UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO PROGRAMA DE INCENTIVO A MUDANÇAS CURRICULARES NO CURSO MÉDICO - PROMED

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO PROGRAMA DE INCENTIVO A MUDANÇAS CURRICULARES NO CURSO MÉDICO - PROMED"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO PROGRAMA DE INCENTIVO A MUDANÇAS CURRICULARES NO CURSO MÉDICO - PROMED RELATÓRIO TÉCNICO (PERÍODO DE AGOSTO DE 2003 A MARÇO DE 2004) SÃO PAULO 2004

2 I Introdução Em 2001, ano de edição das diretrizes curriculares e de lançamento do Promed, iniciava-se na Unifesp um amplo processo de avaliação do Curso Médico, tendo como foco principal as mudanças decorrentes da implantação do currículo nuclear em Em outubro de 2001, uma Oficina de Trabalho que contou com a participação de cerca de 120 docentes e discentes, reafirmava as principais metas e estratégias do currículo nuclear, revia alguns pontos estabelecidos anteriormente, identificava obstáculos para sua execução e apresentava propostas visando à superação de dificuldades, sempre considerando a realidade e características próprias da Unifesp vocação para pós-graduação e pesquisa, universidade da saúde, situada em grande centro urbano, com expressiva concentração de profissionais e hospitais de alta complexidade. A formação geral e humanística do profissional da área médica, crítico, capacitado para o desenvolvimento de um trabalho em equipe multiprofissional, entre outros objetivos, e as estratégias estabelecidas pelo currículo nuclear da Unifesp estavam em consonância com as Diretrizes Curriculares e com as propostas do Promed, portanto, estas constituíram mais um estímulo ao processo de discussão e avaliação que vinha ocorrendo na Instituição. Durante o ano de 2002, o processo de elaboração do projeto Promed da Unifesp envolveu todas suas instâncias: sub-comissões e comissão curricular do curso médico, Conselho de Graduação e Conselho Universitário. Foram realizadas, simultaneamente, apresentações nos Conselhos de Departamentos das grandes áreas Pediatria, Ginecologia, Obstetrícia, Medicina, Cirurgia, Psiquiatria e Medicina Preventiva, o que permitiu que se agregassem docentes desses departamentos no planejamento do projeto e, posteriormente, na sua execução. Contou-se, ainda, com a assessoria do Cedess durante todo o processo. A aprovação do projeto, no final de outubro, constituiu grande incentivo para mudanças que já estavam em curso e/ou seriam executadas em Os recursos foram efetivamente liberados para a instituição em agosto/2003 e algumas atividades programadas no projeto encaminhado em 2002 e na carta-acordo (assinada em julho de 2003) haviam sido realizadas no 2

3 1º semestre de 2003, ainda que tenham sido necessárias algumas adaptações para viabilização das mesmas. A decisão de levar adiante, mesmo sem os recursos, pelo menos parte das propostas, em especial aquelas relacionadas às mudanças pedagógicas, considerou a mobilização dos docentes que a elaboração do projeto havia determinado e, também, as resoluções da Oficina de Trabalho de 2001 e, fundamentalmente, contou-se com o apoio da Pró- Reitoria de Graduação e Reitoria da Unifesp. Assim, a primeira parcela foi aplicada considerando o novo contexto da instituição. II O novo contexto da Instituição a integração de disciplinas nas 1ª e 2ª séries havia avançado no ano de 2003, como desdobramento de uma oficina específica realizada em 2002 e já contava com professores das áreas clínicas em atividades e seminários; a Sub-comissão das 1ª e 2ª séries propunha a realização de uma nova oficina visando à avaliação dessas mudanças e a integração completa de todas as disciplinas envolvidas, considerando necessária uma discussão das duas séries conjuntamente. o módulo de aproximação à prática médica foi concretizado no primeiro semestre de 2003, prevendo-se uma avaliação conjunta docentes e profissionais dos serviços na forma de um seminário. Portanto, tratavase de uma nova demanda. Já estava concluída a programação de dois outros módulos na seqüência: 1) Primeiros socorros e Suporte Básico de Vida / Introdução a técnicas básicas e 2) O território, serviços de saúde. a capacitação de enfermeiros para supervisão dos alunos era absolutamente necessária (foi então realizada para um número restrito de profissionais, mas suficiente para viabilizar a proposta); a Unifesp comprometeu-se em realizá-la com maior abrangência assim que os recursos fossem liberados. Devido ao grande número de atividades no segundo semestre de 2003 e o curto período (setembro a novembro) decidiu-se adiá-la para oficina internacional de integração básico-clínico realizada em abril/2003 (Anexo I) - foi organizada e coordenada pela Pró-Reitoria de Graduação e Cedess e apoiada financeiramente pela própria instituição. Contou 3

4 com a apresentação de várias experiências, internacionais inclusive, e constituiu importante estímulo aos docentes. o transporte de alunos para os serviços de saúde mais distantes foi financiado pela própria Instituição. o material de enfermagem utilizado pelos alunos nas unidades era dos próprios serviços (Secretarias Municipais de São Paulo, Embu) e foi necessária uma compra, posteriormente, para reposição. o internato havia iniciado um processo de avaliação, também no 1º semestre de 2003, e considerou-se um momento oportuno para realização de uma oficina que analisasse os dados e informações coletadas entre docentes e discentes. finalmente, a proposta dos Pólos de Educação Permanente em Saúde (PEPS) do Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES) - passa a integrar a agenda das escolas médicas em todo país e a Unifesp define pela criação de um Núcleo Interno (Portaria nº 872/2003 cópia anexa II), ao qual o Grupo Gestor do Promed está integrado visando ao desenvolvimento de atividades articuladas. O Núcleo Promed de Pesquisa e Educação Permanente em Saúde componente do projeto Promed/ eixo 1 já previa desde sua criação a participação de todos os cursos da Unifesp, proposta que foi reforçada considerando o novo direcionamento do Ministério da Saúde por meio do pólos. III Os Pólos de Educação Permanente (PEPS) a atuação da Unifesp Durante o ano de 2003, foram realizadas reuniões com as Comissões Curriculares dos cursos de Fonoaudiologia, Tecnologia Oftálmica e Enfermagem para discussão das novas propostas do Ministério da Saúde. No curso de Enfermagem foi realizado um evento ampliado contando-se com a presença de representantes da SGTES/MS. Cabe ressaltar algumas especificidades de seu desenvolvimento no Estado de São Paulo e cidade de São Paulo. No Estado de São Paulo e Região Metropolitana de São Paulo a coordenação dos PEPS nos serviços de saúde está sob a responsabilidade da Secretaria de Estado da Saúde, por meio das DIRs (Direções Regionais) e na 4

5 cidade de São Paulo está com a Secretaria Municipal. No Estado de São Paulo foram criados 8 pólos, sendo o do município de São Paulo subdividido em 5 núcleos regionais, considerando sua extensão. Cada um desses núcleos da cidade de São Paulo abriga em média 6 sub-prefeituras (são 31 no total). A Unifesp já mantinha atividades de ensino, pesquisa e educação permanente, envolvendo todos os seus cursos e áreas (medicina, enfermagem, fonoaudiologia e tecnologia oftálmica), no município do Embu (Região Metropolitana de São Paulo), no CS Vila Mariana (Secretaria do Estado da Saúde de São Paulo) e em 3 sub-prefeituras (Ipiranga que agregou os Distritos de Sacomã e Ipiranga, Vila Maria, Vila Mariana), com os quais existem convênios assinados desde 1979 (Embu), 1997 (CS Vila Mariana) e 2001 (Subprefeituras do Ipiranga e Vila Maria, antigos distritos do Sacomã e Vila Maria). Estes foram os cenários de práticas considerados no projeto Promed, cujas mudanças pedagógicas estão permitindo uma ampliação das atividades e uma maior inserção na comunidade. Cada uma dessas sub-prefeituras e o município do Embu compõem diferentes pólos estabelecidos pelas respectivas secretarias. A Unifesp, por meio de seu Núcleo Interno, participa, juntamente com outras universidades, de alguns desses pólos. Participa, também, de outros que, atualmente não envolvem as áreas do Promed e/ou áreas nas quais se desenvolvam atividades de ensino e pesquisa da Unifesp. Assim, as atividades dos pólos, embora não separadas do Promed (conta inclusive com a participação de seus membros no Núcleo Interno da Unifesp), são muito mais amplas/complexas (Pólos e Programas no Anexo III) do que as atividades estabelecidas no Núcleo Promed de Ensino e Pesquisa em Saúde. Por esse motivo, no desenvolvimento das atividades do Núcleo Promed têm sido definidas ações que não se superponham às dos pólos, mas sim os complementem, considerando especificidades de cada local. IV A operacionalização do Promed na Unifesp o Grupo Gestor O Grupo Gestor na Unifesp está constituído por 6 professores, dentre estes Pró-Reitor e Vice-Pró-Reitor de Graduação, Coordenadora da Comissão Curricular do Curso Médico e Diretor do Cedess. Este grupo realiza reuniões semanais desde agosto de 2003, para planejamento das atividades, análise financeira do Projeto, contando com a participação de outros docentes para 5

6 discussão e/ou planejamento de atividades específicas. Todas as propostas relacionadas aos eixos abordagem pedagógica e cenário de práticas foram discutidas, analisadas e aprovadas nas sub-comissões e comissão curricular do curso médico, dando continuidade a um processo que já vinha sendo desenvolvido. Em algumas situações foram constituídos grupos de trabalho visando à elaboração de propostas aprovadas nessas sub-comissões/ comissões. V As atividades realizadas no período A seguir, são apresentadas as atividades correspondentes à primeira parcela do Promed, subdivididas nos três eixos do projeto: 5.1. Eixo Orientação Teórica Produção de Conhecimento segundo as necessidades do SUS, Pós-Graduação e Educação Permanente 5.2. Eixo Abordagem Pedagógica Mudança Pedagógica e Integração Ciclo Básico-Ciclo Profissional 5.3. Eixo Cenário de Práticas Diversificação de Cenários do Processo de Ensino e Abertura dos Serviços Universitários às Necessidades do SUS 5.1. Eixo Orientação Teórica Produção de Conhecimento segundo as necessidades do SUS, Pós-Graduação e Educação Permanente A situação-objetivo projetada para este eixo (mantendo a tradição institucional de centro de referência nacional em pesquisas clínicas e biomédicas, ampliar esta referência para a produção de conhecimentos orientados à atenção básica e aos serviços de saúde, incluindo investigações relativas aos sistemas de gestão, modelos assistenciais e políticas públicas) foi implementada neste primeiro semestre de execução do projeto por meio da criação do Núcleo Promed de Pesquisa e Educação Permanente em Saúde da Unifesp. O Núcleo está composto por representantes da Universidade e dos serviços, estando assim constituído: - coordenação coordenadora do Promed - 3 membros do grupo gestor do Promed 6

7 - representantes das Pró-Reitorias de Graduação, Pós-Graduação e Pesquisa e Extensão - representantes das 3 Sub-Prefeituras do Ipiranga, Vila Mariana e Vila Maria - representantes da Secretaria de Saúde do município de Embu - representante do Centro de Saúde de Vila Mariana - representantes dos hospitais conveniados Vila Maria e Pirajussara Uma Oficina de Trabalho realizada nos dias 03 e 04 de outubro de 2003, com a participação da Equipe Gestora do Promed Unifesp, a Equipe Gestora do Núcleo Promed de Pesquisa e Educação Permanente em Saúde, Representantes Docentes da Unifesp, Representantes da Sub-Prefeitura do Ipiranga, Vila Maria e Vila Mariana, Centro de Saúde de Vila Mariana, Secretaria de Saúde do Embú e PIDA Embú teve como objetivo geral elaborar Diretrizes Gerais e Plano de Trabalho para o Núcleo no âmbito do Promed da Unifesp. Especificamente, teve como objetivos identificar objetos, parcerias e possibilidades de pesquisa em atenção básica desenvolvidas de maneira integrada entre a universidade e os serviços; identificar necessidades de educação permanente e focos a serem privilegiados na integração entre a universidade e os serviços e discutir estratégias para a implementação do Plano de Trabalho (Relatório Anexo IV). A partir das discussões feitas nesta Oficina, os seguintes objetivos foram elaborados para o Núcleo: OBJETIVO GERAL Desenvolver Programas de Educação Permanente e implementar Projetos de Pesquisa em parceria Universidade e Serviços. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Facilitar a aproximação Serviços-Universidade, integrando diferentes níveis de complexidade e diferentes gestores, gerentes e profissionais de saúde, ajudando no desenvolvimento dos projetos de interesse comum. 2. Identificar objetos de pesquisa e de educação permanente que subsidiem o desenvolvimento dos projetos de integração, priorizando as necessidades 7

8 loco-regionais e considerando a realidade do serviço e as características do território. 3. Identificar grupos de pesquisa e de educação permanente, assim como dados existentes, tanto na Universidade como no Serviço para estabelecer estratégias e instrumentos de atuação. 4. Estabelecer espaço e infra-estrutura mínima para o desenvolvimento das ações de Educação Permanente e Pesquisa. 5. Buscar recursos Financeiros 6. Avaliar continuamente as ações, criando indicadores que permitam monitorar os projetos dos diferentes parceiros Os Princípios Norteadores do Núcleo foram também estabelecidos: 1. Reconhecimento do papel da Universidade de estar aberta às demandas da sociedade 2. Atuação segundo os princípios do SUS 3. Priorização das necessidades loco-regionais a partir da realidade dos serviços e das características do território 4. Integração Universidade- Serviços e respeito às parcerias 5. Adoção de modelos pedagógicos que atendam às necessidades envolvendo ação interdepartamental e interdisciplinares 6. Prática como eixo norteador das ações 7. Avaliação contínua 8. Publicização das ações As Estratégias Gerais para o desencadeamento das ações do Núcleo ficaram assim delineadas: 1. Estabelecer uma logística física, administrativa e financeira para o funcionamento do núcleo. 2. Informar, interna e externamente, sobre a existência e objetivos do Núcleo. 3. Promover oficinas/seminários com profissionais da Universidade e dos Serviços com vistas à sensibilização da comunidade universitária e dos serviços. 4. Estabelecer agenda coletiva de trabalho 5. Criar grupos temáticos de assessoria 8

9 6. Levantar a produção acadêmica na perspectiva do SUS, bem como cursos/ treinamento já realizados tanto na Universidade quanto nos Serviços, informatizando e disponibilizando os dados. 7. Criar uma Comissão de Avaliação com elaboração de indicadores para acompanhamento do processo. 8. Desenvolver instrumentos de avaliação quali/quantitativos que possam revelar o impacto das ações na comunidade A partir da Oficina têm sido realizadas reuniões mensais do Núcleo. A reunião realizada em novembro/2003 consistiu na apresentação dos serviços dados epidemiológicos, estrutura, organização, equipamentos de saúde e sociais, principais problemas em cada região. Na reunião de dezembro/2003, discutiu-se um plano de atividades a ser desenvolvido em 2004 de forma articulada às atividades dos pólos. Uma das propostas é a realização de um seminário sobre Produção de conhecimentos na perspectiva do SUS, a ser realizado em abril/2004. Em reunião realizada em fevereiro/2004 definiram-se algumas prioridades para educação permanente capacitação de pediatras e demais profissionais sobre o tema violência contra criança, capacitação de enfermagem (treinamento e atualização em curativos), atendimento de emergência em unidades básicas capacitação de pessoal de nível médio (enfermagem e administrativo). Foi levantada, também, a necessidade de capacitação de pediatras para o atendimento do adolescente, porém encontrase em discussão junto ao Setor de Adolescência do Departamento de Pediatria da Unifesp uma proposta de curso que deverá envolver todo o município de São Paulo e, portanto, deverá responder a esta demanda. Uma outra proposta do Núcleo, já concretizada, foi a compra de material didático (livros, vídeos) com o objetivo de fortalecer as comissões de ensino já existentes nas coordenadorias/secretarias de saúde e, também, propiciar um ambiente adequado para as atividades de ensino dos alunos. Considerando a necessidade de uma maior agilidade no processo de comunicação, bem como divulgação das atividades do Promed como um todo e do Núcleo, em especial, foi decidida a criação de um Portal do Promed Unifesp. Este portal está sendo elaborado com o apoio técnico do Departamento de Informática em Saúde da universidade (DIS Unifesp). 9

10 5.2. Eixo Abordagem Pedagógica Mudança Pedagógica e Integração Ciclo Básico-Ciclo Profissional A situação-objetivo projetada para este eixo (tomar a prática médica, criticamente embasada e socialmente comprometida como eixo organizador do currículo, promovendo a inserção do aluno nos cenários reais do exercício profissional do médico e sua atuação de forma progressivamente responsável, orientada para a promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação) foi implementada com dois tipos de mudanças: 1) criação de novos módulos/ atividades e 2) aprimoramento dos módulos já existentes Criação de novos módulos No primeiro semestre de atividades do Promed, foi avaliado e replanejado o Módulo de Aproximação à Prática Médica 1 (desenvolvido no primeiro semestre de 2003), planejado, implementado e avaliado o Módulo de Aproximação à Prática Médica 2 (desenvolvido no segundo semestre de 2003) e planejado o Módulo de Aproximação à Prática Médica 3 (sendo desenvolvido neste primeiro semestre de 2004) O Módulo Aproximação à Prática Médica / 1º Semestre de 2003 (32horas) o planejamento deste módulo envolveu cerca de 20 docentes das áreas básica, psicologia médica, saúde coletiva, pediatria, clínica, cirurgia, ginecologia e obstetrícia, que se reuniram quinzenalmente no período de setembro a dezembro de Além do planejamento deste módulo, esse espaço de troca de experiências entre os docentes foi de extrema importância e refletiu, certamente, nas práticas em suas áreas específicas. A programação do módulo (Anexo V) permitiu que o aluno tivesse contato com a prática profissional já na primeira semana de aula. Como atividade inicial foi realizado um sociodrama coordenado por uma equipe de profissionais da área de saúde mental, permitindo já neste primeiro momento que os alunos se integrassem com seus colegas e professores e expressassem suas expectativas em relação à profissão. A avaliação do módulo foi realizada em seminário conjunto profissionais dos serviços que receberam os alunos, professores e discentes 10

11 (relatório Anexo VI). Durante o andamento das atividades, os professores envolvidos no módulo (nos grupos de discussão ou na recepção dos alunos nos serviços) mantiveram reuniões mensais com o objetivo de discutir as dificuldades, verificar acertos, erros e necessidades mais imediatas de alterações, além de manter o espaço para troca de experiências nessa atividade. Depois do seminário realizado em 18 de setembro de 2003, o grupo de docentes restabeleceu a rotina de reuniões mensais, visando ao planejamento da atividade em 2004 e em dezembro e no início de fevereiro foram realizadas duas reuniões com os serviços de saúde. Para o ano de 2004, professores das áreas básicas passaram a integrar os grupos de discussão Módulo Primeiros Socorros, Suporte Básico de Vida e Técnicas Básicas (64hs) este módulo resultou do aprimoramento e ampliação da Disciplina Introdução ao Hospital. Foram realizadas alterações com inclusões de temas Suporte Básico de Vida na Criança e no Adulto, Procedimentos Iniciais frente a Acidentes e Intoxicações e nas estratégias de ensino com a inclusão do laboratório de Habilidades e das Unidades Básicas como campo de práticas e da realização de seminários com participação de profissionais de serviços especializados: Centro de Controle de Intoxicações da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, Instituto Butantã. O programa encontra-se no Anexo VII Aprimoramento de atividades Módulo Saúde Coletiva Planejamento e Organização de Serviços de Saúde este módulo resultou do aprimoramento e da integração das Disciplinas O território e seus problemas (1ª série) e Planejamento de Serviços de Saúde (3ª série). O desenvolvimento dessas disciplinas integradas e de forma seqüencial tornou mais lógica para o aluno. Este módulo consiste em atividades realizadas na Sub-prefeitura do Ipiranga (que incluiu o antigo Distrito do Sacomã), já visitados pelo aluno no primeiro semestre e nas atividades do módulo de planejamento (programa no Anexo VIII) Integração ciclo básico ciclo profissional. No ano de 2003, na 1ª série, foi possível a integração interna de atividades de disciplinas de dois 11

12 módulos Bases Morfológicas da Medicina (Anatomia, Embriologia e Histologia) e Organização Estrutural do Corpo Humano das células aos sistemas (Biofísica e Fisiologia). Nesses dois módulos, foram desenvolvidos seminários e trabalhos com a preparação de pôsteres (listagem de temas no Anexo IX) abordando temas clínicos. As avaliações foram conjuntas e incluíram os seminários e os trabalhos. O desenvolvimento destas atividades envolveu também docentes das áreas clínicas, visitas a enfermarias, consulta de prontuários. A Bioquímica, no ano de 2003, permaneceu como disciplina isolada. Essa experiência de integração, as oficinas, as avaliações com os alunos favoreceram novas mudanças e o avanço no processo de integração já em Houve nova reestruturação os dois módulos foram integrados entre si e a Bioquímica passa a se integrar a esses módulos também. Isto permitiu algumas correções além da própria integração, foi possível distribuir conteúdos durante todo o ano (Anatomia estava toda no 1º semestre e Bioquímica no 2º semestre). Os docentes avaliam que este foi um passo importante, mas que o desenvolvimento de atividades conjuntas ainda pode ser ampliado e que o processo deve favorecer essa evolução. Neste ano de 2004, os docentes destes módulos estão participando do Módulo de Aproximação à Prática 1 (grupos de discussão) Módulo Bases Moleculares da Medicina no ano de 2003 (2ª série), a partir da realização da oficina de 1ª e 2ª séries e do processo de planejamento do Promed, este módulo já havia estabelecido uma integração de conteúdos, com aulas e seminários conjuntos e desenvolvimento de um tema clínico (Anexo X) durante o primeiro semestre a ser apresentado numa semana de seminários com participação de docentes das áreas clínicas que atuam na área relacionada ao tema. A avaliação (provas, seminários) também tem sido conjunta. Neste ano de 2004, além do aprimoramento desta integração, os docentes estão compondo a equipe envolvida no Módulo Comunicação e Educação em Saúde Avaliação das atividades desenvolvidas no movimento de aprimoramento do currículo 12

13 Além das atividades regulares da Comissão Curricular do Curso Médico e de suas Sub-Comissões, neste semestre letivo foram realizadas duas Oficinas de Trabalho. Uma primeira Oficina de Trabalho intitulada Avaliação/Aprimoramento do Currículo Nuclear - 1 a. e 2 a. Séries, foi realizada nos dias 04 e 05 de novembro de 2003, com a participação da Equipe Gestora do Promed, Representantes da Pró-Reitoria de Graduação, Representantes da Comissão Curricular, Docentes do Ciclo Básico e Profissionalizante e Representantes Discentes do Curso Médico da Unifesp. Entre outros objetivos esta Oficina procurou avaliar/aprimorar o currículo nuclear do Curso Médico, incluindo o planejamento e a execução de Ensino Modular da 1 a. e 2 a. Séries, o Programa de Aproximação do Aluno à Prática Médica, desde o inicio do curso, bem como discutir e propor alternativas de problematização do ensino no contexto dos módulos. A Programação incluiu palestras, grupos de trabalho, discussão coletiva, elaboração e encaminhamento de propostas que viessem contribuir para o aprimoramento e avanço do processo de desenvolvimento do Currículo Nuclear do Curso Médico. A partir das discussões feitas, os participantes da Oficina indicaram propostas para o aprimoramento do processo de integração nas 1ª e 2ª séries e para facilitar/favorecer a problematização como metodologia de ensino nas 1ª e 2ª séries. Partindo da análise situacional do Programa de Aproximação à Prática Médica, iniciado neste ano letivo, os grupos de trabalho discutiram também, propostas para o aprimoramento deste Módulo (relatório no Anexo XI). Uma segunda Oficina de Trabalho intitulada Internato - Unifesp/EPM, realizada nos dias 05 e 06 de dezembro de 2003, teve a participação da Equipe Gestora do Promed, Representantes da Pró-Reitoria de Graduação, Representantes da Comissão Curricular, Docentes do Internato e Representantes Discentes do Curso Médico da Unifesp. Esta Oficina teve como objetivo central rediscutir o Internato do Curso Médico, avaliando o modelo vigente e estudando propostas de aprimoramento procurando subsídios para reelaborar os objetivos e os princípios direcionadores do Internato do Curso Médico e encaminhar propostas de 13

14 aprimoramento com vistas aos objetivos e princípios estabelecidos. O Relatório desta Oficina encontra-se no Anexo XII Planejamento do Módulo Comunicação e Educação no Exercício Profissional do Médico Este módulo foi planejado no segundo semestre de 2003, com início de suas atividades em fevereiro de Seu planejamento e execução envolveram docentes das áreas básicas, clínica, pediatria, ginecologia e obstetrícia, saúde coletiva, psicologia médica, informática médica e do CEDESS. Este módulo terá o objetivo de oferecer ao aluno conteúdos teóricos sobre educação em saúde e técnicas instrucionais, proporcionando a vivência desta prática como parte das atividades dos profissionais de saúde, do médico inclusive. A partir das atividades realizadas no semestre anterior, os alunos retornam aos serviços e junto com os gestores estabelecem prioridades de temas para, durante o semestre, desenvolverem projetos educativos sob supervisão docente. Os alunos estarão organizados em pequenos grupos e deverão utilizar-se de diferentes recursos (vídeo, informática, produção de folders, etc.) Capacitação Docente além da participação nas oficinas de trabalho, considerou-se fundamental que houvesse um incentivo aos docentes envolvidos nestas atividades no sentido de participar de atividades/eventos relacionados à educação médica, possibilitando a troca de experiências. Foi feita uma divulgação dos eventos regional e nacional da Abem, incentivando os professores, sobretudo aqueles mais envolvidos no processo de mudança, para que encaminhassem seus trabalhos nesses eventos. Para o Congresso Regional da Abem a se realizar em abril (Marília/SP) estão confirmados 12 docentes e 10 alunos. Serão apresentados 12 trabalhos Eixo Cenário de Práticas Diversificação de Cenários do Processo de Ensino e Abertura dos Serviços Universitários às Necessidades do SUS Os convênios formais já estabelecidos pela Unifesp Embu (1970), CS Vila Mariana (1997), Distritos do Sacomã (Sub-prefeitura do Ipiranga) e Vila 14

15 Maria (Sub-prefeitura de Vila Maria) foram mantidos. O que as mudanças pedagógicas permitiram foi a ampliação das atividades já existentes. Na Subprefeitura Vila Mariana (no qual a Unifesp e o Hospital São Paulo estão inseridos) já havia uma parceria informal, considerando a proximidade. Também foi possível ampliar o desenvolvimento de ações nesta Sub-prefeitura. As ações do Promed relacionadas ao eixo Orientação Teórica favoreceram muito esse processo à medida que trazem um retorno mais concreto para os serviços. A possibilidade de repor material de enfermagem utilizado pelos alunos e a compra de material didático também foi um estímulo á abertura do campo e ao envolvimento dos profissionais dos serviços nas atividades voltadas ao aluno. No que se refere ao Hospital São Paulo e hospitais do Complexo Unifesp/SPDM Pirajussara, Vila Maria e Diadema fazem parte de um sistema regionalizado de saúde, integrando central de vagas sob coordenação da Secretaria de Estado da Saúde. Como já apresentado anteriormente foi realizada a compra de material didático (livros, vídeos) com o objetivo de fortalecer as comissões de ensino já existentes nas coordenadorias/secretarias de saúde e, também, propiciar um ambiente adequado para as atividades de ensino dos alunos. 15

16 Anexo I Oficina Internacional básico-clínico 16

17 Anexo II Portaria Unifesp 17

18 Anexo III Pólos de Educação Permanente PEPS Atividades do Núcleo Interno Unifesp Núcleo Sul Pólo do município de São Paulo - Gerenciamento de Serviço de Saúde para Médicos, Enfermeiros e outros profissionais. Curso em nível de especialização com 368 horas. - Aprimoramento de Gerenciamento em Serviço de Saúde, para Médicos e enfermeiros. Curso com 48 horas. Núcleo Sudeste Pólo do município de São Paulo - Curso de Urgência e Emergência para Médicos. Com 20 horas. Esse curso será realizado em parceria com a Universidade 9 de Julho. - Especialização em Saúde Pública. Curso com 360 horas e será realizado em parceria com o Centro Universitário São Camilo. - Aprimoramento dos Ciclos da Vida. Curso com 100 horas e será realizado em parceria com: Puc SP, Universidade 9 de Julho, UNIFESP e Universidade São Camilo. DIR V Secretaria do Estado da Saúde / Região Metropolitana de São Paulo - Aprimoramento de Gerenciamento em Serviço de Saúde, para Médicos e enfermeiros. Curso com 48 horas. 18

19 Anexo IV Oficina do Núcleo Promed de Pesquisa e Educação Permanente NÚCLEO DE PESQUISA E EDUCAÇÃO PERMANENTE: diretrizes gerais e plano de trabalho Este documento foi produzido a partir de uma Oficina de Trabalho realizada nos dias 03 e 04 de outubro de 2003, no Grand Hotel Cad Oro, em São Paulo. Participaram desta Oficina a Equipe Gestora do PROMED Unifesp, a Equipe Gestora do Núcleo de Pesquisa e Educação Permanente em Saúde, Representantes Docentes da Unifesp, Representantes do Distrito de Saúde de Sacomã, Distrito de Saúde Vila Maria, Distrito de Saúde Vila Mariana, Centro de Saúde de Vila Mariana, Secretaria de Saúde do Embú e PIDA Embú. A Oficina teve o apoio técnico do Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde- CEDESS\Unifesp. O objetivo geral da Oficina foi elaborar Diretrizes Gerais e Plano de Trabalho para o Núcleo de Pesquisa e Educação Permanente, proposto no âmbito do PROMED da UNIFESP. Especificamente, teve como objetivos identificar objetos, parcerias e possibilidades de pesquisa em atenção básica desenvolvidas de maneira integrada entre a universidade e os serviços; identificar necessidades de educação permanente e focos a serem privilegiados na integração entre a universidade e os serviços e discutir estratégias para a implementação do Plano de Trabalho. Os participantes foram divididos em Grupos de Trabalho e, com o apoio de facilitadores, trabalharam questões específicas manifestando seus pontos de vistas em tarjetas que foram lidas e agrupadas nos pontos consensuais elaborados Divididos em três grupos de trabalho, o primeiro aspecto enfocado foi a elaboração dos Objetivos do Núcleo. Os relatórios parciais foram apresentados e discutidos em reunião plenária. Os seguintes objetivos foram elaborados: OBJETIVO GERAL Desenvolver Programas de Educação Permanente e implementar Projetos de Pesquisa em parceria Universidade e Serviços. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Facilitar a aproximação Serviços-Universidade, integrando diferentes níveis de complexidade e diferentes gestores, gerentes e profissionais de saúde, ajudando no desenvolvimento dos projetos de interesse comum. 19

20 2. Identificar objetos de pesquisa e de educação permanente que subsidiem o desenvolvimento dos projetos de integração, priorizando as necessidades locoregionais e considerando a realidade do serviço e as características do território. 3. Identificar grupos de pesquisa e de educação permanente, assim como dados existentes, tanto na Universidade como no Serviço para estabelecer estratégias e instrumentos de atuação. 4. Estabelecer espaço e infra-estrutura mínima para o desenvolvimento das ações de Educação Permanente e Pesquisa. 5. Buscar recursos Financeiros 6. Avaliar continuamente as ações, criando indicadores que permitam monitorar os projetos dos diferentes parceiros O segundo aspecto trabalhado foi a elaboração dos Princípios Norteadores do Núcleo. Os princípios ficaram assim estabelecidos: 9. Reconhecimento do papel da Universidade da Universidade de estar aberta às demandas da sociedade 10. Respeito aos princípios do SUS 11. Priorização das necessidades loco-regionais a partir da realidade dos serviços e das características do território 12. Integração Universidade- Serviços e respeito às parcerias 13. Adoção de modelos pedagógicos que atendam às necessidades envolvendo ação interdepartamental e interdisciplinares 14. Prática como eixo norteador das ações 15. Avaliação Contínua 16. Publicização das ações As Estratégias Gerais para o desencadeamento das ações do Núcleo ficaram assim delineadas: 9. Estabelecer uma logística física, administrativa e financeira para o funcionamento do núcleo. 10. Informar, interna e externamente, sobre a existência e objetivos do Núcleo. 11. Promover oficinas/ seminários com profissionais da Universidade e dos Serviços com vistas à sensibilização da comunidade universitária e dos serviços. 12. Estabelecer agenda coletiva de trabalho 13. Criar grupos temáticos de assessoria 20

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

Federal de São Paulo Ministério da Educação

Federal de São Paulo Ministério da Educação PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓSAUDE RESUMO PRÓSAÚDE MEDICINA UNIFESP/ NOVEMBRO DE 2007 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA.ROSANA FIORINI PUCCINI O desenvolvimento do PróSaúde Medicina Unifesp tem considerado o acúmulo

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP EEUSP PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE

ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP EEUSP PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP EEUSP PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE Resumo do Projeto: A proposta apresentada ao PRÓ-SAÚDE tem como foco principal a superação

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS.

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS Coordenação do Curso de Enfermagem PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. RESUMO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO:

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS DIRETORIA Of. Dir. /2007 Recife, 09 de novembro de 2007 Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS Senhora Diretora, Atendendo solicitação

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE Florianópolis, 09 de novembro de 2007. Da: Coordenadoria do Curso de Graduação em

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH

Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH A proposta pedagógica para formação do medico dentro do curso do UNI-BH baseia-se na estruturação em três módulos de conteúdo bem definido

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA - FAMEB 199 anos Grupo Gestor do Projeto Pró-Saúde (Ministério da Saúde FAMEB/UFBA) Pavilhão de Aulas da FAMEB, Av. Reitor Miguel Calmon Campus

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE ENFERMAGEM. Relatório Pró-Saúde Enfermagem UVA

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE ENFERMAGEM. Relatório Pró-Saúde Enfermagem UVA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE ENFERMAGEM Relatório Pró-Saúde Enfermagem UVA Sobral - 2007 Resumo do projeto: Dentre os principais trabalhos referentes

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

CAFÉ DO APOIO TEMA - TUTOR

CAFÉ DO APOIO TEMA - TUTOR CAFÉ DO APOIO TEMA - TUTOR 1. Na opinião do grupo, a oficina de formação dos tutores contribuiu para embasar a atuação desse tutor e apoiar a equipe para o aprofundamento do tema na atenção básica? Por

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Sugerir propostas não contempladas na proposta do Plano Conferência Municipal de

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

Pós-graduação Psicologia

Pós-graduação Psicologia Pós-graduação Psicologia Pós-graduação - Lato Sensu Os cursos de Pós-graduação da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo têm como objetivos a formação de docentes, pesquisadores e profissionais

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

EQUIPE DE PROFISSIONAIS CEPEC Centro de Estudos e Pesquisas Clínicas de São Paulo.

EQUIPE DE PROFISSIONAIS CEPEC Centro de Estudos e Pesquisas Clínicas de São Paulo. Dra. Miriam Serrano de Freitas Terapeuta Ocupacional especializada em Síndrome de Down serrano.miriam@gmail.com Data de nascimento:07/05/1986 Endereço: Morishigue Akagui, 51 Telefone para contato: (11)

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica

Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Área Técnica Saúde da Mulher Brasília, 10 de fevereiro de 2.000. Área Técnica da Saúde da Mulher Secretaria de Políticas de Saúde Comitê de Especialistas

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA Objetivos do Curso Curso da área da saúde, centrado nos aspectos ergonômicos e sociais da atividade humana. Visa à formação

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP. 1º Edital Para Chamada de Candidatos a Tutores e Supervisores. Programa Mais Médicos Brasil - PMMB

Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP. 1º Edital Para Chamada de Candidatos a Tutores e Supervisores. Programa Mais Médicos Brasil - PMMB Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP 1º Edital Para Chamada de Candidatos a Tutores e Supervisores I Introdução. Programa Mais Médicos Brasil - PMMB Junho/2015 O Programa Mais Médicos Brasil, criado

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde. dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde. dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde O HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG E A EBSERH: APROIMAÇÃO ENTRE A GESTÃO E OS TRABALHADORES EM UM CONTETO DE MUDANÇAS

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões:

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões: SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: o Pronto Socorro Adulto de Taubaté teve seu funcionamento aprovado pela Vigilância Sanitária Estadual. O documento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG As atividades do Pró-Saúde para o primeiro ano de desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA PROJETO AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes Outubro de 2005 Justificativa A grande expansão da estratégia

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO SUPERIOR EM SAÚDE - CEDESS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO SUPERIOR EM SAÚDE - CEDESS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO SUPERIOR EM SAÚDE - CEDESS Produto da Dissertação: Relatório técnico para a Reitoria da UEA A preceptoria no internato do

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO E FINANCEIRO (PERÍODO DE ABRIL 2004 A JUNHO 2005)

RELATÓRIO TÉCNICO E FINANCEIRO (PERÍODO DE ABRIL 2004 A JUNHO 2005) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO PROGRAMA DE INCENTIVO A MUDANÇAS CURRICULARES NO CURSO MÉDICO - PROMED RELATÓRIO TÉCNICO E FINANCEIRO (PERÍODO DE ABRIL 2004 A JUNHO 2005) SÃO PAULO 2005 Indice I Introdução...

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

UNIFESP Virtual - DIS

UNIFESP Virtual - DIS UNIFESP Virtual - DIS UNIFESP Virtual Avaliação 2003 http://www.virtual.unifesp.br Com o crescimento explosivo da Internet, da comunicação e do reconhecimento do potencial da rede em atuar na globalização

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

Plano Diretor do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora

Plano Diretor do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora Plano Diretor do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora Missão Formar recursos humanos, gerar conhecimentos e prestar assistência de qualidade na área da saúde à comunidade da região.

Leia mais

REGULAMENTO SEMANA UEMG

REGULAMENTO SEMANA UEMG REGULAMENTO SEMANA UEMG Belo Horizonte, abril de 2015 0 SUMÁRIO CAPÍTULO I DA SEDE, DATA E DA INSTITUIÇÃO PROMOTORA... 2 CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA DA SEMANA UEMG... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO

Leia mais

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Portaria GM/MS nº 1.996, de 20 de agosto de 2007 substitui a Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004 e Proposta de Alteração Pesquisa de Avaliação

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE MEDICINA RESUMO DO PROJETO PRO-SAÚDE DO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE MEDICINA RESUMO DO PROJETO PRO-SAÚDE DO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE MEDICINA RESUMO DO PROJETO PRO-SAÚDE DO OBJETIVOS GERAIS Reorientar o processo de formação do curso de graduação em de medicina, de modo a oferecer a sociedade

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em Diagnóstico por Imagem do Tórax 4.01.00.00-6

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Número da Ação (Para

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS Lizyanne Saldanha Soares 1, Natalia Máximo Souza Lima 2, Raquel Gusmão Oliveira

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos CONCEITO Despertar a potencialidade de indivíduos Utilizar a Arte como meio de comunicação e expressão e a Cultura no resgate de histórias de vida e valores 17 anos de atuação 231 mil atendimentos ARTE

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O 15º SENADEn será realizado no período de 05 a 07 de agosto de 2016 na cidade de Porto Alegre, no Centro de Eventos São Rafael.

APRESENTAÇÃO. O 15º SENADEn será realizado no período de 05 a 07 de agosto de 2016 na cidade de Porto Alegre, no Centro de Eventos São Rafael. 15º APRESENTAÇÃO O 15º SENADEn será realizado no período de 05 a 07 de agosto de 2016 na cidade de Porto Alegre, no Centro de Eventos São Rafael. Localização do Centro de Eventos e hotéis APRESENTAÇÃO

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA Código: ENF - 217 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo:

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais