A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM"

Transcrição

1 R E S E N H A

2 A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, JOSÉ MAIA BEZERRA NETO * Ainda hoje causa certo espanto, até mesmo entre o público acadêmico, a afirmação da importância em seus vários sentidos da escravidão negra de origem africana, portanto da presença negra, na Amazônia como um todo, inclusive no Pará. Isto porque, considerada há muito tão-somente terra de índios e florestas, tornou-se a (história da) região amazônica refém de modelos historiográficos ou interpretativos de sua história construídos desde pelo menos a segunda metade do século XIX. Modelos explicativos em que sobressaía em larga medida a tese comum de que a região em sua condição periférica, baseada sócio-economicamente no extrativismo, não desenvolveu plantations; portanto, a escravidão negra, embora presente, fora de pouca ou nenhuma importância, inclusive demograficamente. Hoje, é verdade, com base em anos acumulativos de resultados de pesquisas de diversos historiadores e cientistas sociais, já é possível a certeza de que havia escravidão negra para aquém e além da plantation e que tal escravidão, portanto a presença negra, para ser importante não tinha necessariamente como pré-requisito a economia agroexportadora monocultora. No caso da Amazônia, mais especificamente o Pará, inúmeros trabalhos ao longo dos últimos trinta anos, mais ainda desde a década de 1990, vêm demonstrando que o espanto acima relatado no início desta resenha não tem razão de ser. Aqui, no entanto, quero tratar do estudo pioneiro da presença negra e/ou da escravidão negra * Professor da Faculdade de História da Universidade Federal do Pará. Doutorando em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Vol. III, n 1, 2008, p Revista Estudos Amazônicos 167

3 no Pará, que em 2005 conheceu a sua terceira edição revisada, isto é: O Negro no Pará. Sob o regime da escravidão. Neste livro, publicado pela primeira vez em 1971, portanto trabalho provavelmente produzido ainda na década de 1960 e início da seguinte, Vicente Salles, pesquisador que veio do folclore, passando pelas ciências sociais, para o campo da História, sem deixar de ser folclorista ou cientista social, na qualidade de seu autor agregou uma leitura mais cultural ao estudo da escravidão no Pará, na época em que o diálogo entre história e antropologia no Brasil ainda era uma promessa, sendo o tom da moda historiográfica brasileira o intercâmbio com a sociologia, sendo então muitos os trabalhos de história sociológica ou de sociologia histórica, inclusive acerca da escravidão. Não que Vicente Salles tenha sido imune aos encantos interpretativos sociológicos da época, afinal tinha sua formação acadêmica nas Ciências Sociais, a partir de onde resultou O Negro no Pará. Sob o regime da escravidão, sendo tal livro em larga medida uma leitura sociológica da escravidão matizada pelo debate em curso na época sobre a escravidão brasileira, seu caráter violento e a razão de ser da exclusão social da população negra. Mas, ainda que assim o fosse, as influências sociológicas mais importantes no livro aqui resenhado não foram essas já ditas. Mas aquelas que Salles trouxe dos campos da antropologia cultural brasileira e também do folclore, a partir de sua formação iniciada junto a Édson Carneiro, um dos nomes mais destacados dedicado aos estudos da presença negra no Brasil. Ou seja, numa época em que o eixo das discussões historiográficas sobre a escravidão negra no Brasil era dominado por interpretações sociológicas pouco ou quase nada afeitas aos aspectos culturais da escravidão, ou, ainda menos, ao escravo como sujeito da sociedade escravista, Salles buscou na antropologia e no folclore elementos do universo cultural afrobrasileiro para entender a escravidão; portanto, entender o escravo não apenas como produtor de riquezas coisificado pelo regime escravista, ou apenas como mão-de-obra sob domínio senhorial, mas igualmente como sujeito que interagindo socialmente era produtor de cultura ou sujeito de práticas culturais, não havendo para Salles dicotomia entre os mundos do trabalho e da cultura. Por essa razão, talvez, o livro de Salles quando de sua publicação em 1971, ainda mais se tratando de um estudo sobre a escravidão em 168 Revista Estudos Amazônicos

4 uma região considerada periférica e na qual a escravidão era vista e compreendida como desimportante, não tenha sido levado na devida conta pela historiografia da escravidão na época. Acredito que podia muito bem ter sido visto, senão ignorado, como um estranho no ninho da história, sendo seu lugar junto aos estudos antropológicos afrobrasileiros. Ainda mais, muito provavelmente, deve ter sido visto como um trabalho de cunho regional, portanto menor, sobre algo considerado até então muito mais uma curiosidade sociológica do que um tema a ser devidamente investigado e, que, portanto, não poderia render muito, isto é o estudo da escravidão negra numa região periférica, portanto pobre, onde a escravidão embora tenha existido pouco importou. Não que os estudos regionais sobre a escravidão negra em áreas periféricas, portanto onde não havia plantations, não estivessem na moda, sendo exemplo disto o conhecido trabalho de Fernando Henrique Cardoso sobre a escravidão nas charqueadas riograndeses do sul do Brasil, ou do trabalho não menos conhecido de Octávio Ianni sobre escravidão e relações raciais no Paraná. Mas, tais trabalhos estavam dentro do perfil dos estudos sociológicos ou de sociologia histórica da época sobre a escravidão, além do que o Pará parecia e ainda parece mais periférico que as demais áreas periféricas brasileiras, ainda mais se tratando do estudo da escravidão negra. Aliás, a publicação em primeira edição do livro de Salles, em 1971, pela Fundação Getúlio Vargas, com prefácio do historiador Arthur Cezar Ferreira Reis, alguém que, apesar de seu eixo interpretativo sobre a Amazônia ser valorativo do extrativismo, não desconhecia de todo a presença negra na região, já era indicativo, como ao que parece o fora nas duas edições seguintes em 1988 e 2005, editadas por órgãos vinculados ao governo do Estado do Pará, de que sem o suporte de edições por órgãos públicos, portanto pouco afeitas aos ditames do mercado editorial, não teria havido possibilidade de publicação deste trabalho ou talvez houvesse sido mais difícil fazê-lo por editoras comerciais, isto pelas razões já apontadas antes. Exposto o quadro acima, fica então a pergunta: o livro de Salles em sua terceira edição em 2005, bem como a segunda, por órgão ligado ao governo estadual paraense, seria então apenas de interesse local ou regional? Não creio. Acredito tratar-se de obra importante para a compreensão da escravidão brasileira como um todo a partir de uma Revista Estudos Amazônicos 169

5 dada realidade, no caso a paraense. Sendo justamente esta condição a razão de ser de sua importância. Daí, obviamente, o sendo também importante para aqueles que desejam enveredar pelos estudos da presença negra sob ou não o regime da escravidão no Pará. Portanto, quero tratar agora um pouco mais de perto de alguns aspectos desta obra. Quando da primeira edição, bem como da segunda edição, esta beneficiada pelo longo tempo desde sua publicação primeira e, principalmente, pelo interesse despertado acerca do tema da escravidão aquando da efeméride do centenário da abolição em 1988, ainda eram incomuns os estudos ou pesquisas sobre a presença escrava negra de origem africana na Amazônia, inclusive no Pará, sendo esta situação por si só já indicadora do pioneirismo do trabalho de Vicente Salles, para além das razões já expostas antes. Isto porque, mesmo não sendo Salles o primeiro a tratar do tema, o foi com certeza o primeiro a fazêlo de forma mais abrangente e aprofundada e, ao mesmo tempo, fazendo do tema da escravidão negra no Pará objeto específico de investigação social. A partir de O Negro no Pará. Sob o regime da escravidão, portanto, não seria mais possível ignorar a importância da presença negra e o legado importante de sua contribuição para a formação social paraense, ainda que pudesse, como ainda hoje, ser tema desconhecido para espanto de muitos. Mesmo assim, apesar da primeira e segunda edição do livro de Salles, ainda levaria algum tempo, mais precisamente a partir da década de 1990, para que o volume de trabalhos acadêmicos sobre a escravidão na Amazônia, no Pará em especial, viessem à tona em termos quantitativos e qualitativos abordando diversos aspectos sobre o tema, enquanto outros ainda aguardam por novas pesquisas ou pesquisadores com outros olhares. Não sendo, todavia, o caso aqui de mencioná-los amiúde nos limites desta resenha, bastando apenas registrar que a amplitude da abordagem do livro de Salles já demonstrava que muitos podiam ser os campos de pesquisa social acerca da escravidão negra no Pará, tal como descortinara em seus diversos capítulos; fossem eles a respeito do tráfico, tema somente mais recentemente objeto de pesquisas específicas e inovadoras; os quilombos, tema já com alguma tradição de estudos e há mais tempo investigados pelos pesquisadores; o abolicionismo e as lutas contra a escravidão, objeto de investigações mais recentes por parte de outros 170 Revista Estudos Amazônicos

6 investigadores; as práticas culturais e religiosas dos escravos, cujas investigações ainda pedem novas pesquisas; ou a própria escravidão nas diversas áreas rurais ou no espaço urbano que estão igualmente ainda carecendo de investigações sociais mais precisas e específicas. Todos esses aspectos foram abordados por Salles, entre outros não citados, como quem fitando o horizonte à nossa frente, apontando em sua direção, nos convidasse com uma frase provocativa do tipo: Vamos até lá?. Esse convite não dito, mas dado aos seus leitores, torna-se mais instigante se levarmos em conta que na construção deste seu trabalho, Salles, para além do conhecimento adquirido nas pesquisas com as narrativas orais e registros etnográficos que realizou como folclorista pelos sertões do Pará, lançou mão basicamente de fontes documentais impressas para seu estudo da escravidão, ainda que não menos importantes e nem mais fáceis de serem trabalhadas, tais como a relatos de viagens, a legislação, os relatórios governamentais e os jornais, sendo, aliás, um exímio e experiente pesquisador em periódicos. Ou seja, Salles fez um trabalho pioneiro e importante acerca da escravidão negra no Pará sem necessariamente recorrer aos diversos fundos documentais manuscritos existentes no acervo do Arquivo Público do Pará, sem falar de outros que hoje se encontram no Centro de Memória da Amazônia/UFPA, numa época, inclusive, em que o acervo documental em larga medida desses arquivos eram ainda pouco conhecido, não sendo exagero dizer que havia quem duvidasse de que fosse possível ao pesquisador falar de escravidão a partir dessas fontes, sendo o trabalho de uma outra pesquisadora, no caso Anaíza Vergolino, o responsável por demonstrar tal possibilidade, ampliando, portanto, ainda mais os horizontes já indicados por Salles. Horizontes esses, oxalá, possamos continuar buscando, sendo a terceira edição de O Negro no Pará. Sob o regime da escravidão, em 2005, após dezessete anos de sua segunda edição, por si só indicativo dessa necessidade de conhecimento acerca da temática da escravidão negra na Amazônia, ainda que restrita ao Pará. Terceira edição que, sendo a mais bem cuidada editorial e graficamente, foi publicada também, para além da necessidade indicada, pelo reconhecimento da importância deste trabalho, cuja demanda por parte do público de leitores há muito pedia sua reedição, agora na condição de um clássico da historiografia brasileira. Uma vez que, Revista Estudos Amazônicos 171

7 mesmo sendo passível de revisões e críticas, como todo e qualquer trabalho, O Negro no Pará. Sob o regime da escravidão guarda aquilo que é essencial à condição dos livros que se definem como clássicos: a indispensabilidade de sua leitura. 172 Revista Estudos Amazônicos

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH.

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Colóquio Religiões e Campos simbólicos na Amazônia Período de realização 25 a 28 de agosto de 2014. Grupos de trabalhos. GT

Leia mais

José Maia Bezerra Neto * Vol. III, n 2, 2008, p. 195-201 Revista Estudos Amazônicos 195

José Maia Bezerra Neto * Vol. III, n 2, 2008, p. 195-201 Revista Estudos Amazônicos 195 R E S E N H A Am I Not a Man and a Brother? HOCHSCHILD, Adam. Enterrem as Correntes. Profetas e rebeldes na luta pela libertação dos escravos. 1ª edição. Rio de Janeiro: Record, 2007. José Maia Bezerra

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se 1 A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se envolveram na arrumação da sociedade étnica que estava

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS

1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS cad_08.qxd:layout 1 5/13/11 10:02 AM Page 57 57 1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS TEMAS QUE DOMINAVAM A SUDENE RODRIGO SANTIAGO* O objetivo deste relatório é apontar os principais aspectos relacionados

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

MEDRADO, JOANA. TERRA DE VAQUEIROS: RELAÇÕES DE TRABALHO E CULTURA POLÍTICA NO SERTÃO DA BAHIA, 1880-1900. CAMPINAS: EDITORA DA UNICAMP, 2012.

MEDRADO, JOANA. TERRA DE VAQUEIROS: RELAÇÕES DE TRABALHO E CULTURA POLÍTICA NO SERTÃO DA BAHIA, 1880-1900. CAMPINAS: EDITORA DA UNICAMP, 2012. MEDRADO, JOANA. TERRA DE VAQUEIROS: RELAÇÕES DE TRABALHO E CULTURA POLÍTICA NO SERTÃO DA BAHIA, 1880-1900. CAMPINAS: EDITORA DA UNICAMP, 2012. * Universidade de São Paulo As pesquisas feitas na área de

Leia mais

PROJETO DE PEQUISA CURSO: BACHAREL EM TEOLOGIA

PROJETO DE PEQUISA CURSO: BACHAREL EM TEOLOGIA PROJETO DE PEQUISA CURSO: BACHAREL EM TEOLOGIA Aluno : Período : Professor : Proposta para Orientação 1ª Opção : 2ª Opção : 3ª Opção : Aprovado em / / Assinatura Professor 1. AREA : Área do conhecimento

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Regulação Bimestral do Processo Ensino Aprendizagem 3º bimestre Ano: 2º ano Ensino Médio Data:

Regulação Bimestral do Processo Ensino Aprendizagem 3º bimestre Ano: 2º ano Ensino Médio Data: Regulação Bimestral do Processo Ensino Aprendizagem 3º bimestre Ano: 2º ano Ensino Médio Data: Disciplina: Antropologia Urbana Professor: Luis Fernando Caro estudante; Ao longo do bimestre desenvolvemos

Leia mais

A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL.

A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL. A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL. Autoras: Marina Di Napoli Pastore Universidade Federal de São Carlos / Casa das Áfricas; Denise Dias Barros Universidade de São

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID Liberato Epitacio de Sousa da Silva - PIBID/UEPB (Bolsista do PIBID de Geografia) Liberatotacio20@hotmail.com

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados 1 Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados Renata Aliaga 1 Lilian Lopes Martin da Silva (Grupo ALLE- Alfabetização, Leitura e Escrita Programa de Pós Graduação

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

Não é sem um certo tremor que se aceita um convite como o que a Directora da nossa Biblioteca me endereçou, o de apresentar em breves palavras esta pequena exposição, uma exposição que despretensiosamente

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM De visita à Biblioteca do Professor José Mattoso: o que não sabemos e devemos saber Judite A. Gonçalves de Freitas FCHS-UFP Mértola- 16. Março.

Leia mais

22h00 às 23h30 COQUETEL E LANÇAMENTO Coquetel de boas vindas e Lançamento de livros e revistas Espaço da feira de livros 27/10, TERÇA-FEIRA

22h00 às 23h30 COQUETEL E LANÇAMENTO Coquetel de boas vindas e Lançamento de livros e revistas Espaço da feira de livros 27/10, TERÇA-FEIRA 26/10/, SEGUNDA-FEIRA 20h30 às 22h00 ABERTURA Abertura oficial do 39º Encontro Anual da ANPOCS Anfiteatro Glória Cerimônia de entrega do Prêmio ANPOCS de Excelência Acadêmica - Anfiteatro Glória 22h00

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br

(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br Registros de Batismo da Paróquia Nossa Senhora Penha de França: Uma fonte para o estudo do cotidiano privado das crianças negras livres na província de São Paulo (1871-1888). Desafios e possibilidades

Leia mais

SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com Orientadora: Profa. Dra. Avanete Pereira Sousa 2

SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com Orientadora: Profa. Dra. Avanete Pereira Sousa 2 ACERVO, PATRIMÔNIO E MEMÓRIA: A DOCUMENTAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO DE VITÓRIA DA CONQUISTA EXISTENTE NO LABORATÓRIO DE HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO (LHIST/UESB) SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com

Leia mais

Gênero e Violência contra mulheres. Profa. Dra. Sandra Lourenço de Andrade Fortuna

Gênero e Violência contra mulheres. Profa. Dra. Sandra Lourenço de Andrade Fortuna Gênero e Violência contra mulheres Profa. Dra. Sandra Lourenço de Andrade Fortuna Eixos de análise Em que o conceito de gênero e relações de gênero interferem na produção das condições para a violência

Leia mais

Aula 2: Projeto de pesquisa

Aula 2: Projeto de pesquisa 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 2: Projeto de pesquisa 1 O projeto de pesquisa O projeto de pesquisa é a base da organização do seu trabalho de pesquisa. Ao elaborar o projeto você organiza suas

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

por Brígida Carla Malandrino * [brigidamalandrino por Ênio José da Costa Brito ** [brbrito

por Brígida Carla Malandrino * [brigidamalandrino por Ênio José da Costa Brito ** [brbrito PEREIRA, Edimilson de Almeida Os tambores estão frios: herança cultural e sincretismo religioso de Candombe. Juiz de Fora Belo Horizonte: Funalfa Edições Mazza Edições, 2005, ISBN 85-7160- 323-5. por Brígida

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Solução do caso É TUDO VERDADE! Em julho de 1813, o verdadeiro Francisco José Rebello enviou seu requerimento ao juiz municipal do Desterro. Este requerimento e todos os outros documentos que compõem a

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA FAUSTINO, Aline de Lima¹ UEPB. NASCIMENTO, Nilton Ronni Cândido do² UEPB. SILVEIRA, Alessandro Frederico da³ UEPB. Resumo

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação Introdução A investigação e análise contidas neste trabalho tomam por

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

Prof. Dr. Flávio Caetano da Silva (DEd/UFSCar) Questão inicial Por onde se começa a pesquisa? As definições básicas do projeto: Temática Objetivo Justificativa (Relevâncias) Problemática Problema Objeto

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro.

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Prof.ª Sonia Helena Carneiro Pinto Justificativa: Este projeto

Leia mais

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA MILHOMEM, André Luiz Borges; GENTIL, Heloisa Salles; AYRES, Sandra Regina Braz. Balanço de Produção Científica: A utilização das TICs como ferramenta de pesquisa acadêmica. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015

CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015 CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015 A Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí CEPRO, instituição de caráter técnico-científico,

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 4 JANEIRO DE 2006 FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO GUARALDO, Tamara de S. Brandão ACEG Faculdade de Ciências Humanas docente

Leia mais

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

Boletim Eletrônico. 1 - Apresentação. 2 Público Alvo. IV Seminário Educação, Relações Raciais e Multiculturalismo

Boletim Eletrônico. 1 - Apresentação. 2 Público Alvo. IV Seminário Educação, Relações Raciais e Multiculturalismo Boletim Eletrônico IV Seminário Educação, Relações Raciais e Multiculturalismo II Seminário Memória e Experiência: Elementos de formação da Capoeira Angola II Seminário Internacional Áfricas: Historiografia

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PARA ECONOMISTAS E GESTORES

DIREITO EMPRESARIAL PARA ECONOMISTAS E GESTORES DIREITO EMPRESARIAL PARA ECONOMISTAS E GESTORES 2014 Paulo Olavo Cunha Doutor em Direito Professor da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa (Lisboa) e na Católica Lisbon School of Business

Leia mais

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIENCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO ACADÊMICO NOME DO(A) CANDIDATO(A) TÍTULO Projeto de pesquisa

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

Entrevista: o papel da escola na discussão sobre as relações étnicoraciais

Entrevista: o papel da escola na discussão sobre as relações étnicoraciais Entrevista: o papel da escola na discussão sobre as relações étnicoraciais A Lei 11.645/08, que inclui no currículo oficial de todas as escolas públicas e particulares a obrigatoriedade do ensino da História

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO

1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PROEX DEPARTAMENTO DE EXTENSÃO - DE Programa / Projeto de Extensão - Roteiro de proposta 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 RESUMO Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 Ailanda Ferreira Tavares 2 Alciane Ayres da Mota 3 Raimunda Monteiro 4 Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, Pará O livro-reportagem

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES:

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE BIBLIOTECONOMIA FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES I FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: Funções, Políticas

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Por dentro da Toca: ajude-nos a ajudar O relato de uma proposta Educomunicativa 1

Por dentro da Toca: ajude-nos a ajudar O relato de uma proposta Educomunicativa 1 Por dentro da Toca: ajude-nos a ajudar O relato de uma proposta Educomunicativa 1 Danny Jessé FALKEMBACH 2 Ariane Carla PEREIRA 3 Universidade Estadual do Centro-Oeste ISSN-2175-6554 Referência: FALKEMBACH,

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

Horário: 8h00 às 9h30

Horário: 8h00 às 9h30 04/11 Fala Egresso de Publicidade Evento com o objetivo de promover a interação entre atuais e ex-alunos do curso de Publicidade da PUCPR, para servir de estímulo e motivação para os acadêmicos. Terá uma

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos HISTÓRIA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em História PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO A definição

Leia mais

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira É a divisão de um espaço ou território em unidades de área que apresentam características que as individualizam. A regionalização

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. Regulamento Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.

Leia mais