Rodrigo Simas Aguiar. Catálogo. da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rodrigo Simas Aguiar. Catálogo. da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina"

Transcrição

1 Rodrigo Simas Aguiar Catálogo da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina

2 Texto e Fotos: Rodrigo Simas Aguiar Título: Catálogo da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina Autor: Rodrigo Luiz Simas de Aguiar 2012 Todos os direitos reservados - proibida a reprodução sem autorização Como citar: AGUIAR, Rodrigo L. S. (2012). Catálogo da Arte Rupestre de Santa Catarina. Disponível em:

3 Sobre o Catálogo Este catálogo traz informações e fotografias acerca da arte rupestre da Ilha de Santa Catarina e ilhas adjacentes. O material provém de um levantamento arqueológico feito entre os anos de 1994 e A pesquisa registrou 564 gravuras rupestres, dispostas em 32 sítios arqueológicos. Os sítios estão localizados predominantemente na faixa litorânea externa. Partindo do norte, foram encontrados sítios de arte rupestre nas seguintes localidades: Ilha do Arvoredo, Ponta das Canas, Ingleses, Santinho, Ilha das Aranhas, Prainha (Barra da Lagoa), Galheta, Caminho dos Reis, Mole, Joaquina (extinto), Ilha do Campeche, Armação (extinto), Pântano do Sul, Solidão, Naufragados e Ilha dos Corais. Desde o fim da pesquisa, há mais de uma década, alguns sítios novos de arte rupestre foram descobertos na região. Contudo, o levantamento registrou a maior parte dos sítios arqueológicos que hoje se tem conhecimento.

4 O LITORAL 04 SOBRE A ILHA DE SANTA CATARINA Biguaçú Palhoça São José Baía Sul Estreito Baía Norte Naufragados Sambaqui Lagoa do Peri Saudade Centro Pântano do Sul Jurerê Ilha de Santa Catarina Campeche Armação Ilha do Campeche Ilha dos Corais Lagoa da Conceição Caminho dos Reis Joaquina Ponta das Canas Mole Prainha Galheta Ilha do Arvoredo Ingleses O Santinho Ilha das Aranhas Sítios Existentes Sítios Extintos N S L Localidades com Sítios de Arte Rupestre A Ilha de Santa Catarina está localizada no litoral sul do Brasil, sob as coordenadas 27º22'49"S e 48º21'05"W, na região meridional do estado homônimo. A Ilha é formada por praias arenosas de curta e média extensão, intercaladas por formações rochosas, caracterizando um típico litoral de transgressão marinha. Áreas cobertas por vegetação de restinga, planície quaternária e mata atlântica, distribuídas por quase 500 quilômetros quadrados de espaço territorial, associadas ao abundante recurso pesqueiro e à diversidade faunística, acabaram por constituir um chamariz para o estabelecimento das primeiras colônias de pescadores que povoaram a ilha há cinco mil anos. Há na Ilha de Santa Catarina importantes sítios de arte rupestre dispersos pelos costões rochosos de suas praias e em diversas ilhas adjacentes. Estes símbolos, gravados sobre o diabásio, são obra de alguma das (ou mais de uma) tradições que habitaram a região na pré-história. Foram três as tradições arqueológicas da Ilha de Santa Catarina: os caçadores e coletores, os itararé e os guarani. A dificuldade em se relacionar a cultura material destes povos com os símbolos gravados nas pedras mostrase um entrave para a identificação dos autores dos petroglifos.

5 Por arte rupestre podemos entender toda forma de expressão gráfica da pré-história que teve como material de suporte uma superfície rochosa. A manifestação da arte rupestre pode se dar tanto em locais de moradia de seus autores, como grutas, cavernas ou abrigos sob-rocha, como em regiões abertas e expostas à ação das intempéries. O QUE É ARTE RUPESTRE Valendo-se de pigmentos extraídos da natureza ou das batidas de pedaços de pedra contra uma superfície, o artista da pré-história esboçava as linhas que dariam origem aos grafismos que perpetuariam seu pensamento ao longo dos milênios. Os arqueólogos dividem a arte rupestre em dois grupos, de acordo com a tecnologia empregada: as pinturas rupestres são chamadas de pictoglifos e as gravuras de petroglifos. Na Ilha de Santa Catarina existem somente as gravuras rupestres. Há duas modalidades de petroglifos: os picoteados, obtidos pela percussão de um instrumento de pedra sobre uma parede rochosa; e os polidos, feitos pela fricção. Abaixo: petroglifo da Ilha das Aranhas. Na página seguinte: gravura da Ilha do Arvoredo. 05

6

7 IMAGENS DA ARTE RUPESTRE DE SANTA CATARINA Praia do Santinho Ilha do Campeche Praia da Solidão Praia do Santinho 07

8 Mais de 90% das inscrições da Ilha de Santa Catarina e adjacências teve o polimento como técnica de confecção. Em seis gravações aparecem vestígios das duas técnicas de confecção (polimento e picoteamento), apresentando indícios de que, em alguns casos, antes de dar o acabamento final com polimento, o autor traçava um esboço do motivo rupestre através do picoteamento. Não há um padrão de distribuição espacial das inscrições, podendo estar tanto em blocos horizontais, como verticais. Também não foi constatada qualquer relação entre orientação dos petroglifos e os pontos cardeais. Praia do Santinho 08 Ilha do Campeche Pântano do Sul

9 Praia da Galheta Praia Mole Ponta das Canas Prainha - Barra da Lagoa 09

10 Na região continental, mais especificamente na Praia da Pinheira (foto), município de Palhoça, constatouse a existência de arte rupestre. Gravura da Praia da Joaquina (sítio extinto)

PROPOSIÇÕES PARA UMA INTERPRETAÇÃO DA ARTE RUPESTRE NA ILHA DE SANTA CATARINA E ADJACÊNCIAS, BRASIL

PROPOSIÇÕES PARA UMA INTERPRETAÇÃO DA ARTE RUPESTRE NA ILHA DE SANTA CATARINA E ADJACÊNCIAS, BRASIL PROPOSIÇÕES PARA UMA INTERPRETAÇÃO DA ARTE RUPESTRE NA ILHA DE SANTA CATARINA E ADJACÊNCIAS, BRASIL Rodrigo Luiz Simas de Aguiar RESUMO A arqueologia antropológica trouxe a interpretação da arte rupestre

Leia mais

32 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 297

32 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 297 32 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 297 ARQUEOLOGIA Arte na pedra O surpreendente e pouco conhecido patrimônio pré-histórico de Mato Grosso do Sul O vasto território sul-mato-grossense abriga um patrimônio arqueológico

Leia mais

A ILHA DE SANTA CATARINA E SEU QUADRO NATURAL

A ILHA DE SANTA CATARINA E SEU QUADRO NATURAL A ILHA DE SANTA CATARINA E SEU QUADRO NATURAL O GONDWANA O continente de Gondwana, englobando partes das atuais Austrália, Antártica, Índia, África e América do Sul iniciou há cerca de 180 milhões de anos

Leia mais

CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS

CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS ROCHA, Isabel Rodrigues da¹; CABRAL, João Batista Pereira²; SILVA, Hellen Fabiane Franco³; DE PAULA, Makele Rosa

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita dos maias, México.

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES RUPESTRES DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL

AS REPRESENTAÇÕES RUPESTRES DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL AS REPRESENTAÇÕES RUPESTRES DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL INTRODUÇÃO Fabiana Comerlato * O objetivo deste artigo consiste em analisar as experiências anteriores e avaliar as pesquisas recentes que

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador Pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 6º ano. TURMA 603 NOME: nº ARTE DA PRÉ-HISTÓRIA As primeiras manifestações artísticas

Leia mais

1 As pesquisas arqueológicas e a Pré-História no Brasil

1 As pesquisas arqueológicas e a Pré-História no Brasil 4 Arte no brasil da pré-história A arte de um povo é o reflexo autêntico de sua mentalidade. Nehru 1 As pesquisas arqueológicas e a Pré-História no Brasil Já sabemos que o termo Pré-História obedece a

Leia mais

Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do

Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do Pará Nome do sítio: Ilha da Montanha Outras designações

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA PROF. MARCOS ROBERTO

A PRÉ-HISTÓRIA PROF. MARCOS ROBERTO A PRÉ-HISTÓRIA PROF. MARCOS ROBERTO A PERIODIZAÇÃO HISTÓRICA Paleolítico: Pedra Lascada Mesolítico: Pedra Polida Neolítico: Idade dos Metais UTENSÍLIOS DE PEDRA LASCADA Lascas cortantes UTENSÍLIOS DE PEDRA

Leia mais

Brasil. Dos Primeiros habitantes da América à chegada dos Portugueses. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com

Brasil. Dos Primeiros habitantes da América à chegada dos Portugueses. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Brasil Dos Primeiros habitantes da América à chegada dos Portugueses Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Os Brasileiros... É como associarmos a formação do povo brasileiro com base nos

Leia mais

Arte da Pré-História

Arte da Pré-História ALUNO(A) Nº SÉRIE: 6º. Ano TURMA: DATA: / /2013 Profª Ana Lúcia Leal - DISCIPLINA: ARTE Ficha de Aula - III Trimestre Arte da Pré-História As primeiras expressões artísticas As mais antigas figuras feitas

Leia mais

TOCAS DE CROCODILO EDITORIAL CONGRESSO DE PALEONTOLOGIA CAVERNAS NA ILHA DE FLORIANÓPOLIS

TOCAS DE CROCODILO EDITORIAL CONGRESSO DE PALEONTOLOGIA CAVERNAS NA ILHA DE FLORIANÓPOLIS Boletim Informativo das Pesquisas do Projeto Paleotocas Número 25 março de 2013 Responsável: Prof. Heinrich Frank Site: www.ufrgs.br/paleotocas Contato: paleotocas@gmail.com EDITORIAL O ano de 2013 começou

Leia mais

METODOLOGIA INTRODUÇÃO

METODOLOGIA INTRODUÇÃO Levantamento dos registros rupestres da Pedra do Lagarto e avaliação dos problemas de conservação com medidas experimentais in situ Luciana Costa Ferreira (aluna de ICV) Luis Carlos Duarte Cavalcante (Orientador

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA AMAZÔNIA COMO FERRAMENTA. PARA PRESERVAÇÃO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS Estudo de caso:

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA AMAZÔNIA COMO FERRAMENTA. PARA PRESERVAÇÃO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS Estudo de caso: UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA AMAZÔNIA COMO FERRAMENTA PARA PRESERVAÇÃO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS Estudo de caso: Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Carlos Gabriel Koury 1,. Eduardo Rizzo Guimarães

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE PESQUISA TRABALHO ARTES HISTÓRIA: PATRIMONIO E CULTURA LOCAL

ORIENTAÇÃO DE PESQUISA TRABALHO ARTES HISTÓRIA: PATRIMONIO E CULTURA LOCAL ORIENTAÇÃO DE PESQUISA TRABALHO ARTES HISTÓRIA: PATRIMONIO E CULTURA LOCAL Objetivos: Conhecer a história local de um dos distritos de Florianópolis/SC. Metodologia: Trabalho em dupla. O trabalho deverá

Leia mais

CARTOGRAFIA TEMATICA NA PRÁTICA ESCOLAR GEOGRAFICA CONSTRUÇÃO DO ATLAS DISTRITAL DO MUNICIPIO DE FLORIANÓPOLIS-SC

CARTOGRAFIA TEMATICA NA PRÁTICA ESCOLAR GEOGRAFICA CONSTRUÇÃO DO ATLAS DISTRITAL DO MUNICIPIO DE FLORIANÓPOLIS-SC CARTOGRAFIA TEMATICA NA PRÁTICA ESCOLAR GEOGRAFICA CONSTRUÇÃO DO ATLAS DISTRITAL DO MUNICIPIO DE FLORIANÓPOLIS-SC Rosemy Nascimento/UFSC rosemy.nascimento@gmail.com INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Geografia

Leia mais

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 10.2 Conteúdo Sociedades indígenas da Amazônia antiga

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 10.2 Conteúdo Sociedades indígenas da Amazônia antiga Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 10.2 Conteúdo Sociedades indígenas da Amazônia antiga Habilidades: Compreender as principais características dos povos originais da Amazônia

Leia mais

Granulometria das Praias Arenosas da Ilha de Santa Catarina, SC

Granulometria das Praias Arenosas da Ilha de Santa Catarina, SC ISSN 1678-5975 Dezembro - 2006 Nº 4 1-21 Porto Alegre Horn Filho N.O.* * Departamento de Geociências e Programa de Pós-graduação em Geografia, CFH, UFSC, horn@cfh.ufsc.br RESUMO A coleta de 192 amostras

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOECONOMICO DOS MUNICÍPIOS COSTEIROS DE SANTA CATARINA PARA A ELABORAÇÃO DA CARTA SAO DA BACIA DE SANTOS

DIAGNÓSTICO SOCIOECONOMICO DOS MUNICÍPIOS COSTEIROS DE SANTA CATARINA PARA A ELABORAÇÃO DA CARTA SAO DA BACIA DE SANTOS Área do conhecimento: Planejamento Urbano e Regional DIAGNÓSTICO SOCIOECONOMICO DOS MUNICÍPIOS COSTEIROS DE SANTA CATARINA PARA A ELABORAÇÃO DA CARTA SAO DA BACIA DE SANTOS Rodrigo Xavier Sciorilli Camacho

Leia mais

Curso de Capacitação de Mediadores Culturais. Monte Alegre 7,8,10, 11 e 14 de Dezembro 2012

Curso de Capacitação de Mediadores Culturais. Monte Alegre 7,8,10, 11 e 14 de Dezembro 2012 Curso de Capacitação de Mediadores Culturais Monte Alegre 7,8,10, 11 e 14 de Dezembro 2012 O projeto: A exposição VISÕES- ARTE RUPESTRE EM MONTE ALEGRE vem apresentar ao público de Monte Alegre os resultados

Leia mais

Caracterização e distribuição espacial das ressacas e áreas de risco na ilha de Santa Catarina, SC, Brasil

Caracterização e distribuição espacial das ressacas e áreas de risco na ilha de Santa Catarina, SC, Brasil ISSN 1678-5975 utubro - 2004 Nº 2 93-103 Porto Alegre Caracterização e distribuição espacial das ressacas e áreas de risco na ilha de Santa Catarina, SC, Brasil D. H. Simó¹ & N.. Horn Filho² ¹ Curso de

Leia mais

Recuperação - 1ª Etapa Ensino Fundamental II

Recuperação - 1ª Etapa Ensino Fundamental II 1 HISTÓRIA 6º ANO ENS. FUNDAMENTAL II PROFESSOR (A): SEBASTIÃO ABICEU NOME: Nº QUESTÃO 01: O que a História estuda? Responda com suas palavras. QUESTÃO 02: O que são fontes históricas? QUESTÃO 03: Dê exemplos

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA A IMPORTÂNCIA DAS VIAGENS NA NOSSA VIDA PARA SABERMOS VER MELHOR A VIDA PERCEBERMOS O NOSSO PAPEL NO MUNDO PARA ENTENDERMOS O PRESENTE PARA SABERMOS COMO CHEGAMOS ATÉ AQUI VINDOS

Leia mais

BALNEABILIDADE DO LITORAL CATARINENSE Relatório Nº: 5 Data: 8/1/2010

BALNEABILIDADE DO LITORAL CATARINENSE Relatório Nº: 5 Data: 8/1/2010 PRAIA DO MORRO DOS CONVENTOS (Ponto 01) ARARANGUA 7/1/2010 FRENTE AO POSTO DE SALVA-VIDAS CENTRAL ARROIO DA PRAIA DAS GAIVOTAS (Ponto 02) BALN. GAIVOTAS 7/1/2010 SOB PTE CONCRETO AV. BEIRA MAR, ENTR. PRAIA

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo Apresentação FIESP Os Múltiplos Usos do Mar e a Atividade Pesqueira A Pesca Industrial no Estado de São Paulo PESCA INDUSTRIAL ATIVIDADE REGULAMENTADA LICENCIADA NÃO CRIMINOSA TIPOS DE PESCA A pesca industrial

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas TURMA 601 Aula 07 Formas Geométricas As figuras geométricas sempre chamaram a atenção dos artistas plásticos. As composições com figuras geométricas é um trabalho de buscar o equilíbrio entre as formas.

Leia mais

BAIRRO DA BARRA CONTEXTO SOCIOECONÔMICO

BAIRRO DA BARRA CONTEXTO SOCIOECONÔMICO Quadro 5: Contexto socioecológico do Bairro da Barra, município de Balneário Camboriú (SC). BAIRRO DA BARRA DESCRIÇÃO DOS RECURSOS - Morrarias - Foz do Rio Camboriú - Limite com Rio Camboriú - Rio Camboriú

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

O ACERVO ARQUEOLÓGICO DO SÍTIO ALTO SUCURIÚ 12:

O ACERVO ARQUEOLÓGICO DO SÍTIO ALTO SUCURIÚ 12: HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 O ACERVO ARQUEOLÓGICO DO SÍTIO ALTO SUCURIÚ 12: PROCESSAMENTO LABORATORIAL

Leia mais

Marilia Leite Conceição

Marilia Leite Conceição Marilia Leite Conceição Introdução Presença dos conhecimentos sobre natureza e sociedade na Educação Infantil: idéias e práticas correntes A criança, a natureza e a sociedade Objetivos Crianças de zero

Leia mais

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL.

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. Lucas Araujo Costa 1 ; Renato Rodriguez Cabral Ramos 2 ; Fábio Ferreira Dias 3

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise Lista de Recuperação de Arte 6º ANO Nota: 1) A arte fez parte da vida do homem desde a pré-história ( período anterior ao surgimento da escrita ) que

Leia mais

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição As praias da Conceição, Tainha, Porto da Vó, Retiro dos Padres, Caixa D Aço, Geremias, Gravatá, Poá e São Miguel encontram-se em processo avançado de urbanização (Fichas 43 a 52 e Anexo 1). Nestas praias

Leia mais

A COORPERAÇÃO ENTRE O MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E O BRASIL

A COORPERAÇÃO ENTRE O MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E O BRASIL A COORPERAÇÃO ENTRE O MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E O BRASIL A PESQUISA ARQUEOLÓGICA Trajetória presente / perspectivas futuras Prof. Dr. Arno Alvarez Kern Jean-Baptiste Debret: A Missão Cultural

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 6 o ano Unidade 2

Sugestões de avaliação. História 6 o ano Unidade 2 Sugestões de avaliação História 6 o ano Unidade 2 5 Nome: Data: Unidade 2 Recomendação ao aluno: Utilizar lápis de cor. 1. Observe o mapa e responda às questões. Fonte: NAQUET-VIDAL, Pierre; BErtiN, Jacques.

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Aluno

Aula 3 de 4 Versão Aluno Aula 3 de 4 Versão Aluno As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

VENTOS DO PASSADO: SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS ENCONTRADOS EM LICENCIAMENTO DE PARQUE EÓLICO NA BAHIA.

VENTOS DO PASSADO: SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS ENCONTRADOS EM LICENCIAMENTO DE PARQUE EÓLICO NA BAHIA. VENTOS DO PASSADO: SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS ENCONTRADOS EM LICENCIAMENTO DE PARQUE EÓLICO NA BAHIA. Almir do Carmo Bezerra Diretor-Presidente / ANX Engenharia e Arqueologia LTDA Rua Antônio Curado, nº937,

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

1. O Paleolítico Idade da Pedra Lascada (Die Altsteinzeit)

1. O Paleolítico Idade da Pedra Lascada (Die Altsteinzeit) 1. O Paleolítico Idade da Pedra Lascada (Die Altsteinzeit) Muito antes de 500 000 anos a.c. até cerca de 10 000 anos a.c. Arqueólogos em busca de vestígios da Idade da Pedra. Objetos feitos de pedra, osso

Leia mais

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS Departamento de Geofísica EXPOSIÇÃO ITINERANTE DO MUSEU DE CIÊNCIAS DA USP ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais

3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO

3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO 16 3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO De acordo com a o Anuário Estatístico do Município de Belém (2006), o município de Belém, no Estado do Pará, limita-se ao norte com a Baía do Marajó, a sul com o

Leia mais

1/6 F.A.Q. PLAMUS O que é o PLAMUS? Qual a finalidade do PLAMUS? Quais os benefícios que ele trará para a Grande Florianópolis?

1/6 F.A.Q. PLAMUS O que é o PLAMUS? Qual a finalidade do PLAMUS? Quais os benefícios que ele trará para a Grande Florianópolis? 1/6 F.A.Q. PLAMUS O que é o PLAMUS? O PLAMUS é o Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis e está sendo desenvolvido pelo Governo do Estado de Santa Catarina em conjunto com os municípios,

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

Ações Preparatórias para o Verão 2014/2015

Ações Preparatórias para o Verão 2014/2015 Verão 2014/2015 2 A temporada de verão consiste no período do ano que requer maior atenção ao comportamento do sistema elétrico. Aumento significativo na demanda de energia: Elevado consumos dos sistemas

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

Rodrigo Aguiar, Dr. *

Rodrigo Aguiar, Dr. * 92 A ARTE DOS PESCADORES PRÉ-HISTÓRICOS NO LITORAL CATARINENSE Ensaios interpretativos sobre a arte rupestre na Ilha de Santa Catarina e ilhas adjacentes Rodrigo Aguiar, Dr. * Estudos anteriores (ROHR,

Leia mais

ANEXO A. Aspectos Geográficos. Fuente: IPUF-Guia de ruas de Florianópolis 2000. p.17 e 18

ANEXO A. Aspectos Geográficos. Fuente: IPUF-Guia de ruas de Florianópolis 2000. p.17 e 18 ANEXOS ANEXOS ANEXO A. Aspectos Geográficos. Fuente: IPUF-Guia de ruas de Florianópolis 2000. p.17 e 18 MEIO AMBIENTE O município possui 25 (vinte e cinco) Unidades de Conservação, criadas por Decreto-Lei.

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

5. CONSIDERAÇÕES SOBRE A OCUPAÇÃO PRÉ- HISTÓRICA DO LITORAL MERIDIONAL DO BRASIL

5. CONSIDERAÇÕES SOBRE A OCUPAÇÃO PRÉ- HISTÓRICA DO LITORAL MERIDIONAL DO BRASIL 5. CONSIDERAÇÕES SOBRE A OCUPAÇÃO PRÉ- HISTÓRICA DO LITORAL MERIDIONAL DO BRASIL Na presente publicação, buscamos apresentar a diversidade de ocupações indígenas pré-coloniais do litoral meridional do

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL

OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL Ensino Fundamental 2 Nome N o 6 o ano História Prof. Caco Data / / Ficha 5 OS PRIMEIROS HABITANTES DO BRASIL Norberto Luiz Guarinello I. Orientações: Assinale V (verdadeiro) ou F (falso) e explique a sua

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE A PRÉ-HISTÓRIA BRASILEIRA

EXERCÍCIOS SOBRE A PRÉ-HISTÓRIA BRASILEIRA EXERCÍCIOS SOBRE A PRÉ-HISTÓRIA BRASILEIRA TESTANDO SUA ATENÇÃO À AULA 1. O que defende a Teoria do Estreito de Bering? A. Que o homem veio para a América atravessando uma ponte de gelo entre a Ásia e

Leia mais

Patrimônios na BR-135

Patrimônios na BR-135 Patrimônios na BR-135 Conhecer para preservar e valorizar nossas riquezas! Gestão Ambiental da nova BR-135 2 Patrimônios Cartilha de Educação Ambiental Tema: Patrimônios na BR-135 Ano III, número 1, I

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Pré história. Criação: Ana Cláudia B.Sanches

Pré história. Criação: Ana Cláudia B.Sanches Pré história Pré-história Paleolítico inferior 500.000 a.c. Paleolítico superior 30.000 a.c. Idade da pedra lascada / cortante Primeiras manifestações artísticas Pedra lascada Paleolítico 30.000 a.c. Idade

Leia mais

Praias em Processo de Urbanização

Praias em Processo de Urbanização Praias em Processo de Urbanização Conforme citado anteriormente, os perfis 3, 4, 6, (Passo de Torres), 11, 12, 15, 16, 18, 43 (Balneário Gaivota), 20, 22, 23, 26,44, 45 (Arroio do Silva), 28, 29, 30, 32,

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 23 REGIÃO SUDESTE Prof. Clésio Farrapo 1. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO SUDESTE A Regiāo Sudeste ocupa 924.573,82 km², equivalente a 10,86% do território nacional. Grande parte desse território

Leia mais

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Projeto de criação do Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Flora Fauna Comunidade Movimento Pró-Restinga Está totalmente equivocada a classificação daque-la área como uma APA. O conceito principal

Leia mais

ONDAS. Projeto Ondas que te quero mar Educação Ambiental para comunidades ambientais

ONDAS. Projeto Ondas que te quero mar Educação Ambiental para comunidades ambientais ONDAS Projeto Ondas que te quero mar Educação Ambiental para comunidades ambientais O primeiro Projeto do NEMA foi o Mentalidade Marítima (1987), atual Projeto Ondas que te quero mar: educação ambiental

Leia mais

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão HISTÓRIA DA ARTE Aluno (a): Professor: Lucas Salomão Data: / /2015 9º ano: A [ ] B [ ] ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem

Leia mais

Relatório da visita técnica com o especialista em Arqueoastronomia Manuel De La Torre Ugarte Bustos

Relatório da visita técnica com o especialista em Arqueoastronomia Manuel De La Torre Ugarte Bustos 2014 Relatório da visita técnica com o especialista em Arqueoastronomia Manuel De La Torre Ugarte Bustos Adnir Antonio Ramos Instituto Multidisciplinar de Meio Ambiente e Arqueoastronomia - IMMA 17/02/2014

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros

Ecossistemas Brasileiros Ecossistemas Brasileiros Biomas - É o conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo bioma podem existir diversos tipos

Leia mais

Meu Azerbaijão. Firuza MURADOVA, Doutor em ciências históricas. Arte rupestre de Gobustan. 4 www.irs-az.com

Meu Azerbaijão. Firuza MURADOVA, Doutor em ciências históricas. Arte rupestre de Gobustan. 4 www.irs-az.com Meu Azerbaijão Firuza MURADOVA, Doutor em ciências históricas Arte rupestre de Gobustan 4 www.irs-az.com 2(3), VERÃO 2014 SABE-SE QUE O AZERBAIJÃO PERTENCE ÀS REGIÕES DA EXPANSÃO INICIAL E ASSENTAMENTO

Leia mais

INTRODUÇÃO À ARTE RUPESTRE DE SANTA CATARINA, BRASIL

INTRODUÇÃO À ARTE RUPESTRE DE SANTA CATARINA, BRASIL Willian Carboni Viana Mestrando em Arqueologia Pré-Histórica e Arte Rupestre Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Utad/IPT - Portugal Julho de 2013 INTRODUÇÃO À ARTE RUPESTRE DE SANTA CATARINA,

Leia mais

EIA - Porto Pontal Paraná

EIA - Porto Pontal Paraná EIA - Porto Pontal Paraná 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO O conceito de área de influência é de difícil operacionalização prática, particularmente quando se trata da abordagem de processos e estruturas

Leia mais

Depredação x educação patrimonial: Um breve relatório sobre a região de Santana, através das pesquisas desenvolvidas pelo LAHP desde o ano de 2001.

Depredação x educação patrimonial: Um breve relatório sobre a região de Santana, através das pesquisas desenvolvidas pelo LAHP desde o ano de 2001. Depredação x educação patrimonial: Um breve relatório sobre a região de Santana, através das pesquisas desenvolvidas pelo LAHP desde o ano de 2001. Daiane Kalline Barreto Caldeira Lott Universidade Federal

Leia mais

1. Descrição da Cidade

1. Descrição da Cidade 1. Descrição da Cidade 2. Top Atrações da Cidade 2.1 - Atração Pantano do Sul 2.2 - Atração Praia da Silveira 2.3 - Atração A Casa Açoirana 2.4 - Atração Tear Manual 2.5 - Atração Forte Sant'Ana 2.6 -

Leia mais

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas.

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. JOSÉ SERRA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP)

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Prof. Alexandre kikuti Np2 Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Questão 01 A Dança como ARTE é uma atividade humana que resulta de uma elaboração dentro de uma determinada cultura e estabelece íntima

Leia mais

UMA EXPOSIÇÃO DE ARTE AMEAÇADA: ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DOS REGISTROS GRÁFICOS RUPESTRES DO SÍTIO BURITIZINHO, CAMPO MAIOR PIAUÍ

UMA EXPOSIÇÃO DE ARTE AMEAÇADA: ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DOS REGISTROS GRÁFICOS RUPESTRES DO SÍTIO BURITIZINHO, CAMPO MAIOR PIAUÍ UMA EXPOSIÇÃO DE ARTE AMEAÇADA: ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DOS REGISTROS GRÁFICOS RUPESTRES DO SÍTIO BURITIZINHO, CAMPO MAIOR PIAUÍ Antonio Josinaldo Silva Bitencourt * Domingos Alves de Carvalho Júnior **

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS

Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS 2014 ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS Conceitos ecológicos Fatores bióticos e abióticos Ecossistemas e Agroecossistemas Relação entre

Leia mais

Da Pré-História à História: arqueologia da Ponta do Porto Novo, Praia do Rosa SC

Da Pré-História à História: arqueologia da Ponta do Porto Novo, Praia do Rosa SC Da Pré-História à História: arqueologia da Ponta do Porto Novo, Praia do Rosa SC Fabiano Aiub Branchelli PUCRS Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar meu projeto de doutorado e seus resultados

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS. Profº. Neto

RECURSOS HÍDRICOS. Profº. Neto RECURSOS HÍDRICOS Profº. Neto A DINÂMICA DA HIDROSFERA Distribuição global de água DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS ÁGUAS DOCES Disponibilidade de água (2000 e 2050) UTILIZAÇÃO DA ÁGUA O sistema hidrológico

Leia mais

LEMBRANÇAS E HISTÓRIAS DE GUARUJÁ ATRAVÉS DE SEUS ANTIGOS MORADORES

LEMBRANÇAS E HISTÓRIAS DE GUARUJÁ ATRAVÉS DE SEUS ANTIGOS MORADORES LEMBRANÇAS E HISTÓRIAS DE GUARUJÁ ATRAVÉS DE SEUS ANTIGOS MORADORES Luana de Jesus Pereira Resumo:Neste trabalho realizou-se uma sondagem inicial, com o objetivo de verificar se a utilização de entrevistas

Leia mais

HABILIDADES. Compreender que cada pessoa é única e especial. Valorizar a identidade de cada um. Descobrir e conhecer a sua história de vida.

HABILIDADES. Compreender que cada pessoa é única e especial. Valorizar a identidade de cada um. Descobrir e conhecer a sua história de vida. Disciplina: História Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL - 2012 Série: 2º ano Turma: 21, 22, 23 e 24 CONTEÚDOS HABILIDADES AVALIAÇÕES Unidade 1 Cada um tem um jeito de ser. Descobrindo a minha história. Eu

Leia mais

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO PARANÁ

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO PARANÁ EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO PARANÁ Antonio Henrique da Fontoura Klein LABORATÓRIO DE OCEANOGRAFIA GEOLÓGICA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CTTMAR UNIVERSIDADE DO VALE

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

www.geoturismobrasil.com Geoturismo em Tibagi Antonio Liccardo DEGEO - UEPG

www.geoturismobrasil.com Geoturismo em Tibagi Antonio Liccardo DEGEO - UEPG www.geoturismobrasil.com Geoturismo em Tibagi Antonio Liccardo DEGEO - UEPG Relação da população com a natureza e território Geoturismo Atividade multidisciplinar Forte subsídio para turismo cultural,

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

INTRODUÇÃO À HISTÓRIA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

INTRODUÇÃO À HISTÓRIA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG INTRODUÇÃO À HISTÓRIA Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Perguntas iniciais O que a História estuda? Como podemos defini-la? Como é possível sabermos o que aconteceu

Leia mais

TRATAMENTO DE FERIDAS

TRATAMENTO DE FERIDAS CentroSul - Florianópolis - SC 24 a 27 de novembro de 2015 V Congresso Brasileiro de Prevenção e TRATAMENTO DE FERIDAS Feridas e Conflitos www.feridas2015.com.br OPORTUNIDADES DE PATROCÍNIO PROMOÇÃO OBENFeE

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

Implantação do Observatório Ambiental da Macrorregião Ambiental N ọ 5 do Estado do Rio de Janeiro (Observatório Ambiental da MRA-5)

Implantação do Observatório Ambiental da Macrorregião Ambiental N ọ 5 do Estado do Rio de Janeiro (Observatório Ambiental da MRA-5) Implantação do Observatório Ambiental da Macrorregião Ambiental N ọ 5 do Estado do Rio de Janeiro (Observatório Ambiental da MRA-5) Pedro Henrique Oliveira Rocha Palavras-chave: Observatório Ambiental.

Leia mais