CIDADE: SUBSTRATO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE - UM CAMPO DE LUTAS E CONSTRUÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIDADE: SUBSTRATO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE - UM CAMPO DE LUTAS E CONSTRUÇÕES"

Transcrição

1 CIDADE: SUBSTRATO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE - UM CAMPO DE LUTAS E CONSTRUÇÕES Manoel Guedes de Almeida Universidade Federal do Piauí Tayná Maria Gonçalves Varão Silva Universidade Federal do Piauí André Fonseca Nunes Universidade Federal do Piauí José Ivo dos Santos Pedrosa Universidade Federal do Piauí Laureni Dantas de França Universidade Federal do Piauí RESUMO O presente trabalho aborda o território da cidade como espaço desarticulado de conflitos e construções simbólicas personificadas em uma superfície socialmente construída. Além disso, entende o Movimento Cidades Saudáveis como um produto de lutas quanto à edificação de um projeto de classe no exercício da democracia, formador de territórios propícios à promoção da saúde. Por último, aborda as estratégias e desafios para a efetivação do Movimento em escala local, partindo de uma abordagem histórica dos movimentos sociais que levaram ao Movimento Cidades Saudáveis e de Promoção da Saúde ensejados na Nova Saúde Pública, caracteriza e analisa tais mobilizações sócio-políticas no âmbito mundial, nacional e local. Logo, considera o corpo da cidade como espaço vivo de inter-relações, ideal para a promoção da saúde em sua abordagem holística, abordando a construção de espaços favoráveis à construção da saúde nesse território, assim como suas estratégias e dificuldades de realização. ABSTRACT This work approaches the city territory as a desjointed area of conflicts and personified symbolic constructions in a socially constructed surface. Moreover, it understands the Healthy Cities Movement as a product of struggles aiming the building of a class project in the exercise of democracy, creator of territories conducives to health promotion. Finally, it approaches the strategies and challenges for the realization of the Movement on a local scale, from a historical approach to the social movements that led to the Healthy Cities Movement and Health Promotion in New Public Health setting, characterizes and analyzes these social and political mobilizations at the global, national and local levels. Therefore, it considers the city as living 267

2 space of inter-relationships, ideal for the health promotion in its holistic approach, approaching the construction of favorable areas up to health construction in this area, as well as its strategies and performing difficulties. INTRODUÇÃO O Movimento Cidades Saudáveis entrelaça-se ao movimento da Saúde Pública no que diz respeito à promoção da saúde. Uma razão óbvia é que a idéia de Promoção da Saúde necessita de um substrato à sua aplicação: a cidade. Nesse contexto, permite que a população se capacite na busca por meios de controlar os fatores que favorecem seu bem-estar físico e mental e de sua comunidade, e reduzir os fatores que possam prejudicar sua qualidade de vida (ADRIANO et. al., 2002). Esta, por sua vez, depende de condições diversas, que vão desde o acesso a bens e serviços econômicos e sociais, como emprego, moradia, educação, alimentação, transporte, às condições subjetivas como auto-estima e bem estar.. Qualidade de vida e saúde são, pois, dois conceitos bastante interligados. Como resultado da Nova Saúde Pública, saúde é considerada uma construção social, cultural, econômica e biológica que se expressa nos coletivos por meio da qualidade de vida. Quanto ao direito á luta pela saúde, Hancock e Duhl, citados por Akerman et. al (2002), ressaltam a importância histórica da participação popular na tomada de decisões políticas relativas à saúde, dessa forma mobilizando recursos no sentido de interferir nos determinantes sociais, econômicos e ambientais como estratégias de planejamento urbano e empowerment comunitário. A construção de uma Cidade Saudável, então, é uma forma de efetivação da promoção da saúde em nível local com o objetivo maior de melhorar a qualidade de vida dos coletivos e indivíduos. Para tanto, deve-se entendê-la como processo não hegemônico de construção histórica de uma concepção positiva de saúde dificultado por entraves políticos, ideológicos, sociais, culturais e metodológicos. A necessidade imperativa de ações intersetoriais no gerenciamento das cidades no sentido de superar a fragmentação política característica dos governos na perspectiva de compreender os indivíduos de maneira integral exige articulação entre ações e serviços diferenciando-se do modelo reducionista e imediatista de entender e sistematizar as necessidades de saúde do cidadão. Para tanto, faz-se necessário o desenvolvimento de novos saberes e fazeres compartilhados que envolva a ressignificação de valores que reverberem na administração municipal. O presente trabalho tem por objetivos entender o território da cidade como campo de conflitos (políticos, econômicos e sociais) e construções simbólicas que personificam o espaço socialmente construído. Além disso, abordar o Movimento Cidades Saudáveis como um produto de lutas históricas quanto à edificação de um projeto de classe e exercício da democracia, formador de territórios propícios à promoção da saúde. Por último, este trabalho aborda as estratégias e desafios para a efetivação do Movimento em escala local. POR OUTROS OLHOS, OUTRAS AÇÕES O caminho rumo a uma cidade saudável iniciou-se em antigas preocupações sanitárias da Europa do século XIX, onde já se reconhecia a influência dos governos locais e da participação da comunidade na resolução de problemas coletivos de saúde. Nesse século, o processo de urbanização vivenciado pelo continente trouxera 268

3 consigo mudanças consideráveis no perfil sócio-epidemiológico de várias enfermidades, com aumento dos casos de agravos do sistema respiratório e doenças infecto-contagiosas, além do aumento da violência urbana como conseqüência direta da moradia em aglomerados insalubres e baixíssima qualidade de vida (SANTOS, 2009; WESTPHAL, 2000). Objetivando proteger o trabalhador europeu, então, ferramenta necessária ao grande crescimento econômico experimentado à época, fora criada a Associação pela Saúde das Cidades, na Inglaterra, no intuito de pressionar as autoridades por melhorias nas condições de vida e trabalho, estabelecendo o que hoje é denominado de coalizão inter-setorial para a saúde. Suas principais exigências eram mudanças nos padrões de habitação, regulações higiênicas, sistemas de abastecimento de água e drenagem de esgotos, pavimentação, etc. (WESTPHAL, 2000). Representou, pois, marco importante da força popular frente a políticas opressoras ou negligentes e o marco simbólico na concepção de que medidas extrínsecas ao corpo são capazes de influenciar decisivamente a saúde de coletivos O movimento sanitarista europeu caracterizou-se, então, em vários países desenvolvidos até o final do século XIX, por exercer forte influência nas políticas públicas e orientar grandes obras de engenharia. Todavia, o século XX foi marcado pelo avanço acelerado da bacteriologia e farmacologia, quando, então, o foco de atenção tornou-se individual, centrado, até o princípio dos anos 70, em grandes hospitais, na super-especialização do cuidado e visão cartesiana do corpo, características que persistiram por muito mais tempo nos países em desenvolvimento e que até hoje modulam os sistemas de saúde e educação do mundo inteiro rumo à cura dos agravos e doenças (ASHTON, 1992; SANTOS, 2009). No entanto, os altos custos da medicina curativista levaram a uma falência generalizada do setor, reflexo do uso desnecessário da alta tecnologia e insumos em saúde. Além disso, pesquisas de custo-benefício indicaram que, em detrimento dos gastos elevados, não há redução concomitante dos riscos à saúde ou melhoria na qualidade de vida. Surgiram, então, novos conceitos sobre saúde, que ampliaram a visão cartesiana do corpo; levou-na a outra era, conhecida como Nova Saúde Pública, quando aspectos sociais passaram a tomar partido na saúde como construção sócio cultural e biológica (PAIM, 1998; SANTOS, 2009). O passo seguinte fora dado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Em 1977, na 30ª Assembléia Mundial de Saúde, em Alma Ata, reafirmou a saúde como um direito humano fundamental e como uma importante meta mundial a ser alcançada para melhoria da sociedade e da qualidade de vida. Esse movimento culminou com o projeto Cidades Saudáveis, em 1986, que tenta responder a mudanças decorrentes de um mundo globalizado frente a um processo descontrolado de urbanização e suas relações dialógicas com arranjos políticos e institucionais (SANTOS & WESTPHAL, 1999). É nesse contexto que a Promoção da Saúde ganha destaque ao reforçar o papel ambiental não naturalizado, a ação política e a participação comunitária como moduladores da saúde de coletivos. A cidade, então, consiste em ambiente aglutinador de potencialidades de promoção da saúde. Definiu-se, nessa conjuntura, o conceito de Promoção da Saúde como: 269

4 (...) um processo através do qual a população se capacita e busca meios para conseguir controlar os fatores que favorecem seu bemestar e o da comunidade ou que a podem estar pondo em risco, tornando-a vulnerável ao adoecimento e prejudicando sua qualidade de vida. (Ministério da Saúde, 1996). Nessa perspectiva, saúde deixa de ser uma imagem pura e passa a imagem-objeto a ser alcançada em um horizonte tangível, tornando-se recurso imprescindível ao desenvolvimento da vida coletiva. A fuga ao paradigma da história natural da doença tem como marco importante o Relatório do Ministério da Saúde do Canadá, em 1974, conhecido como Relatório Lalonde, que define como determinantes de saúde: a biologia humana, estilos de vida, meio ambiente, organização da atenção em saúde e a preocupação com o entorno ambiental como campos da saúde (BRASIL, 2002 citado por PEDROSA, 2004). A partir de então, a promoção da saúde passa a ser estratégia política quanto à reorganização integrada da atenção em saúde pelos governos, mobilizando políticas de ensino, pesquisa e intervenções, e ampliando os conceitos de saúde para além do sanitarismo, dando margem ao desenvolvimento de novas práticas de intervenção sob a forte influência de movimentos populares que ganhavam força frente a um governo ditatorial socialmente fragilizado. Fora nesse ambiente de frenesi ideológico que acontecera 1984 na cidade de Toronto o congresso Para Além do Assistencialismo, com o objetivo de avaliar as conseqüências reais e simbólicas do Relatório Lalonde uma década após sua publicação. Ao final desse mesmo evento, o ideário de Cidades Saudáveis é posto como utopia objetivada, norteadora de todas as políticas sociais e em saúde quanto à construção de melhores relações entre a tríade Estado, Governo e Sociedade, assumindo a participação popular como imprescindível no tocante ao diálogo com as reais necessidades sociais em benefício coletivo e construção de uma comunidade saudável (ALMEIDA, 1997). O caso brasileiro não fora diferente. Pode-se considerar que o estopim nacional desse movimento fora disparado na VIII Conferência Nacional de Saúde (8ª CNS), em 1985, sendo a primeira CNS a ser aberta à sociedade no que pese o período histórico de recente democracia no qual o Brasil se encontrava. De fato, a 8ª CSN com o tema Saúde é um direito de todos e um dever do Estado - representou um marco histórico na luta pela cidadania e definiu as diretrizes da reforma sanitária brasileira, redefinindo políticas públicas e atribuindo ao Estado a manutenção, promoção e proteção da saúde; dessa forma, assumiu como bandeira de luta o combate à iniqüidade da população e como estratégia de combate a reorganização dos sistemas de atenção à saúde, com ênfase na descentralização, no acesso e na participação popular (PEDROSA, 2002; BUSS, 2000; GUIMARÃES, 2000). Como ápice do movimento, em 1988 é promulgada a nova Constituição Brasileira, que cria o Sistema Único de Saúde (SUS) e assume a saúde como direito e a cidadania plena como objetivo. Nela, a Seguridade Social é legitimada em um modelo de proteção que integra direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social. Logo, a Constituição de 1988 consistiu em largo passo rumo à universalidade e 270

5 descentralização da saúde como substrato ou campo para o desenvolvimento da cidadania. Nesse contexto, procurando maior autonomia para o poder local, com relações de articulação e complementaridade organizados em malha entre os diferentes níveis de governo, construiu-se o Movimento Cidades Saudáveis. Consiste em uma proposta de valorar as Unidades Federativas brasileiras quanto à suas necessidades em saúde, construindo relações de parceria entre diferentes níveis de governo com o objetivo primeiro de melhorar as condições de vida de cada município (ALMEIDA, 2000). CIDADES SAUDÁVEIS Cidade pode ser entendida como um espaço geográfico onde se vive e trabalha (Duhl, 1963). Esse espaço, todavia, é subjetivado pelo indivíduo, passando de mero território físico à extensão dinâmica de um corpo. Na dialógica do corpo e de seu espaço, entrelaçam-se na constituição da cidade entidades administrativas, sociais e comunitárias em um equilíbrio dinâmico e edificante, campo vasto ao desenvolvimento de relações e conflitos (WESTPHAL, 2000; CASTELLS & BORJA, 1996). Em conjunto, esses aspectos corroboram para a construção de uma identidade coletiva de cidade, território subjetivado responsivo a objetivos econômicos, políticos e culturais. É nesse contexto de cidade viva que se insere a proposta de Cidade Saudável. Em associação ao ideário da Nova Saúde Pública, o conceito de Cidade Saudável versa sobre o desenvolvimento social sustentável que tem a saúde e seus determinantes sócio-culturais como centro de sua atenção e esforço. Estrategicamente, tem como objetivo mobilizar governos e sociedade para a melhoria das condições de vida e saúde da população, por meio da estruturação de metodologias e políticas interinstitucionais e inter-setoriais em todos os ambientes coletivos que contribuam para a transformação das relações excludentes de poder em saberes e fazeres compartilhados, conciliando interesses econômicos e bem-estar social (WESTPHAL, 1997). Logo, uma cidade saudável é objeto de construção ativa fruto da inter-relação entre espaço, sujeito e Estado. Westphal (2000) acrescenta que os problemas e potencialidades da vida em cidades, associados ao processo generalizado de urbanização contribui com reais possibilidades de realização de projetos sociais que favoreçam a superação das imensas desigualdades e iniqüidades em saúde que se evidenciam no espaço urbano. No Brasil, por exemplo, com o fim da ditadura militar, vieram à tona os efeitos da profunda desigualdade social e econômica,em que uma pequena parcela da população tem acessos aos bens e serviços produzidos em detrimento de uma vasta população que vive em grave situação de pobreza ou miséria. Desse último grupo, com níveis mais baixos de escolaridade, privados de água tratada e esgotamento de dejetos, com péssimas condições de habitações e qualidade geral de vida, convivendo com uma maior probabilidade de adoecer, emergem movimentos da população que reivindicam políticas públicas voltadas para o espaço urbano. No cenário mundial, diferentes regiões do globo assumem feições particulares conforme o país ou a região, havendo grandes disparidades sócio-econômicas entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, apesar da crescente transnacionalização das informações, comunicação e cultura evidenciada nos últimos anos, contribuindo para o esgarçamento de fronteiras físicas delimitadas em um mundo globalizado e reconstruídas conforme a dimensão global. 271

