Intenção de Uso de um Sistema e-learning: Modelagem e Teste Empírico com Alunos de uma Instituição de Ensino Superior

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Intenção de Uso de um Sistema e-learning: Modelagem e Teste Empírico com Alunos de uma Instituição de Ensino Superior"

Transcrição

1 Intenção de Uso de um Sistema e-learning: Modelagem e Teste Empírico com Alunos de uma Instituição de Ensino Superior Autoria: Michele Amaral dos Santos Silva, Maria Luiza Azevedo de Carvalho, Cristiane Junqueira Giovannini, Renata Geórgia Motta Kurtz Resumo Este estudo teve como objetivo avaliar as variáveis que influenciam alunos de um curso presencial de uma IES a adotar um sistema e-learning como ferramenta de aprendizagem. Com base no modelo TAM (Davis, 1989) foram adicionadas as variáveis externas: qualidade das informações e experiência prévia no uso do computador e da internet. Os dados obtidos foram analisados através da Modelagem de Equações Estruturais (SEM). Os resultados confirmam a influência da experiência prévia na internet sobre a facilidade de uso percebida e da qualidade das informações sobre a utilidade percebida. Palavras-Chave: Educação a Distância, e-learning, Modelo de Aceitação de Tecnologia. 1

2 1. INTRODUÇÃO A grande demanda por informação tem criado um cenário favorável para desenvolvimento e surgimento de tecnologias que possibilitam a busca e o acesso a uma vasta gama de conteúdos informacionais. Neste cenário, destaca-se o avanço das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC s), sobretudo a Internet, que estabelecem novos padrões tanto de comportamento como de negócios, tornando a informação uma ferramenta apta a oferecer às organizações subsídios para o desenvolvimento de seus negócios. As TIC s proporcionam a seus usuários recursos e instrumentos que possibilitam sua utilização nos mais diversos contextos. No âmbito educacional, por exemplo, as TIC s ganha cada vez mais espaço e representatividade, destacando-se, sobretudo, no uso em programas de Educação a Distância (EaD) (MAIA, 2003). O e-learning, aprendizado que ocorre com o uso do ambiente eletrônico, tem sido amplamente utilizado sobretudo na modalidade semipresencial de ensino. Apesar de suas potencialidades, apenas investir nas ferramentas que complementam o processo de ensino e aprendizagem não é suficiente para agregar valor às instituições de ensino pois somente a efetiva utilização destas ferramentas poderá apresentar tal resultado. Em outras palavras, é fundamental que educando e educador estejam dispostos a utilizarem todas as ferramentas que lhe são oferecidas, para que os benefícios possam de fato ser alcançados (DIAS et al., 2003; PITUCH & LEE, 2004). Diversos pesquisadores dispostos a encontrar condições nas quais essas tecnologias podem ser usadas para fins de aprendizagem empreendem esforços na busca pela compreensão e avaliação dos fatores determinantes da aceitação das TIC s pelos usuários (DIAS et al., 2003; BURGARELLE & CARVALHO, 2006; PITUCH & LEE, 2006; DAVIS & WONG, 2007; ALVES, 2010; MORENO et al., 2011). Com o intuito de analisar os antecedentes determinantes da intenção de uso e do uso efetivo de um sistema e-learning, uma vez que, tal compreensão auxilia na maximização dos objetivos a ele associados, este estudo propõe responder à seguinte pergunta: que fatores afetam a intenção de uso de alunos de um curso presencial na adoção do e-learning como ferramenta de apoio para aprendizagem?. Para responder à essa questão, foram estabelecidos dois objetivos: (1) identificar, na literatura sobre adoção de e-learning, os fatores que influenciam a intenção de uso do e-learning e (2) propor um modelo dos fatores que podem influenciar na adoção do e-learning e testá-lo empiricamente. 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 E-learning A democratização no processo de ensino e aprendizagem tem se acelerado principalmente graças à revolução da Tecnologia da Informação (TI). A presença da TI nos processos educacionais tornou-se um imperativo na formação da sociedade e em meio à ampla utilização da Internet. Nesse contexto, o e-learning insere-se como um condutor de processos educacionais (LOBIANCO & RAMOS, 2004), tornando-se um forte aliado para ampliar as possibilidades de melhorar o processo de ensino-aprendizagem. Em linha com Lobianco e Ramos (2004), Jamlan (2004) afirma que existem outras razões convincentes para a adoção e implementação do e-learning em um sistema educacional. Dentre elas, aponta: a alternativa estratégica de aprendizagem, que alcança aqueles que tiveram o acesso ao ensino negado; o aumento da sala de aula tradicional, onde altos investimentos para a construção de salas de aulas físicas deixam de ser empregados; e o fácil acesso que o e-learning proporciona aos alunos e professores no que diz respeito à obtenção de informações imediatas em qualquer lugar e a qualquer momento. 2

3 Fleury e Jacobshon (2003) caracterizam o e-learning como sendo uma ferramenta pedagógica que exerce forte influência sobre o desenvolvimento de competências pessoais. Já para Carvalho & Spinola (2001, p.1), e-learning é qualquer tipo de aprendizado no qual o participante utiliza um computador como meio para chegar ao conhecimento. Mesmo sendo o e-learning uma ferramenta capaz de desenvolver o processo de ensino e aprendizagem na modalidade a distância, faz-se necessário atentar-se para o fato de que e-learning e educação a distância (EaD) são termos e processos diferentes, seja em sua essência, seja no ferramental utilizado. Para se compreender a diferença entre e-learning e educação a distância dois pontos precisam ser analisados: (1) apenas a implementação de TIC s no processo de ensino e aprendizagem não significa de fato que se exerça a EaD; e (2) a EaD não precisa ser implementada usando TIC s (FREITAS, 2009). Outro ponto que destaca a diferença entre EaD e e-learning é o próprio surgimento de ambos. A EaD é uma modalidade de ensino que vem sendo utilizada, especialmente, na educação superior há pelo menos 100 anos com o propósito de atender alunos que estejam dispersos geograficamente e/ou que não encontram possibilidades de frequentar a educação presencial. Por outro lado, o e-learning é um fenômeno recente, intimamente relacionado à aplicação de tecnologias digitais no processo de ensino e aprendizagem, desde a simples distribuição de conteúdo até a substituição total dos encontros presenciais, caso em que as aulas são ministradas pela internet, online (FREITAS, 2009; GURI-ROSENBLIT, 2005). A linha de separação entre a EaD e o e-learning é tênue e, sobretudo à medida que as TIC s avançam, é cada vez mais difícil diferenciar e-learning de EaD. 2.2 Modelo de aceitação de tecnologia (TAM) O Modelo de Aceitação de Tecnologia (TAM) (DAVIS, 1989; DAVIS et al., 1989) é uma adequação da teoria da atuação racional (TRA-do inglês Theory of Reasoned Action), derivada da psicologia e adaptada especificamente para gerar modelos de aceitação de tecnologia da informação (GAHTANI, 2001). Conforme a TRA, o comportamento de determinado indivíduo em uma situação particular é influenciado pela intenção comportamental de evidenciar ou exercer tal comportamento, que por sua vez é distinguida por sua atitude e normas subjetivas. Por meio da adaptação da TRA para o contexto de tecnologias computacionais, o objetivo do TAM é prover uma base genérica para investigar os determinantes da aceitação de computadores, para o que sustenta a ideia de que os estímulos externos influenciam as atitudes pessoais, influenciando indiretamente suas crenças sobre as consequências de adotar um determinado comportamento. Assim, um ponto central do TAM é examinar o impacto de fatores externos nas crenças e atitudes das pessoas (DAVIS et al., 1989). O TAM fundamenta-se em dois construtos base para prever a aceitação de sistemas computacionais: utilidade percebida e facilidade de uso (DAVIS, 1989). Segundo Davis, os indivíduos tendem a utilizar ou não determinada tecnologia ou solução tecnológica de acordo com a percepção que tem de que esta irá melhorar seu desempenho no trabalho - essa atitude é denominada de utilidade percebida. No entanto, se o uso de determinado aplicativo for muito complexo e isso não compensar os benefícios da nova tecnologia, a efetiva utilização pode ser prejudicada - essa característica é denominada de facilidade percebida (DOLL et al., 1998). A figura 1 apresenta o Modelo TAM (DAVIS et al., 1989). 3

4 Figura 1: Modelo de Aceitação da Tecnologia Fonte: Davis et al., (1989). Para Dias et al. (2003, p.7), o modelo original do TAM e suas variações apresentam avanços no entendimento da aceitação e uso da tecnologia pelo usuário final. No entanto, para os autores, o modelo apresenta algumas limitações, provenientes principalmente das dificuldades de examinar a aceitação da tecnologia pelo usuário com todas as variáveis envolvidas em seu ambiente real de trabalho (DIAS et al., 2003, p.7). Ainda assim, de todas as teorias e modelos relacionados à adoção da tecnologia, o modelo TAM é considerado o mais influente e o mais amplamente utilizado pelos pesquisadores para descrever a aceitação individual de sistemas de informação (LEE et al., 2003). 2.3 Adoção do e-learning no contexto acadêmico Ao longo dos anos, a adoção do e-learning vem sendo tema de constantes pesquisas, as quais pretendem avaliar e compreender a aceitação da tecnologia pelos indivíduos em ambientes de aprendizagem (CARVALHO et al., 2012, PITUCH & LEE, 2006). Stoel e Lee (2003) estudaram o efeito da experiência de uso do e-learning na aceitação desse tipo de tecnologia por estudantes universitários. Utilizando o modelo TAM, os autores entrevistaram 618 alunos com alguma experiência em usar tecnologia de aprendizagem eletrônica. Os resultados indicam que, quanto mais experiência de uso na tecnologia os estudantes possuem, maiores serão suas percepções de facilidade de uso e de utilidade percebida em relação à mesma e, portanto, os estudantes se tornam mais propensos a utilizar essa tecnologia. Gong et al. (2004), por sua vez, utilizaram o modelo TAM associado a SCT (Social Cognitive Theory) por meio da adição da variável autoeficácia computacional ao modelo. A autoeficácia computacional refere-se à capacidade que uma pessoa julga ter para usar um computador. A pesquisa constatou que a facilidade de uso percebida e a intenção comportamental de uso para o e-learning são influenciadas diretamente pela autoeficácia computacional, e que esta, também, influencia a intenção de uso. Com o propósito de investigar os fatores que afetam a adoção dos sistemas de e- learning em cenários de uso obrigatório e voluntário, Lee (2006) propõe uma extensão do modelo TAM, ao qual acrescenta as variáveis intenções comportamentais concorrentes, norma subjetiva, qualidade das informações, percepção de externalidade de rede, autoeficácia computacional e atributos do curso. O autor aplicou questionários a participantes de cursos e-learning em nove universidades de Taiwan. Dentre os resultados da pesquisa, o autor aponta a importância da externalidade de rede para a adoção do ambiente de aprendizagem, uma vez que a respectiva variável demonstra ter efeito direto e significante na intenção de uso, na utilidade percebida e na facilidade de uso por parte dos respondentes. A norma subjetiva, a autoeficácia computacional e a qualidade das informações também se mostraram relevantes para adoção dos sistemas e-learning. 4

5 A pesquisa realizada por Lee (2006) testou dois diferentes modelos para explicar o uso de sistema e-learning por estudantes. No primeiro modelo, o e-learning foi testado como uma ferramenta de apoio ao tradicional método presencial de aprendizagem. O segundo modelo abordou o sistema de e-learning como o sistema utilizado em um curso de educação a distância. Para a realização da pesquisa, o construto características do sistema, composto pelas variáveis (i) funcionalidade, (ii) interatividade e (iii) resposta do sistema, bem como as variáveis (iv) autoeficácia e (v) experiência de uso na internet, foi adicionado ao modelo TAM. A pesquisa revelou que as características do sistema exercem uma forte influência sobre o uso do e-learning em ambas as situações de uso. 2.4 Modelo de Pesquisa Com base na revisão da literatura apresentada, o modelo desta pesquisa, ilustrado na figura 2, propõe que a variável qualidade da informação exerce influência direta sobre a utilidade percebida, enquanto que a variável experiência prévia no uso do computador e da Internet exerce influência direta sobre a facilidade de uso. Já as variáveis facilidade de uso e utilidade percebida exercem influência direta sobre a atitude. A atitude por sua vez irá exercer influência sobre a intenção de uso do sistema Atitude e intenção de uso Atitudes são sentimentos positivos ou negativos que um indivíduo nutre em relação à realização de um determinado comportamento (Davis et al., 1989). De acordo com Chau e Hu (2001), o construto atitude de uso influencia significativamente a intenção de uso de novas tecnologias pelo indivíduo. Assim, Phuangthong e Malisawan (2005) afirmam que a atitude de uso é a causa da intenção de uso. Para estes autores, no modelo TAM, o construto atitude de uso é um mediador afetivo entre as variáveis facilidade de uso e utilidade, e a variável intenção de uso de determinada tecnologia. Em outras palavras, atitude é a maneira como um indivíduo acredita se comportar, proceder ou agir. No modelo TAM, a atitude representa o desejo do usuário de utilizar o sistema (DAVIS et al., 1989). Baseados em estudos que avaliaram a intenção de uso de TI em geral (HU et al.,1999; VENKATESH & DAVIS, 2000; VENKATESH et al., 2003) e intenção de uso de tecnologia para aprendizagem, em particular (HUANG et al., 2007), propõe-se a seguinte hipótese: H 1 : A Atitude terá um efeito direto e positivo sobre a intenção de uso do e-learning Facilidade de uso e utilidade percebida A facilidade de uso e a utilidade percebida são os fatores tradicionais do modelo TAM proposto por Davis (1989). A utilidade percebida refere-se ao grau o qual uma pessoa acredita que o uso de um determinado sistema pode melhorar seu desempenho no trabalho enquanto que a percepção de facilidade de uso refere-se ao grau em que um usuário acredita que a utilização de um determinado sistema será livre de esforços. A suposição é de que, se uma tecnologia é percebida como sendo mais fácil de ser usada do que outra é mais provável que essa tecnologia seja aceita pelos usuários. Nesse contexto, Venkatesh (2000) afirma que as variáveis facilidade de uso e utilidade percebida são determinantes importantes da intenção de uso. Os estudos sobre e-learning de Huang et al. (2007), Lu e Viehland (2008) e Gong et al. (2004) testaram e comprovaram a 5

6 influência direta e positiva da facilidade de uso e da utilidade percebida sobre a atitude. Diante do exposto, o presente estudo propõe as seguintes hipóteses de pesquisa: H 2 : A Facilidade de Uso terá um efeito direto e positivo sobre a atitude de uso do e-learning; H 3 : A Utilidade Percebida terá um efeito direto e positivo sobre a atitude de uso do e- learning; H 4 : A Facilidade de Uso terá um efeito direto e positivo sobre a Utilidade Percebida de uso do e-learning Experiência prévia no uso do computador e da Internet A experiência no uso do computador e da Internet refere-se ao conhecimento prévio do aluno em relação à utilização e navegação na Internet. Esta variável tem sido estudada como possível fator de influência na aceitação de tecnologias (PITUCH & LEE, 2006). Para Kerka (1999), o sucesso do aluno, no ensino a distância, está intimamente relacionado à sua habilidade técnica na operação do computador e navegação na Internet, isto é, para que este obtenha resultados positivos no processo de ensino e aprendizagem online é imprescindível que o aluno tenha um grau mínimo de experiência com o uso do computador e da Internet. Martins e Kellermanns (2004) corroboram o que Kerka (1999) argumenta e acrescentam que é necessário proporcionar aos alunos fácil acesso à tecnologia, bem como formação necessária para o seu uso. A falta de experiência na utilização e acesso à Internet pode inibir e causar dificuldades para os alunos no uso do e-learning. Experiências de um indivíduo com uma tecnologia específica exercem influência sobre suas percepções de facilidade de seu uso da tecnologia e sua utilidade, ou seja, a experiência no uso do computador e da Internet tem grande probabilidade de exercer influência positiva sobre a aceitação dos sistemas de e-learning (MARTINS & KELLERMANNS, 2004; KERKA, 1999; PITUCH & LEE, 2006). Diante do exposto esta pesquisa propõe a seguinte hipótese: H 5 : A Experiência prévia no uso de computador e da Internet terá um efeito direto e positivo sobre Facilidade de Uso Qualidade das informações Estudos empíricos indicam que a percepção de qualidade da informação é uma variável importante para a satisfação dos usuários com os sistemas de informação e que uma vez satisfeitos os usuários tendem a utilizar esses sistemas (DELONE & MCLEAN, 2003; MCKINNEY et al., 2002; STONE et a.l, 2007; LEE, 2006; VENKATESH & DAVIS, 2000; CHENG, 2006). Venkatesh e Davis (2000) definem esta variável como sendo a qualidade das saídas de informações de um dado sistema, ou seja, a qualidade de informações, conteúdo e material fornecido pelo sistema em questão. Em sistemas e-learning, considera-se que a qualidade das informações (saídas) do sistema é favorável à obtenção de resultados positivos, visto que esta exerce influência direta na percepção de desempenho do aluno (VENKATESH & DAVIS, 2000; LEE, 2006). Consoante com a pesquisa de Venkatesh e Davis (2000), Lee (2006) realizou um estudo no qual confirma que a qualidade das informações e a riqueza de conteúdo ofertado em cursos online afetam positivamente o nível de satisfação dos alunos com o curso. Neste 6

7 sentido, a qualidade das informações pode ser considerada uma variável importante na influência da satisfação dos alunos com os cursos online. Stone et al. (2007) utilizaram a variável qualidade das informações em seu estudo ao examinar os impactos do uso da tecnologia de informação no desempenho dos profissionais de empresas de Marketing. Segundo os autores, a qualidade das informações oferecidas por um sistema é importante para seus usuários, sobretudo no caso de sistemas de informação utilizados por comerciantes, que buscam obter vantagem competitiva com a utilização dessas informações. Ainda de acordo com Stone et al. (2007), quanto maior for a qualidade das informações geradas por um sistema, menor será o esforço gasto para obter informações necessárias para realização de tarefas. A qualidade das informações aumenta a percepção de utilidade e facilidade de uso do sistema. Assim, postula-se a sexta e última hipótese do modelo: H 6 : A Qualidade das Informações terá efeito direto e positivo sobre Utilidade Percebida Representação do Modelo de Pesquisa A figura 2 apresenta o modelo de pesquisa deste estudo com as relações propostas entre os construtos e as hipóteses de pesquisa sugeridas. Figura 2: Modelo de pesquisa proposto 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O modelo proposto originou seis hipóteses que buscam explicar (i) a aceitação do e- learning pelos alunos e (ii) o relacionamento entre os construtos que constituem o modelo de pesquisa. Para o teste das hipóteses, aplicaram-se questionários estruturados, os quais foram analisados por meio da técnica de Modelagem de Equações Estruturais (Structural Equation Model - SEM) (HAIR et al., 2009). A fim de testar a validade, unidimensionalidade e confiabilidade das escalas utilizadas no modelo, foi realizada uma análise fatorial confirmatória. 3.1 Operacionalização das variáveis O estudo utilizou escalas já desenvolvidas, testadas e validadas na literatura para medir todos os construtos avaliados. As seguintes escalas foram usadas: Qualidade das informações: escalas de Venkatesh e Davis (2000); Stone et al. (2007) com seis indicadores; Experiência no uso do computador e da Internet: escala de Martins e Kellermanns (2004) com cinco indicadores; Facilidade de uso: escala de Davis (1989) com seis indicadores; Utilidade Percebida: escala de Davis (1989) com seis indicadores; 7

8 Atitude: escala de Venkatesh e Davis (2000) com quatro indicadores; Intenção de uso: escala de Venkatesh et al. (2003) com dois indicadores. O questionário foi traduzido para o português por dois tradutores profissionais, sendo empregadas etapas de back-translation para garantir que as escalas em português fossem as mais próximas possíveis das originais. Foi realizado um pré-teste do questionário, com uma amostra da população de interesse. O objetivo foi avaliar a compreensão dos respondentes sobre questionário apresentado. O resultado do pré-teste indicou que o questionário estava claro e de fácil compreensão para os respondentes, uma vez que não foram suscitadas dúvidas ou questionamentos em relação às questões apresentadas. 3.2 Amostra e coleta dos dados A amostra do estudo foi formada por estudantes de um curso de Administração de uma Instituição de Ensino Superior. Todos os questionários foram auto-administrados e preenchidos pelos próprios respondentes. Ao todo, foram coletados 658 questionários, deste total, 74 foram eliminados por estarem preenchidos de maneira incorreta, com mais de uma resposta para mesma pergunta ou por apresentarem dados ausentes. Com a eliminação dos questionários inválidos a amostra final foi constituída por 584 questionários válidos. Os dados revelam que os respondentes tinham em média 25 anos de idade (desvio padrão de 5,95), eram solteiros em sua maioria (69%), e que 57% deles pertencem ao gênero feminino. 4. RESULTADOS 4.1 Modelo de mensuração Segundo Ferreira (2010), o modelo de mensuração pode ser definido como a compreensão das relações entre as variáveis observadas e os construtos latentes não observados, permitindo a avaliação de quanto cada item medido se relaciona com cada fator em particular. Para testar a atestar a validade, unidimensionalidade e confiabilidade das escalas utilizadas no modelo de mensuração deste estudo foi realizada uma análise fatorial confirmatória (CFA). O modelo de mensuração inicial não apresentou bons índices, necessitando de alguns ajustes para a identificação de um modelo mais robusto. Após análise da matriz de covariância dos resíduos padronizados da CFA, observou-se que alguns itens estavam contribuindo para o fraco ajuste do modelo. A partir desta análise, o modelo foi refinado, com a eliminação de itens de algumas escalas, com o intuito de se obter um melhor ajuste do modelo. Após os ajustes para refinar o modelo, restaram 25 indicadores no modelo de mensuração final. Quatro itens foram retirados dos 29 indicadores iniciais. A tabela 1 apresenta os índices de ajuste do modelo de mensuração final. Índice de Ajuste Modelo Mensuração após Ajustes Valor Sugerido pela Literatura χ2/d.f. 4,80 3 CFI 0,90 0,90 TLI 0,88 0,90 IFI 0,90 0,90 8

9 RMSEA 0,08 0,08 SRMR 0,050 0,08 Tabela 1: Índices do modelo de mensuração final Apesar de dois dos índices de ajuste não atingirem os valores sugeridos pela literatura, os valores obtidos assumem uma aceitação periférica, isto é, estão bem próximos aos valores definidos como ideais, permitindo assim, a validação do modelo (HAIR et al., 2009; SILVA, 2006). 4.2 Modelo estrutural A modelagem de equações estruturais foi utilizada para testar o modelo proposto e as hipóteses de pesquisa. A razão χ2/d.f. não foi estatisticamente satisfatória, visto que seu valor estava acima de 3 (valor sugerido pela literatura). No entanto, este indicador deve ser interpretado com parcimônia, visto que, é sensível ao tamanho da amostra. Além disso, Marsh e Hocevar (1985) e Byrne (2010) afirmam que valores até 5 para a razão χ2/d.f são toleráveis. Em relação aos índices de ajuste abso luto (RMSEA e SRMR) os resultados obtidos na pesquisa também não foram satisfatórios, uma vez que os valores aceitáveis deveriam variar de 0,05 a 0,08. De acordo com Hair et al. (2009) para os índices CFI, TLI e IFI, índices de ajustes incrementais, valores acima de 0,90 são considerados valores aceitáveis. Os valores de ajustes não atenderam aos valores propostos pela literatura, mas tornam-se válidos por terem uma aceitação periférica, isto é, os valores obtidos estão bem próximos aos valores considerados ideais. A Tabela 2 apresenta os índices de ajuste do modelo estrutural. Índice de Ajuste Modelo Estrutural χ2/d.f. 5,68 3 CFI 0,87 0,90 TLI 0,86 0,90 IFI 0,87 0,90 RMSEA 0,09 0,08 SRMR 0,170 0,08 Tabela 2: Índices de ajuste do modelo estrutural 4.3 Teste das hipóteses da pesquisa Valor Sugerido pela Literatura A investigação de cada uma das seis hipóteses desta pesquisa foi realizada com a análise da magnitude, direção e significância dos coeficientes padronizados estimados por meio do modelo estrutural. A relação foi considerada significativa se o p-valor foi inferior a um nível de significância de 0,05 (FERREIRA, 2010; BYRNE, 2010). A tabela 3 expõe os coeficientes estimados para o modelo proposto, como também as hipóteses da pesquisa e significâncias associadas. Relação Proposta Coeficiente Hipótese p-valor Padronizado Verificada H 1: ARU - IUE 0,79 <0,001 SIM H 2: FUP - ARU -0,11 0,77 NÃO H 3: UP - ARU 0,99 <0,001 SIM H 4: FUP - UP 0,73 <0,001 SIM 9

10 H 5: EI - FUP 0,53 <0,001 SIM H 6: QI - UP 0,28 <0,001 SIM Tabela 3: Teste das hipóteses da pesquisa Os resultados do teste das hipóteses apresentou suporte empírico para cinco das seis hipóteses formuladas para esta pesquisa, todas as relações foram significativas a um nível de 0,001, com exceção de H DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Os resultados obtidos revelam que o modelo proposto é razoável, pois consegue fornecer evidências da relação entre as variáveis externas - qualidade das informações e experiência prévia no uso do computador e da Internet - com a intenção de uso de sistemas e- learning por alunos de ensino superior. Os resultados encontrados corroboram estudos anteriores (MARTINS & KELLERMANNS, 2004; KERKA, 1999; PITUCH & LEE, 2006; LEE, 2006; STONE et al., 2007). De acordo com os resultados, foi visto que a atitude do aluno de ensino superior com relação à tecnologia influencia de forma positiva a intenção em utilizar o sistema e-learning como uma ferramenta de ensino. Quanto mais positiva for a atitude, maior será a intenção de usar esse sistema. Esse resultado confirmou a hipótese H 1, e é corroborado por estudos prévios (HU et al.,1999; HUANG et al., 2007; VENKATESH & DAVIS, 2000; VENKATESH et al., 2003). Na presente pesquisa, o construto facilidade de uso foi representado por duas hipóteses (H 2 e H 4), as quais exerciam influência positiva sobre a atitude e sobre a utilidade percebida em utilizar e-learning, respectivamente. A hipótese H 2 não apresentou influência estatística, ou seja, perceber que o sistema é de fácil utilização não interfere na atitude dos alunos em relação ao uso do sistema. Esse resultado é contrário a investigações prévias (HUANG et al., 2007; LU & VIEHLAND, 2008; GONG et al., 2004). É possível que a experiência prévia no uso do computador e da Internet pelos alunos tenha feito com que eles não percebessem a facilidade de uso como um influenciador da atitude, já que o contato anterior lhes ofereceu subsídios para saber utilizar o sistema e, assim, não sentir dificuldade em manuseá-lo. Já a hipótese H 4 foi confirmada, evidenciando que quanto maior for a percepção de facilidade de uso do sistema pelo aluno maior será a percepção de utilidade do sistema. Esse resultado é empiricamente corroborado por pesquisas anteriores (DAVIS, 1989; HUANG et al., 2007; LU & VIEHLAND, 2008; GONG et al., 2004). Foi visto também que a utilidade percebida influencia de forma positiva a atitude em relação ao uso do e-learning, ou seja, quanto mais resultados os alunos percebem como possíveis por meio do uso do sistema e-learning mais positiva será a atitude destes em relação a seu uso. Esse resultado confirma a hipótese H 3. As variáveis externas adicionadas ao modelo TAM - experiência prévia no uso de computador e da Internet e qualidade das informações foram representadas pelas hipóteses H 5 e H 6, respectivamente. Ambas as hipóteses foram estatisticamente confirmadas. Partindo do princípio de que a amostra desse estudo possuía conhecimento prévio no uso do computador e da Internet, é possível entender que quanto maior for a experiência prévia do usuário, maior será sua percepção de facilidade em utilizar o sistema. Esse resultado é semelhante ao encontrado por Martins & Kellermanns (2004). Para estes autores, a falta de experiência na utilização do computador e da Internet pode fazer com que os usuários sintam dificuldade em utilizar o sistema. No que se refere à variável qualidade da informação, o resultado encontrado é coerente com estudos que identificaram a importância desta variável em ambientes de aprendizagem eletrônica (CHIU et al., 2005; CHIU et al., 2007). Em seu estudo, Chiu et al. (2007) 10

11 confirmaram a hipótese de que a qualidade da informação influencia positivamente o a satisfação dos alunos em cursos e-learning. Já Chiu et al. (2005) confirmaram a hipótese de que a qualidade influencia a satisfação dos usuários do e-learning e esta por sua vez influencia a intenção de uso desses usuários. No presente estudo, a variável qualidade da informação exerceu influência positiva sobre a utilidade de uso do sistema, ou seja, quanto melhor for a qualidade das informações maior será a percepção de utilidade de uso do e- learning para o aprendizado dos alunos. Cinco das seis hipóteses da pesquisa foram confirmadas, alinhadas com as relações propostas com base na literatura. A figura 3 apresenta o modelo de pesquisa final. Figura 3: Modelo de pesquisa final 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados e as relações encontradas no estudo representam contribuições significativas para a teoria da aceitação da tecnologia e para a investigação sobre o e-learning, trazendo várias implicações. Primeiro, o estudo confirma a importância de variáveis adotadas na compreensão da atitude e intenção de adotar o e-learning por estudantes do ensino superior. Segundo, mostra que os efeitos indiretos da facilidade de uso e da utilidade percebida, mediados pela atitude em relação à aprendizagem, contribuem para a explicação da intenção comportamental em utilizar essa tecnologia em um ambiente de ensino superior, corroborando resultados anteriores (HUANG et al, 2007; LIU et al., 2010; PITUCH & LEE, 2006). Terceiro, os resultados também suportam influência indireta da experiência no uso do computador e da Internet e da qualidade das informações na intenção de um aluno utilizar o e- learning. Tais efeitos devem ser levados em conta em futuras pesquisas sobre a aceitação do e-learning. Apesar das limitações inerentes a qualquer pesquisa científica, estudos desta natureza exercem um papel relevante tanto do ponto de vista teórico quanto gerencial. O presente estudo pode servir como um guia para que gestores, professores e usuários verifiquem quais fatores podem ser trabalhados em políticas de treinamento e capacitação para uso do e- learning como uma ferramenta de ensino. Para os implementadores, os resultados sugerem que, para facilitar a adoção do e-learning, é importante mostrá-lo aos alunos como uma ferramenta de aprendizagem útil em suas atividades de estudos, destacando seus benefícios. É necessário que as instituições de ensino levem em consideração que o perfil dos estudantes muda e que os alunos atuais têm mais acesso a tecnologia e às suas ferramentas do que os estudantes de anos atrás. Para acompanhar esse desenvolvimento é necessário utilizar sistemas de ensino e aprendizagem interativos e que fundamentem-se na realidade dos estudantes, de maneira que essa contextualização facilite a qualidade das informações fornecidas e que atendam a interesses individuais e coletivos. Além disso, sugere-se oferecer 11

12 também cada vez mais oportunidades de uso de computadores e Internet, fazendo com que os alunos passem a ter maior contato com essa tecnologia e, assim, adquiram experiência de uso. 6.1 Limitações e pesquisas futuras Os resultados encontrados nessa pesquisa não podem ser generalizados para qualquer população e ou qualquer tipo de usuário de e-learning, visto que apenas alunos de graduação compuseram a amostra. Outra limitação refere-se ao recorte do estudo, já que a percepção dos respondentes foi levantada em apenas um momento no tempo. Apesar de esta limitação ser comum em outros trabalhos (LIU et al., 2010; SUKI & SUKI, 2011; HUANG et al., 2007; LIU et al., 2010; PARK et al., 2011; LU & VIEHLAND, 2008; FERREIRA et al., 2012; CARVALHO et al., 2012), evidências longitudinais podem aprimorar o entendimento sobre a causalidade e inter-relações entre as variáveis (ONG & LAI, 2006, p.826). Outro viés existente na pesquisa relaciona-se com o uso de um questionário auto-preenchido, isto é, a compreensão dos itens do questionário é suscetível ao entendimento individual de cada respondente, sendo natural que cada um deles apresente entendimento diverso em relação a alguns termos presentes no instrumento de coleta dos dados. Com o intuito de ampliar as discussões sobre a adoção do e-learning e prosseguir com futuras abordagens, faz-se necessário que novas pesquisas validem as variáveis adicionadas ao TAM. A replicação do modelo desta pesquisa junto à alunos de ensino superior com perfis e idades diferentes seria uma boa maneira de ampliar os resultados aqui obtidos. Realizar outras pesquisas com amostras maiores poderá fazer com que o escopo das conclusões seja ampliado. Além disso, incluir variáveis moderadoras de gênero no modelo de pesquisa proposto pode ser uma forma de fazer com que novas relações entre as variáveis se estabeleçam. REFERÊNCIAS ALVES, I. S. Avaliação da Intenção De Uso Efetivo de Ambientes Digitais de Aprendizagem no Ensino a Distância em Administração: Uma Extensão do Modelo TAM. Dissertação (Mestrado em Administração). Ibmec. Rio de Janeiro, BYRNE, B. M. Structural Equation Modeling with AMOS: Basic Concepts, Applications and Programming. 2nd ed. Routledge, NY, BURGARELLE, R. H.; CARVALHO, R. B. Avaliação do Uso de Sistemas de Informação Acadêmica por Alunos de Graduação em Ciências da Informação, Disponível em: < Acesso em: mai. de CHAU, P. K.; HU, P.J. Information technology acceptance by individual professionals. Decision Sciences, v. 32, n. 4, p , CARVALHO, M.A.; SPINOLA, M. E-learning: A Nova Fronteira do Aprendizado. Anais do ENEGEP, Belo Horizonte, CARVALHO, M. L. A.; GUIMARÃES, H. C. A.; FREITAS, A.; FERREIRA, J. B. Intention to Use M-Learning: An Extension of the Technology Acceptance Model. EIRASS Conference, Viena, CHENG, K-W. A Research study on students' level of acceptance in applying elearning for business courses: a case study on a technical college in taiwan. The Journal of American Academy of Business, Cambridge, v. 8, n. 2, p , mar CHIU, C-M.; HSU, M-H.; SUN, S-Y.; LIN, T-C.; SUN, P-C. Usability, quality, value and e- learning continuance decisions. Computers & Education, v. 45, n. 4, p ,

13 CHIU, C-M.; CHIU, C-S.; CHANG, H-C. Examining the integrated influence of fairness and quality on learners satisfaction and Web-based learning continuance intention. Information Systems Journal, v. 17, p , DAVIS, Fred D., Perceived Usefulness, Perceived Ease of Use, And User Acceptance of Information Technology, MIS Quarterly, v. 13, n. 3, p , DAVIS, F. D.; BAGOZZI, R. P.; WARSHAW, P. R. User acceptance of computer technology: a comparison of two theoretical models. Management Science, v. 35, n. 8, p ,1989. DAVIS, R.; WONG, D. Conceptualizing and Measuring the Optimal Experience of the elearning Environment. Decision Sciences Journal of Innovative Education, v. 5, n.1, DELONE, W. H.; MCLEAN, E. R. The Delone and Mclean model of information systems success: a ten-year update. Journal of Management Information Systems, v. 19, n. 4, p.9-30, DIAS, M. C.; ZWICKER, R.; VICENTIN, I. C. Análise do modelo de aceitação de tecnologia de Davis. Spei, Curitiba, v.4, p , jul/dez DIAS, M. C.; ZWICKER, R.; VICENTIN, I. C.. Análise do modelo de aceitação de tecnologia de Davis. Spei, Curitiba, v.4, p , jul/dez DOLL, W. J.; HENDRICKSON, A.; DEANG, X.. Using Davi s perceived usefulness and ease-of-use instruments for decision making: a confirmatory and multigroup invariance analysis. Decision Sciences. v. 29. n. 4, p , FERREIRA, J. B. Aceitação e Prontidão do Consumidor para Produtos de Alta Tecnologia: Elaboração e Teste Empírico do Modelo CART para adoção de produtos de alta tecnologia. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Tese (Doutorado em Ciência da Administração). FLEURY, M. T. L.; JACOBSOHN, L. V. A contribuição do e-learning no desenvolvimento de competências do administrador. In: ANPAD, 27., 2003, São Paulo. Anais... São Paulo: [s.n.], FREITAS, A. S. A implementação do e-learning nas Escolas de Gestão: Um Modelo Integrado para o Processo de Alinhamento Ambiental p. Tese (Doutorado em Administração), Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. GAHTANI, S. A. L. The applicability of TAM outside North American: An empirical test in the United Kingdon. Information Resources Management Journal. v. 14, n. 3, p , GARVER, M. S.; MENTZER, J.T. Logistics research methods: Employing structural equation modeling to test for construct validity, Journal of Business Logistics, 20, 1, pp , GONG, M.; XU, Y.; YU, Y. An enhanced technology acceptance model for web-based learning.. Journal of Information Systems Education. v. 15, n.4, p.365, GURI-ROSENBLIT, S. Distance education and e-learning : Not the same thing. Higher Education, v. 49, p , HAIR, J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E. Multivariate Data Analysis. 7. ed. Upper Saddle River: Prentice-Hall, HU, P. J.; CHAU, P. Y. K.; SHENG, O. R. L.; TAM. K. Y. Examining the Technology Acceptance Model Using Physician Acceptance of Telemedicine Technology. Journal of Management Information Systems, v. 16, n. 2, p , HUANG, J.; LIN, Y.; CHUANG, S. Elucidating user behavior of mobile learning: A perspective of the extended technology acceptance model. The Electronic Library, v.25, p. 585,

14 KERKA, S. Distance learning, the Internet, and the World Wide Web. ERIC Digest. (ERIC Document Reproduction Service, n. ED , JAMLAN, M. Faculty Opinions towards Introducing e-learning at the University of Bahrain. International Review of Research in Open and Distance Learning, v. 5, n. 2, ago., LEE, Y.; KOZAR, K. A.; LARSEN, K. R.T. The technology acceptance model: past, present, and future. The communications of the association for information systems, v. 12, n. 50, LEE, Y-C. An empirical investigation into factors influencing the adoption of an e-learning system. Emerald, Bingley, v. 30, n. 5, p , 26 jun LIU, Y.; HAN, S.; LI, H. Understanding the factors driving m-learning adoption: a literature review. Campus-Wide Information Systems. v. 27, n. 4, p. 210, LIU, Y., LI, H.; Carlsson, C. Factors driving the adoption of m-learning: An empirical study. Computers & Education, v.55, p. 1211, LOBIANCO, M. M.; RAMOS, A. S. M. R. O conhecimento pertinente no uso do e-learning. In: ENCONTRO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 24., 2004, Florianópolis. Anais... Florianópolis: [s.n.], LU, X.; VIEHLAND, D. Factors Influencing the Adoption of Mobile Learning. 19th Australasian Conference on Information Systems Adoption of Mobile Learning. Christ church Centre for Mobile Computing and Department of Management and International Business, Massey University Auckland, New Zealand, 3-5 Dez MAIA, M.C. O Uso da Tecnologia de Informação para a Educação a Distância no Ensino Superior Tese (Doutorado em Administração de Empresas) FGV-EAESP, São Paulo. MARTINS, L. L.; KELLERMANNS, F. W. A Model of Business School Students Acceptance of a Web-Based Course Management System. Academy of Management Learning and Education, v. 3, n. 1, p. 7 26, MCKINNEY, V.; YOON, K; ZAHEDI, F.M. The measurement of Web-customer n. 2, p , MORENO, V. A.; CAVAZOTTE, F.; SÁ, I. Uso Efetivo de Ambientes Digitais no Ensino a Distância: Uma Extensão do Modelo TAM. 17th Americas Conference on Information Systems, AMCIS 2011, Detroit, Michigan, USA, ONG, C-S.; LAI, Jung-yu. Gender differences in perceptions and relationships among dominants of e-learning acceptance. Computers in Human Behavior, N, n. 22, p , PARK, S. U.; NAM, M. W.; CHA, S. B. University students behavioral intention to use mobile learning: Evaluating the technology acceptance model. British Journal of Educational Technology, PITUCH, K. A.; LEE, Y-Ki. The influence of system characteristics on e-learning use. Computers & Education, n 2, vol. 47, p , PHUANGTHONG, D.; MALISAWAN, D. A study of behavioral intention for 3G mobile internet technology: preliminary research on mobile learning. Second International Conference on elearning for Knowledge-Based Society, Bangkok, Thailand, August 4 7, SILVA, M. F. Fatores Humanos e sua Influência na Intenção de Uso de Sistemas de Informação p. Tese (Doutorado em Administração). Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 14

15 STOEL, L. LEE, K. H. Modeling the effect of expirience on student acceptance of Web-based courseware. Eletronic Networking Applications and Policy, v. 13, n. 5, p , STONE, R.; GOOD, D.; BAKER-EVELETH, L. The impact of information technology on individual and firm marketing performance. Behavior & Information Technology, v. 26, n. 6, p , SUKI, N.; SUKI, N. User s behaviour towards Ubiquitous m-learning, Turkish Online Journal of Distance Education, v.12, n.3, VENKATESH, V., et al. User acceptance of information technology: toward a unified view. MIS Quarterly, v. 27, n. 3, 2003, VENKATESH,V.; DAVIS, F. D. A theoretical extension of the technology acceptance model: four longitudinal field studies. Management Science, Ann Arbor, v.46, n.2, p , VENKATESH, V. Determinants of Perceived Ease of Use: Integrating Perceived Behavioral Control, Computer Anxiety and Enjoyment into the Technology Acceptance Model. Information Systems Research, v. 11, n. 4, p ,

4. Modelagem e Análise dos Dados

4. Modelagem e Análise dos Dados 4. Modelagem e Análise dos Dados Neste capítulo são avaliadas as propriedades estatísticas e psicométricas da amostra coletada, sendo ajustados os modelos de mensuração e estruturais propostos. São testadas

Leia mais

ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011

ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011 1 ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011 Otacilio Antunes Santana Universidade Federal de Pernambuco otacilio.santana@ufpe.br José Imaña Encinas - Universidade

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO Educação a Distância para Servidores Públicos com o uso do Moodle: uma investigação em uma Instituição de Ensino Superior.

RELATÓRIO EXECUTIVO Educação a Distância para Servidores Públicos com o uso do Moodle: uma investigação em uma Instituição de Ensino Superior. UFPE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROPAD Programa de Pós-graduação em Administração MPA Mestrado Profissional em Administração RELATÓRIO EXECUTIVO Educação a Distância para Servidores Públicos

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz,

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, AMELHORIA DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: UM DESAFIO PARA O SÉCULO XXI Introdução ANGELA ALBERNAZ* Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, 2002, 1 cujo objetivo

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos Marli Fátima Vick Vieira 1 ; Gicele Vieira Prebianca 2 ; Tháfila Krum de

Leia mais

Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia

Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia Jéssica Mattoso da Fonseca Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

Exemplo de Vê Epistemológico. O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1. Leonardo Sartori Porto

Exemplo de Vê Epistemológico. O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1. Leonardo Sartori Porto Exemplo de Vê Epistemológico O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1 Leonardo Sartori Porto Nosso projeto de pesquisa visa investigar se o uso de analogias no ensino de ciências pode facilitar

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA

OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO E DO MARKETING NA NOVA ECONOMIA Agenda do Futuro Iniciativa do Grupo TV1 criada em 2008 para gerar conhecimento e incentivar a reflexão sobre as mudanças em curso na Comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

6 Conclusões e recomendações

6 Conclusões e recomendações 6 Conclusões e recomendações Este trabalho teve como objetivo investigar o quanto a autenticidade dos líderes melhora o desempenho no contexto, na tarefa e em segurança de seus seguidores, analisando especificamente

Leia mais

Lívia Jordão. Marcos Kalinowski. livia.jordao@ice.ufjf.br. kalinowski@ice.ufjf.br

Lívia Jordão. Marcos Kalinowski. livia.jordao@ice.ufjf.br. kalinowski@ice.ufjf.br Lívia Jordão livia.jordao@ice.ufjf.br Marcos Kalinowski kalinowski@ice.ufjf.br Introdução MPS-SV e Serviços de Desenvolvimento Survey: Aplicabilidade do MPS-SV à Serviços de Desenvolvimento Planejamento

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula.

A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula. 1 Introdução 1.1. Apresentação do Tema A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula. (Lee Iacocca) As inovações estão transformando

Leia mais

Seminário de Discussões Metodológicas

Seminário de Discussões Metodológicas Seminário de Discussões Metodológicas Tecnologias da Educação: identificando o reflexo do chat e fórum de discussão no processo de aprendizagem no ensino superior Alexandre Costa Quintana Orientador: Prof.

Leia mais

4 Análise dos Resultados

4 Análise dos Resultados 55 4 Análise dos Resultados Este capítulo apresenta os resultados obtidos a partir de survey realizada com jovens universitários chilenos. Para compor a base de dados, foram utilizadas as respostas de

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Ciência da Informação/Londrina, PR.

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Ciência da Informação/Londrina, PR. 1 A RELAÇÃO ENTRE A COMPETÊNCIA INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes Thomaz 1 ; Linete Bartalo 2 (Orientadora), e-mail: linete@uel.br. Universidade Estadual de Londrina/Departamento

Leia mais

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO 63 TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CARLOS FERNANDO DE ARAUJO JR 1 ÁDERSON GUIMARÃES PEREIRA 2 RESUMO O trabalho procura demonstrar que a aplicação das tecnologias

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes

Leia mais

Comportamento Humano: Liderança, Motivação e Gestão do Desempenho

Comportamento Humano: Liderança, Motivação e Gestão do Desempenho A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Augusto César Ferreira Lima A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO Mércia Cardoso da Costa Guimarães 1, Henrique Oliveira da Silva 2 1 Instituto Federal de Pernambuco

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Resumo André Alves Freitas Andressa Guimarães Melo Maxwell Sarmento de Carvalho Pollyanna de Sousa Silva Regiane Souza de Carvalho Samira Oliveira Os cursos

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado.

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado. UFF Universidade Federal Fluminense Instituto de Computação Engenharia de Software II Professora: Bianca Zadrozny 1º Trabalho Prático: Documento de Visão Alunos: Diego Soares, Felipe Maia e Leandro Feijó.

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Comportamento Organizacional CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UM ESTUDO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA, NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS, NO CAMPUS DE GURUPI. Nome dos autores: Josilia Ferreira Dos Santos,

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização Pesquisa de Mercado Aula 1 Prof. Me. Ricieri Garbelini Tópicos Abordados 1. Identificação do problema ou situação 2. Construção de hipóteses ou determinação dos objetivos 3. Tipos de pesquisa 4. Métodos

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações 153 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES 1. Conclusões e Recomendações Um Estudo de Caso, como foi salientado no capítulo Metodologia deste estudo, traz à baila muitas informações sobre uma

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso

A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso Fernando Cesar Camilo Centro Universitário de Araraquara- UNIARA SP Brasil fc_camilo@yahoo.com.br Prof. Dr.

Leia mais

Seminário Telecentros Brasil

Seminário Telecentros Brasil Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade A Capacitação dos Operadores de Telecentros Brasília, 14 de maio de 2009 TELECENTROS DE INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS COMO VEÍCULO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 004/2010 1. Perfil: 001/2010-CGIR - POLÍTICAS PÚBLICAS E PATRIMÔNIO CULTURAL 3. Qualificação educacional: Profissional doutor, com

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

compreensão ampla do texto, o que se faz necessário para o desenvolvimento das habilidades para as quais essa prática apresentou poder explicativo.

compreensão ampla do texto, o que se faz necessário para o desenvolvimento das habilidades para as quais essa prática apresentou poder explicativo. 9 Conclusão Neste estudo, eu me propus a investigar os efeitos de práticas de Língua Portuguesa no aprendizado de leitura e como esses efeitos se diferenciam conforme o ano de escolaridade dos alunos e

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Teorias de e-learning Fábio Fernandes

Teorias de e-learning Fábio Fernandes Teorias de e-learning Fábio Fernandes O que é uma teoria? Uma teoria, nesse contexto, pode ser descrita como uma série de hipóteses que aplicam-se a todas as instâncias de um acontecimento ou assunto e

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais

Facebook utilizado como um Objeto de aprendizagem para ajudar os estudantes do Instituto Federal do Paraná, no formato de educação a distância.

Facebook utilizado como um Objeto de aprendizagem para ajudar os estudantes do Instituto Federal do Paraná, no formato de educação a distância. 1 Facebook utilizado como um Objeto de aprendizagem para ajudar os estudantes do Instituto Federal do Paraná, no formato de educação a distância. Outubro/ 2014 Carmem Lúcia Graboski da Gama Instituto Federal

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS 181 SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS Valdecir Cahoni Rodrigues 1, Alvaro Costa Jardim Neto 2, Nilmaer Souza da Silva 1 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE.

Leia mais

Maria Helena de Lima Hatschbach, Gilda Olinto

Maria Helena de Lima Hatschbach, Gilda Olinto Maria Helena de Lima Hatschbach, Gilda Olinto Resumo: de comunicação e informação e a consequente necessidade de formação de recursos humanos um teste online de Competência em Informação, o Research Readiness

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais