Gobierno rector o Instituto nacional. UNICEF, CNAC e UNFPA. MINSA, JUSTIÇA e INE. UNICEF, CNAC e UNFPA. Justiça/INE e MINSA. UNICEF, CNAC e UNFPA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gobierno rector o Instituto nacional. UNICEF, CNAC e UNFPA. MINSA, JUSTIÇA e INE. UNICEF, CNAC e UNFPA. Justiça/INE e MINSA. UNICEF, CNAC e UNFPA"

Transcrição

1 (=muy = Socios Costo total 0/3 REGISTO CIVIL E ESTATÍSTICAS VITAIS Revitalizar o mecanismo de coordenação entre o e o MINJUS para a eecução do projecto Nascer Cidadão. Finaliar a implementação na província de Luanda e epandir para todo o País. Capacitar as equipas das Maternidades e salas de parto periféricas da Província de Luanda para a implementação do projecto nascer cidadãoe e epandir para todo o país; Revitalizar o mecanismo de coordenação conjunto entre o e a Min. Justiça., JUSTIÇA e INE CNAC e UNFPA $00,000 $5,000 $95,000 Estudo sobre o registo cívil com base na densidade populacional a nível Nacional. Projecto de massificação de registo de óbitos tendo em conta os cemitérios clandestinos. Continuação da gratuitidade do registo de nascimento dos 0-5 anos. Apoiar a realização de um estudo demográfico nacional para identificar as áreas com maior população e com cemitérios clandestinos. Justiça/INE e CNAC e UNFPA $00,000 $5,000 $95,000 OGE, UNFPA e Apesar de eistir um mecanismo de coordenação estabelecido entre os organismos, precisa-se melhorar com a implementação de um plano de trabalho com cronograma e reuniões regulares. Organizar um atelier de sensibilização entre os diferentes organismos intervenientes e elaboração do plano de trabalho., JUSTIÇA e INE CNAC e UNFPA $,000 $0 $,000 OGE Implementar os processos clínicos aprovados segundo o Decreto. Nº Formação de pessoal para preenchimento correcto dos processos clínicos. Formar recursos humanos para melhorar a recolha de dados nas Unidades de Saúde e conservatórias. Implementação dos Comités de revisão do certificado de óbito (para confirmar se a causa de morte está de acordo com o que se encontra no CID- 0), à nível das unidades sanitárias de referência. Elaborar um plano de formação dos recursos humanos a todos os níveis para o preenchimento correcto dos processos clínicos. USAID $600,000 $0,000 $590,000 OGE, UNFPA e USAID

2 (=muy = Introduzir o processo do controle de qualidade das notificações dos óbitos tendo em conta o CID-0. Reforçar a orientação para o uso universal do CID-0 nas Unidades Sanitarias, estando em curso uma formação de formadores em CID-0. Introduzir essa abordagem nos comités de auditoria de mortalidade materna. Implementar o sistema de informação dos nascimentos e óbitos nas comunidades com uso das TICs Capacitar líderes comunitários e fornecer os meios para a utilização das TICs. Criar os comités de revisão dos certificados de óbito com base no CID-0. Capacitar os Comités para o controle da qualidade dos certificados de óbitos. Treinar os pontos focais e líderes comunitários para informar os nascimentos e mortes. Fornecer equipamento para a notificação imediata. Socios Costo total OMS, USAID BANCO MUNDIAL 0/3 $0,000 $0 $0,000 OGE $50,000 $0 $50,000 OGE e Parceiros privados Criar pontos focais e sistemas de vigilância nas comunidades. Implementar o sistema de autopsias verbais nas comunidades, capacitando os técnicos de saúde e os líderes comunitários na utilização dos instrumentos de autópsia verbal validados pelo OMS/. Capacitar os líderes e ACS para a realização das autópsias verbais. BANCO MUNDIAL $50,000 $0 $50,000 OGE e Capacitar os Técnicos do INE ao nível provincial, com vista o fornecimento de dados sobre a fecundidade e mortalidade. Fortalecer os protocolos entre INE, e MINJUS. 3 Capacitar os técnicos do INE para a compilação e análise dos dados e produção de relatórios. INE/ BANCO MUNDIAL $50,000 $0 $50,000 OGE Discutir com as Universidades o desenvolvimento de estudos demográficos e sanitários locais. 4 Coordenar com as Universidades e o INE a realização de estudos demográficos e sanitários. UNFPA $00,000 $0 $00,000 OGE e mobilização de fundos

3 (=muy = Socios Costo total 0/3 SEGUIMENTO DOS RESULTADOS Implementação da recolha dos indicadores, revisão e harmonização dos instrumentos de recolha e informação para a elaboração do Plano de Monitoria e Avaliação do PNDS. Reunir parceiros (USAID) e tenicos do GEPE para revisão e harmonização dos instrumentos de recolha. Desenhar um processo melhorado e eficaz para o fluo de informação. GEPE mundial, $50,000 $5,000 $45,000 OGE e USAID Ter em conta o plano global de S&A ao desenvolver o plano de monitoria e avaliação da saude reprodutiva, materna, neonatal e infantil incluindo os indicadores essenciais. Definir o plano M&A da saude reprodutiva, materna, neonatal e infantil com base no plano global. GEPE e DNSP mundial, $0,000 $,000 $8,000 USAID Revitalizar o mecanismos de coordenação do SNIS e implementar o sistema de monitoria avaliação. Sob a liderança do GEPE, reactivar o mecanismo de coordenação do SNIS. e GEPE mundial, Elaborar um plano nacional para os inqueritos de saúde de base populacional. Apoiar com recursos humanos, técnicos e financeiros a realização dos inquéritos previstos. Sob a liderança do GEPE/INE, elaborar um plano de realização dos diversos inquéritos de saúde de base populacional com cronograma e recursos. GEPE deve Coordenar com DNSP/INE/Universidades recursos para a realização dos inquéritos planificados. GEPE e INE GEPE e INE mundial, mundial, $,000,000 $0 $,000,000 OGE, BANCO MUNDIAL, UNFPA

4 (=muy = Socios Costo total 0/3 Reforçar a completude das Unidades de Saúde (US), agilizar o fluo de informação incluindo a retorinformação e melhorar a qualidade dos dados através da capacitação para analíse e avaliação.. Capacitar as equipas de US no registo, compilação, análise e avaliação da qualidade dos dados e supervisionar.. Realizar encontros semestrais para harmonização e análise dos dados recolhidos, a todos os níveis. GEPE e DNSP mundial, $300,000 $0,000 $90,000 OGE e USAID Planificar e implementar a realização do inquérito anual junto as instituições para verificação e avaliação da capacidade de resposta dos serviços. Reactivar as supervisões para verificar se as recomendações das retroinformações estão a ser cumpridas. GEPE OMS, USAID e $30,000 $0 $30,000 OGE e USAID Realizar a revisão anual, a meio termo e final das intervenções sobre a saúde da mae e criança. Elaborar estudos de análise da informação e publicar trimestral, semestral e anualmente. e GEPE $75,000 $0 $75,000 OGE Reforço das capacidades de analíse dos dados com desagregação incluindo todas variaveis. Rever os indicadores essenciais eistentes e incluir dados sobre minorias e rendimento., GEPE e INE. Acelerar a construção do nacional de dados sanitários.. Criar o sitío Web para o accesso público a informação disponivel.. Actualizar o sistema informático sanitário do.. Implementar um Website do com informação sanitária actualizada. e GEPE $0,000 $,000 $8,000 OGE

5 (=muy = Socios Costo total 0/3 VIGILÂNCIA DE MORTES MATERNAS E RESPOSTA Definição dos prazos de declaração dos óbitos através de um decreto ministerial imediato. Elaborar e emitir um Decreto sobre a obrigatoriedade da notificação e investigação de mortes maternas e neonatal em 4 hs e investigação em 48hs.. Reforçar a capacidade institucional e de RH sobre o processo de registo dos dados no processo clínico, notificação e investigação de mortes maternas e neonatal. e DNSP e USAID $00,000 $5,000 $95,000 OGE Reforçar a capacidade Institucional e Humana nacional para uma melhor implementação das accões semestralmente. Organizar dois encontros anuais para discussão dos resultados das investigações e analisar o grau de implementação das recomendações. $300,000 $5,000 $95,000 OGE Epandir os Comités em todos os Municipios e capacitar os técnicos locais. Capacitar as equipas dos comites Municipais de auditoria e prevenção de morte materna para a revisão das mortes maternas e perinatal., MINFAMU e Governos Provincias e $4,890,000 $0 $4,890,000 USAID, e Formação do pessoal técnico hospitalar para a implementação da história clínica materna e perinatal e na utilização da classificação Internacional de Doenças (CID-0). Formar pessoal técnico dos Hospitais para o preenchimento correcto da ficha clínica materna e neonatal e classificação do CID-0. e Governos Provinciais e $70,000 $5,000 $75,000 OGE, USAID, e

6 (=muy = Socios Costo total 0/3 Reactivar/criar os comités Institucionais de auditoria e prevenção das mortes maternas e perinatais em todas as unidades de saúde(estatais e privadas). Capacitar as equipas dos comités institucionais na auditoria das mortes maternas e perinatais e elaboração dos planos de acção., MINFAMU e Governos Provinciais e $00,000 $5,000 $95,000 OGE, USAID, Sistematizar a avaliação da qualidade dos cuidados prestados na maternidade a cada dois anos. 3 Adaptar os actuais padrões de melhoria de qualidade dos cuidados à mãe e ao RN para a avaliação das maternidades., MINFAMU e Governos Provinciais e $50,000 $0,000 $40,000 OGE, USAID, e Implementar um sistema comunitario de notificação de mortes maternas e perinatis em 4 h usando o Telemóvel. Estabelecer um mecanismo de comunicação, que articule as autoridades locais ás estruturas de saúde mais próimas., MINFAMU, Ministério da Tecnologia de Informação e Governos Provinciais e UNFPA $00,000 $5,000 $95,000 OGE Realizar encontros de advocacia com o MIN. Das TICs para o apoio da etensão da rede de telemóveis para a declaração imediata das mortes maternas e perinatais. Advogar junto do Min. Das Tecnologias de informação para a epansão da rede de telemóveis as comunidades mais remotas. Governo de $,445,000 $,000 $,443,000 OGE Implementar as autopsias verbais de todas as mortes ocorridas nas comunidades através da formação das equipas Municipais. Capacitar os técnicos municipais de saúde e pontos focais na comunidade para a realizaçao de autópsias verbais nas comunidades., MINFAMU, Ministério da Tecnologia de Informação e Governos Provinciais e

7 Implementar o envolvimento da comunidade nas autópsias verbais e um sistema de retroinformação entre a comunidade e as unidades de saúde. Implementar o funcionamento do Comité Nacional de auditoria e prevenção de mortes maternas. Apoiar revitalização dos comités provinciais e Municipais. (=muy = Reforçar os mecanismos de maior envolvimento da comunidade nas autópsias, MINFAMU e verbais e a retroinformação Governos Provinciais às comunidades.. Organizar o encontro de tomada de posse dos membros do comité nacional.. Capacitar os grupos técnicos do comité nacional. Socios Costo total e e 0/3 $50,000 $5,000 $45,000 OGE $00,000 $5,000 $95,000 OGE, USAID, e

8 (=muy = Socios Costo total 0/3 INOVAÇÃO E INFORMÁTICA SANITÁRIA Elaboração do plano estrategico nacional para as TICs no Ministerio de Saúde. Contratação de consultor para a elaboração de um plano. Reunião de validação de plano estratégico., GEPE e DNSP $8,000 $4,000 $4,000 OMS Capacitar os recursos humanos para uso das TICs, epandir os meios a todos niveis e infra estrutura e melhorar abastecimento de energia electrica. 3 Cursos de formação de recursos humanos em uso das TICs nas províncias. Dotar cada Unidade Sanitária de um computador. Aquisição de placas solares para as unidades sanitárias., GEPE e DNSP OMS, UNFPA e FORÇA SAUDE $50,000 $0 $50,000 OGE e Desenvolver aplicações integradas que permitem a recolha, procesamento, analise e difusão da informação utilizando as TICs. Criar uma base de dados Nacional Integrada desde o nível central até as Unidades de Saúde. e GEPE MITTI $0,000 $0 $0,000 OGE Criação de uma base de dados única a nível do que permita a partilha da informação. Apartir da base de dados Nacional Integrada, deve-se capacitar os utilizadores e implementar ferramentas para partilha de informação. e GEPE MTTI $30,000 $0 $30,000 OGE Elaboração de normas de utilização da base de dados única criando os perfis de utilizadores a todos os níveis (por programa e nível de atendimento). Criar as normas e guiões para utilização das TICs na saúde acompanhado de um plano de disseminação. e GEPE MITTI $0,000 $0 $0,000 OGE Criar um comité de coordenação das Tecnologias da Informação e Comunicação em saúde. Implementar efectivamente os mecanismos de coordenação com os programas verticais de saúde pública., GEPE e DNSP UNFPA, OMS, F e USAID $3,000 $0 $3,000 OGE

9 (=muy = Elaboração de um regulamento de partilha e segurança da informação sanitária. 4 Socios Costo total 0/3 Implementar a Legislação eistente. MTTI $5,000 $0 $5,000 OGE Regulamentar a privacidade e a segurança dos dados. 4 Implementar o Regulamento de proteção de dados. MITTI e MINJU $3,000 $0 $3,000 OGE

10 (=muy = Socios Costo total 0/3 SEGUIMENTO DOS RECURSOS Workshop urgente para a elaboração de mecanismos e indicadores da subconta saúde materno infantil. Actualizar o relatório das contas nacioanis da saúde. Implementar a coordenação que se encontra sem liderança neste momento. Organizar e realizar um Workshop nacional com todos os actores sobre as contas nacionais da saúde materna e infantil., GEPE e DNSP BANCO MUNDIAL $3,997 $5,000 $7,997 OGE Propor e implementar Mecanismos e indicadores para a elaboração de contas da saude Materna Infantil. Advocacia para aprovação pelos Ministros (Planeamento, Finanças, Saúde)., GEPE e DNSP BANCO MUNDIAL Estender o mecanismo da comunicação de informação do Estado com outros parceiros de desenvolvimento. Inclusão de outros parceiros no mecanismo de coordenação das nacionais. e GEPE Reactivar o comité de gestão. Aprovar e divulgar anualmente, métodos, indicadores e forma de utilização dos dados financeiros. Realizar um encontro com os membros do comité de gestão para reactivar as actividades. e GEPE BANCO MUNDIAL $5,000 $,000 $3,000 OGE Melhorar a Coordenação entre as diferentes instituições e Parceiros. 3 Governo deve definir metodologia de Informação financeira. 3 Realizar reuniões trimestrais com os parceiros. Estabelecer o subgrupo técnico do CCI para as contas nacionais. $6,440 $4,000 $,440 OGE

11 (=muy = Socios Costo total 0/3 Dotar/capacitar recursos Humanos na àrea de economia da saúde. Formação de formadores no eterior. Formação de 8 pontos focais provinciais. $05,840 $5,000 $80,840 Melhorar os mecanismos de articulação das diversas fontes de dados de financiamento da saúde que permite conhecer as subcontas incluindo a da materna e infantil. Definição dos mecanismos de articulação das subcontas nacionais da saúde incluindo as da saúde materno e infantil. e GEPE Incentivar e a implementação do aplicativo informatizado financeiro para a base de dados do. 3 Consultor nacional para elaboração do aplicativo informatico financeiro. e GEPE BANCO MUNDIAL $5,000 $0 $5,000 OGE Epandir o sistema a nível Provincial e Municipal. Formaçaõ em serviço dos técnicos provinciais. e GEPE Reprodução física e distribuição do material a nível de todo o país e parceiros. Reprodução e distribuição de 300 eemplares do relatório do sistema informatico financeiro. e GEPE $36,000 $0 $36,000 OGE Fazer advocacia para elaboração das sub contas e uso dos dados para a revisão do Programa da Saúde da Mae e Criança. Reunião com decidores para sensibilizar sobre a necessidade de consideração da informação das contas nacionais de saude nas decisões politicas. e GEPE $0,000 $5,000 $5,000 OGE

12 (=muy = Socios Costo total 0/3 PROCESSO DE REVISÃO Fazer advocacia para a revisão regular dos programas e das contas nacionais de saúde. Estabelecer mecanismos de funcionamento mais operacionais e regulares que permitam a implementação das intervenções. Desenvolover um plano de advocacia bem definido com os alvos a atingir. Direcção do USAI D e $0,000 $,000 $8,000 OGE Integrar outros intervenientes, nomeadamente universidades, associações de mulheres, sector privado e sociedade civil. Realizar encontros de advocacia juntos dos outros intervenientes. Direcção do USAI D e Estabelecer um plano de monitoria e avaliação com níveis de responsabilidades definidos, instrumentos de registo e meios de verificação, e formação de equipas. 3 Realizar uma linha de base com os principais indicadores de saúde materna e infantil. Direcção do USAI D e $50,000 $0,000 $40,000 OGE Reforçar a capacidade de análise e produção dos relatórios. Actualizar o instrumento modelo de recolha de informação para todos os níveis. DNSP e GEPE do Definir as necessidades mínimas de investigação e implementá-las com uma periodicidade definida e actualização permanente das necessidades. Incluir no sub grupo do CCI da Saúde Reprodutiva a componente da investigação em saúde, especialmente a mulher, recem nascido e a criança. Direcção do

13 (=muy = Socios Costo total 0/3 Reforçar o funcionamento dos Conselhos Provinciais e Municipais de auscultação social. Reforçar o controlo e a fiscalização e os mecanismos para reposição de valores, referências, prestação de contas, etc. bem como a capacidade dos técnicos a todos os níveis em particular os do nível municipal e Incrementar o processo da Revitalização. Fazer advocacia junto ao MAT para o reforço do funcionamento dos conselhos provinciais e municipais de auscultação social para eercerem um papel de monitoria e avaliação dos resultados. e GEPE Tornar o mecanismo de coordenação que eiste, CCI mais funcional e estimular a participação de maior número de intervenientes (Instituições de formação e organizações profissionais (SAP;AGOA; ORMED, ORDENFA, ANEA..), reproduzí-lo a outros níveis (Provinciais e Municipais). Criar um secretariado permanente com funções e responsabilidades bem definidas e realizar reuniões de sensibilização a cada um dos intervenientes. $75,000 $0,000 $65,000 Reforçar as actividades do grupo de monitoria e avaliação. Elaborar um pacote de indicadores de processo e de resultados a ser monitorado. GEPE e DNSP do Reforçar a coordenação do apoio dos parceiros de desenvolvimento. Realizar visitas conjuntas ( e parceiros de desenvolvimento) para seguimento e constatações das intervenções. Todos os interveniente $8,000 $5,000 $3,000 s

14 (=muy = Socios Costo total 0/3 ADVOCACIA E SENSIBILIZAÇÃO Melhorar a eficácia do funcionamento da Comissão Nacional de Prevenção e Auditoria de Mortes Maternas e Peri-Natal, criada por decreto presidencial nº 50/ de 6 de Março (DR I série - Nº 58), que é presidida pelo Ministério da Família e Promoção da Mulher (MINFAMU). Esta comissão é assessorada por um comité técnico. Propõe-se que o referido comité elabore um relatório / memorando / informe sobre a saúde materno-infantil, o apresente à Comissão Nacional de Prevenção e Auditoria de Mortes Maternas e Peri-natal e que, por sua vez, esta a submeta à 7ª comissão parlamentar. Este relatório / memorando / informe+g6 deve integrar uma recomendação de criação de um mecanismo de monitorização e acompanhamento deste tema entre o parlamento e a comissão. 3 Propõe-se que o referido comité elabore um relatório/memorando/infor me sobre a saúde maternoinfantil, o apresente à Comissão Nacional de Prevenção e Auditoria de Mortes Maternas e Perinatal e que, por sua vez, esta a submeta à 7ª comissão parlamentar. Este relatório / memorando / informe deve integrar uma recomendação de criação de um mecanismo de monitorização e acompanhamento deste tema entre o parlamento e a comissão. e DNSP 7ª Comissão Parlamentar $50,000 $5,000 $45,000 OGE Advogar que a Comissão parlamentar organize reuniões públicas de discussão e partilha de informação especificamente sobre a saúde maternoinfantil. Para além disto, propõe-se que a Comissão parlamentar, em coordenação com a Comissão Nacional de Prevenção e Auditoria de Mortes Maternas e Peri-Natal, fomente a publicação de uma brochura, ou um pequeno livro, que reuna toda a legislação sobre a saúde materno-infantil em, sob o lema: A lei ao serviço da saúde da mulher e da criança. 3. Reuniões públicas de discussão e partilha de informação especificamente sobre a saúde materno-infantil.. Publicação de uma brochura. CNPAMMPN CONGA, União Europeia e organizações da sociedade civil $50,000 $0,000 $40,000 OGE

15 Reforçar o papel que têm jogado as organizações da Sociedade Civil na melhoria da saúde reprodutiva da mãe e criança (Advocacia), nomeadamente do Comissão Coordenação Inter-Agências, com participação de representantes de todos os subsistemas de saúde (privado, ligados a Igrejas, etc) e representantes de organizações da sociedade civil que trabalham neste domínio (Caritas, Cruz Vermelha...). (=muy = Constituição formal do grupo de trabalho e realização de reuniões semestrais de consultas e discussões. DNSP e Socios Costo total CONGA, FONGA, Caritas, Angobefa e outras 0/3 $30,000 $5,000 $5,000 OGE Melhorar a integração e cordenação das iniciativas das organizações da sociedade civil com as autoridades nacionais no âmbito das actividades de Informação, Educação e Comunicação (IEC), em termos centrais (DNSP) e descentralizados (ao nível das DPS); por eemplo, concretizar o workshop de consenso e harmonização de mensagens a veícular no trabalho de IEC, previsto no Plano de Desenvolvimento Sanitário (a ser liderado pelo GPS em 03). Realização de workshop de consenso e harmonização de mensagens a veicular no trabalho de IEC; reuniões semestrais de IEC ao nível provincial. DNSP (GPS) e DPS CONGA, FONGA, e OMS $50,000 $5,000 $45,000 OGE.Reforçar o papel dos mídia e melhorar a cordenação nas actividades do IEC, nomeadamente através da formação e especialização de jornalistas nesta matéria, dirigida por uma equipa conjunta do Ministério da Saúde () e do Ministério da Comunicação Social (MCS). O deve trabalhar com o MCS por forma a que a TPA e a RNA desenvolvam um programa que trate da sensibilização e formação da sua audiência relativamente aos temas da saúde materno-infantil (baseados em evidências identificadas através de estudos Conhecimentos Atitudes e boas Práticas).. Acelerar o processo de criação da Comissão Nacional de Coordenação das Actividades de Promoção de Saúde (prevista no Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário). Curso de formação/especialização de jornalistas na área de saúde materno-infantil; programa de rádio e televisão sobre saúde materno-infantil. e MCS CEFOJOR, TPA, RNA e Tv Zimbo $0,000 $50,000 $60,000 OGE

16 (=muy = Socios Costo total 0/3 Formação e especialização de jornalistas nesta matéria, dirigida por uma equipa conjunta do Ministério da Saúde () e do Ministério da Comunicação Social (MCS); os jornalistas devem ser capazes de identificar, aceder, analisar e comunicar a informação contida nos documentos orientadores sobre saúde materno-infantil, assim como nos informes regulares sobre a matéria. Curso de formação/especialização de jornalistas na área de saúde materno-infantil. e MCS CEFOJOR, TPA, RNA e Tv Zimbo Melhorar o fluo de informação destinada aos media, disponibilizando periódicamente, os grandes documentos orientadores/operacionais da saúde materno-infantil no site do. Elaborar um instrumento síntese de indicadores da saúde materno-infantil (boletim informativo), de periodicidade trimestral, que seja comunicado à imprensa e ao público em geral. 3 Disponibilização de conteúdos no site do ; Elaboração e publicação de instrumento informativo da DNSP. DNSP e Angobefa, ADPP, CUAMM, Caritas, FEC, CAGE, MWEÑO e PMA $5,000 $,000 $3,000 OGE Realizar o encontro nacional para análise e seguimento dos Indicadores da saúde reprodutiva, materna, neonatal e infantil com os Parlamentares, Decisores, os Mídia e Soc. Civil. Organizar encontro nacional. e MINPLAN OMS, União Europeia, USAID, UNFPA, CONGA, FONGA e outras organizações da sociedade civil $00,000 $0,000 $90,000 OGE

17 (=muy = Socios Costo total 0/3 Melhorar a lista dos indicadores da saúde reprodutiva, materna, neonatal e infantil a serem incluídos no relatório dos ODMs elaborado pelo Minist. do Planeamento. Criação de um comité representativo de elaboração e redação do relatório; edição e publicação do relatório. e MINPLAN OMS, União Europeia, USAID, UNFPA, CONGA, FONGA e outras organizações da sociedade civil $50,000 $5,000 $45,000 OGE TOTALS $3,570,77 $50,000 $3,30,77 Requerimentos Registo civil e estatisticas vitais Seguimento dos resultados Vigilância de mortes maternas e resposta Inovaçao e informatica sanitaria Seguimento dos recursos Processo de revisao Advocacia e sensibilizaçao TOTAL $,6,000 $0,000 $,4,000 $,485,000 $9,000 $,466,000 $9,55,000 $47,000 $9,08,000 $339,000 $4,000 $335,000 $,77 $4,000 $80,77 $453,000 $7,000 $46,000 $755,000 $9,000 $663,000 $3,570,77 $50,000 $3,30,77

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Proposta de Cronograma de Acções Para a Reorientação e Reorganização do SIS (Versão -Final - de 30/06/06)

Proposta de Cronograma de Acções Para a Reorientação e Reorganização do SIS (Versão -Final - de 30/06/06) Proposta de Cronograma de Acções Para a Reorientação e Reorganização do SIS (Versão - - de 30/06/06) 1. Focar o SIS sobre o Estado de Saúde da população e o desempenho do SNS 1.1. Elaborar proposta de

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTERIO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL Missão 1. Ministério da Comunicação Social é o órgão do Governo encarregue de organizar e controlar a execução da

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

A Saúde da Criança em Angola

A Saúde da Criança em Angola REPÚBLICA DE ANGOLA III Jornadas Médicas de Pediatria A Saúde da Criança em Angola Local: Anfiteatro Clínica Girassol Luanda, 2 a 6 de Dezembro 2008 I. Introdução A Sociedade Angolana de Pediatria (SAP),

Leia mais

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro Ministério da Saúde Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro As mudanças que ocorrem no âmbito das transformações em curso no País principalmente a reforma geral da administração pública e a adopção da Lei de

Leia mais

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng CONSTRANGIMENTOS (i) Coordenação A não sistematização dos encontros de concertação entre as instituições do governo

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Saúde Direcção Nacional de Saúde Pública

República de Moçambique Ministério da Saúde Direcção Nacional de Saúde Pública República de Moçambique Ministério da Saúde Direcção Nacional de Saúde Pública Processo para o Reconhecimento do Desempenho dos Serviços de Saúde Materna e Neonatal, de Planeamento Familiar e de Prevenção

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Contextualização Para a operacionalização dos Programas de Segurança Social Básica o MMAS conta com O Instituto Nacional de Acção

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

Projeto Twendela kumwe 1

Projeto Twendela kumwe 1 Avaliação Intercalar Ano 1 Janeiro 2011 - Janeiro 2012 Projeto Twendela kumwe 1 - Capacitação Institucional da Cáritas de Angola - SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR - ANO 1 [01 DE JANEIRO

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Janeiro 2012 [Relatório de Actividades e Plano de acção para 2012] [ARS Centro] Comissão Regional da Saúde da Mulher, Criança e Adolescente

Leia mais

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA SÃO TOMÉ E PRINCIPE PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA 1. FINALIDADE Os objectivos da ENDE de São Tomé e Príncipe são reforçar o SEN

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação 2011-2015 Maputo, Janeiro de 2011 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO......... 3 1.1 Contextualização............ 3 1.2 Justificativa (Porquê

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais TERMOS DE REFERÊNCIA Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais 1. ANTECEDENTES A Fundação IEPALA tem assinado com a Agencia Espanhola de Cooperação Internacional

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO A Reforma do sector público em curso no país enquadra se na estratégia mais

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO OBJETIVOS, METODOLOGIA E ETAPAS DO PROJETO EDUCATIVO MUNICIPAL Concebendo a Educação como

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú PROGRAMA de Cooperação da FEC na GUINÉ-BISSAU FUNÇÃO: Gestor(a) de Sistemas de Informação e Dados LOCALIZAÇÃO: República da Guiné-Bissau (Gabú) DURAÇÃO: 12 meses (renovável): julho 2015 - junho 2016 CONTEXTO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM

Possibilidade de Avaliação dos Sistemas de Informação: O estudo do SIM * SES-PE ** IMIP Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde Diretoria Geral de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Gerencia de Monitoramento e Vigilância

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril Estatuto Orgânico da Direcção de Eficácia da Assistência Externa O Estatuto

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA INTRODUÇÃO No quadro das tarefas de implementação do Programa de Reforma Administrativa

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

República de Angola Ministério da Educação

República de Angola Ministério da Educação República de Angola Ministério da Educação (READ) Ponto de Situação do Desenvolvimento do Sistema Nacional de Avaliação das Aprendizagens Moscovo, Rússia 30 de Setembro 2 de Outubro, 2009 I Conferência

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (Unidade-Disciplina-Trabalho) DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O RECRUTAMENTO

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Prioridades, actividades e propostas de acção a nível regional e nacional

Prioridades, actividades e propostas de acção a nível regional e nacional Prioridades, e propostas de acção a nível regional e nacional PRIORIDADE Criar, desenvolver, implementar e/ou avaliar a gestão integrada dos recursos humanos em saúde a todos os níveis do sistema de saúde

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos Decreto Lei nº 7/97 Aprova o estatuto orgânico do Ministério da Juventude e Desportos e revoga toda a legislação que contrarie o presente decreto lei. Tornando se necessário

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Workshop on Health Workforce Policy Development for Portuguese Speaking Countries. Sandton, South Africa 17-21/10/ 2005

Workshop on Health Workforce Policy Development for Portuguese Speaking Countries. Sandton, South Africa 17-21/10/ 2005 República de Angola Ministério da Saúde Direcção Nacional de Recursos Humanos Workshop on Health Workforce Policy Development for Portuguese Speaking Countries Sandton, South Africa 17-21/10/ 2005 1 Angola

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

A política do medicamento: passado, presente e futuro

A política do medicamento: passado, presente e futuro A política do medicamento: passado, presente e futuro Barcelos, 27 de março de 2015 Ricardo Ramos (Direção de Avaliação Económica e Observação do Mercado) INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório Carta de Ottawa Promoção da saúde: Carta de Ottawa (1986) Processo que visa criar condições

Leia mais

Síntese da Conferência

Síntese da Conferência Síntese da Conferência Sob o lema Saneamento para Todos, Responsabilidade de Todos realizou-se de 14 a 16 de Maio de 2014, a Conferência Nacional de Saneamento, no Centro de Conferências Joaquim Chissano,

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 António de Sousa Realidade: A literacia financeira dos portugueses Resultados do Inquérito do Banco de Portugal à População Portuguesa (2010):

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais