Í N D I C E D E R E V I S Õ E S D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Í N D I C E D E R E V I S Õ E S D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S"

Transcrição

1 Página de 30 PROJETO: Í N D I C E D E R E V I S Õ E S R E V. D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S 0 EMISSÃO INICIAL DATA EXECUÇÃO WV WV VERIFICAÇÃO RM RM APROVAÇÃO CRB CBR

2 Página 2 de 30 ÍNDICE OBJETIVO NORMAS APLICÁVEIS DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PREMISSAS BÁSICAS CÁLCULO DE CABOS.... 4

3 Página 3 de 30 OBJETIVO Este documento tem como objetivo o dimensionamento dos condutores de alimentação das cargas elétricas de Baixa Tensão do projeto INTEGRAÇÃO DE PROJETO INSTITUTO BUTANTAN, a ser executado no INSTITUTO BUTANTAN em São Paulo SP. 2 NORMAS APLICÁVEIS NBR 540/2004 Instalações Elétricas de Baixa Tensão Procedimento. NBR 4039/2005 Instalações Elétricas de Média Tensão Procedimento. 3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA DEA0062PBELELLI000 Estudo de Cargas Cabine 2 DEA0062PBELELLI0002 Lista de Cabos Cabine 2 DEA0062PBELELLI0003 Lista de Materiais de Força Cabine 2 DEA0062PBELELLI0004 Lista de Materiais de Iluminação e Tomada Cabine 2 DEA0062PBELELLI0005 Lista de Materiais de SPDA e Aterramento Cabine 2 DEA0062PBELELDE000 Distribuição de Força Piso Térreo Cabine 2 DEA0062PBELELDE0002 Distribuição de Força Piso Superior Cabine 2 DEA0062PBELELDE0003 Distribuição de Força Alimentação Elétrica Cabine 2 DEA0062PBELELDE0004 Distribuição de Iluminação e Tomadas Piso Térreo Cabine 2 DEA0062PBELELDE0005 Distribuição de Iluminação e Tomadas Piso Superior Cabine 2 DEA0062PBELELDE0006 Layout de SPDA e Aterramento Piso Superior Cabine 2 DEA0062PBELELDE0007 Layout de Aterramento Piso Térreo Cabine 2 DEA0062PBELELDE0008 Diagrama Trifilar QLF04220V Cabine 2/STA 3 DEA0062PBELELDE0009 Diagrama Unifilar Cabine 2 DEA0062PBELELDE000 Diagrama Unifilar QFSTA3220V DEA0062PBELELDE00 Detalhes Típicos SPDA e Aterramento Cabine 2 DEA0062PBELELDE002 Detalhes Típicos Iluminação e Tomadas Cabine 2 DEA0062PBELELDE003 Detalhes Típicos Força Cabine 2 DEA0062PBELELDE004 Layout de Força STA 3 DEA0062PBELELDE005 Diagrama Unifilar QFVENTILADORES Cabine 2 DEA0062PBELELFD000 Folha de Dados QGMT3Ø3,8kV Cabine 2 DEA0062PBELELFD0002 Folha de Dados Gerador G3Ø440V 000/900 kva Cabine 2 DEA0062PBELELFD0003 Folha de Dados Gerador G23Ø440V 000/900 kva Cabine 2 DEA0062PBELELFD0004 Folha de Dados Gerador G33Ø220/27V 750/687 kva Cabine 2 DEA0062PBELELFD0005 Folha de Dados Transformador de Força TR kva Cabine 2 DEA0062PBELELFD0006 Folha de Dados Transformador de Força TR kva Cabine 2 DEA0062PBELELFD0007 Folha de Dados QTA0440V Cabine 2 DEA0062PBELELFD0008 Folha de Dados QTA02220V Cabine 2 DEA0062PBELELFD0009 Folha de Dados QGBT0440V Cabine 2 DEA0062PBELELFD000 Folha de Dados QGBT02220V Cabine 2 DEA0062PBELELFD00 Folha de Dados DB Cabine 2 DEA0062PBELELFD002 Folha de Dados DB2 Cabine 2 DEA0062PBELELFD003 Folha de Dados DB3 Cabine 2

4 Página 4 de 30 DEA0062PBELELFD004 Folha de Dados DB4 Cabine 2 DEA0062PBELELFD005 Folha de Dados DB5 Cabine 2 DEA0062PBELELFD006 Folha de Dados DB6 Cabine 2 DEA0062PBELELFD007 Folha de Dados DB7 Cabine 2 DEA0062PBELELFD008 Folha de Dados QFVENTILADORES Cabine 2 DEA0062PBELELFD009 Folha de Dados QLF04220V Cabine 2/STA 3 DEA0062PBELELFD0020 Folha de Dados QFSTA3220V DEA0062PBELELFD002 Folha de Dados Nobreak Cabine 2 DEA0062PBELELMD000 Memorial Descritivo Cabine 2 Memorial de Cálculo Cabine 2 4 PREMISSAS BÁSICAS Para elaboração desta memória de cálculo foram adotadas as seguintes premissas: Para cálculo dos circuitos até 000 volts, em corrente alternada foi utilizado o programa da Prysmian DCE 4.0 Baixa Tensão, de acordo com a norma NBR 540/2004 Instalações Elétricas de Baixa Tensão Procedimento. Para cálculo dos circuitos acima de 000 volts, em corrente alternada foi utilizado o programa da Prysmian DCE 4.0 Média Tensão, de acordo com a norma NBR 4039/2005 Instalações Elétricas de Média Tensão Procedimento. 5 CÁLCULO DE CABOS. A seguir estão apresentados os relatórios extraídos do programa da Prysmian DCE 4.0:

5 Página 5 de CIRCUITO: CAB3F00 QGMT3,8kV Maneira de instalar: Em bandejas Tensão de serviço: 3.8 kv Classe de tensão: 8.7/5 Cabo: CABO EPROTENAX COMPACT 05 CU Material Condutor: Cobre Temperatura de Regime do Condutor: 05 ºC Temperatura ambiente: 30 C Queda de tensão máxima: 2.00 % Corrente de projeto: 36.0 A Fator de potência:.00 Resistividade térmica do solo:.0 Circuito comprimento: 50 m Corrente curto circuito no condutor: ka Tempo corrente curto circuito no condutor: s Tipo de conexão: Prensada Número de condutores por fase imposto: Tipo de Cabo Selecionado Cabo Unipolar Disposição dos Cabos Trifólio Numero de Ternas ou Cabos Numero de Bandejas Disposição dos Circuitos Instalação Horizontal Seção nominal dos condutores: x20 mm² Critério de dimensionamento: Curto circuito Método de Referencia da Instalação (Tabela 25 NBR 4039): A Capacidade de condução de corrente: x435 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção da temperatura:.00 Reatância capacitiva: 586 ohm.km Resistência máxima em corrente alternada: ohms/km Reatância indutiva: ohms/km Queda de tensão efetiva: % Integ. de Joule condutor (regime adiabático): 2.59E+008 A²s Terminal modular (TM) da PRYSMIAN recomendado: TM 20C20 Os resultados apresentados foram baseados nas características dos produtos fabricados pela Prysmian e NBR 4039:2005 Instalações elétricas de média tensão de.0 kv a 36,2 kv

6 Página 6 de CIRCUITO: QGMT0F00 TR0440V Maneira de instalar: Em bandejas Tensão de serviço: 3.8 kv Classe de tensão: 8.7/5 Cabo: CABO EPROTENAX COMPACT 05 CU Material Condutor: Cobre Temperatura de Regime do Condutor: 05 ºC Temperatura ambiente: 30 C Queda de tensão máxima: 2.00 % Corrente de projeto: 04.6 A Fator de potência:.00 Resistividade térmica do solo: 2.5 Circuito comprimento: 20 m Corrente curto circuito no condutor: ka Tempo corrente curto circuito no condutor: s Tipo de conexão: Prensada Número de condutores por fase imposto: Tipo de Cabo Selecionado Cabo Unipolar Disposição dos Cabos Trifólio Numero de Ternas ou Cabos Numero de Bandejas Disposição dos Circuitos Instalação Horizontal Seção nominal dos condutores: x20 mm² Critério de dimensionamento: Curto circuito Método de Referencia da Instalação (Tabela 25 NBR 4039): A Capacidade de condução de corrente: x435 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção da temperatura:.00 Reatância capacitiva: 586 ohm.km Resistência máxima em corrente alternada: ohms/km Reatância indutiva: ohms/km Queda de tensão efetiva: % Integ. de Joule condutor (regime adiabático): 2.59E+008 A²s Terminal modular (TM) da PRYSMIAN recomendado: TM 20C20 Os resultados apresentados foram baseados nas características dos produtos fabricados pela Prysmian e NBR 4039:2005 Instalações elétricas de média tensão de.0 kv a 36,2 kv

7 Página 7 de CIRCUITO: QGMT0F002 TR02220V Maneira de instalar: Em bandejas Tensão de serviço: 3.8 kv Classe de tensão: 8.7/5 Cabo: CABO EPROTENAX COMPACT 05 CU Material Condutor: Cobre Temperatura de Regime do Condutor: 05 ºC Temperatura ambiente: 30 C Queda de tensão máxima: 2.00 % Corrente de projeto: 3.4 A Fator de potência:.00 Resistividade térmica do solo: 2.5 Circuito comprimento: 20 m Corrente curto circuito no condutor: ka Tempo corrente curto circuito no condutor: s Tipo de conexão: Prensada Número de condutores por fase imposto: Tipo de Cabo Selecionado Cabo Unipolar Disposição dos Cabos Trifólio Numero de Ternas ou Cabos Numero de Bandejas Disposição dos Circuitos Instalação Horizontal Seção nominal dos condutores: x20 mm² Critério de dimensionamento: Curto circuito Método de Referencia da Instalação (Tabela 25 NBR 4039): A Capacidade de condução de corrente: x435 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção da temperatura:.00 Reatância capacitiva: 586 ohm.km Resistência máxima em corrente alternada: ohms/km Reatância indutiva: ohms/km Queda de tensão efetiva: % Integ. de Joule condutor (regime adiabático): 2.59E+008 A²s Terminal modular (TM) da PRYSMIAN recomendado: TM 20C20 Os resultados apresentados foram baseados nas características dos produtos fabricados pela Prysmian e NBR 4039:2005 Instalações elétricas de média tensão de.0 kv a 36,2 kv

8 Página 8 de CIRCUITO: QGBT0F00 CHILLER 0 (CAGCH0A2000) Sistema: Trifásico+Terra (3F+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Número de condutores por fase imposto: 2 Seção mínima de cada condutor: 4 mm2 Comprimento do circuito 50.0 m Tensão fase/fase: 440 V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: 3x85 mm2 Critério de dimensionamento: Capacidade de corrente Capacidade de condução de corrente: 3x339.2 A Fator de correção de agrupamento: 0.80 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohms/km Reatância indutiva de cada condutor: ohms/km Queda de tensão efetiva: 0.97 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin):.6e+004 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.27e+008 A I2t de cada condutor para Ikmin: 7.48e+008 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.82e+000 s Seção nominal do condutor de proteção: 2x85 mm2 Os resultados apresentados foram baseados nas características dos produtos fabricados pela Prysmian

9 Página 9 de CIRCUITO: QGBT0F002 CHILLER 02 (CAGCH0B2000) Sistema: Trifásico+Terra (3F+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Número de condutores por fase imposto: 2 Seção mínima de cada condutor: 4 mm2 Comprimento do circuito 45.0 m Tensão fase/fase: 440 V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: 3x85 mm2 Critério de dimensionamento: Capacidade de corrente Capacidade de condução de corrente: 3x339.2 A Fator de correção de agrupamento: 0.80 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohms/km Reatância indutiva de cada condutor: ohms/km Queda de tensão efetiva: 0.87 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin):.29e+004 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.27e+008 A I2t de cada condutor para Ikmin: 7.43e+008 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.82e+000 s Seção nominal do condutor de proteção: 2x85 mm2

10 Página 0 de CIRCUITO: QGBT0F003 CHILLER 03 RESERVA (CAGCH0C2000) Sistema: Trifásico+Terra (3F+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Número de condutores por fase imposto: 2 Seção mínima de cada condutor: 4 mm2 Comprimento do circuito 40.0 m Tensão fase/fase: 440 V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 52.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: 3x85 mm2 Critério de dimensionamento: Capacidade de corrente Capacidade de condução de corrente: 3x339.2 A Fator de correção de agrupamento: 0.80 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohms/km Reatância indutiva de cada condutor: ohms/km Queda de tensão efetiva: 0.78 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin):.45e+004 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.27e+008 A I2t de cada condutor para Ikmin: 7.38e+008 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.82e+000 s Seção nominal do condutor de proteção: 2x85 mm2

11 Página de 30 Os resultados apresentados foram baseados nas características dos produtos fabricados pela Prysmian 5.7 CIRCUITO: QGBT0F004 BOMBA DE AGUA GELADA (CAGBC0A2000) Sistema: Trifásico+Terra (3F+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 4 mm2 Comprimento do circuito 42.0 m Queda de tensão máxima admitida em regime: 3.00 % Queda de tensão máxima admitida na partida: 0.00 % Tensão fase/fase: 440 V Número de circuitos ou de cabos multipolares Motores considerados Corrente do circuito em regime: 22.0 A Fator de potência do circuito em regime: 0.92 Corrente do circuito na partida: A Fator de potência do circuito na partida: 0.80 Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x70 mm2 Critério de dimensionamento: Capacidade de corrente Capacidade de condução de corrente: x222.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohms/km Reatância indutiva de cada condutor: ohms/km Queda de tensão em regime efetiva:.25 % Queda de tensão na partida efetiva: 3.54 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 6.27e+003 A I2t de cada condutor para Ikmax:.03e+008 A I2t de cada condutor para Ikmin:.08e+008 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax: 2.56e00 s

12 Página 2 de 30 Seção nominal do condutor de proteção: 35 mm2 Os resultados apresentados foram baseados nas características dos produtos fabricados pela Prysmian 5.8 CIRCUITO: QGBT0F005 BOMBA DE AGUA GELADA (CAGBC0B2000) Sistema: Trifásico+Terra (3F+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 4 mm2 Comprimento do circuito 42.0 m Queda de tensão máxima admitida em regime: 3.00 % Queda de tensão máxima admitida na partida: 0.00 % Tensão fase/fase: 440 V Número de circuitos ou de cabos multipolares Motores considerados Corrente do circuito em regime: 22.0 A Fator de potência do circuito em regime: 0.92 Corrente do circuito na partida: A Fator de potência do circuito na partida: 0.80 Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x70 mm2 Critério de dimensionamento: Capacidade de corrente Capacidade de condução de corrente: x222.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohms/km Reatância indutiva de cada condutor: ohms/km Queda de tensão em regime efetiva:.25 % Queda de tensão na partida efetiva: 3.54 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 6.27e+003 A I2t de cada condutor para Ikmax:.03e+008 A I2t de cada condutor para Ikmin:.08e+008 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax: 2.56e00 s

13 Página 3 de 30 Seção nominal do condutor de proteção: 35 mm2 5.9 CIRCUITO: QGBT0F007 QFSTAVENT. Sistema: Trifásico+Terra (3F+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV tetrapolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Comprimento do circuito 0.0 m Tensão fase/fase: 440 V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 20.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x44.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: 0.5 ohm/km Queda de tensão efetiva: 0.29 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 2.26e+003 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin: 7.83e+005 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2 5.0 CIRCUITO: QGBT0F008 QFSTA3HVAC. Maneira de instalar: Eletroduto aparente de seção circular Sistema: Trifásico+Terra (3F+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar

14 Página 4 de 30 Seção mínima de cada condutor: 4 mm2 Comprimento do circuito 20.0 m Tensão fase/fase: 440 V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 59.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x0 mm2 Critério de dimensionamento: Capacidade de corrente Capacidade de condução de corrente: x66.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohms/km Reatância indutiva de cada condutor: 0.27 ohms/km Queda de tensão efetiva:.02 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin):.88e+003 A I2t de cada condutor para Ikmax: 2.06e+006 A I2t de cada condutor para Ikmin: 2.25e+006 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax: 5.6e003 s Seção nominal do condutor de proteção: 0 mm2 5. CIRCUITO: QGBT0F009 QF2SUBSOLO. Maneira de instalar: Eletroduto aparente de seção circular Sistema: Trifásico+Terra (3F+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 2.5 mm2 Comprimento do circuito 00.0 m Tensão fase/fase: 440 V

15 Página 5 de 30 Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 69.5 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x25 mm2 Critério de dimensionamento: Queda de tensão Capacidade de condução de corrente: x9.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohms/km Reatância indutiva de cada condutor: 0.58 ohms/km Queda de tensão efetiva: 2.46 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 9.4e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax:.30e+007 A I2t de cada condutor para Ikmin:.82e+007 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax: 3.24e002 s Seção nominal do condutor de proteção: 25 mm2

16 Página 6 de CIRCUITO: QGBT02F005 QLF04CABINE 2 / STA 3. Sistema: Trifásico + Terra (3F+N+T) (Equil) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 2.5 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 20.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 57.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x0 mm2 Critério de dimensionamento: Capacidade de corrente Capacidade de condução de corrente: x66.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: 0.27 ohm/km Queda de tensão efetiva:.97 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 9.4e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 2.06e+006 A I2t de cada condutor para Ikmin: 2.52e+006 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax: 5.6e003 s Seção nominal do condutor neutro: x0 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 0 mm2

17 Página 7 de CIRCUITO: QGBT02F009 QFSTA3220V. Sistema: Trifásico + Terra (3F+N+T) (Equil) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 2.5 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 50.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x95 mm2 Critério de dimensionamento: Capacidade de corrente Capacidade de condução de corrente: x269.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva: 2.74 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 3.58e+003 A I2t de cada condutor para Ikmax:.90e+008 A I2t de cada condutor para Ikmin: 2.8e+008 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax: 4.74e00 s Seção nominal do condutor neutro: x50 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 50 mm2

18 Página 8 de CIRCUITO: QGBT02F0 NO BREAK0TÉRREO. Sistema: Trifásico + Terra (3F+N+T) (Equil) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 2.5 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 20.0 m Queda de tensão máxima admitida:.00 % Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente dos circuitos filhos: 23.5 A Fator de potência dos circuitos filhos: 0.92 Corrente do circuito: 43.5 A Corrente total do circuito: 67.0 A Fator de potência total do circuito: 0.92 Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x70 mm2 Critério de dimensionamento: Queda de tensão Capacidade de condução de corrente: x222.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva: 0.94 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 6.59e+003 A I2t de cada condutor para Ikmax:.03e+008 A I2t de cada condutor para Ikmin:.08e+008 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax: 2.56e00 s Seção nominal do condutor neutro: x70 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 35 mm2

19 Página 9 de CIRCUITO: CFSTA3F00 PRÉ TRATAMENTO 0 Sistema: Trifásico + Terra (3F+N+T) (Equil) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 25.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 4.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva:.02 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 4.52e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin:.06e+006 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor neutro: 6 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

20 Página 20 de CIRCUITO: CFSTA3F002 PRÉ TRATAMENTO 02 Sistema: Trifásico + Terra (3F+N+T) (Equil) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 25.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 4.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva:.02 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 4.52e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin:.06e+006 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor neutro: 6 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

21 Página 2 de CIRCUITO: CFSTA3F003 OSMOSE REVERSA0 STA3OR Sistema: Trifásico + Terra (3F+N+T) (Equil) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 20.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 20.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva:.7 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 5.65e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin: 9.73e+005 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor neutro: 6 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

22 Página 22 de CIRCUITO: CFSTA3F004 OSMOSE REVERSA02 STA3OR Sistema: Trifásico + Terra (3F+N+T) (Equil) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 20.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 20.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva:.7 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 5.65e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin: 9.73e+005 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor neutro: 6 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

23 Página 23 de CIRCUITO: CFSTA3F005 TANQUE DE PW Sistema: Trifásico + Terra (3F+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 5.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 20.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva: 0.88 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 7.53e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin: 9.00e+005 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

24 Página 24 de CIRCUITO: CFSTA3F006 GERAÇÃO DE API STA3GE Sistema: Trifásico + Terra (3F+N+T) (Equil) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 20.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito:.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva: 0.64 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 5.65e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin: 9.73e+005 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor neutro: 6 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

25 Página 25 de CIRCUITO: CFSTA3F007 GERAÇÃO DE API STA3GE Sistema: Trifásico + Terra (3F+N+T) (Equil) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 5.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito:.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva: 0.48 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 7.53e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin: 9.00e+005 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor neutro: 6 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

26 Página 26 de CIRCUITO: CFSTA3F008 GERAÇÃO DE VAPOR PURO STA3GE Sistema: Trifásico + Terra (3F+N+T) (Equil) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 20.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 7.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva: 0.4 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 5.65e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin: 9.73e+005 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor neutro: 6 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

27 Página 27 de CIRCUITO: CFSTA3F009 MANTA DE AQUECIMENTO Sistema: Monofásico+Terra (2F+N+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 25.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 0.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva: 0.84 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 4.52e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin:.06e+006 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor neutro: 6 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

28 Página 28 de CIRCUITO: CFSTA3F00 PAINEL DE AUTOMAÇÃO STA3PNG Sistema: Monofásico+Terra (2F+N+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 0.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 0.0 A Fator de demanda:.00 Valores calculados Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva: 0.34 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin):.3e+003 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin: 8.37e+005 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor neutro: 6 mm2 Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

29 Página 29 de CIRCUITO: CFSTA3F0 TANQUE DE API BOMBA STA3BB Sistema: Trifásico + Terra (3F +T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 25.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito: 53.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x0 mm2 Critério de dimensionamento: Capacidade de corrente Capacidade de condução de corrente: x66.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: 0.27 ohm/km Queda de tensão efetiva: 2.29 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 7.53e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 2.06e+006 A I2t de cada condutor para Ikmin: 2.68e+006 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax: 5.6e003 s Seção nominal do condutor de proteção: 0 mm2

30 Página 30 de CIRCUITO: CFSTA3F03 BOMBA DE AGUA DE REUSO ARB Sistema: Trifásico + Terra (3F+T) Cabo: Cabo EPROTENAX 0,6/kV unipolar Seção mínima de cada condutor: 6 mm2 Conteúdo de harmônicas: 0 % Comprimento do circuito 35.0 m Tensão fase/fase: 220 V Tensão fase/neutro: V Número de circuitos ou de cabos multipolares Corrente do circuito:.0 A Fator de demanda:.00 Seção nominal dos condutores: x6 mm2 Critério de dimensionamento: Seção mínima Capacidade de condução de corrente: x48.0 A Fator de correção de agrupamento:.00 Fator de correção de temperatura:.00 Resistência em CA de cada condutor: ohm/km Reatância indutiva de cada condutor: ohm/km Queda de tensão efetiva:.3 % Icc presumida mínima ponto extremo (Ikmin): 3.23e+002 A I2t de cada condutor para Ikmax: 7.4e+005 A I2t de cada condutor para Ikmin:.29e+006 A Tempo máximo para atuação da proteção para Ikmax:.85e003 s Seção nominal do condutor de proteção: 6 mm2

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40 1/40 Os valores de capaci dade de condução de correntes constantes das tabelas a seguir, foram calculados de acordo com os critérios estabelecidos pela NBR 11301. Para os cálculos foram consideradas aterradas

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Método da capacidade de condução de corrente Roteiro: 1. Calcular a corrente de projeto (I p ) dos circuitos da edificação; 2. Definir parâmetros de instalação

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l Análise da Corrente de Curto - Circuito A Análise da corrente de curto circuito em sistemas de baixa tensão é necessária para dimensionar corretamente a proteção do equipamento (disjuntor de proteção)

Leia mais

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Dimensionamento de condutores Tipos de Condutores Condutores isolados Condutores unipolar Condutores multipolar Critérios para dimensionamento:

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Leonel Rodrigues Gerente de Aplicação de Produto Nexans Product Application Dept. Sep 2014 1 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas As instalações e dimensionamentos de fios e cabos elétricos de baixa tensão devem obedecer as recomendações indicadas na NBR 5410/2004. Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

TABELA 1 Os métodos de referência são os de instalação indicados na NBR - 5410

TABELA 1 Os métodos de referência são os de instalação indicados na NBR - 5410 CAPACIAE E CONUÇÃO E CORRENTE PARA CABO E BAIXA TENÃO O dimensionamento de uma instalação elétrica alimentada sob tensão nominal igual ou inferior a 00V, em corrente alternada é a 0V em corrente contínua,

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi Instalações Elétricas Industriais Divisão de Sistemas de Alimentação Faixa de Tensão Elétrica (IE) orrente Alternada - A orrente ontínua- Extra Baixa Tensão: Tensão Inferior à 50 V (A) e 120 V () Baixa

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de instalação número: Esquema ilustrativo Descrição Método de instalação a utilizar para a capacidade de condução de corrente 1 1 1 eletroduto de seção

Leia mais

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Manual Técnico Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Líder Mundial na Indústria de Cabos Com a energia como base de seu desenvolvimento, a Nexans é a líder mundial na indústria de cabos,

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR Tel.: (021) 2583 6737 Fax.: (021) 2583 6737 Cel.: (021) 9159 4057 dsp@dsp-rj.com.br 1 / 9 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2- NORMAS APLICÁVEIS...

Leia mais

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U).

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U). 32 Apoio Proteção e seletividade Capítulo XII Proteção de cabos Por Cláudio Mardegan* Falando em proteção de cabos, este capítulo abordará de proteção deve ficar, no máximo, igual ao valor de alguns critérios

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados 1 Temperatura característica dos condutores 1 Corrente de curto-circuito no condutor 1 Gráfico das correntes máximas de curto-circuito

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento técnico baixa tensão Seção mínima Capacidade

Leia mais

BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 )

BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Pág. 1 Memorial de Cálculo: Instalações elétricas Cliente: Unidade: Assunto: BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Código do

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

1. OBJETIVO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

1. OBJETIVO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1. OBJETIVO Este relatório tem por objetivo apresentar a relação dos principais equipamentos utilizados, o pré-dimensionamento do sistema de alimentação elétrica em C.A., o estudo de curto circuito de

Leia mais

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Características Construtivas 1) Para Fio Inbranil Antichama: condutor sólido de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, classe 1. Para Cabo Inbranil Antichama: condutor

Leia mais

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que:

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: TÉCNICO EM ELETRICIDADE 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: C1 = 300µF C2 = C3 = 300µF C4 = C5 = C6

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos.

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos. 8 4.1 Condutores elétricos. 4 LINHAS ELÉTRICAS Os condutores elétricos constituem os principais componentes das linhas elétricas que conduzem eletricidade até as cargas elétricas. Define-se condutor elétrico

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

Dimensionamento de Colunas

Dimensionamento de Colunas Dimensionamento de Colunas Calcular a potência total ST: Moradia Potência a contratar [kva] T1 6.90 ou 10.35 T2 10.35 ou 13.80 T3 10.35 ou 13.80 T4 13.80 ou 17.25 T5 17.25 Trifásico S T = S habita ções

Leia mais

Pós-graduação 4. MODELAGEM DA CARGA. Modelagem da Carga. Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência LRC / UFMG

Pós-graduação 4. MODELAGEM DA CARGA. Modelagem da Carga. Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência LRC / UFMG Pós-graduação LRC / UFMG 4. MODELAGEM DA CARGA Modelagem da Carga 4.1. Considerações 4.2. Modelagens Modelo ZIP - Polinomial Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência Maria Helena Murta Vale

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

Cabos Navais. Introdução

Cabos Navais. Introdução Cabos Navais Introdução A Prysmian Energia Cabos e Sistemas do Brasil S.A. apresenta a sua linha de cabos para aplicação em plataformas de petróleo off-shore e navios, tipo LS0H (Low Smoke Zero Halogen),

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS ÍNDICE A Empresa... 03 Contato Comercial... 03 Seleção e Instalação de Condutores Elétricos (NBR 5410)... 04 Tabela de Produtos... 09 Métodos de Instalação... 10 Capacidade de Condução

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010 Capítulo 5 Linhas elétricas 2008 by Pearson Education slide 1 5.1 Aspectos gerais Condutor elétrico Fio Barra Linha pré-fabricada Barramento Condutor encordoado: classes 1 a 6 Cabo Corda Perna Coroa Cabo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR PARA A PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM AMAPÁ (PR-AP)

FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR PARA A PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM AMAPÁ (PR-AP) CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR PARA A PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM AMAPÁ (PR-AP) OBJETIVO O presente caderno tem como objetivo estabelecer as especificações

Leia mais

Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas. BRB Banco de Brasília-DF. Novas Instalações ANEXO IV. Código do Projeto: 080/2013

Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas. BRB Banco de Brasília-DF. Novas Instalações ANEXO IV. Código do Projeto: 080/2013 Pág. 1 Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas Cliente: Unidade: Assunto: BRB Banco de Brasília-DF Ag. Alexânia Novas Instalações Código do Projeto: 080/2013 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável Barramentos de Cobre Medida Peso Amperagem /8 x 1/16 0,15kg 5 1/2 x 1/16 0,180kg 45 /8 x 1/8 0,269kg 7 1/2 x 1/8 0,58kg 97 5/8 x 1/8 0,448kg 122 /4 x 1/8 0,57kg 146 1 x 1/8 0,717kg 195 1.1/4 x 1/8 0,896kg

Leia mais

Modelos de Geradores e cargas

Modelos de Geradores e cargas Modelos de Geradores e cargas Conteúdo Modelos de geradores Modelos para representação da carga Cargas de corrente constante com a tensão Cargas de potência constante com a tensão Cargas de impedância

Leia mais

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar Minidisjuntores MBW Correntes nominais de 2 a 70 A Curvas de disparo B e C Versões monopolar, bipolar, tripolar e tetrapolar Interruptores Diferenciais Residuais DRs RBW Sensibilidade de ou 0mA Correntes

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

Geração, Transmissão e Distribuição de EE

Geração, Transmissão e Distribuição de EE Geração, Transmissão e de EE Instalações Elétricas Profs. Alexandre Mota / Lia Mota 1 o Semestre de 2011 ENERGIA 2 Muitas formas de energia na natureza: térmica, luminosa, cinética e potencial (energia

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Regras práticas para projeto elétrico Iluminação, TUG, TUE Recomendações práticas Alguns símbolos diferentes (outra concessionária) Página do Professor - Manuel Rendón UFJF Manual

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

Capítulo 3 Circuitos Elétricos

Capítulo 3 Circuitos Elétricos Capítulo 3 Circuitos Elétricos 3.1 Circuito em Série O Circuito Série é aquele constituído por mais de uma carga, ligadas umas as outras, isto é, cada carga é ligada na extremidade de outra carga, diretamente

Leia mais

SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES

SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES SUMÁRIO 1. SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES 3 2. ESQUEMAS FUNDAMENTAIS DE LIGAÇÕES 6 3. PROJETO 12 3.1. Análise inicial 12 3.2. Caracterização do fornecimento de energia 13 4. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO 14 4.1. Definições

Leia mais

Capacidade de corrente de cabos. Fábio Brunheroto Forner

Capacidade de corrente de cabos. Fábio Brunheroto Forner Capacidade de corrente de cabos Fábio Brunheroto Forner 1 A Redenel Engenharia e Representações Ltda. foi idealizada para elaboração de serviços de engenharia em redes de distribuição subterrânea, tendo

Leia mais

-30.-40-40 -40-50 -40 X -90-190 X -70

-30.-40-40 -40-50 -40 X -90-190 X -70 APRESENTAÇÃO A FNCE, empresa nacional com tradição a mais de 0 anos no mercado de condutores elétricos esta comprometida com a qualidade de seus produtos, treinamentos dos seus colaboradores e preservação

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO Inspeção visual e documentação............................................................284 Ensaios de campo em instalações...........................................................285

Leia mais

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Capacitores Correção do Fator de Potência. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Capacitores Correção do Fator de Potência Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas www.we.net Sumário Tecnoloia dos Capacitores...4 Linha de Produtos...5 UCW - Unidade Capacitiva Monofásica...6

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas. BRB Banco de Brasília-DF Ag. Novo Gama - Pedregal Novas Instalações TP 009/2012 - ANEXO V

Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas. BRB Banco de Brasília-DF Ag. Novo Gama - Pedregal Novas Instalações TP 009/2012 - ANEXO V Pág. 1 Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas Cliente: Unidade: Assunto: BRB Banco de Brasília-DF Ag. Novo Gama - Pedregal Novas Instalações Código do Projeto: 3328/12 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são:

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são: 1 Data realização da Laboratório: / / Data da entrega do Relatório: / / Objetivos RELATÓRIO: N o 5 ENSAIO DE FIOS CONDUTORES Verificar o estado da isolação do condutor. 1. Introdução: Esta aula tem como

Leia mais

7 - CORRENTES DE FALTA

7 - CORRENTES DE FALTA 36 7 - CORRENTES DE FALTA Toda instalação elétrica está sujeita a defeitos que proporcionam altas correntes elétricas, as denominadas correntes de falta. Sempre da ocorrência de uma falta, os dispositivos

Leia mais

Memorial de Cálculo: Instalações elétricas. BRB Banco de Brasília-DF Agência Taguatinga Shopping Novas Instalações ANEXO III

Memorial de Cálculo: Instalações elétricas. BRB Banco de Brasília-DF Agência Taguatinga Shopping Novas Instalações ANEXO III Pág. 1 Memorial de Cálculo: Instalações elétricas Cliente: Unidade: Assunto: BRB Banco de Brasília-DF Agência Taguatinga Shopping Novas Instalações ANEXO III Código do Projeto: 4443-10 SIA Sul Quadra 4C

Leia mais

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE 750kVA DESTINADA AO PRÉDIO DA PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DE PERNAMBUCO, SITUADO NO MUNICÍPIO DE RECIFE NO ESTADO DE PERNAMBUCO. MEMORIAL DESCRITIVO 1. FINALIDADE:

Leia mais

Projeto Elétrico. Sistema de Abastecimento de Água. Volume III. Rede de Água do Residencial Minha Casa. Minha Vida - Pacatuba/CE

Projeto Elétrico. Sistema de Abastecimento de Água. Volume III. Rede de Água do Residencial Minha Casa. Minha Vida - Pacatuba/CE Projeto Elétrico Volume III Sistema de Abastecimento de Água Rede de Água do Residencial Minha Casa Minha Vida - Pacatuba/CE Outubro / 2012 1 I. Apresentação 4 Dados da Obra 5 Localização da Obra 5 Estrutura

Leia mais

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS 2-22 INDICE INTRODUÇÃO... 3 1. OBJETIVO... 4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 4 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

4 DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE CONDUTORES ELÉTRICOS CONFORME A NORMA ABNT NBR IEC 60287-3-2...11

4 DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE CONDUTORES ELÉTRICOS CONFORME A NORMA ABNT NBR IEC 60287-3-2...11 DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO E AMBIENTAL DE CONDUTORES ELÉTRICOS 3 Índice 1 INTRODUÇÃO..............................................................................4 2 DIMENSIONAMENTO TÉCNICO DE CONDUTORES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais