PROGRAMA EQ-ANP. Processamento, Gestão e Meio Ambiente na Indústria do Petróleo e Gás Natural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA EQ-ANP. Processamento, Gestão e Meio Ambiente na Indústria do Petróleo e Gás Natural"

Transcrição

1 PROGRAMA EQ-ANP Processamento, Gestão e Meio Ambiente na Indústria do Petróleo e Gás Natural ESTUDO DA CORROSÃO DE DUTOS ENTERRADOS EM SOLOS CONTAMINADOS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS Aline Marta Vasconcelos Loureiro Tese de Mestrado Orientadoras Profa. Simone Louise Delarue Cezar Brasil, D.Sc. Profa. Lídia Yokoyama, D.Sc. Novembro de 2005

2 ESTUDO DA CORROSÃO DE DUTOS ENTERRADOS EM SOLOS CONTAMINADOS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS Aline Marta Vasconcelos Loureiro Tese submetida ao Corpo Docente do Curso de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da Escola de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Mestrado em Ciências. Aprovado por: Simone Louise Delarue Cezar Brasil, D.Sc. (orientadora presidente da banca) Lídia Yokoyama, D.Sc. (orientadora) José Maurílio da Silva, D. Sc. Ladimir José de Carvalho, D. Sc. Valéria Castro de Almeida, D. Sc. Rio de Janeiro, RJ - Brasil Novembro de 2005 i

3 Loureiro, Aline Marta Vasconcelos Loureiro. Estudo da corrosão de dutos enterrados em solos contaminados por substâncias químicas / Aline Marta Vasconcelos Loureiro. Rio de Janeiro: UFRJ/EQ, xvi, 135 p.; il. (Dissertação) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Química, Orientadoras: Simone Louise Delarue Cezar Brasil e Lídia Yokoyama 1. Corrosão. 2. Dutos enterrados. 3. Contaminantes. 4. Tese. (Mestrado UFRJ/EQ). 5. Simone Louise Delarue Cezar Brasil e Lídia Yokoyama. I. Título. ii

4 Dedico este trabalho aos meus familiares e amigos que compreenderam os momentos de ausência e a Deus pela sua permanente presença. iii

5 Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende. (Leonardo da Vinci) iv

6 AGRADECIMENTOS Às minhas orientadoras, Professora Simone Louise Delarue Cezar Brasil e Professora Lídia Yokoyama, por todo apoio, motivação e confiança depositados neste trabalho. Ao professor Marcio Marangon, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), pela doação do LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO utilizado neste trabalho. À amiga Lisiane Gonçalves Lima pela sua valiosa colaboração e apoio durante a fase experimental de minha tese. Ao professor Luiz Roberto Martins de Miranda, do Laboratório de Corrosão da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pelos ensinamentos durante e após a disciplina de Corrosão. Aos pesquisadores, do Centro de Pesquisas da Petrobrás (CENPES), Walmar Baptista e Rosane Brito, pelo empréstimo do medidor de resistividade de solos NILSSON, essencial para a execução dos ensaios iniciais de resistividade do solo. Aos pesquisadores, do Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (CEPEL), Cristina Amorin e Mauro Zanini Sebrão pelo empréstimo de material bibliográfico que, sem dúvida, foi de grande contribuição para o enriquecimento do trabalho. Ao técnico Flávio Maia pela confecção dos eletrodos de trabalho e dos corpos-deprova para o ensaio de perda de massa. Ao técnico Helio Resende, por sua presteza e companhia durante a realização dos ensaios no laboratório. Aos colegas de Mestrado, da Escola de Química, Verônica e Walber, pela amizade conquistada ao início do curso. Aos colegas de Mestrado, do Laboratório de Corrosão da UFRJ, Alysson e Schultz pelos conhecimentos transmitidos na área de corrosividade de solos. Aos meus pais e familiares, pelo carinho e paciência. À Escola de Química, pela graduação no curso de Química Industrial, que forneceu a base para esta vitória. Ao apoio financeiro da Agência Nacional do Petróleo ANP e da Financiadora de Estudos e Projetos FINEP por meio do Programa de Recursos Humanos da ANP para o Setor de Petróleo e Gás PRH-ANP/MCT, em particular ao PRH 13, da Escola de Química - Processamento, Gestão e Meio Ambiente na Indústria do Petróleo e Gás Natural. v

7 Resumo da Tese de Mestrado apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos da Escola de Química/UFRJ como parte dos requisitos necessários para obtenção do grau de Mestre em Ciências, com ênfase na área de Petróleo e Gás Natural. ESTUDO DA CORROSÃO DE DUTOS ENTERRADOS EM SOLOS CONTAMINADOS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS Aline Marta Vasconcelos Loureiro Novembro, 2005 Orientadoras: Profa. Simone Louise Delarue Cezar Brasil, D.Sc. Profa. Lídia Yokoyama, D.Sc. A corrosão provocada pelo solo em dutos enterrados é um assunto de interesse para a indústria do petróleo, pois o aço-carbono tem sido vastamente utilizado como material de dutos transportadores de gás e derivados de petróleo. Vazamentos de produtos químicos oriundos de indústrias próximas a locais de passagem de dutos ocasionam alteração das características naturais dos solos, modificando suas propriedades físico-químicas e provocando impactos negativos. Este trabalho visa estudar a influência de algumas substâncias químicas na corrosividade de solos sobre o aço-carbono em condições drásticas tais como isenção de técnica de proteção no metal (representação de possível falha ou insuficiência de proteção) e alto teor de umidade no meio (situação de baixa resistividade). Tomando por base a Classificação de Solos Brasileira, os LATOSSOLOS possuem a maior representação geográfica no Brasil, sendo a sub-ordem VERMELHO- AMARELO a mais abundante. Assim, este solo foi escolhido para estudo, sendo as amostras de solo contaminadas por três substâncias industriais, representadas por um ácido (ácido sulfúrico), uma base (amônia) e um composto orgânico (1,2-dicloroetano ou DCE). Para o conhecimento das condições mais agressivas do meio, inicialmente foi verificada a variação da resistividade do solo em função do teor de umidade, teor de cada contaminante e do tempo de contato. Na segunda etapa, foram preparadas amostras de solo com o teor de umidade correspondente à resistividade mínima (maior corrosividade). As amostras isentas de contaminante (ensaio em branco) foram comparadas com as amostras que receberam a adição de cada um dos contaminantes industriais, permanecendo por até quatro meses. A agressividade total do solo foi avaliada a partir de Ensaios de Perda de Massa, Ensaios Eletroquímicos e medidas do Índice de Steinrath, que consiste no somatório de índices parciais para cada parâmetro físico-químico que influencia o poder corrosivo do solo. Foi verificado que a adição de contaminantes ao solo úmido resultou na seguinte ordem crescente de agressividade ao meio: 1,2-dicloroetano < amônia < ácido sulfúrico. Os Ensaios de Polarização e o uso do critério de avaliação de corrosividade do solo pelo Índice de Steinrath nem sempre concordaram com os resultados obtidos nos Ensaios de Perda de Massa no solo estudado. vi

8 Abstract of a Thesis presented to Curso de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos - EQ/UFRJ as partial fulfillment of the requirements for the degree of Master of Science with emphasis on Petroleum and Natural Gas. CORROSION STUDY OF BURIED PIPELINES ON SOIL CONTAMINATED BY CHEMICALS Aline Marta Vasconcelos Loureiro November, 2005 Supervisors: Profa. Simone Louise Delarue Cezar Brasil, D.Sc. Profa. Lídia Yokoyama, D.Sc. The corrosion of buried pipelines is an interest subject for oil industry because carbon steel has been widely employed in these pipelines for transportation of products like oil and gas. If an accident happens, chemical compounds can spill and change the natural characteristics of the soil. This alters physical-chemistry properties of the soil inducing negative impacts. This present study aims to observe the influence of some chemicals on soil corrosiveness upon carbon steel, when it is submitted to drastic conditions, as in the absence of any protection method (representation of possible failure or insufficient protection) and high moisture content (slow resistivity). According to the Brazilian Soil Classification, LATOSSOLOS are the type of the soil with most geographic representation in Brazil. Consequently, this soil sample would be ideal for investigating effects of corrosiveness on pipelines on typical Brazilian soil. Three industrial compounds were chosen for representation of principal industrial effluents: an acid (sulphuric acid), an alkali (ammonia) and an organic compound (1,2-dichloroethane). First, the most aggressiveness conditions in relation of humidity content, amount of each contaminant and contact time was determinated. After, soil samples were prepared by addiction of distillated water reaching the minimum resistivity (blank test). Also it was added the industrial compounds to samples of LATOSSOLO in order to evaluate the total soil aggressiveness through measures of weight loss, electrochemistry tests and Steinrath s Index (sum of partial indexes for some physical-chemistry parameters) for up to four months. Considering each one of the three contaminants added to the humid soil studied, the aggressiveness increases in this order: 1,2-dichloroethane < ammonia < sulfuric acid. The results obtained by polarization essays and Steinrath s Index not agreed with weight loss tests for this soil studied. vii

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA DEFINIÇÃO DE SOLO HORIZONTES DO SOLO FASES DO SOLO PROPRIEDADES MORFOLÓGICAS DO SOLO COR TEXTURA ESTRUTURA CONSISTÊNCIA ph DO SOLO PROPORÇÃO SOLO:ÁGUA PRESENÇA DE SAIS NO SOLO DETERMINAÇÃO DE ph CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO BRASIL LATOSSOLOS LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO (LV) CONTAMINAÇÃO DO SOLO INTRODUÇÃO À CORROSÃO EM SOLOS CORROSIVIDADE DE SOLOS TEXTURA E ESTRUTURA DO SOLO RESISTIVIDADE POTENCIAL REDOX POTENCIAL DE HIDROGÊNIO UMIDADE CLORETO SULFATO SULFETO AVALIAÇÃO DA CORROSIVIDADE ÍNDICE DE STEINRATH CRITÉRIO DE ROBINSON CRITÉRIO DA ACIDEZ CRITÉRIO DE STARKEY E WIGHT CRITÉRIO DE BOOTH CRITÉRIO DE GIRARD CRITÉRIO DE GOTLIEB E VIEIRA AVALIAÇÃO DA CORROSIVIDADE PELA NORMA DIN AVALIAÇÃO DA CORROSIVIDADE POR ENSAIOS ELETROQUÍMICOS AVALIAÇÃO DA CORROSIVIDADE POR ENSAIOS DE PERDA DE MASSA DIAGRAMAS DE POURBAIX CORROSÃO EM DUTOS ENTERRADOS O TRANSPORTE DUTOVIÁRIO CAUSAS DA CORROSÃO EM METAIS ENTERRADOS PREVENÇÃO E CONTROLE DA CORROSÃO Proteção Catódica e Revestimentos viii

10 3 MATERIAIS E MÉTODOS A AMOSTRA DE SOLO RAZÃO DA ESCOLHA DO LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO OS CONTAMINANTES RAZÃO DA ESCOLHA DOS CONTAMINANTES OS CORPOS-DE-PROVA ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA AMOSTRA DE SOLO MEDIDAS DE ph UMIDADE GRAVIMÉTRICA ESTUDO DA VARIAÇÃO DA RESISTIVIDADE DO SOLO VARIAÇÃO DA RESISTIVIDADE DO SOLO EM FUNÇÃO DO TEOR DE ÁGUA VARIAÇÃO DA RESISTIVIDADE DO SOLO ÚMIDO EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CONTAMINANTES VARIAÇÃO DA RESISTIVIDADE EM FUNÇÃO DO TEMPO Solo Contendo Diferentes Teores de Umidade Solo Contendo Contaminantes AVALIAÇÃO DA CORROSIVIDADE DO SOLO ENSAIOS ELETROQUÍMICOS ENSAIOS DE PERDA DE MASSA ÍNDICE DE STEINRATH Resistividade Potencial Redox ph Umidade Cloreto Sulfato Sulfeto RESULTADOS E DISCUSSÃO ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA AMOSTRA DE SOLO MEDIDAS DE ph UMIDADE GRAVIMÉTRICA ESTUDO DA VARIAÇÃO DA RESISTIVIDADE DO SOLO VARIAÇÃO DA RESISTIVIDADE DO SOLO EM FUNÇÃO DO TEOR DE ÁGUA VARIAÇÃO DA RESISTIVIDADE DO SOLO ÚMIDO EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CONTAMINANTES VARIAÇÃO DA RESISTIVIDADE EM FUNÇÃO DO TEMPO VISÃO GERAL DOS ENSAIOS DE RESISTIVIDADE ENSAIOS ELETROQUÍMICOS SOLO NA AUSÊNCIA DE CONTAMINANTES SOLO CONTAMINADO POR ÁCIDO SULFÚRICO SOLO CONTAMINADO POR AMÔNIA SOLO CONTAMINADO POR 1,2-DICLOROETANO ENSAIOS DE PERDA DE MASSA AVALIAÇÃO DA CORROSIVIDADE DO SOLO ATRAVÉS DO ÍNDICE DE STEINRATH AVALIAÇÃO GERAL DOS RESULTADOS AO LONGO DOS 4 MESES: ENSAIOS ELETROQUÍMICOS, PERDA DE MASSA E ÍNDICE DE STEINRATH SOLO CONTENDO 40% DE UMIDADE AUSENTE DE CONTAMINANTES ix

11 4.6.2 SOLO CONTENDO 40% DE UMIDADE CONTAMINADO COM 5,4% DE ÁCIDO SULFÚRICO SOLO CONTENDO 40% DE UMIDADE CONTAMINADO COM 1,4% DE AMÔNIA SOLO CONTENDO 40% DE UMIDADE CONTAMINADO COM 3,8% DE 1,2-DICLOROETANO AVALIAÇÃO DOS ENSAIOS ELETROQUÍMICOS, PERDA DE MASSA E ÍNDICE DE STEINRATH COMO MÉTODOS USADOS NO ESTUDO DA CORROSÃO CONCLUSÕES E SUGESTÕES CONCLUSÕES SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 121 ANEXOS A - Ficha de Emergência do Ácido Sulfúrico B Ficha de Emergência do Hidróxido de Amônio C Ficha de Emergência do 1,2-Dicloroetano D Metodologia para Medição de ph de Solo E Metodologia para Determinação de Umidade de Solo F Metodologia para Preparo de Extrato Aquoso G Metodologia para Determinação de Cloreto em Solo H Metodologia para Determinação de Sulfato em Solo I Metodologia para Ensaio Específico de Sulfeto x

12 LISTA DE FIGURAS 2.1 Esquema de perfil de um solo mostrando os principais horizontes e subhorizontes Diagrama Triangular generalizado para a determinação das cinco principais classes de texturas do solo, segundo a EMBRAPA Alguns dos diferentes tipos de estrutura do solo. Acima, da esquerda para a direita: (a) prismática, (b) colunar, (c) blocos angulares e subangulares, (d) laminar e (e) granular Representação gráfica do Ponto de Carga Zero em função do ph Curvas da titulação da solução do solo para a determinação do ph do PCz Representação do ph do PCz em função das cargas positivas e negativas Solos sazonais predominantes no Brasil Representação da caixa padrão de solo Curva de resistividade de um solo hipotético em função do teor de umidade Medidor de resistência do solo pelo Método de Wenner Esquema de sistemas de medições com o potenciostato Representação gráfica da Lei de Tafel Diagrama de equilíbrios potencial-ph do sistema Fe-H 2 O a 25ºC e 1 atm Zonas teóricas de corrosão, imunidade e passivação do ferro a 25ºC e 1 atm Mapa de dutos operados pela TRANSPETRO Solo conforme recebido Solo após ser peneirado Disposição dos eletrodos de trabalho e de referência no momento da medição. O eletrodo de trabalho está unido ao tubo de PVC, por onde o eletrodo de referência é inserido Disposição dos corpos-de-prova, eletrodo de referência, eletrodo de trabalho e contra-eletrodo em cada recipiente de amostra de solo Comportamento da resistividade da amostra de solo em função do teor de água Comportamento da resistividade da amostra de solo contendo 60% de umidade em função do teor de ácido sulfúrico. 76 xi

13 4.3 Comportamento da resistividade da amostra de solo contendo 60% de umidade em função do teor de amônia Comportamento da resistividade da amostra de solo contendo 60% de umidade em função do teor de 1,2-dicloroetano Comportamento da resistividade das amostras de solo contendo diferentes teores de umidade Comportamento da resistividade das amostras de solo a 40 e 60% de umidade contaminadas com 5,4% de ácido sulfúrico Comportamento da resistividade das amostras de solo a 40 e 60% de umidade contaminadas com 1,4% de amônia Comportamento da resistividade das amostras de solo a 40 e 60% de umidade contaminadas com 3,8% de DCE Curvas de polarização anódica e catódica do aço AISI 1020 em contato com o solo contendo 40% de umidade após1 mês (a), 2 meses (b), 3 meses (c) e 4 meses (d) Diagrama de Pourbaix para o sistema Fe-H 2 O contendo os resultados de ph e potencial de corrosão encontrados para os tempos de contato 1 mês (1), 2 meses (2), 3 meses (3) e 4 meses (4) Curvas de polarização anódica e catódica do aço AISI 1020 em contato com o solo contendo 40% de umidade contaminado por 5,4% de ácido sulfúrico após 1 mês (a), 2 meses (b), 3 meses (c) e 4 meses (d) Diagrama de Pourbaix para o sistema Fe-S-H 2 O contendo os resultados de ph e potencial de corrosão encontrados para os tempos de contato 1 mês (1), 2 meses (2), 3 meses (3) e 4 meses (4) Curvas de polarização anódica e catódica do aço AISI 1020 em contato com o solo contendo 40% de umidade contaminado por 1,4% de amônia após 1 mês (a), 2 meses (b), 3 meses (c) e 4 meses (d) Diagrama de Pourbaix para o sistema Fe-N-H 2 O contendo os resultados de ph e potencial de corrosão encontrados para os tempos de contato 1 mês (1), 2 meses (2), 3 meses (3) e 4 meses (4) Curvas de polarização anódica e catódica do aço AISI 1020 em contato com o solo contendo 40% de umidade contaminado por 3,8% de 1,2-dicloroetano após 1 mês (a), 2 meses (b), 3 meses (c) e 4 meses (d) Diagrama de Pourbaix para o sistema Fe-C-Cl-H 2 O contendo os resultados de ph e potencial de corrosão encontrados para os tempos de contato 1 mês (1), 2 meses (2), 3 meses (3) e 4 meses (4) Taxas médias de corrosão em mg/cm 2.dia do aço-carbono AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade durante 4 meses xii

14 4.18 Taxas médias de corrosão em mg/cm 2.dia do aço-carbono AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade e 5,4% de ácido sulfúrico durante 4 meses Taxas médias de corrosão em mg/cm 2.dia do aço-carbono AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade e 1,4% de amônia durante 4 meses Taxas médias de corrosão em mg/cm 2.dia do aço-carbono AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade e 3,8% de 1,2-dicloroetano durante 4 meses Taxas médias de corrosão em mpy do aço-carbono AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade durante 4 meses Taxas médias de corrosão em mpy do aço-carbono AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade e 5,4% de ácido sulfúrico durante 4 meses Taxas médias de corrosão em mpy do aço-carbono AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade e 1,4% de amônia durante 4 meses Taxas médias de corrosão em mpy do aço-carbono AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade e 3,8% de 1,2-dicloroetano durante 4 meses Taxas médias de corrosão em mg/cm 2.dia do aço-carbono AISI 1020 em função do solo contendo 40% de umidade estar na ausência ou na presença de ácido sulfúrico, amônia e 1,2-dicloroetano para o período de 4 meses Taxas médias de corrosão em mpy do aço-carbono AISI 1020 em função do solo contendo 40% de umidade estar na ausência ou na presença de ácido sulfúrico, amônia e 1,2-dicloroetano para o período de 4 meses Aspecto dos corpos-de-prova de aço AISI 1020 após 4 meses de contato em: solo contendo 40% de umidade (a), solo contendo 40% de umidade e 5,4% de ácido sulfúrico (b), solo contendo 40% de umidade e 1,4% de amônia (c) e solo contendo 40% de umidade e 3,8% de 1,2-dicloroetano (d) Somatório dos Índices Parciais de Steinrath para o solo contendo 40% de umidade na ausência e na presença de ácido sulfúrico, amônia e 1,2-dicloroetano durante 4 meses Diagrama de equilíbrios potencial-ph do sistema S-H 2 O a 25ºC e 1 atm. 112 xiii

15 LISTA DE TABELAS 2.1 Classificação das partículas de solo em função do tamanho Número de acidentes envolvendo produtos químicos perigosos no Estado do Rio de Janeiro de 1984 a Potencial redox como um indicador da corrosividade do solo Parâmetros relacionados por Steinrath para avaliação da corrosividade do solo Índice total da agressividade do solo segundo Steinrath Relação entre a resistividade e a corrosividade do solo Valores de ph para corrosão mínima de metais comuns Efeito da acidez total na corrosividade de solos para estruturas enterradas Possibilidade de corrosão microbiológica em função do potencial redox segundo Starkey e Wight Critério de corrosividade do solo segundo Booth Critério de corrosividade do solo segundo Girard Critério de corrosividade do solo segundo Gotlieb e Vieira Classificação da resistência relativa à corrosão de ligas típicas de ferro e níquel de acordo com a taxa de corrosão em mpy Extensão e carga transportada pela malha dutoviária brasileira Composição da Solução NS Composição química percentual do aço-carbono AISI Valores de ph da suspensão solo:líquido na razão de 1:2, Teor de umidade natural da amostra de LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO Valores de resistividade obtidos para a adição de água à amostra de solo Valores de resistividade obtidos para a adição de ácido sulfúrico à amostra de solo contendo 60% de umidade Valores de resistividade obtidos para a adição de amônia à amostra de solo contendo 60% de umidade. 77 xiv

16 4.6 Valores de resistividade obtidos para a adição de 1,2-dicloroetano à amostra de solo contendo 60% de umidade Valores de resistividade (ohm.cm) das amostras de solo contendo diferentes teores de umidade Valores de resistividade (ohm.cm) das amostras de solo a 40 e 60% de umidade contaminadas com 5,4% de ácido sulfúrico Valores de resistividade (ohm.cm) das amostras de solo a 40 e 60% de umidade contaminadas com 1,4% de amônia Valores de resistividade (ohm.cm) das amostras de solo a 40 e 60% de umidade contaminadas com 3,8% de DCE ph e potenciais de corrosão do aço AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade no período de 1 a 4 meses ph e potenciais de corrosão do aço AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade contaminado por 5,4% de ácido sulfúrico no período de 1 a 4 meses ph e potenciais de corrosão do aço AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade contaminado por 1,4% de amônia no período de 1 a 4 meses ph e potenciais de corrosão do aço AISI 1020 em solo contendo 40% de umidade contaminado por 3,8% de 1,2-dicloroetano no período de 1 a 4 meses Taxas médias de corrosão expressas em mg/cm 2.dia para o solo contendo 40% de umidade na ausência de contaminantes (H 2 O) e na presença dos 3 contaminantes (H 2 SO 4, NH 3 e DCE) após 1, 2, 3 e 4 meses de tempo de contato Taxas médias de corrosão expressas em mpy para o solo contendo 40% de umidade na ausência de contaminantes (H 2 O) e na presença dos 3 contaminantes (H 2 SO 4, NH 3 e DCE) após 1, 2, 3 e 4 meses de tempo de contato. 97 xv

17 LISTA DE QUADROS 4.1 Valores medidos para os 7 parâmetros do Índice de Steinrath, seus índices parciais e classificação do grau de corrosividade para o solo contendo 40% de umidade durante 4 meses Valores medidos para os 7 parâmetros do Índice de Steinrath, seus índices parciais e classificação do grau de corrosividade para o solo contendo 40% de umidade contaminado por 5,4% de ácido sulfúrico durante 4 meses Valores medidos para os 7 parâmetros do Índice de Steinrath, seus índices parciais e classificação do grau de corrosividade para o solo contendo 40% de umidade contaminado por 1,4% de amônia durante 4 meses Valores medidos para os 7 parâmetros do Índice de Steinrath, seus índices parciais e classificação do grau de corrosividade para o solo contendo 40% de umidade contaminado por 3,8% de 1,2-dicloro etano durante 4 meses. 109 xvi

18 Capítulo 1 Introdução e Objetivos CAPÍTULO 1 Introdução e Objetivos 1

19 Capítulo 1 Introdução e Objetivos A possibilidade de ocorrência de acidentes nas indústrias por vazamentos ou derramamentos de produtos químicos próximos a dutos enterrados é um fator preocupante, já que os mesmos causam a poluição do solo, alterando suas propriedades físico-químicas, produzindo assim impactos negativos. Do ponto de vista da corrosão, a adição de produtos químicos no solo pode aumentar a agressividade do meio, acelerando o processo de corrosão no duto de aço. O duto se tornará mais vulnerável, o que levará a risco de vazamento de produtos, agravando ainda mais o dano ambiental. Assim, o estudo do solo como meio corrosivo tem grande importância devido ao elevado número de tubulações e reservatórios instalados no solo. A corrosão pelo solo responde a uma parcela considerável dos custos globais de corrosão. O Brasil possui uma malha dutoviária superior a km atravessando diferentes tipos de solos. O solo possui complexidade quanto à sua composição e às interações com o ambiente, sendo definido de diversas maneiras, em função da área de interesse do pesquisador. Fatores climáticos causam alterações nas propriedades do solo, as quais estão diretamente relacionadas com as taxas de corrosão dos metais enterrados. Um dos parâmetros fundamentais relativos à corrosividade do solo é a sua resistividade. De fato, a taxa de corrosão de uma estrutura metálica enterrada está diretamente relacionada à resistividade, sendo que solos de menor resistividade proporcionam maiores taxas de corrosão. Por sua vez, a resistividade depende das características do solo tais como porosidade, permeabilidade, nível de umidade, sais dissolvidos e acidez. 2

20 Capítulo 1 Introdução e Objetivos O presente trabalho objetiva avaliar a agressividade do LATOSSOLO VERMELHO- AMARELO sobre os dutos de aço carbono contendo substâncias químicas introduzidas por derramamentos acidentais próximos a locais de passagem de dutos. Este estudo visa, portanto, estudar a influência de três contaminantes (ácido sulfúrico, amônia e 1,2- dicloroetano) na corrosividade de solos, em condições drásticas, como na ausência de técnica de proteção no metal (representação de possível falha ou insuficiência de proteção) e na presença de elevado teor de umidade no meio (situação de baixa resistividade). A corrosividade do solo na ausência e na presença dos contaminantes foi avaliada por ensaios de perda de massa, ensaios eletroquímicos e pelo Índice de Steinrath. Este estudo foi organizado em 5 capítulos: O capítulo 2 Revisão Bibliográfica encontra-se dividido em duas partes. A primeira abrange a definição de solo, suas propriedades, a visão de classificação dos solos usada atualmente no Brasil e a contaminação que os solos estão sujeitos pelas atividades antrópicas. A segunda parte é dedicada ao estudo da corrosão, com ênfase na corrosividade de solos, abordando a influência das propriedades físico-químicas dos solos; os critérios de avaliação da agressividade de solos; o Diagrama de Pourbaix; além de citar as técnicas mais usuais de proteção da corrosão em dutos enterrados. O capítulo 3 Materiais e Métodos propõe descrever os procedimentos e materiais adotados em laboratório para a avaliação da corrosividade do LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO sobre o aço-carbono. 3

21 Capítulo 1 Introdução e Objetivos O capítulo 4 Resultados e Discussão mostra os resultados obtidos em todos os ensaios realizados, verificando o comportamento da corrosão do aço-carbono nos meios estudados, além de comparar os métodos utilizados para a avaliação de corrosividade de solos propostos na Literatura. O capítulo 5 Conclusões e Sugestões apresenta as conclusões obtidas no presente trabalho e propõe novos testes como sugestões para futuros trabalhos dentro do estudo da corrosividade de solos. 4

22 Capítulo 2 Revisão Bibliográfica CAPÍTULO 2 Revisão Bibliográfica 5

23 Capítulo 2 Revisão Bibliográfica: Parte I Parte I O Solo 2.1 DEFINIÇÃO DE SOLO O solo é normalmente considerado como a camada superior da crosta terrestre, assegurando várias funções essenciais de caráter ambiental, social e econômico, necessárias à vida. O solo também é visto como a interface entre a terra (geosfera), o ar (atmosfera) e a água (hidrosfera). Constitui-se numa mistura de compostos minerais e orgânicos, formada pela ação de agentes físicos, químicos e biológicos inicialmente sobre a rocha primária. A ação desses agentes forma nos solos faixas horizontais, denominadas horizontes, os quais lhe dão características próprias. Para as plantas, os solos são além do meio de fixação, fonte de nutrientes necessários ao seu desenvolvimento (LUCHESE et al., 2002). Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA, 1999), o solo é uma coleção de corpos naturais, constituídos por partes sólidas, líquidas e gasosas, tridimensionais, dinâmicos, os quais são formados por materiais minerais e orgânicos, que ocupam a maior parte do manto superficial das extensões continentais do nosso planeta; contêm ainda, matéria viva e podem ser vegetados na natureza onde ocorrem. Ocasionalmente, podem ter sido modificados por atividades humanas. Na literatura encontra-se uma grande variedade de definições para o solo, pois dependendo da área de atividade, o solo é caracterizado sob diversos pontos de vista. Para o pedólogo 1, solo é a coleção de corpos naturais dinâmicos, que contém matéria viva, e é resultante da ação do clima e da biosfera sobre a rocha, cuja transformação em solo se realiza durante certo tempo e é influenciada pelo tipo de relevo. 1 Estudioso da Pedologia (ciência que se dedica aos solos, considerando sua constituição, origem, morfologia e mapas). 6

24 Capítulo 2 Revisão Bibliográfica: Parte I As definições de solo, mesmo sob o ponto de vista do pedólogo são amplas porque abrangem vários outros campos, entre eles, a Geologia, Agricultura, Engenharia, Química, Física e Ecologia (LEPSCH, 2002) HORIZONTES DO SOLO Sob a ação de um conjunto de fenômenos biológicos, físicos e químicos, o solo se forma organizando-se em uma série de camadas sobrepostas de aspecto e constituição diferentes. Essas camadas são aproximadamente paralelas à superfície, e denominadas horizontes, como podem ser vistas na Figura 2.1. Figura 2.1 Esquema de perfil de um solo mostrando os principais horizontes e sub-horizontes. Fonte: LEPSCH, O conjunto de horizontes, num corte vertical que vai da superfície até o material semelhante ao que deu origem ao solo é o perfil do solo. 7

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 116 Química do Meio Ambiente Aula 1 Litosfera Parte 2 Prof. Julio C. J. Silva Juiz de For a, 2010 Solo O solo

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO Adaptado de Solos do Brasil (Benjamim Pereira Vilela e Selma Simões de Castro) PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo Estudo do Solo 1. Introdução O estudo e a caracterização dos parâmetros físicos e químicos do solo constituem uma metodologia de trabalho essencial na realização de levantamentos das comunidades vegetais,

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a deterioração de um material, geralmente metálico, por ação eletroquímica ou química do meio ambiente, associada ou não a esforços mecânicos. Isto

Leia mais

O SOLO NO MEIO AMBIENTE

O SOLO NO MEIO AMBIENTE Mini Curso O Solo e o Meio Ambiente Prof. Dr. Marcelo Ricardo de Lima IX EPEA 1 O SOLO NO MEIO AMBIENTE Marcelo Ricardo de Lima Professor Doutor do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, Universidade

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO Prof. Carolina R. Duarte Maluche Baretta Chapecó (SC), Abril de 2013. Intemperismo? Definição: Intemperismo: alterações físicas e

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

PROF. DR. REGES HEINRICHS

PROF. DR. REGES HEINRICHS Universidade Estadual Paulista Campus de Dracena Curso Zootecnia Disciplina: Solos COLÓIDES DO SOLO PROF. DR. REGES HEINRICHS 2010 Introdução Colóides são partículas menores que 1 (um) micrômetro de diâmetro.

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015 Domínio: Terra em transformação Subdomínio: Dinâmica externa da Terra ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Identificar os minerais constituintes de rochas, considerando as suas propriedades físicas

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila).

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Conceito Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Sistemas de classificação Quadro 1. Frações granulométricas encontradas nos sistemas

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila:

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila: Universidade Estadual Paulista Campus de e Dracena Curso Zootecnia Disciplina: Solos Composição do Solo Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Introdução O Solo é composto por três fases: Sólido (matéria orgânica

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA Com o conhecimento de átomos e moléculas, passa-se a

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões.

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões. Os solos Definição: O solo é um recurso renovável que facilmente se pode perder por mau uso ou gestão deficiente. O solo forma-se a partir da alterabilidade (meteorização química e/ou física) das rochas

Leia mais

Medição da resistividade do solo

Medição da resistividade do solo 30 Apoio Aterramentos elétricos Capítulo XI Medição da resistividade do solo Jobson Modena e Hélio Sueta* O projeto da norma ABNT NBR 7117, atualmente em revisão, estabelece os requisitos para a medição

Leia mais

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS 2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS FALANDO DOS SOLOS (8) No bloco anterior aludi à componente mineral do solo. Neste abordo a componente orgânica e as fracções líquida e gasosa que lhes estão associadas.

Leia mais

O solo é um sistema aberto que sofre continua troca de matéria e energia com a atmosfera, hidrosfera e biosfera.

O solo é um sistema aberto que sofre continua troca de matéria e energia com a atmosfera, hidrosfera e biosfera. A poluição do solo é causada pelos lixos que as pessoas deixam no chão da sua casa, da sua rua, do jardim da sua cidade, do pinhal ou das matas quando fazem um piquenique da berma das estradas quando vão

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Paulo Henrique Saraiva Câmara SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Frederico

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2011 17 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO Maria Harumi Yoshioka (Acadêmica do Curso de Engenharia Florestal/UFPR) Marcelo Ricardo de Lima (Prof. Doutorando do DSEA/UFPR) ATENÇÃO: Copyright 2005 - Departamento

Leia mais

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros Os Ciclos Biogeoquímicos Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros (Odum, 1971). Ciclos Biogeoquímicos Bio Porque os organismos vivos interagem no processo de síntese orgânica e decomposição dos elementos.

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

A resposta correta deve ser a letra B.

A resposta correta deve ser a letra B. ITA - 1999 1- (ITA-99) Assinale a opção CORRETA em relação à comparação das temperaturas de ebulição dos seguintes pares de substâncias: a) Éter dimetílico > etanol; Propanona > ácido etanóico; Naftaleno

Leia mais

Conceitos e aplicações dos adjuvantes

Conceitos e aplicações dos adjuvantes ISSN 1518-6512 Agosto, 2006 56 Conceitos e aplicações dos adjuvantes Leandro Vargas 1, Erivelton Scherer Roman 1 Introdução Os herbicidas, até mesmo aqueles com ação de contato como paraquat, necessitam

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO:

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO: MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL Por Claude E. Boyd, Ph.D. Department of Fisheries and Allied Aquacultures Alburn University Alburn, Alabama 36849 USA Artigo publicado na Revista Advocate

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 1.1 Materiais 1.1.1 Materiais

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química DEGRADAÇÃO DE FRAÇÃO AROMÁTICA DA GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Aluno: Luciano Vetorasso Corbucci Orientadora

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Aspectos Ambientais nas Emergências Químicas. Aspectos gerais

Aspectos Ambientais nas Emergências Químicas. Aspectos gerais Aspectos Ambientais nas Emergências Químicas Biól. Carlos Ferreira Lopes, Msc. Setor de Operações de Emergência da CETESB Aspectos gerais A gestão do atendimento a emergências químicas deve considerar

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

Adição de matéria orgânica ao solo

Adição de matéria orgânica ao solo MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) A MOS faz parte do ciclo do carbono Qualidade ambiental Embora em pequenas proporções nos solos minerais, a MOS é importante devido à sua alta reatividade e interação com

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita 2.Óxidos!!! Geralmente são mais abundantes à medida em que o solo fica mais intemperizado (lembrese do índice ki calculado na aula prática); Além de CTC, podem desenvolver cargas positivas (CTA), que quando

Leia mais

Ciências Humanas e suas Tecnologias Ensino Fundamental, 1ª Série Ensino Médio Tipos de solo e suas características

Ciências Humanas e suas Tecnologias Ensino Fundamental, 1ª Série Ensino Médio Tipos de solo e suas características Ciências Humanas e suas Tecnologias Ensino Fundamental, 1ª Série Ensino Médio Tipos de solo e suas características Finíssima película da terra viva que é um laboratório natural, sede de transformações

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Exercícios de Problemas Ambientais

Exercícios de Problemas Ambientais Exercícios de Problemas Ambientais Material de apoio do Extensivo 1. Observe a imagem, que apresenta uma situação de intensa poluição do ar que danifica veículos, edifícios, monumentos, vegetação e acarreta

Leia mais

Aula 6 QUÍMICA DE SOLOS. Carlos Alexandre Borges Garcia Elisangela de Andrade Passos

Aula 6 QUÍMICA DE SOLOS. Carlos Alexandre Borges Garcia Elisangela de Andrade Passos Aula 6 QUÍMICA DE SOLOS META Apresentar os solos e sua composição; Apresentar as funções e classificações dos solos; Apresentar a amostragem de solos; Apresentar equipamentos comuns para coleta de solos;

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A.

CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A. CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A. 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia de Materiais 22 CONBRASCORR

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA UFJF CNCURS VESTIBULAR 2011-2 GABARIT DA PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA Questão 1 Sabe-se que compostos constituídos por elementos do mesmo grupo na tabela periódica possuem algumas propriedades químicas semelhantes.

Leia mais

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Cris ph - Aplicação: Nome da Empresa: Endereço: Ajustador de ph Marco Antonio Spaca Piscinas EPP Rua: João Paulino dos Santos, 150 Bairro: Atibaia

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

b) explique duas medidas adotadas pelo poder público para minimizar o problema da poluição atmosférica na cidade de São Paulo.

b) explique duas medidas adotadas pelo poder público para minimizar o problema da poluição atmosférica na cidade de São Paulo. 1. (Fuvest 2013) Observe a imagem, que apresenta uma situação de intensa poluição do ar que danifica veículos, edifícios, monumentos, vegetação e acarreta transtornos ainda maiores para a população. Trata-se

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

Indústria e Comércio de Produtos Químicos

Indústria e Comércio de Produtos Químicos FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: Nome do Produto: Ácido Fosfórico Nome Químico: Ácido Fosfórico ou Ácido Ortofosfórico Sinônimo: Hidrogeno Fosfato Fórmula Química: H

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

Acido Crômico Anidro FISPQ nº: 0007 Ultima Revisão: 08/11/2014

Acido Crômico Anidro FISPQ nº: 0007 Ultima Revisão: 08/11/2014 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Código do produto : 0007 Empresa : Jenifer Martins de Souza (MV Química / Lubrificantes Brasil) Rua José Carlos, 44 Jandira - SP Cep: 06608-330

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUESTÃO 01 Um estudante listou os seguintes processos como exemplos de fenômenos que envolvem reações químicas: I adição de álcool à gasolina. II fermentação da massa

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais