1. OBJETIVO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. OBJETIVO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS"

Transcrição

1 1. OBJETIVO Este relatório tem por objetivo apresentar a relação dos principais equipamentos utilizados, o pré-dimensionamento do sistema de alimentação elétrica em C.A., o estudo de curto circuito de baixa tensão, a descrição do sistema de iluminação e o dimensionamento básico dos cabos para o túnel Morro Alto, localizado na BR-101, trecho SC/RS-Osório entre os segmentos Km 67,376 e Km 69,213 pertencente ao DNIT. 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Neste relatório o levantamento das cargas elétricas tem caráter preliminar, porém dentro da precisão necessária para a definição da entrada da concessionária. As potências dos equipamentos pertencentes aos sistemas de iluminação e tomadas, controle, telecom, combate ao incêndio, drenagem, ventilação, água de consumo, etc. foram baseados no dimensionamento do projeto básico. Estas potências tendem a se confirmar no desenvolvimento do projeto executivo e na compra dos respectivos sistemas. Tanto as cargas adotadas, como o regime de trabalho e a disposição dos equipamentos foram estabelecidos considerando o projeto civil já existente e dados operacionais de túneis similares. 7

2 2. RELAÇÃO DOS PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS Abaixo estão relacionados os principais equipamentos utilizados no túnel Morro Alto ITEM DESCRIÇÃO QTDE Cabine Primária Blindada 01 cj Transformador a seco de 1250 kva, 23,1-0,38/0,22 kv 02 cj Quadro Geral de Distribuição (QGD) 380/220 V 01 cj Grupo Gerador Diesel (GGD) 380/220 V, 750 kva 01 cj CCM 01 cj Painel de Distribuição do No Break (PDN) 01 cj No Break 01 cj Painel de Telecom 04 cj Quadro de Iluminação e Força QLN s, QLD s, QLNB s e QL s CCO 35 cj Quadro de Comando, Controle e Proteção (QGG) 01 cj 8

3 3. RELAÇÃO DE CARGAS A previsão de cargas do sistema de corrente alternada (380 / 220 Vca) e os respectivos regimes de trabalho propostos para os quadros do túnel e da CCO encontram-se nas tabelas abaixo. Estes valores de cargas deverão ser confirmados pela CONTRATADA no Projeto Executivo. Para esta fase do projeto, foram admitidas algumas simplificações de cálculo, como a suposição de que todas as cargas têm um mesmo fator de potência (0,85), permitindo uma soma aritmética ao invés de vetorial. As cargas apresentadas neste relatório e os respectivos regimes de operação propostos podem ser classificados da seguinte forma: Cargas Permanentes foram consideradas somente aquelas que estarão energizadas permanentemente ou por um período de tempo, como as de iluminação diurna e noturna, para os jato ventiladores foi utilizado um fator de demanda de 0,6 da potência total instalada; A demanda Máxima foi estimada considerando todas as cargas permanentes à plena carga operando simultaneamente. 3.1 CARGAS DO SISTEMA DE CORRENTE ALTERNADA Tabela de Cargas não Essenciais do QGD Descrição Potência [kva] Regime de Operação Permanente Diurno Iluminação Noturno Total das Cargas Permanente Demanda Máxima QLN1 Túnel Sul 23,98 0,82 24,8 24,8 QLN2 Túnel Sul 27,08 0,82 27,9 27,9 QLN3 Túnel Sul 10,4 4,10 14,5 14,5 QLN4 Túnel Sul - 10,7 10,7 10,7 QLN5 Túnel Sul - 10,7 10,7 10,7 QLN6 Túnel Sul - 10,7 10,7 10,7 QLN7 Túnel Sul - 8,8 8,8 8,8 QLN1 Túnel Norte 51,06 1,64 52,7 52,7 QLN2 Túnel Norte 10,4 4,10 14,5 14,5 QLN3 Túnel Norte - 10,7 10,7 10,7 QLN4 Túnel Norte - 10,7 10,7 10,7 QLN5 Túnel Norte - 10,7 10,7 10,7 QLN6 Túnel Norte - 8,8 8,8 8,8 Total de Cargas 216,20 216, Tabela de Cargas Essenciais (Diesel) do QGD 9

4 Descrição Potência [kva] Regime de Operação Permanente Diurno Iluminação Noturno Total das Cargas Permanente Demanda Máxima QLD1 Túnel Sul - 1,4 1,4 1,4 QLD2 Túnel Sul - 5,8 5,8 5,8 QLD3 Túnel Sul - 5,4 5,4 5,4 QLD4 Túnel Sul - 4,9 4,9 4,9 QLD5 Túnel Sul - 2,1 2,1 2,1 QLD1 Túnel Norte - 1,4 1,4 1,4 QLD2 Túnel Norte - 5,8 5,8 5,8 QLD3 Túnel Norte - 5,4 5,4 5,4 QLD4 Túnel Norte - 4,9 4,9 4,9 QLD5 Túnel Norte - 2,1 2,1 2,1 No Break - 43,6 53,6 55,0 Bomba Antiincêndio - - 7,5 15,0 CCM ,64 734,4 Telecom ,0 50,0 Telecom ,0 50,0 QF-1 CCO - - 3,0 3,0 QF-2 CCO - - 3,0 3,0 Bomba Jockey - - 1,5 1,5 Total de Cargas 648,44 951, Tabela de Cargas Essenciais do No Break do QGD Descrição Potência [kva] Regime de Operação Permanente Diurno Iluminação Noturno Total das Cargas Permanente Demanda Máxima QLNB1 Túnel Sul - 1,9 1,9 1,9 QLNB2 Túnel Sul - 6,2 6,2 6,2 QLNB3 Túnel Sul - 5,8 5,8 5,8 QLNB4 Túnel Sul - 6,2 6,2 6,2 QLNB5 Túnel Sul - 1,7 1,7 1,7 QLNB1 Túnel Norte - 1,9 1,9 1,9 QLNB2 Túnel Norte - 6,2 6,2 6,2 QLNB3 Túnel Norte - 5,8 5,8 5,8 QLNB4 Túnel Norte - 6,2 6,2 6,2 QLNB5 Túnel Norte - 1,7 1,7 1,7 Telecom - - 5,0 5,0 Telecom - - 5,0 5,0 10

5 Descrição Potência [kva] Regime de Operação Permanente Diurno Iluminação Noturno Total das Cargas Permanente Demanda Máxima reserva 1,4 Total de Cargas 53,6 * 55,00 * * Cargas já listadas na tabela de cargas essenciais do diesel 11

6 4. PRÉ-DIMENSIONAMENTO DOS EQUIPAMENTOS 4.1 TRANSFORMADOR DE FORÇA 23,1 0,38/0,22 kv Neste estudo está apresentada a verificação do carregamento dos transformadores para as cargas de regime permanente e considerando como sobrecarga a demanda máxima provável. A verificação da capacidade do transformador em regime de sobrecarga será efetuada utilizando-se a norma ANSI C57 96/1999 Guide for Loading Dry-Type Distribution and Power Transformers. Esta norma estabelece que, um transformador com ventilação natural na temperatura ambiente de 40ºC e temperatura do ponto mais quente do enrolamento limitada à 150ºC, poderá admitir as seguintes sobrecargas diárias, sem redução da vida útil: CAPACIDADE DE SOBRECARGA (Múltiplo da Potência Nominal) Pico de Carga em Carregamento Inicial horas 90% 70% 50% 1/2 1,33 1,52 1,59 1 1,18 1,30 1,34 2 1,09 1,18 1,19 4 1,04 1,10 1,11 8 1,00 1,03 1,04 Verificação da Capacidade do Transformador para Atender o Ciclo de Carga Previsto: Cargas de regime permanente: 216,20 kva (não essencial) + 648,44 kva (essencial) = 864,64 kva Demanda máxima provável em 1 hora: 216,20 kva (não essencial) + 951,10 kva (essencial) = 1.167,30 kva Para um transformador de kva, as cargas de regime permanente equivalem a 0,70% da potência nominal do transformador. O carregamento inicial é inferior a 70% da capacidade nominal do transformador, a capacidade de sobrecarga, conforme tabela a de capacidade se sobrecarga é de: x 1,30 = kva, o qual atende a demanda máxima provável. Será escolhido um transformador de kva que atende com folga as cargas de regime permanente e a possível sobrecarga imposta pela demanda máxima provável. 12

7 4.2 GERADOR DIESEL DE EMERGÊNCIA 380/220 V Para o dimensionamento do gerador diesel, analisaremos a pior condição de carga, ou seja, com o gerador diesel alimentando a demanda máxima provável, e teremos a partida do jato ventilador. Nesta condição temos: Demanda máxima provável: 648,44 kva Demanda antes da partida do jato ventilador: 648,44 30,6 = 617,84 kva; fator de potência = 0,85 Potência aparente na partida do jato ventilador: 3 x 30,6 = 91,8 kva; fator de potência = 0,6 Potência ativa total na partida do jato ventilador: P = 617,84 x 0, ,8 x 0,6 = 580,24 kw Potência reativa total na partida do jato ventilador: P = 617,84 x 0, ,8 x 0,8 = 400,9 kvar Potência aparente total na partida do jato ventilador: P = 580, ,9 2 = 705,26 kva Para o dimensionamento do gerador Diesel é necessário que a seguinte relação seja satisfeita, conforme manual de grupos geradores MWM Diesel: Paparente de partida / Pgerador 1,33 Verificando a relação de potência: Pgerador 705,26 / 1,33 530,27 kva Será considerado a utilização de um grupo diesel gerador com potência contínua de 750 kva, o qual atende com folga a demanda permanente provável 648,44 kva e a condição de sobrecarga na partida do jato ventilador. 4.3 NO BREAK 380/220 V Para o dimensionamento do No Break, serão utilizadas as cargas relacionadas na tabela do item do Painel de Distribuição do No Break (PDN). Total de cargas= Potência do No Break= 53,6 kva 55 kva 13

8 5. CRITÉRIOS PARA O PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE CABOS DE BAIXA TENSÃO 5.1 CRITÉRIOS PARA O CALCULO O dimensionamento dos circuitos consiste na determinação da seção dos condutores e dos dispositivos de proteção obedecendo aos critérios estabelecidos pela NBR 5410 da ABNT Instalações Elétricas de Baixa Tensão, conforme: Determinação da corrente de projeto (In); Determinação da seção dos condutores pelo critério da seção mínima; Determinação da seção dos condutores para condições de aquecimento normal, ou seja, capacidade de condução de corrente; Determinação da seção dos condutores para atender a queda de tensão; Escolha das proteções e coordenação entre condutores e dispositivos de proteção contra sobre corrente e curtos-circuitos; Determinação da seção dos condutores para proteção contra contatos indiretos; O critério de escolha será a seção normalizada, que corresponda à maior das seções determinadas pelos critérios acima. 5.2 PARÂMETROS UTILIZADOS Características do Sistema Suprimento em corrente alternada: Tensão: 380/220 Vca Freqüência: 60 Hz Sistema: Trifásico com neutro aterrado (TN-S) Características dos Cabos Tensão Nominal: 0,6/1 kv Material: Isolação EPR, Condutor Fios cobre nu, temp. mole, encord.cl 5. Cobertura Composto termo fixo EPR não halogenado Temperatura: 90ºC Máxima de serviço contínuo, 130ºC Sobrecarga, 250ºC Curto-circuito, Norma específica: NBR Seção mínima: 2,5 mm2 Formação: Multipolar até 25 mm² Unipolar acima de 25 mm² 14

9 Instalação Cabos em canaleta fechada embutida no piso. (Método nº 24 ou 25, ref. B1 ou B2) Cabos em leito. (Método de instalação nº 16, ref. E ou F) Cabos em eletroduto aparente ou embutido em alvenaria. (Método de instalação nº 3, 4, 7 ou 8, ref. B1 ou B2) Cabos unipolares em eletroduto enterrado. (Método de instalação nº 61 ou 61A, ref. D) 5.3 DIMENSIONAMENTO PELA CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE Determinação da Corrente de Projeto A corrente de projeto será determinada pela expressão: Iprojeto = f x In Onde: Iprojeto = corrente de projeto [A]; In = corrente nominal do circuito [A]; f = fator para compensar desequilíbrios de fases e eventuais variações e acréscimos de cargas. Os valores adotados para o fator f são os seguintes: Motores 1,15 Transformadores 1,25 Painéis CA/CC 1,10 Painéis PL Aliment. CA 1, Capacidade de Condução de Corrente dos Cabos A capacidade de condução de corrente requerida para os cabos será determinada pela expressão: Iprojeto IC = [A] K K = F agrup x F ta Onde: Ic Iprojeto F ta F agrup = capacidade de condução de corrente [A]; = corrente de projeto do circuito [A]; = fator de correção de temperatura; = fator de agrupamento. 15

10 As capacidades de condução de corrente dos cabos utilizados, para a temperatura ambiente de 30ºC e de acordo com o tipo de instalação, são dadas pela norma NBR 5410 da ABNT, tabelas 37 e Fator de Correção de Temperatura Ambiente Os fatores de correção de temperatura ambiente (Fta) estão indicados a seguir: Solo (25ºC) 0,96 Ambiente (40ºC) 0, Fator de Agrupamento Os fatores de correção de agrupamento (Fa), utilizados neste projeto estão indicados na Tabela 42 da NBR-5410/ DIMENSIONAMENTO PELA QUEDA DE TENSÃO A máxima queda de tensão entre a origem de instalação e os pontos de consumo serão de, no máximo, 7% em regime. Serão consideradas como origem da instalação: Os terminais do secundário, dos transformadores de /220 V; Os terminais do grupo gerador diesel de emergência; Os terminais do No Break. Os valores parciais de queda de tensão a serem utilizados no projeto estão indicados a seguir. 16

11 5.4.1 Diagrama das Quedas de Tensões Circuitos em Corrente Alternada Dos terminais do transformador de /220 V até o Quadro Geral de Distribuição (QGD) 0,7%; Do Grupo Gerador Diesel (GGD) até o Quadro Geral de Distribuição (QGD): 0,7%; Do Quadro Geral de Distribuição 380/220 V (QGD) até os QL s: 4%; Do Quadro Geral de Distribuição 380/220 V (QGD) até o CCM dos Jato Ventiladores: 0,3%; Do Quadro Geral de Distribuição 380/220 V (QGD) até o No Break: 4,5%; Do No Break até o Painel de Distribuição do No Break (PDN): 0,5%; Dos Quadros QL s 380/220 V até o ponto de consumo suprido diretamente por estes quadros: 2,3%; Do CCM dos Jato Ventiladores até o ponto de consumo suprido diretamente por este: 6,0%; Do Painel de Distribuição do No Break (PDN) até os QF s : 4%; 17

12 Dos QF s até o ponto de consumo suprido diretamente por este: 2,5%; Os valores acima poderão ser alterados, em casos específicos, para atendimento às reais necessidades das diversas cargas Cálculo da Queda de Tensão Para o cálculo de queda de tensão, serão utilizadas as seguintes expressões: U 3 φ = 3. Iprojeto. L. (r. cos ϕ + x. sen ϕ) (circuitos trifásicos) U 1 φ = 2. Iprojeto. L. (r. cos ϕ + x. sen ϕ) (circuitos bifásicos) U% = Upu.I projeto Uref.L.100 Onde: U U% = queda de tensão no circuito [V]; =percentual de queda de tensão; Upu =queda de tensão unitária, para a corrente da 1A e comprimento do circuito de 1 km; Uref = tensão de referência [V]; Iprojeto =corrente de projeto do circuito [A]; L = comprimento do circuito [km]; r = resistência do condutor [ohm/km]; x = reatância do condutor [ohm/km]; ϕ = ângulo, cujo cosseno é o fator de potência da carga. Tabela 37 Capacidade de condução de corrente, em ampères, para os métodos de referência B1, B2 e D Condutores: cobre Isolação: EPR; Temperatura no condutor: 90ºC Valores corrigidos para a temperatura ambiente de 40ºC (ar) e 25ºC (solo) Seções Nominais mm2 2 condutores carregados B1 (Unipolar) (Canaleta/Eletroduto) Métodos de instalação definidos na tabela 33 (NBR 5410) 3 condutores carregados B2 (Multipolar) (Canaleta/Eletroduto) 2 condutores carregados 3 condutores carregados D (Eletroduto Enterrado) 2 condutores carregados 3 condutores carregados (1) (6) (7) (8) (9) (12) (13) 2,

13 Tabela 39 Capacidade de condução de corrente, em ampères, para os métodos de referência E e F Condutores: cobre Isolação: EPR; Temperatura no condutor: 90ºC Valores corrigidos para a temperatura ambiente de 40ºC. Seções Nominais mm2 Métodos de instalação definidos na tabela 33 (NBR 5410) E (Multipolar) F (Unipolar) (Leito para Cabos) (Leito para Cabos) 3 condutores carregados 2 condutores carregados 2 condutores carregados alinhados 3 condutores carregados alinhados (1) (2) (3) (4) (6) 2,

14 Tabela 2 Os valores de resistências e reatâncias dos condutores utilizados são os seguintes: Seção do Condutor [mm 2 ] Resistência do Condutor a 90ºC r [ohm/km] Reatância do Condutor a 90ºC x [ohm/km] 2,5 9,4485 0, ,8783 0, ,9274 0, ,3336 0, ,4666 0, ,9274 0, ,6685 0, ,4939 0, ,3425 0, ,2471 0, ,1965 0, ,1598 0, ,1285 0, ,0990 0,1103 Os valores da queda da tensão unitária [V/A.km] considerados para os alimentadores de força serão calculados para um fator de potência médio de 0,85 e os alimentadores dos painéis de iluminação serão calculados para um fator de potência médio de 0, COORDENAÇÃO ENTRE CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO CONTRA SOBRECORRENTE Deverão ser atendidas as condições de: IB In IZ; e I2 1,45 x IZ Onde: IB = corrente de projeto do circuito (Iprojeto) [A]; In = corrente nominal do dispositivo de proteção ou corrente de ajuste, para os dispositivos ajustáveis [A]; IZ = capacidade de condução de corrente dos condutores, nas condições previstas para sua instalação [A]; 20

15 I2 = corrente convencional de atuação, para disjuntores, ou corrente convencional de fusão, para fusíveis [A]. 5.6 DIMENSIONAMENTO PELO CURTO CIRCUITO O Curto-Circuito na origem dos cabos deverá atender a seguinte expressão: J k².s², ou: Smin = J k Onde: J = integral de Joule que o disjuntor ou fusível deixa passar [A².s]; S = seção do condutor [mm²]; Smin = seção mínima do condutor [mm²] protegido pelo disjuntor ou fusível; k = 143 (condutores de cobre com isolação de EPR). 5.7 RESULTADOS As correntes nominais dos circuitos, as distâncias em metros, os níveis de curto circuito dos painéis e as seções dos cabos verificadas pelos métodos abordados neste relatório estão indicados nas planilhas de cálculo no ANEXO CURTO CIRCUITO DO SISTEMA DE CORRENTE ALTERNADA Neste estudo serão apresentadas as correntes de curto circuito simétrico, trifásico nas barras do Quadro Geral de Distribuição (QGD), Quadros de Iluminação e Tomadas (QL s), CCM e PDN, e demais pontos alimentados pelo quadro QGD, quando supridos pelo sistema de 23,1 kv. Com o objetivo de simplificar os cálculos de curto-circuito e obter valores mais conservativos para os dimensionamentos necessários, adotamos o sistema de 23,1 kv como fonte ideal (barramento infinito), desprezando demais impedâncias do sistema da concessionária de energia local e dos cabos de alimentação em 23,1 kv. 21

16 5.8.1 Diagrama Unifilar Simplificado das Impedâncias Dados do Sistema Transformador de serviços auxiliares Potência nominal: 1250 kva; Z (aproximado): 5%; Relação de transformação: /220 V; X/R (aproximado): 5,59 Contribuição dos Motores De acordo com o IEEE Std , será considerada uma contribuição de motores igual a 50% da potência do transformador de V, na barra de 380 V do QGD. Considerando a potência dos motores utilizados, a impedância sub-transitória adotada será de: Z =28%, relação X/R=6 conforme IEEE Std e IEEE Std A impedância equivalente dos cabos alimentadores do motor equivalente foi considerada nula. Potência nominal: 625 kva; Z (aproximado): 28%; Tensão: 380 V X/R (aproximado): 6 22

17 Cabos de Baixa Tensão Para os cabos de baixa tensão, foram considerados os parâmetros (resistências e reatâncias) conforme tabela Desenvolvimento do Cálculo do Curto Circuito Será considerado que os disjuntores D4, D7 e D8 estarão fechados e os disjuntores D5 e D6 estão abertos. Dados de base Sb= 1250 kva Vb= 380 V Formulário básico Zb = 2 Vb Sb ( Ω) Ib = Sb 3 Vb (ka) Z(%) Z = 100 Sb Snom (pu) Icc 3 = ϕ 1,1 Zeq (pu) Onde Z é a impedância equivalente de sequência positiva, em pu, no trecho considerado. Icc ϕ = Ib Icc3 3 ϕ (ka) Portanto: Ib= 1899,18 A Zb= 0,11552 Ω Impedância do transformador TR-1 (1250 kva, 21,3-0,38/0,22 kv) Z Tr1 = 0, j0,0492 pu Impedância dos cabos de baixa tensão do transformador TR-1 até o QGD Zc 1 = 0, j0, pu ( 30 metros, 7x240 mm 2 ) Impedância de motor equivalente 23

18 Z Meq = 0, j0,56 pu Com as impedâncias acima, obteremos a impedância equivalente no barramento do QGD, considerando a contribuição de motores: Zeq QGD = (Z TR1 + Zc 1 ) // Z Meq Zeq QGD = 0, j0, pu Zeq QGD = 0, (pu) Corrente de curto circuito no barramento do QGD Icc 3 = ϕ 1,1 Zeq QGD (pu) Adotando uma margem de segurança de 10%, temos: Icc Ib Icc 3 3ϕ = ϕ 1,1 Icc 3 = ϕ 46 ka Corrente de curto circuito nos barramento ou circuitos finais Considerando-se os valores de impedância acima descritos e os valores adotados como base, temos as correntes de curto-circuito calculadas de cada barramento ou circuito final, apresentadas na tabela a seguir: QUADRO Icc (ka) QUADRO Icc (ka) QGD 46,00 Servidor DAI 16,44 CCM 43,55 DGO 16,44 No Break 19,29 QF1-CCO 1,12 PDN 11,29 QF2-CCO 1,39 QLN1-norte 2,67 QLN1-sul 1,31 QLN2-norte 0,69 QLN2-sul 1,53 QLN3-norte 0,55 QLN3-sul 0,80 QLN4-norte 0,7 QLN4-sul 0,58 QLN5-norte 0,62 QLN5-sul 0,63 QLN6-norte 0,21 QLN6-sul 0,61 QLD1-norte 0,11 QLN7-sul 0,23 QLD2-norte 0,35 QLD1-sul 0,10 QLD3-norte 0,27 QLD2-sul 0,31 QLD4-norte 0,25 QLD3-sul 0,25 QLD5-norte 0,10 QLD4-sul 0,28 QLNB1-norte 0,15 QLD5-sul 0,10 QLNB2-norte 0,34 QLNB1-sul 0,14 QLNB3-norte 0,27 QLNB2-sul 0,30 QLNB4-norte 0,33 QLNB3-sul 0,33 QLNB5-norte 0,09 QLNB4-sul 0,28 QLNB5-sul 0,09 24

19 6. INTERLIGAÇÃO COM A CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA. Na ocasião adequada de execução das obras, deverá ser encaminhado um Pedido de Estudos para a Concessionária de Energia Elétrica, com o objetivo de confirmar a contratação do fornecimento de energia em Média Tensão (23,1 kv) no montante previsto no projeto, bem como instruir a concessionária sobre o ponto de entrega de energia. Neste projeto, está previsto 2 ramais de entrada, sendo o primeiro ponto de captação de energia (ultimo poste da concessionária) foi colocado no emboque norte do túnel na posição mais adequada ao empreendimento, ou seja, junto ao CCO onde fica próxima da cabine de entrada em Média Tensão e o segundo ponto de captação de energia será no outro extremo do túnel junto ao emboque sul, sendo da Contratada o dever de projetar, fornecer e instalar toda a infra-estrutura e cabos da interligação da rede de 23,1 kv, da CCO até o poste da concessionária. Durante os estudos técnicos da concessionária de energia esta posição do último poste poderá sofrer pequenas variações que não vão afetar as soluções previstas neste projeto e as condições comerciais da concessionária estarão vinculadas às disponibilidades de atendimento de demanda de energia a ser contratada pelo DNIT. 25

20 7. DIMENSIONAMENTO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO Este item tem como objetivo apresentar o dimensionamento do sistema de iluminação normal e essencial do CCO e do Túnel rodoviário Morro Alto, localizado na BR-101, trecho SC/RS-Osório pertencente DNIT. Iluminação Normal Este sistema será destinado a garantir a iluminância de 100 lux médio em toda extensão do túnel, durante o período noturno. No período diurno é previstos no emboque de cada túnel três trechos de acomodação visual, conforme a norma NBR Para o primeiro trecho de 70 m, a iluminância média requerida é de 2700 lux. Para o segundo trecho de 35 m, a iluminância média requerida é de 900 lux. Para o terceiro trecho de 35 m, a iluminância média requerida é de 300 lux. Para o meio do túnel a iluminância média requerida é de 100 lux. Iluminação Essencial Este sistema é destinado à iluminação de emergência, entrando em operação na falta de energia elétrica da concessionária, possuindo como alimentação essencial o Gerador Diesel e o No Break O Gerador Diesel entra em operação na falta de energia elétrica de energia da concessionária, com 50% da iluminação normal sem as luminárias dos trechos de acomodação visual, chegando a uma iluminância média de 50 lux. O No Break, entra em operação após a falta de energia elétrica do Gerador Diesel, com 25% da iluminação normal sem as luminárias dos trechos de acomodação visual, chegando a uma iluminância média de 25 lux. 7.1 TIPOS DE LUMINÁRIAS Tipo A Luminária de embutir no forro modular 625 X 1250 mm para 2 lâmpadas fluorescentes de 32 W cada, para instalação interna, corpo em chapa de aço, refletor e aletas parabólicas em alumínio anodizado de alto brilho. Tipo B Luminária pendente para 2 lâmpadas fluorescente de 32 W cada, com grau de proteção IP-65, corpo em policarbonato e refletor em chapa de aço. Difusor em policarbonato texturizado com acabamento liso. Tipo C Luminária pendente tipo industrial para 2 lâmpadas fluorescente de 32 W cada, corpo em chapa de aço tratada com acabamento em pintura epóxi-pó na cor branca. Refletor em aluminínio anodizado ou chapa especular de alto brilho. 26

21 Alojamento do reator no corpo e instalação em perfilado através de duas suspensões tipo gancho. Tipo D Luminária arandela 45º à prova de tempo, fechada fundido em liga de alumínio para 1 lâmpada a vapor de sódio de 70 W, com grau de proteção IP-66. Tipo E Projetor retangular fechado, corpo em alumínio, para 1 lâmpada a vapor de sódio de 150 W tubular, com pintura epóxi preta, alojamento para equipamentos auxiliares, sistema óptico composto por refletores em alumínio anodizado. Tipo F Projetor retangular fechado, corpo em alumínio, para 1 lâmpada a vapor de sódio de 400 W tubular, com pintura epóxi preta, alojamento para equipamentos auxiliares, sistema óptico composto por refletores em alumínio anodizado. 7.2 NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA As iluminâncias médias mantidas, requeridas no plano de trabalho, estão indicadas na Tabela 2: Tabela 2 Iluminâncias médias requeridas na CCO e Túneis Tipo Áreas Técnicas e Operativas Iluminação Normal do Túnel Área Iluminância média requerida (lux) Tipo de Luminária Sala de MT e BT 350 C Salas dos transformadores 250 D Sala do grupo gerador diesel 250 B CCO 500 A Copa e refeitório 200 C Sanitário e vestiário 150 C Sala de material de limpeza e consumo 200 C Trecho 1 de acomodação 2700 E/F Trecho 2 de acomodação 900 E/F Trecho 3 de acomodação 300 E/F Meio do Túnel / período noturno 100 E Iluminação Diesel 50 E Essencial do Túnel No Break 25 E 7.3 CÁLCULOS LUMINOTÉCNICOS Os cálculos luminotécnicos para as áreas internas serão efetuados pelo método das cavidades zonais, complementado pelo método ponto a ponto e, para as áreas externas, será utilizado apenas o método ponto a ponto. Estes cálculos foram efetuados utilizando-se o programa RELUX, versão professional 2007 da RELUX INFORMATIK AG., que considera a curva de distribuição da luminária empregada e múltiplas reflexões na área em estudo. 27

22 Os cálculos foram realizados utilizando-se os seguintes coeficientes: - reflexão dos tetos de concreto aparente: 30%; - reflexão das paredes de alvenaria revestida: 50%; - reflexão de tetos constituídos de forros falsos: 70%; - reflexão para pisos em geral: 10%; - depreciação: 70%. O plano de trabalho será considerado a 75 cm do piso. Os fluxos luminosos das lâmpadas utilizadas, após 100 (cem) horas de operação, são os seguintes: Lâmpada fluorescente de 32W, tipo TLDRS 32/84: Lâmpada vapor de sódio alta pressão 70W, tipo SON: Lâmpada vapor de sódio alta pressão 150W, tipo SON T: Lâmpada vapor de sódio alta pressão 400W, tipo SON T: lm lm lm lm Obs.: Para lâmpadas fluorescentes e vapor de sódio foram considerados os fluxos luminosos fornecidos pela PHILIPS. 7.4 DEFINIÇÃO DOS CONTROLES POR ÁREA O controle do sistema de iluminação será efetuado da seguinte forma: Os circuitos dos trechos de acomodação visual presente no emboque de cada um dos túneis serão controlados através de fotocélulas instaladas do lado de fora do túnel, para somente ligarem as luminárias no período diurno. Os circuitos do meio do túnel serão controlados por um CLP através do CCO e permanecerão 100% do tempo ligados. 7.5 RESULTADOS As características das luminárias empregadas e o detalhamento dos resultados obtidos para as principais áreas estão apresentados, respectivamente, nos anexos 1 e 2. 28

23 A Tabela 3 apresenta o resumo dos dados obtidos: Tabela 3 Iluminação Túnel Morro Alto e CCO Tipo Áreas Técnicas e Operativas Iluminação Normal do Túnel Área Iluminância média requerida (lux) Iluminância média obtida (lux) Tipo de Luminária Salas de MT e BT C Salas dos transformadores D Sala do grupo gerador diesel B CCO A Trecho 1 de acomodação Trecho 2 de acomodação Trecho 3 de acomodação Meio do Túnel / período noturno E Iluminação Diesel E Essencial do Túnel No Break E Obs: Nos estudos e análises técnicas e econômicas de Sistema de Iluminação Híbrido em todas a extensão do Túnel, foram utilizados luminárias do tipo LED com características técnicas de iluminação correspondentes a 56 W lumens. E F E F E F 29

24 8. ANEXOS 8.1 ANEXO 1 CARACTERÍSITICAS DAS LUMINÁRIAS UTILIZADAS LUMINÁRIA ITAIM DIAGRAMA DE ENCADEAMENTO - LCD 30

25 LUMINÁRIA ITAIM LPT18 - DIAGRAMA DE ENCADEAMENTO - LCD 31

26 LUMINÁRIA PHILIPS SWF ASY - DIAGRAMA DE ENCADEAMENTO - LCD 32

27 LUMINÁRIA PHILIPS SWF ASY - DIAGRAMA DE ENCADEAMENTO - LCD 33

28 LUMINÁRIA PETERCO Y-16/2 - DIAGRAMA DE ENCADEAMENTO - LCD 34

29 8.2 ANEXO 2 FOLHAS DE CÁLCULO - DISTRIBUIÇÃO DAS LUMINÁRIAS CCO 35

30 - RESUMO DOS RESULTADOS CCO 36

31 - TABELA PONTO A PONTO CCO 37

32 - DENSIDADE LUMINOSA 3D CCO 38

33 - DISTRIBUIÇÃO DAS LUMINÁRIAS SALA DO TRAFO 39

34 - RESUMO DOS RESULTADOS SALA DO TRAFO 40

35 - TABELA PONTO A PONTO SALA DO TRAFO 41

36 - DENSIDADE LUMINOSA 3D SALA DO TRAFO 42

37 - DISTRIBUIÇÃO DAS LUMINÁRIAS SALA DO GGD 43

38 - RESUMO DOS RESULTADOS SALA DO GGD 44

39 - TABELA PONTO A PONTO SALA DO GGD 45

40 - DENSIDADE LUMINOSA 3D SALA DO GGD 46

41 - DISTRIBUIÇÃO DAS LUMINÁRIAS SALA MT 47

42 - RESUMO DOS RESULTADOS SALA MT 48

43 - TABELA PONTO A PONTO SALA MT 49

44 - DENSIDADE LUMINOSA 3D SALA MT 50

45 - RESUMO DOS RESULTADOS ZONAS DE ACOMODAÇÃO Primeiro Trecho 51

46 Segundo Trecho 52

47 Terceiro Trecho 53

48 - TABELAS PONTO A PONTO ZONAS DE ACOMODAÇÕES Primeiro Trecho 54

49 Segundo Trecho 55

50 Terceiro Trecho 56

51 - DENSIDADE LUMINOSA 3D ZONAS DE ACOMODAÇÕES Primeiro Trecho Segundo Trecho 57

52 Terceiro Trecho 58

53 - DISTRIBUIÇÃO DAS LUMINÁRIAS MEIO DO TÚNEL / SEMPRE LIGADA 59

54 - RESUMO DOS RESULTADOS MEIO DO TÚNEL / SEMPRE LIGADA 60

55 - TABELA PONTO A PONTO MEIO DO TÚNEL / SEMPRE LIGADA 61

56 - DENSIDADE LUMINOSA 3D MEIO DO TÚNEL / SEMPRE LIGADA 62

57 - DISTRIBUIÇÃO DAS LUMINÁRIAS EMERGÊNCIA / DIESEL 63

58 - RESUMO DOS RESULTADOS EMERGÊNCIA / DIESEL 64

59 - TABELA PONTO A PONTO EMERGÊNCIA / DIESEL 65

60 - DENSIDADE LUMINOSA 3D EMERGÊNCIA / DIESEL 66

61 - DISTRIBUIÇÃO DAS LUMINÁRIAS EMERGÊNCIA / NO BREAK 67

62 - RESUMO DOS RESULTADOS EMERGÊNCIA / NO BREAK 68

63 - TABELA PONTO A PONTO EMERGÊNCIA / NO BREAK 69

64 - DENSIDADE LUMINOSA 3D EMERGÊNCIA / NO BREAK 8.3 ANEXO 3 PLANILHA DE CÁLCULOS Legenda: In - Corrente nominal do circuito; Cosφ - Fator de potência em regime; L - Comprimento do cabo de fase; f - Fator de projeto; K - Fator de agrupamento; Ip - Corrente de projeto; Ic - Corrente de condução requerida para o cabo; Iz - Corrente máxima admissível no cabo, em regime; V - Queda de tensão em regime; DJ - corrente nominal do disjuntor. 70

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S

Í N D I C E D E R E V I S Õ E S D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S Página de 30 PROJETO: Í N D I C E D E R E V I S Õ E S R E V. D E S C R I Ç Ã O E / O U F O L H A S A T I N G I D A S 0 EMISSÃO INICIAL 0 2 3 4 5 6 7 8 DATA 4.05.205 25.08.205 EXECUÇÃO WV WV VERIFICAÇÃO

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados 1 Temperatura característica dos condutores 1 Corrente de curto-circuito no condutor 1 Gráfico das correntes máximas de curto-circuito

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Leonel Rodrigues Gerente de Aplicação de Produto Nexans Product Application Dept. Sep 2014 1 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi Instalações Elétricas Industriais Divisão de Sistemas de Alimentação Faixa de Tensão Elétrica (IE) orrente Alternada - A orrente ontínua- Extra Baixa Tensão: Tensão Inferior à 50 V (A) e 120 V () Baixa

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos.

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos. 8 4.1 Condutores elétricos. 4 LINHAS ELÉTRICAS Os condutores elétricos constituem os principais componentes das linhas elétricas que conduzem eletricidade até as cargas elétricas. Define-se condutor elétrico

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas As instalações e dimensionamentos de fios e cabos elétricos de baixa tensão devem obedecer as recomendações indicadas na NBR 5410/2004. Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Método da capacidade de condução de corrente Roteiro: 1. Calcular a corrente de projeto (I p ) dos circuitos da edificação; 2. Definir parâmetros de instalação

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de instalação número: Esquema ilustrativo Descrição Método de instalação a utilizar para a capacidade de condução de corrente 1 1 1 eletroduto de seção

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES

SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES SUMÁRIO 1. SIMBOLOGIA E CONVENÇÕES 3 2. ESQUEMAS FUNDAMENTAIS DE LIGAÇÕES 6 3. PROJETO 12 3.1. Análise inicial 12 3.2. Caracterização do fornecimento de energia 13 4. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO 14 4.1. Definições

Leia mais

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l Análise da Corrente de Curto - Circuito A Análise da corrente de curto circuito em sistemas de baixa tensão é necessária para dimensionar corretamente a proteção do equipamento (disjuntor de proteção)

Leia mais

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40 1/40 Os valores de capaci dade de condução de correntes constantes das tabelas a seguir, foram calculados de acordo com os critérios estabelecidos pela NBR 11301. Para os cálculos foram consideradas aterradas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PROJETOS ELÉTRICOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PROJETOS ELÉTRICOS CAGECE - COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DO CEARÁ DPC DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE GPROJ GERENCIA DE PROJETOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA PROJETOS ELÉTRICOS TR 00/R3 REVISÃO JAN/2011 APRESENTAÇÃO O presente

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

7 - CORRENTES DE FALTA

7 - CORRENTES DE FALTA 36 7 - CORRENTES DE FALTA Toda instalação elétrica está sujeita a defeitos que proporcionam altas correntes elétricas, as denominadas correntes de falta. Sempre da ocorrência de uma falta, os dispositivos

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGA DE CÁLCULO SUBESTAÇÕES DE 5kV Elaborado por Carlos Alberto Oliveira Júnior Maio 26 ÍNDCE. Obtenção dos dados...2.. Documentos necessários...2.2. Dados necessários...2 2. Cálculo

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 12 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 12.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo apresenta-se os conceitos e as principais etapas para a realização de projetos de instalações elétricas prediais de baixa tensão (até 1000 V), monofásicos

Leia mais

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Dimensionamento de condutores Tipos de Condutores Condutores isolados Condutores unipolar Condutores multipolar Critérios para dimensionamento:

Leia mais

PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores, Eletrodutos e Proteção

PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores, Eletrodutos e Proteção INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS JOÃO PESSOA CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA DUSPIPLINA: PIEP PROF.: KALINA MEDEIROS PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores,

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA CLIENTE: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS- DR/PE CNPJ 34.028.316/0021-57 LOCAL: AVENIDA GUARARAPES Nº250-SANTO ANTÕNIO RECIFE-PE.

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Manual Técnico Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Líder Mundial na Indústria de Cabos Com a energia como base de seu desenvolvimento, a Nexans é a líder mundial na indústria de cabos,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor 50 Apoio Manutenção elétrica industrial Capítulo XII Procedimentos de manutenção para economia de energia Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Um programa bem elaborado de manutenção é um ponto

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS

DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT.......................188 Capacidade de condução: o que diz a norma..........................................189 Cálculos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

TABELA 1 Os métodos de referência são os de instalação indicados na NBR - 5410

TABELA 1 Os métodos de referência são os de instalação indicados na NBR - 5410 CAPACIAE E CONUÇÃO E CORRENTE PARA CABO E BAIXA TENÃO O dimensionamento de uma instalação elétrica alimentada sob tensão nominal igual ou inferior a 00V, em corrente alternada é a 0V em corrente contínua,

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Projeto de instalação de sistemas UPS

Projeto de instalação de sistemas UPS 22 Capítulo IX Projeto de instalação de sistemas UPS Por Luis Tossi e Azarias Macedo Júnior* Neste capítulo, abordaremos os aspectos relacionados ao projeto de sistemas UPS. Trataremos de forma separada

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR Tel.: (021) 2583 6737 Fax.: (021) 2583 6737 Cel.: (021) 9159 4057 dsp@dsp-rj.com.br 1 / 9 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2- NORMAS APLICÁVEIS...

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores

Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores Proteção contra sobrecorrentes e dimensionamento dos condutores 1 Norma técnica...03 1.1 ABNT...03 1.2 Avaliação da conformidade...03 2 Legislação...03

Leia mais

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG.

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG. ÍNDICE 1. OBJETIVO...2 2. RESPONSABILIDADES...2 3. CONCEITUAÇÃO...2 3.1 CAPACITOR...2 3.2 CARGAS NÃO LINEARES...2 3.3 BANCO CAPACITIVO...2 3.4 CARGA INSTALADA...2 3.5 POTÊNCIA ATIVA...2 3.6 POTÊNCIA...2

Leia mais

BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 )

BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Pág. 1 Memorial de Cálculo: Instalações elétricas Cliente: Unidade: Assunto: BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Código do

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Projeto Elétrico. Sistema de Abastecimento de Água. Volume III. Rede de Água do Residencial Minha Casa. Minha Vida - Pacatuba/CE

Projeto Elétrico. Sistema de Abastecimento de Água. Volume III. Rede de Água do Residencial Minha Casa. Minha Vida - Pacatuba/CE Projeto Elétrico Volume III Sistema de Abastecimento de Água Rede de Água do Residencial Minha Casa Minha Vida - Pacatuba/CE Outubro / 2012 1 I. Apresentação 4 Dados da Obra 5 Localização da Obra 5 Estrutura

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Memorial de Cálculo para Projetos de Instalações Elétricas

Memorial de Cálculo para Projetos de Instalações Elétricas ANEXO II Memórial de Cálculo Instalações Elétricas Rev.0 (11/02/2010) Pág. 1 Banco de Brasília Agência Cuiabá Novas Instalações Memorial de Cálculo para Projetos de Instalações Elétricas Brasília, 23 de

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento técnico baixa tensão Seção mínima Capacidade

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OBRA: C.M.E.I TIA JOVITA LOCAL: RUA PARACATU C/ RUA 4 C/ AVENIDA CRUZEIRO DO SUL - VILA PEDROSO. GOIÂNIA / GO. 1 1.0 - MEMORIAL DESCRITIVO.

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO. Fornecimento de Energia Elétrica Nos banheiros deverão ser instalados um disjuntor bifásico no quadro de energia existente de cada quadrante conforme projeto. Deste quadro sairá a alimentação para os banheiros.

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL

1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL 1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL Um Projeto Elétrico é a previsão escrita da instalação, com todos os seus detalhes, localização dos pontos de utilização da energia elétrica, comandos, trajeto dos condutores,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 041/2010 EM REVISÃO Inspeção Visual em Instalações Elétricas de Baixa

Leia mais