6 Nesse contexto a Organização Mundial de Saúde (OMS) iniciou o Movimento Cidades Saudáveis, com o objetivo de incitar governos e sociedade civil organizada ao desenvolvimento conjunto de ações para a melhoria das condições de vida da população urbana. É, pois, um projeto de desenvolvimento social quem tem na saúde seu ponto de chegada, considerando seu conceito ampliado de múltiplos determinantes como centro das atenções, surgindo para subsidiar a promoção da saúde em um contexto local modificado pela globalização, democratização, urbanização e novos arranjos políticos e institucionais (SOUSA, 2009). A compreensão da saúde como resultante de determinantes sociais, apesar de seus fundamentos históricos, apenas nas últimas décadas têm orientado políticas públicas sob a égide da intersetorialidade. Para Almeida (1997), a produção da saúde exige intervenções ativas em todo o processo de determinação da saúde e doença, ou seja intervenções voltadas para questões no âmbito da sociedade como um todo, dos grupos sociais que a compõem e dos indivíduos. Nesse contexto, a cidade deixa de representar um núcleo amorfo e inerte para servir de cenário e dispositivo para a construção de projetos e ações. O artigo 196 da Constituição: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. cria as bases legais ao desenvolvimento do Movimento Cidades Saudáveis, trazendo como componente importante a reformulação do Estado e sua responsabilidade pela saúde dos cidadãos, compreendida de maneira ampliada e não somente como ausência de doenças. A responsabilização do Estado no cumprimento do direito do cidadão é evidente no Movimento da Reforma Sanitária brasileira e encontra-se presente nos princípios e diretrizes do SUS, Para Westphal (1992) e Akerman et. al. (2002), a institucionalização do SUS segundo seus princípios, possibilita o estreitamento das relações entre Estado, Governo e Sociedade por meio do planejamento, empowerment comunitário e participação popular na tomada de decisões públicas com e para a sociedade. Nessa perspectiva, a cidade emerge como local aglutinador de esforços no enfretamento da exclusão, onde é possível os governos somarem esforços com a sociedade para promover a melhoria das condições de vida. Este espaço mostra-se apropriado ao desenvolvimento da proposta de Cidades Saudáveis cujos pilares são: democracia, solidariedade, autonomia, justiça social e respeito à diversidade (Westphal, 2000), promovendo a participação social na tomada de decisões publicas para o exercício da cidadania, integração de setores diversos e visibilidade sobre os resultados dessas transformações. TERRITÓRIOS FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DA SAÚDE Em novembro de 1986, em Ottawa, Canadá, fora apresentado um documento na 1ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde. Conhecido como Carta de Ottawa, trata-se de um conjunto de intenções que buscam modular as políticas em saúde de forma universal. Defende, para tanto, a promoção da saúde como fundamental para a qualidade de vida e a necessidade de capacitação da comunidade nesse processo, estabelecendo critérios para sua efetivação na busca pela solidez de requisitos imprescindíveis, como paz, habitação, educação, alimentação, renda, equidade e justiça social, além da garantia de oportunidades e recursos igualitários 272

7 para todas as pessoas de maneira a torná-las capazes de realizar completamente seu potencial em saúde (OTTAWA, 1986). A construção de territórios saudáveis para o desenvolvimento da promoção da saúde necessita de íntima união entre indivíduos, suas organizações, governos e meio ambiente em seus mais amplos aspectos, no sentido único de encorajar a ajuda recíproca, além de modificar os modos de vida, de trabalho e de lazer potencialmente lesivos para à produção da saúde e da vida. Para a OMS, esse espaço é o campo de atuação da saúde pública, que se ocupa das formas de vida, das substâncias e das condições em torno do ser humano, que podem exercer alguma influência sobre sua saúde ou seu bem-estar (BRASIL, 1999). O território da cidade consiste, então, no substrato ideal ao desenvolvimento da promoção da saúde em sua concepção mais ampla, capaz de gerar condições de vida e trabalho seguras, estimulantes e satisfatórias, que, em conjunto, melhoram a qualidade de vida da população. De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde, citado por Westphal (2000), uma cidade saudável é um território as autoridades políticas e civis, instituições públicas e privadas, onde proprietários, empresários, trabalhadores e sociedade empenham-se constantemente no sentido d melhorar as condições de vida, trabalho e cultura da população. Para tanto, estabelecer uma relação harmoniosa com o meio ambiente, melhorando a convivência e desenvolvendo solidariedade, co-gestão e democracia. Deve-se, por fim, investir em estratégias que promovam a interação, o sentido de pertencimento e o desejo dos atores sociais apropriar-se de seu espaço, sensibilizando-os, mobilizando-os na luta por um espaço saudável. Dessa maneira, promover entre os sujeitos uma interação dinâmica que impulsione o movimento para repensar e reconstruir a realidade local, abrindo espaço para novas possibilidades de vida e desenvolvimento de potencialidades (SPERANDIO et. al. 2004). ESTRATÉGIAS E DIFICULDADES Para a construção efetiva de uma Cidade Saudável, é necessário o esforço para proporcionar um ambiente físico limpo e seguro. Desse modo, a cidade torna-se um ecossistema dinâmico e sustentável, com suporte social e alto grau de participação comunitária, onde o poder público se responsabilizaria pelas respostas às necessidades básicas da população. Tornar a cidade, além de espaço de pessoas e mercadorias, em espaço de trocas de saberes e experiências, recursos, contatos, interações e comunicações, com economia local diversificada e inovadora, respeito à cultura e à herança biológica, com serviços de saúde acessíveis a todos e em todos os níveis de atenção (OMS, 1995). Faz-se necessário concebê-la também como espaço de problemas e potencialidades. Compreender que alberga em seu corpo micro-territórios simbólicos superpostos e divisões de trabalho mal delineadas, que tendem à privatização de pessoas e ações em espaço corporativo, onde circulam objetos e ações desnecessários, transformando o território em todo desarticulado de projetos, ações e movimentos constituindo-se em configurações com instabilidade sócio-econômica, populacional, geográfica e política. Espaços dessa natureza estão se refazendo continuamente, na forma, na função e no sentido. Para implementação de intervenções dessa natureza, faz-se primeiramente necessária uma declaração pública do governo local onde a meta de ser uma cidade 273

8 saudável esteja colocada na pauta política do Estado. Em seguida, deve-se criar e por em funcionamento um Comitê Inter-setorial, elaboração de um relatório diagnostico da qualidade de vida e possíveis intervenções no qual participem de feitoria cidadãos e instituições locais diversas. Após essa fase, constrói-se um plano consensual onde constem prioridades e recursos disponíveis, bem como o estabelecimento de sistemas de informação e avaliação dos resultados (OPAS, 1996 citado por ADRIANO et. al., 2000). O movimento deve ser, no entanto, um processo permanente, não estando sujeito a mudanças de governo. Para tanto, assume importância a participação social em que todos os setores da sociedade assumam um contrato social em torno da melhoria da qualidade de vida, pressionando, dessa maneira, governos e instituições a promoverem a intersetorialidade das ações com vistas à superação da dimensão cartesiana do corpo, entendendo o indivíduo como ser integral. Sob esses aspectos, Castro e Malo (2006), bem afirmam não ser uma estratégia ou um modelo político que levará à mudança, mas sim as pessoas, os cidadãos que compõe o corpo da cidade e seus dirigentes. Desse modo, o movimento das Cidades Saudáveis esbarra em um desafio, a criação de processos participativos e co-gestão. Nesse contexto, o tema abarca valores, interesses e aspirações sociais na luta por um projeto de classe ou um ideal que surgem a partir de uma nova visão de mundo que o envolve no campo político. Há várias passagens na literatura que afirmam que a instituição de Cidades Saudáveis é uma questão de vontade política. E aqui reside uma questão fundamental. Uma Cidade saudável é um produto da construção conjunta entre Governo e Sociedade sob um Território de problemas e potencialidades. Assim, como afirma Almeida et. al. (2000), não se deve impor ao Movimento caráter de Projeto, não se deve propor adesão ao Projeto. Sob essa ótica, prossegue, o Movimento restringiria a um governo, desprovido de continuidade, inócuo, sem impacto na realidade local, ao passo que parte de políticas de Estado frágeis e não de vontade civil no exercício de sua cidadania. Apesar de todos os esforços teórico-práticos, uma dificuldade comum é a elaboração de métodos satisfatórios de análises dos resultados, sendo raros os programas que se aprofundam em métodos de avaliação no sentido de mostrar resultados de impacto, sendo quase todos restritos à exposição de discrepâncias entre resultados e objetivos do programa. No campo da promoção da saúde no que tange uma cidade saudável a situação ainda é mais complexa. Por exigir vários enfoques, necessita de informações de vários setores disciplinares e de desenvolvimento a longo prazo, visto a demora no surgimento de algum resultado significativo. Necessita-se, pois, do desenvolvimento de novos métodos de análise de resultados que levem em conta a intersetorialidade na abordagem (Akerman et. at., 2002). Vale ressaltar também a fragilidade com que essas propostas têm se inserido no Brasil. Uma dificuldade comum tem sido a de assimilar uma nova forma de desenvolvimento, mais participativa e intersetorial. Apesar de se versar sobre a integralidade dos corpos e dos sistemas, a lógica administrativa municipal ainda é fragmentada, centralizada e individualizada. Além disso, o Movimento/projeto sofre constínuo desgaste por falta de interesse político e minguada participação popular por implicar em uma nova lógica de trabalho e de relação com a gestão municipal, estadual e federal que rompa com a cultura política clientelista (WESTPHAL, 2000). Aqui se concentra a importância da categoria empowerment comunitário como elemento chave na politização da políticas da Nova Saúde Pública, ao passo que 274

9 implica a necessidade (...) ativa das determinações macro e microssociais da iniqüidade social, colocando em questão diferenciais de poder (...) (CARVALHO, 2004). Carvalho (2004) ainda alerta para que o discurso da Nova Saúde Pública que embasa o Movimento Cidades Saudáveis possa não ser necessariamente libertário e voltado para a justiça social. A análise feita pelo autor da categoria empowerment constata a possibilidade concreta de que suas intervenções e ideologias reforcem a vigilância e regulação sobre os grupos sociais, reforçando a hegemonia de ordem neoliberal, com implicações morais e políticas profundas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Da análise levada a efeito conclui-se que o corpo da cidade é espaço vivo de interrelações simbólicas, políticas e cultuais ora mais ora menos conflituosas que em conjunto constituem campo vasto à promoção da saúde. Em sua concepção, socialmente construída desde a década de 1970, contribui para a cisão entre velhas práticas em saúde e fornece elementos legítimos para a ruptura do paradigma sanitário e para a produção de sujeitos sociais auto-reflexivos e solidários. Há muito que trilhar no sentido pleno de uma Cidade Saudável como Movimento e como Projeto. A participação social e as estratégias de gestão são pontos de afunilamento importantes no processo de implementação do projeto, bem como o desenvolvimento de metodologias de análises de resultados que considerem os múltiplos interventores no processo saúde-doença. O desafio maior talvez seja a adaptação dos sistemas sociais e governamentais ao conceito amplo de cidade, de saúde e de doença. O desafio de considerar todos em um convívio de desejos e vontades, de agenciamentos e produção de subjetividades onde se constroem sujeitos sociais e atores políticos, espaço dinâmico onde se destroem e reconstroem vínculos sociais e projetos de classe. São esses sistemas administrativos engessados que devem abrir espaço à participação popular na formação das políticas em saúde e construir espaços abertos de fala e escuta das necessidades. Mas não apenas, deve definir claramente responsabilidades ao cidadão e aos gestores e construir instrumentos que assegurem a transformação da participação política em participação para a inclusão social. Deve, além disso, incitar e dar visibilidade às experiências de integralidade, institucionalizando os espaços de ações integrativas e intersetoriais. Para tanto, a gestão deve entender as possibilidades da democracia participativa e propor políticas intersetoriais. Entender o território da cidade como espaço rico de construção e fortalecimento de instituições e organizações que sirvam de agenciadores de transformação social, mas também como espaço de disputa de micropoderes. Enfim, compreender o todo social da cidade como organismo repleto de lutas e potencialidades inerentes ao convívio humano e inseris-se e deixar-se inserir como parte da cidade no sentido de ampliar as ações participativas em saúde e aumentar a qualidade de vida das populações. 275

10 REFERÊNCIAS AKERMAN, M.; MENDES, R.; BÓGUS, C, M.; WESTPHAL, M. F.; BICHIR, A; PEDROSO, M. L. Avaliação em promoção da saúde: foco no município saudável. Rev Saúde Pública 2002;36(5): ALMEIDA, E. S.; Cidade/município Saudável - a questão estratégica: o compromisso político. Saúde e Sociedade, 6(2): ADRIANO JR. WERNECK, GAF; SANTOS, MA; SOUZA, RC. A construção de cidades saudáveis: uma estratégia viável para a melhora da qualidade de vida - Ciência & Saúde Coletiva, SciELO Brasil. BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de saúde ambiental para o setorsaúde. Brasília: Secretaria de Políticas de Saúde, Carvalho, S. R. As contradições da promoção à saúde em relação à produção de sujeitos e a mudança social. Ciência & Saúde Coletiva, 9(3): , Carvalho, S. R. Os múltiplos sentidos da categoria empowerment no projeto de promoção à Saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(4): , jul-ago, 2004 Carta de Ottawa. 1ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde. Ottawa, Disponível em < acessado em 03/02/12. CASTRO, A.; MALO, M. SUS: ressignificando a promoção da saúde. São Paulo: Hucitec: Opas, v. 175, (Saúde em Debate). CASTELLS, M & BORJA, J. As cidades como atores políticos. Novos Estudos 45: , GUIMARÃES, M. C. L. Descentralização da Saúde, Interesses e Conflitos Decisórios: O Processo de Decisão nas Instâncias Colegiadas Estaduais, Bahia, Tese de doutorado apresentada à Escola de Administração da UFBA, Disponível em <http://www.adm.ufba.br/contents.php?opc=pblc&npblcid=173>, acessado em 03/02/12. MÁRCIA FARIA WESTPHAL, M. F.; MENDES, R. Cidade Saudável: uma experiência de Interdisciplinaridade e intersetorialidade. Revista de Administração Pública RAP - Rio de Janeiro, FGV, 34 (6): 47-61, Nov./Dez OPAS/OMS Guia para o Manejo Interno de Resíduos Sólidos em Estabelecimentos de Saúde. Programa de Saúde Ambiental. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial de Saúde. OMS. Organização Mundial da Saúde. Indicadores para o estabelecimento de políticas e a tomada de decisão em saúde ambiental [mimeo]. Genebra;

11 PAIN, J. S.; FILHO, N. A. Saúde coletiva: uma nova saúde pública ou campo aberto a novos paradigmas? Rev. Saúde Pública, 32 (4): , PEDROSA, J.I.S.; Perspectivas na avaliação em promoção da saúde: uma abordagem institucional. Ciência & Saúde Coletiva, 9(3): , SOUZA, P. Resíduos sólidos das unidades de saúde da família de São Sebastião do Paraíso (MG): subsídios para criação de ambientes saudáveis. Dissertação apresentada à Universidade de Franca como exigência para obtenção do Título de Mestre em Promoção de Saúde. Franca, SPERANDIO, A. M. G.; CORREA, C. R. S.; SERRANO, M. M. RANGEL, H. A. Caminho para a construção coletiva de ambientes saudáveis São Paulo, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 9(3): WESTPHAL, M. F.; O Movimento Cidades/Municípios Saudáveis: um Compromisso com a qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva, 5(1):39-51, WESTPHAL, M. F. Municípios Saudáveis: aspectos conceituais. Saúde e Sociedade 6 (2):9-16, WESTPHAL, M.F. Participação popular e políticas municipais da saúde: o caso de Cotia e Vargem Grande, [Tese de Livre-Docência - Faculdade de Saúde da USP] 277

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Promoção da Saúde: da prevenção de doenças à defesa da vida

Promoção da Saúde: da prevenção de doenças à defesa da vida Promoção da Saúde: da prevenção de doenças à defesa da vida Antônio Ivo de Carvalho Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca / FIOCRUZ Setembro de 2007 Promoção da saúde Novo paradigma de pensamento

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

Políticas públicas e a assistência a saúde

Políticas públicas e a assistência a saúde Universidade de Cuiabá UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde História da Saúde no Brasil: Políticas públicas e a assistência a saúde Profª Ma. Kaline A. S. Fávero,

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Abordar a questão de como conceber a Assistência Social impõe-se como

Abordar a questão de como conceber a Assistência Social impõe-se como Gláucia Lelis Alves, Neimy Batista da Silva Resumo: este artigo constitui uma reflexão sobre a concepção da política da assistência social, seus limites e avanços como direito, após dez anos de promulgação

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS Cleci Teresinha Noara Assistente Social Fundação Agência

Leia mais

Revisão da Política Nacional de Promoção da Saúde

Revisão da Política Nacional de Promoção da Saúde NOTA TÉCNICA 18/2014 Revisão da Política Nacional de Promoção da Saúde Brasília, 28 de outubro de 2014. 1 Introdução A Política Nacional de Promoção da saúde - PNaPS foi aprovada em 2006, no conjunto de

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor - NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 Márcia Maria Bragança Lopes 2 Marta Lenise do Prado 3 Denise Maria Guerreiro Vieira da Silva 4 Alacoque Lorenzini Erdmann 5

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Declaração de Adelaide sobre Cuidados

Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Primários A adoção da Declaração de Alma Ata, há década atrás, foi o marco mais importante do movimento da "Saúde Para Todos

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

A Educação Popular em Saúde e a Educação ao Longo da Vida

A Educação Popular em Saúde e a Educação ao Longo da Vida Coordenação de Educação Popular e Mobilização Social Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social Secretaria de Gestão Participativa Ministério da Saúde A Educação Popular em Saúde

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Todos pela Equidade Organização Mundial da Saúde Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro Brasil De 19 a 21 de Outubro de 2011 Declaração Política do Rio sobre Determinantes

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE

TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE Renata Pekelman 1 Alexandre André dos Santos 2 Resumo: O artigo pretende trabalhar com conceitos de território e lugar, a complexidade intrínseca a esses conceitos,

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

Rafaela Noronha Brasil

Rafaela Noronha Brasil Saúde Pública e Epidemiologia 2013.1 Rafaela Noronha Brasil Fonoaudióloga ESP/CE Mestre em Saúde, Ambiente e Trabalho Profa Adjunto FATECI/CE Economia agrícola: exportação café (e açúcar) Imigração de

Leia mais

SEMINÁRIO CRISE ECONÔMICA MUNDIAL E A CONJUNTURA POLÍTICA E SOCIAL NA AMÉRICA LATINA IMPACTOS NA SAÚDE BELEM DO PARÁ 30 E 31 DE JANEIRO DE 2009

SEMINÁRIO CRISE ECONÔMICA MUNDIAL E A CONJUNTURA POLÍTICA E SOCIAL NA AMÉRICA LATINA IMPACTOS NA SAÚDE BELEM DO PARÁ 30 E 31 DE JANEIRO DE 2009 SEMINÁRIO CRISE ECONÔMICA MUNDIAL E A CONJUNTURA POLÍTICA E SOCIAL NA AMÉRICA LATINA IMPACTOS NA SAÚDE CEBES ABRASCO ABRES REDE UNIDA AMPASA CRIOLA ALAMES BELEM DO PARÁ 30 E 31 DE JANEIRO DE 2009 RELATÓRIO

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade ROBERTO AUGUSTO CARVALHO DE ARAÚJO ELIETE DE OLIVEIRA COELHO NATALINA DE FÁTIMA BERNARDO RONCADA SILVIA BEZ CAMARGO SOARES DE ALVARENGA

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania A prática consiste em democratizar o acesso à justiça aos catadores de materiais recicláveis dos lixões do Distrito Federal. O problema envolvendo a produção

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

A INTERFACE ENTRE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL: SUBSÍDIOS PARA ALGUMAS REFLEXÔES NA PERSPECTIVA DE SEGURIDADE SOCIAL Karen Ramos Camargo 1

A INTERFACE ENTRE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL: SUBSÍDIOS PARA ALGUMAS REFLEXÔES NA PERSPECTIVA DE SEGURIDADE SOCIAL Karen Ramos Camargo 1 A INTERFACE ENTRE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL: SUBSÍDIOS PARA ALGUMAS REFLEXÔES NA PERSPECTIVA DE SEGURIDADE SOCIAL Karen Ramos Camargo 1 Resumo: O presente artigo faz parte do trabalho de conclusão do

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

LEI Nº 12.947 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014. Institui a Política Estadual para a População em Situação de Rua e dá outras providências.

LEI Nº 12.947 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014. Institui a Política Estadual para a População em Situação de Rua e dá outras providências. Salvador, Bahia Terça-feira 11 de Fevereiro de 2014 Ano XCVIII N o 21.355 LEI Nº 12.947 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014 Institui a Política Estadual para a População em Situação de Rua e dá outras providências.

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS INTRODUÇÃO Marcelo Machado Sassi 1 Indiara Sartori Dalmolin 2 Priscila de Oliveira Rodrigues 3 Fabiane

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO. Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU. Dário Nunes dos Santos

TÍTULO DO PROJETO. Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU. Dário Nunes dos Santos CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde TÍTULO DO PROJETO Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU Dário Nunes dos Santos Guarulhos Agosto/2012

Leia mais

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013 Planejamento intersetorial e Gestão Participativa Recife, 04/09/2013 Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social,

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

COSTRUINDO FÓRUM SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS: REFLEXÃO E AÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA NAS ESCOLAS

COSTRUINDO FÓRUM SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS: REFLEXÃO E AÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA NAS ESCOLAS COSTRUINDO FÓRUM SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS: REFLEXÃO E AÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DO BAIRRO DA IPUTINGA Prof º Geraldo José Marques Pereira ( Coordenador Geral) Prof

Leia mais

(RE)VISITANDO AS POLÍTICAS SOCIAIS DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO BRASIL

(RE)VISITANDO AS POLÍTICAS SOCIAIS DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO BRASIL (RE)VISITANDO AS POLÍTICAS SOCIAIS DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO BRASIL Andréa Maria Giannico de Araújo Viana Consolino 1, Marluce Auxiliadora Borges Glaus Leão² 1 Mestranda em Desenvolvimento Humano: Formação,

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000)

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000) Faculdade de Enfermagem - Departamento de Enfermagem Básica Disciplina: Administração em Enfermagem I Docente: Bernadete Marinho Bara De Martin Gama Assunto: As dimensões do Cuidar e as Competências da

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Trabalho em Rede com Abrangência Nacional: a experiência do GT de Promoção da Saúde e Desenvolvimento Local Integrado da ABRASCO no Brasil.

Trabalho em Rede com Abrangência Nacional: a experiência do GT de Promoção da Saúde e Desenvolvimento Local Integrado da ABRASCO no Brasil. Trabalho em Rede com Abrangência Nacional: a experiência do GT de Promoção da Saúde e Desenvolvimento Local Integrado da ABRASCO no Brasil. Dais Gonçalves, ROCHA Desenvolvimento do Tema 1. Motivação e

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

Exclusão e Desigualdade do Acesso ao Saneamento Básico na Bahia

Exclusão e Desigualdade do Acesso ao Saneamento Básico na Bahia Exclusão e Desigualdade do Acesso ao Saneamento Básico na Bahia Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular em Saneamento e Participante Especial da Universidade Federal da Bahia Salvador, 16/07/2015

Leia mais

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA Érica Fernanda Nascimento de Souza 1 Renilda Rosa Dias 2 RESUMO O estudo objetivou evidenciar a importância da Educação Popular

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS BRASIL 8,5 milhões de Km²; 192 milhões de habitantes; 26 Estados e 01 Distrito Federal; 5.564 municípios (70,3 % com menos de 20.000 habitantes);

Leia mais

PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA

PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA Dra. Tatiana Maria Araújo da Fonseca Licenciada em Serviço

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Rozieli Bovolini Silveira 1 Diane Santos de Almeida 2 Carina de Souza Avinio 3 Resumo: A educação inclusiva e processo de educação de pessoas

Leia mais

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção A interiorização do trabalho e da formação em saúde: Mais Médicos e Mais Reforma Sanitária* No dia 5 de setembro de 2013, o Fórum de Estudantes da ENSP/Fiocruz coordenou a roda de conversa sobre a interiorização

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

A Educação Física no campo da saúde

A Educação Física no campo da saúde A Educação Física no campo da saúde V Encontro de Coordenadores de Cursos De Educação Física do Estado do Paraná A atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde - SUS Prof.Ms. Alexandre

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório de Geografia Médica e Vigilância em Saúde Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório de Geografia Médica e Vigilância em Saúde Universidade Federal de Uberlândia - Brasil DIAGNÓSTICO DA SAÚDE AMBIENTAL PARA A CONSTRUÇÃO DE TERRITÓRIOS SAUDÁVEIS COM ESTRATÉGIAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO BAIRRO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - BRASIL Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais