AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DIFERENTES FUNGICIDAS NO CONTROLE in vitro DE Myrothecium roridum

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DIFERENTES FUNGICIDAS NO CONTROLE in vitro DE Myrothecium roridum"

Transcrição

1 Área temática: Fitopatologia AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DIFERENTES FUNGICIDAS NO CONTROLE in vitro DE Myrothecium roridum Andréia Quixabeira Machado (UNIVAG/GPA-CAB / Daniel Cassetari Neto (UFMT/FAMEV), Nilma Rocha da Silva (UNIVAG/GPA-CAB), Juliana Gusmão Abdo (UFMT/FAMEV), Kamila Etienne Umann (UFMT/FAMEV), Luciana Sousa Cassetari (UFLA). RESUMO A mancha de Myrothecium foi constatada nas principais regiões produtoras de algodão na safra 2003/2004 causando perdas de aproximadamente 50% da produção. O objetivo deste trabalho foi avaliar diferentes fungicidas no controle in vitro de Myrothecium roridum. O ensaio constou de 10 tratamentos em delineamento inteiramente casualizado com 4 repetições. Os fungicidas foram adicionados ao meio BDA nas doses recomendadas para a cultura do algodão. As placas de Petri contendo BDA e fungicida foram inoculadas com um disco de micélio de 5 mm de diâmetro do fungo Myrothecium e mantidas em incubação por 7 dias. Foi avaliado o índice de velocidade de crescimento micelial, diâmetro médio das colônias e concentração de esporos. Os melhores resultados na inibição do crescimento micelial do fungo foram obtidos com os fungicidas Carbendazim, Tebuconazole, Pyraclostrobin, Tiofanato metílico e Propiconazole + Trifloxystrobin, nas doses avaliadas. Os ingredientes ativos Carbendazim, Tebuconazole, Pyraclostrobin, Tiofanato metílico, Trifenil hidróxido de estanho e Propiconazole + Trifloxystrobin foram eficientes na inibição da esporulação do fungo Myrothecium roridum. Palavras-chave: algodão, Myrothecium roridum, controle, fungicidas. INTRODUÇÃO A área cultivada com algodão na safra 2006/2007 foi de 1,07 milhão de hectares, superior a da safra anterior em 24,4% (209,1 mil hectares). Esse incremento ocorreu devido aos baixos preços da soja e do milho na época da implantação dessas culturas, o que estimulou os produtores a migrarem para o algodão (CONAB, 2007). Segundo Juliatti et al., 1999 o algodoeiro tem apresentado novas doenças ou surtos epidêmicos causados por fungos de importância secundária devido à introdução de novas variedades de origem australiana ou americana sem uma base de sustentação em programas de melhoramento no Brasil. A mancha de Myrothecium foi constatada nas principais regiões produtoras de algodão na safra 2003/2004 nos Estados do Maranhão, Mato Grosso, Goiás e Bahia. No Estado do Maranhão, esta doença causou perdas de aproximadamente 50% na produção de algodão (CHITARRA e MEYER, 2004; CHITARRA, 2005). A mancha de Myrothecium é considerada uma das doenças que causam surtos epidêmicos esporádicos, embora em anos com excesso de umidade e altas temperaturas podem ocorrer perdas significativas (SUASSUNA et al., 2006). Myrothecium roridum Tode ex Fr é um fungo habitante do solo, saprófita, oportunista, polífago e sem hospedeiro específico (MIRANDA et al., 2005) que sobrevive em restos culturais e que pode ser transmitido pelas sementes. Em condições favoráveis, o fungo é capaz de penetrar nos tecidos de plantas danificadas ou estressadas, causando problemas de desfolha e apodrecimento de maçãs, acarretando perdas de produção. Culturas de valor econômico como a soja, milho, café, trigo, batata,

2 amendoim, berinjela e girassol também são hospedeiros do fungo (CHITARRA e MEYER, 2004; CHITARRA, 2005). O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de diferentes fungicidas no controle in vitro de Myrothecium roridum. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi realizado no laboratório de fitopatologia, do UNIVAG - Centro Universitário, em Várzea Grande, Mato Grosso, no período de junho a outubro de Folhas de plantas de algodão apresentando sintomas da mancha de Myrothecium foram coletadas em lavoura comercial no município de Campo Verde, em maio de O material coletado foi submetido à incubação, em placas de Petri de 15 cm de diâmetro contendo três folhas de papel de filtro umedecidas com água destilada e esterilizada. As placas foram mantidas em câmara de incubação por sete dias, em temperatura de 22ºC ± 2ºC e fotoperíodo de 12 horas. Após a incubação foi realizado o isolamento do fungo para o meio BDA (Batata-Dextrose-Agar), em câmara de fluxo laminar, com o auxilio de uma alça de platina de ponta fina flambada realizando a transferência dos esporodóquios para as placas de Petri de 10 cm de diâmetro. Após o isolamento, as placas foram mantidas em câmara B.O.D (Biological Oxygen Demand), para incubação por 10 dias em temperatura de 25 C, em ausência de luz. Na instalação do ensaio os fungicidas foram adicionados ao meio BDA com o auxilio de micropipeta nas doses recomendadas para a cultura do algodão. As diferentes misturas de BDA + fungicida representantes de cada tratamento foram distribuídas em placas de Petri de 10 cm de diâmetro. Após o resfriamento do BDA contendo os fungicidas, adicionou-se um disco de micélio de 5 mm de diâmetro do fungo Myrothecium roridum, em cada placa. As placas foram mantidas em câmara de incubação em 22ºC ± 2ºC fotoperíodo de 12 horas por sete dias. Durante o período de incubação, foi feita a medição diária do diâmetro da colônia, para determinar o índice de velocidade de crescimento micelial (IVCM), segundo Oliveira (1991). IVCM = C 1 /N 1 + C 2 /N C n /N n Onde: IVCM = índice de velocidade de crescimento micelial; C 1, C 2 e C n = crescimento micelial na primeira, segunda e n-ésima avaliação; N 1, N 2 e N n = número de dias de avaliação. Aos sete dias de incubação foi avaliado o diâmetro médio das colônias utilizando-se uma régua. Após o período de incubação avaliou-se a concentração de esporos de Myrothecium roridum. A suspensão de esporos foi obtida por meio de lavagem das placas com 50 ml de água destilada. Para a avaliação da concentração de esporos utilizou-se a câmara de Neubauer. Após a contagem dos esporos realizou-se o cálculo da concentração dos mesmos por meio da fórmula: N = n(a) x 1,6 x 10 5 Onde: N = número de esporos/ml; n(a) = número médio de esporos em (a) O ensaio constou de 10 tratamentos em delineamento inteiramente casualizado, com 4 repetições. A unidade experimental constou de 5 placas de Petri de 10 cm de diâmetro (Tab. 1). O contraste de médias para comparar tratamentos nos parâmetros avaliados foi realizado pelo teste de F. As médias entre os tratamentos foram comparadas pelo teste de Tukey (P 0,05).

3 Tabela 1. Tratamentos avaliados no controle in vitro de Myrothecium roridum. Várzea Grande, MT Tratamentos (nome do i.a) Doses (ml pc/ha) 1 Carbendazim 500 Tebuconazole 750 Pyraclostrobin 400 Azoxystrobin 200 Tiofanato Metilico 800 Flutriafol 600 Cyproconazole + Azoxystrobin 300 Propiconazole + Trifloxystrobin 600 Trifenil hidróxido de estanho 500 Testemunha - 1 Doses recomendadas para a cultura do algodão RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados observados mostram que houve diferença significativa entre os tratamentos para todos os parâmetros avaliados (Tab. 2). Para a avaliação do IVCM observou-se que todos os tratamentos proporcionaram redução no crescimento micelial do fungo Myrothecium roridum, porém, os tratamentos Carbendazim (500mL p.c/ha), Tebuconazole (750mL p.c/ha), Pyraclostrobin (400mL p.c/ha), Tiofanato metílico (800mL p.c/ha) e Propiconazole + Trifloxystrobin (600mL p.c/ha), registraram inibição total no desenvolvimento do fungo nas condições in vitro (Tab. 2). Dentre os tratamentos, Flutriafol (600mL p.c/ha), Cyproconazole + Azoxystrobin (300mL p.c/ha) e Azoxystrobin (200mL p.c/ha), durante o período de incubação reduziram o IVCM, porém, quando comparados aos demais tratamentos foram considerados menos eficazes para o controle do patógeno (Tab. 2). O ingrediente ativo Trifenil hidróxido de estanho (500mL p.c/ha), também permitiu o crescimento micelial, no entanto, proporcionou a inibição total da esporulação do patógeno, devendo ser considerado em avaliações futuras de controle da doença em condições de campo (Tab. 2). Após a avaliação do diâmetro médio de colônia (DMC) e da Concentração de esporos, foi possível observar a inibição total do desenvolvimento do fungo quando submetido ao tratamento com os fungicidas Carbendazim (500mL p.c/ha), Tebuconazole (750mL p.c/ha), Pyraclostrobin (400mL p.c/ha), Tiofanato metílico (800mL p.c/ha) e Propiconazole + Trifloxystrobin (600mL p.c/ha), sendo os mesmos considerados altamente eficientes no controle do fungo Myrothecium roridum nas condições em que foram conduzidos os trabalhos (Tab. 2). Resultados observados neste trabalho concordam com relatos de Chitarra e Meyer (2005) que afirmam a possibilidade de controle da mancha de Myrothecium através do uso dos fungicidas recomendados para o controle da ramulose e da mancha de ramularia. Medeiros et al. (2005) constataram uma forte inibição do crescimento micelial de M. roridum com o uso de tebuconazole e cloreto de benzalcônio, além de fungicidas cúpricos. O efeito inibidor do ingrediente ativo tebuconazole no desenvolvimento de Myrothecium roridum, também foi observado neste trabalho, onde os resultados indicaram controle de 100% do patógeno. Silva et al. (2006) relataram à eficiência dos ingredientes ativos pyraclostrobin + epoxiconazole, tebuconazole, metconazole e azoxystrobin + ciproconazole no controle da mancha de Myrothecium.

4 Tabela 2. Avaliação in vitro do Índice de velocidade de crescimento micelial (IVCM), Diâmetro médio da colônia (DMC) aos 7 dias, e Concentração de esporos (10 5 /ml) de Myrothecium roridum submetido a diferentes tratamentos com fungicidas. Várzea Grande, MT Tratamentos IVCM DMC (cm) Concentração de Nome do i.a Doses (ml p.c/ha) esporos (10 5 )/ml 1 Carbendazim 500 0,0 a 0,0 a 0,0 a 2 Tebuconazole 750 0,0 a 0,0 a 0,0 a 3 Pyraclostrobin 400 0,0 a 0,0 a 0,0 a 4 Azoxystrobin 200 1,18 d 2,59 d 74,9 b 5 Tiofanato Metilico 800 0,0 a 0,0 a 0,0 a 6 Flutriafol 600 0,82 c 1,23 c 0,92 a 7 Cyproconazole + Azoxystrobin 300 0,85 c 1,49 c 78,7 bc 8 Propiconazole + Trifloxystrobin 600 0,0 a 0,0 a 0,0 a 9 Trifenil hidróxido de estanho 500 0,68 b 0,89 b 0,0 a 10 Testemunha - 1,48 e 3,86 e 1596,67 d CV (%) - 2,23 3,91 38,38 Médias seguidas de mesma letra na coluna não diferem entre si pelo teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade. Em trabalho realizado por Kobayasti et al (2006), o controle do crescimento micelial do fungo Myrothecium roridum foi obtido com os ingredientes ativos Tebuconazole (1,0L p.c/ha), Trifloxystrobin + Propiconazole (0,6L p.c/ha), Tiofanato metílico + Clorothalonil (2,0L p.c/ha) e Tiofanato metílico + flutriafol (1,0L p.c/ha). Os autores relatam também o efeito dos ingredientes ativos Carbendazim (1,0 L p.c/ha), Tetraconazole (0,7 L p.c/ha), Procloraz (1,0 L p.c/ha), Flutriafol (0,7 L p.c/ha) e Trifloxistrobin + Ciproconazole (0,6 L p.c/ha) na inibição da produção de conídios do patógeno. CONCLUSÕES Com base nos resultados obtidos e nas condições em que foi conduzido este trabalho podemos concluir que os ingredientes ativos Carbendazim, Tebuconazole, Pyraclostrobin, Tiofanato metílico e Propiconazole + Trifloxystrobin, nas doses avaliadas foram eficientes no controle in vitro de Myrothecium roridum inibindo o crescimento micelial do fungo. Os ingredientes ativos Carbendazim, Tebuconazole, Pyraclostrobin, Tiofanato metílico, Trifenil hidróxido de estanho e Propiconazole + Trifloxystrobin, nas doses avaliadas, foram eficientes na inibição da esporulação do fungo Myrothecium roridum. CONTRIBUIÇÃO PRÁTICA E CIENTÍFICA DO TRABALHO 1. Permitir a seleção de moléculas fungicidas e suas misturas, com potencial de utilização a campo no controle de Myrothecium roridum em algodão. 2. Contribuir com informações que possibilitem a adoção de programas de manejo visando à redução dos riscos do desenvolvimento de populações Myrothecium roridum resistentes aos fungicidas utilizados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CHITARRA, L.G. Qualidade ameaçada. Revista Cultivar Grandes Culturas. Caderno Técnico. ano VII, n.73, p

5 CHITARRA, L.G.; MEYER, M.C. Nova ameaça novo fungo, causador da mancha de Myrothecium no algodão preocupa produtores e pesquisadores. Revista Cultivar Grandes Culturas. Ano VI. n.62, p COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (CONAB). Sétimo levantamento de avaliação da safra 2006/2007. Abril/2007, 20p. JULIATTI, F.C.; TAKATSU, A.; FRANCO, G.V. Surtos epidêmicos de manchas foliares em variedades de algodão recém introduzidas no cerrado mineiro. Fitopatologia Brasileira. v.24, Suplemento, p KOBAYASTI, L. ; CHITARRA, L.G.; MEIRA, S.A.; CORASSA, J.; CORDENONZI, P. Efeito de diferentes fungicidas in vitro no crescimento micelial de Myrothecium roridum. Fitopatologia brasileira, Brasília, v. 31, p (Suplemento). MEDEIROS, A.R.; PAZ LIMA, M.L.; REIS, A.; QUEZADO-DUVAL, A.M. Efeito de fungicidas sobre o crescimento in vitro de Myrothecium roridum. Fitopatologia Brasileira, Brasilia Suplemento, p MIRANDA, B.E.; PAZ LIMA, M.L.; QUEZADO-DUVAL, A.M; REIS, A. Infecção cruzada de isolados de Myrothecium sobre espécies ornamentais e hortaliças. Fitopatologia Brasileira, Brasília Suplemento, p OLIVEIRA, J.A. Efeito do tratamento fungicida em sementes e no controle de tombamento de plântulas de pepino (Cucumis sativus L.) e pimentão (Capsicum annum L.). Dissertação (Mestrado em Agronomia / Fitossanidade) - Universidade Federal de Lavras, Lavras p. SILVA, J.C.; MEYER, M.C.; COUTINHO, W.M.; SUASSUNA, N.D. Fungitoxicidade de grupos químicos sobre Myrothecium roridum in vitro e sobre a mancha-de-mirotécio em algodoeiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 41, n.5, p , SUASSUNA, N.D.; CHITARRA, L.G.; ASMUS, G.L.; INOMOTO, M.M. Manejo de doenças do algodoeiro. Campina Grande: Embrapa Algodão, p. (Embrapa Algodão. Circular Técnica, 97).

controle da mancha de ramularia. De acordo com os resultados, os tratamentos Brestanid +

controle da mancha de ramularia. De acordo com os resultados, os tratamentos Brestanid + CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULARIA (Ramularia areola) DO ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DA IDADE DA PLANTA E DA SEVERIDADE DA DOENÇA SAFRA 2003/2004, NA REGIÃO DE CAMPO VERDE MT. Luiz Gonzaga Chitarra, Pesquisador

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682 Página 682 AVALIAÇÃO DO SISTEMA AGCELENCE NA CULTURA DO ALGODOEIRO NO SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO NO OESTE DA BAHIA *Cleiton Antônio da Silva Barbosa 1 ; Benedito de Oliveira Santana Filho 1 ; Ricardo

Leia mais

Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho

Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho ISSN 1679-1150 Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho 167 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2011 A mancha branca (Pantoea ananatis) é considerada, atualmente, uma das principais doenças

Leia mais

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044 Página 1044 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO FUNGICIDA TIOFANATO METÍLICO-CIPROCONAZOLE NO CONTROLE DA MANCHA DE RAMULÁRIA (RAMULARIA AREOLA) EM ALGODOEIRO Luiz Gonzaga Chitarra (Embrapa Algodão / chitarra@cnpa.embrapa.br),

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PATOGENICIDADE DE Colletotrichum gloeosporioides PENZ, AGENTE ETIOLÓGICO DA MANCHA-MANTEIGOSA, EM HIPOCÓTILOS DE CULTIVARES DE CAFEEIROS HEBE PEREZ DE CARVALHO 1, MATHEUS BORNELLI DE CASTRO 2 ; ANA PAULA

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1

PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1 PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1 HECKLER, Leise Inês 2 ; SILVA, Gerarda Beatriz Pinto 3 ; SANTOS, Ricardo Feliciano 2 ; SCHEEREN, Laura Engroff 3 ; FÍNGER, Geísa 4

Leia mais

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1122

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1122 Página 1122 PROGRAMAS DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS NO CONTROLE DE RAMULOSE (COLLETOTRICHUM GOSSYPII VAR. CEPHALOSPORIOIDES) E MANCHA DE RAMULARIA (RAMULARIA AREOLA) EM ALGODOEIRO NO MATO GROSSO Daniel Cassetari

Leia mais

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 RESTRIÇÃO HÍDRICA EM GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA 77 CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 JOSÉ DA CRUZ MACHADO 2 ; JOÃO ALMIR DE OLIVEIRA 3

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS. Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan

Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS. Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1518-6512 Dezembro, 2004 32 Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan Foto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA RURAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA RURAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA RURAL RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE SENSOR CLOROFILOG FALKER VARIAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

Moção do Consórcio Antiferrugem sobre o futuro do controle de doenças da soja no Brasil

Moção do Consórcio Antiferrugem sobre o futuro do controle de doenças da soja no Brasil Moção do Consórcio Antiferrugem sobre o futuro do controle de doenças da soja no Brasil Em reunião de apresentação e discussão dos resultados dos ensaios cooperativos de controle de doenças da soja, da

Leia mais

Manejo equilibrado. Soja - Fevereiro 2013 03

Manejo equilibrado. Soja - Fevereiro 2013 03 Soja - Fevereiro 2013 03 Manejo equilibrado A expansão das fronteiras de plantio e a busca pelo aumento progressivo da produtividade têm gerado desafios e alterações profundas na pressão de doenças e na

Leia mais

INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS NO CONTROLE DE RAMULÁRIA EM DUAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO, EM CAMPO VERDE MT

INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS NO CONTROLE DE RAMULÁRIA EM DUAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO, EM CAMPO VERDE MT INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS NO CONTROLE DE RAMULÁRIA EM DUAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO, EM CAMPO VERDE MT Edson R. de Andrade Junior (Pequisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br) Resumo.

Leia mais

Palavras-chave: algodão, ramulose, mancha de ramularia, fungicidas. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: algodão, ramulose, mancha de ramularia, fungicidas. INTRODUÇÃO Área temática: Fitopatologia APLICAÇÃO SEQÜENCIAL DE FUNGICIDAS NO CONTROLE DE RAMULOSE (Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides) E MANCHA DE RAMULARIA (Ramularia areola) EM ALGODOEIRO NO MATO GROSSO

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 441

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 441 Página 441 PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (RAMULARIA AREOLA) EM ALGODÃO ADENSADO Alfredo Riciere Dias 1 ; Renato Anastácio Guazina 2 ; Cleber Brandino Ferreira

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

Efeito de fungicidas na inibição do crescimento micelial de Sclerotinia sclerotiorum isolado de soja

Efeito de fungicidas na inibição do crescimento micelial de Sclerotinia sclerotiorum isolado de soja Efeito de fungicidas na inibição do crescimento micelial de Sclerotinia sclerotiorum isolado de soja FERREIRA, L.C. 1 ; MEYER, M.C. 2 ; TERAMOTO, A. 1 ; 1 Universidade Federal de Goiás UFG, lucienenoemia@gmail.com;

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Prof. Fabrício Ávila Rodrigues Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Fitopatologia Laboratório rio da Interação Planta-Pat Patógeno fabricio@ufv.br

Leia mais

INFLUÊNCIA DA QUEBRA DE DORMÊNCIA NA GERMINAÇÃO IN VITRO DE SEMENTES DE PARICÁ

INFLUÊNCIA DA QUEBRA DE DORMÊNCIA NA GERMINAÇÃO IN VITRO DE SEMENTES DE PARICÁ INFLUÊNCIA DA QUEBRA DE DORMÊNCIA NA GERMINAÇÃO IN VITRO DE SEMENTES DE PARICÁ Andredy Murilo Trindade Amorim¹, Oriel Filgueira de Lemos², Camila Beatriz Lima de Souza ³,Dávia Rosane Rodrigues Leite 3

Leia mais

INFLUÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS QUIMICOS EM TRATAMENTO DE SEMENTES NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA DA SOJA

INFLUÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS QUIMICOS EM TRATAMENTO DE SEMENTES NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA DA SOJA INFLUÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS QUIMICOS EM TRATAMENTO DE SEMENTES NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA DA SOJA Carmo Guilherme Giebelmeier 1, Saulo Mendes 1, Marcos Antônio Marchioro Júnior 1, Amanda

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

USO DE ADUBAÇÃO FOLIAR ASSOCIADA A FUNGICIDAS NO CONTROLE DE DOENÇAS FÚNGICAS EM MILHO 2ª SAFRA NO MATO GROSSO

USO DE ADUBAÇÃO FOLIAR ASSOCIADA A FUNGICIDAS NO CONTROLE DE DOENÇAS FÚNGICAS EM MILHO 2ª SAFRA NO MATO GROSSO USO DE ADUBAÇÃO FOLIAR ASSOCIADA A FUNGICIDAS NO CONTROLE DE DOENÇAS FÚNGICAS EM MILHO 2ª SAFRA NO MATO GROSSO Daniel Cassetari Neto 1, Andréia Quixabeira Machado 2, Eduardo Dias Vidotti 3, Vinicius Eduardo

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 04 ENSAIO EM REDE - AVALIAÇÃO DE FUNGICIDAS NO CONTROLE DE MANCHA ALVO (Corynespora cassicola) NA SAFRA 2014-2015 EM LUCAS DO RIO VERDE -MT Introdução Com a expansão da cultura da soja para novas fronteiras

Leia mais

Avaliação de Bacillus spp. no controle da flor preta do morangueiro, sob condições de laboratório e casa-de-vegetação

Avaliação de Bacillus spp. no controle da flor preta do morangueiro, sob condições de laboratório e casa-de-vegetação Avaliação de Bacillus spp. no controle da flor preta do morangueiro, sob condições de laboratório e casa-de-vegetação Valdionei Giassi 1 ; Katia Cristina Kupper 2 ; Camila Kiritani 3 ; Isabel Cristina

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

www.revistacultivar.com.br

www.revistacultivar.com.br www.revistacultivar.com.br Soja Maio 2015 03 Plano estratégico Na batalha travada a cada safra pelos produtores de soja contra a ferrugem asiática e outras doenças que afetam a cultura, contar com tecnologia,

Leia mais

FUNGITOXICIDADE IN VITRO DE ALGUNS GRUPOS QUÍMICOS SOBRE ISOLADOS DE Myrothecium roridum

FUNGITOXICIDADE IN VITRO DE ALGUNS GRUPOS QUÍMICOS SOBRE ISOLADOS DE Myrothecium roridum FUNGITOXICIDADE IN VITRO DE ALGUNS GRUPOS QUÍMICOS SOBRE ISOLADOS DE Myrothecium roridum Juliano César da Silva (SLC Agrícola / julianopb@slcagricola.com.br), Maurício Conrado Meyer (Embrapa Soja), Wirton

Leia mais

FUNGITOXICIDADE DE ALGUNS GRUPOS QUÍMICOS SOBRE A MANCHA-DE-MIROTÉCIO EM PLANTAS DE ALGODOEIRO

FUNGITOXICIDADE DE ALGUNS GRUPOS QUÍMICOS SOBRE A MANCHA-DE-MIROTÉCIO EM PLANTAS DE ALGODOEIRO FUNGITOXICIDADE DE ALGUNS GRUPOS QUÍMICOS SOBRE A MANCHA-DE-MIROTÉCIO EM PLANTAS DE ALGODOEIRO Juliano César da Silva (SLC Agrícola / julianopb@slcagricola.com.br), Maurício Conrado Meyer (Embrapa Soja),

Leia mais

Relatório de pesquisa agrícola

Relatório de pesquisa agrícola Relatório de pesquisa agrícola Título: Competição de fungicidas no manejo de doenças da soja. Objetivo: Avaliar o desempenho dos fungicidas comerciais no manejo de doenças na cultura da soja na safra 2013/14.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI. AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI. Equipe técnica: Dra Rosa Maria Valdebenito Sanhueza, Pesquisadora Vanderlei

Leia mais

Tabelas de fungicidas registrados para controle de ferrugem asiática e oídio da soja

Tabelas de fungicidas registrados para controle de ferrugem asiática e oídio da soja Tabelas de fungicidas registrados para controle de ferrugem asiática e oídio da soja Tabelas com fungicidas aprovados na Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil, realizada em Cornélio Procópio,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador

Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador Sueli Lourdes Ferreira Tarôco (1), Erivelton

Leia mais

Tratamento Térmico na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Lolium multiflorum Lam.

Tratamento Térmico na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Lolium multiflorum Lam. Tratamento Térmico na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Lolium multiflorum Lam. Heat Treatment on the Physiological and Sanitary Quality of Lolium multiflorum Lam. Seeds GIRARDI, Leonita

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Densidade de Plantas no Progresso da Ferrugem Comum em Híbridos Comerciais de Milho Murilo Viotto Del Conte²,

Leia mais

Graduanda em Engenharia Florestal/UNEMAT, Alta Floresta. e-mail marcia_soares-af@hotmail.com 2

Graduanda em Engenharia Florestal/UNEMAT, Alta Floresta. e-mail marcia_soares-af@hotmail.com 2 EFEITO DE MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS DE PRÓPOLIS NO CONTROLE DE Colletotrichum gloeosporioides EFFECT OF HOMEOPATHIC DRUGS PROPOLIS IN CONTROL DE Colletotrichum gloeosporioides SILVA 1, Márcia Soares da;

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CONTROLE DO TOMBAMENTO DAS MUDAS DE MAMOEIRO CAUSADO POR Rhizoctonia solani J.G. Kühn

CONTROLE DO TOMBAMENTO DAS MUDAS DE MAMOEIRO CAUSADO POR Rhizoctonia solani J.G. Kühn CONTROLE DO TOMBAMENTO DAS MUDAS DE MAMOEIRO CAUSADO POR Rhizoctonia solani J.G. Kühn Sheila Cristina Prucoli Posse 1, Silvaldo Felipe da Silveira 1, Roberto Ferreira da Silva 1 e Gabriela Neves Martins

Leia mais

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia INTRODUÇÃO Laboratório de Fitopatologia e a Clínica de Doenças de Plantas atuam em 4 áreas:

Leia mais

Interferência do controle da ferrugem asiática na produção da soja (Glycinemax(L.) Merr)

Interferência do controle da ferrugem asiática na produção da soja (Glycinemax(L.) Merr) Interferência do controle da ferrugem asiática na produção da soja (Glycinemax(L.) Merr) Janailson Pereira de Figueredo 1, Jaqueline Salla 2, Juliana Pereira da Silva 2, Ricardo de Sousa Nascimento 1,

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO

MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRICOLA MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO Autores Prof. Dr. Jair Alves Dionísio Eng a. Agr a. Diana Signor

Leia mais

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO TECNOAGRO Rodovia BR 060, km 11 - Condominio Rural Fundação Chapadão Casas 4, 5 e 6 - Caixa postal 39 - CEP 79.560-000 Chapadão do Sul, MS - www fundacaochapadao.com.br

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO Valter de Oliveira Neves Júnior1; Zélio de Lima Vieira 1; Leandro Martins Prudente1; Rafael Benetti1; Sebastião Pedro da Silva Neto 2 1 Acadêmico PVIC/UEG

Leia mais

RESULTADOS DOS ENSAIOS COOPERATIVOS SUMARIZAÇÃO SAFRA Reunião 09 julho de 2009 Hotel Cristal Londrina, PR

RESULTADOS DOS ENSAIOS COOPERATIVOS SUMARIZAÇÃO SAFRA Reunião 09 julho de 2009 Hotel Cristal Londrina, PR RESULTADOS DOS ENSAIOS COOPERATIVOS SUMARIZAÇÃO SAFRA 2008-09 Reunião 09 julho de 2009 Hotel Cristal Londrina, PR Reunião de Pesquisa de Soja Uberaba 2003 Fitopatologia Ribeirão Preto T.T. - início setembro

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA Cargnim, Jaqueline Marques ; Marcuzzo, Leandro Luiz Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas - PGMP

MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas - PGMP MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Roberto FARIA ; Sérgio Tadeu SIBOV ; Diego José CALDAS 2 ; Victor Fernando Rodrigues da SILVA 2 Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA EMPRESA: RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA Assist Consultoria e Experimentação Agronômica LTDA ME Endereço: Avenida Brasília, 2711 Campo Real. Campo Verde - MT. CEP 78840-000.

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES DE COENTRO CONTAMINADAS POR DIFERENTES NÍVEIS DE Alternaria radicina 1

TRATAMENTO DE SEMENTES DE COENTRO CONTAMINADAS POR DIFERENTES NÍVEIS DE Alternaria radicina 1 TRATAMENTO DE SEMENTES DE COENTRO CONTAMINADAS POR DIFERENTES NÍVEIS DE Alternaria radicina 1 PEDROSO, Daniele 2 ; MUNIZ, Marlove 2 ; TUNES, Lilian 2 ; MULLER, Juceli 2 ; JUNGES Emanuele 2 ; SANTOS, Ricardo

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

PROGRAMA ARYSTA NO CONTROLE DA FERRUGEM E CERCOSPORA DO CAFEEIRO NAS CONDIÇÕES DE CERRADO EM LAVOURA IRRIGADA POR GOTEJAMENTO

PROGRAMA ARYSTA NO CONTROLE DA FERRUGEM E CERCOSPORA DO CAFEEIRO NAS CONDIÇÕES DE CERRADO EM LAVOURA IRRIGADA POR GOTEJAMENTO PROGRAMA ARYSTA NO CONTROLE DA FERRUGEM E CERCOSPORA DO CAFEEIRO NAS CONDIÇÕES DE CERRADO EM LAVOURA IRRIGADA POR GOTEJAMENTO SANTINATO, R. ENGENHEIRO AGRÔNOMO, MAPA-PRÓCAFÉ, CAMPINAS, SP MOSCA, E. ENGENHEIRO

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis

Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis Josimar Rodrigues OLIVEIRA¹; eimar de Freitas DUARTE². ¹Graduando em Engenharia Agronômica e bolsista do CNPq Instituto Federal de

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Página 481 COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Suenildo Jósemo Costa Oliveira 1 ; Maria Aline Oliveira Freire 2 ; Lígia Rodrigues Sampaio

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP Mariane L. ESPERANDIO Discente FACULDADE DE TECNOLOGIA TECMED Mario A.VERGANI Discente

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO

CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO Magaly Morgana Lopes da COSTA 1 ; Guilherme de Freitas FURTADO 1 ; Elysson Marcks Gonçalves ANDRADE

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

Método de Isolamento e Cultivo do Gênero Claviceps, Agente Causal da Doença -Açucarada de Sorgo e de Outras Gramíneas

Método de Isolamento e Cultivo do Gênero Claviceps, Agente Causal da Doença -Açucarada de Sorgo e de Outras Gramíneas Método de Isolamento e Cultivo do Gênero Claviceps, Agente Causal da Doença -Açucarada de Sorgo e de Outras Gramíneas Previous Top Next IVANILDO E. MARRIEL 1, MARCELA T. BORGES 2, GISELE G. MONTEIRO 2,

Leia mais

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Gerson Sander 1, Antonio Carlos Torres da Costa 2, Jose Barbosa Junior Duarte 3 1 Eng. Agrôn., Mestrando

Leia mais

INTERAÇÕES DE CONTROLE BIOLÓGICO E CULTURAL NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CERRADO DA BAHIA

INTERAÇÕES DE CONTROLE BIOLÓGICO E CULTURAL NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CERRADO DA BAHIA INTERAÇÕES DE CONTROLE BIOLÓGICO E CULTURAL NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CERRADO DA BAHIA INTERAÇÕES DE CONTROLE BIOLÓGICO E CULTURAL NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CERRADO DA BAHIA RESULTADOS DE PESQUISA

Leia mais

EQUIPAMENTO PARA REGISTRO DO PERÍODO DE MOLHAMENTO FOLIAR

EQUIPAMENTO PARA REGISTRO DO PERÍODO DE MOLHAMENTO FOLIAR EQUIPAMENTO PARA REGISTRO DO PERÍODO DE MOLHAMENTO FOLIAR Luiz Alberto Colnago 1 Sílvio Crestana 2 Introdução A presença de água livre na superfície das plantas e a temperatura ambiente são os fatores

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO Página 1275 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Eleusio Curvelo Freire 3 ;

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com.

VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com. VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com.br (14) 3332-3388 Localização NOVA AMÉRICA S/A CITRUS (Fazenda Guacho) Nº plantas:

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão The Efficiency of Diatomaceous Earth in Control of Bean Weevil Acanthoscelides

Leia mais

Fungitoxicidade de grupos químicos sobre Myrothecium roridum in vitro e sobre a mancha-de-mirotécio em algodoeiro

Fungitoxicidade de grupos químicos sobre Myrothecium roridum in vitro e sobre a mancha-de-mirotécio em algodoeiro Fungitoxicidade de grupos químicos sobre Myrothecium roridum 755 Fungitoxicidade de grupos químicos sobre Myrothecium roridum in vitro e sobre a mancha-de-mirotécio em algodoeiro Juliano César da Silva

Leia mais

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA Hugo de Almeida Dan 1, Alberto Leão de Lemos Barroso 2, Lilian Gomes de Moraes Dan 3, Alaeste Diniz da Silva Júnior 3, Cleriston

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Temperaturas de Secagem no Vigor de Sementes de Milho Geneticamente Modificadas Patrícia Marluci da

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO Página 1376 ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Osório Lima Vasconcelos 3 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire 4 ; Flávio Rodrigo Gandolfi

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA À SECA

STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA À SECA STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA Dalyse Toledo Castanheira Danielle Pereira Baliza Tiago Teruel Rezende Samuel Pereira Carvalho Rubens José Guimarães Helbert Rezende Oliveira

Leia mais

MANEJO DA MANCHA DE RAMULÁRIA E MOFO BRANCO

MANEJO DA MANCHA DE RAMULÁRIA E MOFO BRANCO MANEJO DA MANCHA DE RAMULÁRIA E MOFO BRANCO Luiz Gonzaga Chitarra Fitopatologista Embrapa Algodão Luiz.chitarra@embrapa.br ASPECTOS GERAIS MANCHA DE RAMULARIA Causada pelo fungo Ramularia areola Atk.;

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO ESTADO DE SÃO PAULO Safra 2013/2014 Christina Dudienas IAC/APTA DOENÇAS Ferrugem comum Manchas Foliares Phaeophaeria Diplódia Ferrugem Comum Puccinia sorghi

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

o experimento encontra-se em andamento desde junho de 1997, no municipio de Introduc;ao

o experimento encontra-se em andamento desde junho de 1997, no municipio de Introduc;ao Carlos Cesar Pereira Nogueiraf.H, Humberto Umbelino de Sousa 2 e Jocicler da Silva Carneiro 3. Introduc;ao Originario do sudeste asiatico, 0 coqueiro esta distribuido por toda a regiao tropical do planeta.

Leia mais