INDICE 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS ESTRUTURA DO ESTUDO CONCEITOS E DEFINIÇÕES...10

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICE 1. INTRODUÇÃO... 6 1.1. OBJETIVOS... 6 1.2. ESTRUTURA DO ESTUDO... 7 1.1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES...10"

Transcrição

1 ITI/SOFTEX 1 Alves, A.M. INDICE 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS ESTRUTURA DO ESTUDO... 7 CAPÍTULO 1. MODELO DO SOFTWARE LIVRE CONCEITOS E DEFINIÇÕES Software livre e código aberto Licenças Segurança e Transparência DINÂMICA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE LIVRE MERCADO DE SOFTWARE LIVRE...17 CAPÍTULO 2. O JOGO DO SOSTWARE LIVRE MARCO CONCEITUAL AS CARACTERÍSTICAS DO JOGO DO SOFTWARE LIVRE OS ATORES DO JOGO DO SOFTWARE LIVRE...22 CAPÍTULO 3. MARCO ANALÍTICO CARACTERIZAÇÃO DAS PREFEITURAS DESCRIÇÃO DO COMPORTAMENTO DAS PREFEITURAS Os Arranjos Institucionais Os Tipos de Licença Forma de Representação do comportamento das Prefeituras DOMÍNIOS DA APLICAÇÃO DO SOFTWARE CONFIGURAÇÕES E ESTILOS DE DISPONIBILIZAÇÃO O Estilo de Disponibilização Induzido O Estilo de Disponibilização Sem Indução CONSIDERAÇÕES SOBRE O MARCO ANALÍTICO Primeiro conjunto de informações-evolução e Avaliação dos Atributos Segundo conjunto de informações-trajetória Contextual dos Atributos Terceiro conjunto de informações - Processo de Migração dos Domínios de Aplicação...37

2 ITI/SOFTEX 2 CAPÍTULO 4. AMOSTRA, METODOLOGIA E ANÁLISE DOS RESULTADOS DEFINIÇÃO DA AMOSTRA E METODOLOGIA Os Municípios no Brasil A Amostra Os municípios da amostra As empresas fornecedoras de serviços de SL para as prefeituras Representação do Comportamento das Prefeituras Amparo Rio das Ostras Porto Alegre Viamão Belo Horizonte Sobral Solonópole Manaus Recife Petrolina Campinas Sao Paulo Pirai Caracterização detalhada das prefeituras da Amostra ANÁLISE DOS RESULTADOS Aspectos relacionados à Demanda de SL nas Prefeituras...63 Barreiras...63 Oportunidades...66 Licenças...67 Mão de Obra...67 Hardware...68 Liderança...68 Comunidade & Colaboração...69 Universidades & Empresas Parceiras...69 Decisão Aspectos Econômicos Custos & Oportunidades de Difusão Impactos Econômicos Fornecedores Aspectos Sociais Não aprisionamento tecnológico e dificuldades para migração e custos Impacto Social Laços com Universidades Realocação de recursos Aspectos Tecnológicos Categorias de Software para uso no âmbito da prefeitura...80

3 ITI/SOFTEX Cenários de difusão Estrutura de Produtos Capacitação Tecnológica Melhoria de Segurança e Qualidade Barreiras a extensão e aprofundamento do SL MODELOS DE NEGÓCIOS Modelo Proprietário utilizando Ferramentas Livres Modelo de Desenvolvimento de Software Livre Mercado das Pequenas Prefeituras Mercado das Médias Prefeituras Mercado das Grandes Prefeituras As Empresas Fornecedoras de SL FINANCIAMENTO...98 PMAT...98 PNAFM...99 Obstáculos para obtenção CAPÍTULO 5. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ANEXO 1- CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA PREFEITURA DE AMPARO(SP) PREFEITURA DE RIO DAS OSTRAS (RJ) PREFEITURA DE PORTO ALEGRE (RS) PREFEITURA DE VIAMÃO (RS) PREFEITURA DE BELO HORIZONTE(MG) PREFEITURA DE SOBRAL(CE) PREFEITURA DE SOLONÓPOLE(CE) PREFEITURA DE MANAUS(AM) PREFEITURA DE RECIFE(PE) PREFEITURA DE PETROLINA(PE) PREFEITURA DE CAMPINAS(SP)...187

4 ITI/SOFTEX PREFEITURA DE PIRAÍ ANEXO 2 BANCO DE DADOS E REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DAS PREFEITURAS ANEXO 3 QUESTIONÁRIO DE SOFTWARE LIVRE NAS PREFEITURAS QUESTIONÁRIO SOFTWARE LIVRE...220

5 Projeto Aplicação de Software Livre em Prefeituras ITI/SOFTEX 5

6 ITI/SOFTEX 6 1. Introdução Este capítulo possui duas seções. A primeira apresenta os objetivos do estudo. A segunda sintetiza os grandes blocos do estudo e suas metas e pontos principais Objetivos Cinco blocos foram inicialmente identificados pela equipe do Projeto, por ocasião dos primeiros contatos com a equipe do ITI, como balizadores para a sua concepção. A caracterização de objetivos elaborada a partir desses elementos contribui para o entendimento da orientação que a equipe imprimiu ao Projeto e, logo, para a obtenção dos resultados alcançados. Os objetivos são: Principal: Apresentar uma análise de viabilidade de difusão do modelo de Software Livre (SL) nas prefeituras brasileiras Secundários: Construir um painel analítico das principais experiências de aplicação de SL em municípios, sistematizando e avaliando os resultados obtidos; Avaliar as condições de financiamento e modelos de negócios viáveis para o desenvolvimento de projetos de SL para prefeituras; Gerar subsídios para ações governamentais voltadas para implantação de SL em prefeituras. O contexto estrutural ao qual se direcionam os resultados desse projeto é caracterizado pelos seguintes aspectos: as mais de prefeituras brasileiras objeto deste Projeto - conformam um todo sob vários aspectos heterogêneo;

7 ITI/SOFTEX 7 90% das prefeituras brasileiras são de pequeno porte (IBGE,2001); as definições usualmente utilizadas para definir a informatização de prefeituras, critério adotado pelo IBGE, são insuficientes para relatar a realidade atual, os programas de financiamento à informatização das prefeituras não estão alcançando um nível satisfatório de efetividade. mercado brasileiro de software, estimado em 10,4 bilhões de dólares, é o sétimo maior mercado mundial 77 empresas nacionais (64% do total) faturam 1,7 bilhões (16% do mercado) 44 empresas estrangeiras (36% do total) faturam 8,7 bilhões (84% do mercado) setor público responde por 30 a 50% do mercado legal as empresas pequenas são discriminadas no atendimento ao setor público, sobretudo federal a Legislação (8666 e Responsabilidade Fiscal) induz o setor público a usar Software Proprietário (SP) a formação de RH nas universidades é focada em SP Para a avaliação do mercado potencial de prefeituras brasileiras foram analisados os dados da Pesquisa Perfil dos Municípios Brasileiros - Gestão Pública 2001, disponível no site do IBGE. O IBGE apresenta as informações obtidas pela pesquisa realizada em 2001, junto às prefeituras dos municípios brasileiros, relativamente ao tema Gestão pública. As Notas Técnicas da pesquisa, disponíveis no mesmo site apresentam as características, dificuldades e outros aspectos relevantes da pesquisa. As tabelas e dados relevantes para este estudo estão descritos na parte inicial do Capítulo 5 - AMOSTRA, METODOLOGIA E ANÁLISE DOS RESULTADOS Estrutura do Estudo Este estudo apresenta os resultados e recomendações que se constituem em subsídios significativos para tomadas de decisão do ITI em relação ao tema. À medida que, de forma iterativa e recorrente, foi se realizando o trabalho de coleta e processamento de informação secundária e empírica, de interpretação teórica dos processos de construção sócio-técnica e adoção do modelo do SL, e de formulação de esquemas relacionais capazes de integrar os blocos de conteúdo que se estava produzindo em simultâneo,

8 ITI/SOFTEX 8 esse movimento de afunilamento foi fazendo emergir os resultados e algumas recomendações mais significativas. Os cinco blocos identificados pela equipe do projeto estão descritos abaixo. O primeiro trata da compreensão dos assuntos relacionados a SL por diversos prismas e diversas interpretações, da dinâmica de desenvolvimento do SL, do mercado de SL e é apresentado no Capítulo 5 Modelo do SL. A definição de um modelo do SL, este conhecimento em processo de construção sóciotécnica ainda em aberto cujas implicações sociais se trata de conformar, compõe o segundo bloco e é apresentado no Capítulo 2 O Jogo do SL. Esse segundo bloco resulta de um esforço para entender a relação existente entre os atores quadros técnico-políticos de governo, empresários de software, Prefeituras, comunidade de SL - que participam nesse jogo do SL. Esse resultado procura dar conta, a partir do enfoque de Análise de Políticas Públicas, das interações - pactos, alianças, movimentos de cooptação, neutralização e enfrentamento - que atores sociais - pessoas, organizações - realizam, por intermédio dos recursos - políticos, econômicos, midiáticos, cognitivos - que controlam, para influenciar agendas e processos decisórios - e de não-tomada de decisão - visando à construção, a partir do modelo do SL, de estilos sócio-técnicos - e, em particular, Arranjos Institucionais - que potencializem seus interesses e projetos políticos. O terceiro bloco, Capítulo 3 - Marco Analítico, mantém a preocupação com a explicação dos comportamentos esperados dos atores, agora colocando o foco no ator Prefeitura e buscando referi-los e explicá-los mediante o marco de referência analítico-conceitual formulado pela equipe do Projeto. Através desse marco foi possível sistematizar conteúdos dos dois blocos já citados e orientar o trabalho de campo previsto pelo Projeto, abarcando entrevistas a Prefeituras envolvidas com SL, empresas, agências de governo, órgãos de financiamento e formadores de opinião. O emprego do marco analítico na sistematização da informação empírica coletada através do trabalho de campo permitiu a geração do quarto bloco contendo os resultados da pesquisa de campo, apresentados de forma sintética no Capítulo 4 - Amostra, Metodologia e Análise dos Resultados. Esse capítulo, após apresentar a amostra e a metodologia empregada na sua seleção, focaliza na análise desses resultados, agrupados segundo atributos de natureza genérica - Capacidade Financeira, Capacidade Técnica, Grau de Informatização, Capacidade de Articulação - ou especificamente relacionados ao SL - Motivação /Demanda, Entorno/Ambiente, Imposição Legal.

9 ITI/SOFTEX 9 Complementa-se com a análise da trajetória recente de cada Prefeitura, observada mediante sua referência a um espaço bidimensional - eixos de crescente indução do Estado e de adoção de SL. Dessa maneira, ao proporcionar uma explicação das trajetórias individuais das Prefeituras segundo um mesmo conjunto de atributos, o marco de referência empregado sugere hipóteses preliminares acerca das motivações que as levaram à definição e perseguição de uma estratégia de entrada nos ambientes sócio-técnico e institucionais do SL e, principalmente, à busca de implementação de mudanças em seus domínios de aplicação (infra-estrutura, desktop, gestão interna, e integração e comunicação). Essas hipóteses explicativas das trajetórias observadas, bem como o comportamento esperado das Prefeituras frente a dois modelos extremos de Arranjos Institucionais para a disponibilização de SL com ênfases opostos nos níveis de indução por parte do Estado, são os elementos a partir dos quais se organizam as Conclusões e Recomendações o quinto bloco, apresentado no Capítulo 5. Frente a este contexto, o estudo pode vir a contribuir para a construção de uma estratégia nacional em SL que promova o desenvolvimento nacional, em especial das pequenas e médias empresas.

10 ITI/SOFTEX 10 Capítulo 1. Modelo do Software Livre 1.1. Conceitos e Definições CONTEXTO Por um lado, a análise de janelas de oportunidades tecnológicas pelos estudiosos da economia da tecnologia já demonstrou, sobretudo quando aplicada a países periféricos, a importância das ações do estado, de caráter antecipatório e de natureza normativa no sentido de seu aproveitamento em beneficio do conjunto da sociedade. A sociologia da inovação, por sua parte, tem mostrado como um corpo de conhecimento técnico-científico pode dar lugar a diferentes trajetórias de construção sócio-técnica a depender dos interesses dos grupos de atores sociais que, durante o período inicial de flexibilidade interpretativa, participam do seu desenvolvimento. O processo de fechamento que se segue, a partir do qual esse conhecimento é materializado em artefatos tecnológicos, e que novos bens e serviços passam a ser produzidos, é determinado pelos contratos econômicos e sociais, e pelos arranjos político-institucionais influenciados por esses interesses. São eles que, ao limitar, modificar e realimentar aquelas potencialidades, originam o tecido sem costuras que passa a caracterizar o paradigma técnico-econômico que irá determinar a forma de emprego do conhecimento e as implicações diferenciadas que terá na vida dos diferentes grupos sociais. O SL encontra-se atualmente, principalmente nos países periféricos, no estágio de construção, flexibilidade interpretativa, longe ainda de alcançar o fechamento. Com o objetivo de contribuir para a construção e entendimento deste processos, são apresentados a seguir conceitos e entendimentos necessários para a formulação de estratégias que sejam vetores para a construção sócio-técnica do SL adequadas para o país.

11 ITI/SOFTEX 11 DEFINIÇÕES Os assuntos relacionados a software livre podem ser observados por diversos prismas, resultando em diferentes interpretações. Segundo Cezar Taurion (Taurion, 2004), software livre é, antes de tudo, um modelo de negócios. Já para Amadeu (2004), é um modelo de contratação. Neste estudo, o software livre é abordado como um modelo de disponibilização associado a uma dinâmica de desenvolvimento de software. Por disponibilização compreende-se formas de comercialização (produtos/serviços) associados a modelos de licenciamento do software para os usuários. Neste documento, considera-se que os conceitos convencionais relacionados às questões de software livre sejam de conhecimento geral. Existe atualmente uma vasta literatura que cobre estes temas, seja na Internet ou impressos. Para evitar a simples reprodução dos conceitos, sugere-se a leitura de algumas das referências bibliográficas selecionadas e apresentadas ao final deste documento. Entretanto, por existirem diferentes definições possíveis para alguns conceitos fundamentais, considera-se oportuno delineá-los, especificando como são interpretados e utilizados no contexto deste documento, para que haja uma homogeneização da compreensão do mesmo Software livre e código aberto Um software é dito livre quando apresenta quatro liberdades: é livre para ser utilizado, estudado, alterado, redistribuído e copiado. Para que algumas destas características sejam possíveis, também é fundamental que esteja disponível o código fonte que deu origem ao software. Logo, um software livre tem código aberto. Dentro do conceito de software livre, há duas grandes correntes que se diferenciam por suas orientações e filosofias: Free Software, software livre em inglês, mais antiga, criada na década de 80, e que incorpora alguns princípios ao conceito geral: as liberdades citadas, conferidas aos usuários, devem ser características inerentes do software e de todas as suas versões futuras e trabalhos derivados. Open Source, código aberto em inglês, criada na década de 90, que dá o foco nas virtudes do código fonte aberto - difusão, possibilidade de cooperação entre os desenvolvedores, reaproveitamento de trabalho anterior, permite rápido

12 ITI/SOFTEX 12 desenvolvimento com qualidade, sem preocupar-se com as questões das liberdades defendidas pela outra corrente. Em termos práticos, um software que é livre segundo os conceitos Free software sempre o será e ninguém poderá incorporá-lo nem transformá-lo em software proprietário. Se o código fonte de um software que é Free Software for incorporado em outro programa, este novo software também terá que ser Free Software. Por outro lado, um software que é livre segundo os conceitos Open Source, também seguirá livre para sempre, mas seu código fonte também poderá ser utilizado em projetos de software proprietário. Para simplificação, nesse estudo serão adotados os seguinte conceitos : Software Livre, com iniciais maiúsculas, denotará o software livre segundo os conceitos de Free Software. Código Aberto, com iniciais maiúsculas, denotará o software livre segundo os conceitos de Open Source. Tem-se percebido recentemente o uso inadequado do termo software livre para designar produtos de software que não são livres, mas que são desenvolvidos com a finalidade de serem executados em plataformas consideradas livres, como por exemplo, plataformas com sistema operacional Gnu/Linux e OpenBSD. Da mesma forma como há software livre que pode ser utilizado em sistemas operacionais não-livres, como as ferramentas de escritório OpenOffice sobre as diversas versões de MS Windows, também é possível a existência de software não-livre para utilização em sistemas operacionais livres, como bancos de dados Oracle sobre Gnu/Linux. É fundamental fazer esta distinção e caracterizar adequadamente cada software. Em última análise: para ser considerado livre, seja Software Livre ou Código Aberto, o código fonte completo do software em questão deve sempre estar disponível para seus usuários. Se não estiver disponível, não é software livre. Esta é uma condição necessária mas não suficiente como já observado anteriormente. Em contraposição ao software livre está o software proprietário, ou seja, o software fechado, em que somente o detentor dos direitos de propriedade intelectual tem acesso ao seu código fonte e os usuários podem utilizar o software, mas não têm permissão de alterá-lo, até porque não dispõem do código fonte para tal, copiá-lo, redistribuí-lo nem revendê-lo. São estabelecidos preços por cópia instalada e para a atualização para novas versões.

13 ITI/SOFTEX Licenças De acordo com a legislação brasileira (LEI, ano), pautada por acordos internacionais de direitos autorais, o criador de um software tem o poder de definir a forma como sua criação pode ser utilizada. Esta característica é indistinta para software livre e para software proprietário. O(s) desenvolvedor(es) de um software escolhem a forma pela qual o software poderá ser usado e distribuído, segundo suas próprias visões, necessidades e/ou filosofias e segundo as regras e restrições que lhes são definidas. Esta definição se dá aplicando-se ao programa de computador licenças de uso de software. O autor associa o software a uma licença, onde descreve as situações, as restrições e os direitos dos usuários sobre o software, e como estes podem exercê-las. Uma licença de software é, portanto, como um contrato de adesão, ao qual o usuário deve submeter-se se deseja utilizar o software. Esta é a forma pela qual os desenvolvedores de software proprietário e de software livre disponibilizam suas criações para terceiros, usuários e desenvolvedores. Em geral, as licenças de software proprietário permitem somente que o usuário utilize o software, de acordo com as regras do titular, geralmente a empresa desenvolvedora ou distribuidora, sendo vedada sua reprodução, instalação múltipla sem o devido pagamento adicional, alteração, cessão, revenda ou redistribuição. No caso de software livre, a escolha destas regras, licenças, permite definir o modelo, Software Livre ou Código Aberto, pelo qual o software deverá reger-se. Existem dezenas de tipos de licenças de software livre, mais ou menos populares e cada desenvolvedor pode adotar uma delas ou criar a sua própria, baseada ou não nas existentes. Tomemos dois exemplos de licenças que servirão de protótipo para os modelos citados: como exemplo de licença de software livre/software Livre, será utilizada a GNU GPL e como exemplo de licença de software livre/código Aberto será utilizada a licença BSD atualizada. A figura 1.1 ilustra possíveis caminhos de um software em relação às licenças a que poderá ser submetido ao longo do tempo, a partir da criação original por parte de um autor. A figura apresenta as possíveis conseqüências ao longo do tempo da decisão do autor do software quando da publicação da sua criação. Se o autor decidir publicar seu software com a licença GNU GPL, o software original, todas suas versões futuras e trabalhos derivados, ou seja, aqueles que utilizam boa parte do software em sua versão original ou nas versões subseqüentes, também deverão ser publicados sob esta mesma

14 ITI/SOFTEX 14 licença. Todas as versões futuras e trabalhos derivados serão software livre/free Software. Por outro lado, se o autor decidir publicar seu software original sob a licença BSD, as versões futuras e os trabalhos derivados terão outras possibilidades de continuidade. Em qualquer momento, o autor ou outros desenvolvedores poderão publicar novas versões e trabalhos derivados baseados no código fonte original sob outra licença. A versão original continuará com sua licença BSD, mas as versões subseqüentes poderão ser inclusive não livres. Figura - Licenças de software e seus relacionamentos Software livre Versão A A - GPL B - GPL n - GPL B - GPL n - GPL A - BSD B - BSD n - BSD Free software Open Source Software proprietário B - PRP n - PRP Obs: PRP identifica uma licença de software proprietário, não-livre. Figura 1.1. Licenças de Software e seus Relacionamentos Ainda observando a Figura 1.1 pode-se também avaliar a situação em que um desenvolvedor decide criar um software e que lança mão de trechos de software livre já disponível, essa é uma vantagem do modelo de desenvolvimento de software livre: a possibilidade de reaproveitar código pronto e já testado, do qual não se é o autor. No caso de ter sido utilizado como ponto de partida um código fonte GNU GPL, este novo software também deverá ser GNU GPL, obrigatoriamente. Cabe ressaltar aqui que o desenvolvedor deste trabalho derivado não será obrigado a redistribuir o novo software se o fizer para seu próprio uso, de seu empregador ou de seu contratante, mas se o fizer terá que respeitar esta regra. Por outro lado, se o código fonte original for licenciado segundo uma licença de Código Aberto, como é o caso da BSD citada acima, este novo programa poderá ser licenciado da forma que aprouver ao seu desenvolvedor: continuar como BSD, ser transformado em

15 ITI/SOFTEX 15 GNU GPL ou em outra licença de software livre ou ser transformado em software proprietário sem que o código fonte esteja disponível Segurança e Transparência Esta é uma das características mais importantes do ponto de vista do setor público, uma vez que o sigilo e a privacidade das informações são fundamentais para muitos dos dados que são armazenados nos seus sistemas de informação. Ao ter seu código aberto ao escrutínio público, o software livre é naturalmente seguro. Todo código de software livre está à disposição para avaliação e melhorias. Isto dá a oportunidade de muitos aprenderem técnicas de programação e também de colaborarem na melhoria de programas, por exemplo, nas questões ligadas à segurança. Além disso, o sigilo e a privacidade nos software livres também são características marcantes, uma vez que é impossível introduzir, por exemplo, portas traseiras no software ou definir canais de comunicação sem que isto possa ser detectado com simples inspeção do código fonte. Se por motivos quaisquer o produtor de um software decidir introduzir algum tipo de mecanismo de escuta ou de acesso não autorizado no código fonte pensará duas vezes ao saber que seu código poderá ser, a qualquer momento, avaliado por terceiros que poderão encontrar tal código indevido Dinâmica de desenvolvimento de software livre Outra característica marcante no software livre é sua dinâmica de desenvolvimento. Tradicionalmente, o desenvolvimento de software proprietário é realizado por grupos de desenvolvedores dentro de uma empresa ou de empresas contratadas para tal, sob contratos que impedem a divulgação e o uso de informações relacionadas ao produto em desenvolvimento. Tudo está envolvido em questões de sigilo industrial e o conhecimento relacionado à produção dos software é considerado como um ativo muito importante da empresa proprietária dos mesmos. No âmbito do software livre, ao contrário, o desenvolvimento ocorre mais freqüentemente em grupos heterogêneos e fracamente relacionados, ou seja, sem que haja contratos formais nem vínculos dos desenvolvedores a empresas ou organizações que estejam diretamente envolvidas com o desenvolvimento do dito software. Esta forma de ação permite a troca de informações e a constante evolução tanto do software quanto dos que

16 ITI/SOFTEX 16 participam daquele grupo, pois estarão sempre aprendendo técnicas e métodos com os demais companheiros de desenvolvimento. O desenvolvimento de um software sob estas condições exige que exista um líder de projeto - em geral a pessoa com atuação mais destacada no mesmo, que decide quais colaborações incorporar, quais as prioridades e os rumos do software. Se alguém discorda, pode haver debates e ajustes. Se não se chega em um acordo, sempre há a possibilidade de iniciar-se um novo projeto, com novas prioridades e rumos, utilizando todo o software já desenvolvido, e partindo do ponto exato onde houve a ruptura. Formam-se comunidades em torno da criação e evolução de determinados software. Aos desenvolvedores se somam os usuários dos software, que sempre contribuem de uma forma ou outra, para a evolução do mesmo - quer seja pela descoberta de bugs quer pela sugestão de melhorias e de possíveis direcionamentos do desenvolvimento. Outros colaboradores se unem também às comunidades - tradutores, investidores, artistas gráficos, editores de livros; para apoiar e participar da criação do software. Este modelo de desenvolvimento também permite que muitos indivíduos e empresas possam colaborar para produzir um produto que nenhum deles seria capaz de elaborar sozinho, por complexo ou pelo custo. Também permite uma correção rápida de bugs e o incremento da segurança, porque o código fonte pode ser inspecionado publicamente e isto faz com que ele seja exposto a severas avaliações. Outra característica interessante é a possibilidade de realizar alterações específicas, de acordo com as necessidades individuais de cada usuário, gerando diversas versões personalizadas. Quando a massa de usuários de um software torna-se significativa, é freqüente que alguns membros destes coletivos organizem-se de forma a poder prestar serviços profissionais relacionados aos software criados - capacitação, implantação, suporte, manutenção, adaptações específicas não contempladas pelo planejamento do software, integração com outras ferramentas. Outras vezes, empresas já estabelecidas percebem a oportunidade de mercado e passam a oferecer estes serviços relacionados e/ou a incorporar o software em seu leque de opções para seus clientes. Estas empresas, muitas vezes passam a contribuir financeiramente ou com pessoal para que a comunidade continue melhorando o software - (que agora faz parte do seu negócio. A dinâmica do desenvolvimento de software, bem compreendida e bem implementada, é o que permite às cooperativas e às empresas de software livre participar do mercado, por vários motivos. O reaproveitamento de código propicia ganhos de produtividade, o que permite o desenvolvimento rápido e a possibilidade de estar mais cedo no mercado.

17 ITI/SOFTEX 17 Adicionalmente, como o código reaproveitado já foi testado e depurado em outras soluções haverá potencialmente uma menor quantidade de erros no software e ele será potencialmente mais estável e mais seguro. Ao adotar a dinâmica do software livre como padrão de desenvolvimento -comunidade, reaproveitamento de código, colaboração, a empresa amplia seu capital intelectual sem necessariamente investir em ampliação de quadro de pessoal - pela participação de diversos desenvolvedores e colaboradores sem vínculo com a empresa - e reduz custos internos, pois utiliza plataformas de desenvolvimento livres compostas por ferramentas de baixo ou nenhum custo - compiladores, bibliotecas, ambientes de desenvolvimento. Além disso, os desenvolvedores, que trabalham em colaboração com terceiras empresas e pessoas, aprendem constantemente com o código de outros. Por outro lado, nos modelos de negócio baseados em software livre, o retorno financeiro tende a ser menor se comparado com os possíveis retornos em modelos ligados ao software proprietário, uma vez que não se aplicam os valores referentes às licenças de uso e o usuário tem a possibilidade de migrar de prestador de serviço sempre que desejar, tornando mais baixa a barreira de entrada de novas empresas neste mercado. Também é importante ressaltar que, muitas vezes, uma encomenda específica de uma solução informática não encontra, dentre os milhares de projetos livres disponíveis, um software pronto para implantação. Neste caso, os profissionais que receberam a encomenda devem tomar a decisão de ou partir para uma implementação completa ou adaptar um software existente de acordo com os requisitos definidos para a solução encomendada. Mesmo no caso de uma implementação completa haverá o reaproveitamento de código livre - uma vez que, por definição, trechos de código livre também o são - quer seja pelo uso de bibliotecas prontas e já testadas para a realização de tarefas comuns - tarefas que são encontradas freqüentemente em muitos software, como manipulação de arquivos - ou pelo uso de trechos retirados diretamente de outros software que apresentem funcionalidades desejadas para a nova solução Mercado de software livre As diversas licenças de software livre definem, portanto, as trajetórias possíveis do código fonte ao longo do tempo. Também definem o enquadramento do software em uma das duas correntes identificadas dentro da comunidade internacional de software livre. Entretanto elas não afetam substancialmente a forma de realização de negócios em torno

18 ITI/SOFTEX 18 ao software, dentro do que se convenciona chamar modelos de negócio adequados ao mundo do software livre. Não é na venda de produtos empacotados que está o negócio do software livre. O software em si muitas vezes está facilmente disponível, inclusive sem custos de aquisição, mas com a complexidade dos sistemas e das necessidades dos usuários de hoje em dia, não basta possuir um CD com o software. É sim necessário pessoal especializado para, por exemplo, identificar e definir as necessidades do usuário, desenvolver um sistema que as atenda no marco da estrutura econômico-financeira da organização e de suas vinculações operacionais, municípios com outros municípios, estados e governo federal, implantá-lo e capacitar os usuários no uso do mesmo. Bem como oferecer manutenção e upgrades. Como não existem restrições para reprodução e redistribuição, a cobrança por cópia instalada é impraticável como negócio: não haveria demanda por algo com um preço elevado que pode ser conseguido facilmente sem custos ou com custo irrisório.

19 ITI/SOFTEX 19 Capítulo 2. O Jogo do Sostware Livre Este capítulo apresenta o resultado do esforço da equipe do projeto para entender com propriedade a relação existente entre os atores agências de governo, empresas, Prefeituras, comunidade de SL - que participam no que denominamos Jogo do SL. Ele tem como balizamentos a observação das características do Modelo do SL analisado no capítulo anterior, a sistematização de aspectos políticos, econômicos, técnicos, de financiamentos etc., proporcionados pelo levantamento da situação atual das prefeituras e seu entorno, realizada mediante o marco de referência exposto no capitulo que segue. Através desse resultado foi possível conceber a formatação da situação-problema que deu origem ao marco de referência apresentado no Capítulo que segue, e avaliar as respostas plausíveis dos atores às ações desencadeadas pelo ITI no sentido da construção dos Cenários apresentados no último Capítulo. Sua primeira seção apresenta brevemente a referência conceitual da Gestão Estratégica que adotamos para caracterizar o Jogo do SL Marco Conceitual Chamamos ator social uma pessoa, grupo ou organização que participa de algum jogo social; que possui um projeto político, controla algum recurso relevante, tem, acumula ou libera forças no seu decorrer e possui, portanto, capacidade de produzir fatos capazes de viabilizar seu projeto. Assim, qualquer ator social, com projeto e capacidade de produzir fatos, é capaz de fazer pressão para alcançar seus objetivos, podendo acumular força, gerando e mudando suas estratégias para converter-se num centro criativo de acumulação de poder. O diagnóstico inicial de problemas que conformam uma situação a ser enfrentada por um ator mediante ações estratégicas pode ser visto como o resultado do jogo em que tomaram parte, num momento pretérito, um conjunto de atores.

20 ITI/SOFTEX 20 É possível caracterizar o agir social como um jogo, que pode ser de natureza cooperativa ou conflitiva, em que diferentes jogadores, com perspectivas que podem ser comuns ou divergentes, possuem recursos distribuídos segundo suas histórias de acumulação de forças em jogos anteriores. As regras do jogo podem se alterar segundo o interesse dos atores em função de jogadas e acumulações dos jogadores, reconfigurando as condições em que ele se desenvolverá. Nessa perspectiva, qualquer situação pode ser entendida pelo ator com ela envolvido como o resultado, o placar, de um jogo e pode ser por ele encarada como um problema a resolver, ou seja, o êxito em um jogo será a solução de um problema ou a mudança do placar. Os governantes ou encarregados da gestão de uma dada situação podem ser visto como jogadores que, com suas ações, produzem acumulações durante um jogo, procurando alterar seu resultado. É com base nessas acumulações que eles podem ampliar, ou reduzir, sua capacidade de produzir novas jogadas e alterar a situação inicial. Este é o mecanismo básico através do qual se acumula ou libera poder e se produz ou não mudanças significativas sobre uma dada situação problemática. A ação de governo, para gerar acúmulo de poder e gerar resultados socialmente valorizados, exige: a perfeita identificação dos jogos e problemas em que o governante está envolvido; a determinação de qual deve ser sua relação com outros problemas e jogadores; a identificação precisa de suas manifestações sobre a realidade ou evidências que permitam verificar se o problema está se agravando ou sendo solucionado pela ação de governo, e a diferenciação entre as causas e conseqüências dos vários jogos parciais em que se encontra envolvido. Encerrando esta breve referência conceitual sobre o tema, vale enfatizar a importância de que o governante encarregado da gestão de um determinado jogo elabore um diagnóstico do jogo em que esta envolvido, um quadro que identifique e relacione entre si os atores e os problemas mais relevantes de uma dada situação em um determinado momento No caso em pauta o Jogo do SL, em que a situação envolve o amadurecimento de um dado artefato tecnológico em processo de construção e fechamento, trata-se de identificar

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX 1. Resumo Executivo Disponibilizar acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) da CELEPAR, baseado nas

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Software Livre. para concursos. Questões comentadas

Software Livre. para concursos. Questões comentadas Software Livre para concursos Questões comentadas Prefácio Hoje, qualquer instituição, seja ela pública ou privada, necessita utilizar programas de computadores para auxiliar os seus processos, gerando

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Proibida a reprodução.

Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é o de nortear a atuação dos Analistas de Valores Mobiliários em consonância a Instrução CVM nº

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Dos Senhores PAULO TEIXEIRA e JORGE BITTAR) Dispõe sobre uso do Fundo Setorial para Tecnologia da Informação - CTInfo para financiar o desenvolvimento de software livre. O Congresso

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Introdução 12/06/2012. Software Livre

Introdução 12/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

PL 3280/2004 PROJETO DE LEI Nº 3280/2004

PL 3280/2004 PROJETO DE LEI Nº 3280/2004 PL 3280/2004 Dispõe sobre a utilização de programas de computador nos estabelecimentos de ensino público dos Estados brasileiros e do Distrito Federal e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 3280/2004

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais