Demandas do Programa anual de Pesquisa e Desenvolvimento da CEMIG ano 2011/2012. Tema: Meio Ambiente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Demandas do Programa anual de Pesquisa e Desenvolvimento da CEMIG ano 2011/2012. Tema: Meio Ambiente"

Transcrição

1 Demandas do Programa anual de Pesquisa e Desenvolvimento da CEMIG ano 2011/2012 Tema: Meio Ambiente Avaliação da dinâmica migratória de espécies de peixes nativos da bacia do Rio Jequitinhonha com ênfase na avaliação de viabilidade de sistemas de transposição para a UHE Irapé Avaliação da necessidade ou não de implantação de um Sistema de Transposição de Peixes na UHE Irapé. Ictiologia Ecologia Utilização de métodos de coleta e rastreamento de peixes, mapeamento de sítios reprodutivos e alimentares com vistas á avaliação da dinâmica migratória de espécies de peixes nativos da bacia do Rio Jequitinhonha com ênfase na avaliação de viabilidade de sistemas de transposição para a UHE Irapé Plano de manejo da espécies migradoras/ Relatório Desenvolvimento de índices de integridade biótica como indicador de qualidade da água para o estado de Minas Gerais Metodologia para a criação de indicadores ambientais na avaliação integrada da qualidade de ambientes fluviais Limnologia Ictiologia Ecologia Hidrologia Geoprocessamento Utilização de parâmetros e métricas biológicas, hidrológicas e físico-químicas do ambiente aquático para construção de índices que mensurem a qualidade ambiental de pontos dentro de uma bacia hidrográfica Metodologia de gestão de bacias hidrográficas

2 1.3 - Avaliação da efetividade dos reflorestamentos Ciliares realizados nos reservatórios da Cemig nos últimos 20 anos, com ênfase na regeneração da flora, atratividade de espécimes da fauna, aumento efetivo da biodiversidade e sustentabilidade da floresta implantada. Avaliação das metodologias aplicadas a implantação de matas ciliares e soluções técnicas às deficiências verificadas. Geoprocessamento Ecologia Sustentabilidade Construção de Índices que mensurem a efetividade dos reflorestamentos ciliares implantados, baseado em parâmetros e métricas florestais, mensurando e apresentando informações para a gestão ambiental das áreas de APP e subsídios para argumentações juntos aos órgãos ambientais Estaduais e Federal e ao Ministério Público. Metodologia de gestão de APPs e apresentação de dados aos órgãos ambientais Desenvolvimento de Metodologia de Prospecção e Salvamento Arqueológico Específicos para o Setor Elétrico Ausência de metodologia específica para otimizar os esforços empreendidos nos estudo arqueológicos e guarda de material de empreendimentos do setor elétrico: Linhas, Subestações e Usinas. Arqueologia, Resgate Arqueológico Desenvolvimento de metodologia de trabalho de prospecção e salvamento para atendimento às crescentes exigências relativas ao patrimônio histórico e artístico relacionadas ao processo de regularização da expanção ou implantação de empreendimentos do setor elétrico, otimizando esforços e qualificando os processos de obtenção de autorizações relativas ao tema. Metodologia de Prospecção e Salvamento Arqueológico Específicos para o Setor Elétrico

3 Tema: Gestão de bacias Potencializar o uso do Radar Meteorológico com aplicações à hidrometeorologia. Relação ZR Alcance Efetivo Saída para modelos hidrológicos Hidrometeorologia Operação do Sistema Elétrico e Eficiência Energética O radar meteorológico é, atualmente, uma das mais poderosas ferramentas para monitoramento e previsão de tempo de curtíssimo prazo. Entretanto, a sua utilização de maneira eficiente está diretamente ligada à realização de pesquisas que englobam o próprio avanço no conhecimento da região que será monitorada. Todos os radares utilizam-se de uma relação entre o fator de refletividade do radar (Z) e a taxa de precipitação (R). Esta relação depende de vários fatores como origem e tipo de precipitação, da distribuição das gotas de chuva, seu tamanho, condições meteorológicas, localização, etc., não existindo nenhuma relação ZR universal. Portanto, para aumentar a eficiência do radar é necessário realizar pesquisas sobre qual a melhor relação ZR aplicável ao radar banda C com dupla polarização que será instalado pela CEMIG. Esta pesquisa deverá escolher a relação ZR que leve em conta o efeito da distância ao radar, determinando a eficiência da relação ZR com esta distância, diminuindo possíveis erros. Deve verificar também sua eficiência com relação às estações do ano, período do dia e tipo de precipitação. Os resultados deverão ser expresso em área, preferencialmente por bacia hidrográfica, para fins de aplicação em modelos hidrológicos. Novo Produto (precipitação por área para modelagem hidrológica) Novo Processo (Relação ZR inédita para aplicações a modelos banda C com dupla polarização) Estudos da eficiência das barreiras físicas na retenção de sedimentos e proteção das estruturas hidráulicas, através de estudo em modelo reduzido. Redução da capacidade operativa e vida útil das estruturas hidráulicas de usinas hidrelétricas em função de acúmulo de sedimentos no reservatório. Planejamento Energético, Geração, Meio Ambiente, Manutenção de Barragens Estudar os diversos tipos de barreiras físicas avaliando sua eficiência na retenção de sedimentos em função das características do local de implantação, tais como

4 estruturas hidráulicas, vazões, conformação do vale, tipo de sedimentos, materiais disponíveis, através de modelo hidráulico reduzido Nova metodologia para projeto eficientes Sistema especialista de auxílio á tomada de decisões em situações de emergência envolvendo barragens e reservatórios Falta de um sistema de gerenciamento de emergências em casos de incidente e acidentes com barragens Planejamento da manutenção Civil e Segurança de Barragens; Hidrometeorologia; Sustentabilidade Sistema informatizado de auxílio a tomada de decisão em situações de emergência que permita integrar os diversos órgãos potencialmente envolvidos interna e externamente. Novo software e novo produto (com uso potencial por outros proprietários de barragens e órgãos públicos) Coleta remota e automática de dados de instrumentos de auscultação de barragens Conseguir dados em tempo real do comportamento das barragens Segurança de Barragens Conjuntos de Instrumentos de auscultação de uma barragem a ser definida deverão ser automatizados com sensores com o propósito de permitir a supervisão remota do comportamento das estruturas, através de um monitoramento online. Os usuários devem poder configurar a freqüência de coleta das leituras, as quais serão transmitidas, processadas, armazenadas e apresentadas em um sistema especialista a ser desenvolvido, integrado também com o banco de dados atual da instrumentação civil de barragens. Novo produto (instrumentos automatizados); Novo software (processamento, armazenamento dos dados coletados) Elaborar metodologia de consistência de dados operativos de postos e reservatórios através de sistema de informática on line.

5 Os dados de vazão e nível dos reservatórios e rios, são cada dia mais imprescindíveis para a definição das séries de vazão, determinação do potencial hidráulico e conseqüente da receita das empresas de geração. A inconsistência de dados pode levar a prejuízos assim como no não aproveitamento ideal do empreendimento atual ou dos futuros. A variável meteorológica também é muito importante e dessa forma os dados também devem ser consistidos. Existe uma diversidade de modelos de previsão de vazão e precipitação, em sistemas diferentes que não interagem o que dificulta a utilização da informação por todos. O sistema proposto deveria integrar-se com os diversos sistemas existentes. Desenvolvimento de sistemas especialistas, hidrologia, Infra estrutura de TI Determinar a metodologia de consistência de dados para cada reservatório da CEMIG, em tempo real. Auxiliar a previsão de vazão aos reservatórios, integrando-se os diversos modelos de previsão. Determinar a metodologia de consistência de dados climatológicos e fluviométricos dos postos da rede telemétrica. Elaborar sistema informatizado baseado em PI System e SharePoint, para visualização dos dados e tratamento das informações. Consistir os dados de geração dos empreendimentos da CEMIG, através das diversas fontes disponíveis. novo processo, novo software Implementação de sistema integrador de informações e modelos hidrometeorológicos, com operação em tempo real. Dar agilidade ao processo de simulações para atendimento às demandas de operação de reservatórios durante o período de cheia. Possibilitando a utilização de uma única ferramenta que sincronize o processo de aquisição de previsões meteorológicas, informações hidrometerológicas em tempo real, modelos de simulação hidrológica, modelos de simulação hidráulica e a visualização dos efeitos das vazões resultantes nas áreas a jusante dos empreendimentos. Permitindo, assim, tomadas de decisão mais ágeis possibilitando a emissão de alertas e a diminuição dos prejuízos potenciais que ocorreriam em comunidades. Desenvolvimento de sistemas; operação de reservatórios; controle de cheias; monitoramento hidrometeorológico; modelagem hidrológica; modelagem hidráulica, Sistemas de informações geográficas GIS Implantar um sistema integrador, com operação em tempo real, que permita acoplar o sistema de coleta de dados hidrometeorológicos em tempo real (STH, já existente na Cemig), saídas de modelos meteorológicos com vários cenários de previsão de precipitação, alimentando modelos hidrológicos de simulação chuva-vazão em bacias hidrográficas e realizar a propagação hidráulica dos hidrogramas resultantes em sistemas fluviais (rios e reservatórios), inclusive em áreas urbanas. Esse seria o

6 primeiro ponto de inovação, com a implementação de uma tecnologia internacional, o Delft Fews- Deltares da Holanda à quatro usinas da CEMIG, duas GCHs e duas PCHs, de forma a dar generalidade ao experimento e possibilitar sua aplicação futura nos demais empreendimentos da CEMIG. O segundo ponto de inovação será definir uma metodologia para avaliação das restrições de vazão, a partir de levantamento topográfico com Laser Scanning dessas áreas, preparação da base cartográfica e acoplamento dessa base aos demais modelos de forma que permita avaliar as áreas atingidas nas cidades para as vazões simuladas nos modelos. Novo Processo Sistema de aquisição e gestão de dados hidrometeorológicos e energéticos para suporte à tomada de decisão na operação hidroenergética de reservatórios. Na operação de reservatórios decisões são tomadas a todo instante e são mais precisas quanto mais informações de suporte estão disponíveis. Esse sistema tem então o objetivo de prover o decisor de informações em tempo real principalmente em condições meteorológicas adversas quando defesa civil e comunidades devem ser prontamente avisadas sobre as consequências da operação. Desenvolvimento de sistemas; operação de reservatórios; controle de cheias;monitoramento hidrometeorológico;simulação da operação hidráulica de reservatórios Desenvolvimento de um sistema de telemetria hidrometeorológica (STH) com a finalidade de adquirir, processar, visualizar (em sistemas de informações geográficas, gráficos e planilhas) e tratar informações de estado de grandezas hidrológicas de rios e reservatórios e estações climatológicas, baseados em banco de dados temporal (PI System) com utilização de ferramentas cliente e portal em Share Point (Microsoft). Esse sistema disponibilizará informações (dados calculados e medidos) de tempo real e de histórico, enviará dados para entidades externas, consistirá dados operativos, realizará simulações de reservatório e integração com modelos de propagação e previsão de vazão. Novo software

7 Tema: Fontes alternativas Arranjos alternativos para geração eólica. A inconsistência de dados pode levar a prejuízos assim como no não aproveitamento ideal do empreendimento atual ou dos futuros. Novos equipamentos; Geração eólica; Geração distribuída Desenvolvimento de turbina eólica de eixo vertical e pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Serão feitos ensaios de rendimento do equipamento e alcançado melhor arranjo aerodinâmico, bem como estudos de interferência aerodinâmica entre grupos geradores, através de estudos em túnel de vento a ser implementado para o projeto. Construção de protótipos, podendo chegar a eventual cabeça de série. Produção de equipamentos de custo competitivo para geração distribuída. existe a possibilidade de aplicar a tecnologia em aerogeradores de grande porte (> 5MW), uma vez que referências a indicam como mais apropriada para grandes potências unitárias (por aerogerador) do que a tecnologia empregada em larga escala atualmente, de máquinas de eixo horizontal Aproveitamento energético de biomassa e resíduos. A variável meteorológica também é muito importante e dessa forma os dados também devem ser consistidos. Novos equipamentos, Geração térmica, Geração distribuída. Desenvolvimento de equipamentos geradores de vapor a partir da queima de resíduos ou derivados de biomassa e de pequenos turbogeradores a vapor. Deverão ser realizados testes de eficiência, construção de protótipos, cabeça de série. Deverá ser montada unidade piloto onde será avaliada o consumo de resíduos a quantidade de energia gerada e viabilidade econômica da instalação. Nacionalização de tecnologia de novos equipamentos e de alternativas para geração de energia elétrica a partir da pirólise ou gaseificação de biomassa ou resíduos Otimização da produção de energia elétrica através da associação com o gás natural

8 Existe uma diversidade de modelos de previsão de vazão e precipitação, em sistemas diferentes que não interagem o que dificulta a utilização da informação por todos. O sistema proposto deveria integrar-se com os diversos sistemas existentes. Universidade (Engenharias: mecânica, química, elétrica); Fabricantes de equipamentos para UTE; Empresas que tenham disponibilidade de energéticos ou para cogeração. Otimização da produção de energia elétrica através da associação com o gás natural (siderurgia, carvoarias, plantas solares, resíduos de biomassa, cama de aviário, biodigestores etc., etc.). Cenários para geração elétrica a partir de gás natural em uso complementar otimizado com outros energéticos Desenvolvimento experimental, protótipos, planta piloto, novas configurações para sistema de geração integrada de energia Torres treliçadas para aerogeradores. Complexidade logística para transporte e montagem de torres convencionais (cônicotubulares em aço) para aerogeradores em terrenos montanhosos típicos do Estado de Minas Gerais. Geração eólica Desenvolvimento de torres treliçadas autoportantes para instalação de aerogeradores comerciais, com potência de 1,5 MW ou maiores. Modelagem matemática, construção de modelo em escala para verificação estrutural e ensaios em túnel de vento. Desenvolvimento de metodologia para transporte e montagem em campo. Novos equipamentos para geração eólica.

9 Tema: Perdas, Faturamento e Medição Desenvolvimento de Ferramenta Computacional para Cálculo e Previsão de Perdas globais, por alimentador e por transformador de distribuição. Falta de apuração de maneira confiável das perdas totais(técnicas e não-técnicas) de alimentadores e dificuldade de prever as perdas em função de grandezas de influência Engenharia Elétrica Sistema de Informação O projeto pode ser dividido em dois blocos de atividades principais: 1 - Desenvolver metodologia e ferramenta computacional que permita realizar a previsão mensal das perdas globais da CEMIG D considerando os parâmetros que impactam essa variável como previsão de mercado, previsão de despacho de usinas, calendário de faturamento, temperatura etc. 2- Desenvolver sistema computacional para realizar o cálculo mensal das perdas globais e não-técnicas por alimentador e por transformador de distribuição. *Em ambos os blocos de atividades deverá ser feito um estudo para higienização das bases de dados tanto georreferenciada quanto de faturamento. Novo software Metodologia

10 Tema: Planejamento da Expansão Metodologia para quantificação de riscos e definição de contingenciamentos em contratos de obras Incertezas nas definição e quantificação de riscos e dificuldade na determinação e valoração de contingenciamentos na contratação de obras, em especial dos riscos geológico-geotécnicos. Engenharias e demais áreas que contratam projetos e obras, sobretudo em regime EPC. Desenvolvimento de metodologia ou software que permita a redução do caráter qualitativo das avaliações de risco e definições de contingenciamento, em especial dos riscos geológico-geotécnicos. Nova metodologia ou software Desenvolvimento de metodologia para definição de sistemas de controle tensão e de compensação reativa no sistema elétrico para aplicação ao planejamento da Expansão. Controle de compensação reativa aplicada ao sistemas elétricos Engenharia Elétrica Controle de tensão e compensação reativa aplicada ao sistema de Distribuição e Transmissão Sistema: (Hardware e software), equipamento Solução para mitigar oscilações de tensão em sistemas de distribuição Oscilações de tensão no barramento da concessionária acima dos valores permitidos pela ANEEL. Valores altos de oscilações são passíveis de multas pelo órgão regulador do sistema elétrico, além de impedir a partida de motores e funcionamento de fornos a arco, fornos de indução e outras cargas que causam impacto no sistema. Podem também causar a atuação de dispositivos de proteção e o desligamento de equipamentos de SE e de geração.

11 Engenharia de Desenvolvimento de Sistemas; Sistemas de Administração dos Ativos; Área de Desenvolvimento de Aplicativos de controle e operação;planejamento de Média e Alta Tensão, Relações com o Cliente, Operações e Proteção. Os estudos clássicos para a mitigação de oscilações de tensão englobam as seguintes medidas: redução da impedância da LT da fonte à carga; isso é feito com a construção de circuitos de alimentação múltiplos ou o projeto de estruturas que diminuem a reatância indutiva das redes; Elevação da excitação de geradores; projeto de circuitos de manutenção de corrente de curto circuito dos geradores, utilizando amostras da corrente de "in rush" retificada para o reforço do campo dos geradores; instalação de transformadores em paralelo; a tecnologia atual prevê a construção de transformadores com comutação automática de derivações sob carga, com dispositivos de estado sólido (IGBT), A comutação na passagem por zero é isenta de arco e é feita com rapidez suficiente para mitigar a oscilação, o que não se consegue com os transformadores de SE comutados por sistemas eletromecânicos. Soluções dessa natureza focariam o atendimento de indústrias de mineração, situadas em pontos remotos e com dificuldade de partida de motores de moinhos e britadores (cargas que demandam alto conjugado de partida); indústrias metalúrgicas com fornos a arco e fornos de indução. Pequenas indústrias, como marmorarias, que também possuem cargas de impacto, como serras Análise de impacto da GD em redes BT. Preparar a distribuidora para acessantes a rede elétrica de BT Geração distribuída Desenvolver a nível nacional, modelo de implantação de geração distribuída em BT, focando a minimização de impactos para a distribuidora. Procedimento para conexão de GD em BT, focando a minimização de impacto para distribuidora.

12 Tema: Operação do Sistema Elétrico Sistema inteligente de controle integrado em tempo real de kvar em redes de distribuição O controle de reativos em uma rede de distribuição é feito de maneira descoordenada, mesmo havendo vários equipamentos telecontrolados nessa rede, gerando uma descoordenação no controle de tensão, aumento de perdas técnicas na rede, operação desnecessárias em RT s e Banco de Capacitores, sub aproveitamento da capacidade da rede, aquecimento desnecessário dos cabos, perda de faturamentos, etc. Engenharia Elétrica Desenvolvimento de um Sistema inteligente de controle integrado em tempo real de kvar em redes de distribuição, através da telecontrole de equipamentos de controle de tensão em redes (RT s em redes e SE s, Banco de capacitores em redes e SE s, DG s etc.). Novo software

13 Tema: Manutenção do Sistema Elétrico Desenvolvimento de sistema inteligente para auxilio ao diagnóstico preventivo e preditivo de ativos da GT e D Falta de um sistema com metodologia que permita estabelecer a condição de operação de ativos de G, T e D a partir da análise de dados de monitoramento. Engenharia Elétrica, Engenharia Química Sistema com metodologia ou Lógica que permita o estabelecimento da condição de operação e manutenção de equipamentos do sistema elétrico, tais como transformadores, reatores, unidades geradoras, integrando informações de manutenções preventivas e preditivas e dados de operação destes equipamentos. Sistema a ser integrado com o Módulo PM do SAP Novo software ou sistema Desenvolvimento de Sistema de apoio ao planejamento da manutenção visando a otimização do ciclo de vida do ativo Falta de um sistema com metodologia de tomada de decisão que permita a otimização do planejamento de médio e longo prazo da manutenção, considerando cenários, riscos e condições dos ativos e visando a otimização do ciclo de vida dos ativos de Geração e Transmissão Engenharia Elétrica, Manutenção Sistema integrador de informações de manutenção e operação com metodologia de tomada de decisão que permita a otimização do planejamento de médio e longo prazo da manutenção, considerando cenários, riscos e condições dos ativos e visando a otimização do ciclo de vida dos ativos de Geração e Transmissão, integrado ao Módulo PM do SAP. Nova metodologia ou sistema informatizado

14 7.3 - Sistema de diagnóstico e avaliação de vida útil de geradores Falta de uma metodologia e um sistema que possa auxiliar no diagnóstico e avaliação do estado do isolamento elétrico e condição dos geradores da CEMIG GT. Engenharia Elétrica Desenvolver uma metodologia e uma padronização para os ensaios e testes que são realizados nos geradores, compilando todos os resultados em um software que consiga processar os resultados e que indique um diagnóstico preciso da vida útil dos geradores. Metodologia Software Estudo de modernização de subestações de transmissão com ênfase na integração digital plena das funcionalidades e sistema de manutenção preditiva para todos os ativos. Perda de receita na transmissão por indisponibilidade de funções / equipamentos por falhas ou manutenções preventivas. Manutenção Preditiva; Digitalização; Monitoramento; Diagnóstico; Modernização de instalações. Estudo e implantação de uma modernização de uma subestação piloto, contemplando, pelo menos: supervisão e controle por meio óptico, sem cabos; modernização de todos os equipamentos para permitir a instalações de sensores e/ou IED para possibilitar diagnóstico pleno; Integração ao um CRMD - Centro Remoto de Monitoramento e Diagnóstico de Manutenção; Descrição do Plano de manutenção preditiva; Metodologia para análise técnico-econômica comparativa entre subestações convencionais e integralmente suportada por ferramentas de manutenção preditiva. Equipamento de Alta Tensão; Sistemas de Supervisão e Controle; Projetos de Subestação; Sistemas especialistas de manutenção; Processos de Manutenção.

15 Tema: Supervisão e Controle Desenvolvimento de uma GUI (Graphical Unique Interface) única para os sistemas de engenharia utilizados no Centro de Operação da Distribuição. Existência de várias interfaces com os usuários do COD para operação do sistema de distribuição, dificultando a utilização dos sistemas existentes (SCADA, GIS, WFM, OMS, etc.) Engenharia de Desenvolvimento de Sistemas; Sistemas de Informação; Desenvolvimento de aplicativos de controle e operação Desenvolvimento de uma GUI (Graphical Unique Interface) única para os sistemas de engenharia utilizados no Centro de Operação da Distribuição. Novo aplicativo; Nova metodologia Desenvolvimento de um sistema de videomonitoramento operacional com tratamento de imagens. Falta de confiabilidade na operação remota de chaves seccionadoras de subestações e vertedouro de usinas hidroelétricas. Engenharia Elétrica Engenharia de Controle e Automação. O Sistema de videomonitoramento deverá ser capaz de tratar imagens de câmeras instaladas em usinas e subestações, de forma a garantir a confiabilidade na operação remota de chaves seccionadoras e vertedouros. Sistema de videomonitoramento operacional (software e hardware), utilizando técnicas avançadas de tratamento de imagens.

16 Tema: Novas Topologias de LT s e RD s 9.1- Desenvolvimento de novas topologias de subestações, linhas e redes aéreas para minimizar o investimento de implantação, operação e manutenção Melhorar a rentabilidade no negócio GTD das empresas do grupo Cemig Engenharia Elétrica Engenharia Mecânica Engenharia Civil Regulatório Esperam-se propostas de desenvolvimento de novos materiais, produtos ou processos aplicáveis a implantação, à operação e à manutenção de linhas, subestações; espera-se que as propostas dos projetos possam se traduzir em ganhos de produtividades associados à redução de custo de implantação de empreendimentos de linhas, redes e subestações, ou durante o ciclo de vida dessas instalações. As propostas podem abranger um ou mais de um campo de conhecimento da área de interesse (Eng. Elétrica/Civil/Mecânica/Regulatório). Novo software, novo produto, novo materiais, novo processo Desenvolvimento de uma topologia compacta de torres de 138 kv compartilhadas com redes de 13,8 kv restrição de uso de novas faixas Engenharia Elétrica Engenharia Mecânica Socioambiental Regulatório Desenvolver uma Tipologia de Torre para 138 kv compartilhada com o 13.8 kv e que otimize os aspectos: 1.) elétricos ( campos elétrico e magnético no solo, perdas, ruídos RI e RA); 2). Desempenho Elétrico ( aplicação de pára-raios de ZnO, aterramento elétrico e arranjos de cabos pára-raios; modelagem para fenômenos de alta freqüência e Coordenação de Isolamento 3) mecânico balanço do condutor, flechas; 4). Estrutural : análises para definição da estrutura, suportes e ferragem; 5). Econômica( VPL para o tempo previsto de existência da LD/LT). 6). Interferência Eletromagnéticas: Dutos, tubulações em geral, ( aspectos de corrosão, perdas de massa, proteção catódica, controle de tensão em partes metálicas expostas.

17 Software com inteligência para as análises otimizadas e avaliação de desempenho da Nova tipologia de Torre Desenvolvimento de topologias Smart-Grid para alta-tensão (maior ou igual a 13,8 kv) 1) Exploração dos Ativos de Alta Tensão; e 2) Aumentar a segurança operacional dos Ativos na Alta Tensão Telecomunicação Engenharia Elétrica Desenvolver novos sistemas e equipamentos para controle e automação dos sistemas elétricos na alta tensão com foco no aumento de capacidade de trabalho dos equipamentos tradicionais, agregando aumento de segurança por meio da supervisão em tempo real da operação assistida com técnicas de inteligência computacional. novo software, novo produto, novo materiais, novo processo

18 Tema: Novos equipamentos Desenvolvimento novo condutor anti-tracking para redes compactas e levantamento das características elétrica da rede compacta, para analise do desempenho das estruturas. Trilhamenro elétrico nos condutores da rede compacta devido a atmosferas salinas, poeiras, contato com arborização e objetos. Falta de definição do modelo elétrico da rede compacta, ex : NBI, e outros parâmetros. Engenharia Elétrica Órgão Regulatório Engenharia Química Engenharia de Materiais Ambiental O condutor a ser desenvolvido deverá possuir maior suportabilidade ao trilhamento elétrico, frente aos condutores encontrados atualmente no mercado. O levantamento das características permitirá avanços no desempenho das redes compactas Material poderá ser utilizado em variadas aplicações em redes aéreas de distribuição. Os modelos elétricos guiarão alterações nas estruturas, sendo aplicável em todo setor elétrico Desenvolvimento de disjuntores com meio de extinção diferente de SF6 Redução de equipamentos com a utilização do gás SF6. Meio ambiente, equipamentos Desenvolvimento, em parceria com fabricantes de disjuntores, de disjuntor com tensões acima de 72,5kV sem a utilização do gás SF6 como meio de extinção do arco. Disjuntor com nova tecnologia Desenvolvimento e Implantação de Válvula de Alívio de Pressão em Transformadores de Distribuição Risco de explosão de transformador quando em ocorrências onde exista defeito interno no mesmo. Eliminação de testes de campo, com conseqüente redução de tempo de atendimento.

19 Serviços de Distribuição, processos de operação e manutenção. Este projeto consiste no desenvolvimento e implantação de dispositivo sinalizador de defeito interno em transformadores de redes de distribuição. Caracteriza-se pela indicação visual e externa de um dispositivo quando a pressão interna atinge determinado valor, sinalizando que o equipamento não está em condições de uso, devendo ser substituído. Novo equipamento ou dispositivo.

20 Tema: Gestão, regulação e Mercado G, T e D Soluções para auditoria contínua Tempo elevado entre a materialização de riscos envolvendo a ocorrência de erros não intencionais ou fraudes e a respectiva identificação desses fatos Auditoria; Gestão de Riscos; Sistema de Informação Desenvolvimento de uma metodologia e um sistema para realizar o controle e monitoramento de riscos e controles, de forma automática, em uma base de tempo mais freqüente. Essa metodologia visa à detecção tempestiva da materialização de riscos envolvendo a ocorrência de erros não intencionais ou fraudes. Com o monitoramento contínuo dos riscos, é possível realizar avaliações de risco e controle em 100 por cento das operações objeto de análise, em tempo real ou conforme uma periodicidade pré-estabelecida, sendo que as inconformidades verificadas serão reportadas automaticamente para que alguém faça os encaminhamentos necessários para a solução dos problemas identificados e o acompanhamento da implementação de planos de ação. Para que o sistema de monitoramento contínuo de riscos corporativos seja desenvolvido e implementado, é necessário executar as seguintes etapas:mapear os processos de negócio objeto da pesquisa; Mapear os sistemas de informação que suportam os processos objeto da pesquisa; Selecionar os processos passíveis de monitoramento contínuo; Desenvolver a metodologia de controle com base em: Identificação dos riscos e controles a serem monitorados, Definição dos melhores indicadores a serem utilizados, Desenvolvimento da lógica de relacionamento das bases de dados e os critérios de seleção aplicáveis ao monitoramento a ser realizado; Definição do layout dos relatórios, Definição da periodicidade de execução do monitoramento e do fluxo de tratamento das informações; Especificar o sistema que será utilizado no processo de automatização da avaliação dos riscos e controles; Implementar a lógica desenvolvida no sistema que foi especificado, de forma a garantir que a materialização dos riscos identificados seja detectada; Desenvolver e implementar soluções de apoio ao acompanhamento das não conformidades detectadas; Validar a metodologia por meio de observação do comportamento do sistema e implementar as melhorias necessárias. Metodologia e sistema integrado Projeto Business Analytics RC - Análise e investigação de motivos das contatos dos clientes com os canais de atendimento da Cemig D baseado em plataforma de software livre

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA OBJETIVOS Desenvolvimento de metodologia e sistema de automação do monitoramento de riscos e controles organizacionais para: Minimização dos riscos regulatórios

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

DEMANDA GT METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DE RISCOS E DEFINIÇÃO DE CONTINGENCIAMENTOS EM CONTRATOS DE OBRAS

DEMANDA GT METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DE RISCOS E DEFINIÇÃO DE CONTINGENCIAMENTOS EM CONTRATOS DE OBRAS DEMANDA GT METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DE RISCOS E DEFINIÇÃO DE CONTINGENCIAMENTOS EM CONTRATOS DE OBRAS OBJETIVOS Reduzir as incertezas nas definição e quantificação de riscos associados a implantação

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 11/2011. Pesquisas na área do Setor Elétrico

EDITAL FAPEMIG 11/2011. Pesquisas na área do Setor Elétrico EDITAL FAPEMIG 11/2011 Pesquisas na área do Setor Elétrico PARCERIA FAPEMIG CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. e CEMIG TRANSMISSÃO e GERAÇÃO S.A. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG,

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

OBJETIVOS. Usar com mais eficiência os recursos financeiros na expansão do sistema elétrico;

OBJETIVOS. Usar com mais eficiência os recursos financeiros na expansão do sistema elétrico; DEMANDA D Desenvolvimento de novas topologias de subestações, linhas e redes aéreas para minimizar o investimento de implantação, operação e manutenção OBJETIVOS Usar com mais eficiência os recursos financeiros

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como:

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: X SIMPASE Temário TEMA 1 Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: - Implantação, operação e manutenção de sistemas de automação

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe 1 SUMÁRIO PROJETOS ESTRATÉGICOS... 3 Linha de Pesquisa 1... 5 Linha de Pesquisa 2... 6 Linha de Pesquisa 3... 7 Linha de Pesquisa 4... 8 PROJETOS PRÓPRIOS...

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1 1 PI System na CEMIG Presented by André Cavallari Wantuil D. Teixeira Agenda Institucional; Implantação do PI System na CEMIG; Hidrologia e Planejamento Energético; CMDR - Centro de Monitoramento e Diagnóstico

Leia mais

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública 049/2008 Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo SRT Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública - 26/11/2008 - tarde Módulo 8 - Programação da operação eletroenergética

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

Programas Sistemas Projetos

Programas Sistemas Projetos Programas Sistemas Projetos A Cemig Maior empresa integrada do setor de energia elétrica do País, a Cemig também é o maior grupo distribuidor, responsável por aproximadamente 12% do mercado nacional. A

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO DE CONFIGURAR UM CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO

CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO DE CONFIGURAR UM CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 3ª Exposição e Fórum Internacional sobre Centros de Operação e Controle das Empresas de Energia Elétrica CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

Potente Trabalho em Equipe

Potente Trabalho em Equipe Potente Trabalho em Equipe SISTEMAS DE MEDIÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS PARA ÁGUA E GERENCIAÇÃO DE ENERGIA Lider no Setor de Suprimento de Água e Energia Sistemas e soluções confiáveis que se adaptam a

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

Elaboração do cadastro de bens e controle do ativo permanente e unitização dos valores;

Elaboração do cadastro de bens e controle do ativo permanente e unitização dos valores; A Empresa A Ativo Energia é uma empresa registrada no CRC-SP e especializada em consultoria e assessoria contábil, focada no setor de energia elétrica, com especialização nas áreas de controle do ativo

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara, uma nova geração em energia. Uma empresa de eficiência energética que presta serviços especializados de manutenção em plantas de geração

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Mais inteligência para reforçar sua frota

Mais inteligência para reforçar sua frota Mais inteligência para reforçar sua frota Com o SiteWatch, nossos clientes deixam as suposições de lado na hora de gerenciar a frota O CASE SiteWatch é um sistema de telemetria que captura informações

Leia mais

Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial?

Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial? Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial? Por Murilo Riet Correa* Da forma como vamos mostrar aqui (com controlador inteligente) tem tudo a ver com automação industrial.

Leia mais

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd.

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil CLOVIS SIMOES Thomas Mach Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. simoes@spinengenharia.com.br

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ

Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ 1 Retorno de Investimento utilizando o CADDPROJ 1. Estudo de Viabilidade Econômica para Solução CADDPROJ - Será que é preciso Otimizar o processo de Projeto? E agora, continuar no método Antigo ou Inovar?

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Soluções em Tecnologia de Automação e Informação SOLUÇÕES INDUSTRIAIS LOGANN Soluções Especiais ESPECIALIDADES AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL Atuação em sistemas de controle, aquisição de dados e supervisão

Leia mais

AGENTE DE COMERCIALIZAÇÃO I

AGENTE DE COMERCIALIZAÇÃO I Anexo C doedital 02/2012 SUMÁRIOS DOS CARGOS SECRETÁRIA I Secretariar o gerente e o órgão, facilitando o desempenho de suas atividades, contribuindo para o melhor resultado no atendimento aos clientes

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS"

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de de Água ABINEE TEC - Minas Gerais 2006 PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS" COPASA DIRETORIA METROPOLITANA AGOSTO / 2006

Leia mais

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio 27nov2013 Claudio T Correa Leite CPqD na Dinâmica de Transformação do Setor Elétrico A Dinâmica dos Mercados

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407

Leia mais

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Mesa redonda: Mudanças Climáticas (ClimateChanges) XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens Rio de Janeiro.

Leia mais

Sistema de Medição de Faturamento

Sistema de Medição de Faturamento Sistema de Medição de Faturamento Direitos e Deveres dos Consumidores Livres André Luiz Preite Cruz Especialista de mercado Agenda A ABRACE Atribuições da ABRACE O SMF O Mercado e o SMF Os Consumidores

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

Turbocompressor modelo ABS HST 20

Turbocompressor modelo ABS HST 20 Turbocompressor modelo ABS HST 20 Principais Aplicações O turbocompressor modelo ABS HST 20 é altamente adequado para as seguintes áreas de aplicação: Aeração de água, efluentes ou outros líquidos Flotação

Leia mais

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 Fortune Top companies: Biggest by Market Value Fortune Top companies: Most profitable VALOR V = Valor percebido pelo cliente (

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA MOTIVADORES Níveis elevados de perdas não técnicas das empresas Restrições mais rígidas (ambientais,

Leia mais

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Resumo A Spin Engenharia participou da implantação do Centro de Operações Integrado (COI) da Queiroz Galvão Energias Renováveis (QGER).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento

Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento Carlos

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 Programa Smart Grid da AES Eletropaulo - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 1 Agenda Institucional Projeto Smart Grid Eletropaulo Digital Motivadores Objetivos

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil RENATO OLIVEIRA GUIMARÃES Empresa Energética do Mato Grosso do Sul S.A. ANTONIO DE PADUA

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Answers for energy. Turbina Francis, gerador síncrono e unidade hidráulica Cubículos de média tensão Transformadores de distribuição Uma completa

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO DE HIDROELÉTRICAS E LINHAS DE TRANSMISSÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO DE HIDROELÉTRICAS E LINHAS DE TRANSMISSÃO GGH/016 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO DE HIDROELÉTRICAS E LINHAS DE TRANSMISSÃO Mauricio

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda.

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2012 2ª FASE NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4

Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4 Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4 Painéis de distribuição e Centro de Controle de Motores para todas as aplicações em Baixa Tensão. O que se espera de um painel de Baixa tensão?

Leia mais

Produtos e soluções para estações de bombeamento Maior desempenho, eficiência e confiabilidade da instalação

Produtos e soluções para estações de bombeamento Maior desempenho, eficiência e confiabilidade da instalação Produtos e soluções para estações de bombeamento Maior desempenho, eficiência e confiabilidade da instalação Transportando água para qualquer lugar Um desafio global Quase vinte por cento da energia mundial

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA Este case apresenta a aplicação do Elipse E3 para controlar

Leia mais

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER-000-0001 GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER-000-0002 BEL-B-GR-DE-GER-000-0003 BEL-B-GR-DE-GER-000-0004

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 2 Planejamento da Expansão do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 2 Planejamento da Expansão do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 2 Planejamento da Expansão do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

ESTE DOCUMENTO APRESENTA UMA VISÃO GERAL SOBRE A SOLUÇÃO NFC-e DA NDD

ESTE DOCUMENTO APRESENTA UMA VISÃO GERAL SOBRE A SOLUÇÃO NFC-e DA NDD NFC-e ESTE DOCUMENTO APRESENTA UMA VISÃO GERAL SOBRE A SOLUÇÃO NFC-e DA NDD NECESSIDADE PERCEBIDA As empresas possuem a necessidade de adequação quanto ao projeto de nível nacional, o qual tem o objetivo

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor,

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor, Carta n o 108/2013-BPCH Rio de Janeiro, 27 de setembro de 2013 Ilmo. Sr. Dr. Romeu Donizete Rufino Diretor AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL 70830-030 Brasília - DF Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA

Leia mais

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO QUEM SOMOS Somos uma empresa brasileira dedicada a construir e prover soluções que empregam tecnologias inovadoras, combinadas com a identificação por rádio frequência (RFID), análise de imagens (imagens

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar.

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. Localização e Inteligência Móvel Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. 1 2 Localização e Inteligência Móvel Todos os dias sua empresa enfrenta grandes desafios para

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais