Relatório de Pesquisa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Pesquisa"

Transcrição

1 Avaliação das Perspectivas de Desenvolvimento Tecnológico para a Indústria de Bens de Capital para Energia Renovável (PDTS-IBKER) Relatório de Pesquisa

2 Avaliação das Perspectivas de Desenvolvimento Tecnológico para a Indústria de Bens de Capital para Energia Renovável (PDTS-IBKER) Relatório de Pesquisa... David Kupfer, Ricardo Naveiro, Fabio Stallivieri e Rodrigo Sabbatini

3 2012 Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial ABDI Qualquer parte desta obra pode ser reproduzida, desde que seja citada a fonte. IE-UFRJ Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro ABDI Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Supervisão ABDI Maria Luisa Campos Machado Leal Equipe Técnica da ABDI Claudionel Campos Leite Valdênio Miranda de Araújo Willian Cecílio Souza Coordenadora Geral Carla Maria Naves Ferreira Gerente de Projetos Gerência de Comunicação ABDI Oswaldo Buarim Junior Supervisão da Publicação Joana Wightman Coordenadora de Comunicação Projeto Editorial Gerência (CIC-IE/UFRJ) Carolina Dias Synergia Editora Editor Jorge Gama Produção Gráfica Monique Bergmann Islanio Assistente Editorial Rosangela Bueno

4 Equipe do Projeto Coordenação Geral Coordenador Geral David Kupfer (IE/UFRJ) Coordenador da Prospecção Tecnológica Ricardo Manfredi Naveiro (POLI/UFRJ) Coordenador dos Estudos Econômicos Rodrigo Sabbatini (NEIT/UNICAMP e FACAMP) Coordenador da Pesquisa de Campo Fábio Stallivieri (ECO/UFF e REDESIST-IE/UFRJ) Pesquisadores Heloisa Vasconcellos de Medina (CETEM), Antonio Carlos Diegues (UFSCar), José Eduardo Roselino Jr (FACAMP) Assistente de Pesquisa Thiago de Holanda Lima Miguez (IE-UFRJ) Comitê Técnico (por fonte de energia) Solar e Fotovoltaica: Izete Zanesco (NT Solar/PUC-RS) e Arno Krenzinger (LES/ UFRGS) PCH Geraldo Lucio Tiago Filho (CERPCH/UNIFEI) e Ernani Felippe Bepler (ex-voith Siemens) Biomassa Electo Eduardo Silva Lora (NEST/UNIFEI) e Silvio Carlos Anibal de Almeida (POLI/UFRJ) Eólica José Tadeu Matheus (Wobben) e Ricardo Marques Dutra (CEPEL) Gerente Carolina Dias (CEMP/PUC-Rio e GIC-IE/UFRJ) Coordenação Técnica Grupo de Indústria e Competitividade do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro Apoio Administrativo Fundação Universitária José Bonifácio ABDI Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Setor Bancário Norte Quadra 1 Bloco B Ed. CNC Brasília DF Tel.: (61) IE-UFRJ Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus da Praia Vermelha Av. Pasteur, n o 250, andar térreo Urca CEP: Rio de Janeiro, RJ- Brasil Tel.: (21)

5 República Federativa do Brasil Dilma Rousseff Presidenta Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Damata Pimentel Ministro Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Mauro Borges Lemos Presidente Maria Luisa Campos Machado Leal Otávio Silva Camargo Diretores Carla Maria Naves Ferreira Gerente de Projetos Claudionel Campos Leite Especialista em Projetos Valdênio Miranda de Araújo Analista Sênior Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro Carlos Frederico Leão Rocha Diretor Geral Edmar Luiz Fagundes de Almeida Diretor de Pesquisas David Kupfer (IE/UFRJ) Coordenador do Instituto de Economia

6 Relatório de Pesquisa iv

7 Capítulo 1 Figura 1.1 Processamento dos resultados da pesquisa de campo. Tabela 1.1 Membros do Comitê Técnico Tabela 1.2 Modelo de cabeçalho do questionário Tabela 1.3 Questões e possibilidades de respostas Capítulo 2 Figura 2.1 Componentes de um sistema fotovoltaico isolado Figura 2.2 Materiais de um sistema solar fotovoltaico à base de silício Figura 2.3 Árvore da composição de um aerogerador Figura 2.4 Torres Figura 2.5 Nacele Figura 2.6 Patentes concedidas USPTO Figura 2.7 Patentes por área do conhecimento Figura 2.8 Tecnologias de processamento e dos produtos Figura 2.9 Estado da arte das diferentes tecnologias para a geração de eletricidade em pequena escala, a partir da combustão de biomassa Figura 2.10 Faixas de potência das tecnologias para a geração de eletricidade partir de biomassa Figura 2.11 Eficiência elétrica das tecnologias de combustão de biomassa para a geração em pequena escala Figura 2.12 Principais componentes de uma caldeira aquatubular Figura 2.13 Composição do gás produzido Figura 2.14 Modelo de turbina S Tabela 2.1 Setores e produtos industriais da cadeia produtiva de energia solar fotovoltaica Tabela 2.2 Cadeia produtiva de energia solar fotovoltaica por segmentos da IBKER...Lista de Figuras e Tabelas vrelatório de Pesquisa

8 Relatório de Pesquisa Tabela 2.3 Perspectivas tecnológicas: novas tendências mundiais Tabela 2.4 Tabela comparativo dos tipos de concentradores Tabela 2.5 Principais características dos três principais tipos de tecnologia Tabela 2.6 Segmentos, setores e produtos da cadeia produtiva de geração de energia Tabela 2.7 Cadeia produtiva da geração de energia elétrica eólica Tabela 2.8 Segmentos, setores e produtos da cadeia produtiva de termoelétricas a partir de biomassa Tabela 2.9 Classificação CNAE a partir de biomassa Tabela 2.10 A cadeia produtiva da termoeletricidade a partir de biomassa por segmentos da IBKER Tabela 2.11 Principais indicadores técnicos das novas tecnologias de geração de eletricidade a partir da combustão de biomassa Tabela 2.12 Energia a partir de biomassa: tecnologias, processos e componentes Tabela 2.13 Segmentos, setores e produtos da cadeia produtiva de geração de energia em Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCHs) Tabela 2.14 Cadeia produtiva da geração de energia elétrica em PCH Tabela 2.15 Desafios tecnológicos em PCH vi Capítulo 3 Figura 3.1 Cadeia simplificada de equipamentos fotovoltaicos: uma proposta analítica Figura 3.2 Mundo: distribuição das tecnologias de células FV, 2010 (em % da produção) Figura 3.3 Estrutura empresarial por elo da cadeia de equipamentos fotovoltaicos no mundo (número de empresas), 2009 Figura 3.4 Produção mundial de células fotovoltaicas, (em MW) Figura 3.5 Importações de células e módulos fotovoltaicos, Brasil, (em US$ milhões) Figura 3.6 Distribuição geográfica da importação de células e módulos fotovoltaicos, 2010 Figura 3.7 A cadeia simplificada de equipamentos aerogeradores

9 Figura 3.8 Evolução da capacidade de geração de energia eólica no mundo, (em GW) Figura 3.9 Distribuição geográfica da capacidade anual instalada de aerogeradores, mundo, (em MW) Figura 3.10 Expansão anual esperada da capacidade de geração de energia eólica no Brasil, (em MW) Figura 3.11 Rotas tecnológicas para a conversão da biomassa Figura 3.12 Fontes de geração de energia, Brasil e mundo Figura 3.13 Preços médios de contratação em leilões de energia para fontes alternativas, Brasil, Figura 3.14 Evolução da capacidade instalada em PCH, Brasil, (em MW) Quadro 3.1 Empresas da IBKER segundo áreas e máquinas específicas Tabela 3.1 Eficiência das células fotovoltaicas em estágios comerciais por tipo de tecnologia Tabela 3.2 Preços de produtos da cadeia fotovoltaica nos EUA (exceto quando indicado), dezembro de 2011 Tabela 3.3 Custos de capital para a instalação de plantas produtivas de escala economicamente viável, por elo da cadeia fotovoltaica, 2008 (em US$ milhões) Tabela 3.4 Mundo e países selecionados: capacidade instalada de geração de energia fotovoltaica, 2006 e 2010 (em MW) Tabela 3.5 Produção de células fotovoltaicas por países, 2010 (em MW e %) Tabela 3.6 Maiores empresas mundiais de células fotovoltaicas, Tabela 3.7 Países selecionados: preços* de equipamentos para sistemas fotovoltaicos, 2010 e 2011 Tabela 3.8 Usinas solares operando no Brasil* Tabela 3.9 Capacidade instalada de geração de energia eólica no final de 2010, mundo e países selecionados (em MW) Tabela 3.10 Incremento da capacidade instalada de geração de energia eólica no ano de 2010, mundo e países selecionados (em MW) Tabela 3.11 Principais ofertantes e market share no mercado mundial de aerogeradores Tabela 3.12 Capacidade de geração de energia eólica no Brasil por empresa Tabela 3.13 Capacidade instalada de usinas termoelétricas à biomassa, Brasil, 2011 Relatório de Pesquisa vii

10 Relatório de Pesquisa viii Tabela 3.14 Características econômicas de equipamentos para PCHs, por subsistema Tabela 3.15 Evolução prevista da capacidade instalada por fonte de geração, Brasil, 2010 e 2019 Tabela 3.16 Estrutura da capacidade instalada da PCH, Brasil, 2011 Tabela Síntese da competitividade da indústria de bens de capital para energia renovável, por fontes e subsistemas, Brasil Capítulo 4 Figura 4.1 Composição e distribuição do painel de respondentes do estudo nas diversas fontes investigadas Figura 4.2 Índice de respostas obtidas (total de respondentes/respostas). Figura 4.3 Composição dos respondentes no conjunto de respostas obtidas Figura 4.4 Classificação das tecnologias analisadas na fonte de energia solar Figura 4.5 Classificação das tecnologias analisadas na fonte de energia eólica Figura 4.6 Classificação das tecnologias analisadas na fonte de energia de biomassa Figura 4.7 Classificação das tecnologias analisadas na fonte de energia PCH Tabela 4.1 Tecnologias consideradas não relevantes na fonte de energia solar Tabela 4.2 Classificação das tecnologias relevantes prioritárias para a fonte de energia solar, segundo subsistema Tabela 4.3 Classificação das tecnologias relevantes críticas para a fonte de energia solar, segundo subsistema Tabela 4.4 Tecnologias consideradas não relevantes na fonte de energia eólica Tabela 4.5 Classificação das tecnologias relevantes prioritárias para a fonte de energia eólica, segundo subsistema Tabela 4.6 Classificação das tecnologias relevantes críticas para a fonte de tecnologia eólica, segundo subsistema Tabela 4.7 Tecnologias consideradas não relevantes na fonte de energia de biomassa Tabela 4.8 Classificação das tecnologias relevantes prioritárias para a fonte de energia biomassa, segundo subsistema Tabela 4.9 Classificação das tecnologias relevantes e críticas para a fonte de energia biomassa, segundo subsistema

11 Tabela 4.10 Tecnologias consideradas não relevantes na fonte de energia PCH Tabela 4.11 Classificação das tecnologias relevantes prioritárias para PCH, segundo subsistema Tabela 4.12 Classificação das tecnologias relevantes críticas para PCH, segundo subsistema Capítulo 5 Tabela 5.1 Características dos modelos de negócio selecionados aplicados à energia fotovoltaica Tabela 5.2 Modelos de negócio selecionados aplicados à energia fotovoltaica e os impactos na indústria de bens de capital brasileira Tabela 5.3 Características dos modelos de negócio selecionados aplicados à energia eólica Tabela 5.4 Modelos de negócio selecionados aplicados à energia eólica e impactos na indústria de bens de capital brasileira Tabela 5.5 Características dos modelos de negócio selecionados aplicados à biomassa Tabela 5.6 Modelos de negócio selecionados aplicados à biomassa e os impactos na indústria de bens de capital brasileira Tabela 5.7 Características dos modelos de negócio selecionados aplicados às PCHs Tabela 5.8 Modelos de negócio selecionados aplicados às PCHs e os impactos na indústria de bens de capital brasileira Tabela 5.9 Síntese do impacto do potencial de demanda na indústria de bens de capital por fontes de energia renováveis Capítulo 6 Tabela 6.1 Faixas de custo médio do MW/h gerado, segundo fontes, 2011 Anexo I Listas de Tecnologias [sem figuras] Anexo II Relatório da pesquisa de campo Figura AII.1 Composição e distribuição do painel de respondentes do estudo nas diversas fontes investigadas Figura AII.2 Processamento dos resultados da pesquisa de campo ixrelatório de Pesquisa

12 Relatório de Pesquisa Figura AII.3 Índice de respostas obtidas (total de respondentes/respostas) Figura AII.4 Participação de respondentes do meio acadêmico e do meio industrial nas respostas obtidas Figura AII.5 Classificação das tecnologias analisadas na fonte de energia eólica Figura AII.6 Classificação das tecnologias analisadas na fonte de energia solar Figura AII.7 Classificação das tecnologias analisadas na fonte de energia de biomassa Figura AII.8 Classificação das tecnologias analisadas na fonte de energia PCH Tabela AII.1 Modelo de cabeçalho do questionário Tabela AII.2 Classificação das tecnologias analisadas para a fonte de tecnologia eólica em relevantes prioritárias e críticas, conforme os resultados da pesquisa de campo Tabela AII.3 Classificação das demais tecnologias ligadas à fonte de energia eólica Tabela AII.4 Classificação das tecnologias analisadas para a fonte de energia solar em relevantes prioritárias e críticas, conforme os resultados da pesquisa de campo Tabela AII.5 Classificação das demais tecnologias ligadas à fonte de energia solar Tabela AII.6 Classificação das tecnologias analisadas para a fonte de energia de biomassa em relevantes prioritárias e críticas, conforme os resultados da pesquisa de campo Tabela AII.7 Classificação das demais tecnologias ligadas à fonte de energia de biomassa Tabela AII.8 Classificação das tecnologias analisadas para a fonte de energia PCH em relevantes prioritárias e críticas, conforme os resultados da pesquisa de campo Tabela AII.9 Classificação das demais tecnologias ligadas à fonte de energia PCH x

13 Anexo III Tabelas de síntese da pesquisa de campo Tabela AIII.1 Questões e possibilidades de respostas Tabela AIII.1 Questões e possibilidades de respostas (com IDs) e forma de apresentação no banco de dados Anexo IV Empresas da IBKER segundo áreas e máquinas específicas, 2011 Tabela AIV.1 Empresas da IBKER segundo áreas e máquinas específicas, 2011 Anexo V Medidas para a promoção da IBKER no Brasil: Tabelas de referência e síntese Tabela AV.1 Medidas para a promoção da IBKER condicionantes iniciais Tabela AV.2 Recomendações de medidas para a promoção da IBKER fonte eólica Tabela AV.3 Condicionantes para a promoção do segmento solar fotovoltaico Tabela AV.4 Recomendações de medidas para a promoção da IBKER solar fotovoltaico Tabela AV.5 Condicionantes para a promoção do segmento de biomassa Tabela AV.6 Recomendações de medidas para a promoção da IBKER biomassa Tabela AV.7 Condicionantes para a promoção do segmento PCH Tabela AV.8 Recomendações de medidas para a promoção da IBKER PCH xirelatório de Pesquisa

14 Relatório de Pesquisa xii

15 1. Introdução, Metodologia da pesquisa, Estrutura do relatório, 12...Sumário Relatório de Pesquisa 2. Cadeias produtivas e segmentação tecnológica na IBKER, Energia solar, Energia solar fotovoltaica, Energia solar térmica, Energia eólica, Energias tradicionais, Geração de eletricidade a partir da biomassa, Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCH), Estrutura da oferta da indústria de bens de capital para energia renovável, 73 Introdução, Equipamentos para energia solar fotovoltaica, Características econômicas, Estrutura da oferta mundial, Estrutura da oferta no Brasil, Equipamentos para energia eólica, Características e tendências, Estrutura da oferta mundial, Estrutura da oferta no Brasil, Equipamentos para energias renováveis tradicionais, Biomassa, PCHs, Conclusões, 115 xiii

16 Relatório de Pesquisa 4. Tecnologias emergentes e resultados da pesquisa de campo, Taxas de respostas, Resultados em energia solar, Resultados para energia eólica, Resultados em energia de biomassa, Resultados em energia PCH, Energia renovável e os impactos sobre a IBKER no Brasil, Modelos de negócio de energia solar fotovoltaica e os impactos na indústria de bens de capital, Modelos de negócio de energia eólica e os impactos sobre a indústria de bens de capital, Modelos de negócio de energias renováveis tradicionais e os impactos na indústria de capital, Modelos de negócio aplicados à biomassa e os impactos na indústria de bens de capital, Conclusões, Políticas públicas e desenvolvimento da Indústria Brasileira de Bens de Capital para Energias Renováveis, 165 Introdução, Políticas públicas e bens de capital para energia solar fotovoltaica, Políticas públicas e bens de capital para energia eólica, Políticas públicas e bens de capital para biomassa, Políticas públicas e bens de capital para PCHs, Considerações finais, Anexo I - Relatório da pesquisa de campo, 195 Apresentação, 196 A - Lista de tecnologias para a energia eólica, 196 B - Lista de tecnologias para a energia solar, 198 C - Lista de tecnologias para a biomassa, 201 D - Lista de tecnologias para PCH, 203 xiv

17 8. Anexo II - Relatório da pesquisa de campo, Apresentação, Procedimentos metodológicos da pesquisa de campo, 2 - Resultados da pesquisa de campo, A - Energia eólica, B - Energia solar, C - Energia biomassa, D - Energia PCH, Relatório de Pesquisa 9. Anexo III - Tabelas de síntese da pesquisa de campo, Introdução, 1 - Banco de dados gerado no estudo, 2 - Tabelas de síntese dos resultados da pesquisa de campo, 10. Anexo IV - Empresas da IBKER segundo áreas e máquinas específicas, 2011, 11. Medidas para a promoção da IBKER no Brasil Quadros de referência e síntese, 12. Referências Bibliográficas, xv

18 Relatório de Pesquisa xvi

19 1. Introdução...

20 Avaliação das Perspectivas de Desenvolvimento Tecnológico para a Indústria de Bens de Capital para Energia Renovável (PDTS-IBKER) No Brasil, embora a matriz energética seja reconhecidamente limpa, dada a preponderância de geração de energia hidráulica, a ampliação da oferta de energia para sustentar o crescimento econômico demanda investimentos elevados, de longo prazo, em hidrelétricas cada vez mais distantes dos centros de consumo, com forte impacto ambiental. A relevância da diversificação da matriz energética brasileira se faz necessária buscando alternativas para aumentar a segurança no abastecimento de energia elétrica, além de permitir a valorização das características e as potencialidades regionais e locais. Um dos grandes desafios para o futuro da humanidade é o da geração de energia. Governos, iniciativa privada, pesquisadores e ambientalistas do mundo inteiro discutem maneiras de ampliar a oferta de energia de forma eficiente e sustentável para acompanhar o crescimento econômico. Em um relatório recente do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP), Tendências Globais de Investimentos em Energias Sustentáveis 2009 (Global Trends in Sustainable Energy Investment), o Brasil foi considerado campeão mundial no uso de energias renováveis, visto que 46% de toda a energia consumida no país são provenientes de fontes limpas, destacando-se a hidroeletricidade e os biocombustíveis. A política energética atual do Brasil, além de prever investimentos para a construção de novas hidrelétricas, busca diversificar a matriz energética incluindo energia nuclear, eólica, fotovoltaica, solar e biomassas. Nessa perspectiva, são grandes os desafios e as oportunidades para a indústria brasileira de bens de capital. 1. Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ) e Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE). Resultado da articulação oriunda entre governo e representantes do setor privado, 1 a agenda de ações da Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) para o setor de bens de capital (BK), apesar das várias medidas já implementadas (na maioria voltada para a desoneração tributária e incentivos fiscais), carece de medidas voltadas para a competitividade com um foco na inovação tecnológica. 2 Com o objetivo de complementar a Agenda da PDP com medidas e metas de caráter tecnológico, a ABDI, ABIMAQ e o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) reuniram-se em São Paulo

21 em meados de 2009 para debaterem as oportunidades de desenvolvimento de ações conjuntas para o setor, tendo como referência inicial as experiências da ABDI no desenvolvimento dos Estudos Prospectivos (EPS) e Agendas Tecnológicas Setoriais (ATS). 2 Entre as ações planejadas, estava o desenvolvimento de uma ATS com foco em energias renováveis. Para a construção dessa ATS com foco em energias renováveis, fazia -se necessário, entretanto, conhecer e avaliar as perspectivas de desenvolvimento tecnológico para a IBKER no curto, médio e longo prazos, de forma a orientar a definição de medidas e instrumentos para promover o aumento da competitividade do setor. Com esse objetivo, propôs-se o projeto de pesquisa Avaliação das Perspectivas de Desenvolvimento Tecnológico para a Indústria de Bens de Capital para Energia Renovável (PDTS-IBKER). Coordenado pelo Grupo de Indústria e Competitividade do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (GIC/IE-UFRJ), com o apoio administrativo da Fundação Universitária José Bonifácio e financiamento da ABDI, o projeto PDTS-IBKER teve como objetivo principal realizar uma avaliação das perspectivas de desenvolvimento tecnológico para a Indústria de Bens de Capital para Energia Renovável, esperadas para o horizonte dos próximos 15 anos, para subsidiar iniciativas posteriores da ABDI visando construir uma agenda tecnológica para essa indústria. Tendo em vista a complexidade da IBKER, decorrente do elevado número de componentes e etapas de processos produtivos envolvidos na fabricação desses bens, foi selecionado para análise o conjunto de equipamentos relacionados à geração e à transmissão de energia elétrica originada das seguintes fontes renováveis: Eólica; Solar e fotovoltaica; e Tradicionais: biomassa e hidráulica (PCH) Metodologia da pesquisa A metodologia utilizada no projeto PDTS-IBKER levou em conta a coleta de dados bibliográficos em bases de dados, livros, periódicos e publicações técnicas, além de dados empíricos obtidos por meio de uma pesquisa de campo e de entrevistas em empresas. 3 As atividades do projeto se organizaram e desenvolveram em três fases: preparação dos estudos, 2. A partir dessa iniciativa, foram realizadas diversas reuniões técnicas de articulação e mobilização entre a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), ABIMAQ, IPDMAQ, ABINEE e IPD Elétron, que resultaram no Acordo de Cooperação nº 005/2010 assinado entre esses partícipes. 3. A metodologia da pesquisa de campo é descrita brevemente neste capítulo introdutório e, em detalhes, no Anexo I. Os resultados do campo são reportados no Capítulo 4 e detalhados no Anexo I. Além da pesquisa de campo, realizaram-se entrevistas em empresas do setor. 31. Introdução

22 Avaliação das Perspectivas de Desenvolvimento Tecnológico para a Indústria de Bens de Capital para Energia Renovável (PDTS-IBKER) 4. A formação de um comitê técnico baseouse na premissa de que a realização dos estudos de prospecção tecnológica terá maiores chances de sucesso se conseguir envolver especialistas que colaboram com suas visões pessoais sobre as tecnologias emergentes e não como representantes de empresas, associações ou órgão de classe. pesquisa de campo, análise das informações e redação de documentos conforme descrição a seguir. Fase 1 Preparação dos estudos Os estudos de prospecção tecnológica têm maiores chances de sucesso quando conseguem envolver especialistas que colaboram com suas visões e experiências como representantes de indústrias, associações empresariais e profissionais, centros de pesquisa e formuladores de políticas. Logo, o projeto PDTS-IBKER contou, na fase de preparação do estudo, com um comitê técnico, 4 formado com as atribuições principais de identificar as tecnologias emergentes na indústria de IBKER e indicar respondentes para participar da pesquisa de campo. O comitê técnico foi formado por sete especialistas com o perfil anteriormente descrito, mesclando visões tanto do lado da indústria produtora dos bens de capital quanto do lado dos produtores de energia e usuários desses equipamentos nas classes selecionadas para o estudo (eólica, biomassas, solar e hidráulica). Sua composição foi a seguinte: Tabela Membros do comitê técnico Especialista Instituição Fonte de energia Electo Eduardo Silva Lora NEST/UNIFEI Biomassa José Tadeu Matheus Wobben Eólica Ricardo Marques Dutra DTE/CRESESB/CEPEL Eólica Geraldo Lucio Tiago Filho CERPCH/UNIFEI PCH Ernani Felippe Beppler ex-voith Siemens PCH Izete Zanesco NT Solar / PUC-RS Solar Arno Krenzinger LES/UFRGS Solar Silvio Carlos Anibal de Almeida Escola Politécnica da UFRJ Biomassa 4 Na fase de preparação da pesquisa, o comitê técnico foi reunido durante a Oficina de Trabalho Inaugural, com o objetivo de discutir com as especificidades da pesquisa e estabelecer os critérios para a identificação e a seleção das tecnologias emergentes para a IBKER. Essa oficina foi realizada em 18/04/2011 nas dependências do COBEI, em São Paulo/SP.

23 A partir dos critérios estabelecidos na oficina, 5 os especialistas do comitê técnico elaboraram quatro listas de tecnologias (uma para cada fonte de energia estudada). Essas listas foram apresentadas, discutidas e validadas durante a 2ª Oficina de Trabalho, realizada em 20/06/2011 nas dependências da ABINEE, em São Paulo/SP. Na ocasião, a coordenação do projeto e demais participantes sugeriram alterações e melhoramentos nas listas, cabendo aos especialistas do comitê técnico implementar as sugestões e reenviar as listas para a coordenação do projeto. Também durante a 2ª Oficina de Trabalho, estabeleceram-se as diretrizes para a elaboração das listas de respondentes a integrar o painel da pesquisa de campo. Fase 2 Pesquisa de campo Com base na lista de tecnologias sugeridas pelo comitê técnico na Fase 1 do projeto, a coordenação desenvolveu a regra de redação dos enunciados sobre as tecnologias a serem investigadas na pesquisa de campo, qual seja: Uso de... (tecnologia emergente)... em... (segmento, componente, princípio, etapa da produção etc.)...visando... (propriedade, desempenho, aperfeiçoamento etc.)... Após a implementação da regra de redação, foram geradas quatro listas de tecnologias, 6 as quais passaram a integrar o questionário da pesquisa de campo. O questionário foi organizado da seguinte forma: as linhas descrevem as tecnologias emergentes listadas pelos membros do comitê técnico e são validadas nas oficinas. As colunas buscam captar as dimensões relevantes para identificar as perspectivas de mudanças tecnológicas, compreendendo as seis questões propostas acerca de cada tecnologia listada. As Tabelas 1.2 e 1.3 apresentam o modelo de questionário e as possibilidades de resposta. O Anexo II deste relatório descreve a metodologia da pesquisa de campo em detalhes. O questionário foi hospedado em uma área do site do projeto (www. ie.ufrj.br/ibker) e ficou disponível para os respondentes por meio de login e senha pessoal. No total, foram elaborados e disponibilizados quatro questionários, um para cada fonte de energia. 5. Quais sejam: tecnologias relacionadas à produção na IBKER e tecnologias relacionadas especificamente aos bens de capital para energias renováveis, em estágios de comercialização, pré-comercialização, desenvolvimento e pesquisa. 6. As listas de tecnologias emergentes e a segmentação tecnológica das mesmas nas cadeias produtivas das fontes energéticas são partes integrantes do Produto 3 do projeto. 51. Introdução

24 Avaliação das Perspectivas de Desenvolvimento Tecnológico para a Indústria de Bens de Capital para Energia Renovável (PDTS-IBKER) 6 Tabela Modelo de cabeçalho do questionário Difusão esperada do tópico no Brasil Tecnologias emergentes Potencial para produção no Brasil Viabilidade do uso comercial no mundo até Factibili dade Conhecimento do respondente sobre o tópico - Em 15 anos Em cinco anos Descrição: Tecnolo gia: uso (campo de aplicação), características Nula ou baixa Média Alta Nula ou baixa Média Alta Nula ou baixa Média Alta Nula ou baixa Média Alta Factível Não factível Não conhece Conhece superficialmente Conhece evoluções recentes Monitora pesquisas Realiza pesquisas Nula ou baixa Média Alta Nula ou baixa Média Alta Nula ou baixa Média Alta Nula ou baixa Média Alta Não conhece Conhece superficialmente Conhece evoluções recentes Monitora pesquisas Realiza pesquisas n...

25 Questões Tabela 1.3 Questões e possibilidades de respostas Conhecimento do respondente sobre o tópico/tecnologia Factibilidade técnica Viabilidade do uso comercial no mundo até 2025 Difusão esperada da tecnologia no Brasil em 5 anos Difusão esperada da tecnologia no Brasil em 15 anos Potencial para a produção no Brasil até 2025 Possibilidades de respostas Não conhece Conhece superficialmente Conhece evoluções recentes Monitora pesquisas realizadas Realiza pesquisa Factível Não factível Nula ou baixa Média Alta Nula ou baixa Média Alta Nula ou baixa Média Alta Nula ou baixa Média Alta 71. Introdução

26 Avaliação das Perspectivas de Desenvolvimento Tecnológico para a Indústria de Bens de Capital para Energia Renovável (PDTS-IBKER) 7. Um mesmo especialista tinha a opção de opinar sobre mais de uma fonte de energia. Nesse caso, esse especialista responderia mais de um questionário. 8. Também apresentadas de forma detalhada no Anexo II. Nessa fase, o questionário foi aplicado a um painel de respondentes formado por especialistas indicados pelos membros do comitê técnico. Adicionalmente às indicações do comitê, a coordenação do estudo realizou um levantamento de representantes da indústria de bens de capital para energia, bem como de núcleos de pesquisa e acadêmicos, com o intuito de montar uma amostra representativa da indústria de bens de capital para energia, de seus fornecedores, clientes e acadêmicos que desenvolvem pesquisas sobre o tema. Esse painel de respondentes especialistas foi convidado a participar da pesquisa de campo do projeto, através do envio de uma carta-convite especifica. O painel subdividiu-se em quatro grupos de respondentes, um para cada fonte de energia, que opinaram em relação às tecnologias investigadas para a IBKER nas diferentes fontes. 7 A aplicação dos questionários da pesquisa de campo do projeto proporcionou a elaboração de um banco de dados em Excel, composto de dez colunas e (oito mil setecentos e setenta e nove) linhas, com o intuito de facilitar o acesso às informações agregadas obtidas na pesquisa. Fase 3 Análise das informações e redação de documentos A partir do banco de dados gerado com os resultados da pesquisa de campo, elaborou-se um conjunto de quatro tabelas (uma para cada fonte de energia), que sistematizam as respostas obtidas durante a pesquisa de campo, 8 ou seja, a avaliação do painel de respondestes para cada uma das tecnologias emergentes investigadas. Posteriormente, os resultados obtidos na pesquisa de campo foram processados de acordo com a metodologia descrita na Figura 1.1. Este procedimento permitiu identificar as tecnologias relevantes para a IBKER nas diferentes fontes de energia. Os conceitos adotados são resumidos abaixo: 8 Tecnologias emergentes: novos produtos, novos usos de produtos já existentes, novos processos produtivos ou novos materiais e componentes em fase pré-comercial, de desenvolvimento ou pesquisa exploratória em um horizonte de 15 anos.

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda Tecnológica Setorial ATS 18 de junho de 2013 Sumário PBM e CIS Objetivo da ATS Focos das ATS Roteiro Metodologia para Seleção

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

BNDES e a Eficiência Energética

BNDES e a Eficiência Energética BNDES e a Eficiência Energética Maio de 2015 Alexandre Siciliano Esposito Gerente de Estudos Setoriais Departamentos de Energia Elétrica e Energia Alternativa Área de Infraestrutura Líderes Mundiais em

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ANEXO 1 AO TERMO DE ADESÃO E RESPONSABILIDADE

ANEXO 1 AO TERMO DE ADESÃO E RESPONSABILIDADE ANEXO 1 AO TERMO DE ADESÃO E RESPONSABILIDADE Metodologia para Credenciamento e Apuração de Conteúdo Local de Equipamentos Fotovoltaicos no Credenciamento de Fabricantes Informatizado CFI do BNDES ETAPAS

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Segundo Fórum Canal Energia/COGEN - Julho de 2013 - Potencial da Energia Solar Fonte: SOLARWORLD 2 Perspectivas da Energia Solar Fonte: The German

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE

Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE Relatório de Pesquisa de monitoramento de resultados de ações conjuntas ABDI -ANVISA SEBRAE Dezembro -2012 2012 - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial - ABDI Relatório de Pesquisa de monitoramento

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos

Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos Tito Livio M. Cardoso tito.livio@decisoescertas.com.br www.decisoescertas.com.br

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Parte 1 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico Recomendações tecnológicas Parte 2 Proposta da ABM para ampliar sua participação

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE NOVAS TECNOLOGIAS, PELO BRASIL, PARA VIABILIZAR A EXPLORAÇÃO DE TERRAS-RARAS

DESENVOLVIMENTO DE NOVAS TECNOLOGIAS, PELO BRASIL, PARA VIABILIZAR A EXPLORAÇÃO DE TERRAS-RARAS Audiência Pública, 25/abril/2012 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal DESENVOLVIMENTO DE NOVAS TECNOLOGIAS, PELO BRASIL, PARA VIABILIZAR A EXPLORAÇÃO DE TERRAS-RARAS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI. Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho

Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI. Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho 1 1 A CPFL A CPFL é o maior grupo no setor de energia elétrica e tem

Leia mais

PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE. www.cresesb.cepel.br. Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008

PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE. www.cresesb.cepel.br. Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008 PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008 www.cresesb.cepel.br Hamilton Moss de Souza Célia Regina S. H. Lourenço Sérgio

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa Prof. Augusto C. Pavão Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa O problema energético global. Aproveitamento das energias solar, eólica, hidráulica e da biomassa. Energia solar e as

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA.

ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA. ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA. 1 Quase todas as fontes de energia hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia dos oceanos são formas indiretas de energia solar.

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP INOVA ENERGIA Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP Elementos de Articulação INOVA ENERGIA: Elementos da Proposta Fontes de Recursos Linhas Temáticas Subvenção, Crédito

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Energia Solar) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Energia

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 96/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de Energias

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas Seminário Internacional sobre Finanças Climáticas São Paulo, 26 de fevereiro de 2015 Estrutura da Apresentação 1 O Fundo Clima 2 Ferramenta

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE PETROBRAS - REGAP Contagem 19 de outubro de 2011 Iniciativas de Qualificação - PROMINP PROMINP O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Seja dono. da sua ENERGIA

Seja dono. da sua ENERGIA Seja dono AV Afonso Vaz De melo 677 Sala 301 CEP: 30.640-070 Belo Horizonte (MG) Tel. +55 31 3689-7452 info@solarfast.it www.solarfast.it da sua ENERGIA Energia solar Fontes renováveis, economia de energia,

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento

Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Otimização técnico-econômica de sistemas fotovoltaicos com baterias para armazenamento Aluno: Maria Samara Nascimento Amorim Orientador: Álvaro de Lima Veiga Filho 1. Introdução Geral Energia fotovoltaica

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

ELETRICIDADE SOLAR APOIO INSTITUCIONAL SOBRE O INSTITUTO IDEAL CARTILHA EDUCATIVA

ELETRICIDADE SOLAR APOIO INSTITUCIONAL SOBRE O INSTITUTO IDEAL CARTILHA EDUCATIVA APOIO INSTITUCIONAL ELETRICIDADE SOLAR ISES International Solar Energy Society SOBRE O INSTITUTO IDEAL Criado em 2007, o Instituto Ideal tem o propósito de incentivar junto a governantes, parlamentares,

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

Hidrogénio como Combustível

Hidrogénio como Combustível Hidrogénio como Combustível Professor Aníbal Traça de Almeida Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra 06/04/2005 Hidrogénio O hidrogénio é um portador de energia sintético É o elemento

Leia mais

Avaliação do mercado potencial para micro e minigeradores. Roberto Barbieri Assessor da área de GTD. www.abinee.org.br

Avaliação do mercado potencial para micro e minigeradores. Roberto Barbieri Assessor da área de GTD. www.abinee.org.br Avaliação do mercado potencial para micro e minigeradores Roberto Barbieri Assessor da área de GTD www.abinee.org.br Entidade representativa do setor eletroeletrônico do Brasil, fundada em setembro de

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Energia e T r e mosolar mosolar A Potência da Nova Matriz Energética Mundial Mundial

Energia e T r e mosolar mosolar A Potência da Nova Matriz Energética Mundial Mundial Energia Termosolar A Potência da Nova Matriz Energética Mundial Termosolar Única Matriz 100% Limpa 100% Abundante 100% Renovável Agora, uma Matriz 100% Competitiva Energia Termosolar O mundo a está adotando

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL 1 Biodiesel Estratégias: Ampliação de Acesso (inserção social e redução das disparidades regionais) Objetivos:

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

Energia Solar Térmica. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Energia Solar Térmica. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Energia Solar Térmica Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Componentes de Sistemas Solares Térmicos Energia Solar Térmica - 2014

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

Logística reversa e PNRS

Logística reversa e PNRS Videoconferência Logística reversa e PNRS Cristiane de S. Soares Assessora especial da CNC Julho, 2015 Rio de Janeiro RJ Política Nacional de Resíduos Sólidos Instrumento que institui a Responsabilidade

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

SOLAR EXPO CAPTAÇÃO SOLAR NA ORDEM DO DIA

SOLAR EXPO CAPTAÇÃO SOLAR NA ORDEM DO DIA EXPO SOLAR Feira Internacional de Tecnologia Solar CAPTAÇÃO SOLAR NA ORDEM DO DIA Pesquisas indicam que em 20 anos o mundo vai consumir 50% mais energia do que é consumido atualmente. O mesmo percentual

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS Introdução a Engenharia Professores: Márcio Zamboti Fortes e Vitor Hugo Ferreira (UFF) Bruno Henriques Dias e Flávio Gomes (UFJF)

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA. Como agilizar a tomada de decisão na sua empresa com resultados

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA. Como agilizar a tomada de decisão na sua empresa com resultados INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Como agilizar a tomada de decisão na sua empresa com resultados 22/07/2014 Agenda A diferença entre as Inteligências Empresarial e Competitiva (de Mercado) O que não é Inteligência

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 11.097, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 214, de 2004 Dispõe sobre a introdução do biodiesel

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara, uma nova geração em energia. Uma empresa de eficiência energética que presta serviços especializados de manutenção em plantas de geração

Leia mais

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN Proponente: Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária - FAPEU Executor: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Financiamento: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP Coordenação:

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO

DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO Whelton Brito dos SANTOS 1, Carlos Antônio Pereira de LIMA 2 1 Aluno do Curso de Eng. Sanitária e Ambiental, Departamento

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Política e Prioridades Brasileiras para Recursos Minerais Desenvolvimento Tecnológico e Inovação

Política e Prioridades Brasileiras para Recursos Minerais Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Workshop: Oportunidades de Desenvolvimento e Inovação em Mineração e Metais Política e Prioridades Brasileiras para Recursos Minerais Desenvolvimento Tecnológico e Inovação SECRETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO

Leia mais

Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s

Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s PCH 2009:Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Abril de 2009 Histórico da

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais