A PRODUÇÃO EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO RIO DE JANEIRO: A EXPANSÃO DAS ÚLTIMAS DÉCADAS RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRODUÇÃO EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO RIO DE JANEIRO: A EXPANSÃO DAS ÚLTIMAS DÉCADAS RESUMO"

Transcrição

1 1614 A PRODUÇÃO EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO RIO DE JANEIRO: A EXPANSÃO DAS ÚLTIMAS DÉCADAS Claudia Alves Universidade Federal Fluminense RESUMO A produção da História da Educação no Brasil apresenta marcas de fortes atores institucionais que, em diferentes momentos históricos, interferiram na sua produção de diversas maneiras. A pesquisa que realizamos, a respeito da produção em História da Educação no Rio de Janeiro, evidenciou o papel dos Programas de Pós-Graduação nos contornos que veio assumindo essa produção a partir dos anos O objetivo da pesquisa estava voltado para historicizar a produção na área, como parte de um amplo investimento destinado a compor o quadro nacional, por solicitação do GT História da Educação da ANPEd. No caso do Rio de Janeiro, determinamos, como objetivo principal, buscar compreender de que forma a produção local articulava-se ao movimento de organização nacional, expresso no crescimento numérico das pesquisas, bem como nos fóruns de pesquisadores que, a partir do GT História da Educação, fortaleceram-se em grupos regionais e inter-regionais, associações locais e, finalmente na criação da Sociedade Brasileira de História da Educação. Interessava-nos investigar que aspectos particulares teria assumido essa consolidação da pesquisa histórica em educação na região do Rio de Janeiro. Tendo em vista o papel desempenhado pela pós-graduação nesse percurso de construção em nível nacional, e levando-se em conta a presença dos programas, associados ao campo de universidades concentradas no Estado, tomamos a produção de dissertações e teses como o principal indicador da trajetória em nível regional. Diante do volume de trabalhos selecionados, por meio de buscas em catálogos e bancos eletrônicos, optamos por constituir o corpus documental com os resumos dos títulos levantados. A mostra final compôs-se, então, de 930 resumos de trabalhos produzidos em sessenta e nove cursos de pósgraduação, pertencentes a dezessete diferentes instituições de ensino superior. A delimitação temporal foi estabelecida a partir desse conjunto, levando-se em conta a data de defesa das dissertações e teses. Por esse caminho, o período abordado inicia-se em 1972, ano em que vieram à luz as primeiras dissertações de mestrado com características de pesquisa histórica e temática em educação, na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. O material reunido encerra-se em 2001, último ano em que foi possível coletar, de forma consistente, resumos de trabalhos nos sessenta e nove cursos pesquisados, devido aos limites apresentados pelos bancos de dados e catálogos. Na proposta que aqui expomos, centramos nossa reflexão no aspecto que, a nosso ver, apresenta um enfoque original no que concerne a historiografia da educação. A realização da pesquisa, devido à metodologia adotada, que permitiu garimpar títulos em cursos de pós-graduação de muitas áreas de estudo diferentes, demonstrou que, a partir da década de 1990, ocorreu, na região pesquisada, um fenômeno de expansão da produção em História da Educação, para além das tradicionais fronteiras dos programas de Educação e de História. O interesse em interrogar o passado das instituições, das práticas educativas, dos meios de formação, das representações construídas nos mais diversos campos profissionais, fez com que se intensificasse a pesquisa histórica empreendida por engenheiros, assistentes sociais, profissionais da saúde, músicos e outros. Ao lado do crescimento numérico dos títulos, observa-se ainda, pelo conteúdo dos resumos a que se teve acesso, que a presença de categorias próprias de determinadas linhas teóricas que orientam os estudos históricos das últimas décadas, denota a existência de um intercâmbio intelectual no sentido de acompanhar as problemáticas, bem como os métodos de investigação e a reflexão que se Professora Adjunta da Faculdade de Educação e Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense. 1614

2 1615 expandiu na História da Educação brasileira. Este aspecto dos resultados da pesquisa realizada pode contribuir significativamente para uma avaliação da História da Educação escrita no Brasil, nos últimos vinte anos. Dessa consideração decorre a apresentação da presente proposta como comunicação. Introdução TRABALHO COMPLETO O presente texto resulta de um esforço para o aprofundamento de aspectos detectados em estudo mais amplo, realizado no período de 2002 a 2005, a respeito da produção da pesquisa em história da educação no Estado do Rio de Janeiro. Na época, atendendo à solicitação do Grupo de Trabalho História da Educação, da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), realizamos um levantamento abrangente das dissertações e teses com características pertinentes à área. Tendo tomado como corpus documental o acervo de trabalhos defendidos nos programas de pós-graduação, determinamos, como marcos temporais, os anos de 1972 quando foram defendidas as primeiras dissertações identificadas com a pesquisa em história da educação e de 2001 ano limite da busca de resumos dos trabalhos analisados. Por outro lado, com vistas a contemplar a grande diversidade de cursos existentes na região, estendemos o mapeamento a programas não diretamente afetos à área de educação ou de história. Recorremos, para concretização da busca, ao Banco de Teses e Dissertações da CAPES, aos catálogos da área de educação, organizados pela ANPEd, às páginas eletrônicas dos programas de pós-graduação existentes no Rio de Janeiro, bem como a alguns catálogos publicados por programas de pós-graduação, referentes à produção de certos períodos. Quando não foi possível percorrer a listagem completa de trabalhos, lançamos mão de uma busca temática bastante ampla, de forma a criar possibilidades de acesso a um número maior de títulos. A partir desse rastreamento abrangente, empreendemos a seleção dos títulos que consideramos pertinentes. Essa metodologia de busca, apoiada em pressupostos relativos à construção histórica da pesquisa em história da educação, permitiu que fosse detectado um movimento de expansão desse tipo de pesquisa, que extrapola os limites dos lugares tradicionalmente ligados à pesquisa histórica. O resultado daqueles quase três anos de investigação apontou um crescimento interessante da pesquisa em história da educação, em direção a outras áreas de conhecimento. Objetos e abordagens típicos da área começaram a ser desenhados em programas, principalmente, das áreas de saúde, tecnologia e arte, sobretudo a partir da segunda metade da década de Esse fenômeno colocou-nos frente a novas interrogações com relação à produção, difusão e recepção da pesquisa produzida por historiadores da educação. Qual a relação entre o crescimento e consolidação do ensino em nível de pós-graduação e a ampliação do interesse por temas em história da educação? Em que medida a organização da própria área de história da educação estimulou novas trocas e atraiu profissionais para um investimento específico a respeito da historicidade que permeia sua formação e atuação profissional? Resolvemos, então, empreender um segundo mapeamento, circunscrito a essa parte do material coletado na investigação original realizada para o GT História da Educação. Esse retorno à fatia dos resumos de teses e dissertações, encontrados em programas de pós-graduação das mais diversas áreas de estudo, visa contribuir com a reflexão acerca dos circuitos de produção e circulação da pesquisa em história da educação, bem como as formas de recepção dos textos da área por pesquisadores de formação disciplinar diversa. O presente trabalho apresenta o resultado de uma primeira aproximação nesse sentido, ainda distante de completar as respostas às perguntas formuladas acima. Ainda assim, trazemos à exposição aspectos instigantes suscitados pela primeira análise do material. 1615

3 1616 A história da educação no quadro de construção da pós-graduação no Brasil A pesquisa em história da educação, no Brasil, ampliou-se significativamente nas últimas décadas, acompanhando as mudanças que se desenharam, na produção de ciência no país, a partir da consolidação de um sistema nacional de pós-graduação. A análise da expansão da área, sem desconsiderar as bases de sua construção, tem-nos levado a acompanhar o desenho da pósgraduação e da pesquisa como um todo. Os itinerários de construção histórica, da pós-graduação e da pesquisa no Brasil, apontam para um processo bastante recente de institucionalização e expansão. Anunciada desde os anos 1930, como uma forma de especialização de estudos em determinada área profissional, a formação em nível de pós-graduação aguardaria um longo tempo para tornar-se uma realidade. Na década seguinte, começou a ser esboçada, em instituições como a Escola de Sociologia e Política, de São Paulo, e a Universidade do Brasil, sediada no Rio de Janeiro. As iniciativas de criação do Conselho Nacional de Pesquisa (CNP), em 1949, e da Campanha de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), em 1951, foram indicadores da penetração crescente, no âmbito do Estado, da idéia de incrementar a pós-graduação como forma de qualificar os quadros do ensino superior, ao mesmo tempo em que se materializava o financiamento público da pesquisa científica. Ainda assim, mesmo com o processo de difusão de universidades públicas, federais e estaduais, que marcou o período imediatamente posterior, não se reuniu força suficiente para realizar a consolidação da pesquisa. A Universidade de Brasília desponta como exemplo isolado de institucionalização da pesquisa, naquele período. (CURY, 2005: 8-9). Foi no rastro da perspectiva tecnicista, com o perfil do modelo norte-americano, e sob a condução autoritária dos governos da ditadura militar, que se edificou o sistema nacional de pósgraduação brasileiro. Em 3 de dezembro de 1965, foi emitido o Parecer n. 977, da Câmara de Ensino Superior, do Conselho Federal de Educação, redigido por solicitação do Ministro da Educação, e assinado por intelectuais de renome no quadro da educação brasileira. 1 Nele, regulamentava-se a pós-graduação, por meio de uma redação em sete tópicos:a origem da pósgraduação, sua necessidade, seu conceito, o exemplo da pós-graduação nos Estados Unidos, a pósgraduação na LDB de 1961, a pós-graduação e o Estatuto do Magistério, e a definição e caracterização da pós-graduação. (CURY, 2005: 11). De acordo com esse parecer, a pós-graduação teria como objetivos a formação tanto de um corpo docente preparado e competente quanto a de pesquisadores de alto nível, e a qualificação profissional de outros quadros técnicoadministrativos necessários ao desenvolvimento nacional. A pós-graduação deveria ter lugar na universidade, na medida em que é integrante do complexo universitário, necessária à realização dos fins essenciais da universidade (p. 73). Só excepcionalmente, mediante parecer autorizatório do CFE, poderia haver pós-graduação em institutos isolados. Como se depreende do texto acima, a concepção de pós-graduação ligava-se intimamente ao conceito de universidade que se desejava fortalecer. A pesquisa era pensada como atributo de um complexo universitário, responsável pelo encaminhamento de atividades de ensino, pesquisa e extensão, conforme havia sido definido na Lei de Diretrizes e Bases da Educação, em Além disso, a força do modelo norte-americano, para o qual se destinava todo um tópico do parecer espaço bem maior do que o destinado a outros modelos nacionais ali tratados prenunciava as 1 Assinaram o Parecer n. 977/65 Clóvis Salgado, José Barreto Filho, Maurício Rocha e Silva, Durmeval Trigueiro Mendes, Alceu Amoroso Lima, Na sio Teixeira, Valnir Chagas, Rubens Maciel e Newton Sucupira (relator) (CURY, 2005: 10) 1616

4 1617 ações de modernização e adequação das universidades existentes aos objetivos representados pelo regime militar. O trabalho da comissão de especialistas, fruto do acordo MEC/USAID, com forte presença de técnicos norte-americanos, apontaria, alguns anos mais tarde, o novo desenho da universidade brasileira, inteiramente remodelada em direção ao padrão americanizado. Por outro lado, houve, por parte dos governos militares, um empenho particular em consolidar o campo de pesquisa científica, no país, sob a tutela do Estado. Na distinção entre pósgraduação lato sensu e stricto sensu, introduzida pelo Parecer, fica reservada, a este último tipo, a realização de pesquisas avançadas, associadas à concessão de títulos de mestre e doutor. A área do Rio de Janeiro, privilegiada por sua posição histórica de capital do país, abrigou, desde o início, programas de pós-graduação criados no interior das instituições universitárias existentes na região. Tanto no âmbito do ensino privado, que contava com a força da Pontifícia Universidade Católica atual PUC Rio quanto no do público, com destaque para a atual Universidade Federal do Rio de Janeiro originalmente a Universidade do Brasil mas contando, também, com a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), havia campo fértil para institucionalização da pesquisa, nos moldes da pós-graduação. Às instituições universitárias agregavam-se, ainda, a Fundação Getúlio Vargas e a Fundação Oswaldo Cruz, que viriam a contribuir, decisivamente, para o crescimento da pesquisa, tanto em nível local, como nacional. A pós-graduação stricto sensu em educação adquiriu contornos já em meados da década de 1960, logo após a publicação do Parecer 977, sob a liderança dos Programas de Pós-graduação das PUCs, do Rio de Janeiro e de São Paulo. As primeiras dissertações com viés histórico, produzidas no âmbito desses programas, inauguraram um novo período de escrita da história da educação, cada vez mais traspassado pelos contornos que assumia a formação de docentes e pesquisadores nesse nível. A qualificação de indivíduos posicionados, ou preparando-se para inserir-se, no meio docente universitário influiu na configuração do campo intelectual envolvido com a reflexão acerca dos problemas educacionais. Ao final da década de 1970, a conjuntura de crise do regime militar e paulatina reorganização dos movimentos sociais favoreceu a emergência de eventos e entidades do campo educacional. Mesmo as iniciativas governamentais viram-se atravessadas por atitudes que buscavam autonomia em relação aos objetivos e formatos propostos oficialmente. As circunstâncias de criação da ANPEd Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação em 1978, são emblemáticas dessa insurgência, desde a escolha de uma diretoria não desejada pela CAPES, até a inclusão de sócios individuais no seu formato, abrindo espaço para a organização de Grupos de Trabalho temáticos, reunindo pesquisadores de acordo com suas áreas de interesse (FERRARO, 2005: 52). É nesse espaço que se cria o GT História da Educação, que dá início ao processo de organização dos pesquisadores da área. Composição da amostra Todo e qualquer levantamento de dados pressupõe um recorte que deve ser arbitrado segundo alguns critérios. Nos casos de mapeamento da produção em área tão interdisciplinar quanto a da educação, diversos meandros se interpõem à seleção definida de títulos pertinentes a qualquer de suas sub-áreas. Em se tratando, portanto, de história da educação, as dificuldades em se traçar fronteiras em relação a campos disciplinares afins, tais como antropologia, sociologia, política e administração tornam improdutivos quaisquer esforços de estrita depuração (ALVES, 2001). Por isso, enfatizamos a perspectiva que se volta para a historicização dos fenômenos, pela busca de analisá-los com apoio na dimensão temporal. Outro cuidado necessário, no mapeamento da produção em história, diz respeito à compreensão das características próprias da pesquisa em cada momento histórico. Para evitar-se a projeção das exigências metodológicas, presentes na produção historiográfica recente, para a seleção de materiais do passado, é preciso levar em conta a historicidade da própria historiografia. 1617

5 1618 Dessa forma, procuramos ampliar nosso raio de observação, incorporando trabalhos que, sobretudo no período inicial de consolidação da pós-graduação no Rio de Janeiro, nem sempre cumpriam próprias a uma pesquisa original em história da educação, sobretudo quando eram realizados no âmbito dos programas de pós-graduação em educação. Como trabalhamos a partir das séries de títulos e resumos de teses e dissertações, procuramos incluir diferentes formas de aproximação da história da educação, evitando, de outro lado, descaracterizar o foco de nossa pesquisa. No texto que resumiu os principais resultados da pesquisa, discriminamos os critérios de seleção adotados para composição da amostra, da seguinte maneira: 1. Características dos trabalhos incluídos: a) objetos de pesquisa ligados a processos formativos ou seus determinantes, em espaços escolares ou não; b) presença de algum tipo de dimensão temporal no tratamento dado ao objeto. 2. Foram excluídos os trabalhos: a) centrados em registros de memória individual e coletiva, ou de experiências atuais, sem pretensão de relacioná-las a contextos mais amplos; b) voltados para a avaliação de experiências educativas exclusivamente por meio de entrevistas com os atores que delas participaram; c) que, tratando de atores individuais ou coletivos que tiveram papel destacado na educação, estão focados em questões de outra área disciplinar (a política, por exemplo); d) dedicados a aspectos da história da ciência ou de campos profissionais que não incluem, nas suas questões, qualquer preocupação com os processos formativos; e) focados na discussão de princípios filosóficos da educação, tratados na sua lógica interna, sem referência ao contexto, condições de produção ou trajetória de pensadores; f) em que a assimilação do aporte teórico-metodológico de uma corrente historiográfica não chegava a caracterizar a historicização do objeto de pesquisa; g) cujo objeto tocava temas caros à educação, mas com tratamento próprio de áreas profissionais como a psicologia, a medicina, o direito, etc. (o exemplo da infância é o mais recorrente). (ALVES, 2005: ) Tínhamos como pressuposto que a pesquisa em história da educação, embora naturalmente concentrada nos programas de educação, e secundariamente nos de história, poderia surgir como zona de interesse para profissionais de áreas que, em princípio, estariam dela apartados. Duas ordens de fatores colocavam-se como propiciadoras desse contato: em primeiro lugar, a inserção de origem dos programas de pós-graduação na área de educação, enquanto centros de formação pensados para qualificarem docentes do ensino de nível superior, além de pesquisadores e, portanto, envolvidos num movimento de construção histórica de seus cursos; em segundo lugar, o crescente interesse, percebido em publicações de divulgação científica, pela história dos campos profissionais e da respectiva formação de seus agentes. Com essa motivação, percorremos os catálogos de mais de cem cursos de pós-graduação existentes no Estado, sem, entretanto, cobrir a totalidade, devido à dificuldade de acesso a catálogos eletrônicos e impressos de todos eles. Ainda assim, foi possível trabalhar com a expressiva mostra de 69 cursos, pertencentes a dezessete diferentes instituições de educação superior, em que foram encontrados trabalhos caracterizados como resultado de pesquisa em história da educação. Ao todo, 1618

6 1619 foram incorporados 930 trabalhos, que atendiam aos requisitos avaliados como característicos de pesquisa em história da educação. Desse total, um primeiro grupo possuía ligação mais direta com a área de educação, embora somente seis programas fossem de pós-graduação em Educação, dois em Educação Física, um em Educação Matemática e um em Tecnologia Educacional nas Ciências da Saúde. Em História, foram incluídos cinco programas, além de um em História da Arte e um em Memória Social e Documento. Nas demais áreas disciplinares, ligadas à formação de professores, estruturadas com licenciaturas em nível de graduação, foram encontrados trabalhos de interesse para o levantamento em três programas de Sociologia, três de Letras, dois de Filosofia, um de Matemática, um de Geografia e um de Química Biológica. Como era de se esperar, concentra-se nos programas de pós-graduação em Educação o maior volume de produção de pesquisas na área. Do conjunto de títulos levantados, um percentual de 72% cabe a esses programas. A distribuição das referências selecionadas na tabela desdobrada pelos anos de ocorrência permite observar alguns aspectos, com relação a este grupo restrito de programas. Cabe ressaltar o pioneirismo da PUC, bem como a permanência de uma produção regular em seu programa de Educação; o papel do IESAE, ao longo da década de 1980, fechando sua trajetória com grande contribuição nos ; a curva ascendente do programa da UFRJ, até meados da década de 1990, quando sua produção, em termos quantitativos, supera a de todos os outros programas da área, no Rio de Janeiro; o crescimento da produção da UFF, na década de 1990, como uma espécie de herdeira do IESAE, de quem recebeu quadros importantes para compor seu programa de pós-graduação em Educação. Quantidade de Títulos Selecionados dos Programas de Educação - Rio de Janeiro / PUC UFF UFRJ IESAE UERJ UCP Esse panorama da produção em história da educação, efetuada no interior dos programas específicos da área, insere-se, no presente texto, com o objetivo de situar a dinâmica que dirigiu o volume principal de trabalhos defendidos, aqueles que efetivamente caracterizam as tendências da historiografia da educação no período. 1619

7 1620 Retirando-se, do total de cursos pesquisados, os que se ligam ao campo educacional, de forma mais direta, contabilizam-se, ainda, quarenta e dois programas de diferentes áreas profissionais, onde foi possível localizar dissertações e teses em história da educação. A amostra, construída por essa seleção, inclui 153 trabalhos, defendidos em quarenta e cinco cursos, das mais diversas áreas de formação e pesquisa. Em nossa análise, essa fatia da produção assumiu interesse particular, tomada como indicador da expansão da pesquisa em história da educação para além das fronteiras dos programas de educação e de história. Essa parte do levantamento foi submetida a novo tratamento, que compõe o trabalho que ora apresentamos. A produção em história da educação dos programas de outras áreas No quadro abaixo, procuramos sintetizar o demonstrativo de cursos pesquisados, correlacionando-os ao número de títulos selecionados em cada um deles, no que tange ao segundo grupo, acima descrito. Títulos selecionados em programas de áreas diversificadas CURSO INSTITUIÇÃO NÍVEL N. DE TÍTULOS Tecnologia CEFET-RJ Mestrado 4 Sistemas e Computação Instituto Militar de Engenha-ria Mestrado 1 (IME) Engenharia de Siste-mas Universidade Federal do Rio de Mestrado 1 e Computação Engenharia de Produção Universidade Federal do Rio de Mestrado 6 Doutorado 2 Desenvolvimento, Universidade Federal Rural do Rio Mestrado 5 Agricultura e Sociedade de Janeiro (UFRRJ) Doutorado 2 Agronomia Universidade Federal Rural do Rio Mestrado 2 de Janeiro (UFRRJ) Economia da Indús-tria e Universidade Federal do Rio de Mestrado 1 da Tecnologia Economia Fundação Getúlio Vargas Mestrado 2 Universidade Federal Fluminense Mestrado 1 (UFF) Ciências Contábeis Fundação Getúlio Vargas Mestrado 3 Universidade do Estado do Rio de Mestrado 2 Janeiro (UERJ) Administração Universidade Federal do Rio de Doutorado 1 Administração Pública Fundação Getúlio Vargas Mestrado 12 Políticas Sociais Universidade Estadual do Norte Mestrado 1 Estudo de Problemas Brasileiros Ciência Política Ciências Jurídicas Antropologia Social Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) Universidade do Estado do Rio de Mestrado 3 Janeiro (UERJ) Instituto Universitário de Pesquisa Doutorado 1 do Rio de Janeiro (IUPERJ) Universidade Federal Fluminense Mestrado 2 (UFF) Pontifícia Universidade Católica Mestrado 2 (PUC Rio) Universidade Federal do Rio de Mestrado 5 Doutorado 3 Pontifícia Universidade Cató-lica Mestrado 8 do Rio de Janeiro (PUC-RIO) 1620

8 1621 Serviço Social Universidade Federal do Rio de Mestrado 6 Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Mestrado 3 Doutorado 1 Saúde Coletiva Universidade do Estado do Rio de Mestrado 5 Janeiro (UERJ) Doutorado 2 Pontifícia Universidade Católica do Mestrado 6 Rio de Janeiro (PUC-RIO) Universidade Federal Fluminense Mestrado 1 Psicologia (UFF) Universidade do Estado do Rio de Mestrado 2 Janeiro (UERJ) Psicologia Social Universidade do Estado do Rio de Mestrado 6 Janeiro (UERJ) Universidade Federal do Rio de Mestrado 1 Medicina Odontologia Universidade Federal Fluminense Mestrado 2 (UFF) Doutorado 1 Universidade Federal do Rio de Mestrado 8 Doutorado 16 Enfermagem Universidade do Rio de Janeiro Mestrado 3 (UNI-RIO) Nutrição Universidade Federal do Rio de Mestrado 2 Ciências da Informação Universidade Federal do Rio de Mestrado 3 Teologia Pontifícia Universidade Católica do Mestrado 2 Rio de Janeiro (PUC-RIO) Comunicação Universidade Federal do Rio de Mestrado 3 Doutorado 1 Teatro Universidade do Rio de Janeiro Mestrado 1 (UNI-RIO) Conservatório Brasileiro de Música Mestrado 5 Música Universidade Federal do Rio de Mestrado 2 Música Brasileira Universidade do Rio de Janeiro Mestrado 1 (UNI-RIO) TOTAL DE CURSOS E TRABALHOS Com relação ao total da amostra da pesquisa realizada, composta de 930 títulos, essa fatia representa um percentual de 16,5 % dos títulos selecionados. Percebe-se, pelo quadro acima, a extensa variedade temática dos cursos em que se encontrou trabalhos afinizados com a pesquisa histórica em educação. O período coberto inicia-se em 1978, ano em que foram defendidos as duas primeiras dissertações, desses programas, incluídas em nosso levantamento. O ano de 2001, como foi explicado anteriormente, foi o último considerado na pesquisa realizada. Os dois primeiros trabalhos, desse conjunto a que nos referimos, foram elaborados em programas da Universidade Federal do Rio de, nas áreas de Comunicação e Ciência da Informação. A dissertação intitulada Comunicação e ensino de massa no Brasil: desempenho do rádio como veículo educacional (Projeto Minerva), defendida por João de Deus Corrêa, com orientação de Emanuel Carneiro Leão, investigava a trajetória do Projeto Minerva, pensando as aulas radiofonizadas como estratégia do Estado na difusão do ensino e comunicação de massa. No resumo do trabalho, o autor justifica a escolha do Projeto Minerva, pela riqueza da documentação 1621

9 1622 existente, em que se podia encontrar registros de avaliação da experiência. No mesmo ano, Arthur Tavares Machado, defendia o trabalho Documentação: sua divulgação no Ministério da Educação e Cultura. Buscava traçar um perfil dos métodos de divulgação do Ministério, no período , enfocando o desperdício e improdutividade em publicações oficiais, muitas vezes criadas com a única finalidade de promover indivíduos posicionados na burocracia estatal. No panorama geral de escassa produção em história da educação, tal como observamos no gráfico relativo aos programas de Educação, apresentado anteriormente, a existência desses trabalhos ainda não poderia ser tomada como expressão do crescimento da área. Percebe-se, claramente, por outro lado, a vinculação de suas problemáticas de investigação a suas áreas de origem, ainda sem demonstrações de diálogo expressivo com a própria pesquisa histórica. No caso particular do segundo trabalho, o extenso período abarcado por seus marcos temporais, assim como a denominação MEC, projetada para o passado, e ainda desconsiderando o espaço de tempo entre a primeira configuração republicana de um Ministério da Instrução Pública, em 1890, e a segunda, em 1930, como Ministério da Educação, são indícios do desconhecimento em relação à história da educação brasileira por parte do autor. Somente seis anos mais tarde, em 1984, surgem, no mapeamento, mais três títulos com características pertinentes à pesquisa, sendo uma dissertação de mestrado e duas teses de doutorado. A dissertação Educação em saúde: prática sanitária ou instrumento de ação ideológica, de Cleuza Panisset Ornellas, foi defendida no Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública, da Fundação Oswaldo Cruz. Propunha-se a discutir a ação ideológica exercida pela educação enquanto atividade de Saúde Pública, com foco no período de 1960 a 1979, porém buscando os determinantes econômicos e sanitários numa ampla retrospectiva do período republicano. Uma das teses de doutorado foi elaborada no mesmo programa, com o título Estudo do saber da enfermagem e sua dimensão prática, por Maria Cecília Puntel de Almeida. Enfocava a relação que compõem a formação e as transformações da prática profissional da enfermagem no Brasil, da década de 1930 à de 1970, buscando as disciplinas que fundamentaram a formação em cada período. Por fim, no mesmo ano, foi defendida a tese Imaginação social jesuítica e instituição pedagógica: Maranhão e Grão-Pará no século XVII, no curso de Antropologia Social da UFRJ, por Luiz Felipe Baêta Neves Flores, que procurava compreender o funcionamento econômico e as ideologias que informavam as Aldeias Jesuíticas, tomando como fonte principal a obra de Antonio Vieira. Estes últimos trabalhos prenunciam o diálogo com a história da educação que se acentuaria a partir de 1987, com o aparecimento regular, a cada ano, de novas teses e dissertações com temáticas e abordagem histórias, defendidas nos diversos programas de pós-graduação de outras áreas. O gráfico abaixo demonstra o crescimento do número de trabalhos entre os anos de 1987 e

10 1623 Quantidade de títulos por ano / Quantidade Para efeito do presente trabalho, procuramos analisar esse material segundo quatro critérios básicos: a) o período abordado nesses estudos; b) o campo temático em que o trabalho se concentra; c) o nível/modalidade de ensino; e d) a abrangência espacial relativa ao objeto de estudo. Com respeito ao período, há uma dificuldade inerente ao corpus documental com que trabalhamos: por se tratar de resumos de teses e dissertações elaboradas fora dos programas de educação ou de história, muitos deles não trazem a informação precisa sobre os marcos temporais determinados para a delimitação do objeto de estudo. Apesar disso, foi possível perceber os momentos privilegiados nesses estudos. Em primeiro lugar, pode-se dizer que, em sua grande maioria, estão dedicados à história recente, com forte concentração nas últimas décadas do século XX. Entretanto, quando desdobramos esse quesito por instituição, percebemos que esse traço não aparece igualmente em todas elas. Assim, na UFRJ, a concentração mais forte das pesquisas encontra-se nas décadas de 1940 a 1960, seguidas do período inicial do século XX. Veremos adiante que essa tendência combina-se com a característica do campo temático, já que é bastante presente o interesse pela história dos próprios cursos ou escolas que a compõem, buscando as origens plantadas no início do século ou na Universidade do Brasil. No caso da UERJ, também há uma divergência em relação ao panorama geral, por conta de outro aspecto dominante em seus trabalhos: a abordagem extensiva, abrangendo todo o século XX ou XIX, denotando um diálogo ainda bastante incipiente com a história da educação. O gráfico, a seguir, sintetiza a distribuição dos trabalhos de acordo com a delimitação temporal indicada nos resumos. 1623

11 1624 Distribuição dos períodos estudados Séc. XVI-XVIII Séc. XIX Séc. XX Pós 1960 Pós 1970 Década 1980 Década 1990 Não informado Quanto aos campos temáticos em torno dos quais se constroem os trabalhos, elaboramos uma lista de seis categorias de temas abordados, pensadas a partir da leitura dos resumos. Por esse caminho, os resumos foram classificados, quanto aos objetos de estudos que anunciavam, em um dos grupos a seguir: a) ação governamental; b) práticas educativas; c) intelectuais/educadores; d) produção, circulação e recepção de idéias e conhecimento; e) instituições de formação e de pesquisa; f) desigualdade, exclusão, racismo. Dentre os eixos temáticos eleitos em nossa análise, dois destacaram-se pela recorrência: em primeiro lugar, o referente às práticas educativas e, em segundo, o relativo à produção, circulação e recepção de idéias e conhecimento. Como dissemos anteriormente, nos comentários a respeito dos períodos sobre os quais recaem os estudos, a densidade de pesquisas voltadas a uma reflexão acerca dos próprios campos intelectuais em que se inscrevem esses programas, tem sido a motivação maior pela busca do enfoque histórico. Nesse sentido, não é surpreendente a fartura de questões em torno das práticas educativas, quando a ênfase recai sobre a formação, ou sobre a circulação de idéias, terreno comum em que incidem tanto a preocupação com a formação quanto com a produção de conhecimento. Por outro lado, é notável que essa preocupação em pensar, em última instância, a formação de elites intelectuais, não tenha insistido no viés da história institucional que, embora igualmente importante, poderia funcionar como mecanismo de permanência de abordagens mais tradicionais. Embora ainda seja necessário maior aprofundamento desse aspecto, a primeira análise do material permite inferir que esse traço, fortemente presente, sobretudo, na produção da segunda 1624

12 1625 metade da década de 1990, denota a penetração das reflexões do campo da história, senão a da educação, a da história cultural. No gráfico abaixo, demonstramos a incidência de campos temáticos, tais como os delimitamos: Distribuição dos campos temáticos Ação governamental Práticas educativas Intelectuais/educadore s Circulação de idéias Instituições Desigualdade e racismo Os elementos apontados na análise dos campos temáticos ganham mais sentido quando combinados aos referentes aos níveis ou modalidades de ensino, associados aos objetos delineados nas teses e dissertações selecionadas. Optamos por uma construção de alternativas sugeridas a partir das leituras dos resumos, tal como procedemos no caso dos temas. Emergiram as seguintes categorizações: a) Geral (quando se tratava do sistema de ensino como um todo); b) Catequese; c) Educação básica; d) Educação superior; e) Formação profissional (não superior); f) Educação de jovens e adultos; g) Não escolar. A larga predominância do interesse pela educação superior, tanto no nível da graduação quanto no de pós-graduação, reafirma nossas observações em torno do movimento auto-referente, de uma espécie de reflexão sobre si, detectada na incursão pela pesquisa em história da educação, nesses campos profissionais. O gráfico é bastante revelador: 1625

13 1626 Níveis/modalidades de educação Geral Catequese Educação básica Educação superior Formação profissinal Ed. de jovens e adultos Não escolar Como último aspecto, procuramos verificar a abrangência espacial dos objetos recortados nos trabalhos selecionados. Para tal fim, determinamos os seguintes raios de determinação geográfica, segundo os objetos encontrados: a) Brasil; b) Região; c) Estado; d) Cidade; e) Instituição. Cada uma dessas categorias comportaria algumas variações interessantes, que optamos por não traduzir em gráfico, mas que merecem ser comentadas. O primeiro aspecto é a coincidência entre o institucional e a localização em termos de cidade, quando se tratam de instituições do Rio de Janeiro. Na verdade, o acúmulo de estudos de abrangência institucional comporta um percentual muito elevado de instituições localizadas na cidade do Rio de Janeiro. No âmbito desse percentual, boa parte dos trabalhos concentra-se em escolas ou cursos da Universidade Federal do Rio de. O dado que ressalta, entretanto, é a predominância da abordagem ampliada, em nível de Brasil, fruto de questões bastante gerais ou centradas em processos de ordenação jurídico-política. Pode ser pensado ainda como evidência da centralidade do Estado. O gráfico abaixo indica a distribuição segundo a abrangência espacial do objeto de estudo: 1626

14 1627 Abrangência geográfica dos objetos Brasil Região Estado Cidade Instituição Considerações finais A partir dos dados coletados, é possível perceber uma trajetória que parte de alguns programas pioneiros e tende a um movimento de dispersão. O que se observa é que os trabalhos que constroem abordagens históricas de objetos referentes à educação não ficam restritos aos programas de educação e de história, mas passam a ocupar um território que se espraia em direção a outras áreas. Em geral, nos campos profissionais que, por meio da pesquisa organizada nos programas de pós-graduação, apresenta-se a oportunidade de se aprofundar a reflexão a respeito de suas práticas, emerge alguma produção sobre os processos formativos, buscando historicizá-los. Essa produção surge de forma individualizada, mas é possível encontrar-se núcleos em que se percebe um estímulo concentrado em história da educação. Acompanhando o movimento geral de incremento da pós-graduação, bem como a penetração do interesse pela abordagem histórica na pesquisa educacional e o desenho mais definido da área de história da educação, cresce sensivelmente o número de títulos reunidos na seleção de nossa pesquisa na década de Boa parte dos títulos que compõem o total levantado foi trazida à luz nesse período A década de 1990 apresenta, quanto à distribuição anual dos títulos uma dupla tendência: de um lado, a ampliação dos programas em educação vem acompanhada do crescente interesse pela abordagem histórica; de outro, esse interesse difunde-se por programas de outras áreas, alguns criados recentemente, outros não, surgindo dissertações e teses voltadas para a história de instituições e cursos formação, sobretudo em nível superior. Cerca de 90% dos títulos encontrados em pequeno número, em programas de outras áreas, faz parte da produção dessa década. Merece destaque, nesse aspecto, a produção da área de enfermagem. Sua maior expressão localiza-se no programa da UFRJ, em que o interesse pela história da profissão alia-se à busca, sobretudo, da criação de instituições de formação, seus percursos curriculares, a genealogia dos saberes que incorporam e a penetração da influência norte-americana. O volume de dissertações e 1627

15 1628 teses, gerado por essa interrogação persistente a respeito de sua identidade profissional, supera, nessa universidade, a produção do programa de história com relação à historicidade dos fenômenos educativos. Também na UNI-RIO, o Programa de Pós-Graduação em Enfermagem apresenta alguns trabalhos nessa linha. Pode-se, ainda, encontrar pesquisadores da enfermagem em programas como o de Saúde Pública, da FIOCRUZ, e o de Saúde Coletiva, da UERJ, e, ainda, em programas de educação, investigando a história de sua formação. Outros campos profissionais têm feito movimento dessa natureza, embora sem atingir o mesmo patamar em termos de quantidade e concentração. Os profissionais de Serviço Social, além do interesse pela história de seu próprio campo, aproximam-se de questões relativas à história da infância e das práticas comunitárias de educação. Na área da saúde, é possível observar a investigação sobre o percurso histórico das atividades em educação para a saúde, a construção do discurso médico e os circuitos de divulgação e afirmação de conhecimentos da área. Na engenharia, predomina o interesse pela produção universitária em ciência e tecnologia, e os impactos da informatização sobre os processos de formação para o trabalho. No campo das artes música, teatro e artes plásticas o olhar recai sobre as instituições formadoras e os métodos de ensino prioritariamente, trazendo à luz a contribuição de artistas e intelectuais. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, Claudia. (2001) Acervos bibliográficos para a história da educação. Niterói: EDUFF.. (2005) A escrita da história da educação na pós-graduação do Rio de Janeiro ( ). In GONDRA, José Gonçalves. Pesquisa em história da educação no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A. Banco de teses e dissertações da CAPES. Banco de teses e dissertações do IBCT. Banco de teses e dissertações da PUC-RIO. Base de dados Minerva UFRJ. CURY, Carlos Roberto Jamil. (2005). Quadragésimo ano do Parecer n. 977/65. Revista Brasileira de Educação. n. 30, p. 7-20, set.-dez FERRARO, Alceu Ravanello. (2005). A ANPEd, a pós-graduação, a pesquisa e a veiculação da produção intelectualna área da educação. Revista Brasileira de Educação. n. 30, p , set.-dez

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO DE EXTENSÃO GRUPO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA HISTÓRICA

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO DE EXTENSÃO GRUPO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA HISTÓRICA 1 UFF Universidade Federal Fluminense Pólo de Campos dos Goytacazes ESR Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional SFC - Departamento de Fundamentos de Ciências da Sociedade RELATÓRIO

Leia mais

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA BREVE HISTÓRICO O INÍCIO DE UMA CAMINHADA

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA BREVE HISTÓRICO O INÍCIO DE UMA CAMINHADA POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA Marcelo Soares Pereira da Silva UFU marcelosoares@ufu.br Resumo: No contexto das políticas de formação

Leia mais

Tese 1. A base do Curso de Pedagogia é a docência.

Tese 1. A base do Curso de Pedagogia é a docência. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO (ANPED)/ ASSOCIAÇÃO NACIONAL PELA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO (ANFOPE)/ ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM

CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM Carla Vargas Pedroso - UFF e UFSM Sandra Lucia Escovedo Selles - UFF Agência Financiadora: CAPES

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação

Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação Justificativa Desde a edição da nova LDB (Lei nº 9.394/1996), promulgada em decorrência

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE José Anchieta de Souza Filho 1 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) josanchietas@gmail.com Introdução Analisamos

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Recredenciamento do curso de pós-graduação em Sociologia, em nível de mestrado.

Recredenciamento do curso de pós-graduação em Sociologia, em nível de mestrado. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Recredenciamento do curso de pós-graduação em Sociologia, em nível de mestrado. ARNALDO NISKIER I - RELATÓRIO 0 Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro solicita

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Por Talamira Taita Rodrigues Brito

Por Talamira Taita Rodrigues Brito Programas acadêmicos e o ensino de graduação: estratégias para o fortalecimento da formação - Panorama da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB Por Talamira Taita Rodrigues Brito Localização

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI PROCESSO Nº 011/2012 ASSUNTO: Proposta de adequação das diretrizes para a parceria FURB-UFSC. INTERESSADO: Administração Superior. PROCEDÊNCIA: Reitoria. I - HISTÓRICO: Em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA INSTITUTO METODISTA DE ENSINO SUPERIOR UF SP ASSUNTO: Recredenciamento do curso de pós-graduação em Comunicação Social, com área

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO TÍTULO DO PROJETO: Consolidação da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior.

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 Jane aparecida Gonçalves de Souza 2 Universidade Católica de Petrópolis cidijane@gmail.com RESUMO Pensar

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Pós-Graduação da UFV em debate 2012 26-27 de Novembro de 2012 Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Profa. Simone EF Guimarães Pós Graduação em Genética e Melhoramento UFV

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

Direito Civil (Parte Geral e Obrigações) Direito Civil (Teoria Geral dos Contratos) Direito Civil (Contratos em Espécie)

Direito Civil (Parte Geral e Obrigações) Direito Civil (Teoria Geral dos Contratos) Direito Civil (Contratos em Espécie) A Universidade Candido Mendes tem como mantenedora a Sociedade Brasileira de Instrução, a mais antiga instituição particular de ensino superior do país, fundada em 1902 pelo Conde Candido Mendes de Almeida,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação. 32.ssoc@capes.gov.br

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação. 32.ssoc@capes.gov.br RELATÓRIO DA REUNIÃO DE COORDENADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SERVIÇO SOCIAL Dia 09 e 10 de Novembro de 2011 Local: CAPES Brasília/DF Presença Estiveram presentes 25 programas de Pós

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Brasília DF 2010 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL Maria José Lima da Silva e Valquiria Linck Bassani A Pós-Graduação Brasileira apresenta 2.379 programas de pós-graduação (fonte

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional - DIRGRAD Departamento de Educação Campus XXXXXXX ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Livio Amaral Diretor de Avaliação 17set13 A AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (SNPG) (SNPG) -FUNDAMENTOS

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

OBJETIVO: 1 - GERAL 2 - ESPECÍFICOS

OBJETIVO: 1 - GERAL 2 - ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS PRÓ-REITORIA DE ENSINO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO INFORMAÇÕES PARA DIVULGAÇÃO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA INTERNET Curso de Especialização Lato Sensu

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 50.nutr@capes.gov.br DOCUMENTOS DA PRIMEIRA REUNIÃO DA COMISSAO PRO-TEMPORE DE ESTRUTURAÇÃO DA

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO (1958-1971) Inês Velter Marques Mestranda em Educação /Linha História, Memória e Sociedade/Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)/Programa

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA ACERCA DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA ACERCA DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES A PRODUÇÃO CIENTÍFICA ACERCA DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Patrícia Xavier Figueiredo FURG Maria Renata Alonso Mota FURG RESUMO: Este trabalho é parte integrante da pesquisa

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais