UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU MARCO AURÉLIO MOREIRA LOPES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU MARCO AURÉLIO MOREIRA LOPES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU MARCO AURÉLIO MOREIRA LOPES A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS SUPERVISÓRIOS NO CONTROLE DE PROCESSOS INDUSTRIAIS MONOGRAFIA DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Ouro Preto, 2009

2 MARCO AURÉLIO MOREIRA LOPES A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS SUPERVISÓRIOS NO CONTROLE DE PROCESSOS INDUSTRIAIS Monografia apresentada ao Curso de Engenharia de Controle e Automação da Universidade Federal de Ouro Preto como parte dos requisitos para a obtenção do Grau de Engenheiro de Controle e Automação. Orientadora: Karla Boaventura Pimenta Ouro Preto Escola de Minas UFOP Junho/2009

3

4 Aos meus Pais. A minha querida irmã que sempre confiou em mim. Ao meu avô Sílvio Moreira (in memorian), e a minha minha avó por todo carinho. Dedico também ao meu clube de coração, Cruzeiro Esporte Clube por sempre me dar alegrias e motivação para sempre seguir em frente.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a minha família por todo apoio incondicional, meus caros colegas de turma, à todo pessoal da Equipe Sucatão por todo o aprendizado, a A&C Jr., ao professores do DECAT e por fim à minha querida República Mata Virgem pelos ensinamentos de vida.

6 RESUMO O presente trabalho mostra a importância dos Sistemas Supervisórios no atual cenário da Automação Industrial, destacando, entre os diferentes tipos existentes, suas principais aplicações e ferramentas utilizadas. Para validação será apresentado um estudo de caso onde serão analisados alguns sistemas supervisórios de forma a obter um maior foco nesta área. Palavras-Chave: CLP, Sistemas Supervisórios, IHM, Automação Industrial, SCADA.

7 ABSTRACT This work shows the importance of supervisory systems in the current scenario of Industrial Automation, highlighting the various types available, their main applications and tools. The validation will be presented with an analyze about some supervisory systems to achieve greater focus in this area. Word-keys: Supervisory Systems, Industrial Automation, HMI, SCADA.

8 Sumário 1. INTRODUÇÃO ESTRUTURA DO TRABALHO OBJETIVOS DA PESQUISA HISTÓRIA DA SUPERVISÃO DE PROCESSO EVOLUÇÕES DOS RECURSOS DEFINIÇÕES SISTEMA SUPERVISÓRIO CLP (CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL) UTR (UNIDADE TERMINAL REMOTA) REDES INDUSTRIAIS ETHERNET Serial RS Fieldbus PRINCIPAIS SISTEMAS SUPERVISÓRIOS EXISTENTES CIMPLICITY HMI (GE FANUC INTELLIGENT PLATFORM) Estrutura Banco de dados Recursos Análise ELIPSE E Estrutura Banco de Dados Recursos Análise LINTOUCH Estrutura Banco de Dados Recursos Análise IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS SUPERVISÓRIOS... 33

9 5.1 SURGIMENTO UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES ARQUITETURA SCADA CONCLUSÕES REFERÊNCIAS... 37

10

11 1 1 INTRODUÇÃO Atualmente, todo processo industrial tem a necessidade de ser controlado para que o mesmo obtenha um maior desempenho, e para se controlar qualquer atividade se faz necessário um monitoramento adequado. Assim surge a idéia de supervisão do processo, que com o passar do tempo e evolução da tecnologia foi se tornando cada vez mais rápida e eficiente, a ponto de hoje, poder-se dizer que um determinado processo pode ser supervisionado em tempo real. Entende-se por tempo real que, todas as variáveis supervisionadas do processo que são mostradas na tela para o operador no mesmo instante em que elas variam no processo. Hoje em dia, além de poder visualizar na tela tudo o que está acontecendo no processo industrial, também é tarefa do sistema supervisório controlá-lo, modelo o qual se denomina SCADA (Supervisory Control And Data Aquisition), todas as variáveis lidas são processadas por uma unidade de processamento qualquer e através deste processamento teremos o retorno do que precisa ser alterado no processo, a partir deste ponto será utilizado um sistema de acionamento que enviará um sinal para o atuador que estará na planta. A junção destas três etapas caracteriza um sistema supervisório. Como se pode observar na figura 1.1, que descreve o funcionamento de um sistema supervisório SCADA. Figura 1.1: Diagrama de um sistema supervisório SCADA (Supervisory Control And Data Aquisition.). Wikipédia.org

12 2 1.2 Estrutura do Trabalho No primeiro capitulo será apresentada uma introdução sobre o assunto referido de modo a facilitar o entendimento de todo o estudo, em seguida, o segundo capitulo terá como foco um breve histórico a respeito dos sistemas supervisórios afim de mostrar como foi o seu surgimento e posterior evolução até chegar no nível de tecnologia que se tem nos dias atuais. No capitulo três são apresentadas definições bastante usadas no que se trata de sistemas supervisórios, serão apresentados alguns padrões e tecnologias utilizadas no mercado atual destes sistemas. Para validar o trabalho, serão apresentados, no capítulo quatro, alguns exemplos de sistemas supervisórios para que se possa avaliar as características de cada um e facilitar a compreensão deste trabalho exemplificando onde cada um destes seria mais bem utilizado. No capitulo cinco, faz-se uma avaliação geral da importância destes sistemas para o controle de processos industriais por meio da dependência gerada com o avanço desta tecnologia. Por fim, no capitulo seis, concluir-se-a com base no estudo feito nos capítulos anteriores. 1.3 Objetivos da pesquisa O objetivo deste trabalho é aprimorar os conhecimentos relativos aos sistemas supervisórios, frisando qual a sua importância na automação industrial e destacando algumas utilizações do mesmo. Oferecer também uma importante visão de como estão configurados nos sistemas de automação da indústria atual, para tal serão apresentados alguns modelos de sistemas supervisórios já existentes e comercializados atualmente.

13 3 2 HISTÓRIA DA SUPERVISÃO DE PROCESSO O primeiro registro da utilização de um sistema supervisório data do inicio da década de 1980, estes supervisórios eram dotados de pouca tecnologia visto que os computadores da época não tinham muitos recursos e ocupavam enormes espaços como se pode notar na figura 2.1. Havia alguns supervisórios que utilizavam microcomputadores, mas por se tratar de nova tecnologia, seu custo era extremamente alto, então somente plantas de energia e petróleo utilizavam-se destas tecnologias, pois a necessidade de mais recursos viabilizava o alto custo (VAX, 2008). Figura 2.1: DEC VAX Primeiro minicomputador. Wikipédia.org Com a crescente demanda dos processos e as novas praticas de gestão, que com o passar do tempo exigiam informações do processo em intervalos de tempo cada vez mais curtos, aliado a isto a grande evolução computacional com a descoberta dos transistores, começa-se a desenvolver sistemas supervisórios cada vez mais robustos, até que em meados da década de 1980 surgem os sistemas SCADA (Supervisory Control And Data Aquisition), os

14 4 quais não só supervisionam o processo, mas também o controlam. Surgia deste ponto um novo mercado emergente, o mercado de sistemas supervisórios. Já no inicio da década de 1990 já havia mais de 120 fornecedores que disputavam tal mercado, mas com tanta concorrência, o principal problema era o sistema operacional, a plataforma, no qual estes supervisórios iriam rodar. Foram utilizados inúmeros sistemas operacionais como MS-DOS, OS/2, Qnx, Windows, Unix e Vms, até que empresas internacionais, como a US Data, lançaram seus novos sistemas supervisórios multi-plataforma, ou seja, poderiam rodar em qualquer sistema operacional. Isto trouxe uma enorme vantagem para fins de portabilidade e conectividade, pois a partir deste ponto seu sistema poderia se conectar com outro em qualquer outra plataforma. Até que a Microsoft entrou de vez nesta briga e lançou seu novo sistema operacional Windows NT, que contava com um sistema multitarefa, que é essencial para o bom funcionamento de um sistema supervisório, e assim conseguiu superar de vez as ineficiências do Windows 3.11 e conquistou o mercado de supervisórios. Reconhecendo a nova demanda do mercado, as empresas desenvolvedoras de supervisórios migraram seus sistemas para a plataforma Windows, o que resultou numa convergência de padrões e módulos a qual consolidou de vez o mercado de supervisórios. Algumas empresas se destacaram, como a Wonderware fabricante do InTouch, e duas brasileiras, a Elipse e a Indusoft. Visando atender uma maior porção do mercado, as empresas fabricantes de hardware de controle entraram de vez na briga pelo mercado de supervisórios, pois ao invés de vender uma parte da solução, as mesmas ambicionavam vender a solução completa em termos de controle, o que gerou uma maior difusão do modelo SCADA. A maioria destas empresas, como a GE, RockWell, Foxboro e Schneider não desenvolveram seu próprio sistema, a alternativa encontrada foi comprar empresas menores e adequar os sistemas ao seu hardware. Sendo assim no final da década de 1990 só restavam

15 5 aproximadamente 15 empresas com mercado global para os sistemas supervisórios (ZAMPRONHA, 2008). 2.1 Evoluções dos recursos No final da década de 1980 o avanço da informática já era notável, aliado a um mercado crescente e competitivo os sistemas supervisórios passaram a ser cada vez mais velozes em termos de monitoração do processo e armazenar cada vez mais tags (variáveis do sistema), chega-se a um ponto em que um único sistema supervisório SCADA monitora mais de tags. Os sistemas passaram a ter arquiteturas complexas de rede e com cada vez mais segurança adicionando redundância nos dados obtidos. A partir de meados de 1990 com a migração para plataforma Windows, tornouse cada vez mais simples a operação, junto com esta plataforma vieram os padrões OPC (OLE for Process Control), que impulsionaram a conectividade destes sistemas (ZAMPRONHA; ERMENICK, 2008).

16 6 3 DEFINIÇÕES 3.1 Sistema Supervisório Um sistema supervisório é definido como uma interface de fácil leitura, com o objetivo de converter dados do processo de produção em gráficos ou em telas amigáveis, de modo a facilitar a percepção e a atuação do operador sobre o processo. De um modo geral é um sistema computacional que obtém os dados do processo e os transforma em dados gráficos, mostrando-os em um monitor conforme figura 3.1 que ilustra o supervisório de um sistema de controle de tratamento de água (SILVA, 2004; RIBEIRO, 2001). Figura 3.1: IZMIR Planta de tratamento de água. Wonderware Intouch. Podendo também ser chamado de IHM (Interface Homem-Máquina), é utilizado também de modo inteligente, ou seja, o sistema supervisório lê os dados do processo, logo em seguida atua em tal processo de modo a corrigir possíveis alterações no mesmo. Este modelo de supervisório inteligente é chamado

17 7 SCADA (Supervisory Control And Data Aquisition), e é utilizado em larga escala na indústria mundial. Através da figura 3.2 podemos observar com mais clareza a relação do sistema SCADA com o controle do processo (SCADA..., 2008; Vianna, 2008) Figura 3.2: Sistema SCADA Diagrama Intouch SCADA. Wonderware Intouch. 3.2 CLP (Controlador Lógico Programável) Também conhecido pela sigla em inglês PLC (Programmable Logic Controller), é um dispositivo industrial que executa um determinado programa, o qual faz acionamentos de atuadores e/ou leituras de sensores ou transdutores instalados na fábrica (Controlador Lógico Programável..., 2009). Inventado em 1969 pela Modicon em função da alta demanda do mercado automotivo em mudar os parâmetros de controle de suas plantas, pois as plantas eram controladas por lógicas de relés, e cada alteração nesta lógica implicaria em muito tempo gasto e alto custo, pois toda a malha de relés deveria ser desfeita para que se criasse uma nova malha, mesmo com poucas alterações na lógica não era possível reaproveitar a malha de relés. Criou-se um dispositivo capaz de armazenar uma lógica virtual de contatos, que acionasse saídas digitais ou analógicas através das leituras de suas entradas digitais ou analógicas de acordo com a figura 3.3.

18 8 Figura 3.3: Funcionamento de um CLP. A grande diferença de um CLP para um computador comum é que este é uma máquina projetada para trabalhar em ambientes hostis e tem uma larga conectividade que pode ser vista pelo número de entradas e saídas do mesmo. É um equipamento modular expansível até o limite de entradas e saídas permitido para cada modelo. Por ser modular, geralmente é montado em chassis, chamados racks, onde podem ser adicionados os módulos necessários a aplicação pretendida, como pode ser visto na figura 3.4 que ilustra o esquema geral de um CLP. Os módulos podem ser de entrada, realizam a leitura dos dados, ou de saída, acionam relés ou enviam um sinal. Todo sinal, tanto de entrada quanto de saída, pode ser digital, verdadeiro ou falso, geralmente caracterizado por 5V e 0V respectivamente, ou ser analógica, caracterizado numa escala de 4 a 20mA ou 0 a 10V. O CLP também pode se comunicar com outro CLP e/ou computador, esta comunicação geralmente é feita via interface serial, mas alguns modelos também trabalham com conexões Ethernet e até Modbus. Esta comunicação é necessária quando se pretende programar o CLP, e também como no caso deste estudo para alimentar uma IHM com os dados atuais do processo. A partir da figura 3.4 é possível identificar o módulo responsável por este tipo de comunicação (Programmable Logic Controller, 2009; Ermenick, 2008).

19 9 Figura 3.4: CLP O aspecto físico de um CLP. 3.3 UTR (Unidade Terminal Remota) Dispositivo de controle e/ou aquisição de dados de processo que se interliga a um sistema central, enviando e recebendo dados e que se caracteriza por estar fisicamente distante deste. Também chamado em inglês de RTU (Remote Terminal Unit). No sistema SCADA, a UTR é um dispositivo instalado em um local distante da central de controle, onde coleta dados e os codifica para um formato que seja passível de se transmitir, e os envia a uma estação central ou estação mestre, ilustrado na figura 3.5. Também recebe informações da estação central ou mestre de modo que possa atuar no sistema.

20 10 Figura 3.5: UTR Funcionamento da Unidade Terminal Remota. Estes dispositivos estão equipados com canais de entrada, de modo que possam fazer as leituras dos sensores da área, canais de saída, para que possa atuar no sistema, indicadores e alarmes, e portas de comunicação para trocar dados com a estação central ou sistema supervisório (Remote Terminal Unit..., 2008). 3.4 Redes Industriais É toda interconexão de comunicação entre equipamentos industriais, ou seja, é o caminho pelo qual os dispositivos dentro de uma indústria se comunicam. A rede é definida pelo canal físico no qual os dados irão percorrer, e também pelo protocolo, que são as regras que os dispositivos devem seguir para que a comunicação seja realizada com sucesso (Braghetto, 2003, RIBEIRO, 2001) ETHERNET Rede desenvolvida no ano de 1973 pela Xerox PARC, e é distribuída em pontos de rede passíveis de enviar e receber mensagens num determinado

21 11 formato. Cada ponto tem uma identificação única no mundo chamado de endereço MAC (Media Access Control) que é provido de 48 bits, então todo equipamento que utilize rede ethernet tem uma numeração específica que o define na rede. Cada mensagem que esta rede envia é definida como pacote, este pacote contém o endereço do destinatário, endereço do remetente, informações do tipo de dados, os dados a serem enviados, e um checksum. Sua conexão é feita através de cabo específico como pode ser visto na figura 3.6 (Dias; Jr., 2002). Figura 3.6: Cabo Ethernet Serial RS-232 Padronizada em 1969 pela Eletronics Industries Association, o RS-232 é um padrão de comunicação que por sua simplicidade foi largamente utilizado pela indústria, pois consiste no envio de caracteres entre bits de inicio e fim, então para se enviar um caractere nesta tecnologia é necessário o envio de 10 bits, sendo 8 bits do caractere e 2 bits de inicio e fim de comunicação. A sua contrapartida é a velocidade e a segurança dos dados enviados, pois enviando bit a bit, o tempo gasto é muito maior e está mais sujeito a riscos de interferência e perda dos dados enviados, pois quando a mensagem chega ao destino não há uma conferência da integridade dos dados.

22 12 Sua conexão é feita através de cabo específico como pode ser observado na figura 3.7 e somente dois dispositivos podem se comunicar utilizando esta tecnologia (RS , 2009). Figura 3.6: RS-232 Conexão Serial Fieldbus É uma rede voltada para instrumentos de medição e controle, exclusivamente industrial, que foi desenvolvida a fim de se eliminar o alto custo de fiação para interligar todos os instrumentos de uma planta. Pois cada instrumento que gere um sinal analógico necessita de um fio para ligá-lo ao CLP ou RTU. Com esta tecnologia todos os instrumentos são ligados em uma única rede e se comunicam através deste protocolo enviando sinais digitais. Utiliza padrões comuns de mercado para a transmissão física de dados (FIELDBUS..., 2008). Dentro desta tecnologia existem diversos protocolos como LonWorks, Modbus, e Profibus, mas todos seguindo o mesmo conceito.

23 13 4 PRINCIPAIS SISTEMAS SUPERVISÓRIOS EXISTENTES Com o intuito de apresentar os principais sistemas supervisórios existentes no mercado, além de enfatizar suas ferramentas, e principais aplicações, neste capítulo far-se-á um comparativo entre os mesmo de forma a elucidar os pontos positivos e negativos de cada um. Tomando como principais, os mais utilizados no mundo. 4.1 Cimplicity HMI (GE Fanuc Intelligent Platform) A GE Fanuc Intelligent Platform empresa do grupo GE (General Eletric) oriunda da fusão entre as marcas GE e Fanuc Japan no final da década de 1980 é uma empresa focada na automação industrial. Nos últimos 20 anos cresceu tanto organicamente quanto como com aquisições de outras marcas no mercado como Total Control Products, CimWorks, DataViews Corporation, AFE Technologies, Computer Dynamics, VMIC, Intellution, SBS, e Condor and Radstone. Somente com o Cimplicity HMI a GE Fanuc conta com mais de clientes em todo mundo, está entre as líderes de mercado na área de sistemas supervisórios e tem sua matriz localizada em Charllotesville / Virginia / EUA. O Cimplicity HMI é um sistema SCADA que baseado no padrão cliente/servidor e promete um menor tempo de resposta com custo reduzido, e considerável aumento de produtividade. Sua licença é vendida de acordo com o número de entradas e saídas de cada servidor, chamadas de I/O Count (Contagem de entradas e saídas), com o aumento do número de E/S o preço deste produto cresce exponencialmente. Cada servidor não suporta mais que 5000 I/O Count, sendo que caso haja necessidade de mais E/S é necessário a instalação de outro servidor interligando-os pela rede (CIMPLICITY HMI..., 2001).

24 Estrutura O Cimplicity HMI é um software de supervisão que dispõe de 5 interfaces para sua melhor manuseabilidade, estas são: Cimplicity Development Server, Cimplicity RunTime Server, Cimplicity Viewer, Cimplicity Development Viewer e Cimplicity Thin Client Cimplicity Development Server Este interface é responsável pela criação/edição de todas as interfaces do sistema supervisório pretendido, ou seja, nesta o programador irá introduzir todas as rotinas que devem ser executadas pelo nodo servidor do sistema, o modo como as entradas serão lidas e convertidas em dados amigáveis, a configuração de toda a rede, como será feita a comunicação servidor/clp, e as interfaces das IHM s. O Cimplicity Development Server também é capaz de executar o servidor do sistema supervisório, contanto que seja sem rede, ou seja, somente um nodo. Somente é permitida a criação de um sistema supervisório Cimplicity HMI através desta interface, algumas outras poderão ser utilizadas apenas para edição Cimplicity RunTime Server Todo sistema de controle criado no Development Server é executado sobre o RunTime Server, ou seja, o Cimplicity RunTime Server é a plataforma sobre a qual o sistema supervisório irá rodar. Neste nodo estão localizadas as E/S de controle do sistema, além da hardkey, que é o dispositivo que contém as licenças de execução de todo o software. Além de realizar o controle, este nodo também é responsável por gerenciar toda a infra-estrutura de dados do supervisório, fornecendo em tempo real todos os dados que foram colhidos do processo para todos os nodos de

25 15 supervisão. Também responsável pela geração de backups de todas as variáveis do sistema Cimplicity Viewers Caso o processo não seja monitorado somente por um único nodo do sistema supervisório, o qual seria o próprio Server, faz-se necessário a adição de softwares viewers, que são softwares capazes de se conectar ao banco de dados de informações instantâneas do server de modo a exibi-las em sua tela utilizando-se da mesma interface de supervisório a qual pode ser vista no server. Esta interface é capaz de alterar parâmetros do sistema, exibir relatórios e gráficos instantâneos do processo, esta é muito útil quando se trata de uma grande área industrial para o mesmo processo, onde todos precisem de informações e poder alterar parâmetros sem a necessidade de grandes deslocamentos Cimplicity Development Viewer Em alguns casos, para a melhoria do sistema, é necessário a modificação da aplicação (sistema supervisório), a qual pode ser feita diretamente do Development Server, mas nesse caso é necessário o deslocamento até o Server, que pode estar muito longe ou não, para esse problema foi criado o Development Viewer que é uma interface que permite a edição do sistema supervisório a partir de uma interface remota. Esta interface permite ao usuário somente fazer edições no programa já escrito, portanto não se pode criar nenhum projeto a partir desta Cimplicity Thin Clients Esta solução visa tornar ainda mais remota toda a supervisão e controle do processo, pois se trata de um interface que pode ser acessada via internet, com as mesmas vantagens do Viewer e do Development Viewer, o usuário de

26 16 qualquer lugar, em que esteja disponível um acesso a internet, acessar os dados instantâneos do processo e atuar sobre ele alterando seus parâmetros Banco de dados O Cimplicity HMI conta com uma ferramenta própria para armazenamento de dados, o chamado Historian, que promete uma maior performance no armazenamento e na procura dos dados, mas por motivos de adaptação desta nova ferramenta ainda trabalha com SQL e Oracle, as quais são modelos de banco de dados muito utilizados na área industrial e que fornecem uma maior conectividade e acessibilidade aos clientes por se tratar de uma ferramenta que é independente do software de supervisão Recursos Change Management (Gerenciador de Alterações) É um sistema de gestão de alterações de parâmetros do sistema, onde toda alteração realizada no sistema é registrada com o horário da alteração, operador que a realizou e o tipo de alteração efetuada. Todo esse cuidado se deve à difícil tarefa de evitar que parâmetros errados sejam incluídos no sistema. Sendo assim, quando ocorrer um erro, ou até um sinistro na planta por motivos de má parametrização, pode simplesmente verificar quem mudou os mesmos. E também há a opção de se retornar ao ultimo conjunto de parâmetros validos, o que reduz o tempo em que o sistema supervisório fica do controle Alarms Management (Gerenciador de Alarmes) É uma opção do Cimplicity Viewer, a qual é utilizada para gerenciamento de alarmes. Com esta ferramenta é possível filtrar os alarmes que aparecerão na tela, selecionando somente aqueles que serão importantes para determinada IHM. Também é possível alterar os alarmes para modo estático, de forma a

27 17 visualizar todos os alarmes como um relatório de eventos, ou então manter no modo dinâmico, o qual mostra o alarme na tela no momento em que ele é acionado. Pode-se também criar hierarquia de alarmes para serem mostrados na tela de cada IHM, selecionando assim os alarmes mais e os menos importantes, sendo assim, caso dois alarmes disparem juntos somente o mais importante aparecerá na tela, e o menos importante só aparecerá quando o alarme mais importante for finalizado Point Control Panel (Painel de Controle de Pontos) Se trata de uma ferramenta capaz de listar todos os pontos (tags) do sistema com atualização contínua, assim o operador pode visualizar na tela como é feita a leitura dos dados deste ponto e a sua configuração de alarme. A partir daí, o operador pode configurar o ponto como local ou remoto, habilitar ou não a geração de alarme para o mesmo, e também alterar os limites de ativação de alarme, conforme pode ser visualizado na figura 4.1. Figura 4.1: Point Control Panel Cimplicity HMI - GE Fanuc Point Cross Reference (Referência Cruzada de Ponto)

28 18 Esta ferramenta é capaz de localizar onde e como cada tag está sendo utilizada, o que facilita a tarefa do desenvolvedor e do mantenedor do sistema, através desta pode localizar qualquer ponto que esteja sendo utilizado pelo sistema simplesmente fazendo uma simples busca System Points (Pontos do sistema) É uma interface sobre a qual é possível a visualização do valor das tags internas do software, o que facilita na programação e na manutenção do sistema, pois fica mais fácil de diagnosticar onde e o porque de cada problema Dinamic Measurement System (Sistema Métrico Dinâmico) É uma opção que converte todos os dados do sistema para unidades métricas escolhidas pelo usuário. Com um simples clique todas as unidades métricas são convertidas para unidades em que o usuário tenha determinado previamente Opcionais Além dos recursos já integrados no pacote do Cimplicity HMI, a GE Fanuc também oferece alguns produtos adicionais para este software, os quais podem facilitar o trabalho do operador do sistema Action Calendar (Calendário Ativo) Conforme pode ser visualizado na figura 4.2, o Action Calendar é uma ferramenta que possibilita o agendamento de tarefas tendo com referência a hora e o dia do ano em que se deve executar a tarefa.

29 19 Figura 4.2: Action Calendar Cimplicity HMI Marquee Esta ferramenta é utilizada quando a mensagem de um alarme ou evento precisa ser difundida em meio a muitos operadores e de forma rápida. Consiste em um display grande o necessário para que os operadores envolvidos o visualizem, a mensagem exibida pelo display pode ser customizada para melhor entendimento, na figura 4.3 tem-se um exemplo de um display Marquee integrado ao sistema Cimplicity HMI. Figura 4.3: Exemplo de Marquee Cimplicity HMI Integrator s Toolkit (Pacote de Ferramentas de Integração) É um pacote de ferramentas de desenvolvimento capaz de implementar drivers de comunicação deste sistema supervisório com outros tipos de sistema.

30 Device Communications Toolkit (Pacote de Ferramentas para Comunicação de Dispositivos) Ferramenta utilizada para interfacear o Cimplicity HMI com outros dispositivos os quais não tem drivers disponíveis, este recurso é bastante útil quando se utiliza equipamentos mais novos do que o software de supervisão Point Management API (Application Programming Interface) Ferramenta direcionada para criação de softwares capazes de acessar a base de dados do Runtime Server, possibilitando o acesso às tags de E/S e de controle. Suas principais funções são, Snap Shot, utilizada para capturar o valor atual de determinada tag, On Change, captura o valor atual de qualquer tag e atualiza automaticamente a qualquer mudança de valor, On Alarm, coleta o estado de alarme atual da tag e atualiza a cada mudança de estado, Timed, recebe o valor atual da tag em determinado intervalo de tempo, Set Point, função para alterar o valor da tag Login API Ferramenta utilizada para implementação do Login API, que é a forma como será realizada a comunicação para estabelecer uma conexão entre a interface do usuário e a base de dados do Runtime Server. Pode-se estabelecer uma conexão padrão ou conexão segura, o que pode requerer usuário e senha Alarm Management API s Se trata de um gerenciador de alarmes que utiliza a interface API, através da conexão API estabelecida com o Runtime Server esta ferramenta cria, gerencia e altera alarmes dentro da sua interface que são independentes dos pontos de alarmes do Server, ou seja, é possível criar alarmes que só serão utilizados na interface do usuário final e não na base de dados de alarmes. Esta ferramenta possibilita a criação de seu próprio visualizador de alarmes similar ao do Cimplicity, mas com as necessidades do usuário final.

31 21 Figura 4.4: Diagrama geral das ferramentas de integração Cimplicity Integrator s Toolkit Interface OPC OPC ou OLE for process control, é um padrão que gere as comunicações entre diferentes plataformas, principalmente as que fazem utilidade da plataforma Microsoft (FONSECA, 2002). O Cimplicity faz uso deste padrão de modo a prover uma maior conectividade com outros sistemas para a gestão de um possível sistema integrado de produção System Sentry Atua como vigia do sistema, monitorando toda a operação do Server, de modo que qualquer alteração ou problemas no funcionamento é gerado automaticamente um alarme informando o ocorrido. Também gera registros de

32 22 variáveis e parâmetros do sistema para que quando ocorra qualquer sinistro o sistema possa ser restabelecido com os últimos parâmetros validos. Além de monitorar a performance do sistema, espaço livre em disco rígido, consumo de memória e tempo de processo, para que possa gerar um relatório completo da saúde do sistema WebView Ferramenta muito útil quando se precisa controlar ou monitorar todo o sistema a distância ou até mesmo de fora do chão de fábrica, como por exemplo acessar o sistema supervisório via internet. O utilizador desta interface poderá monitorar o sistema através do uso do navegador de internet, assim como pode ser observado na figura 4.5. Figura 4.5: WebView Cimplicity HMI Análise Através desta breve análise podemos concluir que o Cimplicity HMI é um ótimo sistema supervisório para um projeto que demande muita acessibilidade, pois

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse)

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse) A palavra SCADA é um acrônimo para Supervisory Control And Data Acquisition. Os primeiros sistemas SCADA, basicamente telemétricos, permitiam informar periodicamente o estado corrente do processo industrial,

Leia mais

Sistemas Supervisórios para Automação Industrial usando Software Livre

Sistemas Supervisórios para Automação Industrial usando Software Livre Sistemas Supervisórios para Automação Industrial usando Software Livre Alan Carvalho de Assis acassis@gmail.com 1 Sumário 1) Breve histórico da Automação/Controle 2) Linux em Automação Industrial 3) Introdução

Leia mais

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition São sistemas que utilizam software para monitorar e supervisionar as variáveis e os dispositivos de sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Palavras-chave: Sistemas supervisórios orientado a objetos; Automação; CLP

Palavras-chave: Sistemas supervisórios orientado a objetos; Automação; CLP SISTEMAS SUPERVISÓRIOS Luís Augusto Jurizato Paulo Sérgio R. Pereira Resumo Atualmente, a grande quantidade de processos automatizados existentes nos mais diversos meios, motiva a utilização dos chamados

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia

Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia Eng. Fernando Guessi Plácido E-mail: fernandogplacido@hotmail.com Skype: fernando.guessi Roteiro O que é SCADA Benefícios de um sistema de supervisão;

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

AUTOMAÇÃO NA SULGÁS COM O SOFTWARE ELIPSE E3

AUTOMAÇÃO NA SULGÁS COM O SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMAÇÃO NA SULGÁS COM O SOFTWARE ELIPSE E3 Este case apresenta a solução adotada para monitorar as diferentes variáveis de campo envolvidas no processo de distribuição de gás natural realizado pela Altus

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com Aula 02 Conceitos básicos elipse INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com 1. Introdução O Elipse E3 trabalha totalmente orientado para a operação

Leia mais

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial Gerenciamento de software como ativo de automação industrial INTRODUÇÃO Quando falamos em gerenciamento de ativos na área de automação industrial, fica evidente a intenção de cuidar e manter bens materiais

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Tópicos do Seminário SCADA Systems Sistemas de Informação 1º Trimestre de 2009 Noturno Prof. Nunzio Torrisi ESEQUIEL DE PAIVA FERREIRA LAURY LIERS LEWNEY FERREIRA MARIO MATIUSSO

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

SCADA Software - Superview BROCHURE

SCADA Software - Superview BROCHURE SCADA Software - Superview BROCHURE JUNHO 2013 Solução Completa em Automação SCADA SuperView Registro e Aquisição de Dados Flexibilidade Interface amigável Vantagem competitiva Requisitos ANVISA e FDA

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Guia de Especificação. Vijeo Citect

Guia de Especificação. Vijeo Citect Guia de Especificação Vijeo Citect Guia de Especificação Vijeo Citect > Este documento destina-se à auxiliar nas especificações do software SCADA Vijeo Citect. > Descreve as licenças disponíveis e mostra

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Treinamentos 2014. GE Intelligent Platforms

Treinamentos 2014. GE Intelligent Platforms Treinamentos 2014 GE Intelligent Platforms Curso de Configuração e Operação Painel de Operação IHM Quick Panel Permitir ao aluno conhecer o Painel de Operação Quick Panel View IHM, suas características

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Outubro de 2014 Revisão: B Conhecer os principais conceitos e aplicações de um Software Supervisório; Conhecer

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessoria de Comunicação da Elipse Software

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessoria de Comunicação da Elipse Software APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA E ESGOTO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS DE PORTO ALEGRE-RS (DMAE) Apresentamos neste case a implantação do

Leia mais

ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS

ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS SYSTEM SLIO Sistema de I/Os Remotos Simples e inteligente, o System Slio é um sistema de I/O s descentralizado, eficaz e moderno. Foi especialmente projetado

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil

ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil ENQUALAB-2005 - Encontro para a Qualidade de Laboratórios 7 a 9 de junho de 2005, São Paulo, Brasil DESENVOLVIMENTO DE UM PROCESSO PARA AVALIAÇÃO DE MEDIÇÕES DE VAZÃO E BS&W Danielle S. Silva 1, Filipe

Leia mais

Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado

Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado Change Management Aplicação : Ocorrências Comuns Você já teve problemas em encontrar um programa ou uma configuração quando precisava colocar uma máquina para

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO Giancarlo Borges de Avelar - Automaton Integração de Sistemas Leopoldo José Naves Alves, AUTOMATON Marcio L Martins Neto - MULTIPLUS 19 a

Leia mais

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessor de Comunicação da Elipse Software NECESSIDADE

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessor de Comunicação da Elipse Software NECESSIDADE ELIPSE E3 AGREGA AGILIDADE AOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DA FÁBRICA DE MOTORES DA AV MANUFACTURING Solução da Elipse Software permite executar comandos rapidamente, sem o auxílio de uma mão-de-obra especializada,

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características

O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características Ana Clara Ratunde, Matheus Costa Santos e Yago Oliveira Cruz Resumo As diferenças que existem entre os padrões dos protocolos de comunicação sempre impediram

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

Configuração SERVIDOR.

Configuração SERVIDOR. REQUISITOS MINIMOS SISTEMAS FORTES INFORMÁTICA. Versão 2.0 1. PRE-REQUISITOS FUNCIONAIS HARDWARES E SOFTWARES. 1.1 ANALISE DE HARDWARE Configuração SERVIDOR. Componentes Mínimo Recomendado Padrão Adotado

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Ricardo Schäffer. (Palavras-chave: EEMUA, HCI, SCADA) HCI. Apresentação

Ricardo Schäffer. (Palavras-chave: EEMUA, HCI, SCADA) HCI. Apresentação EEMUA 201 GUIA DE DESIGN PARA INTERFACES HUMANAS OPERACIONAIS Versão adaptada do guia original publicado pela Associação de Usuários de Equipamentos e Materiais de Engenharia. Ricardo Schäffer Resumo -

Leia mais

ZEUS SERVER STUDIO V2.07

ZEUS SERVER STUDIO V2.07 ZEUS SERVER STUDIO V2.07 FERRAMENTA DE CONFIGURAÇÃO DO ZEUS SERVER 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo

Leia mais

Redes Industriais ModBus RTU

Redes Industriais ModBus RTU Padrão EIA RS-232 O padrão RS (Recommended Standart) é uma padronização de interface para comunicação de dados criada nos anos 60 por um comitê da Electronic Industries Association (EIA). O equipamento

Leia mais

SMV. Sistema de Monitoramento de Variáveis

SMV. Sistema de Monitoramento de Variáveis SMV Sistema de Monitoramento de Variáveis BASE Automação Agosto / 2010 SMV Objetivo: Ser uma solução que permita o monitoramento, análise e o controle de diversas variáveis e grandezas que estão direta

Leia mais

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS)

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus Sistemas

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SUBESTAÇÕES SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SCMS / STRAY CURRENT MONITORING SYSTEM (SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CORRENTE DE FUGA) Definição de corrente de fuga O funcionamento dos sistemas

Leia mais

BluePlant Software SCADA/HMI. altus. evolução em automação. www.altus.com.br

BluePlant Software SCADA/HMI. altus. evolução em automação. www.altus.com.br BluePlant Software SCADA/HMI altus www.altus.com.br evolução em automação Uma nova visão da sua realidade Impressionante: gráficos de alta qualidade e configuração intuitiva Superior: segurança, redundância

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 1 - INTRODUÇÃO NEXCODE CONTROLS, também conhecido como NEXCON, é um conjunto de soluções de software desenvolvidas pela Nexcode

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

OPC DataHub Coloca a Tecnologia de Tunnelling a Disposição dos Dados de Processo

OPC DataHub Coloca a Tecnologia de Tunnelling a Disposição dos Dados de Processo OPC DataHub Coloca a Tecnologia de Tunnelling a Disposição dos Dados de Processo Por Paul Benford e Robert McIlvride, Cogent Real-Time Systems Inc. & Colin Winchester, Software Toolbox, Inc. No ambiente

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Paulo Sergio Pereira Junior Conprove Engenharia Ltda. Paulo Sergio Pereira Conprove

Leia mais

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto GRUPO V ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E COMUNICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA (GPC) PROJETO CEB A INTEGRAÇÃO COMPLETA ENTRE COS, EMS, DMS, REDE CORPORATIVA, CORs, SUBESTAÇÕES E CHAVES DE POSTE Robson

Leia mais

Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia

Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia Autor: Leopoldo Jorge de Souza, MSEE, Capitão de Mar e Guerra

Leia mais

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO ENGENHARIA MONTAGEM DE PAINÉIS AUTOMAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES A EMPRESA A Altercon Engenharia em Automação e Sistemas Industriais Ltda., foi constituída

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

SIMULADOR DE OPERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DESENVOLVIDO EM EXCEL

SIMULADOR DE OPERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DESENVOLVIDO EM EXCEL SIMULADOR DE OPERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DESENVOLVIDO EM EXCEL Gilson Vaz de Oliveira Gerente de Engenharia da EPC Automação Ltda. A simulação de situações reais evoluiu muito desde as primeiras aplicações,

Leia mais

Interfaces Homem-Máquina

Interfaces Homem-Máquina Interfaces Homem-Máquina www.altus.com.br Muito mais que IHMs Insuperável: gráficos vetoriais em hardware de alto desempenho Interativa: comunicação com diversos dispositivos de automação Intuitiva: biblioteca

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO AUTOMAÇÃO PREDIAL 1 INTRODUÇÃO A evolução da computação e dos sistemas digitais tem viabilizados aplicações, que se tornam presentes no cotidiano das pessoas, sendo hoje referenciais de conforto e praticidade

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Soluções em Tecnologia de Automação e Informação SOLUÇÕES INDUSTRIAIS LOGANN Soluções Especiais ESPECIALIDADES AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL Atuação em sistemas de controle, aquisição de dados e supervisão

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 GLOSSÁRIO Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 Responsável: Gustavo Teles GL01 Glossário 01 Página 1 de 7 A Aba - 1. Ficha com objetivo de separar ou agrupar em um mesmo contexto campos

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

Codificadores de vídeo Axis Trazendo os sistemas de vigilância analógicos para o mundo do vídeo em rede.

Codificadores de vídeo Axis Trazendo os sistemas de vigilância analógicos para o mundo do vídeo em rede. Codificadores de vídeo Axis Trazendo os sistemas de vigilância analógicos para o mundo do vídeo em rede. Transição fácil para o vídeo em rede O setor de vigilância por vídeo está passando rapidamente por

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 25 CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 O Protocolo PROFIBUS O PROFIBUS (acrônimo de Process Field Bus) é o segundo tipo mais popular de sistema de comunicação em rede Fieldbus, ficando atrás somente

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Claudio Hermeling COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO SA

Claudio Hermeling COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO SA SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL - COMPARTILHANDO INFORMAÇÕES DA AUTOMAÇÃO NA REDE CORPORATIVA Claudio Hermeling COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO SA RESUMO A interligação entre rede de automação e corporativa

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision Software de gerenciamento de impressoras MarkVision O MarkVision para Windows 95/98/2000, Windows NT 4.0 e Macintosh é fornecido com a sua impressora no CD Drivers, MarkVision e Utilitários. 1 A interface

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15 até 15.2.1 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3 até 6.3.1 1. Primeira prova 32 pt 2.

Leia mais