UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA AMAZÔNIA COMO FERRAMENTA. PARA PRESERVAÇÃO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS Estudo de caso:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA AMAZÔNIA COMO FERRAMENTA. PARA PRESERVAÇÃO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS Estudo de caso:"

Transcrição

1 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA AMAZÔNIA COMO FERRAMENTA PARA PRESERVAÇÃO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS Estudo de caso: Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Carlos Gabriel Koury 1,. Eduardo Rizzo Guimarães 2, André Luiz Menezes Vianna 3 ; 1 Especialista em Silvicultura Tropical, Idesam Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, Manaus, AM. 2 Engenheiro florestal, Idesam Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, Manaus, AM. 3 Engenheiro florestal, Idesam Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, Manaus, AM. INTRODUÇÃO A Amazônia possui um dos patrimônios arqueológicos mais ricos e diversificados do território brasileiro, mas ainda são escassos os estudos do passado pré-civilizatório na região, por fatores como dificuldades logísticas, quadro de pesquisadores e mesmo pela vastidão da floresta amazônica. A legislação brasileira prevê a proteção de Sítios Arqueológicos, sendo a Lei 3924/61 a principal delas. A proteção também é contemplada pela Constituição Federal e pelas leis ambientais, particularmente a Lei 9605/98 (Crimes Ambientais). Já a Portaria IPHAN 230/02 compatibilizou a preservação do patrimônio arqueológico com os licenciamentos ambientais, obrigando levantamento arqueológico prévio e resgate de eventuais sítios em áreas onde serão realizadas obras que requeiram licenciamento ambiental. Como estes sítios estão espalhados por toda a Amazônia, é bastante comum encontrá-los nos limites das Unidades de Conservação dessa região. As Unidades de Conservação estaduais são geridas conforme um documento denominado Plano de Gestão. O Plano de Gestão é um documento técnico e gerencial, fundamentado nos objetivos da Unidade de Conservação, que estabelece o seu zoneamento, as normas que devem regular o uso da área e o manejo dos recursos naturais, inclusive a Página 1 de 6

2 implantação da estrutura física necessária à gestão da Unidade (SEUC, 2007).Com forma normatizar a elaboração dos Planos de Gestão das UC s do Amazonas, o Governo Estadual utiliza como guia o Roteiro pra Elaboração de Planos de Gestão das Unidades de Conservação do Estado do Amazonas (AMAZONAS, 2007). Este guia prevê que sejam implementados programas de gestão relacionados à arqueologia sempre que a Unidade apresentar esta característica. SITUAÇÃO ATUAL RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO UATUMÃ AMAZONAS BRASIL A região do Rio Uatumã foi alvo, no passado, de concentração de populações humanas, que por longos períodos habitaram o local. Devido a essa realidade, existem inúmeros vestígios arqueológicos na região (IDESAM, 2008). As populações indígenas mais recentes, fora os últimos habitantes brancos da área após a construção de Balbina, são as populações indígenas waimiri-atroari que dominavam a região dos rios Urubu y Uatumã desde a cachoeira de Balbina. Seu território consistia em aproximados 8 milhões de hectares. (SOUZA 1993). Mas não se tem ao certo desde quando essas populações estão presentes na região e quem foram seus ancestrais. Nos limites da RDS do Uatumã constata-se grande quantidade de cerâmicas, inscrições rupestres e ferramentas rudimentares que surpreendem pela qualidade de conservação Durante mapeamento participativo realizado na Unidade de Conservação pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, em 2005 foram catalogadas 25 regiões onde se encontram fragmentos arqueológicos. Essas regiões são uniformizadas pela característica da terra-preta antropológica, locais procurados pelos atuais moradores para produção agrícola pela elevada quantidade de matéria-orgânica acumulada pelos anos de ocupação pré-colonial, Página 2 de 6

3 caracterizada pela fixação dos grupos familiares a partir da domesticação local de certas plantas que levou ao cultivo da mandioca-brava e de outras plantas na região (sítios-moradia), que, associado à exploração dos recursos naturais, comporia a base de subsistência necessária para o desenvolvimento das culturas amazônicas (LATHRAP, 1970). Segundo Levantamento Sócio-Ambiental realizado pelo IDESAM em janeiro de 2007, 24% dos terrenos na área de uso das comunidades possuem terra preta antropológica, e 23,3% dos moradores entrevistados afirmaram que encontram fragmentos cerâmicos e de outros materiais, evidenciando ainda mais a existência de sítios arqueológicos na região. Relatos descrevem também a inscrição em pedras (petroglifos) em afloramentos rochosos nos pontos localizados no leito do rio Uatumã. Página 3 de 6

4 FIGURA 1. Mapa de distribuição dos locais onde são encontrados fragmentos arqueológicos na RDS do Uatumã. Fonte: SDS/IPAAM, Entre 1987 e 1988 um trabalho de salvamento arqueológico foi realizado na área da UHE Balbina em virtude da construção da represa. Os trabalhos de campo foram realizados percorrendo-se o rio Uatumã e afluentes ao longo de 345 km a montante e 30 km a jusante da barragem (ELETRONORTE, 2007). No salvamento foram registrados in loco 150 sítios. Foram analisados mais detalhadamente 118 desses sítios, sendo 19 sítios-acampamento, 57 sítios-habitação com terra preta antropogênica, 17 sítios-oficina, 22 sítios com petróglifos em afloramentos rochosos na calha do rio Uatumã, 1 sítio com pictoglifos em caverna/abrigo-sob-rocha e 2 sítios não indígenas. As coleções cerâmicas somam acima de fragmentos e várias peças completas, e os líticos somam vários milhares. Estes sítios representam várias fases cerâmicas pertencentes a não menos de três tradições indígenas e a Tradição Neobrasileira. A única fase suficientemente analisada para permitir descrições é a Fase Caparu pertencente à Tradição Polícroma, Subtradição Saracá (ELETRONORTE, 2007). Cerâmicas da Tradição Polícroma são encontradas em uma ampla área que vai, com interrupções, desde a ilha de Marajó até o sopé dos Andes, na Colômbia, Peru e Equador. Segundo Lathrap (1970), a Tradição Polícroma teria surgido como um desenvolvimento local da cerâmica Barrancóide na Amazônia central. Nesse modelo, a cerâmica Polícroma seria originária da Amazônia central, tendo sido posteriormente difundida ao longo das áreas aluviais do Rio Amazonas até atingir a Ilha de Marajó. A existência da Fase Caparu ao longo de um rio de água preta, como no caso do Rio Uatumã, é de particular interesse, visto que a Tradição Polícroma é tipicamente restrita Página 4 de 6

5 aos habitats das várzeas dos rios de água branca. A densidade incomum de recursos protéicos, proporcionada pela abundância da tartaruga (Podocnemis expansa) dá a plausível impressão de haver um aumento na capacidade de manutenção alimentar a nível comparável com o da várzea (LATHRAP, 1970). Conforme exposto, existem muitas lacunas de conhecimento nessa área que necessitam de maiores estudos e detalhamento mais aprofundado. Nesse sentido, o Programa de Gestão elaborado com a finalidade de sanar estas lacunas históricas dos povos pré-históricos que habitaram essa região estão descritas no QUADRO 1, dentro do sub-programa de pesquisa na UC: QUADRO 1. Sub-programa de pesquisa relacionado à arqueologia no Plano de Gestão da RDS do Uatumã. Fonte: IDESAM, Sub-programa de pesquisa Ação Atividades Meios de Verificação Pré-requisitos Implementação de estudos e pesquisas arqueológicas na RDS do Uatumã 1) Contratar consultor especialista em arqueologia na Amazônia Central; 2) Estudar in loco as áreas mapeadas em trabalhos preliminares; 3) Elaborar Programa Arqueológico na RDS. 1) Uso do solo ordenado; 2) Áreas de proteção integral devido à existência de sítios mapeadas e definidas; 3) Potencial para visitação pública levantado; 4) Programa Arqueológico da RDS do Uatumã elaborado. 1) Formalizar parceria com instituições de pesquisa; 2) Articulação institucional; 3) Fomento às pesquisas; 4) Diagnóstico de dados secundários da arqueologia local. BIBLIOGRAFIA AMAZONAS. Governo do Estado. (2007). Roteiro para Elaboração de Planos de Gestão para as Unidades de Conservação Estaduais do Amazonas: Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Série Técnica Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, n 12. Manaus/AM. Página 5 de 6

6 BRASIL (1998). Lei N º 9.605, de 12 de fevereiro 1998 (D.O.U ). Lei de crimes ambientais. BRASIL (1961). Lei N 3.924, de 26 de julho de Dispõe sobre os monumentos arqueológicos e pré-históricos. ELETRONORTE. (2007) Meio Ambiente e Arqueologia. Disponível em: Acesso em: 20 de fevereiro de Idesam (2008). Plano de Gestão da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã (RDS). 338p. Idesam (2007). Diagnóstico Sócio Ambiental da RDS do Uatumã. Relatório interno. IPAHAM - Instituto do Patrimônio Histórico e Cultural Nacional (2002). Portaria IPHAN n de Dezembro de (D.O.U. n 244 de ). LATHRAP, D.W. (1970). The Upper Amazon, New York, Praeger. SDS, Sistema Estadual de Unidades de Conservação. Amazonas. 62p. SOUZA, C.M.R. (1993). Anotações sobre a implantação da escola na área Waimiri- Atroari. En: L. Seki (comp.): SDS/IPAAM (2005). Relatório de Atividades de Implementação: Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã. Manaus/AM. Página 6 de 6

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais

Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil *

Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil * Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil * Solange Bezerra Caldarelli Scientia, Consultoria Científica (Brasil) solange@scientiaconsultoria.com.br Resumo: Apresentam-se, aqui,

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1

ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Análise técnica da alteração no critério de seleção de árvores para corte em Planos de

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

O Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC) do Amazonas: momento atual e perspectivas futuras

O Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC) do Amazonas: momento atual e perspectivas futuras O Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC) do Amazonas: momento atual e perspectivas futuras Centro Estadual de Unidades de Conservação Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Mosaicos de áreas protegidas Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Curso Introdução a Gestão de UCs Rio Branco, junho 2008 SNUC Art. 26. Quando existir um conjunto de unidades

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

amazonas a força tarefa Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas Histórico e contexto de criação

amazonas a força tarefa Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas Histórico e contexto de criação a força tarefa amazonas Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas Histórico e contexto de criação A Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas GCF é uma plataforma colaborativa

Leia mais

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Política Institucional da SEPROR QUEM SOMOS NÓS? O Amazonas possui 270 mil produtores

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e ao IPHAN. 2-No item

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Aluno

Aula 3 de 4 Versão Aluno Aula 3 de 4 Versão Aluno As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PO-05/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas

Leia mais

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR Introdução Em 2000 havia no mundo mais de 1 bilhão de pessoas sem suficiente disponibilidade de água para consumo doméstico e se estima que, em

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN Esse texto pretende ofertar breve noção sobre a atuação do arqueólogo no licenciamento

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do

Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do Pará Nome do sítio: Ilha da Montanha Outras designações

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Implantação e gestão territorial das UCs REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

Anexo 1 - Material Informativo de Comunicação Prévia

Anexo 1 - Material Informativo de Comunicação Prévia Anexo 1 - Material Informativo de Comunicação Prévia LINHA DE TRANSMISSÃO 500 kv Manaus - Boa Vista e Subestações Associadas NO BRASIL, o sistema de transmissão de energia elétrica se desenvolveu utilizando

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA

NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA ASIL DESIGUALDADES REGIONAIS E SUBREGIONA Mesorregiões TAXA DE CRESCIMENTO Crescimento Médio Anual do Produto

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ

CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ - TERMO DE REFERÊNCIA - CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ 1. ANTECEDENTES O Estado do Amapá possui uma área de 143.453 km², o que representa aproximadamente 2% do território

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Contexto. O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele.

Contexto. O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele. Contexto O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele. Dinâmica das Cheias Quando as águas sobem, o gado é levado para terra firme.

Leia mais

Um lugar de muitas Histórias

Um lugar de muitas Histórias Texto publicado no site Arqueologia e Pré-História: http://arqueologiaeprehistoria.com/2015/02/06/um-lugar-de-muitas-historias-o-museuarqueologico-do-rio-grande-do-sul/ Luísa d Avila 1 (Fevereiro de 2015)

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

Termo de Referência Avaliação externa do Projeto Floresta Viva (Amazonas / Brasil)

Termo de Referência Avaliação externa do Projeto Floresta Viva (Amazonas / Brasil) Termo de Referência Avaliação externa do Projeto Floresta Viva (Amazonas / Brasil) Consulta restrita I. CONTEXTO O Projeto de «Promoção do manejo sustentável das florestas do Estado do Amazonas com enfoque

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.340, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta artigos da Lei n o 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema

Leia mais

À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam:

À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam: 07 de julho de 2014 À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) REF: Acordo Regional sobre o Princípio 10 As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam: Reconhecendo

Leia mais

Zoneamento Ecológico-econômico da Região Nordeste

Zoneamento Ecológico-econômico da Região Nordeste Programa 0512 ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO Objetivo Promover o zoneamento ecológico-econômico de regiões selecionadas, como forma de consolidar o processo de ocupação e desenvolvimento, de forma sustentável.

Leia mais

Rodrigo Simas Aguiar. Catálogo. da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina

Rodrigo Simas Aguiar. Catálogo. da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina Rodrigo Simas Aguiar Catálogo da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina Texto e Fotos: Rodrigo Simas Aguiar Título: Catálogo da Arte Rupestre da Ilha de Santa Catarina Autor: Rodrigo Luiz Simas de Aguiar

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Projeto Básico Ambiental PBA. 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e

2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Projeto Básico Ambiental PBA. 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e ÍNDICE 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e Paisagístico... 1/11 6.5.15.1 - Justificativas... 1/11 6.5.15.2 - Objetivos... 3/11 6.5.15.2.1 - Objetivo Geral... 3/11 6.5.15.2.2

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO - 21/05/2014

PROGRAMAÇÃO - 21/05/2014 PROGRAMAÇÃO - 21/05/2014 Horário Atividade Conteúdo 08:30 09:00 Recepção 09:00 09:30 Boas Vindas Grayton Toledo - Secretário de Estado do Meio Ambiente do Amapá Ana Euler- Diretora do Instituto Estadual

Leia mais

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul -III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul EM DEFESA DA AMAZÔNIA "ambientes sociais e físicos que destroem ou promovem

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Po por Ana_Cotta ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Alcance territorial da legislação ambiental e a consolidação do uso agropecuário de

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Impactos ambientais das hidrelétricas na Amazônia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Amazônia: alguns dados A Região Amazônica compreende a maior

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê CIESP DISTRITAL OESTE 07/08/2014 Apresentação para Ciesp Oeste - Agosto/2014 Sumário: 1. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CONSIDERAÇÕES GERAIS 2. PLANO DEMANEJO

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, ampliando as oportunidades de emprego e renda, a inclusão social, a preservação

Promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, ampliando as oportunidades de emprego e renda, a inclusão social, a preservação GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável MicrobaciasII OBJETIVO GERAL Promover o desenvolvimento

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS Contribuições do

Leia mais

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países:

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: A Floresta Amazônica A maior floresta tropical do planeta São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: Bolivia Equador Venezuela Colombia Peru Suriname Guiana Guiana Francesa Brasil A Floresta

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA O QUE SÃO SERVIÇOS AMBIENTAIS? QUAL A RELAÇÃO ENTRE COBERTURA FLORESTAS,

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

Termo de Referência para contratação de Consultoria Nº Pessoa física - por produto

Termo de Referência para contratação de Consultoria Nº Pessoa física - por produto Termo de Referência para contratação de Consultoria Nº Pessoa física - por produto Título do Projeto: Revitalização da Companhia Nacional de Abastecimento Número: BRA/03/034 Sub-projeto 4 Agência Implementadora:

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

Manejo florestal e extrativismo no Amazonas : produtos madeireiro, produtos não madeireiro, fauna e animais silvestres

Manejo florestal e extrativismo no Amazonas : produtos madeireiro, produtos não madeireiro, fauna e animais silvestres Manejo florestal e extrativismo no Amazonas : produtos madeireiro, produtos não madeireiro, fauna e animais silvestres Estado da arte e recomendações para o IDAM Contrato de Prestação de serviço Termos

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Padrão de Desempenho 8:

Padrão de Desempenho 8: Visão Geral dos Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental 1. A Estrutura de Sustentabilidade da IFC articula o compromisso estratégico da Corporação com o desenvolvimento sustentável

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS NA SERRA DO MAR Contrato: IA-RBMA /CEPF 2005/2006 O MaB e as Reservas da Biosfera no Brasil 1991 (1992, 1993, 2000, 2002) RB

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM/OS/MCTI PROGRAMA DE MANEJO DE PESCA

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM/OS/MCTI PROGRAMA DE MANEJO DE PESCA INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM/OS/MCTI PROGRAMA DE MANEJO DE PESCA EDITAL DO CURSO DE GESTÃO COMPARTILHADA DOS RECURSOS PESQUEIROS COM FOCO NO MANEJO PARTICIPATIVO DE PIRARUCU (Arapaima

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

O PRDIS-RN considera fundamental:

O PRDIS-RN considera fundamental: Mesmo assim, a FOIRN colaborou intensamente no processo de elaboração e aprovação do Plano Diretor do município de São Gabriel da Cachoeira, recomendando às associações afiliadas e as comunidades indígenas

Leia mais

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM As Principais Ameaças a Conservação do Ecossistema de Várzea Amazônica, e a Experiência do Instituto Mamirauá (IDSM-OS) Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013 QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Rede Brasileira de Sementes Florestais

Rede Brasileira de Sementes Florestais PLANO NACIONAL DE PRODUÇÃO DE SEMENTES E MUDAS FLORESTAIS NATIVAS Rede Brasileira de Sementes Florestais Adriana Dias Trevisan Dra. Gestão Ambiental Redes Regionais de Sementes Rede Semente Sul Rede de

Leia mais

Subcomponente 2.3 Integração das comunidades

Subcomponente 2.3 Integração das comunidades Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR(A) PARA O PROGRAMA

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

PROGRAMA ZONA FRANCA VERDE

PROGRAMA ZONA FRANCA VERDE PROGRAMA ZONA FRANCA VERDE IDAM INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO AMAZONAS SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL 1 ESTRUTURA DO SETOR PRIMÁRIO NO ESTADO

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2 SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas Prof. Victor E. L. Ranieri Aula 2 Aula passada... Perda da biodiversidade é um macro problema de âmbito global. Muitos instrumentos podem ser usados para atacar este

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais