Explorando Microserviços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Explorando Microserviços"

Transcrição

1

2 Explorando Microserviços Princípios, Padrões e Práticas Aldrin Leal and Alexandre Saudate This book is for sale at This version was published on This is a Leanpub book. Leanpub empowers authors and publishers with the Lean Publishing process. Lean Publishing is the act of publishing an in-progress ebook using lightweight tools and many iterations to get reader feedback, pivot until you have the right book and build traction once you do Aldrin Leal, Alexandre Saudate

3 Contents Introdução: Uma breve história das Arquiteturas Antes do Computador Pessoal Aplicações Desktop Cliente-Servidor e os Bancos de Dados Relacionais Três Camadas (Desktop 2.0) Application Server Web Mobile Web Mobile Retorno à Sanidade E o que temos hoje? Monolitos, Application Servers Problemas de Escalabilidade Confusão entre Ops e Devs E quais são os desafios? lead time curtos terceirização de serviços cloud computing times pequenos O que nos ajuda? Agile Integração Contínua NoSQL / Big Data Cloud Devops / NoOps Conceituando Microserviços Princípios Práticas Padrões

4 Introdução: Uma breve história das Arquiteturas (ou: A que ponto chegamos, hein?) É importante contextualizar a história da tecnologia da informação à partir de suas gerações, e as tendências de arquitetura para aquela época. Esta definição de geração é arbitrária, baseada em nossa percepção de características comuns. Antes do Computador Pessoal Providos de um certo receio em denunciar a idade, os autores optaram por poupá-los desta velharia¹. Aplicações Desktop Na década de 80, ficou famosa a figura do Clipeiro : Um único analista, que dividia-se entre Analista de Requisitos, Desenvolvedor, e Administrador de Sistema. Era Controle de Estoque pra lá, Folha de Pagamento pra cá. Nós vivenciamos muito pouco daquela época, mas confessamos que tínhamos uma inveja imensa do sucesso que os mesmos possuíam. Na verdade, em muitos lugares, esta figura ainda existe. O Clipeiro da época utilizava de plataformas como o dbase II (nos micros de 8 bits) e o III (já no IBM PC), FoxPro, além do célebre Clipper. Estas plataformas integravam um motor de base de dados baseado em disco (o famigerado DBF), um motor de formulários e relatórios, e produziam binários compactos, que cabiam em um disquete de 5.25 polegadas (para sua informação: Capacidade de Armazenamento entre 360 KiB e 1.2 MiB) - Junto com a base de dados. Devido a flexibilidade desde modelo, era relativamente prático atualizar o sistema: Copiava-se o banco para nova versão, e distribuía com o novo binário. Backups eram simples também. Não havia, porém, controle de versão, tornando mais problemáticas a manutenção do histórico, além de frequentes problemas de perda do código fonte. Com o surgimento das placas NE-2000 e das Redes Locais (especialmente a Novell), o Clipeiro já não escalonava. Era necessário, então, trazer a figura do Técnico do Computador, responsável por manter a rede, os PCs, e publicar novas versões. Este dura até hoje. ¹ - Vamos falar dos tempos do Getúlio pra cá, por favor!

5 Introdução: Uma breve história das Arquiteturas 2 Persistência Um grande problema na época das redes locais para aplicações que utilizavam dbf era que, para sua arquitetura ser viável, era necessário que a rede local implantasse excelentes protocolos de concorrência. Para aquela época, excelente significa concorrência pessimista e a utilização dos mecanismos de Lock. Obviamente, estes locks causavam dois problemas, que era a perda de performance natural, bem como problemas de corrupção de dados. Um terceiro problema, que envolvia a disponibilidade, especialmente para manutenções e backups, não era tão periclitante porque, à época, as empresas não precisavam ser 24 horas. Mas não deixou de ser uma implantação natural do modelo de cliente-servidor. Cliente-Servidor e os Bancos de Dados Relacionais Já à partir de 1993, entra a figura do Banco de Dados relacional. As plataformas baseadas no dbase não migraram para o Windows, à exceção do Visual FoxPro, e houve a ascenção inicialmente do Visual Basic e então (1995 em diante) do Delphi². Porém, com redes cada vez maiores, surgiram novos requisitos não funcionais³: Em particular, com cada vez mais nós nas redes, tornava-se inviável controlar o acesso não autorizado à informações, e era importante implantar os controles necessários para auditoria e compliance. À partir deste momento, era importante distribuir DOIS executáveis: O para o usuário final, e o backend propriamente dito. Aí finalmente entramos no modelo cliente-servidor com os dois pés. Três Camadas (Desktop 2.0) Neste ponto, já estávamos com o modelo de três camadas. Porém, a Internet estava no começo, e as redes locais ainda não rodavam exclusivamente sobre o protocolo TCP/IP. A Novell oferecia um Sistema Operacional para seus servidores (com clientes para DOS e Windows, entre outros), e a Microsoft surgia com o Windows NT. Alguns ratos de computador mais destemidos defendiam o Unix, mas diante do processo entre a Unix System Labs e a BSDi, sua situação legal encontrava-se no limbo⁴, criando uma visão entre o BSD Unix (que trazia a evolução da comunidade, como a pilha TCP/IP) e o System V, Release 4, que tinha a grife Unix Com o surgimento do Processador Intel em 1989 e features específicas de multitarefa e gerenciamento de memória (MMU), finalmente o PC torna-se interessante para a execução do Unix. Com os BSDs feito reféns, em um primeiro momento um autor de livros acadêmicos ganhou a fama, ao distribuir como material didático um sistema operacional (Minix) com um Kernel totalmente inspirado no Unix, porém utilizando o suite de ferramentas criado pelo projeto GNU, de O mesmo era distribuído pela editora como um jogo extra de disquetes complementares ²O codinome (tornado nome) Delphi é por si só um índicio: O mesmo tinha este nome em função do Oráculo mais Famoso estar na ilha de Delfos. Logo o humor interno do time explicando o codinome: -Se você deseja falar com o Oráculo, vá para a Ilha de Delphos (Delphi, on Singular) ³i.e., tudo aquilo que é pobrema do arquiteto pra resolver. ⁴http://en.wikipedia.org/wiki/USL_v._BSDi

6 Introdução: Uma breve história das Arquiteturas 3 ao livro, e é muito provável que a editora tenha vendido muito mais disquetes do que livros. Porém, os livros venceram, e é provável que você encontre uma cópia de Sistemas Operacionais do Andrew Tanembaum na biblioteca de Ciências da Computação mais próxima de você. Um aluno da universidade de Helsinki decidiu ler o livro e, após experimentar o Minix, decidiu ler o livro todo e implementar outro Kernel, também inspirado nas idéias do Minix - ma non troppo -. Óbvio que falamos do Linus Torvalds e do Linux. Porém, ao invés de buscar reinventar a história e produzir outro material didático, Linus abraçou o movimento e permitiu-se aceitar e publicar novas versões agregando novas features, fato que permitiu que o Linux crescesse como um novo sistema operacional, adotando um modelo novo. Com a Internet, era o começo do modelo do Bazaar, aonde programar passou a ser uma atividade social, mesmo que restrita à listas de discussões e ocasionalmente em servidores de IRC. Application Server À partir de 1995, ainda havia muita incerteza sobre qual plataforma usar. O Windows ainda era forte, o Linux estava surgindo e o modelo de open source começava a estabelecer-se nas empresas. Ainda assim, houve oportunidade para o surgimento de novas plataformas, como o Java, o JavaScript e o Flash. Para o Java, em particular, o apelo do Write Once, Run Anywhere motivava empresas, que poderiam experimentar, com relativa segurança, a hipótese de rodar em outro sistema operacional. Porém, era importante que esta opção fosse interessante ao modelo de negócio dos fornecedores. Por isto, criou-se a visão do Application Server, que consistia em um Container comum para publicações. Na visão da época, uma grande aplicação exigia um fluxo bem definido, onde: Um desenvolvedor codificava um pacote implementando uma funcionalidade Um DBA criava as tabelas necessárias para botar em produtor Um administrador de sistemas fazia o seu empacotamento, publicação, e configuração de vínculos, como Data Sources e parâmetros de configuração Para o primeiro, embora seduzido pela facilidade em criar componentes, surgiam-se problemas na hora de colocar em produção, como a Escalabilidade e eventuais diferenças de comportamento entre os ambientes⁵ A Web dava os seus pulinhos, mas para sistemas distribuídos, usávamos soluções como o Distributed COM (DCOM), Common Object Request Broker Architecture (CORBA), e o Enterprise Java Beans (EJB). Coisas tão agradáveis e prazerosas quanto um tratamento de canal. Web A Web matou o arquivo.exe que utilizávamos, tornando o browser o sistema nervoso central da atividade nas empresas. Esqueça as teclas de função e os terminais agora você preenche ⁵ -Mas aqui mesmo na minha máquina (compila funciona rodou)!

7 Introdução: Uma breve história das Arquiteturas 4 tudo no navegador diretamente, com uma interface mais amigável. Exceto se o seu negócio é mais produtivo justamente no terminal 3270, motivo pelo o qual muitas empresas com código legado do Mainframe (Bancos e Companhias Aéreas) simplesmente optaram por ignorar a web inicialmente. Porém, isto criou um outro fator complicador: Com a Web ainda nos seus passos iniciais, poucos fornecedores eram capaz de oferecer funcionalidades realmente importantes para os seus usuários corporativos. Foi o momento da Ascenção do Internet Explorer, a sua briga com o Netscape, e o surgimento do ActiveX. O resultado final disso foi que aplicações eram criadas e homologadas para o uso em um navegador específico, especialmente o Internet Explorer. Porém, como a Microsoft optou por suspender o desenvolvimento do IE após a versão 6, fato que causou o lançamento da versão subsequente apenas cinco anos depois, combinado com a ausência de ferramentas de depuração para o mesmo e a ascenção do Mozilla Firefox iria criar, ironicamente, um efeito colateral inverso: Aplicações que só funcionavam no Firefox. Mobile Web Já em 2001 em diante, a Mobile Web criou um novo problema: Como manter nossas aplicações compatíveis com outro browser que não o IE, e sim oferecido pelo fornecedor do meu telefone celular. A resposta imediata era: Não haveria como como. Por isto, muitas aplicações foram reescritas para funcionar de forma compatível com um subconjunto de browsers (e falando o WAP), ou torcendo que fossem compatívels com um Mobile Transcoder específico. Isto, na prática, significava que agora poderíamos ter entre três artefatos (Navegador WAP, Navegador Desktop, e Banco de Dados) a até quatro (Servidor de Regras de Negócio). Mobile E aí desandou de vez: Surgiram os Smartphones. Nesta hora, já não era mais adequado falar HTML - Era necessário ter protocolos específicos para as aplicações. Quem foi relativamente esperto a época, simplesmente criou uma quarta aplicação, específica para servir a camada de negócio como API. O novo problema da época era justamente regressão: Como testar todos os tamanhos de tela de Android disponíveis. E as versões? Um atalho encontrado para o Mobile foi empacotar o motor de HTML na aplicação, criando o conceito da aplicação híbrida (Titanium, Apache Cordova⁶). Genial, porém ainda limitado à regressão. Para a Mobile Web, surgiram os designs responsivos, procurando agrupar tamanhos e telas diferentes e agrupando por funcionalidade. Javascript não intrusivo, frameworks para consolidar comportamentos de forma compatível (jquery, Prototype) ⁶ex-Phonegap

8 Introdução: Uma breve história das Arquiteturas 5 E surgem novas versões do Internet Explorer, novas versões do Mozilla Firefox, e Safari e o Google Chrome. Tantos usuários heterogêneos, tantas demandas. E tão poucos braços. E como ficavam nossas equipes? Bem, pra quem tinha Application Server (.NET, Java, Zope), pouco mudou, e tudo era uma questão de no próximo deploy. Na verdade, a única grande mudança significativa no modelo era a adoção de Controle de Versão (CVS, Subversion), a Integração Contínua, e alguma funcionalidade - mínima - para testes, geralmente Unitários. Porém, o débito técnico acumulou, e cada nova publicação demandava horas para acontecer, visto que afetava a disponibilidade da aplicação, os processos eram lentos, e a funcionalidade de publicação automática era limitada. Em geral, todo o código do backend era alterado de uma vez só. Como acumulou o débito técnico, geralmente um novo deploy mudava todos os endpoints possíveis: Camada de Negócio, Mobile, Browser Desktop, e o escambau. E pra quem não tinha (PHP e ASP Clássico)? Amigos, quem não tinha Controle de Versão não podia ter nada disso. Mas também, como eles também editavam tudo em produção, então tinham mais é que se dar mal. Retorno à Sanidade Algumas coisas aconteceram de dez anos pra cá que trouxeram uma nova perspectiva, como: Startups Claramente um movimento Hipster: Um Dinamarquês (sempre eles) decidiu criar um produto e resolveu fazer uma versão do movimento Punk Rock na Computação, com idéias revolucionárias como: Você não vai precisar disso, Não se repita e outras frases. Este Dinamarquês, conhecido como o DHH, pegou em 2003 uma linguagem obscura criada quase uma década antes (1995!!!) e criou uma plataforma, chamada Ruby on Rails. Várias idéias interessantes floresceram àquela época, e ser desenvolvedor Ruby se tornou uma coqueluche, por permitir que você pudesse ostentar uma vida baseada em código v1d4l0ka, com vários frameworks e ferramentas geniais. E vários valores/princípios legais aplicados, como o Sistemas de Controle de Versão Distribuídos (DVCS, como o Git), Platform as a Service (PaaS), e o código como única expressão necessária, através de Domain-Specific Languages (DSL). Mas com uma única restrição: Só podia codar em uma filial da Starbucks. e Cloud Um movimento mais acadêmico:

9 Introdução: Uma breve história das Arquiteturas 6 Em paralelo, um grande e-tailer cansou de receber visita de fornecedor propondo milagre. Ao invés disso, chamou um professor universitário da cadeira de Sistemas Distribuídos, e falou: -Cuida dessa merda, por favor!!!!11!1onze! No caso, era o Werner Vogels na Amazon.com. Embora o enfoque fosse resolver problemas de escalabilidade, aproveitou-se para divulgar um pouco da Caixa Preta existente na empresa, através de Palestras e Artigos Científicos. Algumas já eram práticas da empresa, mas não eram codificadas, como: Foco no Serviço: A página principal apenas agrega outros serviços, consumindo-os. Como exemplo, apenas a sua home page consome cerca de 80 serviços distintos. -Você construiu, então é você que roda! : Cada time era responsável não só pela criação do serviço, como pela sua manutenção. Um telefonema as duas da manhã tornou-se um ótimo fator de motivação, entre outras coisas, para punir, inibir e prevenir incidentes futuros. A Regra das Duas Pizzas: Se sua equipe não pode ser alimentada com apenas duas pizzas, ela está grande demais. Alguns meses depois, um funcionário propôs sublocar a infraestrutura de TI, visto que a mesma ficava configurada o tempo inteiro, mas ociosa na maior parte. Na falta de um nome agradável aos analistas, eles focaram no óbvio: Já que o usuário não sabe toda esta abstração que roda aí, vamos chamá-la como aparece no diagrama: -É nuvem, porra!, segundo relatos dos participantes da reunião que optaram por não se identificar. Voltando à idéia: A idéia de um memorando surgiu e inspirou a Amazon Web Services, que tornou-se o backbone de uma revolução. Não é verdade, porém, que a Amazon tenha disponibilizado toda a sua capacidade de processamento. Na verdade, ela criou os novos Data Centers (chamados de Regiões) e, após três meses, já havia provisionado capacidade equivalente à toda a sua planta original. E gradualmente migrou seus serviços para rodar na sua Nuvem. combinandinhos Os dois hipsters passaram a trocar figurinhas, e então tornou-se comum a figura do Empreendedor de Starbucks, dando origem ao Github, Heroku, Netflix, e várias outras empresas. Foco na simplicidade, na ausência de burocracia, preferindo o trabalho remoto, evitando reuniões, e fugindo da necessidade de manter o datacenter ou buscando torná-lo mais enxuto, por meio de movimentos como o Devops. Uma renascença, eu diria. Alguém aí falou em Devops? Se um era Hype e o outro era Nerd, Devops era algo meio Motim no Quartel, olha

10 E o que temos hoje? Mas se não sou Hipster, será que ainda tenho salvação? Monolitos, Application Servers Problemas de Escalabilidade Confusão entre Ops e Devs

11 E quais são os desafios? lead time curtos terceirização de serviços cloud computing times pequenos

12 O que nos ajuda? Agile Integração Contínua NoSQL / Big Data Cloud Devops / NoOps

13 Conceituando Microserviços Princípios Práticas Padrões

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

UX Design Para Startups

UX Design Para Startups UX Design Para Startups Como criar produtos com experiências ricas e memoráveis. João Faraco This book is for sale at http://leanpub.com/ux-design-para-startups This version was published on 2013-07-17

Leia mais

Dominando Action Script 3

Dominando Action Script 3 Dominando Action Script 3 Segunda Edição (2014) Daniel Schmitz Esse livro está à venda em http://leanpub.com/dominandoactionscript3 Essa versão foi publicada em 2014-05-02 This is a Leanpub book. Leanpub

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Software de sistema Software aplicativo

Software de sistema Software aplicativo SOFTWARE O que é Software? Software, logicial ou programa de computador é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redireccionamento ou modificação de um dado/informação

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Introdução ao Android

Introdução ao Android Introdução ao Android Um guia introdutório sobre aplicações Android Daniel Schmitz Esse livro está à venda em http://leanpub.com/livro-dominando-android Essa versão foi publicada em 2014-07-23 This is

Leia mais

Laravel: De Aprendiz a Artesão (Brazilian Portuguese)

Laravel: De Aprendiz a Artesão (Brazilian Portuguese) Laravel: De Aprendiz a Artesão (Brazilian Portuguese) Taylor Otwell and Pedro Borges This book is for sale at http://leanpub.com/laravel-pt-br This version was published on 2013-10-01 This is a Leanpub

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Implementando Laravel

Implementando Laravel Implementando Laravel Chris Fidao and Antonio Carlos Ribeiro This book is for sale at http://leanpub.com/implementinglaravel-pt This version was published on 2013-09-28 This is a Leanpub book. Leanpub

Leia mais

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Introdução à Linguagem Java Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Breve Histórico Sun Microsystems, 90/91: projeto de uma linguagem de programação pequena que pudesse ser usada em dispositivos

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Introdução Cloud Computing Computação Móvel SaaS, PaaS e IaaS CloudBees Diariamente arquivos são acessados, informações dos mais variados tipos são armazenadas e ferramentas

Leia mais

Orientador Informal. Co-orientador(es) Informal(is)

Orientador Informal. Co-orientador(es) Informal(is) RELATÓRIO FINAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Discente: Luís Gustavo Spern Barreto Curso: Análise e Desenvolvimento de Sistemas E-mail: gustavosbarreto@gmail.com Endereço: Rua Três, 490 - Pestano -

Leia mais

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Banco de Dados Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos)

Leia mais

Symantec Backup Exec.cloud

Symantec Backup Exec.cloud Proteção automática, contínua e segura que faz o backup dos dados na nuvem ou usando uma abordagem híbrida, combinando backups na nuvem e no local. Data Sheet: Symantec.cloud Somente 2% das PMEs têm confiança

Leia mais

35% GARTNER. Despesas com tecnologia ocorrem fora da T.I. Fazem uso de tecnologias não aprovadas pela T.I.

35% GARTNER. Despesas com tecnologia ocorrem fora da T.I. Fazem uso de tecnologias não aprovadas pela T.I. DEVOPS E PAAS - ABORDAGENS E FERRAMENTAS PARA ATENDER AS NOVAS DEMANDAS DE MERCADO Rodrigo Ramalho da Silva - Solutions Architect rramalho@redhat.com INOVAR NÃO É UMA ESCOLHA Organizações de T.I. que não

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03 fevereiro/2011 Surgimento, desenvolvimento e evolução dos sistemas operacionais até os sistemas modernos. 1 - Introdução A evolução dos sistemas operacionais

Leia mais

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P06.002 Revisão v. 2014 Plataformas Web 2. PUBLICAÇÃO Recursos Tecnológicos Versão Data para adoção Publicação v. 2014 23 de dezembro de 2014 PORTARIA N Nº 225 de

Leia mais

Implementação de Web Services em Projetos de LabVIEW

Implementação de Web Services em Projetos de LabVIEW 1 Implementação de Web Services em Projetos de LabVIEW Alisson Kokot Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Sistemas 2 Aplicações Web surgem como soluções viáveis profissionalmente 3 Aplicações

Leia mais

A história dos sistemas operacionais

A história dos sistemas operacionais A história dos sistemas operacionais Atualmente, os sistemas operacionais (SO) estão cada vez mais fáceis de usar, possuindo interfaces muito simples e bonitas. Contudo, todas estas funcionalidades não

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Conteúdo. Uma visão social. O que é? Dá certo? Custos. Recomendações. Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems. Software Livre Junho de 2011

Conteúdo. Uma visão social. O que é? Dá certo? Custos. Recomendações. Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems. Software Livre Junho de 2011 Conteúdo Uma visão social O que é? Dá certo? Custos Recomendações Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems Página 2 Uma visão social História da computação: o começo de tudo 1936 década de 40 Máquina

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br OpenShift Solução livre de PaaS da RedHat Aquisição da Makara em 2010 Principais concorrentes:

Leia mais

UNIX & Linux. Histórico, distribuição licença, características. Taisy Weber

UNIX & Linux. Histórico, distribuição licença, características. Taisy Weber UNIX & Linux Histórico, distribuição licença, características Taisy Weber História de UNIX 1969 - Ken Thompson Bell Laboratories, PDP-7 Dennis Ritchie logo juntou-se a Thompson Ritchie havia trabalhado

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

IIH Introdução à Informática e Hardware

IIH Introdução à Informática e Hardware INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - CAMPUS VOTUPORANGA Técnico em Manutenção e Suporte em Informática IIH Introdução à Informática e Hardware Aula: Linguagens de Programação

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF-MG Campo Universitário Bairro Marmelos Juiz de Fora MG Brasil

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis

Programação para Dispositivos Móveis Programação para Dispositivos Móveis Fatec Ipiranga Análise e Desenvolvimento de Sistemas Aula 02 História do desenvolvimento de software para dispositivos móveis Dalton Martins dmartins@gmail.com São

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

Informática - Prof. Frank Mattos

Informática - Prof. Frank Mattos Informática - Prof. Frank Mattos Q298262 1. Por padrão, a lixeira do Windows 7 ocupa uma área correspondente a 10% do espaço em disco rígido do computador. Impressionante como essa informação está muito

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Projecto SDAC 2010 Sistema Operativo Open Source Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Disciplina: Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores Professores: Catarina Santos/Paulo Guimarães

Leia mais

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor.

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE Apresentação. O mais famoso tipo de arquitetura utilizada em redes de computadores

Leia mais

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Institucional OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Apresentar as vantagens de se trabalhar com Thin Clients Apresentar como funciona a tecnologia Server Based Computing, Virtualização de Desktop e Aplicativos EVOLUÇÃO

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Parceiro Oficial de Soluções Zimbra no Brasil

Parceiro Oficial de Soluções Zimbra no Brasil Apresentação A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se ao desenvolvimento e criação de

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS.

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS. Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010 Comparativo entre Apache e IIS. Apache versus IIS 1. Resumo Os programas de computador Apache, da fundação Apache

Leia mais

Sistema para gestão de restaurante

Sistema para gestão de restaurante Sistema para gestão de restaurante Luciana Tavares Rosa luciana.rosa@inf.aedb.br AEDB Fábio Rezende Dutra fabio.dutra@inf.aedb.br AEDB Resumo:O sistema para gestão de restaurante é um software desenvolvido

Leia mais

APLICATIVO PARA OFERTA E OBTENÇÃO DE CARONAS NA PLATAFORMA ANDROID

APLICATIVO PARA OFERTA E OBTENÇÃO DE CARONAS NA PLATAFORMA ANDROID UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - BACHARELADO APLICATIVO PARA OFERTA E OBTENÇÃO DE CARONAS NA PLATAFORMA ANDROID João Paulo Conceição Prof. Jacques Robert Heckmann, Orientador

Leia mais

Apache + PHP + MySQL

Apache + PHP + MySQL Apache + PHP + MySQL Fernando Lozano Consultor Independente Prof. Faculdade Metodista Bennett Webmaster da Free Software Foundation fernando@lozano.eti.br SEPAI 2001 O Que São Estes Softwares Apache: Servidor

Leia mais

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)?

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? Introdução A denominação Cloud Computing chegou aos ouvidos de muita gente em 2008, mas tudo indica que ouviremos esse termo ainda por um bom tempo. Também

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

A Plataforma para uma Nova Era. Copyright 2013 EMC Corporation. Todos os direitos reservados.

A Plataforma para uma Nova Era. Copyright 2013 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. A Plataforma para uma Nova Era 2 3 Se sua empresa é como todas as outras, vocês não estão preparados 80% destes dados são desestruturados O volume de dados é imenso, complexo e muito desorganizado para

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS.

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA FOLHETO COM TANTOS EQUIPAMENTOS MÓVEIS... VOCÊ, DEFINITIVAMENTE, QUER CRIAR UM APLICATIVO COMPATÍVEL COM TODOS ELES. COM RHOELEMENTS,

Leia mais

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional Curso de Linux Básico com o Felipe Buarque de Queiroz felipe.buarque@gmail.com Unidade Gestora de Tecnologia da Informação - UGTI Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL Maio de 2009

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Agenda Infraestrutura de TI Infraestrutura de TI: hardware Infraestrutura de TI: software Administração dos recursos

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012 Fábrica de Software Dados do Projeto Nome do Projeto Data de Inicialização Responsáveis Autores Fingerprint Access Users 14/04/2012 Adriana Lima de Almeida, Espedito Alves Leal, Jaciel Dias de Souza, Samuel

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

Projeto SCCM Implantação do ClearCase e ClearQuest UCM

Projeto SCCM Implantação do ClearCase e ClearQuest UCM Projeto SCCM Implantação do ClearCase e ClearQuest UCM Leonardo Ventura Nunes Unibanco leonardo.nunes@unibanco.com.br Wilson Roberto Melaré Unibanco wilson.melare@unibanco.com.br Introdução Desafios Visão

Leia mais

Aula 01. Introdução ao Linux

Aula 01. Introdução ao Linux Aula 01 Introdução ao Linux Introdução Objetivos aprender a usar um novo sistema aprender a usar uma nova interface Como no Windows navegar pela internet (e-mails, facebook, etc) criar pastas e arquivos

Leia mais

Fatos e Mitos do Java EE. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br

Fatos e Mitos do Java EE. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Fatos e Mitos do Java EE Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br O Que É o Java EE? É um padrão de bibliotecas e componentes (APIs) para a criação de aplicações corporativas Também é um padrão

Leia mais

ISHIFT: Informação em Movimento

ISHIFT: Informação em Movimento ISHIFT: Informação em Movimento Contato: www.ishift.com.br +55 51 32798159 contato@ishift.com.br Somos uma empresa completa de produtos e serviços ligados à tecnologia, que procura apresentar soluções

Leia mais

UNIFIED. A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA. em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION

UNIFIED. A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA. em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION UNIFIED A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO UNIFIED DATA PROTECTION Incentivadas pelo crescimento

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Visual COBOL é a solução líder da indústria para o desenvolvimento de aplicações COBOL e implantação em sistemas Windows, Unix e Linux. Ele combina as melhores ferramentas de desenvolvimento de sua classe

Leia mais

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre Conteúdo SOFTWARE LIVRE SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Histórico de Software Livre Terminologia Fases do Licença de Software Livre

Leia mais

SOP Sistemas Operacionais Módulo 03: História e Evolução

SOP Sistemas Operacionais Módulo 03: História e Evolução SOP Sistemas Operacionais Módulo 03: História e Evolução Prof. Charles Christian Miers e mail: charles.miers@udesc.br História dos Computadores / SOs Primeira Geração (1945 1955): válvula Sem SO, programação

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

PRD Tecnologia de Gestão Ltda. Julho/2008

PRD Tecnologia de Gestão Ltda. Julho/2008 O Processo de Desenvolvimento Telescope Julho/2008 Página 1 Sumário Introdução...3 O desenvolvimento de software tradicional...3 O problema da produtividade...3 O problema da portabilidade...6 O problema

Leia mais

Levantamento sobre Computação em Nuvens

Levantamento sobre Computação em Nuvens Levantamento sobre Computação em Nuvens Mozart Lemos de Siqueira Doutor em Ciência da Computação Centro Universitário Ritter dos Reis Sistemas de Informação: Ciência e Tecnologia Aplicadas mozarts@uniritter.edu.br

Leia mais

Resumo cap. 4. Tecnologia de rede e telecomunicações - Proporciona a conectividade de dados, voz e vídeo a funcionários, clientes e fornecedores

Resumo cap. 4. Tecnologia de rede e telecomunicações - Proporciona a conectividade de dados, voz e vídeo a funcionários, clientes e fornecedores Resumo cap. 4 4.1) Infra-estrutura de TI: hardware As empresas contemporâneas exigem uma ampla variedade de equipamentos computacionais, software e recusos de comunicação apenas para funcionar e resolver

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

a. A plataforma recomendada é Web, com arquitetura Microsoft.Net; b. A linguagem recomendada para codificação de Sistemas de Informações é C#;

a. A plataforma recomendada é Web, com arquitetura Microsoft.Net; b. A linguagem recomendada para codificação de Sistemas de Informações é C#; 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é definir as normas e os padrões que deverão ser adotados pelos desenvolvedores da equipe interna e externa (fornecedores) que venham a desenvolver soluções de software

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre Linguagens de Programação* (*Mas Tinha Medo de Perguntar) Diego Padilha Rubert FACOM

Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre Linguagens de Programação* (*Mas Tinha Medo de Perguntar) Diego Padilha Rubert FACOM Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre Linguagens de Programação* (*Mas Tinha Medo de Perguntar) Diego Padilha Rubert FACOM Por quê? O aprendizado em Algoritmos e Programação visa lógica de programação

Leia mais

Engenharia de Software Aplicações de Internet

Engenharia de Software Aplicações de Internet Engenharia de Software Aplicações de Internet Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Histórico Por que existe a Internet? Por que existe

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Universidade Federal de Goiás Ubuntu Desktop Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Conpeex / 2010 Agenda Introdução Conceitos Categorias de Software História do Linux Arquitetura do Linux Ubuntu Projeto

Leia mais

OPORTUNIDADES CWI: Principais atividades: - Análise e desenvolvimento de sites Cross-plataform (IE/Firefox/Chrome/Safari).

OPORTUNIDADES CWI: Principais atividades: - Análise e desenvolvimento de sites Cross-plataform (IE/Firefox/Chrome/Safari). OPORTUNIDADES CWI: Analista de Testes - 2 anos de experiências em testes. - Experiência com alguma ferramenta de automação de testes. - Conhecimento em especificação de casos de testes. - Formação superior

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS

Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS Abril 2014 - Versão 1.0 A/C da Srta. Cíntia Arbeletche 1 / 5 Escopo & Premissas Essa proposta contempla

Leia mais

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas;

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas; APRESENTAÇÃO O Myself é um sistema de gerenciamento de conteúdo para websites desenvolvido pela Genial Box Propaganda. Seu grande diferencial é permitir que o conteúdo de seu website possa ser modificado

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV DATA CENTER VIRTUAL - DCV Em entrevista, Pietro Delai, Gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil relata os principais avanços

Leia mais

Informática Instrumental

Informática Instrumental 1º PERÍODO.: GRADUAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES :. Madson Santos madsonsantos@gmail.com 2 Unidade I Unidade I Software 3 Software o é uma sentença escrita em uma linguagem de computador, para a qual existe

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Sistema Operacional (S.O.) Aplicativos Formado por um conjunto de rotinas que oferecem serviços aos usuários, às aplicações

Leia mais

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul 1 Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem Luiz Filipe Licidonio Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms Porto Alegre, Rio Grande do Sul luiz_np_poa@hotmail.com 2 Análise de Sistemas I: Programação em

Leia mais

OPORTUNIDADES CWI: Principais atividades: - Análise e desenvolvimento de sites Cross-plataform (IE/Firefox/Chrome/Safari).

OPORTUNIDADES CWI: Principais atividades: - Análise e desenvolvimento de sites Cross-plataform (IE/Firefox/Chrome/Safari). OPORTUNIDADES CWI: Analista - Experiência mínima de 2 anos com ASP.NET (C Sharp). - Experiência com atendimento a usuários na resolução de problemas com sistemas já existentes. - Experiência em desenvolvimento

Leia mais

Metodologias e tecnologias de software Wplex

Metodologias e tecnologias de software Wplex Metodologias e tecnologias de software Wplex Mauro Ransolin Wplex Software Florianópolis SC http://www.wplex.com.br Objetivo O objetivo deste documento é apresentar um resumo da abordagem adotada pela

Leia mais