutico.

11 ÁREAS PORTUÁRIAS PRIORITÁRIAS

12 TERMINAL HIDROVIÁRIO ESTAÇÃO DAS DOCAS VER-O-PESO TRAPICHE COMPLEXO FELIZ LUSITÂNIA PORTO ARARAPI PORTO AÇAÍ BIRUTA PORTO DO SAL Região Portuária de Belém Disponível em

13 Porto de Camará Marajó Disponível em

14 Orla portuária de Santarém Disponível em

15 PRINCIPAIS AÇÕES REALIZADAS Levantamento e mapeamento das principais estruturas e empreendimentos náuticos nos Polos Belém, Marajó e Tapajós (2013/2014); Benchmarking no litoral do Rio de Janeiro (2013); Sistematização das informações sobre os polos (2014); Atualização do levantamento e mapeamento no Polo Belém (2015); Articulação para o sucesso nos receptivos nas temporadas dos cruzeiros marítimos.

16 RESULTADOS PARCIAIS SOBRE O SETOR NÁUTICO NO PARÁ O levantamento realizado em 2013/2014 apresenta a diversidade de estruturas e empreendimentos náuticos nos Polos Belém, Tapajós e Marajó Portos e píeres instalados nas margens dos rios; Marinas, restaurantes ribeirinhos, lojas de equipamentos e serviços de manutenção.

17 RESULTADOS PARCIAIS SOBRE O SETOR NÁUTICO NO PARÁ Polo Belém: Visitas realizadas: 10 marinas e sete restaurantes ao longo dos rios Maguari, Pratiquara, Guamá e Ariri, Igarapé Linguajara e Baía do Guajará; 04 operadores de passeios fluviais; 06 portos que se encontram em atividade;

18 RESULTADOS PARCIAIS SOBRE O SETOR NÁUTICO NO PARÁ Visitas realizadas: Polo Tapajós: Uma marina; Empreendimentos comerciais ligados ao segmento náutico. Polo Marajó: Estruturas que dão suporte às atividades náuticas.

19 RESULTADOS PARCIAIS SOBRE O SETOR NÁUTICO NO PARÁ Na atualização da pesquisa em Belém, em andamento, verificou-se nas 05 marinas visitadas o expressivo crescimento no número de embarcações, empregos e atividades de lazer, as quais poderão tornar-se atrativos para os turistas que visitam a cidade. Observou-se também maiores investimentos em segurança, acessibilidade e ações de responsabilidade social.

20 COMPARATIVO (RESULTADOS PARCIAIS) Nº DE EMBARCAÇÕES Nº DE EMPREGOS ATIVIDADES FUNCIONAMENTO (EM GERAL) Garagem Manutenção Lavagem Resgate marítimo Comunicação por rádio Terça a domingo Eventos Stand up Canoagem Slack line Passeio de lancha Aluguel de jet ski Diário

21 PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES DOS EMPREENDEDORES ENTREVISTADOS EM 2015 Importância de se construir equipamentos de suporte às atividades náuticas (trapiches e flutuantes) nas parias, praças e pontos turísticos (Ex: Estação das Docas); Necessidade da intensificação da segurança nos rios próximos à ilha de Outeiro para evitar os frequentes assaltos a praticantes de atividades náuticas.

22 ALGUMAS ATIVIDADES PLANEJADAS: No âmbito da gestão Instituir comitê gestor do turismo náutico nos municípios de Belém, Santarém, Soure e Salvaterra; Elaborar e divulgar o código de normas do turismo náutico; Elaborar e implantar de programa de Educação Ambiental nas áreas portuárias, de orlas, para prestadores de serviços e equipamentos de apoio náutico; Prestar apoio técnico de suporte à fiscalização das embarcações de uso turístico; Definir e implementar políticas de incentivo à qualificação das embarcações de uso turístico;

23 ALGUMAS ATIVIDADES PLANEJADAS: Obras de ampliação e qualificação da infraestrutura de apoio náutico Realizar obras de melhoria dos terminais fluviais de passageiros de movimentação turística (limpeza, conservação, construção ou qualificação de banheiros, construção de rampas e apoios de acessibilidade, sinalização indicativa e orientação para passageiros, dentre outros); Construir ou ampliar cais e flutuantes para apoio das atividades de turismo náutico em áreas turísticas prioritárias; Qualificação urbana no entorno dos principais terminais de passageiros de movimentação turística.

24 DIRETORIA DE PRODUTOS TURÍSTICOS Conceição Silva da Silva Diretora de Produtos Turísticos Allyson Neri de Oliveira Coordenador de Segmentação de Produtos Turísticos Fone: (91) / Ana Cristina Leão Gerente de Turismo de Natureza Rafaella Brito Gerente de Turismo Cultural Deoclécio Junior Gerente de Turismo de Sol e Praia Daniel Bastos Gerente de Turismo Náutico Conceição Pereira Gerente de Turismo Rural Fabíola Ramos Gerente de Turismo de Negócios, Eventos e Incentivos

25

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A Mod erniz ação dos Porto s Brasil eiros para a Copa do Mun do de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo Secretaria

Leia mais

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo ANTAQ

Leia mais

Segurança e Meio Ambiente na Navegação na Região Amazônica

Segurança e Meio Ambiente na Navegação na Região Amazônica I Seminário de Sustentabilidade Ambiental no Transporte Aquaviário Segurança e Meio Ambiente na Navegação na Região Amazônica Adalberto Tokarski Diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários Brasília,

Leia mais

PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS

PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS AGOSTO, 2009 PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS Meios de Transportes Atrativo Turístico Necessidades do Turista Turista O turista compra direto com a rede de prestadores de serviços turísticos

Leia mais

SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015

SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015 SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015 Telefone: (91) 3110-5000 E-mail: gesturpara@gmaiil.com Plano Ver-o-Pará Plano Operacional de Desenvolvimento SETUR; Macroprograma

Leia mais

A Regulação em proveito da Segurança e da Qualidade dos Serviços de Transporte Fluvial de Passageiros

A Regulação em proveito da Segurança e da Qualidade dos Serviços de Transporte Fluvial de Passageiros Agência Nacional de Transportes Aquaviários I Simpósio da Amazônia de Segurança no Transporte Regional Fluvial A Regulação em proveito da Segurança e da Qualidade dos Serviços de Transporte Fluvial de

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal SERRA DO AMOLAR A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal 2015 O CAMINHO DAS ÁGUAS Quando adentram a planície, as águas diminuem de velocidade por conta da baixa declividade e dão origem a grandes

Leia mais

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial O Turismo é a atividade mais promissora para a promoção do desenvolvimento sustentável Entretanto...o modelo adotado de Turismo no litoral brasileiro tem

Leia mais

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Sumário Assistência Social Saúde Educação Infraestrutura - Comunicação e Energia Moradia Bolsa Família Bolsa Verde Direitos Culturais A

Leia mais

Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira;

Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira; Efervescência Cultural; Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira; Deserto de Areias brancas com

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br ROTEIROS PAULISTAS DE TURISMO EQUESTRE O Turismo Eqüestre que tem nos eqüídeos o principal atrativo ou, pelo menos, uma das principais motivações, já é reconhecido em diferentes países como um importante

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque 3 -Administração da Empresa de Turismo Princípios da Administração de Recursos Administração Abrangente: Olhando o Todo Teoria da Administração e Gestão Teoria da

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.38 - Programa de Apoio a Revitalização e incremento da Atividade de Turismo Relatório Semestral de Atividades Realizadas EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

3. TURISMO EM AMBIENTES AQUÁTICOS. 3.3 Mercado de turismo náutico no Brasil;

3. TURISMO EM AMBIENTES AQUÁTICOS. 3.3 Mercado de turismo náutico no Brasil; 3. TURISMO EM AMBIENTES AQUÁTICOS 3.3 Mercado de turismo náutico no Brasil; Breve panorama do mercado de turismo náutico (ou das atividades de lazer náutico?) no Brasil O mercado náutico de lazer envolve

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

Porto Alegre. Host City Fifa World Cup 2014

Porto Alegre. Host City Fifa World Cup 2014 Porto Alegre Host City Fifa World Cup 2014 31/05/2009 A FIFA anuncia as 12 cidades-sede 13/01/2010 Formalização do Grupo Executivo da Copa Gecopa; Anúncio do Programa BNDES Pró-Copa Turismo (recursos para

Leia mais

FECOMÉRCIO FALTOU NO CLIPPING VEÍCULO: GAZETA DO OESTE DATA: 08.02.15 EDITORIA: CIDADES

FECOMÉRCIO FALTOU NO CLIPPING VEÍCULO: GAZETA DO OESTE DATA: 08.02.15 EDITORIA: CIDADES FECOMÉRCIO FALTOU NO CLIPPING VEÍCULO: GAZETA DO OESTE DATA: 08.02.15 EDITORIA: CIDADES VEÍCULO: GAZETA DO OESTE DATA: 08.02.15 EDITORIA: LISTZ MADRUGA VEÍCULO: GAZETA DO OESTE DATA: 08.02.15 EDITORIA:

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

PLANO DE REABILITAÇÃO URBANÍSTICA, TURISMO E CULTURA DE ABAETETUBA/PA Coordenação: Arqtª e Urbanista Roseane Norat LACORE/FAU/UFPA

PLANO DE REABILITAÇÃO URBANÍSTICA, TURISMO E CULTURA DE ABAETETUBA/PA Coordenação: Arqtª e Urbanista Roseane Norat LACORE/FAU/UFPA PLANO DE REABILITAÇÃO URBANÍSTICA, TURISMO E CULTURA DE ABAETETUBA/PA Coordenação: Arqtª e Urbanista Roseane Norat LACORE/FAU/UFPA REQUALIFICAÇÃO E REABILITAÇÃO URBANÍSTICA DA ORLA FLUVIAL E FEIRA DE ABAETETUBA

Leia mais

Câmara temática de gestão: Capacitação, Tecnologia e Inovação Coord.: Aluísio Cabral. Ação: Capacitar em Gestão

Câmara temática de gestão: Capacitação, Tecnologia e Inovação Coord.: Aluísio Cabral. Ação: Capacitar em Gestão Câmara temática de gestão: Capacitação, Tecnologia e Inovação Coord.: Aluísio Cabral Ação: Capacitar em Gestão 1. Palestras no Fórum com representantes ABRASEL e ABIH (nos seis municípios) 1. Associativismo

Leia mais

Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica

Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia Faculdade de Engenharia Naval Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica Fevereiro 2012 Identificar

Leia mais

contexto estratégico, económico e empresarial

contexto estratégico, económico e empresarial A Marina de Albufeira Uma história de 10 anos A Marina e a cidade de Albufeira, uma relação de futuro 1997 2001 2020 A Marina de Albufeira - descrição Albufeira Algarve - Portugal 475 postos de amarração

Leia mais

P. 38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo

P. 38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo PLANO DE AÇÃO NR 01 /2013-2014 Ação/proposta: Viabilizar a construção da torre de observação de pássaros (Ecoturismo). Descrição da ação/proposta: Articular juntos as lideranças municipais e junto a UHE

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO ABRIL / 2005 Apresentação SMPDSE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E A Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 79 80 81 82 83 84. Restauração, Intervenção da Praça General Tibúrcio - Fortaleza Histórica

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 79 80 81 82 83 84. Restauração, Intervenção da Praça General Tibúrcio - Fortaleza Histórica CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 200.000,00 45.000,00 194.960,00 400.000,00 80.000,00 550.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência? 1.2 Escala da ação é compatível

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 37 38 39 40 41 42

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 37 38 39 40 41 42 085/230 - Terezinha - CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 500.000,00 120.000,00 5.200.000,00 693.000,00 2.790.000,00 8.000.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência?

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Projeto de Pesquisa: principais resultados. Perfil dos guias de turismo atuantes no estado de Alagoas

Projeto de Pesquisa: principais resultados. Perfil dos guias de turismo atuantes no estado de Alagoas Projeto de Pesquisa: principais resultados Perfil dos guias de turismo atuantes no estado de Alagoas A pesquisa Este projeto de pesquisa traçou o perfil dos guias de turismo atuantes em Alagoas, apresentando

Leia mais

Por que temos um Estudo de Competitividade?

Por que temos um Estudo de Competitividade? Por que temos um Estudo de Competitividade? Criação de índices nos ajuda a conhecer as dificuldades do destino turístico. O estudo proporciona informações para a elaboração de planos de ação mais objetivos.

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA SITUAÇÃO ATUAL INTEGRAÇÃO METROPOLITANA NA LEI ORGÂNICA DE CURITIBA TÍTULO IV - DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I - DA ORDEM ECONÔMICA

Leia mais

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Legislação Turística LEI N º 11.771/2008 DECRETO N 7.381/2010 PORTARIA N 197/20103 PORTARIA Nº 311/2013 Legislação Turística Lei Geral do Turismo 11.771/2008

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL Programa 0410 Turismo: a Indústria do Novo Milênio Objetivo Aumentar o fluxo, a taxa de permanência e o gasto de turistas no País. Público Alvo Turistas brasileiros e estrangeiros Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi

ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO s CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 500.000,00 1.000.000,00 2.850.000,00 170.000,00 30.000,00 1.120.000,00

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO GABINETE DO PREFEITO O Plano de Metas é um instrumento de gestão que orienta a Prefeitura na direção de uma cidade sustentável e oferece aos cidadãos e à imprensa um mecanismo para avaliar os compromissos

Leia mais

Ministério do Turismo. Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Turismo. Ministério do Meio Ambiente do A Campanha Passaporte Verde é uma iniciativa global que visa estimular o turista a adotar uma atitude de consumo responsável, mostrando de que forma suas escolhas podem contribuir para a conservação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização

Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira, Profissionalização e Internacionalização,

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014

INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014 INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014 Por Milton Karam 06.outubro.2010 COPA FIFA 2014 CRONOLOGIA 2003 03 de junho - a Confederação Sul-Americana de Futebol CONMEBOL anuncia Argentina, Brasil e Colômbia 2006

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

APRIMORAMENTO PORTUÁRIO DOS TRAPICHES E ATRACADOUROS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM

APRIMORAMENTO PORTUÁRIO DOS TRAPICHES E ATRACADOUROS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM APRIMORAMENTO PORTUÁRIO DOS TRAPICHES E ATRACADOUROS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM Este trabalho visa a apresentação das características e a análise crítica das atuais condições

Leia mais

Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo. Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001

Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo. Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001 Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001 A Diretoria da EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROJETO RIO ECOBARREIRA

PROJETO RIO ECOBARREIRA 1 PROJETO RIO ECOBARREIRA RESUMO: O RIO ECOBARREIRA é um projeto de pesquisa aplicada na área de desenvolvimento sustentável. O projeto envolve a análise da sustentabilidade sócio-econômica e ambiental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE ALUNA: ORIENTADORA: TERESA FARIA NOVEMBRO 2011 AGRADECIMENTOS AGRADEÇO A TODOS QUE ACREDITARAM,

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

L B O C A L I Z A R ÇÃO A S I L

L B O C A L I Z A R ÇÃO A S I L L O C A L I Z A Ç Ã O BRASIL L O C A L I Z A Ç Ã O B R A S I L B R A S I L NOVA REALIDADE 6º PIB DO MUNDO 5ª MAIOR ECONOMIA EM 2015 OLIMPÍADAS E COPA DO MUNDO U M P A Í S EM DESTAQUE SANTA CATARINA L O

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

OBRAS VÃO TRANSFORMAR VIRACOPOS NO MAIOR AEROPORTO DA AMÉRICA LATINA

OBRAS VÃO TRANSFORMAR VIRACOPOS NO MAIOR AEROPORTO DA AMÉRICA LATINA OBRAS VÃO TRANSFORMAR VIRACOPOS NO MAIOR AEROPORTO DA AMÉRICA LATINA Aeroportos Brasil Viracopos investirá R$ 9,5 bilhões na ampliação e modernização do complexo aeroportuário nos 30 anos da concessão

Leia mais

OFICINA DE MONITORAMENTO

OFICINA DE MONITORAMENTO OFICINA DE MONITORAMENTO Instituto Pólis CARAGUATATUB A 11 de junho de 2015 OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL Implementação da Agenda de Desenvolvimento Sustentável OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL MONITORAMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a Política Nacional de Trânsito, seus fins e aplicação, e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando da competência

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

Ministério do Turismo. Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos

Ministério do Turismo. Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos Ministério do Turismo Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos Sumário Executivo Em 2005, do total previsto para o Ministério do Turismo,

Leia mais

Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo

Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo Início Notícias Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo Iniciativa é parte do projeto Rios da Serra. Sede provisória da organização é montada no Prado TERÇA FEIRA, 19 DE MAIO

Leia mais

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES Classificação: Positiva VEÍCULO: TRIBUNA DO NORTE DATA: 06.02.15 EDITORIA: ECONOMIA Classificação: Positiva VEÍCULO: TRIBUNA DO

Leia mais

Capacitação e Qualificação Profissional do Trabalhador Portuário elementos para formulação de uma política em um cenário pós Lei 12.815/13.

Capacitação e Qualificação Profissional do Trabalhador Portuário elementos para formulação de uma política em um cenário pós Lei 12.815/13. Capacitação e Qualificação Profissional do Trabalhador Portuário elementos para formulação de uma política em um cenário pós Lei 12.815/13. 1ª REUNIÃO FORUM A nova Lei dos Portos (Lei nº 12.815/2013),

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Aspectos operacionais e ambientais dos portos das cidades Amazônicas

Aspectos operacionais e ambientais dos portos das cidades Amazônicas Aspectos operacionais e ambientais dos portos das cidades Amazônicas Universidade Federal do Pará - Brasil Hito Braga de Moraes Linha Belém-Manaus Linha: Manaus - Santarém Linha: Manaus Porto Velho

Leia mais

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho Nacional de Turismo Fóruns Estaduais Câmaras Temáticas Secretaria

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais).

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais). PLANO DE GOVERNO - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA PARA 2013/2016 COLIGAÇÃO O PRESENTE NOS PERMITE SEGUIR EM FRENTE - CANDIDATO A PREFEITO PEDRINHO DA MATA 11 Ações a serem realizadas por Secretarias:

Leia mais

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades.

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. A Política de Mobilidade Urbana no desenvolvimento das cidades! AS CIDADES País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. Processo de urbanização caracterizado pelo

Leia mais

Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: MEIO AMBIENTE Visão: Que Santa Maria seja um município bom para se viver, propício ao desenvolvimento de empreendimentos sustentáveis e que cumpre as diretrizes das Conferências Mu Elaborar,

Leia mais

FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO

FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO Rosangela Cabral Rosa Lazarin Coord. Comitê Gestor Destino Indutor & Presidente do COMTUR Cáceres MT Servidora da Unemat VIDEO

Leia mais

Programa Porto Alegre Copa 2014 Legados para a Cidade

Programa Porto Alegre Copa 2014 Legados para a Cidade Programa Porto Alegre Copa 2014 Legados para a Cidade Visão: Ser considerada a melhor cidade-sede da Copa 2014 quanto a participação popular e promoção de ações de desenvolvimento econômico, social e ambiental,

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

DANIEL COELHO PROGRAMA DE GOVERNO JULHO DE 2012

DANIEL COELHO PROGRAMA DE GOVERNO JULHO DE 2012 DANIEL COELHO PROGRAMA DE GOVERNO JULHO DE 2012 QUEREMOS MAIS PARA O RECIFE DANIEL COELHO Ambientalista e Deputado Estadual 2 vezes Vereador do Recife Bacharel em Administração pela UPE Mestrado em Negócios

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais