Processo Administrativo Digital

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo Administrativo Digital"

Transcrição

1 Processo Administrativo Digital Publicado 05/12/ h38, última modificação 10/12/ h INTRODUÇÃO O sistema e-processo possibilita a utilização de dois tipos de procedimentos administrativos: o processo digital ou o dossiê digital de atendimento (DDA) (IN RFB nº 1.412, de 22 de novembro de 2013, art. 1º, único, incisos I e II). O processo digital deve ser previamente cadastrado no Sistema Integrado de Informações Econômico Fiscais - SIEF antes de sua utilização no sistema e-processo. Ao passo que o DDA deve ser cadastrado diretamente no sistema e-processo com menos formalidades (porque possui menor quantidade de campos a serem preenchidos), sendo, portanto, mais célere. A formalização de requerimentos de habilitação ou de aplicação do regime de admissão temporária em Repetro deverá ser efetuada mediante DDA nos termos previstos no artigo 4º da IN RFB nº 1.412, de 2013 (IN RFB nº 1.415, de 2013, arts. 5º e 16). Do mesmo modo, a recepção de formulários, comunicados, requerimentos, recursos ou de outros documentos previstos na IN RFB nº 1.415, de 2013, deverá guardar conformidade com os procedimentos previstos na IN RFB nº 1.412, de Logo,fica vedado o recebimento em papel de pedidos de concessão, prorrogação, extinção, procedimentos simplificados, validação de sistema informatizado, etc. (IN RFB nº 1.412, de 2013, arts. 5º e 16; ADECoaef nº 1, de 2014, art. 1º, inciso I).

2 Para efeito do disposto na IN RFB nº 1.415, de 2013, não existe uma diferenciação, em termos jurídico-processuais, entre o processo digital e o DDA. A referida Instrução Normativa define que a instrução processual, a análise dos pedidos e o acompanhamento do regime devem ser realizados por meio do DDA (IN RFB nº 1.415, de 2013, art. 5º; art. 8º, 2º e 3º; art. 15, único; art. 16; art. 17, 1º; art. 18, caput; art. 24, 1º; art. 28, 1º; art. 29, 1º; e art. 35, 1º). Por conseguinte, o DDA é também considerado processo administrativo, portanto, para controle e acompanhamento do regime, os processos digitais já formalizados no sistema e-processo não deverão ser convertidos em DDA e vice-versa. A entrega de documentos por meio exclusivamente digital permitirá consulta à distância e em tempo real aos documentos e atos praticados no processo, tanto por parte da RFB, quanto por parte do interessado. Permite também a ciência eletrônica pelo interessado. Além disso, os documentos enviados digitalmente pelo interessado possibilitam sua disponibilização imediata à autoridade aduaneira responsável, permitindo assim uma redução do tempo de análise processual. Outrossim, o processo administrativo cadastrado no e-processo permite a visualização e, quando for o caso, a intervenção por unidade da RFB diversa daquela que concedeu o regime. Isso pode ocorrer, por exemplo, quando houver necessidade de se constatar a adequada utilização do bem na finalidade da admissão ou de se providenciar a extinção do regime. Contudo, para utilização das funcionalidades digitais do sistema e-processo, o interessado deverá aderir previamente ao Domicílio Tributário Eletrônico (DTE). Nota: O DDA não permite a apensação a outro DDA, logo, sempre que houver a necessidade de apensação deprocessos administrativos (DDA a outro DDA), a unidade da RFB deverá selecionar a funcionalidade vinculação para os dois DDAs e, em seguida, providenciar o arquivamento provisório do DDA secundário.

3 2 HABILITAÇÃO AO DOMICÍLIO TRIBUTÁRIO ELETRÔNICO (DTE) A adesão ao DTE permite que a Caixa Postal do contribuinte no Portal e-cac também seja considerada seu Domicílio Tributário perante a Receita Federal do Brasil, possibilitando um melhor acompanhamento de seus processos administrativos. Ao aderir ao DTE, o interessado terá várias vantagens: 1) Segurança e agilidade para tomar conhecimento dos comunicados: o contribuinte poderá cadastrar até três números de celulares para receber alerta de novo comunicado na Caixa Postal. Os números de celulares poderão ser alterados pelo contribuinte a qualquer momento. Para facilitar a identificação do contribuinte e origem da mensagem, o contribuinte cria uma palavra-chave que será sempre informada no início da mensagem; 2) Garantia quanto ao sigilo fiscal e total segurança contra o extravio de informações; 3) Acesso, na íntegra, por meio do Portal e-cac a todos os processos digitais existentes em nome do contribuinte, em tramitação na Receita Federal do Brasil, na Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais. No Portal e-cac, após opção pelo DTE, é possível o download de seus processos digitais na íntegra ou apenas de documentos do processo, conforme sua conveniência; 4) Adicionar documentos aos seus processos digitais, por livre iniciativa ou em atendimento à intimação por meio do e-cac, sem a necessidade de comparecer presencialmente na RFB. Para aderir ao DTE, o contribuinte precisa ter a certificação digital e fazer a opção no Portal e-cac -> Serviços emdestaque -> Opção pelo Domicílio Tributário Eletrônico.

4 Após aderir ao DTE, ficam disponíveis no Portal e-cac as opções de cancelamento da adesão e cadastramento/alteração de celulares. Estas e outras informações podem ser obtidas na página da Receita Federal na Internet: No Centro de Atendimento Virtual e-cac, na Internet da RFB, está disponível o serviço de delegação de procurações eletrônicas digitais por processo digital, permitindo ao outorgante indicar os processos digitais que deseja outorgar ao seu procurador. Caso o outorgante não selecione nenhum processo, o procurador constituído terá acesso a todos os processos digitais disponíveis. 3 SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE DOSSIÊ DIGITAL DE ATENDIMENTO O interessado, ou seu procurador legalmente constituído, poderá solicitar a abertura de DDA em qualquer unidades deatendimento da RFB, mediante apresentação do formulário eletrônico Solicitação de Dossiê Digital de Atendimento (Sodea), disponível no sítio da RFB, na Internet (IN RFB nº 1.412, de 2013, art. 4º). Nota: A Sodea deve ser formalizada em unidades de atendimento da RFB (Centro de Atendimento ao Contribuinte - CAC ou agência da RFB) e não nos setores de protocolo ou aduaneiros das unidades da RFB. A Sodea deverá ser entregue em meio digital, em dispositivo móvel de armazenamento, no formato Portable Document Format (PDF), e (IN RFB nº 1.412, de 2013, arts. 4º, 1º): 1) assinada eletronicamente, com emprego de assinatura digital válida, pelo interessado ou por seu procurador constituído mediante Procuração para o Portal e-cac, com opção processos digitais ; ou

5 2) digitalizada, depois de preenchida, impressa e assinada manualmente pelo interessado ou por seu procurador legalmente constituído. Na hipótese de assinatura manual da Sodea por procurador, deverá ser apresentado, junto com o dispositivo móvel dearmazenamento (IN RFB nº 1.412, de 2013, art. 4º, 2º): 1) documento original que comprove a assinatura do signatário; 2) documentos que comprovem a outorga de poderes; e 3) documentos que permitam as corretas identificação e qualificação de outorgantes e outorgados. O DDA formalizado a pedido do interessado ficará disponível por 30 (trinta) dias para a solicitação de juntada da documentação. Decorrido esse prazo sem a juntada da documentação exigida, o dossiê será arquivado e não será possível a sua reativação (IN RFB nº 1.412, de 2013, art. 7º). Após a formação do DDA, o atendente movimentará o referido processo administrativo para a unidade da RFB indicada pelo interessado no Sodea. 4 - SOLICITAÇÃO DE JUNTADA DE DOCUMENTOS A DOSSIÊ DIGITAL DE ATENDIMENTO A apresentação da Sodea não implica o requerimento do serviço pretendido pelo interessado, considerando-se requerido somente na data em que o interessado solicitar a juntada dos documentos que instruem seu pedido (IN RFB nº 1.412, de 2013, art. 6º). Os formulários, comunicados, requerimentos, recursos ou outros documentos para os serviços aduaneiros pretendidos, deverão obrigatoriamente ser entregues em meio digital (IN RFB nº 1.412, de 2013, art. 2º):

6 1) à distância, mediante a utilização do Programa Gerador de Solicitação de Juntada de Documentos (PGS); ou 2) presencialmente, em unidade de atendimento da RFB. Nota: A entrega de arquivos digitais de maneira presencial, quando for essa a opção, deve ser realizada em unidadesde atendimento da RFB (CAC ou agência da RFB) e não nos setores de protocolo ou aduaneiros das unidades da RFB. A solicitação de juntada de documentos digitais ocorrerá mediante transmissão de arquivo por meio do PGS disponível no sítio da RFB, na Internet, por interessado que esteja com a opção de DTE ativa, mediante uso de assinatura digital válida (IN RFB nº 1.412, de 2013, art. 3º). Somente o interessado, em nome de quem houver sido formado o processo digital ou o DDA, ou o seu procurador habilitado mediante Procuração para o Portal e-cac, com opção processos digitais, poderá solicitar a juntada dedocumentos por meio do PGS (IN RFB nº 1.412, de 2013, art. 3º, 3º). 5 - PROCEDIMENTOS PARA A ENTREGA DE DOCUMENTOS DIGITAIS A seguir estão apresentados, em ordem cronológica e de forma simplificada, os procedimentos para entrega dedocumentos na RFB, em formato digital, para juntada a processo digital ou a DDA: 1) O interessado deverá preencher a Solicitação de Dossiê Digital de Atendimento Sodea, disponível no sítio da Receita Federal, na Internet; 2) O interessado dirigir-se-á a uma unidade de atendimento da Receita Federal para solicitar a formação de dossiê digital de atendimento. A Sodea deverá ser entregue em meio digital, em dispositivo móvel de armazenamento, gravado em arquivo único, no formato PDF.

7 Observação: A Sodea é apenas uma solicitação de formação de dossiê de atendimento e não substitui o requerimento. 3) O atendente deverá formalizar o DDA, no e-processo, informando o respectivo número ao interessado, para que ele possa fazer a instrução do dossiê. 4) Formalizado o dossiê, o interessado terá o prazo de 30 (trinta) dias para solicitar a juntada da documentação exigida, composta pelo requerimento de serviço, pela documentação relativa à outorga de poderes e pela documentação necessária para análise e conclusão do serviço. Ultrapassado esse prazo, sem que tenha havido a solicitação de juntada dos documentos, o dossiê será arquivado, sem possibilidade de reativação. O serviço será considerado requerido na data da solicitação de juntada do requerimento de serviço. 5) A juntada de documentos pode ser solicitada: a) por meio do Programa Gerador de Solicitação de Juntada de Documentos PGS, disponível para download no sítio da Receita Federal na Internet, em Downloads ou Programas para a sua empresa. Neste caso, não há necessidade de o contribuinte comparecer à Receita Federal, pois a solicitação de juntada da documentação será enviada ao dossiê digital, diretamente pelo sistema e-processo; ou b) em qualquer unidade de atendimento da Receita Federal, onde o contribuinte apresentará os arquivos digitais validados e autenticados, pelo Sistema de Validação e Autenticação de Arquivos Digitais SVA, disponível no sítio da Receita Federal, em Downloads ou Programas para a sua empresa. Os arquivos digitais deverão estar acompanhados do Recibo de entrega de arquivos digitais Read gerado pelo SVA, assinado e digitalizado. A unidade de atendimento fará a recepção dos arquivos digitais e a sua juntada no dossiê digital.

8 6) A documentação deverá ser apresentada em arquivos magnéticos distintos e estar armazenada em Pen Drive, CD ou DVD. 7) Com a solicitação de juntada do requerimento de serviços, o dossiê de atendimento já poderá ser encaminhado, diretamente no e-processo, para a unidade que analisará o pleito formulado. 6 - PROCESSO ADMINISTRATIVO EM PAPEL Não é mais admitida a abertura de processos administrativos em papel. Da mesma forma, em razão da nova sistemática de utilização de DDA, não será mais possível a prorrogação, a apensação de DDA de bem acessório ou a utilização de procedimentos simplificados em processos que se encontram em papel. Além disso, não será mais admitida a manutenção de processos administrativos de admissão temporária em papel pelas unidades da RFB, sob pena de inviabilizar a correta utilização do Repetro. 7 - APLICATIVO e-assinarfb O e-assinarfb é uma solução que permite a realização de assinatura digital, o armazenamento de documentos emitidos pela RFB e permite que qualquer pessoa que tenha o documento em mãos, em formato digital ou impresso, possa checar sua validade de forma on-line. O e-assinarfb permite também ao destinatário a autenticação do documento recebido tanto em meio papel quanto em meio digital. Esta ferramenta será utilizada pelos servidores da Secretaria da Receita Federal do Brasil para assinatura de quaisquer documentos. Ela também poderá ser utilizada por destinatários externos, seja para simples visualização

9 (validação), ou mesmo para assinatura de documentos (via e-cac, com acesso via certificado digital) caso tenha sido solicitada pelo(s) remetente. A aplicação web do e-assinarrfb é bastante intuitiva, necessitando apenas que o usuário saiba diferenciar as formas depublicação e os tipos de documentos. Em resumo, o e-assinarfb permite validar autenticidade e integridade de documento digital emitido com código devalidação pela RFB. Para isso, uma cópia exata do documento que foi emitido pelo remetente é guardada para que odestinatário tenha a certeza da sua integridade quando do recebimento. Alguns documentos para serem validados precisam da identificação do usuário através do e-assinarfb que é um aplicativo que tem por objetivo realizar a assinatura digital de documentos digitais, para trânsito e pós-validação de documentos. Para validar uma assinatura, o usuário deve acessar o link "Assinadoc- Validador de Assinaturas". Para maiores informações sobre o e-assinarfb, leia o Manual do e- AssinaRFB. 8 - OUTRAS DISPOSIÇÕES Não poderá ser aceita a apresentação de formulários, comunicados, requerimentos, recursos ou outros documentos para instrução de habilitação ou aplicação da admissão temporária em Repetro em desacordo com o presente tópico (IN RFB nº 1.412, de 2013, art. 4º, 1º e 2º; art. 5º, 2º; art. 9º, 1º a 7º; arts. 10 a 14; IN RFB nº 1.415, de 2013, art. 5º; art. 16; e art. 32, único). Deste modo, não será conhecido o pedido apresentado: 1) diretamente aos setores aduaneiros ou às equipes de protocolo, das delegacias, inspetorias ou alfândegas da RFB; ou

10 2) por via postal, devido à impossibilidade de assinatura eletrônica em documento em papel e da obrigatoriedadede apresentação de documentos em formato PDF, conforme padrão ISO :2012 (PDF/A - versões PDF 1.4 ou superior). Para outras informações sobre os procedimentos relativos à recepção de documentos em formato digital e à criação dedossiê digital de atendimento, vide a Norma de Execução Coaef nº 1, de 24 de janeiro de LEGISLAÇÃO IN RFB nº 1.361, de 2013 IN RFB nº 1.412, de 2013 IN RFB nº 1.415, de 2013 ADE Coaef nº 1, de 2014 Norma de Execução Coaef nº 1, de 2014

ENTREGA DE DOCUMENTOS DIGITAIS PARA A RECEITA FEDERAL

ENTREGA DE DOCUMENTOS DIGITAIS PARA A RECEITA FEDERAL ENTREGA DE DOCUMENTOS DIGITAIS PARA A RECEITA FEDERAL ENTREGA DE DOCUMENTOS DIGITAIS Localização do serviço na página da RFB (I) ENTREGA DE DOCUMENTOS DIGITAIS Localização do serviço na página da RFB (II)

Leia mais

ROTEIRO DE REQUERIMENTO COM E-PROCESSO 1- PREPARAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO E DO(S) ARQUIVO(S)

ROTEIRO DE REQUERIMENTO COM E-PROCESSO 1- PREPARAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO E DO(S) ARQUIVO(S) ROTEIRO DE REQUERIMENTO COM E-PROCESSO Este roteiro orienta a como preparar os documentos para formalização de eprocessos na IRF/SP. Os pedidos que devem ser preparados desta maneira são: Habilitações

Leia mais

ROTEIRO DE REQUERIMENTO COM E-PROCESSO (NA IRF/SPO A PARTIR DE 02/05/2011)

ROTEIRO DE REQUERIMENTO COM E-PROCESSO (NA IRF/SPO A PARTIR DE 02/05/2011) ROTEIRO DE REQUERIMENTO COM E-PROCESSO (NA IRF/SPO A PARTIR DE 02/05/2011) Este roteiro orienta a como preparar os documentos referentes à IN SRF 650/2006 e à IN RFB 1098/2010, na IRF/SP, de acordo com

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE 2015 PROCESSO DE BAIXA Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte - e-cac) 1 Como visto anteriormente sobre o processo de baixa de empresa, o procedimento inicial diante

Leia mais

Malha Fiscal PF. Uma visão geral do imposto, da malha e do sistema e-defesa.

Malha Fiscal PF. Uma visão geral do imposto, da malha e do sistema e-defesa. Malha Fiscal PF Uma visão geral do imposto, da malha e do sistema e-defesa. IRPF O imposto sobre a renda da pessoa física é uma das fontes de receita do Estado para custear as despesas públicas gerais.

Leia mais

ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais

ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais O que fazer para: ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais 1 - Acessar o Portal ITR Municípios Conveniados. 1.1 O Portal ITR está disponível exclusivamente para Municípios Conveniados, no e-cac,

Leia mais

ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais

ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais O que fazer para: ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais 1 - Acessar o Portal ITR Municípios Conveniados. 1.1 O Portal ITR está disponível exclusivamente para Municípios Conveniados, no e-cac,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Seção I Da Criação, da Captura e da Digitalização de Documentos Art.

Leia mais

Manual Simplificado do e-processo no Portal. Consulta de Processos e Entrega de Documentos Digitais

Manual Simplificado do e-processo no Portal. Consulta de Processos e Entrega de Documentos Digitais Manual Simplificado do e-processo no Portal Consulta de Processos e Entrega de Documentos Digitais Setembro - 2014 Sumário Conceitos Básicos utilizados pelo Sistema e-processo... 3 O que é e-processo?...

Leia mais

PORTARIANº 032/2015-DF

PORTARIANº 032/2015-DF PORTARIANº 032/2015-DF O Doutor ARISTEU DIAS BATISTA VILELLA, Juiz de Direito e Diretor do Foro da, no uso de suas atribuições legais, com fundamento nos artigos 52, inciso XV, da Lei nº 4.964, de 26 de

Leia mais

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério das Comunicações. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das

Leia mais

INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM SÃO PAULO RECEPÇÃO DE DOCUMENTOS E PROTOCOLIZAÇÃO DE PROCESSOS

INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM SÃO PAULO RECEPÇÃO DE DOCUMENTOS E PROTOCOLIZAÇÃO DE PROCESSOS INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM SÃO PAULO Ordem de Serviço nº 05, de 08.04.11 DOU-1, de 15.04.11. Dispõe sobre a entrega e o trâmite de documentos relativos aos procedimentos previstos na IN

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Fazenda Receita Estadual MANUAL DO DTE

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Fazenda Receita Estadual MANUAL DO DTE MANUAL DO DTE Domicílio Tributário Eletrônico Sumário 1. Apresentação... 3 2. Credenciamento... 3 3. Legislação... 3 4. Informações Gerais... 3 5. Cientificação... 3 6. Logins e formas de acesso à caixa

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL BASE LEGAL Portaria nº 83, de 18 de março de 2010 (atualizada até a Portaria nº 310, de 26 de setembro de 2013)

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CERTIFICAÇÃO DIGITAL MANUAL PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DIGITAL P.J.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CERTIFICAÇÃO DIGITAL MANUAL PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DIGITAL P.J. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CERTIFICAÇÃO DIGITAL MANUAL PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DIGITAL P.J. Solicitação Emissão Download da cadeia de certificação CAIXA Instalação do gerenciador Maio/2009 ÍNDICE 1 Solicitação...

Leia mais

Lei nº 17.079 (DOE 8636 - Data 23 de janeiro de 2012) A Assembleia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei:

Lei nº 17.079 (DOE 8636 - Data 23 de janeiro de 2012) A Assembleia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Lei nº 17.079 (DOE 8636 - Data 23 de janeiro de 2012) Dispõe sobre a informatização dos processos administrativos de qualquer natureza, no âmbito da Secretaria de Estado da Fazenda. A Assembleia Legislativa

Leia mais

PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA ADUANA EM NOVO HAMBURGO RECEITA FEDERAL

PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA ADUANA EM NOVO HAMBURGO RECEITA FEDERAL PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA ADUANA EM NOVO HAMBURGO RECEITA FEDERAL OBJETIVO Incluir as atividades aduaneiras nas inovações implementadas pela Receita Federal, bem como agilizar e facilitar os trâmites

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL PORTARIA CONJUNTA PGFN/RFB Nº 15, DE 22 DE AGOSTO DE 2014. Regulamenta o art. 33 da Medida Provisória

Leia mais

PORTARIA Nº 615, DE 28 DE AGOSTO DE 2012 - DOU de 30/08/2012

PORTARIA Nº 615, DE 28 DE AGOSTO DE 2012 - DOU de 30/08/2012 PORTARIA Nº 615, DE 28 DE AGOSTO DE 2012 - DOU de 30/08/2012 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIAS REGIONAIS 7ª REGIÃO FISCAL A SUPERINTENDENTE REGIONAL DA RECEITA

Leia mais

O QUE É DOCUMENTO PARA O SIGA

O QUE É DOCUMENTO PARA O SIGA APRESENTAÇÃO O SIGA - Sistema Integrado de Gestão Administrativa é o sistema oficial de gestão documental do Poder Judiciário baiano que permite a criação, transferência, assinatura e demais atos de tramitação

Leia mais

NFS-e. Nota Legal Porto Alegre

NFS-e. Nota Legal Porto Alegre NFS-e Nota Legal Porto Alegre APRESENTAÇÃO DA NFS-e A Nota Fiscal de Serviços Eletrônica é um documento digital, gerado e armazenado eletronicamente pela prefeitura e que substitui as tradicionais notas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRIPÁ ESTADO DA BAHIA C.N.P.J. 13.694.658/0001-92

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRIPÁ ESTADO DA BAHIA C.N.P.J. 13.694.658/0001-92 Decreto n 015/2015 Piripá, 19 de maio de 2015. Regulamenta o gerenciamento da Nota Fiscal Eletrônica de Serviços - NFS-e Sped, sua escrituração, a emissão de guia de recolhimento do Imposto sobre Serviços

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA 1. Comprei mercadoria com NF-e denegada. Qual o procedimento para regularizar essa situação? Resposta: Preliminarmente, temos que esclarecer o que é uma NF-e Denegada:, A Denegação

Leia mais

Comprei mercadoria com NF-e denegada. E agora?

Comprei mercadoria com NF-e denegada. E agora? Comprei mercadoria com NF-e denegada. E agora? Tomei conhecimento de um caso bastante comum sobre a Nota Fiscal Eletrônica. Um contador amigo enviou-me seguinte pergunta: Meu cliente recebeu uma mercadoria

Leia mais

Como utilizar os serviços do portal Agênci@net

Como utilizar os serviços do portal Agênci@net Como utilizar os serviços do portal Agênci@net Clique nos serviços que deseja obter informações: Serviços disponíveis na área pública Solicitação de Inscrição no Cadastro do Distrito Federal Impressão

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito Federal e o

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA JUCESP Nº 06, DE 11 DE MARÇO DE 2013 Disciplina a integração do serviço público de registro empresarial ao processo do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO

Leia mais

VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO:

VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO: VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO: No sítio da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br), acesse o Portal e-cac, usando Certificado Digital

Leia mais

Introdução. Benefícios para todos

Introdução. Benefícios para todos Introdução Esta cartilha tem a finalidade de guiar as empresas na implantação da Nota Fiscal Eletrônica e demonstrar as facilidades e vantagens do sistema para o contribuinte e para a sociedade A Nota

Leia mais

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e?

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? 1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

5ª Delegacia Regional da Receita Guarapuava PR ALTAIR BATISTA DE SOUZA JOSÉ CLODOALDO MUNHOZ

5ª Delegacia Regional da Receita Guarapuava PR ALTAIR BATISTA DE SOUZA JOSÉ CLODOALDO MUNHOZ 5ª Delegacia Regional da Receita Guarapuava PR ALTAIR BATISTA DE SOUZA JOSÉ CLODOALDO MUNHOZ 1. O QUE É NF-e? 2. OBJETIVO DA NF-e 3. LEGISLAÇÃO 4. CONTRIBUINTES OBRIGATÓRIOS 5. ADESÃO VOLUNTÁRIA 6. NECESSIDADES

Leia mais

e-assina Assinatura Digital de Documentos

e-assina Assinatura Digital de Documentos e-assina Assinatura Digital de Documentos Instruções de uso do e-assina O e-assinarfb é uma solução para assinatura digital de documentos, que garante integridade, autenticidade e não-repúdio da origem

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

Certidão Online Manual do Usuário

Certidão Online Manual do Usuário JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Certidão Online Manual do Usuário Versão 3.1 Lista de Tópicos - Navegação Rápida CADASTRANDO O USUÁRIO... 3 ACESSANDO O SISTEMA... 5 CERTIDAO SIMPLIFICADA NADA

Leia mais

Capítulo II. Da Adesão. Capítulo III

Capítulo II. Da Adesão. Capítulo III Decreto do Estado do Amazonas nº 33.405 de 16.04.2013 DOE-AM: 16.04.2013 Disciplina a emissão da Nota Fiscal Eletrônica a Consumidor Final, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS,

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014 PUBLICADO NO D.O.E. Nº 26.912 DE 13.02.2014. Regulamenta a Lei nº 7.650, de 31 de maio de 2013, que dispõe sobre a comunicação eletrônica entre a Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ, e o sujeito passivo

Leia mais

Procedimentos para cadastrar no E-Process a solicitação de nomeação de fiel depositário em casos de TAD-e

Procedimentos para cadastrar no E-Process a solicitação de nomeação de fiel depositário em casos de TAD-e Procedimentos para cadastrar no E-Process a solicitação de nomeação de fiel depositário em casos de TAD-e Quando, na fiscalização do trânsito de mercadorias ou da respectiva prestação de serviço de transporte,

Leia mais

Certificação Digital a forma segura de navegar na rede

Certificação Digital a forma segura de navegar na rede Certificação Digital a forma segura de navegar na rede O que é o Certificado Digital ICP-Brasil? É um certificado emitido em conformidade com as regras e legislações da Infra-estrutura de Chaves Públicas

Leia mais

PASSO A PASSO DO PETICIONAMENTO INDICE. Modalidades de Peticionamento 1. Acesso ao Sistema de Peticionamento 1

PASSO A PASSO DO PETICIONAMENTO INDICE. Modalidades de Peticionamento 1. Acesso ao Sistema de Peticionamento 1 PASSO A PASSO DO PETICIONAMENTO INDICE Modalidades de Peticionamento 1 Acesso ao Sistema de Peticionamento 1 Petição Eletrônica e Pagamento de Taxa 3 Petição e Protocolo Eletrônico 7 Petição Manual e Pagamento

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e

NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e Informações Gerais 1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica NF-e? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência

Leia mais

Receber intimações: poderão receber intimações em processos eletrônicos nos quais estejam vinculados.

Receber intimações: poderão receber intimações em processos eletrônicos nos quais estejam vinculados. INTRODUÇÃO O tribunal de Justiça de Santa Catarina, em um processo de evolução dos serviços disponíveis no portal e-saj, passa a disponibilizar a peritos, leiloeiros, tradutores e administradores de massas

Leia mais

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial.

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial. O QUE É A NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

Procedimentos para Solicitação de Desenquadramento MEI (via Capa Marrom )

Procedimentos para Solicitação de Desenquadramento MEI (via Capa Marrom ) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO JUCESP SECRETARIA EXECUTIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SETI Procedimentos

Leia mais

8ª REGIÃO FISCAL PORTARIA Nº 61, DE 10 DE JUNHO DE 2013

8ª REGIÃO FISCAL PORTARIA Nº 61, DE 10 DE JUNHO DE 2013 8ª REGIÃO FISCAL PORTARIA Nº 61, DE 10 DE JUNHO DE 2013 Disciplina a entrega, no âmbito da circunscrição da 8ª Região Fiscal, de documentos para incorporação ao processo digital. O SUPERINTENDENTE ADJUNTO

Leia mais

NFe Nota Fiscal Eletrônica. Helder da Silva Andrade

NFe Nota Fiscal Eletrônica. Helder da Silva Andrade Nota Fiscal Eletrônica Helder da Silva Andrade 23/08/2010 SPED SUBSISTEMAS Escrituração Contábil Digital EFD ECD Escrituração Fiscal Digital Nota Fiscal Eletrônica CTe Conhecimento Transporte Eletrônico

Leia mais

DOMICÍLIO TRIBUTÁRIO ELETRÔNICO SECRETARIA DA FAZENDA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DA FAZENDA 1 SUBSECRETARIA DA RECEITA

DOMICÍLIO TRIBUTÁRIO ELETRÔNICO SECRETARIA DA FAZENDA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DA FAZENDA 1 SUBSECRETARIA DA RECEITA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO 1 2 1) Com a implantação do DTE Domicílio Tributário Eletrônico, as intimações dos lançamentos (autos de infração) para os contribuintes optantes serão realizadas eletronicamente.

Leia mais

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores:

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Processo Eletrônico Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Princípio da Universalidade; Princípio da Uniquidade; Princípio da Publicidade; Princípio

Leia mais

Ambiente de Pagamentos

Ambiente de Pagamentos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA DIRETORIA DE INFORMAÇÕES Ambiente de Pagamentos Manual do Contribuinte Versão 26/09/2011 Índice Analítico 1.

Leia mais

Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015

Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015 Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015 Publicado no DO em 6 nov 2015 Dispõe sobre a aplicação do art. 9º-A da Lei nº 10.925, de 23 de julho de 2004, que dispõe sobre o crédito presumido da Contribuição

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Orientação Contribuinte NF e (versão de testes) 1 Objetivos do Projeto: O Projeto NF-e teve como objetivo a implantação de um modelo nacional de documento fiscal eletrônico visando

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS Centro Virtual de Atendimento da RFB e-cac - Disposições INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e NOTA CARIOCA. Acesso ao Sistema - Pessoa Física

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e NOTA CARIOCA. Acesso ao Sistema - Pessoa Física ELETRÔNICA - NFS-e NOTA CARIOCA Acesso ao Sistema - Pessoa Física Página 2 de 36 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 1.1. DEFINIÇÃO... 4 2. REGRAS PARA CADASTRAMENTO... 5 3. SENHA WEB... 6

Leia mais

Sistema de Informações ao Judiciário. InfoJud. Manual do Usuário

Sistema de Informações ao Judiciário. InfoJud. Manual do Usuário Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação Coordenação de Sistemas de Informação Divisão de Sistemas Corporativos Tributários Sistema de Informações ao Judiciário InfoJud Manual do Usuário Página 1

Leia mais

Nota Fiscal eletrônica NF-e

Nota Fiscal eletrônica NF-e Secretaria de Estado da Fazenda do Paraná Coordenação da Receita do Estado Inspetoria Geral de Fiscalização Nota Fiscal eletrônica NF-e Maringá, 24 de Maio de 2011 Setor de Documentação Fiscal eletrônica

Leia mais

Nunca foi tão fácil utilizar

Nunca foi tão fácil utilizar Nunca foi tão fácil utilizar o Conectividade Social da CAIXA O que antes era feito com a autenticação de disquetes e precisava do antigo programa CNS para o relacionamento com a CAIXA e prestação de informações

Leia mais

Certificado Digital Usos e Aplicações

Certificado Digital Usos e Aplicações Certificado Digital Usos e Aplicações Certificado Digital: Onde usar? O certificado digital é um documento eletrônico que proporciona agilidade em muitas das atividades realizadas atualmente por seu titular.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Coordenação-Geral de Tecnologia e Segurança da Informação Coordenação de Sistemas de Informação Divisão de Sistemas Corporativos Tributários

Coordenação-Geral de Tecnologia e Segurança da Informação Coordenação de Sistemas de Informação Divisão de Sistemas Corporativos Tributários Coordenação-Geral de Tecnologia e Segurança da Informação Coordenação de Sistemas de Informação Divisão de Sistemas Corporativos Tributários Sistema de Informações ao Judiciário InfoJud Manual do Usuário

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei no 5.869,

Leia mais

Novo Guia de uso rápido do PROJUDI

Novo Guia de uso rápido do PROJUDI 1. O que é o PROJUDI? Novo Guia de uso rápido do PROJUDI O Processo Judicial Digital PROJUDI, também chamado de processo virtual ou de processo eletrônico, pode ser definido como um software que reproduz

Leia mais

AJUSTE SINIEF 07/05 A J U S T E

AJUSTE SINIEF 07/05 A J U S T E AJUSTE SINIEF 07/05 Publicado no DOU de 05.10.05. Republicado no DOU de 07.12.05. Alterado pelos Ajustes 11/05, 02/06, 04/06. Ato Cotepe 72/05 dispõe sobre as especificações técnicas da NF-e e do DANFE.

Leia mais

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA ANEXO I ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL CRIAÇÃO, CAPTURA E DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

A NOTA FISCAL ELETRÔNICA: um breve histórico

A NOTA FISCAL ELETRÔNICA: um breve histórico 1 A NOTA FISCAL ELETRÔNICA: um breve histórico Nota Fiscal eletrônica - NF-e é um modelo de documento fiscal, de existência apenas digital cuja validade jurídica é garantida pela assinatura digital, que

Leia mais

PORTARIA CARF Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE 2015.

PORTARIA CARF Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE 2015. PORTARIA CARF Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE 2015. Define perfis aplicáveis aos usuários do e- Processo no âmbito do CARF, autorizadores e a forma de cadastramento. O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE

Leia mais

SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Maio/ 2009

SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Maio/ 2009 SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA Maio/ 2009 NFe - Objetivo Alteração da sistemática atual de emissão da nota fiscal em papel, por nota fiscal de existência apenas eletrônica. NFs Modelos 1 e 1A NFe - Conceito

Leia mais

lnclusão de Solicitação de Cópia de Processo Físico anterior à adoção do E-Process Usuário: Contribuinte inscrito ou não inscrito

lnclusão de Solicitação de Cópia de Processo Físico anterior à adoção do E-Process Usuário: Contribuinte inscrito ou não inscrito lnclusão de Solicitação de Cópia de Processo Físico anterior à adoção do E-Process Solicitação de Cópia de Processo Físico Usuário: Contribuinte inscrito ou não inscrito O Documento de Arrecadação DAR-1/AUT,

Leia mais

Vinicius Pimentel de Freitas. Julho de 2010

Vinicius Pimentel de Freitas. Julho de 2010 Nota Fiscal Eletrônica no Rio Grande do Sul Vinicius Pimentel de Freitas Julho de 2010 SPED ECD EFD NF-e CT-e MC-e NFS-e... Contextualizando: Documentos Fiscais Eletrônicos no Brasil Comunicações e Energia

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA Como já é de conhecimento de todos, iniciamos nossa operação de faturamento com o novo modelo exigido pelo Governo Federal, de

Leia mais

O que é o Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado - CADFOR? Como posso emitir meu Certificado de Registro Cadastral CRC homologado?

O que é o Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado - CADFOR? Como posso emitir meu Certificado de Registro Cadastral CRC homologado? O que é o Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado - CADFOR? O Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado CADFOR é o registro cadastral de interessados em fornecer produtos, serviço e/ou obras para

Leia mais

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM 1- ATRAVÉS DA REDESIM PORTAL REGIN 1.1 -SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO MUNICIPAL ( EMPRESA SEM REGISTRO NA JUCEB) PASSO 1: PEDIDO DE VIABILIDADE DE INSCRIÇÃO A empresa

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS COM RELAÇÃO ÀS DISPOSIÇÕES PREVISTAS PELA PORTARIA CAT 162/08 A RESPEITO DA OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA. ÍNDICE

Leia mais

119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05

119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05 119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05 AJUSTE SINIEF /05 Institui a Nota Fiscal Eletrônica e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. O Conselho Nacional de Política Fazendária CONFAZ e o

Leia mais

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16 Regulamento SIGA Versão 1.0 Outubro, 2013 Página 1 de 16 Sumário Objetivo deste Regulamento...3 Introdução...4 Definição...4 O que é documento para o SIGA...4 Numeração dos documentos no SIGA...4 Disposição

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB. INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 1077 DE 29 /10 /2010

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB. INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 1077 DE 29 /10 /2010 Diário Oficial da União Seção 1 - Nº 209, segunda-feira, 1 de novembro de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 1077 DE 29 /10 /2010

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

Certificados Digitais - Perguntas Frequentes

Certificados Digitais - Perguntas Frequentes Certificados Digitais - Perguntas Frequentes O que é um certificado digital? O certificado, na prática, equivale a uma carteira de identidade, ao permitir a identificação de uma pessoa, quando enviando

Leia mais

ASSINATURA DIGITAL LOCAL

ASSINATURA DIGITAL LOCAL ASSINATURA DIGITAL LOCAL Nesta versão do sistema E-PROCESS foi disponibilizada ferramenta de assinatura digital local. O objetivo da ferramenta é alterar a regra de assinatura de arquivos: o contribuinte

Leia mais

EFD PIS COFINS Teoria e Prática

EFD PIS COFINS Teoria e Prática EFD PIS COFINS Teoria e Prática É uma solução tecnológica que oficializa os arquivos digitais das escriturações fiscal e contábil dos sistemas empresariais dentro de um formato digital específico e padronizado.

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão 1.0 23/07/2009 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre o acesso às peças digitais da consulta processual e o recebimento de Petição, por meio eletrônico, no âmbito da Primeira Região. O PRESIDENTE

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Versão 1.0 Outubro/2009 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Conceitos Básicos... 3 Requisitos... 5 Credenciamento... 6 Fase de Homologação... 7 o Fase de Testes...

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Corregedoria Regional Eleitoral PROVIMENTO CRE-RJ Nº 3 /2012 Disciplina a utilização do Sistema de Informações Eleitorais no âmbito do TRE/RJ e dá outras providências.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 5ª REGIÃO Gabinete da Presidência PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 *

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 5ª REGIÃO Gabinete da Presidência PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 * PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 * Dispõe sobre o Sistema Integrado de Protocolização e Fluxo de Documentos Eletrônicos (e DOC), bem como a indisponibilidade dos equipamentos de facsímile (fax)

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Instalação do certificado digital Para cada empresa certificadora existe um manual de instalação. Antes de emitir o certificado no cliente, leia atentamente as instruções do manual.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA A NEGOCIAÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS NO PARCELAMENTO E PAGAMENTO À VISTA COM UTILIZAÇÃO DE PF/BCN DE CSLL

PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA A NEGOCIAÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS NO PARCELAMENTO E PAGAMENTO À VISTA COM UTILIZAÇÃO DE PF/BCN DE CSLL PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA A NEGOCIAÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS NO PARCELAMENTO E PAGAMENTO À VISTA COM UTILIZAÇÃO DE PF/BCN DE CSLL LEIS 12.996/2014 E 13.043/2014 MODALIDADES PGFN-DEMAIS DÉBITOS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA 1 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA ANO 2012 2 Sumário 1 Nota Fiscal de Serviços eletrônica - NFS-e... 3 1.1 Considerações Iniciais... 3 1.2 Legislação... 3 1.3 Definição...

Leia mais

Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ

Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ Fundamentação legal: A entidade estará obrigada a atualizar no CNPJ qualquer alteração referente aos seus dados cadastrais até o último dia útil

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria SEI

Leia mais

Manual para emissão do CPF na CRC Nacional versão 1.1

Manual para emissão do CPF na CRC Nacional versão 1.1 Normatização: Manual para emissão do CPF na CRC Nacional versão 1.1 Instrução Normativa Receita Federal Brasileira nº 1548/2015 Art. 3º Estão obrigadas a inscrever-se no CPF as pessoas físicas: V - registradas

Leia mais

Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica

Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Este documento descreve o processo de credenciamento de contribuintes de ICMS estabelecidos no Estado de Minas Gerais como Emissores de Nota

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL RESOLUÇÃO 18 / 03 / 2013 PRESIDÊNCIA Nº 62/2013 O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007

DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007 DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007 * Publicado no DOE em 31/10/2007. Acresce dispositivos ao Decreto nº 24.569, de 31 de julho de 1997, que regulamenta e consolida a legislação do Imposto sobre

Leia mais