III Manual de Alergia, Pneumologia e Dermatologia Pediátrico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III Manual de Alergia, Pneumologia e Dermatologia Pediátrico"

Transcrição

1 III Manual de Alergia, Pneumologia e Dermatologia Pediátrico

2 Editores Departamento Científico de Alergia e Imunologia da SPP Departamento Científico de Pneumologia da SPP Departamento Científico de Dermatologia da SPP Coordenação Editorial Dra Tsukiyo Obu Kamoi Design Gráfico Adriana Salmazo Zavadniak Todos os direitos reservados É expressamente proibida a reprodução deste manual em seu todo ou em partes, por qualquer meio, sem a autorização por escrito da Sociedade Paranaense de Pediatria Este manual foi impresso em março de 2009

3 A alta incidência e prevalência de problemas alérgicos, pneumológicos e dermatológicos é a motivação maior para que os profissionais médicos que cuidam da saúde da criança e do adolescente procurem se manter informados sobre as novidades clínicas relacionadas. Mais uma vez nós, pediatras, nos vemos privilegiados com a oportunidade de leitura atualizada sobre os principais temas destas especialidades. A Sociedade Paranaense de Pediatria lança o III Manual de Alergia, Pneumologia e Dermatologia Pediátrica. Os departamentos científicos das três especialidades mais uma vez unem esforços e trazem as atualizações necessárias, pois os temas expostos apresentam alterações de conceitos e de condutas curtos intervalos. O formato desta edição e das anteriores é bastante atraente, e tem servido como referência para médicos pediatras, médicos residentes e mesmo alunos de graduação dos cursos de medicina. Os temas são expostos de modo prático e objetivo. A pediatria paranaense agradece o esforço de todos os que de alguma maneira contribuíram com a confecção deste material científico, em especial o empenho da Nestlé Nutricion e da Mantecorp, que tornaram viável sua edição e distribuição. Que seja proveitoso para todos os leitores. Aristides Schier da Cruz Presidente da Sociedade Paranaense de Pediatria

4

5 Colaboradores ADRIANA VIDAL SCHMIDT Mestre em Pediatria UFPR Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI Vice-Presidente do Departamento-Científico de Alergia da SPP ALEXSANDRO ZAVADNIAK Mestre em Pediatria - UFPR Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI Especialista em Pediatria - SBP ANA PAULA JULIANI Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI Especialista em Pediatria SBP ANTONIO CONDINO NETO Professor Associado e Livre-Docente Departamento de Imunologia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo CARLOS ANTÔNIO RIEDI Mestre em Pediatria UFPR Especialista em Pneumologia Pediátrica Responsável pela Triagem Neonatal de Fibrose Cística no Paraná CARLOS ROBERTO LEBARBENCHON MASSIGNAN Especialista em Pediatria Especialista em Pneumologia Pediátrica Mestre em Pediatria - UFPR CINARA ROBERTA BRAGA SORICE Especialista em Pediatria - SBP Mestre em Pediatria - UNIFESP Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI Médica do Departamento de Alergia e Imunopatologia do Hospital Infantil Pequeno Príncipe. FABÍOLA I. SUANO DE SOUZA Mestre em Ciências pela Unifesp/SP DÉBORA CHONG Especialista em Pneumologia Pediátrica Mestre em Ciências Biológicas - UFPR Professora Assistente de Pediatria, HC - UFPR Professora de Atenção Primária em Pediatria - PUCPR GEÓRGIA KARINA MORGENSTERN MILANI Mestre em Pediatria - UFPR Especialista em alergia e Imunopatologia - ASBAI Especialista em Pediatria - SBP GILBERTO SACILOTO Especialista em Pediatria - SBP Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI Membro da Academia Paranaense de Pediatria GRÉGOR PAULO CHERMIKOSKI SANTOS Especialista em Pediatria - SBP Especialista em Medicina Esportiva pela Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte Especialista em Pneumologia Pediátrica HELOÍSA SIMONINI DELFINO Especialista em Pediatria - SBP Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI Mestre em Imunologia Clínica pela Universidade Estadual de Londrina. HERBERTO JOSÉ CHONG NETO Especialista em Pediatria-SBP Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI Mestre em Ciências da Saúde - PUCPR Doutorando em Medicina Interna - UFPR JOSE DIRCEU RIBEIRO Professor Livre Docente de Pediatria pela Unicamp. Chefe do Depto de Pediatria da Unicamp. Presidente do Depto de Pediatria da SBPT e SBP. JOSÉ VICENTE RINALDI Médico Pediatra pela Universidade Federal de São Paulo

6 KENNEDY LONG SCHISLER Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI Especialista em Medicina Intensiva Pediátrica - AMIB Especialista em Pediatria com Habilitação em Neonatologia - ASBP KERSTIN TANIGUCHI ABAGGE Professora Assistente - Serviço de Dermatopediatria do Hospital de Clínicas da UFPR Coordenadora do Curso de Especialização em Dermatopediatria HC-UFPR LORENI KOVALHUK Mestre em Pediatria - UFPR Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI MARTTI ANTILA Médico Alergista Pós Graduação em Alergia na Universidade de Helsinque- Finlândia Diretor da ASBAI-SP ( Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia Regional São Paulo) Coordenador do Serviço de Alergia do Hospital Otorrino e Oftalmológico de Sorocaba ( BOS) MARIANA MALUCELLI Especialista em Pediatria - SBP Especialista em Alergia e Imunologia - ASBAI NELSON ROSARIO Professor Titular de Pediatria - UFPR Coordenador do Curso de Especialização em Alergia Pediátrica - UFPR PAULO KUSSEK Mestre em Saude da Criança e do Adolescente - UFPR Chefe e preceptor da Residencia Médica do Serviço de Pneumologia Pediatrica do Hospital Pequeno Príncipe. PRISCILA CESAR ESTEVES Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI Mestre em Pediatria - UFPR RENATA RODRIGUES COCCO Mestre em Ciências pela Unifesp/SP Disciplina de Alergia, Imunologia Clínica e Reumatologia do Departamento de Pediatria da Unifesp ROSALY VIEIRA DOS SANTOS Mestre e Doutora em Alergia ROSELI OSELKA S. SARNI Doutora em Medicina pela Unifesp/SP SIMONE TRIPPIA Especialista em Pediatria - SBP Especialista em Alergia e Imunologia - ASBAI Mestre em Pediatria - UFPR SONIA A. ZULATO Alergista e Imunologista Especialista em Pneumologia Pediátrica - UFPR SUSANA GIRALDI Mestre em Pediatria Dermatologista Médica do Serviço de Dermatopediatria do Dep. de Pediatria do Hospital de Clínicas - UFPR VANIA DE CASTRO E BRAGA GULIN Especialista em Pediatria - SBP Especialista em Alergia e Imunopatologia - ASBAI VÂNIA OLIVEIRA DE CARVALHO Doutora em Saúde da Criança e do Adolescente com área de concentração em Dermatologia Pediátrica pela UFPR. Professora adjunto do Departamento de Pediatria da UFPR. TSUKIYO OBU KAMOI Mestre em Pediatria - UFPR Especialista em Alergia e Imunologia - ASBAI Doutoranda em Saúde da Criança e do Adolescente - UNICAMP

7 Capítulo Índice 1 Acne vulgar Aditivos em medicamentos tópicos nasais Alterações dos cabelos e unhas Anafilaxia Avaliação laboratorial das doenças alérgicas Bronquiolite obliterante Bronquiolite viral aguda Cuidados na viagem de um paciente alérgico Dermatite de contato Diagnóstico diferencial de tosse crônica na infância Discinesia laríngea Disfunção laríngea Displasia broncopulmonar Dispnéia e exercício Esofagite eosinofílica Evidência dos fatores ambientais na asma alérgica Hiperidrose Hipertensão arterial pulmonar (HAP) Imunoterapia específica para alérgenos Indicações do uso de imunoglobulina intravenosa Manejo da alergia à proteína do leite de vaca Novos exantemas Perguntas frequentes em alergia alimentar Probióticos e sistema imunológico Reação adversa à aspirina e AINH Reações cutâneas graves adversas a drogas Rinite alérgica - Consenso Sibilância no lactente Tratamento da asma Urticária - tratamento - Consenso Europeu Urticárias - etiologia e diagnóstico Uso de anti-histamínicos H1 na criança atópica Vírus e doenças respiratórias na infância Dificuldades e alternativas para a higiene ambietal

8

9 Capítulo 1 1 Acne Vulgar Agradecimento especial Samira Nacif (especializanda em Dermatopediatria) É uma afecção extremamente comum, afetando aproximadamente 80% dos adolescentes e adultos jovens entre 11 e 30 anos. Os pacientes com acne apresentam índices aumentados de ansiedade, baixa auto-estima, depressão e ideação suicida. Apresentam, ainda, desempenho escolar inferior e taxas aumentadas de desemprego. Apenas 20% dos pacientes com acne procuram os consultórios médicos, por considerá-la uma reação normal da pele durante a puberdade. Patogênese As unidades pilossebáceas representam a estrutura-alvo na fisiopatologia da acne e encontram-se distribuídas principalmente na face, tórax e dorso, explicando a distribuição primária da acne. A acne é uma doença multifatorial e sua patogênese envolve principalmente quatro mecanismos: hiperplasia da glândula sebácea, hipercornificação ductal, colonização bacteriana e inflamação. 1) Hiperplasia da glândula sebácea: com aumento do tamanho e do número de lóbulos da glândula, causada pelo estímulo androgênico que ocorre fisiologicamente no primeiro ano de vida e por volta dos sete anos (adrenarca); 2) Hipercornificação ductal: a queratinização alterada, faz com que as células não sejam adequadamente eliminadas, resultando na obstrução do folículo; 3) Colonização do folículo pelo Propionibacterium acnes; 4) Inflamação e resposta imune como resposta à lesão tecidual e colonização do folículo. 9

10 Capítulo 1 A hiperplasia da glândula sebácea e a alteração do queratinização levam à formação do microcomedão, que é a lesão primária da acne. O aumento do microcomedão originará as lesões clinicamente observadas. Manifestações clínicas Comedões fechados: são pápulas brancas de orifício central quase imperceptível, mais bem visualizadas com a pele esticada. Comedões abertos ou cravos pretos: sua extremidade é enegrecida provavelmente pela compactação e oxidação da queratina. Máculas eritematosas, pápulas e pústulas. Nódulos: são formados pela progressão da infecção para folículos adjacentes, com aumento importante da lesão, podendo fistulizar e drenar secreção. Classificação A classificação da acne é baseada nas lesões predominantes e irá orientar o tratamento. Grau I com predominância de comedões abertos e fechados. Grau II apresenta comedões abertos e fechados, mas com predominância de pústulas. Grau III com formação de nódulos e cistos. Grau IV ou conglobata, com formação de nódulos numerosos e grandes, evoluindo para abscessos e fístulas. Grau V ou fulminans, comprometimento importante da pele e sistêmico, com febre, artralgia, mal estar. Pode levar à hemorragia e necrose das lesões. Tratamento A avaliação hormonal deve ser realizada se sinais hiperandrogenismo forem identificados ou se a acne for resistente ao tratamento convencional. Fatores que exacerbam a acne, como estresse, exercício, devem ser identificados e modificados. Continua controversa a influência da dieta sobre a etiologia da acne. O paciente deve ser orientado sobre a história natural da doença, curso e prognóstico. Após o controle das lesões, é necessário tratamento de manutenção, retinóides tópicos podem ser utilizados, por impedir a formação e número de microcomedões, lesões precursoras da acne. 10

11 Capítulo 1 Tratamento Tópico: Retinóides tópicos: principalmente tretinoína (Vitanol A creme 0,025%, 0,05% e 0,1% e gel 0,01% e 0,025%) e (Vitacid gel 0,025, creme 0,05%), isotretinoína (Isotrex 0,5%), adapaleno (Adacne e Differin 0,1%). Agem impedindo a formação do microcomedão, normalizando a descamação do epitélio folicular e melhorando a penetração de outras medicações. Antibióticos tópicos: Eritromicina de 1-4% (Eritrex A, Stiemycin, Eryacnen ) e Clindamicina (Clindacne 1%). Não devem ser utilizados como monoterapia, para diminuir a indução de resistência. Devem ser descontinuados, com a resolução das lesões inflamatórias. Peróxido de benzoíla (Benzac ) Solugel e Solugel plus. Se observada boa tolerabilidade, a freqüência ou a potência poderão ser aumentadas. A observação destas orientações levará a uma melhor aderência. O produto deve ser aplicado sobre toda a extensão da pele e não apenas sobre as lesões. Após melhora, a freqüência pode ser diminuída, mas o medicamento não deve ser suspenso, uma vez que os fatores desencadeantes (hormonais) persistem. É importante salientar a utilização de produtos específicos para a pele acnéica, como protetores, hidratantes e cosméticos em base não comedogênica (oil free, gel-creme ou gel). Efeitos colaterais são freqüentes no inicio do tratamento, como irritação, eritema, ardência, prurido, dando a sensação de piora do quadro clínico. Tratamento Sistêmico: Antibióticos sistêmicos: eritromicina e sulfametoxazol-trimetoprim nas crianças e tetraciclina, limeciclina, minociclina ou azitromicina nos adolescentes. Isotretinoína oral: derivado da vitamina A, oferece a possibilidade de tratamento curativo, pela indução da involução da glândula. Seu uso muitas vezes é limitado pelos seus freqüentes efeitos colaterais (ressecamento de mucosas, teratogenicidade, efeito sobre o metabolismo dos lipídios e potencial para mudança de humor). Antiandrogênicos: anovulatórios, acetato de ciproterona, espironolactona, conforme orientação endocrinológica e etiologia da acne. Tratamento conforme o Grau de Acne: 1) Acne de grau I: pode ser tratada inicialmente com retinóides tópicos de concentrações mais baixas ou ainda peróxido de benzoíla ou ácido retinóico. Se houver aparecimento de lesões 11

12 Capítulo 1 inflamatórias, iniciar com combinações de retinóides tópicos com antibióticos ou peróxido de benzoíla com antibióticos. 2) Acne de grau II: inicialmente pode-se tentar tratamento tópico, com combinações de retinóides tópicos ou peróxido benzoíla com antibióticos. Se resposta inadequada, iniciar com tratamento sistêmico com antibióticos orais. Neste caso, o tratamento tópico não deve incluir antibióticos tópicos. Se não houver melhora, avaliar possibilidade de associar tratamento hormonal. Se falência de tratamento, iniciar com isotretinoína oral. 3) Acne grau III: tratamento sistêmico associado ao tópico, com antibiótico oral ou, em casos mais graves, isotretinoína oral. 4) Acne grau IV e V: iniciar com isotretinoína oral e, conforme a gravidade do caso, associar antibióticos orais e antiinflamatórios e até mesmo corticóides sistêmicos. FORMAS ESPECIAIS DE ACNE NA CRIANÇA Acne neonatal Ocorre nas primeiras semanas de vida. Pode ser congênita em 20% dos recém-nascidos. Regride em poucos meses, podendo persistir por até 12 meses. O estímulo androgênico ocorre pela produção transitória da adrenal com zona reticulada alargada no primeiro ano de vida. Ocorre ainda produção testicular, explicando predomínio de casos no sexo masculino. Diagnóstico diferencial deve ser feito com hiperplasia sebácea, milia, miliária, pustulose cefálica neonatal, erupções acneiformes por medicamentos ou uso de óleo e cremes. Acne infantil Geralmente entre terceiro e sexto mês de vida, mais grave e persistente que a acne neonatal, pode durar por um a dois anos. Às vezes é indicativa de acne na adolescência. História e exame físico completo são necessários em busca de sinais de virilização, como pêlos axilares e pubianos, hipertricose, maturação genital, aceleração do crescimento, idade óssea avançada. Causas de hiperandrogenismo, como adrenarca precoce, hiperplasia adrenal congênita, 12

13 Capítulo 1 tumores (adrenal e gonadal), puberdade precoce verdadeira, administração exógena de andrógenos, devem ser investigadas exames laboratoriais (DHEA-S, testosterona, androstenidiona, gonadotrofinas, prolactina, 17-OH progesterona) e radiológico (RX idade óssea, TC de crânio). Tratamento é semelhante ao utilizado na acne do adolescente, dando preferência para agentes menos agressivos. LITERATURA RECOMENDADA Gollnick et al. Management of acne. J Am Acad Dermatol 2003; 49:1-37. Strauss et al. Guidelines of care for acne vulgaris management. J Am Acad Dermatol 2007; 56(4): Cantatore-Francis JL, Glick SA. Childhood acne: evaluation and management. Dermatol Ther 2006:19, Cunlife WJ, Baron SE, Coulson IH. A clinical and therapeutic study of 29 patients with infantile acne. Br J Dermatol 2001: 145: Mann, MWY, Ellis, SS Mallory SB. Infantile acne as the initial sign of an adrenocortical tumor. J Am Acad Dermatol 2007:56:

14

15 Capítulo 2 2 Aditivos em medicamentos tópicos nasais Descrevemos os principais aspectos químicos dos componentes encontrados nas medicações nasais, com especial enfoque nos conservantes. No quadro abaixo, vemos os diferentes corticosteróides disponíveis em nosso meio, e os seus componentes presentes. Assim, podemos entender a função de cada uma delas nas suas respectivas formulações, o que muitas vezes passa despercebido para o não especialista, que fica sem entender o por quê da presença ou não destas substâncias na formulação. Sorbato de Potássio Tem nome químico de sal potássico do ácido 2,4 hexadienóico, sendo encontrado naturalmente em algumas frutas. Os sorbatos são os sais de ácido sórbico e o sorbato de potássio e o sorbato de cálcio são os mais freqüentemente utilizados. O sorbato de potássio apresenta-se na forma de pó, cristais ou grânulos de cor branca, com odor característico. É muito solúvel em água e ligeiramente solúvel em álcool. Com fórmula química C6H7KO2, o sorbato de potássio apresenta a seguinte fórmula estrutural: 15

16 Capítulo 2 O ácido sórbico ou seus sais de potássio ou cálcio exercem o efeito fungistático por inativação das desidrogenases, enzimas necessárias ao metabolismo de carboidratos e ácidos graxos. É um produto considerado de baixa toxicidade, mas em altas concentrações pode apresentar irritação sobre a pele e mucosa pela ação do ácido sórbico. Em solução aquosa com ph ligeiramente ácido, o sorbato de potássio sofre ionização, liberando seu ativo ácido sórbico. Cloreto de Benzalcônio O cloreto de benzalcônio, de nome químico alkyl-benzyl-dimethylammonium chloride, é uma classe de compostos orgânicos chamados sais de amônio quaternário. O cloreto de benzalcônio puro apresenta-se na forma de um pó amorfo ou gel branco ou levemente amarelado. Na concentração de 50% de matéria ativa, encontra-se na forma de um líquido amarelo claro. Possui leve odor característico, é higroscópico e muito solúvel em água e álcool. Fórmula estrutural: É um tensoativo catiônico, com excelentes propriedades detergentes; exerce ação bactericida contra bactérias Gram-positivas e negativas, tem ação contra alguns fungos e protozoários. Por estas qualidades ele tem ampla aplicação na indústria cosmética, farmacêutica e veterinária, na fabricação de detergentes, desengordurantes e desengraxantes para a indústria têxtil, pisos, louças, automóveis, carpetes, estofados, couros, plásticos, vidros e ferragens. É usado ainda na agricultura como fungicida no controle de pragas de plantas. Carboximetilcelulose (CMC) Pode ser usado com múltiplas finalidades, desde o ligeiro espessamento do produto final e eventual agente suspensor do princípio ativo até como um adjuvante da categoria dos demulcentes, que são fármacos utilizados com a finalidade de proteção das mucosas assim exercendo sua ação anti-irritante. 16

17 Capítulo 2 EDTA (Ácido Etilenodiaminotetracetico) O EDTA e seus sais dissódico e trissódico são agentes quelantes (do grego chel, significa garra) com grande afinidade para o cálcio, com o qual forma um complexo estável, exercendo ação antioxidante e estabilizante inclusive com algumas propriedades antimicrobianas. Por essa ação quelante também tem sido utilizado terapeuticamente em hipercalemia. Polissorbato (Polysorbato; Tween) É uma série de compostos que são ésteres graxos do sorbitano polimerizados com óxido de etileno. Conforme o éster graxo e o grau de polimerização, teremos um composto mais ou menos lipofílico, conferindo ao produto propriedades emulsificantes. Os produtos mais comuns são os Polissorbatos 20, 40, 60 e 80. Têm sido ocasionalmente relatados casos de hipersensibilidade após aplicação tópica de preparações contendo polissorbatos. Glicerina Líquido límpido, viscoso, incolor e inodoro, miscível com água e álcool e muito higroscópico. Muito utilizado na indústria farmacêutica por suas propriedades umectante, lubrificante, demulcente e osmótico, além de solvente para diversos produtos minerais e orgânicos. Ácido Cítrico Nas preparações nasais, o ácido cítrico é normalmente usado como acidificante para correção de ph. Também apresenta propriedades como antioxidante e coadjuvante para sais efervescentes. Quando pensamos nos aditivos usados nas medicações tópicas nasais, logo fazemos um paralelo com os aditivos alimentares, pois muitas vezes somos questionados tantos pelos pacientes e em especial pelos pais nos consultórios de pediatria. Assim, os aditivos alimentares são substâncias naturais ou artificiais, adicionadas ao alimento para preservar ou melhorar seu sabor e aparência, colorir, acrescentar nutrientes e preservar, aumentando sua durabilidade. A prática de usar aditivos nos alimentos remonta há centenas de anos e torna-se cada vez mais presente e necessária na indústria alimentícia de hoje. Os primeiros processos de conservação de alimentos eram acidificar (vinagre, picles), salgar (peixes) ou defumar. Atualmente são utilizados mais de três mil aditivos alimentares, naturais e artificiais, aprovados pelo FDA (Food and Drug Administration). 17

18 Capítulo 2 Os aditivos alimentares são classificados basicamente por três diferentes critrérios, a saber: de acordo com a cor (vermelho - carmina; amarelo tartrazina, etc), com o uso nos alimentos (antioxidantes tocoferóis; antomicrobianos sorbato de potássio) e com a origem (natural urucum; artificial cloreto de benzalcônio). O sorbato de potássio é um aditivo utilizado tanto pela indústria farmacêutica como pela de alimentos. Trata-se de um sal da família dos sorbatos, e tem propriedades antimicrobianas, sendo o conservante alimentar mais amplamente difundido no mundo. Este conservante é eficiente contra fungos, leveduras, certas bactérias e é usado de 0,025 a 0,10% em queijos, molhos e coberturas, iogurtes, cremes, pão, bolos, tortas, bebidas, margarina, saladas, vegetais fermentados e acidificados, azeitonas, vinhos, produtos de frutas, peixes salgados e defumados, confeitos e maionese, dentre outros produtos. Assim, o FDA estabelece que a ingestão máxima diária (allowed daily intake) seja de 3,3 a 1,5mg/kg de peso/dia. Apesar de ser um conservante ingerido quase que diariamente em países industrializados, não foram encontrados relatos na literatura de reações adversas quanto ao uso do sorbato de potássio, o que pode indicar uma relativa segurança em seu consumo. O sorbato de potássio, quando dissolvido em água, pode produzir ácido sórbico. Existem alguns relatos sobre intolerâncias relacionadas ao consumo deste último, reações não imunomediadas que em sua maioria assemelham-se a urticária ou desencadeiam crise de asma em indivíduos atópicos. O cloreto de benzalcônio também é um conservante utilizado nos alimentos e alguns medicamentos nasais. Ele está presente em lavouras de frutas e verduras como agente de desinfecção, assim ele é ingerido juntamente com estes alimentos quando consumidos crus. Há descrição de reações cutâneas relacionadas ao contato com o cloreto de benzalcônio em trabalhadores que manipulam esta substância. Porém, não existem relatos na literatura científica de reações adversas devido a sua ingestão. Desta forma, pode-se inferir que existe a possibilidade de reações adversas decorrentes do consumo de aditivos alimentares, muito embora não se tratem de reações freqüentes e em sua maioria não são imunomediadas. Tanto o sorbato de potássio como o cloreto de benzalcônio evidenciam-se até o momento, como seguros para o consumo humano, não figurando entre os aditivos alimentares que mais comumente causam reações adversas. Ressalta-se a importância e necessidade de mais pesquisas científicas relacionadas ao tema. Muito comumente, tanto os especialistas como os não especialistas, têm entrado em divergência quanto ao benefício e/ou malefício decorrente da presença de conservantes em medicamentos de uso tópico nasal, em especial nos corticosteróides. Acima pudemos ver como os conservantes, em especial os sorbatos, fazem parte de nossa vida, sem alardes específicos. A introdução dos corticosteroides intranasais representou uma revolução no conceito geral 18

19 Capítulo 2 no tratamento da rinite, tendo um ganho substancial no seu perfil de segurança, pois é aplicado topicamente, no local da inflamação. O racional para o uso de classe terapêutica no tratamento das rinites decorre do fato de conseguirmos altas doses da medicação na mucosa nasal, nos locais onde estão os receptores de corticosteroides, com mínimo risco de efeitos adversos. Os corticosteróides quando aplicados topicamente, possuem efeitos semelhantes à administração oral-parenteral e alguns corticosteróides possuem baixa absorção sistêmica e, portanto, poucos efeitos colaterais; sendo assim a droga de escolha nas diversas formas de rinite. O corticosteroides intranasais, diferente dos corticosteróides de uso intramuscular e de uso injetável intranasal, que não são recomendados pela possibilidade de paraefeitos sistêmicos potencialmente graves, são considerados como os medicamentos mais potentes e efetivos no tratamento das rinites. Isto baseado em diversos estudos clínicos e consensos como o ARIA (Allergic Rhinitis and its Impact on Asthma ) extenso estudo de revisão com mais de 7000 referências bibliográficas e o Consenso Brasileiro sobre Rinites, dentre outros, onde classificam os corticosteróide de uso tópico nasal como A (recomendação baseada em ensaios clínicos randomizados e controlados por placebo) para o tratamento das rinites. Assim, o uso dos medicamentos de uso tópico, como a beclometasona, budesonida, flunisolida, fluticasona, mometasona, triamcinolona, são os medicamentos de escolha no tratamento da rinite tanto em adultos como crianças. Dentro em breve, este arsenal de medicamentos será ampliado com novas drogas, como a ciclesonida e o furoato de fluticasona. Como vemos o tanto o ARIA (2008), como o II Consenso Brasileiro sobre Rinites (2006) e outros artigos de revisão como Sali,RJ & Howart,PH (2003), consideram os corticosteroides tópicos como o tratamento padrão das rinites, e em nenhum deles é considerada a presença ou não de conservantes como malefício no tratamento desta importante doença e nem mesmo nas entrelinhas são referidos. Na tabela dos componentes dos corticosteroides nasais, observamos que o sorbato de potássio e o cloreto de benzalcônio são os conservantes encontrados nos preparados nasais. O sorbato de potássio nos diversos estudos realizados mostrou ser seguro para uso em medicamentos assim como em alimentos, daí a sua difusão na industria alimentícia; confirmando a sua inocuidade. Entramos em contato com esta substância diversas vezes ao dia, mesmo sem a necessidade de fazer uso de medicamentos para que isto ocorra, pois existe até de forma natural em muitas frutas. Num dos poucos estudos realizados a este respeito, onde comparam o uso ou não deste conservante em preparados nasais com corticosteróides Hofmann T e cols (2004), concluem que o conservante sorbato de potássio não afeta significativamente a freqüência de batimento ciliar, e consideram seguro no uso de preparados nasais. Aprovado pelo FDA para uso em medicamentos, inclusive para grávidas, e também aprovado pela ANVISA 19

20 Capítulo 2 Já o cloreto de benzalcônio, em concentrações utilizadas em produtos para uso nasal, prejudicou o clearence mucociliar em indivíduos saudáveis após 3 semanas de uso (Rizzo, JA e cols). E ainda há a possibilidade de sensibilização, tipo IV em especial em preparados oculares. Também aprovado pelo FDA e ANVISA Como vemos, os conservantes podem sim acarretar algumas alterações, em especial o cloreto de benzalcônio, principalmente nas soluções salinas, onde o volume aplicado é maior, mas na vida real, são praticamente inócuos, e não causam alterações significativas para os pacientes, ainda mais pelo fato de que os corticosteróides são usados em doses pequenas, em uma ou duas aplicações diárias, diferente do que acontece com as soluções salinas, que são usadas em diversas aplicações diárias, em doses muitos superiores àquelas dos corticosteróides, tanto em crianças pequenas como em pós operatórios, podendo assim levar alguma alteração. Na década de 90, iniciou-se o uso de soluções salinas hipertônicas cuja concentração de cloreto de sódio é 3%. Eram indicadas no pós-operatório de cirurgias nasais, pois facilitavam a remoção de crostas. Nos últimos anos estudos têm sido publicados mostrando que tais soluções também são úteis no controle dos sintomas nasais de pacientes com outras condições clínicas, como é o caso das rinites. Heathley et al., envolvendo 150 pacientes portadores de rinossinusite crônica, quase 80% deles referiram que continuariam a utilizar a solução salina hipertônica (3%) após o estudo e que recomendariam tal procedimento a outras pessoas. Em indivíduos saudáveis, sem queixas nasais, o teste da sacarina (teste in vivo) demonstra que a solução salina hipertônica (3%) melhora significativamente o batimento ciliar, o mesmo não ocorrendo com a solução isotônica. Por outro lado, trabalhos realizados in vitro para avaliar a freqüência de batimento ciliar mostram que ambas as soluções (isotônicas e hipertônicas) reduzem esta freqüência. Foi observado efeito negativo moderado sobre o batimento ciliar com solução isotônica. Ao utilizarem soluções com concentrações maiores (7 e 14%), encontram uma abolição do batimento ciliar, com 5 minutos, que é reversível apenas na solução a 7%. Assim, a higiene nasal realizada por meio de lavagem nasal com solução salina é um método simples e fácil de ser realizado, contribuindo com a redução da necessidade de uso de medicação para controle de algumas formas de rinite. Deve ser iniciada junto com o restante da terapêutica clinica ou no pós-operatório de cirurgias nasais. 20

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

Acne. Como Podemos Tratar em Parceria

Acne. Como Podemos Tratar em Parceria Acne Como Podemos Tratar em Parceria Ademir Júnior - Médico Fabiana Padovez Esteticista Espaço de Medicina e Saúde Dr Ademir Júnior Universidade Anhembi Morumbi Acne Nome popular: Cravos e Espinhas Doença

Leia mais

abscessos interconectados e cicatrizes.

abscessos interconectados e cicatrizes. Tabela 1. Tipologia da acne e suas características clinicas TIPO DE ACNE CARACTERÍSTICA Acne Vulgar ou Juvenil Forma mais comum da acne, de elevada prevalência na adolescência (85%) acomete ambos os sexos.

Leia mais

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Unidade de Anestesia Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Definições OMS Uma resposta

Leia mais

Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5%

Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5% Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5% Creme: apresentado em bisnagas com 25 g. USO TÓPICO. USO ADULTO E EM PACIENTES ACIMA DE 12 ANOS. Cada g de creme contém: Peróxido de Benzoíla... 50 mg Enxofre...

Leia mais

Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos

Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos Os cuidados com a aparência física e a busca incessante pelo ideal de beleza levam as pessoas a se submeterem aos mais variados tratamentos estéticos

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

TECNOLOGIA FARMACÊUTICA E DE COSMÉTICOS -ACNE TRATAMENTOS - 12/05/2015. Manifestações clínicas. Geral:

TECNOLOGIA FARMACÊUTICA E DE COSMÉTICOS -ACNE TRATAMENTOS - 12/05/2015. Manifestações clínicas. Geral: Geral: TECNOLOGIA FARMACÊUTICA E DE COSMÉTICOS -ACNE TRATAMENTOS - Profa. Ms. Priscila Torres ACNE: síndrome cutânea exteriorizada clinicamente por elementos eruptivos, onde podem estar presente comedões,

Leia mais

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP 1 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP 2 Introdução Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP Introducao Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Acnase Avert Laboratórios Ltda. Creme Dermatológico. Enxofre + Peróxido de benzoíla. 20mg/g + 50 mg/g

Acnase Avert Laboratórios Ltda. Creme Dermatológico. Enxofre + Peróxido de benzoíla. 20mg/g + 50 mg/g Acnase Ltda. Creme Dermatológico Enxofre + Peróxido de benzoíla 20mg/g + 50 mg/g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Acnase enxofre peróxido de benzoíla APRESENTAÇÕES: Creme dermatológico com 20 mg/g de enxofre

Leia mais

2- Causas A Acne é causada por alteração em 4 fatores principais

2- Causas A Acne é causada por alteração em 4 fatores principais ACNE Autor: Prof. Dr. Miguel Francischelli Neto Mestre e Doutor em Cirurgia Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas Professor do Curso de Pós-Graduação em Medicina Estética da Universidade

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação clínico-laboratorial do paciente alérgico RAST Silvia Daher Apoio: Phadia Diagnósticos Ltda HISTÓRIA TESTE CUTÂNEO RAST SD Diagnóstico de

Leia mais

A acne é uma complicação da pele oleosa que afeta os folículos pilo sebáceos e os fatores envolvidos no aparecimento e na evolução são:

A acne é uma complicação da pele oleosa que afeta os folículos pilo sebáceos e os fatores envolvidos no aparecimento e na evolução são: Acne Segundo dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), em 2009, acne é o problema dermatológico mais comum na população brasileira, afetando 56,4% das pessoas, além de ser o motivo

Leia mais

Adacne 30 g. Apresentação de Adacne. gel com 30 g. Adacne - Indicações

Adacne 30 g. Apresentação de Adacne. gel com 30 g. Adacne - Indicações Adacne 30 g Apresentação de Adacne gel com 30 g Adacne - Indicações Adacne CLIN é um gel que contém adapaleno e fosfato de clindamicina indicado no tratamento tópico da acne vulgar leve a moderada, sendo

Leia mais

Dica: O visitador pode acompanhar a manipulação dos produtos, bem como sua aditivação com os ativos para melhor entendimento desta forma cosmética.

Dica: O visitador pode acompanhar a manipulação dos produtos, bem como sua aditivação com os ativos para melhor entendimento desta forma cosmética. Acne e Hidratação. Objetivo da Escolha do Tema A hidratação da pele é de fundamental importância para a manutenção dos mecanismos fisiológicos e bioquímicos da pele como os mecanismos celulares de proteção

Leia mais

DALAP (adapaleno) Biosintética Farmacêutica Ltda. Gel dermatológico 1 mg

DALAP (adapaleno) Biosintética Farmacêutica Ltda. Gel dermatológico 1 mg DALAP (adapaleno) Biosintética Farmacêutica Ltda. Gel dermatológico 1 mg BULA PARA PROFISSIONAL DE SAÚDE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DALAP adapaleno APRESENTAÇÕES

Leia mais

LOCERYL. cloridrato de amorolfina CREME. 2,5mg/g

LOCERYL. cloridrato de amorolfina CREME. 2,5mg/g LOCERYL cloridrato de amorolfina CREME 2,5mg/g 1 LOCERYL cloridrato de amorolfina APRESENTAÇÕES: Creme contendo amorolfina 2,5mg/g (na forma de cloridrato de amorolfina), apresentado em bisnaga de alumínio

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Albicon benzocaína, bicarbonato de sódio, clorato de potássio APRESENTAÇÕES Pó para uso tópico. Cada grama contém 0,006 g de benzocaína, 0,884 g de bicarbonato de sódio e

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA No dia-a-dia de um consultório de alergia é muito comum o cliente chegar achando que seu problema alérgico está relacionado à alergia alimentar, principalmente quando

Leia mais

Fungirox Esmalte Ciclopirox

Fungirox Esmalte Ciclopirox Fungirox Esmalte Ciclopirox Apresentação Frasco com 6 g de esmalte, 2 frascos com removedor de esmalte e 24 lixas para unha. Esmalte Uso tópico USO ADULTO COMPOSIÇÃO Ciclopirox... 80 mg Veículo q.s.p....1

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL. 1,0 mg/g e 25,0 mg/g

EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL. 1,0 mg/g e 25,0 mg/g EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL 1,0 mg/g e 25,0 mg/g 1 EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla APRESENTAÇÕES Gel contendo adapaleno 1mg/g e peróxido de benzoíla 25mg/g. Apresentado em bisnagas

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

MÉTODOS DIAGNÓSTICOS EM ALERGIA

MÉTODOS DIAGNÓSTICOS EM ALERGIA MÉTODOS DIAGNÓSTICOS EM ALERGIA INTRODUÇÃO HISTÓRIA CLÍNICA; ANTECEDENTES FAMILIARES E PESSOAIS; AVALIAÇÃO CLÍNICA; REPERCUSSÃO DA ALERGIA; FATORES DESENCADEANTES; A história e a avaliação clínica de uma

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA. Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos

TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA. Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos A etnia confere características herdadas que devem ser valorizadas na indicação de procedimentos e tratamentos e na avaliação de

Leia mais

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS INTRODUÇÃO As informações contidas neste folheto têm a finalidade de orientar as pessoas que passaram ou que podem passar pela experiência não-desejada dos efeitos adversos

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

Alergia a picada de Insetos

Alergia a picada de Insetos Alergia a picada de Insetos A alergia a insetos e conhecida desde a antiguidade, na Europa mais de 95% das reações alérgicas provocadas por insetos são resultantes da picada de abelhas e vespídeos. Os

Leia mais

Composição Cada grama de Ilosone Gel Tópico contém: eritromicina base... 20 mg excipiente q.s.p... 1 g

Composição Cada grama de Ilosone Gel Tópico contém: eritromicina base... 20 mg excipiente q.s.p... 1 g Ilosone Gel Tópico eritromicina Forma farmacêutica e apresentação Gel Tópico: Cartucho com 1 bisnaga contendo 60 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO USO EXTERNO Composição Cada grama de Ilosone Gel Tópico contém:

Leia mais

DESLORATADINA. Antialérgico

DESLORATADINA. Antialérgico DESLORATADINA Antialérgico Vantagens: Não provoca sonolência, que é um dos efeitos colaterais mais desagradáveis causados por medicamentos desse tipo. Age mais rápido, combate a obstrução nasal e praticamente

Leia mais

Excipientes: hietelose, sorbitol, glicerol, ácido benzóico, aroma de framboesa, propilenoglicol, ácido tartárico, água purificada.

Excipientes: hietelose, sorbitol, glicerol, ácido benzóico, aroma de framboesa, propilenoglicol, ácido tartárico, água purificada. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Mucosolvan cloridrato de ambroxol abcd FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Xarope adulto: frascos com 120 ml, acompanhados de copo-medida graduado em 2,5; 5; 7,5 e 10 ml.

Leia mais

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE XAROPE BULA PACIENTE FRUTOSSE cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES Xarope adulto de 6 mg/ml: frasco

Leia mais

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml.

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. Tralen 28% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

Nicotinamida. Identificação

Nicotinamida. Identificação Material Técnico Nicotinamida Identificação Fórmula Molecular: C 6 H 6 N 2 O Peso molecular: 122.1 DCB / DCI: 06346 - nicotinamida CAS: 98-92-0 INCI: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável Sinonímia:

Leia mais

Clindoxyl Control peróxido de benzoíla

Clindoxyl Control peróxido de benzoíla Clindoxyl Control peróxido de benzoíla APRESENTAÇÕES Gel 50 mg/g (5%) ou 100 mg/g (10%) em bisnaga de 45g USO EXTERNO VIA TÓPICA USO ADULTO E PACIENTES ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO Clindoxyl Control 5%

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

Afecções capilares/procedimento/práticas assistenciais.

Afecções capilares/procedimento/práticas assistenciais. Tricologia Afecções capilares/procedimento/práticas assistenciais. Anexo da pele Anatomia do couro cabeludo Doenças de couro cabeludo Protocolo Definições patológicas Tratamento patológicos Matérias e

Leia mais

SARNÉRICO (BENZOATO DE BENZILA)

SARNÉRICO (BENZOATO DE BENZILA) SARNÉRICO (BENZOATO DE BENZILA) BELFAR LTDA Emulsao tópica 100 ml SARNÉRICO Benzoato de benzila APRESENTAÇÃO Emulsão tópica contendo benzoato de benzila 0,2 ml/ml Frasco contendo 100 ml USO TÓPICO USO

Leia mais

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Creme vaginal Uso intravaginal APRESENTAÇÃO TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa contendo bisnaga com 80 g de creme e 1 aplicador. TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

THIABENA Tiabendazol Sulfato de neomicina

THIABENA Tiabendazol Sulfato de neomicina THIABENA Tiabendazol Sulfato de neomicina Creme - Uso tópico APRESENTAÇÃO THIABENA CREME: caixa contendo bisnaga com 15 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Tiabendazol... 10 mg Sulfato de neomicina...

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

- CURSO DE MAQUIAGEM -

- CURSO DE MAQUIAGEM - - CURSO DE MAQUIAGEM - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). A PELE CONHECENDO

Leia mais

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto.

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto. POLARAMINE Creme maleato de dexclorfeniramina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES POLARAMINE Creme é indicado para uso na pele. POLARAMINE Creme apresenta-se em bisnagas de 30 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Barreira Cutânea Junções

Barreira Cutânea Junções Estrutura da Pele Barreira Cutânea da Pele Manifestações Alérgicas na Pele Substâncias Alergênicas Importância das Bases Biocompatíveis Dra Loraine Landgraf Médica Especialista em Alergia e Imunologia

Leia mais

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide 05/07/2014 Nota Técnica 125/2014 Betaterapia para tratamento de queloide SOLICITANTE :Dra. Luciene Cristina Marassi Cagnin Juíza de Direito de Itajubá - MG NÚMERO DO PROCESSO: 0324.14.007196-4 SOLICITAÇÃO/

Leia mais

APRESENTAÇÕES Cada 1 g de pomada contém 0,30 mg ou 1,00 mg de tacrolimo em bisnagas com 10 g ou com 30 g.

APRESENTAÇÕES Cada 1 g de pomada contém 0,30 mg ou 1,00 mg de tacrolimo em bisnagas com 10 g ou com 30 g. TARFIC tacrolimo monoidratado Pomada dermatológica 0,03% ou 0,1% APRESENTAÇÕES Cada 1 g de pomada contém 0,30 mg ou 1,00 mg de tacrolimo em bisnagas com 10 g ou com 30 g. TARFIC 0,03% - USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO maleato de timolol 0,5% Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999

Leia mais

OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida)

OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida) OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida) União Química Farmacêutica Nacional S.A Solução Oftálmica 20 mg/ml Ocupress cloridrato de dorzolamida Solução Oftálmica Estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Cloridrato de Naloxona. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,4mg/mL

Cloridrato de Naloxona. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,4mg/mL Cloridrato de Naloxona Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,4mg/mL 1 cloridrato de naloxona Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: cloridrato de naloxona FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO)

ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO) ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO) As abelhas do gênero Apis (abelha-europa ou abelha-africana), as vespas (marimbondos) e as formigas lava-pés são insetos do gênero dos himenópteros que

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS?

INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS? INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS? ÍNDICE PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A DGM?...3 O QUE SÃO AS LÁGRIMAS?.....................................................................................4

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

BETOGENTA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g

BETOGENTA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g BETOGENTA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR INTRODUÇÃO Zeferina Alexandra Trizotti da Silva Talita de Oliveira da Silva A acne é uma das alterações cutâneas mais comuns, sua

Leia mais

TRINULOX. hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida EMS S/A. Creme dermatológico. 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g

TRINULOX. hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida EMS S/A. Creme dermatológico. 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g TRINULOX hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida EMS S/A. Creme dermatológico 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g TRINULOX hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida APRESENTAÇÕES Creme para

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Psorex propionato de clobetasol APRESENTAÇÕES Psorex pomada é apresentado em bisnaga de alumínio com 30 gramas.

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

Ácido Retinóico (Tretinoina)

Ácido Retinóico (Tretinoina) Material Técnico Ácido Retinóico (Tretinoina) Identificação Fórmula Molecular: C 20 H 28 O 2 Peso molecular: 300,4 DCB / DCI: 08848 Tretinoina CAS: 302-79-4 INCI: Não aplicável Denominação botânica: Não

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL

BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL MICOSTATIN nistatina USO ORAL APRESENTAÇÃO MICOSTATIN 100.000 UI/mL é apresentado em cartuchos com frasco de vidro âmbar contendo 60 ml, com conta-gotas

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir.

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir. Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 8 H 11 N 5 O 3 Peso molecular: 225,2 DCB/ DCI: 00082 aciclovir CAS: 59277-89-3 INCI: Não aplicável Sinonímia: Acicloguanosina; Aciclovirum; Aciklovír;

Leia mais

Modelo de Texto de Bula. Betnovate Q é apresentado sob a forma farmacêutica de creme em bisnaga de 30g. betametasona (como 17-valerato)...

Modelo de Texto de Bula. Betnovate Q é apresentado sob a forma farmacêutica de creme em bisnaga de 30g. betametasona (como 17-valerato)... Betnovate Q valerato de betametasona + clioquinol Creme dermatológico FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Betnovate Q é apresentado sob a forma farmacêutica de creme em bisnaga de 30g. COMPOSIÇÃO: Betnovate

Leia mais

Transamin Ácido Tranexâmico

Transamin Ácido Tranexâmico Transamin Ácido Tranexâmico 250 mg Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos Bula do Paciente I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TRANSAMIN ácido tranexâmico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 250 mg. Embalagem

Leia mais

Micoses. Cuidados e Tratamentos

Micoses. Cuidados e Tratamentos Micoses Cuidados e Tratamentos Micoses Superfi ciais As micoses superficiais da pele são infecções causadas por fungos que atingem a pele, unhas e cabelos. Os fungos estão em toda parte podendo ser encontrados

Leia mais

LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg

LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Loritil loratadina

Leia mais

Estomanol. (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio)

Estomanol. (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio) Estomanol (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio) Laboratório Farmacêutico Vitamed Ltda Granulado Efervescente 5g ESTOMANOL Bicarbonato de sódio 2,31g + Carbonato de sódio 0,45g APRESENTAÇÕES Cartucho

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Polivitamínico e Poliminerais. APRESENTAÇÃO Suspensão oral em frasco contendo 250 ml + 1 copo medida.

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Polivitamínico e Poliminerais. APRESENTAÇÃO Suspensão oral em frasco contendo 250 ml + 1 copo medida. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Kalyamon Kids Polivitamínico e Poliminerais Suspensão APRESENTAÇÃO Suspensão oral em frasco contendo 250 ml + 1 copo medida. USO ORAL USO PEDIÁTRICO ATÉ 10 ANOS COMPOSIÇÃO

Leia mais

Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Facial Prof a. Bianca. Lesões elementares

Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Facial Prof a. Bianca. Lesões elementares Lesões elementares Modificações da pele determinadas por processos inflamatórios, circulatórios, metabólicos, degenerativos, tumorais, defeitos de formação. Lesões Elementares Lesões Primárias Alteração

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos.

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos. ANATOMIA HUMANA II Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema tegumentar Conceito Estruturas Pele Anexos Funções 1 CONCEITO Estudo Microscópico Maior orgão do corpo humano Proporciona

Leia mais

Dermazelaic (ácido azelaíco) Germed Farmacêutica Ltda. Gel. 150mg/g

Dermazelaic (ácido azelaíco) Germed Farmacêutica Ltda. Gel. 150mg/g Dermazelaic (ácido azelaíco) Germed Farmacêutica Ltda. Gel 150mg/g Dermazelaic ácido azelaico APRESENTAÇÕES Gel 150 mg/g: cartucho contendo bisnaga com 10 g, 15 g, 20 g ou 30 g de gel. USO TÓPICO USO ADULTO

Leia mais

MANTECORP ARQUIVO: B-QUA4F2 QUADRIDERM. QUADRIDERM valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol.

MANTECORP ARQUIVO: B-QUA4F2 QUADRIDERM. QUADRIDERM valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol. BULA PARA O PACIENTE QUADRIDERM valerato de betametasona + sulfato de gentamicina + tolnaftato + clioquinol Creme e Pomada FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES QUADRIDERM é indicado para uso dermatológico.

Leia mais

Bula com informações ao Paciente soro anticrotálico

Bula com informações ao Paciente soro anticrotálico soro anticrotálico solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro anticrotálico APRESENTAÇÃO O soro anticrotálico, heterólogo e hiperimune, é apresentado em ampolas contendo 10 ml de solução injetável

Leia mais

LOCERYL cloridrato de amorolfina 5%

LOCERYL cloridrato de amorolfina 5% Esmalte Terapêutico para Unhas LOCERYL cloridrato de amorolfina 5% FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: esmalte terapêutico em frascos com 2,5 ml. A embalagem do produto contém: 1 frasco de vidro âmbar contendo

Leia mais

DERIVA C MICRO (adapaleno + fosfato de clindamicina)

DERIVA C MICRO (adapaleno + fosfato de clindamicina) DERIVA C MICRO (adapaleno + fosfato de clindamicina) Glenmark Farmacêutica Ltda. Gel dermatológico de liberação prolongada 1 mg/g + 10 mg/g Deriva C Micro_VPS01 Página 1 DERIVA C MICRO adapaleno + fosfato

Leia mais

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única.

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV)

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV) NOTA TÉCNICA 24/2014 Solicitante Regina Célia Silva Neves Juizado Fazenda Pública de Itaúna Processo Número 0338.13.012.595-2 Data: 07/02/2014 Medicamento/ dieta x Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

BULA HEBRIN Cód. 022554 E. Inclusão da unidade fabril com o novo endereço e farmacêutico de PA. Inclusão do endereço e farmacêutico de EG.

BULA HEBRIN Cód. 022554 E. Inclusão da unidade fabril com o novo endereço e farmacêutico de PA. Inclusão do endereço e farmacêutico de EG. BULA HEBRIN Cód. 022554 E Inclusão da unidade fabril com o novo endereço e farmacêutico de PA. Inclusão do endereço e farmacêutico de EG. POSOLOGIA: Esfregar algodão embebido de Hebrin no local afetado,

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais