RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2014 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA NICOLE RAMOS DE CAMARGO INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA/ EDITAL IC 2014 PLANO DE TRABALHO: Arquitetura Comercial/Institucional em Containers Relatório final apresentado ao Grupo de Pesquisa em TEORIA E HISTÓRIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO THAC da UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR por ocasião do desenvolvimento das atividades voluntárias de Iniciação Científica Edital NOME DO ORIENTADOR: Prof. Dr. Antonio Manoel Nunes Castelnou, neto Departamento de Arquitetura e Urbanismo TÍTULO DO PROJETO: Manual para reciclagem arquitetônica de containers BANPESQ/THALES: CURITIBA PR 2014

2 1 TÍTULO Arquitetura Comercial/Institucional em Containers 1 2 RESUMO Uma incontável quantidade de contêineres ou containers passa a maior parte de sua vida estocados em portos de todo o mundo, uma vez que o custo para seu transporte ao local de origem é maior do que o da compra de um novo. Com a crescente necessidade do aumento de alternativas sustentáveis, nasceu a ideia do reaproveitamento desses elementos préindustrializados para a arquitetura em diversos setores, os quais envolvem desde o setor habitacional, de caráter fixo ou temporário, às áreas comerciais, institucionais e de produção e serviços. Isto se constitui em um campo de aplicação que se expande cada vez mais, abrangendo novos setores e conquistando mais espaços em detrimento ao preconceito e desconhecimento. Essa nova tipologia de construção tende a agradar aqueles que buscam algumas características voltadas à sustentabilidade socioambiental, pois um container: é modulado, pré-fabricado (o que diminui seu custo), fácil de ser transportado e disponível por todo o mundo, além de ser reciclável e reutilizável. De caráter descritivo-exploratório, esta pesquisa analisa a concepção e execução de lojas ou outros programas não-residenciais realizadas a partir do reaproveitamento desses elementos, descrevendo suas características de projeto e construção, em especial quanto às vantagens e desvantagens à respeito da sua dimensão sustentável. Como metodologia, adota-se a pesquisa teórica em bases web e bibliográficas; a consulta e coleta de informações; a seleção de dados e; por fim, o estudo de caso, visando abordar princípios, normas e indicações sobre projeto e construção, além de parâmetros dimensionais, estéticos e de conforto termoacústico. Como resultado, observou-se que o reaproveitamento de contêineres é uma alternativa para maior sustentabilidade de construções comerciais, podendo ser realizado de forma mais rápida e econômica quando comparado às construções convencionais. Ademais, consiste em ótima alternativa para recintos comerciais temporários, pois há a possibilidade de transporte de um local a outro. Por fim, baseia-se em um sistema modular e apresenta boas condições de resistência e durabilidade. 3 OBJETIVOS Essa pesquisa em iniciação tecnológica faz parte do projeto intitulado Manual para a Reciclagem Arquitetônica de Containers, aprovado pelo Edital 2014/15 da PRPPG-UFPR; e tem como principal intuito fazer um estudo introdutório sobre a concepção e a execução de espaços arquitetônicos comerciais e/ou institucionais executados a partir do reaproveitamento de contêineres, descrevendo e analisando este tipo de reciclagem, além de apontar seus pontos positivos e negativos. De modo específico, pretende-se: caracterizar esse tipo de arquitetura sustentável e descrever criticamente um caso em particular, em termos funcionais, técnicos e estéticos.

3 2 4 INTRODUÇÃO A definição que hoje se tem de contêiner palavra proveniente do termo inglês container, que também é de uso comum e aceito na língua portuguesa, assim como contentor, cujo sentido é de embalagem; recipiente nasceu em 1937 com o norte-americano Malcolm Purcell McLean ( ). Motorista e dono de uma pequena empresa de caminhões, ao observar o lento embarque de fardos de algodão no porto de Nova York (EUA), teve a ideia de armazená-los e transportá-los em grandes caixas de aço, as quais pudessem ser embarcadas em navios. Considerado o pai da contentorização, McLean aventurou-se na área internacional, enviando um navio porta-contêineres para a Europa: em 05 de maio de 1966, chegava ao porto de Roterdã (Holanda) o cargueiro que ali descarregou 50 unidades (DONOVAN et BONNEY, 2006). No sentido do carregamento, a invenção do container foi uma revolução, segundo Kronenburg (2008), pois a carga de um caminhão, por exemplo, poderia ser passada para um navio ou trem sem perda de tempo com a mudança do meio de transporte. Era preciso somente de um guindaste para mover o contêiner com toda a carga de um lugar para o outro. Além disso, conforme Levinson (2006), os consumidores passaram a gozar infinitamente de mais opções graças ao comércio global que os containers estimularam: a forte queda nos custos de frete a partir da introdução do contêiner de transporte desempenhou um papel importante no aumento da integração da economia global. No decorrer de todo o século XIX, principalmente após a Revolução Industrial ( ) até a passagem para o novo século, acreditava-se que o impacto das máquinas e novas tecnologias não causaria grandes problemas para a humanidade e nem ao meio ambiente. Ao contrário, os progressos apontavam para um desenvolvimento ilimitado, garantido por novas descobertas científicas que, por consequência, também incidiram no urbanismo, na arquitetura e na construção civil em geral. Entretanto, junto às crescentes conquistas trazidas pela modernização como o aumento da expectativa da vida, as melhorias das condições de vida nas cidades e os novos materiais e métodos construtivos também vieram o crescimento populacional, a maior concentração urbana, a marginalização, a miséria e a guerra, que marcaram as primeiras décadas do século XX em diante. Isto fez com que se repensasse o modelo de desenvolvimento adotado, o que, de acordo com Ruano (2000), aconteceu principalmente depois da Segunda Guerra Mundial (1939/45), quando mudanças mais significativas começaram a aparecer, em especial devido à destruição causada pelas bombas atômicas e denúncia dos riscos à própria sobrevivência humana, assim como de todo o planeta. O chamado Despertar Ecológico marcou as décadas de 1950 e 1960, quando a sociedade ocidental em especial as nações já em estágio de plena industrialização, como os países mais desenvolvidos da Europa e, notadamente, os EUA passou a questionar os avanços trazidos pela tecnologia e, especialmente, os custos ecológicos que estavam sendo pagos por toda a humanidade. Como exemplo, cita-se o arquiteto norte-americano, inventor visionário e

4 3 autor de mais de 30 livros, Richard Buckminster Füller ( ), que realizou incontáveis experimentos voltados a encontrar soluções construtivas que se inspirassem na natureza, ao invés de quererem rivalizar-se com ela, inaugurando os pressupostos de uma arquitetura verdadeiramente ecológica. Além das experiências que realizou a partir de 1954, as quais conduziram à criação de cúpulas geodésicas estruturas espaciais de melhor desempenho tanto em termos de resistência como de economia de materiais se comparados aos sistemas convencionais, Füller cunhou a expressão Spaceship Earth ( Espaçonave Terra ), que apontava para uma nova concepção do planeta, devidamente compreendido como algo limitado e finito, sem o qual a humanidade não teria como existir (PAPANEK, 1995). Inicialmente de bases na maioria utópicas, as propostas para uma arquitetura cada vez ambientalmente mais consciente evoluiriam através das décadas seguintes, intensificadas a partir de publicações de grande repercussão e também de eventos internacionais, os quais anunciavam uma nova postura, seja de vida como profissional. A CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O MEIO AMBIENTE HUMANO CNUMAH, realizada em 1972, na cidade de Estocolmo (Suécia), foi pioneira em reunir a comunidade internacional, de maneira efetiva, a fim de discutir o impacto das atividades humanas sobre a natureza, dando início a preocupação ambiental, intensificada nas décadas seguintes. Contudo, conforme Castelnou (2005), o termo sustentabilidade qualidade daquilo que é sustentável, ou seja, duradouro; de longa duração passou realmente a se difundir com o Relatório Brundtland em 1987; fruto da pesquisa de um grupo formado quatro anos antes que, transformado em livro 1, popularizou a palavra e, por conseguinte, a ideia de um desenvolvimento que fosse mais sustentável, o que ganhou cada vez mais prestígio. Passou-se a entender como desenvolvimento sustentável aquele que atende às necessidades dos seres humanos e da sociedade, sem comprometer o futuro das próximas gerações e o atendimento de suas próprias necessidades. Isto também deveria se aplicar nas questões dos espaços arquitetônicos e urbanísticos, os quais começaram a ser definidos pela inclusão de fatores ambientais. A consolidação desse conceito ocorreu somente no início dos anos 1990, através da realização da CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CNUMAD, mais conhecida como a Eco-92, ocorrida no Rio de Janeiro, quando se definiram suas principais características e estratégias, através de uma agenda de compromisso internacional: a Agenda Depois disso, a ideia de sustentabilidade sofreu desdobramentos em diversas áreas, inclusive na arquitetura e construção civil (EDWARDS, 2004). 1 A COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CMMAD, criada em 1983, foi responsável por uma série de estudos que interligariam meio ambiente e desenvolvimento definitivamente, a partir da ideia de sustentabilidade. Foi ela que estabeleceu, em seu documento Our common future (CMMAD, 1991), que desenvolvimento sustentável significaria suprir as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das próximas gerações suprirem as necessidades de seu tempo. Isto significa que seria preciso incorporar à arquitetura e planejamento urbano não apenas fatores econômicos, mas também variáveis socioambientais, considerando as consequências das ações em longo prazo e resultados em curto prazo (CASTELNOU, 2005). 2 A Agenda 21, mais que um documento, constituiu-se de uma proposta de planejamento participativo, que procuraria analisar a situação de um país, região ou município, visando planejar o futuro de forma sustentável. Para tanto, segundo Barbieri (1997), a análise e encaminhamento de propostas deveriam ser feitos a partir de uma abordagem integrada e sistêmica de várias dimensões que garantam a eficiência energética, a adequada especificação de materiais e a proteção da natureza (CASTELNOU, 2009).

5 4 Em 21 de junho de 1993, em um congresso ocorrido na cidade de Chicago (EUA), a UNIÃO INTERNACIONAL DOS ARQUITETOS UIA, em conjunto com o AMERICAN INSTITUTE OF ARCHITECTURE AIA, estabeleceu a Declaração de Interdependência para um Futuro Sustentável, que colocou a sustentabilidade como o centro de responsabilidade profissional, o que acabou por convocar todos os profissionais para a prática da chamada green architecture ou arquitetura verde (WINES, 2000). Desde então, uma grande parcela da comunidade internacional formada por designers, arquitetos, paisagistas, urbanistas e demais profissionais ligados à atividade construtiva em todo o mundo foi sensibilizada em desenvolver soluções visando uma prática mais sustentável, o que incluiria pressupostos como emprego de materiais alternativos, menor impacto ambiental, diminuição do desperdício e melhor eficiência energética. Por sua vez, a opção pelo reaproveitamento de containers de carga vem sendo utilizada nos últimos anos como alternativa para uma arquitetura mais sustentável. Apesar de serem recicláveis, muitos deles acabam em depósitos portuários quando já passaram do seu tempo de vida útil. Alguns, mesmo em perfeitas condições, são deixados de lado após o uso, pois custa mais caro mandá-los de volta para o local de origem do que comprar outros novos. Por causa da sua estrutura metálica, de grande resistência e durabilidade, além de seu baixo custo, o contêiner chamou a atenção de alguns arquitetos e outros curiosos, que, segundo Kotnik (2010), começaram a se dedicar à sua reutilização e aplicação em outras áreas, destacando-se a arquitetura. Isto não ocorreu recentemente. Já em 23 de Novembro de 1987, Phillip C. Clark solicitou uma patente aos EUA, descrita como Method for converting one or more steel shipping containers into a habitable building at a building site and the product thereof 3. Esta patente foi concedida em 08 de agosto de 1989 sob o n Os diagramas e as informações contidas na documentação da patente lançariam as bases para muitas ideias arquitetônicas para reuso de containers como espaços arquitetônicos até hoje (PAGNOTTA, 2011). Na Europa, de acordo com Kotnik (2008), tal aplicação na construção civil começou efetivamente em 1999, na Antuérpia (Bélgica), graças a uma iniciativa de artistas e arquitetos, os quais encontraram uma maneira prática e barata para popularizar a construção de edifícios acessíveis por meio de uma solução de custo razoável. Um dos grandes trunfos do negócio estaria em seu apelo ambiental, uma vez que aproveitaria a tendência mundial na divulgação da empresa, chamando deste modo os clientes a participar do movimento para salvar o planeta (METALICA, 2014a). No Brasil, estas caixas de aço começaram a aparecer ainda mais recentemente, servindo como alternativa econômica, rápida e sustentável. Esquecidas em portos mundo afora, segundo Dantas (2011), as vastas extensões de contêineres não passam despercebidas a alguns 3 Em tradução livre: Método para converter um ou mais contêineres de aço em um edifício residencial em um canteiro de obras e o produto do mesmo (N. autora).

6 5 arquitetos brasileiros, que viram nesse desperdício um enorme manancial para seus projetos e começaram a se inspirar em projetos holandeses, ingleses e até japoneses, erguendo não apenas casas e escritórios como também hotéis e habitações estudantis com contêineres empilhados, justificados pela rapidez da obra e custo baixo 4. No limiar de uma nova era, vive-se em tempos de forte foco ambiental e os contêineres possuem um grande número de características ecológicas. Em primeiro lugar, podem ser reciclados e reutilizados, reduzindo a quantidade de outros materiais de construção. Construções com contêineres também diminuem o impacto no terreno e são rápidas de configurar, o que significa menos poluição sonora e menos resíduos no canteiro de obras. Muitos projetos de contêineres, principalmente os menores ou conceituais, esforçam-se no sentido de serem autossuficientes em energia, utilizando painéis solares, coletores de água da chuva e telhados verdes. Seus interiores são também muitas vezes favoráveis ao meio ambiente, sendo decorados em madeira e outros materiais naturais e/ou reciclados (KOTNIK, 2013). Ainda de acordo com Kotnik (2013), há muito os arquitetos tentam chegar a uma arquitetura eficiente em termos de custo, fácil de transportar, modular e pré-fabricada: essas caixas de aço atendem justamente a essas necessidades e estão disponíveis em todos os lugares do mundo. Além disso, são recicláveis e reutilizáveis: se um prédio não é mais necessário, os recipientes podem ser desmontados e colocados para usos diferentes. Soma-se a isto o fato dos containers poderem ser utilizados na maior parte dos tipos de arquitetura. Em termos gerais, divide-se os projetos em três categorias: edifícios públicos, habitação e arquitetura de eventos. Praticamente, estão sendo usados para criar uma vasta gama de estruturas, que vai desde jardins de infância até bares e restaurantes, igrejas, garagens, teatros, faróis e abrigos de emergência. Está claro que as possibilidades de utilização desses recipientes são quase infinitas. Diante de alguns pontos negativos, estes ligados a questões de conforto e isolamento, a arquitetura em contêiner tem evoluído constantemente nas últimas décadas, tornando-se uma opção mais sustentável e inovadora ao construtor. A utilização da nova técnica traz modernidade, excentricidade e sustentabilidade para o ambiente, contribuindo para com o clima organizacional de funcionários, clientes, fornecedores e visitantes. A ideia de poder colocar e alterar elementos em um ambiente espaçoso é muito boa e os containers permitem justamente isto e com certa facilidade, valorizando o espaço seja ele comercial ou industrial (CONTAINERSA, 2014a). Segundo o site da empresa Container S/A (2014b), os empreendedores brasileiros estão descobrindo somente agora o potencial das lojas portáteis (ou permanentes) customizadas 4 Em Curitiba PR, a arquitetura em containers foi introduzida recentemente com uma residência montada no Condomínio Brazville, em Santa Felicidade, projetada para um casal e um bebê. Executada em 2012 e com área total de 220 m², bem distribuídos em cômodos amplos, o projeto é da autoria do arquiteto paulistano Daniel Corbas, formado pela FAU-USP, em conjunto à arquiteta Priscila Ferstemberg, formada pela Universidade Tuiti e que atua em projetos personalizados em contêineres (NOGUEIRA, 2013).

7 6 com containers marítimos, as quais são denominadas Lojas Pop-Up. Elas permitem que os varejistas estejam em lugares em que os clientes nem imaginariam, podendo-se atingir um novo público de forma criativa. E, ainda, conforme o bairro e grupo demográfico, pode-se vender uma determinada linha de produtos. Este padrão construtivo permite elaborar diversos formatos e configurações, tanto internas quanto externas, sendo este um dos motivos que muitas empresas, inclusive franquias, optam para expandir seus negócios, incluindo cafeterias, lojas de modas e de tecnologia. Também devido à rapidez construtiva que tal tipologia é utilizada igualmente em eventos e feiras itinerantes, permitindo o retorno para seu ponto original. Dessa forma, o negócio vai até seu cliente em diferentes locais. 5 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Com a crescente discussão sobre a preservação da natureza e, portanto, do próprio ser humano e o papel da arquitetura diante da crise ambiental, as construções sustentáveis passaram a ocupar cada vez mais um lugar proeminente tanto na prática profissional como na pesquisa acadêmica, tanto fora como dentro do Brasil, chamando a atenção para questões fundamentais relacionadas, por exemplo, à busca de fontes energéticas alternativas, como a solar e a eólica; redução do desperdício de materiais por meio da reciclagem e/ou reaproveitamento de estruturas; e diminuição da poluição quando da fabricação dos elementos construtivos, assim como na sua aplicação, descarte e reutilização. Desde 2007, nosso país conta com o CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CBCS, o qual vem incentivando práticas consideradas verdes. Segundo Barbosa (2014), entre 2009 e 2012, o número de certificações de prédios segundo padrões ecológicos cresceu 412% no Brasil (p. 01), provando que os benefícios desse tipo de construção são inúmeros, não somente ambientais, mas também econômicos e socioculturais. Essas edificações garantem o retorno financeiro e a economia dos custos operacionais, além de aumentarem o valor do imóvel no mercado e seu poder de revenda 5. As construções verdes também são mais confortáveis e saudáveis para os seus usuários 6 quando comparadas às convencionais, promovendo uma diminuição de 20 a 50% do consumo de energia; de 40 a 50% de água; de 50 a 80% de resíduos gerados; e de 35% de emissões de gás carbônico (CO 2 ) (SUSTENTAR ARQUI, 2014). Diante desse quadro, os contêineres vieram responder perfeitamente como uma alternativa construtiva, sendo benéfica tanto ao homem quanto e à natureza, aliados a uma 5 A implementação de uma construção verde é de 1 a 7% maior que a de uma construção convencional. Entretanto, ela possui valorização na revenda de até 10% de valoração adicional (SUSTENTAR ARQUI, 2014). 6 O setor da construção civil é um dos principais responsáveis pelos impactos ambientais no mundo, consumindo 75% dos recursos naturais sendo 20% da água nas cidades e gerando 80 milhões de toneladas/ano de resíduos. Conforme dados do CBCS (2014), a construção verde favorece a diminuição de 9 a 50% de doenças humanas, incluindo a redução de problemas respiratórios (9 a 20%); de alergias e asma (18 a 25%) e de desconforto e danos à saúdes não-específicos (20 e 50%). Além disso, proporciona ao local em que será inserida a preservação dos espaços naturais, da vida selvagem, e dos habitats de espécies nativas; minimiza a dependência de automóveis a partir de um melhor acesso à infraestrutura; diminui a erosão do solo e preserva a paisagem natural, inclusive diminuindo a poluição luminosa devido ao melhor aproveitamento de luz solar. Consequentemente, as vantagens ambientais em se construir verde são evidentes, destacando a redução do consumo de água e energia, a diminuição do uso racional de recursos naturais e da geração de resíduos e a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas.

8 7 arquitetura moderna e criativa. A abundância destes recipientes durante a última década no Brasil vem do déficit em bens manufaturados provenientes da América do Norte, Ásia e Europa, que muitas vezes têm de ser enviados de volta vazios e por uma despesa considerável. Portanto, novas aplicações são procuradas quando chegam ao seu destino final (PAGNOTTA, 2011). De acordo com o site Metalica (2014b), todos os contêineres são fabricados obedecendo uma padronização internacional 7 que oferece elementos modulares, os quais podem ser combinados entre si e/ou com outras estruturas convencionais, realizadas em concreto, alvenaria e/ou madeira, simplificando o design, transporte e planejamento de espaços arquitetônicos. A arquitetura criada com esses contentores preserva suas características iniciais. Devido ao seu papel na proteção e armazenamento de mercadorias a serem transportadas em qualquer parte do mundo, os recipientes apresentam características muito interessantes e úteis quando são transformadas em módulos de estruturação (CAMPOS et FARRE, 2013). A construção em container, segundo Kotnik (2008), consiste em um novo ramo da arquitetura, que vem sendo difundido através das mídias. Apesar de sempre usar o mesmo módulo o container padrão ISO, sua arquitetura apresenta grande variedade de projetos de qualidade, tanto do ponto de vista de sua concepção quanto à sua estética. Essa forma de construir possui certas características, que são bastante úteis no projeto e construção, como o fato dos contentores serem pré-fabricados, compactos, robustos, resistentes às mudanças de temperaturas e poderem ser facilmente transportados e instalados de forma rápida. Além disso, as edificações que os reutilizam têm um caráter ecológico, pois reciclam e reutilizam unidades que foram abandonadas nos depósitos portuários, constituindo-se assim em desperdício e, consequentemente, fator de poluição e degradação ambiental. E, segundo Pagnotta (2011), com a premissa verde crescendo em popularidade em todo o mundo, mais e mais pessoas estão se voltando para essas estruturas realizadas em contêineres de carga como alternativas verdes. FIGURA 01 Alguns empreendedores ousados têm aproveitado esse conceito que apresenta excelente relação entre custo e benefício, além de fazerem uso de uma construção verde (green building), que atrai a atenção de diversas gerações Criada em meados da década de 2000, Puma City (Fig. 01) tornou-se um ícone da construção de lojas-container: trata-se de um conjunto itinerante formado por contêineres marítimos que, combinados, abrigam os espaços de escritório, imprensa, bar, local para eventos e ainda uma grande varanda aberta no teto. Proposta pelo Lot-Ek Studio, a loja é móvel, tendo sido desde 7 Os containers são fabricados basicamente em três tamanhos mais comuns: os de 20, 40 e 45 pés (feet) de comprimento (1 pé ou foot = 12 polegadas ou inches = 30,48cm). Tanto a altura como a largura dos contêineres são padronizadas pela INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION ISO em 8 pés ou 2,44m. Tal padronização visa facilitar o transporte que pode ser terrestre, marinho ou aéreo, além de permitir a modulação, favorecendo o armazenamento e o empilhamento em portos e hangares, já que esses módulos podem ser combinados e, em conjunto, formarem arranjos que facilitam sua logística (N. autora).

9 8 então instalada em algumas cidades dos EUA e também outros países, como Espanha, Suécia, Rússia, África do Sul, China e, inclusive, Brasil (CONTAINERSA, 2014c). No Brasil, as lojas-container têm encontrado cada vez mais adeptos, como o empresário gaúcho André Krai, que criou em 2008 a primeira rede de franquias destinadas a transformar velhos contêineres em boutiques de moda. Foi assim que ele fundou o GRUPO CONTAINER, o qual é atualmente formado pelas empresas: Box Container, Container Ecology Store, Container Baby & Kids, Container Differente Concept, Ecco Container Shopping e Tokiomaki; cada uma focada em negócios específicos 8 (GRUPO CONTAINER, 2014). O planeta está testemunhando a criação de um novo paradigma em nossas opções de consumo. Isto, conforme o site Arquitetura Sustentável (2014), tem feito com que cada vez mais produtos ecologicamente corretos sejam consumidos em nosso cotidiano. Portanto, não é de se surpreender que, ao mesmo tempo em se busque um estilo de vida mais saudável, com alimentos, vestimentas e utensílios ambientalmente mais conscientes, também se incline o interesse por ambientes com maior preocupação ambiental. O uso desses recipientes indica uma abordagem sustentável e uma preocupação em se trabalhar com sistemas responsáveis e inteligentes em termos de instalações e outros materiais. Aqueles que estão dispostos a usar materiais reciclados, como os contêineres, geralmente mostram interesse em várias outras tecnologias autossustentáveis, como painéis solares; sistemas de reciclagem e reutilização de águas; acabamentos reciclados, como formaldeído e madeira reaproveitada, entre muitos outros sistemas disponíveis atualmente que, apesar de terem um custo inicial elevado, este é amortizado ao longo de sua vida útil, promovendo o uso responsável dos recursos naturais 9 (CAMPOS; FARRE, 2013). O conceito da arquitetura em containers encanta os consumidores e, além de atraí-los, promove marcas e produtos com enorme aceitação devido ao seu apelo sustentável. Os mesmos recipientes que fazem viagens transatlânticas tornaram-se uma ferramenta tanto para arquitetos para projetarem restaurantes como para servirem de casas, stands ou pavilhões. Eles podem ser equipados para fornecer abrigos confortáveis, permanentes ou temporários, mas também podem ser facilmente desmontados ou empilhados juntos para construir estruturas complexas, inclusive temporárias (VINNITSKAYA, 2012). 8 As primeiras lojas foram em Xangri-Lá, no litoral do Rio Grande do Sul; e na Praia dos Ingleses, em Florianópolis SC. De acordo com o site do Grupo Container (2014), o projeto, como era de se esperar, despertou a curiosidade e interessou quem viu aquelas lojas totalmente fora do que estavam acostumados a ver. No início, a ideia era montar lojas próprias em todo o Brasil, mas o sucesso foi tão grande que a empresa se afiliou a ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING ABF e logo vieram as primeiras franquias. São atualmente 40 lojas espalhadas na Região Sul, passando recentemente a atuar também na Região Sudeste. Comprando contêineres com cerca de 10 anos de uso ao preço médio de R$ , estes são reformados e readequados ao novo uso. Já para montar uma franquia da loja-container, o investimento é a partir de R$ , sendo cobrado um royalty de R$ por mês. O faturamento médio mensal é de R$ (GLOBO, 2011). 9 Infelizmente, a maior procura por itens menos agressivos,. Em termos ambientais, tem elevado o custo de tais produtos no mercado. No Brasil, aproveitar contêineres para a construção de casas ainda não é comum, no entanto a procura pelo material nos últimos anos fez com que o preço dos containers reciclados subir de R$ 3.000,00 para R$ 6.000,00 em dois anos (ARQUITETURA SUSTENTÁVEL, 2014).

10 9 Conforme Kronenburg (2007), as principais vantagens de construções comerciais e/ou institucionais pré-fabricadas são a flexibilidade e baixo custo. Os recipientes utilizados têm qualidade e preços acessíveis, além de promoverem um perfil inovador e experimental podendo ser reciclados e substituídos por outros no futuro 10. Para Fossoux et Chevriot (2013), este tipo de construção está se tornando gradualmente um produto popular: uma alternativa ecológica às edificações convencionais. Com uma sociedade cada vez mais rápida e ágil, o surgimento de negócios como pequenos pontos de café, doces, lanches, revistas e jornais, facilita a vida das pessoas principalmente nos grandes centros ou mesmo em bairros tradicionais. O container para essa categoria de comércio consiste em uma solução excelente, pois se trata de algo fisicamente pequeno, de custo reduzido e que pode ser colocado em qualquer lugar (CONTAINERSA, 2014a). Os contêineres utilizados para a produção de construções são chamados Containers Dry, feitos de aço e destinados ao transporte de mercadorias líquidas e não-poluentes, sendo normatizados pelo Padrão ISO e sujeitos a restrições de manutenção. Existem basicamente 03 (três) tipos de contentores, os quais se diferenciam pelo comprimento (C): 20, 40 e 45 pés (1 pé = 30,48cm), sendo aqueles mais reutilizados na construção civil os dois primeiros, respectivamente com cerca de 6,10m e 12,20m de comprimento externo (internamente, as medidas perdem cerca de 20 cm, ou seja, passam a ser: 5,9m e 12m). A largura (L) mede 8 (oito) pés, ou seja, 2,44m o que equivale a uma largura interna de 2,35m ; e a altura (H) aproximadamente 2,59m (8,5 ), resultando em um pé-direito interno de 2,39m (Figs. 02 e 03). Há ainda o container 40 HC (HC = High Cube), que é mais alto, sendo suas dimensões externas iguais a: 40 x8 x9,5 ; ou 12,20m x 2,44m x 2,89m 11 (KOTNIK, 2008). FIGURA 02 Dimensões, capacidade e peso dos Containers Dry 20 e 40. Segundo Fossoux et Chevriot (2013), há contêineres do tipo Dry de 10 pés, os quais medem aproximadamente 3,05 m de lado (comprimento), mantendo os mesmos padrões de altura e largura que os recipientes de 20 e 40 pés. Tais recipientes podem ser usados, por exemplo, 10 A baixa despesa da arquitetura em containers que pode reduzir em até 20% o preço da construção se comparado a uma construção convencional dá-se devido ao fato de que é composta por peças disponíveis por todo o globo, podendo ser facilmente transportadas por navios, tratores ou trens devido às suas medidas serem padronizadas. Isto permite serem comprados de grandes empresas de transporte, por aproximadamente US$ cada e, quando novos, raramente custam mais do que US$ (SELF STORAGE FINDERS, 2013). 11 Levando em conta que, dependendo do lote de fabricação, podem haver diferenças entre estas medidas, para consultas específicas é melhor se informar sobre o conteúdo dos documentos oficiais através de padronização específica, ou seja: BS ISO 668:1995 e ISO :1990 (N. autora).

11 10 para a ampliação de lojas ou restaurantes, uma vez que sua pequena dimensão favorece o transporte e faz com que sejam facilmente encontrados. O grande recipiente de 45 pés (45 x 8 x 9,5 ) apresenta as dimensões externas, em unidades métricas, iguais a: C 13,71m x L 2,43m x H 2,89m; e internas de: C 13,55m x L 2,35m x H 2,69m. Entretanto, são mais caros e difíceis de encontrar do que os de 20 e 40, que são mais comuns e usados na construção civil. Para cumprir a sua função de armazenamento de carga, o contêiner tem forma simples; é resistente ao tempo, calor, vento, chuva, água fria, sal e manipulações drásticas, como furacões e terremotos; podendo assim ser transportado. Conforme Slawik et al. (2010), é dimensionado e construído de forma a facilitar o agrupamento e encaixe nos meios de transporte FIGURA 03 atuais, simplificando a execução de suas funções essenciais. Suas paredes internas são feitas de aço e todas as juntas, paredes, assoalho e teto, são selados com selante de silicone para o recipiente tornar-se impermeável. Antes de embarcar em um projeto inovador com a utilização de contêineres é necessário o conhecimento de algumas características a respeito dessa nova maneira de construir. De acordo com Fossoux et Chevriot (2013), em muitos casos, na arquitetura em containers, a adição de um telhado não é necessária, o que evidentemente economiza um tempo considerável. Ainda, o contêiner já apresenta um aglomerado no chão, que se conserva por muito tempo 12. Feito de aço ou alumínio, o módulo torna-se uma unidade básica para a composição contemporânea. De utilização temporária ou permanente, proporciona flexibilidade às necessidades dos usuários, sendo de grande durabilidade 13, pois é projetado para suportar o mau tempo e as longas distâncias, o que favorece a mudança espacial e visual em uma proposta arquitetônica (KOTNIK, 2008; SLAWIK et al., 2010). Os contêineres podem ser empilhados em até 12 (doze) unidades quando vazios 14. Apesar de serem estruturas de aço extremamente fortes, são leves e já confeccionados para um perfeito encaixe, disponíveis no mercado e facilmente realocados já montados. Na construção, podem ser utilizadas tintas à base d água, painéis solares, teto verde e isolante de pet, entre outras aplicações, que o aproximam ainda mais de uma prática sustentável. Eles também exigem 12 Os pisos de containers têm uma resistência semelhante a um executado em concreto, podendo suportar um peso de cerca de 300 kg por m², o que geralmente não é atingido (FOSSOUX et CHEVRIOT, 2013). 13 Além de terem vida útil para o mercado náutico de aproximadamente 08 (oito) anos, os containers têm uma vida útil de produto de cerca de 100, o que geraria uma média de 92 anos de inutilidade forçada. Sua grande disponibilidade nos portos justifica-se porque sai mais barato para uma companhia de navegação comprar novos do que transportá-los vazios de volta para casa, criando assim pilhas de containers que estão disponíveis para a arquitetura (PLANETA CONTAINER, 2014). 14 Ainda conforme Fossoux et Chevriot (2013), quando prontos para uso, até 04 (quatro) recipientes podem ser empilhados sem reforço externo. Passando disso, é necessário se criar uma estrutura metálica de suporte do conjunto. Visando sua maior resistência ao tempo, de modo que suportem melhor a corrosão e o desgaste, deve-se fazer uma escolha adequada de materiais como, por exemplo, o aço S355, além de uma poderosa pintura anti-ferrugem.

12 11 muito menos mão-de-obra, assim como reduzidos custos e trabalhos na fundação do que outros tipos de construções (METALICA, 2014b). A estrutura do container pode servir como esqueleto de toda a construção, já que ele é feito por uma armação em aço soldado, sem fixações, formando um único bloco. As folhas metálicas dão suporte à caixa, permitindo que o contêiner seja autoportante. Isto também contribui para a maior velocidade de execução da obra, assim como o fato de não haver a necessidade de se montar uma cobertura (FOSSOUX et CHEVRIOT, 2013). Os painéis laterais, assoalho, terças, portas, moldura e trilhos constituem um conjunto estrutural: o resultado é um elemento prismático resistente, que consegue transportar cargas, as quais geram mais esforços do que uma típica residência 15 (SOCRATES, 2012). De acordo com Kotnik (2010), há duas maneiras através das quais as construções em container podem ser estruturadas, dependendo da posição e relação entre as unidades. Os módulos podem ser empilhados uns junto aos outros, sem nenhuma separação; ou podem ser combinados com espaçamento entre eles. A primeira opção é mais adequada em projetos mais simples, principalmente quando será eventualmente preciso mover a obra. Já a outra opção seria mais indicada quando se criam vários pisos e se inclui outros materiais. Independentemente do sistema construtivo, o isolamento térmico é um elemento importante na reciclagem arquitetônica de contêineres, principalmente na questão do consumo de energia, que é uma questão bastante discutida quando se visa uma maior sustentabilidade ambiental. Hoje em dia, no mercado de isolantes, há aqueles que não agridem a natureza e são feitos com materiais recicláveis, sendo estes os mais adequados. Além disso, existem duas formas de isolamento: interna e externa. A primeira é a mais econômica, porém a menos eficiente, por perder facilmente a calor interno. Isto se deve ao fato da espessura do isolamento ser menor em média, 10cm para não perder espaço interno, que já é estreito. Este isolamento deve ser usado quando se deseja preservar as fachadas metálicas do recipiente por uma questão estética e/ou econômica (FOSSOUX et CHEVRIOT, 2013). Quanto ao isolamento externo, ainda segundo os mesmos autores, há uma perda de calor menor. Por não haver o problema de falta de espaço, instala-se um isolamento mais espesso, o qual pode variar de 10 a 30 cm. O revestimento exterior complementa a fachada e deve ser fixado, em todos os casos, a 20 cm acima do chão para evitar a entrada de umidade. A adequação de um container para abrigar um espaço arquitetônico pode requerer cortes no aço e soldagem, o que exige mão-de-obra especializada, porém, mesmo com esses custos extras, esse tipo de construção ainda é mais vantajosa que a convencional. O aço do contêiner também deve ser jateado com um abrasivo e repintado com uma tinta não-tóxica antes de ser 15 No entanto, ao se fazer aberturas, segundo Socrates (2012), a estrutura do container perde parte de sua resistência. Se, por exemplo, retirar toda vedação lateral, a estrutura, mesmo sem esforços, pode se deformar. Por isso, de modo geral, sempre que for necessário fazer uma abertura, deve ser feita uma moldura em volta da mesma. Além disto, pode ser necessária a instalação de vigas e suportes para o telhado, dependendo do tamanho das aberturas e das cargas sobre a estrutura.

13 12 habitável, a fim de evitar a probabilidade de contaminação em detrimento das cargas que o mesmo transportou durante sua vida marítima (METALICA, 2014b). De acordo com Fossoux et Chevriot (2013), ligar os recipientes continua a ser o maior desafio da reciclagem arquitetônica de containers. Somente quando a soldagem estiver completa e o contêiner resfriado, pode-se fazer uma pintura de oxidação para evitar a corrosão. Além disso, todos os espaços vazios devem ser preenchidos com espuma de poliuretano após a soldagem para eliminar riscos infiltração. Segundo Kotnik (2010), os containers são compatíveis com a variedade de materiais atuais, o que possibilita que se escolha praticamente qualquer fachada que se queira. Torna-se então um desafio quebrar o paradigma da construção convencional e explorar novos parâmetros estéticos e elementos de arquitetura e design. Romper com o costume das fachadas tradicionais ainda requer o trabalho de mentes criativas e empreendedoras, de modo que as edificações em contêineres tornem-se mais aceitáveis para um mercado cada vez maior. Por sua vez, os testemunhos de quem investe ou utiliza tais equipamentos são sempre positivos, destacando aspectos como economia, portabilidade, durabilidade, rapidez construtiva e caráter arquitetônico ecologicamente correto, extremamente customizável e com alguma dose de excentricidade. Um FIGURA 04 exemplo prático de algo que iniciou com 100 containers e terminou em está em Amsterdã (Holanda): Keetwonen Dorm (Fig. 04), que é considerado um dos maiores complexos para moradia estudantil do mundo construído com contêineres. A obra iniciou-se no final de 2005 e na metade de 2006 já estava concluída (CONTAINERSA, 2014d). Outra vantagem da arquitetura em container relaciona-se á possibilidade de levar o módulo ao terreno pronto para ser utilizado, o que garante uma redução de tempo e de custo gerado durante o período de construção. Segundo Kotnik (2010), uma construção pequena de contêineres pode ser totalmente erguida em um único dia, enquanto as estruturas maiores podem levar até vários dias. Isto é possível porque o container já possui paredes, piso e cobertura, formando uma única estrutura. Além disso, o empilhamento e fixação desses elementos é relativamente rápido, sendo necessário apenas um guindaste (FOSSOUX et CHEVRIOT, 2013). Mais um ponto positivo da construção em contêiner está no fato de ser flexível ao decorrer do tempo. Conforme a necessidade e disponibilidade financeira, é possível adicionar novos módulos. Fossoux et Chevriot (2013) destacam ainda a sua capacidade de ser transportada através de peça por peça, permitindo que uma loja completa possa viajar, visto que é feita por um recipiente fácil de ser transportado. Em termos gerais, as pessoas precisam de uma unidade espacial que dê um caráter de identidade, o qual permita diferenciar o seu espaço dentro da cidade, especialmente em casos de

14 13 comércio ou mesmo bares e restaurantes. Dessa forma, em um mercado tão competitivo como o atual, a instalação de uma construção comercial feita com contêineres chama a atenção de seus clientes e de toda a comunidade. O container atrai pessoas de todas as idades e classes sociais, sendo ícone do transporte naval e que recentemente se transformou em ícone de construção sustentável, constituindo-se assim em foco de curiosidade, mesmo se utilizado de maneira efêmera. Sua modularidade permite, ainda, uma padronização do espaço para o comércio ou instituição e, na visão do espectador, pode possibilitar uma comparação do mesmo uso deste espaço com diferentes finalidades (FOSSOUX et CHEVRIOT, 2013). Outro ponto a ser destacado, para Campos et Farre (2013), está no fato dessa alternativa construtiva não requerer escavação ou prejudicar o solo onde está instalada, permitindo que esse respire e não seja invadido. Mesmo em caso de mudança, o lugar onde o contêiner foi anteriormente colocado permanece intacto e não perde suas características naturais ou, na melhor das hipóteses, sofre um pequeno impacto, que é muito menor se comparado com outros tipos de construção. Assim, a acomodação dos módulos é menos dispendiosa, há desperdício menor e a construção torna-se mais rápida e prática. Ademais, a cobertura plana presente nesse tipo de construção apresenta várias vantagens, como o alívio no orçamento da construção que subtrai o valor de um telhado. Ela também permite que se crie um espaço ao ar livre amigável, se se decide fazer um terraço trafegável. As prefeituras, contudo, permitem muito pouco e, se este for o caso, é preferível adicionar um telhado inclinado. Alguns o escolhem para facilitar a aceitação da licença de construção, além de remeter ao imaginário coletivo de casa (FOSSOUX et CHEVRIOT, 2013). O uso de containers marítimos é muito interessante para eventos de qualquer tipo, seja de esportes, shows ou apresentações. Com eles, é possível montar áreas de atendimento ao público, inclusive com espaços VIPs ou camarotes, tornando-se uma excelente alternativa funcional para empresas no mundo todo, tanto como solução temporária ou permanente, de pequeno à grande porte. Segundo a empresa Container S/A (2014e), até gigantes como o Ebay caíram na graça desse tipo de arquitetura. Recentemente, o maior site do mundo para compra e venda de bens utilizou alguns contêineres para criar um ambiente social e itinerante, em Convent Garden, Londres (Inglaterra), aproximando-se de seus usuários FIGURA 05 FIGURA 06 (Fig. 05). Por sua vez, a empresa Boxman começou a reutilizar containers descartados para construir casas temporárias e móveis após a crise imobiliária de Logo, percebeu um nicho

15 de mercado potencial: o negócio de customização para eventos temporários, transformando-se em uma referência no uso de práticas sustentáveis e urbanismo tático. Como feiras e exposições são efêmeras, não são suficientemente atraentes para as empresas investirem e imobilizarem este tipo de equipamento, o que abriu um campo de atuação sem igual para a Boxman (Fig. 06). Para construir sua nova sede a empresa australiana Royal Wolf, especializada em aluguel, venda e modificação de contentores navais, contratou os arquitetos do escritório local Room 11, os quais transformaram diversos contêineres metálicos de 20 e 40 em um amplo escritório com 04 (quatro) pátios internos (Fig. 07). Placas metálicas, que formavam paredes internas, foram substituídas por painéis de vidro e reutilizadas para formar estruturas isolantes a fim de proteger os funcionários do intenso calor durante os meses de verão. Já o teto, revestido por uma membrana de PVC, e demais paredes internas são formadas pelos conteinêres aparentes. Pela localização da construção, em um distrito industrial próximo a uma movimentada estrada, o escritório foi internalizado e as salas de trabalho orientadas em direção ao jardim interno mais próximo (ARCOWEB, 2014, p. 01). 14 FIGURA 07 FIGURA 08 No Brasil, uma recente aplicação desse tipo de arquitetura foi a loja Decameron (Fig. 08), inaugurada em janeiro de 2011, na cidade de São Paulo SP; e proposta pelo MK27 Studio de Marcio Kogan. Com uma área total de 252 m 2, a construção é composta por 06 (seis) contêineres em cores vibrantes, sendo dois de 20 e quatro de 40, além de um galpão feito em concreto com estrutura metálica e pé-direito duplo apoiado sobre os contêineres, um volume para o escritório e, ainda, um vasto jardim. O resultado acolhedor é surpreendente para um ambiente criado com referências industriais. Eletrocalhas, piso de concreto queimado modulado com juntas de dilatação e piso de borracha são outros elementos de uso industrial, de relativo baixo custo, presentes na obra (SOBRAL, 2011). De forma inicialmente bastante tímida, os containers passaram a ser usados em serviços de alimentação. No começo, tratava-se de uma alternativa mais barata de fazer uma instalação provisória. Porém, pouco a pouco, passou a ser uma solução real para estabelecimentos pequenos que ocupam locais vagos em terrenos e não querem usar trailers, que são bem mais limitados na decoração e ambientação. Em um segundo momento, arquitetos especialistas em bares e restaurantes passaram a assumir o contêiner como um elemento do mundo contemporâneo e introduziram a

16 15 sua figura em ambientes para dar contraste, destaque, isolamento e outras motivações. Exemplificando, a rede de restaurantes Madero (Fig. 09) construiu recentemente alguns de seus estabelecimentos com contêineres, com o intuito de levar sua comida a lugares estratégicos das estradas do Brasil (GASTRONOMIAVERDE, 2014). Além de restaurantes inovadores, empreendedores já estão enxergando mais um diferencial neste segmento: o bar-container, que reúne as vantagens de adaptabilidade, flexibilidade e caráter inusitado. Por sua vez, as chamadas escolas-container já existem mundo afora e até mesmo no Brasil, vindo atender necessidades temporárias, emergenciais ou permanentes. As instituições públicas e empresas privadas que atuam no segmento da educação estão percebendo o benefício modular do container associado à questão da sustentabilidade socioambiental, especialmente com o uso de materiais reciclados. A Escola Valladolid (Fig. 10) foi construída no México em apenas 90 dias, possuindo 15 (quinze) salas de aula, além de laboratórios, instalações sanitárias e áreas administrativas (CONTAINERSA, 2014f). FIGURA 10 FIGURA 09 Algumas cidades sofrem com a falta de infraestrutura hoteleira, especialmente sentida pelos turistas ou viajantes que irão participar de um determinado evento. Da mesma forma, certas FIGURA 11 localidades podem sofrer picos de sazonalidade, o que faz com que um grande investimento nessa área torne-se inviável; ou ainda, principalmente em regiões interioranas do país, onde não se tem uma demanda constante, acabam recebendo forte impacto com um evento ou uma nova megaindústria. O site da empresa Containers S/A (2014g) demonstra que o uso de contêineres no segmento hoteleiro é uma realidade de sucesso, por meio de vários exemplos (Fig. 11), além de afirmar que uma rede hoteleira em container é excelente semeadora do conceito, aproximando e permitindo às pessoas explorar a qualidade e conforto que este tipo de arquitetura proporciona. Outro amplo campo de aplicação consiste nas áreas de manutenção e serviços, as quais podem contar com soluções em contêineres para criar oficinas e canteiros de reforma para serem instalados e movimentados, sem gerar mudanças radicais, para qualquer lugar. As oficinascontainer, além de serem utilizadas em indústrias e grandes obras civis, podem ser facilmente instaladas em empresas ou locais onde sejam necessários workshops: a empresa leva a própria

17 16 "sala de aula" junto à prática para perto do cliente. Da mesma forma, um container-escritório também se constitui uma ótima opção, principalmente para grandes centros: áreas bem localizadas podem se tornar economicamente viáveis, pois com apenas 15 m² já se pode montar FIGURA 12A/B um contêiner que sirva de escritório, sendo nele possível atender clientes em um ambiente aconchegante e inovador. A empresa de arquitetura Group8 fez um prédio em Genebra (Suíça) de 780 m² com 9 m de altura, a partir de um antigo edifício industrial (Cargo Studios), que foi transformado em algo totalmente novo com a reciclagem de 16 (dezesseis) contêineres (Fig. 12a/b). Visando ambientes amplos e coletivos, os contêineres, alguns em balanço, permitiram não somente um ganho estético, como também 200 m² a mais. Cada container reaproveitado serviu para uma aplicação, tais como: salas de reunião, cafeteria, lounge, sanitários, etc. (CONTAINERSA, 2014h). Em muitos países, ainda de acordo com a empresa Containers S/A (2014i), postos de combustíveis portáteis já substituem os tradicionais postos de abastecimento de automóveis: são os chamados postos-container. Além deste mercado, tal solução arquitetônica atende segmentos de marinas, destinadas a iates e pequenas embarcações; e aeroportos, para abastecimento de aviões e helicópteros.trata-se também de uma excelente alternativa para empresas de grande porte que utilizam combustível em seus processos e transportes, assim como atendimentos em locais remotos. 6 MATERIAIS E MÉTODOS De caráter descritivo e cunho exploratório, esta pesquisa foi baseada em revisão bibliográfica e estudo de caso, realizando-se por meio da investigação, seleção e coleta de fontes impressas, tais como artigos, periódicos e livros, nacionais e internacionais; ou ainda publicadas on line, que tratavam direta ou indiretamente sobre arquitetura em containers voltada ao uso comercial e/ou institucional. Os textos que compõem o presente relatório abordam as origens desse tipo de arquitetura, suas relações com a questão da sustentabilidade na construção civil e seus campos de aplicação, levantando-se vantagens e desvantagens do uso arquitetônico de contêineres em programas não-habitacionais. Na sequência, faz-se o estudo de 01 (um) caso internacional, procurando ilustrá-lo, descrevê-lo e analisá-lo em seus aspectos estruturais, funcionais e estéticos. Concluiu-se a pesquisa com algumas observações finais relacionadas à arquitetura em containers e a preparação da apresentação dos resultados no 22º EVINCI (Evento de Iniciação Científica) da UFPR, previsto para ocorrer em outubro de 2014.

18 7 RESULTADOS E DISCUSSÃO 17 A partir da revisão bibliográfica, verificou-se que as principais vantagens da utilização de contêineres em lojas, escritórios, estações de ônibus ou até mesmo em escolas e abrigos de emergência, são as seguintes: e identificam as seguintes: a) Reutilização de materiais para estrutura: Além de reaproveitar um material nobre descartado, o uso de contêineres marítimos gera economia de recursos naturais, os quais não foram utilizados para a estrutura da construção, como areia, tijolo, cimento, água, ferro, etc. Isto significa uma obra mais limpa, com redução de entulho e de outros materiais; b) Respeito ao perfil do terreno: Sua implantação possibilita mais economia e rapidez na terraplanagem; c) Impermeabilização: Ao respeitar ao máximo o relevo natural do terreno, evitam-se interferências no solo e no lençol freático, pois mais de 85% do terreno fica permeável, contribuindo para absorção da água das chuvas; d) Economia na fundação e redução no uso de materiais: O peso leve da estrutura metálica possibilita o uso de sapatas isoladas, pequenas e rasas, sem a utilização de armação ou ferragens; e) Preservação das árvores: Há a conservação vegetal no terreno e no projeto paisagístico para ajudar no sombreamento da construção e amenizar o calor excessivo; f) Reuso de água da chuva: Esta pode ser captada pelo telhado, armazenada e filtrada em reservatório próprio, o que contribui para a redução do desperdício desse importante recurso natural; g) Ventilação cruzada nos ambientes: A possibilidade da abertura de janelas, clarabóias e outros vazios contribui para evitar o uso de ar condicionado, um dos grandes consumidores de energia elétrica; h) Telhado verde: Solução que auxilia no isolamento térmico do contêiner, a qual pode ser conseguida pela cobertura total ou parcial do elemento; ou sua associação com outros tipos de telhado; i) Paredes e forros em drywall: Elementos que contribuirão para menor quantidade de entulho na obra, além do uso de materiais recicláveis e um melhor desempenho termoacústico; j) Sistema misto de aquecimento solar: Solução adicional que gera economia de energia. Estes pontos positivos foram bastante salientados em sites como Arquitetura Sustentável (2014) e Metalica (2014b), entre outras fontes, lembrando que a reutilização de contêineres reúne valores importantes das construções contemporâneas, tais como: flexibilidade, despojamento e reuso (SIMONELLI, 2014). Entretanto, segundo Pagnotta (2011), também deve ser lembrada a série de desvantagens que se apresentam para a construção com contentores de carga. Por exemplo, os revestimentos usados para fazer os recipientes durarem para transporte marítimo podem muitas vezes conter determinada quantidade de produtos químicos que são nocivos ao ser humano, tais como o cromato, fósforo e tintas à base de chumbo. Além disso, pisos em madeira que revestem a maioria dos contêineres são infestados com pesticidas químicos perigosos, como arsênico e cromo, destinados a manter as pragas bem longe. Isto requer medidas preventivas visando a qualidade e saúde ambiental. Outrossim, embora a ideia de reutilizar contêineres marítimos pareça ser uma alternativa de baixa energia, no entanto, poucas pessoas sabem a quantidade de energia necessária para tornar a caixa habitável. Toda a estrutura exige ser jateada e aberturas precisam ser cortadas com

19 18 uma tocha ou serra de bombeiro. Tudo isto, juntamente com os combustíveis fósseis necessários para mover o container, contribui significativamente para o seu impacto ecológico (PAGNOTTA, 2011). Outra desvantagem está no fato de que, dimensionalmente, um recipiente individual cria espaços de difíceis moradia e trabalho. Para fazer um espaço de tamanho adequado, várias caixas precisam ser combinadas, o que, novamente, requer energia. Soma-se a isto o fato de que, conforme Fossoux et Chevriot (2013), a energia elétrica que flui através dos aparelhos em seu interior pode produzir ondas eletromagnéticas, as quais seriam bloqueadas pela estrutura metálica do recipiente. Por serem blocos de metal, os contêineres apresentam uma vantagem em relação às intempéries, fazendo com que se comportem como uma gaiola de Faraday (uma caixa de metal que isola seu conteúdo de campos eletromagnéticos). Para a construção, agem como para-raios, evitando que relâmpagos danifiquem a casa. Entretanto, pode-se notar algum desconforto, já que a rede wi-fi não pode exceder o limite da parede do recipiente, assim como a rede de telefones celulares também pode ser alterada sem a adição de um dispositivo externo. Por fim, trata-se de um ambiente com grandes variações na temperatura, o que faz com que seja mais isolado do que no caso de estruturas feitas em concreto, pedra ou madeira. Como o ar interior úmido condensa-se contra o aço, isto forma ferrugem caso este material não estiver devidamente isolado e selado. O tamanho e o peso dos contêineres também exige que esses sejam movidos por guindastes ou empilhadeiras e, às vezes, conseguir a licença para esse tipo de construção pode ser um pouco difícil devido à falta de conhecimento de alguns municípios sobre essa técnica (SELF STORAGE FINDERS, 2013). De qualquer forma, ainda que a construção com esses recipientes apresente certas desvantagens, este tipo de arquitetura merece o interesse que tem ultimamente despertado, ganhando terreno ao longo FIGURA 13 FIGURA 14 dos últimos anos, por sua simplicidade, acessibilidade e flexibilidade, o que vêm impulsionando essa modalidade de construção, introduzida cada vez mais no mercado, seja por seu caráter ecológico, sustentável, estético ou financeiro. Ademais, o potencial espacial da arquitetura em containers é infinito e estruturas mais atraentes são apenas uma questão de criatividade e imaginação. Com reforço estático adequado, contêineres podem ser empilhados e combinados com outros materiais de inúmeras maneiras, resultando em edifícios inovadores que atraem cada vez mais consumidores.

20 19 Visando analisar suas características de projeto e execução, optou-se em ilustrar e descrever na sequência um caso internacional desse tipo de arquitetura sustentável, escolhendose a obra pioneira e mundialmente divulgada da Puma City (Figs. 13 e 14), a qual já foi instalada, transportada e reinstalada em varias localidades, inclusive no Brasil. ESTUDO DE CASO Puma City 2008 LOT-EK Studio Localização: Portos ao redor do mundo Uso: Misto (Loja, bar e lounge) Ano de construção: 2008 Número de contêineres: 24 (vinte e quatro) Área total: m² Área útil: 929 m 2 Autoria: LOT-EK Studio (Ada Tolla + Giuseppe Lignano) Colaboradores: Keisuke Nibe; Koki Hashimoto O LOT-EK Studio com sede em Nova York (EUA), mas que possui também um escritório em Nápoles (Itália) tem um histórico em trabalhar com projetos, criados a partir de contêineres abandonados, de instalações artísticas até lojas, explorando este conceito que torna o espaço público mais flexível e reutiliza materiais descartados. Fundado em 1993 pelos italianos Ada Tolla (1964-) e Giuseppe Lignano (1963-), pós-graduados pela Columbia University (NY), tem concebido e executado obras comerciais, institucionais e residenciais no mundo todo, destacando-se no design de exposições e instalações sitespecific para importantes instituições culturais e museus, incluindo o Museum of Modern Art (MoMA), o Whitney Museum, o Guggenheim Museum e o Walker Art Center (LOT-EK, 2014a). FIGURA 15 Conseguindo grande visibilidade por sua abordagem sustentável e inovadora para construção, materiais e espaços, por meio da reutilização adaptativa (upcycling) de objetos e sistemas industriais existentes não originalmente destinados à arquitetura e design, de acordo com Chen (2008), o escritório obteve seu maior êxito como a Puma City (Figs. 15 e 16), em que a reciclagem de containers possibilitou o projeto de uma loja inovadora. FIGURA 16 Inaugurada em setembro de 2008, o edifício de varejo e eventos consiste em 03 (três) níveis de contentores marítimos, acomodados para criar espaços exteriores dinâmicos, grandes beirais e terraços 16 (METALICA, 2014a). Basicamente, a Puma City é um edifício transportável que viaja através do mundo. Consiste em 24 (vinte e quatro) contêineres combinados criativamente, os quais levam vantagem na rede de transporte marítimo global já em vigor: é totalmente desmontável e viaja tanto em navios de carga com barcos à vela; é montado e desmontado inúmeras vezes e pode chegar a diferentes portos internacionais. Trata-se, portanto, do primeiro edifício nessa escala totalmente móvel (KOTNIK, 2013; JODIDIO, 2014). 16 De fato, este estabelecimento não é o primeiro exemplo dos esforços da Puma na customização em massa de suas lojas de varejo. Em 2006, a marca já havia aberto uma loja no centro de Manhattan, na Union Square, Nova York (EUA). Através de um projeto do arquiteto Paolo Luchetta, do escritório RetailDesign SRL, foi possível definir toda a loja em menos de uma semana graças às capacidades fold-out da arquitetura container, inaugurando o conceito da Store-In-A-Box defendido até hoje (CIBELE, 2006).

Arquitetura Comercial / Institucional em Containers

Arquitetura Comercial / Institucional em Containers Arquitetura Comercial / Institucional em Containers Nicole Ramos de Carvalho IC - Voluntária 2014 Orientador: Prof. Dr. Antonio Castelnou (DAU-UFPR) Projeto: Manual de reciclagem arquitetônica de containers

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

Coberturas duráveis, com galvanização

Coberturas duráveis, com galvanização Coberturas duráveis, com galvanização A Fifa definiu que a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, em 2014, deverá perseguir o que chamou de Green goals, ou seja, metas verdes, numa alusão à desejada sustentabilidade

Leia mais

GREENBUILDING BRASIL 2014:

GREENBUILDING BRASIL 2014: REVISTA ANO1 / Nº2 / 2014 GBCBRASIL CONSTRUINDO UM FUTURO SUSTENTÁVEL GREENBUILDING BRASIL 2014: POSIÇÃO DO BRASIL CONSOLIDA-SE NO CENÁRIO MUNDIAL Centro Empresarial Senado: arquitetura que revitaliza

Leia mais

construímos a inovação POR

construímos a inovação POR construímos a inovação POR construímos a inovação 2 3 Compact Habit, uma iniciativa da empresa de Manresa, Constructora d Aro S.A., foi criada em 2004 para atender à necessidade de inovação na construção.

Leia mais

A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis

A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis Engenharia A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis A construção sustentável é um novo conceito que está surgindo dentro da engenharia civil. A construção sustentável além de tornar a obra ecológica,

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A.

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. Concreto PVC A Utilização do Sistema Royal para construção de casas populares. Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. O Sistema Construtivo O sistema construtivo Royal (Concreto-PVC) nasceu

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

...VAI MUITO ALÉM DO QUE VOCÊ IMAGINA

...VAI MUITO ALÉM DO QUE VOCÊ IMAGINA REVISTA AU REFERÊNCIAS DE APLICAÇÃO DE PISO ELEVADO O CHÃO QUE VOCÊ PISA......VAI MUITO ALÉM DO QUE VOCÊ IMAGINA 1- Quais as principais diferenças entre pisos elevados para áreas internas e externas? E

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo:

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo: CASA MINIMA API 5 Habitação social - Memorial Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia Mapa do Bairro Acesso a área de estudo: a- mapa regional Localização escolhida - Por que? Perto de vias rápidas.

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço

Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço Maria Emília Penazzi mepenazzi@yahoo.com.br Prof. Dr. Alex Sander Clemente

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém O PVC E O SISTEMA ROYAL É leve (1,4 g/cm3), o que facilita seu manuseio e aplicação; Resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores; Resistente à maioria dos reagentes químicos; Bom isolante

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Gesso Convenciona O gesso é um material versátil: ele auxilia nas tarefas de embutir a iluminação, esconder ferragens e disfarçar vigas, além de criar efeitos fantásticos, especialmente

Leia mais

Curso - Materiais ecológicos e tecnologias sustentáveis para arquitetura e construção civil

Curso - Materiais ecológicos e tecnologias sustentáveis para arquitetura e construção civil Curso - Materiais ecológicos e tecnologias sustentáveis para arquitetura e construção civil Materiais Ecológicos e Tecnologias Sustentáveis para Arquitetura e Construção Civil é o primeiro curso no Brasil

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

MUSEU DO AMANHÃ - SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO E PINTURA REFLETIVA IMPERMEABILIZANTE RESUMO

MUSEU DO AMANHÃ - SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO E PINTURA REFLETIVA IMPERMEABILIZANTE RESUMO MUSEU DO AMANHÃ - SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO E PINTURA REFLETIVA IMPERMEABILIZANTE Autores: Flávio de Camargo e Elizangela Marta Struliciuc Apresentador: Flávio de Camargo Palavras Chaves: sustentabilidade;

Leia mais

Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica - estudo de caso: a ampliação do Cenpes

Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica - estudo de caso: a ampliação do Cenpes UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL - PROPEC Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

MERCADOS DE ATENDIMENTO. construção civil, obras públicas, indústrias, petroquímico, eventos, educação, saúde, agrícola habitação, telecomunicações.

MERCADOS DE ATENDIMENTO. construção civil, obras públicas, indústrias, petroquímico, eventos, educação, saúde, agrícola habitação, telecomunicações. Vídeo Institucional MERCADOS DE ATENDIMENTO construção civil, obras públicas, indústrias, petroquímico, eventos, educação, saúde, agrícola habitação, telecomunicações. NOVOS MERCADOS Defesa, Saúde, Habitacional,

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

Sistemas Construtivos com o uso do Aço como Soluções Sustentáveis de baixo Impacto Ambiental

Sistemas Construtivos com o uso do Aço como Soluções Sustentáveis de baixo Impacto Ambiental - SEPesq Sistemas Construtivos com o uso do Aço como Soluções Sustentáveis de baixo Impacto Ambiental Cristiano Valmor Salamí Mestrando em Design Uniritter lareiranachurrasqueira@gmail.com Luis Fernando

Leia mais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas de Manta de PVC Soluções completas para impermeabilização A MC-BAUCHEMIE apresenta ao mercado da construção um

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Aplicação da ecologia na engenharia

Leia mais

Catálogo de Especificação

Catálogo de Especificação Catálogo de Especificação Portas especiais Linha Hospitalar Pág. 3 Introdução Pág. 4,5 Modelo Revestium Pág. 6,7 Modelo Clean Pág. 8 Modelo Steel Pág. 9 Barras Anti-Pânico Pág. 10,11 Especificações Técnicas

Leia mais

TIMBER ENGINEERING EUROPE

TIMBER ENGINEERING EUROPE TIMBER ENGINEERING EUROPE Tecnologia de construção no seu melhor Desenhado, fabricado e montado segundo as necessidades do cliente www.timberengineeringeurope.com Bem-vindos a Timber Engineering Europe

Leia mais

CONSTRUÇÃO RÁPIDA LEVE E FORTE CONSTRUÇÃO MODULAR CONFORTO E QUALIDADE A CONSTRUÇÃO E SOLUÇÃO PERFEITAS AIRCRETE SISTEMA DE CONSTRUÇÃO

CONSTRUÇÃO RÁPIDA LEVE E FORTE CONSTRUÇÃO MODULAR CONFORTO E QUALIDADE A CONSTRUÇÃO E SOLUÇÃO PERFEITAS AIRCRETE SISTEMA DE CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO RÁPIDA LEVE E FORTE CONSTRUÇÃO MODULAR CONFORTO E QUALIDADE A CONSTRUÇÃO E SOLUÇÃO PERFEITAS AIRCRETE SISTEMA DE CONSTRUÇÃO AIRCRETE SOLUÇÃO DE CONSTRUÇÃO DE CASAS O Concreto Celular Autoclavado

Leia mais

SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA

SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA REVOLUCIONÁRIO E SIMPLES SISTEMA DE CONSTRUÇÃO 1 Um negócio bem

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas Resumo histórico e aspectos gerais Uso e aplicação de estruturas metálicas Composição do aço estrutural FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto COBERTURAS Madeira Tirantes Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial Concreto Em telhas de barro/metálicas/fibrocimento Proteções: Em lajes Concreto Tijolos Domos, etc. Shed Terça Pestana

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO É dito no ditado popular que os olhos de uma pessoa são as janelas de sua alma, trazendo este pensamento para uma residência, podemos entender que as janelas

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos

Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos 1. Introdução A inclusão de critérios sustentáveis em diferentes

Leia mais

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future "Desenvolver a indústria da construção sustentável no país, utilizando as forças Visão de mercado do GBC para conduzir Brasil a adoção (Sonho

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a construção sustentável

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a construção sustentável Seminário: Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a construção sustentável Hugo da Costa Rodrigues Filho Hugo da Costa Rodrigues Filho Associação Brasileira de Cimento Portland,

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES Autor: Paulo André Brasil Barroso Eng. Civil. Pós-graduado em cálculo estrutural McGill University Montreal Canadá 1975/1977. Sócio de uma das maiores empresas fabricantes de estruturas metálicas do país

Leia mais

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável Balanço Sustentável ÍNDICE SUSTENTABILIDADE PARA A SONDA IT...03 PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS...05 CONHEÇA AS AÇÕES SUSTENTÁVEIS DA SEDE DA SONDA IT...06 DATA CENTER PRÓPRIO...13 ASPECTOS AMBIENTAIS...15 Sustentabilidade

Leia mais

O mundo da coleta, do reúso e da Reciclagem de produtos e materiais usados

O mundo da coleta, do reúso e da Reciclagem de produtos e materiais usados O mundo da coleta, do reúso e da Reciclagem de produtos e materiais usados 1 1.1 Por que fazê-lo? Pouquíssimas coisas acontecem neste mundo sem que haja boas razões para que aconteçam. Há três motivos

Leia mais

Gestão Sustentável da Construção

Gestão Sustentável da Construção Gestão Sustentável da Construção Vanderley M. John Membro do Conselho Professor da Poli USP www.cbcs.org.br Conteúdo O que é a cadeia da construção Impacto ambiental da construção Impacto social da construção

Leia mais

Reformas. aula 10. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Tania Eustáquio

Reformas. aula 10. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Tania Eustáquio www.casa.com.br/cursodedecoracao2012 aula 10 Por Tania Eustáquio Reformas Para mostrar como é possível fazer interferências na arquitetura de um imóvel sem dor de cabeça com obras, prazos e orçamento,

Leia mais

WWW.GALPAODASTELHAS.COM.BR

WWW.GALPAODASTELHAS.COM.BR Atuando no mercado de telhas, calhas, rufos e acessórios em aço galvanizado, a GALPÃO DAS TELHAS vem desenvolvendo produtos e serviços com a mais alta qualidade e tecnologia, visando proporcionar maior

Leia mais

MORADIA E SUSTENTABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL

MORADIA E SUSTENTABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL MORADIA E SUSTENTABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL Miguel Aloysio Sattler Engenheiro civil e engenheiro agrônomo; PhD. pela Universidade de Sheffield, Inglaterra. Professor Associado, do Departamento de Engenharia

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

Jardins urbanos suspensos

Jardins urbanos suspensos Jardins urbanos suspensos Retirado do site: Mercado Ético - 16/06/2011 12:22:58 Seu nome é Jardins de Cristal (Crystal Gardens), uma referência direta à interessante combinação de vidro e verde. Mas os

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social - HIS: potencial de integração de tecnologia inovadora na produção de projetos habitacionais arquitetura em contêiner Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2

curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2 Perspectiva artística. curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2 Commercial Properties HORTOLÂNDIA A LOG ComMercial Properties A LOG Commercial Properties, empresa do grupo

Leia mais

CAMARGUE PÉRGOLA PARA TERRAÇOS COM LÂMINAS ORIENTÁVEIS E COM LATERAIS COSTUMIZÁVEIS APLICAÇÕES

CAMARGUE PÉRGOLA PARA TERRAÇOS COM LÂMINAS ORIENTÁVEIS E COM LATERAIS COSTUMIZÁVEIS APLICAÇÕES PÉRGOLA PARA TERRAÇOS COM LÂMINAS ORIENTÁVEIS E COM LATERAIS COSTUMIZÁVEIS. Proteção solar com sistema de drenagem incluído e invisível;. Proteção solar e ventilação com lâminas de alumínio orientáveis;.

Leia mais

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Guia KIP Green Eco A cor da KIP É VERDE A KIP tem um compromisso com o desenvolvimento de projetos de produtos que promovam a saúde e a sustentabilidade ambiental. A nossa meta é melhorar e aprimorar de

Leia mais

C o n s t r u t o r a

C o n s t r u t o r a C o n s t r u t o r a Trabalhamos em todo território nacional, com equipes qualificadas, supervisão diária, trazendo qualidade, preço, prazo e excelência em sua obra. Clientes Principais Serviços Projetos

Leia mais

Eco Dicas - Construir ou Reformar

Eco Dicas - Construir ou Reformar Eco Dicas - Construir ou Reformar São dicas de como preservar e economizar os recursos naturais quando se pensa em obras. Praticando-as, nosso bolso também agradece. É bom saber que: a fabricação de PVC

Leia mais

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School Escola verde Green School Sobre o Colégio Positivo Início das aulas: 18 de fevereiro de 2013 Lançamento oficial: 26 de março de 2013 Proposta de ensino bilíngue (português/inglês) Cerca de 350 alunos,

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

superações o espetáculo das bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC O esporte como protagonista da sustentabilidade

superações o espetáculo das bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC O esporte como protagonista da sustentabilidade SET/OUT 2013 ANO II Nº 07 R E V I S TA A REVISTA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL o espetáculo das O esporte como protagonista superações da sustentabilidade bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC Retrofit

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013 1 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO Laertes Mota (Eng. Civil) Guimarães, 02-12-2013 2 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO 1.1 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL 1.2 NZEB 2.1 CARÁCTER INOVADOR 2.2 CARACTERÍSTICAS 2.3 PORMENORES CONSTRUTIVOS

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 ESTRUTURAS METÁLICAS José Alberto Bittencourt Goulart e-mail: betogoulart@yahoo.com.br Maio/2014 Sorocaba/SP Desde o século XVIII, quando se iniciou a utilização de estruturas metálicas na construção

Leia mais

Material preliminar sujeito a alterações

Material preliminar sujeito a alterações Uma região privilegiada, cercada por algumas das mais importantes vias de acesso como as avenidas Ibirapuera, Rubem Berta, Indianópolis, Av. Dos Bandeirantes, entre outras que ligam o bairro a toda a cidade.

Leia mais

o que é franquia? Na essência, o Franchising consiste em replicar, em diversos locais ou mercados, um mesmo conceito de negócio.

o que é franquia? Na essência, o Franchising consiste em replicar, em diversos locais ou mercados, um mesmo conceito de negócio. 1 o que é franquia? Na essência, o Franchising consiste em replicar, em diversos locais ou mercados, um mesmo conceito de negócio. 2 Vários negócios se utilizam do franchising 3 evolução do franchising

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

SOLUÇÕES DESMONTÁVEIS PARA CANTEIROS DE OBRAS

SOLUÇÕES DESMONTÁVEIS PARA CANTEIROS DE OBRAS SOLUÇÕES DESMONTÁVEIS PARA CANTEIROS DE OBRAS Fundada em 2006, a Tuksen Equipamentos atua na área de fabricação e venda de equipamentos para construção civil e área agrícola. Lançou em 2009 os Containers

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PARTIDO ARQUITETÔNICO DIRETRIZES GERAIS O edital do concurso aliado ao interesse por

Leia mais

MUDANÇAS NA CONSTRUÇÃO COM A APLICAÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE

MUDANÇAS NA CONSTRUÇÃO COM A APLICAÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE CONSTRUMETAL 2010 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA SÃO PAULO BRASIL 31 DE AGOSTO A 2 DE SETEMBRO 2010 MUDANÇAS NA CONSTRUÇÃO COM A APLICAÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE Monique Cordeiro

Leia mais

AMBIENTES RESIDENCIAIS, CORPORATIVOS E HOTELARIA

AMBIENTES RESIDENCIAIS, CORPORATIVOS E HOTELARIA AMBIENTES RESIDENCIAIS, CORPORATIVOS E HOTELARIA Princípios Respeito pelo indivíduo da forma mais ampla possível sejam nossos clientes, colaboradores, parceiros e fornecedores. Queremos compartilhar nossa

Leia mais

PROCESSO DE PROJETO SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PROCESSO DE PROJETO SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROCESSO DE PROJETO SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Monique PAIVA M.Sc., Arquiteta, Universidade Federal Fluminense - Correio eletrônico: Paiva.nit@gmail.com Carlos SOARES D.Sc., Arquiteto,

Leia mais

Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social

Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Construtora Roberto Ferreira com 60 anos de atuação no mercado buscou sempre inovar, simplificar e

Leia mais

ESPELHOS. Catálogo de Vidros. www.jjividros.com.br SALT SPRAY. Espelhos, Vidros Planos, Vidros Laminados, Mini Boreal, Canelado e Vidros Pintados.

ESPELHOS. Catálogo de Vidros. www.jjividros.com.br SALT SPRAY. Espelhos, Vidros Planos, Vidros Laminados, Mini Boreal, Canelado e Vidros Pintados. JJI Vidros www.jjividros.com.br ESPELHOS DISTRIBUIDORA Catálogo de Vidros Espelhos, Vidros Planos, Vidros Laminados, Mini Boreal, Canelado e Vidros Pintados. APROVADO NO TESTE SALT SPRAY Altamente resistentes

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Exemplos de projetos e políticas públicas Pegada ecológica Imagem: Jornal Bahianorte Evolução da Pegada Ecológica Imagem: miriamsalles.info Nosso padrão de produção Imagem:

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais