BALANÇO RECURSOS HUMANOS APED

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇO RECURSOS HUMANOS APED"

Transcrição

1 OUT/DEZ 2009 N58 BALANÇO RECURSOS HUMANOS APED ÍNDICE p.02 p.03 p.04 01/ Introdução 02/ Sumário executivo 03/ Contribuição para o emprego p.05 04/ Caracterização p.07 05/ Contribuição para a actividade económica p.08 06/ Estabilidade e valorização no emprego p.09 07/ Absentismo p.10 08/ Acidentes de trabalho p.11 09/ Formação profissional p.12 10/ Acções de responsabilidade social dirigidas aos colaboradores das empresas associadas aped

2 01 INTRODUÇÃO A presente edição do Balanço dos Recursos Humanos APED, dá- -nos uma perspectiva tanto quantitativa como qualitativa da informação relacionada com os Recursos Humanos das empresas associadas APED. Este documento inclui valores médios e globais dos associados APED no que concerne a diferentes aspectos inseridos nos Balanços Sociais: Contribuição para o emprego Caracterização Indicadores Económicos Movimentação de Pessoal Promoções Absentismo Acidentes de trabalho Formação Profissional De forma a contextualizar esta informação apresentamos também alguns dados do emprego do sector do comércio a nível nacional e europeu bem como valores médios de indicadores sobre os recursos humanos dos restantes sectores da actividade económica nacional. Acrescentámos também uma secção dedicada às principais acções realizadas pelas empresas associadas APED no que concerne à Responsabilidade Social dirigida aos colaboradores das empresas. A principal fonte de informação deste relatório provém dos Balanços Sociais das empresas associadas APED. Todos os dados relativos aos colaboradores das empresas associadas são portanto fiáveis e permitem-nos ter um retrato fiel da realidade das empresas associadas APED e os seus recursos humanos. 02 Balanço Recursos Humanos APED

3 02 SUMÁRIO EXECUTIVO As principais conclusões a retirar do Balanço dos Recursos Humanos APED são as seguintes: No ano de 2008, as empresas associadas APED criaram 5,5 mil novos postos de trabalho, tendo nos últimos 5 anos criado 33 mil postos de trabalho. O sector do comércio a grosso e a retalho nacional criou, em 2008, 27 mil postos de trabalho. Dentro da Europa Ocidental, foi o 3º país com um maior crescimento da população empregada neste sector. Os colaboradores das empresas associadas APED no ano de 2008 trabalhavam maioritariamente no formato alimentar (71%), eram do sexo feminino (68%), com contrato de efectivo (67%), com o ensino secundário (38%) e tinham até 24 anos (27%). Portugal é o país da Europa com menor peso de colaboradores no comércio a retalho em Part-Time (7% no ano de 2007). As empresas associadas APED geraram um Valor Acrescentado Bruto de 1,7 mil milhões de Euros no ano de 2008, o que correspondeu a um aumento de 14% relativamente ao ano anterior. A produtividade de trabalho por colaborador nas empresas associadas APED aumentou para o formato alimentar no ano de 2008, face a 2007, em 2%, mas diminuiu no formato não alimentar em 6%. A taxa de passagem ao quadro permanente, que é o número de contratados a termo que passaram ao quadro permanente a dividir pelo total de contratados a termo ao longo do ano, teve um aumento nas empresas associadas APED no ano de 2008 relativamente a 2007 de 5,7 pontos percentuais. A taxa de absentismo reduziu-se em 1 ponto percentual no ano de 2008 face a No ano de 2008, foram despendidos em formação pelos associados APED 13,3 milhões de Euros e ministradas 3,1 milhões de horas. Por colaborador, nas empresas associadas APED no ano de 2008, foram dadas 42 horas de formação e investidos 186 Euros, em média. Balanço Recursos Humanos APED 03

4 03 CONTRIBUIÇÃO PARA O EMPREGO POPULAÇÃO EMPREGADA VARIAÇÃO POPULAÇÃO EMPREGADA APED , , , , , ,3 APED 2004 vs , vs , vs , vs , vs vs ,5 33,0 TOTAL COMÉRCI O 774,7 782,0 773,0 751,2 750,2 777,3 TOTAL COMÉRCI O 7,3-9,0-21,8-1,0 27,1 2,6 (Milhares) (Milhares), INE, INE As empresas associadas APED têm ao longo dos últimos anos aumentado o seu número de colaboradores. Em 5 anos, de 2003 a 2008, foram empregues 33 mil novos colaboradores. No final do ano de 2008, os associados APED empregavam colaboradores. Nos dados disponibilizados pelo INE relativamente ao número de trabalhadores no total do sector a comércio, que inclui tanto o comércio a grosso como a retalho, verificamos que este número tem aumentado embora não de forma constante. Dos 774,7 mil trabalhadores que este sector empregava no ano de 2003 passou- -se para 777,3 mil trabalhadores no ano de POPULAÇÃO EMPREGADA TOTAL COMÉRCIO Comparando a evolução da população empregada no sector do comércio em Portugal com os restantes países europeus, constatamos que o nosso país foi dos que teve um maior crescimento da população empregada neste sector no ano de 2008 relativamente a Com um crescimento superior a Portugal, tivemos apenas a Grécia e a Dinamarca com um aumento de 5,1% e 4,3% respectivamente, sendo que Portugal teve um aumento de 3,6%. Fonte: Eurostat 04 Balanço Recursos Humanos APED

5 04 CARACTERIZAÇÃO COLABORADORES APED ALIMENTAR VS NÃO ALIMENTAR TIPO DE CONTRATO APED Do total dos colaboradores dos associados APED, verificamos que em 2008, 70,5% estavam no sector alimentar e 29,5% no não alimentar. O peso dos colaboradores no sector não alimentar tem vindo a aumentar. Em 2003, esse peso era cerca de 17,6%, sendo actualmente de 29,5%. No que concerne ao tipo de contrato no ano de 2008, 67% dos colaboradores dos associados APED, tinham vínculo de efectivo. Este número tem-se apresentado bastante consolidado ao longo dos anos, evidenciando a estabilidade que existe em termos de vínculo contratual dos colaboradores das empresas associadas APED. SEXO APED Em termos da segmentação por sexo, o universo dos colaboradores dos associados APED é maioritariamente constituído por colaboradores do sexo feminino, que representam dois terços do total. Apesar disso, é importante salientar que o peso dos colaboradores do sexo masculino tem vindo a aumentar embora de forma ligeira. Passou de 29,9% em 2003 para 32,3% em Balanço Recursos Humanos APED 05

6 HABILITAÇÕES LITERÁRIAS APED ANO 2008 % DE TRABALHADORES PART-TIME NO COMÉRCIO A RETALHO Quanto às Habilitações Literárias do universo dos colaboradores dos associados APED no ano de 2008, estes podem-se dividir em colaboradores que têm o Ensino Secundário com 38%, o 3º Ciclo com 36%, 2º Ciclo com 13%, Superior Universitário com 6%, 1º Ciclo com 5% e Outros com 2%. O formato não alimentar tem um peso maior do que o alimentar em termos de colaboradores com o ensino Secundário e com o ensino Superior Universitário. Fonte: Eurostat Segundo dados do Eurostat referentes a 2007, constatamos que a realidade de Portugal em termos de trabalhadores em Part-Time no sector do comércio a retalho é bastante diferente da existente nos outros países europeus. Enquanto que em Portugal, no ano de 2007, 7% dos trabalhadores estavam em Part-Time, no Reino Unido e na Alemanha este peso era de 56%. Mesmo em Espanha, o número de trabalhadores em Part-Time (26%) é substancialmente superior ao registado em Portugal. ESTRUTURA ETÁRIA APED ANO 2008 A estrutura etária dos colaboradores das empresas associadas APED é distribuída de forma equitativa por colaboradores até aos 29 anos, e por colaboradores com mais de 29 anos. Se compararmos o formato alimentar com o não alimentar verificamos que este tem um peso superior dos colaboradores com menos de 29 anos, o que está ligado ao desenvolvimento mais recente deste formato. 06 Balanço Recursos Humanos APED

7 05 CONTRIBUIÇÃO PARA A ACTIVIDADE ECONÓMICA VALOR ACRESCENTADO BRUTO (MILHÕES ) APED PRODUTIVIDADE POR COLABORADOR (MILHARES ) COMÉRCIO A RETALHO E APED As empresas APED têm uma contribuição bastante relevante para a actividade económica nacional. Um dos indicadores para medir essa contribuição é o Valor Acrescentado Bruto (VAB). O VAB gerado pelos associados APED em 2008 ascendeu a 1651 milhões de Euros. Relativamente a 2007, correspondeu a um aumento de 14%. PRODUTIVIDADE TRABALHO POR COLABORADOR (MILHARES ) APED Fonte: Eurostat, APED Comparando a produtividade de trabalho por colaborador do comércio a retalho de Portugal com outros países da Europa, verifica-se a existência de um diferencial bastante alargado. Por cada trabalhador no comércio a retalho em Portugal são produzidos 13,8 mil Euros, enquanto que por exemplo na Irlanda por cada trabalhador são gerados 33,4 mil Euros. A produtividade de trabalho por colaborador dos associados APED tem-se revelado bastante estável. No entanto, é importante fazer uma destrinça entre o formato alimentar e o não alimentar. De facto, nos últimos 3 anos, tem-se registado por um lado uma diminuição da produtividade do retalho não alimentar e por outro lado um aumento da produtividade do retalho alimentar. Se compararmos a produtividade dos colaboradores dos associados APED com o total do comércio a retalho a nível nacional constatamos também uma considerável diferença (+9,3 mil Euros gerados por trabalhador APED vs trabalhador do comércio a retalho nacional no ano de 2007). Balanço Recursos Humanos APED 07

8 06 ESTABILIDADE E VALORIZAÇÃO NO EMPREGO NÍVEL ANTIGUIDADE APED ANO 2008 TAXA DE PROMOÇÕES APED(%) Taxa de Promoções (%) = Nº de Promoções / Nº Médio de pessoas durante o ano Relativamente à taxa de promoções dos colaboradores dos associados APED, depois de um decréscimo deste indicador no ano de 2007, 2008 registou um aumento. Em 2008 esta taxa era de 22,6%. Analisando o nível de antiguidade dos colaboradores das empresas associadas APED, constatamos que 38% já trabalham há mais de 5 anos. Se focarmos apenas o formato alimentar, verificamos que esse peso aumenta para 42%. MOTIVOS SAÍDA PESSOAL CONTRATO PERMANENTE TAXA DE PASSAGEM AO QUADRO PERMANENTE (%), Ministério do Trabalho (*) Empresas a nível nacional com mais de 100 colaboradores, Ministério do Trabalho (*) Empresas a nível nacional com mais de 100 colaboradores Taxa de passagem ao quadro permanente (%) = Número de contratados a termo que passaram ao quadro permanente / Total de contratados a termo ao longo do ano Outro indicador relevante, relacionado com a estabilidade e valorização no emprego prende-se com os motivos de saída do pessoal com contrato permanente. Efectuando um benchmarking entre os associados APED, e entre o total de empresas com mais de 100 colaboradores a nível nacional conforme os dados disponibilizados pelo Ministério do Trabalho, evidencia-se que nos associados APED, a saída por mútuo acordo ou iniciativa da empresa, é inferior relativamente à média global nacional. A taxa de passagem ao quadro permanente nas empresas associadas APED teve um aumento bastante relevante no ano de 2008 relativamente a 2007 de 5,7 pontos percentuais. Este indicador é claramente revelador do esforço desenvolvido pelas empresas para reforçar a não precariedade dos seus colaboradores. Por outro lado é importante realçar que tanto em 2006 como em 2007, a taxa de passagem ao quadro permanente nos associados APED é superior à média nacional. 08 Balanço Recursos Humanos APED

9 07 ABSENTISMO TAXA DE ABSENTISMO APED MOTIVOS ABSENTISMO Horas de ausência ao trabalho - Colaboradores APED em 2008 Taxa de Absentismo (%) = Número de horas de absentismo / Potencial máximo anual O absentismo nas empresas associadas APED, teve um importante decréscimo neste ano de Nos últimos 6 anos, este foi com excepção do ano de 2004, o ano com a menor taxa de absentismo. Actualmente essa taxa situa-se nos 6,6%. Em termos absolutos em 2008, o número de horas de ausência ao trabalho dos colaboradores dos associados APED foi de 9,6 milhões. (*) Empresas a nível nacional com mais de 100 colaboradores, Ministério do Trabalho Comparando os motivos de absentismo nos associados APED com o total de empresas com mais de 100 colaboradores a nível nacional, vemos que o peso da maternidade/paternidade é bastante superior nos associados APED (24%), relativamente ao total nacional (12%). MOTIVOS ABSENTISMO APED ANO 2008 O motivo mais importante do absentismo dos colaboradores dos associados APED no ano de 2008 foi a doença com 37%, seguida de outros com 33%, maternidade/paternidade com 24% e acidentes de trabalho com 6%. No não alimentar o peso da doença como motivo de absentismo foi inferior ao verificado no alimentar. Enquanto naquele formato teve um peso de 28%, neste teve um peso de 40%. Balanço Recursos Humanos APED 09

10 08 ACIDENTES DE TRABALHO ÍNDICE DE FREQUÊNCIA APED ÍNDICE DE GRAVIDADE APED TOTAL , , , ,2 TOTAL , , , ,52 ALIMENTAR 33,9 30,9 26,9 29,7 ALIMENTAR 0,62 0,52 0,49 0,54 NÃO ALIMENTAR 20,2 24,0 26,4 24,3 NÃO ALIMENTAR 0,45 0,50 0,53 0,49 Índice de Frequência = (Nº de acidentes de trabalho com baixa médica / horas de trabalho efectivo) x 10 6 Para avaliar a evolução dos acidentes de trabalho, existem dois indicadores que são comummente utilizados: o índice de frequência e o índice de gravidade. O índice de frequência dos associados APED em 2008 foi de 28,2. Historicamente, este índice foi sempre superior na área alimentar relativamente à não alimentar. Índice de Gravidade = (Nº de dias perdidos com acidentes de trabalho com baixa médica / horas de trabalho efectivo) x 10 3 Quanto ao índice de gravidade para o total dos associados APED foi de 0,52 em De assinalar, o decréscimo deste índice no não alimentar passando de 0,53 em 2007 para 0,49 em ACIDENTES DE TRABALHO APED PERÍODO DE TEMPO DE BAIXA No período de tempo de baixa causado por acidentes de trabalho, verificamos que tendencialmente tem aumentado o segmento superior de mais de 30 dias e o inferior de 1 a 3 dias. Em 2003 o segmento intermédio de 4 a 30 dias tinha um peso de 77%, sendo que em 2008 tinha um peso de 71%. 010 Balanço Recursos Humanos APED

11 09 FORMAÇÃO PROFISSIONAL CUSTOS E HORAS DE FORMAÇÃO APED Para as empresas associadas APED, a formação dos seus colaboradores desempenha um papel fundamental na sua cultura organizacional. No ano de 2008, foram dispendidos em formação pelos associados APED, 13,3 milhões de Euros e dadas 3,1 milhões de horas de formação. HORAS DE FORMAÇÃO POR COLABORADOR APED CUSTO MÉDIO FORMAÇÃO POR COLABORADOR ( ) APED HORAS FORMAÇÃO INTERNA VS EXTERNA APED ANO 2008 Em termos médios por colaborador foram ministradas no ano de 2008, 42 horas de formação. No mesmo período o custo médio de formação por colaborador foi de 186 Euros. Houve uma evolução bastante positiva destes indicadores se os analisarmos numa perspectiva de médio prazo. Se compararmos o ano de 2008 com o ano de 2005, em termos de custo por colaborador constata-se um aumento de 90% e em horas por colaborador um crescimento de 45%. Relativamente ao local onde se realizam as acções de formação dos colaboradores APED, a grande maioria consiste em acções de formação interna. Tanto para o formato alimentar como para o não alimentar cerca de 90% das horas de formação são ministradas internamente. Balanço Recursos Humanos APED 011

12 10 ACÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DIRIGIDAS AOS COLABORADORES DAS EMPRESAS ASSOCIADAS APED Nesta secção, elencamos algumas acções realizadas pelas empresas associadas da APED em termos de Responsabilidade Social que foram dirigidas aos colaboradores, no ano de É notório que existe por parte dos associados APED uma integração voluntária, de preocupações sociais na prossecução da sua actividade e interligação da mesma com os seus stakeholders, neste caso concreto com os seus colaboradores. É necessário ressalvar que esta lista não é exaustiva. Plano para a Igualdade No âmbito do QREN e do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) e com a parceria do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do ISCTE e do centro de Investigação para a Intervenção Social, foi iniciado em 2008 o Plano para a Igualdade de Género no Grupo Auchan. Este projecto pretende desenvolver, até Junho de 2010, um conjunto de actividades de carácter multidimensional que visam o desenvolvimento, implementação e avaliação de um Plano que promova a Igualdade de Género, conciliação entre a vida profissional e familiar e a protecção da maternidade e da paternidade dos colaboradores. Subsídio de calçado Subsídio apoio a estudos universitários com valor fixo para matrícula e livros a partir do 4º ano Adiantamento subsídio de doença, acidente e maternidade e pagamento do complemento Empréstimos a funcionários até 3 vezes o valor do salário bruto mensal e com pagamento em 12 ou 14 prestações. Prémio Pai do Ano Este prémio tem como objectivo incentivar os pais a usufruírem uma parte da licença de maternidade que a lei possibilita aos mesmos gozarem, em substituição da mãe. Serão considerados vencedores os Pais que usufruam do maior tempo de licença de maternidade, nos termos dos limites definidos pela lei. Seguro de Vida Protocolos Protocolos com diversas entidades para angariação de condições mais vantajosas para os colaboradores Conforama (ginásios, lojas, seguros, ) Integração de pessoas com deficiência A integração de pessoas com deficiência no universo dos colaboradores da Auchan é um dado adquirido e comum a todas as lojas. Para além da integração destes colaboradores são promovidos estágios profissionais em parceria estreita com diversas Instituições Privadas de Solidariedade Social. Fundação Pão de Açúcar - Auchan Com 16 anos de existência, criada por colaboradores para colaboradores, a Fundação Pão de Açúcar - Auchan é um exemplo de Responsabilidade Social Interna dentro do Grupo Auchan, que procura todos os dias criar e desenvolver o espírito de cooperação, entreajuda e solidariedade entre os colaboradores e as suas famílias. Apoio à maternidade/paternidade A IKEA apresenta um programa especial dedicado aos pais e mães que permite o prolongamento da licença de parto por mais dois meses Passa mais tempo com o teu bebé. Este programa também é válido para o pai. Relativamente a este apoio à maternidade/paternidade, a IKEA oferece ainda um Kit Bebé Presente que inclui os produtos da loja e um suplemento de ajuda ao nascimento Ajuda de Nascimento : Apoio à saúde Para apoio à saúde dos colaboradores, a IKEA dispõe de um Posto Médico e de um médico acessível nas Lojas. 012 Balanço Recursos Humanos APED

13 Seguro de vida para todos os colaboradores efectivos Independentemente da antiguidade na empresa, da faixa etária e sem necessidade de efectuar qualquer exame médico prévio Seguro de saúde para todos os colaboradores efectivos, onde se inclui a estomatologia Para os quadros médios e superiores, estão ainda previstas as coberturas do parto, a participação em próteses e ortóteses e tratamentos de fisioterapia Campanha de vacinação anual da gripe sazonal Para todos os colaboradores que pretendam aderir e sem custos para os mesmos Estágios curriculares com várias universidades e institutos de ensino superior No sentido de integrar jovens universitários no mercado de trabalho, mostrando-lhes o ambiente empresarial e contribuindo para uma experiência no terreno no decurso do curso superior e da respectiva valorização curricular International Retail Management A Media Saturn criou uma licenciatura de 3,5 anos na área de Gestão na University of Applied Sciences em Ingolstadt (cidade sede do grupo) que proporciona um claro equilíbrio entre a vertente teórica e prática. A proximidade dos estudantes à realidade do grupo Media Saturn é constante durante o ano lectivo, sendo-lhes ainda proporcionado nas pausas curriculares um estágio na empresa. Esta licenciatura é co-financiada pela Media Saturn Holding (Alemanha) e o país de origem dos estudantes. A Licenciatura é conduzida em inglês e os estudantes devem pas- -sar num teste internacional de inglês, assessment internacional e entrevistas de selecção. Este ano a Media Saturn Portugal abriu candidaturas internamente para duas pessoas. Neste momento temos dois ex-colaboradores como estudantes em Ingolstadt, em ambiente internacional com pessoas de cerca de 16 países diferentes, recebendo ambos durante todo o período da licenciatura uma bolsa que lhe permite fazer face às necessárias despesas na totalidade (propinas, alojamento, deslocação, ). Acreditamos que este investimento contribui para o aumento de competências dos nossos colaboradores, facilitando o acesso a uma educação superior por vezes àqueles que tendo capacidades não o puderam fazer devido a questões financeiras. Protocolos com ginásios locais Que permitem a prática do desporto em condições mais vantajosas junto às lojas/locais de trabalho dos colaboradores). MBA Media Saturn A Media Saturn desenvolve ainda um MBA na mesma universidade para quadros superiores. Portugal tem também investido nos seus quadros superiores proporcionando-lhes um MBA, totalmente financiado, na Alemanha em ambiente internacional. Doação de medula óssea A iniciativa de recolha de medula óssea começou nas Amoreiras, no passado dia 4 de Junho, com a deslocação às instalações da Fnac Sede de elementos do Centro de Histocompatibilidade do Sul, para procederem à colheita de amostras de sangue a cerca de 30 colaboradores, que manifestaram intenção em pertencer à base de dados do CEDACE - Centro Nacional de Dadores de Células Estaminais. Programa Novas Oportunidades O Projecto das Novas Oportunidades da Fnac Portugal teve o seu início na Loja de Cascais e nas lojas do Norte e, neste momento, já conta com vários inscritos pelas restantes lojas do país. Acordos com Ginásios As lojas Media Markt e a Media Saturn (sede) têm estabelecido acordos com ginásios próximos das suas instalações que permitem aos seus colaboradores usufruir destes espaços com descontos nas jóias e mensalidades. Estágios Profissionais Apostamos nos estágios, através de parcerias com entidades locais de ensino. Balanço Recursos Humanos APED 013

14 Seguro de Vida Questionário de Auscultação de Colaboradores Com o objectivo de conhecer melhor cada um dos Colaboradores pertencentes ao Grupo Jerónimo Martins, a sua realidade, as suas necessidades e o que realmente valorizam, procedeu-se à aplicação de um questionário a todos os Colaboradores do Grupo Jerónimo Martins a respeito de temas relacionados com bem-estar e vida familiar, o qual obteve uma percentagem de adesão de 90,5%. Os resultados deste questionário garantirão assim, que as medidas de responsabilidade social interna adoptadas pela Empresa correspondam às reais expectativas dos seus colaboradores. A todos os colaboradores com antiguidade na Empresa superior a 10 anos foi atribuído um Seguro de Vida. Programa Novas Oportunidades Através deste programa, denominado internamente Aprender e Evoluir, cerca de 600 colaboradores completaram já o 9º e 12º anos de escolaridade, tendo sido organizadas cerimónias de entrega dos respectivos diplomas. Protocolos Ao longo de 2009, procedeu-se à assinatura de um conjunto extenso de protocolos para obtenção de benefícios em produtos e serviços para Colaboradores do Grupo e respectivo agregado familiar, em áreas tão diversas como a educação, ensino, banca, lazer, entre outros. Medula Óssea No decurso deste ano, iniciou-se uma Campanha de angariação de potenciais dadores de medula óssea, com dimensão nacional, cujo resultado provisório aponta já para cerca de 3500 inscrições. Semana do Bem-Estar No sentido de contribuir para o bem-estar dos Colaboradores, realizou-se a denominada 2ª Semana do Bem-Estar Jerónimo Martins, destinada a Colaboradores da Estrutura Central, no âmbito da qual foram realizados diversos rastreios (osteoporose, condição postural, tensão, glicémia e colesterol, check up geral, saúde oral, entre muitos outros), workshops temáticos na área da Saúde e do Bem-Estar, entre outras iniciativas. Campanha de Livros Escolares Efectuou-se uma campanha que permitiu a compra de livros escolares em condições muito vantajosas. Com efeito, para além da atribuição aos colaboradores de um desconto de 5% na compra de livros escolares através da empresa, permitiu-se, ainda, o respectivo pagamento faseado. Programa de Nutrição JM Procedeu-se ao lançamento do Programa de Nutrição JM, que pretende oferecer a cada colaborador uma brochura sobre alimentação Saudável e a oportunidade de frequentar um programa de nutrição, que visa o atingimento do peso ideal. Actividades Lúdico- Pedagógicas Têm vindo a ser organizadas diversas actividades lúdico-pedagógicas dirigidas aos filhos dos colaboradores. Para além de visitas ao Oceanário e organização de ateliers, levou-se a cabo uma actividade de lazer denominada Uma Aventura no Tejo, no âmbito da qual cerca de 50 jovens com idades compreendidas entre os 12 e os 17 anos tiveram a oportunidade de viver uma verdadeira Aventura no Tejo,através da participação numa aula teórica, e uma saída de barco à vela no Rio Tejo, onde puderam demonstrar e praticar os conhecimentos adquiridos. O dia de actividade foi, ainda, preenchido com uma visita cultural ao Museu da Marinha. Prémios de Cooptação Vantagens para os colaboradores que contribuem para a integração de perfis válidos nos processos de recrutamento. Campanha vacinação Campanha anual de Vacinação contra a gripe para todos os colaboradores interessados. Protocolos Assinatura de protocolos com vantagens para os colaboradores, ginásios, lojas, agências de viagens, clínicas, seguros, etc; Incentivo à solidariedade social Incentivo à solidariedade social dos colaboradores, através da recolha de produtos para instituições carenciadas e compra de produtos de apoio a instituições sociais Concurso Desenhos de Natal Destinado aos filhos dos colaboradores, de idades até 10 anos, sendo atribuído um leque de prémios a todos os participantes e seleccionado um desenho que será a imagem de natal da empresa. Integração de Pessoas com deficiência Integração de Pessoas com deficiência ou necessidades sociais diversas, quer através de contrato de trabalho, quer através de estágios profissionais, em parceria em diversas entidades nacionais de apoio social. 014 Balanço Recursos Humanos APED

15 Campanha Dia Internacional da Mulher Osteoporose Sensibilização interna e externa para melhores práticas de saúde. Em parceria com: Roche APOROS Campanha Mês do Coração Sensibilização interna e externa para melhores práticas de saúde. Em parceria com: Fundação Portuguesa de Cardiologia Protocolos Temos disponíveis vários protocolos exclusivos para colaboradores: Bancários Sociais (ginásios, livrarias, empresas de actividades e experiências, agencias de viagens) Médicos. Campanha Cancro de Pele Sensibilização interna e externa para melhores práticas de saúde. Em parceria com: Associação Portuguesa do Cancro da Pele Violência doméstica Sensibilização interna e externa contra prática social violenta. Em parceria com: DGS Cancro da mama Sensibilização interna e externa para rastreio. Em parceria com: Laço Dia Mundial da Alimentação Sensibilização interna e externa para melhores práticas de saúde. Dia Mundial da SIDA Sensibilização interna e externa para práticas de prevenção. Em parceria com Alto Comissariado para a Saúde. Dádivas de sangue Campanha interna de dádiva de sangue Doação de medula óssea Campanha de Doação Rastreios de saúde: colesterol, glicemias, triglicerídeos, índices nutricionais Campanha de rastreio para melhoria das práticas de saúde dos colaboradores. Programa Novas Oportunidades Valorização pessoal e profissional dos colaboradores. No âmbito deste programa, a Companhia fez surgir o Projecto Valorizar Percursos, que pretende facilitar o acesso de colaboradores à iniciativa Novas Oportunidades, dando-lhes a possibilidade de certificar o 9º ou 12º ano de escolaridade. Balanço Recursos Humanos APED 015

16 FICHA TÉCNICA PROPRIEDADE E EDIÇÃO APED - Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição DIRECTOR António Rosseau DESIGN By PRODUÇÃO E IMPRESSÃO Sobralense PERIODICIDADE Bimestral TIRAGEM 2500 Ex. REGISTO Nº EDITOR Nº Fotos cedidas por AIC OUTROS: BP GEST / DISTRIVERDE / KOODZA / LG COUTINHO / LOJAS BABOU MALAQUIAS / N MARKET / ORCHESTRA / SUPERMERCADOS JAJU / SUPERMERCADOS SELECÇÃO / SUPERMERCADOS SANTA JUSTA / SUPERMERCADOS PORTUGAL SUPERMONTE / SODIPAÇOS / SUPERCHETE / SAMOVES / SAMOVES2 / SPAR SUPERMONDIM / SUPERCÔA / SUPERMERCADO TRIPLO / SUPERMERCADO CAVADINHA / UNIFATO

TITÚLO DA NEWSLET- TER

TITÚLO DA NEWSLET- TER OUT/DEZ 2011 N61 Balanço Recursos Humanos APED - Ano 2010 TITÚLO DA NEWSLET- TER ÍNDICE p.02 p.03 p.04 01/ Introdução 02/ Sumário executivo 03/ Contribuição para o emprego p.05 04/ Caracterização p.07

Leia mais

IMAGEM. Balanço. Humanos ÍNDICE. p.02 p.03 p.04

IMAGEM. Balanço. Humanos ÍNDICE. p.02 p.03 p.04 OUT/DEZ 2013 N62 Balanço Recursos Humanos APED - Ano 2012 IMAGEM ÍNDICE p.02 p.03 p.04 p.05 p.07 p.08 p.09 p.10 p.11 p.12 01/ Introdução 02/ Sumário Executivo 03/ Contribuição para o Emprego 04/ Caracterização

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Programa de Inserção Profissional Regulamento de Estágios Faculdade de Ciências Humanas Nos últimos anos, o ensino universitário tem vindo a integrar nos percursos formativos a realização de estágios curriculares

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS... ÍNDICE INTRODUÇÃO............ 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS......... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...... 7 1.3 DISTRIBUIÇÃO POR GRUPOS PROFISSIONAIS...

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

RELATÓRIO SOCIAL 2008

RELATÓRIO SOCIAL 2008 INTRODUÇÃO O Relatório Social do Grupo EDP tem como objectivo divulgar um resumo das características dos seus recursos humanos. Através de dados estatísticos e qualitativos, são apresentados vários quadros

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

Para a empresa a igualdade entre mulheres e homens é considerada uma prioridade para o desenvolvimento organizacional?

Para a empresa a igualdade entre mulheres e homens é considerada uma prioridade para o desenvolvimento organizacional? > QUESTIONÁRIO QUESTIONÁRIO I. MISSÃO E VLORES D EMPRES Empresas de excelência que visam ser socialmente responsáveis incorporam na sua missão e valores os princípios da igualdade de género e implementam

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Dezembro 2012 Índice

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Programa de Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º. Ciclo do Ensino Básico Relatório de Acompanhamento da Execução Física 2008/2009 CAP Comissão de Acompanhamento

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 41 12-10-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 1535 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 50/2009 Ordem Executiva n.º 50/2009 Usando da faculdade conferida

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA [VERSÃO MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

Mobilidade Estudantil:

Mobilidade Estudantil: Mobilidade Estudantil: 1. Programa Erasmus: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2. Protocolo Brasil e China: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2 Protocolo Brasil e China As regras a aplicar

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Conselho Geral DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELO DIRETOR, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR (2013-14) De acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 Realização: Ana Paula Fontinha Ana Cristina Santos Disponibilização de Dados Estatísticos: Bruno Ramos Coordenação:

Leia mais

A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal. Pedro Silva Martins*

A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal. Pedro Silva Martins* A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal Pedro Silva Martins* A rotatividade dos trabalhadores nas empresas é uma realidade bem conhecida dos gestores de recursos humanos. Seja por iniciativa do empregador

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»?

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? No actual cenário económico-financeiro do Mundo e do País, é obrigação de todas as entidades públicas, à sua escala, promoverem medidas de apoio às empresas e às famílias

Leia mais

Criação da Área de Responsabilidade

Criação da Área de Responsabilidade Criação da Área de Responsabilidade Social Interna Um Grupo com mais de 217 anos de História Somos uma empresa de Distribuição Alimentar Polónia Mais de 26.000 Colaboradores Portugal Mais de 28.000 Colaboradores

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP)

GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP) GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP) INFORMAÇÃO GERAL 1. O que é um estágio Erasmus? O Estágio Erasmus é uma parte da sua formação académica (curricular ou extracurricular) efectuada

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta Agenda O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta O Diagnóstico Turismo marítimo e costeiro Náutica de Recreio 60 Turismo Maritimo e Costeiro 123 Nautica

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Agenda Quem Somos? O que produzimos Informações Úteis Ideias - chave sobre Responsabilidade Social Empresarial (RSE) Nosso Conceito de RSE, baseado na Missão e Valores

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu

Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu março 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3. O Contexto Atual... 3 4. Objetivos

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

spa Termal Oportunidades de Investimento e de Negócio 18 de Maio de 2006 Research Sectorial 11º Congresso da European Spas Association

spa Termal Oportunidades de Investimento e de Negócio 18 de Maio de 2006 Research Sectorial 11º Congresso da European Spas Association spa Termal Oportunidades de Investimento e de Negócio 11º Congresso da European Spas Association Francisco Mendes Palma Director Espírito Santo 18 de Maio de 2006 SPA Termal Sanus per Aquam. 1. Caracterização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829 Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829 Limites às elegibilidades 13 O investimento constante do n.º 4 é elegível quando o seu uso for indispensável à execução da operação, sendo

Leia mais

1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR

1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR 1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 42/2005 de 22 de Fevereiro A 19 de Junho de 1999, os ministros da educação

Leia mais

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Evolução da Alfabetização em PORTUGAL Portugal tem 650 mil analfabetos 9% não sabe ler Estima se que existam em Portugal cerca 658 mil

Leia mais

Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos

Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos * Total de alunos mais do que triplica o de há 10 anos e atinge 91 mil; peso das escolas secundárias públicas passa de zero

Leia mais

RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2009/2010 RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2009/2010 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro Documento onde se estabelecem as linhas orientadoras para elaboração dos Relatórios de Concretização

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

Relatório Questionário on-line

Relatório Questionário on-line Associação Portuguesa dos Gestores e Técnicos dos Recursos Humanos Seminário: Novos Caminhos, Novos Desafios da Formação Certificada Relatório Questionário on-line Relatório 1. Introdução e Objectivos

Leia mais

Relatório - Inquérito info-ciências digital

Relatório - Inquérito info-ciências digital Relatório - Inquérito info-ciências digital Elaborado por: Rebeca Atouguia e Miguel Cardoso Gabinete de Planeamento e Controlo da Gestão Núcleo de Planeamento, Avaliação e Gestão da Qualidade Maio 11 Índice

Leia mais

As componentes estruturantes de avaliação centram-se em dois grandes domínios das políticas activas de emprego:

As componentes estruturantes de avaliação centram-se em dois grandes domínios das políticas activas de emprego: CONTRIBUTO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU PARA A INSERÇÃO E EMPREGABILIDADE DOS BENEFICIÁRIOS 1 1. A Avaliação de Impacte das Acções financiadas pelo Fundo Social Europeu inscreveuse na preocupação comunitária

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal

Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal Intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago, no Conselho Nacional de Educação 13 de Fevereiro

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO

DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO Caracterização da Procura e oferta de emprego e de formação no âmbito da Bolsa de Qualificação e Emprego (BQE) A Bolsa de

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR As modalidades de acção social escolar de que beneficiam os alunos da Região Autónoma dos Açores

Leia mais

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III.1 Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

Índice. Capítulo VI. 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1. 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4

Índice. Capítulo VI. 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1. 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4 Índice Capítulo VI 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4 6.2 Licenças Parentais na Europa dos 15...6 6.3 As Licenças de Maternidade, Paternidade,

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL 2012/2010 Estudo Sair Da Casca e Informa D&B Dezembro 2013 METODOLOGIA Universo do estudo TECIDO EMPRESARIAL: Todas as entidades (pessoas

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS REGIME DE DESENVOLVIMENTO [MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de:

INTERCAMPUS Inquérito a Turistas Maio de 2015 EVENTOS DE SURF. Com o apoio de: EVENTOS DE SURF 1 Com o apoio de: Índice 2 1 Análise Síntese 4 2 Resultados 7 1. Caracterização da amostra 8 2. Satisfação 15 4. Regressar e recomendar 20 3 Metodologia 23 Contextualização do Projecto

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.2.2009 COM(2009) 77 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais