Solução Global Solvência II da SERFIEX Aspectos quantitativos de SCR + QRT + ORSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Solução Global Solvência II da SERFIEX Aspectos quantitativos de SCR + QRT + ORSA"

Transcrição

1 Solução Global Solvência II da SERFIEX Aspectos quantitativos de SCR + QRT + ORSA

2 Conteúdo 1. FERRAMENTA RISKCO SOLVENCY 2. FASES DO PROJETO 2.1. FASE 1. DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL 2.2. FASE 2. PROCESSOS ETL 2.3. FASE 3. PILAR I. AVALIAÇÃO E SCR 2.4. FASE 4. PILAR III. GERAÇÃO DE QRT 2.5. FASE 5. PILAR II. ORSA 3. CUSTO DO PROJETO 4. INÍCIO DO PROJETO E ENTREGAS 5. CALENDÁRIO DO PROJETO 6. ASPECTOS DIFERENCIAIS DAS FERRAMENTAS DA SERFIEX 7. MODELO DE NEGÓCIO DA SERFIEX 8. CLIENTES DA SERFIEX 9. O QUE É A SERFIEX 2 SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

3 1. Ferramenta RISKCO SOLVENCY RISKCO SOLVENCY é a ferramenta da SERFIEX para trazer uma solução global aos desafios quantitativos e de reporting de SOLVÊNCIA II. RISKCO SOLVENCY é um programa informático propriedade da SERFIEX. RISKCO SOLVENCY avalia, mede, controla e gerencia os riscos de ativos financeiros e passivos atuariais e cobre as necessidades dos TRÊS PILARES de SOLVÊNCIA II: cálculo de capital regulatório (Pilar I)-, ORSA (Pilar II) e reporting ao supervisor (QRT- Pilar III). Está desenhado em três capas: CAPA DE FUNÇÃO. Inclui funções para o cálculo de: Market consistent valuation ( fair value de investimentos e best estimate de prestações) Balance econômico e margem de risco Medição de riscos de mercado e contraparte Medição de riscos de subscrição vida e não vida Capital de solvência obrigatório (SCR): mercado, contraparte, subscrição vida, não vida, saúde e operacional ORSA CAPA DE ARMAZENAMENTO (DATAWAREHOUSE). Permite o armazenamento de: Os INPUTS heterogêneos de SOLVÊNCIA II: investimentos, preços, apólices, sinistros, contabilidade, etc. Os PARÂMETROS de calibragem de SOLVÊNCIA II para o modelo estandarte de cálculo de SCR: coeficientes de modelo estandarte, tabelas atuariais, curvas, etc. Os OUTPUTS de SOLVÊNCIA II para seu posterior reporting em QRT ou outros: balance, best estimate, SCR, what if, etc. Inclui os mecanismos de controle que asseguram a qualidade da informação (alinhamento e limpeza de dados, controle de erros), seu rastreamento e sua integridade. CAPA DE REPORTING. Permite gerar a informação para: QRT Modelo Estandarte: Anuais e Trimestrais Data Marts (parte do DATAWAREHOUSE) para as distintas necessidades e áreas de negócio Qualquer outro modelo interno de reporting: reportes estáticos ou dinâmicos com opções de drill down ou descarregar em Excel e PDF. 3 SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

4 2. Fases do Projeto As FASES do PROJETO RISKCO SOLVENCY que propomos são as seguintes: I. Diagnóstico da situação atual II. Processos ETL III. Pilar I. Avaliação escr IV. Pilar III. Geração de QRT V. Pilar II. ORSA 4 SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

5 I II III IV V Fases do Projeto I. Diagnóstico da situação atual Para que este projeto tenha sucesso é necessário um conhecimento inicial da Entidade por parte da SERFIEX bem como um diagnóstico detalhado da situação atual do "estado-de-arte" do Projeto Solvência II na Entidade. Trata-se de identificar as brechas atuais frente aos requerimentos finais do ISP em Segmentamos o diagnóstico da situação atual em OITO áreas de trabalho: 1. Produtos, estrutura de balance e objetivos estratégicos 2. Passivos atuariais (provisões técnicas) 3. Investimentos 4. Mapa global de riscos da entidade: medição, controle e gestão dos riscos de investimentos e prestações 5. Estrutura organizativa da entidade 6. Circuito de informação e reporting 7. Documentação de políticas, meios e procedimentos 8. Meios humanos e meios tecnológicos disponíveis Nesta fase é necessário que as equipes da Entidade e SERFIEX trabalhem juntos. Esta fase costuma durar UMA SEMANA. 5 SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

6 I II III IV V Fases do Projeto II. Processos ETL ETL são as siglas em inglês de Extrair, Transformar e Carregar (Extract, Transform and Load). O objetivo é mover dados desde múltiplas fontes, adequá-los, limpa-los e carrega-los na BASE DE DADOS CENTRAL do processo de negocio que, no nosso caso é o DATAWAREHOUSE de RISKCO SOLVENCY. Somente depois que a SERFIEX tiver se familiarizado com os processos da Entidade será possível abordar a industrialização dos processos de carregamento de informação na base de dados. Infelizmente não se poderá automatizar 100% dos processos. O objetivo é minimizar os processos manuais, integrar distintas fontes de dados, d automatizar ti o carregamento e atualização da informação para reduzir tempos de produção e entrega da informação com qualidade e rastreabilidade. RISKCO SOLVENCY é um programa de avaliação e medição de riscos de ativos financeiros e passivos atuariais. RISKCO SOLVENCY não é um programa de contabilidade. Tanto os dados contáveis (balance contável) a incorporar às QRT quanto a informação complementária necessária para a elaboração do balance econômico, incorpora-se à BASE DE DADOS de RISKCO SOLVENCY de forma direta, como dados mortos. Em função da natureza do negócio, da disponibilidade de informação e a fonte dos dados, por processos ETL afetarão a: posição de carteira, atributos de ativos, preços e curvas, produtos, inputs de base técnica, atributos de apólices, base de dados de sinistros, balance contável, etc. É necessário adaptar o modelo o QRT DATA de RISKCO SOLVENCY (o modelo o de dados para a a geração de QRT) às necessidades do Cliente. Embora nesta fase as equipes da Entidade e SERFIEX trabalhem juntas inicialmente, depois há um trabalho técnico específico da SERFIEX que pode durar UMA OU DUAS SEMANAS. Nesta estimativa não incluímos o tempo que o departamento de informática do Cliente demorar em automatizar alguns dos processos. 6 SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

7 I II III IV V Fases do Projeto III. Pilar I. Avaliação e SCR Só quando tivermos ordenados todos os INPUTS será possível gerar a informação quantitativa de SOLVÊNCIA II. RISKCO SOLVENCY dispõe de função para: Avaliação e gestão de INVESTIMENTOS: avaliação mark-to-market e mark-to-model, exposicição a riscos, medidas de risco e provas de tensão Avaliação e gestão de PRESTAÇÕES VIDA E MORTE: provisões técnicas, "best estimate Avaliação e gestão de PRESTAÇÕES NÃO VIDA E SAÚDE: provisões técnicas. "best estimate" Cálculo da MARGEM DE RISCO Cálculo dos módulos de BSCR de RISCO DE MERCADO Cálculo do módulo de BSCR de RISCO DE CONTRAPARTE (incluindo resseguro e contas a cobrar) Cálculo dos módulos de BSCR de RISCO TÉCNICO DE VIDA, NÃO VIDA E SAÚDE Cálculo do RISCO OPERACIONAL Cálculo do SCR TOTAL COM AJUSTES POR ABSORÇÃO DE PERDAS EM PROVISÕES TÉCNICAS E IMPOSTOS DIFERIDOS Distintas ferramentas de simulação de custo de BSCR Ferramentas de What If, Stress Testing e Provas de Tensão para calibragem de SCR a ORSA Ferramentas de análise ALM (CFM, Imunização) A BASE DE DADOS de RISKCO SOLVENCY permitirá armazenar: Os PARÂMETROS de calibragem de SOLVÊNCIA II para o modelo estandarte de cálculo de SCR. Os OUTPUTS quantitativos (avaliação, best estimate, SCR, etc) para completar a informação às autoridades nacionais competentes. SERFIEX elaborará uma PROVA PILOTO de SCR para dados de JUNHO2014 ou DEZ2013. Sobre as conclusões desta PROVA PILOTO SCR realizaremos a formação da equipe da Entidade na ferramenta RISKCO SOLVENCY. A Entidade responderá a PROVA PILOTO SCR com a ajuda da SERFIEX. A modo de test, a Entidade e a SERFIEX elaborarão conjuntamente, ao largo do início do Projeto, os SCR de SET2014, DEZ2014, MAR2015, JUN2015, SET2015 e DEZ2015. A elaboração da primeira PROVA PILOTO SCR se estenderá durante um período de seis a oito semanas. 7 SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

8 I II III IV V Fases do Projeto IV. Pilar III. Geração de QRT Só quando na BASE DE DADOS de RISKCO SOLVENCY estiverem os INPUTS e os OUTPUTS QUANTITATIVOS poderemos gerar a informação ao supervisor, as novas DECs de SOLVÊNCIA II para o ISP que se conhecerão como os QRT (acrônimo do inglês Quantitative Reporting Templates ou Modelos de Informação Quantitativa). RISKCO SOLVENCY gera tanto os QRT anuais como os trimestrais. Os trimestrais não são mais que um subconjunto dos anuais. Os QRT gerados por RISKCO SOLVENCY são os seguintes: Informação básica Balance Lista de ativos e derivados abertos Provisões técnicas de seguros de vida e de saúde com técnicas similares a vida Provisões técnicas de seguros distintos do seguro de vida Fundos próprios p Capital de solvência obrigatório. Fórmula estandarte Capital de solvência obrigatório. Risco de mercado Capital de solvência obrigatório. Risco de incumprimento da contraparte; Capital de solvência obrigatório. Risco de subscrição de seguros de vida; Capital de solvência obrigatório. Risco de subscrição de seguros de saúde; Capital de solvência obrigatório. Risco de subscrição não vida Capital de solvência obrigatório. Risco operacional Capital de solvência obrigatório. Risco de catástrofe não vida Capital mínimo obrigatório Outras necessidades de informação que o ISP identificar como complementárias. RISKCO SOLVENCY dispõe de: Modelo QRT DATA: modelo de dados para a geração de QRT. Supõe uma solução autônoma que pode trabalhar com qualquer motor analítico capaz de produzir os cálculos de SCR. Armazenamento dos QRT na base de dados para sua posterior reutilização. Sistema de Reporting XBRL. Solvência II exige que os relatórios QRT sejam elaborados com as normas extensible Business Reporting Language (XBRL). Os QRT só poderão ser obtidos se as fases anteriores tiverem cobertas de forma satisfatória. A SERFIEX colaborará com a Entidade para a geração e análise dos QRT para os distintos TESTS que se abordarem até DEZ SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

9 I II III IV V Fases do Projeto V. Pilar II. ORSA RISKCO SOLVENCY também pode ser usado para gerar a informação quantitativa da avaliação interna prospectiva de riscos (FLAOR do acrônimo inglês de Forward Looking Assessment of Own Risks) baseada nos princípios de ORSA (do acrônimo do inglês Own Risks and Solvency Assessment). SOLVÊNCIA II obriga a identificar as necessidades globais de solvência tendo em conta o perfil de risco específico, os limites de tolerância de risco aprovados e a estratégia comercial da empresa. Trata-se de identificar em que medida o perfil de risco da entidade se distancia das hipóteses em que se baseia o cálculo do capital de solvência obrigatório (SCR). Mas o cálculo l do SCR do modelo estandarte t está calibrado para um cenário que pode-se situar entre VEROSSÍMIL POUCO PROVÁVEL e CATASTRÓFICO (99,5% dos casos). A SERFIEX situa a calibragem ORSA em um cenário menos conservador e más próximo ao VEROSSÍMIL PROVÁVEL. RISKCO SOLVENCY permite: Incorporar os riscos que não estão na fórmula estandarte Calibrar a fórmula estandarte para objetivos menos conservadores Utilizar modelos internos para medição de riscos financeiros e técnicos Projetar investimentos i e prestações a distintos i prazos para a estimativa i de necessidades d de capital da entidade. d A SERFIEX colaborará com a Entidade para o geração de PROTÓTIPO ORSA SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

10 3. Custo do Projeto O custo do PROJETO RISKCO SOLVENCY está composto em duas partes : 1. Pagamento único inicial 2. Pagamentos trimestrais ou mensais (segundo o uso do programa) O custo varia em função da complexidade e diversidade de produtos, ramos, classes e tipos de ativos, derivados, complexidade do balance, etc. É necessário uma reunião com a Entidade para identificar o alcance e os custos associados. Não obstante, como aproximação inicial prévia podemos dizer-lhes que os pagamentos trimestrais pelo software estão em torno a (a pagar a partir de 2015) e que o início pode estar em torno a (segundo alcance, ramos, complexidade e dimensões). Estes custos incluem: Licença de RISKCO SOLVENCY com as três capas: BASE DE DADOS, funções para cálculo de SCR e QRT. Linha de Apoio da SERFIEX para o uso de RISKCO SOLVENCY Formação na função do programa Avaliação de ativos complexos ou ilíquidos Modelos de cálculo de best estimate de passivos Primeiro cálculo de algarismos de SCR com modelos estandartes. PROVA PILOTO SCR Acompanhamento por parte da SERFIEX para o cálculo dos SCR trimestrais até DEZ2015 Três consultas mensais de qualquer tema relacionado a SOLVÊNCIA II Incorporação inicial de toda a carteira de investimentos e do best estimate de prestações da Entidade. Carregamento inicial da base de dados de ativos e passivos. Carregamento do balance contável INPUTS financeiros periódicos de SCR: curvas risk free, spreads, etc Personalização de relatórios (razoável) Compromisso de manutenção evolutiva em função dos requerimentos estandartes do supervisor relacionados com Solvência II Colaboração com o departamento informático do cliente para a automatização e industrialização da captura dos inputs (ativos, passivos, etc) Estes custos NÃO incluem : Formação financeira ou atuarial complementaria. Consultoria financeira ou atuarial complementaria Funções particulares (salvo que suponham uma melhora razoável para o resto da comunidade RISKCO) Modelos internos Desenvolvimentos informáticos complementários Informação de preços ou atributos de ativos (que habitualmente estão na REUTERS ou BLOOMBERG). 10 SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

11 4. Início do projeto e entregas FASE 1. DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DA ENTIDADE a) Nesta fase é necessário que as equipes da Entidade e SERFIEX trabalhem juntas. b) Esta fase durará UMA ou DUAS SEMANAS. c) ENTREGA: Documento de Diagnóstico e Análise GAP FASE 2. PROCESSOS ETL a) Também nesta fase as equipes da Entidade e a SERFIEX trabalharão juntas. b) Além disso há um trabalho técnico específico da SERFIEX c) Esta fase sobrepõe-se se à anterior e pode durar DUAS SEMANAS d) ENTREGA: Estrutura da Base de Dados e Manual de ETL FASE 3. PILAR I. AVALIAÇÃO E SCR a) A SERFIEX elaborará uma PROVA PILOTO de SCR. b) Sobre os dados da PROVA PILOTO de SCR realizaremos a formação da equipe da Entidade na ferramenta RISKCO SOLVENCY. c) A Entidade responderá a PROVA PILOTO SCR com a ajuda da SERFIEX d) Acompanhamento: A modo de test, a Entidade e a SERFIEX elaborarão conjuntamente os SCR trimestrais até DEZ2015. e) Esta fase sobrepõe-se à anterior e se estenderá durante um período de QUATRO a SEIS SEMANAS f) ENTREGA: PROVA PILOTO SCR (com informação de avaliação de ativos e passivos e SCR) g) Nesta fase se inclui a formação na função de RISKCO SOLVENCY. A formação supõe um total de 15 horas repartida em três ou quatro sessões. A formação estará centrada na PROVA PILOTO elaborada pela SERFIEX e na capacidade de réplica da mesma por parte da Entidade. h) Em qualquer caso, não se preocupem, nunca os deixaremos sozinhos! FASE 4. PILAR III. GERAÇÃO DE QRT a) Os QRT só poderão ser obtidos se as fases anteriores tiverem sido concluídas de forma satisfatória. b) A SERFIEX colaborará com a Entidade para a geração e análise dos test QRT até DEZ2015. c) A geração dos QRT é imediata se toda a informação estiver disponível, limpa e organizada e toda a função ajustada e testada. Não obstante sabemos por experiência que as coisas nunca saem de primeira pelo que destinamos DUAS SEMANAS para a depuração de erros e controle de qualidade d) ENTREGA: QRT ANUAIS DA PROVA PILOTO SCR FASE 5. PILAR II. ORSA a) A SERFIEX colaborará com a Entidade para a geração do PROTÓTIPO ORSA b) ENTREGA: PROVA PILOTO ORSA 2014 c) Esta fase se terminará quando o cliente estimar oportuno, mas sempre com posterioridade à geração do primeiro SET QRT. 11 SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

12 5. Calendário do Projeto O calendário aproximado pode ser o seguinte: SEMANA 1 FASE 1. DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DA ENTIDADE SEMANAS 2 e 3 FASE 2. PROCESSOS ETL SEMANA 3 a 9 FASE 3. PILAR I. AVALIAÇÃO E SCR SEMANA 9 a 10 FASE 4. PILAR III. GERAÇÃO DE QRT COM POSTERIORIDADE (2-3 semanas mais) FASE 5. PILAR II. ORSA 12 SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

13 6. Aspectos diferenciais das ferramentas da SERFIEX 1. Experiência da SERFIEX desde 1992 em projetos de risk-management e ALM para entidades asseguradoras. 2. Disponibilidade total para justificar as metodologias utilizadas ante terceiros tipo ISP, auditoria interna ou externa. 3. Documentação sobre as metodologias de avaliação, medição de riscos e cálculo de SCR. 4. RISKCO é a ferramenta que a SERFIEX utiliza atualmente para realizar seu trabalho de consultoria. Nós mesmos somos o cliente más exigente de RISKCO. 5. Compromisso de adaptação aos futuros requerimentos regulatórios relacionados a RISK MANAGEMENT, ALM e CÁLCULO DE CAPITAL REGULATÓRIO BASEADO EM RISCOS. 6. Linha de suporte para consultas financeiras e atuariais. Dedicando consultores especializados para cada caso. 7. Disponibilidade de deslocamento imediato a seus escritórios para solucionar problemas. 8. RISKCO é um programa especialmente desenhado e pensado para as necessidades, produtos e requerimentos das distintas companhias e supervisores. 9. Possibilidade de criar praticamente qualquer modelo interno de controle de riscos que atualmente possa existir a partir da função atualmente disponível. 10. Flexibilidade para a geração automática de relatórios e exportação de outputs. 11. Colaboração com seu departamento informático para a automatização e industrialização da captura dos inputs (ativos, carteiras, produtos, etc). 13 SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

14 7. Modelo de negócio da SERFIEX O modelo de negócio da SERFIEX associado à nossa ferramenta RISKCO SOLVENCY consiste em : 1. As partes assinam, em primeiro lugar, um Contrato de Aluguel de Licença de Uso. A licença estandarte inicial pode ser utilizada por até 3 usuários. 2. O aluguel das Licenças de Uso podem ter custo mensal, ou trimestral. 3. O Cliente tem o direito de cancelar o contrato em qualquer momento sem custo adicional algum (só o pagamento do último trimestre). 4. Existe um custo inicial único de personalização, formação e inicialização do Projeto. 5. Em condições estandartes, não há mais custos que o das licenças de uso inicial. 6. A SERFIEX proporciona e atualiza mensalmente inputs estandartes para medição do risco de mercado e crédito (curvas cupom zero, Spreads de crédito, volatilidades e correlações) sem custo adicional. 7. HOT LINE: Assigna-se a uma pessoa da SERFIEX para que, durante horário comercial, resolva ou empregue a pessoa adequada a qualquer q tipo de dúvida durante toda a relação contratual com o cliente. Acesso telefônico, Programa, manuais e relatórios em castelhano e inglês. 9. Compromisso da SERFIEX de justificação ante terceiros (ISP, auditoria, etc...), em caso necessário, de qualquer cálculo relacionado à metodologia de avaliação de ativos e passivos e medição de riscos e cálculo de SCR utilizada em RISKCO bem como dos inputs empregados, a requerimento do Cliente. 10. Compromisso assinado de atualização da ferramenta aos requerimentos normativos do Supervisor. 11. Revisão anual de custos em função do IPC 12. Custo de manutenção: ZERO (está incluído no custo periódico da Licença) 13. O período médio de início de um Projeto destas características é entre DOIS e TRÊS MESES. 14. O Projeto pode ser iniciado i i de forma imediata A SERFIEX também pode abordar a relação com o Cliente só como Prestação de Serviços de documentação e reporting para Solvência II. SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

15 8. Clientes da SERFIEX SETOR ASSEGURADOR Outros clientes da SERFIEX relacionados a produtos e serviços de RISK MANAGEMENT: 15 SERFIEX. Solución Global Solvencia II. Aspectos cuantitativos

16 9. O QUE É A SERFIEX? A SERFIEX S.A. é uma consultora espanhola independente líder em soluções de risk management e ALM (consultoria, software, outsourcing e formação) para entidades asseguradoras, bancos, entidades gestoras de carteira e corporações. A SERFIEX desenvolve know-how e metodologias própriasdesde1993naáreademedição,controleegestãode riscos financeiros de mercado, crédito e liquidez; de riscos de subscrição vida e não vida; de riscos operacionais e de técnicas de gestão ALM (Asset Liability Management) para entidades asseguradoras. A SERFIEX executou mais de 100 projetos de medição, controle e gestão de riscos financeiros e atuariais em bancos, gestoras e asseguradoras. A SERFIEX executou mais de 50 projetos de ALM em companhias de seguros e entidades financeiras. A SERFIEX participou em mais de 20 projetos relacionados a SOLVÊNCIA II. Diferenciais da SERFIEX frente a sua concorrência Aproximação global ao risk management através de software, consultoria, outsourcing e formação Especialistas multiativo, multiproduto e multirrisco Flexibilidade e adaptação às necessidades do Cliente Rapidez de implementação e início dos Projetos Equipe humana de apoio especializada Preços competitivos, proporcionados e adaptados ao orçamento do Cliente Compromisso com a formação através de cursos continuados gratuitos para nossos clientes Reconhecimento por parte de supervisores espanhóis: CNMV, DGS y BdE Delegações em Madri e Barcelona. SERFIEX, S.A SERFIEX. Solução Global Solvência II. Aspectos quantitativos

TAREFAS PRINCIPAIS DAS FUNÇÕES ATUARIAIS. www.addactis.com

TAREFAS PRINCIPAIS DAS FUNÇÕES ATUARIAIS. www.addactis.com TAREFAS PRINCIPAIS DAS FUNÇÕES ATUARIAIS 1. Funções atuariais A ADDACTIS Worldwide dispõe de consultores experientes e qualificados que o podem apoiar na função atuarial. O apoio que pode ser prestado

Leia mais

Risco de Mercado: Desafios para o Segmento de Capitalização

Risco de Mercado: Desafios para o Segmento de Capitalização Risco de Mercado: Desafios para o Segmento de Capitalização (4o Encontro Nacional de Atuários) 16/09/2015 A resolução sobre Capital para Risco de Mercado foi publicada no final de 2014 (e revogada pela

Leia mais

ANS. Grupo TécnicoT. Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco. 14 de maio de 2013. Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP. @usp.

ANS. Grupo TécnicoT. Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco. 14 de maio de 2013. Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP. @usp. Grupo TécnicoT Solvência ANS Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP lacarneiro@usp. @usp.br 14 de maio de 2013 Introduçã ção Internacionalmente,

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Plataforma de gestão de carteiras, medição, controle e gestão integrada de riscos financeiros: desde o front até o middle, risk management em tempo

Plataforma de gestão de carteiras, medição, controle e gestão integrada de riscos financeiros: desde o front até o middle, risk management em tempo Plataforma de gestão de carteiras, medição, controle e gestão integrada de riscos financeiros: desde o front até o middle, risk management em tempo real, avaliação mark-to-model, ALM, projeções estocásticas,

Leia mais

3 Mensuração de Capital

3 Mensuração de Capital Capítulo 3 Mensuração de Capital 3 Mensuração de Capital Este capítulo tem por objetivo apresentar uma visão geral da mensuração de capital a fim de determinar o capital das sociedades. Para isto, foi

Leia mais

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência Conversão para IFRS - Enfrentando o desafio A conversão para IFRS é um processo complexo e multifacetado.

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO. Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar.

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO. Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar. Com Conciliac é possível conciliar automaticamente qualquer tipo de transação; Bancos, Cartões de Crédito e Débito, Contas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

Gerenciamento de Níveis de Serviço

Gerenciamento de Níveis de Serviço Gerenciamento de Níveis de Serviço O processo de Gerenciamento de Níveis de Serviço fornece o contato entre a organização de TI e o cliente, para garantir que a organização de TI conhece os serviços que

Leia mais

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907 Uma ferramenta de inventario que automatiza o cadastro de ativos informáticos em detalhe e reporta qualquer troca de hardware ou software mediante a geração de alarmes. Beneficios Informação atualizada

Leia mais

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class RISK MANAGEMENT & REGULATORY SERVICES FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class Novembro 2003 Risk Management & Regulatory Services

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO 1) Objetivo 2) Abrangência 3) Responsabilidades 4) Políticas e Definições 5) Plano de alçadas 6) Regulamentação externa ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Quem somos Bem vindo à Nord. Formada por profissionais oriundos do mercado financeiro, com formações multidisciplinares e

Leia mais

O SEU PARCEIRO SEGURO

O SEU PARCEIRO SEGURO Seg de Crédito Seg Empresas Seg Particulares O SEU PARCEIRO SEGURO Desde 1997 a procurar as melhores soluções para si! AS NOSSAS SOLUCOES EMPRESAS PARTICULARES Group Group Group QUEM SOMOS A empresa MT

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. PROJETO IDF SAÚDE Nº 07/2014 2. TÍTULO Consultoria individual especializada em Tecnologia da Informação - TI 3. ENQUADRAMENTO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Soluções em TI para Web

Soluções em TI para Web Integração do Moodle com SIGA-EUC Lino Vaz Moniz lino@badiu.net linovazmoniz@gmail.com Outubro de 2010 1 Sumário 1- Objetivo...3 3- Justificativa...3 4 Funcionalidades do Modulo...4 5- Cronograma...6 6-

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Sistema de Gestão de Telecomunicações - Corporativo

Sistema de Gestão de Telecomunicações - Corporativo Sistema de Gestão de Telecomunicações - Corporativo O que é SGTC? O SGTC - Sistema de Gestão de Telecomunicações > Software 100% próprio, desenvolvido pela equipe da TeleGestão que possibilita o gerenciamento

Leia mais

7dicas para obter sucesso em BYOD Guia prático com pontos importantes sobre a implantação de BYOD nas empresas.

7dicas para obter sucesso em BYOD Guia prático com pontos importantes sobre a implantação de BYOD nas empresas. 7dicas para obter sucesso em BYOD Guia prático com pontos importantes sobre a implantação de BYOD nas empresas. Neste Guia, vamos mostrar algumas dicas para que a implantação da tendência BYOD nas empresas

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

história sucesso Inovação e agilização dos processos de Gestão de Pessoal com SAP HCM

história sucesso Inovação e agilização dos processos de Gestão de Pessoal com SAP HCM história sucesso de Inovação e agilização dos processos de Gestão de Pessoal com SAP HCM sumário executivo Empresa Logiters Setor Serviços - Soluções Logísticas Especializadas Sitio Web http://logiters.com

Leia mais

CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE

CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE CIGRÉ - CE C5-Electricity Markets and Regulation Grupo Melhores Práticas de Gestão de Risco GESTÃO DE RISCOS NA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA: SITUAÇÃO ATUAL E PROPOSTA

Leia mais

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque?

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque? 1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública Cadeia de valor Quando? Como? Porque? ABPMP Novembro-2012 1 QUANDO CONSTRUIR UMA CADEIA DE VALOR? - Gestão de processos - Gestão de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO Analista Desenvolvedor de ETL OEI/TOR/FNDE/CGETI Nº /09

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS AEJ - ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE JAÚ CNPJ 05.311.136/0001-36 FACULDADE JAUENSE PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS JAÚ/2012 MANUTENÇÃO E ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DA FAJAU

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

magazine business HOTELS & TRAVEL Distributions

magazine business HOTELS & TRAVEL Distributions magazine HOTELS & TRAVEL Distributions 2 magazine O QUE FAZEMOS WHAT WE DO Somos uma empresa jovem e dinâmica com larga experiência na componente comercial através da execução de funções de gestão, em

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área Especialista em TI Aplicada

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área Especialista em TI Aplicada Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área Especialista em TI Aplicada Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas!

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na OTIMIZAÇÃO DE COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO As Faculdades mantidas pelo Instituto Educacional de Assis IEDA (Escola de Educação Física de Assis, Faculdade de Administração de Assis,

Leia mais

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS IBAITI/PR 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 3 ATUALIZAÇÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3.1 Laboratório de Informática, Departamentos Acadêmicos

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia.

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado ÍNDICE GERAL 1 Introdução 2 Definição de Risco de Mercado 3 Metodologia 4 Gestão de Risco 5 Qualificação de novas operações 1. Introdução A Política de Gerenciamento

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

HP NonStop Server Capacity Planning

HP NonStop Server Capacity Planning HP NonStop Server Capacity Planning Serviços HP Dados técnicos Determinar futuros requisitos de capacidade de hardware para sistemas NonStop de processamento de transações online em constante crescimento

Leia mais

Governança da Capacidade de TI

Governança da Capacidade de TI Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança da Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas do Documento de Governança da... 04 3 Governança da... 05 4 Principais Serviços para Governança

Leia mais

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV Certificação ISO/IEC 27001 SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação A Experiência da DATAPREV DATAPREV Quem somos? Empresa pública vinculada ao Ministério da Previdência Social, com personalidade

Leia mais

Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno

Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno Generali Vida, Companhia de Seguros, S.A. Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno 31 de Dezembro de 2013 Lima Jorge 1. Introdução Não tendo existido

Leia mais

3 Hamanor St. Holon 58861 Israel, P.O.Box 5 AZOR 58008 Tel: +972-3-5599661 Fax: +972-3-5599677 mars@marsant.co.il www.mars-antennas.

3 Hamanor St. Holon 58861 Israel, P.O.Box 5 AZOR 58008 Tel: +972-3-5599661 Fax: +972-3-5599677 mars@marsant.co.il www.mars-antennas. MARS Antennas & RF Systems, é um líder mundial na fabricação e projeto de soluções de antenas de RF e uma Companhia de R&D, com uma capacidade comprovada para projetar e fornecer produtos de custo efetivo

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 2.1. RISCO DE MERCADO... 2 2.2. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 2 2.3. TIPOS E CATEGORIAS DE RISCO AVALIADOS... 2 Risco de Taxas de Juros...2 Risco de

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

2014-15 NOVIDADES DA VERSÃO. Teowin 8.0. Neste documento, apresentamos todas as novidades e melhorias incluídas na versão 8.0 do Teowin.

2014-15 NOVIDADES DA VERSÃO. Teowin 8.0. Neste documento, apresentamos todas as novidades e melhorias incluídas na versão 8.0 do Teowin. NOVIDADES DA VERSÃO Teowin 8.0 2014-15 Neste documento, apresentamos todas as novidades e melhorias incluídas na versão 8.0 do Teowin. SIMSA Servicios informáticos Mecanizaciones, S.A. c/ Sicilia 190 08013

Leia mais

11º Fórum de Investimentos Maio/2011

11º Fórum de Investimentos Maio/2011 11º Fórum de Investimentos Maio/2011 Agenda A Empresa Unidades de Negócio Gestão de Risco Uma Possível forma de usar o Tracking erro Aspectos Regulatórios Modelos de Gestão de Risco da LUZ-EF Artigo Estudo

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo

Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo Franklin Xavier Klabin, São Paulo, SP/Brasil. Used with permission. Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo Geral Executiva Nome da Portnet Informática Equipamentos Indústria

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez

Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez 5. Risco de Liquidez O Risco de Liquidez assume duas formas distintas, porém intimamente relacionadas: risco de liquidez de ativos ou de mercado e risco de liquidez

Leia mais

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software A R P O KLUG BPMN++ MODELER PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE Verificar requisitos para instalação Iniciar procedimento de instalação Executar procedimento de instalação Efetuar primeiro

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

CompuStream Representação

CompuStream Representação Por Maximilian Immo Orm Gorissen Gerenciamento dos técnicos de campo Uma visão estratégica do business intelligence associado às operações de serviço a produtos. Nos últimos anos, o conceito de atendimento

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Documentação significa as especificações, a documentação do usuário, os manuais e os guias técnicos entregues com o software da CA.

Documentação significa as especificações, a documentação do usuário, os manuais e os guias técnicos entregues com o software da CA. Política e Termos de Suporte da CA 1. Visão Geral O Suporte para softwares da CA consiste em assistência operacional e suporte técnico oferecidos pela CA, a seu critério razoável, durante o prazo estabelecido

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

PORQUÊ A META4? UMA NOVA EXPERIÊNCIA DE RH

PORQUÊ A META4? UMA NOVA EXPERIÊNCIA DE RH PORQUÊ A META4? UMA NOVA EXPERIÊNCIA DE RH Orientados para o cliente Na Meta4 temos um objetivo claro: a satisfação dos nossos clientes. Para isso, dedicamos todos nossos esforços para oferecer um apoio

Leia mais

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra.

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Mercado no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

RESOLUÇÃO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES.

RESOLUÇÃO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES. RESOLUÇÃO CAS Nº 39 /2010, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2010 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR, face ao disposto no Artigo 5º do Regimento Unificado das

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais