RECEPÇÃO DE HIPER (TEXTOS) NO MSN: MUDANÇA NOS ESQUEMAS MENTAIS!?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECEPÇÃO DE HIPER (TEXTOS) NO MSN: MUDANÇA NOS ESQUEMAS MENTAIS!?"

Transcrição

1 RECEPÇÃO DE HIPER (TEXTOS) NO MSN: MUDANÇA NOS ESQUEMAS MENTAIS!? Ana Márcia de Lima (FAMASUL) RESUMO Diante do uso demasiado e da rapidez, na comunicação do MSN, ao ponto de enviar respostas meio incoerentes com o que foi perguntado / comentado, questiona se: não está desaparecendo a organização dos esquemas mentais, nas redações e debates de temáticas diversas? Para respondê la, faremos uma pesquisa de campo, com alunos do Projeto TRAVESSIA e análise de duas conversas. PALAVRAS CHAVE: Hiper (textos); MSN; Esquemas Mentais. ABSTRACT Before the too much use and of the speed, in the communication of MSN, to the point of sending "half incoherent answers" with what was asked / commented on, it questions if: is not the organization of the mental outlines disappearing, in the compositions and debates of several themes? To answer it, we will make a field research, with students of the Project TRAVESSIA and analysis of two conversations. KEY WORDS: Hiper (texts); MSN; Mental outlines. 0. INTRODUÇÃO O surgimento e, conseqüentemente o avanço das novas tecnologias da informação e comunicação têm provocado inúmeras mudanças em todos os setores da sociedade. Assim, a informática, cada vez mais, está presente nas atividades sociais, acadêmicas e profissionais e, como não poderia deixar de ser, também na Educação. O computador e a internet, como novos suportes da escrita, possibilitaram o surgimento de novos textos, tais como o msn, chat, o blog, o e mail e o hipertexto. Estes, por sua vez, nos fazem repensar as nossas concepções de texto, de leitura e de produção de texto. Dessa forma, nós, Professores, ficamos preocupados com o uso demasiado no MSN, por adolescentes e jovens, de um modo geral, com a linguagem abreviada / fragmentada usada por eles, principalmente, no que se refere à leitura e produção de textos diversos, e, também, aos debates de inúmeras temáticas propostos por seus Educadores.

2 Nessa pesquisa, diante da nossa preocupação com a aprendizagem dos estudantes, de uma forma geral, buscamos apresentar não só todo o seu processo mais também os resultados diversos apreendidos. 1. CONCEITUAÇÃO Para discutir sobre a recepção de (Hiper) textos no MSN, é interessante, primeiramente, apresentar a conceituação do nosso objeto de estudo. O Hipertexto, Segundo Lévy (1993:33), é definido como: um conjunto de nós ligados por conexões. Os nós podem ser palavras, páginas, imagens, gráficas ou parte de gráficos, seqüências sonoras, documentos complexos que podem ser eles mesmos hipertextos. Os itens de informação não são ligados linearmente, como uma corda com nós, mas cada um deles, ou a maioria deles, estende suas conexões em estrela, de modo reticular. Bolter (1991), por sua vez, afirma que o: hipertexto constitui um texto aberto ou um texto múltiplo, caracterizado pelos princípios da nãolinearidade, interatividade, multicentramento e virtualidade. 2. CARACTERÍSTICAS DO HIPERTEXTO Aqui, acreditamos ser viável, apresentar as características fundamentas que vêm sendo apontadas para o hipertexto não linearidade (característica central) o hipertexto estrutura se reticularmente, não pressupondo uma leitura seqüenciada, com começo e fim previamente definidos. Segundo Marcuschi (1999:33), o hipertexto rompe a ordem de construção ao propiciar um conjunto de possibilidades de constituição textual plurilinearizada, condicionada por interesses e conhecimentos do leitor co produtor (grifos do autor); 2.2. volatilidade que é devida à própria natureza do suporte; 2.3. espacialidade topográfica trata se de um espaço não hierarquizado de escritura / leitura, de limites indefinidos; 2.4. fragmentariedade, já que não existe um centro regulador imanente; 2.5. multissemiose por viabilizar a absorção de diferentes aportes sígnicos e sensoriais (palavras, ícones, efeitos sonoros, diagramas, tabelas tridimensionais etc.) numa mesma superfície de leitura;

3 2.6. descentração ou multicentramento a descentração estaria ligada à não linearidade, à possibilidade de um deslocamento indefinido de tópicos; contudo, já que não se trata de um simples agregado aleatório de fragmentos textuais, há autores que contestam essa característica, preferindo falar em multicentramento, como é o caso, por exemplo, Bolter (1991) e Elias (2000, 2005); 2.7. interatividade possibilidade de o usuário interagir com a máquina e receber, em troca, a retroação da máquina; 2.8. intertextualidade o hipertexto é um texto múltiplo, que funde e sobrepõe inúmeros textos que se tornam simultaneamente acessíveis a um simples toque de mouse; 2.9. conectividade determinada pela conexão múltipla entre blocos de significado; virtualidade outra característica essencial do hipertexto, que constitui uma matriz de textos potenciais (cf. Bairon, 1995). De acordo com essas características, concordamos com Marcuschi (1999:33), referido na 1ª, pois é nela que vemos as mudanças dos esquemas mentais dos alunos informantes. Inclusive, vemos que Ong (1989) tem razão ao refletir a respeito da segunda oralidade, quando busca explicitar as relações e diferenças que se estabelecem entre oralidade e sociedades letradas, ou entre oralidade e escrita. Ao abordar essas relações no contexto das sociedades informatizadas, ele fala de uma segunda oralidade, pois não se encontra, nos dias atuais, uma oralidade que já não tenha sido afetada pela escrita e pelo texto impresso. Assim, esse autor a apresenta: It is primary by contrast with the secondary orality of present day high technology culture, in which a new orality is sustained by telephone, radio, television, and other electronic devices that depend for their existence and functioning on writing and printing. Today primary oral culture in the strict sense hardly exists, since every culture knows of writing and has some experience of its effects. Não é assim que os alunos, de um modo geral, estão vivendo? Eles utilizam, na maior parte do seu tempo, só a oralidade, e no MSN, então, é uma oralidade jamais vista, como já refletimos. Essa segunda oralidade tem passado por questões conflitantes da sociedade tecnológica, como: a perda do hábito da leitura, principalmente por pessoas iletradas, a exclusão social e cultural tão vistas na nossa sociedade etc., se encaixa no nosso Corpus, pois os nossos informantes apresentaram nas suas conversas no MSN, uma oralidade bastante diferente daqui nós costumamos ver. E é essa oralidade que eles estão levando para os seus textos escritos, no seu mundo acadêmico. Assim, entendemos, também, que na forma como os jovens informantes estão se comunicando, e, muitas vezes, através do uso demasiado no MSN, eles têm colocado em risco o seu próprio desenvolvimento lingüístico oral e escrito, o que é tão necessário à construção de um pensamento crítico, reflexivo.

4 Dessa forma, caso continue com essa prática, deixarão de ser verdadeiros protagonistas no mundo profissional que os espera. Ong (1989: 8 9), também diz que: Enquanto a linguagem humana brota do inconsciente, a linguagem computacional é produto direto da consciência. A escrita, para ele, amplia a potencialidade da linguagem e reestrutura o pensamento, mas a palavra falada ainda ali se encontra, e vive. A escrita funcionaria como um sistema secundário de modelagem, dependente de um sistema primário anterior, a linguagem falada. Assim, concordamos com ele, pois é assim que vemos as escrituras dos nossos alunos, sem abordagens importantes, com as idéias desorganizadas e desprovidas de fundamentação pertinente. 3. MODELOS COGNITIVOS GLOBAIS (LEVINSON ET AL., 2004) Entendemos ser fundamental, refletirmos sobre os modelos cognitivos globais, termo atual, para esquemas mentais utilizados por nós, no título da nossa pesquisa, já que também fazem parte do nosso objeto de estudo. Aqui, utilizaremos o termo atual. Os modelos cognitivos globais são blocos de conhecimentos utilizados, intensamente, no processo de comunicação e que representam de forma organizada nosso conhecimento armazenado na memória. Dividem se em: 3.1. Frames são situações estereotipadas e sem ordenação em nossa memória como, por exemplo, elementos que se referem ao carnaval (serpentina, mascarado e samba) ou ao Natal (chaminé, presentes, ceia) Esquemas são seqüências ordenadas previsíveis e fixas como, por exemplo, a situação de um casamento, um acidente ou aniversário Planos são possibilidades onde se pode perceber a intenção do escritor ou do falante como procedimentos para conseguir um emprego ou uma promoção Scripts é quando se pode especificar os papéis dos participantes de forma determinada como, por exemplo, características de crianças ou de adolescentes Cenário são situações que se estendem ao domínio da referência como a idéia de atos que acontecem num clube, numa escola ou num tribunal. Diante desses modelos cognitivos globais, entendemos que no texto conversacional deve haver coerência, e que o mesmo obedece a processos de ordem cognitiva. Então, vemos que, realmente, está complicada a conversação dos

5 jovens no MSN, pois, muitas vezes, torna se difícil detectar as marcas lingüísticas e discursivas nesse tipo de interação, pois ela nem sempre se dá com base nessas marcas, mas na relação entre os referentes. Desta forma, um texto conversacional pode ser considerado coerente se os referentes apresentados puderem ser organizados como pertencentes ao mesmo quadro. Será que os usuários do MSN estão assim fazendo? Além disso, esses referentes precisam fazer parte de um conjunto, isto é, os elementos presentes no co (n) texto devem ser pertinentes. Acreditamos que o contexto, dos estudantes informantes, nas conversas apresentadas pelos mesmos, deixa a desejar, mas é uma parte da pesquisa que poderá ser aprofundada em outra oportunidade. Pela pesquisa de campo e pelas inúmeras conversas no MSN que eles tiveram e nos repassaram, vemos que os seus modelos cognitivos globais estão sendo prejudicados devido à não procura, de uma forma geral, por informações necessárias ao desenvolvimento da sua aprendizagem para a sua realização profissional. 4. ASPECTOS METODOLÓGICOS Inicialmente, fizemos leituras principalmente em Bairon (1995), Bolter (1991), Levinsohn (2004), Lévy (1998) e Marcuschi (1999), Ong (1989) para fundamentar essa pesquisa. Também, fizemos a análise das respostas orais dadas nos debates, e o estudo analítico crítico das falas na conversação entre Emerson e Hevellyn, enfocando os dados pertinentes ao nosso objeto de estudo. 5. QUESTIONÁRIO UTILIZADO NESSA PESQUISA Pesquisa de campo Escola: Turma: Data de Nascimento: / / 1. Você é usuário do MSN? 2. Com que freqüência você o usa? 3. Geralmente, com quantos usuários, simultaneamente, você se comunica? 4. Há sempre uma comunicação completa com cada um? Como se dá? 5. Você acredita que poderá haver uma perda na organização das idéias fora do convívio do MSN? Por exemplo: nos textos redacionais, nos debates sobre algum assunto em sala de aula, etc.? Por quê? Na análise das respostas dadas nesse questionário, e, baseando nos, nos resultados detectados, percebemos que os nossos informantes escreveram de forma breve, fragmentada, sem explicações mais profundas, ou seja, só o essencial, segundo eles. Inclusive, concordam que estão com dificuldades de expandir as suas idéias por falta de leituras diversas e busca de informações necessárias ao seu crescimento acadêmico.

6 Esses resultados estão apresentados na tabela abaixo porque acreditamos que facilita a compreensão dos dados obtidos na nossa pesquisa de campo. Tabela de nº 01 SEXO MASCULINO FEMININO Nº. DE INFORMANTES FREQÜÊNCIA NO MSN X SEMANA 07 RARAMENTE 18 DIARIAMENTE 02 FINAIS DE SEMANA Nº. DE USUÁRIOS SIMULTANEAMENTE A A A A 12 COMUNICAÇÃO COMPLETA 15 SIM 05 NÃO 09 SIM 11 NÃO PERDA NA ORGANIZAÇÃO DAS IDÉIAS, FORA DO MSN. TODOS DISSERAM QUE SIM TODAS DISSERAM QUE SIM Através desses resultados, vimos que as meninas freqüentam mais o MSN, e, também, interagem, simultaneamente, com um número maior de amigos on line. No que se refere à comunicação completa, os meninos acreditam que completam mais que as meninas. Acreditamos que isso se dá pela quantidade de pessoas com quem elas interagem. Dessa forma, fica claro, conforme, eles mesmos disseram que estão transferindo essa forma de comunicação para os seus textos acadêmicos e os debates que os seus professores lhes propõem. 6. ANÁLISE CRÍTICO TEXTUAL Aqui, apresentamos uma conversa entre dois adolescentes, apresentação essa permitida por eles. Enumeramos cada fala para facilitar a compreensão da nossa viagem ao analisar algumas passagens pertinentes ao nosso objeto de estudo, e deixamos da forma original que as conversa se apresentam as cores, pois elas dão destaque a cada falante Nosso Corpus A conversa entre Emerson e Hevellyn: 1. emerson diz: vai xoverrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr 2. emerson diz: aleluiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa emerson acabou de pedir a sua atenção.

7 emerson acabou de pedir a sua atenção. 3. Hevellyn Janira diz: Oiiiiiiii 4. Hevellyn Janira diz: tava aqui não 5. emerson diz: e tava onde? 6. emerson diz: tu tá em ksa é? 7. Hevellyn Janira diz: nem sabia q tu tava online 8. Hevellyn Janira diz: é 9. Hevellyn Janira diz: tá em q lan house 10. emerson diz: na da dir 11. Hevellyn Janira diz: eu tava assistindo tv ai a minha tia me disse q tú tava conversando comigo 12. Hevellyn Janira diz: e eu tinha deixado o meu msn online 13. emerson diz: blz 14. Hevellyn Janira diz: faz tempo q tú tais aí???????? 15. Hevellyn Janira diz: tem emoticons mais não é?????? 16. emerson diz: tenho naum 17. emerson diz: faz emerson diz: minuto 19. Hevellyn Janira diz: blz 20. emerson diz: tem muita gente no teu?

8 21. Hevellyn Janira diz: nam 22. Hevellyn Janira diz: eu nem sabia q tú tava online 23. emerson diz: danouse 24. emerson diz: eu pedi atencao q só 25. Hevellyn Janira diz: eu tava asistindo 26. Hevellyn Janira diz: e deixei o msn ativado 27. emerson diz: blzinha 28. Hevellyn Janira diz: depois a minha tia me disse 29. Hevellyn Janira diz: tirou essa foto com o celular ou a máquina??????? 30. emerson diz: certu 31. emerson diz: mas fazia um tempao q tu naum entrava naum foi 32. Hevellyn Janira diz: foi 33. emerson diz: camera digital 34. emerson diz: minha 35. Hevellyn Janira diz: eu tinha esquecido a minha senha 36. emerson diz: e foi 37. emerson diz: kkkkkkkkkkkkkkkk 38. emerson diz: como lembrou? 39. Hevellyn Janira diz: depois de muita tentativa foi que eu acertei

9 40. emerson diz: q resenha 41. Hevellyn Janira diz: eu botava cada besteira que nem eu sabia se tava certo ou naum 42. Hevellyn Janira diz: a do msn 43. emerson diz: kkkkkkk 44. emerson diz: e o tho tem falado com ele naum 45. Hevellyn Janira diz: tenho 46. Hevellyn Janira diz: ele naum veio esse final de semana por que tava participando dos jogos internos 47. emerson diz: um 48. Hevellyn Janira diz: eu tinha ficado de falar com ele de tarde mas ele naum entrou 49. emerson diz: o tho é doido 50. Hevellyn Janira diz: nos jogos da natação ele tinha ficado em terceiro lugar mas na final ele disse que perdeu prum guayzinho 51. emerson diz: kkkkkk 52. emerson diz: ta muito bom a vida dele 53. Hevellyn Janira diz: ele disse q tinha uns cavalos veio lá mas na final aconteceu 54. Hevellyn Janira diz: tem muita gente no teu??????????? 55. emerson diz: tem Hevellyn Janira diz: e le ainda reclama que lá é ruim 57. Hevellyn Janira diz: tendo o que ele tem eu tava feliz da vida 58. emerson diz: é verdade

10 59. Hevellyn Janira diz: quase todo final de semana almoçando fora, indo a praias diferentes 60. Hevellyn Janira diz: naum tem de q reclama 61. emerson diz: ummmmmmmmmm 62. emerson diz: oia meu tempo acabou 63. emerson diz: fuiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii 64. Hevellyn Janira diz: tchau 65. emerson diz: xau Como está nesse Corpus, esses adolescentes conversam, mas não completam a comunicação, pois a Hevellyn (Cf. Linhas 11, 12, 25, 26, 28 e 29) ao se justificar por não ter visto o pedido de atenção de Emerson, e, após inúmeras falas, recebe um certu (Linha 30), que se refere à aceitação das desculpas pedidas, de uma forma indireta, por ela. Ela, inclusive, é repetitiva nas suas colocações de ausência (Veja as linhas 35, 39, 41, e 42 (o complemento da 41)). Na linha 50, temos a fala... mas na final ele disse que perdeu prum guayzinho, onde encontramos nesses dois últimos signos lingüísticos uma interpretação duvidosa: encontrou uma pessoa mais preparada do que ele? Talvez, nós não entendemos porque não vivemos com esse tipo de linguagem, como diz Ong (1989), a segunda oralidade, mas será que de tanto usar essa nova modalidade oral refletida por esse autor, esses usuários de MSN, não vão levar para a sua sala de aula? Já, na linha 54, ela pergunta: tem muita gente no teu????????, o que nos faz entender que é a quantidade de pessoas que com ele está conversando. Notamos aí, talvez devido à rapidez da interação, no MSN, que ele já havia realizado essa questão na linha 20, mas ela só retorna a pergunta para ele, na 54. Isso é, de fato, válido nesse tipo de conversação, mas levar para as suas ações acadêmicas, é complicado, pois estão, de fato, fragmentando as suas colocações. Fazendo, assim, diariamente, e com inúmeros amigos, 02 (dois) a 12 (doze), conforme algumas informantes disseram na pesquisa de campo, não vão levar para o seu cotidiano nas suas salas de aula? Não é isso que já está acontecendo? Os nossos alunos interagem em debates com meias palavras, os seus textos redacionais, de uma forma geral, não têm fundamentação pertinente, mesmo com tantas informações na Internet etc. Inclusive, na última questão da nossa pesquisa de campo (Você acredita que poderá haver uma perda na organização das idéias, fora do convívio do MSN? Por exemplo: nos textos redacionais, nos debates sobre algum assunto em sala de aula, etc.? Por quê?), todos os 40 (quarenta) informantes declararam ter, realmente, uma queda na organização das suas idéias em diversas ocasiões que eles têm sido solicitado.

11 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Verificamos, nesta pesquisa, que cada falante no MSN procurou se comunicar completamente, mas devido à própria forma que eles têm, fica a desejar, fora do MSN, quando solicitados em debates de temas diversificados e em escritura de redações diversas. Com relação às habilidades de compreensão, constatamos que, na maioria das falas analisadas, parece que os seus locutores (Utilizamos as aspas para diferenciar dos locutores face a face, já que a conversa no MSN também faz parte de oralidade) respondem aquilo que conseguem captar rapidamente, já que tem 04 usuários na comunicação com o Emerson. Também, essa falha acontece, geralmente, com os nossos informantes ao afirmarem, na pesquisa de campo que conversam, simultaneamente, com 04 a 12 usuários. Eles têm consciência que deixam de responder inúmeras perguntas e de confirmar / negar vários comentários, mas não percebem o prejuízo que estão tento no seu desenvolvimento lingüístico textual oral e escrito, já que vários fazem assim, quase diariamente. Em fim, vemos que o uso do MSN não só traz problemas aos nossos jovens, mas, no que se refere à relação interpessoal, eles estão de parabéns, pois se saem muito bem nas suas conversas diárias. Também, entendemos que, de certa forma, houve uma recuperação do discurso oral, da retórica, sem o seu caráter enganoso, permitindo resgatar a dinamicidade, espontaneidade, a facilidade e franqueza do diálogo interpessoal. É necessário, portanto, que eles tenham consciência que precisam buscar, não só essa relação, mais também informações diversas ao seu crescimento profissional. 8. REFERÊNCIAS BAIRON, S. Multimídia. São Paulo: Global, BOLTER, J. D. Writing Space. The computer, hypertext and the history of writing. Hillsdale N.J., Lawrence Erlbaum Associates, DOMINGUES, Diana (org). A Arte no Século XXI A humanização das Tecnologias. São Paulo: UNESP, KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A produção de inferências e sua contribuição na construção do sentido. DELTA, v. 9, p , (Número especial). LÉVY, Pierre. A ideografia dinâmica: rumo a uma inteligência artificial? São Paulo: Edições Loyola, LEVINSOHN, S.H. e DOOLEY, R.A. Análise do Discurso conceitos básicos em lingüística. 2ª Edição. Petrópolis: Editora Vozes, MARCUSCHI, L.A. Linearização, Cognição e Referência: o desafio do hipertexto. In: Línguas e Instrumentos Lingüísticos, n. 3, Campinas/SP: Pontes, ONG, Walter. Orality and Literacy The Technology of the Word. London and New York: Routledge, 1989.

Faculdade de Belford Roxo-RJ (FABEL). Professor do Ensino Fundamental e Médio das redes Municipal e Estadual do Rio de Janeiro.

Faculdade de Belford Roxo-RJ (FABEL). Professor do Ensino Fundamental e Médio das redes Municipal e Estadual do Rio de Janeiro. GÊNEROS TEXTUAIS EM AMBIENTE VIRTUAL Victor Luiz da Silveira 1 Marise Ferreira da Motta 2 Introdução Atualmente temos observado o surgimento de novas modalidades comunicativas, as quais se refletem nas

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A INTERCULTURALIDADE E SEUS REFLEXOS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DE ALUNOS DESCENDENTES DE POMERANOS Tatiani Ramos (UFES) tateletras@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Segundo Costa Val (1997), o texto é uma unidade de

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL REBECCA TAVARES DE MELO TOSCANO DE BRITO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA). Resumo Nos dias atuais a prática da leitura está se tornando cada vez mais rara

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE PORTAIS DE NOTÍCIAS E HIPERTEXTUALIDADE*

A RELAÇÃO ENTRE PORTAIS DE NOTÍCIAS E HIPERTEXTUALIDADE* A RELAÇÃO ENTRE PORTAIS DE NOTÍCIAS E HIPERTEXTUALIDADE* Maria Lourdilene Vieira Barbosa UFMA Emanoel Barbosa de Sousa UFPI Resumo: O valor social do hipertexto na sociedade digital tem despertado bastantes

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM Mayara Myrthes Henriques Santos Universidade Estadual da Paraíba, mayara.mhs@gmail.com RESUMO: O processo de ensino e aprendizagem

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos UMA ANÁLISE DOS GÊNEROS DIGITAIS PRESENTES NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute os gêneros digitais que são abordados

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

Leitura e Escrita do Gênero Notícia em Ambiente Virtual 1

Leitura e Escrita do Gênero Notícia em Ambiente Virtual 1 Leitura e Escrita do Gênero Notícia em Ambiente Virtual 1 Andre Cordeiro dos Santos 2 (UFRPE-UAG/CAPES) Resumo: Este trabalho trata da leitura e da escrita do gênero notícia em ambiente virtual para formar

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Reescrita. Análise linguística. Celular.

PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Reescrita. Análise linguística. Celular. A ESCRITA EM SUPORTES DIFERENTES: FOLHA DE PAPEL E CELULAR* Ednéia Aparecida Bernardineli BERNINI (PG-UEL) 1 RESUMO: Mesmo ouvindo-se um discurso de que os alunos não leem, nem escrevem, podemos observar

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

Educação para o mundo de hoje. André Caldeira Vice-Presidente de Tecnologia Educacional Positivo Informática

Educação para o mundo de hoje. André Caldeira Vice-Presidente de Tecnologia Educacional Positivo Informática Educação para o mundo de hoje. André Caldeira Vice-Presidente de Tecnologia Educacional Positivo Informática 1 OO O Mundo está mudando numa velocidade muito grande. Temos que entender isso muito bem. Como

Leia mais

Nas ondas do rádio produção de programa na Web

Nas ondas do rádio produção de programa na Web Nas ondas do rádio produção de programa na Web O rádio chegou ao Brasil na festa de centenário da Independência, em 7 de setembro de 1922. Hoje é um meio de comunicação amplamente difundido em nosso país,

Leia mais

O USO DO E-MAIL COMO FERRAMENTA DE APOIO A PRODUÇÃO ESCRITA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA.

O USO DO E-MAIL COMO FERRAMENTA DE APOIO A PRODUÇÃO ESCRITA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA. O USO DO E-MAIL COMO FERRAMENTA DE APOIO A PRODUÇÃO ESCRITA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA. RESUMO Autor(a): Maria Janaína Silva de Luna Coautor(es): Enio Tavares Email: janainaluna@hotmail.com Destaca a importância

Leia mais

PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS

PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS Autor Júnior Alves Feitosa Faculdades Integradas de Patos Alvesjunior338@gmail.com coutora Prof.ª Ms.Maria do

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 E-MAIL: UM GÊNERO TEXTUAL A SER APRESENTADO NA ESCOLA Cassia Teixeira (UERJ) kassiarteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO Sabemos que a comunicação faz parte das necessidades do homem. E desde as civilizações

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] 1

Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] 1 Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] Categorias Apresentação do instrumento [-] Mobilidade/ portabilidade [,] 0 0 Transcrição Alguns

Leia mais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Renise Cristina Santos (UFMG) 1 Introdução Este trabalho apresenta dados parciais da pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida

Leia mais

Jornal na sala de aula

Jornal na sala de aula Professora Orientadora: Silvânia Maria da Silva Amorim Cruz Titulação: Pós-graduada em Língua Portuguesa Instituição: Escola Estadual Cônego Olímpio Torres Tuparetama/PE E-mail: silvania26@bol.com.br Jornal

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem

Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem Este Caderno de Anotações é usado para o do Programa Intel Educar. No decorrer do curso você pode registrar seus pensamentos on-line ou em uma cópia impressa

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

Web 2.0: a nova internet é uma plataforma

Web 2.0: a nova internet é uma plataforma Página 1 de 5 Mídia interativa - Comportamento - Criação - Web 2.0 Web 2.0: a nova internet é uma plataforma 07/12/2005 0:00 Por: Gilberto Alves Jr. Os empreendimentos na internet que deram certo pensam

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online?

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? Edgar Marcucci Reis 1 Jéssica Naiara dos Santos Batista 2 Resumo: O artigo apresenta uma visão sobre os ambientes online encontrados

Leia mais

A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE *

A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE * 1 A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE * Valéria Jane Siqueira Loureiro (Universidade Federal de Sergipe) RESUMO: Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Barton, D., & Hamilton, m. (1998). Local Literacies. Reading and Writing in one Community.

Barton, D., & Hamilton, m. (1998). Local Literacies. Reading and Writing in one Community. Revista Portuguesa de Educação, 2011, 24(2), pp. 267-272 2011, CIEd - Universidade do Minho Barton, D., & Hamilton, m. (1998). Local Literacies. Reading and Writing in one Community. london/new York: routledge.

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

BLOGS NA ESCOLA: UMA ALTERNATIVA Carmen Pimentel (UERJ) carmenpimentel00@gmail.com

BLOGS NA ESCOLA: UMA ALTERNATIVA Carmen Pimentel (UERJ) carmenpimentel00@gmail.com BLOGS NA ESCOLA: UMA ALTERNATIVA Carmen Pimentel (UERJ) carmenpimentel00@gmail.com A escola é um espaço de produção de conhecimento por excelência. Tal produção utiliza a língua escrita como modalidade

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Características do jornalismo on-line

Características do jornalismo on-line Fragmentos do artigo de José Antonio Meira da Rocha professor de Jornalismo Gráfico no CESNORS/Universidade Federal de Santa Maria. Instantaneidade O grau de instantaneidade a capacidade de transmitir

Leia mais

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante:

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante: Módulo A Introdutório - Bases legais, ao Curso políticas, e ao conceituais Ambiente Virtual e históricas da educação Apresentação Este módulo tem por objetivo promover o conhecimento do Ambiente Virtual

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Breves notas sobre o desafio das novas tecnologias na leitura e produção textual na escola básica Sandro Luis da Silva 1. Resumo

Breves notas sobre o desafio das novas tecnologias na leitura e produção textual na escola básica Sandro Luis da Silva 1. Resumo Breves notas sobre o desafio das novas tecnologias na leitura e produção textual na escola básica Sandro Luis da Silva 1 Resumo O tema educação e novas tecnologias tem despertado cada vez mais o olhar

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos FÓRUNS DE DISCUSSÃO NA EaD: INTERAÇÃO, LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevfaraujo@gmail.com Márcio Luiz Côrrea Vilaça (UNIGRANRIO)

Leia mais

Alan Kay: For users, the user interface is the program

Alan Kay: For users, the user interface is the program O que é Interface Interface Ambiente onde se dá a comunicação com os usuários do sistema. A introdução de uma ferramenta de informática interativa em um ambiente de trabalho, modifica a realização da tarefa

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 Naziozênio A. LACERDA (UFPI/UFMG) 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho é relatar uma experiência de uso da tecnologia do hipertexto

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA, HIPERTEXTO E USO DE NOVAS TECNOLOGIAS

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA, HIPERTEXTO E USO DE NOVAS TECNOLOGIAS ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA, HIPERTEXTO E USO DE NOVAS TECNOLOGIAS 1 O artigo apresenta algumas noções sobre possibilidades de a escola utilizar as novas tecnologias em favor de uma aprendizagem mais efetiva

Leia mais

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo Artigo Apoio tecnológico para treinamento vocacional Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online Rodrigo Laiola Guimarães*, Andrea Britto Mattos**, Victor Martinêz***, Flávio

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

REDES SOCIAIS: UM IMPULSO NO PROCESSO DE APRENDIZAGE NA PRODUÇÃO ESCIRTA EM LÍNGUA PORTUGUESA

REDES SOCIAIS: UM IMPULSO NO PROCESSO DE APRENDIZAGE NA PRODUÇÃO ESCIRTA EM LÍNGUA PORTUGUESA REDES SOCIAIS: UM IMPULSO NO PROCESSO DE APRENDIZAGE NA PRODUÇÃO ESCIRTA EM LÍNGUA PORTUGUESA Aluizio Lendl-Bezerra 1 (UECE) Paula de Sousa Costa 2 (IFCE) Resumo: Nosso trabalho centra-se na utilização

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

OS PROFESSORES FRENTE À INTERNET: UMA ANÁLISE DO INTERNETÊS

OS PROFESSORES FRENTE À INTERNET: UMA ANÁLISE DO INTERNETÊS OS PROFESSORES FRENTE À INTERNET: UMA ANÁLISE DO INTERNETÊS Resumo: Neste artigo apresentamos análises preliminares de uma pesquisa feita da escrita, a qual vem sendo denominada internetês. A motivação

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

Carta do editor. Linguagem & Ensino, Vol. 7, No.2, 2004 (11-16) LARVAS OU BORBOLETAS?

Carta do editor. Linguagem & Ensino, Vol. 7, No.2, 2004 (11-16) LARVAS OU BORBOLETAS? Linguagem & Ensino, Vol. 7, No.2, 2004 (11-16) Carta do editor LARVAS OU BORBOLETAS? À medida que fui preparando os textos para esta edição de Linguagem & Ensino, fui me dando conta de que perpassa os

Leia mais

6. Discussão sobre as análises

6. Discussão sobre as análises 6. Discussão sobre as análises Meu objetivo neste capítulo é rever as questões de pesquisa propostas no trabalho e procurar respondê-las com base nas análises dos textos dos aprendizes, associadas aos

Leia mais

INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA

INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA Autor(a): Carmem Lúcia de Oliveira Marinho Coautor(es): Bernadete Cordeiro Moreira Pessanha Email: carmemmarinho@yahoo.com.br Introdução O ser humano é um ser social

Leia mais

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP Contacto: erisson.pitta@mj.gov.br Telefono: 5561 2025 8991 Prezado(a)

Leia mais

6 Análise de necessidades

6 Análise de necessidades 55 6 Análise de necessidades Este capítulo apresenta os dados obtidos através do questionário mencionado no capítulo 5. Discuto o propósito de utilizá-lo para identificar as necessidades dos alunos. Em

Leia mais

A ANÁLISE DE CONTEÚDO NA PERSPECTIVA DE BARDIN: do rigor metodológico à descoberta de um caminho de significações

A ANÁLISE DE CONTEÚDO NA PERSPECTIVA DE BARDIN: do rigor metodológico à descoberta de um caminho de significações A ANÁLISE DE CONTEÚDO NA PERSPECTIVA DE BARDIN: do rigor metodológico à descoberta de um caminho de significações Cátia Cilene Farago 1 Eduardo Fofonca 2 Análise de Conteúdo, em edição revista e atualizada,

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

II Seminário Nacional em Estudos da Linguagem: 06 a 08 de outubro de 2010

II Seminário Nacional em Estudos da Linguagem: 06 a 08 de outubro de 2010 A TEXTUALIDADE NAS REDAÇÕES DE COTISTAS E NÃO-COTISTAS NO VESTIBULAR DA UNIOESTE 2009 FRANCESCON, Paula Kracker (G UNIOESTE) FERNANDES, Rosana Becker (Prof ª. Orientadora / UNIOESTE) RESUMO: Este trabalho

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas.

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas. TROCAS NA INTERNET COM ESPAÇOSTEMPOS CURRICULARES CALDAS, Alessandra da Costa Barbosa Nunes UERJ ANDRADE, Nivea Maria da Silva UERJ CORDEIRO, Rosangela Lannes Couto UERJ GT-12: Currículo Agência Financiadora:

Leia mais

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá!

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá! Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento Olá! Seja bem- vindo ao Curso de Especialização Formação Integrada Multiprofissional em Educação Permanente em Saúde Educação Permanente em Saúde

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

Produção de saberes através de redes sociais na internet

Produção de saberes através de redes sociais na internet Produção de saberes através de redes sociais na internet Adriana Batista Bastos Ananda Alves de Souza Eliene Machado Santana Robério Pereira Barreto Introdução Resumo: O presente trabalho discute as possibilidades

Leia mais

USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA

USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA Anderson Ricardo Yanzer Cabral Resumo Em instituições que trabalham com o desenvolvimento de cursos e treinamentos a distância um dos grandes desafios

Leia mais

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico.

Leia mais